Cenários da evolução futura da agricultura em Portugal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cenários da evolução futura da agricultura em Portugal"

Transcrição

1 Congresso Estratégias para as novas agriculturas Cenários da evolução futura da agricultura em Portugal Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) Lisboa, 5 de Março de 2009

2 1. Objectivo da Comunicação Análise da evolução futura, em Portugal, dos diferentes sistemas de agricultura baseada na Apresentação de cenários alternativos de evolução do sistema de preços e de apoios públicos agrícolas nº.2

3 2. Factores determinantes da evolução futura dos sistemas de agricultura em Portugal Limitações e potencialidades agro-ecológicas do território nacional Características sócio-estruturais e dinâmicas empresariais agrícolas Preços agrícolas mundiais e apoios públicos aos produtores agrícolas portugueses nº.3

4 3. Ponto de partida da análise Dimensão e composição dos apoios públicos à agricultura portuguesa e principais tendências de evolução desde o início do processo de Reforma da PAC em 2003 (Quadro 1) Importância relativa actual dos principais sistemas de agricultura praticados em Portugal e tendências de evolução recente (Figura 1 e Quadro 2) nº.4

5 Quadro 1 Composição actual e evolução recente dos apoios públicos à agricultura Triénio "2006" (%) Variação em % dos valores, a preços de 2006, entre os triénios "1991" e "2006" Apoios ao rendimento dos produtores 75,5-35,4 Apoios directos à produção 47,5-54,9 Medidas de suporte de preços 29,8-68,3 Pagamentos directamente ligados à produção 17,7 55,6 Apoios separados da produção 28,0 136,6 Apoios aos investimentos 11,4-35,1 Apoios ao desenvolvimento 13,1-23,3 Apoios agrícolas totais em % 100,0-34,0 em Milhões de euros 2065,3 - nº.5

6 Figura 1 Tipologia de sistemas de agricultura e seu significado Sistemas de agricultura de produção Sistemas de agricultura de conservação (ou ordenamento) Sistemas de agricultura de serviços rurais SA predominantemente orientados para a produção de bens alimentaresedematériasprimasagrícolasealimentares,cuja rendabilidade é assegurada maioritariamente: * pela produtividade económica dos factores (SA economicamente competitivos) * pelos apoios agro-ambientais (SA ambientalmente orientados) * pelos apoios directos à produção (SA apoiados por subsídios) SA predominantemente orientados para a valorização sustentável dos recursos naturais, paisagistícos e patrimoniais, cuja rendabilidade é assegurada maioritariamente por apoios agro-ambientais SA predominantemente orientados para o reforço e diversificação do tecido económico e social das zonas rurais, cuja rendabilidade depende de apoios agro-rurais nº.6

7 Quadro 2 Representatividade actual dos diferentes tipos de sistemas de agricultura % da SAU total Tendências de evolução desde o início da reforma da PAC Sistemas de agricultura de produção (SAP) 95,0 SAP economicamente competitivos 33,0 SAP ambientalmente orientados 2,0 SAP apoiados por subsídios 60,0 Sistemas de agricultura de conservação e de serviços rurais 1,0 SAU não utilizada 4,0 SAU total 100,0 nº.7

8 4. Elementos base para a construção dos cenários Evolução futura dos preços mundiais (1º nível de incerteza) Níveis de preços relativamente reduzidos Níveis de preços relativamente elevados Configurações contrastantes Evolução futura da Ronda de Doha (2º nível de incerteza) Sem acordo de Doha Configurações Com acordo de Doha contrastantes Evolução futura da Ronda de Doha (3º nível de incerteza) Monofuncionalidade Configurações Multifuncionalidade contrastantes nº.8

9 5. Factores condicionantes da opção futura entre os diferentes cenários Poder de compra dos consumidores Procura de e bens alimentares Situação económica internacional Preço do petróleo Procura de biocombustíveis Custo dos factores de produção Preços agrícolas mundiais Orçamento da UE e nacional Opções de política agrícola Ronda de Doha PAC após 2013 Visão estratégica nº.9

10 6. Cenários alternativos seleccionados Cenário de Continuidade Cenário de Antecipação Cenário de ruptura Cenário de mudança Visão monofuncional Visão multifuncional Visão monofuncional Visão multifuncional Visão monofuncional Visão multifuncional Visão monofuncional Visão multifuncional Sem acordos de Doha Com acordos de Doha Sem acordos de Doha Com acordos de Doha Preços mundiais relativamente reduzidos Preços mundiais relativamente elevados nº.10

11 Cenário de continuidade ou Cenário de antecipação Cenário de ruptura ou Cenário de mudança Relações fracas Relações fortes nº.11

12 Cenários seleccionados Evolução dos apoios Manutenção da predominância dos apoios directos à produção em geral e das medidas de suporte de preços de mercado em particular; Evolução dos Sistemas de Agricultura Manutenção dos sistemas de produção animal apoiados por subsídios; Cenário de Continuidade ( ) Manutenção das fracas relações actuais entre o RPU e objectivos de âmbito agro-ambiental e agro-rural; Reduzida expansão dos apoios ao investimento, das medidas agro-ambientais e dos apoios à florestação de terras agrícolas. Pressão crescente sobre a viabilidade futura dos sistemas de produção vegetal e animal actualmente competitivos; Ritmo lento de crescimento dos sistemas de produção ambientalmente orientados, dos sistemas de conservação e dos sistemas de serviços rurais; Cenário de Antecipação ( ) Reforço significativo das medidas que contribuam, dentro das restrições existentes, para uma aposta clara na multifuncionalidade, contribuindo, assim, para uma antecipação das condições favoráveis à concretização futura do Cenário de mudança ; Defesa intransigente da visão multifuncional da agricultura no contexto das discussões em curso da Ronda de Doha e do Orçamento da UE após Continuação das tendências de abandono dos solos agrícolas (não utilização); Ritmo lento de florestação das áreas agrícolas. Reconversão de parte dos sistemas extensivos de produção animal apoiados por subsídios em sistemas de agricultura de conservação ou de serviços rurais; Evolução mais rápida dos sistemas de produção ambientalmente orientados; Redução das tendências negativas de abandono (não utilização) dos solos agrícolas; Ritmo mais rápido de florestação das áreas agrícolas. nº.12

