GOV25 Condições e Obrigações de Associação para Membros Comerciais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GOV25 Condições e Obrigações de Associação para Membros Comerciais"

Transcrição

1 GOV25 Condições e Obrigações de Associação para Membros Comerciais União para o BioComércio Ético Em caso de diferencia com a versão original em Inglês, deve consultar esta ultima.

2 GOV25 Condições e Obrigações de Associação para Membros Comerciais Alterações Adaptação do documento com as modificações no sistema de verificação da UEBT aprovadas no último BoD Aprovação do documento original: BoD Aprovação de modificações de partes do documento original: BoD Aprovação da versão anterior: ED Aprovação da versão atual: BoD ESCOPO O presente documento especifica as Condições e Obrigações que os Membros Comerciais da UEBT devem cumprir. 2. REFERÊNCIAS Para os efeitos deste instrumento, aplicam-se os seguintes documentos de referência: UEBT STD01 Norma de BioComércio Ético UEBT GOV01 Estatuto Social UEBT GOV27 Taxas de Associação para Membros Afiliados e Membros Comerciais UEBT PRO07 Procedimentos de recurso UEBT PRO10 Processo de aplicação de associação para Membros Comerciais UEBT PRO11 Metas de Abastecimento de BioComércio Ético UEBT PRO12 Sistema de Gestão da Biodiversidade UEBT PRO13 Obrigações declaratórias dos Membros Comerciais UEBT PRO14 Não-conformidade de Membros Comerciais com as Condições de Associação UEBT PRO22 Sistema de Monitoramento e Avaliação da UEBT UEBT PRO24 Verificação independente UEBT PRO25 Planos de trabalho de BioComércio Ético UEBT PRO26 Procedimento de Avaliação da Carteira de Ingredientes IPA, na sigla em inglês UEBT PRO30 Procedimento para investigação de denúncias de conduta inconsistente com as práticas de abastecimento ético UEBT POL01 Política de comunicação e declaração para Membros Comerciais Aplica-se a edição mais recente de cada documento, incluindo quaisquer alterações, no caso de referências não datadas. Certifique-se de que você dispõe da versão mais recente consultando a Secretaria da UEBT. 3. DEFINIÇÕES Membros Comerciais: membro que está diretamente envolvido na cadeia de fornecimento de bens e serviços de BioComércio Ético (por exemplo, produtores / cooperativas, empresas processadoras, traders, empresas de fabricação, marcas, consórcios de empresas comerciais, instituições de pesquisa, etc.) 2/5

3 Objetivos de Abastecimento de BioComércio Ético: objetivos específicos voltados ao alinhamento gradual das práticas de abastecimento de recursos naturais dos Membros Comerciais da UEBT com as Condições e Obrigações de Associação à UEBT. Sistema de gestão de biodiversidade: um conjunto de políticas, procedimentos e boas práticas designados para implementar a Norma de BioComércio Ético e Condições e O- brigações de Associação à UEBT no nível da organização membro e suas cadeias de a- bastecimento de ingredientes naturais. (UEBT, 2012) Ingrediente natural: para o propósito das Condições e Obrigações de Associação à U- EBT, é o ingrediente que vem diretamente de plantas ou animais ou que inclui insumos derivados de plantas ou animais, mesmo que esses insumos foram significativamente transformados. 4. OBJETIVO DA ASSOCIAÇÃO 4.1 Os Membros Comerciais se comprometem a implementar a Norma de BioComércio Ético (UEBT STD01 Norma de BioComércio Ético) às políticas e práticas de sua organização que sejam relevantes a todos os ingredientes naturais abastecidos pela organização. No longo prazo, os Membros deverão buscar atingir plena conformidade com a Norma do BioComércio Ético para sua carteira de ingredientes naturais, aplicando uma abordagem gradual baseada na gestão de risco, Condições de associação. 5. CONDIÇÕES DE ASSOCIAÇÃO 5.1 Para se tornar um Membro Comercial, a organização deverá ter sido aprovada pelo Comitê de Associação da UEBT e atender aos Indicadores de Entrada da UEBT mediante comprovação por um Órgão Verificador qualificado pela UEBT (PRO10 Processo de Aplicação como Membro Comercial). 5.2 Os Membros Comerciais deverão cumprir com o Contrato Social e com os Estatutos da UEBT (por ex. diretrizes, procedimentos) (GOV01 Estatuto Social). 5.3 Os Membros Comerciais deverão respeitar as Obrigações de Associação da UEBT conforme definido na seção 6 deste documento. 5.4 Os Membros Comerciais deverão cumprir com os procedimentos da UEBT quando da divulgação de sua condição de Membro da UEBT (POL01 Política de comunicação e declaração para Membros Comerciais). 5.5 Os Membros Comercias deverão informar à UEBT sua receita bruta anual, que servirá de base para calcular a anuidade. 5.6 Os Membros Comerciais deverão pagar a anuidade da UEBT no primeiro trimestre de cada ano civil, conforme definido em GOV27 Taxa de Associação para Membros Afiliados e Membros Comerciais. 5.7 Os Membros Comerciais deverão comprovar um comportamento comercial que se alinhe com o espírito do BioComércio Ético. 5.8 Os Membros Comerciais deverão informar à Secretaria da UEBT os casos em que haja questionamentos quanto às suas práticas de BioComércio Ético ou quanto às práticas de seus fornecedores (PRO30 Procedimento para investigação de denúncias de conduta inconsistente com as práticas de abastecimento ético). 3/5

