Morte Celular Programada. Morte Celular Programada I

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Morte Celular Programada. Morte Celular Programada I"

Transcrição

1 Morte Celular Programada Morte Celular Programada I Prof a. Luciana B. Chiarini Sala: G2-04, Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho Centro de Ciências de Saúde Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ. Ocorrência Funções Apoptose: características morfológicas e bioquímicas. - Mecanismos: 1) Caspases: - Via extrínseca - Via intrínseca (mitocondrial) 2) Família Bcl-2: - proteínas pró e anti-apoptóticas - controle da expressão de genes da família Bcl-2 - controle de proteínas da família Bcl-2 por fosforilação Em First recognition that cell death is a normal component of animal development. Glücksmann, A. Cell death in normal vertebrate ontogeny. Biol. Rev. 29, (1951). ANI CHX 1965 Programmed cell death as a series of events that culminate in the death of the cell. (1965, Lockshin R.A) Morte Celular Programada A morte celular programada é necessária para a formação de estruturas. Programmed cell death as a sequence of events based on cellular metabolism that lead to cell destruction. Morte celular programada Invaginação do epitélio ex: formação do tubo neural. Evaginação do epitélio. Ex: formação da vesícula óptica. Fusão do epitélio: ex: formação de estruturas como o palato 1

2 A Morte Celular Programada é necessária na destruição de estruturas. Alzheimer Parkinson Controlar o número de células Doenças de Prion Células em excesso são geradas durante o desenvolvimento do sistema nervoso. Estas células morrem por morte celular programada Huntington Ex: humanos e camundongos: tecido mamário em machos. Excesso de morte celular: doenças neurodegenerativas Morte celular Programada: para eliminação de células com lesão no DNA, células infectadas por vírus,... Ocorrência de MCP durante o desenvolvimento e no adulto - na formação de estruturas (dedos, coração, palato, retina,...) - no controle do número de Células (sistema nervoso, Céls.. pigmentadas da retina,...) Inibição da morte celular programada e tumorigênese. Morte Celular Programada - na destruição de estruturas ( cauda do girino, Tecido mamário em machos,...) - na eliminação de célula Anormais (lesão no DNA, Infectadas,...) Kerr et al necrose Necrose x Apoptose apoptose necrose Kerr et al Necrose x Apoptose apoptose Características da necrose: - aumento do volume do citoplasma; - destruição de organelas; - rompimento da memb. Plasmática com extravasamento do conteúdo intracelular; - reação inflamatória. 2

3 Características da apoptose: Moléculas envolvidas no reconhecimento e fagocitose de células apoptóticas Condensação do núcleo e do citoplasma; Formação de circunvoluções na membrana; As organelas intracelulares permanecem intactas até quase o final do processo. A célula é fragmentada em corpos apoptóticos, não ocorrendo extravasamento do material citoplasmático; A célula morta, normalmente, é encontrada entre células vivas e é removida do tecido por células vizinhas ou por fagócitos especializados, pela exposição de sinais de reconhecimento em sua superfície. Somersan e Bhardwaj, 2001 Fragmentação Internucleossomal do DNA e condensação da cromatina A capacidade de detectar células apoptóticas impulsionou os estudos sobre este tipo de morte celular programada. TUNEL Clivagem internucleossomal do DNA em fragmentos múltiplos de pares de bases. Morte Celular Programada não é sinônimo de apoptose. Apoptose é um tipo de morte celular programada. Mecanismos moleculares que controlam a APOPTOSE 3

4 Programa genético para indução de Apoptose ANI CHX ANI CHX APOPTOSE Act D Act D Genes Pró-apoptóticos Genes Anti-apoptóticos CASPASES: Alvos de Caspases: - cisteína proteases que clivam substratos específicos após resíduos de aspartato. - a especificidade é determinada por uma sequência de 4aa e pela estrutura tridimensional da proteína alvo. -Procaspases são divididas em duas classes: Caspases iniciadoras e efetoras Alvos de Caspases: Inibidor de (Caspase-Activated DNAse degradado DNAse) por caspases Ativação de Caspases Efetoras 4

5 Ativação de Caspases Efetoras Caspases iniciadoras (caspase( caspase-9, caspase-8): Ativação por dimerização Vias Extrínseca de ativação da Caspases 1 RECEPTOR DE MORTE Death Inducing Signalling Complex Ligante extracelular (FasL,, TRAIL, TNF-alfa alfa). Receptor de Morte caspase-3 caspase-8 Proteína adaptadora Dímero de Caspase-8 APOPTOSIS Formação do complexo DISC com recrutamento e ativação de caspases iniciadoras. Via Intrínseca, mitocondrial, de ativação da Caspases CITOCROMO C ENDONUCLEASE G SMAC/DIABLO caspase-3 caspase-9 CITOCROMO C AIF OMI/HTRA2 APOPTOSIS MOMP (mitochondrial( outer membrane permeabilization) 5

6 Cell.. Vol , 413, August 8, Apaf-1, a Human Protein Homologous to C. Elegans CED-4, Participates in Cytochrome C-Dependent Activation of Caspase-3 Zou,, H. et al Apoptotic Protease Activating Factor-1 Cell Vol 91, , 489, November 14, 1997 Cytochrome c and datp-dependent Formation of Apaf-1/ 1/Caspase-9 Complex Initiates na Apoptotic Protease Cascade Peng,, Li Apaf-3 was identified as a member of the caspase Family, caspase-9. Fenótipo semelhante de knockout para caspase-3, caspase-9 9 ou Apaf-1. Brain Hyperplasia E16,5 Caspase 3 ativada: rosa Bisbenzimida (DNA): azul E 15 VIAS DE ATIVAÇÃO DE CASPASES 1 RECEPTOR DE MORTE 2 caspase-8 Liberação Como de citocromo ocorre a C da mitocôndria é controlada liberação de citocromo C por proteínas da Família Bcl-2 da mitocôndria? caspase-9 caspase-3 Filme APOPTOSE 6

