PROGRESSIVE CAFE UM NOVO CAMINHO PARA GERAR LENTES COM SUPERFICIES PROGRESSIVAS. COMES LDS Computer Aided Freeform Engineering

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRESSIVE CAFE UM NOVO CAMINHO PARA GERAR LENTES COM SUPERFICIES PROGRESSIVAS. COMES LDS Computer Aided Freeform Engineering"

Transcrição

1 PROGRESSIVE CAFE UM NOVO CAMINHO PARA GERAR LENTES COM SUPERFICIES PROGRESSIVAS COMES LDS Computer Aided Freeform Engineering

2 DESIGN PROGRESSIVOS OEM COMES OEM COMES Totalmente livre de Royaltyes. Funciona com qualquer índice de refração (n). Desenho paramétrico sob medida junto aos fornecidos pela COMES com soluções para qualquer combinação esférica, cilíndrica, eixo, adição, comprimento do canal, etc. Superfícies progressivas com visão Longe/Perto exatamente tóricas. Calibração da espessura partindo do centro optico. Calculo da elípse de mínima superficie partindo do perfil da armação. Prisma de redução de espessura mesmo em prescrições com prisma. Lentes descentradas para minimizar o diâmetro do bloco. Pré apresentação dos poderes dióptricos Esf. Cyl. e eixo.(versão opcional). Compensação por ângulo pantoscópico e/ou ângulo de awolgimento em termos de poder dioptrico, prisma e posição do ponto de referência da visão de perto (NRP). Compensação da distância real entre o vertice da superficie posterior e o ápice corneal. Compensação da real distancia para a visão de perto. Aproximações de terceira ordem para novas características sobre calculos de refração. PROGRESSIVE CAFE UM NOVO CAMINHO PARA GERAR LENTES COM SUPERFICIES PROGRESSIVAS

3 PROGRESSIVE CAFE Com o software LDS da COMES, denominado Progressive CAFE, são fornecidos três design de base que cobrem os usos mais comuns: Office Versatile Open Air trata-se de um design que privilegia a visão para perto e intermediária, para um uso no âmbito profissional. como o nome indica, trata-se de um design que satisfaz seja as exigências de visão para longe que aquelas para leitura, para quem precisa de uma visão confortável em todas as situações. um design que garante a máxima amplitude de visão para longe, com especial referência àquela periférica, mas também consente uma visão suficientemente nítida para perto, para armações práticas e esportivas dedicadas à vida ao ar livre. Cada design pode ser realizado com três diversos comprimentos do canal de progressão,, e milímetros, a ser escolhido em função da dimensão da lente e da adição. O canal de milímetros representa o melhor compromisso, pois não requer que o portador gire excessivamente o bulbo ocular para baixo a fim de ler e é caracterizado por uma aberração contida nos lados do canal de progressão. O canal de milímetros é caracterizado por uma aberração mais alta, que penaliza a visão intermediária e periférica, mas requer um esforço menor de leitura e pode ser aplicado também para lentes muito pequenas. O canal de milímetros concede um maior espaço para a progressão da visão para longe à visão para perto, portanto reduz as aberrações nos lados do canal de progressão e pode ser vantajoso para adições muito altas, todavia é aplicável somente em armações de suficiente altura.

4 Mapas do poder e do astigmatismo. Nas figuras a seguir são mostradas a distribuições da progressão de poder e do astigmatismo nos lados do canal de progressão para as nove combinações de design e comprimento do canal de progressão, enquanto na tabela são indicados os valores numéricos que caracterizam as larguras das áreas de visão intermediária e para perto. Convencionalmente, as medidas indicam a largura para a qual o astigmatismo não se desvia para além de uma dioptria do valor nominal da receita, para uma lente esférica neutra com adição igual a.00 dioptrias. Design Office Office Office Versatile Versatile Versatile Open Air Open Air Open Air Largura do canal de progressão em mm Largura da área de visão para perto em mm Na grade abaixo, na qual são mostradas as distribuições da aberração astigmática, é possível notar como variam as amplidões das áreas de visão para longe e para perto (cor violeta) e quanto à aberração máxima (áreas de cor variável até o verde - azul claro) se reduz ou se intensifica em função do design e do comprimento do canal de progressão. A legenda ao lado mostra os valores de astigmatismo correspondentes às cores representadas nos mapas. Pode-se notar como a aberração se reduz movendo-se para a esquerda na grade (design Office) e para baixo (canal de ), mas com desvantagem da amplitude das áreas de visão nítida. Neste sentido, o design Versátil colocando-se no centro representa a solução de melhor compromisso e, portanto, aquela a ser preferida à particulares exigências. Office Versatile Open Air Office Versatile Open Air Office Versatile Open Air

5 Office Versatile Open Air Office Versatile Open Air Office Versatile Open Air Office design que privilegia a visão para perto e intermediária, para um uso no âmbito profissional. Versatile design que satisfaz seja as exigências de visão para longe que aquelas para leitura, para quem precisa de uma visão confortável em todas as situações. Open Air design que garante a máxima amplitude de visão para longe, com especial referência àquela periférica, mas também consente uma visão suficientemente nítida para perto, para armações práticas e esportivas dedicadas à vida ao ar livre Valores do poder dióptrico.

