USO DAS TÉCNICAS DE BIOLOGIA MOLECULAR NA GENÉTICA FORENSE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USO DAS TÉCNICAS DE BIOLOGIA MOLECULAR NA GENÉTICA FORENSE"

Transcrição

1 Derecho y Cambio Social USO DAS TÉCNICAS DE BIOLOGIA MOLECULAR NA GENÉTICA FORENSE Viviane da Silva Leite 1 Mara Ilka Holanda de Medeiros Batista 2 Evelyne Pessoa Soriano 3 Marcus Vitor Diniz de Carvalho 4 Ana Paula Veras Sobral 5 Fecha de publicación: 01/10/2013 RESUMO: Os avanços nas tecnologias de DNA surtiram um enorme impacto no campo da ciência forense. Com uma incrível sensibilidade e um alto poder de discriminação, a análise de DNA tem sido uma poderosa ferramenta para a identificação humana e investigações criminais. O presente estudo fará uma revisão sobre as técnicas de Biologia Molecular mais significativas RFLP, VNTR, PCR e STR que foram desenvolvidas nas últimas décadas, tendo como princípio o estudo de diferentes polimorfismos de DNA para a identificação precisa de indivíduos. Por um longo tempo, estes polimorfismos foram detectados por técnicas que possuíam como base a eletroforese. Outra técnica que também será exposta, Southern Blotting, visa a identificação de uma sequência de bases Biomédica, aluna do Mestrado em Perícias Forenses na Faculdade de Odontologia da Universidade de Pernambuco (FOP-UPE), Camaragibe, PE. Cirurgiã-Dentista, aluna do Mestrado em Perícias Forenses na Faculdade de Odontologia da Universidade de Pernambuco (FOP-UPE), Camaragibe, PE. Professora do Mestrado em Perícias Forenses na Faculdade de Odontologia da Universidade de Pernambuco (FOP-UPE), Camaragibe, PE (BRASIL). Professor do Mestrado em Perícias Forenses na Faculdade de Odontologia da Universidade de Pernambuco (FOP-UPE), Camaragibe, PE (BRASIL). Professora do Mestrado em Perícias Forenses na Faculdade de Odontologia da Universidade de Pernambuco (FOP-UPE), Camaragibe, PE (BRASIL). ISSN: Depósito legal:

2 especificas do DNA, que foi por muito tempo aplicada tanto na detecção de SNPs como de VNTRs e STRs. Alem disto, será descrita a reação em cadeia da polimerase (PCR), um método laboratorial capaz de copiar milhões de vezes um segmento do DNA, que se destaca perante outras técnicas por ser um procedimento relativamente simples e fácil de realizar em laboratório, gerando resultados precisos e satisfatórios, em um curto espaço de tempo. Por fim, serão descritos os métodos automatizados que, a partir de PCR, permitem a detecção rápida de marcadores moleculares, a fim de facilitar e tornar mais precisa a identificação forense. PALAVRAS-CHAVE - Técnicas de biologia molecular, Genética forense, Perfil de DNA, Investigações criminais. USE OF MOLECULAR BIOLOGY TECHNIQUES IN FORENSIC GENETIC ABSTRACT The advent of DNA-based technologies promoted significant impact in the field of forensic science. According to its high sensibility and powerful discrimination, the DNA analyses have been a powerful tool to human identification and criminal investigations. The present study will be taken to produce a review about the most important techniques of molecular biology developed in recent decades, such as RFLP, VNTR, PCR and STR. These techniques are based in the study of different polymorphisms in the DNA and it could be used in the precise subjects identification. For a period, these polymorphisms were detected through techniques based in electrophoresis. Besides, other procedures will be explained, like Southern Blotting that aims to identify specific DNA sequences and could be applied in the research of SNPs, VNTRs and STRs. It will be also described the Polimerase Chain Reaction (PCR), a laboratorial method able to amplify millions of a short DNA segment. This technique has some advantages through the others because it is a simple and easy procedure to be done in laboratories, and could offer accurate and satisfactory results in a short period of time. Concluding, automated techniques based in PCR will be present that permit fast detection of molecular evidences in order to facilitate and promote reliable forensic identification. KEYWORDS - Molecular Biology Techniques, Forensic Genetic. DNA profiling, Criminal investigation. ISSN: Depósito legal:

3 INTRODUÇÃO Em meados dos anos 80, o primeiro método de utilização de análise de DNA para identificar indivíduos foi desenvolvido, por Alec Jeffreys, da Universidade de Leicester e, no início, havia muitas dúvidas quanto à reprodutibilidade e a confiabilidade dos métodos 1. Após o avanço da ciência e tecnologia, a análise do DNA a nível forense, torrnou-se uma das mais poderosas ferramentas para a identificação humana e investigações criminais 2. As primeiras técnicas forenses de identificação humana eram convenientes apenas para análise de DNA de evidências biológicas que contivessem células nucleadas. Atualmente, com a implementação do sequenciamento do DNA mitocondrial, essa limitação tem sido superada. Se antes, impressões digitais e outras pistas eram usadas para desvendar crimes; hoje, são inúmeros os espécimes biológicos dos quais o DNA pode ser extraído. Podemos encontrá-lo em pequenas amostras de sangue, ossos, sêmen, cabelo, dentes, unhas, saliva, urina, entre outros fluidos, e análises cuidadosas desse material ajudam a identificar criminosos 2. As aplicações da Biologia Molecular no laboratório criminal centralizam-se, em grande parte, na capacidade da análise do DNA em identificar um indivíduo a partir de cabelos, manchas de sangue e fluidos corporais, entre outros itens recuperados no local do crime. Essas técnicas são conhecidas como datiloscopia genética (genetic fingerprinting), embora o termo mais preciso e utilizado para designá-las seja perfil de DNA 3. Segundo Pena (2005) 4, a determinação de identidade genética pelo DNA pode ser usada para demonstrar a culpabilidade dos criminosos, exonerar os inocentes, identificar corpos e restos humanos em desastres aéreos e campos de batalha, determinar paternidade com confiabilidade praticamente absoluta, elucidar trocas de bebês em berçários e detectar substituições e erros de rotulação em laboratórios de patologia clínica. Sendo assim, entende-se que, existem quatro grandes vantagens que devem ser citadas sobre a tipagem molecular do DNA: a primeira e de maior importância é, sem sombra de dúvida, a possibilidade de sua extração de qualquer fonte de material biológico, a segunda é que o DNA possui um alto potencial discriminatório, a terceira é a alta estabilidade química mesmo após um longo período de tempo, estando presente em todas as células nucleadas do organismo humano, e a quarta vantagem do DNA, reside na possibilidade de separá-lo da célula espermática, de qualquer outro DNA celular 5. Atualmente a identificação humana forense por análise do DNA já é aceita em processos judiciais em todo o mundo, sendo possível inclusive à ISSN: Depósito legal:

4 identificação de pessoas mortas, há centenas de anos, utilizando DNA obtido de ossos ou dentes 6. O número de tribunais que têm aceitado evidências baseadas no DNA cresce a cada dia, levando-nos a crer que, em um futuro muito próximo, esta tecnologia será empregada em todo o Sistema Legal. Porém para que não ocorra nenhum tipo de erro e para a precisão dos resultados, regras rígidas de coleta e processamento das amostras devem ser adotadas 7. Assim disposto, entende-se que a genotipagem forense se presta, no núcleo principal de sua finalidade, a estabelecer os correspondentes vínculos genéticos entre amostras-questionadas, vestígios de origem biológica desconhecida, e amostras-referência, de origem biológica conhecida, concluindo-se pela determinação da origem individual de cada vestígio e, a partir desse ponto e mesmo coligado a outros meios de prova, eventualmente reconstruir parcial ou totalmente a dinâmica do ato criminoso. REVISÃO DA LITERATURA Informação Genética As informações genéticas individuais estão armazenadas sob a forma de ácidos nucléicos. Os ácidos nucléicos foram descobertos em 1869 por Friedrich Miescher e no início do século XX o bioquímico Kossel evidenciou a existência de dois tipos de ácidos nucléicos: o ácido desoxirribonucléico (DNA) e o ácido ribonucléico (RNA). O DNA contém o gene enquanto que o RNA serve como agente intermediário na atividade do gene. O RNA mensageiro (mrna) é transcrito a partir do DNA e traduzido em seqüências de aminoácidos que formam as proteínas 8. O DNA é uma molécula extremamente longa, formada por duas cadeias de polinucleotídeos enrolados de forma helicoidal e ligados transversalmente através de pontes de hidrogênio. Cada nucleotídeo é constituído por três unidades básicas: uma base nitrogenada, uma molécula de açúcar (desoxirribose) e um grupamento fosfato (PO4). A adenina e a guanina contêm dois anéis carbônicos, sendo chamadas de purinas; a citosina e a timina são conhecidas como pirimidinas. A adenina forma pontes com a timina (ligações de duas pontes de hidrogênio); e a guanina com a citosina (ligações de três pontes de hidrogênio). Para cada nucleotídeo de adenina existe um de timina (A-T), e para cada nucleotídeo de guanina existe um de citosina (G-C), formando duas cadeias que são designadas por complementares 8, citado na Figura 1. O DNA pode ser encontrado nos cromossomos do núcleo (DNA genômico) e nas mitocôndrias (DNA mitocondrial). O DNA genômico é encontrado no núcleo de cada célula do corpo humano e representa uma ISSN: Depósito legal:

