DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139"

Transcrição

1 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS Laboratório de Introdução a Eletrônica Analógica Laboratório No. 6 NOTA: ESTE LABORATÓRIO REQUER UMA VERIFICAÇÃO PARA A EXPERIÊNCIA UM. Agende sua verificação na lista afixada na porta da sala do TA. Quereremos utilizar todos seus controles e usar seus circuitos com um microfone, CD Player e alto-falante reais,. Nenhum crédito será dado para o relatório se ele não foi verificado. Experiência 1: Um pré-amplificador ou front-end para o amplificador de potência. Agora que você projetou um amplificador que pode colocar poucos volts de sinal áudio em uma impedância elevada e gerar uma tensão mais alta em corrente elevada em uma impedância baixa [do alto-falante], você necessita de algum tipo de controle de seção na entrada do amplificador. O projeto tradicional de controle inclui o volume, balanço, tom e as facilidades para comutar entre várias fontes de sinal, isto é o seletor de FM, seletor de AM, CD Player, placa de som do computador, microfone, etc. Todas as fontes precedentes exceto o microfone são conhecidas como fontes de nível de linha, isto é, geram no máximo alguns poucos volts RMS a partir de uma fonte de resistência relativamente baixa, talvez 0Ω na escala de kω [geralmente um seguidor de emissor ou a saída de um AO]. Um microfone dinâmico, entretanto, produz uma saída de alguns milivolts RMS com impedância da fonte que pode ser mais elevada do que a faixa dada para as fontes de nível de linha acima. Hoje em dia, ouvimos FM ou CD s enquanto trabalhamos com nossos computadores; e já que muitos dos computadores têm placa de som, pode ser útil ouvir aqueles pequenos apitos e outros sons ocasionais feitos pelo Windows e ainda assim continuar a ouvir nossas músicas. Para fazer isto, sua interface deve ser um tipo de misturador, isto é, você deve poder escutar duas ou mais entradas de uma vez e ainda ajustar individualmente o nível de sinal em cada entrada e o nível total [controle mestre do ganho]. Consulte o diagrama de bloco da figura 1 [que usa seu amplificador de potência do laboratório 5] e projete seu circuito com as seguintes especificações: Use o mínimo de AO s caros para todos os circuitos de acordo com as especificações. Dois dispositivos em um pacote podem economizar dinheiro na disposição da placa, menos capacitores de isolamento, etc.. Usar 741 pode ser a maneira a mais barata no início, mas pode resultar no uso de resistores ou dos capacitores extras. Forneça três entradas: uma para o CD, uma para a placa de som e uma para o microfone.

2 As entradas de nível de linha devem ter um máximo A V de 20 db, a entrada de microfone deve ter um máximo Av 46 db 46, ambas em 1000 hertz. Cada amplificador de entrada deve ter um divisor de tensão ou um controle de ganho de realimentação. Um controle de ganho de divisor da tensão é basicamente um potenciômetro cujas extremidades fixas são conectadas entre a saída de um estágio e o terra, como se fosse um resistor de carga! O terminal variável do potenciômetro é conectado à entrada do estágio seguinte. Quando este terminal é girado em direção ao terra da resistência, o nível do sinal é zero e quando é girado no sentido contrário o sinal começa a ser maior devido à ação do divisor da tensão. Os controles de volume por divisor da tensão podem ser acoplados por um capacitor na entrada ou na saída respectivamente ou em ambas. A razão principal para eliminar a DC de um potenciômetro do controle de volume é prevenir a geração de ruído de contato, que ocorre quando o atenuador é movido ao longo do elemento de resistência quando a corrente DC o atravessa. Embora este ruído ocorra somente durante a rotação do controle, pode ser intenso e irritante. Se o capacitor de acoplamento for usado, um outro aspecto deve ser considerado em torno de seu valor para um dado ponto de baixa freqüência 3dB, já que a impedância da fonte olhando por trás do atenuador para o divisor de tensão varia drasticamente de um lado do potenciômetro ao outro. Isto pode também ter implicações na carga apresentada ao estágio que alimenta o controle de volume. Os controles de ganho do divisor de tensão não devem ser colocados demasiadamente próximos do estágio de entrada de um amplificador multi-estágio de ganho elevado. Quando os estágios de ganhos elevados vêm após o controle de volume, a redução do controle não apresentará nenhum efeito no ruído gerado nos estágios subseqüentes. Poderia ter uma situação onde reduzir o volume para gerar um sinal de saída relativamente baixo, mas esse sinal pode ser acompanhado por um nível elevado de ruído do amplificador que é mascarado normalmente por um sinal de saída de nível elevado. Um controle de ganho de realimentação usa um potenciômetro conectado como um reostato; isto é, um lado da resistência fixa é conectado ao wiper. Você tem que ter cuidado com o lado conectado ao wiper, já que você quer que o ganho aumente quando girar o potenciômetro para a direita e diminua quando girar o potenciômetro para a esquerda. Um controle de ganho de realimentação substitui o resistor de realimentação em um amplificador inversor. [Por que não pode ser usado em um amplificador nãoinversor?] Isto funcionará somente usando AO s que são compensados para ganhos abaixo de um. O LF357, por exemplo, não pode ser usado, porque é compensado somente internamente para ganhos abaixo de 5. Um 357 irá oscilar assim que o ganho for girado abaixo de 5. Há também problemas quanto a gerar tensões offset DC à medida que você muda o valor do resistor do potenciômetro de realimentação,pelo menos quando se trata de AO s de entrada bipolar. Os três amplificadores de entrada devem alimentar um amplificador aditivo que tenha um controle mestre do ganho de realimentação e um A V apropriado para cada entrada. Você deve projetar para uma impedância máxima da fonte de 1 kω.

