Potenciais de uso forense do DNA mitocondrial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Potenciais de uso forense do DNA mitocondrial"

Transcrição

1 Potenciais de uso forense do DNA mitocondrial Nígela Rodrigues Carvalho 1 Ian Marques Cândido 2 Paulo Queiroz 3 ¹ Biomédica. Aluna da Pós-Graduação em Biociências Forenses pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás/IFAR. 2 Farmacêutico-bioquímico. Perito Criminal especialista em Genética Forense pela UFPA e mestrando em Genética pela PUC-GO. 3 Biólogo. PhD. Biologia Animal. UnB. Professor do IFAR/PUC-GO. Endereço: IFAR Instituto de Estudos Farmacêuticos. SHCGN 716 Bl B Lj 05 Brasília DF CEP: Resumo O DNA mitocondrial é ferramenta de grande potencial dentro da genética forense, principalmente ao se tratar de amostras degradadas e escassas em quantidade de DNA. O objetivo desta revisão foi descrever os potenciais de uso do DNA mitocondrial no âmbito forense. Para isso, foram utilizados artigos científicos e livros relacionados com o tema proposto. A literatura demonstra que a potencialidade do DNA mitocondrial não pode ser negada no contexto forense, pois, em muitos casos, esta é a única alternativa viável. Na identificação humana, apresenta-se como ferramenta assistencial, sendo que estudos vêm aprimorando seu poder de discriminação com a utilização de novos marcadores (SNPs) e com a exploração de sua região codificante. Já na identificação de espécies animais, mostra-se bastante eficaz e menos laboriosa que a análise autossômica. Palavras Chave: Genética Forense. DNA Mitocondrial. Potencials forensic use of mitochondrial DNA Abstract Mitochondrial DNA is a tool of great potential in forensic genetics, especially when we deal with degraded samples and scarce DNA quantity. The aim of this review was to describe the potential use of mitochondrial DNA in forensics. For this, we used scientific articles and books related to the theme. The literature shows that the potentiality of mitochondrial DNA can not be denied in the forensic context, because in many cases, this is the only viable alternative. In human identification, is presented as an assistencial tool, and studies have been honing their discriminative power with the use of new markers (SNPs) and the exploitation of its coding region. In the identification of animal species, appears to be quite effective and less laborious than the autosomal analysis. Keywords: Forensic Genetics. Mitochondrial DNA.

2 2 1 INTRODUÇÃO A utilização de tecnologias de biologia molecular vem se tornando ferramenta essencial na área forense. Há mais de 15 anos a análise de DNA (ácido desoxirribonucléico) tem sido utilizada na elucidação de crimes. O material genético coletado na cena do crime pode identificar pessoas, as colocando em cenas de crime (autores/vítimas), estabelecer ligação entre objetos e pessoas (arma do crime por exemplo); além disso, determinar a identidade genética de cadáveres ignorados (BUDOWLE et al., 2003; BUTLER, 2010). A célula eucariótica apresenta dois genomas distintos, o nuclear e o mitocondrial, aquele se encontra no núcleo e este na organela citoplasmática. O DNA mitocondrial (mtdna) é uma molécula de DNA extra cromossomal haplóide de herdabilidade uniparental materna. Esta molécula é encontrada em grande número de cópias, podendo ser maior que 1000 cópias por unidade celular. Ela se constitui em dupla cadeia circular, que devido à distribuição assimétrica de nucleotídeos, é dividida em cadeia pesada (H) e cadeia leve (L), apresenta aproximadamente pb (pares de base), sendo que somente 10% de sua totalidade é não codificante (ANDERSON et al., 1981, ANDREWS et al.,1999; BLUTER, 2010). A região codificante do mtdna apresenta 37 genes, os quais correspondem a 13 polipeptídios, 2 moléculas de rrna e 22 tipos de trna; sua região não codificante corresponde à região denominada região controle ou D-Loop, a qual apresenta aproximadamente 1122 pares de bases, sendo a mesma dividida em regiões hipervariáveis I, II e III (HV I, II e III). Esta é responsável pela regulação da replicação e transcrição de todo o mtdna (ANDERSON et al., 1981; ANDREWS, et al.,1999; BLUTER, 2010). A região D-loop não codifica produtos gênicos e apresenta abundantes polimorfismos entre indivíduos, por se a região onde se inicial o processo de duplicação do material genético, sendo portanto, mais suscetível a ocorrência de mutações. Assim, esta é a região alvo de análises forenses, pois oferece maior potencial de discriminação (BINNI, 2003; GRZYBOWSKI; ROGALLA, 2012). Essa variabilidade decorre da pobre atividade reparadora da polimerase do DNA mitocondrial, ausência de histonas, maior sensibilidade ao dano oxidativo devido ao ambiente com grande número de radicais livres, e à ausência do mecanismo de reparo por excisão de nucleotídeos, fatores que levam este genoma a apresentar

3 3 uma taxa de mutação de 5 a 10 vezes maior que o DNA nuclear (BINNI, 2003; YAKES; VAN OUTEN, 1997; ALVAREZ et al., 2007). O DNA mitocondrial apresenta ampla aplicabilidade dentro do contexto científico. Vários trabalhos correlacionam doenças a mutações em sua sequência (WALLACE, 1999, 2010; MAZZACCARA et al., 2012). Ainda, biólogos evolucionistas, através de análises de variações do DNA mitocondrial, realizam estudos de ancestralidade, voltados para a antropologia e evolução, sendo estabelecidos, por exemplo, na espécie humana, grupos específicos, os denominados haplogrupos. Assim, tornou-se possível reconstruir rotas migratórias e análises filogenéticas, sendo que a mulher na raiz de todos os haplogrupos ficou conhecida como Eva mitocondrial (CARVALHO, 2005; ALLARD et al., 2006; ALVAREZ et al., 2007; WONG et al., 2007). Embora as vertentes de aplicabilidade do DNA mitocondrial estejam bem definidas, estas se encontram compiladas de maneira dispersa na literatura. Por se tratar de área forense, em especial, devido ao questionamento de admissibilidade do DNA mitocondrial como prova material e suas limitações de análise e interpretação (BUDOWLE, 2003; MARQUEZ, 2012), descrições de suas aplicabilidades e tendências encontram-se em relatos de casos isolados, sendo importante reunir estas informações para auxiliar no desenvolvimento da utilização da técnica no âmbito forense. 2 OBJETIVOS Descrever os potenciais de uso do DNA mitocondrial em âmbito forense. 3 METODOLOGIA Para o desenvolvimento do trabalho foi realizado um levantamento bibliográfico sobre o tema em questão. Os trabalhos científicos foram pesquisados em bases de dados de divulgação e publicação de artigos científicos, como Pubmed, Scielo, Google Acadêmico e sites de Universidades, no período de março a agosto de DISCUSSÃO

4 4 4.1 Identificação humana Dentro do cenário criminalístico, o DNA mitocondrial vem ganhando maior espaço por apresentar características que o torna uma estratégia importante na rotina forense (MARQUES, 2012), dentre elas, sua maior resistência à degradação devido à sua natureza circular e seu elevado número de cópias, fato este preponderante, já que por se tratar de análises forenses, a disponibilidade de vestígios geralmente é pequena (ANDRÉASSON, et al., 2006b; BUTLER, 2010). A metodologia tradicional utilizada para análises forenses de DNA mitocondrial utiliza como marcadores genéticos as regiões hipervariáveis HVI e HVII da região controle ou D-loop e compreende o sequenciamento destas com posterior análise e interpretação (BLUTER, 2010). Estas regiões são utilizadas, pois, nelas que se encontram variabilidade e polimorfismos entre indivíduos. A região hipervariável HVIII também agrega polimorfismos, entretanto, em menor proporção, sendo analisada, às vezes, para ajudar a solucionar amostras que apresentam HVI e HVII indistinguíveis, entretanto é raramente utilizada em casos forenses (BINNI et al., 2003; BLUTER, 2010). A análise do DNA mitocondrial, nos nucleotídeos de a (HVI) e de 73 a 340 (HVII) da amostra questionada é determinada por sequenciamento e comparada com a sequência referência CRS (Cambridge Reference Sequence) de Anderson e colaboradores (1981) para pesquisa de polimorfismos, e, por conseguinte, é comparada com a amostra referência (BLUTER, 2010). De acordo com as diretrizes para interpretação da sequência de nucleotídeos do DNA mitocondrial, os resultados podem ser agregados em três grupos: exclusão, inconclusivo e falha de exclusão. Se as sequências diferirem em dois ou mais nucleotídeos, uma exclusão pode ser feita. Se as sequências corresponderem uma à outra, as amostras não podem ser excluídas de serem da mesma pessoa ou da mesma linhagem materna (SWGDAM, 2003). Ainda, se as sequências apresentarem apenas um nucleotídeo diferente, o resultado é inconclusivo, já que, na literatura, há relatos de mutação observada entre mães e seus progenitores (PARSON et al., 1997). Segundo SWGDAM (Scientific working group DNA analysis methods) (2003) a análise das regiões HV1 e HV2 não pode ser considerada uma identificação conclusiva, pois o DNA mitocondrial não tem o poder de discernimento de um marcador autossômico por se trata de marcador uniparental e consequentemente não sofrer recombinação. Assim, para se

