I Seminário sobre Design e Gemologia de Pedras, Gemas e Jóias do Rio Grande do Sul Soledade, RS 06 a 08/05/2009.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I Seminário sobre Design e Gemologia de Pedras, Gemas e Jóias do Rio Grande do Sul Soledade, RS 06 a 08/05/2009. http://www.upf."

Transcrição

1 I Seminário sobre Design e Gemologia de Pedras, Gemas e Jóias do Rio Grande do Sul Soledade, RS 06 a 08/05/ BPLATAFORMAS COMPUTADORIZADAS APLICADAS AO PROCESSO DE LAPIDAÇÃO DE RESÍDUOS DE MINERAÇÃO: ESTUDO DE CASO DE LAPIDAÇÃO DIFERENCIADA E APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE FELDSPATO DA CIDADE DE CORONEL MURTA - VALE DO JEQUITINHONHA. Edson Silva Xavier 1 ; Maria Bernadete Teixeira 2 ; Adriano Aguiar Mol 3 ; Mara guerra 4 1 UEMG ; 2 UEMG ; 3 UEMG ; 4 UEMG Resumo: O avanço da computação gráfica, principalmente das plataformas de modelagem tridimensional também é notável em áreas que utilizam processos de produção milenares. O setor produtivo joalheiro vem demonstrando que a aplicação de ferramentas computacionais de última geração, aliada a processos tradicionais, tais como fundição e lapidação de gemas, pode resultar em avanços no processo criativo e de manufatura de produtos joalheiros. O artigo aborda o potencial de aplicação das ferramentas CAD (Computer Aided Design), CAM (Computer Aided Manufacturing), CAE (Computer Aided Engineering), CAID (Computer Aided Industrial Design) na lapidação diferenciada de resíduos de mineração. Explana as possibilidades da aplicação de novas tecnologias no desenvolvimento de novos produtos e processos de manufatura de resíduos minerais. E como sua aplicação foi usada para motivar o desenvolvimento econômico e social da cidade de Coronel Murta na região do vale do Jequitinhonha. Como no Caso da linha de anéis com lapidação diferenciada denominada EXPEDIÇÃO. Palavras-Chave: Computer Aided( CAD,CAM,CAE,CAID); Engenharia de produção; Design de gemas e jóias; Eco Design e Sustentabilidade. Abstract :The advancement of computer graphics, particularly three-dimensional modeling of platforms is also notable in areas that use production processes millenary. The jewelry manufacturing industry is showing that the application of computational tools of last generation, combined with traditional processes, such as casting and cutting of stones, can result in progress in the creative process and manufacturing of products jewelers. The article discusses the potential application tools of CAD (Computer Aided Design), CAM (Computer Aided Manufacturing), CAE (Computer Aided Engineering), CAID (Computer Aided Industrial Design) in differentiated stoning of waste mining. Explained the possibilities of applying new technologies in developing new products and processes for manufacture of mineral waste. And as its application was used to motivate the economic and social development of the city of Coronel Murta in the Jequitinhonha Valley. If the line of cutting rings with differentiated called EXPEDIÇÃO. Keywords: Computer Aided( CAD,CAM,CAE,CAID), Production engineering, design gems and jewelry; Eco Design and Sustainability.

2 1. Introdução Este artigo resulta de projetos de inclusão do design de gemas e jóias no setor joalheiro na região do Vale do Jequitinhonha, cidades de Araçuaí, Coronel Murta, Teófilo Otoni e Belo Horizonte realizados pelo CEDGEM UEMG. O projeto Da Gema realizado pelo CMD, Centro Minas Design, num programa de atuação setorial. Com duração de seis meses, compostos por mestres e designers alunos do curso de Pós - graduação em Design de Gemas e Jóias Da UEMG, Universidade do Estado de Minas Gerais, e contemplando 20 empresas da região, gerou projetos de produtos e protótipos apresentados à secretária de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Estado de Minas Gerais em 11 de Dezembro de Aborda a continuação da atuação da Universidade do Estado de Minas Gerais, UEMG, com apoio da FAPEMIG e do Centro de Estudos em Design de Gemas e Jóias CEDGEM_UEMG na região do Vale Do Jequitinhonha e na cidade de Coronel Murta. Buscando a identificação da vocação, o treinamento de mão de obra local e estruturação instrumental e laboratorial da Associação de Garimpeiros de Coronel Murta e médio Jequitinhonha. Resultou em uma linha de produtos específicos, para cada empresa atendida pelo projeto e, em pedidos de registro de desenho industrial e aperfeiçoamento de patentes de equipamentos. Porém o foco principal deste artigo é aplicação da ferramenta CAE no contexto de abordagem do projeto e seus potenciais dentro da lapidação de resíduos minerais: que resultou na linha expedição ganhadora do 1 Prêmio Minas Design, na categoria resíduos profissional. Linha esta que visa ser uma continuação da linha base de projeto, conceito e treinamento de mão de obra qualificada a atuar no Laboratório de Lapidação e Artefatos Minerais da cidade de Coronel Murta, Vale do Jequitinhonha. Laboratório este implantado na fase de identificação de vocação e estruturação instrumental, com apoio da FAPEMIG, e do CEDGEM-UEMG; em projeto anterior ao projeto Da Gema. 1B2. Metodologia O método de trabalho proposto para o projeto e para os designers bolsistas foi baseado em metodologias já aplicadas em projetos de pesquisas desenvolvidos pelo Centro de Estudos e Pesquisas em Design de Gemas e Jóias CEDGEM- UEMG. Que consistiu na revisão bibliográfica, levantamento, estudo e domínio das ferramentas aplicadas ao desenvolvimento de lapidação com auxilio de ferramentas CAD, CAM e CAE visando sua aplicação à Concepção de Produtos de Joalheria. Para atingir os objetivos do projeto e o desenvolvimento de uma capacidade crítica dos designers bolsistas, a metodologia foi baseada no Modelo adotado por: XAVIER, S. TEIXEIRA, S. LANA, S, 2008 Modelos Matemáticos Tridimensionais Aplicados à Concepção de Produtos de Joalheria: Seminário de pesquisa e extensão da UEMG, novembro Doc E por se tratar de um APL, foi reestruturado nas seguintes etapas: Elucidação Teórica Buscou - se informação a respeitos das variáveis que compunham o campo de conhecimento teórico e técnico necessário no desenvolvimento de lapidações diferenciadas com auxilio de ferramentas computacionais. Conhecimentos tais como tipo de maquinário necessário, ferramentas computacionais gráficas aplicáveis, características da matéria prima e seus processos de manufatura, possibilidades de aplicação dessas tecnologias pela região e empresas envolvidas. Histórico de aplicação dessa tecnologia de desenvolvimento aberto recente. Isto possibilitou conhecimento das dimensões do projeto dos produtos. Levantamento Dos Dados. Nesta fase foram coletados os dados, estudos buscando um nivelamento teórico dos conceitos básicos mínimos, das respectivas áreas relacionadas e envolvidas no projeto tais como; engenharia de materiais, design de produtos, design gráfico, engenharia de produção, lapidação de gemas e artefatos minerais e reconhecimento e aprendizado da cultura, identidade local e sua iconografia. Esses dados importantes para o desenvolvimento da linha de produtos são resultado de pesquisa maior realizada por toda a equipe envolvida no projeto setorial Da Gema. Todos os testes laboratoriais citados abaixo foram realizados no CEDGEM UEMG e em seus laboratórios, laboratório de prototipagem rápida (PROLAB) e laboratório de lapidação. Testes Laboratoriais: 1 Teste de manipulação das geometrias, modelagem matemática, obtidas na etapa de levantamento iconográfico, buscando estabelecer critérios para controlar a geometria dos sólidos desenvolvidos. Desenvolvimento matemático e

