DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA WEB PARA CÁLCULO E MONITORAMENTO DE INDICADORES DE QUALIDADE HOSPITALAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA WEB PARA CÁLCULO E MONITORAMENTO DE INDICADORES DE QUALIDADE HOSPITALAR"

Transcrição

1 DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA WEB PARA CÁLCULO E MONITORAMENTO DE INDICADORES DE QUALIDADE HOSPITALAR Thiago Fernandes de Freitas Dias 1,2, Julio César Botelho de Souza 2,3, Hugo Cesar Pessotti 2, Milton Roberto Laprega 2, Domingos Alves 2 1 Programa de Pós Graduação Interunidades em Bioengenharia, Universidade de São Paulo (USP), Brasil 2 Departamento de Medicina Social (DMS), Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), Universidade de São Paulo (USP), Brasil 3 Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo (USP), Brasil Resumo: A utilização de indicadores de qualidade hospitalar de forma sistemática e inteligente possui pouca abrangência e tradição entre os hospitais brasileiros. Partindo-se deste pressuposto propomos o desenvolvimento de uma ferramenta baseada na web para o cálculo e monitoramento de indicadores de qualidade hospitalar. O desenvolvimento da ferramenta foi baseado em um subconjunto dos Inpatient Quality indicators da Agency for Healthcare Research and Quality. Além deste subconjunto, analisamos outros indicadores comumente utilizados pelas agências brasileiras, tais como a Rede Interagencial para Estudos em Saúde. Esta ferramenta compõe um portal web de conteúdo em saúde do Observatório Regional de Atenção Hospitalar, que disponibiliza informações e ferramentas sobre a situação da assistência hospitalar da região de Ribeirão Preto. Os objetivos idealizados para as ferramentas desenvolvidas foram atingidos de maneira satisfatória, resultando em uma maior simplicidade para o cálculo e monitoramento dos indicadores de qualidade hospitalar definidos. Palavras-chave: indicadores de gestão, indicadores de qualidade em assistência à saúde, sistemas de informação. Abstract: The utilization of inpatient quality indicators in a systematic and intelligent way has a small coverage and tradition among Brazilians hospitals. Based on this assumption we propose the development of a web-based tool for calculating and monitoring of patient quality indicators. The development of the tool was based on a subset of the Inpatient Quality Indicators of the Agency for Healthcare Research and Quality. Besides this subset, we analyzed other indicators commonly used by Brazilian agencies, such as the Interagency Network for Studies in Health. This tool composes a health based web content portal of the Regional Observatory of Hospital Care, which provides information and tools on the situation of hospital care in the region of Ribeirão Preto. Conclusions: The objectives were developed to the developed tools have been met satisfactorily, resulting in greater simplicity for calculation and monitoring of hospital quality indicators defined. Keywords: managment indicators, healthcare quality indicators, information systems. Introdução A criação do Observatório Regional de Atenção Hospitalar (ORAH) 1 no ano de 2009, pelo Departamento Regional de Saúde da Região de Ribeirão Preto (DRS-XIII) apoiado pela Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo (SES-SP), em parceria com o Departamento de Medicina Social (DMS) da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP), com o objetivo de estudo, analise e divulgação dos dados gerados pelos hospitais da região de Ribeirão Preto, trouxe a necessidade da criação de um portal web de conteúdo contendo informações sobre a atenção hospitalar desta região, incluindo ferramentas para análise e exploração dos dados. Apoiado no antigo Centro de Processamento de Dados Hospitalares (CPDH) 2 do DMS da FMRP-USP, o ORAH passou a gerenciar e analisar os dados deste centro, provindos de diversos hospitais parceiros na região de Ribeirão Preto. Estes dados são coletados a partir da Folha de Alta 2, instrumento este criado pelo CPDH, com o intuito de registrar o resumo sobre as internações. A Folha de Alta é composta por trinta e três atributos que devem ser preenchidos no momento da 1