13 Cenários seleccionados Cenário de Ruptura ( ) Evolução dos apoios Desmantelamento total das medidas de suporte de preços de mercado; Reforço das medidas de estabilização de preços agrícolas; Total desligamento da produção dos pagamentos directos ainda em vigor (produção animal); Manutenção dos apoios de âmbito agroambiental, predominantemente, no âmbito dos sistemas de agricultura de produção; Manutenção dos apoios ao investimento, predominantemente, no âmbito dos sistemas de produção economicamente competitiva. Evolução dos Sistemas de Agricultura Desaparecimento dos sistemas de produção apoiados por subsídios; Reforço da sustentabilidade futura dos sistemas de produção economicamente competitivos e ambientalmente orientados; Expansão limitada dos sistemas de ocupação e uso dos solos agrícolas orientados para a conservação ou para os serviços rurais; Manutenção das tendências crescentes para o abandono (não utilização) dos solos agrícolas. Cenário de Mudança ( ) Desmantelamento total das medidas de suporte de preços de mercado; Reforço das medidas de estabilização de preços e rendimentos agrícolas; Total desligamento da produção dos pagamentos directos à produção ainda em vigor (produção animal); Forte aposta nos apoios desligados da produção de âmbito agro-ambiental e agrorural; Reforço dos apoios ao investimento privado e público nas fileiras economicamente competitivas e ecologicamente sustentáveis. Desaparecimento dos sistemas de produção apoiados por subsídios; Reforço da sustentabilidade futura dos sistemas de produção economicamente competitivos e ambientalmente orientados; Expansão significativa dos sistemas de ocupação e uso dos solos agrícolas orientados para a conservação ou para os serviços rurais; Inversão das tendências de abandono (não utilização) dos solos agrícolas. nº.13

14 7. Principais tendências de evolução no longo prazo (até 2020) Ao nível dos apoios públicos Evolução previsível das respectivas transferências de rendimento (Quadro 3) Ao nível os sistemas de agricultura Evolução dos diferentes tipos de sistemas de agricultura Evolução previsível das áreas ocupadas pelos diferentes tipos de sistemas de agricultura (Quadro 4) nº.14

15 Quadro 3 Evolução previsível dos apoios públicos à agricultura em Portugal no âmbito da PAC (%) Variação (%) entre "1991" e 2006 Situação em 2006 Previsões para 2020 Cenário de ruptura Cenário de mudança Apoios directos à produção Apoios separados da produção Apoios ao investimento Apoios ao desenvolvimento Apoios públicos totais nº.15

16 Situação actual Cenários futuros Sistemas de agricultura de produção (SAP) economicamente competitivos SAP economicamente competitivos Sistemas de agricultura de produção (SAP) ambientalmente orientados SAP ambientalmente apoiados Sistemas de agricultura de produção (SAP) apoiados por subsídios SA de conservação ou de serviços rurais Sistemas de agricultura (SA) de conservação ou de serviços rurais Abandono agrícola nº.16

17 Tipos de SAP Área de expansão Funções principais Exemplos Sistemas de agricultura de produção apoiados por subsídios Sistemas de agricultura de produção economicamente competitivos Maioria dos solos agrícolas, quer de regadio, quer de sequeiro e das explorações agrícolas Áreas de regadio e sequeiro com maior aptidão e explorações agrícolas com maior dimensão Produção de bens alimentares e de matériasprimas agrícolas tansacionáveis, cuja rendabilidade depende, predominantemente, dos apoios directos à produção em vigor Produção de bens alimentares e de matérias primas tansacionáveis (para exportação ou substituição de importações), cuja rendabilidade depende das respectivas produtividades económicas e dimensão física e da respectiva sustntabilidade do ponto de vista do ambiente, do bem estar animal e da segurança alimentar Generalidade das culturas arvenses de sequeiro e de regadio e da pecuária Cereais de regadio, hortícolas, vinha, olival, fruteiras e pecuária intensiva Sistemas de agricultura de produção ambientalmente orientados Sistemas de agricultura de conservação (ou de ordenamento) Sistemas de agricultura de serviços rurais Áreas e explorações agrícolas coexistentes com as dos SPA económicamente competitivos Generalidade dos solos de regadio e sequeiro de menor aptidão agrícola e das explorações com maior dimensão Coexistente com os diferentes tipos de solos e de explorações agrícolas que integram o sector agro-florestal Produção de bens alimentares e de matérias primas transaccionáveis baseados em práticas agrícolas e/ou orientados para mercados específicos (biológico/energético), cuja rentabilidade depende de apoios agro-ambientais ou agro-energéticos Manutenção/recuperação dos -recursos naturais (solos, água e clima) - biodiversidade - recursos paisagísticos e patrimoniais com base em actividades de ocupação e uso dos solos cuja rendabilidade irá depender de apoios agro-ambientais Agricultura em modo de produção biológico e culturas energéticas Sistemas extensivos agrícolas, agropecuários e agro-silvo-pastoris orientado para a conservação de áreas de elevado valor natural e para a melhoria da biodiversidade do território nacional Desenvolver actividades agrícolas dentro e fora Produtos regionais, artesanato, agroturismo, energias renováveis, das explorações, orientadas no sentido quer da pluriactividade, quer da diversificação e cuja viabilidade irá depender de apoios de âmbito agrorural nº.17

18 Quadro 4 Evolução previsível dos sistemas de agricultura (%) Cenário de ruptura Cenário de mudança Sistemas de agricultura de produção (SAP) SAP apoiados por subsídios SAP economicamente competitivos SAP ambientalmente orientados Sistemas de agricultura de conservação (SAC) Sistemas de Agricultura de serviços rurais (SASR) SAU não utilizada SAU total Situação actual Situação em nº.18