3 imagens foto realísticas com auxilio de programas CAD, CAID que permitem uma simulação das propriedades óticas e estéticas das lapidações (produto). 2 Avaliação e testes a partir dos sólidos desenvolvidos junto ao laboratório de prototipagem PROLAB-CEDGEM- UEMG, para primeiro contato físico com as formas desenvolvidas com auxilio de ferramentas CAD. 3 Avaliação e testes a partir dos modelos prototipados para análise da viabilidade técnica e de lapidação, bem como acabamento final das peças, simulação da usinagem via programas CAE e lapidação dos produtos via CAM. 4 Interpretação dos dados e soluções. Análise dos dados obtidos ao longo da pesquisa para determinar se os resultados podem ser aproveitados pela indústria joalheira, levando-se em conta os recursos tecnológicos e humanos que envolvem o processo. Atividades realizadas: Levantamento do estado da arte, estado tecnológico; revisão bibliográfica e fichamento dos textos, artigos, capítulos de livros selecionados, julgados pertinentes ao trabalho. Levantamento de softwares CAD, CAM, CAE, CAID e de maquinário de capital humano necessário para a pesquisa e desenvolvimento dos produtos (lapidações), análise dos mesmos gerando um quadro comparativo com pontos necessários para o projeto. Simulação da lapidação via software (s) escolhido(s); Estudo das características gemológicas e óticas, do feldspato enquanto material lapidado; Concepção dos primeiros modelos matemáticos tridimensionais; Fechamento da linha de lapidação segundo briefing e estudos em pareceria com empresas de Coronel Murta, realizados no projeto Da Gema. 3. Aplicação de Plataformas Computadorizadas, CAD, CAM, CAE, no Segmento de Resíduos e Artefatos Minerais: A implantação e o uso de plataformas computadorizadas em empresas de grande e médio porte ainda se dão de maneira lenta e gradativa. A necessidade de melhoria continua de produtos: aumento da qualidade, diminuição do tempo de desenvolvimento e do ciclo de vida de produto e principalmente o fator custo vem motivando essa implantação. Na joalheria o uso de tais recursos já é uma realidade tão consolidada que varias empresas utilizam prototipagem rápida, que é um sistema de sinterização com uso de resina, da geometria obtida com auxilio da geometria matemática do modelo, o arquivo 3D. Mas quando o assunto é lapidação de gemas ou resíduos minerais essas tecnologias ainda são raramente exploradas no Brasil. O processo ainda é manual e depende única e exclusivamente da capacidade e habilidade do lapidário. Existe um estudo, da UNIVATES em parceria com empresas do Rio Grande do Sul, sobre a lapidação de pedras facetadas, que já está em estágio experimental, utilizando as máquinas CNC (Comando Numérico Computadorizado) e sistemas CAM. Mas como não se encontra no mercado brasileiro, disponível para comercialização, nenhum equipamento CNC específico, que realize a lapidação via sistema CAM de gemas, resíduos minerais, proporcionando lapidação facetada ou formas orgânicas. Todo o estudo foi realizado com equipamentos oriundo dos setores metal mecânico, e, usando ferramentas destinadas a lapidação de metais. Utilizou se tabelas dos fabricantes de ferramentas de corte, testes laboratoriais, e pesquisa em áreas similares para que se pudesse estimar uma ferramenta que obtivesse desempenho satisfatório também em minerais.

