Aulas 13 & 14. Acesso Múltiplo a Pacote: Protocolo Aloha. Eytan Modiano MIT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aulas 13 & 14. Acesso Múltiplo a Pacote: Protocolo Aloha. Eytan Modiano MIT"

Transcrição

1 Aulas 13 & 14 Acesso Múltiplo a Pacote: Protocolo Aloha Eytan Modiano MIT 1

2 Acesso Múltiplo Meio de transmissão compartilhado: um receptor pode escutar vários transmissores; um transmissor pode ser escutado por múltiplos receptores. O maior problema com o múltiplo acesso é a alocação do canal entre os usuários; os nós não sabem quando os outros nós tem dados para enviar. Necessidade de coordenar aa transmissões. 2

3 Exemplos de Canais de Acesso Múltiplo Redes Locais LANs Ethernet tradicional. Recentemente há uma tendência para LANs que não utilizam o acesso múltiplo. Canais via satélite Telefone multi-linhas multi drop Comunicações sem fio via rádio enlace Controle de Acesso ao Meio Medium Access Control - MAC. - Regula o acesso ao canal. Controle do enlace lógico Logical Link Control - LLC - Todas as outras funções DLC, NET, DLC, PHY, MAC, LLC. 3

4 Soluções para o Acesso Múltiplo Alocação Fixa TDMA, FDMA, CDMA A cada nó é alocado a uma fração fixa da largura de faixa. Equivalente á comutação por circuito. Muito ineficiente para tráfego tipo rajada. Sistemas de Alocação Dinâmica Polling interrogação. Reserva e escalonamento. Acesso aleatório. 4

5 Aloha Único receptor, muitos transmissores. Por ex.: sistema via satélite, comunicação sem fio. 5

6 Aloha Fatiado O tempo é dividido em fatias de duração de um pacote. Por ex.: pacotes de tamanho fixo. Quando um nó tem um pacote para enviar, espera até o início da próxima fatia de tempo para enviá-lo. Requer sincronização. Se nenhum outro nó tentar a transmissão durante esta fatia de tempo, a transmissão será bem sucedida. Caso contrário haverá uma colisão. Pacotes que colidiram serão retransmitidos após um atraso aleatório. 6

7 Hipóteses Sobre o Aloha Fatiado Chegadas de Poisson Não há captura Pacotes envolvidos em uma colisão são perdidos. Modelos de Captura também são possíveis. Realimentação imediata Não ativo 0, Sucesso 1, Colisão e. Se um novo pacote chega durante uma fatia, transmita na próxima. Se ocorre transmissão, o nó fica aguardando a retransmissão I; Enquanto fica aguardando para retransmitir, transmite em cada fatia com probabilidade q r até obter sucesso. Número de nós infinito onde cada pacote chega a um novo nó; Equivale a não ter armazenamento no nó tamanho da fila = 1; Hipótese pessimista fornece um baixo limitante para o desempenho do Aloha. 7

8 Cadeia de Markov Para o Aloha Fatiado Estado n do sistema é o número de nós que devem retransmitir: pi,i-1 = probabilidade de um dos nós com retransmissão tentar o acesso na ausência de novos pacotes. pi,i = probabilidade uma nova chegada sem tentativa de retransmitir pacotes anteriores ou de tentativa de retransmissão de pacotes antigos sem sucesso. pi,i+1= probabilidade de uma nova chegada e uma ou mais tentativas de retransmissão. pi,i+j = probabilidade de j novas chegadas e uma ou mais tentativas de retransmissão ou j+1 novas chegadas e nenhuma tentativa de retransmissão. Probabilidades do estado estacionário não existem: Retransmissões tendem para infinito sistema instável. Mais informações serão dadas adiante. 8

9 Aloha Fatiado Seja gn a taxa de tentativas o número esperado de pacotes transmitidos em uma fatia do tempo no estado n gn = λ + nq r O número de tentativas por fatia no estado n é aproximadamente uma variável aleatória de Poisson com gn Pm tentativas = gnme-gn/m! Pnão ativo = probabilidade de nenhuma tentativa na fatia de tempo = e-gn Psucesso = probabilidade de uma tentativa em uma fatia = gnegn Pcolisão = Pduas ou mais tentativas = 1-Pnão ativo-psucesso 9

10 10 Vazão do Aloha Fatiado A vazão é a fração de fatias que contem uma transmissão bem sucedida = Psucesso = gne-gn Quando o sistema é estável a vazão deve ser igual a taxa de chegada λ Qual valor de gn maximize a vazão? gn < 1 => muitas fatias de tempo não utilizadas gn > 1 =>muitas colisões Se gn pode ser feito próximo de 1, uma taxa de entrada de 1/e pacotes por fatia pode ser suportada 0,36 1/ 1 0 = = = = = e e n g success P n g e n g e e n g n dg d n g n g n g n g

