PROGRESSIVE CAFE UM NOVO CAMINHO PARA GERAR LENTES COM SUPERFICIES PROGRESSIVAS. COMES LDS Computer Aided Freeform Engineering

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRESSIVE CAFE UM NOVO CAMINHO PARA GERAR LENTES COM SUPERFICIES PROGRESSIVAS. COMES LDS Computer Aided Freeform Engineering"

Transcrição

1 PROGRESSIVE CAFE UM NOVO CAMINHO PARA GERAR LENTES COM SUPERFICIES PROGRESSIVAS COMES LDS Computer Aided Freeform Engineering

2 DESIGN PROGRESSIVOS OEM COMES OEM COMES Totalmente livre de Royaltyes. Funciona com qualquer índice de refração (n). Desenho paramétrico sob medida junto aos fornecidos pela COMES com soluções para qualquer combinação esférica, cilíndrica, eixo, adição, comprimento do canal, etc. Superfícies progressivas com visão Longe/Perto exatamente tóricas. Calibração da espessura partindo do centro optico. Calculo da elípse de mínima superficie partindo do perfil da armação. Prisma de redução de espessura mesmo em prescrições com prisma. Lentes descentradas para minimizar o diâmetro do bloco. Pré apresentação dos poderes dióptricos Esf. Cyl. e eixo.(versão opcional). Compensação por ângulo pantoscópico e/ou ângulo de awolgimento em termos de poder dioptrico, prisma e posição do ponto de referência da visão de perto (NRP). Compensação da distância real entre o vertice da superficie posterior e o ápice corneal. Compensação da real distancia para a visão de perto. Aproximações de terceira ordem para novas características sobre calculos de refração. PROGRESSIVE CAFE UM NOVO CAMINHO PARA GERAR LENTES COM SUPERFICIES PROGRESSIVAS

3 PROGRESSIVE CAFE Com o software LDS da COMES, denominado Progressive CAFE, são fornecidos três design de base que cobrem os usos mais comuns: Office Versatile Open Air trata-se de um design que privilegia a visão para perto e intermediária, para um uso no âmbito profissional. como o nome indica, trata-se de um design que satisfaz seja as exigências de visão para longe que aquelas para leitura, para quem precisa de uma visão confortável em todas as situações. um design que garante a máxima amplitude de visão para longe, com especial referência àquela periférica, mas também consente uma visão suficientemente nítida para perto, para armações práticas e esportivas dedicadas à vida ao ar livre. Cada design pode ser realizado com três diversos comprimentos do canal de progressão,, e milímetros, a ser escolhido em função da dimensão da lente e da adição. O canal de milímetros representa o melhor compromisso, pois não requer que o portador gire excessivamente o bulbo ocular para baixo a fim de ler e é caracterizado por uma aberração contida nos lados do canal de progressão. O canal de milímetros é caracterizado por uma aberração mais alta, que penaliza a visão intermediária e periférica, mas requer um esforço menor de leitura e pode ser aplicado também para lentes muito pequenas. O canal de milímetros concede um maior espaço para a progressão da visão para longe à visão para perto, portanto reduz as aberrações nos lados do canal de progressão e pode ser vantajoso para adições muito altas, todavia é aplicável somente em armações de suficiente altura.

4 Mapas do poder e do astigmatismo. Nas figuras a seguir são mostradas a distribuições da progressão de poder e do astigmatismo nos lados do canal de progressão para as nove combinações de design e comprimento do canal de progressão, enquanto na tabela são indicados os valores numéricos que caracterizam as larguras das áreas de visão intermediária e para perto. Convencionalmente, as medidas indicam a largura para a qual o astigmatismo não se desvia para além de uma dioptria do valor nominal da receita, para uma lente esférica neutra com adição igual a.00 dioptrias. Design Office Office Office Versatile Versatile Versatile Open Air Open Air Open Air Largura do canal de progressão em mm Largura da área de visão para perto em mm Na grade abaixo, na qual são mostradas as distribuições da aberração astigmática, é possível notar como variam as amplidões das áreas de visão para longe e para perto (cor violeta) e quanto à aberração máxima (áreas de cor variável até o verde - azul claro) se reduz ou se intensifica em função do design e do comprimento do canal de progressão. A legenda ao lado mostra os valores de astigmatismo correspondentes às cores representadas nos mapas. Pode-se notar como a aberração se reduz movendo-se para a esquerda na grade (design Office) e para baixo (canal de ), mas com desvantagem da amplitude das áreas de visão nítida. Neste sentido, o design Versátil colocando-se no centro representa a solução de melhor compromisso e, portanto, aquela a ser preferida à particulares exigências. Office Versatile Open Air Office Versatile Open Air Office Versatile Open Air

5 Office Versatile Open Air Office Versatile Open Air Office Versatile Open Air Office design que privilegia a visão para perto e intermediária, para um uso no âmbito profissional. Versatile design que satisfaz seja as exigências de visão para longe que aquelas para leitura, para quem precisa de uma visão confortável em todas as situações. Open Air design que garante a máxima amplitude de visão para longe, com especial referência àquela periférica, mas também consente uma visão suficientemente nítida para perto, para armações práticas e esportivas dedicadas à vida ao ar livre Valores do poder dióptrico.

6 Parâmetros de personalização Exemplo de introdução de dados para a personalização. Independentemente do design, cada lente pode ser personalizada em função da forma da armação, além disso, também é possível modificar a adição da receita para distâncias de visão para perto diferentes. Conhecendo o contorno da armação, é possível realizar a lente de modo que a espessura seja aperfeiçoada, portanto, pode ser útil fornecer este dado ao laboratório de produção em vários modos: enviando um arquivo resultante do escaneamento através de tracer (*.TRC) enviando um arquivo CAD (*.DXF) eventualmente fornecido pelo fabricante da armação traçando em uma folha de papel o contorno de uma lente amostra e enviando-o via fax, certificando-se de que seja transmitido em escala 1:1

7 Para completar a personalização, é possível fornecer outros dados referentes à forma da armação e o rosto do cliente final: distâncias interpupilares na visão para longe (IPD) distâncias interpupilares na visão para perto (NPD) largura da ponte da armação (DBL) distância do ápice corneano - vértice traseiro da lente se for diversa do PADRÃO de milímetros (BVD) ângulo pantoscópico (PANTO) ângulo de envolvimento (TILT) distância de visão para perto se for diversa do PADRÃO de 0,4 metros (NWD) Nota Técnica Se considerar que os parâmetros aqui enumerados são utilizados para recalcular a lente de modo que o olho do portador chegue a uma frente de onda com as características requeridas pela receita, isto comporta que os poderes lidos no frontofocômetro ou no mapeador de lentes também podem variar de modo considerável. Durante a controle das lentes, portanto, é necessário considerar estas variações.