2 liberação de um paciente, estes atributos englobam informações sobre diagnósticos, procedimentos realizados, idade, sexo, categoria da internação, condição de saída do paciente, entre outros. Os dados administrativos coletados e gerenciados pelo ORAH podem ser utilizados para construir um retrato da qualidade dos cuidados médicos prestados pelos hospitais. O estudo destes dados através de indicadores hospitalares representam um ferramental poderoso para a análise de desempenho, uma vez que será possível realizar o Benchmarking 3 entre os hospitais parceiros avaliando o desempenho relativo das instituições, buscando sempre os melhores resultados para garantir uma melhoria na prestação de assistência à saúde 4. Além do mais, os indicadores podem ser utilizados em processos de Acreditação Hospitalar e de Certificação 5. Os indicadores alvo deste desenvolvimento, representam um subconjunto dos indicadores de qualidade hospitalar (Inpatient Quality Indicators IQI) 6 da Agency for Healthcare Research and Quality (AHRQ) 7, já explorados na literatura e utilizados pelo Sistema de Avaliação dos Hospitais de Ensino do Estado de São Paulo (SAHE) 8, e também alguns outros indicadores que compõem a matriz de indicadores da RIPSA 9. A matriz de indicadores definida envolve quarenta indicadores, separados por indicadores de mortalidade, morbidade, utilização, volume e outros indicadores. A lista completa destes indicadores é apresentada a seguir: 1) Indicadores de Mortalidade: a) Taxa de Mortalidade Institucional; b) Taxa de Mortalidade Operatória; c) Taxa de Mortalidade por Grupo de Causas; d) Taxa de Mortalidade por Especialidade; e) Taxa de Mortalidade por Causas Externas; f) Taxa de Mortalidade por Infarto Agudo do Miocárdio (IAM); g) Taxa de Mortalidade por Insuficiência Cardíaca Congestiva (ICC); h) Taxa de Mortalidade por Acidente Vascular Encefálico (AVE); i) Taxa de Mortalidade por Hemorragia Digestiva; j) Taxa de Mortalidade por Fratura de Quadril; k) Taxa de Mortalidade por Pneumonia; l) Taxa de Mortalidade por Cirurgia de Resseção Esofágica; m) Taxa de Mortalidade por Cirurgia de Ressecção Pancreática; n) Taxa de Mortalidade por Cirurgia de Reparo de Aneurisma de Aorta Abdominal; o) Taxa de Mortalidade por Cirurgia de Revascularização Miocárdica; p) Taxa de Mortalidade por Angioplastias Coronarianas Transluminais Percutâneas; q) Taxa de Mortalidade por Endarterectomia de Carótida; r) Taxa de Mortalidade por Craniotomia; e s) Taxa de Mortalidade por Cirurgia de Prótese de Quadril. 2) Indicadores de Morbidade: a) Proporção de internações hospitalares por grupos de causas; b) Proporção de internações hospitalares por especialidade; c) Proporção de internações hospitalares por causas externas; e) Proporção de Internações por Insuficiência Cardíaca Congestiva (ICC); f) Proporção de Internações por Infarto Agudo do Miocárdio (IAM); g) Proporção de Internações por Acidente Vascular Encefálico (AVC); h) Proporção de Internações por Complicações de Diabetes Mellitus; i) Proporção de internações por Infecção Respiratória Aguda em menores de 5 anos de idade; j) Proporção de internações por Doença Diarréica Aguda em menores de 5 anos de idade; e k) Proporção de internação hospitalar em pessoas idosas por fratura de fêmur. 3) Indicadores de Utilização: a) Taxa de Partos Cesáreos; e b) Taxa de Colecistectomias Laparoscópicas. 4) Indicadores de Volume: a) Volume de Cirurgias de Ressecção Esofágica; b) Volume de Cirurgias de Ressecção Pancreática; c) Volume de Cirurgias de Reparo de Aneurisma de Aorta Abdominal; d) Volume de Cirurgias de Revascularização Miocárdica; e) Volume de Angioplastias Coronarianas Transluminais Percutâneas; e f)volume de Endarterectomia de Carótida. 5) Outros Indicadores: a) Taxa de Ocupação Hospitalar; b) Índice de Renovação; e c) Média de Permanência. Dado este contexto, propomos o desenvolvimento de uma ferramenta para o cálculo automático e acompanhamento destes indicadores. Segundo a RIPSA, É desejável que os indicadores possam ser analisados e interpretados com facilidade, e que sejam compreensíveis pelos usuários da informação, especialmente gerentes, gestores e os que atuam no controle social do sistema de saúde. 9. Para tanto a ferramenta contará com módulos para cada categoria de indicadores, apresentando filtros específicos para realizar as consultas, possibilitando grande desagregação dos dados na busca, admitindo uma melhor e mais detalhada análise dos indicadores. Permitindo desta forma a extração 2

3 de conhecimento dos dados das internações hospitalares, garantindo a melhoria da qualidade de gestão dos hospitais, agilizando processos de tomada de decisão Métodos A Ferramenta de Indicadores Hospitalares proposta neste trabalho, foi desenvolvida utilizando-se a tecnologia JavaEE 10, integrada ao gerenciador de base de dados PostgreSQL 11, através da API Java Database Connectivity (JDBC) 12 e do PostgreSQL JDBC Driver 13. A ferramenta roda sobre o servidor web Apache Tomcat Server v6.0 14, baseada em um sistema desktop desenvolvido anteriormente 15,16. O ponto principal no foi a extensa análise da base de dados do ORAH para garantir e permitir consultas sobre os indicadores com diferentes combinações de filtros de busca. Os filtros foram definidos permitindo a desagregação espacial (buscas em toda a região, em microrregiões, em municípios ou um hospital em particular) e temporal dos dados, além de permitir consultas considerando apenas a afecção principal (motivo da internação), como permitir consultas nas causa secundárias à internação. Outro ponto explorado pelos filtros desenvolvidos, é a possibilidade de consultar os indicadores de acordo com a fonte de admissão, ou seja, é possível realizar buscas apenas nas internações, cuja fonte pagadora é pública, privada, ou ambas as fontes. Resultados Na Figura 1 apresentaremos a página inicial do portal ORAH, com a ferramenta de Indicadores Hospitalares selecionada. Podemos observar também nesta figura outras ferramentas já desenvolvidas na portal, tais como a Ferramenta de Fluxo 17, de Perfis Nosológicos 18 e Procedimentos 18. Figura 1: Portal web ORAH Acessando a ferramenta de Indicadores Hospitalares, os usuários podem selecionar qual indicador desejam consultar e a combinação de filtros que acharem pertinentes. Estas configurações de busca são realizadas em um menu à esquerda da ferramenta, e os resultados são apresentados em formato tabular à direita. 3

4 Figura 2: Detalhamento dos filtros da ferramenta Como podemos observar na Figura 2 foram destacadas as opções de filtros disponíveis ao usuário: 1) menu com as categorias de indicadores; 2) seleção do ano da internação a ser consultada; 3) filtro espacial, ou seja, pode-se selecionar tanto toda a região de Ribeirão Preto, como uma busca mais refinada selecionando apenas um hospital em particular, passando pela microrregiões e municípios; 4) categoria de internação, SUS, não-sus ou ambas fontes pagadoras; 5) seleção da quantidade de diagnósticos presentes na busca, apenas primário ou demais diagnósticos secundários; e 6) representa o botão que dispara a consulta do indicador. Em 7) destacamos os opções dos indicadores que podem ser selecionados, assim que expandimos os botões de 1). Estamos considerando ferramentas de BI (Business Intelligence) 19 para melhor visualização e análise das informações obtidas. Através destas ferramentas de BI, combinadas com a ferramenta proposta, podemos exibir informações de cálculos diversos que proveem o monitoramento dos indicadores considerados para todos os hospitais da região de Ribeirão Preto. Como exemplo desta combinação, na Figura 3, nós apresentamos os resultados de um exemplo de consulta referente à Taxa de Mortalidade Institucional, consultada para todos os hospitais da região de Ribeirão Preto, considerando ambas as categorias de admissão, para o ano de As cores de fundo representam a variação do indicador em relação à média das medidas obtidas para os hospitais considerados, oriundos da região de Ribeirão Preto. Esta associação pode ser interpretada pela legenda presente na Figura 4. 4