5 5 determinar a significância dos resultados em que não se pode excluir a possibilidade das amostras apresentarem mesma origem ou mesma linhagem matrilínea, é necessário verificar a frequência com que esse conjunto de polimorfismos ocorre na população, ou seja, busca-se determinar estatisticamente a raridade da sequência, sendo estes cálculos baseados em banco de dados populacional de DNA mitocondrial (PARSONS et al., 2004). Assim, para se determinar a significância dos resultados em que não se pode excluir a possibilidade das amostras apresentarem mesma origem ou mesma linhagem matrilínea é necessário verificar a frequência dos polimorfismos na população, ou seja, busca-se determinar estatisticamente a frequência da sequência, ou seja, a taxa de ocorrência da mesma, sendo estes cálculos baseados em banco de dados populacional de DNA mitocondrial (PARSONS et al., 2004). Embora a região controle apresente alta taxa de porlimorfismo, a genética forense vem buscando aperfeiçoar o poder de discriminação da análise de DNA mitocondrial para a identificação humana através da análise de variações (polimorfismos) na região codificante do DNA mitocondrial, sendo o foco a caracterização de SNPs (single nucleotide polymorphisms), que são definidos como a presença de diferentes bases nitrogenadas em uma mesma posição na sequência de DNA (LUTZ-BONENGEL et al., 2003; VALONE et al., 2004; SALAS et al., 2007; NILSSON et al., 2008; KOHNEMANN; PFEIFFER, 2011; PANETO et al., 2011). Vários SNPs da região codificante do DNA mitocondrial podem ser utilizados como marcadores na área forense, sendo que apresentam alto poder discriminante, principalmente em casos em que a análise de amostras revelam HVI e HVII idênticas (LUTZ-BONENGEL et al., 2003; JUST et al., 2009; PANETO et al., 2011). Além disso, por apresentarem fragmentos de amplificações pequenos, em geral menores que 200 pares de bases, os SNPs são bastante úteis para análise de amostras degradadas (PANETO et al., 2011). Uma excelente fonte de dados de SNPs são os próprios estudos filogenéticos da antropologia molecular, a qual estabelece haplogrupos, ou haplótipos, de acordo com particularidades genética na região controle (D-Loop) e na região codificante (TORRONI et al., 1993). Assim, esses estudos filogenéticos atuam como instrumentos reveladores de possíveis novos marcadores a serem aplicados no contexto forense (SALAS et al., 2007). Salas e colaboradores (2007) definem as variações de nucleotídeos de interesse forense em dois grupos: (a) pontos de mutações que permitem distinguir dois haplótipos que possuem HVI e HVII idênticas; (b) pontos propensos a mutações em qualquer haplótipo, por exemplo alguns pontos da região codificante: 709, 1438, 1598, 1719, 1888, 3010, 5147, 5460,

6 6 8251, 10398, 11914, 13105, 13368, 13708, 13928, 13966, e (KIVISILD et al., 2006). Os SNPs podem ser analisados em grande número em apenas um ensaio, através de reações da cadeia da polimerase do tipo multiplex seguida de SNaPshot minissequenciamento-applied Biosystems, que permite a identificação dos polimorfismos. Paneto et al (2011) relatam a detecção de até 40 SNPs da região codificante do DNA mitocondrial em uma única reação. E em estudo específico de amostras forenses, Kohnemann e Pfeiffer (2011) analisaram 32 SNPs da região codificante do DNA mitocondrial em um único ensaio e obtiveram resultados satisfatórios onde as análises de marcadores nucleares e a análise da região HVI haviam falhado. Além dessa busca de otimização do poder de discriminação da análise de DNA mitocondrial, modelos matemáticos têm sido apresentados em busca de se inferir a origem geográfica e a etnia de um perfil de DNA mitocondrial, informação esta que auxiliaria nas investigações de crimes (ROHL et al., 2001; EGELAND et al., 2003; LEE; MANDOIU; NELSON, 2010). Entretanto, o poder dessa inferência depende do tamanho do banco de dados populacional. A máxima resolução seria obtida com a obtenção de milhares de perfis de DNA mitocondrial por uma pequena escala geográfica (SALAS et al., 2007; IRWIN et al., 2011). Vários bancos de dados de DNA mitocondrial estão disponíveis virtualmente, como mtdb - Human Mitochondrial Genome Database (http://www.mtdb.igp.uu.se/), MITOMAP A human mitochondrial genome database (http://mitomap.org/mitomap), banco da dados da SWGDAM (http://www.swgdam.org/) e EMPOP Mitochondrial DNA control region database (http://empop.org/). Mas, segundo Salas e colaboradores (2007), os bancos de dados de DNA mitocondrial existentes geralmente encontram-se em situações subideais, não havendo representabilidade e confiabilidade. Uma das principiais dificuldades, em relação à utilização de banco de dados, é que a maioria dos laboratórios forenses não dispõe de dados regionalizados. Geralmente, são utilizados bancos de dados de populações vizinhas ou de até outros países (BUDOWLE et al., 2003; SALAS et al., 2007).

7 7 Outro fator é que as plataformas de dados, em geral, não apresentam número amostral elevado. Por não haver recombinação no DNA mitocondrial, logo, não se pode estimar a frequência de composição de genótipos mitocondriais, sendo, então, necessário banco de dados mais robustos em relação à quantidade de dados (BUDOWLE et al., 2003; SALAS et al., 2007). Entretanto, mesmo já havendo publicações científicas sobre cálculos que buscam estabelecer a raridade de um haplótipo de DNA mitocondrial, associados à análise de banco de dados, não há consenso na área forense de sua aplicação na emissão de laudos periciais (BLUTER, 2010) Metodologias de análise de DNA mitocondrial Na rotina forense, a metodologia utilizada para análise de DNA mitocondrial é a extração do DNA, amplificação via PCR (reação em cadeia da polimerase) seguida de sequenciamento e eletroforese, sendo a técnica de sequenciamento de Sanger a mais utilizada (BLUTER, 2005). Warshauer et al, (2012) relata que o sequenciamento tradicional é um procedimento demorado, caro, pode apresentar artefatos e anomalias eletroforéticas e apresenta capacidade limitada de quantificar mistura de amostras. Assim, novas técnicas de sequenciamento e de análise de DNA mitocondrial têm sido propostas em busca de superar essas dificuldades e limitações (HALL, et al., 2005, 2009; OBERACHER; NIEDERSTATTER; PARSON, 2007; FERNÁNDEZ; ALONSO, 2012; WARSHAUER et al., 2012) tais como: espectrometria de massas, principalmente associada à ionização por eletrospray (ESI-MS), pirosequenciamento, cromatografia líquida de alto desempenho de desnaturação (DHPLC), análise de SNPs e resequenciamento baseado em micromatrizes (microarray-based resequencing) (ANDRÉASSON, H. et al., 2002, 2006a; OBERACHER; NIEDERSTATTER; PARSON, 2007; VALONE; JAKUPCIAK; COBLE, 2007; KRISTINSSON; LEWIS; DANIELSON, 2009; THOMAS et al., 2005, 2009; WARSHAUER et al., 2012). Segundo Buetow et al (2001) a espectrometria de massas apresenta destaque, pois permite total automação da análise e sua associação à ionização por eletrospray e tempo de voo (ESI-TOF-MS) e é metodologia ouro para a análise de SNPs. Cada uma dessas novas técnicas apresentam também desvantagens como: a pesquisa de SNPs requer a caracterização prévia desses polimorfismos; o pirosequenciamento, segundo

8 8 Andréasson e colaboradores (2006), apresenta capacidade limitada para ensaios múltiplos (multiplex) e os ensaios do tipo array-based são caros e requerem grandes quantidade de DNA, o que é incomum em amostras forenses (VALONE; JAKUPCIAK; COBLE, 2007; HALL et al., 2009) Limitações de aplicabilidade Apesar de sua empregabilidade na identificação humana, alguns aspectos atuam limitando a utilização do mtdna na área forense. A heteroplasmia é a existência de mais de um tipo de DNA mitocondrial em um mesmo indivíduo, ou seja, mais de um genótipo em uma pessoa, fato que levanta questionamentos da admissibilidade e confiabilidade deste tipo de evidência durante a persecução penal (GÓES, 2003; FORSTER et al., 2010; ROBERTS; CALLOWAY, 2011). Contudo, a heteroplasmia pode também fortalecer a identificação e deve ser considerada, pois pode representar um aumento do poder discriminatório do teste caso seja observada tanto na amostra referência quanto na amostra questionada, atuando assim como uma evidência adicional (MELTON, 2004; PANETO, 2008). Em busca de se evitar a presença de heteroplasmia, recomenda-se utilizar amostra referência da mesma natureza da amostra questionada, pois já é pacífico na sociedade científica que há variações de taxas de heteroplasmia entre diferentes tecidos, dentro os quais os cabelos e os músculos são os que apresentam os maiores índices (BUDOWLE et al., 2003; ROBERTS; CALLOWAY, 2011). Outro ponto que é levantado como uma possível limitação de aplicabilidade do DNA mitocondrial na identificação humana é a possibilidade de contribuição paterna, ou seja, a ocorrência de recombinação. Ela já foi observada por Gyllensten e colaboradores (1991) em ratos de laboratório, entretanto na espécie humana as evidências são raras (BLUTER, 2005, 2010). Segundo Budowle (2003), mesmo que haja a herança patrilínea, o impacto na área forense será insignificante, pois a análise forense busca apenas estimar a raridade do perfil do mtdna. 4.2 Identificação de espécies animais

