REORGANIZAÇÃO DAS LICENCIATURAS DA U. M.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REORGANIZAÇÃO DAS LICENCIATURAS DA U. M."

Transcrição

1 CAc P 1-02/03 REORGANIZAÇÃO DAS LICENCIATURAS DA U. M. 1. Introdução A expansão da rede do Ensino Superior Público e Privado, que ocorreu nas décadas de 80 e 90, trouxe como consequência, aliás previsível, uma oferta de cursos extremamente diversificada, desde cursos de banda larga até cursos de perfil estreito. Apesar da introdução dos numeri clausi, definidos anualmente pela tutela após consulta à instituições formadoras, é do conhecimento público que um número muito significativo de licenciados encontra actualmente grandes dificuldades de inserção na vida activa. A título exemplificativo refere-se a oferta de licenciados dos ramos educacionais e dos licenciados em ensino que, em algumas áreas, excedem actualmente as necessidades da rede pública dos ensinos básico e secundário, sendo estes os principais empregadores destes graduados. Além disso, licenciados há que auferem remunerações muito próximas do ordenado mínimo nacional. Finalmente é de notar que em Portugal a taxa de frequência do grupo etário anos atingiu em 2000/01 cerca de 24%, para o ensino superior. 2. A oferta de cursos da UM A UM oferece actualmente um conjunto de 44 licenciaturas e de 142 cursos de pós-graduação, sendo que destes 96 são cursos de mestrado. A distribuição destes cursos por grandes áreas do saber é apresentada no Quadros 1 e 2. A evolução da população estudantil nos diferentes níveis graduado e pósgraduado encontra-se no Quadro 3. Estes indicadores revelam que a instituição atingiu uma dimensão tal que, independentemente dos desafios que as políticas educativas europeias colocam à Universidade Portuguesa, a manutenção de um ensino de qualidade e adequado ao mundo do trabalho exigem o repensar dos paradigmas da formação graduada e pós-graduada na UM, à luz da experiência já acumulada pela instituição nos seus 26 anos de docência. Será oportuno recordar o carácter então fortemente inovador das primeiras licenciaturas oferecidas pela UM: as licenciaturas em Ensino, as licenciaturas em Engenharia nos domínios da Informática e da Produção/Gestão Industrial, e ainda as licenciaturas em Relações Internacionais. 3. A dimensão europeia no ensino superior No quadro da união europeia a declaração de Bolonha, a Convenção de Salamanca e a Cimeira de Praga colocam um novo desafio às universidades portuguesas no que se refere aos grandes objectivos da formação terciária. Com efeito, a mobilidade estudantil no espaço europeu e a inserção na vida activa após a conclusão do 1º ciclo da educação superior, associadas à implementação do sistema europeu de créditos e ao suplemento de diploma, exigem o repensar dos actuais modelos de formação universitária não tanto do ponto de vista da instituição formadora mas sim do ponto de vista das expectativas e oportunidades de valorização pessoal de cada formando. O grande desafio consiste precisamente nesta mudança de referencial, preservando cada instituição formadora as suas especificidade e cultura própria.

2 4. Orientações para a reorganização das licenciaturas Tomando como ponto de partida a actual formação graduada e pós-graduada da UM e o quadro das políticas europeias para o ensino superior, e tendo em consideração as exigências de um mercado de trabalho muito diversificado e de elevada imprevisibilidade, afigura-se desejável/recomendável que o 1º ciclo da formação terciária proporcione ao formando uma formação básica sólida, suportada por uma estrutura curricular que tenha em consideração a construção das competências de natureza intelectual e também a formação pessoal, cultural e ética de cada aluno. Considerando que a um 1º ciclo de formação universitária, corresponde uma licenciatura que qualifica para o ingresso na vida activa, que a um 2º ciclo corresponde o mestrado ou um curso de especialização e que o doutoramento representa o 3º ciclo da formação universária, enunciam-se a seguir os princípios orientadores da reorganização dos cursos de graduação da UM: 1 - consideram-se duas tipologias de licenciatura: as licenciaturas que conferem determinada habilitação académica e as licenciaturas que, para além da habilitação académica também conferem habilitação profissional, correspondendo às primeiras uma duração de 4 anos e às segundas uma duração de pelo menos 5 anos; 2 - cada projecto de formação inicial deverá proporcionar um conjunto coerente de saberes e competências que proporcione ao licenciado uma valorização pessoal relevante e de inequívoco valor social; 3 - consideram-se como dimensões/componentes fundamentais da estrutura curricular de cada licenciatura: - formação básica; - formação específica; - formação cultural, ética e social; - iniciação à prática profissional, no caso das licenciaturas que conferem habilitação profissional 4 - a estrutura curricular e os planos de estudo da formação inicial devem organizar-se a partir da definição dos grandes objectivos a atingir em cada ano curricular. Para além disso, devem ser proporcionadas oportunidades de aprendizagem em regime opcional a partir do 3º ano curricular, pelo menos; 5 - os projectos de formação graduada e pós graduada devem constituir-se como uma rede articulada e flexível, por forma a garantirem uma formação ao longo da vida capaz de responder adequadamente a diversos públicos alvo, dando resposta a necessidades de valorização académica, cultural, intelectual, profissional, etc. 5. Considerações Finais Finalmente, recomenda-se que os processos de reorganização dos cursos de graduação da U. M. tenham em consideração os seguintes pontos: - as recomendações decorrentes dos processos de avaliação interna e externa de cada licenciatura; - a mobilidade do aluno quer no seio da U. M., quer ainda nos espaços nacional e europeu; - a concertação com as instituições (ordens profissionais e instituições congéneres) que certificam os títulos profissionais, quando for caso disso; - os parâmetros institucionais constantes do anexo.