5 Figura 3: Exemplo de consulta para o indicador Taxa de Mortalidade Institucional Conclusão Figura 4: Associação entre as cores de fundo da tabela e a taxa de variação com a média Podemos concluir que a ferramenta de Indicadores Hospitalares proposta, realiza sua função de maneira robusta e eficiente, tornando simplificado o cálculo e monitoramento dos indicadores definidos até o momento. Esta ferramenta representa ganhos promissores na gestão e acompanhamento dos cuidados de saúde realizados por hospitais, uma vez que estes indicadores podem ser gerados e monitorados periodicamente. Além do mais, a ferramenta e o conjunto de indicadores definidos, tem o objetivo de sinalizar aos gestores e administradores, possíveis deformações na qualidade de seus hospitais, auxiliando nas tomadas de decisões e estabelecimento de políticas de saúde, públicas ou privadas. Em outras palavras, esta ferramenta pode ser combinada com outras ferramentas e métodos tradicionais de análise de qualidade, compondo um novo e promissor paradigma de acompanhamento da qualidade em instituições de saúde. Este trabalho pode ser considerado como um dos pioneiros no Brasil, sendo que a região de Ribeirão Preto está servindo de laboratório para o desenvolvimento do ORAH, que pretende ser expandido em breve para as demais regiões do Estado de São Paulo, e possivelmente para os demais estados do nosso país. Referências [1] Pessotti HC, Mazzer G, Barbosa Jr F, Chiari NS, Alves D. Portal ORAH: Ferramentas para Exploração de Informações de Internações Hospitalares. Submetido ao XIII Congresso Brasileiro de Informática em Saúde (CBIS), Curitiba, nov [2] Mazzer G, Yazlle Rocha JS, Urushibata ET, Alves D. Sistema Informatizado para o Gerenciamento das Informações de Morbidade e Mortalidade Hospitalar. In: XII Congresso Brasileiro de Informática em Saúde, 2010, Porto de Galinhas, PE. Anais do XII Congresso Brasileiro de Informática em Saúde. Porto de Galinhas, PE,

6 [3] Camp RC, Tweet AG. Benchmarking applied to health care. Jt Comm J Qual Improv. 1994; 20: [4] Cruz DM da. O Benchmarking na melhoria dos cuidados da saúde. Revistata Referência no. 8, Maio de [5] Sociedade Médica Paulista de Administração em Saúde [Internet]. Compromisso com a Qualidade Hospitalar (CQH). c2006 [citado em 23 de Maio de 2012]. Disponível em: [6] AHRQ Quality Indicators. Guide to Inpatient Quality Indicators: Quality of Care in Hospitals Volume, Mortality and Utilization. Rockville, MD: Agency for Healthcare Research and Quality, [7] Agency for Healthcare Research and Quality [Internet]. AHRQ. [cited 2012 May 23]. Available from: [8] Bittar OJNV, Magalhães A. Hospitais de ensino no Estado de São Paulo: seis anos de acompanhamento. RAS. Revista de Administração em Saúde, v. 12, p , [9] Rede Interagencial de Informações para a Saúde (RIPSA). Indicadores Básicos de Saúde no Brasil: conceitos e aplicações. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, [10] Oracle [Internet]. Java Enterprise Edition. [cited 2012 May 23]. Available from: [11] PostgreSQL Global Development Group [Internet]. PostgreSQL. c [cited 2012 May 23]. Available from: [12] Oracle [Internet]. JDBC API. [cited 2012 May 23]. Available from: [13] PostgreSQL [Internet]. PostgreSQL JDBC Driver. [cited 2012 May 23]. Available from: [14] The Apache Software Foundation [Internet]. Apache Tomcat. c [cited 2012 May 23]. Available from: [15] Dias TFF, Almeida AT, Mazzer G, Murari ML, Souza FS, Alves D. Desenvolvimento de um Sistema Informatizado de Análise e Monitoramento de Indicadores de Qualidade Hospitalar - IntegraIQI. In: XII Congresso Brasileiro de Informática em Saúde, 2010, Porto de Galinhas, PE. Anais do XII Congresso Brasileiro de Informática em Saúde. Porto de Galinhas, PE, [16] Dias TFF. Desenvolvimento de um Sistema Informatizado para Visualização e Análise de Indicadores de Qualidade Hospitalar [monografia]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto e Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeiraão Preto; [17] Barbosa Jr F, Pessotti HC, Mazzer G, Chiari NS, Alves D. Ferramenta de Perfil Nosológico e Subsídios para a Construção de Mapas Regionais da Saúde. Submetido ao XIII Congresso Brasileiro de Informática em Saúde, Curitiba, nov [18] Fukuoka TS, Pessotti HC, Mazzer G, Alves D. Ferramenta de Análise de Fluxos Hospitalares. Submetido ao XIII Congresso Brasileiro de Informática em Saúde (CBIS). Curitiba nov [19] BARBIERI, C. Introdução ao Conceito de BI (Business Intelligence). BI Business Intellience Modelagem & Tecnologia. Rio de Janeiro: Axcel Books do Brasil Editora, Contato Thiago Fernandes de Freitas Dias 6

Taxa de mortalidade cirúrgica

Taxa de mortalidade cirúrgica Taxa de mortalidade cirúrgica V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-EFT-03 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição de Termos utilizados

Leia mais

TITULO: TEMPO DE PERMANÊNCIA E MORTALIDADE HOSPITALAR COMPARAÇÃO ENTRE HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS

TITULO: TEMPO DE PERMANÊNCIA E MORTALIDADE HOSPITALAR COMPARAÇÃO ENTRE HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS TITULO: TEMPO DE PERMANÊNCIA E MORTALIDADE HOSPITALAR COMPARAÇÃO ENTRE HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS Autores: Mônica Martins Departamento de Administração e Planejamento em Saúde, Escola Nacional de Saúde

Leia mais

TOTVS Controle de Infecção Hospitalar Manual Ilustrado - Apoio Gerencial. 11.8x. março de 2015. Versão: 3.0

TOTVS Controle de Infecção Hospitalar Manual Ilustrado - Apoio Gerencial. 11.8x. março de 2015. Versão: 3.0 TOTVS Controle de Infecção Hospitalar Manual Ilustrado - Apoio Gerencial 11.8x março de 2015 Versão: 3.0 1 Sumário 1 Como utilizar esse material em seus estudos?... 4 2 Introdução... 4 3 Relatórios Descritivos...