19 8. Principais implicações dos diferentes cenários alternativos Consequências das alterações dos preços mundiais e das políticas de preços e mercados Respostas dos produtos agrícolas às alterações nos preços e nas políticas Enquadramento político-institucional Redução da competitividade dos SA de produção actualmente dominantes e da rendabilidade das respectivas explorações agrícolas Reforço da competitividade com base numa: - valorização da produção através de uma maior diferenciação e qualidade dos produtos - redução dos custos de produção unitários, através de ganhos de produtividade e/ou dimensão Valorização ambiental, através da introdução de sistemas de ocupação e uso do solo de elevado valor natural, paisagístico e patrimonial Medidas de apoio ao investimento privado e público Medidas agro-ambientais Visão monofuncional Visão multifuncional Aumento da pluriactividade e de diversificação do tecido empresarial agrícola Medidas agro-rurais nº.19

20 9. Conclusões O conjunto de orientações em vigor a nível nacional e comunitário correspondem, no essencial, ao Cenário de Continuidade cuja evolução natural conduzirá ao Cenário de Ruptura O Cenário de Ruptura apresenta riscos de abandono de parte significativa dos solos agrícolas com as implicações ambientais e sociais negativas daí resultantes Uma aposta no curto-médio prazos no Cenário de Antecipação facilitará uma transição para o Cenário de Mudança O Cenário de Mudança apresenta benefícios sociais e ambientais muito positivos mas vai ser muito mais exigente do ponto de vista dos respectivos enquadramentos orçamental e institucional nº.20

O Futuro da Agricultura em Portugal

O Futuro da Agricultura em Portugal O Futuro da Agricultura em Portugal É nossa convicção, que o impacto da Reforma da PAC, em curso, na agricultura e no mundo rural português irá ser bastante mais profundo do que aquele que se prevê para

Leia mais

S.R. DA AGRICULTURA E AMBIENTE Despacho Normativo n.º 13/2016 de 29 de Fevereiro de 2016

S.R. DA AGRICULTURA E AMBIENTE Despacho Normativo n.º 13/2016 de 29 de Fevereiro de 2016 S.R. DA AGRICULTURA E AMBIENTE Despacho Normativo n.º 13/2016 de 29 de Fevereiro de 2016 Considerando o Regulamento (UE) n.º 228/2013, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 13 de março de 2013, que estabelece

Leia mais

Agricultura Biológica Rumo a um novo modelo de produção. Jaime Ferreira Presidente da Agrobio

Agricultura Biológica Rumo a um novo modelo de produção. Jaime Ferreira Presidente da Agrobio Agricultura Biológica Rumo a um novo modelo de produção Jaime Ferreira Presidente da Agrobio Agricultura Biológica em Portugal 1985 - AGROBIO Associação Portuguesa de Agricultura Biológica, de âmbito nacional,

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Turismo, Planeamento e Ordenamento do Território no Algarve Dr. Sérgio Palma Brito sergiopalmabrito@gmail.com Faro, 09 de Novembro 1 Estrutura da Apresentação Proposta de Metodologia O Planeamento do Território

Leia mais

Agricultura Brasileira: importância, perspectivas e desafios para os profissionais dos setores agrícolas e florestais

Agricultura Brasileira: importância, perspectivas e desafios para os profissionais dos setores agrícolas e florestais Agricultura Brasileira: importância, perspectivas e desafios para os profissionais dos setores agrícolas e florestais Claudio Aparecido Spadotto* A importância da agricultura brasileira Nesse texto o termo

Leia mais

ECONOMICAL AND ENVIRONMENTAL TRADE- OFFS OF TRADITIONAL MEDITERRANEAN DRY FARMING SYSTEMS IN THE ALENTEJO REGION OF PORTUGAL

ECONOMICAL AND ENVIRONMENTAL TRADE- OFFS OF TRADITIONAL MEDITERRANEAN DRY FARMING SYSTEMS IN THE ALENTEJO REGION OF PORTUGAL ECONOMICAL AND ENVIRONMENTAL TRADE- OFFS OF TRADITIONAL MEDITERRANEAN DRY FARMING SYSTEMS IN THE ALENTEJO REGION OF PORTUGAL Maria Maurícia Rosado 1 ; Rui Manuel S. Fragoso 2 ; Carlos Marques 3 1 Universidade

Leia mais

ESPAÇO RURAL E MODERNIZAÇÃO DO CAMPO

ESPAÇO RURAL E MODERNIZAÇÃO DO CAMPO ESPAÇO RURAL E MODERNIZAÇÃO DO CAMPO COMO ENTENDER A SITUAÇÃO DO CAMPO NO BRASIL? COMO ENTENDER A PRODUÇÃO DE ALIMENTOS NO BRASIL E NO MUNDO? Tipos de agropecuária: intensiva e extensiva Principais modelos

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. GRUPO I pontos pontos pontos pontos 5...

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. GRUPO I pontos pontos pontos pontos 5... EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/24, de 26 de Março Prova Escrita de Geografia A 11.º/ 12.º anos de Escolaridade Prova 719/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 12 minutos. Tolerância:

Leia mais

ALQUEVA UMA PLATAFORMA PARA O. Conselho Nacional da Água 49.ª Reunião Plenária Lisboa, 05 julho 2013

ALQUEVA UMA PLATAFORMA PARA O. Conselho Nacional da Água 49.ª Reunião Plenária Lisboa, 05 julho 2013 ALQUEVA UMA PLATAFORMA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Conselho Nacional da Água 49.ª Reunião Plenária Lisboa, 05 julho 2013 Alentejo - O Território Baixa Densidade Populacional Povoamento concentrado

Leia mais

AS MEDIDAS AGRO-AMBIENTAIS Conciliação da Actividade Agrícola com a Conservação da Biodiversidade

AS MEDIDAS AGRO-AMBIENTAIS Conciliação da Actividade Agrícola com a Conservação da Biodiversidade AS MEDIDAS AGRO-AMBIENTAIS Conciliação da Actividade Agrícola com a Conservação da Biodiversidade ACOS João Madeira Seminário Desafios para a sustentabilidade do meio rural Mértola, 18 de Novembro de 2010