9 9 A identificação de espécies é um aspecto de extrema importância na análise forense, pois permite avaliar se a infração penal envolve animais da fauna silvestre e se afeta espécies raras ou em extinção. A obtenção dessas informações é valiosa, pois determina a tipificação penal da infração e auxilia na dosimetria da pena (CARVALHO, 2010; MARCÃO, 2011). Essa investigação de identificação de espécies é convencionalmente realizada através de exames imunológicos e morfológicos, entretanto, nem sempre esses exames podem fornecer subsídios eficazes para a elucidação de uma infração penal (NAKAMURA et al., 2009; CARVALHO, 2010;). A identificação morfológica, em certos momentos, não é uma ferramenta eficaz, pois às vezes, só se tem como vestígio ovos, pelos, fragmentos de tecidos, entre outros. Assim, utiliza-se as técnicas de análise de DNA, nuclear ou mitocondrial (CARMO, 2008). A análise de DNA mitocondrial para identificação de espécies pode utilizar primers universais para amplificação de uma mesma região em diversos grupos de animais, não requerendo conhecimento prévio da amostra a ser analisada (CARVALHO, 2010). A metodologia para a identificação de espécies animais através do DNA mitocondrial utiliza, em regra, como marcadores genéticos diversos genes da região codificante do DNA mitocondrial, compreendendo o sequenciamento com conseguinte comparação com sequências referências de bancos de dados (GenBank) (MAZZANTI et al., 2010). Os genes citocromo b (CYB), citocromo oxidase I, 12S e 16S são amplamente utilizados para discriminar espécies animais, sendo o gene citocromo b o mais pesquisado (KITANO et al., 2007; WELLS; WALL; STEVENS, 2007; CARMO, 2008; LEE et al., 2009; MAZZANTI et al., 2010; GUO et al., 2011). Nakamura e colaboradores (2009) desenvolveram sistemas de identificação de espécies baseados na variação de comprimento da região hipervariável (D-Loop) do DNA mitocondrial, neste estudo foram discriminadas espécies de mamíferos, aves e peixes, utilizando sítios de primers específicos, altamente conservados entre várias espécies de cada grupo respectivamente, gerando produtos de PCR que variavam de 350 a 900 pares de base. Essa metodologia torna a identificação mais rápida, pois nem sempre requer o sequenciamento, sendo necessária apenas a análise eletroforética e pode ser utilizada em misturas de DNA humano e animal.

10 10 Outro sistema de identificação de espécies encontra-se em crescente progresso, tratase da técnica de DNA barcoding, o qual foi proposto por Hebert e colaboradoes (2003). Essa metodologia baseia a identificação de espécies eucarióticas através de um pequeno trecho de 648 pares de bases do gene citocromo oxidase do DNA mitocondrial, estabelecendo um código de barras para cada espécie. O projeto Barcode of life é desenvolvido através de colaboração internacional, no qual as bibliotecas mais desenvolvidas são as de mamíferos, insetos e peixes. Recentemente, há mais de um milhão de barcodes disponíveis na base de dados do projeto (ROE; SPERLING, 2007; UTSUGI; TOSHIHIDE; MOTOMI, 2011). A análise de DNA mitocondrial na identificação de espécies animais tem aplicação na Entomologia forense, pois pode auxiliar na identificação de espécies necrófagas, como espécies da ordem Diptera e consequentemente na determinação do Intervalo Pós-Morte (IPM) (GUO et al., 2010, 2011; UTSUGI; TOSHIHIDE; MOTOMI, 2011). Espécies desta ordem são as mais encontradas em carcaças em estado de decomposição e, predominantemente, em suas formas imaturas, ou seja, estado larval ou pupário, estados estes que nem sempre permitem a identificação morfológica, sendo necessário o cultivo em laboratório até a fase adulta e necessitando de um especialista em taxonomia e coleção de insetos para realizar as comparações (COSTA, 2011). 4.3 Tipos de amostras Pelos Pelos são vestígios comumente encontrados em locais de crimes (MELTON et al, 2005; PANETO et al., 2010). Estes podem ser utilizados para estudo de DNA nuclear, caso o bulbo capilar esteja preservado, ou DNA mitocondrial nos demais casos (SILVA; PASSOS, 2006). Diversos autores relatam a possibilidade de obtenção de perfis pela análise de mtdna com amostras de pelos (PFEIFFER et al, 1999; MELTON et al, 2005; PANETO et al., 2010; ROBERTS; CALLOWAY, 2011). PFEIFFER e colaboradores (1999) revelam que a taxa média de sucesso no sequenciamento de DNA mitocondrial é maior ao se tratar de cabelos da cabeça, seguidos de pelos pubianos e axilares, sucessivamente. Dessa forma, ao se tratar de

11 11 investigações forenses que requerem coleta de pelos para análise, deve-se dar preferência para pelos oriundos do couro cabeludo (ROBERTS; CALLOWAY, 2011). Cabelos expostos ao ambiente durante meses ou anos raramente fornecem dados com sucesso. Nestes casos, quando possível, recomenda-se o uso preferencial de vestígios de natureza óssea, mesmo havendo pelos disponíveis (BLUTER, 2010; ROBERTS; CALLOWAY, 2011) Ossos e dentes O DNA é preservado nos dentes e nos ossos durante um período muito longo e, portanto, é uma fonte valiosa de informações. Na área forense, a análise de amostras ósseas e dentárias está relacionada à identificação de vítimas e de pessoas desaparecidas (BLUTER, 2010). Estas amostras são também, frequentemente, os únicos vestígios disponíveis em desastres em massa, sendo assim utilizadas na identificação de vítimas de desastre (DVI) (MANJUNATH et al., 2011; ZIETKIEWICZ et al., 2012). A capacidade de obter um perfil completo ou parcial de DNA mitocondrial em amostras ósseas é geralmente correlacionada à idade e ao estado das amostras (BLUTER, 2005). Entretanto, em estudo de Nelson e Melton (2007) de ossos bem conservados foram obtidos pouco DNA mitocondrial ou de ossos em mal estado de conservação obteve-se DNA mitocondrial abudante. A variedade óssea, ou seja, o tipo de osso influencia na qualidade e quantidade de DNA mitocondrial a ser obtido, sendo que dos diferentes materiais do esqueleto, os fêmures e as costelas são os que apresentam melhores taxas de sucesso de análise de DNA mitocondrial por ter maior massa óssea, sendo assim os mais recomendados para análise quando é passível de escolha (EDSON et al., 2004; NELSON; MELTON, 2007; MISNER, 2009). Outros estudos revelam altas taxas de obtenção de perfil de DNA mitocondrial com amostras de osso e de dente (EDSON et al., 2004; EDSON et al., 2005; NELSON; MELTON, 2007). Não se pode observar na literatura um consenso qual dessas classes de amostras, ósseas ou dentárias, é a melhor. Isso se deve ao fator de qualidade das amostras disponíveis para análise forense, pois, às vezes, só haverá amostras de uma natureza, óssea ou dentária, ou haverá amostras das duas categorias, entretanto com condições de qualidade diferente,

12 podendo assim, em alguns casos, uma categoria apresentar melhor desempenho e em outro ser menos eficaz (ZIETKIEWICZ et al., 2012) CONSIDERAÇÕES FINAIS Não se pode negar a potencialidade do DNA mitocondrial dentro da genética forense no contexto atual. Em situações em que a quantidade de DNA extraído é muito pequena, como em tecidos ósseos, dentes e cabelos e em amostras bastante degradadas ou antigas, a análise de DNA mitocondrial pode ser a única alternativa. Para identificação humana a análise de DNA mitocondrial atua de forma assistencial, sendo que, a cada dia, seu poder de discriminação tendo sido aprimorado com o avanço dos estudos científicos. E para a identificação animal, esta análise isoladamente obtém excelentes resultados e ainda aparece como uma técnica mais prática e rápida do que a própria análise autossômica. Embora haja discussões sobre limitações de aplicabilidade do DNA mitocondrial, não se pode deixar lado uma ferramenta tão importante pelo simples fato de sua análise e interpretação ser mais complexa do que a de dados autossômicos. Apesar do que, embora a análise autossômica seja mais informativa é melhor obter resultados com DNA mitocondrial do que não ter resultado algum. 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALLARD, M.W. et al.evaluation of variation in control region sequences for Hispanic individuals in the SWGDAM mtdna data set. J Forensic Sci., v.51, n.5, p , ALVAREZ, J.C. Characterization of human control region sequences for Spanish individuals in a forensic mtdna data set.legal Medicine, v.9, n.6, p , jul ANDERSON, S. et al. Sequence and organization of the human mitochondrial genome. Nature, v.290, p , ANDRÉASSON, H. et al. Mitochondrial sequence analysis for forensic identification using pyrosequencing technology. Biotechniques, v.32, n.1. p , jan.2002.