Leia mais

Manual Ilustrado TOTVS Controle de Infecção Hospitalar Apoio Gerencial

Manual Ilustrado TOTVS Controle de Infecção Hospitalar Apoio Gerencial Manual Ilustrado TOTVS Controle de Infecção Hospitalar Apoio Gerencial Março 2014 Índice Título do documento 1. Como utilizar esse material em seus estudos?... 4 2. Introdução... 4 3. Relatórios Descritivos...

Leia mais

FERRAMENTA DE ANÁLISE DE FLUXOS DE ALTAS HOSPITALARES

FERRAMENTA DE ANÁLISE DE FLUXOS DE ALTAS HOSPITALARES FERRAMENTA DE ANÁLISE DE FLUXOS DE ALTAS HOSPITALARES Thais Sayuri Fukuoka 1,2, Hugo Cesar Pessotti 1, Gilmar Mazzer 1 e Domingos Alves 1 1 Departamento de Medicina Social, Faculdade de Medicina de Ribeirão

Leia mais

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros);

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros); ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PLANO DE AÇÃO REGIONAL DAS LINHAS DE CUIDADO DAS PESSOAS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, COM DIABETES MELLITUS E/OU EXCESSO DE PESO NO CONTEXTO DA REDE DE ATENÇÃO

Leia mais

REDES DE ATENDIMENTO NO ESTADO DE SÃO PAULO

REDES DE ATENDIMENTO NO ESTADO DE SÃO PAULO REDES DE ATENDIMENTO NO ESTADO DE SÃO PAULO SANTA CASA SUSTENTÁVEL wpollara@saude.sp.gov.br 3% 97% Km 2 21% Estado de São Paulo 79% BRASIL 33% 67% $ São Paulo 44% da Alta Complexidade Do Brasil + 8.514.876

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE GERENCIANDO OS NÍVEIS DE SERVIÇO DE LOGÍSTICA HOSPITALAR NO HU

BUSINESS INTELLIGENCE GERENCIANDO OS NÍVEIS DE SERVIÇO DE LOGÍSTICA HOSPITALAR NO HU BUSINESS INTELLIGENCE GERENCIANDO OS NÍVEIS DE SERVIÇO DE LOGÍSTICA HOSPITALAR NO HU Stanley Galvão 1, Cláudia Miranda 2, Alexandre Miguel 3 e Malu Habib 4 1 Departamento de Informática do HU, São Paulo,

Leia mais

Ouvidoria Digital na Atenção Básica em Saúde

Ouvidoria Digital na Atenção Básica em Saúde Sessão #54 Sala Porto de Galinhas 2 22/10 Ouvidoria Digital na Atenção Básica em Saúde Ricardo G Costa 1,2, Julie A Todesco 1,2, Poliana Cerqueira Pereira 3, Paulo Mazzoncini Marques Azevedo 2, Domingos

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

CIH01. Comunicação de Internação Hospitar. Manual de Instalação e Administração. Versão do produto: 4.0.1.1. Edição do documento: 1.

CIH01. Comunicação de Internação Hospitar. Manual de Instalação e Administração. Versão do produto: 4.0.1.1. Edição do documento: 1. CIH01 Comunicação de Internação Hospitar Manual de Instalação e Administração Versão do produto: 4.0.1.1 Edição do documento: 1.0 Agosto de 2008 MS - SE - DATASUS CIH01 Comunicação de Internação Hospitar

Leia mais

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS São Paulo - 18 de junho de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Cenário Atual da Qualidade no Setor. Programas de Qualificação dos Prestadores de

Leia mais

BI Gerenciamento e Monitoramento de Informações Processuais

BI Gerenciamento e Monitoramento de Informações Processuais Tribunal de Justiça de Pernambuco Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação BI Gerenciamento e Monitoramento de Informações Processuais Manual do Usuário Recife - 2014 Histórico de Alterações

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

V. CONSIDERAÇÕES FINAIS

V. CONSIDERAÇÕES FINAIS AGENDA I. PERSPECTIVAS DA GESTÃO Trabalhando DA SAÚDE em Redes Cooperativas: Compartilhamento II. ABORDAGENS para DE CUSTEIO SUStentabilidade Case I Apresentação do III. EXPERIÊNCIA DAS SANTAS CASAS DE

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU

BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU Stanley Galvão 1, Cláudia Miranda 2, Cristiano Souza 3 e Liz Yoshihara 4 1 Departamento de Informática do HU, São Paulo, Brasil

Leia mais

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes I International Symposium on Patient Safety and Quality Segurança do Paciente: Cenário Nacional Walter Mendes O que é segurança do paciente? Um fenômeno mundial Índia Portugal EUA Brasil Uma das dimensões

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

TUTORIAL DE USO DO BUSINESS INTELLIGENCE (BI) PARA O HÓRUS-ESPECIALIZADO

TUTORIAL DE USO DO BUSINESS INTELLIGENCE (BI) PARA O HÓRUS-ESPECIALIZADO MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Departamento de Assistência Farmacêutica Coordenação Geral do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica TUTORIAL

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo SISRH

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo SISRH Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo SISRH Sistema de Gestão de Pessoas Versão 2.0a Manual de Operação

Leia mais

Taxa de mortalidade institucional

Taxa de mortalidade institucional Taxa de mortalidade institucional V1.01 Novembro de 2012 1. Sigla E-EFT-02 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição de Termos

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

Gerencie Carteira - PF

Gerencie Carteira - PF Gerencie Carteira - PF Mais negócios para a sua empresa, com melhor resultado e o risco sob controle. Manual do Produto Manual do Produto 1 Índice Produto 02 Meio de acesso 02 Carteira de Clientes Pessoa