6 Parâmetros de personalização Exemplo de introdução de dados para a personalização. Independentemente do design, cada lente pode ser personalizada em função da forma da armação, além disso, também é possível modificar a adição da receita para distâncias de visão para perto diferentes. Conhecendo o contorno da armação, é possível realizar a lente de modo que a espessura seja aperfeiçoada, portanto, pode ser útil fornecer este dado ao laboratório de produção em vários modos: enviando um arquivo resultante do escaneamento através de tracer (*.TRC) enviando um arquivo CAD (*.DXF) eventualmente fornecido pelo fabricante da armação traçando em uma folha de papel o contorno de uma lente amostra e enviando-o via fax, certificando-se de que seja transmitido em escala 1:1

7 Para completar a personalização, é possível fornecer outros dados referentes à forma da armação e o rosto do cliente final: distâncias interpupilares na visão para longe (IPD) distâncias interpupilares na visão para perto (NPD) largura da ponte da armação (DBL) distância do ápice corneano - vértice traseiro da lente se for diversa do PADRÃO de milímetros (BVD) ângulo pantoscópico (PANTO) ângulo de envolvimento (TILT) distância de visão para perto se for diversa do PADRÃO de 0,4 metros (NWD) Nota Técnica Se considerar que os parâmetros aqui enumerados são utilizados para recalcular a lente de modo que o olho do portador chegue a uma frente de onda com as características requeridas pela receita, isto comporta que os poderes lidos no frontofocômetro ou no mapeador de lentes também podem variar de modo considerável. Durante a controle das lentes, portanto, é necessário considerar estas variações.

8 Altura de montagem Considerando que para todos os design a fitting cross é colocada a milímetros acima do início do canal de progressão, ou seja, acima do PRP, ponto de referência do prisma, e que é necessário deixar ao menos milímetros em altura na área da visão para perto, resulta que a altura de montagem mínima a ser respeitada é igual ao canal de progressão mais 4 milímetros. Além disso, para os casos nos quais deseja privilegiar a visão para perto, é útil aumentar a altura de montagem. Design Office Office Office Versatile Versatile Versatile Open Air Open Air Open Air Comprimento do canal de progressão em mm (LC) Altura mínima de montagem aconselhada em mm (FH) A tabela acima mostra as alturas mínimas de montagem aconselhadas para os design Comes. FH LC Obviamente, uma altura de montagem maior em relação àquela mínima aconselhada facilita ulteriormente a visão para perto.

9 Centration chart standard e calibração otimizada para lentes produzidas com Progressive CAFE Centration chart A seguir é mostrado um exemplo de gráficos para a determinação do diâmetro mínimo (ou forma elíptica mínima) da lente, caso disponha dos dados da armação e da forma (óculos), mas não queira utilizar o procedimento de calibração otimizada conforme o parágrafo a seguir. Ø75-80 Ø70-75 Ø65-70 Ø60-65 Ø55-60 Ø65x75/80 Ø60x70/75 Ø55x65/70 Ø50x60/65 R COMES R COMES As duas imagens mostram as centration chart para uma descentralização igual a,5 mm, que é um padrão bastante difundido, e são representadas em escala 1:1 (imprimindo a página sem adaptação), portanto, - podem ser utilizadas para escolher a dimensão da lente no modo clássico, sobrepondo a armação na imagem. Do contrário, caso desejar aplicar um valor de descentralização diverso de,5 mm ou nulo (igual a 0 mm - design centrado) claramente os Centration Chart deverão ser redesenhados movendo a tampografia com base no novo valor de descentralização. As centration chart são universais para cada design, cada comprimento do canal de progressão e inset para longe - perto, de fato, a área de medida para perto é delimitada por uma grade que consente localizar o ponto de medida como interseção entre uma linha horizontal, dependente do comprimento do canal de progressão, e uma linha vertical, dependente do inset (veja o exemplo abaixo). As marcas das escalas graduadas são a intervalos de 1 mm, deste modo também é possível medir a extensão da área de visão para perto entre o início do canal de progressão e a borda. 0 5 Exemplo: inset =,5mm Exemplo: comprimento do canal = 11mm Ponto no qual executar a medida com o frontofocômetro

10 Calibração otimizada Caso o cliente se depare com um caso particular ou simplesmente queira remeter a calibração ao laboratório, é possível produzir lentes com uma combinação de perfil circular ou elíptico e offset otimizados para as exigências de espessura da lente. Casos típicos são as lentes positivas, cuja espessura final depende da diferença entre a dimensão da lente moldada em relação ao diâmetro de redução, ou as lentes para armações esportivas, portanto de grandes dimensões, para as quais um offset de,5 mm pode não ser suficiente para conter o perfil de moldagem também no interior dos diâmetros maiores. Para a calibração otimizada, é necessário que sejam fornecidos os seguintes dados ao laboratório: Distância interpupilar monocular, ao menos no que se refere à visão para longe, se também for fornecida aquela para a visão para perto, é possível otimizar também o inset que, do contrário, será realizado com um valor de,5 mm. Altura de montagem FH (fitting height). Largura da ponte. Perfil de moldagem da lente em escala 1:1, na forma de arquivo ou também como desenho cartáceo, contanto que seja respeitada a escala; é necessário conhecer o perfil, não bastam os dados da altura e da largura! Com estes dados, é possível reconstruir a geometria da armação e simulara a lente como produto acabado e moldado e, portanto, verificar que seja obtida do esboço e com quais valores de offset e diâmetro de redução: R EOS R EOS Exemplo de lente não realizável com o offset padrão. Offset e elipse de redução são otimizados pelo laboratório, graças ao software Progressive CAFE, em função dos parâmetros da armação.