11 Instabilidade do Aloha Fatiado Se o número de nós que devem retransmitir aumenta além do ponto de instabilidade então este número tende a crescer sem limite e a vazão vai para 0. Deslocamento no estado n, Dn é mudança esperada no número de nós com retransmissão sobre uma fatia de tempo. Dn = λ -Psucesso = λ -gne-gn 11

12 Estabilizando o Aloha Fatiado Escolhendo q r pequeno aumenta o número de retransmissões até que a instabilidade ocorre pois gn = λ + nq r, mas também aumenta o atraso pois o tempo médio para retransmitir é 1/q r. Solução: estime o número de nós com retransmissões n a partir da última realimentação. Com este estimador, escolha q r para ter gn = 1 Suponha que todas as chegadas sejam enfileiradas gn = nq r, Psucesso = nq r 1-q r n-1 Para maximizar Psucesso escolha q r = min{1,1/n} Quando o estimador de n é perfeito: fatias não usadas ocorrem com probabilidade 1/e, sucesso com 1/e, colisões com 1-2/e Quando o estimador é muito grande, muitas fatias não utilizadas ocorrem. Quando estimador é muito pequeno, muitas colisões ocorrem. Nós podemos usar a informação de realimentação 0,1,e para fazer a estimação Uma boa regra é aumentar o estimador de n a cada colisão, e descresse-lo a cada fatia não utilizada ou fatia com sucesso A. observe que o incremento na colisão poderá ser e-2-1 vezes maior quanto for o decréscimo nas fatias não utilizadas. 12

13 Aloha Fatiado Estabilizado Suponha que todas as chegadas sejam enfileiradas. gn = nq r = taxa de tentativas psucesso = nq r 1-q r n-1p Para máxima vazão faça gn = 1 q r = min{1,1/n } Onde n é o estimador de n. Seja n k = estimador do número de nós com retransmissão após a k th fatia. n k+1 = máx {λ, n k +λ-1} não ativo ou sucesso n k +λ+e-2-1 colisão Pode ser mostrado que é estável paraλ < 1/e. 13

14 TDM vs Aloha Fatiado Aloha tem baixos atrasos quando a taxa de chegada é baixa TDM apresenta um atraso muito grande com grande número de usuários, enquanto que o Aloha é independente do número de usuários. 14

15 Aloha Puro não fatiado - unslotted Novas chegadas são transmitidas imediatamente não existem fatia. Não precisa de sincronização. Não precisa de pacotes de comprimento fixo. Um pacote para ser retransmitido é submetido para transmissão após um atraso aleatório com distribuição exponencial cuja média é 1/x. O processo de chegada total é um processo de Poisson variante no tempo com taxa gn = λ + nx. n = número de estações com retransmissão, 1/x =tempo médio entre retransmissões. Observe que uma tentativa sofre colisão se a tentativa anterior ainda não foi finalizada t i -t i -1<1 ou a próxima tentativa inicia muito cedo t i+1 t i < 1. 15

16 Vazão do Aloha Uma tentativa é bem sucedida se os intervalos entre tentativas em ambos os lados excede 1 para pacotes de duração unitária. Psucesso = e-gn e-gn = e-2gn Problemas de estabilização são similares ao do aloha fatiado. Vantagens do aloha é a simplicidade e a possibilidade de pacotes de comprimento não igual. 16

17 Algoritmos de Divisão Procedimento mais eficiente para resolver as colisões. Realimentação simple 0,1,e Idéia básica: suponha que somente dois pacotes se envolvem em uma colisão assume. Suponha que todos os outros nós não tentam transmitir até que a colisão é resolvida, e cada um dos nós envolvidos na colisão transmite com probabilidade ½ até que um é bem sucedido. Na próxima fatia após este sucesso, o outro nó transmite. O número esperado de fatias para o primeiro sucesso é 2, portanto o número esperado de fatias para transmitir 2 pacotes é 3. A vazão sobre 3 fatias = 2/3. Na prática o algoritmo acima não é factível. Não se pode supor que somente dois usuários irão colidir. Algoritmos práticos devem permitir colisões envolvendo um número desconhecido de usuários. 17

18 Algoritmos Árvore Após uma colisão, todas as novas chegadas e todos os pacotes esperando retransmissão não envolvidos na colisão esperam. Cada pacote que colidiu se junta em um dos dois grupos grupos à esquerda e a direita. Lance um dado honesto O grupo da esquerda transmite na fatia seguinte enquanto que o grupo da direita espera. Se a colisão ocorre o grupo esquerdo dividese novamente algoritmo pilha. Grupo a direita espera até que a colisão na esquerda é resolvida. Quando o grupo a esquerda terminar o da direita pode transmitir. Observe que após a fatia não utilizada, a colisão entre 2,3 era previsível que iria acontecer e poderia ser evitada. Muitas variações e melhorias no algoritmo original da divisão. 18

