PROPOSTA DE GESTÃO PARA. Diretor Geral pro tempore do Câmpus Santos Dumont. Candidato CLÁUDIO HENRIQUES DA MATTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSTA DE GESTÃO PARA. Diretor Geral pro tempore do Câmpus Santos Dumont. Candidato CLÁUDIO HENRIQUES DA MATTA"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS PROPOSTA DE GESTÃO PARA Diretor Geral pro tempore do Câmpus Santos Dumont Candidato CLÁUDIO HENRIQUES DA MATTA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL (PDI) APRESENTADO A COMUNIDADE DO CAMPUS SANTOS DUMONT RESSALTA-SE AQUI EM PRIMEITO LUGAR A SERIEDADE NO TRABALHO PROPOSTO, O RESPEITO A ÉTICA PROFISSIONAL E AO SER HUMANO. Neste contexto, ressalto o Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal inscrito no decreto n 1.171, de 22 de junho de 1994, em que no seu capítulo I, seção I, inciso I reza sobre a dignidade, o decoro, o zelo, a eficácia e a consciência dos princípios morais que são primados maiores que devem nortear o servidor público, seja no exercício do cargo ou função, ou fora dele, já que refletirá o exercício da vocação do próprio poder estatal. Seus atos, comportamentos e atitudes serão direcionados para a preservação da honra e da tradição dos serviços públicos. E destaco a seriedade e o empenho do servidor público federal sobre a adequada conduta nas relações interpessoais, sobre a conduta do servidor público quando em exercício da função e que não deve, respectivamente: promover manifestação de apreço ou desapreço no recinto da repartição ; coagir ou aliciar subordinados no sentido de filiarem-se a associação profissional ou sindical, ou apartido político ; receber propina, comissão, presente ou vantagem de qualquer espécie, em razão de suas atribuições e; proceder de forma desidiosa. o art. 117 da lei 8.112/1990, que dirime em seus incisos V, VII, XII e XV): Página 1

2 A Direção Geral do Câmpus Santos Dumont é o órgão máximo de representação. As atividades a serem desempenhadas na Direção contemplarão: Exercer a representação legal do campus, de acordo com as leis vigentes. Propor, acompanhar, supervisionar, executar e avaliar os planos, programas e projetos do campus que estão em andamento. PARTICIPAR DA ELABORAÇÃO E PROPOR ALTERAÇÕES DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, DE FORMA PARTICIPATIVA, COM A CONSULTA A SERVIDORES DOCENTES E TÉCNICOS E DISCENTES DO CAMPUS. Planejar, coordenar, supervisionar, executar e avaliar as políticas de ensino, pesquisa, extensão e administração do Campus, em consonância com a Reitoria. Acompanhar processos de compras e execução de serviços e ordenar despesas. Controlar a expedição e recebimento da correspondência oficial do Campus. Autorizar a participação de servidores em eventos científicos e sociais, observando a legislação em vigor. Apresentar a Reitoria o planejamento estratégico anual do campus. Definir cargos de direção e função gratificada e designar, nomear e exonerar servidores para o exercício dos mesmos, integrantes do campus. Expedir portarias, baixar atos e designar servidores para o desenvolvimento das atividades do Campus. Apresentar, anualmente, à Reitoria relatório consubstanciado das atividades do Campus, conforme modelo(s) padrão(ões) apresentado pelos órgãos normativos. Apresentar à Reitoria, anualmente, proposta orçamentária com a discriminação da receita e despesa prevista para o Campus. Conferir títulos e condecorações, bem como assinar diplomas juntamente com o Reitor. Coordenar a política de comunicação social e informação do campus, em consonância com a política de comunicação social do Instituto. Zelar pelo cumprimento das leis e normas, das decisões legais superiores, bem como pelo bom desempenho das atividades do Campus. Página 2

3 Apresentar o calendário das atividades acadêmicas do Campus. Articular e firmar acordos, convênios, contratos e outros instrumentos jurídicos com entidades públicas e privadas, locais e regionais, no âmbito do Campus para oportunidades de estágios para os Cursos Técnicos do Campus, em consonância com a Reitoria. Coordenar e zelar pelo cumprimento das ações do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI). Desenvolver outras atividades inerentes ao cargo ou que lhe sejam atribuídas pelo Reitor. Decidir, no âmbito de sua competência, os casos omissos. Assim, na apresentação desta proposta, ainda que objetiva, porém buscando a clareza, a transparência e o cumprimento com o dever de servidor federal professor dedicado que sou; Comprometendo-me com o exercício da Direção do Câmpus Santos Dumont, venho esclarecer ainda que na busca por colocar em execução este PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, afirmo meu comprometimento com os discentes e docentes, com os técnicos administrativos e com os demais prestadores de serviços deste Campus, Apresento esta proposta de Gestão, subscrevendo-me, NA BUSCA POR UM TRABALHO ÉTICO, SÉRIO E COMPROMETIDO COM A EDUCAÇÃO TÉCNICA DE QUALIDADE PARA O MUNICÍPIO DE SANTOS DUMONT, Santos Dumont,17 de junho de CLÁUDIO HENRIQUES DA MATTA Página 3