3 A largura de faixa de áudio mínima da seção inteira do pré-amplificador deve ser de 10 hertz a hertz (pontos de -3dB.) Todas as entradas AC devem ser acopladas com suas fontes, você pode acoplar DC para todos os circuitos restantes desde que não viole as especificações do offset de saída para o amplificador de potência. Como um controle de ganho de realimentação afeta potencialmente a tensão offset DC de um amplificador operacional? Que tipo de capacitor de acoplamento deve ser usado nesta aplicação? Por quê? Figura 1: Amplificadores de Controle para a Experiência 1 Para os mais curiosos, uma versão alternativa da experiência do amplificador de controle é mostrada na figura 2. Em vez de misturar as três fontes, esta aproximação usa interruptores comutadores analógicos apenas em uma das fontes em um determinado instante. Os interruptores analógicos seriam controlados normalmente pelas push-pads que controlam um circuito latching para operar os interruptores analógicos, mas você pode usar os pedaços de fios em seu proto-board para controlar os interruptores, ou usar interruptores construídos em seu kit. Já que você não precisa de um somador [misturador], você pode usar um potenciômetro [com perdas] como uma forma de controle de ganho nesta versão, ao invés de usar um estágio ativo para o controle mestre do ganho. Este tipo de potenciômetro tem geralmente uma atenuação logarítmica para o funcionamento do áudio, mas você terá que fazer o seu trabalho com o tipo linear que se encontra no seu kit ou no almoxarifado. [os controles individuais de ganho da entrada não são necessários nesta versão já que não existe nenhum misturador e conseqüentemente não há necessidade de equilibrar o nível do sinal. Você pode ainda querer usar um estágio com ganho ou um seguidor para isolar os níveis variáveis de impedância do controle de volume provenientes de outros estágios. A principal vantagem de interruptores analógicos sobre os mecânicos é o fato que uma tensão DC é usada para controlar o interruptor e o chaveamento real do sinal é feito

4 próximo dos estágios de ganho, sem ter que trazer para o sinal um interruptor mecânico do lado de fora. Isto reduz o crosstalk (ligação cruzada), zumbido e ruído. Figura 2: Um controle Alternativo para Amplificadores para a Experiência 1 Experiência 2: Seguidor de Emissor, Passagem -Série, Regulador de Fonte de tensão DC Nesta experiência você estudará a operação e projeto de um circuito regulador de tensão. Especificamente, você trabalhará com um circuito no qual uma série de transistores é usada para absorver a diferença entre a tensão DC não regulada na fonte e a tensão regulada que é fornecida à carga. O regulador funciona também como um redutor de ripple (ondulação). A figura 3 mostra o esquema de um simples regulador de tensão em série. Uma voltagem ac vac(t) é retificada pela ponte retificadora e filtrada pelo capacitor C 1. Esta tensão é aplicada ao coletor do transistor Q 1 que é um 2N2219 em um contenidor TO-5. NOTA: Este dispositivo pode ficar quente! Se você desejar, você pode conseguir um dissipador de calor que se ajusta ao contenidor TO-5 nas gavetas verdes próximo ao banco de soldar no laboratório 6.101, sala Este transistor é conectado como um seguidor de emissor; uma tensão constante (fornecida pelo diodo Zener D 1 e o resistor R 1 ) é aplicada na base e o resistor de carga R L é conectado entre o emissor e o terra. O resultado é que a tensão de carga é mantida constante em uma tensão igual para a do diodo Zener menos a tensão baseemissor do transistor Q1. Seu objetivo é projetar um regulador de tensão deste tipo, seguindo o projeto e as seguintes diretrizes: Baseado no diodo Zener 1N754A de 6.8V do seu kit, seu regulador tensão terá uma

5 tensão de saída de aproximadamente 6V. Por quê? A tensão de entrada será de 60 Hz (fornecida pelo transformador de 12.6 VCT RMS do seu kit, ou na caixa de alumínio disponível no almoxarifado). Não conecte o fio terra do osciloscópio com nenhum dos terminais do transformador. Deve fornecer tensão regulada de saída para resistências de carga de 100 Ω e maiores. O riple da tensão pico a pico não deverá exceder 5 mv com este valor de carga. Um pequeno capacitor de saída C 2 pode ser necessário para evitar oscilações em freqüência alta que pode aparecer na sua tensão regulada de saída. Você pode determinar a capacidade exigida empiricamente. v ac (t)=(1.4x12.6)sin377t Volts Figura 3: Circuito do regulador de tensão para a experiência 2. Para reduzir custos, você deve usar o menor valor para a capacitância de C 1 de acordo com as especificações do projeto. Certifique-se que a avaliação da tensão nominal do capacitor é grande o bastante para resistir à tensão DC e a tensão. Evite queimar seu diodo Zener, a corrente máxima através dele deve ser limitada em 55 ma. (O diodo Zener precisa de 55 ma para o circuito funcionar ou um valor mais baixo é de fato melhor?) R 1 também fornece a corrente da base do transistor. Como um valor maior de R 1 afetará a operação do transistor? Como o R F do transistor de passagem afeta o valor de R1? Usando um resistor de carga de 100 Ω e 2 watts do seu kit e usando C 1 = 100 uf, preencha a seguinte tabela. Nota: C 1 é definido em um valor relativamente baixo para permitir observar as mudanças na tensão de ripple quando R 1 é modificado. Porém, pode ser necessário aumentar C 1 de acordo com as especificações do ripple quando estiver preenchendo a tabela. Certifique de registrar o valor final de C 1 e R 1.