4 Figura 1: Usinagem de imagem em feldspato usando centro de usinagem, de pequeno porte, destinado ao setor metal mecânico. Digital Stone Project, Mercerville, NJ, USA Os testes demonstraram que a lapidação com auxílio de máquinas de comando numérico, de uso metal mecânicos atende as necessidades do setor de lapidação de resíduos minerais. Por possuírem custo acessível e uma gama enorme de tamanho de maquinário. Tais como exemplos citados na figura 2. Também demonstram a necessidade de uma abordagem e estudo específico de maquinários para o setor de lapidação de gemas e minerais. Figura 2. Usinagem de imagem em feldspato usando centro de usinagem, de grande porte, destinado ao setor metal mecânico. Digital Stone Project, Mercerville, NJ, USA 2B4. Testes de Simulação de Lapidação Diferenciada Com Auxílio de Ferramentas CAD (Computer Aided Design) e CAM ( Computer Aided Manufacturing). A simulação do processo de lapidação de formas orgânicas com ferramentas de projeto assistido por computador, CAM permite que se obtenha uma previa do produto final sem a necessidade de gastar a gema ou mineral em questão. Possibilita um estudo do melhor aproveitamento do mineral ou gema. Fornecem dados sobre áreas que se tornam mais frágeis devido à geometria da peça, ou se o mineral possui, ou não, possibilidade de executar tal forma. A figura 3 mostra a lapidação feita com ferramenta CAD e sua simulação de corte com ferramenta CAM e o erro obtido na simulação da amostra escaneada. O mineral não tem geometria suficiente para se executar tal lapidação.

5 Figura 3. Simulação virtual da lapidação, constatação de erro e lapidação final do produto. Digital Stone Project, Mercerville, NJ, USA Com o domínio dessa tecnologia e capacidade de simular geometrias lapidáveis começou a etapa de desenvolvimento da linha expedição. Que tem como objetivo acadêmico a comprovação da aplicação de ferramentas computadorizada no desenvolvimento de produtos de alta qualidade utilizando resíduo como matéria prima. 3B5. Testes de Simulação de Lapidação Diferenciada com Auxílio de Ferramentas CAE (Computer Aided engineering) e CAID ( Computer Aided Industrial Design). Com ajuda das ferramentas CAE, conseguimos avaliar os pontos mais frágeis das geometrias, seu volume, peso, área de superfície tempo de lapidação. Além da possibilidade de fomentar o banco de dados e análise com características relativas ao material. Possibilitando até mesmo simular o comportamento da sua estrutura após lapidação. Figura 4. Modelagem matemática e Simulações realizadas na linha expedição. Fonte: CEDGEM UEMG A ferramenta CAID possibilita a simulação de características sensoriais do objeto tais como: cor, acabamento superficial, reflexão luz sobre suas superfícies, dispersão da luz, reflexão e todos os parâmetros óticos que só seriam possíveis com a fabricação do produto. Figura 5. Render: Simulações foto realística das propriedades óticas da linha expedição. Fonte: CEDGEM UEMG

6 A ferramenta CAID que gerou as imagens da Figura 4 possui simuladores de física real que fornecem com fidelidade todos os parâmetros óticos do material, no caso das imagens, feldspato e cristais de quartzo lapidados, possibilitando prever se a lapidação terá grande apelo estético e suas qualidades óticas otimizadas. 6. Resultados Obtidos Constatação da possibilidade de utilizar ferramentas computacionais no processo de lapidação de resíduos minerais diversos; Constatação da possibilidade de encontrar a maior quilate (ct) de uma determinada amostra; Constatação da possível avaliação se determinada amostra pode contemplar determinado projeto de lapidação através da análise CAE do modelo digital da amostra mineral; Constatar a possibilidade de utilização de maquinário de comando numérico computadorizado (CNC) e de softwares CAM existentes poderem executar lapidação de gemas e resíduos minerais diversos. Comprovando a viabilidade de pesquisas e investimentos no desenvolvimento de maquinário específico para indústria joalheira; Simular uma linha de anéis de lapidação diferenciada que utiliza material considerado como resíduo; Simular a utilização consciente de material considerado resíduo e assim aumentar seu valor comercial; Simular todo o comportamento ótico, estético, técnico de material considerado resíduo (resto da extração de feldspato) dentro de um conceito que visa o desenvolvimento técnico instrumental e social da cidade de coronel murta; Simular o resultado da lapidação, sem a necessidade de correr o risco de queimar a amostrar, perder por erro ou dano o valor da gema, utilizando ferramentas CAID e CAD; Figura 6. Fotos linha EXPEDIÇÃO de anéis com lapidação diferenciada utilizando resíduos de feldspato. Fonte: CEDGEM 7. Conclusão A partir dos testes e pesquisas realizados a cerca da utilização de ferramentas computacionais no setor joalheiro podemos confirmar a hipótese da importância das ferramentas CAM (Computer Aided Manufacturing), CAD (Computer Aided Design), CAE (Computer Aided Enngineering), CAID (Computer Aided Industrial Design) Aplicadas ao Processo de Lapidação de resíduos de mineração. Desenvolvendo produtos que comprovam essas melhorias de processos, desenvolvimento e fabricação de produtos joalheiros. Os testes mostraram que a lapidação com auxilio de ferramentas CAD, CAM, CAE, CAID diminuem o risco de lapidar gemas e artefatos minerais, pois possibilitam simular a execução da atividade e criar um plano de execução da mesma. O uso do CAE (Computer Aided engineering) e CAM (Computer Aided Manufacturing) agrega, além de novas possibilidades formais, novos métodos de análise da amostra mineral que será utilizada. Fornecendo ao profissional responsável pela lapidação parâmetros para escolha do melhor método de executar a atividade. Demonstrando assim a importância do estudo e aplicação de novas tecnologias no desenvolvimento econômico, social e de políticas de sustentabilidade para o uso dos recursos minerais e dos seus resíduos. 8. Referências bibliográficas HUSEMANN, R. ; SCHAEFFER, Robson Dagmar ; GASPARINI, G. ; TIGGEMANN, H.. Aperfeiçoamento do projeto de uma máquina de Facetamento de Gemas Semi - preciosas na Univates. In: II Workshop de Engenharia e Tecnologia - WET, 2006, Lajeado, RS. Anais do IV SICOMPI e II WET, v. 1.