4 Apresentação O Câmpus Santos Dumont, antigo CEMEP Centro Municipal de Educação Profissional, enfrenta grandes desafios: a transformação em Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia e desestruturação de seu espaço físico devido a problemas com as obras de reforma e ampliação do mesmo. Neste contexto de rápidas e profundas mudanças do perfil e das dimensões institucionais e de falta de espaço físico para suas atividades, o câmpus necessita de um planejamento coletivo, envolvendo seus principais dirigentes, além de representantes de todos os docentes, discentes, técnicos administrativos, terceirizados e funcionários da Prefeitura. Eixos Norteadores Prioridade: Buscar e/ou adequar instalações para as atividades do câmpus e agilizar os processos de licitação e realização das obras de reforma e ampliação do câmpus. 1 Gestão Democrática : Comitê Gestor com reuniões semanais, fazendo plano de ação e sempre com a presença de um representante dos professores e um dos técnicos, indicados pelos seus pares. 2 Excelência Acadêmica: Nosso compromisso primeiro é com o aluno e a qualidade dos cursos em andamento. 3- Transparência Administrativa: Faremos Gestão à vista e todos os atos e procedimentos serão divulgados para o câmpus. Com a divulgação do nosso plano de ação, todos saberão o andamento dos processos. Assim, se um material estiver demorando para chegar, é só olhar no quadro e saberá onde e com quem o processo está parado. As atas do Conselho de Câmpus serão divulgadas no nosso site. 4- Socialização das decisões: No Conselho de Câmpus, cada membro representa um segmento, mas acaba votando nos assuntos sem consultar seus pares. E muitas vezes nem repassam aos mesmos o que ficou decidido. Queremos que todos no câmpus conheçam os principais assuntos a serem tratados para que o voto do coordenador de transporte ferroviário, por exemplo,tenha a concordância da maioria dos professores do curso. 5- O aluno, razão do câmpus. Todos os servidores do câmpus tem que estar focados nisto. Só depois que o aluno estiver atendido em suas reais necessidades ( boas aulas, materiais para práticas, visitas técnicas proveitosas, estágio, assistência estudantil,, etc) é que nos dedicaremos às demais obrigações do Instituto Federal que é promover o crescimento da região. Acreditamos que num primeiro momento, se o nosso aluno sair daqui bem formado, com estágio feito e adentrar logo e bem no mercado de trabalho ele já começa a promover o progresso da sua família e da sua comunidade. 6 Ações Pedagógicas e Administrativas: Providenciar a documentação legal do câmpus,incentivar e apoiar reuniões pedagógicas, cursos e ações que visem a melhoria das aulas e consequente satisfação do professor com o sucesso do aluno. 7 Valorização das Pessoas Professores são professores, não importa se são efetivos, Temporários ou da Prefeitura. Todos são igualmente importantes para o sucesso do aluno e do câmpus. Não tem porque tratamento desigual. TAES são tão importantes em todo o processo quanto os professores. 8 Liberdade com responsabilidade, afinal o que importa para nós são os resultados. Página 4