Leia mais

Desenvolvimento de Software Livre para a área

Desenvolvimento de Software Livre para a área Desenvolvimento de Software Livre para a área de Saúde Daniel Weingaertner Departamento de Informática UFPR Centro de Computação Científica e Software Livre C3SL Programa de Extensão Conhecendo Padrões

Leia mais

MANUAL DE IMPLEMENTAÇÃO DO MÓDULO NOTA FISCAL ELETRONICA

MANUAL DE IMPLEMENTAÇÃO DO MÓDULO NOTA FISCAL ELETRONICA MANUAL DE IMPLEMENTAÇÃO DO MÓDULO NOTA FISCAL ELETRONICA MARKANTY INFORMÁTICA Sistemas para Automação Comercial Gestão Empresarial e Fábrica de Software (Específicos) Princípios de nossos Profissionais:

Leia mais

Média de Permanência Geral

Média de Permanência Geral Média de Permanência Geral V1.02 Janeiro de 2013 1. Sigla E-EFI-05 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio 2. Nome Média de Permanência Geral 3. Conceituação Representa o tempo médio em dias que os pacientes

Leia mais

GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN 1984 3801)

GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN 1984 3801) GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN 1984 3801) UTILIZAÇÃO DE APLICATIVOS BASE E CALC DO PACOTE BROFFICE.ORG PARA CRIAÇÃO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE PEQUENO PORTE Wílson Luiz Vinci 1 Marcelo Gonçalves

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA SIGPLAN - ELABORAÇÃO DA FASE QUALITATIVA DO PPA 2008-2011

MANUAL DO SISTEMA SIGPLAN - ELABORAÇÃO DA FASE QUALITATIVA DO PPA 2008-2011 MANUAL DO SISTEMA SIGPLAN - ELABORAÇÃO DA FASE QUALITATIVA DO PPA 2008-2011 O trabalho faz a diferença. Manaus, maio de 2007. Manual de Operação do Sistema de Informações Gerenciais e de Planejamento -

Leia mais

Medicina, Ribeirão Preto Revista da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto e do Hospital das Clínicas da FMRP- USP

Medicina, Ribeirão Preto Revista da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto e do Hospital das Clínicas da FMRP- USP Medicina, Ribeirão Preto Revista da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto e do Hospital das Clínicas da FMRP- USP! VOLUME 47 SUPLEMENTO 1 Abril 2014 I WORKSHOP IBERO-AMERICANO DE SISTEMAS INTEROPERÁVEIS

Leia mais

Utilização da plataforma Ning para o desenvolvimento de rede social temática para o agronegócio do leite

Utilização da plataforma Ning para o desenvolvimento de rede social temática para o agronegócio do leite Utilização da plataforma Ning para o desenvolvimento de rede social temática para o agronegócio do leite Leonardo Mariano Gravina Fonseca 1, Myriam Maia Nobre 1, Denis Teixeira da Rocha 1, Elizabeth Nogueira

Leia mais

Bases de Dados em Saúde

Bases de Dados em Saúde Pesquisas e Fontes de Dados Administrativos para o Ciclo de políticas públicas ANIPES Dezembro - 2010 Bases de Dados em Saúde Denise Porto SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE Transição

Leia mais

Papel do Hospital das Clínicas

Papel do Hospital das Clínicas Conquistas e Desafios na Atenção à Saúde Pública em Ribeirão Preto Papel do Hospital das Clínicas Milton Roberto Laprega 22 de maio de 2010 Ensino Pesquisa Assistência à saúde satisfação do paciente 1

Leia mais

MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB

MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB 0 Sumário Introdução... 2 Funcionalidades... 2 Requisitos Necessários... 2 Faturamento Web... 3 Faturamento Simplificado... 4 Faturamento Detalhado... 9 Faturamento

Leia mais

EXPLORANDO TÉCNICAS E RECURSOS DO GERENCIADOR DE DADOS ABERTOS CKAN. TuaneFaria USP tuanefaria@yahoo.com.br

EXPLORANDO TÉCNICAS E RECURSOS DO GERENCIADOR DE DADOS ABERTOS CKAN. TuaneFaria USP tuanefaria@yahoo.com.br EXPLORANDO TÉCNICAS E RECURSOS DO GERENCIADOR DE DADOS ABERTOS CKAN Prof. Dr. José Eduardo Santarem Segundo USP santarem@usp.br TuaneFaria USP tuanefaria@yahoo.com.br Introdução Disponibilizar Dados Disponibilizar

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE DRAGAGEM META 03

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE DRAGAGEM META 03 SISTEMA DE GERENCIAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE DRAGAGEM META 03 Thiago Duarte Mota (Engenheiro, IVIG/COPPE/UFRJ, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Coordenação dos Programas de Pós-Graduação e Pesquisa

Leia mais

Congresso Internacional de Informação em Saúde

Congresso Internacional de Informação em Saúde Congresso Internacional de Informação em Saúde HEPIC Hospital Epidemiologic Control 08 de Maio de 2014 Carlos Cordeiro HEPIC Vigilância Epidemiológica A solução Apoio e suporte à Vigilância Epidemiológica

Leia mais

Alinhamento Prático Ferramenta ARIS Operação Básica

Alinhamento Prático Ferramenta ARIS Operação Básica Alinhamento Prático Ferramenta ARIS Operação Básica AGENDA Ferramenta ARIS Operação do módulo básico ARIS Explorer Estruturação dos componentes Login na base de dados Manipulação de grupos Objetos Conexões

Leia mais

Desenvolvimento de um sistema para gestão de pacientes: o caso da saúde mental

Desenvolvimento de um sistema para gestão de pacientes: o caso da saúde mental Desenvolvimento de um sistema para gestão de pacientes: o caso da saúde mental Vinicius Tohoru Yoshiura 1,2, Saulo da Silva Cordeiro 1,2, Daniel Rufim 1,2, Sueli Aparecida de Castro 3, Domingos Alves 1

Leia mais

Portal dos Convênios - Siconv. Disponibilização de Programas. Manual do Usuário Versão 2

Portal dos Convênios - Siconv. Disponibilização de Programas. Manual do Usuário Versão 2 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios - Siconv Disponibilização de Programas

Leia mais

Programa de Acreditação Internacional. Gestão da Qualidade e Segurança

Programa de Acreditação Internacional. Gestão da Qualidade e Segurança 2012 Programa de Acreditação Internacional Gestão da Qualidade e Segurança Responda rapidamente: Os serviços prestados pela sua instituição têm qualidade e segurança satisfatórias??? Por Quê???? QUALIDADE?