11 Tampografia padrão comes 4 R R4 COMES COMES R4 L

12 COMES S.r.l. via Veneto, Legnano (MI) - Italy Tel Fax Distribuidor Exclusivo A COMES S.r.l. reserva-se o direito de fazer alterações e melhorias em qualquer um dos produtos descritos neste documento sem aviso prévio. MARTINATO MÁQUINAS DE PRECISÃO LTDA. Av. São Leopoldo, 80 - Caxias do Sul - RS CEP Fone

DuraVision Platinum. Veja mais. Viva mais. Lentes de alta precisão ZEISS. O tratamento antirreflexo mais resistente de todos os tempos*

DuraVision Platinum. Veja mais. Viva mais. Lentes de alta precisão ZEISS. O tratamento antirreflexo mais resistente de todos os tempos* DuraVision Platinum abril/2012 *Comparado aos atuais antirreflexos da Carl Zeiss Vision O tratamento antirreflexo mais resistente de todos os tempos* Veja mais. Viva mais. Lentes de alta precisão. Líder

Leia mais

! " # $ % &! $ $! ' '"# $ "$ #( )*! "#+, OE OD POSIÇÃO DOS OLHOS, DIVERGINDO PARA ALCANÇAREM FUSÃO DE IMAGENS EM POSIÇÃO EXOFÓRICA ! Bases nasais.2,6mm. 1.8mm. O,E, O,D A LINHA DE VISÃO NÃO SOFRE DESVIOS

Leia mais

Formação de imagens por superfícies esféricas

Formação de imagens por superfícies esféricas UNIVESIDADE FEDEAL DO AMAZONAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPATAMENTO DE FÍSICA Laboratório de Física Geral IV Formação de imagens por superfícies esféricas.. Objetivos:. Primeira parte: Espelho Côncavo

Leia mais

Identificando as partes do equipamento

Identificando as partes do equipamento Lensometria Identificando as partes do equipamento () Ocular (2) Ajuste Ocular (3) Anel de eixo (4) Alavanca de marcação () Alavanca de fixação (6) Alavanca da mesa de armação (7) Mesa de apoio da armação

Leia mais

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 2 de Junho de 2010 Série n.1 Propagação da luz 1. A velocidade da luz amarela de sódio num determinado líquido é 1, 92 10 8 m/s. Qual o índice de

Leia mais

Manual Técnico Bragal Oil e Gás. Óculos de Segurança com Grau

Manual Técnico Bragal Oil e Gás. Óculos de Segurança com Grau Manual Técnico Bragal Oil e Gás Óculos de Segurança com Grau Apresentação: A necessidade do uso de lentes corretivas, por profissionais que trabalham com óculos de segurança, é uma aplicação de 15% da

Leia mais

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico.

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. Introdução Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. A confecção do experimento permitirá também a observação da dispersão

Leia mais

PARA A COMES, UMA LENTE NÃO SÓ É O PRODUTO DE SUAS MAQUINAS MAS O INSTRUMENTO QUE PERMITE AO USUARIO ALCAN- ÇAR UMA MELHOR VISÃO.

PARA A COMES, UMA LENTE NÃO SÓ É O PRODUTO DE SUAS MAQUINAS MAS O INSTRUMENTO QUE PERMITE AO USUARIO ALCAN- ÇAR UMA MELHOR VISÃO. Brasil A NOSSA HISTÓRIA Hoje, o Grupo COMES é um dos maiores fabricantes mundias de equipamentos para a produção de lentes para a industria optica de aparelhos de precisão e oftálmica alem de uma completa

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Lensometria

Projeto CAPAZ Básico Lensometria 1 Introdução Ao assistir à aula você entendeu a importância da lensometria para o profissional de óptica, percebeu que é um procedimento constante e que exige precisão e, portanto, muita atenção. Aprendeu

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 1 Miopia e Hipermetropia

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 1 Miopia e Hipermetropia 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso ao comportamento do olho humano, constatou quando há uma deficiência visual e como é possível corrigi-la. Vimos algumas peculiaridades, o que acontece

Leia mais

Tipos de lentes Oftálmicas

Tipos de lentes Oftálmicas Quanto à utilização: Unifocais (ou monofocais) - Têm só uma graduação (só um centro óptico). Podem ser só para visão longe, só para visão de perto ou para uso permanente, conforme os casos. Progressivas

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Tirada de Medidas

Projeto CAPAZ Básico Tirada de Medidas 1 Introdução Ao assistir à aula você teve acesso ao importante procedimento denominado Tiradas de Medidas e como fazê-las. Essas medidas são imprescindíveis para a confecção de todos e quaisquer óculos.

Leia mais

LENTES ESFÉRICAS (LEI DE GAUSS)

LENTES ESFÉRICAS (LEI DE GAUSS) LENTES ESFÉRICAS (LEI DE GAUSS) 1. Um objeto real é colocado perpendicularmente ao eixo principal de uma lente convergente, de distância focal f. Se o objeto está a uma distância 3 f da lente, a distância

Leia mais

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação LENTES E ESPELHOS INTRODUÇÃO A luz é uma onda eletromagnética e interage com a matéria por meio de seus campos elétrico e magnético. Nessa interação, podem ocorrer alterações na velocidade, na direção

Leia mais

lente especialmente projetado proporciona áreas de leitura mais amplas, com melhor visão periférica. Quando

lente especialmente projetado proporciona áreas de leitura mais amplas, com melhor visão periférica. Quando A A R T E & C I Ê N C I A D E A Tecnologia de Camber COMBINA CURVAS COMPLEXAS EM AMBAS AS SUPERFÍCIES da lente, fornecendo excelente correção da visão. A incomparável CURVATURA EM MUDANÇA CONTÍNUA DA SUPERFÍCIE