19 Comparação da Vazão Aloha puro estável T = 0,184 = 1/2e Aloha fatiado estável T = 0,368 = 1/e Algoritmo em arvore básico T = 0,434 Variações mais conhecidas do algoritmo T = 0,4878 Limite superior sobre qualquer algoritmo de solução de conflito com realimentação 0,1,e T 0,568. TDM atinge a vazão de um pacote por fatia, mas o atraso aumenta linearmente com o número de nós. 19

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Controle de acesso ao meio (Medium Access Control - MAC) Aula 09 Enlaces podem ser divididos em duas grandes categorias: Enlace

Leia mais

Aulas 15 & 16. Redes Locais. Eytan Modiano MIT

Aulas 15 & 16. Redes Locais. Eytan Modiano MIT Aulas 15 & 16 Redes Locais Eytan Modiano MIT 1 Acesso Múltiplo com Monitoração de Portadora (Carrier Sense Multiple Access - CSMA) Em certas situações os nós podem ouvir uns aos outros escutando o canal.

Leia mais

Comunicação em tempo real

Comunicação em tempo real Comunicação em tempo real Introdução à comunicação em tempo real Um STR é um sistema computacional que deve reagir a estímulos (físicos ou lógicos) oriundos do ambiente dentro de intervalos de tempo impostos

Leia mais

Capítulo 5: A camada de enlace

Capítulo 5: A camada de enlace Capítulo 5: A camada de enlace Objetivos do capítulo: entender os princípios por trás dos serviços da camada de enlace de dados: detecção e correção de erro Compartilhamento de um canal de broadcast: acesso

Leia mais

Controle de Acesso ao Meio

Controle de Acesso ao Meio Controle de Acesso ao Meio Protocolos de Acesso Baseados em Contenção Aloha Slotted Aloha Carrier Sense Multiple Access (CSMA) MAB-510 11 Aloha Método de Acesso para uma rede de radiodifusão via satélite

Leia mais

Prof. Antonio P. Nascimento Filho. Tecnologias de rede. Ethernet e IEEE Token ring ATM FDDI Frame relay. Uni Sant Anna Teleprocessamento e Redes

Prof. Antonio P. Nascimento Filho. Tecnologias de rede. Ethernet e IEEE Token ring ATM FDDI Frame relay. Uni Sant Anna Teleprocessamento e Redes Tecnologias de rede Ethernet e IEEE 802.3 Token ring ATM FDDI Frame relay Ethernet A Ethernet é uma tecnologia de broadcast de meios compartilhados. Entretanto, nem todos os dispositivos da rede processam

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Enlace Parte I Prof. Thiago Dutra Agenda Camada de Enlace n Introdução ndetecção e Correção de Erros n Protocolos de Acesso Múltiplo n Endereçamento

Leia mais

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede Nível de Enlace Enlace: caminho lógico entre estações. Permite comunicação eficiente e confiável entre dois computadores. Funções: fornecer uma interface de serviço à camada de rede; determinar como os

Leia mais

Parte I: Introdução. O que é a Internet. Nosso objetivo: Visão Geral:

Parte I: Introdução. O que é a Internet. Nosso objetivo: Visão Geral: Parte I: Introdução Tarefa: ler capítulo 1 no texto Nosso objetivo: obter contexto, visão geral, sentimento sobre redes maior profundidade e detalhes serão vistos depois no curso abordagem: descritiva

Leia mais

Redes de Computadores. Aula: Camada de Enlace Professor: Jefferson Silva

Redes de Computadores. Aula: Camada de Enlace Professor: Jefferson Silva Redes de Computadores Aula: Camada de Enlace Professor: Jefferson Silva Agenda n Recapitulação do modelo OSI n Quais as funcionalidades da camada 2? n Quais as suas características n Endereço MAC n Comunição

Leia mais

João Baptista Bayão Ribeiro ALGORITMOS DE ACESSO

João Baptista Bayão Ribeiro ALGORITMOS DE ACESSO João Baptista Bayão Ribeiro ALGORITMOS DE ACESSO Rio de Janeiro 2015 2 Curriculum do Autor Currículo resumido do autor João Baptista Bayão Ribeiro é formado em Engenharia de Telecomunicações pela UFF (Universidade

Leia mais

Redes de computadores Lista de exercícios # 2

Redes de computadores Lista de exercícios # 2 1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ICMC Departamento de Ciências de Computação Capitulo 3 Redes de computadores Lista de exercícios # 2 1. Suponha que o cliente A inicie uma sessão Telnet com o servidor S. Quase

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Telecomunicações e Controle PTC3450 - Redes de Comunicação - 1o semestre 2017 Lista de Exercícios Suplementares 1 1) (2014-P1)

Leia mais

Transmissão de Informação

Transmissão de Informação Transmissão de Informação 1.Multiplexação e Modulação Sempre que a banda passante de um meio físico for maior ou igual à banda passante necessária para um sinal, podemos utilizar este meio para a transmissão