5 9 Maior inserção na Comunidade. Nosso câmpus hoje conhece uma escola do exterior e não conhece a realidade das escolas do município. Conhece empresas há quilômetros e quilômetros de distância e não conhece as empresas do município. Pretendemos começar esta inserção na comunidade pelas empresas, que esperamos, em breve sejam todas nossas parceiras, contratando nossos alunos como estagiários ou funcionários. Do Candidato ( currículo) Possui pós-graduação em Engenharia de Segurança do Trabalho pela Universidade federal de Juiz de Fora (2010), graduação em Física Licenciatura e Bacharelado pela Fundação Técnica Educacional Souza Marques (1982) e graduação em Engenharia Mecânica pela Universidade Gama Filho (1982), Formado em Técnico em Mecânica pelo CEFET-RJ "Celso Suckow da Fonseca" (1976) Atualmente é professor substituto do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais, campus Santos Dumont interrompida Formação acadêmica/titulação Doutorado em andamento em Ciências da Educação. Universidade Americana. Título: Evasão escolar nos cursos técnicos, Orientador: Prof. Dr.Diosnel Centurion. Grande área: Ciências Humanas / Área: Educação / Subárea: Planejamento e Avaliação Educacional / Especialidade: Política Educacional. Setores de atividade: Administração pública, defesa e seguridade social. Mestrado interrompido em 1984 em Engenharia Metalúrgica e de Materiais (Conceito CAPES 6). Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil. Título: Propriedades Mecânicas em Altas Temperaturas com Carregamentos Cíclicos, Orientador: Tito Luiz da Silveira. Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Ano de interrupção: Especialização em Pós-graduação em Engenharia e Segurança do Trabalho. (Carga Horária: 610h). Universidade Federal de Juiz de Fora, UFJF, Brasil. Título: Segurança do trabalho nos principais processos de soldagem. Orientador: prof. Antonio de Pádua Gouvêa Pascini Graduação em engenharia mecânica. Universidade Gama Filho, UGF, Brasil Graduação em Física Licenciatura e Bacharelado. Fundação Técnica Educacional Souza Marques Curso técnico/profissionalizante. Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca. Formação Complementar Página 5

6 Proposta de Gestão - Matta Fundamentos do Método dos Elementos Finitos e suas. (Carga horária: 28h). Desenvolvimento Científico e Tecnológico Atual Atual Atuação Profissional Vínculo institucional Vínculo: Professor, Enquadramento Funcional: Professor substituto, Carga horária: Colégio Prof. Ricardo Mussi, PRÉ-UNIVERSITÁRI, Brasil. Conselho Nacional de 2º Encontro Nacional de Docentes sobre Normas Técnicas (Carga horária: 26h). Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia. Componentes Estruturais em Temperaturas Elevadas. Laboratório de Computação Científica. Energia Nuclear. Fundação Técnica Educacional Souza Marques. Instituto de Educação Ciência e Tecnologias do Sudeste de Minas Gerais, IFET SUDESTE MG, Brasil. Vínculo: Servidor Público, Enquadramento Funcional: Coordenador do FIC, Carga horária: 40 horas Regime: Dedicação exclusiva. Vínculo:, Enquadramento Funcional: Professor do Ensino Básico Técnico e Tecnológico, Carga horária: 40horas, Regime: Dedicação exclusiva. Professor do Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais Compus Muriaé; sendo transferido em 15 de Junho de 2010 para o campus de Santos Dumont Vínculo:, Enquadramento Funcional: Coordenador do Técnico de Transporte Ferroviário, Carga horária: 40, Regime: Dedicação exclusiva. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnol. do Sudeste de Minas Gerais, IFSEMG, Brasil. Professor das disciplinas "MÁQUINAS OPERATRIZES, USINAGEM MECÂNICA, DESENHO E PROJETOS MECÂNICOS, DESENHO AUXILIADO POR COMPUTADORES". Vínculo: Professor de física e matemática, Enquadramento Funcional: professor, Carga horária: 24 Página 6

7 Escrevi as apostilas de matemática e física do primeiro, segundo, terceiro anos e nos vestibulares e intensivos Governo do Estado do Rio de Janeiro, GOVERNO/RJ, Brasil. Vínculo: Professor, Enquadramento Funcional: Professor 2º Grau Física, Carga horária: 12 horas Professor concursado e efetivado conforme D.O. de 16/02/89, republicado no D.O. de 22/03/89; anotações gerais página 56 da carteira de trabalho nº34430 Série 051 RJ Vínculo institucional Vínculo: Engenheiro, Enquadramento Funcional: Engenheiro, Carga horária: 48 Platanus Engenharia Comércio e Representações LTDA, PLATANUS, Brasil. Diretor técnico, prestador de serviços junto a Spártacus Engenharia na manutenção dos guindastes do Porto do Rio de Janeiro; manutenção, fabricação e fornecimento de componentes de reposição das correias transportadoras do Porto de Sepetiba /RJ. E prestador de serviços junto a Almarte no desenvolvimento e fornecimento de defensas marítimas para o Porto de Santos, Colégio Souza Marques, SOUZA MARQUES, Brasil. Vínculo: Professor, Enquadramento Funcional: Professor, Carga horária: Coordenador do Curso técnico de Mecânica e professor das seguintes disciplinas: - Tecnologia dos Materiais I, teoria e prática; - Tecnologia dos Materiais II, teoria e prática; - Processos de Fabricação, teórica e prática. Fundação Técnica Educacional Souza Marques, FTESM, Brasil. Vínculo: professor, Enquadramento Funcional: professor, Carga horária: 20 horas Professor das disciplinas do curso de Engenharia Mecânica: Materiais de Construção, teoria e prática; Metalurgia Física, teórica e prática; Análise de tensões, prática; Especificação e seleção de materiais, teoria e prática. Responsável pelo centro de produção da faculdade de Engenharia. Professor homenageado por ocasião da formatura dos turmas de Engenharia Mecânica de Página 7