4 6. OBRIGAÇÕES DOS MEMBROS 6.1 Os Membros Comerciais deverão ter sua Carteira de Ingredientes pré-avaliada antes da primeira auditoria realizada por terceiros conforme definido em PRO26 Procedimento de Avaliação da Carteira de Ingredientes. 6.2 Os Membros Comerciais deverão estar em total conformidade com os Indicadores de Entrada da UEBT, conforme atestado por um Órgão Verificador qualificado pela UEBT. 6.3 Os Membros Comerciais deverão enviar planos de trabalho trienais aprovados pelo Órgão Verificador qualificado, após cada auditoria de terceira parte, conforme detalhado na norma PRO25 Planos de trabalho de BioComércio Ético. 6.4 Os Membros Comerciais deverão periodicamente definir Metas de Abastecimento de BioComércio Ético, aprovados por seus administradores, para atingir a Condição de Membro da UEBT conforme exposto no parágrafo quarto do presente documento e detalhado na norma PRO11 Metas de Abastecimento de BioComércio Ético. 6.4 Os Membros Comerciais deverão estabelecer um Sistema de Gestão de Biodiversidade em um prazo de até três anos após se tornarem membros, conforme detalhado na norma PRO12 Sistema de Gestão da Biodiversidade. 6.5 Os Membros Comerciais deverão finalizar a Avaliação da Carteira de Ingredientes em um prazo de até três anos após se tornarem membros, conforme detalhado na norma PRO26 Processo de Avaliação da Carteira de Ingredientes IPA, na sigla em inglês. 6.6 Os Membros Comerciais deverão divulgar anualmente as Condições e Obrigações de Associação, a implementação do Plano de Trabalho de BioComércio Ético e os Indicadores de Monitoramento e Avaliação da UEBT conforme detalhado na PRO13 Obrigações declaratórias dos Membros Comerciais e PRO22 Sistema de Monitoramento e Avaliação da UEBT. 6.7 Os Membros Comerciais serão auditados por terceiros a cada três anos para avaliar seu grau de conformidade com as Condições e Obrigações de Associação, conforme detalhado na norma PRO24 Verificação Independente. 7. NÃO-CONFORMIDADE 7.1 A condição de Membro poderá ser suspensa pela UEBT em caso de nãoconformidade com as Condições e Obrigações de Associação da UEBT conforme determinado pelos Órgãos Controladores qualificados ou pela Secretaria da UEBT conforme detalhado na norma PRO14 Não-conformidade de Membros Comerciais com as Condições de Associação. 7.2 Membros suspensos perderão seu direito a voto e serão retirados da lista de membros no site da UEBT. 7.3 A condição de Membro poderá ser reconsiderada pela UEBT quando os membros estiverem novamente em conformidade com as Condições e Obrigações de Associação à UEBT. Os Membros Comerciais terão até seis (6) meses para demonstrar novo estado de conformidade nos casos em que a UEBT não especificar prazo distinto. 4/5