5 fonte de DNA para a maioria das aplicações forenses. Sua molécula é linear, conforme citado na Figura 2. Neste DNA estão localizados os genes, depositários das informações genéticas responsáveis pelas atividades da célula. Por outro lado, o interesse nos estudos forenses pelo DNA mitocondrial se deve principalmente ao fato deste apresentar resistência à digestão enzimática devido a sua estrutura circular, conforme citados na Figura 3, e sendo desta forma a análise desse tipo de DNA excepcional no estudo de tecidos antigos e até arqueológicos, como ossos, dentes e cabelos 9. Figura 1: Representação esquemática da Molécula de DNA Figura 2: Representação esquemática do DNA genômico humano. ISSN: Depósito legal:

6 Figura 3: Representação esquemática do DNA mitocondrial (mtdna) e suas regiões hipervariáveis Aspectos Gerais da Análise do DNA Forense O exame de DNA foi apontado como a maior revolução científica na esfera forense, desde o uso e reconhecimento das impressões digitais como uma característica pessoal, onde as técnicas de identificação fundamentadas na análise direta do ácido desoxirribonucléico ostentam pelo menos duas vantagens sobre os métodos convencionais de identificação: a estabilidade química do DNA, mesmo após longo período de tempo, e a sua ocorrência em todas as células nucleadas do organismo humano, o que permite condenar ou absolver um suspeito com vestígios encontrados na cena de um crime. Em estudo realizado por Luftig (2001) 10, este mencionou, que em agosto de 1986, na Inglaterra, um caso criminal envolvendo o estupro e homicídio de duas adolescentes foi solucionado com a determinação da autoria do delito após toda a população masculina de dois vilarejos do condado de Leicester ter contribuído com a doação de amostras de sangue para confronto com vestígios de sêmen coletados do corpo das vítimas. Estava assim inaugurada uma nova página no emprego da biologia molecular e sua utilização na identificação humana criminal. Desde 1989, a Sociedade Internacional de Genética Forense, vem demonstrando interesse em avaliar a reprodutibilidade e exatidão das metodologias utilizadas. O FBI (Federal Bureau of Investigation) acrescenta alguns ítens para o controle de qualidade dos laboratórios que trabalham com evidências de DNA forense, que inclui, além desses cuidados, a realização de periódicos testes de proficiência (a cada 180 dias) e auditorias anuais, para a manutenção da garantia de qualidade. O teste de proficiência é utilizado para monitorar o rendimento e identificar tópicos ISSN: Depósito legal:

7 que devem ser aperfeiçoados e a auditoria para averiguar a qualidade das atividades realizadas pelo laboratório 11. Segundo Jobim (2006) 12, o estudo do DNA possibilitou obter informações sobre a individualidade humana, iluminando a ciência da investigação e da identificação em casos criminais. Uma mudança total na tecnologia aconteceu a seguir, pois o estudo do polimorfismo do DNA substituiu, em curto espaço de tempo, as análises sorológicas dos polimorfismos de proteínas e grupos sanguíneos, até então, usados exclusivamente na área forense. Para o autor as técnicas de amplificação do DNA pela PCR na última década tiveram um enorme progresso. Foram também desenvolvidos novos métodos de extração do DNA do sangue periférico, tecidos, ossos, cabelos, manchas de sangue, material vaginal, entre outros. O sucesso da tipagem de DNA depende basicamente da qualidade e quantidade de DNA extraído das diversas fontes. Nos exames de paternidade, o DNA é geralmente extraído de amostras coletadas em condições ideais. Já na determinação de identidade, o material obtido nem sempre está em boas condições. Às vezes há pouco DNA, ou este está contaminado ou degradado. Nesses casos a extração de DNA adequado para a análise talvez seja a etapa mais importante do processo. São também analisados polimorfismos presentes no DNA mitocondrial e no cromossomo Y 13. Além dos cuidados que devem ser tomados com todas as evidências criminais e civis, nos casos que envolvem análises de DNA, deve-se ter atenção em relação à contaminação das evidências criminais que contenham material genético. Por isso é importante o uso de luvas descartáveis, máscaras e gorros cirúrgicos quando for fazer a coleta, manuseio e processamento das evidências 13. Os exercícios propostos para laboratórios que realizam caracterização de vínculo genético normalmente são constituídos de amostras biológicas de mãe, filho e suposto pai, com o intuito de comparar as estratégias utilizadas, seus protocolos metodológicos, assim como os resultados obtidos entre os participantes 14. Tendo em vista assegurar uma geração de dados corretos e tecnologias adequadas, um apropriado programa de controle de qualidade é essencial para todos os laboratórios de análises clínicas que realizam identificação humana pelo DNA 15. ISSN: Depósito legal:

8 Fundamentos da Biologia Molecular A Biologia Molecular é o estudo da Biologia a nível molecular, com especial foco no estudo da estrutura e função do material genético e seus produtos de expressão, as proteínas. Mais concretamente, a Biologia Molecular investiga as interações entre os diversos sistemas celulares, incluindo a relação entre DNA, RNA e síntese proteica. É um campo de estudo alargado, que abrange outras áreas da Biologia e da Química, em especial Genética e Bioquímica.Nas últimas décadas, muitas técnicas foram desenvolvidas, objetivando a identificação genética precisa de indivíduos 16. Na Biologia Molecular é frequentemente combinada técnicas e ideias provindas da Microbiologia, Genética, Bioquímica e Biofísica. Historicamente, a Microbiologia exerceu um papel fundamental no desenvolvimento da Biologia Molecular, pois a maioria dos conceitoschave e das técnicas de Biologia Molecular se originou a partir de estudos e experimentos realizados principalmente com bactérias, fungos e vírus 17. Muito da investigação em Biologia Molecular é relativamente recente, e muitos trabalhos têm sido feitos recorrendo-se à Bioinformática e Biologia Computacional. Estes recursos tornaram o estudo da estrutura e função de genes, ou Genética Molecular, num dos campos mais proeminentes em Biologia Molecular 17. Nos EUA o FBI implantou o CODIS Combined DNA Index System, que se tornou operacional em 1998, e combina a biologia molecular com a tecnologia eletrônica, formando um banco de dados de perfis genéticos de DNA extraído de evidências biológicas coletadas na cena do crime e DNA de criminosos condenados por vários tipos de violência física, possibilitando averiguar se o mesmo cometeu anteriormente outra infração 11. Um dos maiores progressos da ciência está relacionado a análise do DNA, onde a biologia molecular tem se tornado uma ferramenta indispensável na investigação criminal, desde a descoberta das impressões digitais. Métodos para determinar o perfil do DNA estão firmemente embasados na tecnologia molecular. Quando a determinação do perfil é feita com cuidados adequados, os resultados são altamente reprodutíveis 1. Metodologia Aplicada à Identificação Humana: A análise do DNA em caracterização de vínculo genético engloba desde o domínio da metodologia de coleta do material biológico até a interpretação dos resultados obtidos 18. Cada metodologia possui sua particularidade e cuidados inerentes à técnica que podem favorecer vantagens e desvantagens, de acordo com o ISSN: Depósito legal:

9 objetivo almejado. A análise do DNA compreende diversas etapas, independente da metodologia a ser empregada e do tipo de amostra que será analisada 19. O processo envolvendo a biologia molecular na forense inclui: 1) coleta de amostras; 2) extração, purificação e quantificação do DNA de todas as amostras; 3) análise dos loci; 4) visualização dos fragmentos e caracterização (com o uso da Eletroforese); 5) interpretação e análise comparativa dos resultados 20. Coleta de Amostras para Análise Forense A coleta de amostras para o exame de DNA deve ser realizada logo após a identificação possível pelos médicos-legistas, odonto-legistas e papiloscopistas, mesmo quando esta identificação for positiva, pois pode ser necessário um futuro confronto genético para elucidação de dúvidas com relação à identidade do indivíduo e troca de corpos 21. A escolha do tipo de amostra a ser coletada depende da conservação da amostra, onde os dentes e ossos são os materiais que se preservam por mais tempo, mesmo quando submetidos a diferentes fatores de degradação. A coleta e os métodos de preservação das provas coletadas na cena do crime têm um grande impacto no tribunal. Do ponto de vista técnico e criminalista, o DNA pode ser coletado da maioria dos espécimes biológicos, pois é uma molécula estável em ambiente seco e frio. Se armazenado em tais condições, tem grandes chances de resultados confiáveis. Em geral, uma quantidade significativa de material deve ser coletada para garantir a extração de DNA suficiente para os testes 2. No entanto, é importante preservar a coleta de sujeira adicional, gorduras, fluidos e outros materiais que possam afetar o processo de tipagem de DNA 22. O material biológico recuperado na cena do crime pode sofrer alterações ambientais (luz, altas temperaturas, reativos químicos, etc.) que poderão ocasionar quebras e alterações da cadeia de nucleotídeos e, como consequência, modificar a composição e a estrutura normal do DNA, impossibilitando a análise 23. O armazenamento do material biológico úmido em sacos plásticos deve ser de no máximo 2 horas ou, quando possível, permitir que seque antes do acondicionamento final. Cada tipo de amostra de material biológico (sangue, saliva, osso, dente, etc.) deve ter sua coleta e disposição individualmente descrita. A degradação do DNA de amostras biológicas, utilizadas em investigação criminal, pode ocorrer decorrente de um processo natural de exposição ao meio-ambiente. Luz, umidade, ISSN: Depósito legal:

10 temperaturas elevadas, bem como contaminação bacteriana ou fúngicas levam à degradação química do DNA humano 24. Extração de DNA Forense O DNA pode ser extraído de amostras de sangue, de esfregaços bucais, de saliva, de osso, de dente, de tecidos e órgãos, de fios de cabelos, de sêmen, entre outros materiais biológicos 16. A quantidade, a pureza e a integridade do DNA dependem de vários fatores, podendo ser influenciados pelas metodologias aplicadas para sua extração. Após a coleta do material biológico, o DNA da amostra deverá ser separado de outras substâncias celulares antes de ser examinado. Proteínas celulares, contaminações químicas e microbiológicas diminuem o poder discriminatório das análises utilizando o DNA 18. A escolha do uso de diferentes métodos de extração de DNA está relacionada ao tipo de material envolvido e influencia diretamente o sucesso da análise dos STRs. A maioria dos procedimentos de extração de DNA compreende a lise celular, seguida da remoção das proteínas celulares precipitadas e por fim a precipitação do DNA com sua final eleição. A extração orgânica, que é o método mais tradicional na genética forense, o qual consiste na remoção dos resíduos de proteínas do DNA através da combinação de dois solventes orgânicos diferentes: Fenol e Clorofórmio. Esse método como qualquer outro, possui suas indicações, vantagens e desvantagens. Entre as principais vantagens temos: o baixo custo e um alto grau de pureza do DNA a ser investigado. As desvantagens são: demora em sua execução e é um método altamente tóxico 23. A técnica mais amplamente empregada envolve, em sua primeira fase, a lise celular, seguida de desnaturação ou inativação de proteínas, com a utilização de proteinase K. Com solventes orgânicos o DNA é posteriormente separado de macromoléculas, como as proteínas através de solubilização em água, e em seguida precipitado com etanol. Outras metodologias com o mesmo princípio, inclusive kits comerciais, podem ser utilizadas para cada tipo de amostra biológica 24. A quantidade, a pureza e a integridade do DNA dependem de vários fatores como condições da amostra e da conservação, sendo necessário utilizar critérios para escolha de metodologia de extração para cada tipo de amostra 25. A resina magnética é outro método de extração de DNA muito utilizado na genética forense, sendo as mais utilizadas a DNA IQ TM, da Promega e a ChargeSwitcha, da Invitrogen. Em ambos os casos, Uma resina paramagnética é usada para capturar uma quantidade consistente de ISSN: Depósito legal:

11 DNA. A resina tem uma capacidade definida de ligação ao DNA, portanto, mesmo em presença excessiva de DNA, a resina só se ligará a uma quantidade definida de DNA. Uma vez que a recuperação depende do método de amostragem, apoio sólido e tipo de amostra, os laboratórios terão de determinar o rendimento médio para um tipo de amostra única. Uma vez que esse rendimento foi determinado, o pesquisador pode ignorar o passo de quantificação normalmente necessário, com outros processos de purificação 26. Extração diferencial do DNA para crimes sexuais A extração diferencial, muito empregada em amostras provenientes de crimes sexuais, é uma variação da extração orgânica e se baseia no fato de que os espermatozóides são células bem mais resistentes que as células epiteliais da mucosa vaginal. Esta técnica divide a etapa de lise celular em duas: a primeira mais branda, onde ocorre a quebra das membranas celulares das células epiteliais femininas, obtendo-se a fração não espermática (FNE), e a segunda, mais robusta, onde ocorre a lise das células espermáticas, obtendo-se a fração espermática (FE). Quantificação de DNA A quantificação do DNA após a sua extração é importante para o aperfeiçoamento da qualidade do produto de DNA resultante da PCR 27. O excesso de DNA em uma amostra de PCR poderá saturar a reação, fazendo com que apareçam artefatos de técnica e amplificações inespecíficas que podem dificultar a sua análise. Já a sua falta poderá acarretar a perda de um dos alelos, quando o indivíduo é heterozigoto, ou mesmo na sua não amplificação 18. A qualidade e quantidade de DNA devem ser examinadas após a extração, além de verificar a possibilidade de degradação. Quando se refere às amostras utilizadas em investigação criminal ou passíveis de degradação e contaminação, recomenda-se a utilização da quantificação de DNA humano. Essa quantificação pode ser realizada por hibridização de uma sonda utilizando um determinado locus em uma amostra de DNA imobilizada de uma membrana de náilon dot blot e por kits comerciais como, por exemplo, o AluQuant TM human DNA quantitation system 27. Apesar dessas técnicas serem mais complexas e caras que a espectrofotometria, elas quantificam somente o DNA humano, pois possuem sondas específicas para o mesmo. Tal característica pode ser imprescindível em casos forenses que haja a possibilidade de contaminação de DNA externo. No entanto, muitas vezes não é utilizada, pois há a necessidade de 5 a 10µL de produto de DNA, o que muita vezes não é obtido 28. ISSN: Depósito legal:

12 Uma metodologia que está substituindo as outras técnicas de quantificação por utilizar pouca quantidade de DNA, ser específico para DNA e inclusive possibilitando verificar a presença de inibidores da enzima polimerase é a quantificação de DNA por PCR em tempo real. Principalmente em casos forenses que existe ínfima quantidade de DNA, está sendo altamente recomendada. Consiste no emprego de marcadores com fluorescência que são utilizados para a amplificação de regiões do genoma humano 29. A PCR em tempo real é uma técnica que deve ser relatada, pelo fato de estar sendo aproveitada em ciências forenses para determinar a quantidade de DNA humano viável para amplificação. A PCR em tempo real amplia regiões específicas de DNA, conforme citado na figura 6. Essa técnica diferencia-se da PCR tradicional, por possuir sondas marcadas com fluoróforos propiciando detecção em tempo real dos fragmentos amplificados, sendo simultaneamente quantificados. Dessa maneira, não há necessidade de utilização de géis e análise por Sourthern blotting 30. Entretanto, para realização da PCR em tempo real é necessário equipamento específico e sondas adequadas. O DNA humano pode ser especificamente quantificado para posterior análise do perfil genético pelas STRs, assim como verificar a presença ou não de inibidores da enzima polimerase 30. Reação de Amplificação pela Polimerase PCR Uma tecnologia que revolucionou o campo da biologia molecular foi a PCR, tendo como seu inventor Kary Mullis, que recebeu o Prêmio Nobel em 1993, por essa descoberta. A PCR consiste na amplificação seletiva de uma sequência-alvo de DNA específica a partir de uma coleção heterogênea de DNA, empregando-se um par de oligonucleotídeos iniciadores que são complementares a uma certa extensão em ambas as fitas do DNA a ser amplificado. A sequência-alvo de DNA, cuja continuação é originalmente conhecida, é denominada DNA molde 31. A enzima termoestável denominada DNA polimerase direciona o posicionamento dos precursores do DNA dntp iniciando a síntese de novas fitas de DNA. Com um novo aumento de temperatura, a enzima DNA polimerase catalisa a reação, incorporando o nucleotídeo na posição terminal ao iniciador, complementando as bases do DNA molde, promovendo a extensão da fita 32. A reação de PCR é preparada utilizando-se diversos reagentes que devem possuir concentrações específicas para todo tipo de análise. Atualmente, existem diversos kits de PCR contendo todos os reagentes prépadronizados que facilitam a utilização da PCR em laboratórios forenses. O ISSN: Depósito legal:

13 reagente que vai direcionar a otimização de cada reação será o primer ou iniciador, que flanqueará a região do DNA a ser copiada, sendo um oligonucleotídeo sintetizado quimicamente e é adicionado à reação em altas concentrações 18. Segundo BUTLER (2005) 18, a PCR envolve três etapas: desnaturação, hibridização e polimerização. A desnaturação ocorre quando a molécula de DNA é aquecida acima da temperatura de 90 o C, na qual as pontes de hidrogênio da dupla hélice se rompem, ocorrendo a separação das cadeias complementares. O passo seguinte é um o a hibridização dos primers, ligados a duas regiões: direto e reverso, a uma temperatura que pode variar de 45 a 72 o C e deve ser previamente otimizada. O último passo é a polimerização onde a enzima DNA Polimerase catalisa a extensão da fita na direção 5` 3`, começando examente no primer incorporando o nucleotídeo apropriado ( A T, C G ). Marcadores Moleculares O Single Sequence Length Polymorphism (SSLP) ou polimorfismo de comprimento de sequência única englobam os VNTR ou repetições consecutivas de número variável 33, ou minissatélites, e também os STR ou repetições consecutivas curtas ou microssatélites, esses marcadores funcionam como impressão digital, no genoma de cada indivíduo 34. A diferença entre eles é o tamanho da sequência que se repete, sendo que nos microssatélites essa estrutura é menor, pois possuem repetições constituídas de 2 a 9 pares de bases, e o minissatélite, de 10 a 64 pares de bases. Esse DNA satélite na maioria das vezes não é transcrito 35. O Single Nucleotide Polymorphism (SNP) ou polimorfismo de nucleotídeo único é uma variação na sequência de DNA que ocorre quando um nucleotídeo é alterado por outro em sequências de DNA que podem ou não codificar genes 36. Atualmente, os STRs e SNPs são empregados amplamente para a identificação humana e possuem diferenças relevantes 18,36. A análise dos SNPs também pode estar associada aos fenótipos individuais, havendo uma possibilidade futura de identificação de traços físicos como, por exemplo, a cor da íris 37. Jobim et. al., (2006) 12 relatam que os melhores STRs utilizados na identificação humana são aqueles com maior polimorfismo (maior número de alelos), menor tamanho (100 a 200 pares de bases), elevado índice de discriminação e heterozigose, e baixa frequência de mutações. Para isso, há a necessidade dos laboratórios realizarem a frequência genética em pelo menos 100 indivíduos não relacionados. ISSN: Depósito legal:

14 Eletroforese A eletroforese é uma metodologia amplamente empregada para a separação, isolamento, análise e manipulação dos ácidos nucléicos. Os ácidos nucléicos possuem uma carga geral total negativa, devido aos seus grupamentos fosfato do arcabouço, consequentemente, quando aplicados em um gel de agarose ou poliacrilamida, eles migrarão em direção ao ânodo em um campo elétrico. Em condições apropriadas de tampão, voltagem e miliamperagem, os fragmentos pequenos migrarão mais facilmente do que os maiores. Atualmente, a eletroforese capilar 38 é amplamente utilizada e possui o mesmo princípio que a eletroforese em gel analisados por Laser, com a diferença de que possui capilares para a separação eletroforética dos fragmentos de DNA 18. Os fragmentos de DNA amplificados por PCR são identificados após a eletroforese em gel de poliacrilamida, seguido da coloração com prata, ou pela detecção de sinal fluorescente, na qual os iniciadores utilizados no PCR são marcados com fluorocromos, possibilitando a análise por sequenciador automático 39. A variação do tipo e concentração do gel propicia diferentes características de separação, permitindo distintas resoluções e análises. Em caracterização de vínculo genético utiliza-se eletroforese em gel de poliacrilamida ou eletroforese capilar para a análise de imagens. Em inclusão ou exclusão de paternidade, comparam-se os alelos presentes no filho com o do suposto pai, sendo que um seria o alelo obrigatório materno e o outro paterno. O mesmo acontece em inclusão de suspeitos de um crime, no qual se compara o DNA encontrado na vítima, como ocorre com marcas de mordida ou presença de sêmen, ou na cena de um crime. Pode ocorrer uma mistura de amostras biológicas contendo DNA da vítima e do agressor. Dessa maneira, confronta-se o DNA da vítima com o dos suspeitos e, sucessivamente, com o DNA das amostras presentes na cena do crime 39. Géis de agarose ou poliacrilamida podem ser feitos de uma variedade de formas, tamanhos e porosidades e podem ser corridos em um número diferente de configurações. As escolhas desses parâmetros dependem primeiramente do tamanho dos fragmentos a ser separados 40. Géis de poliacrilamida são mais eficientes em separações de pequenos fragmentos de DNA (5-500pb), que é o caso da análise do DNA forense, pelo seu poder de resolução ser extremamente alto. Mas, apesar de serem corridos rapidamente e acomodarem comparativamente grandes ISSN: Depósito legal:

15 quantidades de DNA, géis de poliacrilamida possuem a desvantagem de serem mais difíceis de preparar e manusear do que eletroforese capilar 32. Géis de agarose possuem menor poder de resolução do que géis de poliacrilamida, mas possuem maior alcance de separação. DNAs de 50pb até alguns megabases em extensão podem ser separados em géis de agarose de diferentes concentrações e configurações. Pequenos fragmentos de DNA ( pb) são melhores resolvidos em géis de agaroses corridos em conformação horizontal em campo elétrico de força e direção constantes. Os fragmentos de DNA são comparados com marcadores de tamanho ou ladders ou padrões 39. Deve-se ressaltar que a eletroforese capilar é amplamente utilizada em análise de DNA forense, por permitir que grandes quantidades de amostras sejam analisadas de maneira automatizada, além de necessitar de poucas quantidades de amostra para o processo de injeção e podem ser facilmente reinjetadas, se necessário. Separação eletroforética em capilar é realizada em menos de 1 hora, se comparando com as muitas horas necessárias para àquela realizada em géis de poliacrilamida para identificação humana. Além do tempo, a quantidade de passos para a elaboração do gel de acrilamida faz com que possa haver uma chance maior de erro durante a manipulação. A desvantagem é o custo inicial para a compra dos equipamentos, sendo bem mais alta do que aqueles empregados na eletroforese em gel de poliacrilamida 18. Interpretação dos Resultados do Exame de DNA Após a visualização, dá-se a análise dos resultados comparando os fragmentos de DNA amplificados das amostras do pai, mãe e filho em caso de paternidade; ou das amostras encontradas na cena do crime, em corpos ou vítimas com as de suspeitos 18. No entanto, durante a PCR, um grande número de artefatos pode ocorrer e interferir na interpretação e genotipagem dos alelos presentes na amostra de DNA, sendo visualizadas somente após a eletroforese 18. CONSIDERAÇÕES FINAIS Com uma incrível sensibilidade e poder de discriminação, a análise de DNA tem sido a figura-chave e promete grandes progressos da ciência forense, fornecendo aos investigadores uma grande chance de excluir suspeitos que não estão relacionados à cena do crime. Os métodos baseados na PCR são imediatos, requerem apenas uma pequena quantidade de material e podem fornecer identificação nãoambígua de alelos individuais. Assim, vários métodos de PCR, particularmente os que usam os STRs, estão sendo cada vez mais usados. ISSN: Depósito legal:

16 A tecnologia do perfil e os métodos relacionados à análise de DNA progrediram a ponto de não colocar em dúvida a admissibilidade dos dados sobre o DNA quando adequadamente coletados e analisados. No futuro, espera-se que as técnicas de biologia molecular existentes sejam aprimoradas e que novos e melhores métodos para análise sejam desenvolvidos, a fim de que a grande maioria dos casos de investigações forenses cíveis e criminais tenha um desfecho que não possa ser questionado nos tribunais. REFERÊNCIAS 1 DUARTE, F.A. M.; PEREZ, A. M.; PENA, S. D.; DE BARROS, M. P. M.; ROSSI, E O. A avaliação do DNA como Prova Forense. Ribeirão Preto: FUNPEC p. 2 BENECKE, M. DNA typing in forensic medicine and in criminal investigations: a current survey. Naturwissenschaften, v. 84. pp , BROWN, T.A. Clonagem Gênica e Análise de DNA: Uma introdução. 4.ed. Porto Alegre: Artmed p. 4 PENA, S. D.J. Segurança Pública: determinação de identidade genética pelo DNA. In: Seminários Temáticos para a 3ª Conferência Nacional de C, T & I. Parcerias Estratégicas, v. 20, p , MALAGHINI, M.; ALONSO, C. A.M.; DALL STELLA, R.; SCHNEIDER, V.J. Análises de Material Genético na Investigação Criminal um relato sobre a evolução dos processos de padronização. Disponível em: 6 BORÉM, A.; FERRAZ, D. A.; SANTOS, F. DNA e Direito. Revista Biotecnologia Ciência & Desenvolvimento, Brasilia-DF, nº22, p.42-44, set/out, PRIMORAC, D.; SCHANFIELD, M. S. Application of Forensic DNA Testing in the Legal System. Croatian Medical Journal, v. 41, n. 1, p , ALBERTS, B; JOHNSON, A; LEWIS, J; RAFF, M; ROBERTS, K; WALTER, P. Molecular Biology of the Cell, 4th edition. New York: Garland Science; WIEMANN, M; WINKLER, L; BINGMANN, D. Light microscopic methods to study cells on non-transparent materials. Materialwissenschaft und Werkstofftechnik, V. 32, Issue 12, p , Dec/ LUFTIG, M. A., RICHEY, S. DNA and Forensic Science. New England. Law Review. Vol. 35:3; FEDERAL BUREAU OF INVESTIGATION (FBI). Handbook of forensic services: Evidence examinations DNA general. Disponível em: 12 JOBIM L. F. Identificação humana pelo DNA. In: JOBIM L. F.; COSTA E. S.; Identificação humana vol II. 2006, pp LIMA. Renata de Barros. Biolixiviação de Concentrado de Flotação de Sulfetos de Cobre. Orientadores: Profª. Dra. Selma Gomes Ferreira Leite e Prof. Dr. Luis Gonzaga Santos Sobral. Rio de Janeiro: UFRJ/EQ, Dissertação (Mestrado em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos). ISSN: Depósito legal:

17 14 BJERRE A.; COURT D. S.; LINCOLN.; MORLING N. Society for Forensic Haemogenetics. Forensic Sci. Int.: 2001 v 90. pp KLOOSTERMAN A. D. Credibility of forensic DNA typing is driven by stringent quality Standards.: pp BRETTELL T. A.; BUTLER J. M.; SAFERSTEIN R. Forensic science. Anal Chem.: pp ALBUQUERQUE, T. K. Identificação humana através de marcadores moleculares. Caderno La Salle XI, Canoas, v. 2, n. 1, p , BUTLER, J. M. Short tandem repeat analysis for human identity testing. Current Protocols in Juman Genetics.: pp COMMITTEE ON DNA FORENSIC SCIENCE. The evaluation of forensic DNA evidence. Washington: National Academy Press, INTERNACIONAL CRIMINAL POLICE ORGANIZATION (INTERPOL). INTERPOL handbook on DNA data Exchange and pratice. Disponível em: 21 ALONSO, A. et al. Challenges of DNA Profiling in Mass Disaster Investigations, Croatian Medical Journal 2005;46(4): LEE, H. C.; LADD, C. Preservation and Collection of Biological Evidence. Croatian Medical Journal, v. 42, n. 3, p , BONACCORSO, Norma. Análise Forense de DNA. São Paulo: p. Tese (Monografia apresentada no Concurso de Ingresso para professor da ACADEPOL) Academia de Polícia de São Paulo. Disponível em: 24 SCHNEIDER P. M.; MARTIN P. D. Criminal DNA databases; the European situation. Forensic Sci. Int.: pp HALLENBERG C.; MORLING N. A Group of the International Society for Forensic genetics. Forensic Sci. Int.: pp PROMEGA Corporation, INTERNACIONAL SOCIETY FOR FORENSIC HAEMOGENETICS (ISFH). Recommendations of the DNA commission of the internacional society for forensic haemogenetics relating to the use of PCR-based polymorphism. Forensic Sci. Int.: pp MANDREKAR M. N.; ERICKSON A. M.; KOPP K.; et al. Development of a human DNA quantitation system pp ANDERSON S. et al. Sequence and organization of the human mitochondrial genome. Nature, 2002 pp ANDERSEN J. Quantification of DNA by slot-blot analysis. In: Lincoln PJ, Thompson J. Methods in molecular biology, vol, 98: Forensic DNA profiling protocols. Totowa: Humana Press; pp SAIKI R. K.; SCHARF S.; FALOONA F.; et al. Enzymatic amplification of beta-globin genomic sequences and restriction site analysis for diagnosis of sickle cell anemia. Science: pp. 20; SAMBROOK, J.; Molecular Cloning. Cold Spring Harbor Laboratory Press: New York, ed. ISSN: Depósito legal:

18 33 JEFFREYS A. J.; WILSON V.;THEIN S. L. Hypervariable minisatellite regions in human DNA. Nature.: pp EDWARDS A.; et al. DNA typing and gentic mapping with trimeric and tetrameric tandem repeats.: pp NELEMANN L. J.; MOLLER A.; MORLING N. PCR typing of DNA fragments of the short tandem repeat (STR) system in Danes and Greenland Eskimos. Forensic Sci. Int.: pp GILL P. et al. Automated short tandem repeat (STR) analysis in forensic casework. Eletrophoresis.: pp FRUDAKIS T. et al. Sequences associated with human Iris pigmentation. Natural Genetics.: pp PEARCE M. J.; WATSON N. D. Rapid analysis of PCR components and products by acidic non-gel capilary electrophoresis pp SULLIVAN K. M.; POPE S.; GILL P.; Robertson J. M. Automated DNA profiling by fluorescent labeling of PCR products. PCR methods Appl.: pp FORNEY, L.J. et al. Structure of microbial communities in activated sludge: potential implications for assessing the biodegradability of chemicals. Ecotoxicology and Environmental Safety, v. 49, n. 1, p , ISSN: Depósito legal:

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

09 Mutações não interferem no polimorfismo genético e não constituem modificações hereditárias.

09 Mutações não interferem no polimorfismo genético e não constituem modificações hereditárias. LISTA DE EXERCÍCIOS 01 Para a realização do exame de paternidade, a perícia, geralmente, é realizada no campo médico-legal por meio da pesquisa do DNA. Porém, pode ocorrer que, sendo esta impossível por

Leia mais

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe!

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Aula: 2 Temática: Ácidos Nucléicos Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Introdução: Os ácidos nucléicos são as moléculas com a função de armazenamento e expressão da informação

Leia mais

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano DNA A molécula da vida Prof. Biel Série: 9º ano DNA FINGER-PRINTING A expressão DNA "Finger-Print" (ou Impressões Genéticas) designa uma técnica de separação de segmentos de DNA que permite a identificação

Leia mais

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

GENÉTICA FORENSE E PATERNIDADE

GENÉTICA FORENSE E PATERNIDADE GENÉTICA FORENSE E PATERNIDADE Alessandra Dias Laboratório de Biologia Molecular O primeiro teste de DNA para investigação de paternidade era feito através do sistema de HLA, entretanto o resultado era

Leia mais

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR)

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) 1 Universidade Federal Fluminense Instituto Biomédico Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina: Virologia Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) A técnica de reação

Leia mais

Genética e Melhoramento de Plantas

Genética e Melhoramento de Plantas Genética e Melhoramento de Plantas Marcadores moleculares e sua utilização no melhoramento Por: Augusto Peixe Introdução ao uso de Marcadores moleculares Definição Marcador molecular é todo e qualquer

Leia mais

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva PCR MARCADORES MOLECULARES Prof. Dr. José Luis da C. Silva Histórico da PCR Kornberg (1960) Isolou e caracterizou a DNA polimerase. O isolamento desta enzima possibilitou o desenvolvimento da síntese in

Leia mais

Os exames. de DNA nos tribunais

Os exames. de DNA nos tribunais Avanços científicos ocorridos nas últimas décadas alteraram as investigações policiais: se antes as impressões digitais e outras pistas eram usadas para desvendar os crimes, hoje pode-se extrair DNA de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA RAZÃO DE PROBABILIDADE BAYESIANA COMO EVIDÊNCIA PARA TESTE DE VÍNCULO DE PATERNIDADE Curitiba 2012 I Dianna Lo Wai Yan Maurício Fernandes do Nascimento

Leia mais

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala Técnicas de biologia molecular da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala os mesmos genes, qual a diferença? Dogma central Localizando alvos Técnicas iniciais para evidenciar

Leia mais

Reação em Cadeia Da Polimerase

Reação em Cadeia Da Polimerase Reação em Cadeia Da Polimerase X Jornada Farmacêutica IV Amostra 2010 Sueli Massumi Nakatani LACEN-PR Um Pouco de História... Um Pouco de História... 1983 Kary Mullis for his invention of the polymerase

Leia mais

Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso?

Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso? Aluno: nº Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso? OBJETIVOS Compreender a importância prática da Engenharia Genética na identificação das pessoas. Conhecer os princípios básicos da manipulação

Leia mais

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri Extração de DNA Prof. Silmar Primieri Conceitos Prévios O que é DNA? Onde se localiza o DNA na célula? Do que são formadas as membranas celulares? Qual a estrutura do DNA? O que é DNA? Unidade básica informacional

Leia mais

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO Conteúdos abordados -Relembrar alguns conceitos da Replicação do DNA in vivo Aplicação no Laboratório Clínico - PCR -Algumas

Leia mais

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Patologia x Genética Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Lucas Brandão Patologia Clínica Definição: Fornece informações ao médico, de modo a proporcionar-lhe os meios necessários para

Leia mais

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Casa da Medicina Unidade Gávea Coordenação Central de Extensão EPIDEMIOLOGIA MOLECULAR Rachel Siqueira de Queiroz

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA

COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA Andréia Cristina Hypólito José 11075810 Fernando Caldas Oliveira 11085410 Giovana Zaninelli 11017210 Renato Fernandes Sartori 11061110 Rodrigo de Mello

Leia mais

Os primeiros indícios de que o DNA era o material hereditário surgiram de experiências realizadas com bactérias, sendo estas indicações estendidas

Os primeiros indícios de que o DNA era o material hereditário surgiram de experiências realizadas com bactérias, sendo estas indicações estendidas GENERALIDADES Todo ser vivo consiste de células, nas quais está situado o material hereditário. O número de células de um organismo pode variar de uma a muitos milhões. Estas células podem apresentar-se

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com O NÚCLEO E A SÍNTESE PROTEÍCA O núcleo celular, descoberto em 1833 pelo pesquisador escocês Robert Brown, é uma estrutura

Leia mais

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA A eletroforese em gel de agarose consiste no método mais usado para separar, identificar, analisar, caracterizar e purificar fragmentos de DNA. Uma molécula de DNA, quando exposta a um campo elétrico,

Leia mais

EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: MODELO DIDÁTICO PARA COMPREENSÃO DO TESTE DE VÍNCULO GENÉTICO

EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: MODELO DIDÁTICO PARA COMPREENSÃO DO TESTE DE VÍNCULO GENÉTICO EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: MODELO DIDÁTICO PARA COMPREENSÃO DO TESTE DE VÍNCULO GENÉTICO CUNHA, Marielton dos Passos 1 ; OLIVEIRA, Bruno Francesco Rodrigues de 1 ; RESENDE, Isa Murielly

Leia mais

1. (Unesp) A ilustração apresenta o resultado de um teste de paternidade obtido pelo método do DNA-Fingerprint, ou "impressão digital de DNA".

1. (Unesp) A ilustração apresenta o resultado de um teste de paternidade obtido pelo método do DNA-Fingerprint, ou impressão digital de DNA. Ácidos Nuclêicos 1. (Unesp) A ilustração apresenta o resultado de um teste de paternidade obtido pelo método do DNA-Fingerprint, ou "impressão digital de DNA". a) Segundo o resultado acima, qual dos homens,

Leia mais

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Eucarioto: núcleo delimitado por membrana nuclear (carioteca) Portador dos fatores hereditários e controlador

Leia mais

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs João Meidanis Scylla Bioinformática e UNICAMP III Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas Gramado, RS Maio 2005 MINI-CURSO - AGENDA 1. Primeiro Dia

Leia mais

> ESTUDO DO RNA. (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes.

> ESTUDO DO RNA. (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes. Biologia > Citologia > Sintese Protéica > Alunos Prof. Zell (biologia) (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes. > ESTUDO

Leia mais

Sequenciamento de DNA

Sequenciamento de DNA Sequenciamento de DNA Figure 8-50a Molecular Biology of the Cell ( Garland Science 2008) Método de Sanger Reação de síntese de DNA por uma DNA polimerase A incorporação de um dideoxinucleotídeo interrompe

Leia mais

DIFERENCIAIS: TIPOS DE EXAMES. Investigação de paternidade e/ou maternidade

DIFERENCIAIS: TIPOS DE EXAMES. Investigação de paternidade e/ou maternidade HOME O laboratório Sabin, desde 2002, emprega a biologia molecular no estudo do DNA. Essa tecnologia é conhecida pela alta qualidade nos procedimentos adotados que asseguram os resultados dos exames oferecidos.

Leia mais

Manual da Oficina Prática de Genética, Genoma e Biotecnologia. Quarto Módulo

Manual da Oficina Prática de Genética, Genoma e Biotecnologia. Quarto Módulo www.odnavaiaescola.org Todos os direitos reservados à DNA Goes to School, Inc. 2003 Manual da Oficina Prática de Genética, Genoma e Biotecnologia Quarto Módulo Multiplicando o nosso DNA Kary Mullis A técnica

Leia mais

Estrutura e função dos ácidos nucléicos. Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva

Estrutura e função dos ácidos nucléicos. Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva Estrutura e função dos ácidos nucléicos Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva > Polímeros de nucleotídeos Funções: DNA (ácido desoxirribonucléico) : > Armazenar as informações necessárias para a construção

Leia mais

Equipe de Biologia. Biologia

Equipe de Biologia. Biologia Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5B Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Ácidos nucléicos Os ácidos nucléicos são moléculas gigantes (macromoléculas), formadas por unidades monoméricas menores

Leia mais

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Relatório A arte em movimento: a célula Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Introdução No dia 6 Agosto, iniciamos o nosso estágio no

Leia mais

ÁCIDOS NUCLEÍCOS RIBOSSOMO E SÍNTESE PROTEÍCA

ÁCIDOS NUCLEÍCOS RIBOSSOMO E SÍNTESE PROTEÍCA ÁCIDOS NUCLEÍCOS RIBOSSOMO E SÍNTESE PROTEÍCA ÁCIDOS NUCLÉICOS: Moléculas orgânicas complexas, formadas polimerização de nucleotídeos (DNA e RNA) pela Contêm a informação que determina a seqüência de aminoácidos

Leia mais

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja SOUZA, R.C. 1 ; SANTOS, M.A. 2 ; HUNGRIA, M. 3 1 Centro Universitário Filadélfia - Unifil, renata@ cnpso.embrapa.br; 2 Escola

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

BIOLOGIA MOLECULAR. Prof. Dr. José Luis da C. Silva BIOLOGIA MOLECULAR Prof. Dr. José Luis da C. Silva BIOLOGIA MOLECULAR A Biologia Molecular é o estudo da Biologia em nível molecular, com especial foco no estudo da estrutura e função do material genético

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ==============================================================================================

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== PROFESSOR: Leonardo Mariscal BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== Ácidos Nucleicos 01- Os

Leia mais

Bases Moleculares da Hereditariedade

Bases Moleculares da Hereditariedade UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROG. DE PÓS GRAD. EM GENET. E MELHORAMENTO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GENET. E MELHORAMENTO Bases Moleculares da Hereditariedade Ministrante: João Paulo

Leia mais

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS PIOS Cristiane Kioko Shimabukuro Dias Pós-doutorado - FAPESP E-mail: crisdias@ibb.unesp.br Laboratório de Biologia e Genética de Peixes - Departamento

Leia mais

Grupo Tchê Química Análise de Moléculas de DNA

Grupo Tchê Química Análise de Moléculas de DNA Grupo Tchê Química Análise de Moléculas de DNA EDUARDO GOLDANI, ROCHELE FERNANDES ÍNDICE Introdução 03 Fundamentação teórica 05 Como as moléculas de DNA são analisadas 08 Fotos de eletroforese em gel 12

Leia mais

Aula DNA Forense. Arthur Estivalet Svidzinski

Aula DNA Forense. Arthur Estivalet Svidzinski Aula DNA Forense Arthur Estivalet Svidzinski Odontologia. 1. Perícia odonto-legal, peritos, documentos médicos, laudos periciais, modelos e interpretação, ética odontológica. 2. Perícia odontológica nos

Leia mais

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR Engenharia Molecular Kit Autossômico GEM EM-22plex sem extração Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução STRs (short tandem repeats) são sequências repetitivas de 3 a 7 pares de bases encontradas

Leia mais

As bactérias operárias

As bactérias operárias A U A UL LA As bactérias operárias Na Aula 47 você viu a importância da insulina no nosso corpo e, na Aula 48, aprendeu como as células de nosso organismo produzem insulina e outras proteínas. As pessoas

Leia mais

Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos

Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE QUÍMICA DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA QBQ0313 Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos Flavia Carla Meotti Os Ácidos Nucléicos Função: armazenamento e transmissão da informação

Leia mais

DNA profiling parte 2

DNA profiling parte 2 Faculdade Milton Campos Curso Lato Sensu em Medicina Legal Disciplina: Bioinformática e Investigação Criminal Professor: Eduardo Campos dos Santos DNA profiling parte 2 Belo Horizonte Outubro/Novembro

Leia mais

Técnicas moleculares

Técnicas moleculares Técnicas moleculares PCR Reação em Cadeia da Polimerase Inventada em 1983 por Kary Mullis é uma das técnicas mais comuns utilizadas em laboratórios de pesquisas médicas e biológicas Kary Mullis ganhou

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 2: Breve revisão estrutura do DNA Prof. Carlos Castilho de Barros Prof. Augusto Schneider Quando se estuda metabolismo você certamente vai se deparar com termos de genéyca!