13 ANDRÉASSON, H. et al. Nuclear and mitochondrial DNA quantification of various forensic materials. Forensic Sci Int., v.164, n.1, p.56-64, ANDRÉASSON, H. et al. Quantification of mtdna mixtures on forensic evidence material using pyrosequencing. Int J Legal Med, v.120, n.6, p , fev ANDREWS, R.M. et al. Reanalysis and revision of the Cambridge reference sequence for human mitochondrial DNA. Nature Genetics, v.23, BINNI, C. et al. Population data of mitochondrial DNA region HVII in indivuals from Bologna (Italy). International Congress Series, v.1239, p , BUDOWLE, B. et al.forensics and mitochondrial DNA: applications, debates, and foundations. Annu Genomics Hum Genet., v.4, p , BUETOW, K.H. High-throughput development and characterization of a genomewide collection of gene-based single nucleotide polymorphism markers by chip-based matrixassisted laser desorption/ionization time-of-flight mass spectrometry. Proc. Natl. Acad. Sci. USA, v.98, p , BUTLER, J.M. Forensic DNA typing;biology, technology and genetics of STR markers. 2.ed. Elsevier, p. BUTLER, J.M. Mitochondrial DNA analysis In: Forensic DNA typing: biology, technology, and genetics of STR markers. 2.ed. Elsevier, 2010, Capítulo 10, p CARMO, R.R. Identificação de animais silvestres de interesse criminal da fauna matogrossense por meio de DNA mitocondrial. Tese (Mestrado) Universidade Federal do Mato Grosso, Cuiabá, CARVALHO. B.A. DNA e perícia ambiental criminal. In: FARIAS, A. et al. Perícia ambiental criminal. Campinas: Millenium Editora, Cap.VIII, p CARVALHO, B.M. Populações Afro-Descendentes da Amazônia: O Resgate das Interações Sócio-Biológicas de um Povo pelo mtdna Tese (Mestrado) Universidade Federal do Pará, Pará.

14 CARVALHO, B.V. Identificação genetica de aves vítimas de tráfico de animais silvestres. Atualidades Ornitológicas, n.165, fev., CATTANEO, C. Determining the human origin of fragments of burnt bone: a comparative study of histological, immunological, and DNA techniques. Forensic Sci Int, v.102, p , COSTA, J.O. Entomologia Forense; Quando os insetos são os vestígios. 3.ed. São Paulo: Millenium, 2011, 520p. EDSON, S.M. et al.. Naming the dead confronting the realites of rapid identification of degraded skeletal remains. Forensic Sci Rev, v.16, p.63-90, EDSON, S.M. et al.. Success rates for recovering mitochondrial DNA (mtdna) from 4000 ancient human skeletal remais. In: THE 17 TH MEETING OF THE INTERNATIONAL ASSOCIATION OF FORENSIC SCIENCES, 17, 2005, Honk Kong. International Association of Forensic Sciences/Hong Kong Forensic Science: Hong Kong, 2005, 606. EGELAND, H.M.T. et al. Determining the most likely geographic origin of a mtdna sequence profile. Ann. Hum. Genet. v.68, p , FERNÁNDEZ, C. ALONSO, A. Microchip capillary electrophoresis protocol to evaluate quality and quantity of mtdna amplified fragments for DNA sequencing in forensic genetics. Methods Mol Biol., v.830, p , FORSTER, L. et al. Evaluating length heteroplasmy in the human mitochondrial DNA control region. Int J Legal Med., v.124, n.2, p , mar GYLLENSTEN, U. et al. Paternal enhitance of mitocondrial DNA in mice. Nature, v.353. p , GÓES, A.C.S. Tipagem humana por DNA; Otimização de Condições para Análise Pos Morten Tese (Doutorado) Universidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. GRZYBOWSKI, T. ROGALLA, U. Mitochondria in anthropology and forensic medicine. Advances in experimental medicine and biology, v.942, p , 2012.

15 GUO, Y. et al. Identification of forensically important sarcophagid flies (diptera: sarcophagidae) in china, based on COI and 16S rdna genes sequence. J Forensic Sci., vol.56, n.6, p , nov GUO,Y. et al. Identification of the forensically important sarcophagid flies Boerttcherisca peregrina, Parasarchophaga albiceps and Parasarchophaga dux (Diptera: Sarcophagidae) based on COII gene in China. Tropical Biomedicine, v.27, n.3, p , HALL, T.A. et al. Base composition analysis of human mitochondrial DNA using electrospray ionization mass spectrometry: a novel tool for the identification and differentiation of humans. Analytical Biochemistry., v.344, p.53-69, HALL, T.A. et al. Base composition profiling of human mitochondrial DNA using polymerase chain reaction and direct automated electrospray ionization mass spectrometry. Ana Biochem., v.81, p , IRWIN, J.A. et al. MtGenome reference population databases and the future of forensic mtdna analysis. Forensic Sci. Int., v.2, p , JUST, R.S. et al. The use of mitochondrial DNA single nucleotide polymorphisms to assist in the resolution of three challenging forensic cases. J. Forensic Sci., v.54, p , KITANO, T. et al. Two universal primer sets for species identification among vertebrates. Int J Legal Med, vol.121, p , KIVISILD, P.T. The role of selection in the evolution of human mitochondrial genomes. Genetics, v.172, p , KOHNEMANN, S.; PFEIFFER, H. Application of mtdna analysis in forensic casework. Forensic Sci Int., v.11, p , KRISTINSSON, R.; LEWIS, S.E; DANIELSON, P.B. Comparative analysis of the HV1 and HV2 regions of human mitochondrial DNA by denaturing high-performance liquid chromatography. J Forensic Sci, v.54, n.1. p.28-36, jan LEE, J.C., et al. Ivory identification by DNA profiling of cytochrome b gene. Int J Legal Med, vol.123, n.2, p , mar.2009.

16 LEE, C.; MANDOIU, I.I.; NELSON, C.E. Inferring ethnicity from mitochondrial DNA sequence. BMC Proceedings, v.5, n.2, p , LUTZ-BENENGEL, S. et al. Sequence polymorphisms with the human mitochondrial genes MTATP6, MTATP8 e MTND4. Int J Legal Med., v.177, p , MALAVER, P.C.; YUNIS, J.J Different dental tissues as source of DNA for human identification in forensic cases. Croat Med J., v.44, n.3, p , MANJUNATH, B.C. et al. DNA profiling and forensic dentistry A review of the recent concepts and trends. J of Forensic and Legal Med, v.18, p , MARCÃO, F. Crimes ambientais; anotações e interpretações jurisprudencial da lei 9605, de ed. Local: Saraiva, 2011, 607. MARQUEZ, M.C. Interpretation guidelines of mtdna control region sequence electropherograms in forensic genetics. Methods Mol Biol., v.830, p , MAZZACCARA, C. et al. Mitochondrial diabetes in children: seek and you will find it. PLoS One, v.7, n.4, abr MAZZANTI, M. et al. DNA degradation and genetic analysis of empty puparia: Genetic identification limits in forensic entomology. Forensic Sci. Int., v.195, p , MELTON, T. Mitochondrial DNA heteroplasmy. Forensic Sci Rev, v.16, n.1, MELTON, T. et al. Forensic mitochondrial DNA analysis of 691 casework hairs. J. Forensic Sci., v.50, p.1-8, MISNER, L.M. The correlation between skeletal weathering and DNA quality and quantity. J Forensic Sci., v.54, n.4. p , apr NAKAMURA, H. et al. Forensic species identification based on size variation of mitochondrial DNA hypervariable regions. Int J Legal Med., v.123, p , 2009.

17 NELSON, K.; MELTON, T. Forensic mitochondrial DNA analysis of 116 casework skeletal samples. J Forensic Sci., v.52, n.3, p , NILSSON, M. et al. Evaluation of mitochondrial DNA coding region assays for increased discrimination in forensic analysis. Forensic Sci. Int., v.2, p.1-8, OBERACHER, H.; NIEDERSTATTER, H.; PARSON, W. Liquid chromatographyelectrospray ionization mass spectrometry for simultaneous detection of mtdna length and nucleotide polymorphisms. Int J Legal Med., v.121, n.1, p.57-67, jan PANETO, G.G. Utilização do DNA mitocondrial no contexto forense brasileiro Tese (Mestrado) Universidade Estadual Paulista, Araraguara. PANETO, G.C et al. Heteroplasmy in hair: study of mitochondrial DNA third hypervariable region in hair and blood samples. J Forensic Sci., v.55, n.3, p , maio PANETO, G.G. et al. A single multiplex PCR and SNaPshot minisequencing reaction of 42 SNPs to classify admixture populations into mitochondrial DNA haplogroups. Mitochondrion, v.11, p , PARSON, T.J. et al. A high observed substitution rate in the human mitochondrial dna control region. Nature Genetics, v.15, p , PARSON, T.J. et al. EMPOP the mtdna population database-concept for a new generation, high-quality mtdna database. Forensic Genetics, v.10, p , PFEIFFER, H. et al. Mitochondrial DNA typing from human axillary, pubic and head hair shafts - success rates and sequence comparisons. Int J Legal Med, v.112, n.5, p , ROBERTS, K.A.; CALLOWAY, C. Characterization of mitochondrial DNA sequence heteroplasmy in blood tissue and hair as a fuctin of hair morphology.j Forensic Sci., v.56, n.1, p.46-60, jan.2011.