8 Altura de montagem Considerando que para todos os design a fitting cross é colocada a milímetros acima do início do canal de progressão, ou seja, acima do PRP, ponto de referência do prisma, e que é necessário deixar ao menos milímetros em altura na área da visão para perto, resulta que a altura de montagem mínima a ser respeitada é igual ao canal de progressão mais 4 milímetros. Além disso, para os casos nos quais deseja privilegiar a visão para perto, é útil aumentar a altura de montagem. Design Office Office Office Versatile Versatile Versatile Open Air Open Air Open Air Comprimento do canal de progressão em mm (LC) Altura mínima de montagem aconselhada em mm (FH) A tabela acima mostra as alturas mínimas de montagem aconselhadas para os design Comes. FH LC Obviamente, uma altura de montagem maior em relação àquela mínima aconselhada facilita ulteriormente a visão para perto.

9 Centration chart standard e calibração otimizada para lentes produzidas com Progressive CAFE Centration chart A seguir é mostrado um exemplo de gráficos para a determinação do diâmetro mínimo (ou forma elíptica mínima) da lente, caso disponha dos dados da armação e da forma (óculos), mas não queira utilizar o procedimento de calibração otimizada conforme o parágrafo a seguir. Ø75-80 Ø70-75 Ø65-70 Ø60-65 Ø55-60 Ø65x75/80 Ø60x70/75 Ø55x65/70 Ø50x60/65 R COMES R COMES As duas imagens mostram as centration chart para uma descentralização igual a,5 mm, que é um padrão bastante difundido, e são representadas em escala 1:1 (imprimindo a página sem adaptação), portanto, - podem ser utilizadas para escolher a dimensão da lente no modo clássico, sobrepondo a armação na imagem. Do contrário, caso desejar aplicar um valor de descentralização diverso de,5 mm ou nulo (igual a 0 mm - design centrado) claramente os Centration Chart deverão ser redesenhados movendo a tampografia com base no novo valor de descentralização. As centration chart são universais para cada design, cada comprimento do canal de progressão e inset para longe - perto, de fato, a área de medida para perto é delimitada por uma grade que consente localizar o ponto de medida como interseção entre uma linha horizontal, dependente do comprimento do canal de progressão, e uma linha vertical, dependente do inset (veja o exemplo abaixo). As marcas das escalas graduadas são a intervalos de 1 mm, deste modo também é possível medir a extensão da área de visão para perto entre o início do canal de progressão e a borda. 0 5 Exemplo: inset =,5mm Exemplo: comprimento do canal = 11mm Ponto no qual executar a medida com o frontofocômetro

10 Calibração otimizada Caso o cliente se depare com um caso particular ou simplesmente queira remeter a calibração ao laboratório, é possível produzir lentes com uma combinação de perfil circular ou elíptico e offset otimizados para as exigências de espessura da lente. Casos típicos são as lentes positivas, cuja espessura final depende da diferença entre a dimensão da lente moldada em relação ao diâmetro de redução, ou as lentes para armações esportivas, portanto de grandes dimensões, para as quais um offset de,5 mm pode não ser suficiente para conter o perfil de moldagem também no interior dos diâmetros maiores. Para a calibração otimizada, é necessário que sejam fornecidos os seguintes dados ao laboratório: Distância interpupilar monocular, ao menos no que se refere à visão para longe, se também for fornecida aquela para a visão para perto, é possível otimizar também o inset que, do contrário, será realizado com um valor de,5 mm. Altura de montagem FH (fitting height). Largura da ponte. Perfil de moldagem da lente em escala 1:1, na forma de arquivo ou também como desenho cartáceo, contanto que seja respeitada a escala; é necessário conhecer o perfil, não bastam os dados da altura e da largura! Com estes dados, é possível reconstruir a geometria da armação e simulara a lente como produto acabado e moldado e, portanto, verificar que seja obtida do esboço e com quais valores de offset e diâmetro de redução: R EOS R EOS Exemplo de lente não realizável com o offset padrão. Offset e elipse de redução são otimizados pelo laboratório, graças ao software Progressive CAFE, em função dos parâmetros da armação.

11 Tampografia padrão comes 4 R R4 COMES COMES R4 L

12 COMES S.r.l. via Veneto, Legnano (MI) - Italy Tel Fax Distribuidor Exclusivo A COMES S.r.l. reserva-se o direito de fazer alterações e melhorias em qualquer um dos produtos descritos neste documento sem aviso prévio. MARTINATO MÁQUINAS DE PRECISÃO LTDA. Av. São Leopoldo, 80 - Caxias do Sul - RS CEP Fone

DuraVision Platinum. Veja mais. Viva mais. Lentes de alta precisão ZEISS. O tratamento antirreflexo mais resistente de todos os tempos*

DuraVision Platinum. Veja mais. Viva mais. Lentes de alta precisão ZEISS. O tratamento antirreflexo mais resistente de todos os tempos* DuraVision Platinum abril/2012 *Comparado aos atuais antirreflexos da Carl Zeiss Vision O tratamento antirreflexo mais resistente de todos os tempos* Veja mais. Viva mais. Lentes de alta precisão. Líder

Leia mais

! " # $ % &! $ $! ' '"# $ "$ #( )*! "#+, OE OD POSIÇÃO DOS OLHOS, DIVERGINDO PARA ALCANÇAREM FUSÃO DE IMAGENS EM POSIÇÃO EXOFÓRICA ! Bases nasais.2,6mm. 1.8mm. O,E, O,D A LINHA DE VISÃO NÃO SOFRE DESVIOS

Leia mais

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 2 de Junho de 2010 Série n.1 Propagação da luz 1. A velocidade da luz amarela de sódio num determinado líquido é 1, 92 10 8 m/s. Qual o índice de

Leia mais

PARA A COMES, UMA LENTE NÃO SÓ É O PRODUTO DE SUAS MAQUINAS MAS O INSTRUMENTO QUE PERMITE AO USUARIO ALCAN- ÇAR UMA MELHOR VISÃO.