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme)

CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme) CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme) Genética Humana, LCS 3º Ano,1º Semestre, 2012-2013 2ª Aula Sumário Quantificação de DNA cromossomal e avaliação do grau de pureza por espectrofotometria

Leia mais

Biotecnologia: principais me todos moleculares

Biotecnologia: principais me todos moleculares Biotecnologia: principais me todos moleculares Raphael Bessa Parmigiani, PhD Centro de Oncologia Molecular Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa Curso de Introdução à Biologia Molecular Goiânia,

Leia mais

PCR in situ PCR Hotstart

PCR in situ PCR Hotstart Bruno Matos e Júlia Cougo PCR in situ PCR Hotstart Disciplina de Biologia Molecular Profª. Fabiana Seixas Graduação em Biotecnologia - UFPel PCR in situ - É a técnica de PCR usada diretamente numa lâmina

Leia mais

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são Atividade extra Fascículo 2 Biologia Unidade 4 Questão 1 O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são chamados de genes. Assinale abaixo quais

Leia mais

PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA

PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA OBJETIVO: Proporcionar aos participantes uma maior compreensão dos avanços que a descoberta da estrutura da

Leia mais

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR) Uma das dificuldades dos pesquisadores frente à análise baseada no DNA é a escassez deste. Na medicina forense pode-se ter

Leia mais

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu PCR tempo real PCR quantitativo 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu Aspectos Básicos um dos métodos atuais de aferir o nível de expressão de genes mas não é o único: Northern blotting (quantificação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC Laboratório de Análises Genéticas DNA UDESC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC Laboratório de Análises Genéticas DNA UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC Laboratório de Análises Genéticas DNA UDESC PROPOSTA DE IMPLANTAÇAO DE COLETA DE MATERIAL GENÉTICO PARA ANÁLISE DE VÍNCULO DE PATERNIDADE PELO DNA, DURANTE

Leia mais

Segurança pública: determinação de identidade genética pelo DNA

Segurança pública: determinação de identidade genética pelo DNA Segurança pública: determinação de identidade genética pelo DNA Sérgio D. J. Pena * INTRODUÇÃO Do ponto de vista social, a determinação de identidade genética pelo DNA constitui um dos produtos mais revolucionários

Leia mais

Investigação de paternidade na ausência do suposto pai. Paternity testing father is absent

Investigação de paternidade na ausência do suposto pai. Paternity testing father is absent Saúde, Ética & Justiça, 5/7(1-2):6-11, 2000-2002. Investigação de paternidade na ausência do suposto pai Paternity testing father is absent Silvia O. SAMPAIO 1 ; J.R.R. PINHO 2 ; C.B. GRANJA 3 ; A.C. GOLDBERG

Leia mais

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE Importância da Engenharia Genética Diversidade biológica X Diversidade gênica Etapas básicas da Clonagem Escolha e amplificação do

Leia mais

Manual Técnico. quantificação de DNA humano em análises forenses. Para WWW.GENOMIC.COM.BR

Manual Técnico. quantificação de DNA humano em análises forenses. Para WWW.GENOMIC.COM.BR Kit Genomic de Quantificação de DNA Manual Técnico Para quantificação de DNA humano em análises forenses WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução Na maioria dos casos forenses, as amostras recebidas apresentam-se

Leia mais

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III CAMPYLOBACTER spp. Multiplex PCR para detecção de C. jejuni e C. coli Grace Theophilo LRNCEB IOC/FIOCRUZ gtheo@ioc.fiocruz.br Diagnóstico molecular para Campylobacter spp.

Leia mais

ÁCIDOS NUCLEICOS DNA - ÁCIDO DESOXIRRIBONUCLEICO RNA - ÁCIDO RIBONUCLEICO

ÁCIDOS NUCLEICOS DNA - ÁCIDO DESOXIRRIBONUCLEICO RNA - ÁCIDO RIBONUCLEICO ÁCIDOS NUCLEICOS DNA - ÁCIDO DESOXIRRIBONUCLEICO RNA - ÁCIDO RIBONUCLEICO 1 Funções dos ácidos nucleicos Armazenar e expressar a informação genética Replicação Cópia da mensagem contida no DNA, que será

Leia mais

ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA

ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA Eletroforese Separação de moléculas carregadas em um campo elétrico. As moléculas em uma mistura são separadas umas das outras conforme o tamanho ou a carga Eletroforese

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR. Ácidos Nucléicos e Síntese de Proteínas

BIOLOGIA MOLECULAR. Ácidos Nucléicos e Síntese de Proteínas BIOLOGIA MOLECULAR Ácidos Nucléicos e Síntese de Proteínas Nucleotídeos São moléculas formadas pela união de um açúcar ou pentose, uma base nitrogenada e um grupo fosfato. Os Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS TÉCNICAS DE ANÁLISE DO ADN NA MEDICINA FORENSE EM MACAU

DESENVOLVIMENTO DAS TÉCNICAS DE ANÁLISE DO ADN NA MEDICINA FORENSE EM MACAU DESENVOLVIMENTO DAS TÉCNICAS DE ANÁLISE DO ADN NA MEDICINA FORENSE EM MACAU Secção de Bioquímica do Departamento de Ciências Forenses Técnica de 1ª Classe Técnico de 2ª Classe Wu Kit Ian Ng Chok Kei Resumo:

Leia mais

Biologia Molecular. Técnicas Moleculares. Lucas Brandão

Biologia Molecular. Técnicas Moleculares. Lucas Brandão Biologia Molecular Técnicas Moleculares Lucas Brandão CONCEITOS BÁSICOS Núcleo - Célula Humana DENTRO DO DNA SE ENCONTRAM OS GENE Definição de Genes Estrutura Gênica n=23, X ou Y 5 UTR 1 Pai Introns 2

Leia mais

Sequenciamento de genomas

Sequenciamento de genomas Sequenciamento de genomas 1 o genoma completo vírus OX174 5.000 nt (Sanger et al. 1977) em 1977 1000 pb sequenciados por ano neste ritmo genoma E. coli K-12 4.6-Mbp levaria mais de 1000 anos para ser completo

Leia mais

USO DE TECNOLOGIAS MOLECULARES

USO DE TECNOLOGIAS MOLECULARES USO DE TECNOLOGIAS MOLECULARES P= G+A VP = VG + VA Uso de marcadores no estudo de características quantitativas Características quantitativas Controladas por vários genes de pequeno efeito Sofrem maior

Leia mais

Painéis Do Organismo ao Genoma

Painéis Do Organismo ao Genoma Painéis Do Organismo ao Genoma A série de 5 painéis do organismo ao genoma tem por objetivo mostrar que os organismos vivos são formados por células que funcionam de acordo com instruções contidas no DNA,

Leia mais

Southern blotting análise de DNA. Northern blotting análise de RNA. Western blotting análise de proteínas

Southern blotting análise de DNA. Northern blotting análise de RNA. Western blotting análise de proteínas Southern blotting análise de DNA Northern blotting análise de RNA Western blotting análise de proteínas Southern blotting Hibridação DNA-DNA em membrana Southern blot Digestão enzimática Eletroforese em

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com ÁCIDOS NUCLEICOS ÁCIDOS NUCLÉICOS: são substâncias formadoras de genes, constituídas por um grande

Leia mais

O processo fisiológico que está representado no gráfico é

O processo fisiológico que está representado no gráfico é Questão 01) Analise o gráfico a seguir. Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2014. O processo fisiológico que está representado no gráfico é a) o efeito do aumento

Leia mais

Bioinformática Histórico e conceitos básicos

Bioinformática Histórico e conceitos básicos Bioinformática Histórico e conceitos básicos Raimundo Lima da S. Júnior M.Sc. Departamento de Biologia Núcleo de Pesquisas Replicon PUC-GO Silva Jr., RL Casamento entre a ciência da computação e a biologia

Leia mais

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS CARDS CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS Os cartões para extração Biopur proporcionam uma coleta simples, confiável e eficiente, garantindo a preservação de ácidos nucleicos a longo prazo. São ideais para o

Leia mais

Do Corpo Humano ao DNA. Noções de Biologia Molecular. Nucleotídeos - DNA RNA. Dogma central. Prof a. Dr a. Mônica B.