3 Quadro 1 Número de licenciaturas por grandes áreas do conhecimento Áreas do conhecimento Nº de licenciaturas Arquitectura 1 Ciências 9 Ciências Económicas Empresariais e Políticas 6 Ciências Sociais 4 Educação e Psicologia 2 Educação Infantil e Básica (1º ciclo) 2 Engenharia 13 Letras e Ciências Humanas 6 Medicina 1 Quadro 2 Número de mestrados e de cursos de especialização por grandes áreas de conhecimento Áreas de conhecimento Nº de mestrados Nº de cursos de especialização Arquitectura 0 0 Ciências 7 8 Ciências Económicas, Empresariais e Políticas 8 3 Ciências Sociais 12 1

4 Educação e Psicologia Educação Infantil e Básica 11 2 Engenharia Letras e Ciências Humanas 9 6 Medicina 0 0 Total Quadro 3 Evolução da população discente Cursos 1983/ / /2002 Graduação Pós-graduação APLICAÇÃO DO ECTS AOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UM Como é sabido, o sistema europeu de créditos tem por base o trabalho do estudante. Nestas condições e de acordo com este sistema, o trabalho anual do estudante vale 60 C. Para além deste parâmetro, cada universidade/instituição deve definir os respectivos parâmetros institucionais, como sejam: 1. Duração total do curso; 2. Número total de horas de trabalho exigíveis ao aluno; 3. Número total de horas de trabalho semanal do estudante; 4. Número total de créditos do curso; 5. Regime de funcionamento do curso; 6. Tipologia do ensino/aprendizagem de cada unidade curricular; 7. Metodologias de avaliação do estudante;

5 8. Regime de acesso e ingresso; 9. Calendário escolar; 10. Mobilidade interna, externa nacional e externa transnacional. Conselho Académico da Universidade do Minho, 20 de Novembro de 2002

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Instituto de Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Especialização: Tecnologias e Metodologias da Programação no Ensino Básico 16 17 Edição Instituto de Educação

Leia mais

A ATUALIDADE DO PLANO ORIENTADOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Timothy Mulholland

A ATUALIDADE DO PLANO ORIENTADOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Timothy Mulholland A ATUALIDADE DO PLANO ORIENTADOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Timothy Mulholland O Plano Orientador de Anísio Teixeira e Darcy Ribeiro e o início da Universidade de Brasília 1962 Universidade de Brasília

Leia mais

Instituto Politécnico de Bragança Relatório de concretização do Processo de Bolonha: indicadores de progresso

Instituto Politécnico de Bragança Relatório de concretização do Processo de Bolonha: indicadores de progresso Instituto Politécnico de Bragança Relatório de concretização do Processo de Bolonha: indicadores de progresso Relatórios #1 - #4, 2008-2011 1979 Criação do sistema de Ensino Superior Politécnico em Portugal

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Especialização: Liderança e Gestão Intermédia na Escola 14 15 Edição Instituto

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais 14 15 Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Leia mais

AOS NOVOS. b. Os outros casos enquadram-se no novo regime de acesso ao ensino superior para os maiores de 23 anos.

AOS NOVOS. b. Os outros casos enquadram-se no novo regime de acesso ao ensino superior para os maiores de 23 anos. PEDIDOS DE EQUIPARAÇÃO OU EQUIVALÊNCIA AOS NOVOS PLANOS DE ESTUDO E TÍTULOS ACADÉMICOS EM TEOLOGIA E CIÊNCIAS RELIGIOSAS 1. Cursos Básicos de Teologia O Mapa em anexo ao Despacho Normativo n.º 6-A/90,

Leia mais

universidade de aveiro suplemento ao diploma

universidade de aveiro suplemento ao diploma 1 / 8 universidade de aveiro suplemento ao diploma O presente Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento

Leia mais

Direito é na Católica

Direito é na Católica é na Católica D UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE DIREITO Índice Um Curso de D inovador Dos métodos de ensino ao plano curricular, descubra porque estamos na vanguarda. Internacionalização:

Leia mais

MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO EDITAL Apresentação O Mestrado em Ensino de Educação Musical no Ensino Básico é um curso de 2º Ciclo de estudos com um total de 120 ECTS, duração

Leia mais

LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL

LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de Bolonha, constante

Leia mais

NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Minho A.1.a.