7 MOL, A.A; DIAS, J.O, Estudo da valorização das gemas através do design de lapidação.2008: P&D 2008 Oitavo congresso de brasileiro de Pesquisa & Desenvolvimento em Design. CRICHIGNO FILHO, J. M. ; TEIXEIRA, Cleiton Rodrigues. Simulando a Capacibilidade do Processo na Usinagem. Máquinas e Metais, 2003 FOLETTO, C. B. G. ; ETCHEPARE, H. D.. Estudo da Inovação e Diferenciação no Design de Jóias, Lapidação e Tecnologia para Gemas e Coradas Gaúchas. In: 4 Congresso Internacional de Pesquisa em Design, 2006, Rio de Janeiro - RJ. Anais 4 Congresso Internacional de Pesquisa em Design, MARTINS FILHO, L. S. ; MOL, A. A. ; ROCHA, R.. Desenvolvimento de ferramenta computacional para auxílio ao projeto de gemas lapidadas. Revista da Escola de Minas, v. 58, p , 2005.

I Seminário sobre Design e Gemologia de Pedras, Gemas e Jóias do Rio Grande do Sul Soledade, RS 06 a 08/05/2009. http://www.upf.

I Seminário sobre Design e Gemologia de Pedras, Gemas e Jóias do Rio Grande do Sul Soledade, RS 06 a 08/05/2009. http://www.upf. I Seminário sobre Design e Gemologia de Pedras, Gemas e Jóias do Rio Grande do Sul Soledade, RS 06 a 08/05/2009. http://www.upf.br/ctpedras/sdgem NANO MOINHO: PROJETO E PESQUISA DE NOVOS EQUIPAMENTOS PARA

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE TECNOLOGIAS NA FUNDIÇÃO SIMULADA DE JÓIAS DE OURO. Estudante de Design de Produto da Escola de Design Campus de Belo Horizonte (UEMG)

INTEGRAÇÃO DE TECNOLOGIAS NA FUNDIÇÃO SIMULADA DE JÓIAS DE OURO. Estudante de Design de Produto da Escola de Design Campus de Belo Horizonte (UEMG) INTEGRAÇÃO DE TECNOLOGIAS NA FUNDIÇÃO SIMULADA DE JÓIAS DE OURO AMORIM, Wadson Gomes 1 ; TEIXEIRA, Maria Bernadete Santos 2 1 Estudante de Design de Produto da Escola de Design Campus de Belo Horizonte

Leia mais

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante)

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM Autor(es) ANDRE BERTIE PIVETTA Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ 1. Introdução

Leia mais

A Contribuição da Tecnologia nos Processos de Criação e Produção de Jóias

A Contribuição da Tecnologia nos Processos de Criação e Produção de Jóias A Contribuição da Tecnologia nos Processos de Criação e Produção de Jóias The Contribution of Technology in the Process of Creation and Production of Jewelry Takamitsu, Helen Tatiana; Mestranda; Universidade

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

MODELAGEM BIOCAD DE PRÓTESE DENTÁRIA IMPLANTO-MUCO-SUPORTADA EM MANDÍBULA

MODELAGEM BIOCAD DE PRÓTESE DENTÁRIA IMPLANTO-MUCO-SUPORTADA EM MANDÍBULA MODELAGEM BIOCAD DE PRÓTESE DENTÁRIA IMPLANTO-MUCO-SUPORTADA EM MANDÍBULA Alexandre B. Travassos 1 ; Jorge V. L. da Silva 1 ; Mônica N. Pigozzo 2 1 - Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer -

Leia mais

DESENHO TÉCNICO AULA 01

DESENHO TÉCNICO AULA 01 DESENHO TÉCNICO AULA 01 INTRODUÇÃO Computação Gráfica A computação gráfica é a área da ciência da computação que estuda a transformação dos dados em imagem. Esta aplicação estende-se à recriação visual

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA Rafael R. Silva¹, João P. T. Lottermann¹, Mateus Rodrigues Miranda², Maria Alzira A. Nunes² e Rita de Cássia Silva² ¹UnB, Universidade de Brasília, Curso

Leia mais

POLOS DE INOVAÇÃO Institutos Federais Brasília, junho de 2013

POLOS DE INOVAÇÃO Institutos Federais Brasília, junho de 2013 Ministério da Educação POLOS DE INOVAÇÃO Institutos Federais Brasília, junho de 2013 ATIVIDADE ECONÔMICA (organizações empresariais e comunitárias) IMPACTOS: PD&I Aumento da competitividade industrial

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval Automação Industrial Indústria O Tecnólogo em Automação Industrial é um profissional a serviço da modernização das técnicas de produção utilizadas no setor industrial, atuando na execução de projetos,

Leia mais

A MODELAGEM 3D DIGITAL DE JOIAS E O PROCESSO DE PROTOTIPAGEM RÁPIDA

A MODELAGEM 3D DIGITAL DE JOIAS E O PROCESSO DE PROTOTIPAGEM RÁPIDA A MODELAGEM 3D DIGITAL DE JOIAS E O PROCESSO DE PROTOTIPAGEM RÁPIDA Claudia Regina Batista UFSC, Departamento de Expressão Gráfica claudia.batista@ufsc.br Resumo Este artigo apresenta o Estado da Arte

Leia mais

INICIAÇÃO Revista Eletrônica de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística

INICIAÇÃO Revista Eletrônica de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística HOLOFACE Programação de Simulação de Interfaces Interativas Aluno: Leandro Santos Castilho 1 Orientador: Romero Tori 2 Linha de Pesquisa: Ambientes Interativos Projeto: Livro 3D Resumo Os conceitos de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO

DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO PROJETO DESAFIO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO Prof. CARLOS HENRIQUE LAGEMANN Prof. PAULO FERNANDO SALVADOR Prof. RONALDO CESAR TREMARIN Bolsista Diandra Tainá Rockenbach emc@univates.br

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias. Parcerias tecnológicas, treinamentos e licenciamentos

Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias. Parcerias tecnológicas, treinamentos e licenciamentos Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias Parcerias tecnológicas, treinamentos e licenciamentos Soluções Autodesk na ENG AutoCAD 2010 - o software AutoCAD para arquitetos. Criação, coordenação e colaboração