Leia mais

Aulas 22 & 23. Controle de Fluxo e de Congestionamento. Eytan Modiano MIT

Aulas 22 & 23. Controle de Fluxo e de Congestionamento. Eytan Modiano MIT Aulas 22 & 23 Controle de Fluxo e de Congestionamento Eytan Modiano MIT 1 Controle de Fluxo Controle de fluxo: mecanismo fim a fim para controlar o tráfego entre fonte e destinatário. Controle de congestionamento:

Leia mais

Teoria de Jogos Evolucionária

Teoria de Jogos Evolucionária Teoria de Jogos Evolucionária Edmundo de Souza e Silva - Daniel Ratton Figueiredo Universidade Federal do Rio de Janeiro Programa de Engenharia de Sistemas e Computação - COPPE Departamento de Ciência

Leia mais

VSAT. Very Small Aperture Terminal

VSAT. Very Small Aperture Terminal Comunicações Via Satélite VSAT Very Small Aperture Terminal AGENDA Introdução do Conceito de VSAT Aplicações VSAT Arquiteturas e Topologias de Redes Características Gerais da Tecnologia Segmento Espacial

Leia mais

Conceitos básicos de comunicação. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Conceitos básicos de comunicação. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceitos básicos de comunicação Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceitos básicos de comunicação A comunicação é um processo de transferência e processamento de informações entre dois pontos por meio

Leia mais

A camada de Enlace. Serviços e Protocolos

A camada de Enlace. Serviços e Protocolos A camada de Enlace Serviços e Protocolos Camada de Enlace Segunda camada do modelo OSI Primeira Camada do Modelo TCP/IP Modelo OSI Modelo TCP/IP Aplicação Apresentação Aplicação Sessão Transporte Rede

Leia mais

PROCESSOS ESTOCÁSTICOS

PROCESSOS ESTOCÁSTICOS PROCESSOS ESTOCÁSTICOS Definições, Principais Tipos, Aplicações em Confiabilidade de Sistemas CLARKE, A. B., DISNEY, R. L. Probabilidade e Processos Estocásticos, Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar - Aula 1-1. A CAMADA DE ENLACE DE DADOS (Parte 1) Relembrando as aulas do semestre passado quando estudamos os modelos de referência, lembramos que a Camada de Enlace de Dados é a camada responsável pela

Leia mais

Variáveis Aleatórias Discretas e Distribuição de Probabilidade

Variáveis Aleatórias Discretas e Distribuição de Probabilidade Variáveis Aleatórias Discretas e Distribuição de Probabilidades - parte IV 2012/02 1 Distribuição Poisson Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Ententer suposições para cada uma das

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo

Davidson Rodrigo Boccardo Gerenciamento de processos Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Revisão Critérios de alocação: Utilização da CPU Produtividade (Throughput) Número de processos finalizados por unidade de tempo

Leia mais

Capítulo 6 - Conceitos Básicos de Ethernet. Associação dos Instrutores NetAcademy - Fevereiro Página

Capítulo 6 - Conceitos Básicos de Ethernet. Associação dos Instrutores NetAcademy - Fevereiro Página Capítulo 6 - Conceitos Básicos de Ethernet 1 Introdução à Ethernet A maior parte do tráfego na Internet origina-se e termina com conexões Ethernet. A idéia original para Ethernet surgiu de problemas de

Leia mais

Processos Estocásticos aplicados à Sistemas Computacionais

Processos Estocásticos aplicados à Sistemas Computacionais Processos Estocásticos aplicados à Sistemas Computacionais Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia

Leia mais

Aula 03 Camadas do modelo OSI. 7 - Aplicação. 6 - Apresentação. Prof. Leandro Pykosz

Aula 03 Camadas do modelo OSI. 7 - Aplicação. 6 - Apresentação. Prof. Leandro Pykosz Aula 03 Camadas do modelo OSI Prof. Leandro Pykosz leandro@sulbbs.com.br 7 - Aplicação Faz a interface entre o protocolo e o aplicativo que pediu ou receberá a informação através da rede. 6 - Apresentação

Leia mais

Mestrado em Engenharia de Telecomunicações

Mestrado em Engenharia de Telecomunicações Mestrado em Engenharia de elecomunicações Departamento de Engenharia de elecomunicações - UFF Disciplina: ipos de Protocolos Protocolos de Acesso Baseados em Contenção Protocolos de de Acesso ao ao Meio

Leia mais

4 Agregação de Quadros

4 Agregação de Quadros 4 Agregação de Quadros Foram implementados no padrão 802.11n diversos mecanismos para melhorar a vazão tanto na camada física quanto na camada MAC. Na camada física, o uso principalmente de MIMO, OFDM

Leia mais

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace Redes de Computadores II Módulo 1 Introdução e a camada de enlace 1 Comunicação de Dados e Redes de Computadores O problema fundamental da comunicação é reproduzir em um ponto exatamente ou aproximadamente