PARA A COMES, UMA LENTE NÃO SÓ É O PRODUTO DE SUAS MAQUINAS MAS O INSTRUMENTO QUE PERMITE AO USUARIO ALCAN- ÇAR UMA MELHOR VISÃO. Brasil A NOSSA HISTÓRIA Hoje, o Grupo COMES é um dos maiores fabricantes mundias de equipamentos para a produção de lentes para a industria optica de aparelhos de precisão e oftálmica alem de uma completa

Leia mais

Manual Técnico Bragal Oil e Gás. Óculos de Segurança com Grau

Manual Técnico Bragal Oil e Gás. Óculos de Segurança com Grau Manual Técnico Bragal Oil e Gás Óculos de Segurança com Grau Apresentação: A necessidade do uso de lentes corretivas, por profissionais que trabalham com óculos de segurança, é uma aplicação de 15% da

Leia mais

lente especialmente projetado proporciona áreas de leitura mais amplas, com melhor visão periférica. Quando

lente especialmente projetado proporciona áreas de leitura mais amplas, com melhor visão periférica. Quando A A R T E & C I Ê N C I A D E A Tecnologia de Camber COMBINA CURVAS COMPLEXAS EM AMBAS AS SUPERFÍCIES da lente, fornecendo excelente correção da visão. A incomparável CURVATURA EM MUDANÇA CONTÍNUA DA SUPERFÍCIE

Leia mais

Identificando as partes do equipamento

Identificando as partes do equipamento Lensometria Identificando as partes do equipamento () Ocular (2) Ajuste Ocular (3) Anel de eixo (4) Alavanca de marcação () Alavanca de fixação (6) Alavanca da mesa de armação (7) Mesa de apoio da armação

Leia mais

Formação de imagens por superfícies esféricas

Formação de imagens por superfícies esféricas UNIVESIDADE FEDEAL DO AMAZONAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPATAMENTO DE FÍSICA Laboratório de Física Geral IV Formação de imagens por superfícies esféricas.. Objetivos:. Primeira parte: Espelho Côncavo

Leia mais

Tipos de lentes Oftálmicas

Tipos de lentes Oftálmicas Quanto à utilização: Unifocais (ou monofocais) - Têm só uma graduação (só um centro óptico). Podem ser só para visão longe, só para visão de perto ou para uso permanente, conforme os casos. Progressivas

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Lensometria

Projeto CAPAZ Básico Lensometria 1 Introdução Ao assistir à aula você entendeu a importância da lensometria para o profissional de óptica, percebeu que é um procedimento constante e que exige precisão e, portanto, muita atenção. Aprendeu

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Tirada de Medidas

Projeto CAPAZ Básico Tirada de Medidas 1 Introdução Ao assistir à aula você teve acesso ao importante procedimento denominado Tiradas de Medidas e como fazê-las. Essas medidas são imprescindíveis para a confecção de todos e quaisquer óculos.

Leia mais

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico.

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. Introdução Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. A confecção do experimento permitirá também a observação da dispersão

Leia mais

GUIA VARILUX DE ADAPTAÇÃO ÓPTICA COM LENTES VARILUX REGRAS PARA O ÊXITO DA COMPENSAÇÃO

GUIA VARILUX DE ADAPTAÇÃO ÓPTICA COM LENTES VARILUX REGRAS PARA O ÊXITO DA COMPENSAÇÃO GUIA DE ADAPTAÇÃO VARILUX REGRAS PARA O ÊXITO DA COMPENSAÇÃO ÓPTICA COM LENTES VARILUX INTRODUÇÃO A Essilor elaborou especialmente para os profissionais de óptica oftálmica este guia, que reúne as regras

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Lentes Oftálmicas

Projeto CAPAZ Básico Lentes Oftálmicas 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso aos principais tipos de lentes oftálmicas existentes no mercado. Como se sabe, o conhecimento de lentes é essencial para o desempenho do consultor de venda.

Leia mais

Exercícios de Óptica

Exercícios de Óptica Exercícios de Óptica PROFESSOR WALESCKO 22 de dezembro de 2005 Sumário 1 Exercícios 1 2 UFRGS 11 3 Gabarito 24 1 Exercícios 1. A figura abaixo representa um raio de luz que incide no espelho plano E e

Leia mais

Entendendo o Astigmatismo. Introdução. Lentes especiais sem astigmatismo MAS450/854. 9 de março de 2003

Entendendo o Astigmatismo. Introdução. Lentes especiais sem astigmatismo MAS450/854. 9 de março de 2003 Entendendo o Astigmatismo MAS450/854 Primavera 2003 9 de março de 2003 Introdução Lentes especiais sem astigmatismo Lentes cilíndricas cruzadas com astigmatismo o Foco horizontal o Foco vertical o Plano

Leia mais

Projeto CAPAZ Intermediário Topografia

Projeto CAPAZ Intermediário Topografia 1 Introdução Ao assistir à aula você conheceu sobre o que é uma lente progressiva a fim de auxiliálo no entendimento do que é a topografia da lente. Esse estudo tem como objetivo de revelar o que o merchandising

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Desenho Técnico Assunto: Aula 3 - Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Professor: Emerson Gonçalves Coelho Aluno(A): Data: / / Turma: Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Quando olhamos para