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

GUIA DE USUÁRIO - GU-

GUIA DE USUÁRIO - GU- 1/22 Revisão 00 de 20//12 1. OBJETIVO Orientar o usuário para a pesquisa e visualização detalhada de todas as ordens de compra emitidas, emitir confirmações de aceite, submeter solicitação de alteração,

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

Núcleo de Tecnologia da Informação Arq. Flavio Macedo de Andrade

Núcleo de Tecnologia da Informação Arq. Flavio Macedo de Andrade N T I Núcleo de Tecnologia da Informação Arq. Flavio Macedo de Andrade NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Uma Visão Simplificada das Atividades Um Breve Resumo Histórico Situação da Informação em 1995

Leia mais

Proposição de Indicadores do QUALISS Monitoramento e a Classificação dos Indicadores em Domínios Especificados

Proposição de Indicadores do QUALISS Monitoramento e a Classificação dos Indicadores em Domínios Especificados Proposição de Indicadores do QUALISS Monitoramento e a Classificação dos Indicadores em Domínios Especificados Coordenação: Aluísio Gomes da Silva Júnior, MD. PhD Professor do ISC-UFF Produto 2 BR/CNT/1500509.002

Leia mais

Controle de Almoxarifado

Controle de Almoxarifado Controle de Almoxarifado Introdução O módulo de Controle de Almoxarifado traz as opções para que a empresa efetue os cadastros necessários referentes a ferramentas de almoxarifado, além do controle de

Leia mais

INVENTÁRIO FLORÍSTICO FLORESTAL DE SANTA CATARINA IFFSC www.iff.sc.gov.br SISTEMAS DE INFORMAÇÕES FLORÍSTICO-FLORESTAIS DE SANTA CATARINA SIFFSC

INVENTÁRIO FLORÍSTICO FLORESTAL DE SANTA CATARINA IFFSC www.iff.sc.gov.br SISTEMAS DE INFORMAÇÕES FLORÍSTICO-FLORESTAIS DE SANTA CATARINA SIFFSC INVENTÁRIO FLORÍSTICO FLORESTAL DE SANTA CATARINA IFFSC www.iff.sc.gov.br SISTEMAS DE INFORMAÇÕES FLORÍSTICO-FLORESTAIS DE SANTA CATARINA SIFFSC HISTÓRICO 2001 Resolução CONAMA nº278/2001 2002 - Câmara

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE PARA ACESSO AO BANCO DE DADOS METEOROLÓGICOS DO CPTEC/INPE.

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE PARA ACESSO AO BANCO DE DADOS METEOROLÓGICOS DO CPTEC/INPE. DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE PARA ACESSO AO BANCO DE DADOS METEOROLÓGICOS DO CPTEC/INPE. Bianca Antunes de S. R. Alves 1, Luciana M. C. Mira 2, Ana Paula Tavarez 3, José Alberto Ferreira 4, Luíz Henrique

Leia mais

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS ÍNDICE Apresentação...03 Hospital Universitário Cajuru...04 Estrutura...04 Especialidades Atendidas...05 Diferenças entre atendimento de urgência, emergência e eletivo...06 Protocolo de Atendimento...07

Leia mais

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA. 2.1 Criando Mapas no Excel. 2.2 Utilizando o Mapa

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA. 2.1 Criando Mapas no Excel. 2.2 Utilizando o Mapa PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO Aprender a utilizar mapas, colocar filtros em tabelas e a criar tabelas e gráficos dinâmicos no MS-Excel. Esse roteiro foi escrito inicialmente para o Excel

Leia mais

Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação

Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação Mikael de Souza Fernandes 1, Gustavo Zanini Kantorski 12 mikael@cpd.ufsm.br, gustavoz@cpd.ufsm.br 1 Curso de Sistemas de Informação, Universidade

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL EM AMBIENTE HOSPITALAR

A IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL EM AMBIENTE HOSPITALAR A IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL EM AMBIENTE HOSPITALAR Flávio Osete Gonçalves da Silva, Camila Ramos de Moura Diretoria de Operações e Tecnologia da Informação Instituto do Câncer

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA GESTÃO DE PROJETOS

O DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA GESTÃO DE PROJETOS Hélio Pereira da Rosa Neto Universidade Anhanguera-Uniderp Fernando Conter Universidade Anhanguera-Uniderp O DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA GESTÃO DE PROJETOS RESUMO Este artigo científico tem como

Leia mais

Prêmio Mario Covas 2007 Roteiro de Apresentação do Trabalho

Prêmio Mario Covas 2007 Roteiro de Apresentação do Trabalho Prêmio Mario Covas 2007 Roteiro de Apresentação do Trabalho Identificação Título: Sistema de Gerenciamento do Colegiado da Congregação da FMRP e disponibilização dos documentos via Web. Nome da instituição

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES

SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO UNIVERSITÁRIO DIRETORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES SISTEMA 1ª EDIÇÃO SETEMBRO/2013

Leia mais

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014.