Leia mais

Variáveis Aleatórias Contínuas e Distribuição de Probabilidad

Variáveis Aleatórias Contínuas e Distribuição de Probabilidad Variáveis Aleatórias Contínuas e Distribuição de Probabilidades - parte III 23 de Abril de 2012 Introdução Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Calcular probabilidades aproximadas

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa Subcamada de Controle de Acesso ao Meio Bruno Silvério Costa 1. O Problema de Alocação do Canal Alocação estática de canais em LANs e MANs Alocação dinâmica de canais em LANs e MANs 1.1 Alocação dinâmica

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Rede O que é?? 1 O que é uma rede É a conexão de duas ou mais máquinas com o objetivo de compartilhar recursos entre uma máquina e outra. Recursos Podem ser físicos ou

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Avaliação e Desempenho Aula 18

Avaliação e Desempenho Aula 18 Avaliação e Desempenho Aula 18 Aula passada Fila com buffer finito Fila com buffer infinito Medidas de interesse: vazão, número médio de clientes na fila, taxa de perda. Aula de hoje Parâmetros de uma

Leia mais

Sistemas Operacionais. Escalonamento de processos

Sistemas Operacionais. Escalonamento de processos Sistemas Operacionais Escalonamento de processos 1 Escalonamento de Processos Sistemas Interativos Algoritmos para Sistemas Interativos: First-Come-First-Served (FIFO) Round-Robin; Prioridade; Múltiplas

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 1 Conceitos básicos de comunicação Sumário Técnicas de transmissão

Leia mais

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Subcamada de Controle de Acesso ao Meio Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Protocolos de Acesso Múltiplo: ALOHA puro Slotted ALOHA CSMA persistente CSMA não-persistente CSMA p-persistente

Leia mais

Camada de Enlace. OSI x IEEE. Arquitetura IEEE 802. Redes. Nível de Enlace: Controle de Erros e Fluxo Multiplexação

Camada de Enlace. OSI x IEEE. Arquitetura IEEE 802. Redes. Nível de Enlace: Controle de Erros e Fluxo Multiplexação Camada de Enlace Redes Nível de Enlace: Controle de Erros e Fluxo Multiplexação Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Enlace Físico Delimitação e transmissão de quadros Detecção de erros Controle

Leia mais

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Enlace de Dados 15/05/2013.

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Enlace de Dados 15/05/2013. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Enlace de Dados Modelo de Referência OSI 1 1 - Fornece interface bem definida para a

Leia mais

Redes sem Fio Redes Locais Wireless (WLANs) Ricardo Kléber. Ricardo Kléber

Redes sem Fio Redes Locais Wireless (WLANs) Ricardo Kléber. Ricardo Kléber Redes sem Fio 2016.1 Redes Locais Wireless (WLANs) 802.11 Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.5M Redes sem Fio Conteúdo Programático Sistemas de comunicação wireless Redes

Leia mais

Aula 3 Redes de Interconexão

Aula 3 Redes de Interconexão Aula 3 Redes de Interconexão As redes de interconexão são de fundamental importância nas arquiteturas paralelas Não importa o tipo da arquitetura, todo computador paralelo necessita de uma rede de interconexão

Leia mais

Nível de Rede. Funções do nível de rede GCAR

Nível de Rede. Funções do nível de rede GCAR Nível de Rede Funções do nível de rede Multiplexação Endereçamento Mapeamento entre endereços de rede e de enlace Roteamento Estabeleciment/Liberação conexões de rede Controle de Congestionamento 1 Funções

Leia mais

Transporte Multimídia em Redes. Transporte Multimídia em Redes. Transmissão multimídia em tempo real. Categorias dos protocolos

Transporte Multimídia em Redes. Transporte Multimídia em Redes. Transmissão multimídia em tempo real. Categorias dos protocolos Transporte Multimídia em Redes Transporte Multimídia em Redes A transmissão multimídia requer que garantias diversas de Qualidade de Serviço (QoS) sejam estabelecidas e mantidas para que se atendam aos

Leia mais

Princípios de detecção e correção de erros, princípios de controle de link e princípios de acesso múltiplo

Princípios de detecção e correção de erros, princípios de controle de link e princípios de acesso múltiplo Princípios de detecção e correção de erros, princípios de controle de link e princípios de acesso múltiplo Verificar na camada de enlace do modelo OSI os principais mecanismos de detecção e correção de

Leia mais

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes;

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes; 2.3 A CAMADA DE REDE Fornece serviços para o nível de transporte, sendo, freqüentemente, a interface entre a rede do cliente e a empresa de transporte de dados (p.ex. Embratel). Sua principal função é

Leia mais

AULA 04 CONCEITOS DA CAMADA 02 PARTE 02

AULA 04 CONCEITOS DA CAMADA 02 PARTE 02 AULA 04 CONCEITOS DA CAMADA 02 PARTE 02 UNICAST Um endereço MAC unicast (ponto-a-ponto) é o endereço exclusivo utilizado quando um quadro é enviado de um único dispositivo transmissor para um único dispositivo