8 Atividades de Participação em Projeto, Proposta de Gestão - Matta Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil. Vínculo: Outro (especifique), Enquadramento Funcional: Aluno do curso de Mestrado em Eng. Metalúrgica. Atividades Projetos de pesquisa CARACTERÍSTICA DO COMPORTAMENTO EM FLUÊNCIA DO INCONEL 600 Lar dos meninos, COLÉGIO, Brasil. Vínculo institucional Vínculo: Professor, Enquadramento Funcional: Professor, Carga horária: 30 Professor de Física e Matemática da 1ª, 2ª e 3ª séries do 2º grau e do pré-vestibular. Sulzer do Brasil S/A Industria e Comércio, SULZER, Brasil. Vínculo institucional Vínculo: Estagiário, Enquadramento Funcional: Estagiário de engenharia, Carga horária: 48, Regime: Dedicação exclusiva Promovido a diligenciador. Função desempenhada: Planejamento e controle da produção Classificação de soldadores Projetos de pesquisa CARACTERÍSTICA DO COMPORTAMENTO EM FLUÊNCIA DO INCONEL 600 Descrição: Estudo do Inconel 600 em regime de fluência a carga constante em temperatura de 650 ºC. Conceituar e calcular alguns parâmetros mecânicos utilizados para caracterizar o comportamento do material submetido a regime de fluência. Estudar o aspecto morfológico da fratura, com base nas características micro estruturais observadas.. Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. Integrantes: Claudio Henriques da Matta - Coordenador. Espanhol Idiomas Página 8

9 Compreende Bem, Fala Bem, Lê Bem, Escreve Razoavelmente. Produção em C,T & A 01/09/12 Produção bibliográfica Apresentações de Trabalho MATTA, C. H.. Característica mecânica e estrutural de tubos HK40 após h de utilização em forno para craque amento de nafta por pirólise (Apresentação de Trabalho/Congresso). 02/09/12 MATTA, C. H.. Característica do comportamento em Fluência do Inconel (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra). Produção técnica 01/09/12 Demais tipos de produção técnica MATTA, C. H.. Estatística Aplicada (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Apostilas). 02/09/12 MATTA, C. H.. Materiais de Construção Mecânica (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Apostila). 03/09/12 MATTA, C. H.. Física I - Física II - Física III (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Apostila de Física). 04/09/12 MATTA, C. H.. Matemática: Álgebra I, II e III, Geometria Plana e Espacial e Trigonometria (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Apostilas). 01/09/12 Eventos Bancas Participação em bancas de comissões julgadoras Concurso público MATTA, C. H.; TAFFNER, M. B.; MELO, V. S.. Engenharia Mecânica Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais. Participação em eventos, congressos, exposições e feiras 01/09/12 1º Encontro Nacional de Engenharia Portuária. Defensas Marítimas (Encontro). 02/09/12 Página 9

10 03/09/12 Proposta de Gestão - Matta 6º Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciências dos Materiais. Características mecânicas dos tubos HK40 após 80000h de utilização em um forno para craque amento de Nafta por pirólise (Congresso). International Congress on Fracture and the Fracture Group of the Americas (Congresso). relevantes 1- Formado em técnico industrial de mecânica pela antiga Escola Técnica Federal " Celso Suckow da Fonseca", hoje CEFET-RJ, em Concluiu os créditos do curso de Mestrado da COPPE - UFRJ em Engenharia Metalúrgica e de Materiais. 3- De acordo com o Ministério da Educação, Representação no Estado do Rio de Janeiro estou habilitado a lecionar as disciplinas Matemática, no 1º grau e Física e Química, no 2º grau ( atualmente Ensino Fundamental e Ensino Médio), por possuir Curso Superior de Física - licenciatura plena. 2- Como Empresário administrou uma rede de lojas em Santos Dumont e região. Propostas de trabalho Infraestrutura 1- Informatizar o controle de estoque e solicitação de pedidos de material de consumo, para que nunca falte material para as aulas práticas. 2- Negociar com a cantina, solicitando a oferta de lanches nutritivos com um preço menor, para atender principalmente os alunos que vem direto do trabalho para a aula e acabam ficando com fome, devido ao alto preço dos lanches. 3- Visitas técnicas, definidas nos projetos dos cursos e planejadas com antecedência. Garantir que todas as turmas tenham o mesmo nº de visitas técnicas. TI e Comunicação 1- Melhorar a estrutura da comunicação promovendo a atualização diária do site institucional. 2- Implantar sistema de atendimento ao aluno 0n-line. 3- Criar um jornal mural com a participação dos alunos. 4- Montar um Quadro de Gestão a Vista. 5- Criação de uma rádio local. Integração inter-câmpus Trabalhar de forma articulada com os demais campus visando o desenvolvimento da instituição. Gestão Democrática 1 Consolidar a Gestão Democrática prevista na LDB 9394/96, respeitando as decisões coletivas. 2- Implantar e implementar processo de comunicação interna. 3- Implantar e implementar o orçamento participativo. 4- Construir coletivamente o Planejamento Estratégico. Página 10