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Ministério da Saúde / Secretaria-Executiva Departamento de Monitoramento

Leia mais

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Dezembro/2012 2 Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Sumário de Informações do Documento Título do Documento: Resumo:

Leia mais

Resumo do Projeto Nacional de Atendimento ao Acidente Vascular Cerebral

Resumo do Projeto Nacional de Atendimento ao Acidente Vascular Cerebral MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA COORDENAÇÃO GERAL DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Resumo do Projeto Nacional de Atendimento ao Acidente Vascular Cerebral

Leia mais

MANUAL DO PRESTADOR WEB

MANUAL DO PRESTADOR WEB MANUAL DO PRESTADOR WEB Sumário 1. Guia de Consulta... 3 2. Guia de Procedimentos Ambulatoriais... 6 3. Guia de Solicitação de Internação... 8 4. Prorrogação de internação... 8 5. Confirmação de pedido

Leia mais

Carestream PACS - Recurso 3D

Carestream PACS - Recurso 3D Carestream PACS Carestream PACS - Recurso 3D Agilize o fluxo de trabalho com a funcionalidade nativa 3D Uma eficiente nova dimensão no fluxo de trabalho, na produtividade e na confiança do diagnóstico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE ESTUDOS SÓCIOAMBIENTAIS LABORATÓRIO DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS E GEOPROCESSAMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE ESTUDOS SÓCIOAMBIENTAIS LABORATÓRIO DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS E GEOPROCESSAMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE ESTUDOS SÓCIOAMBIENTAIS LABORATÓRIO DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS E GEOPROCESSAMENTO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PÁGINA WEB DO LAPIG WANESSA CAMPOS SILVA Goiânia Junho

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

Módulo de Extensão SIGAA. Cadastro de Cursos

Módulo de Extensão SIGAA. Cadastro de Cursos Módulo de Extensão SIGAA Cadastro de Cursos ÍNDICE Instruções gerais Pg. 04 Recomendações Pg. 04 Acessibilidade ao sistema Pg. 04 Acesso ao SIGAA Pg. 04 Acesso ao módulo Pg. 05 Acesso ao tipo de extensão

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI PERFIL TÉCNICO Versão 2.0 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E TELECOMUNICAÇÕES PREFEITURA DE GUARULHOS SP 1 Objetivo: Esse manual tem como objetivo principal instruir os

Leia mais

Informação sobre trânsito como ferramenta de planejamento para a segurança viária: a experiência do anuário de indicadores do Detran-AL.

Informação sobre trânsito como ferramenta de planejamento para a segurança viária: a experiência do anuário de indicadores do Detran-AL. Informação sobre trânsito como ferramenta de planejamento para a segurança viária: a experiência do anuário de indicadores do Detran-AL. Renan Durval Aparecido da Silva¹ 1 Gerente de estudos de acidentes

Leia mais

Manual Operacional SIGA

Manual Operacional SIGA SMS - ATTI Maio -2013 Conteúdo Sumário... 2 PPD -IPD... 3 Adicionar Paciente... 4 Laudo Médico... 6 Avaliação do Enfermeiro... 11 Visita Domiciliar... 14 Dados do Paciente no Programa... 16 Histórico do

Leia mais

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial 1 1. DOTPROJECT O dotproject é um software livre de gerenciamento de projetos, que com um conjunto simples de funcionalidades e características, o tornam um software indicado para implementação da Gestão

Leia mais

MANUAL DO SERVICE DESK SYSTEM

MANUAL DO SERVICE DESK SYSTEM Manual do Sumário Conhecendo o SERVICE DESK SYSTEM... 3 - A tela de Acesso ao sistema:... 3 - A tela do sistema após o acesso(exemplo):... 3 OCORRÊNCIAS... 4 - Abertura de chamados:... 4 - Atendendo um

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

Manual do Prestador. Versão 1.0 Maio/2014. Manaus - Amazonas ANS Nº 38809-2 1

Manual do Prestador. Versão 1.0 Maio/2014. Manaus - Amazonas ANS Nº 38809-2 1 Manual do Prestador Versão 1.0 Maio/2014 Manaus - Amazonas 1 SUMÁRIO Apresentação... 3 1. Identificação do beneficiário...3 2. Atendimento ao beneficiário... 4 2.1. Requisitos para o atendimento... 4 2.2.

Leia mais

MANUAL DO PROGRAMA CSPSNet

MANUAL DO PROGRAMA CSPSNet MANUAL DO PROGRAMA CSPSNet Qualquer dúvida entre em contato: (33)32795093 01 USUÁRIO/CSPSNet O sistema CSPSNet está configurado para funcionar corretamente nos seguintes browsers: Internet Explorer 8.0,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS V PORTAL WEB Revisão: 07 Versão: 7.9.109 JM Soft Informática Março, 2015 SUMÁRIO 1 AVALIAÇÕES... 9 2 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INDIVIDUAL...

Leia mais

Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo

Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo FARMAINFOR Modernização da Farmácia do Hospital Mater Day Documento de Requisitos Versão 2.0 Histórico de Revisão

Leia mais

Indicadores hospitalares

Indicadores hospitalares Indicadores hospitalares Núcleo de Informação em Saúde de- NIS Hospital das Clínicas - FMUSP Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina USP Hospital das Clinicas - FMUSP Complexo hospitalar

Leia mais

Indicadores de Segurança do Paciente

Indicadores de Segurança do Paciente Indicadores de Segurança do Paciente Carla Gouvêa Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IMS/UERJ) Roteiro da Apresentação Características e atributos dos indicadores

Leia mais

Cartão de consulta rápida

Cartão de consulta rápida Web of Science Cartão de consulta rápida ISI WEB OF KNOWLEDGE SM Pesquise mais de 9.200 periódicos em mais de 5 idiomas diferentes nas áreas de ciências, ciências sociais, e artes e humanidades para encontrar

Leia mais

Software para Análise dos Dados Epidemiológicos, Evolução Clínica e Gravidade do Trauma com Expansão para Solicitação de Exames

Software para Análise dos Dados Epidemiológicos, Evolução Clínica e Gravidade do Trauma com Expansão para Solicitação de Exames Software para Análise dos Dados Epidemiológicos, Evolução Clínica e Gravidade do Trauma com Expansão para Solicitação de Exames Eduardo Alexandre Gula 1, Afonso Dinis Costa Passos 2, Gerson Alves Pereira

Leia mais

Avaliação das práticas de cuidado aos hipertensos no Sistema Único de Saúde Brasileiro*

Avaliação das práticas de cuidado aos hipertensos no Sistema Único de Saúde Brasileiro* Avaliação das práticas de cuidado aos hipertensos no Sistema Único de Saúde Brasileiro* Fabiana Floriano, Luis Eugênio de Souza, Madalena de Passos, Breno Amaral, Augusto Conti e Isaac de Matos Jr. *Projeto

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio Abordagem da reestenosee oclusões crônicas coronárias Renato Sanchez Antonio Estudos iniciais de seguimento clínico de pacientes com angina estável demonstraram que o percentual de mortalidade aumentou

Leia mais

Módulo: Indicadores de Saúde. Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr.