Leia mais

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte Espelhos esféricos são superfícies refletoras muito comuns e interessantes de se estudar. Eles são capazes de formar imagens maiores ou menores, inversas ou direitas, dependendo do tipo de espelho, suas

Leia mais

Entendendo o Astigmatismo. Introdução. Lentes especiais sem astigmatismo MAS450/854. 9 de março de 2003

Entendendo o Astigmatismo. Introdução. Lentes especiais sem astigmatismo MAS450/854. 9 de março de 2003 Entendendo o Astigmatismo MAS450/854 Primavera 2003 9 de março de 2003 Introdução Lentes especiais sem astigmatismo Lentes cilíndricas cruzadas com astigmatismo o Foco horizontal o Foco vertical o Plano

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Desenho Técnico Assunto: Aula 3 - Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Professor: Emerson Gonçalves Coelho Aluno(A): Data: / / Turma: Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Quando olhamos para

Leia mais

3B SCIENTIFIC PHYSICS

3B SCIENTIFIC PHYSICS 3B SCIENTIFIC PHYSICS Kit de ótica laser de demonstração U17300 e kit complementar Manual de instruções 1/05 ALF Índice de conteúdo Página Exp - N Experiência Kit de aparelhos 1 Introdução 2 Fornecimento

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

Normatização Desenho Técnico. Prof. Solivan Altoé

Normatização Desenho Técnico. Prof. Solivan Altoé Normatização Desenho Técnico CALIGRAFIA TÉCNICA NBR 8402 Assim como o resto do desenho técnico, as letras e algarismos também seguem uma forma definida por norma. Até pouco tempo atrás as letras eram desenhadas

Leia mais

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão.

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Biofísica da visão II Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Sistema de líquidos do olho Glaucoma: aumento da pressão intra-ocular SIMULAÇÃO DE PERDA NO GLAUCOMA

Leia mais

Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem

Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem Professor: Msc. Diego Alves de Oliveira Outubro de 2013 Oliveira Características das câmaras aerofotográficas Formato de seus negativos; Distância focal

Leia mais

limark caraterísticas - projetores vantagens

limark caraterísticas - projetores vantagens limark limark caraterísticas - projetores Estanquicidade: IP 67 (*) Resistência ao choque (PC): IK 09 (**) Resistência a uma carga estática: < 500 kg Tensão nominal (alimentador exterior): 24V DC Classe

Leia mais

Caderno de Respostas

Caderno de Respostas Caderno de Respostas DESENHO TÉCNICO BÁSICO Prof. Dr.Roberto Alcarria do Nascimento Ms. Luís Renato do Nascimento CAPÍTULO 1: ELEMENTOS BÁSICOS DO DESENHO TÉCNICO 1. A figura ilustra um cubo ao lado de

Leia mais

GUIA VARILUX DE ADAPTAÇÃO ÓPTICA COM LENTES VARILUX REGRAS PARA O ÊXITO DA COMPENSAÇÃO

GUIA VARILUX DE ADAPTAÇÃO ÓPTICA COM LENTES VARILUX REGRAS PARA O ÊXITO DA COMPENSAÇÃO GUIA DE ADAPTAÇÃO VARILUX REGRAS PARA O ÊXITO DA COMPENSAÇÃO ÓPTICA COM LENTES VARILUX INTRODUÇÃO A Essilor elaborou especialmente para os profissionais de óptica oftálmica este guia, que reúne as regras

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 2/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 2/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 2/5: 6. Figuras geométricas 7. Sólidos geométricos Prof.

Leia mais

Os caracteres de escrita

Os caracteres de escrita III. Caracteres de Escrita Os caracteres de escrita ou letras técnicas são utilizadas em desenhos técnicos pelo simples fato de proporcionarem maior uniformidade e tornarem mais fácil a leitura. Se uma

Leia mais

Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos

Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos Introdução Algumas peças apresentam partes arredondadas, elementos arredondados ou furos, como mostram os exemplos abaixo: parte arredondada furo

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Lentes Oftálmicas

Projeto CAPAZ Básico Lentes Oftálmicas 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso aos principais tipos de lentes oftálmicas existentes no mercado. Como se sabe, o conhecimento de lentes é essencial para o desempenho do consultor de venda.

Leia mais

www.fisicanaveia.com.br

www.fisicanaveia.com.br www.fisicanaveia.com.br Lentes Esféricas Lentes Esféricas: construção Biconvexa Lentes Esféricas: construção PLANO-CONVEXA Lentes Esféricas: construção CÔNCAVO-CONVEXA Lentes Esféricas: construção BICÔNCAVA

Leia mais

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas A UU L AL A Cotagens especiais Você já aprendeu a interpretar cotas básicas e cotas de alguns tipos de elementos em desenhos técnicos de modelos variados. Mas, há alguns casos especiais de cotagem que

Leia mais

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo.