11 5- Estabelecer de forma participativa as prioridades para investimentos, com base nos objetivos e metas descritos no Planejamento Estratégico. 6 Garantir autonomia para todas as ações do câmpus. 7- Criar uma comissão de ética. 8- Possibilitar autonomia para que cada gestor organize sua equipe de trabalho. 9 Lutar pela flexibilização da jornada de trabalho dos TAEs. 10 Buscar capacitação para a Diretoria e Coordenadores de curso para bem desempenharem suas funções. 2- Criar um núcleo de EAD. Ensino 1- Elaborar o Regimento Interno e o Projeto Político Pedagógico do Câmpus. 3 Fazer uma pesquisa de demanda pra descobrir os cursos que as empresas e comunidade estão querendo. 4 Discutir novas possibilidades de oferta de cursos técnicos e superiores. 5- Modernizar os laboratórios existentes e implantar novos laboratórios. 6- Fazer gestão junto à Reitoria e empresas do ramo para captar recursos extra orçamentários visando a implantação da oficina de Manutenção Ferroviária 7 Implantar laboratórios para os cursos técnicos à distância com recursos oriundos do MEC/SETEC. 8 - Promover condições que possibilitem um acompanhamento mais efetivo do desempenho escolar do aluno, inclusive na empresa onde estagia. 9 Realizar um trabalho efetivo para diminuir ou eliminar a evasão e a repetência no câmpus, juntamente com a Assistência Estudantil. Pesquisa e Extensão 1 Buscar recursos de custeio para garantir apoio aos pesquisadores. 2 Incentivar a participação em editais de fomento para o desenvolvimento de pesquisa e extensão. 3 Promover e incentivar a divulgação e publicação de projetos e estudos científicos, realizados por discentes e docentes. 4 Incentivar o desenvolvimento de projetos de inovação tecnológica e transferência de tecnologia. 5 Ampliar parcerias com outras instituições nacionais ( afinal estamos apenas começando) e empresas para o desenvolvimento de atividades de pesquisa, formação de grupos de pesquisa e atividades de extensão. 6 Fomentar a cultura empreendedora junto aos alunos e servidores do câmpus, incentivando a participação em projetos de aprendizagem e atividades para a gestão do próprio negócio. 7 Ampliar e divulgar ofertas de cursos profissionalizantes por meio do PRONATEC, ETEC, etc. Página 11

12 8 Pleitear junto a Reitoria e a CAPES/CNPQ o aumento de bolsas e auxílio para investir na capacitação e qualificação de professores e TAEs. 9 Planejamento coletivo para liberação dos servidores para Mestrado e Doutorado. 10 Promover e apoiar a participação em eventos, encontros, congressos, etc envolvendo as diversas áreas técnicas e tecnológicas. 11 Estimular a participação do aluno em pesquisa científica orientada pelo professor. 12 Ampliar a oferta de bolsa de pesquisa Implantar programas PROESPORTE E PROFUNCIONÁRIO para todos. 14 Criar programas que visem ações sustentáveis no câmpus e que levem a uma postura de respeito ao meio ambiente, à diversidade, aos valores da comunidade( coleta seletiva, uso racional de água e energia, limpeza e conservação dos locais de convivência. Eventos 1 Fortalecer e apoiar os Projetos de Extensão e Pesquisa. 2 Fomentar e apoiar eventos e manifestações culturais e artísticas. 3 Promover seminários e Semanas Tecnológicas onde o mais importante será o conteúdo trazido para o crescimento de todos e não a decoração do ambiente. 4 Promover Mostra da Indústria e das Profissões como forma de trazer as indústrias para o Câmpus. 5 Promover jogos internos. Gestão de Pessoas 1 Promover atividades visando a integração dos servidores para que todos se sintam de fato integrados e importantes na equipe. 2 Identificar as potencialidades dos TAEs para concessão de cargos de Gestão, valorizando formação, experiência e competência. 3 Capacitar os servidores visando o atendimento aos alunos especiais. 4 Proporcionar condições dignas de trabalho. 5 Oferecer cursos de capacitação na área técnica ou tecnológica ou outras de interesse e necessidade para TAEs e professores. 6 Proporcionar condições para o desenvolvimento de programas visando a qualidade de vida de todos que trabalham no câmpus. 7 Promover a integração de novos servidores. Página 12