Leia mais

Tecnologias CAx na Manufatura. Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais

Tecnologias CAx na Manufatura. Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais Tecnologias CAx na Manufatura Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais Tecnologias CAx Conteúdo: Conceito de tecnologia CAx Evolução das tecnologias CAx Sistemas CAD/CAE/CAPP/CAM/CAI

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE CMP1280/CMP1250 Prof. Me. Fábio Assunção Introdução à Engenharia de Software SOFTWARE Programa de computador acompanhado dos dados de documentação e configuração

Leia mais

Aula 08. Modelos e Simulação

Aula 08. Modelos e Simulação Modelos e Simulação 8.1 Aula 08 Modelos e Simulação Walter Antônio Bazzo e Luiz Teixeira do Vale Pereira, Introdução a Engenharia Conceitos, Ferramentas e Comportamentos, Capítulo 7: Modelos e Simulação

Leia mais

Desenvolvimento de produtos eletroeletrônicos utilizando ferramentas CAD/CAE/CAM

Desenvolvimento de produtos eletroeletrônicos utilizando ferramentas CAD/CAE/CAM Desenvolvimento de produtos eletroeletrônicos utilizando ferramentas CAD/CAE/CAM *Edson Tadashi Nakamura (UFAM/GENIUS) cpg.ftecnologia@ufam.edu.br *José Jorge Marinho Aucar Júnior (UFAM/GENIUS) cpg.ftecnologia@ufam.edu.br

Leia mais

Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias

Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias SP I PR I DF Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias Parcerias tecnológicas, treinamentos e licenciamentos Soluções Autodesk na ENG Revit 2011 - o software para projetos de edificações para agora

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 6ª Série Controle Integrado de Manufatura CST em Mecatrônica Industrial A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMPUTER AIDED ENGINEERING - CAE FABIANO RAMOS DOS SANTOS SERGIO DA COSTA FERREIRA

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES junho / 2003 Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos

Leia mais

O Engenheiro de Controle e Automação é um profissional capacitado para desenvolver soluções que otimizem máquinas, equipamentos e sistemas nas áreas

O Engenheiro de Controle e Automação é um profissional capacitado para desenvolver soluções que otimizem máquinas, equipamentos e sistemas nas áreas O Engenheiro de Controle e Automação é um profissional capacitado para desenvolver soluções que otimizem máquinas, equipamentos e sistemas nas áreas industrial, comercial e agropecuária por meio da aplicação

Leia mais

SENAI - ALIMENTOS E BEBIDAS - BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO - RDC 216 ME EPP 80,00 CURSO

SENAI - ALIMENTOS E BEBIDAS - BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO - RDC 216 ME EPP 80,00 CURSO FORMATO EVENTO SINOPSE PÚBLICO CARGA- HORÁRIA PREÇO SENAI - ALIMENTOS E BEBIDAS - BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO - RDC 216 80,00 SENAI - AUTOMOTIVO - MECÂNICO DE TRANSMISSÃO AUTOMÁTICA 120

Leia mais

Prof. Marcelo Henrique dos Santos

Prof. Marcelo Henrique dos Santos POR QUE ESTUDAR COMPUTAÇÃO GRÁFICA? Quem quiser trabalhar em áreas afins: Entretenimento Jogos e filmes Visualização Simulação de fenômenos físicos Arte computadorizada Educação e treinamento Processamento

Leia mais

Gestão: 2012 a 2016 Diretora: Jacqueline Ávila Ribeiro Mota Vice-Diretora: Simone Maria Brandão Marques de Abreu

Gestão: 2012 a 2016 Diretora: Jacqueline Ávila Ribeiro Mota Vice-Diretora: Simone Maria Brandão Marques de Abreu PLANO DE TRABALHO ESCOLA DE DESIGN UEMG Gestão: 2012 a 2016 Diretora: Jacqueline Ávila Ribeiro Mota Vice-Diretora: Simone Maria Brandão Marques de Abreu Introdução: A Escola de Design da UEMG, cuja experiência

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA: DIFERENTES TECNOLOGIAS NA ESCOLA

REALIDADE AUMENTADA: DIFERENTES TECNOLOGIAS NA ESCOLA 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA REALIDADE AUMENTADA: DIFERENTES

Leia mais

Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Introdução à Engenharia de Controle e Automação Introdução à Engenharia de Controle e Automação O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO DA FACIT Renato Dourado Maia Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes

Leia mais

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO 1 Paulo Bastos Tigre Professor titular Instituto de Economia da UFRJ Seminário Implementando uma cultura de inovação em P&D. São Paulo, 8 julho 2010 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO Conceitos de inovação

Leia mais

EDITAL PIBIC / CNPq/ UFF 2014/2015

EDITAL PIBIC / CNPq/ UFF 2014/2015 EDITAL PIBIC / CNPq/ UFF 2014/2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA A Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação PROPPI torna públicas as normas para apresentação de propostas

Leia mais

EXPLORAÇÃO DA FRESA 3D PARA INOVAÇÃO DO DESIGN DE JOIAS O DESENHO DIGITAL 3D

EXPLORAÇÃO DA FRESA 3D PARA INOVAÇÃO DO DESIGN DE JOIAS O DESENHO DIGITAL 3D EXPLORAÇÃO DA FRESA 3D PARA INOVAÇÃO DO DESIGN DE JOIAS O DESENHO DIGITAL 3D Aluno: Fernanda Coelho Dreilich Orientador: Cláudio Magalhães Sumário 1. Introdução:... 3 2. Objetivos... 4 3. Metodologia...