Leia mais

Financiamento da Rede Natura 2000

Financiamento da Rede Natura 2000 Financiamento da Rede Natura 2000 Oportunidades de financiamento da Rede Natura 2000 pelos Fundos da UE entre 2014 e 2020 Eng.º Eduardo Diniz Diretor do Gabinete de Planeamento e Polí@cas Workshop Salão

Leia mais

A PAC pós 2013 e o sector da pecuária extensiva em Portugal Continental

A PAC pós 2013 e o sector da pecuária extensiva em Portugal Continental A PAC pós 2013 e o sector da pecuária extensiva em Portugal Continental Francisco Avillez Professor Emérito do ISA/UTL e Coordenador Científico da AGRO.GES, Sociedade de Estudos e Projectos Beja, 18 de

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance

Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance Revisão do PDM de Vila Real de Santo António Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance Pedro Bettencourt 1 1 Geólogo, Director-Geral NEMUS, Gestão e Requalificação Ambiental Vila Real de Santo

Leia mais

Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 4/2015, de 7 de janeiro (CPA)

Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 4/2015, de 7 de janeiro (CPA) 1. OBJECTO A presente norma tem por objeto a definição dos procedimentos a adotar para a atribuição das prioridades de acordo com as regras da União Europeia no desenvolvimento rural e respetivos códigos

Leia mais

EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS DO SECTOR DAS CARNES

EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS DO SECTOR DAS CARNES EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS DO SECTOR DAS CARNES Versão actualizada em Fevereiro de 211 Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS DO

Leia mais

Incentivos financeiros Portugal 2020

Incentivos financeiros Portugal 2020 Incentivos financeiros Portugal 2020 Lisboa, 08-10-2015 Paulo Carpinteiro Licks & Associados POCI Programa Operacional Competitividade e Internacionalização POSEUR e PORegionais Norte, Centro, LVT, Alentejo,

Leia mais

S.R. DA AGRICULTURA E FLORESTAS Despacho Normativo n.º 11/2012 de 3 de Fevereiro de 2012

S.R. DA AGRICULTURA E FLORESTAS Despacho Normativo n.º 11/2012 de 3 de Fevereiro de 2012 S.R. DA AGRICULTURA E FLORESTAS Despacho Normativo n.º 11/2012 de 3 de Fevereiro de 2012 Considerando o Regulamento (CE) n.º 247/2006, do Conselho, de 30 de janeiro, que estabelece medidas específicas

Leia mais

A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM. Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES)

A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM. Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) Esquema da apresentação: Objectivos da PAC pós-2013 Orientações propostas

Leia mais

Seminário Protecção do Ambiente e Segurança o caso paradigmático das Forças Armadas e Forças de Segurança. Conclusões

Seminário Protecção do Ambiente e Segurança o caso paradigmático das Forças Armadas e Forças de Segurança. Conclusões Seminário Protecção do Ambiente e Segurança o caso paradigmático das Forças Armadas e Forças de Segurança Conclusões Senhor Secretário de Estado da Defesa Nacional e dos Assuntos do Mar, Demais autoridades

Leia mais

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2016/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS Geografia 8 ano Planificação

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2016/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS Geografia 8 ano Planificação Competências a desenvolver Conteúdos Aulas previstas (continuação da matéria do 7º ano) Distinguir estado do tempo de clima. Definir clima; Identificar os principais elementos de clima. Identificar os

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL DA ORLA COSTEIRA

GESTÃO SUSTENTÁVEL DA ORLA COSTEIRA S e m i n á r i o DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O MAR GESTÃO SUSTENTÁVEL DA ORLA COSTEIRA IST 03 Nov 2004 Quaternaire Portugal http://www.quaternaire.pt Decreto-lei n.º 380/99: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO Josep-Francesc Valls Coordenador do Centro de Formação e Investigação em Turismo da UMa Professor Esade Business & Law School RESUMO 1. Posição de Portugal

Leia mais

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS MAPUTO, 11 DE MARÇO DE 2013 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Actividades e Realizações da UE. Actividades e Realizações da UE

Actividades e Realizações da UE. Actividades e Realizações da UE Actividades e Realizações da UE Actividades e Realizações da UE Como gasta a UE o seu dinheiro? Orçamento da UE para 2010: 141,5 mil milhões de euros = 1,20% do Rendimento Nacional Bruto Acção da UE na

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

Sistemas multi-agentespara a modelação e simulação de alterações de ocupação do solo

Sistemas multi-agentespara a modelação e simulação de alterações de ocupação do solo Sistemas multi-agentespara a modelação e simulação de alterações de ocupação do solo EduardoGomes 1,2, Patrícia Abrantes 2, Arnaud Banos 1, Jorge Rocha 2, Inês Fontes 2 1 Géographie-cités, UMR 8504, Université

Leia mais

Seminário Apoios Comunitários para o Ambiente e Energia

Seminário Apoios Comunitários para o Ambiente e Energia Seminário Apoios Comunitários para o Ambiente e Energia 4 de fevereiro de 2015 Enquadramento: Os Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI) para o período de 2014-2020 serão determinantes no

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate.