7 Classificação da família Bcl-2: de acordo com domínios conservados Proteínas Pró-apoptóticas e Bak formam oligômeros na membrana mitocondrial externa permitindo a saída de citocromo C da mitocôndria para o citoplasma Bcl-2 Bcl-2 Morte celular sobrevivência Bcl-2 2 bloqueou condensação da cromatina induzida por tunicamicina Bcl-2 2 bloqueou condensação da cromatina induzida por tunicamicina 7

8 Família Bcl-2 é composta por membros PRO e ANTI-apoptóticos Proteínas BH3 BH3-only são pró-apoptóticas Archives of Biochemistry (anti-apoptóticos) and Biophysics 462 (2007) BH3-only proteins trigger cytochrome c release, but how? Georg Häcker, Arnim Weber.? Bad Bad Bcl-2 Bcl-2 sobrevivência Morte celular Interações dos membros da Família Bcl-2 2 regulam a sobrevivência e morte celular 8

9 Proteínas da Família Bcl-2 moduladas por fosforilação MECANISMOS MOLECULARES DE CONTROLE DA FAMÍLIA Bcl-2 Bad Bad Bcl-XL AKT/PKB PKA Bad Bad P P Bcl-XL Morte celular sobrevivência Sinais extracelulares regulam a expressão de genes da família Bcl-2 Ex: Bim pode ser fosforilada pela ERK Neurotrofinas, citocinas P Foxo3a Bim Sobrevivência ERK fosforila Bim e Não ocorre apoptose Ausência de suporte trófico Foxo3a Bim Morte celular - Suporte Trófico ativa via da Pi3K-PDK PDK-PKB/AKTPKB/AKT - PKB/AKT fosforila Foxo3a e o mantém inativado. - Na ausência de suporte trófico ocorre desfosforilação do fator de transcrição Foxo3a - Foxo3a ativa a transcrição de Bim (pró-apoptótica). 9

10 Proteínas da Família Bcl-2 2 Moduladas por Clivagem Cross-talk entre via intrinseca e via extrinseca P53 + P53 + Noxa p53 P53 + Puma Pró-apoptóticos Morte celular IAP Inibidores de apoptose IAP Inibidores de apoptose MORTE CELULAR PROGRAMADA ATIVADA PELA 10

11 CITOCROMO C CITOCROMO C SMAC/DIABLO SMAC/DIABLO ENDONUCLEASE G ENDONUCLEASE G AIF OMI/HTRA2 AIF OMI/HTRA2 MOMP (mitochondrial( outer membrane permeabilization) MOMP (mitochondrial( outer membrane permeabilization) Morte Celular Programada ativada pela Mitocôndria CITOCROMO C ENDONUCLEASE G SMAC/DIABLO AIF OMI/HTRA2 MOMP (mitochondrial( outer membrane permeabilization) CITOCROMO C ENDONUCLEASE G SMAC/DIABLO O AIF leva à condensação do núcleo e clivagem do DNA em fragmentos de aproximadamente, 50 Kb. No entanto, o AIF não cliva diretamente o DNA. Atividade redox na mitocôndria pode ser anti-apoptótica apoptótica AIF OMI/HTRA2 A endonuclease G degrada o DNA sem ocorrer ativação de CAD (caspaseactivated DNAse). 11

12 1 RECEPTOR DE MORTE 2 Ausência Tunicamicina, de caspase-12, um indutor bloqueia de estresse degeneração retículo Endoplasmático, induzida morte por tunicamicina celular programada nos rins Caspase 12 +/- Caspase 12 -/- caspase-8 3 caspase-9 RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO caspase-3 APOPTOSE Caspase-12 TUNEL Em humanos: caspase-4 e Bak regulados por proteínas da família Bcl-2 (anti-apoptóticos) Via do RE: - e Bak também podem se localizar no RE. MEF BAX -/- e BAK -/- Não tem clivagem de procaspase-12 Após tratamento com indutores de estresse de RE MEF BAX -/- e BAK -/- + Expressão de BAK Restaura a ocorrência de clivagem de procaspase-12 após tratamento com indutores de estresse de RE 1 RECEPTOR DE MORTE 2 caspase-8 caspase-9 3 RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO caspase-3 APOPTOSE Caspase-12 12

Morte Celular Programada (Apoptose)

Morte Celular Programada (Apoptose) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR Morte Celular Programada (Apoptose) Profa. Dra. Nívea Macedo APOPTOSE A morte celular desempenha

Leia mais

Apoptose em Otorrinolaringologia

Apoptose em Otorrinolaringologia Apoptose em Otorrinolaringologia Teolinda Mendoza de Morales e Myrian Adriana Pérez García Definição A apoptose é um processo biológico existente em todas as células de nosso organismo, conhecida desde

Leia mais

Morte Celular: uma abordagem funcional da apoptose e de outros mecanismos de morte Andrew Oliveira Silva

Morte Celular: uma abordagem funcional da apoptose e de outros mecanismos de morte Andrew Oliveira Silva II Curso de Sinalização Celular no Câncer Teoria e Prática da Biologia Celular Tumoral Laboratório de Sinalização e Plasticidade Celular Morte Celular: uma abordagem funcional da apoptose e de outros mecanismos

Leia mais

Tema 10: Ciclo Celular, Diferenciação e Morte Celular

Tema 10: Ciclo Celular, Diferenciação e Morte Celular Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Biologia Celular Aulas Teóricas Tema 10: Ciclo Celular, Diferenciação e Morte Celular Prof: Dr. Cleverson Agner Ramos Noções básicas da

Leia mais

Genética Molecular Humana Profa. Dra. Ana Elizabete Silva

Genética Molecular Humana Profa. Dra. Ana Elizabete Silva Genética Molecular Humana Profa. Dra. Ana Elizabete Silva SUMÁRIO Histórico e Conceito Tipos de morte celular: Apoptose x Necrose Características gerais da apoptose Funções da apoptose Mecanismos bioquímicos

Leia mais

FUNÇÃO MITOCONDRIAL. EM FOCO APOPTOSE, TERMORREGULAÇÃO E DNA MITOCONDRIAL.