Módulo: Indicadores de Saúde. Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr. Módulo: Indicadores de Saúde Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr. Sumário 1. Considerações metodológicas sobre Indicadores de Saúde 2. Organização do Sistema de Saúde no Brasil 3. Principais grupos

Leia mais

Mapas Interativos de Saúde Ambiental: Principais Funções.

Mapas Interativos de Saúde Ambiental: Principais Funções. Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Mapas Interativos de Saúde Ambiental: Principais Funções. 1. Introdução O Mapas

Leia mais

Manual Básico do Usuário. Monitoramento de Iniciativas Estratégicas. Planejamento Estratégico - ANVISA 2010-2020

Manual Básico do Usuário. Monitoramento de Iniciativas Estratégicas. Planejamento Estratégico - ANVISA 2010-2020 Manual Básico do Usuário Monitoramento de Iniciativas Estratégicas Planejamento Estratégico - ANVISA 2010-2020 Brasília DF, Maio de 2015 1 Sumário Planejamento Estratégico Anvisa 2010 a 2020:... 4 Supervisão

Leia mais

A Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais PRODEMGE

A Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais PRODEMGE Belo Horizonte, 06 de Maio de 2010 A Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais PRODEMGE Referente: CONSULTA PÚBLICA PARA CONTRATAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO DE GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE

Leia mais

COMO APLICAR AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INTERFACE E INTEGRAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE DE AUTOMAÇÃO 1

COMO APLICAR AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INTERFACE E INTEGRAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE DE AUTOMAÇÃO 1 COMO APLICAR AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INTERFACE E INTEGRAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE DE AUTOMAÇÃO 1 Wilson Laizo Filho 2 Antônio César de Araújo Freitas 3 Ludmila Rodrigues Fernandes 4 Eduardo do Carmo Silva

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

AISE - Administração Integrada de Sistemas Elotech. MANUAL AISE RECURSOS HUMANOS: Módulo Portal RH Web

AISE - Administração Integrada de Sistemas Elotech. MANUAL AISE RECURSOS HUMANOS: Módulo Portal RH Web AISE - Administração Integrada de Sistemas Elotech. MANUAL AISE RECURSOS HUMANOS: Módulo Portal RH Web Maringá - Paraná Outubro / 2014 AISE - Administração Integrada de Sistemas Elotech. MANUAL AISE RECURSOS

Leia mais

1.1 Objetivo 1 1.2 Características 1

1.1 Objetivo 1 1.2 Características 1 Introdução 1. INTRODUÇÃO 1 1.1 Objetivo 1 1.2 Características 1 2. AUTORIZAÇÃO DE ACESSO A SISTEMA 2 2.1 Endereço WEB do SCPA Módulo Sistema 2 2.2 Pré-requisitos para acesso: 2 2.3 Tela inicial: 3 2.4

Leia mais

Manual do Módulo Almoxarifado Portal do Sistema de Informações para o Ensino da Universidade Federal de Alagoas

Manual do Módulo Almoxarifado Portal do Sistema de Informações para o Ensino da Universidade Federal de Alagoas Manual do Módulo Almoxarifado Portal do Sistema de Informações para o Ensino da Universidade Federal de Alagoas 1 Módulo Almoxarifado Módulo que busca a redução de custos e controla os bens de consumo.

Leia mais

Manual do Painel Administrativo

Manual do Painel Administrativo Manual do Painel Administrativo versão 1.0 Autores César A Miggiolaro Marcos J Lazarin Índice Índice... 2 Figuras... 3 Inicio... 5 Funcionalidades... 7 Analytics... 9 Cidades... 9 Conteúdo... 10 Referência...

Leia mais

Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo

Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo FARMAINFOR Modernização da Farmácia do Hospital Mater Day Documento de Requisitos Versão 1.1 Histórico de Revisão

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE DADOS CLIMÁTICOS NA WEB NO AUXILIO À AGRICULTURA RESUMO SYSTEM CONTROL OF CLIMATIC DATA IN THE WEB TO ASSIST THE AGRICULTURE

SISTEMA DE CONTROLE DE DADOS CLIMÁTICOS NA WEB NO AUXILIO À AGRICULTURA RESUMO SYSTEM CONTROL OF CLIMATIC DATA IN THE WEB TO ASSIST THE AGRICULTURE SISTEMA DE CONTROLE DE DADOS CLIMÁTICOS NA WEB NO AUXILIO À AGRICULTURA CAROLINE VISOTO 1 EDUARDO RUBIN 2 THIAGO X. V. OLIVEIRA 3 WILINGTHON PAVAN 4 JOSÉ MAURÍCIO CUNHA FERNANDES 5 CRISTIANO ROBERTO CERVI

Leia mais

Manual. V e r s ã o i P a d

Manual. V e r s ã o i P a d Manual V e r s ã o i P a d índice I. Introdução II. Procedimentos básicos III. A agenda IV. Clientes V. Prontuário VI. Configurações VII. Medicamentos VIII. Tags IX. Receitas X. Contato I Introdução O

Leia mais

Sistema Gerenciador de Clínica Médica Automatizando a Clínica Cardiomed Implantação

Sistema Gerenciador de Clínica Médica Automatizando a Clínica Cardiomed Implantação Sistema Gerenciador de Clínica Médica Automatizando a Clínica Cardiomed Implantação Acadêmico: Giuliano Márcio Stolf Orientador: Ricardo Alencar de Azambuja Apresentação Clínica médica SI na área da saúde

Leia mais

índice I. Introdução Procedimentos básicos V. Prontuário Configurações VII. Medicamentos VIII. Tags

índice I. Introdução Procedimentos básicos V. Prontuário Configurações VII. Medicamentos VIII. Tags Manual Versão Web índice I. Introdução II. III. IV. Procedimentos básicos A agenda Clientes V. Prontuário VI. Configurações VII. Medicamentos VIII. Tags IX. Contato I Introdução O que é o JustDoctor? O

Leia mais