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate. ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: Ciências Naturais Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS AULAS

Leia mais

INOVAÇÃO NA AGRICULTURA, AGRO-INDÚSTRIA E FLORESTA

INOVAÇÃO NA AGRICULTURA, AGRO-INDÚSTRIA E FLORESTA O Futuro do Território Rural JOVENS EMPRESÁRIOS NO ESPAÇO RURAL Firmino Cordeiro Director-Geral da AJAP Organização: Apoio Institucional: AGRICULTURA NACIONAL - Agricultura profissional deve continuar

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A.º ou 2.º Anos de Escolaridade Prova 72/2.ª Fase 0 Páginas Duração da Prova: 20 minutos. Tolerância:

Leia mais

Instituto Superior de Agronomia/ UTL E Universidade de Aveiro Portugal

Instituto Superior de Agronomia/ UTL E Universidade de Aveiro Portugal Rita Melo Azevedo rita_azevedo@yahoo.com Isabel Rodrigo isarodrigo@isa.utl.pt Elisabete Figueiredo elisa@ua.pt Instituto Superior de Agronomia/ UTL E Universidade de Aveiro Portugal O mundo rural português

Leia mais

Uma estratégia para a dívida

Uma estratégia para a dívida Conferência Que Orçamento para Portugal? Grupo Parlamentar do BE Uma estratégia para a dívida Lisboa, 22 de Outubro de 2016 Ricardo Cabral Universidade da Madeira rcabral@uma.pt Introdução Não falarei

Leia mais

AGRICULTURA FAMILAR E SUA IMPORTÂNCIA PARA A CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS

AGRICULTURA FAMILAR E SUA IMPORTÂNCIA PARA A CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS AGRICULTURA FAMILAR E SUA IMPORTÂNCIA PARA A CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS RESUTADOS E EXPERIÊNCIAS DO PROJETO SEMEANDO SUSTENTABILIDADE FABIANA B. GOMES CES RIOTERRA RECURSOS NATURAIS ENERGIA SOLAR

Leia mais

Agenda Factores de Competitividade

Agenda Factores de Competitividade QREN Agenda Factores de Competitividade 12 Novembro 07 1 Objectivos desenvolvimento de uma economia baseada no conhecimento e na inovação; incremento da produção transaccionável e de uma maior orientação

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra-

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra- PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra- Tema / Capítulos Competências/Objectivos Estratégias / Actividades Recursos/ Materiais Avaliação Aulas previstas (45 min) Tema I Ecossistemas

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA DA EMPRESA E DA CONCORRÊNCIA PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES

MESTRADO EM ECONOMIA DA EMPRESA E DA CONCORRÊNCIA PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES MESTRADO EM ECONOMIA DA EMPRESA E DA CONCORRÊNCIA PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise Macroeconómica 1. Introdução à Macroeconomia 2. Medição da Actividade Económica

Leia mais

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural Instrumentos financeiros

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural Instrumentos financeiros aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural Os instrumentos financeiros cofinanciados pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural são uma

Leia mais

Outline. I. Introdução. II. Importância do algodão na economia. III. A Cadeia de valor do algodão. VI. Análise SWOT. V. Factores de competitividade

Outline. I. Introdução. II. Importância do algodão na economia. III. A Cadeia de valor do algodão. VI. Análise SWOT. V. Factores de competitividade Outline I. Introdução II. Importância do algodão na economia III. A Cadeia de valor do algodão VI. Análise SWOT V. Factores de competitividade VI. Conclusões I. Introdução A cultura do algodão constitui

Leia mais

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 8º Ano

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 8º Ano PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR Ciências Naturais 8º Ano COMPETÊNCIAS TEMAS/UNIDADES CONTEÚDOS 1º Período SUSTENTABILIDADE NA TERRA 28 Compreender o significado dos conceitos: espécie, população, comunidade,

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO AMBIENTAL E RURAL

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO AMBIENTAL E RURAL CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO AMBIENTAL E RURAL O Técnico de Turismo Ambiental e Rural é o profissional que participa na aplicação de medidas de valorização do turismo em espaço rural, executando

Leia mais

Exmo. Ministro da Agricultura, Exma. Diretora da DRAPC, Exmo. Senhor Presidente da ESAC, Exmo. Responsáveis da CNA, Exmo. Convidados e Exmos Colegas

Exmo. Ministro da Agricultura, Exma. Diretora da DRAPC, Exmo. Senhor Presidente da ESAC, Exmo. Responsáveis da CNA, Exmo. Convidados e Exmos Colegas Exmo. Ministro da Agricultura, Exma. Diretora da DRAPC, Exmo. Senhor Presidente da ESAC, Exmo. Responsáveis da CNA, Exmo. Convidados e Exmos Colegas É uma honra e uma satisfação, participar no Trigésimo

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo Planeamento Estratégico Regional

Leia mais

ABORDAGEM SOBRE AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DA AGRICULTURA FAMILIAR EM PORTUGAL, SEUS PRINCIPAIS INDICADORES

ABORDAGEM SOBRE AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DA AGRICULTURA FAMILIAR EM PORTUGAL, SEUS PRINCIPAIS INDICADORES ABORDAGEM SOBRE AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DA AGRICULTURA FAMILIAR EM PORTUGAL, SEUS PRINCIPAIS INDICADORES Senhora Ministra da Agricultura e Mar, Senhor Secretário de Estado da Agricultura, Senhor

Leia mais

Economia de Baixo Carbono: Oportunidade na reforma do sector da energia Maria da Graça Carvalho e Ana Pipio

Economia de Baixo Carbono: Oportunidade na reforma do sector da energia Maria da Graça Carvalho e Ana Pipio Introdução É fundamental adaptarmos o debate europeu e global sobre as alterações climáticas e a segurança energética à missão de construir uma sociedade de baixo carbono. A reforma do sector da é uma

Leia mais

Inovação Produtiva PME Qualificação das PME

Inovação Produtiva PME Qualificação das PME Sistema de Incentivos Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação das PME Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (I&DT) Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação e Internacionalização

Leia mais

ÍNDICE. Prefácio à presente edição 7. Prefácio à 3. 8 edição 9. Prefácio à 2.- edição 13. Prefácio à 1.* edição 15

ÍNDICE. Prefácio à presente edição 7. Prefácio à 3. 8 edição 9. Prefácio à 2.- edição 13. Prefácio à 1.* edição 15 ÍNDICE Prefácio à presente edição 7 Prefácio à 3. 8 edição 9 Prefácio à 2.- edição 13 Prefácio à 1.* edição 15 1. Introdução e fases do crescimento português 19 Resumo 19 1.1. As fases do crescimento económico

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 09 setembro 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

Decreto Presidencial n.º 216/11, de 8 de Agosto

Decreto Presidencial n.º 216/11, de 8 de Agosto Decreto Presidencial n.º 216/11, de 8 de Agosto Página 1 de 10 Considerando que o acesso à terra é fundamental para o processo de reconstrução, construção e desenvolvimento económico e social do País e