6 Resistor de Carga V OUT DC R 1 V RIPPLE ac em R L V RIPPLE ac em C Ω, 2W 510 Ω 100 Ω, 2W 1.0 kω 100 Ω, 2W 3.0 kω 100 Ω, 2W 5.1 kω 100 Ω, 2W 7.5 kω 100 Ω, 2W 10.0 kω NOTA: Se você estiver usando um dos novos osciloscópios Tektronix sampling, você pode desejar calcular a tensão média de ripple para ficar mais fácil de ler. Isto pode ser feito através dos seguintes menus: ACQUIRE / MENU / MODE / SAMPLE / AVERAGE. Você pode ajustar o número das amostras onde é feito o cálculo da média girando o botão que se encontra no topo do painel do osciloscópio. Lembre-se que a análise feita em aula de como o diodo de Zener reduz o à tensão de ripple. Devido ao efeito do divisor de tensão que evoluiu de uma análise de Thevenin da tensão da fonte do ripple e o diodo Zener. Seus dados nos gráficos permitem esta análise? Por que sim ou por que não? Você pode tentar contornar o ripple no diodo Zener usando um capacitor eletrolítico grande. Entretanto, considerando a baixa impedância ac do Zener, seria necessário um capacitor muito grande para ter muito efeito no ripple do Zener. Esta capacidade é muito mais cara em termos da redução do ripple se ela for usada para aumentar C 1. Entretanto, contornar o Zener com um capacitor pequeno de 100 nf ou 10 nf pode ajudar reduzir o ruído gerado pelo Zener. [Zeners geram granes ruídos!] Também você deve realizar isso aumentando R 1 em algum valor que poderia reduzir a corrente Zener o bastante para começar mover o ponto de operação do Zener em torno do joelho da curva Zener, que significa que a impedância ac do irá aumentar. Experiência 3:Regulador de tensão da fonte de alimentação com passagem série ajustável usando amplificador operacional. ESTE LABORATÓRIO É OPCIONAL PARA O CRÉDITO EXTRA. [equivalente a 30% do valor de um laboratório.] VOCÊ DEVE DEMONSTRAR ESTE PROJETO A UM DOS MEMBROS DA EQUIPE DE ENSINO. Comece com o transformador, ponte retificadora e capacitor de entrada da experiência 2. Mantenha o circuito de um resistor em série e o diodo de Zener como tensão de referência, mas use um 741 ou outros dispositivos apropriados para alimentar o transistor ao invés de alimentá-lo diretamente do Zener.

7 Conecte o terminal +V CC do de 741 ao coletor do transistor da [você pode também tentar o com o lado do emissor; ele pode não iniciar, mas a tensão DC tem muito menos ripple lá]. Conecte o terminal V EE do 741 ao terra. Use a tensão da referência Zener para polarizar a entrada + do AO. Se você conectar a entrada [realimentação negativa] diretamente ao emissor [saída] do transistor, você terá uma fonte regulada DC de 6,8 volts, já que a realimentação corrigirá a tensão base-emissor apenas como corrige a queda de tensão no diodo no retificador de precisão. Qual é o efeito que o resistor em série com o diodo de Zener terá no ripple na entrada do AO? Qual é a impedância interna do Zener? Com o objetivo de fazer isto uma fonte ajustável, você precisará usar seu conhecimento da equação de ganho para a conexão do AO não inversor para selecionar um resistor e um potenciômetro de modo a fornecer algum ganho. Para facilitar o ajuste, é melhor limitar o ganho máximo em um valor realístico. Sua tensão de entrada para o AO é 6,8 volts. O circuito da ponte dar-lhe-á algo em torno de 16 volts de entrada para transistor sem carga, assim no máximo espera-se na saída sob a carga algo em torno de 14 volts. Isto requerer um ganho de aproximadamente 14/6,8 = 2,1 para o máximo ajuste de ganho. O D44H8 ou o transistor D44H11 podem trabalhar com correntes de saída de aproximadamente 8 A; porém nas tensões mais baixas de saída quando a queda de tensão no coletor-emissor do transistor for elevada, a dissipação de potência do transistor é elevada em correntes elevadas de carga. A relação de potência do transistor é 20 watts em uma temperatura de 25 C. Você deve certificar-se de que seu projeto não excederá esta relação. Desenhe um diagrama esquemático final do circuito e faça um resumo de todos os cálculos do projeto que você fizer. Experiência 4: O Indicador Gizmo De Baixa-Bateria ESTE LABORATÓRIO É OPCIONAL PARA O CRÉDITO EXTRA. [equivalente a 30% do valor total do laboratório.] VOCÊ DEVE DEMONSTRAR ESTE PROJETO A UM DOS MEMBROS DA EQUIPE DE ENSINO. No projeto de um dispositivo portátil, cuja operação esteja baseada em bateria é freqüentemente útil ter algum indicador de baixa bateria. Usando as peças do seu kit, ou aquelas disponíveis no almoxarifado e mais um diodo emissor de luz LN29RPP (LED) disponível nas gavetas (a folha de dados deste componente está no conjunto de folhas de dados do curso 6.101), projete um circuito de detecção de baixa bateria de acordo com as seguintes especificações: O circuito deve alimentado apenas com a bateria que você está testando. Seu circuito deve ligar o LED quando a tensão da bateria (supondo estar normalmente na escala de 10 a 15 volts) fique abaixo de 10 volts. Ele deve continuar a operar o LED até pelo menos 6 volts.

8 Seu circuito não deve consumir mais do que 1 ma quando a tensão da bateria estiver em com mais que 10 volts e o LED estiver desligado. Se você usar um IC para este projeto, certifique-se que tenha baixa corrente de dreno quando o diodo emissor de luz estiver desligado. Sugestão: a fonte de alimentação variável na experiência 3 pode simular uma bateria cuja tensão pode cair de 15 para 10 volts. Experiência 5: Melhoramento do Estágio de Saída do Amplificador de Potência ESTE LABORATÓRIO É OPCIONAL PARA O CRÉDITO EXTRA. [equivalente a 30% do valor total do laboratório.] VOCÊ DEVE DEMONSTRAR ESTE PROJETO A UM DOS MEMBROS DA EQUIPE DE ENSINO. Projete um estágio melhorado da saída para o amplificador do laboratório 5. Você pode usar o par de realimentação complementar [par de Sziklai] (mostrado) ou um par regular de Darlington. Os dispositivos de saída do caso TO-220 suportam até 8 A e assim você pode usar resistência de carga de 8Ω. Certifique-se de calcular a potência necessária para este resistor antes de usá-lo no amplificador. A saída de potência melhorada será limitada por uma corrente 1 A construído com as fontes de alimentação de seu kit. Você pode desejar usar um potenciômetro de 1000 Ω conectado como um reostato através dos diodos de polarização para ajustar facilmente a polarização. 10 ma de corrente de polarização através dos dispositivos de saída deve ser suficiente. Você deve habilitar o aumento dos valores de R B1 e R B2 usando esta conexão de saída do dispositivo. Por quê? [Nota: Para obter mais potência neste circuito, use LM6152 um amplificador entre limiares] Se você desejar experimentar saídas com potências mais elevadas, você pode obter no almoxarifado um par de fontes de alimentação que pode fornecer correntes maiores e tensões mais altas. Aviso: Certifique-se de não usar uma tensão de fonte de alimentação externa maior que o valor máximo absoluta do AO que você estiver usando.