5 7.4 O Conselho de Administração da UEBT poderá cancelar a condição de membro caso um Membro Comercial continue a violar as Condições e Obrigações de Associação da UEBT para além dos prazos definidos pela UEBT. 8. CERTIFICADO DE ASSOCIAÇÃO 8.1 A cada ano, a Secretaria da UEBT emite os certificados de associação para os Membros Comerciais que estejam em conformidade com as Condições e Obrigações de Associação. Os Certificados são válidos por um ano e devem ser utilizados de acordo com a diretriz de declaração da UEBT (POL01 Política de comunicação e declaração para Membros Comerciais). 9. CONFIDENCIALIDADE 9.1 A UEBT tratará as informações referentes ao cumprimento das Condições e Obrigações de Associação fornecidas pelos membros como sendo de natureza confidencial, salvo quando se tratar de informações já divulgadas publicamente, contidas em documentos públicos, ou que estejam claramente destacadas para distribuição pública. 10.X RECURSO 10.1 Recursos referentes ao desenvolvimento de normas, concessão de subsídios, decisões sobre condição de membro, decisões de verificação e queixas relativas à U- EBT feitas por membros serão avaliados pela Comissão de Recursos. (PRO07 Procedimento para Recursos) Recursos referentes à definição de normas serão avaliados primeiramente pelo Comitê de Normas (ver PRO06 Procedimento de Normatização) Quaisquer outras questões deverão ser discutidas na primeira Assembléia Geral. 11. INFORMAÇÕES PARA CONTATO Quaisquer dúvidas sobre este documento da União para o BioComércio Ético deverão ser encaminhadas para: Union for Ethical BioTrade Keizersgracht, CX Amsterdam Netherlands Ou para o UNIÃO PARA O BIOCOMÉRCIO ÉTICO A União para o BioComércio Ético é uma associação sem fins lucrativos que promove o Abastecimento com Respeito de ingredientes provenientes da biodiversidade. Seus membros se comprometem a gradualmente assegurar que suas práticas de abastecimento promovam a conservação da biodiversidade, o respeito aos conhecimentos tradicionais e assegurem a repartição equitativa dos benefícios ao longo da cadeia de abastecimento. 5/5

BioComércio Ético «Abastecendo com Respeito»

BioComércio Ético «Abastecendo com Respeito» BioComércio Ético «Abastecendo com Respeito» CNPA- MAPA 24 de Maio de 2013 «Abastecendo com Respeito» Porque focar a biodiversidade? Pela diversidade de organismos vivos que a compreende, incluindo os

Leia mais

Barômetro de Biodiversidade 2012

Barômetro de Biodiversidade 2012 Biodiversidade: um pilar da sustentabilidade Anualmente a UEBT lança o Barômetro de Biodiversidade. Nesta edição, foram oito os países pesquisados: Brasil, França, Alemanha, Índia, Peru, Suíça, Reino Unido

Leia mais

Acesso e Repartição de Benefícios: Entendendo leis nacionais e internacionais

Acesso e Repartição de Benefícios: Entendendo leis nacionais e internacionais Acesso e Repartição de Benefícios: Entendendo leis nacionais e internacionais Com o Protocolo de Nagoya sobre Acesso aos Recursos Genéticos e Repartição Justa e Equitativa de Benefícios decorrentes da

Leia mais

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos.

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos. ANEXO CRITÉRIOS PARA CREDENCIAMENTO, RECONHECIMENTO, EXTENSÃO DE ESCOPO E MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS NO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA Art. 1º Os critérios constantes deste

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU TS01(EC)v09pt PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU 1 Conteúdo 1. ECOCERT: EXPERIÊNCIA EM SERVIÇOS PARA O SETOR DE ORGÂNICOS... 3 2. REGULAMENTOS DA

Leia mais

ISO/IEC 17050-2. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 2: Documentação de apoio

ISO/IEC 17050-2. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 2: Documentação de apoio QSP Informe Reservado Nº 43 Fevereiro/2005 ISO/IEC 17050-2 Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 2: Documentação de apoio Tradução livre especialmente preparada para

Leia mais

Norma Permanente Assunto: Política de Combate à Corrupção Código da Norma: NAD-41 Data da publicação: 01/09/2015

Norma Permanente Assunto: Política de Combate à Corrupção Código da Norma: NAD-41 Data da publicação: 01/09/2015 Página 1 de 7 Resumo: Estabelecer os princípios de combate à corrupção no relacionamento da Organização com os agentes da Administração Pública, seguindo as diretrizes estabelecidas na Lei nº 12.846/13

Leia mais

Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica

Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica Experiência do Brasil e proposta de uso para IG/DO 2º Taller Regional TCP/RLA/3211 Calidad de los alimentos vinculada al origen y las tradiciones

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

Jaguar Mining Inc. Canal de Denúncias. Responsável: Comitê de Auditoria. Política número: 2. Versão: 1