18 ROE, A.D.; SPERÇING, F.A.H. Patterns of evolution of mitochondrial cytochrome c oxidase I and II DNA and implications for DNA barcoding. Molecular Phylogenetics and Evolution, v.44. p , ROHL, B.A. et al. An annotated mtdna database. Int. J. Legal Med., v.115, p.29-39, SALAS et al. Phylogeographic investigations: The role of trees in forensic genetics. Forensic Sci. Int., v.168, p.1-13, SCIENTIFIC WORKING GROUP ON DNA ANALYSIS METHODS SWGDAM. Guidelines for mitochondrial DNA nucleotide sequence interpretation, 2ª.ed. Washingtion, D.C.: Federal bureau of investigation, 2003, v.5. SHIROMA et al. A minimally destructive technique for sampling dentin powder for mitochondrial DNA testing. J Forensic Sci, v.49, p , SILVA, L.A.F; PASSOS, N.S. DNA forense: Coleta de amostras biológicas em locais de crime para estudo do DNA. 2.ed. Maceió: Editora da Universidade Federal de Alagoas, p. THOMAS, A.H. Base composition analysis of human mitochondrial DNA using electrospray ionization mass spectrometry: A novel tool for the identification and differentiation of humans. Analytical Biochemistry, v.334, p.53-69, THOMAS, A.H. Base composition profiling of Human mitochondrial DNA using polymerase chain reaction and direct automated electrospray ionization mass spectrometry. Anal. Chem., v.81, p , TORRONI, T.G.A. et al. Asian affinities and continental radiation of the four founding Native American mtdnas. Am. J. Hum. Genet., v.53, p , UTSUGI, J.I.N.B.O.; TOSHIHIDE, K.A.T.O; MOTOMI, I.T.O. Current progress in DNA barcoding and future implications for entomology. Entomology Science, 2011.

19 VALLONE, P.M. et al. A multiplex allele-specific primer extension assay for forensically informative SNPs distributed throughout the mitochondrial genome. Int J Legal Med, v.118, p , VALONE, P.M.; JAKUPCIAK, J.P.; COBLE, M.D. Forensic application of the affymetrix human mitochondrial resequencing array. Forensic Sci Int Genet, v.1, n.2, p , mar WALLACE, D.C; BROWN, M.D.; LOTT, M.T. Mitochondrial DNA variation in human evolution and disease. Gene, v.238, p , WALLACE, D.C. Mitochondrial DNA mutations in disease and aging. Environ Mol Mutagen, v.51, v.5, p , WARSHAUER, D.H. et al. Validation of the PLEX-ID mass spectrometry mitochondrial DNA assay. Int J Legal Med, jul WELL, J.D.; WALL, R.; STEVENS, J.R. Phylogenetic analysis of forensically important Lucilia flies based on cytochrome oxidase I sequence: a cautionary tale for forensic species determination. Int J Legal Med., v.121, p , WONG, H.Y. et al.sequence polymorphism of the mitochondrial DNA hypervariable regions I and II in 205 Singarore Malays. Legal medicine, v.9, n.1, YAKES, F.M.; VAN HOUTEN, B. Mitochondrial DNA damage is more extensive and persist longer than nuclear DNA damage in human cells following oxidative stress. Proc Natl Acad Sci USA, v.94, p , jan ZIETKIEWICZ, et al. Curent genetic methodologies in the identification of disaster victims and in forensic analysis. J Appl Genetics, v.53, p.41-60, oct.2012.

GENÉTICA FORENSE E PATERNIDADE

GENÉTICA FORENSE E PATERNIDADE GENÉTICA FORENSE E PATERNIDADE Alessandra Dias Laboratório de Biologia Molecular O primeiro teste de DNA para investigação de paternidade era feito através do sistema de HLA, entretanto o resultado era

Leia mais

Ancestralidade Materna polimorfismos matrilínea DNA Mitocondrial (mtdna).

Ancestralidade Materna polimorfismos matrilínea DNA Mitocondrial (mtdna). Ancestralidade Materna A atual população dos países latino-americanos foi gerada por um complexo processo de mistura genética entre ameríndios, europeus e africanos. As porcentagens relativas destas três

Leia mais

DNA barcoding é um método que utiliza um trecho do DNA de cerca de 650 nucleotídeos como marcador para caracterizar espécies. Trata-se de uma sequência extremamente curta em relação à totalidade do genoma,

Leia mais

Análise da Prova - Perito Criminal Federal (Biomédico/Biólogo)

Análise da Prova - Perito Criminal Federal (Biomédico/Biólogo) Questão Tema(s) predominante(s) Itens do Edital 51 Diferenças entre as metodologias de RFLP e PCR 5.4.2 Regiões repetitivas e polimorfismos. 6.2 Técnica de PCR. 6.3 Técnicas de identificação usando o DNA.

Leia mais

Análise Genética da Cannabis sativa

Análise Genética da Cannabis sativa Análise Genética da Cannabis sativa Rodrigo Soares de Moura-Neto Professor Associado Instituto de Biologia/UFRJ 02/09/2014 rodrigomouraneto@ufrj.br Perspectiva Histórica da Tipagem por DNA SNPs 2014 STR

Leia mais

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs João Meidanis Scylla Bioinformática e UNICAMP III Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas Gramado, RS Maio 2005 MINI-CURSO - AGENDA 1. Primeiro Dia

Leia mais

Variabilidade genética. Variabilidade Genética. Variação genética e Evolução. Conceitos importantes

Variabilidade genética. Variabilidade Genética. Variação genética e Evolução. Conceitos importantes Variabilidade genética Conceitos importantes Variação genética: variantes alélicos originados por mutação e/ou recombinação Diversidade ou variabilidade genética: medida da quantidade de variabilidade

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE EXAMES DE DNA EM PERÍCIAS CRIMINAIS

PADRONIZAÇÃO DE EXAMES DE DNA EM PERÍCIAS CRIMINAIS PADRONIZAÇÃO DE EXAMES DE DNA EM PERÍCIAS CRIMINAIS 1) Objetivos a) Assegurar a qualidade, integridade e segurança em exames periciais envolvendo a utilização de DNA; b) Estabelecer os procedimentos para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA RAZÃO DE PROBABILIDADE BAYESIANA COMO EVIDÊNCIA PARA TESTE DE VÍNCULO DE PATERNIDADE Curitiba 2012 I Dianna Lo Wai Yan Maurício Fernandes do Nascimento

Leia mais

Biotecnologia: principais me todos moleculares

Biotecnologia: principais me todos moleculares Biotecnologia: principais me todos moleculares Raphael Bessa Parmigiani, PhD Centro de Oncologia Molecular Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa Curso de Introdução à Biologia Molecular Goiânia,

Leia mais

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS PIOS Cristiane Kioko Shimabukuro Dias Pós-doutorado - FAPESP E-mail: crisdias@ibb.unesp.br Laboratório de Biologia e Genética de Peixes - Departamento

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA PAULA PEIXOTO HOFSTATTER IDENTIFICAÇÃO HUMANA POR DNA MITOCONDRIAL Brasília/DF 2013 PAULA PEIXOTO HOFSTATTER

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOCIÊNCIAS FORENSES

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOCIÊNCIAS FORENSES PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOCIÊNCIAS FORENSES NOVO SISTEMA AUTOMATIZADO DE GENOTIPAGEM DE STRS E SNPS POR ESPECTROMETRIA DE MASSAS Daniel Amaro Sousa 1 Luciano

Leia mais

O Código de Barras da Vida baseado no DNA Barcoding of Life : Considerações e Perspectivas

O Código de Barras da Vida baseado no DNA Barcoding of Life : Considerações e Perspectivas Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação O Código de Barras da Vida baseado no DNA Barcoding of Life : Considerações e Perspectivas Ana Maria Lima de Azeredo 2 O Código de

Leia mais

Análise genômica 2013

Análise genômica 2013 Curso de Férias Análise genômica 2013 08 a 11 de julho de 2013 Dr. Marcos Correa Dias (dias@ibb.unesp.br) Instituto de Biociências, UNESP, Botucatu, SP Qual a diferença? homem bactéria 1 COMPLEXIDADE MECÂNICA

Leia mais

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano DNA A molécula da vida Prof. Biel Série: 9º ano DNA FINGER-PRINTING A expressão DNA "Finger-Print" (ou Impressões Genéticas) designa uma técnica de separação de segmentos de DNA que permite a identificação

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOCIÊNCIAS FORENSES. Utilização do DNA mitocondrial em entomologia forense

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOCIÊNCIAS FORENSES. Utilização do DNA mitocondrial em entomologia forense PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOCIÊNCIAS FORENSES Utilização do DNA mitocondrial em entomologia forense Ana Maria de Jesus Sousa da Cunha 1 Luciano Chaves Arantes