Leia mais

CURSO DE GESTÃO DA QUALIDADE EM IPSS E PRIVADOS (4ª edição)

CURSO DE GESTÃO DA QUALIDADE EM IPSS E PRIVADOS (4ª edição) CURSO DE GESTÃO DA QUALIDADE EM IPSS E PRIVADOS (4ª edição) A necessidade de renovar as práticas e as metodologias de intervenção social com vista a aumentar a eficácia e a eficiência do trabalho com os

Leia mais

O ENSINO DE ENFERMAGEM EM PORTUGAL

O ENSINO DE ENFERMAGEM EM PORTUGAL O ENSINO DE ENFERMAGEM EM PORTUGAL Missão na Universidade de Cabo Verde Praia, 9 de Abril de 2008 Maria da Conceição Bento Até 1988 Curso de Enfermagem Geral Habilitavam: Prática Clínica de Cuidados de

Leia mais

Relatório Anual da Comissão Científica do Mestrado em Ensino da Física e da Química

Relatório Anual da Comissão Científica do Mestrado em Ensino da Física e da Química MESTRADO EM ENSINO DA FÍSICA E DA QUÍMICA Relatório Anual da Comissão Científica do Mestrado em Ensino da Física e da Química 28-29 De acordo com ponto 4, alínea l) do artigo 4º, do regulamento geral de

Leia mais

LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS FOTOGRAFIA

LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS FOTOGRAFIA LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS FOTOGRAFIA NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1.º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de Bolonha,

Leia mais

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Gestão Estratégica das Relações Públicas.

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Gestão Estratégica das Relações Públicas. MESTRADOS REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DAS RELAÇÕES PÚBLICAS Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Gestão Estratégica das Relações

Leia mais

Aviso de Abertura das Candidaturas à Pós-Graduação em Educação Musical Madeira Funchal 3ª FASE. 18 de Julho a 26 de Agosto de 2011

Aviso de Abertura das Candidaturas à Pós-Graduação em Educação Musical Madeira Funchal 3ª FASE. 18 de Julho a 26 de Agosto de 2011 Aviso de Abertura das Candidaturas à Pós-Graduação em Educação Musical Madeira Funchal 3ª FASE 18 de Julho a 26 de Agosto de 2011 1. Introdução A presente proposta refere-se a uma pós-graduação de 60 créditos

Leia mais

://.pt/ Método orientado para a obtenção de resultados pessoais e académicos. Sólidas competências interpessoais e de comunicação

://.pt/ Método orientado para a obtenção de resultados pessoais e académicos. Sólidas competências interpessoais e de comunicação MARIA DO ROSÁRIO RODRIGUES CO I M B R A p r o f e s s o r a @.pt ://.pt/ SÍ N T E S E Professora do Ensino Superior com 23 anos de Experiência em Investigação e Ensino Método orientado para a obtenção

Leia mais

Formação Pós-Graduada Cursos de Especialização e Cursos de Formação Avançada. Preâmbulo

Formação Pós-Graduada Cursos de Especialização e Cursos de Formação Avançada. Preâmbulo Formação Pós-Graduada Cursos de Especialização e Cursos de Formação Avançada Preâmbulo Considerando que, nos termos do nº 1 do artigo 15º da Lei de Bases do Sistema Educativo, Lei nº 46/86, de 14 de Outubro,

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Cláusula 1ª. Área de especialização

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Cláusula 1ª. Área de especialização REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Cláusula 1ª Área de especialização A Universidade do Porto, através da Faculdade de Engenharia,

Leia mais

LICENCIATURA EM TEATRO INTERPRETAÇÃO E ENCENAÇÃO

LICENCIATURA EM TEATRO INTERPRETAÇÃO E ENCENAÇÃO LICENCIATURA EM TEATRO INTERPRETAÇÃO E ENCENAÇÃO NORMAS REGULAMENTARES Curso do do 1º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo

Leia mais

Universidade de Évora Instituto Politécnico de Beja - Escola Superior de

Universidade de Évora Instituto Politécnico de Beja - Escola Superior de Universidade de Évora Instituto Politécnico de Beja - Escola Superior de Saúde Instituto Politécnico de Castelo Branco - Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias Instituto Politécnico de Portalegre - Escola

Leia mais

Disciplina Conjunto (1) Atividades Acadêmico-Científico-Culturais I PSA1200(2) Psicologia da Aprendizagem...

Disciplina Conjunto (1) Atividades Acadêmico-Científico-Culturais I PSA1200(2) Psicologia da Aprendizagem... 00 Psicologia - Licenciatura Currículo 0000 ( Ativo ) s em Sequência Aconselhada 0() Atividades Acadêmico-Científico-Culturais I............. 0 0 0 0 0 PSA00() Psicologia da Aprendizagem.....................

Leia mais

Universidade de Évora Universidade de Aveiro. Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências e Tecnologias

Universidade de Évora Universidade de Aveiro. Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências e Tecnologias Universidade de Évora Universidade de Aveiro Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências e Tecnologias Edital Abertura do Mestrado Gestão e Poĺıticas Ambientais Ano Letivo 2015/2016 1. O Curso

Leia mais

Doutoramento em Economia

Doutoramento em Economia Doutoramento em Economia 2010/2011 O Programa O Programa de Doutoramento em Economia tem como objectivo central proporcionar formação que permita o acesso a actividades profissionais de elevada exigência

Leia mais

NCE/10/01956 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01956 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01956 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico Do Porto A.1.a.

Leia mais

Acesso ao Ensino Superior. Serviços de Psicologia e Orientação Escola Secundária Francisco Rodrigues Lobo

Acesso ao Ensino Superior. Serviços de Psicologia e Orientação Escola Secundária Francisco Rodrigues Lobo Acesso ao Ensino Superior Serviços de Psicologia e Orientação Escola Secundária Francisco Rodrigues Lobo Aque perguntas vamos responder? 1. Que curso do ensino secundário (ou disciplinas) é necessário

Leia mais

NCE/10/01446 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01446 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01446 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a.