Jaguar Mining Inc. Canal de Denúncias. Responsável: Comitê de Auditoria. Política número: 2. Versão: 1 Jaguar Mining Inc. Canal de Denúncias Responsável: Comitê de Auditoria Política número: 2 Versão: 1 Data de início da vigência: 30 de Setembro de 2007 Índice Aprovações e Histório de Revisões 2 Política

Leia mais

Processo de Certificação PGMQ -TV RSQM-DO-028-04-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO

Processo de Certificação PGMQ -TV RSQM-DO-028-04-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO Processo de Certificação PGMQ -TV O que é OCC? Organismos de Certificação Credenciado (Acreditado) pela CGCRE Conduzem e concedem a certificação de conformidade, com base em normas nacionais, regionais,

Leia mais

Guia nº 1: Sistema de Certificação NOP ECOCERT SA

Guia nº 1: Sistema de Certificação NOP ECOCERT SA Guia nº 1: Sistema de Certificação NOP ECOCERT SA Segundo o regulamento NOP do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) Este guia não substitui o regulamento em vigor. Para conhecer as exigências

Leia mais

O presente Documento de Referência aplica-se a auditores e partes interessadas em obter a Certificação LIFE no Brasil.

O presente Documento de Referência aplica-se a auditores e partes interessadas em obter a Certificação LIFE no Brasil. 1 1. OBJETIVO O objetivo deste Documento de Referência é orientar os auditores LIFE quanto às evidências a serem utilizadas para auditorias LIFE realizadas no Brasil relacionadas ao Princípio 2 dos Padrões

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Aprovado em 12/ 2011

REGIMENTO INTERNO. Aprovado em 12/ 2011 REGIMENTO INTERNO Aprovado em 12/ 2011 Estatuto Art. 4 - Só podem ser membros da ASSOCIAÇÃO pessoas físicas ou jurídicas, inclusive instituições, cujas atividades ainda que parcialmente sejam relacionadas

Leia mais

Barômetro de Biodiversidade 2013

Barômetro de Biodiversidade 2013 Quinto ano do Barômetro de Biodiversidade da UEBT Desde 2009, a UEBT vem realizando pesquisas para avaliar a conscientização sobre biodiversidade em todo o mundo. Até hoje, já foram entrevistados 31 mil

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 17021

ABNT NBR ISO/IEC 17021 NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO/IEC 17021 Primeira edição 19.03.2007 Válida a partir de 19.04.2007 Versão corrigida 03.09.2007 Avaliação de conformidade Requisitos para organismos que fornecem auditoria

Leia mais

PROCEDIMENTO ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2- Campo de Aplicação: 3- Documento de Referência: 4- Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento:

PROCEDIMENTO ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2- Campo de Aplicação: 3- Documento de Referência: 4- Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento: Página 1 de 8 ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2- Campo de Aplicação: 3- Documento de Referência: 4- Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento: Data da Revisão Nº da Revisão Histórico das Alterações 20/08/2007

Leia mais

Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 2008 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Todos os direitos reservados.

Leia mais

AUDITORIAS AUDITORIAS AUDITORIAS GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE OBJETIVO DA AUDITORIA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE DEFINIÇÕES:

AUDITORIAS AUDITORIAS AUDITORIAS GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE OBJETIVO DA AUDITORIA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE DEFINIÇÕES: OBJETIVO DA AUDITORIA PROCEDIMENTOS VERIFICAR, ATESTAR SE AS ATIVIDADES E OS RESULTADOS A ELA RELACIONADOS, DE UM SISTEMA DE GESTÃO FORMAL, ESTÃO IMPLEMENTADOS EFICAZMENTE. DEFINIÇÕES: AUDITORIA: UM EXAME,

Leia mais

Mudanças Principais no Critério

Mudanças Principais no Critério Mudanças Principais no Critério Critério do Comércio Justo Fairtrade para Organizações de Pequenos Produtores O Critério revisado do Comércio Justo Fairtrade para Organizações de Pequenos Produtores (OPP)

Leia mais

POLÍTICA DE DENÚNCIAS

POLÍTICA DE DENÚNCIAS (constituída nas Bermudas com responsabilidade limitada) (Código de negociação em bolsa: 1768) (a Sociedade ) POLÍTICA DE DENÚNCIAS 1. Objetivo Esta Política estabelece os meios que: a) os funcionários

Leia mais

Dispõe sobre a concessão ou renovação do registro e certificado de entidades de fins filantrópicos.