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 1 Miopia e Hipermetropia

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 1 Miopia e Hipermetropia 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso ao comportamento do olho humano, constatou quando há uma deficiência visual e como é possível corrigi-la. Vimos algumas peculiaridades, o que acontece

Leia mais

www.fisicanaveia.com.br

www.fisicanaveia.com.br www.fisicanaveia.com.br Lentes Esféricas Lentes Esféricas: construção Biconvexa Lentes Esféricas: construção PLANO-CONVEXA Lentes Esféricas: construção CÔNCAVO-CONVEXA Lentes Esféricas: construção BICÔNCAVA

Leia mais

3B SCIENTIFIC PHYSICS

3B SCIENTIFIC PHYSICS 3B SCIENTIFIC PHYSICS Kit de ótica laser de demonstração U17300 e kit complementar Manual de instruções 1/05 ALF Índice de conteúdo Página Exp - N Experiência Kit de aparelhos 1 Introdução 2 Fornecimento

Leia mais

Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para medição Linear Wellington Santos Barros 1,Gregório Salcedo Munõz 2,

Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para medição Linear Wellington Santos Barros 1,Gregório Salcedo Munõz 2, METROLOGIA-003 Metrologia para a Vida Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM) Setembro 0 05, 003, Recife, Pernambuco - BRASIL Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para

Leia mais

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação LENTES E ESPELHOS INTRODUÇÃO A luz é uma onda eletromagnética e interage com a matéria por meio de seus campos elétrico e magnético. Nessa interação, podem ocorrer alterações na velocidade, na direção

Leia mais

Manual de Identidade Visual CDL Celular

Manual de Identidade Visual CDL Celular Manual de Identidade Visual CDL Celular Índice Sistema... 03 Marca Símbolo... 04 Configuração Básica... 05 Sistema de Cores... 06 Uso Inadequado... 07 Identificação de Praças... 09 Aplicações - Promocional...

Leia mais

Binóculos são dois telescópios de baixa potência reunidos em um conjunto. Quais as partes de um binóculo?

Binóculos são dois telescópios de baixa potência reunidos em um conjunto. Quais as partes de um binóculo? Partes de Perguntas e respostas sobre Binóculos Binóculos são dois telescópios de baixa potência reunidos em um conjunto. Quais as partes de um binóculo? Prismas (internos): Aumenta a distância focal permitindo

Leia mais

MBB C 2500 L LIFETIME EXCELLENCE TRANSPORTE DE CARGAS ATÉ 2500 KG SEGURO, FÁCIL E EFICIENTE, PARA OS MAIS DIVERSOS TIPOS DE APLICAÇÕES

MBB C 2500 L LIFETIME EXCELLENCE TRANSPORTE DE CARGAS ATÉ 2500 KG SEGURO, FÁCIL E EFICIENTE, PARA OS MAIS DIVERSOS TIPOS DE APLICAÇÕES MBB C 2500 L LIFETIME EXCELLENCE TRANSPORTE DE CARGAS ATÉ 2500 KG SEGURO, FÁCIL E EFICIENTE, PARA OS MAIS DIVERSOS TIPOS DE APLICAÇÕES MOVIMENTAÇÃO ÁGIL E SEGURA DEVIDO AO SEU PISO ANTIDERRAPANTE A FERRAMENTA

Leia mais

Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto

Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto 1. INTRODUÇÃO Será calculado o volume de objetos como esferas, cilindros e cubos

Leia mais

Caderno de Respostas

Caderno de Respostas Caderno de Respostas DESENHO TÉCNICO BÁSICO Prof. Dr.Roberto Alcarria do Nascimento Ms. Luís Renato do Nascimento CAPÍTULO 1: ELEMENTOS BÁSICOS DO DESENHO TÉCNICO 1. A figura ilustra um cubo ao lado de

Leia mais

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ Exercícios Lentes Esféricas 1- Analise as afirmações a seguir e assinale a correta. A) É impossível obter uma imagem maior que o objeto com uma lente divergente. B) Quando um objeto está localizado a uma

Leia mais

MBB C 750 L LIFETIME EXCELLENCE BAIXO PESO, AGILIDADE E EFICIÊNCIA PARA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS DE ATÉ 750 KG PARA VEÍCULOS URBANOS DE CARGA (VUC)

MBB C 750 L LIFETIME EXCELLENCE BAIXO PESO, AGILIDADE E EFICIÊNCIA PARA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS DE ATÉ 750 KG PARA VEÍCULOS URBANOS DE CARGA (VUC) MBB C 750 L LIFETIME EXCELLENCE BAIXO PESO, AGILIDADE E EFICIÊNCIA PARA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS DE ATÉ 750 KG PARA VEÍCULOS URBANOS DE CARGA (VUC) MOVIMENTAÇÃO ÁGIL E SEGURA DEVIDO AO SEU PISO ANTIDERRAPANTE

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 2/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 2/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 2/5: 6. Figuras geométricas 7. Sólidos geométricos Prof.

Leia mais

O USO EFICIENTE DE EQUIPAMENTOS VIBRATÓRIOS NO MODERNO PROCESSO DE FUNDIÇÃO

O USO EFICIENTE DE EQUIPAMENTOS VIBRATÓRIOS NO MODERNO PROCESSO DE FUNDIÇÃO O USO EFICIENTE DE EQUIPAMENTOS VIBRATÓRIOS NO MODERNO PROCESSO DE FUNDIÇÃO Introdução 4 Alimentadores de Carregamento Móvel Descargas Vibratórias Mesa de knock-out Resfriadores de fundição 6 8 10 12

Leia mais

dicas & estratégias desempenho da sua loja em jogo

dicas & estratégias desempenho da sua loja em jogo dicas & estratégias Amo ou odeio meus óculos novos? Artigo Palmer R. Cook Tradução Fabrizio Del Ducca Edição Andrea Tavares Colaboração técnica Eric Gozlan Ilustração Mauro Nakata Satisfação tanto com

Leia mais

LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss

LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss. (Unicamp 203) Um objeto é disposto em frente a uma lente convergente, conforme a figura abaixo. Os focos principais da lente são indicados com a letra F. Pode-se afirmar