FUNÇÃO MITOCONDRIAL. EM FOCO APOPTOSE, TERMORREGULAÇÃO E DNA MITOCONDRIAL. FUNÇÃO MITOCONDRIAL. EM FOCO APOPTOSE, TERMORREGULAÇÃO E DNA MITOCONDRIAL. Tiago F. O. de Lima 1, Diego A. Duarte 1, André Luís Braghini Sá 1. União das Instituições Para o Serviço, Ensino e Pesquisa UNISEP

Leia mais

Centro de Patogénese Molecular Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa Av. das Forças Armadas 1600-083 Lisboa

Centro de Patogénese Molecular Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa Av. das Forças Armadas 1600-083 Lisboa S. Solá, T. Pedro, H. Ferreira, C. M. P. Rodrigues Centro de Patogénese Molecular Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa Av. das Forças Armadas 1600-083 Lisboa Editado por Rui Gomes e Cristina

Leia mais

ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Prof. Emerson

ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Prof. Emerson ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS Prof. Emerson Algumas considerações importantes: Apesar da diversidade, algumas células compartilham ao menos três características: São dotadas de membrana plasmática; Contêm

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 5

7.012 Conjunto de Problemas 5 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 5 Pergunta 1 Enquanto estudava um problema de infertilidade, você tentou isolar um gene hipotético de coelho que seria responsável pela prolífica reprodução desses

Leia mais

Questões complementares

Questões complementares Questões complementares 1. Definir célula e os tipos celulares existentes. Caracterizar as diferenças existentes entre os tipos celulares. 2. Existe diferença na quantidade de organelas membranares entre

Leia mais

Morte celular induzida pelo manganês em linhagens tumorais

Morte celular induzida pelo manganês em linhagens tumorais Instituto Nacional do Câncer Centro de Pesquisas Divisão de Biologia Celular Morte celular induzida pelo manganês em linhagens tumorais Érika Carvalho Rio de Janeiro *2009* Érika Carvalho Morte celular

Leia mais

MECANISMOS DE INDUÇÃO DA APOPTOSE POR

MECANISMOS DE INDUÇÃO DA APOPTOSE POR UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARATAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA LEDA MARÍLIA FONSECA LUCINDA MECANISMOS DE INDUÇÃO DA APOPTOSE POR GLICOCORTICÓIDES

Leia mais

Estudo Dirigido. Organelas membranosas- Compartimentos intracelulares- endereçamento de proteínas

Estudo Dirigido. Organelas membranosas- Compartimentos intracelulares- endereçamento de proteínas UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR Estudo Dirigido Organelas membranosas- Compartimentos

Leia mais

Morte Celular Programada e Patologias Associadas. Fátima do Rosário Lopes dos Reis Dias de Freitas MORTE CELULAR PROGRAMADA E PATOLOGIAS ASSOCIADAS

Morte Celular Programada e Patologias Associadas. Fátima do Rosário Lopes dos Reis Dias de Freitas MORTE CELULAR PROGRAMADA E PATOLOGIAS ASSOCIADAS Fátima do Rosário Lopes dos Reis Dias de Freitas MORTE CELULAR PROGRAMADA E PATOLOGIAS ASSOCIADAS Universidade Fernando Pessoa Faculdade de Ciências da Saúde Porto 2012 Fátima do Rosário Lopes dos Reis

Leia mais

CITOLOGIA CONHECENDO AS CÉLULAS

CITOLOGIA CONHECENDO AS CÉLULAS CITOLOGIA CONHECENDO AS CÉLULAS A história da Citologia Hans e Zaccharias Janssen- No ano de 1590 inventaram um pequeno aparelho de duas lentes que chamaram de microscópio. Robert Hooke (1635-1703)- Em

Leia mais

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes Pós-graduação em Nutrição Clínica e Gastronomia Funcional do NECPAR NUTRIÇÃO NO CÂNCER Nut. Ariana Ferrari Período que ocorre os eventos necessários para a divisão celular 4 fases o Fase S o Fase M o Fase

Leia mais

Disciplina de BIOQUÍMICA do Curso de MEDICINA da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra 1º Ano 2007/2008 SEMINÁRIOS ORIENTADOS APOIO SO10

Disciplina de BIOQUÍMICA do Curso de MEDICINA da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra 1º Ano 2007/2008 SEMINÁRIOS ORIENTADOS APOIO SO10 Disciplina de BIOQUÍMICA do Curso de MEDICINA da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra 1º Ano 2007/2008 SEMINÁRIOS ORIENTADOS APOIO SO10 VÍDEO I Estrutura da célula e isolamento dos organelos

Leia mais

Envelhecimento e morte celular

Envelhecimento e morte celular Envelhecimento e morte celular Autores: Carla Simone Seibert e José Lopes Soares Neto Sumário I. Introdução II. Características genéticas e o envelhecimento III. O papel das mitocôndrias no envelhecimento

Leia mais

Centríolos. Ribossomos

Centríolos. Ribossomos Ribossomos Os ribossomos são encontrados em todas as células (tanto eucariontes como procariontes) e não possuem membrana lipoprotéica (assim como os centríolos). São estruturas citoplasmáticas responsáveis