Dispõe sobre a concessão ou renovação do registro e certificado de entidades de fins filantrópicos. Resolução CNAS n.º 32, de 24 de fevereiro de 1999 Dispõe sobre a concessão ou renovação do registro e certificado de entidades de fins filantrópicos. O Plenário do Conselho Nacional de Assistência Social

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

A revisão 1 foi feita para contemplar as mudanças necessárias, em função da publicação das novas regras para utilização de identidade visual.

A revisão 1 foi feita para contemplar as mudanças necessárias, em função da publicação das novas regras para utilização de identidade visual. CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC NORMA Nº: NIT-DICOR-007 APROVADA EM JUL/07 /07 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC NORMA Nº: NIT-DICOR-007 APROVADA EM FEV/2010 01/07 SUMÁRIO 1 1 Objetivo 2 Campo de

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR SUMÁRIO 1 CONDIÇÕES GERAIS... 2 2 CONDIÇÕES DE CERTIFICAÇÃO E VISÃO GERAL DO PROCESSO... 3 3 PROCESSO TÉCNICO PARA CONCESSÃO DO SELO... 5 4 PROCESSO TÉCNICO AUDITORIA DOS RESULTADOS... 7 5 RECONHECIMENTO

Leia mais

I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE

I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE POLÍTICA DE COMPLIANCE Revisado em Março de 2013 I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE A The Warranty Group, Inc. (corporação) e suas empresas subsidiárias têm o compromisso de realizar seus negócios de modo

Leia mais

Art. 3º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Contador Juarez Domingues Carneiro Presidente

Art. 3º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Contador Juarez Domingues Carneiro Presidente RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.323/11 Aprova a NBC PA 03 Revisão Externa de Qualidade pelos Pares. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, e com fundamento no disposto

Leia mais

RESOLUÇÃO N 177, DE 10 DE AGOSTO DE 2000 DOU 24/08/2000 SEÇÃO I

RESOLUÇÃO N 177, DE 10 DE AGOSTO DE 2000 DOU 24/08/2000 SEÇÃO I RESOLUÇÃO N 177, DE 10 DE AGOSTO DE 2000 DOU 24/08/2000 SEÇÃO I Alterada pela Resolução CNAS nº 3, de 13 de fevereiro de 2001 Regras e critérios para a concessão ou renovação do Certificado de Entidade

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015

INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015 INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre operações de fusão, cisão, incorporação e incorporação de ações envolvendo emissores de valores mobiliários registrados na categoria A. O PRESIDENTE

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA

ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA Anexo I. Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional dos Profissionais de Investimento

Leia mais

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Competências a serem trabalhadas ENTENDER O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DE AUDITORIA DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Hoje

Leia mais

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 Página: 1 de 12 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 7. ADMINISTRAÇÃO DO ORGANISMO DE TREINAMENTO

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES E COMERCIANTES DE SEMENTES E MUDAS DO RIO GRANDE DO SUL

ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES E COMERCIANTES DE SEMENTES E MUDAS DO RIO GRANDE DO SUL ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES E COMERCIANTES DE SEMENTES E MUDAS DO RIO GRANDE DO SUL ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES E COMERCIANTES DE SEMENTES E MUDAS DO RIO GRANDE DO SUL - APASSUL Aprovado

Leia mais

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Referência RFI 011 Pergunta NBR ISO 9001:2000 cláusula: 2 Apenas os termos e definições da NBR ISO 9000:2000 constituem prescrições da NBR ISO 9001:2000,

Leia mais

1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado:

1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado: POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS 1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado: 1.1. Companhia : Braskem S.A. 1.2. Controladora

Leia mais

Processo de Certificação BR ECOCERT BRASIL Lei 10.831/03

Processo de Certificação BR ECOCERT BRASIL Lei 10.831/03 Processo de Certificação BR ECOCERT BRASIL Lei 10.831/03 Este documento descreve os principais passos do processo de certificação realizado pela Ecocert Brasil conforme o Regulamento Orgânico Brasileiro

Leia mais

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política Global Novartis 1 de março de 2014 Versão HSE 001.V1.PT 1. Introdução Na Novartis, nossa meta é ser líder em Saúde, Segurança e Meio Ambiente (HSE).