Leia mais

Óptica geométrica, óptica física e o olho humano. 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China

Óptica geométrica, óptica física e o olho humano. 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China Óptica geométrica, óptica física e o olho humano 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China Otaviano Helene, IFUSP, 2010 1 1 Foco na retina Evolução

Leia mais

SOLUÇÕES EM METROLOGIA SCANNER CMM 3D PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS

SOLUÇÕES EM METROLOGIA SCANNER CMM 3D PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS SOLUÇÕES EM METROLOGIA SCANNER CMM 3D PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS TRUsimplicity TM MEDIÇÃO MAIS FÁCIL E RÁPIDA PORTÁTIL E SEM SUPORTE. MOVIMENTAÇÃO LIVRE AO REDOR DA PEÇA USO FACILITADO. INSTALAÇÃO EM

Leia mais

AULA 03 ESCALAS E DESENHO TOPOGRÁFICO

AULA 03 ESCALAS E DESENHO TOPOGRÁFICO Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Disciplina: Topografia Básica Facilitadores: Nonato, Julien e Fabrício AULA 03 ESCALAS E DESENHO TOPOGRÁFICO

Leia mais

LENTES ESFÉRICAS (LEI DE GAUSS)

LENTES ESFÉRICAS (LEI DE GAUSS) LENTES ESFÉRICAS (LEI DE GAUSS) 1. Um objeto real é colocado perpendicularmente ao eixo principal de uma lente convergente, de distância focal f. Se o objeto está a uma distância 3 f da lente, a distância

Leia mais

ÍNDICE MANUTENÇÃO PREVENTIVA COMO PEDIR PEÇAS DE REPOSIÇÃO

ÍNDICE MANUTENÇÃO PREVENTIVA COMO PEDIR PEÇAS DE REPOSIÇÃO Este manual ajudará você a familiarizar-se com a sua Empilhadeira Manual BYG. Facilitará também, possíveis manutenções periódicas. Recomendamos uma atenção especial para utilização do equipamento, antes

Leia mais

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos 0. (Unifor-998. CE) Um objeto luminoso está inicialmente parado a uma distância d de um espelho plano fixo. O objeto inicia um movimento

Leia mais

EXPERIMENTO 1: PROPAGAÇÃO DE INCERTEZAS ( Determinaçãoda massa específica )

EXPERIMENTO 1: PROPAGAÇÃO DE INCERTEZAS ( Determinaçãoda massa específica ) EXPERIMENTO 1: PROPAGAÇÃO DE INCERTEZAS ( Determinaçãoda massa específica ) 1- INTRODUÇÃO Este experimento tem como objetivo o aprendizado no manuseio de instrumentos de medição bem como suas respectivas

Leia mais

Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão

Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão Aluna: Gabriela Simone Lorite RA 008769 Orientador: Lucila Cescato Universidade Estadual de Campinas Junho/2004 Resumo O olho

Leia mais

DESEMPENHO EM FORROS. Mais espaço para inovação THERMATEX SONIC SKY MAIS VANTAGENS COM FACILIDADE NOVO PRODUTO AMF MADE IN GERMANY

DESEMPENHO EM FORROS. Mais espaço para inovação THERMATEX SONIC SKY MAIS VANTAGENS COM FACILIDADE NOVO PRODUTO AMF MADE IN GERMANY THERMATEX SONIC SKY MAIS VANTAGENS COM FACILIDADE NOVO PRODUTO AMF THERMATEX Sonic Sky Painel plano A arquitetura moderna usa materiais rígidos refletivos como vidro, aço e concreto. Há pouco espaço para

Leia mais

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA PARA MONTAGEM DO CONSULTÓRIO OFTALMOLÓGICO NA SUPERINTENDÊNCIA DE SAÚDE DA SUBSECRETARIA MILITAR

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA PARA MONTAGEM DO CONSULTÓRIO OFTALMOLÓGICO NA SUPERINTENDÊNCIA DE SAÚDE DA SUBSECRETARIA MILITAR ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA PARA MONTAGEM DO CONSULTÓRIO OFTALMOLÓGICO NA SUPERINTENDÊNCIA DE SAÚDE DA SUBSECRETARIA MILITAR JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por objetivo a aquisição de

Leia mais

MBB C 500 LG BAIXO PESO ESTRUTURAL, AGILIDADE E MAIOR SEGURANÇA PARA O RÁPIDO MANUSEIO DE CILINDROS DE GÁS

MBB C 500 LG BAIXO PESO ESTRUTURAL, AGILIDADE E MAIOR SEGURANÇA PARA O RÁPIDO MANUSEIO DE CILINDROS DE GÁS MBB C 500 LG BAIXO PESO ESTRUTURAL, AGILIDADE E MAIOR SEGURANÇA PARA O RÁPIDO MANUSEIO DE CILINDROS DE GÁS MOVIMENTAÇÃO ÁGIL E SEGURA DEVIDO AO SEU PISO ANTIDERRAPANTE A FERRAMENTA IDEAL MAIOR VERSATILIDADE

Leia mais

F/D Min (mm) Max (mm) 4 0,6 0,8 4,5 0,7 1,1 5 0,9 1,3 6 1,3 1,9 7 1,7 2,6 8 2,3 3,4 9 2,9 4,3 10 3,5 5,3 11 4,3 6,4 12 5,1 7,6 15 7,9 11,8

F/D Min (mm) Max (mm) 4 0,6 0,8 4,5 0,7 1,1 5 0,9 1,3 6 1,3 1,9 7 1,7 2,6 8 2,3 3,4 9 2,9 4,3 10 3,5 5,3 11 4,3 6,4 12 5,1 7,6 15 7,9 11,8 Teste de Estrela O teste de estrela é efetuado examinando as imagens das estrelas sobre grande aumento, em ambos os lados do foco (intrafocal e extrafocal). As imagens extrafocais são uma excelente maneira

Leia mais

Medidas de Grandezas Fundamentais - Teoria do Erro

Medidas de Grandezas Fundamentais - Teoria do Erro UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Medidas de Grandezas Fundamentais - Teoria do Erro Objetivo As práticas que serão trabalhadas nesta aula têm os objetivos de