9 Figura 4: Amplificador de Potência melhorado para a experiência opcional 5

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 6.101 Laboratório de Introdução de Eletrônica Analógica Laboratório No.

Leia mais

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Introdução O objetivo deste Laboratório de EE-641 é proporcionar ao aluno um ambiente

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE PROJETOS DE FONTE DE ALIMENTAÇÃO REGULADA Profa. Zélia Myriam Assis Peixoto

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE PROJETOS DE FONTE DE ALIMENTAÇÃO REGULADA Profa. Zélia Myriam Assis Peixoto OIENTAÇÕES GEAIS SOBE POJETOS DE ONTE DE ALIMENTAÇÃO EGULADA Profa. Zélia Myriam Assis Peixoto Objetivo: Informar o aluno sobre os principais fundamentos relativos às fontes de alimentação, tornando-o

Leia mais

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Amplificador básico Amplificador básico É um circuito eletrônico, baseado em um componente ativo, como o transistor ou a válvula, que tem como função amplificar um sinal de

Leia mais

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico Amplificador Operacional Básico Eng.: Roberto Bairros dos Santos. Um empreendimento Bairros Projetos didáticos www.bairrospd.kit.net Este artigo descreve como identificar o amplificador operacional, mostra

Leia mais

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs.

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Laboratório de Engenharia Elétrica V TE067 Prof. James Alexandre Baraniuk Equipe: Data: / / EXPERIMENTO PRÁTICO COM TRIAC Objetivo A presente

Leia mais

CONTROLE DIGITAL DE VOLUME 1.-----------------------------------------------------------------------------

CONTROLE DIGITAL DE VOLUME 1.----------------------------------------------------------------------------- CONTROLE DIGITAL DE VOLUME 1.----------------------------------------------------------------------------- Uma boa gama de aplicações atuais utiliza o controle de volume digital. Não nos referimos apenas

Leia mais

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP PUC ENGENHARIA Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP Prof. Dr. Marcello Bellodi 2 a versão - 2005 ÍNDICE 1 a Experiência: "Amplificador Push-Pull Classe B"...01 2 a Experiência: "Curvas

Leia mais

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 Curso Técnico em Eletrônica Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM Prof. Ariovaldo Ghirardello INTRODUÇÃO Os controles de potência,

Leia mais

Pequeno livro sobre fontes de alimentação

Pequeno livro sobre fontes de alimentação 1 Pequeno livro sobre fontes de alimentação Antes de começarmos a falarmos de como funciona uma fonte de alimentação é preciso saber qual a sua função. Uma fonte de alimentação tem a função de transformar

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O diodo de junção possui duas regiões de materiais semicondutores dos tipos N e P. Esse dispositivo é amplamente aplicado em circuitos chaveados, como, por exemplo, fontes de

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Fonte de Alimentação Áreas Eletrônica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores Chrystian Pereira

Leia mais

G u i a R á p i d o d e I n s t a l a ç ã o

G u i a R á p i d o d e I n s t a l a ç ã o C r o C r s o s o s v o v e e r r E l e t r ô n i c i c o o 2 2 V i V a s i a s G u i a R á p i d o d e I n s t a l a ç ã o Se desejar um rápido esclarecimento sobre a instalação do crossover eletrônico

Leia mais

CIRCUITOS LINEARES COM AMP OP

CIRCUITOS LINEARES COM AMP OP IFBA CIRCUITOS LINEARES COM AMP OP CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE Vitória da Conquista - 2009 NÃO-INVERSOR Amplificador CA Ganho de tensão de malha

Leia mais

Prof. Antonio Carlos Santos. Aula 7: Polarização de Transistores

Prof. Antonio Carlos Santos. Aula 7: Polarização de Transistores IF-UFRJ Elementos de Eletrônica Analógica Prof. Antonio Carlos Santos Mestrado Profissional em Ensino de Física Aula 7: Polarização de Transistores Este material foi baseado em livros e manuais existentes

Leia mais

Amplificadores Operacionais

Amplificadores Operacionais unesp UNIESIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Guaratinguetá Colégio Técnico Industrial de Guaratinguetá Professor Carlos Augusto Patrício Amorim Amplificadores Operacionais Prof. Marcelo Wendling 200 ersão

Leia mais

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a.

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. 1. A Figura abaixo apresenta o oscilograma da forma de onda de tensão em um determinado nó de um circuito

Leia mais

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor 225 Aplicações com OpAmp A quantidade de circuitos que podem ser implementados com opamps é ilimitada. Selecionamos aqueles circuitos mais comuns na prática e agrupamos por categorias. A A seguir passaremos

Leia mais

Fig. 2.2 - Painel do multímetro com a função ohmímetro em destaque.