Leia mais

1.7. Número de unidades curriculares em que participou no segundo semestre de 2006/2007:

1.7. Número de unidades curriculares em que participou no segundo semestre de 2006/2007: INQUÉRITO AOS DOCENTES SOBRE CONDIÇÕES E ACTIVIDADES DE ENSINO/APRENDIZAGEM ANO LECTIVO 2006/2007-2º SEMESTRE 1.1. Categoria e Vínculo Doutorado Convidado Tempo Integral Doutorado Convidado Tempo Parcial

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2007/2008 DEPARTAMENTO Biologia CURSO Mestrado em Biologia Molecular e Celular 1. INTRODUÇÃO Transição curricular dos alunos dos cursos pré-bolonha para

Leia mais

INUAF - INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III

INUAF - INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III Colégio de Pós Graduações Regulamento do Mestrado em Psicologia Clínica Artigo 1º O Instituto Superior Dom Afonso III (INUAF) confere o grau de Mestre em Psicologia Clínica. Artigo 2º Objectivos Gerais

Leia mais

Regulamento Geral de Exames

Regulamento Geral de Exames Versão: 01 Data: 14/07/2009 Elaborado: Verificado: Aprovado: RG-PR12-07 Vice-Presidente do IPB Presidentes dos Conselhos Científicos das Escolas do IPB GPGQ Vice-Presidente do IPB Presidentes dos Conselhos

Leia mais

O novo Mestrado em Engenharia Informática da FCT/UNL FCT/UNL. Departamento de Informática (2007/2008)

O novo Mestrado em Engenharia Informática da FCT/UNL FCT/UNL. Departamento de Informática (2007/2008) O novo Mestrado em Engenharia Informática da FCT/UNL (2007/2008) Departamento de Informática FCT/UNL Contexto Processo de Bolonha Novo enquadramento legal Novo paradigma de 3 ciclos de estudos Redefinição

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DA ÁREA DE SAÚDE DA ASCES.

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DA ÁREA DE SAÚDE DA ASCES. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DA ÁREA DE SAÚDE DA ASCES. 1. JUSTIFICATIVA Tomando-se como referência a missão institucional ASCES que visa o favorecimento da qualificação formal,

Leia mais

1 - IDENTIFICAÇÃO PESSOAL NOME. IDADE anos. GENERO ESTADO CIVIL. B I Nº de / / Arq. Identificação. RESIDÊNCIA. LOCALIDADE Código Postal.

1 - IDENTIFICAÇÃO PESSOAL NOME. IDADE anos. GENERO ESTADO CIVIL. B I Nº de / / Arq. Identificação. RESIDÊNCIA. LOCALIDADE Código Postal. UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE / ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE 10º CURSO DE PÓS-LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO GRELHA CURRICULAR (DOCUMENTO A PREENCHER

Leia mais

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA. PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010.

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA. PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010. FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010. Institui as orientações e as atividades aprovadas para a realização da carga horária de Estágio Supervisionado

Leia mais

LIBRAS PÓS-GRADUAÇÃO NATAL/RN TRADUÇÃO / INTERPRETAÇÃO E DOCÊNCIA

LIBRAS PÓS-GRADUAÇÃO NATAL/RN TRADUÇÃO / INTERPRETAÇÃO E DOCÊNCIA PÓS-GRADUAÇÃO LIBRAS TRADUÇÃO / INTERPRETAÇÃO E DOCÊNCIA Aulas presenciais aos finais de semana Professores altamente qualificados Curso com banca de proficiência Metodologia de ensino dinâmica Estrutura

Leia mais

Escola Superior de Gestão e Tecnologia de Santarém

Escola Superior de Gestão e Tecnologia de Santarém Escola Superior de Gestão e Tecnologia de Santarém Planeamento estratégico de sistemas de informação de Departamento de Informática e Métodos Quantitativos Licenciatura em Informática - 3º Ano Sistemas

Leia mais

ANEXO V REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA À DISTÂNCIA CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ANEXO V REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA À DISTÂNCIA CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS ANEXO V REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA À DISTÂNCIA CAPÍTULO I DA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO

Leia mais

Curso de Formação Especializada em História da Arquitectura

Curso de Formação Especializada em História da Arquitectura Curso de Formação Especializada em História da Arquitectura Departamento Autónomo de Arquitectura. Guimarães, 2007 ÍNDICE 1. DESTINATÁRIOS 3 2. OBJECTIVOS DO CURSO 3 3. RESULTADOS ESPERADOS DA APRENDIZAGEM

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM Regulamento da PGDEEC 0 Departamento Engenharia Electrotécnica e de Computadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES (PDEEC) Departamento de Engenharia

Leia mais

Normas Regulamentares da Licenciatura em Educação Social

Normas Regulamentares da Licenciatura em Educação Social Normas Regulamentares da Licenciatura em Educação Social Artigo 1.º Condições específicas de ingresso 1. O Conselho Técnico-científico pronuncia-se sobre o regime de ingresso no curso, ouvido o Conselho

Leia mais

Tema: Engenharia a dois Ciclos Propostas e Modelos para o Brasil. A NOVA FORMAÇÃO e os IMPACTOS NO EXERCÍCIO PROFISSIONAL.