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL

LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL 1 (Unirio) Durante a final da Copa do Mundo, um cinegrafista, desejando alguns efeitos especiais,

Leia mais

CT 3.1. PRODIM STAIRS Prodim Escadas / Manual versão 1.0

CT 3.1. PRODIM STAIRS Prodim Escadas / Manual versão 1.0 CT 3.1 PRODIM STAIRS Prodim Escadas / Manual versão 1.0 Informações Gerais Index 1 Prodim Escadas 1.1 A solução para escadas 3 3 2 Protocolo de medição de escadas 2.1 Começando 2.2 Configurando 2.3 Começando

Leia mais

Tolerância dimensional

Tolerância dimensional Tolerância dimensional Introdução É muito difícil executar peças com as medidas rigorosamente exatas porque todo processo de fabricação está sujeito a imprecisões. Sempre acontecem variações ou desvios

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO O estabilizador portátil de câmera Tedi Cam é um equipamento de avançada tecnologia utilizado para filmagens de cenas onde há a necessidade de se obter imagens perfeitas em situações de movimento

Leia mais

limark caraterísticas - projetores vantagens

limark caraterísticas - projetores vantagens limark limark caraterísticas - projetores Estanquicidade: IP 67 (*) Resistência ao choque (PC): IK 09 (**) Resistência a uma carga estática: < 500 kg Tensão nominal (alimentador exterior): 24V DC Classe

Leia mais

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão.

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Biofísica da visão II Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Sistema de líquidos do olho Glaucoma: aumento da pressão intra-ocular SIMULAÇÃO DE PERDA NO GLAUCOMA

Leia mais

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD )tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD Óptica Geométrica ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD Exercício 1: Um feixe de luz cujo comprimento de onda é 650 nm propaga-se no vazio. a) Qual é a velocidade da luz desse feixe ao propagar-se num

Leia mais

ÍNDICE 1. LOGIN 1. LOGIN 03. 2. PEDIDO DE ATACADO 03 2.1. Produtos de Atacado 04 3. PEDIDO DE LABORATÓRIO 06 4. CONSULTA 10 5.

ÍNDICE 1. LOGIN 1. LOGIN 03. 2. PEDIDO DE ATACADO 03 2.1. Produtos de Atacado 04 3. PEDIDO DE LABORATÓRIO 06 4. CONSULTA 10 5. 1. LOGIN ÍNDICE 1. LOGIN 03 2. PEDIDO DE ATACADO 03 2.1. Produtos de Atacado 04 3. PEDIDO DE LABORATÓRIO 06 4. CONSULTA 10 5. FINANCEIRO 10 6. EXTRATO 11 7. USUÁRIO 11 MANUAL DE configuração e utilização

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

EVOLUTION 7403 7405. Usinagem CNC completa em formato compacto. oferece uma usinagem completa nos 4 cantos da peça de trabalho e na superfície.

EVOLUTION 7403 7405. Usinagem CNC completa em formato compacto. oferece uma usinagem completa nos 4 cantos da peça de trabalho e na superfície. Coladeiras de bordas Centros de usinagem CNC Serras para painéis verticais Seccionadoras Manipulação de material Usinagem CNC completa em formato compacto EVOLUTION 7403 7405 É única. A EVOLUTION 7405

Leia mais

Fotografia aérea e foto-interpretação

Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografias aéreas e foto-interpretação são elementos e técnicas de trabalho fundamentais para um conhecimento aprofundado do território e para a elaboração ou actualização

Leia mais

PTR 13530-P PTR 17530-P

PTR 13530-P PTR 17530-P DESCRITIVO TÉCNICO Linha P -22/02/12 Rev. I PRENSA DOBRADEIRA HIDRÁULICA SINCRONIZADA marca NGP mod. P Especificações Técnicas: Descrição Unid 4020-P 13530-P 17530-P 22030-P 26030-P 32030-P 40040-P Força

Leia mais

Pavimentadora de concreto multiuso. Pavimentadora de Concreto SP 500

Pavimentadora de concreto multiuso. Pavimentadora de Concreto SP 500 Pavimentadora de concreto multiuso Pavimentadora de Concreto SP 500 Máquina versátil para pavimentação de concreto Estrutura retrátil da máquina A estrutura principal robusta, resistente a inclinações,

Leia mais

CEFET-SC - Un. São Jojé Área de Refrigeração e Ar Condicionado Prof. Gilson - Desenho Técnico com Auxílio do AutoCAD 2007

CEFET-SC - Un. São Jojé Área de Refrigeração e Ar Condicionado Prof. Gilson - Desenho Técnico com Auxílio do AutoCAD 2007 Esta é a nossa 7ª Aula. Nesta aula vamos aprender a usar o comando Hachura e criar um estilo de contagem adequado ao desenho arquitetônico. Ao completar então a nossa planta baixa conforme recomendações

Leia mais

Perspectiva. da - 1. Perspectiva Isométrica. Marcelo Granato Rodrigo Santana Rogério Claudino

Perspectiva. da - 1. Perspectiva Isométrica. Marcelo Granato Rodrigo Santana Rogério Claudino é a representação gráfica dos objetos tridimensionais. Ela pode ser feita de várias maneiras, com resultados diferentes, que se assemelham mais ou menos à visão humana. Observe como um objeto pode ser

Leia mais

Sistema manual de medição por coordenadas CRYSTA-PLUS M443/M500/M700

Sistema manual de medição por coordenadas CRYSTA-PLUS M443/M500/M700 Máquina de Medir por Coordenadas Sistema manual de medição por coordenadas CRYSTA-PLUS M443/M500/M700 Catálogo E4332-196BR Compacto, econômico e de fácil operação com a mais avançada tecnologia em medição

Leia mais

Óptica Geométrica. Óptica Geométrica (2ª aula) OpE - MIB 2007/2008. Aproximação da Óptica Geométrica. Espelhos. Espelhos planos. Espelhos esféricos

Óptica Geométrica. Óptica Geométrica (2ª aula) OpE - MIB 2007/2008. Aproximação da Óptica Geométrica. Espelhos. Espelhos planos. Espelhos esféricos Óptica Geométrica OpE - MIB 2007/2008 Óptica Geométrica (2ª aula) Aproximação da Óptica Geométrica Espelhos Espelhos planos Espelhos esféricos Espelhos asféricos Lentes Refracção em superfícies esféricas

Leia mais

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo.