Fig. 2.2 - Painel do multímetro com a função ohmímetro em destaque. 2 MULTÍMETRO 2.1 - Objetivos Aprender a manusear o multímetro na realização de medidas de tensões e correntes elétricas, contínuas e alternadas, bem como medir resistências elétricas. 2.2 - Introdução

Leia mais

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON APOSTILA MÓDULO 4 AULA 4 AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 2 Amplificação de sinais diferenciais bobina magnética e HALL O circuito Schmitt Trigger analisado detalhadamente Os pontos NSD e NID (Nível Superior

Leia mais

ELETRÔNICA BÁSICA LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS COM FINALIDADES ESPECÍFICAS

ELETRÔNICA BÁSICA LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS COM FINALIDADES ESPECÍFICAS ELETRÔNICA BÁSICA LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS COM FINALIDADES ESPECÍFICAS 1) Um diodo zener tem 15V aplicados sobre ele com uma corrente de 20 ma. Qual a potência dissipada? 2) Se um diodo zener tiver uma

Leia mais

Inversores de freqüência. Introdução

Inversores de freqüência. Introdução Inversores de freqüência Introdução Desde que os primeiros motores surgiram, os projetistas perceberam uma necessidade básica, controlar sua velocidade, várias técnicas foram utilizadas ao longo dos anos

Leia mais

Índice. Utilizando o integrado 555... 03. Operação monoestável (Temporizador)... 06. Operação astável (Oscilador)... 07

Índice. Utilizando o integrado 555... 03. Operação monoestável (Temporizador)... 06. Operação astável (Oscilador)... 07 Utilizando o CI 555 Índice Utilizando o integrado 555... 03 Operação monoestável (Temporizador)... 06 Operação astável (Oscilador)... 07 O circuito integrado 556... 10 Aplicações úteis... 11 Gerador de

Leia mais

Fonte de alimentação com duas saídas e proteção

Fonte de alimentação com duas saídas e proteção Fonte de alimentação com duas saídas e proteção Elias Bernabé Turchiello Técnico responsável Este manual se destina unicamente a orientar o montador interessado neste projeto, portanto não se encontram

Leia mais

Projetos de Eletrônica Básica II

Projetos de Eletrônica Básica II Projetos de Eletrônica Básica II MUITO CUIDADO NA MONTAGEM DOS CIRCUITOS, JÁ QUE SE ESTÁ TRABALHANDO COM A REDE ELÉTRICA. Projete um sistema para uma casa inteligente, com as seguintes características:

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Eletrônica Em um circuito ressonante LC paralelo (bobina em paralelo com capacitor fixo), quando se introduz na bobina um núcleo de ferrita, o que ocorre com a freqüência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCÍCIOS #11 (1) O circuito a seguir é usado como pré-amplificador

Leia mais

IFBA MOSFET. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista - 2009

IFBA MOSFET. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista - 2009 IFBA MOSFET CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE Vitória da Conquista - 2009 MOSFET s - introdução Semicondutor FET de óxido metálico, ou Mosfet (Metal Oxide

Leia mais

Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006. PdP. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos

Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006. PdP. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos TUTORIAL Montagem da Ponte H Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br contato@maxwellbohr.com.br

Leia mais

(1) Slide 1. Osciladores e temporizadores

(1) Slide 1. Osciladores e temporizadores (1) Slide 1 Osciladores e temporizadores A maioria dos equipamentos eletrônicos inclui alguma forma de oscilador ou temporizador, que podem ser com formatos de onda pulsada, senoidal, quadrada, em dente-de-serra

Leia mais

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Diodo A natureza de uma junção p-n é que a corrente elétrica será conduzida em apenas uma direção (direção direta) no sentido da seta e não na direção contrária (reversa).

Leia mais

ELETRÔNICA ANALÓGICA

ELETRÔNICA ANALÓGICA CENEL Colegiado Acadêmico de Eng. Elétrica AULAS PRÁTICAS ELETRÔNICA ANALÓGICA (Laboratório de Eletrônica Analógica - ELET31) Prof. ISNALDO COÊLHO, DSc. isnaldo.coelho@univasf.edu.br 212 1 NORMAS PARA

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: ED-2950

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: ED-2950 SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: DESCRIÇÃO O sistema de treinamento em comunicação apresenta experimentos planejados para desenvolver comunicações eletrônicas fundamentais. O é

Leia mais

1 Exercícios Pré-Laboratório

1 Exercícios Pré-Laboratório 1 MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY 6.071: Introdução ao Laboratório de Eletrônica Laboratório 1: Equipamentos de Laboratório e Redes de Resistores 1 Exercícios Pré-Laboratório 2º Trimestre de 2002

Leia mais

CONVERSOR DC-DC STEP-DOWN AUTO OSCILANTE

CONVERSOR DC-DC STEP-DOWN AUTO OSCILANTE AULA 16 Os primeiros conversores DC-DC que entraram no Brasil no fim da década de 70, eram conversores step-down e auto oscilantes Normalmente trabalhavam com a tensão retificada e filtrada da rede (alguns

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2 CURSO: TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 SEMICONDUCTOR III Semiconductor III Semicondutor III M-1105A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

Parte 1 Introdução... 1

Parte 1 Introdução... 1 Sumário SUMÁRIO V Parte 1 Introdução... 1 Capítulo 1 Unidades de Medida... 3 Introdução...3 Grandezas Físicas...3 Múltiplos e Submúltiplos...4 Arredondamentos...6 Exercícios...7 Capítulo 2 Simbologia...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADEMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCÍCIOS #12 (1) FILTRO PASSA-FAIXA Mostre que o circuito

Leia mais

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é ver como filtros de freqüência utilizados em eletrônica podem ser construídos a partir de um circuito RC. 2. MATERIAL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A7 () Analise o circuito a seguir e determine V A e V o. V A V

Leia mais

10. CIRCUITOS INTEGRADOS DEDICADOS AO ACIONAMENTO E CONTROLE DE FONTES CHAVEADAS COM CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA

10. CIRCUITOS INTEGRADOS DEDICADOS AO ACIONAMENTO E CONTROLE DE FONTES CHAVEADAS COM CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA Prereguladores de Fator de Potência Cap 10 J A Pomilio 10 CIRCUITOS INTEGRADOS DEDICADOS AO ACIONAMENTO E CONTROLE DE FONTES CHAVEADAS COM CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA Nos últimos anos, uma variedade

Leia mais

CENTRO TECNOLÓGICO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNICA

CENTRO TECNOLÓGICO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNICA CENTRO TECNOLÓGO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNA LABORATÓRIO DE ELETRÔNA ANALÓGA I Prática: 6 Assunto: Transistor Bipolar 1 Objetivos: Testar as junções e identificar o tipo de um transistor com o multímetro.