Leia mais

Subcamada MAC. O Controle de Acesso ao Meio

Subcamada MAC. O Controle de Acesso ao Meio Subcamada MAC O Controle de Acesso ao Meio Métodos de Acesso ao Meio As implementações mais correntes de redes locais utilizam um meio de transmissão que é compartilhado por todos os nós. Quando um nó

Leia mais

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs UERJ-FEN-DETEL Técnicas de Acesso Múltiplo na Comunicação sem Fio Vários esquemas de acesso múltiplo tem sido utilizados para permitir que vários

Leia mais

Capítulo 4: Camada de rede

Capítulo 4: Camada de rede Capítulo 4: Camada de Objetivos do capítulo: entender os princípios por trás dos serviços da camada de : modelos de serviço da camada de repasse versus roteamento como funciona um roteador roteamento (seleção

Leia mais

TÉCNICAS DE ACESSO PARA SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO MÓVEL

TÉCNICAS DE ACESSO PARA SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO MÓVEL TÉCNICAS DE ACESSO PARA SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO MÓVEL Prof. Doutor Félix Singo Introdução Comunicações Móveis Para quê técnicas de acesso? Permitir o compartilhamento de uma determinada faixa de rádio

Leia mais

Redes de Computadores 1

Redes de Computadores 1 Redes de Computadores 1 Prof. Miguel Elias Mitre Campista http://www.gta.ufrj.br/~miguel Parte IV Camada de Enlace: Protocolos de Comunicação Camada de Enlace Relembrando... Tipos diferentes de canais

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada Física Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Setembro de 2011 1 / 32 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

Modelagem Analítica. Profa. Jussara M. Almeida 1 o Semestre de 2011

Modelagem Analítica. Profa. Jussara M. Almeida 1 o Semestre de 2011 Modelagem Analítica Profa. Jussara M. Almeida 1 o Semestre de 2011 Modelagem Analítica Um modelo é uma abstração de um sistema que captura, dentre os inúmeros detalhes do sistema, aqueles que são essenciais

Leia mais

Multiplexação por Divisão de Tempo UNIP. Renê Furtado Felix.

Multiplexação por Divisão de Tempo UNIP. Renê Furtado Felix. Multiplexação por Divisão de Tempo UNIP rffelix70@yahoo.com.br Comunicação Serial Como funciona a comunicação serial? Você sabe que a maioria dos PCs têm portas seriais e paralelas. Você também sabe que

Leia mais

Modelos Probabilísticos Teóricos Discretos e Contínuos. Bernoulli, Binomial, Poisson, Uniforme, Exponencial, Normal

Modelos Probabilísticos Teóricos Discretos e Contínuos. Bernoulli, Binomial, Poisson, Uniforme, Exponencial, Normal Modelos Probabilísticos Teóricos Discretos e Contínuos Bernoulli, Binomial, Poisson, Uniforme, Exponencial, Normal Distribuição de Probabilidades A distribuição de probabilidades de uma variável aleatória:

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2009/1 v2-2009.03.11 Histórico Anos 50-60 Computadores Grandes Porte Sistemas Batch Anos 60-70 Time-sharing

Leia mais

Redes de comunicação. Mod 2 Redes de computadores. Professor: Rafael Henriques

Redes de comunicação. Mod 2 Redes de computadores. Professor: Rafael Henriques Redes de comunicação Mod 2 Redes de computadores 1 Professor: Rafael Henriques Apresentação 2 Professor: Rafael Henriques Introdução às redes de computadores; Tipos de rede; Diagramas de encaminhamento;

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REDES DE COMUNICAÇÕES

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REDES DE COMUNICAÇÕES 1 a. Lista Redes de Comunicações I pg. 1/5 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REDES DE COMUNICAÇÕES 1 Prof. Flávio Alencar 1 a. LISTA (Assuntos: Filas, probabilidade e estatística aplicada a redes

Leia mais

Redes de Computadores. Técnico em Informática - Integrado Prof. Bruno C. Vani

Redes de Computadores. Técnico em Informática - Integrado Prof. Bruno C. Vani Redes de Computadores Técnico em Informática - Integrado Prof. Bruno C. Vani Internet: aplicações diversas tostadeira Porta-retratos TV a cabo Refrigerador telefones Visão geral da Internet: PC servidor

Leia mais

Tecnologias de rede. Diversas tecnologias com características diferentes Exemplos. Ethernet FDDI ATM

Tecnologias de rede. Diversas tecnologias com características diferentes Exemplos. Ethernet FDDI ATM Tecnologias de rede Diversas tecnologias com características diferentes Exemplos Ethernet FDDI ATM Ethernet Vários tipos se diferenciam na camada física em função do tipo de cabo, da codificação e do uso