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo. O que é o Gimp? O GIMP é um editor de imagens e fotografias. Seus usos incluem criar gráficos e logotipos, redimensionar fotos, alterar cores, combinar imagens utilizando o paradigma de camadas, remover

Leia mais

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES Na representação dos projetos de edificações são utilizados os seguintes desenhos: _ Planta de situação _ Planta de localização

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO LENTES ESFÉRICAS. LENTES CONVERGENTES Elementos

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO LENTES ESFÉRICAS. LENTES CONVERGENTES Elementos LENTES ESFÉRICAS ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação LENTES CONVERGENTES Elementos Propriedades Construção Geométrica de Imagens LENTES DIVERGENTES

Leia mais

Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos

Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos Perspectiva isométrica de modelos com elementos diversos Introdução Algumas peças apresentam partes arredondadas, elementos arredondados ou furos, como mostram os exemplos abaixo: parte arredondada furo

Leia mais

SISTEMA LISROLL. www.lismarca.pt CATÁLOGO TÉCNICO

SISTEMA LISROLL. www.lismarca.pt CATÁLOGO TÉCNICO SISTEMA LISROLL www.lismarca.pt CATÁLOGO TÉCNICO 2 MAIS DO QUE UM ESTORE AJUSTÁVEL, UMA PERSIANA AJUSTÁVEL... Índice Características Especificações técnicas Ficha técnica Motores Certificados pág. 4 pág.

Leia mais

Risco de perda de dados chave nos links backhaul de polarização dupla

Risco de perda de dados chave nos links backhaul de polarização dupla Documento técnico Risco de perda de dados chave nos links backhaul de polarização dupla Introdução O uso da dupla polarização não é nada novo no campo dos rádios de microondas e é frequente nos sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Instruções para Uso do Software VISIO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Instruções para Uso do Software VISIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Instruções para Uso do Software VISIO Fevereiro/2006 Instruções para uso do Visio... 03 Instruções para Uso do Software VISIO 2 Instruções para uso do Visio O Visio 2003...

Leia mais

Os caracteres de escrita

Os caracteres de escrita III. Caracteres de Escrita Os caracteres de escrita ou letras técnicas são utilizadas em desenhos técnicos pelo simples fato de proporcionarem maior uniformidade e tornarem mais fácil a leitura. Se uma

Leia mais

Inspeção, ampliação e medição em full HD (1080p) Vídeo em tempo real, sem atraso da imagem Campo de visão grande com zoom óptico de 30:1

Inspeção, ampliação e medição em full HD (1080p) Vídeo em tempo real, sem atraso da imagem Campo de visão grande com zoom óptico de 30:1 Inspeção e medição em full HD Sistema de inspeção de vídeo digital excepcional projetado para medição, documentação e captura de imagens com facilidade Inspeção, ampliação e medição em full HD (1080p)

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

Tamanho Grande Corte Fio EDM com controlo LP2WH AQ750L AQ900L AQ1200L AQ1500L

Tamanho Grande Corte Fio EDM com controlo LP2WH AQ750L AQ900L AQ1200L AQ1500L Tamanho Grande Corte Fio EDM com controlo LP2WH AQ750L AQ900L AQ1200L AQ1500L The O mundo da serie Grande em Corte fio EDM Linear Em resposta ao aumento de pedidos para fabrico de grandes peças suportadas

Leia mais

Estação Total GeoMax Série Zoom30

Estação Total GeoMax Série Zoom30 Estação Total GeoMax Série Zoom30 GeoMax Sobre nós Na GeoMax, nós fornecemos uma abrangente pasta de soluções integradas através do desenvolvimento, da fabricação e da distribuição de instrumentos e software

Leia mais

Instruçoes para fotos biométricas - República da Eslovênia

Instruçoes para fotos biométricas - República da Eslovênia Instruçoes para fotos biométricas - República da Eslovênia Recomendações do Ministério das Relações Exteriores da República da Eslovênia para as fotos biométricas: o o tamanho da foto: 3,5 x 4,5 cm o o

Leia mais

Unidade IV. Aula 20.1 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras. INTERATIVIDADE FINAL

Unidade IV. Aula 20.1 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras. INTERATIVIDADE FINAL Unidade IV Óptica, Ser humano e Saúde Aula 20.1 Conteúdo Os defeitos da visão e as lentes corretoras. 2 Habilidade Reconhecer características ou propriedades dos instrumentos ópticos e a óptica da visão,

Leia mais

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares A UU L AL A Figuras geométricas Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos têm forma, tamanho e outras características próprias. As figuras geométricas foram criadas a partir da observação das formas

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO. LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO. LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos Propriedades Construção Geométrica de Imagens LENTES DIVERGENTES

Leia mais

4 Orbitais do Átomo de Hidrogênio

4 Orbitais do Átomo de Hidrogênio 4 Orbitais do Átomo de Hidrogênio A aplicação mais intuitiva e que foi a motivação inicial para desenvolver essa técnica é a representação dos orbitais do átomo de hidrogênio que, desde então, tem servido

Leia mais

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte Espelhos esféricos são superfícies refletoras muito comuns e interessantes de se estudar. Eles são capazes de formar imagens maiores ou menores, inversas ou direitas, dependendo do tipo de espelho, suas

Leia mais

14 / 18 Progressivo Côncavo Free Form ASFÉRICO AMPLITUDE DE VISÃO LIVRE DE ABERRAÇÕES ASFÉRICO AMPLITUDE DE VISÃO. Tecnologia como você nunca viu

14 / 18 Progressivo Côncavo Free Form ASFÉRICO AMPLITUDE DE VISÃO LIVRE DE ABERRAÇÕES ASFÉRICO AMPLITUDE DE VISÃO. Tecnologia como você nunca viu Tecnologia como você nunca viu LIVRE DE ABERRAÇÕES Um sistema único e totalmente inovador, leva em consideração o desenho da armação comercializada ao efetuar os cálculos das superfícies das lentes progressivas.