Leia mais

Introdução à Eletrônica de Potência

Introdução à Eletrônica de Potência Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Eletrônica de Potência Introdução à Eletrônica de Potência Florianópolis, setembro de 2012. Prof.

Leia mais

Uma Fonte de Alimentação para a Bancada de Eletronica

Uma Fonte de Alimentação para a Bancada de Eletronica 1 Uma Fonte de Alimentação para a Bancada de Eletronica João Alexandre da Silveira autor do livro Experimentos com o Arduino Apresentação Uma bancada de Eletronica é um pequeno laboratório de montagens

Leia mais

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica PONTIFÍCIA UNIERIDADE CATÓICA DE GOIÁ DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍICA Professor: Renato Medeiros MAF 1292 Eletricidade e Eletrônica NOTA DE AUA II Goiânia 2014 Diodos Retificadores Aqui trataremos dos

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 2 1. OBJETIVO

EXPERIÊNCIA Nº 2 1. OBJETIVO Universidade Federal do Pará - UFPA Faculdade de Engenharia da Computação Disciplina: Laboratório de Eletrônica Analógica TE - 05181 Turma 20 Professor: Bruno Lyra Alunos: Adam Dreyton Ferreira dos Santos

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM O circuito de um PWM Pulse Width Modulator, gera um trem de pulsos, de amplitude constante, com largura proporcional a um sinal de entrada,

Leia mais

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica

Leia mais

I Retificador de meia onda

I Retificador de meia onda Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica é alternada ao passo que os dispositivos eletrônicos operam com tensão contínua. Então é necessário retificá-la

Leia mais

QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE- PARTE - 1

QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE- PARTE - 1 QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE- PARTE - 1 QUESTÕES DE SIMPLES ESCOLHA - PARTE 1 PRÓXIMA => QUESTÃO 1 a. ( ) Fonte de corrente alternada. b. ( ) Fonte de tensão contínua. c. ( ) Fonte de corrente

Leia mais

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS GSI Nº: ART061-09 - CD 382-09 SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS Carlos Alberto Murari Pinheiro João Roberto Cogo Artigo publicado na Revista Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico,

Leia mais

Laboratório de Física Experimental I

Laboratório de Física Experimental I Laboratório de Física Experimental I Centro Universitário de Vila Velha Multímetro e Fonte DC Laboratório de Física Prof. Rudson R. Alves 2012 2/10 Sumário Multímetro Minipa ET-1001...3 TERMINAIS (1)...3

Leia mais

Introdução Teórica Aula 4: Potenciômetros e Lâmpadas. Potenciômetros. Lâmpadas. EEL7011 Eletricidade Básica Aula 4

Introdução Teórica Aula 4: Potenciômetros e Lâmpadas. Potenciômetros. Lâmpadas. EEL7011 Eletricidade Básica Aula 4 Introdução Teórica Aula 4: Potenciômetros e Lâmpadas Potenciômetros Um potenciômetro é um resistor cujo valor de resistência é variável. Assim, de forma indireta, é possível controlar a intensidade da

Leia mais

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC.

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. I - MULTÍMETRO O multímetro, também denominado multiteste, é um equipamento versátil, capaz de desempenhar 3 funções básicas distintas, selecionadas

Leia mais

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros nstrumentos de Medidas Elétricas Nesta prática vamos estudar o princípios de funcionamentos de instrumentos de medidas elétrica, em particular, voltímetros, amperímetros e ohmímetros. Sempre que surgir

Leia mais

The Secret Weapon Guitar Pre-amplifier

The Secret Weapon Guitar Pre-amplifier http://www.handmades.com.br The Secret Weapon Guitar Pre-amplifier PCB Ver. 1.7 DOC Ver. 1.2 - Haroldo Gamal e Leonardo Plautz Chocron Introdução Hoje em dia o site www.handmades.com.br representa uma

Leia mais

SENSOR DE TEMPERATURA COM O USO DO AMPLIFICADOR OPERACIONAL

SENSOR DE TEMPERATURA COM O USO DO AMPLIFICADOR OPERACIONAL SENSOR DE TEMPERATURA COM O USO DO AMPLIFICADOR OPERACIONAL (1) Dayse CORREIA; (2) Fabiola ANDRADE;(3) Maria Auxiliadora BLUM; (4)Felipe MENDES; (5) Iara RAMOS (1)Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Introdução 5. Amplificação com FET 6. Polarização do FET 6 Polarização do terminal dreno 7 Polarização do terminal porta 7

Introdução 5. Amplificação com FET 6. Polarização do FET 6 Polarização do terminal dreno 7 Polarização do terminal porta 7 Sumário Introdução 5 Amplificação com FET 6 Polarização do FET 6 Polarização do terminal dreno 7 Polarização do terminal porta 7 Estágio amplificador com FET 8 Princípio de funcionamento 9 Características

Leia mais

Amplificador de microfone de baixo custo e alta qualidade

Amplificador de microfone de baixo custo e alta qualidade Amplificador de microfone de baixo custo e alta qualidade Artigo original : http://www.dxfun.com/modules.php?name=news&file=article&sid=1024 A NATUREZA DA VOZ HUMANA E OS MICROFONES Alguns microfones comerciais

Leia mais

TRC-340 MANUAL DO USUÁRIO

TRC-340 MANUAL DO USUÁRIO TRC-340 MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE SOM 2.0 CANAIS HI-FI ÍNDICE Prefacio...2 Conteúdo da Embalagem...2 Informações de segurança...3 Funções do Painel Frontal...4 Funções Painel Traseiro...4 Conexões do

Leia mais

CAPÍTULO 9 OSCILADORES TRANSISTORIZADOS

CAPÍTULO 9 OSCILADORES TRANSISTORIZADOS CAPÍTULO 9 OSCILADORES TRANSISTORIZADOS INTRODUÇÃO Os osciladores são dispositivos cuja função principal é transformar energia CC aplicada, em energia AC. Para que haja essa transformação é necessário

Leia mais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.4 - Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br Medição de Tensão