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo. O que é o Gimp? O GIMP é um editor de imagens e fotografias. Seus usos incluem criar gráficos e logotipos, redimensionar fotos, alterar cores, combinar imagens utilizando o paradigma de camadas, remover

Leia mais

LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss

LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss. (Unicamp 203) Um objeto é disposto em frente a uma lente convergente, conforme a figura abaixo. Os focos principais da lente são indicados com a letra F. Pode-se afirmar

Leia mais

CEFET-SC - Un. São Jojé Área de Refrigeração e Ar Condicionado Prof. Gilson - Desenho Técnico com Auxílio do AutoCAD 2007

CEFET-SC - Un. São Jojé Área de Refrigeração e Ar Condicionado Prof. Gilson - Desenho Técnico com Auxílio do AutoCAD 2007 Esta é a nossa 7ª Aula. Nesta aula vamos aprender a usar o comando Hachura e criar um estilo de contagem adequado ao desenho arquitetônico. Ao completar então a nossa planta baixa conforme recomendações

Leia mais

Unidade IV. Aula 20.1 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras. INTERATIVIDADE FINAL

Unidade IV. Aula 20.1 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras. INTERATIVIDADE FINAL Unidade IV Óptica, Ser humano e Saúde Aula 20.1 Conteúdo Os defeitos da visão e as lentes corretoras. 2 Habilidade Reconhecer características ou propriedades dos instrumentos ópticos e a óptica da visão,

Leia mais

SOLUÇÕES EM METROLOGIA SCANNER CMM 3D PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS

SOLUÇÕES EM METROLOGIA SCANNER CMM 3D PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS SOLUÇÕES EM METROLOGIA SCANNER CMM 3D PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS TRUsimplicity TM MEDIÇÃO MAIS FÁCIL E RÁPIDA PORTÁTIL E SEM SUPORTE. MOVIMENTAÇÃO LIVRE AO REDOR DA PEÇA USO FACILITADO. INSTALAÇÃO EM

Leia mais

SIMBOLOGIA DA SOLDAGEM

SIMBOLOGIA DA SOLDAGEM SIMBOLOGIA DA SOLDAGEM Ricardo Leli dos Santos (leli@ig.com.br) Aires Gomes Sabino (agsabino@bol.com.br) Cícero Roberto Gonçalves Bezerra (fe3c_w@gmx.net) RESUMO A simbologia de soldagem é a representação

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Telescópios. Telescopio Refrator. tub o Bandeja porta oculares Haste de micro ajuste Tripé. Buscador Ajuste de foco

Perguntas e Respostas sobre Telescópios. Telescopio Refrator. tub o Bandeja porta oculares Haste de micro ajuste Tripé. Buscador Ajuste de foco Perguntas e Respostas sobre Telescópios A palavra telescópio é de origem grega e significa ver ao longe (Tele Skopen). Os telescópios têm dois tipos básicos: refratores, regidos pelo princípio físico da

Leia mais

Manual do Usuário. Plano de Corte

Manual do Usuário. Plano de Corte Manual do Usuário Plano de Corte Sumário Gigatron Plano de Corte...2 Versão...2 Plano de Corte...2 Edição de Atributos de Peças...3 Atributos de Linhas de Corte...4 Estilos de Entrada e Saída...8 Contorno...8

Leia mais

Em alguns casos, a união é muito simples, porque uma ou mais partes são maleáveis e suas medidas podem ser adaptadas com facilidade.

Em alguns casos, a união é muito simples, porque uma ou mais partes são maleáveis e suas medidas podem ser adaptadas com facilidade. Coordenação Modular na Construção Civil O QUE É? Toda construção é feita de partes, que podem ser unidas no canteiro de obras ou numa fábrica, com argamassa, cola, parafuso, encaixe ou qualquer outro processo.

Leia mais

MBB C 2500 L LIFETIME EXCELLENCE TRANSPORTE DE CARGAS ATÉ 2500 KG SEGURO, FÁCIL E EFICIENTE, PARA OS MAIS DIVERSOS TIPOS DE APLICAÇÕES

MBB C 2500 L LIFETIME EXCELLENCE TRANSPORTE DE CARGAS ATÉ 2500 KG SEGURO, FÁCIL E EFICIENTE, PARA OS MAIS DIVERSOS TIPOS DE APLICAÇÕES MBB C 2500 L LIFETIME EXCELLENCE TRANSPORTE DE CARGAS ATÉ 2500 KG SEGURO, FÁCIL E EFICIENTE, PARA OS MAIS DIVERSOS TIPOS DE APLICAÇÕES MOVIMENTAÇÃO ÁGIL E SEGURA DEVIDO AO SEU PISO ANTIDERRAPANTE A FERRAMENTA

Leia mais

Binóculos são dois telescópios de baixa potência reunidos em um conjunto. Quais as partes de um binóculo?

Binóculos são dois telescópios de baixa potência reunidos em um conjunto. Quais as partes de um binóculo? Partes de Perguntas e respostas sobre Binóculos Binóculos são dois telescópios de baixa potência reunidos em um conjunto. Quais as partes de um binóculo? Prismas (internos): Aumenta a distância focal permitindo

Leia mais

FÍSICA LISTA 3 LENTES E ÓPTICA DA VISÃO LENTES

FÍSICA LISTA 3 LENTES E ÓPTICA DA VISÃO LENTES FÍSICA Prof. Bruno Roberto LISTA 3 LENTES E ÓPTICA DA VISÃO LENTES 1. (Unicamp 2013) Um objeto é disposto em frente a uma lente convergente, conforme a figura abaixo. Os focos principais da lente são indicados

Leia mais

IFSC - Campus São José Área de Refrigeração e Ar Condicionado Prof. Gilson Desenvolvimento de Chapas

IFSC - Campus São José Área de Refrigeração e Ar Condicionado Prof. Gilson Desenvolvimento de Chapas DESENVOLVIMENTO DE CHAPAS É o processo empregado para transformar em superfície plana, peças, reservatórios, uniões de tubulações e de dutos, normalmente feitos em chapas, razão pela qual este processo

Leia mais

NEW HOLLAND BRAUD LINHA DE COLHEDORAS POLIVALENTES E DE ALTO DESEMPENHO PARA UVA, AZEITONA E CAFÉ

NEW HOLLAND BRAUD LINHA DE COLHEDORAS POLIVALENTES E DE ALTO DESEMPENHO PARA UVA, AZEITONA E CAFÉ NEW HOLLAND BRAUD LINHA DE COLHEDORAS POLIVALENTES E DE ALTO DESEMPENHO PARA UVA, AZEITONA E CAFÉ BRAUD NEW HOLLAND A PERFEIÇÃO NA COLHEITA. EM TODO O MUNDO, HÁ 37 ANOS, COM MAIS DE 13.000 MÁQUINAS PRODUZIDAS.