Leia mais

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis

Biodiesel no Brasil. Ricardo Borges Gomide. Departamento de Combustíveis Renováveis Biodiesel no Brasil Ricardo Borges Gomide Departamento de Combustíveis Renováveis São Paulo, 18.11.2011 Papel do Biodiesel 2 Biodiesel como mais um Energético na Matriz 3 Concorre com outros produtos e

Leia mais

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique República de Moçambique African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique Direcção Nacional da Industria Desenvolvimento Industrial em Moçambique Eng. Mateus Matusse

Leia mais

JOVEM AGRICULTOR/JOVEM EMPRESÁRIO RURAL

JOVEM AGRICULTOR/JOVEM EMPRESÁRIO RURAL JOVEM AGRICULTOR/JOVEM EMPRESÁRIO RURAL AJAP Associação dos Jovens Agricultores de Portugal José Firmino B. Cordeiro 21/01/11 Idanha-a-Nova Estrutura Jovens Agricultores / Jovens Empresários Rurais Considerações

Leia mais

Carlos Nuno Castel-Branco

Carlos Nuno Castel-Branco Carlos Nuno Castel-Branco Estrutura da Discussão Introdução Conceito em Revolução Verde (1) O que é que é Verde? (2) Ligação entre Produção e Verde (2) Revolução de quê? Transformação tecnológica e socio-económica.

Leia mais

Lauro Charlet Pereira Francisco Lombardi Neto - IAC Marta Regina Lopes Tocchetto - UFSM Jaguariúna, 2006.

Lauro Charlet Pereira Francisco Lombardi Neto - IAC Marta Regina Lopes Tocchetto - UFSM Jaguariúna, 2006. APTIDÃO AGRÍCOLA COMO SUBSÍDIO AO USO AGROECOLÓGICO DAS TERRAS Lauro Charlet Pereira Francisco Lombardi Neto - IAC Marta Regina Lopes Tocchetto - UFSM Jaguariúna, 2006. RESUMO: O principal objetivo deste

Leia mais

Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas dos rios Vouga, Mondego e Lis OBJECTIVOS DO DESENVOLVIMENTO DE CENÁRIOS PROSPECTIVOS.

Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas dos rios Vouga, Mondego e Lis OBJECTIVOS DO DESENVOLVIMENTO DE CENÁRIOS PROSPECTIVOS. Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas dos rios Vouga, Mondego e Lis Índice da Apresentação OBJECTIVOS DO DESENVOLVIMENTO DE CENÁRIOS PROSPECTIVOS. RAZÕES SOCIO-ECONÓMICAS, ENTRE OUTRAS, QUE JUSTIFIQUEM

Leia mais

DESTAQUE ELEMENTOS DE CARACTERIZAÇÃO ELEMENTOS AUXILIARES PONTOS FORTES PONTOS FRACOS

DESTAQUE ELEMENTOS DE CARACTERIZAÇÃO ELEMENTOS AUXILIARES PONTOS FORTES PONTOS FRACOS INDICADORES GLOBAIS DA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE ECONÓMICA 7,4% 20,4% 11,1% 25,9% 16,7% 13,0% 5,6% Indicador de Confiança dos Consumidores da região do (3º trimestre de 2003): - 41 Variação homologa do Índice

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABINETE DO MINISTRO DE ESTADO E DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABINETE DO MINISTRO DE ESTADO E DAS FINANÇAS 20º Encontro de Lisboa com as Delegações dos Bancos Centrais dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e de Timor Leste à Assembleia Anual do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial 04

Leia mais

Visão para o ordenamento do território e das cidades

Visão para o ordenamento do território e das cidades Visão para o ordenamento do território e das cidades Ganhos e Desafios Jeiza Barbosa Tavares Direcção Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano 16 de Maio de 2014 WS 4.1 Visão para o

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO. Alimentação Humana Promoção e Consumo dos Produtos Regionais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO. Alimentação Humana Promoção e Consumo dos Produtos Regionais PROJECTO DE RESOLUÇÃO Alimentação Humana Promoção e Consumo dos Produtos Regionais Exmo. Sr. Presidente da Assembleia Exma. Sras. Deputadas e Srs. Deputados Exmo. Sr. Presidente do Governo Exma. Sra. e

Leia mais

Valorizar os Produtos Locais - Importância dos circuitos curtos

Valorizar os Produtos Locais - Importância dos circuitos curtos Valorizar os Produtos Locais - Importância dos circuitos curtos Seminário Pequenos Investimentos Produzir e vender com Qualidade e Segurança Luís Chaves 01 de setembro de 2016 Rio Maior 1. A Federação

Leia mais

Instrumentos e estratégias para o mercado. Colóquio ACBM Ovibeja. 29 de Abril de 2012

Instrumentos e estratégias para o mercado. Colóquio ACBM Ovibeja. 29 de Abril de 2012 Instrumentos e estratégias para o mercado David Gouveia Director de Serviços de Produção e Mercados Agrícolas Gabinete de Planeamento e Políticas-MAMAOT Colóquio ACBM Ovibeja 29 de Abril de 2012 Produção

Leia mais

Planificação Curricular Anual Ano letivo 2014/2015

Planificação Curricular Anual Ano letivo 2014/2015 Terra, um planeta com vida Sistema Terra: da célula à biodiversidade 1. Compreender as condições próprias da Terra que a tornam o único planeta com vida conhecida no Sistema Solar 1.1. Identificar a posição

Leia mais

Planos Regionais de Ordenamento Florestal

Planos Regionais de Ordenamento Florestal Planos Regionais de Ordenamento Florestal Dia Regional Norte do Engenheiro 2016 José Aranha Eng.º Florestal j_aranha@utad.pt j.aranha.utad@gmail.com Teatro-Cinema Fafe 17 de Setembro de 2016 PROF Planos