Leia mais

Profa. Josielke Soares josisoares@ig.com.br

Profa. Josielke Soares josisoares@ig.com.br Profa. Josielke Soares josisoares@ig.com.br A célula é a menor unidade estrutural básica do ser vivo. A palavra célula foi usada pela primeira vez em 1667 pelo inglês Robert Hooke. Com um microscópio muito

Leia mais

DOUGLAS VENDAS FAGET

DOUGLAS VENDAS FAGET DOUGLAS VENDAS FAGET Regulação da morte celular pelo fator de transcrição NFAT1 Dissertação submetida visando à obtenção do título de Mestre em Oncologia Instituto Nacional de Câncer Programa de Pós-Graduação

Leia mais

CITOLOGIA. Disciplina: Bioquímica Prof: João Maurício de Oliveira Coelho

CITOLOGIA. Disciplina: Bioquímica Prof: João Maurício de Oliveira Coelho CITOLOGIA Disciplina: Bioquímica Prof: João Maurício de Oliveira Coelho CÉLULA A célula é a menor unidade estrutural básica do ser vivo. A palavra célula foi usada pela primeira vez em 1667 pelo inglês

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE BIOLOGIA Aluno(a): Nº Ano: 1º Turma: Data: 28/05/2011 Nota: Professora: Regina Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Imunidade aos microorganismos

Imunidade aos microorganismos Imunidade aos microorganismos Características da resposta do sistema imune a diferentes microorganismos e mecanismos de escape Eventos durante a infecção: entrada do MO, invasão e colonização dos tecidos

Leia mais

A DESCOBERTA DA CÉLULA VIVA

A DESCOBERTA DA CÉLULA VIVA A DESCOBERTA DA CÉLULA VIVA O mundo microscópico A quase 400 anos... No início, o instrumento era considerado um brinquedo, que possibilitava a observação de pequenos objetos. Zacharias Jansen e um microscópio

Leia mais

Apoptose no endométrio humano e endometriose

Apoptose no endométrio humano e endometriose Apoptose no endométrio humano e endometriose ginecologia Marcos Mendonça Professor adjunto do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais.

Leia mais

Mitocôndrias e Cloroplastos

Mitocôndrias e Cloroplastos Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Departamento de Morfologia Biologia Celular Mitocôndrias e Cloroplastos Características gerais de mitocôndrias e cloroplastos Mitocôndrias

Leia mais

CITOPLASMA. Características gerais 21/03/2015. Algumas considerações importantes: 1. O CITOPLASMA DAS CÉLULAS PROCARIÓTICAS

CITOPLASMA. Características gerais 21/03/2015. Algumas considerações importantes: 1. O CITOPLASMA DAS CÉLULAS PROCARIÓTICAS CITOPLASMA Algumas considerações importantes: Apesar da diversidade, algumas células compartilham ao menos três características: Biologia e Histologia São dotadas de membrana plasmática; Contêm citoplasma

Leia mais

Morte Celular por Apoptose Apoptosis: Programmed Cell Death

Morte Celular por Apoptose Apoptosis: Programmed Cell Death Revisão de Literatura Apoptose Artigo submetido em 4/4/06; aceito para publicação em 25/1/07 Morte Celular por Apoptose Apoptosis: Programmed Cell Death Ivana Grivicich 1,2,3, Andréa Regner 1,2,3, Adriana

Leia mais

Onde surge uma célula, existia uma célula prévia, exatamente como os animais só surgem de animais e as plantas de plantas. Rudolf Virchow, 1958

Onde surge uma célula, existia uma célula prévia, exatamente como os animais só surgem de animais e as plantas de plantas. Rudolf Virchow, 1958 Onde surge uma célula, existia uma célula prévia, exatamente como os animais só surgem de animais e as plantas de plantas Rudolf Virchow, 1958 CICLO CELULAR A vida das células é formada por dois períodos:

Leia mais

Biologia Celular: Transformação e armazenamento de energia: Mitocôndrias e Cloroplastos

Biologia Celular: Transformação e armazenamento de energia: Mitocôndrias e Cloroplastos FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Biologia Celular: Transformação e armazenamento de energia: Mitocôndrias e Cloroplastos Prof. MSc Ana Paula

Leia mais

A descoberta da célula

A descoberta da célula A descoberta da célula O que são células? As células são a unidade fundamental da vida CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula, no que diz respeito à sua estrutura e funcionamento. Kytos (célula)

Leia mais

Unidade 1 Adaptação e Lesão Celular

Unidade 1 Adaptação e Lesão Celular DISCIPLINA DE PATOLOGIA Prof. Renato Rossi Jr Unidade 1 Adaptação e Lesão Celular Objetivo da Unidade: Identificar e compreender os mecanismos envolvidos nas lesões celulares reversíveis e irreversíveis.

Leia mais

UNIDADE 7 SINALIZAÇÃO CELULAR

UNIDADE 7 SINALIZAÇÃO CELULAR UNIDADE 7 SINALIZAÇÃO CELULAR 1. VISÃO GERAL A sinalização celular é um mecanismo de comunicação entre as células que se encontra presente nas mais diversas formas de vida, desde organismos unicelulares,

Leia mais

Ficha 1 Estudo da Célula Disciplina: Ciências Ano: 8 Data: 1º trimestre 2014 Professor(a): Elaine Kozuki Nome do aluno:

Ficha 1 Estudo da Célula Disciplina: Ciências Ano: 8 Data: 1º trimestre 2014 Professor(a): Elaine Kozuki Nome do aluno: Ficha 1 Estudo da Célula Disciplina: Ciências Ano: 8 Data: 1º trimestre 2014 Professor(a): Elaine Kozuki Nome do aluno: 1. Diferencie e explique a diferença Célula eucariota de célula procariota quanto