Leia mais

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA Analise a seguinte situação hipotética (1): Uma equipe de pesquisadores está realizando um inventário da biodiversidade de uma área tropical ainda inexplorada, porém já sofrendo grande impacto de fragmentação

Leia mais

09 Mutações não interferem no polimorfismo genético e não constituem modificações hereditárias.

09 Mutações não interferem no polimorfismo genético e não constituem modificações hereditárias. LISTA DE EXERCÍCIOS 01 Para a realização do exame de paternidade, a perícia, geralmente, é realizada no campo médico-legal por meio da pesquisa do DNA. Porém, pode ocorrer que, sendo esta impossível por

Leia mais

LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA

LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA IDENTIFICAÇÃO HUMANA Identificação pelo DNA - Identificação Médico-Legal - Perícias Odontológicas VOLUME II Editora Millennium CAMPINAS/SP

Leia mais

Investigação de paternidade na ausência do suposto pai. Paternity testing father is absent

Investigação de paternidade na ausência do suposto pai. Paternity testing father is absent Saúde, Ética & Justiça, 5/7(1-2):6-11, 2000-2002. Investigação de paternidade na ausência do suposto pai Paternity testing father is absent Silvia O. SAMPAIO 1 ; J.R.R. PINHO 2 ; C.B. GRANJA 3 ; A.C. GOLDBERG

Leia mais

PCR technology for screening and quantification of genetically modified organisms (GMOs)

PCR technology for screening and quantification of genetically modified organisms (GMOs) Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Curso de Licenciatura em Biologia Marinha e Pescas PCR technology for screening and quantification of genetically modified organisms (GMOs)

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA

APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA Público alvo: Estudantes de 3º ano do ensino médio Local: Escolas de ensino médio e/ou cursos pré-vestibulares Carga horária: 12 horas Organização: HELIX

Leia mais

DIFERENCIAIS: TIPOS DE EXAMES. Investigação de paternidade e/ou maternidade

DIFERENCIAIS: TIPOS DE EXAMES. Investigação de paternidade e/ou maternidade HOME O laboratório Sabin, desde 2002, emprega a biologia molecular no estudo do DNA. Essa tecnologia é conhecida pela alta qualidade nos procedimentos adotados que asseguram os resultados dos exames oferecidos.

Leia mais

Análise de expressão gênica

Análise de expressão gênica Universidade Federal do Espírito Santo Laboratório de Biotecnologia Aplicado ao Agronegócio Análise de expressão gênica Fernanda Bravim EXPRESSÃO GÊNICA Processo pelo qual a informação contida em um gene

Leia mais

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva PCR MARCADORES MOLECULARES Prof. Dr. José Luis da C. Silva Histórico da PCR Kornberg (1960) Isolou e caracterizou a DNA polimerase. O isolamento desta enzima possibilitou o desenvolvimento da síntese in

Leia mais

Técnicas moleculares

Técnicas moleculares Técnicas moleculares PCR Reação em Cadeia da Polimerase Inventada em 1983 por Kary Mullis é uma das técnicas mais comuns utilizadas em laboratórios de pesquisas médicas e biológicas Kary Mullis ganhou

Leia mais

Avaliação molecular da macho-esterilidade citoplasmática em milho

Avaliação molecular da macho-esterilidade citoplasmática em milho Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) Ano 04 - Edição 26 - Agosto / Setembro de 2010 Artigo Avaliação molecular da macho-esterilidade citoplasmática em milho por Sílvia Neto Jardim

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE Rio de Janeiro e Manaus testam para o Ministério da Saúde uma nova tecnologia para o diagnóstico da tuberculose pulmonar Que novo teste é este? O Xpert MTB/RIF é um método

Leia mais

Banco de Dados Baseado em Marcadores Genéticos

Banco de Dados Baseado em Marcadores Genéticos Banco de Dados Baseado em Marcadores Genéticos Tarcísio Ferreira Cavalcante¹ Paulo Roberto Queiroz² 1 Biólogo. Aluno de Pós-Graduação em Biociências Forenses, pela universidade Católica de Goiás/IFAR.

Leia mais

Diversidade Genética das Populações Amazônicas

Diversidade Genética das Populações Amazônicas PAINEL I Particularidades genéticas das populações amazônicas e suas possíveis implicações Coordenação de Mesa: Wim Degrave. Diversidade Genética das Populações Amazônicas Sidney dos Santos Será apresentado

Leia mais

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você!

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! CANAL MÉDICO Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! A equipe do canal médico do laboratório Alvaro, é formada por bioquímicos, biomédicos e médicos com grande experiência

Leia mais

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja SOUZA, R.C. 1 ; SANTOS, M.A. 2 ; HUNGRIA, M. 3 1 Centro Universitário Filadélfia - Unifil, renata@ cnpso.embrapa.br; 2 Escola

Leia mais

DNA profiling parte 2

DNA profiling parte 2 Faculdade Milton Campos Curso Lato Sensu em Medicina Legal Disciplina: Bioinformática e Investigação Criminal Professor: Eduardo Campos dos Santos DNA profiling parte 2 Belo Horizonte Outubro/Novembro

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA. Carga Horária: 100 horas/aula

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA. Carga Horária: 100 horas/aula FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA Código: CBIGEBA Créditos: 05 Período: 3 o (terceiro período) Disciplina: Genética Básica

Leia mais

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR) Uma das dificuldades dos pesquisadores frente à análise baseada no DNA é a escassez deste. Na medicina forense pode-se ter

Leia mais

Rita Paulina Araújo Gonçalves. Laboratório de Genética Humana Universidade da Madeira Campus da Penteada 9000-390 Funchal Portugal

Rita Paulina Araújo Gonçalves. Laboratório de Genética Humana Universidade da Madeira Campus da Penteada 9000-390 Funchal Portugal Curriculum vitæ Dados Biográficos Nome Rita Paulina Araújo Gonçalves Data de nascimento 17-09-1977 Nacionalidade Morada Portuguesa Laboratório de Genética Humana Universidade da Madeira Campus da Penteada

Leia mais

EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: MODELO DIDÁTICO PARA COMPREENSÃO DO TESTE DE VÍNCULO GENÉTICO

EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: MODELO DIDÁTICO PARA COMPREENSÃO DO TESTE DE VÍNCULO GENÉTICO EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: MODELO DIDÁTICO PARA COMPREENSÃO DO TESTE DE VÍNCULO GENÉTICO CUNHA, Marielton dos Passos 1 ; OLIVEIRA, Bruno Francesco Rodrigues de 1 ; RESENDE, Isa Murielly

Leia mais

Manual da Oficina Prática de Genética, Genoma e Biotecnologia. Quarto Módulo

Manual da Oficina Prática de Genética, Genoma e Biotecnologia. Quarto Módulo www.odnavaiaescola.org Todos os direitos reservados à DNA Goes to School, Inc. 2003 Manual da Oficina Prática de Genética, Genoma e Biotecnologia Quarto Módulo Multiplicando o nosso DNA Kary Mullis A técnica

Leia mais

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO Conteúdos abordados -Relembrar alguns conceitos da Replicação do DNA in vivo Aplicação no Laboratório Clínico - PCR -Algumas

Leia mais

Genômica. O que chamou mais atenção no filme?

Genômica. O que chamou mais atenção no filme? Genômica O que chamou mais atenção no filme? Tempo para sequenciamento do genoma Predição do fenótipo com base no genótipo Como este conhecimento pode ser usado para gerar novas tecnologias? Sequenciamento

Leia mais

Introdução à genética quantitativa usando os recursos do R

Introdução à genética quantitativa usando os recursos do R Introdução à genética quantitativa usando os recursos do R Marisa R. Cantarino 1 Julia M. P. Soler (orientadora) 2 1 Introdução Um dos principais desafios da pesquisa genética atualmente é estabelecer

Leia mais

Reação em Cadeia Da Polimerase

Reação em Cadeia Da Polimerase Reação em Cadeia Da Polimerase X Jornada Farmacêutica IV Amostra 2010 Sueli Massumi Nakatani LACEN-PR Um Pouco de História... Um Pouco de História... 1983 Kary Mullis for his invention of the polymerase

Leia mais

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Casa da Medicina Unidade Gávea Coordenação Central de Extensão EPIDEMIOLOGIA MOLECULAR Rachel Siqueira de Queiroz

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO MOLECULAR E FILOGENÉTICA DE ESPÉCIES DE PEIXES DE ÁGUA DOCE DO MATO GROSSO DO SUL

IDENTIFICAÇÃO MOLECULAR E FILOGENÉTICA DE ESPÉCIES DE PEIXES DE ÁGUA DOCE DO MATO GROSSO DO SUL IDENTIFICAÇÃO MOLECULAR E FILOGENÉTICA DE ESPÉCIES DE PEIXES DE ÁGUA DOCE DO MATO GROSSO DO SUL Allana Novais Aranda¹; Danielly Beraldo Dos Santos Silva²; Jussara Oliveira Vaini³; Alexéia Barufatti Grisolia