Leia mais

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos 0. (Unifor-998. CE) Um objeto luminoso está inicialmente parado a uma distância d de um espelho plano fixo. O objeto inicia um movimento

Leia mais

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares A UU L AL A Figuras geométricas Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos têm forma, tamanho e outras características próprias. As figuras geométricas foram criadas a partir da observação das formas

Leia mais

4 Orbitais do Átomo de Hidrogênio

4 Orbitais do Átomo de Hidrogênio 4 Orbitais do Átomo de Hidrogênio A aplicação mais intuitiva e que foi a motivação inicial para desenvolver essa técnica é a representação dos orbitais do átomo de hidrogênio que, desde então, tem servido

Leia mais

Espelhos Esféricos. Definições e Elementos:

Espelhos Esféricos. Definições e Elementos: Definições e Elementos: Calota Esférica. Espelho Esférico é uma calota esférica na qual uma das faces é refletora. Espelho Côncavo Superfície refletora interna. Espelho Convexo Superfície refletora externa.

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

MESA CIRÚRGICA OPERON 760, OPERON 820, OPERON 850. Marca: Berchtold Fabricante: Berchtold Procedência: Alemanha

MESA CIRÚRGICA OPERON 760, OPERON 820, OPERON 850. Marca: Berchtold Fabricante: Berchtold Procedência: Alemanha MESA CIRÚRGICA OPERON 760, OPERON 820, OPERON 850 Marca: Berchtold Fabricante: Berchtold Procedência: Alemanha Primeira Classe: a capacidade de carga Os componentes básicos da mesa OPERON são projetado

Leia mais

CALEIDOSCÓPIOS DIÉDRICOS

CALEIDOSCÓPIOS DIÉDRICOS CALEIDOSCÓPIOS DIÉDRICOS SIMETRIAS NO PLANO Introdução O conceito de simetria de figuras planas representadas em obras de arquitetura, de arte, de decoração e em numerosos exemplos naturais, intuitivamente

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO LENTES ESFÉRICAS. LENTES CONVERGENTES Elementos

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO LENTES ESFÉRICAS. LENTES CONVERGENTES Elementos LENTES ESFÉRICAS ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação LENTES CONVERGENTES Elementos Propriedades Construção Geométrica de Imagens LENTES DIVERGENTES

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Instruções para Uso do Software VISIO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Instruções para Uso do Software VISIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Instruções para Uso do Software VISIO Fevereiro/2006 Instruções para uso do Visio... 03 Instruções para Uso do Software VISIO 2 Instruções para uso do Visio O Visio 2003...

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

Apostila 2 Capítulo 8. Página 305. Reflexões. Gnomo

Apostila 2 Capítulo 8. Página 305. Reflexões. Gnomo Apostila 2 Capítulo 8 Página 305 Reflexões Fenômenos Ópticos Reflexão Refração Absorção Tipos de Reflexão Reflexão Especular Reflexão Difusa Na reflexão especular os raios de luz que entram paralelos são

Leia mais

14 / 18 Progressivo Côncavo Free Form ASFÉRICO AMPLITUDE DE VISÃO LIVRE DE ABERRAÇÕES ASFÉRICO AMPLITUDE DE VISÃO. Tecnologia como você nunca viu

14 / 18 Progressivo Côncavo Free Form ASFÉRICO AMPLITUDE DE VISÃO LIVRE DE ABERRAÇÕES ASFÉRICO AMPLITUDE DE VISÃO. Tecnologia como você nunca viu Tecnologia como você nunca viu LIVRE DE ABERRAÇÕES Um sistema único e totalmente inovador, leva em consideração o desenho da armação comercializada ao efetuar os cálculos das superfícies das lentes progressivas.

Leia mais

TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA

TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA Uma das grandes dificuldades que os técnicos enfrentam na reparação de circuitos eletrônicos é esta: os fenômenos que ocorrem nos componentes eletrônicos são abstratos; ou

Leia mais

Exercícios de Óptica

Exercícios de Óptica Exercícios de Óptica PROFESSOR WALESCKO 22 de dezembro de 2005 Sumário 1 Exercícios 1 2 UFRGS 11 3 Gabarito 24 1 Exercícios 1. A figura abaixo representa um raio de luz que incide no espelho plano E e

Leia mais

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma.

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO ÓPTICA REFLEXÃO E REFRAÇÃO OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a

Leia mais

Projeto CAPAZ Intermediário Topografia

Projeto CAPAZ Intermediário Topografia 1 Introdução Ao assistir à aula você conheceu sobre o que é uma lente progressiva a fim de auxiliálo no entendimento do que é a topografia da lente. Esse estudo tem como objetivo de revelar o que o merchandising

Leia mais

DLP de 3 chips de alta resolução Suporta todos os padrões de cores

DLP de 3 chips de alta resolução Suporta todos os padrões de cores A série F80 apresenta nossos projetores profissionais topo de linha, e acreditamos que eles são os melhores projetores de 3 chips em que você pode investir seu dinheiro! DLP de 3 chips de alta resolução