Leia mais

Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores

Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores Disciplinas: Física III (ENG 06034) Fundamentos de Física III (ENG 10079) Física Experimental II ( DQF 10441) Depto Química e Física

Leia mais

MÓDULOS PLUG & PLAY. MÓDULO ADL Manual de referência

MÓDULOS PLUG & PLAY. MÓDULO ADL Manual de referência MÓDULOS PLUG & PLAY MÓDULO ADL Manual de referência Parabéns pela aquisição de um produto STUDIO R! Eles foram projetados para anos de operação confiável sob as mais rigorosas condições. Seu STUDIO R deverá

Leia mais

Exercícios Leis de Kirchhoff

Exercícios Leis de Kirchhoff Exercícios Leis de Kirchhoff 1-Sobre o esquema a seguir, sabe-se que i 1 = 2A;U AB = 6V; R 2 = 2 Ω e R 3 = 10 Ω. Então, a tensão entre C e D, em volts, vale: a) 10 b) 20 c) 30 d) 40 e) 50 Os valores medidos

Leia mais

Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT

Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT Programa de Educação Tutorial PET Grupo PET-Tele Dicas PET-Tele Uma breve introdução à componentes

Leia mais

Introdução teórica aula 6: Capacitores

Introdução teórica aula 6: Capacitores Introdução teórica aula 6: Capacitores Capacitores O capacitor é um elemento capaz de armazenar energia. É formado por um par de superfícies condutoras separadas por um material dielétrico ou vazio. A

Leia mais

Projeto de uma Fonte de Tensão Ajustável

Projeto de uma Fonte de Tensão Ajustável Eletrônica Geral 1 Introdução Projeto de uma Fonte de Tensão Ajustável O projeto de uma fonte de tensão tem como principal objetivo o exercício de montagem prática, colocando o aluno face aos conceitos

Leia mais

Prof. Jener Toscano Lins e Silva

Prof. Jener Toscano Lins e Silva Prof. Jener Toscano Lins e Silva *O resistor é um componente que tem a função de exercer uma determinada resistência à passagem da corrente elétrica, oferecendo uma maior ou menor dificuldade à corrente

Leia mais

ESCOLA DE COMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

ESCOLA DE COMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA ESCOLA DE COMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA ESCOLA DE COMUNICAÇÕES OBJETIVOS Descrever a função de cada bloco do diagrama-bloco do RECEPTOR-TRANSMISSOR EB 11-RY 20/ERC; Descrever os procedimentos de medição

Leia mais

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Fonte Estabilizada de 5 Volts Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Curso de Caixas Acústicas Parte 4 capacitores, divisores de frequência e atenuadores

Curso de Caixas Acústicas Parte 4 capacitores, divisores de frequência e atenuadores Curso de Caixas Acústicas Parte 4 capacitores, divisores de frequência e atenuadores Autor: Fernando A. B. Pinheiro Entrar em uma loja e escolher os falantes é facílimo. Conseguir um marceneiro para fabricar

Leia mais

Transistores de Efeito de Campo (npn)

Transistores de Efeito de Campo (npn) Slide 1 FET porta dispositivo de 3 terminais corrente e - de canal da fonte para dreno controlada pelo campo elétrico gerado pelo porta impedância de entrada extremamente alta para base Transistores de

Leia mais

Controle universal para motor de passo

Controle universal para motor de passo Controle universal para motor de passo No projeto de automatismos industriais, robótica ou ainda com finalidades didáticas, um controle de motor de passo é um ponto crítico que deve ser enfrentado pelo

Leia mais

Implementação do Protótipo do. RHM operando com Corrente CA de. Alimentação de 12 Pulsos Imposta

Implementação do Protótipo do. RHM operando com Corrente CA de. Alimentação de 12 Pulsos Imposta Capítulo 7 Implementação do Protótipo do RHM operando com Corrente CA de Alimentação de 12 Pulsos Imposta 7.1 Introdução Durante os estudos realizados em laboratório, três protótipos do RHM proposto, operando

Leia mais

Introdução. (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima

Introdução. (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima Introdução (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima O que são sistemas eletrônicos? Sistemas elétricos, como os circuitos da sua casa, usam corrente elétrica para alimentar coisas como

Leia mais

Modulador e demodulador PWM

Modulador e demodulador PWM Modulador e demodulador PWM 2 ATENÇÃO O autor não se responsabiliza pelo uso indevido das informações aqui apresentadas. Danos causados a qualquer equipamento utilizado juntamente com os circuitos aqui

Leia mais

www.powersystemsaudio.com.br

www.powersystemsaudio.com.br Prezado Cliente, Parabéns pela aquisição de um dos mais conceituados amplificadores automotivos do mercado brasileiro. Os produtos Power Systems são fabricados com as melhores marcas de componentes do

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO MULTIFUNCIONAL MODELO: ED-2110. www.minipa.com.br USB CARACTERÍSTICAS ED-2110

SISTEMA DE TREINAMENTO MULTIFUNCIONAL MODELO: ED-2110. www.minipa.com.br USB CARACTERÍSTICAS ED-2110 SISTEMA DE TREINAMENTO MULTIFUNCIONAL MODELO: PROPOSTA TÉCNICA CARACTERÍSTICAS Display de LCD TFT Touch. Realiza experimentos sem necessidade de um sistema de medição a parte. Possibilidade de programação

Leia mais

Amplificador de Radiofreqüência

Amplificador de Radiofreqüência Laboratório de Telecomunicações 1 Amplificador de Radiofreqüência Objetivos Comportamentais 1 Identificar um estágio amplificador de radiofreqüência utilizado em um transmissor típico e medir as tensões

Leia mais

2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores lineares nas suas configurações como inversor, não-inversor e buffer.