Tema: Engenharia a dois Ciclos Propostas e Modelos para o Brasil. A NOVA FORMAÇÃO e os IMPACTOS NO EXERCÍCIO PROFISSIONAL. Tema: Engenharia a dois Ciclos Propostas e Modelos para o Brasil A NOVA FORMAÇÃO e os IMPACTOS NO EXERCÍCIO PROFISSIONAL Paulo Roberto da Silva XIV ENCEP Recife, 14/05/2009 1 1 - O Ensino Superior- Regulamentação

Leia mais

Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos (LRH)

Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos (LRH) UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos (LRH) Maputo, Julho de 2015

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação Organizacional sobre

Leia mais

LINGUÍSTICA PORTUGUESA II

LINGUÍSTICA PORTUGUESA II Maria do Céu Brás da Fonseca Professora Auxiliar de Nomeação Definitiva LINGUÍSTICA PORTUGUESA II (Licenciatura em Línguas, Literaturas e Culturas) Relatório de Unidade Curricular para provas de Agregação

Leia mais

Universidade de Coimbra. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Engenharia Química (DEQ / FCTUC)

Universidade de Coimbra. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Engenharia Química (DEQ / FCTUC) Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Química (DEQ / FCTUC) Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006 Licenciatura em Engenharia

Leia mais

Preçário Ano Letivo 2015/16

Preçário Ano Letivo 2015/16 Preçário Ano Letivo 2015/16 CTeSP Inscrição na Prova de Maiores de 23 Anos * 80 Inscrição na prova de Avaliação de Conhecimentos para candidatos que não possuam 12º ano 100 Candidatura 1ª Fase 150 Candidatura

Leia mais

NCE/14/02071 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/02071 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/02071 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Instituto Politécnico Do Cávado

Leia mais

Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas

Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas 1. Perfil do

Leia mais

O credenciamento e o recredenciamento de Centros Universitários e. ABMES, Brasília julho/2010

O credenciamento e o recredenciamento de Centros Universitários e. ABMES, Brasília julho/2010 O credenciamento e o recredenciamento de Centros Universitários e Universidades ABMES, Brasília julho/2010 O credenciamento e o recredenciamento de Centros Universitários e Universidades Paulo M. V. B.

Leia mais

Mestrado em. ECONOMIA e GESTÃO INTERNACIONAL

Mestrado em. ECONOMIA e GESTÃO INTERNACIONAL Mestrado em ECONOMIA e GESTÃO INTERNACIONAL ANO LECTIVO 2011/2012 6. a EDIÇÃO Rui Henrique Alves (Vogal) Maria do Rosário Moreira (Vogal) Rosa Forte (Directora) Ana Paula Africano (Vogal) Raquel Meneses

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Gonçalo Paiva Dias Tecnologias da Informação 1. INTRODUÇÃO O presente documento

Leia mais

f931b761df3c49db984136ffea35aa3e

f931b761df3c49db984136ffea35aa3e DL 433/2014 2014.10.16 De acordo com as prioridades estabelecidas no programa do XIX Governo Constitucional, o Ministério da Educação e Ciência tem vindo a introduzir alterações graduais no currículo nacional

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS (LICENCIATURAS)

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS (LICENCIATURAS) REGULAMENTO DE ESTÁGIOS (LICENCIATURAS) CAPÍTULO I OBJETIVOS, TIPOLOGIA E CONCEITOS Artigo 1.º Objetivos Os estágios têm como finalidade proporcionar aos estudantes: a) Um contacto com métodos e técnicas

Leia mais

MBA INSCRIÇÕES ABERTAS. em Gestão de Projectos. Início das aulas: dia 21 de Março. 3ª Edição. Com opção de Mestrado Pro ssionalizante ou Académico

MBA INSCRIÇÕES ABERTAS. em Gestão de Projectos. Início das aulas: dia 21 de Março. 3ª Edição. Com opção de Mestrado Pro ssionalizante ou Académico MBA em Gestão de Projectos Com opção de Mestrado Pro ssionalizante ou Académico 3ª Edição INSCRIÇÕES ABERTAS Início das aulas: dia 21 de Março Parceiro Entidade acreditada por: Telf: 82 313 2200 82 309

Leia mais

DESPACHO RT-1/2002. Por proposta do Plenário do Conselho Académico, homologo o Regulamento

DESPACHO RT-1/2002. Por proposta do Plenário do Conselho Académico, homologo o Regulamento DESPACHO RT-1/2002 Por proposta do Plenário do Conselho Académico, homologo o Regulamento Geral dos Cursos de Doutoramento da Universidade do Minho, anexo ao presente despacho. Universidade do Minho, 4

Leia mais

} Diário da República, 2.ª série N.º 47 9 de Março de 2010

} Diário da República, 2.ª série N.º 47 9 de Março de 2010 10560 Diário da República, 2.ª série N.º 47 9 de Março de 2010 Regulamento n.º 208/2010 A Universidade Nova de Lisboa (UNL), através da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH), ao abrigo dos artigos

Leia mais

DIRECÇÃO DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA. EDITAL de Recrutamento N 01/2014. Selecção de Monitores para a Docência nos Cursos da Academica SNL