Leia mais

Sequenciamento de DNA

Sequenciamento de DNA Sequenciamento de DNA Figure 8-50a Molecular Biology of the Cell ( Garland Science 2008) Método de Sanger Reação de síntese de DNA por uma DNA polimerase A incorporação de um dideoxinucleotídeo interrompe

Leia mais

Diagnóstico Molecular da Tuberculose. Profa Dra. Cristiane Cunha Frota

Diagnóstico Molecular da Tuberculose. Profa Dra. Cristiane Cunha Frota Diagnóstico Molecular da Tuberculose Profa Dra. Cristiane Cunha Frota Complexo M. tuberculosis (MTB) - evolução Brosch et al., PNAS, 2002 Complexo MTB (10 espécies) Patógenos associados ao Homem: M. tuberculosis

Leia mais

Mecanismos de Herança

Mecanismos de Herança Mecanismos de Herança Andréa Trevas Maciel Guerra Depto. De Genética Médica FCM - UNICAMP Mecanismo de Herança Conceitos básicos Herança Monogênica Herança mitocondrial Imprinting Autossomos (1 a 22) Autossomos

Leia mais

Genética e Melhoramento de Plantas

Genética e Melhoramento de Plantas Genética e Melhoramento de Plantas Marcadores moleculares e sua utilização no melhoramento Por: Augusto Peixe Introdução ao uso de Marcadores moleculares Definição Marcador molecular é todo e qualquer

Leia mais

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

Importância do rigor técnico-científico dos exames de DNA Relato de casos

Importância do rigor técnico-científico dos exames de DNA Relato de casos Importância do rigor técnico-científico dos exames de DNA Relato de casos Autora: Cristiane Lommez de Oliveira Bióloga. Mestre em Bioquímica e Imunologia pela UFMG. Atua desde 1992 nas áreas de Biologia

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO. 2. O Dogma Central da Biologia Molecular

PROGRAMA TEÓRICO. 2. O Dogma Central da Biologia Molecular PROGRAMA TEÓRICO 1. As moléculas da Biologia Molecular: DNA, RNA e proteínas Aspectos particulares da composição e estrutura do DNA, RNA e proteínas. EG- Características bioquímicas dos ácidos nucleicos,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE POLPA DENTÁRIA COMO AMOSTRA-REFERÊNCIA REFERÊNCIA PARA ANÁLISE DE PERFIS GENÉTICOS DE DNA

UTILIZAÇÃO DE POLPA DENTÁRIA COMO AMOSTRA-REFERÊNCIA REFERÊNCIA PARA ANÁLISE DE PERFIS GENÉTICOS DE DNA Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Odontologia de Piracicaba UTILIZAÇÃO DE POLPA DENTÁRIA COMO AMOSTRA-REFERÊNCIA REFERÊNCIA PARA ANÁLISE DE PERFIS GENÉTICOS DE DNA Use of dental pulp as reference

Leia mais

Manual Técnico. quantificação de DNA humano em análises forenses. Para WWW.GENOMIC.COM.BR

Manual Técnico. quantificação de DNA humano em análises forenses. Para WWW.GENOMIC.COM.BR Kit Genomic de Quantificação de DNA Manual Técnico Para quantificação de DNA humano em análises forenses WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução Na maioria dos casos forenses, as amostras recebidas apresentam-se

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO TAXONOMICA DE CUPINS COHABITANTES DE MONTÍCULOS DE SOLO NA REGIÃO DE CAMPINAS COM BASE EM SEQUENCIAS DE DNA

IDENTIFICAÇÃO TAXONOMICA DE CUPINS COHABITANTES DE MONTÍCULOS DE SOLO NA REGIÃO DE CAMPINAS COM BASE EM SEQUENCIAS DE DNA IDENTIFICAÇÃO TAXONOMICA DE CUPINS COHABITANTES DE MONTÍCULOS DE SOLO NA REGIÃO DE CAMPINAS COM BASE EM SEQUENCIAS DE DNA João H. P. Giudice Faculdade de Ciências Biológicas Centro de Ci6encias da Vida

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 025/05

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 025/05 DELIBERAÇÃO Nº 25/5 Cria as disciplinas Eletivas Restritas: Tópicos Especiais em Biologia Forense, Estágio em Biologia Forense I e Estágio em Biologia Forense II para o Curso de Ciências Biológicas, e

Leia mais

A genética do vírus da gripe

A genética do vírus da gripe A genética do vírus da gripe Para uma melhor compreensão das futuras pandemias é necessário entender sobre as pandemias passadas e os fatores que contribuem para a virulência, bem como estabelecer um compromisso

Leia mais

Os exames. de DNA nos tribunais

Os exames. de DNA nos tribunais Avanços científicos ocorridos nas últimas décadas alteraram as investigações policiais: se antes as impressões digitais e outras pistas eram usadas para desvendar os crimes, hoje pode-se extrair DNA de

Leia mais

MUTAÇÃO. O que é mutação? - Alteração no material genético.

MUTAÇÃO. O que é mutação? - Alteração no material genético. Universidade Federal do Piauí Núcleo de Estudos em Genética e Melhoramento (GEM) CNPJ: 12.597.925/0001-40 Rua Dirce de Oliveira,3597- Socopo/Teresina-PI Mutação MARIANE DE MORAES COSTA Teresina, 01 de

Leia mais

POLIMORFISMO DA TÉCNICA TARGET REGION AMPLIFICATION POLYMORPHISM (TRAP) PARA ESTUDOS MOLECULARES EM MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz)

POLIMORFISMO DA TÉCNICA TARGET REGION AMPLIFICATION POLYMORPHISM (TRAP) PARA ESTUDOS MOLECULARES EM MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) POLIMORFISMO DA TÉCNICA TARGET REGION AMPLIFICATION POLYMORPHISM (TRAP) PARA ESTUDOS MOLECULARES EM MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) Catia Dias do Carmo 1, Dalma Brito Santos 2, Vandeson Rodrigues de

Leia mais

Genes extranucleares

Genes extranucleares Genes extranucleares Organização do Genoma Humano GENOMA HUMANO Coding DNA Genes and generelated sequences Nuclear genome 3000 Mb 30000 genes 30% 70% Unique or moderately repetitive 10% 90% Noncoding DNA

Leia mais

Sequenciamento de genomas procariotos utilizando tecnologia de nova geração. Introdução ao sequenciamento de nova geração 4/11/14

Sequenciamento de genomas procariotos utilizando tecnologia de nova geração. Introdução ao sequenciamento de nova geração 4/11/14 4/11/14 Aula 2 Sequenciamento de genomas procariotos utilizando tecnologia de nova geração Introdução ao sequenciamento de nova geração Ana Marcia de Sá Guimarães, Méd Vet, MSc, PhD Aula 2 Tópicos 1. Sequenciamento

Leia mais

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR Engenharia Molecular Kit Autossômico GEM EM-22plex sem extração Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução STRs (short tandem repeats) são sequências repetitivas de 3 a 7 pares de bases encontradas

Leia mais

Sistema Web para Projeto de PCR

Sistema Web para Projeto de PCR Sistema Web para Projeto de PCR Abstract. This paper describes a web system that help the work of molecular biologists, automatizating the steps necessary for preparing a PCR experiment. This system will

Leia mais

Biologia Avançada Jatropha curcas L.

Biologia Avançada Jatropha curcas L. 1 Pesquisadores: Hugo Bruno C. Molinari Betania F. Quirino Biologia Avançada Jatropha curcas L. Maior banco de informações moleculares em todo o mundo Gerar ferramentas para subsidiar programa de Melhoramento

Leia mais

USO DE TECNOLOGIAS MOLECULARES

USO DE TECNOLOGIAS MOLECULARES USO DE TECNOLOGIAS MOLECULARES P= G+A VP = VG + VA Uso de marcadores no estudo de características quantitativas Características quantitativas Controladas por vários genes de pequeno efeito Sofrem maior

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com O NÚCLEO E A SÍNTESE PROTEÍCA O núcleo celular, descoberto em 1833 pelo pesquisador escocês Robert Brown, é uma estrutura

Leia mais

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio.

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio. PROJETO: Análise Genética das Populações de Myrciaria dubia (camu-camu) e Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influencia da UHE Santo Antônio. Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma)

Leia mais

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA A eletroforese em gel de agarose consiste no método mais usado para separar, identificar, analisar, caracterizar e purificar fragmentos de DNA. Uma molécula de DNA, quando exposta a um campo elétrico,

Leia mais

APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE ENGENHARIA GENÉTICA RELACIONADAS À BIOCIÊNCIA FORENSE

APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE ENGENHARIA GENÉTICA RELACIONADAS À BIOCIÊNCIA FORENSE APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE ENGENHARIA GENÉTICA RELACIONADAS À BIOCIÊNCIA FORENSE Janine Machado Nóbrega 1 ; Izabel Cristina Rodrigues da Silva 2 (1) Autor: Bióloga. Faculdade da Terra de Brasília, FTB, Brasil.