Leia mais

Complexo principal de histocompatibilidade

Complexo principal de histocompatibilidade Complexo principal de histocompatibilidade Todas as espécies possuem um conjunto de genes denominado MHC, cujos produtos são de importância para o reconhecimento intercelular e a discriminação do que é

Leia mais

FECUNDAÇÃO E BLOQUEIO DA POLISPERMIA

FECUNDAÇÃO E BLOQUEIO DA POLISPERMIA FECUNDAÇÃO E BLOQUEIO DA POLISPERMIA Disciplina: Fecundação em mamíferos: Mecanismos e controle artificial Prof. Dr. Joaquim Mansano Garcia LONGEVIDADE DO GAMETA Bovinos Equinos Ovinos Suínos SPTZ 30-48

Leia mais

Membranas biológicas. Profa Estela Rossetto

Membranas biológicas. Profa Estela Rossetto Membranas biológicas Profa Estela Rossetto Membranas Biológicas Delimitam e permitem trocas entre compartimentos http://www.accessexcellence.org/rc/vl/gg/pmembranes.html Composição e Estrutura Lipídios

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

CITOPLASMA,HIALOPLASMA, MATRIZ CITOPLASMÁTICA OU CITOSOL

CITOPLASMA,HIALOPLASMA, MATRIZ CITOPLASMÁTICA OU CITOSOL CITOPLASMA,HIALOPLASMA, MATRIZ CITOPLASMÁTICA OU CITOSOL Massa líquida que contém diversas substâncias, canais, bolsas e as organelas citoplasmáticas. COMPOSIÇÃO DO CITOPLASMA O componente aquosa do citoplasma

Leia mais

Butylene Glycol; Water (Aqua); Dihydromyricetin. Modelador do tecido adiposo: a solução cosmética para o tratamento da gordura localizada.

Butylene Glycol; Water (Aqua); Dihydromyricetin. Modelador do tecido adiposo: a solução cosmética para o tratamento da gordura localizada. Produto INCI Definição MYRICELINE Butylene Glycol; Water (Aqua); Dihydromyricetin Modelador do tecido adiposo: a solução cosmética para o tratamento da gordura localizada. Propriedades Os tratamentos cosméticos

Leia mais

COMPONENTES CELULARES

COMPONENTES CELULARES www.fondosypantallas.com COMPONENTES CELULARES Prof. Cristino Rêgo 8º Ano Ensino Fundamental II Robert Hooke Cientista inglês, mecânico e meteorologista: formulou a primeira teoria sobre as propriedades

Leia mais

Cadeira de Biofísica Molecular. Capítulo 3. O músculo liso. Paula Tavares, FCUL (2012-2013) 1

Cadeira de Biofísica Molecular. Capítulo 3. O músculo liso. Paula Tavares, FCUL (2012-2013) 1 Cadeira de Biofísica Molecular Capítulo 3 O músculo liso Paula Tavares, FCUL (2012-2013) 1 Músculo Liso O músculo liso encontra-se nas paredes de vários órgãos e tubos do organismo, incluindo vasos sanguíneos,

Leia mais

Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS

Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS MULTIPLICATION 1 Defesas Resposta imune frente a infecções 2 Defesas Imunidade inata Defesa e recuperação Genética Fatores séricos

Leia mais

P R O G R A M A D E E N S I N O. Carga horária total: 60 Teórica: 45 Prática: 15 Estágio:

P R O G R A M A D E E N S I N O. Carga horária total: 60 Teórica: 45 Prática: 15 Estágio: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 P R O G R A M A D E E N S I N O

Leia mais

Aula desgravada de Biopatologia DOENÇAS DEGENERATIVAS MITOCONDRIAIS E LISOSSÓMICAS INTRODUÇÃO

Aula desgravada de Biopatologia DOENÇAS DEGENERATIVAS MITOCONDRIAIS E LISOSSÓMICAS INTRODUÇÃO Aula desgravada de Biopatologia DOENÇAS DEGENERATIVAS MITOCONDRIAIS E LISOSSÓMICAS Leccionada por: Prof. Paula Duarte INTRODUÇÃO Grandes grupos de doenças: - degenerativas - inflamatórias - neoplásicas

Leia mais

O processo da Expressão Gênica

O processo da Expressão Gênica Coordenadoria de Educação e Difusão de Ciências Rua 9 de Julho, 1205 - São Carlos - São Paulo e-mail: cbme@if.sc.usp.br- Telefone: (16) 3373-9159 http://cbme.ifsc.usp.br http://cbme.usp.br O processo da

Leia mais

O CITOPLASMA. Prof. André Maia. O Movimento amebóide é um movimento de deslocamento de algumas células através da emissão de pseudópodes.

O CITOPLASMA. Prof. André Maia. O Movimento amebóide é um movimento de deslocamento de algumas células através da emissão de pseudópodes. O CITOPLASMA Prof. André Maia Conceito É a região da célula localizada entre a membrana plasmática e o núcleo, preenchida por uma substância gelatinosa (semi-líquida), na qual estão mergulhadas as organelas

Leia mais

Retrovírus: AIDS. Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos

Retrovírus: AIDS. Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos Retrovírus: AIDS Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) Surgimento: -Provável origem durante

Leia mais

Organelas Citoplasmáticas I

Organelas Citoplasmáticas I Organelas Citoplasmáticas I Profº Me. Fernando Belan Alexander Fleming Ribossomos São formados por RNAr + Proteínas; O RNAr é produzido no núcleo, por alguns cromossomos específicos(satélites) Os ribossomos

Leia mais

Morte Celular por Apoptose: uma visão bioquímica e molecular

Morte Celular por Apoptose: uma visão bioquímica e molecular 37 Morte Celular por Apoptose: uma visão bioquímica e molecular Resumo Maristella Conte Anazetti 1 Patrícia Silva Melo 2 O termo apoptose descreve um processo ativo de colapso celular que difere morfologicamente