13 8 MESTRADO E DOUTORADO Compromisso da Gestão de Pessoas em buscar e se possível criar oportunidades para TAEs e professores. 1 Ampliar as políticas de AE. Assistência Estudantil 2 Propor junto à Reitoria a criação do Programa de Bolsa remunerada para estagiário. 3 Buscar bolsas de monitorias. 4 Implantar ações integradas da Equipe Pedagógica e AE visando a conscientização e combate ao uso abusivo de drogas. 5- Fortalecer a Biblioteca, incentivando seu uso e disponibilizando computadores com internet para pesquisa dos alunos. 6 Incentivar e criar condições para a participação dos alunos em eventos esportivos, tipo Jogos Estudantis da Primavera. Representação Estudantil 1 - Apoiar o GRÊMIO ESTUDANTIL com representantes de todos os cursos. 2 Apoiar a participação discente nos órgãos colegiados do Instituto. Sabemos do imenso desafio que é administrar o Câmpus Santos Dumont, neste momento tão singular de nossa história, mas estamos dispostos a encarar o desafio, com a ajuda de todos que amam esta escola e esta cidade e principalmente com as bênçãos de Deus. O que desejamos é um câmpus que concentre seus esforços na articulação entre Ensino, Pesquisa e Extensão, voltados principalmente para o desenvolvimento da instituição e do município. E isto deve acontecer em um ambiente democrático, com gestão participativa e à vista, para que todos se sintam parte integrante e importante da equipe e se sintam à vontade para manifestar ideias e opiniões e debatê-las para então fazermos o que a maioria entender ser o melhor. Acreditamos que nosso sonho de ser referência nacional na área de ferrovia se concretizará, não no grito, mas no dia a dia da sala de aula e das oficinas, formando profissionais cada vez melhores e aptos a lutar pela própria felicidade e pelo progresso de suas comunidades. O sucesso de nossos alunos será o nosso sucesso e ele só acontecerá se focarmos nossas ações em nossos estudantes e suas condições de estudos. Página 13

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Plano de gestão 2016-2019 Chapa Consolidação

Plano de gestão 2016-2019 Chapa Consolidação Plano de gestão 2016-2019 Chapa Consolidação 1. Apresentação Em novembro a comunidade do IFSC Câmpus Canoinhas elegerá seus novos dirigentes: Diretor Geral, Chefe de Departamento de Ensino, Pesquisa e

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017

Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Escola Técnica de Saúde Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017 Proposta de trabalho apresentada como pré-requisito para inscrição no processo

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL EIXO: ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E INOVAÇÃO Objetivos Específicos

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3º... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II Da Finalidade

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE

MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE Regulamenta o regime de trabalho de Tempo Integral, em Dedicação Exclusiva

Leia mais

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 193/2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 08/04/2011, tendo em vista o constante no processo nº 23078.032500/10-21, de acordo com o Parecer nº 022/2011 da

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS IFPE/IFS RECONHECIMENTO DE SABERES E COMPETÊNCIAS - (R.S.C.) UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA! Caro servidor: Como é do conhecimento de todos, o seguimento docente

Leia mais

REGIMENTO GERAL MAIO/2012

REGIMENTO GERAL MAIO/2012 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais REGIMENTO GERAL MAIO/2012 Ministério da Educação

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

Plano de Gestão 2013 2016

Plano de Gestão 2013 2016 Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Piauí Campus Teresina Zona Sul Plano de Gestão 2013 2016 Alessandro Diretor Renovar para melhorar Candidato ao Cargo de Diretor Geral do Campus Teresina

Leia mais

DEMOCRACIA, ÉTICA E RENOVAÇÃO

DEMOCRACIA, ÉTICA E RENOVAÇÃO PLANO DE GESTÃO CANDIDATURA A DIREÇÃO GERAL DO IFSC CÂMPUS CHAPECÓ ROBERTA PASQUALLI DIRETORA GERAL LUIS FERNANDO POZAS DIRETOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO ELIANDRO LUIZ MINSKI DIRETOR DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PRPGP - UCB