Do Corpo Humano ao DNA. Noções de Biologia Molecular. Nucleotídeos - DNA RNA. Dogma central. Prof a. Dr a. Mônica B. Do Corpo Humano ao DNA Noções de Biologia Molecular Prof a. Dr a. Mônica B. Melo FCM - SCSP - Estrutura dos ácidos nucléicos (DNA, RNA) - Replicação - Transcrição - Processamento - Tradução -Mutações -

Leia mais

DNA: Passado, Presente e Futuro

DNA: Passado, Presente e Futuro DNA: Passado, Presente e Futuro O passado O modelo do DNA que hoje nos é tão familiar foi divulgado em abril de 1953 na revista científica Nature pelos cientistas James Watson e Francis Crick. Eles afirmaram

Leia mais

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE Rio de Janeiro e Manaus testam para o Ministério da Saúde uma nova tecnologia para o diagnóstico da tuberculose pulmonar Que novo teste é este? O Xpert MTB/RIF é um método

Leia mais

Princípios moleculares dos processos fisiológicos

Princípios moleculares dos processos fisiológicos 2012-04-30 UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS DEI-BIOLOGIA ---------------------------------------------- Aula 5: Princípios moleculares dos processos fisiológicos (Fisiologia Vegetal, Ano

Leia mais

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além "PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO E INVESTIGAÇÃO DE DEFICIENCIAS GÊNICAS COM UTILIZAÇÃO DE FLUORESCÊNCIA, OU PROCESSO PCR MULTIPLEX FLUORESCENTE". Trata o presente relatório da descrição detalhada acompanhada

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA TÉCNICA DE MIRU (MYCOBACTERIAL INTERSPERSED REPETITIVE UNITS) PARA CARACTERIZAR MOLECULARMENTE Mycobacterium tuberculosis

IMPLANTAÇÃO DA TÉCNICA DE MIRU (MYCOBACTERIAL INTERSPERSED REPETITIVE UNITS) PARA CARACTERIZAR MOLECULARMENTE Mycobacterium tuberculosis IMPLANTAÇÃO DA TÉCNICA DE MIRU (MYCOBACTERIAL INTERSPERSED REPETITIVE UNITS) PARA CARACTERIZAR MOLECULARMENTE Mycobacterium tuberculosis Natália Sanches Xavier (PIBIC/CNPq-FA-UEM), Rosilene Fressatti Cardoso

Leia mais

ls_pinto@hotmail.com Sibele Borsuk sibele@ufpel.tche.br

ls_pinto@hotmail.com Sibele Borsuk sibele@ufpel.tche.br Universidade Tiradentes Mestrado em Biotecnologia Industrial Seqüenciamento de DNA ls_pinto@hotmail.com Sibele Borsuk sibele@ufpel.tche.br Sequenciamento de DNA em MegaBACE DNA Analysis Systems TGTGAACACACGTGTGGATTGG...

Leia mais

Ácidos nucléicos. São polímeros compostos por nucleotídeos. Açúcar - pentose. Grupo fosfato. Nucleotídeo. Base nitrogenada

Ácidos nucléicos. São polímeros compostos por nucleotídeos. Açúcar - pentose. Grupo fosfato. Nucleotídeo. Base nitrogenada ÁCIDOS NUCLÉICOS Ácidos nucléicos São polímeros compostos por nucleotídeos Açúcar - pentose Nucleotídeo Grupo fosfato Base nitrogenada Composição dos Ácidos nucléicos pentoses: numeração da pentose: pentose

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA

APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA Público alvo: Estudantes de 3º ano do ensino médio Local: Escolas de ensino médio e/ou cursos pré-vestibulares Carga horária: 12 horas Organização: HELIX

Leia mais

GABARITO BIOLOGIA REVISÃO 01 3 ANO A/B ENSINO MÉDIO

GABARITO BIOLOGIA REVISÃO 01 3 ANO A/B ENSINO MÉDIO GABARITO BIOLOGIA REVISÃO 01 3 ANO A/B ENSINO MÉDIO Resolução: 01. B 02. E 03. No alantóide da ave há uma rede de capilares sangüíneos onde ocorre a respiração. O principal excreta nitrogenado da ave é

Leia mais

LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA

LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA IDENTIFICAÇÃO HUMANA Identificação pelo DNA - Identificação Médico-Legal - Perícias Odontológicas VOLUME II Editora Millennium CAMPINAS/SP

Leia mais

Genética Molecular. Fundamentos Aplicações científicas Biotecnologia

Genética Molecular. Fundamentos Aplicações científicas Biotecnologia Genética Molecular Fundamentos Aplicações científicas Biotecnologia Genética Molecular DNA RNA Proteínas Universo Celular Ciclo celular Ciclo Celular: Mitose Célula animal Núcleo Celular: Cromossomas Cromossoma:

Leia mais

DO GENE À PROTEÍNA ALGUNS CONCEITOS BASICOS COMO SE ORGANIZAM OS NUCLEÓTIDOS PARA FORMAR O DNA?

DO GENE À PROTEÍNA ALGUNS CONCEITOS BASICOS COMO SE ORGANIZAM OS NUCLEÓTIDOS PARA FORMAR O DNA? DO GENE À PROTEÍNA O processo de formação das proteínas no ser humano pode ser difícil de compreender e inclui palavras e conceitos que possivelmente nos são desconhecidos. Assim, vamos tentar explicar

Leia mais

PROCESSO DE ANÁLISE DO DNA: PROJETO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA PARA PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO

PROCESSO DE ANÁLISE DO DNA: PROJETO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA PARA PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO PROCESSO DE ANÁLISE DO DNA: PROJETO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA PARA PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO Cynthia Germoglio Farias de Melo cynthia_fariasm@hotmail.com Rayner Anderson Ferreira do Nascimento raynerbiomedicina@gmail.com

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE ENGENHARIA GENÉTICA RELACIONADAS À BIOCIÊNCIA FORENSE

APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE ENGENHARIA GENÉTICA RELACIONADAS À BIOCIÊNCIA FORENSE APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE ENGENHARIA GENÉTICA RELACIONADAS À BIOCIÊNCIA FORENSE Janine Machado Nóbrega 1 ; Izabel Cristina Rodrigues da Silva 2 (1) Autor: Bióloga. Faculdade da Terra de Brasília, FTB, Brasil.

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br São macromoléculas gigantescas, com massa molecular maior que 100 milhões. Os ácidos nucléicos foram isolados pela primeira vez a partir do núcleo

Leia mais

Construção de Bibliotecas de cdna

Construção de Bibliotecas de cdna Construção de Bibliotecas de cdna Claudia Teixeira Guimarães Antônio A.C. Purcino Eliane A. Gomes Jurandir V. Magalhães Newton P. Carneiro Elto E.G. Gama Robert E. Schaffert Sidney N. Parentoni Vera M.C.

Leia mais

1838: lê Ensaio sobre o princípio da população, de Thomas Malthus (1798)

1838: lê Ensaio sobre o princípio da população, de Thomas Malthus (1798) Ácidos Nucleicos MO640A - Biologia Computacional Felipe Rodrigues da Silva Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia Grandes Eventos da Genética 1865 Genes são elementos particulados 1871 Descoberta dos

Leia mais

DNA E SÍNTESE PROTEICA

DNA E SÍNTESE PROTEICA Genética Animal DNA e síntese proteica 1 DNA E SÍNTESE PROTEICA Estrutura do DNA: -Molécula polimérica, cujos monômeros denominam-se nucleotídeos. -Constituição dos nucleotídeos: açúcar pentose (5 -desoxirribose)

Leia mais

A eletroforese é uma técnica utilizada para separar, identificar e purificar

A eletroforese é uma técnica utilizada para separar, identificar e purificar 7. ELETROFORESE DE ÁCIDOS NUCLÉICOS João José de Simoni Gouveia Luciana Correia de Almeida Regitano A eletroforese é uma técnica utilizada para separar, identificar e purificar moléculas carregadas (como

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos Rio de Janeiro, 21-25 setembro de 2009 Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ Construções Mais Comuns

Leia mais

Biologia Avançada Jatropha curcas L.

Biologia Avançada Jatropha curcas L. 1 Pesquisadores: Hugo Bruno C. Molinari Betania F. Quirino Biologia Avançada Jatropha curcas L. Maior banco de informações moleculares em todo o mundo Gerar ferramentas para subsidiar programa de Melhoramento

Leia mais

Ácidos Nucleicos 22/12/2011. Funções do Material Genético. informação genética.

Ácidos Nucleicos 22/12/2011. Funções do Material Genético. informação genética. Ácidos Nucleicos Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Turmas: Ciências Biológicas, enfermagem, nutrição e TO. Funções do Material Genético Mendel, 1865: genes

Leia mais

Centro Universitário de Brasília. Faculdade de Ciências da Saúde A UTILIZAÇÃO DO DNA NA IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS TAMARA ROSA REINER

Centro Universitário de Brasília. Faculdade de Ciências da Saúde A UTILIZAÇÃO DO DNA NA IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS TAMARA ROSA REINER Centro Universitário de Brasília Faculdade de Ciências da Saúde A UTILIZAÇÃO DO DNA NA IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS TAMARA ROSA REINER Brasília-2003 1 Centro Universitário de Brasília Faculdade de Ciências

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO. 2. O Dogma Central da Biologia Molecular

PROGRAMA TEÓRICO. 2. O Dogma Central da Biologia Molecular PROGRAMA TEÓRICO 1. As moléculas da Biologia Molecular: DNA, RNA e proteínas Aspectos particulares da composição e estrutura do DNA, RNA e proteínas. EG- Características bioquímicas dos ácidos nucleicos,

Leia mais

Modelagem de um Ambiente para Análise de DNA em Genética Forense

Modelagem de um Ambiente para Análise de DNA em Genética Forense Dissertação de Mestrado Modelagem de um Ambiente para Análise de DNA em Genética Forense FelipeJosédeQueirozSarmento Biólogo felipesarmento@yahoo.com.br Orientadora: Prof a.dr a. Eliana Silva de Almeida

Leia mais