Leia mais

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC O Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC, compõe-se por um conjunto de institutos de inovação e institutos de tecnologia capazes

Leia mais

3. Como são classificadas as diversas técnicas de prototipagem rápida?

3. Como são classificadas as diversas técnicas de prototipagem rápida? PROTOTIPAGEM RÁPIDA 1. Introdução Fabricação de protótipos em curto espaço de tempo (horas ou dias contra dias ou meses anteriormente necessários) Protótipo: - modelo em escala real de peças ou produtos

Leia mais

PITÁGORAS JUNDIAÍ - 2012-2

PITÁGORAS JUNDIAÍ - 2012-2 PITÁGORAS JUNDIAÍ - 2012-2 CONTEUDO -Conceitos; -Apresentação do software gráfico; -Configuração do ambiente de trabalho; -Traçados Básicos; -Desenhos de primitivas geométricas planas; CONTEUDO -Comandos

Leia mais

Ensino de Programação nas Escolas Públicas: Criando. Novos Gênios

Ensino de Programação nas Escolas Públicas: Criando. Novos Gênios Ensino de Programação nas Escolas Públicas: Criando Novos Gênios BELIZARIO, B. N; AFONSO JUNIOR, O. P; OLIVEIRA, J. V. S; 1 Ensino de Programação nas Escolas Públicas: Criando Novos Gênios Orlando Pereira

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Treinamentos profissionalizantes: Formação Fábrica Digital e PLM

Treinamentos profissionalizantes: Formação Fábrica Digital e PLM O DMS (Digital Manufatcturing and Simulation) é um grupo de pesquisas com foco em PLM (Product Lifecycle Management), Manufatura Digital e Simulação para sistemas de manufatura e produção. Faz parte do

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações Universidade Estácio de Sá Informática e Telecomunicações A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

Volume 01. A impressão 3D. Tecnologias de impressão 3D Formatos Softwares. Volume - 01

Volume 01. A impressão 3D. Tecnologias de impressão 3D Formatos Softwares. Volume - 01 Volume 01 A impressão 3D Tecnologias de impressão 3D Formatos Softwares Volume - 01 O que você irá ler. Iremos aprender aqui de uma forma clara e objetiva as principais tecnologias de impressão 3D, aqui

Leia mais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais UNIPLAC fabiterezo@hotmail.com 1. Introdução Com o advento dos computadores, dos programas de desenho, das impressoras

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS

GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS CULTURA RELIGIOSA O fenômeno religioso, sua importância e implicações na formação do ser humano, da cultura e da sociedade. As principais religiões universais: história

Leia mais

www.espacotempo.com.br quarta-feira, 25 de setembro de 13

www.espacotempo.com.br quarta-feira, 25 de setembro de 13 www.espacotempo.com.br 1 PALESTRA EARQ 2013 Goiânia, 10 de Setembro de 2013 FERNANDO DAHER ALVARENGA Arquiteto e Urbanista Diretor e proprietário da Espaço Tempo www.espacotempo.com.br www.fernandodaher.com

Leia mais

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s 1 Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s RESUMO EXECUTIVO Este documento visa informar, de uma forma simples e prática, sobre o que é a gestão do ciclo de vida do Produto (PLM) e quais

Leia mais

Design Manual do curso

Design Manual do curso Design Manual do curso Informações gerais INFORMAÇÕES GERAIS Nome: curso de Design, bacharelado Código do currículo: 2130 Nível: curso superior de graduação Início: o curso de Design com habilitação em

Leia mais

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Engenharia Mecânica - Niterói O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA

Leia mais

A sigla CAD pode representar duas definições principais, das quais muitas vezes são empregadas inadequadamente:

A sigla CAD pode representar duas definições principais, das quais muitas vezes são empregadas inadequadamente: A sigla CAD pode representar duas definições principais, das quais muitas vezes são empregadas inadequadamente: Computer Aided Drafting (CAD) a palavra drafting pode ser traduzida como desenho técnico,

Leia mais

O USO DE JOGOS ELETRÔNICOS EDUCACIONAIS NAS DISCIPLINAS DOS CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA.

O USO DE JOGOS ELETRÔNICOS EDUCACIONAIS NAS DISCIPLINAS DOS CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. O USO DE JOGOS ELETRÔNICOS EDUCACIONAIS NAS DISCIPLINAS DOS CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. Caroline Kavan Bueno (PIBIC/FA), Ronaldo Schiaber, João Coelho Neto (Orientador), e-mail: carolinekavan@hotmail.com.

Leia mais

Simulação e Ergonomia aplicadas ao Projeto de Situações Produtivas

Simulação e Ergonomia aplicadas ao Projeto de Situações Produtivas Simulação e Ergonomia aplicadas ao Projeto de Situações Produtivas Prof. MSc. Daniel Braatz Ergo&Ação UFSCar DEP-UFSCar UNEMAT Semana Unificada das Engenharias XV International Conference on Industrial

Leia mais

Forum of ISCTE-IUL School of Technology and Architecture 2016 Pág. 1 de 9 FISTA 2016

Forum of ISCTE-IUL School of Technology and Architecture 2016 Pág. 1 de 9 FISTA 2016 Forum of ISCTE-IUL School of Technology and Architecture 2016 Pág. 1 de 9 Propostas de Workshops para Escolas Secundárias (10º, 11º e 12º anos) no âmbito do (Forum of ISCTE-IUL School of Technology and

Leia mais

ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br

ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br ENGENHARIA MECÂNICA COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br 222 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro Mecânico ATUAÇÃO O curso de Engenharia Mecânica da UFV visa fornecer a seus estudantes

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Indústria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico de Técnico

Leia mais

Prof. Responsável Wagner Santos C. de Jesus

Prof. Responsável Wagner Santos C. de Jesus Universidade do Vale do Paraíba Colégio Técnico Antônio Teixeira Fernandes Disciplina Desenho Técnico Aplicado a Segurança do Trabalho Material III-Bimestre Introdução e Conceito de CAD e Ferramentas,Primitivas

Leia mais

CONTROLE INTEGRADO DE MANUFATURA. Engenheiro Industrial Mecânico UNISANTA Universidade Santa Cecília