Leia mais

Avaliação de ciclo de vida do azeite e óleos vegetais em Portugal

Avaliação de ciclo de vida do azeite e óleos vegetais em Portugal WORKSHOP PRODUÇÃO ECOEFICIENTE DO AZEITE E DO VINHO, 11 DE JULHO 2014, MIRANDELA Avaliação de ciclo de vida do azeite e óleos vegetais em Portugal F. Figueiredo, É.G. Castanheira e F. Freire ADAI-LAETA,

Leia mais

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE

NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE NOVOS HÁBITOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO MINISTÉRIO DO AMBIENTE Luanda 3 de Fevereiro de 2014 2 Novos Hábitos Sustentáveis Quem deve PARTICIPAR? Adquirir Competências. Partilhar Experiências. Decisores, Directores

Leia mais

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL Eugenio Stefanelo ECONOMIA MUNDIAL PIB em % ao ano: Média de 50 anos: 3,5% 2004 a 2007: 5% 2008 e 2009: 3,1%

Leia mais

Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola

Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola 1.População e Território 2.Modelo de Desenvolvimento 3.O Desafio da Diversificação 4.O Papel da Logística 5.A Rede de Distribuição 6.O Novo Quadro

Leia mais

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)?

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O Liderança para a Mudança é um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente

Leia mais

Capítulo 9 Estratégia em Portugal

Capítulo 9 Estratégia em Portugal ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Capítulo 9 Estratégia em Portugal João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Formulação da Estratégia Análise do Meio Envolvente Missão, Objectivos e Estratégia

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DAS DINÂMICAS DO USO DO SOLO NA CIDADE AFRICANA

MONITORIZAÇÃO DAS DINÂMICAS DO USO DO SOLO NA CIDADE AFRICANA MONITORIZAÇÃO DAS DINÂMICAS DO USO DO SOLO NA CIDADE AFRICANA Cristina HENRIQUES Faculdade de Arquitectura Universidade Técnica de Lisboa e-geo Centro de Estudos de Geografia e Planeamento Regional Universidade

Leia mais

Sectores da Economia. Sector Primário Sector Secundário Sector Terciário Sector Quaternário

Sectores da Economia. Sector Primário Sector Secundário Sector Terciário Sector Quaternário Sectores da Economia Sector Primário Sector Secundário Sector Terciário Sector Quaternário Sector Primário O sector primário está relacionado com a produção através da exploração de recursos da natureza.

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PRÁTICO DA DISCIPLINA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA Mestrado em Engenharia do Ambiente 2008/2009. A. Descrição do caso prático

PLANO DE TRABALHO PRÁTICO DA DISCIPLINA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA Mestrado em Engenharia do Ambiente 2008/2009. A. Descrição do caso prático PLANO DE TRABALHO PRÁTICO DA DISCIPLINA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA Mestrado em Engenharia do Ambiente 2008/2009 A. Descrição do caso prático 1. Contexto estratégico A Comissão de Coordenação e

Leia mais

TESTE DE GEOGRAFIA A (2º ANO) Nº1/VERSÃO 01

TESTE DE GEOGRAFIA A (2º ANO) Nº1/VERSÃO 01 ESCOLA SECUNDÁRIA D. JOÃO II - SETÚBAL TESTE DE GEOGRAFIA A (2º ANO) Nº1/VERSÃO Nome: Aluno nº: Ano: Turma: Data: / / É obrigatório indicar a versão do teste na folha de respostas. No grupo I em cada um

Leia mais

Implicações da subida do IVA no sector alimentar

Implicações da subida do IVA no sector alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares Implicações da subida do IVA no sector alimentar Junho 2011 Agenda 1. Enquadramento estratégico do sector 2. Análise de competitividade da Indústria

Leia mais

NOVOS DESAFIOS PARA A CADEIA DE VALOR DO HABITAT

NOVOS DESAFIOS PARA A CADEIA DE VALOR DO HABITAT NOVOS DESAFIOS PARA A CADEIA DE VALOR DO HABITAT OBJETIVO O Congresso de Inovação na Construção Sustentável (CINCOS 16), é um evento organizado para o Cluster Habitat Sustentável em Portugal. Este evento

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal irá submeter à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades de financiamento

Leia mais

EIXO 4 QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO RURAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 3

EIXO 4 QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO RURAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 3 EIXO 4 QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO RURAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO DO LITORAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 3 Nos termos do regulamento específico Acções de Valorização

Leia mais

O Agronegócio Hoje Atualidade e Tendências

O Agronegócio Hoje Atualidade e Tendências O Agronegócio Hoje Atualidade e Tendências AMCHAM 13 de Julho de 2016 Agronegócio - Balança Comercial - US$ Bilhões Fonte: WTO. Elaboração MBAGro. Brasil: Liderança Global no Agronegócio Suco de laranja

Leia mais

Seguros Rurais Mais do que Apólices. Aline A. Milani 10/2015

Seguros Rurais Mais do que Apólices. Aline A. Milani 10/2015 Seguros Rurais Mais do que Apólices Aline A. Milani 10/2015 Grandezas do Agronegócio Brasileiro Cria aproximadamente 37% de todos os empregos do País Responde por aproximadamente 39% das exportações Cerca

Leia mais

REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Perspetiva da Engenharia Civil

REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Perspetiva da Engenharia Civil UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Perspetiva da Engenharia Civil Manuela Almeida Universidade do Minho 12.as JORNADAS DE CLIMATIZAÇÃO

Leia mais

Domínio: TERRA UM PLANETA COM VIDA

Domínio: TERRA UM PLANETA COM VIDA SISTEMA TERRA: DA CÉLULA À BIODIVERSIDADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Planificação

Leia mais

Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um

Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um CRESCIMENTO DESENVOLVIMENTO PARCERIAS Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um espaço (CONFEDERAÇÃO

Leia mais

11.3 O turismo no mundo 11.4 Impactos da atividade turística

11.3 O turismo no mundo 11.4 Impactos da atividade turística 11.4 Impactos da atividade turística Na segunda metade do séc. XX, a melhoria do poder de compra das populações dos países desenvolvidos O e, turismo mais recentemente, são as atividades dos países que