Leia mais

The next generation sequencing

The next generation sequencing The next generation sequencing Cesar Martins (cmartins@ibb.unesp.br) Departamento de Morfologia Instituto de Biociências, UNESP Universidade Estadual Paulista Botucatu, SP 1 Métodos Atuais Sequenciamento

Leia mais

ADRIANA BRAGA DE GÓES BARBOSA

ADRIANA BRAGA DE GÓES BARBOSA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE GENÉTICA DETERMINAÇÃO DO POLIMORFISMO DAS SEQÜÊNCIAS DE DNA MITOCONDRIAL HUMANO NA

Leia mais

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além "PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO E INVESTIGAÇÃO DE DEFICIENCIAS GÊNICAS COM UTILIZAÇÃO DE FLUORESCÊNCIA, OU PROCESSO PCR MULTIPLEX FLUORESCENTE". Trata o presente relatório da descrição detalhada acompanhada

Leia mais

Segurança pública: determinação de identidade genética pelo DNA

Segurança pública: determinação de identidade genética pelo DNA Segurança pública: determinação de identidade genética pelo DNA Sérgio D. J. Pena * INTRODUÇÃO Do ponto de vista social, a determinação de identidade genética pelo DNA constitui um dos produtos mais revolucionários

Leia mais

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu PCR tempo real PCR quantitativo 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu Aspectos Básicos um dos métodos atuais de aferir o nível de expressão de genes mas não é o único: Northern blotting (quantificação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS TÉCNICAS DE ANÁLISE DO ADN NA MEDICINA FORENSE EM MACAU

DESENVOLVIMENTO DAS TÉCNICAS DE ANÁLISE DO ADN NA MEDICINA FORENSE EM MACAU DESENVOLVIMENTO DAS TÉCNICAS DE ANÁLISE DO ADN NA MEDICINA FORENSE EM MACAU Secção de Bioquímica do Departamento de Ciências Forenses Técnica de 1ª Classe Técnico de 2ª Classe Wu Kit Ian Ng Chok Kei Resumo:

Leia mais

Origem da variação. Conceitos importantes. Diversidade Genética. Variação genética

Origem da variação. Conceitos importantes. Diversidade Genética. Variação genética Variação genética Origem da variação Professor Fabrício R Santos fsantos@icb.ufmg.br Departamento de Biologia Geral, UFMG 2012 Variação fenotípica hereditária Variação fenotípica causada pelo ambiente

Leia mais

Dúvidas Frequentes 1) O que é o teste de paternidade por DNA?

Dúvidas Frequentes 1) O que é o teste de paternidade por DNA? Dúvidas Frequentes 1) O que é o teste de paternidade por DNA? A análise em DNA é o meio mais preciso disponível atualmente para a determinação de paternidades ou maternidades duvidosas. É a extrema sensibilidade

Leia mais

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações BSc. Daniel Perez Vieira (Protozoologia-IMTSP/ Laboratório de Biologia Molecular-IPEN) Aula 3 - Análise dos produtos: Qualitativa e Semi- Quantitativa

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO ADMISSÃO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO EDITAL Nº 15/ 2012/ SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Biologia 11) O espanhol

Leia mais

Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes

Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Procariontes Eucariontes Localização Organização Forma Disperso no citoplasma

Leia mais

Aula DNA Forense. Arthur Estivalet Svidzinski

Aula DNA Forense. Arthur Estivalet Svidzinski Aula DNA Forense Arthur Estivalet Svidzinski Odontologia. 1. Perícia odonto-legal, peritos, documentos médicos, laudos periciais, modelos e interpretação, ética odontológica. 2. Perícia odontológica nos

Leia mais

MUTAÇÃO E REPARO DO DNA

MUTAÇÃO E REPARO DO DNA MUTAÇÃO E REPARO DO DNA MUTAÇÃO E REPARO DO DNA Danos ao DNA (tipos, locais e frequência) Dano ao DNA -> mutação -> doença Mutação em regiões controladoras e codificantes Mecanismos de Reparo Fita simples

Leia mais

TRANSMISSÃO DA VIDA ÉTICA E MANIPULAÇÃO GÊNICA

TRANSMISSÃO DA VIDA ÉTICA E MANIPULAÇÃO GÊNICA TRANSMISSÃO DA VIDA ÉTICA E MANIPULAÇÃO GÊNICA OS FUNDAMENTOS DA HEREDITARIEDADE EXPERIMENTO Teste de paternidade 1. Resumo Essa aula propõe a simulação de um teste de paternidade por meio da análise de

Leia mais

Construção de Bibliotecas de cdna

Construção de Bibliotecas de cdna Construção de Bibliotecas de cdna Claudia Teixeira Guimarães Antônio A.C. Purcino Eliane A. Gomes Jurandir V. Magalhães Newton P. Carneiro Elto E.G. Gama Robert E. Schaffert Sidney N. Parentoni Vera M.C.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca da bioinformática em geral, julgue os itens subsequentes. 41 A bioinformática pode ser definida como uma área multidisciplinar que envolve principalmente a Biologia, a Ciência da Computação, a Matemática

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Amazônia Oriental Belém, PA 2015 DIVERGÊNCIA GENÉTICA ENTRE MATRIZES DE

Leia mais

Mutação e Engenharia Genética

Mutação e Engenharia Genética Mutação e Engenharia Genética Aula Genética - 3º. Ano Ensino Médio - Biologia Prof a. Juliana Fabris Lima Garcia Mutações erros não programados que ocorrem durante o processo de autoduplicação do DNA e

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 2: Breve revisão estrutura do DNA Prof. Carlos Castilho de Barros Prof. Augusto Schneider Quando se estuda metabolismo você certamente vai se deparar com termos de genéyca!

Leia mais

Reacção em cadeia da polimerase (PCR -Polymerase chain reaction)

Reacção em cadeia da polimerase (PCR -Polymerase chain reaction) Reacção em cadeia da polimerase (PCR -Polymerase chain reaction) - Realiza a replicação selectiva e rápida de uma sequência específica de nucleotídeos a partir de uma mistura complexa de DNAs amplificação

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A investigação de paternidade por análise de DNA André Luís dos Santos Figueiredo Eduardo Ribeiro Paradela * Em termos de impacto social, é muito difícil estabelecer um paralelo

Leia mais

Evolução Biológica e Algoritmos Genéticos. Fábio Lima Custódio flc@lncc.br

Evolução Biológica e Algoritmos Genéticos. Fábio Lima Custódio flc@lncc.br Evolução Biológica e Algoritmos Genéticos Fábio Lima Custódio flc@lncc.br Sumário Conceitos gerais O que é evolução? Forças Evolutivas Mutação Deriva Gênica Fluxo gênico Seleção Natural A teoria evolutiva

Leia mais

Anotação de Genomas. Fabiana G. S. Pinto

Anotação de Genomas. Fabiana G. S. Pinto Anotação de Genomas Fabiana G. S. Pinto Obtenção de Seqüências geradas pelo MegaBace 1000 Dados brutos (medidas analógicas) de saída do seqüênciamento Base calling BIOINFORMÁTICA * PHRED: - Transforma

Leia mais

SELEÇÃO DE SNP (Single-Nucleotide Polymorphism) INFORMATIVOS PARA INTEGRAÇÃO DE ANÁLISES MOLECULARES EM MANDIOCA

SELEÇÃO DE SNP (Single-Nucleotide Polymorphism) INFORMATIVOS PARA INTEGRAÇÃO DE ANÁLISES MOLECULARES EM MANDIOCA SELEÇÃO DE SNP (Single-Nucleotide Polymorphism) INFORMATIVOS PARA INTEGRAÇÃO DE ANÁLISES MOLECULARES EM MANDIOCA Eder Jorge de Oliveira (1), Vanderlei da Silva Santos (1), Cláudia Fortes Ferreira (1),

Leia mais

PROCESSO DE ANÁLISE DO DNA: PROJETO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA PARA PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO

PROCESSO DE ANÁLISE DO DNA: PROJETO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA PARA PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO PROCESSO DE ANÁLISE DO DNA: PROJETO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA PARA PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO Cynthia Germoglio Farias de Melo cynthia_fariasm@hotmail.com Rayner Anderson Ferreira do Nascimento raynerbiomedicina@gmail.com

Leia mais

Estudo populacional de 6 STRs (TH01, TPOX, CSF1PO, D7S820, D13S317 e D16S539) na região Centro de Portugal

Estudo populacional de 6 STRs (TH01, TPOX, CSF1PO, D7S820, D13S317 e D16S539) na região Centro de Portugal Estudo populacional de 6 STRs (TH01, TPOX, CSF1PO, D7S820, D13S317 e D16S539) na região Centro de Portugal Licínio Manco, Pedro Arede, Isabel Silva, Manuela Alvarez, Augusto Abade Departamento de Antropologia

Leia mais

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR)

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) 1 Universidade Federal Fluminense Instituto Biomédico Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina: Virologia Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) A técnica de reação

Leia mais

NOVOS TESTES DE DNA NA INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE COM SUPOSTO PAI FALECIDO

NOVOS TESTES DE DNA NA INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE COM SUPOSTO PAI FALECIDO NOVOS TESTES DE DNA NA INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE COM SUPOSTO PAI FALECIDO MARIA REGINA JOBIM Mestre em Genética e Biologia Molecular pela UFRGS. GISELE EWALD Mestre em Genética e Biologia Molecular pela

Leia mais