CONTROLE INTEGRADO DE MANUFATURA. Engenheiro Industrial Mecânico UNISANTA Universidade Santa Cecília Professor: Graduação: Valmir Gonçalves Carriço www.professorvalmir.com.br valmir.carrico@anhanguera.com Engenheiro Industrial Mecânico UNISANTA Universidade Santa Cecília Pós Graduação: Engenheiro de Segurança

Leia mais

II Seminário Resultados da Lei da Informática

II Seminário Resultados da Lei da Informática II Seminário Resultados da Lei da Informática Rodrigo Pinto Diretor de P&D 29 de março de 2006 Agenda A Solectron Estratégia Organização Realizações Resultados entre 1998 2003 Resultados entre 2004-2005

Leia mais

ANEXO II. FORMULÁRIO PARA AVALIAÇÃO DE PROJETO 2ª Chamada PIBITI/CNPq PIBInova/PDI/UFF 2013 2014

ANEXO II. FORMULÁRIO PARA AVALIAÇÃO DE PROJETO 2ª Chamada PIBITI/CNPq PIBInova/PDI/UFF 2013 2014 ANEXO II FORMULÁRIO PARA AVALIAÇÃO DE PROJETO 2ª Chamada PIBITI/CNPq PIBInova/PDI/UFF 2013 2014 Avaliador: Identificação do projeto (Título) - link do Projeto Projeto Total Máximo: 50 pontos Atende ao

Leia mais

TÍTULO: AMBIENTE VIRTUAL PARA O ENSINO DE LÓGICA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA

TÍTULO: AMBIENTE VIRTUAL PARA O ENSINO DE LÓGICA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA TÍTULO: AMBIENTE VIRTUAL PARA O ENSINO DE LÓGICA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE GUARULHOS

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É?

COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É? COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É? Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA SUMÁRIO O que é COMPUTAÇÃO GRÁFICA Áreas relacionadas

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO E ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO E ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO E ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS CHAMADA PÚBLICA PROEN BOLSAS SANDUÍCHE NA GRADUAÇÃO Nº 01/2011

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORIAS NO PROCESSO DE TRATAMENTO TÉRMICO PARA ALÍVIO DE TENSÕES DE COMPONENTES DE COLUNA DE DIREÇÃO

IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORIAS NO PROCESSO DE TRATAMENTO TÉRMICO PARA ALÍVIO DE TENSÕES DE COMPONENTES DE COLUNA DE DIREÇÃO ILHA SOLTEIRA XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-TC08 IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORIAS NO PROCESSO DE TRATAMENTO TÉRMICO

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CURSO DE TECNOLOGIA EM NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CURSO DE TECNOLOGIA EM NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CURSO DE TECNOLOGIA EM NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR COMPUTAÇÃO GRÁFICA Disciplina: 08 Período: 4º José Eduardo

Leia mais

A EMPRESA. 02 rev. A USINAGEM MECÂNICA. Vista geral do galpão principal. Ferramentaria e afiação próprias. Linha de tornos CNC

A EMPRESA. 02 rev. A USINAGEM MECÂNICA. Vista geral do galpão principal. Ferramentaria e afiação próprias. Linha de tornos CNC A EMPRESA Linha de tornos CNC Linha de centros de usinagem Controle final e Expedição Linha de segundas operações Ambiente de trabalho agradável Vista geral do galpão principal Ferramentaria e afiação

Leia mais

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Edward Luis de Araújo edward@pontal.ufu.br Evaneide Alves Carneiro eva@pontal.ufu.br Germano Abud de Rezende germano@pontal.ufu.br

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Projetos de P&D em Tecnologia da Informação e Telecomunicações: A Atuação do Núcleo de Aplicação em Tecnologia da Informação - NATI

Projetos de P&D em Tecnologia da Informação e Telecomunicações: A Atuação do Núcleo de Aplicação em Tecnologia da Informação - NATI Projetos de P&D em Tecnologia da Informação e Telecomunicações: A Atuação do Núcleo de Aplicação em Tecnologia da Informação - NATI Fortaleza, 21 de setembro de 2006 1 15 Universidade de Fortaleza Perfil

Leia mais

SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA

SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA Ms. Jeferson Fernando de Souza Wolff RESUMO O computador, como ferramenta pedagógica para ensino e aprendizagem

Leia mais

Gerenciamento Integrado de Ferramentas de Corte

Gerenciamento Integrado de Ferramentas de Corte Gerenciamento Integrado de Ferramentas de Corte DESAFIOS DA INDÚSTRIA Eng. Jardel Lemos do Prado jardel.prado@adeptmec.com Eng. Rafael B. Mundim mundim@ita.br SUMÁRIO Histórico 1900-2000 Definição do Gerenciamento

Leia mais

Ciclo de um produto. Você já percebeu, ao andar pelos corredores. Um problema. Ciclo do produto

Ciclo de um produto. Você já percebeu, ao andar pelos corredores. Um problema. Ciclo do produto A U A UL LA Ciclo de um produto Um problema Você já percebeu, ao andar pelos corredores de um supermercado, a infinidade de produtos industrializados? Desde alimentos a produtos de limpeza e eletrodomésticos,

Leia mais

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Teresa Maciel MSC, PhD Candidate Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Sobre a instrutora... Doutoranda em Engenharia de Software (métodos ágeis), Mestre em Engenharia de Software (melhoria de processos de

Leia mais

ATO NORMATIVO PROD 03/2015 DISPÕE SOBRE AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ATO NORMATIVO PROD 03/2015 DISPÕE SOBRE AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Atividades Complementares A definição, critérios para validação, computo e registro das horas estão descritos no ATO NORMATIVO PROD 03/2015, que dispõe sobre as atividades complementares do curso de engenharia

Leia mais

CÓD. 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01

CÓD. 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01 Aprovado no CONGRAD 25.08.2015 Vigência: retroativa aos ingressantes de 2014/2 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01 I NÚCLEO DE CONTEÚDOS BÁSICOS Matemática