Leia mais

Considerando a elaboração da norma brasileira ABNT NBR 16001 Responsabilidade Social Requisitos;

Considerando a elaboração da norma brasileira ABNT NBR 16001 Responsabilidade Social Requisitos; Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- Inmetro Portaria n.º 027, de 09 de fevereiro de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL

SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS À IMPARCIALIDADE E MECANISMO PARA SALVAGUARDAR A IMPARCIALIDADE GLOBAL PROCEDIMENTO OI-L3-703-SAM-(BR)-IND-9264 Revisão: 00 Data de

Leia mais

Regulamento Técnico - Selo de Qualidade ABRAVEST

Regulamento Técnico - Selo de Qualidade ABRAVEST SUMÁRIO Histórico das Alterações... 2 1 Condições Gerais... 3 2 Condições de Admissão e Visão Geral do Processo... 4 3 Abertura de Processo do Selo de... 6 4 Processo Técnico Certificação... 6 5 Processo

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 159, de 29 de junho de 2006.

Leia mais

Princípios, normas e práticas

Princípios, normas e práticas Acesso e repartição de benefícios: Princípios, normas e práticas Uma Visão geral para o setor cosmético Resumo Executivo Diante da crescente demanda por produtos feitos a partir de ingredientes naturais

Leia mais

Termos e Condições do Serviço de Cadastro e Certificação de Empresas Fornecedoras Sertras Consultoria e Gestão Ltda.

Termos e Condições do Serviço de Cadastro e Certificação de Empresas Fornecedoras Sertras Consultoria e Gestão Ltda. Termos e Condições do Serviço de Cadastro e Certificação de Empresas Fornecedoras Sertras Consultoria e Gestão Ltda. Os seguintes termos e condições aplicam-se ao Serviço de Cadastro e Certificação de

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Cacau de Organizações de Pequenos Produtores Também aplicado à Produção Contratada na Oceania Versão atual: 01.05.2011_v1.2 Data esperada para a próxima revisão : 2015 Envie

Leia mais

Módulo 2. Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios

Módulo 2. Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios Módulo 2 Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios Norma NBR ISO 9001:2008 - Índice 0 - Introdução 1 - Escopo 2 - Referência Normativa 3 -

Leia mais

Protocolo de Certificação

Protocolo de Certificação Protocolo de Certificação Versão 4.0 - Julho de 2015 www.utzcertified.org 1 Cópias e traduções deste documento estão disponíveis em formato eletrônico no site da UTZ Certified: www.utzcertified.org Este

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FÍSICA MÉDICA CÓDIGO DE ÉTICA

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FÍSICA MÉDICA CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES O presente Código contém os fundamentos éticos, obrigações, responsabilidades e requisitos que devem ser seguidos pelos Físicos Médicos no exercício

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TRISUL S.A. Companhia Aberta CNPJ nº o8.811.643/0001-27 / NIRE 35.300.341.627 Av. Paulista, 37 15º andar Bairro Paraíso, CEP 01311-000 - São

Leia mais

Portaria n.º 485, de 08 de dezembro de 2010

Portaria n.º 485, de 08 de dezembro de 2010 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 485, de 08 de dezembro de

Leia mais

www.grupoidealbr.com.br Conteúdo: legislação sanitária Professor (a): Paulo Nogueira Mini currículo: Fiscal Sanitário Municipal de Nível Superior da Vigilância Sanitária Municipal de Belo Horizonte. Biólogo

Leia mais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais QSP Informe Reservado Nº 42 Janeiro/2005 ISO/IEC 17050-1 Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais Tradução livre especialmente preparada para os Associados

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA Invest Tur Brasil Desenvolvimento Imobiliário Turístico S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 08.723.106/0001-25 NIRE 35.300.340.540 Rua Ramos Batista,

Leia mais

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, POLÍTICA INSTITUIDA ATO TRT 11ª REGIÃO Nº 058/2010/SGP (Publicado DOJT 26/10/2010) Institui a Política Organizacional de Gerenciamento de Projetos no âmbito do A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

PASSO A PASSO PARA CERTIFICAÇÃO NO SELO DE QUALIDADE ABESE

PASSO A PASSO PARA CERTIFICAÇÃO NO SELO DE QUALIDADE ABESE PASSO A PASSO PARA CERTIFICAÇÃO NO SELO DE QUALIDADE ABESE O Selo ABESE possui duas categorias: Selo Adesão e Selo Pleno. Para conferir detalhes sobre cada categoria, favor consultar a Norma Técnica do

Leia mais

PROTOCOLO DE CERTIFICAÇÃO. Versão 4.1 Janeiro de 2016

PROTOCOLO DE CERTIFICAÇÃO. Versão 4.1 Janeiro de 2016 PROTOCOLO DE CERTIFICAÇÃO Versão 4.1 Janeiro de 2016 Cópias e traduções deste documento estão disponíveis em formato eletrônico no site da UTZ: www.utz.org Este documento foi traduzido do Inglês. Se houver

Leia mais

Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO

Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO Maio de 2012 Versão 1.1 1. INTRODUÇÃO O presente Regulamento é fundamental para reger as operações-chave do programa de Certificação Profissional FEBRABAN.