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PRPGP - UCB UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PRPGP - UCB MESTRADO EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - MGCTI REGULAMENTO DO MESTRADO EM GESTÃO DO CONHECIMENTO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30 de junho de 2011, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 16 e pelo

Leia mais

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional Osvaldo Casares Pinto Pró-Reitor Des. Institucional José Eli S. Santos Diretor Dep. Planej. Estratégico junho de 2015 Plano de Desenvolvimento Institucional

Leia mais

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis CANDIDATURA DE DIRETOR GERAL AO CAMPUS CARAGUATATUBA PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis Nossa Primeira Razão de Ser: Nossos Alunos Proposta: Consolidação do Diretório

Leia mais

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados NORMATIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, DIDÁTICO-PEDAGÓGICA PARA AS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NOS CURSOS TÉCNICOS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2014 2015

PLANO DE GESTÃO 2014 2015 PLANO DE GESTÃO 2014 2015 1 APRESENTAÇÃO Este documento apresenta o Plano de Gestão proposto para ser executado, inicialmente, até Janeiro de 2015, da Direção-Geral do Campus Gurupi, e comunidade, pertencente

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, FINS E OBJETIVOS Art. 1º As presentes normas visam regulamentar e disciplinar, em termos de sua administração,

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011 REGIMENTO DO INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Aprovado por unanimidade pelo Conselho Deliberativo da COPPE em

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA - CÂMPUS JOINVILLE PLANO DE AÇÃO DIREÇÃO GERAL Gestão 2016-2019

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA - CÂMPUS JOINVILLE PLANO DE AÇÃO DIREÇÃO GERAL Gestão 2016-2019 INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA - CÂMPUS JOINVILLE PLANO DE AÇÃO DIREÇÃO GERAL Gestão 2016-2019 EQUIPE GESTORA PROF. ELISABETE MAIA FURTADO Direção Geral Graduada em Enfermagem e Obstetrícia pela UNIVALI

Leia mais

RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012

RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012 RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012 Institui as Diretrizes de Pesquisa e Pós-graduação da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul UERGS e providências pertinentes. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO DO COLÉGIO PEDRO II

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO DO COLÉGIO PEDRO II REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO DO COLÉGIO PEDRO II TÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES Art.

Leia mais

PLA O DE AÇÃO 2011 - REITORIA

PLA O DE AÇÃO 2011 - REITORIA Eficiência da Instituição 70% de eficiência, com meta satisfatória de 75% e meta ideal de 85%, com relação ao quantitativo inicial de alunos ingressantes. Índice de Eficiência O índice de eficiência da

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAMPUS JUIZ DE FORA / CTU

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAMPUS JUIZ DE FORA / CTU PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAMPUS JUIZ DE FORA / CTU Nos dias 15 e 16 de dezembro de 2008, a comunidade escolar do Instituto

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 69ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de novembro de 2015, no uso das atribuições que

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA Capítulo I Caracterização Artigo 1 º O Serviço-Escola de Psicologia (SEP) da UNIFESP é uma instância do campus Baixada

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Brasília - IFB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Brasília - IFB 1 PLANEJAMENTO INSTITUCIONAL 2014 9361 C. Brasília 2014 BR01-Ofertar 45 vagas para Especialização em gestão Publica 01/01/2014 31/12/2014 Educação(Ensino) 9362 C. Brasília 2014 BR02-Ofertar 480 vagas para

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 2-CADCAM/C/UNICENTRO, DE 04 DE MAIO DE 2015. Aprova o Regulamento da Farmácia Escola do Campus Cedeteg, UNICENTRO-PR. O PRESIDENTE DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DO CAMPUS CEDETEG, UNIDADE UNIVERSITÁRIA

Leia mais

APOIO AO PROGRAMA MULHERES SIM

APOIO AO PROGRAMA MULHERES SIM PROEX N º 05/2015/PROEX APOIO AO PROGRAMA MULHERES SIM EXECUÇÃO: 10 JULHO DE 2015 A 10 DE DEZEMBRO DE 2015. 1 PROEX Nº 05/2015 EDITAL PROGRAMA MULHERES SIM A Reitora do Instituto Federal de Santa Catarina,

Leia mais

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS DE CASCAVEL QUADRIÊNIO 2012-2015 Cascavel set/2011. APRESENTAÇÃO Nasci em Umuarama/PR em 31/07/1973. Sou técnico em Contabilidade pelo