2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores lineares nas suas configurações como inversor, não-inversor e buffer. Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5 1 Título Prática 9 Aplicações Lineares dos Amplificadores Operacionais 2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores

Leia mais

AMPLIFICADOR HD 1600 HD 2200 HD 2800 MANUAL DE INSTRUÇÕES INTRODUCÃO INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO - 1 - 1 CANAL - CLASSE D - 2 Ohms

AMPLIFICADOR HD 1600 HD 2200 HD 2800 MANUAL DE INSTRUÇÕES INTRODUCÃO INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO - 1 - 1 CANAL - CLASSE D - 2 Ohms INTRODUCÃO AMPLIFICADOR MANUAL DE INSTRUÇÕES HD 1600 HD 2200 HD 2800 Nós da HURRICANE agradecemos pela escolha dos nossos produtos. Nossos amplificadores são projetados para oferecer a mais alta performance.

Leia mais

EXPERIÊNCIA 2: CIRCUITOS DE POLARIZAÇÃO DE JFET s.

EXPERIÊNCIA 2: CIRCUITOS DE POLARIZAÇÃO DE JFET s. EXPERIÊNCIA : CIRCUITOS DE POLARIZAÇÃO DE JFET s. PROCEDIMENTO: Polarização da porta:. Com o módulo e a fonte variável desligadas, instalar a placa CEB-0 no Slot E ou F do Módulo Universal 000. + V (Var)

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

MFG-4200 GERADOR DE FUNÇÃO DIGITAL MANUAL DE OPERAÇÃO

MFG-4200 GERADOR DE FUNÇÃO DIGITAL MANUAL DE OPERAÇÃO Capa Industria e Comércio Ltda MFG-4200 GERADOR DE FUNÇÃO DIGITAL MANUAL DE OPERAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 01 2. DESCRIÇÃO DOS PAINÉIS... 01 3. DESCRIÇÃO ELÉTRICA... 02 4. ESPECIFICAÇÕES.... 02 5. INSTALAÇÃO...

Leia mais

Eletrônica II. Amplificadores de Potência. Notas de Aula José Maria P. de Menezes Jr.

Eletrônica II. Amplificadores de Potência. Notas de Aula José Maria P. de Menezes Jr. Eletrônica II Amplificadores de Potência Notas de Aula José Maria P. de Menezes Jr. Amplificadores Amplificador é um equipamento que utiliza uma pequena quantidade de energia para controlar uma quantidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A (1) CONVERSOR A/D APROXIMAÇÃO SUCESSIVA (SAR) A figura

Leia mais

Para garantir que você tenha toda a performance do seu amplificador e evitar prejuízos procure instaladores especializados.

Para garantir que você tenha toda a performance do seu amplificador e evitar prejuízos procure instaladores especializados. Prezado Cliente, Parabéns pela aquisição de um dos mais conceituados amplificadores automotivos do mercado brasileiro. Os aparelhos da Power Systems Audio são fabricados com as melhores marcas de componentes

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT MEDIDAS ELÉTRICAS MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC MEDIDAS ELÉTRIC AS MANUAL DO PROFESSOR Manual

Leia mais

CIRCUITOS DIVERSOS COM AMPLIFICADORES OPERACIONAIS. Prof. Valner Brusamarello

CIRCUITOS DIVERSOS COM AMPLIFICADORES OPERACIONAIS. Prof. Valner Brusamarello CIRCUITOS DIVERSOS COM AMPLIFICADORES OPERACIONAIS Prof. Valner Brusamarello Amplificadores operacionais limitações Seja Vcc=5 V, R G =R F =100 k, R L = 10 k Observa-se que amplificadores operacionais

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico Guia de Aplicação de Partida Suave e Inversores CA Walter J Lukitsch PE Gary Woltersdorf John Streicher Allen-Bradley Company Milwaukee, WI Resumo: Normalmente, existem várias opções para partidas de motores.

Leia mais

Circuitos de Portas Lógicas

Circuitos de Portas Lógicas Circuitos de Portas Lógicas -Há diversas famílias diferentes de portas da lógica. Cada família tem suas potencialidades e limitações, suas vantagens e desvantagens. A seguinte lista descreve as famílias

Leia mais

Curso Avançado de Manutenção e Reparo em Impressoras e Copiadoras (Inicio em 08/08/2011)

Curso Avançado de Manutenção e Reparo em Impressoras e Copiadoras (Inicio em 08/08/2011) 1 de 26 10/8/2011 11:00 Curso Avançado de Manutenção e Reparo em Impressoras e Copiadoras (Inicio em 08/08/2011) Cursos EAD CAMRIC Recursos Módulo 2 - Uso básico e avançado do multímetro digital e analógico

Leia mais

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 2

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 2 Introdução Teórica Aula 2: Lei de Ohm e Associação de Resistores Georg Simon Ohm Georg Simon Ohm (789-854) foi um físico e matemático alemão. Entre 826 e 827, Ohm desenvolveu a primeira teoria matemática

Leia mais

Figura - Radio em 1920.

Figura - Radio em 1920. Curiosidade: Muitos dos primeiros receptores AM com alimentação AC (para as válvulas) funcionavam com o chassi ligado ao neutro da rede (como terra), freqüentemente, ao se inverter a posição da tomada,

Leia mais

Ligação áudio balanceado com conector P10 estéreo

Ligação áudio balanceado com conector P10 estéreo O Power Click modelo MX 4x4 é um sistema de audição por headphone com 4 entradas de som (inputs) e 4 conexões para headphones. Cada headphone recebe todos os inputs. Portanto, os 4 inputs são ouvidos simultâneamente

Leia mais

Reta de Carga de Horwitz & Hill, p. 1059 Qual é a corrente através do diodo?

Reta de Carga de Horwitz & Hill, p. 1059 Qual é a corrente através do diodo? Slide 1 Reta de Carga de Horwitz & Hill, p. 1059 Qual é a corrente através do diodo? Uma forma tradicional de encontrar o ponto de operação de um circuito não-linear é através de retas de carga. O objetivo

Leia mais

Modificação para melhor performance do controlador FRATESCHI eletrônico.

Modificação para melhor performance do controlador FRATESCHI eletrônico. MODificando o controlador FRATESCHI para um melhor rendimento Bom, o artigo aqui descrito visa fazer o controlador da FRATESCHI ficar mais macio para poder rodar composições em baixa velocidade e não reduzir

Leia mais