Leia mais

Lentes Trilogy feitas de Trivex

Lentes Trilogy feitas de Trivex Lentes Trilogy feitas de Trivex e sua aplicação para diferentes Por Ed De Gennaro, MEd, ABOM Richmond, Virginia, EUA Série de Monografias da Younger Optics Número Abril/ Com a proliferação de materiais

Leia mais

Caderno de exercício. Desenho 1

Caderno de exercício. Desenho 1 Caderno de exercício Desenho 1 Prof: Viviane Dorneles SENAI Caderno de Exercícios Desenho Técnico 1 1 1.1 Criando um desenho técnico O desenho é uma forma de linguagem usada pelos artistas. Desenho técnico

Leia mais

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm).

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Óptica Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Fenômenos ópticos Professor: Éder (Boto) Sobre a Luz O que emite Luz?

Leia mais

PRODUTO: Trena a Laser MODELO: 428A MARCA: HOMIS REFERÊNCIA: H811-467

PRODUTO: Trena a Laser MODELO: 428A MARCA: HOMIS REFERÊNCIA: H811-467 PRODUTO: Trena a Laser MODELO: 428A MARCA: HOMIS REFERÊNCIA: H811-467 HOMIS Controle e Instrumentação Ltda. Rua Herval, 1374 Belenzinho São Paulo SP CEP 03062-000 Fone: (11) 2799-7999 Fax: (11) 2799-7990

Leia mais

Manual do Usuário. Plano de Corte

Manual do Usuário. Plano de Corte Manual do Usuário Plano de Corte Sumário Gigatron Plano de Corte...2 Versão...2 Plano de Corte...2 Edição de Atributos de Peças...3 Atributos de Linhas de Corte...4 Estilos de Entrada e Saída...8 Contorno...8

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIDADE ESCOLAR HUMAITÁ II. Notas de aula de Matemática. 3º ano/ensino Médio. Prof.

COLÉGIO PEDRO II DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIDADE ESCOLAR HUMAITÁ II. Notas de aula de Matemática. 3º ano/ensino Médio. Prof. COLÉGIO PEDRO II DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIDADE ESCOLAR HUMAITÁ II Notas de aula de Matemática 3º ano/ensino Médio Prof. Andrezinho NOÇÕES DE GEOMETRIA ESPACIAL Notas de aula de Matemática Prof. André

Leia mais

DE MADEIRA! MUITO À FRENTE EM CORTE CABEÇOTES DE HARVESTER PONSSE: PROJETADOS PARA AMBIENTES DIFÍCEIS CABEÇOTE DE HARVESTER PONSSE

DE MADEIRA! MUITO À FRENTE EM CORTE CABEÇOTES DE HARVESTER PONSSE: PROJETADOS PARA AMBIENTES DIFÍCEIS CABEÇOTE DE HARVESTER PONSSE CABEÇOTES DE HARVESTER PONSSE: PROJETADOS PARA AMBIENTES DIFÍCEIS GRAÇAS A SEUS AJUSTES variados e fáceis, os cabeçotes de harvester PONSSE são adequados para vários usos, de desbaste a corte raso. Sua

Leia mais

PK 100002. Lifetime excellence. geometria perfeita de movimentos E

PK 100002. Lifetime excellence. geometria perfeita de movimentos E PK 100002 Lifetime excellence geometria perfeita de movimentos E PRECISÃO EM GRANDES ALTURAS. O GUINDASTE QUE ESTABELECEU UM NOVO PADRÃO EM SUA CATEGORIA 1 lifetime excellence OS GUINDASTES ARTICULADOS

Leia mais

Sempre presente nos melhores momentos da sua vida.

Sempre presente nos melhores momentos da sua vida. Sempre presente nos melhores momentos da sua vida. Linha de Dobradiças AL2 Modul Design atualizado. Braço com técnica de montagem por deslizamento. Ajuste lateral e ajuste de profundidade. Ângulo de abertura

Leia mais

Volume 8 óptica. Capítulo 49 Espelhos Planos

Volume 8 óptica. Capítulo 49 Espelhos Planos Volume 8 óptica Vídeo 49.1 Vídeo 49.2 Vídeo 49.3 Vídeo 49.4 Vídeo 49.5 Vídeo 49.6 Vídeo 49.7 Vídeo 49.8 Vídeo 49.9 Capítulo 49 Espelhos Planos Um feixe de micro-ondas refletido por uma placa metálica plana

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

APOSTILA V DAC. Ferramentas Importantes

APOSTILA V DAC. Ferramentas Importantes APOSTILA V DAC Ferramentas Importantes FERRAMENTAS IMPORTANTES PARA A EXECUÇÃO DE UM DESENHO A importância do ZOOM A sintaxe do comando ZOOM permite selecionar um dos diferentes tipos de zoom, conforme

Leia mais

NOVA ZONA ÓPTICA VARIÁVEL LÍDER MUNDIAL NO TRATAMENTO DO CERATOCONE

NOVA ZONA ÓPTICA VARIÁVEL LÍDER MUNDIAL NO TRATAMENTO DO CERATOCONE NOVA ZONA ÓPTICA VARIÁVEL LÍDER MUNDIAL NO TRATAMENTO DO CERATOCONE O mais completo e versátil sistema para remodelamento corneano existente no mercado mundial. Keraring, segmento de anel corneano intraestromal,

Leia mais

Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem

Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem Professor: Msc. Diego Alves de Oliveira Outubro de 2013 Oliveira Características das câmaras aerofotográficas Formato de seus negativos; Distância focal

Leia mais

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Mancais TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Introdução à Mancais O mancal pode ser definido como suporte ou guia em que se apóia o eixo; No ponto

Leia mais