Leia mais

MBB C 750 L LIFETIME EXCELLENCE BAIXO PESO, AGILIDADE E EFICIÊNCIA PARA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS DE ATÉ 750 KG PARA VEÍCULOS URBANOS DE CARGA (VUC)

MBB C 750 L LIFETIME EXCELLENCE BAIXO PESO, AGILIDADE E EFICIÊNCIA PARA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS DE ATÉ 750 KG PARA VEÍCULOS URBANOS DE CARGA (VUC) MBB C 750 L LIFETIME EXCELLENCE BAIXO PESO, AGILIDADE E EFICIÊNCIA PARA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS DE ATÉ 750 KG PARA VEÍCULOS URBANOS DE CARGA (VUC) MOVIMENTAÇÃO ÁGIL E SEGURA DEVIDO AO SEU PISO ANTIDERRAPANTE

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO O estabilizador portátil de câmera Tedi Cam é um equipamento de avançada tecnologia utilizado para filmagens de cenas onde há a necessidade de se obter imagens perfeitas em situações de movimento

Leia mais

AULA 03 ESCALAS E DESENHO TOPOGRÁFICO

AULA 03 ESCALAS E DESENHO TOPOGRÁFICO Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Disciplina: Topografia Básica Facilitadores: Nonato, Julien e Fabrício AULA 03 ESCALAS E DESENHO TOPOGRÁFICO

Leia mais

Projeção ortográfica da figura plana

Projeção ortográfica da figura plana A U L A Projeção ortográfica da figura plana Introdução As formas de um objeto representado em perspectiva isométrica apresentam certa deformação, isto é, não são mostradas em verdadeira grandeza, apesar

Leia mais

Sagômetro Digital. Manual de Instalação e Operação

Sagômetro Digital. Manual de Instalação e Operação Manual de Instalação e Operação MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO APRESENTAÇÃO: Esse instrumento foi especialmente desenvolvido para realizar medições de Ságitas em Blocos Oftálmicos onde através de software

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO

MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO USO UNIVERSAL Desenvolvido e fabricado em Passo Fundo RS Brasil. Latitude: 28.262778 ou 28 15' 24.75" S Longitude: 52.418840 ou 52 25' 7.824" W Dezembro 2011 1 Modelo

Leia mais

Relógio comparador. Como vocês podem perceber, o programa de. Um problema. O relógio comparador

Relógio comparador. Como vocês podem perceber, o programa de. Um problema. O relógio comparador A U A UL LA Relógio comparador Um problema Como vocês podem perceber, o programa de qualidade da empresa envolve todo o pessoal. Na busca constante de melhoria, são necessários instrumentos de controle

Leia mais

TOLERÂNCIAS E AJUSTES (SISTEMA ISO) NBR 6158

TOLERÂNCIAS E AJUSTES (SISTEMA ISO) NBR 6158 TOLERÂNCIAS E AJUSTES (SISTEMA ISO) NBR 6158 GENERALIDADES O sistema ISO de tolerâncias e ajustes é relativo às tolerâncias para dimensões de peças uniformes e os ajustes correspondem a sua montagem. Para

Leia mais

Óptica geométrica, óptica física e o olho humano. 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China

Óptica geométrica, óptica física e o olho humano. 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China Óptica geométrica, óptica física e o olho humano 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China Otaviano Helene, IFUSP, 2010 1 1 Foco na retina Evolução

Leia mais

O que é uma lente esférica?

O que é uma lente esférica? O que é uma lente esférica? É um sistema constituído de dois dioptros esféricos ou um dioptro esférico e um plano, nos quais a luz sofre duas refrações consecutivas. Classificação das lentes 1. Quanto

Leia mais

REFLEXÃO EM ESPELHOS CURVOS

REFLEXÃO EM ESPELHOS CURVOS REFLEXÃO EM ESPELHOS CURVOS Fernando Tamariz Luna Universidade Estadual de Santa Cruz- UESC, Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas - DCET, curso de Física, Bacharelado e Licenciatura. 4to Laboratório

Leia mais

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente.

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. 01 Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. Como n lente < n meiob, a lente de bordas finas opera como lente divergente. Resposta: A 1 02 A gota de água

Leia mais

Interação Humana com Computador

Interação Humana com Computador Interação Humana com Computador Tecnologias de Computadores André Ferraz N.º24881 Jason Costa N.º25231 Ana Pereira N.º25709 IHC Estudo, planeamento e desenho de uma interação entre o utilizador e computadores.

Leia mais

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD )tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD Óptica Geométrica ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD Exercício 1: Um feixe de luz cujo comprimento de onda é 650 nm propaga-se no vazio. a) Qual é a velocidade da luz desse feixe ao propagar-se num

Leia mais

Manual de Identidade Visual CDL Celular

Manual de Identidade Visual CDL Celular Manual de Identidade Visual CDL Celular Índice Sistema... 03 Marca Símbolo... 04 Configuração Básica... 05 Sistema de Cores... 06 Uso Inadequado... 07 Identificação de Praças... 09 Aplicações - Promocional...

Leia mais

Distância focal DISTÂNCIA FOCAL

Distância focal DISTÂNCIA FOCAL Distância focal DISTÂNCIA FOCAL: Unidade de medida relativa à distância existente entre o centro óptico de uma lente e o plano de foco. A distância focal determina a relação de grandeza de um motivo e

Leia mais

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE BARRAS E PERFIS AÇO PARA INDÚSTRIA TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE Ao usar a ampla linha de Barras e Perfis Gerdau, você coloca mais qualidade no seu trabalho. Cada produto foi desenvolvido

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão

Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão Aluna: Gabriela Simone Lorite RA 008769 Orientador: Lucila Cescato Universidade Estadual de Campinas Junho/2004 Resumo O olho

Leia mais

CALDsoft7 - Software de planificação em caldeiraria

CALDsoft7 - Software de planificação em caldeiraria CALDsoft7 - Software de planificação em caldeiraria Calculando uma peça com o CALDsoft7 É muito simples calcular uma peça com o CALDsoft7, basta seguir os passos apresentados abaixo: - Escolher a peça

Leia mais

LENTES. Identificar as principais características dos raios luminosos ao atravessar uma lente. Determinar a distância focal de uma lente convergente.