Leia mais

UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO CONSELHO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PATRICIA NANCY ISER BEM

UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO CONSELHO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PATRICIA NANCY ISER BEM UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO CONSELHO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PATRICIA NANCY ISER BEM MODULAÇÃO DAS VIAS DE SINALIZAÇÃO EM CÉLULAS JURKAT (LINFÓCITOS T HUMANOS) POR ÁCIDOS GRAXOS ÔMEGA-3 E

Leia mais

Modulação da morte mediada por FAS em células Tipo I e Tipo II

Modulação da morte mediada por FAS em células Tipo I e Tipo II Luciana Paroneto Medina Modulação da morte mediada por FAS em células Tipo I e Tipo II Dissertação apresentada ao Departamento de Imunologia do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo

Leia mais

I Curso de Verão em Oncologia Experimental Cursos Práticos

I Curso de Verão em Oncologia Experimental Cursos Práticos I Curso de Verão em Oncologia Experimental Cursos Práticos 1. Técnicas Experimentais para o Estudo da Expressão Gênica O curso terá como base o estudo da expressão gênica utilizando um fator de transcrição.

Leia mais

PROFESSOR GUILHERME BIOLOGIA

PROFESSOR GUILHERME BIOLOGIA Laranjeiras do Sul: Av. 7 de Setembro, 1930. Fone: (42) 3635 5413 Quedas do Iguaçu: Pça. Pedro Alzide Giraldi, 925. Fone: (46) 3532 3265 www.genevestibulares.com.br / contato@genevestibulares.com.br PROFESSOR

Leia mais

Exercícios de Citoplasma e organelas

Exercícios de Citoplasma e organelas Exercícios de Citoplasma e organelas Material de apoio do Extensivo 1. (PUC) No interior da célula, o ATP produzido em um processo (I) é utilizado na síntese de enzimas digestivas (II) e no mecanismo de

Leia mais

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm A biodiversidade em diferentes ambientes http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm Unidade básica da vida a célula Quem foi Robert Hooke? Por volta de 1667, o cientista inglês

Leia mais

Controle do Ciclo Celular

Controle do Ciclo Celular Ciclo Celular Células-filhas Seqüência de eventos controlados e coordenados Divisão celular Replicação cromossômica e crescimento celular Problemas Ciclo celular Câncer Segregação cromossômica 1 Ciclo

Leia mais

QUESTÕES ENVOLVENDO ASPECTOS GERAIS DA CITOLOGIA COM ÊNFASE NA IMPORTÂNCIA DAS MEMBRANAS BIOLÓGICAS PARA O MUNDO VIVO. Prof.

QUESTÕES ENVOLVENDO ASPECTOS GERAIS DA CITOLOGIA COM ÊNFASE NA IMPORTÂNCIA DAS MEMBRANAS BIOLÓGICAS PARA O MUNDO VIVO. Prof. Questão 01 QUESTÕES ENVOLVENDO ASPECTOS GERAIS DA CITOLOGIA COM ÊNFASE NA IMPORTÂNCIA DAS MEMBRANAS BIOLÓGICAS PARA O MUNDO VIVO Prof. Cláudio Góes O mundo vivo é construído de tal forma que podemos estabelecer

Leia mais

CÉLULAS-TRONCO E A DIFERENCIAÇÃO CELULAR

CÉLULAS-TRONCO E A DIFERENCIAÇÃO CELULAR CÉLULAS-TRONCO E A DIFERENCIAÇÃO CELULAR CÉLULAS-TRONCO E A DIFERENCIAÇÃO CELULAR Plano de Aula -Desenvolvimento embrionário -Diferenciação celular -Células-tronco em diversos tecidos - Profª Juliana Schmidt

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE 1ª SÉRIE TURMA: 1101 DATA: NOME: Nº

EXERCÍCIOS ON LINE 1ª SÉRIE TURMA: 1101 DATA: NOME: Nº EXERCÍCIOS ON LINE 3º Bimestre DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFESSOR(A): LEANDRO 1ª SÉRIE TURMA: 1101 DATA: NOME: Nº 1. Qual a composição química da membrana plasmática? 2. A célula apresenta membrana plasmática

Leia mais

Sinalização Celular. Por que sinalizar?

Sinalização Celular. Por que sinalizar? Comunicação Celular Sinalização Celular Por que sinalizar? Sinalização Celular Quando sinalizar? Sinalização Celular Como sinalizar? Sinalização Celular Onde sinalizar? Relevância Biológica Alteração no

Leia mais

AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS

AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS Apesar da diversidade entre os seres vivos, todos guardam muitas semelhanças, pois apresentam material genético (DNA) em que são encontradas todas as informações

Leia mais

APOPTOSE: O suicídio DAS CÉLULAS

APOPTOSE: O suicídio DAS CÉLULAS MARIANA PIRIH CORDEIRO APOPTOSE: O suicídio DAS CÉLULAS Monografia desenvolvida no Departamento de Patologia Básica do Setor de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Paraná como requisito parcial

Leia mais

Carlos Sinogas - Biotecnologia 2014/15

Carlos Sinogas - Biotecnologia 2014/15 Terapia genética Técnica para corrigir efeitos de genes responsáveis por patologias Métodos Inserção de gene normal para substituição de gene não funcional Correcção do gene anormal (mutações especí?icas,

Leia mais

ALINY PEREIRA DE LIMA

ALINY PEREIRA DE LIMA Serviço Público Federal Universidade Federal de Goiás Instituto de Ciências Biológicas Programa de Pós-Graduação em Biologia Doutorado Área de Concentração: Biologia Celular e Molecular ALINY PEREIRA DE

Leia mais

Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre. Disciplina de Genética Humana. Curso de Medicina. Estudo Dirigido: Ciclo Celular

Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre. Disciplina de Genética Humana. Curso de Medicina. Estudo Dirigido: Ciclo Celular Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre Disciplina de Genética Humana Curso de Medicina Estudo Dirigido: Ciclo Celular 1. Qual o papel de G0 no ciclo celular? Células ativas em divisão

Leia mais

1- Considere as características das células A, B e C da tabela: ela indica a presença (+) ou ausência (- ) de alguns componentes.