Leia mais

Titulo da Apresentação da DRAPLVT

Titulo da Apresentação da DRAPLVT Título da Apresentação Titulo da Apresentação da DRAPLVT Substítulo Rio Maior Setembro 2016 Objetivos Nacionais Crescimento sustentável do sector AGROFLORESTAL em TODO O TERRITÒRIO NACIONAL Aumento do

Leia mais

Síntese de Legislação Nacional e Comunitária. 04 de Janeiro de 2012

Síntese de Legislação Nacional e Comunitária. 04 de Janeiro de 2012 LEGISLAÇÃO Síntese de Legislação Nacional e Comunitária de 2012 Legislação Nacional Energias Renováveis Portaria n.º 8/2012 I Série n.º 3, de 4/01 Aprova, no âmbito da política de promoção da utilização

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 Sumário : 1 Entidade Reguladora do Sector Eléctrico em Angola 2 Missão do IRSE 3 Reflexos da Entidade Reguladora no Sector 4 Desafios do Regulador 5 Indicadores 6 Legislação

Leia mais

A Regulação do Sector Energético

A Regulação do Sector Energético A Regulação do Sector Energético Apresentação realizada na FEUC Vítor Santos 25 de Maio de 2012 Agenda 1. Dimensões estratégicas da liberalização do setor energético 2. Liberalização do sector Energético

Leia mais

André Miguel Gestor de projecto

André Miguel Gestor de projecto André Miguel Gestor de projecto andre.miguel@cm-cascais.pt A Agricultura Urbana (AU) é a agricultura praticada no interior (agricultura intra-urbana) ou na periferia (agricultura periurbana) de uma localidade

Leia mais

Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética. A escassez de água no Brasil e o impacto na geração de energia

Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética. A escassez de água no Brasil e o impacto na geração de energia Seminário Brasil-Alemanha de Eficiência Energética no Brasil e o impacto na geração Cilene Victor 1 Professora de Jornalismo e Relações Públicas e coordenadora do Centro Interdisciplinar de Pesquisa da

Leia mais

Moçambique. informação de negócios. Oportunidades e Dificuldades do Mercado

Moçambique. informação de negócios. Oportunidades e Dificuldades do Mercado Moçambique informação de negócios Oportunidades e Dificuldades do Mercado Outubro 2008 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Tecnologias de Informação e Comunicação 03 1.2 Formação Profissional 03 1.3 Produtos

Leia mais

Estratégia Regional de Especialização Inteligente

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Estratégia Regional de Especialização Inteligente Ateliê de RECURSOS MINERAIS & NOVAS TECNOLOGIAS Évora, 17 de Março de 2014 Principais Conceitos A competitividade das regiões deve fundar-se nas respetivas

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS 1.8.2014 L 230/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 834/2014 DA COMISSÃO de 22 de julho de 2014 que estabelece regras para a aplicação do quadro comum de acompanhamento

Leia mais

Base de Dados: Manuais de Boas Práticas Florestais e objetivos SEEF

Base de Dados: Manuais de Boas Práticas Florestais e objetivos SEEF Serviços do Ecossistema em Espaços Florestais Contributos para uma Economia Verde Base de Dados: Manuais de Boas Práticas Florestais e objetivos SEEF Graça Louro 24 de maio de 2012 Serviços do Ecossistema

Leia mais

COMO AS EMPRESAS DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS PODEM CONTRIBUIR PARA O DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA VERDE.

COMO AS EMPRESAS DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS PODEM CONTRIBUIR PARA O DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA VERDE. COMO AS EMPRESAS DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS PODEM CONTRIBUIR PARA O DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA VERDE. Segundo a Estratégia Nacional para o Desenvolvimento Sustentável (ENDS) a Sustentabilidade pressupõe

Leia mais

Compotas, geleias e conservas gourmet Douro

Compotas, geleias e conservas gourmet Douro Compotas, geleias e conservas gourmet Douro Adelaide Sequeira Lopes, Abril 2008 Mil Sabores : empresa sedeada no Douro, especializada em compotas, geleias, pickles, chutneys. Frutas e legumes da cada época

Leia mais

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento Agenda Contexto O Nordeste Territorial Fórum de Governança da Atividade Econômica Formas de Financiamento Área de atuação do BNB Nordeste: 1.554,4 mil Km 2 Semi-árido: 974,4 mil Km 2 (62,7% do território

Leia mais

O PRODER a Norte Relatório Anual

O PRODER a Norte Relatório Anual 2011 O PRODER a Norte Relatório Anual José Vieira João Fernandes 13-01-2011 Relatório de Evolução do PRODER na Região Norte 2 Conteúdo 1 INTRODUÇÃO... 7 2 METODOLOGIA... 7 3 SITUAÇÃO ACTUAL DOS PEDIDOS

Leia mais

análise estratégica da denominação de origem protegida carne mirandesa

análise estratégica da denominação de origem protegida carne mirandesa análise estratégica da denominação de origem protegida carne mirandesa Maria Isabel Barreiro Ribeiro - Instituto Politécnico de Bragança, Escola Superior Agrária, Campus de Santa Apolónia - Alda Maria

Leia mais

ORIENTAÇÕES DE POLÍTICA SOBRE BIODIVERSIDADE RELEVANTES PARA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

ORIENTAÇÕES DE POLÍTICA SOBRE BIODIVERSIDADE RELEVANTES PARA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA ORIENTAÇÕES DE POLÍTICA SOBRE BIODIVERSIDADE RELEVANTES PARA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA Instituto Superior Técnico, 01 de Abril de 2011 Cátia Eira Engenheira do Ambiente (MSc) catia.eira@ist.utl.pt

Leia mais

O planejamento das áreas protegidas integradas à paisagem

O planejamento das áreas protegidas integradas à paisagem O planejamento das áreas protegidas integradas à paisagem Stanley Arguedas Mora, Coordenador Tecnico ELAP Márcia Regina Lederman, especialista Áreas Protegidas GIZ Marcos Roberto Pinheiro, consultor Áreas

Leia mais