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL SUMÁRIO

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL SUMÁRIO Página: 1 de 13 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. CERTIFICAÇÃO 2. GERAL 3. SOLICITAÇÃO DE CERTIFICAÇÃO 4. AUDITORIA DA ORGANIZAÇÃO 5. AÇÕES CORRETIVAS IDENTIFICADAS DURANTE AS AUDITORIAS 6. CERTIFICAÇÃO E USO DO LOGOTIPO

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE LEI N. 2.031, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2008 Institui o Serviço Social de Saúde do Acre, paraestatal de direito privado, na forma que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria de Verificação Fazenda Olhos d Água

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria de Verificação Fazenda Olhos d Água Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria de Verificação Fazenda Olhos d Água Cultivo(s): Café (Coffea arabica L.) Data do Resumo Público: 18 de abril de 2012 Data de Entrega do Relatório:

Leia mais

Estatuto da Agência Internacional da Energia Renovável

Estatuto da Agência Internacional da Energia Renovável Estatuto da Agência Internacional da Energia Renovável As Partes deste Estatuto, desejando promover a difusão e a crescente utilização da energia renovável com vista ao desenvolvimento sustentável, inspiradas

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04 Aprova a NBC T 14 Norma sobre a Revisão Externa de Qualidade pelos Pares. O, no exercício de suas atribuições legais e regimentais; CONSIDERANDO que o controle de qualidade constitui

Leia mais

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance O Compliance e as metodologias para monitorar riscos de não conformidade 14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance 11 de novembro 2014 14 horas Agenda Os principais objetivos do nosso encontro 1.

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

CONTROLE SOCIAL NA VENDA DIRETA AO CONSUMIDOR DE PRODUTOS ORGÂNICOS SEM CERTIFICAÇÃO. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

CONTROLE SOCIAL NA VENDA DIRETA AO CONSUMIDOR DE PRODUTOS ORGÂNICOS SEM CERTIFICAÇÃO. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MA-0011-08_180x180_controle_social.indd 28-29 28 CAPA 01 02.02.09 09:50:10 Data: 02/02/2009 PIT: MA-0011/08 Formato (F): 360x180 Formato (A): 180x180mm

Leia mais

SETOR ALIMENTÍCIO OPORTUNIDADES PARA BIOCOMÉRCIO ÉTICO NO SETOR ALIMENTÍCIO NA BOLÍVIA, BRASIL, COLÔMBIA E PERU

SETOR ALIMENTÍCIO OPORTUNIDADES PARA BIOCOMÉRCIO ÉTICO NO SETOR ALIMENTÍCIO NA BOLÍVIA, BRASIL, COLÔMBIA E PERU SETOR ALIMENTÍCIO OPORTUNIDADES PARA BIOCOMÉRCIO ÉTICO NO SETOR ALIMENTÍCIO NA BOLÍVIA, BRASIL, COLÔMBIA E PERU A União para BioComércio Ético (UEBT, na sigla em inglês) é uma associação sem fins lucrativos

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

Movimento Empresarial pela Conservação e Uso Sustentável da Biodiversidade- Brasil MEBB

Movimento Empresarial pela Conservação e Uso Sustentável da Biodiversidade- Brasil MEBB Movimento Empresarial pela Conservação e Uso Sustentável da Biodiversidade- Brasil MEBB Histórico do documento: Escrito por: Márcia Bueno- GT Governança em 29 de dezembro de 2010 Revisão interna: Revisor

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando?

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? A publicação prevista para Novembro de 2015 tem como propósito refletir as mudanças no ambiente em que a norma é usada e garantir que a mesma mantenha-se adequada

Leia mais

Candidatura à Certificação Fairtrade

Candidatura à Certificação Fairtrade 15 pt Candidatura à Certificação Fairtrade Procedimento Operacional Padrão Válido a partir de: 16/01/2015 Distribuição: Público Tabela de Conteúdo 1 Propósito... 4 2 Área de candidatura... 4 2.1 Quem precisa

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 9001:2008 ERRATA 1 Publicada em 11.09.2009 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ERRATA 1 Esta Errata 1 da ABNT NBR ISO 9001:2008 foi elaborada no Comitê Brasileiro da