LENTES. Identificar as principais características dos raios luminosos ao atravessar uma lente. Determinar a distância focal de uma lente convergente. LENTES Objetivos: Identificar as principais características dos raios luminosos ao atravessar uma lente. Determinar a distância focal de uma lente convergente. Teoria: As lentes são formadas por materiais

Leia mais

Manual de Identidade Visual. Versões da marca Comportamentos da marca Referências de cores Regras de aplicação

Manual de Identidade Visual. Versões da marca Comportamentos da marca Referências de cores Regras de aplicação Manual de Identidade Visual Versões da marca Comportamentos da marca Referências de cores Regras de aplicação Menu 1. A nova marca Castrolanda 2. Marca Castrolanda - versões oficiais 3. Cores oficiais

Leia mais

Introdução. A essas e outras questões serão respondidas durante nosso encontro.

Introdução. A essas e outras questões serão respondidas durante nosso encontro. Introdução Milhares de trabalhadores precisam exercer suas atividades utilizando óculos com lentes corretivas ao mesmo tempo que precisam usar óculos de segurança para se proteger contra os riscos inerentes

Leia mais

Normalizar é Preciso. Norma documento que fornece regras, diretrizes e/ou características

Normalizar é Preciso. Norma documento que fornece regras, diretrizes e/ou características Normas Técnicas Normalizar é Preciso Norma documento que fornece regras, diretrizes e/ou características Norma Técnica Uma norma técnica é um documento estabelecido por consenso e aprovado por um organismo

Leia mais

CT 3.1. PRODIM STAIRS Prodim Escadas / Manual versão 1.0

CT 3.1. PRODIM STAIRS Prodim Escadas / Manual versão 1.0 CT 3.1 PRODIM STAIRS Prodim Escadas / Manual versão 1.0 Informações Gerais Index 1 Prodim Escadas 1.1 A solução para escadas 3 3 2 Protocolo de medição de escadas 2.1 Começando 2.2 Configurando 2.3 Começando

Leia mais

Prisma Plus Sistema P

Prisma Plus Sistema P Distribuição elétrica baixa tensão Prisma Plus Sistema P Painéis até 4000 A Prisma Plus: uma oferta pensada para maior profissionalismo Painéis Prisma Plus Sistema P: painéis evolutivos adaptados a todas

Leia mais

Compositor de Impressão do QGIS

Compositor de Impressão do QGIS Compositor de Impressão do QGIS 1. Introdução O Compositor de Impressão é uma ferramenta oferecida pelo QGIS para elaborar a versão final dos mapas que serão impressos. Permite a definição de escala e

Leia mais

ERROS MAIS COMETIDOS EM DESENHO TÉCNICO

ERROS MAIS COMETIDOS EM DESENHO TÉCNICO ERROS MAIS COMETIDOS EM DESENHO TÉCNICO Aluna: Patricia Carvalho Souza Luciana Martins Orientadora: Anna Virgínia Machado Normalização do Desenho Técnico Objetivo da normalização: A padronização ou normalização

Leia mais

3.3 Espaço Tridimensional - R 3 - versão α 1 1

3.3 Espaço Tridimensional - R 3 - versão α 1 1 1 3.3 Espaço Tridimensional - R 3 - versão α 1 1 3.3.1 Sistema de Coordenadas Tridimensionais Como vimos no caso do R, para localizar um ponto no plano precisamos de duas informações e assim um ponto P

Leia mais

Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto

Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto 1. INTRODUÇÃO Será calculado o volume de objetos como esferas, cilindros e cubos

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT A padronização ou normalização do desenho técnico tem como objetivo uniformizar o desenho por meio de um conjunto de regras ou recomendações que regulamentam a execução

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Tolerância dimensional

Tolerância dimensional Tolerância dimensional Introdução É muito difícil executar peças com as medidas rigorosamente exatas porque todo processo de fabricação está sujeito a imprecisões. Sempre acontecem variações ou desvios

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL.

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. Um gráfico no Excel é uma representação gráfica dos números de sua planilha - números transformados em imagens. O Excel examina um grupo de células que tenham sido selecionadas.

Leia mais

Medidas de Grandezas Fundamentais - Teoria do Erro

Medidas de Grandezas Fundamentais - Teoria do Erro UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Medidas de Grandezas Fundamentais - Teoria do Erro Objetivo As práticas que serão trabalhadas nesta aula têm os objetivos de

Leia mais

Projeção ortográfica

Projeção ortográfica Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia IFCE Sobral Eixo de Controle e Processos Industriais Curso: Tecnologia em Mecatrônica Industrial Disciplina: Desenho Técnico e Mecânico Projeção ortográfica

Leia mais

O Dimensionamento do Centro de Produção

O Dimensionamento do Centro de Produção O Dimensionamento do Centro de Produção (posto de trabalho) ANTROPOMETRIA estudo e sistematização das medidas físicas do corpo humano. ANTROPOMETRIA ESTÁTICA - refere-se a medidas gerais de segmentos corporais,

Leia mais