1- Considere as características das células A, B e C da tabela: ela indica a presença (+) ou ausência (- ) de alguns componentes. Membrana Plasmática 1- Considere as características das células A, B e C da tabela: ela indica a presença (+) ou ausência (- ) de alguns componentes. Componentes celulares Célula A Célula B Célula C Membrana

Leia mais

BIOLOGIA. Questão 1 Padrão de resposta esperado:

BIOLOGIA. Questão 1 Padrão de resposta esperado: Questão 1 a) APENAS duas das seguintes possibilidades: (valor: 10,0 pontos) APENAS uma das seguintes possibilidades: 1. Nos procariotos a transcrição e tradução são processos que ocorrem de modo acoplado;

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÃMPUS JATAÍ PLANO DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÃMPUS JATAÍ PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO I. IDENTIFICAÇÃO Unidade Acadêmica: Câmpus Jataí Curso:Biomedicina Disciplina:Biologia Celular Carga horária semestral:64 Teórica: 48 Prática: 16 Semestre/ano:1/2013 Turma/turno: 1 período/

Leia mais

Microscópio de Robert Hooke Cortes de cortiça. A lente possibilitava um aumento de 200 vezes

Microscópio de Robert Hooke Cortes de cortiça. A lente possibilitava um aumento de 200 vezes CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula é a Citologia (do grego: cito = célula; logos = estudo). A invenção do microscópio no final do século XVI revolucionou a Biologia. Esse instrumento possibilitou

Leia mais

Controle da expressão gênica. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

Controle da expressão gênica. Prof. Dr. José Luis da C. Silva Controle da expressão gênica Prof. Dr. José Luis da C. Silva Controle da Expressão gênica Procariotos Princípios da regulação gênica Organismos procariontes e eucariontes são sensíveis à pequenas variações

Leia mais

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009)

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) Nome do Candidato Classificação Leia as seguintes informações com atenção. 1. O exame é constituído

Leia mais

ALUNO(a): Observe o esquema a seguir, no qual I e II representam diferentes estruturas citoplasmáticas.

ALUNO(a): Observe o esquema a seguir, no qual I e II representam diferentes estruturas citoplasmáticas. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: DISCIPLINA: SÉRIE: 3º ano ALUNO(a): Lista de Exercícios NOTA: No Anhanguera você é + Enem Questão 01) Observe o esquema a seguir, no qual I e II representam diferentes estruturas

Leia mais

Técnicas de isolamento de organelos

Técnicas de isolamento de organelos Técnicas de isolamento de organelos Estudo de processos metabólicos Fraccionamento celular e isolamento de organelos ou partículas 1 Estrutura duma célula animal Estrutura duma célula vegetal 2 Organelos

Leia mais

Sinalização Celular (parte 1) Mariana S. Silveira Inst.de Biofísica Carlos Chagas Filho

Sinalização Celular (parte 1) Mariana S. Silveira Inst.de Biofísica Carlos Chagas Filho Sinalização Celular (parte 1) Mariana S. Silveira Inst.de Biofísica Carlos Chagas Filho SINALIZAÇÃO CELULAR Figure 15-4 Molecular Biology of the Cell ( Garland Science 2008) Diversos Sinais Iniciam a Sinalização

Leia mais

Módulo Núcleo. 2) O esquema a seguir apresenta um experimento realizado com uma alga unicelular.

Módulo Núcleo. 2) O esquema a seguir apresenta um experimento realizado com uma alga unicelular. Módulo Núcleo Exercícios de Aula 1) O envelope nuclear encerra o DNA e define o compartimento nuclear. Assinale a afirmativa INCORRETA sobre o envelope nuclear. a) É formado por duas membranas concêntricas

Leia mais

A CÉLULA TEORIA CELULAR. www.biogeolearning.com 1. Todas as reacções fundamentais que caracterizam a vida ocorrem no interior das células;

A CÉLULA TEORIA CELULAR. www.biogeolearning.com 1. Todas as reacções fundamentais que caracterizam a vida ocorrem no interior das células; Prof. Ana Rita Rainho A CÉLULA U N I D A D E E S T R U T U R A L E F U N C I O N A L D O S S E R E S V I V O S TEORIA CELULAR Todos os seres vivos são constituídos por células; Todas as reacções fundamentais

Leia mais

A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o

A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o 1 A partícula viral infectante, chamada vírion, consiste de um ácido nucléico e de uma capa protéica externa (capsídeo). O conjunto do genoma mais o capsídeo de um vírion é denominado de nucleocapsídeo.

Leia mais

Apoptose para o Bem e para o Mal Kênia M. da Paula; Paula B. Viegas; Paula G. Silva

Apoptose para o Bem e para o Mal Kênia M. da Paula; Paula B. Viegas; Paula G. Silva ISSN 1519-5228 Volume 2 - Número 2-2º Semestre 2002 RESUMO Apoptose para o Bem e para o Mal Kênia M. da Paula; Paula B. Viegas; Paula G. Silva Aapoptose, onde ocorre a morte celular programada como parte

Leia mais

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR 1 Características Histológicas O tecido muscular é constituído por células alongadas que possuem grande quantidade de filamentos citoplasmáticos com proteínas contráteis. Esse

Leia mais

Exercícios de Monera e Principais Bacterioses

Exercícios de Monera e Principais Bacterioses Exercícios de Monera e Principais Bacterioses 1. (Fuvest) O organismo A é um parasita intracelular constituído por uma cápsula protéica que envolve a molécula de ácido nucléico. O organismo B tem uma membrana

Leia mais

A função básica do ciclo celular das células somáticas é duplicar todo o conteúdo de DNA...