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações Tipos de SI

Tecnologia e Sistemas de Informações Tipos de SI Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Tipos de SI Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 5.2 Qual a Diferença? Dado? Informação? Conhecimento? Dado Platão (428-348

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 21/10/1966 São Luís Maranhão

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 21/10/1966 São Luís Maranhão RESOLUÇÃO N 758CONSEPE, de 24 de maio de 2010. Aprova a mudança de denominação do Curso de Desenho Industrial para Design, modalidade Bacharelado, e sua reestruturação pedagógica. O Reitor da Universidade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA INSTITUTO POLITÉCNICO. Edital Discente 2015.2

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA INSTITUTO POLITÉCNICO. Edital Discente 2015.2 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA INSTITUTO POLITÉCNICO Edital Discente 2015.2 Normas para Avaliação Global A Diretora do Instituto Politécnico, Profª. Ana Paula Ladeira, no uso de suas atribuições, e considerando

Leia mais

INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM TECNOLOGIAS MINERAIS

INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM TECNOLOGIAS MINERAIS INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM TECNOLOGIAS MINERAIS Slide 1 O que fazer para melhorar a competitividade da indústria? Mobilização Empresarial pela Inovação MEI Melhorar a infraestrutura Disseminar a cultura

Leia mais

MODELAGEM COMPUTACIONAL DE MECANISMOS CLÁSSICOS

MODELAGEM COMPUTACIONAL DE MECANISMOS CLÁSSICOS MODELAGEM COMPUTACIONAL DE MECANISMOS CLÁSSICOS Lucas F. Cóser, Diego L. Souza, Ricardo F. Morais e Franco G. Dedini Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Mecânica Departamento de Projeto

Leia mais

DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL

DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL II CIMMEC 2º CONGRESSO INTERNACIONAL DE METROLOGIA MECÂNICA DE 27 A 30 DE SETEMBRO DE 2011 Natal, Brasil DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL

Leia mais

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos:

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos: [AUBR-83] BIM na Prática: Implementação de Revit em Escritórios de Arquitetura e Engenharia Paulo Henrique Giungi Galvão Revenda TECGRAF Consultor técnico Revit da Revenda TECGRAF AUBR-83 Dicas e Truques

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 74, de

Leia mais

Atualização 2014. Universidade Federal do Paraná Sistema de Bibliotecas Biblioteca de Ciências da Saúde

Atualização 2014. Universidade Federal do Paraná Sistema de Bibliotecas Biblioteca de Ciências da Saúde MANUAL DO CURRÍCULO LATTES Atualização 2014 Universidade Federal do Paraná Sistema de Bibliotecas Biblioteca de Ciências da Saúde 1 Equipe: Este tutorial faz parte da programação de treinamentos da Biblioteca

Leia mais

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares ABEPRO Associação Brasileira de Engenharia de Produção DOCUMENTO NÃO CONCLUÍDO Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares Documento elaborado nas reuniões do grupo de trabalho de graduação

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Área Profissional: Indústria Habilitação Profissional: Ensino

Leia mais

IMPRESSORAS 3D: REDUÇÃO DE CUSTO E TEMPO NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

IMPRESSORAS 3D: REDUÇÃO DE CUSTO E TEMPO NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS IMPRESSORAS 3D: REDUÇÃO DE CUSTO E TEMPO NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Pedro de Oliveira Conceição Junior Prof. Dani Marcelo Nonato Marques Tecnologia em Mecatrônica Industrial Faculdade de Tecnologia

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

Informações para Processo de Recrutamento e Seleção de Candidatos para Bolsas RHAE e PDT-TI

Informações para Processo de Recrutamento e Seleção de Candidatos para Bolsas RHAE e PDT-TI Informações para Processo de Recrutamento e Seleção de Candidatos para Bolsas RHAE e PDT-TI 1) Quanto ao TIPOS DAS BOLSAS, seguem, abaixo, maiores detalhes sobre as bolsas que serão contratada após o processo

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 CURSO: MESTRADO PROFISSIONAL

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 CURSO: MESTRADO PROFISSIONAL COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Materiais PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

Sistemas para Gestão e Inovação

Sistemas para Gestão e Inovação Sistemas para Gestão e Inovação empresa A ACCION é uma empresa de software, inovação, relacionamento e suporte à gestão. O nome ACCION, tem origem na vocação de nossa empresa: AÇÃO! Nos segmentos que atuamos,

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro 2005

DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro 2005 OCUPAÇÃO 0 5 DESCRITIVO TÉCNICO MECÂNICO - CAD DESENHO Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro 2005 A Comissão de Diretores do SENAI Coordenadora das Olimpíadas do Conhecimento determina,

Leia mais

Simulador Virtual para Treinamento em Visão de Máquina com LabVIEW

Simulador Virtual para Treinamento em Visão de Máquina com LabVIEW Simulador Virtual para Treinamento em Visão de Máquina com LabVIEW "Esse ambiente pode ser usado para simular e explorar as possibilidades e alcances de uma solução empregando visão de máquina, testar

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. 2) Qual é a vantagem para a indústria participar do Edital de Inovação?

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. 2) Qual é a vantagem para a indústria participar do Edital de Inovação? 1) O que é o Edital SENAI e SESI de Inovação? 2) Qual é a vantagem para a indústria participar do Edital de Inovação? 3) Qual é a vantagem para um Departamento Regional participar do Edital de Inovação?

Leia mais

Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso

Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso Diagramas que descrevem o contexto, objetivos e participantes dos projetos 1 Tecnólogo em Manutenção Industrial Missão: Formar tecnólogos de nível superior

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

Portifólio Empresarial

Portifólio Empresarial Portifólio Empresarial 23/02/11 Rua Jasmim, 609 Santa Catarina - Joinville - SC - Brasil CEP: 89233-040 Fone/Fax: (47) 3025 1010 - contato@execom.inf.br +55 (47) 3025-1010 - Opção 5 comercial@execom.inf.br

Leia mais