DIRECÇÃO DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA. EDITAL de Recrutamento N 01/2014. Selecção de Monitores para a Docência nos Cursos da Academica SNL !l Academia Anexo 1 - Edital de Recrutamento DIRECÇÃO DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA EDITAL de Recrutamento N 01/2014 Selecção de Monitores para a Docência nos Cursos da Academica SNL Art. 1. A Academia Sonangol,

Leia mais

PERFIL E COMPETÊNCIAS DO TERAPEUTA EXPRESSIVO

PERFIL E COMPETÊNCIAS DO TERAPEUTA EXPRESSIVO APRESENTAÇÃO As terapias expressivas, consideradas práticas psicoterapêuticas de mediação corporal, têm vindo a crescer em termos de campos de acção desde a saúde mental, passando pelas dificuldades de

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA Ano lectivo 2008/2009 DEPARTAMENTO Engenharia Mecânica/Electrónica, Telecomunicações e Informática CURSO Mestrado em Engenharia de Automação Industrial

Leia mais

RECONHECIMENTO DE QUALIFICAÇÕES ACADÉMICAS E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS

RECONHECIMENTO DE QUALIFICAÇÕES ACADÉMICAS E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS 2º CONGRESSO DE ENGENHEIROS DE LÍNGUA PORTUGUESA A Engenharia como Factor Decisivo no Processo de Cooperação 27-28 Novembro 2014 MACAU RECONHECIMENTO DE QUALIFICAÇÕES ACADÉMICAS E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS

Leia mais

Regulamento do Concurso

Regulamento do Concurso Recrutamento de um(a) Engenheiro(a) Civil, ramo de Transportes (Setor dos portos comerciais e/ou transportes marítimos e/ou fluviais) para a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes Ref. N.º ENG_MAR_1_RegEcon/AMT/2016

Leia mais

ATLÂNTICO BUSINESS SCHOOL

ATLÂNTICO BUSINESS SCHOOL ATLÂNTICO BUSINESS SCHOOL A Atlântico Business School é uma instituição de Ensino Superior vocacionada para ministrar formação, tanto ao nível da Licenciatura e Mestrado como ao nível dos MBAs e Pós-Graduações,

Leia mais

T A X A S E S C O L A R E S A D M I N I S T R A T I V A S /

T A X A S E S C O L A R E S A D M I N I S T R A T I V A S / dia 19 de FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA Engenharia Civil (L) Engenharia Civil (L) Engenharia do Ambiente (L) Engenharia do Ambiente (L) Engenharia e Gestão da Qualidade (L) Engenharia e Gestão da Qualidade

Leia mais

Segurança Alimentar. Pós-Graduação. 45 ECTS //

Segurança Alimentar. Pós-Graduação. 45 ECTS // Pós-Graduação Segurança Alimentar 45 ECTS // www.esb.ucp.pt Nesta pós-graduação estudam-se os perigos, riscos, metodologias e legislação com que a segurança alimentar é confrontada na atualidade, numa

Leia mais

INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação

INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação INDICE 1. OBJECTIVO 2. PORQUÊ A INICIATIVA? 3. PARA OS JOVENS: UMA OPORTUNIDADE NOVA 4. PARA OS ADULTOS:

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010 Reitoria RT-21/2010 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Mestrado Integrado em Psicologia, anexo a este despacho. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro

Leia mais

ZA4540. Flash Eurobarometer 198 Perceptions of Higher Education Reforms. Country Specific Questionnaire Portugal

ZA4540. Flash Eurobarometer 198 Perceptions of Higher Education Reforms. Country Specific Questionnaire Portugal ZA4540 Flash Eurobarometer 198 Perceptions of Higher Education Reforms Country Specific Questionnaire Portugal Eurobarometer / Flash Eurobarometer Flash on Higher Education Reform (DG EAC/A2) Final Questionnaire

Leia mais

Resolução nº 01/06. Implementação do Processo de Bolonha: Regras de Transição

Resolução nº 01/06. Implementação do Processo de Bolonha: Regras de Transição Resolução nº 01/06 Implementação do Processo de Bolonha: Regras de Transição O Decreto-Lei n.º 74/2006, dos graus e diplomas do ensino superior, define limites temporais para a coexistência entre a nova

Leia mais

Recrutamento de um(a) Engenheiro(a) Civil (Setor ferroviário e de outros modos de transporte guiado) para a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes

Recrutamento de um(a) Engenheiro(a) Civil (Setor ferroviário e de outros modos de transporte guiado) para a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes Recrutamento de um(a) Engenheiro(a) Civil (Setor ferroviário e de outros modos de transporte guiado) para a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes Ref. N.º ENG_FER_1_RegEcon/AMT/2016 Regulamento do

Leia mais

Curso de Marketing para Farmacêuticos 2017UNAVE/UA. data a definir. 1ª primeira edição

Curso de Marketing para Farmacêuticos 2017UNAVE/UA. data a definir. 1ª primeira edição Marketing para Farmacêuticos UNAVE/UA data a definir 1ª primeira edição WWW.UNAVE.PT 1 a unave A UNAVE Associação para a Formação Profissional e Investigação da Universidade de Aveiro (UA), é, desde 1986,

Leia mais

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ)