A função básica do ciclo celular das células somáticas é duplicar todo o conteúdo de DNA... Atividade extra Fascículo 4 Biologia Unidade 9 Questão 1 A função básica do ciclo celular das células somáticas é duplicar todo o conteúdo de DNA. O processo de divisão celular é composto por cinco etapas:

Leia mais

O citoplasma das células

O citoplasma das células UNIDADE 2 ORIGEM DA VIDA E BIOLOGIA CELULAR CAPÍTULO 8 Aula 1/3 Eucariontes x Procariontes Estruturas citoplasmáticas: Citoesqueleto Centríolos, cílios e flagelos 1. CÉLULAS PROCARIÓTICAS E EUCARIÓTICAS

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

Técnico em Biotecnologia Módulo I. Biologia Celular. Aula 4 - Sistema de Endomembranas. Prof. Leandro Parussolo

Técnico em Biotecnologia Módulo I. Biologia Celular. Aula 4 - Sistema de Endomembranas. Prof. Leandro Parussolo Técnico em Biotecnologia Módulo I Biologia Celular Aula 4 - Sistema de Endomembranas Prof. Leandro Parussolo SISTEMA DE ENDOMEMBRANAS Se distribui por todo o citoplasma É composto por vários compartimentos

Leia mais

Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes

Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Procariontes Eucariontes Localização Organização Forma Disperso no citoplasma

Leia mais

TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático)

TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático) TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático) VIRUS CONCEITOS E DEFINIÇÕES Características: 1. Não têm estrutura celular, mas multiplicam-se»

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASITOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASITOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASITOLOGIA REPLICAÇÃO VIRAL FABRÍCIO SOUZA CAMPOS* *Dr, MSc, Medico Veterinário

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO DE DISCIPLINA Curso: Biotecnologia (13) Ano: 2014 Semestre: 1 Período: 1 Disciplina / Unid. Curricular / Módulo: Biologia Celular (Cell Biology) Código: DCB46 Carga Horária Total: 90 Teórica: 60 Atividade Prática: 30

Leia mais

Diversidade do sistema endócrino

Diversidade do sistema endócrino Diversidade do sistema endócrino Importância Biomédica - hormônio palavra de origem grega despertar para a atividade - Definição clássica Conceito célula alvo - ação bioquímica ou fisiológica Importância

Leia mais

- Nosso corpo é formado por inúmeras estruturas macro e microscópicas;

- Nosso corpo é formado por inúmeras estruturas macro e microscópicas; CAPÍTULO 01 A CÉLULA - Nosso corpo é formado por inúmeras estruturas macro e microscópicas; - O funcionamento interligado e harmonioso dessas estruturas mantém o corpo vivo, em funcionamento; A ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Sinalização celular. Profa. Dra. Monica Akemi Sato

Sinalização celular. Profa. Dra. Monica Akemi Sato Sinalização celular Profa. Dra. Monica Akemi Sato Mensageiros Químicos Número de células Corpo Humano ~75 trilhões As células são especializadas na execução da função específica Ex: secreção ou contração.

Leia mais

Genética Molecular Padrões de Herança Citoplasmática e Multifatorial

Genética Molecular Padrões de Herança Citoplasmática e Multifatorial Genética Molecular Padrões de Herança Citoplasmática e Multifatorial Padrão de herança citoplasmático A mitocôndria é uma organela da célula que contém um filamento de ácido desoxiribonucléico (DNA) próprio,

Leia mais

Trabalho Online. 3ª SÉRIE TURMA: 3101 2º Bimestre Nota: DATA: / /

Trabalho Online. 3ª SÉRIE TURMA: 3101 2º Bimestre Nota: DATA: / / Trabalho Online NOME: Nº.: DISCIPLINA: BIOLOGIA I PROFESSOR(A): LEANDRO 3ª SÉRIE TURMA: 3101 2º Bimestre Nota: DATA: / / 1. A seguir estão representados três modelos de biomembranas: a) A que constituintes

Leia mais

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER CITOLOGIA ONCÓTICA Neoplasia: crescimento desordenado de células, originando um tumor (massa de células) Tumor benigno: massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu

Leia mais

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Células e Membranas As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Organelas são compartimentos celulares limitados por membranas A membrana plasmática é por si só uma organela.

Leia mais

ANTICORPOS: ESTRUTURA E FUNÇÃO

ANTICORPOS: ESTRUTURA E FUNÇÃO ANTICORPOS: ESTRUTURA E FUNÇÃO Por definição, anticorpos são moléculas de glicoproteína, também chamadas de imunoglobulinas. São glicoproteínas altamente específicas sintetizadas em resposta a um antígeno,

Leia mais

COMUNICAÇÃO CELULAR. Bioquímica Básica Ciências Biológicas 3º período Cátia Capeletto

COMUNICAÇÃO CELULAR. Bioquímica Básica Ciências Biológicas 3º período Cátia Capeletto COMUNICAÇÃO CELULAR Bioquímica Básica Ciências Biológicas 3º período Cátia Capeletto O que é comunicação celular? As células possuem um sistema responsável por: Geração Transmissão Recepção Resposta. Uma

Leia mais

O Sistema do Complemento

O Sistema do Complemento UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Programa de Pós- Graduação em Imunologia Básica e Aplicada Disciplina- Integração Imunologia Básica- Clínica O Sistema do Complemento Elyara

Leia mais