Leia mais

AULA 5 - REDES SEM FIO. Prof. Pedro Braconnot Velloso

AULA 5 - REDES SEM FIO. Prof. Pedro Braconnot Velloso AULA 5 - REDES SEM FIO Prof. Pedro Braconnot Velloso Redes sem fio Vantagens baixo custo de instalação mobilidade acesso ubíquo Desvantagens Baixa taxa de transmissão menor eficiência questões de segurança

Leia mais

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede Nível de Enlace Enlace: caminho lógico entre estações. Permite comunicação eficiente e confiável entre dois computadores. Funções: fornecer uma interface de serviço à camada de rede; determinar como os

Leia mais

Introdução a Redes de Computadores. Elementos de Interconexão

Introdução a Redes de Computadores. Elementos de Interconexão Introdução a Redes de Computadores Elementos de Interconexão Objetivo! Conhecer os diferentes equipamentos de rede existentes.! Entender quais camadas do modelo de referência na qual cada um destes equipamentos

Leia mais

Avaliação Quantitativa de Sistemas

Avaliação Quantitativa de Sistemas Avaliação Quantitativa de Sistemas Contexto A Avaliação Quantitativa de Sistemas permite a avaliação de sistemas antes mesmo da sua implementação física. Dessa forma, é possível avaliar um sistema projetado

Leia mais

ARQUITETURA FDDI P E D R O M O N T E I R O N º 14 G P S I

ARQUITETURA FDDI P E D R O M O N T E I R O N º 14 G P S I ARQUITETURA FDDI P E D R O M O N T E I R O N º 14 G P S I O QUE É A ARQUITETURA FDDI? FDDI é um padrão designado pela ANSI (National Standards Institute) comité X3T9.5 com a participação de várias empresas

Leia mais

Transmissão da Informação: Multiplexação TDM

Transmissão da Informação: Multiplexação TDM Volnys B. Bernal (c) 1 Transmissão da Informação: Multiplexação TDM Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Volnys B. Bernal (c) 2 Agenda Multiplexação no Tempo TDM Síncrono

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Camada física. Padrões. Equipamentos de rede. Camada de enlace. Serviços. Equipamentos de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA

REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA CENTRO FEDERAL DE ENSINO TECNOLÓGICO DE SANTA CATARINA UNADE DESCENTRALIZADA DE SÃO JOSÉ NÚCLEO DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA CAPÍTULO 2 Conceitos em Comunicação de Dados

Leia mais

Arquitetura de Redes de Computadores - aula 2

Arquitetura de Redes de Computadores - aula 2 Roteiro Arquitetura de s de Computadores - aula 2 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade Roteiro 1 2 Conceitos Pilha Vantagens 3 Conceitos Gerais Figura 4 5 Roteiro Objetivos Apresentar o conceito

Leia mais

TE802 Processos Estocásticos em Engenharia. Valores Esperados de Somas de Variáveis Aleatórias Notes. PDF da Soma de Duas Variáveis Aleatórias.

TE802 Processos Estocásticos em Engenharia. Valores Esperados de Somas de Variáveis Aleatórias Notes. PDF da Soma de Duas Variáveis Aleatórias. TE802 Processos Estocásticos em Engenharia Somas de Variáveis Aleatórias 25 de abril de 2016 Valores Esperados de Somas de Variáveis Aleatórias Seja W n = X 1 + + X n, E[W n ] = E[X 1 ] + E[X 2 ] + + E[X

Leia mais

Fragmentos das máquinas de estados finitos do RDT 2.2 (fonte: Kurose)

Fragmentos das máquinas de estados finitos do RDT 2.2 (fonte: Kurose) RDT 2.2 Não usa NACK Destinatário deve incluir o número de sequência do pacote que está sendo reconhecido Remetente deve verificar o número de sequência do pacote que está sendo reconhecido ACKs duplicados

Leia mais

Redes de Computadores. Redes de Computadores

Redes de Computadores. Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Camada Lógica 1 Camada Rede - Revisão Serviços da camada de rede Circuitos virtuais Datagramas Funcionamento de um encaminhador ( router ) Camada de rede na

Leia mais

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo.

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. 1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. Endereço de Destino = Endereço MAC de destino Endereço de Origem = Endereço MAC de origem Campo

Leia mais

1 O canal de comunicação radiomóvel

1 O canal de comunicação radiomóvel 1 O canal de comunicação radiomóvel O projeto de sistemas de comunicações sem fio confiáveis e de alta taxa de transmissão continua sendo um grande desafio em função das próprias características do canal

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações. Aula 14 Introdução aopadrão

Redes de Computadores e Aplicações. Aula 14 Introdução aopadrão Prof. Diego Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 14 Introdução aopadrão

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Transporte Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais UFMG/DCC Redes de Computadores

Leia mais

Modulação. Modulação e Codificação. Modulação. Modulação. Técnicas de Modulação

Modulação. Modulação e Codificação. Modulação. Modulação. Técnicas de Modulação Modulação e Codificação Modulação Dados analógicos Sinais analógicos Dados digitais Sinais analógicos Codificação Dados analógicos Sinais digitais Dados digitais Sinais digitais Modulação Processo pelo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 5 Camada de Enlace e Redes Locais Prof. Jó Ueyama Junho/2013 slide 1 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Modelo Internet Aplicação: suporta as aplicações

Leia mais

1 Técnicas de Seleção de Antenas Transmissoras

1 Técnicas de Seleção de Antenas Transmissoras 1 Técnicas de Seleção de Antenas Transmissoras Como visto em aulas anteriores, para se atingir uma ordem de diversidade espacial maior é necessário o emprego de múltiplas antenas no transmissor e/ou no

Leia mais

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações.