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) INTEGRAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICOS SUPERIORES BACHARÉIS, LICENCIADOS E MESTRES CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) GUIA DE CURSO ÍNDICE 1 - Objectivo do curso 2 - Destinatários 3 - Pré-requisitos

Leia mais

Psicólogo Educacional

Psicólogo Educacional Direção de Serviços Região Algarve Agrupamento de Escolas Manuel Teixeira Gomes Cód. 145464 AVISO Nº 5 2016-2017 Horário nº42 CONTRATAÇÃO DE TÉCNICO ESPECIALIZADO Psicólogo Educacional Decreto-Lei n.º

Leia mais

161-1 LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA Regime Regular NÚMERO MÍNIMO DE PERÍODOS 1 DISCIPLINA CARGA HORÁRIA TIPO

161-1 LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA Regime Regular NÚMERO MÍNIMO DE PERÍODOS 1 DISCIPLINA CARGA HORÁRIA TIPO PÁGINA: 1 INGRESSOS DE 20041 161-1 LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA Regime Regular NÚMERO MÍNIMO DE PERÍODOS 1 NÚMERO MÁXIMO DE PERÍODOS 9 CARGA HORÁRIA 3640 1 132 FUNDAMENTOS ÉTICOS DE EDUCAÇÃO 30 OBRIGATORIA

Leia mais

Mestrados em Ensino Universidade de Lisboa

Mestrados em Ensino Universidade de Lisboa Papel das Escolas e dos Orientadores Cooperantes no Mestrado em Ensino Documento de orientação aprovado pela Comissão Pedagógica dos Mestrados em Ensino em 25 de maio de 2016 O presente documento dirige-se

Leia mais

REGULAMENTO DE APROVAÇÃO DO PLANO DE CURSO DA LICENCIATURA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ESCOLA DE LISBOA

REGULAMENTO DE APROVAÇÃO DO PLANO DE CURSO DA LICENCIATURA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ESCOLA DE LISBOA REGULAMENTO DE APROVAÇÃO DO PLANO DE CURSO DA LICENCIATURA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ESCOLA DE LISBOA A Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa aprovou

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares. do CURSO DE PEDAGOGIA

Regulamento das Atividades Complementares. do CURSO DE PEDAGOGIA 1 GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR SETI UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR CAMPUS APUCARANA Regulamento das Atividades Complementares do CURSO

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Licenciatura EM educação básica intercultural TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Licenciatura EM educação básica intercultural TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Licenciatura EM educação básica intercultural TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º - O Estágio Supervisionado de que trata este regulamento refere-se à formação de

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente regulamento dá cumprimento ao estabelecido no Decreto-Lei n.º 115/2013,

Leia mais

Dissertações versus Estágios Pós e Pré Bolonha

Dissertações versus Estágios Pós e Pré Bolonha Caracterização Pré-Bolonha (até 2005) - licenciaturas Engª - 5 anos Cursos Engenharia UM - Estágio (no último semestre (10º), regra geral em empresa) driver UM é hoje Universidade Portuguesa com maior

Leia mais

Pós-graduação Tecnologia Aeronáutica. Edital 2013/2014

Pós-graduação Tecnologia Aeronáutica. Edital 2013/2014 Pós-graduação Tecnologia Aeronáutica Edital 2013/2014 Setúbal, dezembro de 2012 ENQUADRAMENTO E OBJECTIVOS O curso de Pós-Graduação em Tecnologia Aeronáutica (PGTA) é uma realização da Escola Superior

Leia mais

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com

Educador Ambiental. Curso de Formação. Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 1 Curso de Formação Educador Ambiental 2009 Eng.ª Mariana Cruz Mariana.cruz@biorumo.com 2 Curso de Formação: Educador Ambiental Índice: 1 Apresentação da entidade formadora e de Coordenação do Curso 2

Leia mais

Universidade dos Açores

Universidade dos Açores Universidade dos Açores Licenciatura em Engenharia e Gestão do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Responsável: Professor Doutor Rui Bento Elias Objectivos: Na sequência da adequação dos cursos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA Setembro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Língua Gestual Portuguesa sobre

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO AMBIENTAL. Artigo 1º. (Natureza e âmbito de aplicação)

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO AMBIENTAL. Artigo 1º. (Natureza e âmbito de aplicação) REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO AMBIENTAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao estabelecido no artº. 32º do Regulamento do Ciclo de Estudos

Leia mais

A QUALIDADE E ENSINO DE GRADUAÇÃO E O COMPLEXO EXERCÍCIO DE PROPOR INDICADORES: É POSSÍVEL OBTER AVANÇOS?