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 9001 em sua nova versão está quase pronta Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 9000 foram emitidas pela primeira vez no

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n.10, p. 1-3 em 16/01/2015 RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre as prerrogativas, as responsabilidades, a competência e a atuação da Secretaria de Controle Interno

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Conselho de Joalheria Responsável MANUAL DE AVALIAÇÃO

Conselho de Joalheria Responsável MANUAL DE AVALIAÇÃO Conselho de Joalheria Responsável MANUAL DE AVALIAÇÃO RJC ASSESSMENT MANUAL 2 Referência deste Documento: T001_2013 Manual de Avaliação RJC - Tradução para o Português Traduzido por: Amantino Ramos de

Leia mais

EDITAL Nº 015/ 2014- CIPEAD/PROGRAD/UFPR EDITAL DE CHAMADA DE ARTIGOS E RELATOS DE EXPERIÊNCIAS PARA O CADERNO DIGITAL DE AVALIAÇÃO DA EAD/CIPEAD/UFPR

EDITAL Nº 015/ 2014- CIPEAD/PROGRAD/UFPR EDITAL DE CHAMADA DE ARTIGOS E RELATOS DE EXPERIÊNCIAS PARA O CADERNO DIGITAL DE AVALIAÇÃO DA EAD/CIPEAD/UFPR EDITAL Nº 015/ 2014- CIPEAD/PROGRAD/UFPR EDITAL DE CHAMADA DE ARTIGOS E RELATOS DE EXPERIÊNCIAS PARA O CADERNO DIGITAL DE AVALIAÇÃO DA EAD/CIPEAD/UFPR A Universidade Federal do Paraná, por meio da Comissão

Leia mais

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo 06 Governança TRANSPARÊNCIA 23 Corporativa e Gestão Conselho de Administração O Conselho de Administração da Camargo Corrêa Cimentos é composto de até seis membros, sendo um presidente, três vice-presidentes

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Capetinga e Sassafrás

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Capetinga e Sassafrás Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Capetinga e Sassafrás Cultivo(s): Café (Coffea arabica L.) Data do Resumo Público: 04 de janeiro de 2012 Data de Entrega do Relatório:

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

Portaria n.º 348, de 03 de outubro de 2008

Portaria n.º 348, de 03 de outubro de 2008 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 348, de 03 de outubro de

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS TEMA Conhecimentos Tradicionais RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS BENEFÍCIOS

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS

Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Tema Conhecimentos Tradicionais RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS USUÁRIOS BENEFÍCIOS

Leia mais

Projeto Espaço de Praticas Sustentáveis

Projeto Espaço de Praticas Sustentáveis Projeto Espaço de Praticas Sustentáveis A Brindes Caiçara junto com os seus idealizadores criarão o Espaço de Praticas Sustentáveis. Objetivo deste espaço é nos unirmos com empresas que tenha visão socioambientais

Leia mais

IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos

IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos 1 - Objetivo Estabelecer o Regulamento para a Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria de Verificação Usina São Francisco S.A e Usina Santo Antonio S.A

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria de Verificação Usina São Francisco S.A e Usina Santo Antonio S.A Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria de Verificação Usina São Francisco S.A e Usina Santo Antonio S.A Cultivo(s): Cana-de-açúcar (Saccharum officinarum L.) Data do Resumo Público:

Leia mais

Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios

Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS

Leia mais

ARTIGO VI Este Acordo não prejudicará a cooperação de qualquer das Partes Contratantes com outros Estados e organizações internacionais.

ARTIGO VI Este Acordo não prejudicará a cooperação de qualquer das Partes Contratantes com outros Estados e organizações internacionais. ACORDO-QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SOBRE A COOPERAÇÃO NOS USOS PACÍFICOS DO ESPAÇO EXTERIOR O Governo da República Federativa do Brasil

Leia mais

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado Business Case 2013 AGENDA ENQUADRAMENTO COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL CLARA, RIGOROSA E TRANSPARENTE COM O MERCADO ENQUADRAMENTO Na economia

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL: ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE NEGÓCIOS DOS SUBPROJETOS DE ACESSO AO MERCADO

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL: ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE NEGÓCIOS DOS SUBPROJETOS DE ACESSO AO MERCADO TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL: ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE NEGÓCIOS DOS SUBPROJETOS DE ACESSO AO MERCADO Salvador Maio 2016 Sumário 1. OBJETO... 4 2. OBJETIVO... 4 3. CONTEXTUALIZAÇÃO...

Leia mais