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Topologia em estrela A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Como esta estação tem a responsabilidade de controlar

Leia mais

Lista de Exercícios 01 Telefonia Celular

Lista de Exercícios 01 Telefonia Celular Lista de Exercícios 01 Telefonia Celular Bloco A Questões básicas retiradas de (GOMES e MACHADO, 2011) e (BERGAMO, 2014) 1) Se um total de 33 MHz de largura de banda é alocado para um sistema de telefonia

Leia mais

Redes Ethernet: Camada Física e de Ligação

Redes Ethernet: Camada Física e de Ligação Redes Ethernet: Camada Física e de Ligação Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Redes de Computadores Ethernet Placas

Leia mais

REDES ETHERNET. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Redes de Comunicação 10º Ano

REDES ETHERNET. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Redes de Comunicação 10º Ano REDES ETHERNET Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Redes de Comunicação 10º Ano Nome: Carina Sofia Ferreira Carvalho 2013/2014 ÍNDICE Introdução... 2 Arquitetura

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO REDES DE COMPUTADORES EDGARD JAMHOUR. Segundo Bimestre

EXERCÍCIOS DE REVISÃO REDES DE COMPUTADORES EDGARD JAMHOUR. Segundo Bimestre EXERCÍCIOS E REVISÃO REES E COMPUTAORES EGAR JAMHOUR Segundo Bimestre Exercício 1. Considere o cenário abaixo supondo que o switch 1 é o root 1 100M 4 4b 6a 6 1a 1b 100M 1G 2a 3a 2 3 2b 2c 3b 4a 1G 1G

Leia mais

Palestra sobre Wireless

Palestra sobre Wireless Palestra sobre Wireless LUIZ HENRIQUE COLETTO e-mail: henrique@cirp.usp.br Seção Técnica de Manutenção Apresentação Os avanços da comunicação nos últimos anos, possibilitaram o surgimento de várias tecnologias,

Leia mais

Introdução as Redes de Computadores Transparências baseadas no livro Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet James Kurose e Keith Ross Redes de Computadores A. Tanenbaum e Prof.

Leia mais

SUMÁRIO FUNDAMENTOS E VISÃO GERAL 19 CAPÍTULO 1 PROCESSOS ALEATÓRIOS 49

SUMÁRIO FUNDAMENTOS E VISÃO GERAL 19 CAPÍTULO 1 PROCESSOS ALEATÓRIOS 49 SUMÁRIO FUNDAMENTOS E VISÃO GERAL 19 1. O processo de comunicação 19 2. Principais recursos de comunicação 21 3. Fontes de informação 21 4. Redes de comunicação 27 5. Canais de comunicação 33 6. Processo

Leia mais

Sincronização de relógio para servidores do acesso de rede do AS5xxx

Sincronização de relógio para servidores do acesso de rede do AS5xxx Sincronização de relógio para servidores do acesso de rede do AS5xxx Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Informações de Apoio Exemplo 1: NAS não-sincronizado a

Leia mais

Reduzindo os Efeitos do Bufferbloat sobre Multi-Caminhos em Redes Sem Fio Heterogêneas

Reduzindo os Efeitos do Bufferbloat sobre Multi-Caminhos em Redes Sem Fio Heterogêneas Reduzindo os Efeitos do Bufferbloat sobre Multi-Caminhos em Redes Sem Fio Heterogêneas XXXIV Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos (SBRC2016) Benevid Felix, Aldri Santos,

Leia mais

Redes Satélites.

Redes Satélites. angela@cba.inpe.br hermann@cba.inpe.br Breve Histórico 1. Idéia original de Arthur C. Clarke: : colocação em órbita de 3 repetidores separados a 120 o sob a linha do equador a 36000 km de altitude (Geo(

Leia mais

CCT0023 INFRAESTRUTURA DE REDES DE COMPUTADORES Aula 9: Equipamentos Rede / Topologia Hierárquica

CCT0023 INFRAESTRUTURA DE REDES DE COMPUTADORES Aula 9: Equipamentos Rede / Topologia Hierárquica CCT0023 Aula 9: Equipamentos Rede / Topologia Hierárquica Placa de rede Placa de rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de rede gera os bits de um quadro no sentido

Leia mais