A QUALIDADE E ENSINO DE GRADUAÇÃO E O COMPLEXO EXERCÍCIO DE PROPOR INDICADORES: É POSSÍVEL OBTER AVANÇOS? A QUALIDADE E ENSINO DE GRADUAÇÃO E O COMPLEXO EXERCÍCIO DE PROPOR INDICADORES: É POSSÍVEL OBTER AVANÇOS? A QUALIDADE E ENSINO DE GRADUAÇÃO E O COMPLEXO EXERCÍCIO DE PROPOR INDICADORES: É POSSÍVEL OBTER

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR. Departamento de Matemática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR. Departamento de Matemática UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Matemática Regulamento interno do 3º Ciclo de Estudos Conducentes à obtenção do Grau de Doutor em Matemática e Aplicações Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

Programa Próprio de Iniciação Tecnológica Industrial PPITI

Programa Próprio de Iniciação Tecnológica Industrial PPITI Programa Próprio de Iniciação Tecnológica Industrial PPITI Anápolis 2011 Programa Próprio de Iniciação Tecnológica Industrial - PPITI 1. Justificativa A inovação tecnológica é a introdução no mercado de

Leia mais

República de Moçambique Ministério da Educação e Cultura INSTITUTO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

República de Moçambique Ministério da Educação e Cultura INSTITUTO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO República de Moçambique Ministério da Educação e Cultura INSTITUTO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO Síntese Final do I Fórum Nacional de Consulta sobre a Transformação Curricular do Ensino Secundário

Leia mais

Sugestões para a melhoria da formação pedagógica nos cursos de licenciatura da UFSCar, extraidas dos respectivos relatórios de auto-avaliação

Sugestões para a melhoria da formação pedagógica nos cursos de licenciatura da UFSCar, extraidas dos respectivos relatórios de auto-avaliação Sugestões para a melhoria da nos cursos de licenciatura da UFSCar, extraidas dos respectivos relatórios de auto-avaliação Aspecto Valorização da licenciatura e melhor preparo do licenciado Atenção aos

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCH UFV HISTÓRIA. COORDENADORA DO CURSO DE HISTÓRIA France Maria G. Coelho

Currículos dos Cursos do CCH UFV HISTÓRIA. COORDENADORA DO CURSO DE HISTÓRIA France Maria G. Coelho 212 Currículos dos Cursos do CCH UFV HISTÓRIA COORDENADORA DO CURSO DE HISTÓRIA France Maria G. Coelho fmcoelho@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 213 Bacharelado ATUAÇÃO O historiador formado na UFV

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA O REGIME DA FUNÇÃO PÚBLICA À LUZ DA NOVA LEI GERAL DO TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS

CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA O REGIME DA FUNÇÃO PÚBLICA À LUZ DA NOVA LEI GERAL DO TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA O REGIME DA FUNÇÃO PÚBLICA À LUZ DA NOVA LEI GERAL DO TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS I Objetivo pedagógico geral Esta oferta formativa, extracurricular, de preparação e aperfeiçoamento,

Leia mais

VAGAS, ALUNOS E DIPLOMADOS NO ENSINO SUPERIOR Apresentação de dados [JUNHO de 2008]

VAGAS, ALUNOS E DIPLOMADOS NO ENSINO SUPERIOR Apresentação de dados [JUNHO de 2008] VAGAS, ALUNOS E DIPLOMADOS NO ENSINO SUPERIOR Apresentação de dados [JUNHO de 2008] Vagas, Alunos e Diplomados no Ensino Superior Apresentação de dados [Junho de 2008] O Gabinete de Planeamento, Estratégia,

Leia mais

OBJECTIVOS U.PORTO 2010

OBJECTIVOS U.PORTO 2010 OBJECTIVOS U.PORTO 2010 Durante o ano de 2009 foi publicada ou entrou em vigor vária legislação que introduziu inúmeras alterações às disposições legais que enformam a actividade da U.Porto (LVCR, acreditação

Leia mais

...9º ano, o ano antes da grande mudança! O que ter em conta antes de escolher.

...9º ano, o ano antes da grande mudança! O que ter em conta antes de escolher. ...9º ano, o ano antes da grande mudança! O que ter em conta antes de escolher. http://aecc.ccems.pt/index.php/spo spo@aecoelhocastro.pt http://www.facebook.com/spo.fiaes Atualizado em 28.10.2016 9º ano

Leia mais

ANEXO I. Habilitação e Escolaridade exigidas para atuação em escolas da Rede Municipal de Ensino de Mariana. Habilitação e Escolaridade

ANEXO I. Habilitação e Escolaridade exigidas para atuação em escolas da Rede Municipal de Ensino de Mariana. Habilitação e Escolaridade PREFEITURA MUNICIPAL DE MARIANA Secretaria Municipal de Educação Rua Bom Jesus, 18A Centro marianaeducamg@tlook.com ANEXO I exigidas para atuação em escolas da Rede Municipal de Ensino de Mariana. 1. Cargo:

Leia mais

ANEXO 2 NORMAS GERAIS ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECATRÔNICA

ANEXO 2 NORMAS GERAIS ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECATRÔNICA ANEXO 2 NORMAS GERAIS ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECATRÔNICA A2-121 ESTÁGIO OBRIGATÓRIO A atual Resolução CNE/CES n o 11, de 11 de março de 2002, do Conselho Nacional de Educação

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2017 VAGAS E ABERTURA DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO INFORMAÇÃO COM EMBARGO ATÉ ÀS 00H01 DE (QUINTA-FEIRA)

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2017 VAGAS E ABERTURA DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO INFORMAÇÃO COM EMBARGO ATÉ ÀS 00H01 DE (QUINTA-FEIRA) ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2017 VAGAS E ABERTURA DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO NOTA INFORMAÇÃO COM EMBARGO ATÉ ÀS 00H01 DE 21-07-2015 (QUINTA-FEIRA) 1. Inicia-se quarta-feira, 19 de julho, o prazo de candidatura

Leia mais