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA OS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DESTA UNIVERSIDADE 1. APRESENTAÇÃO O Departamento de Desenvolvimento de Pessoas (DDP),

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROPOSTA DE TRABALHO PARA FINS DE INSCRIÇÃO NO PROCESSO DE CONSULTA PRÉVIA PARA DIRETOR E VICE-DIRETOR DA FACULDADE

Leia mais

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Artigo 1º A unidade acadêmico-gerencial modelo designado Escritório de Práticas de Gestão e com nome fantasia

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2015 COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO DO CENTRO DE TECNOLOGIA

PLANO DE AÇÃO 2015 COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO DO CENTRO DE TECNOLOGIA PLANO DE AÇÃO 2015 COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO DO CENTRO DE TECNOLOGIA EIXO 1 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e Avaliação * Gerais 1.1; 1.2; Divulgação dos resultados

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES CAMPUS CONGONHAS DEZEMBRO - 2013 INFRA-ESTRUTURA Objetivo

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção 8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção e Contratação 8.1.5 Plano de Carreira e Regime de Trabalho

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

Câmpus FLORIANÓPOLIS. 12 23,08% Discentes (alunos) 10 19,23% Comunidade 0 0,00%

Câmpus FLORIANÓPOLIS. 12 23,08% Discentes (alunos) 10 19,23% Comunidade 0 0,00% Diagnóstico Planejamento PDI 2014-2018 Período de respostas: 05/09/13 a 18/09/13 Questionários Respondidos 52 Docentes 30 57,69% Técnicos-Administrativos 12 23,08% Discentes (alunos) 10 19,23% Comunidade

Leia mais

Plano de Gestão 2016/2019 - Câmpus Joinville

Plano de Gestão 2016/2019 - Câmpus Joinville MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CÂMPUS JOINVILLE Eleições 2015 Plano de Gestão 2016/2019 - Câmpus

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2011 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 4 Disposições preliminares... 4 CAPÍTULO II... 4 Das atividades complementares... 4 Seção I... 4 Atividades de iniciação científica...

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS RESOLUÇÃO CONSU Nº. 06/2015, DE 24 DE MARÇO DE 2015 O Vice-Reitor, no exercício da Presidência do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 097/2014, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 097/2014, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Conselho Superior Rua Ciomara Amaral de Paula, 167 Bairro Medicina 37550-000 - Pouso Alegre/MG Fone: (35)

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS.

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS. REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL O presente regulamento fundamenta-se nos termos

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 Estabelece o Regulamento para a Oferta de Cursos de Pós Graduação Lato Sensu das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração

Leia mais

REGIMENTO COPESE IFSULDEMINAS CAPÍTULO 1 DOS FINS CAPÍTULO 2 DA CONSTITUIÇÃO

REGIMENTO COPESE IFSULDEMINAS CAPÍTULO 1 DOS FINS CAPÍTULO 2 DA CONSTITUIÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Rua Ciomara Amaral de Paula, 167 Bairro Medicina Pouso

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS RESOLUÇÃO nº 009/CUn/2006, de 13 de junho de 2006. DISPÕE SOBRE A PROPOSIÇÃO, O ACOMPANHAMENTO E A AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES DE PESQUISA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Proposta de Gestão. Marcos Amorielle Furini. Candidato a Diretor-Geral do IFSP - Câmpus Votuporanga

Proposta de Gestão. Marcos Amorielle Furini. Candidato a Diretor-Geral do IFSP - Câmpus Votuporanga Proposta de Gestão Marcos Amorielle Furini Candidato a Diretor-Geral do IFSP - Câmpus Votuporanga Continuidade, Avanço e Consolidação de uma Gestão Transparente e Participativa. Prezados servidores e alunos.

Leia mais

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais;

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas MG. CEP 37130-000 Fone (35)3299-1350 A Faculdade de Ciências Farmacêuticas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 009/2015 CONSUP DE 01 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 009/2015 CONSUP DE 01 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 009/2015 CONSUP DE 01 DE JUNHO DE 2015 APROVA O PROGRAMA DE APOIO À PESQUISA E INOVAÇÃO DA FACULDADE TERRA NORDESTE - FATENE O DIRETOR GERAL DA FACULDADE TERRA NORDESTE - FATENE, no uso de

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 1 Fragilidade resultado inferior a 50% Ponto a ser melhorado 50% e 59,9% Potencialidade igual ou

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Educação Técnica e Tecnológica Aberta e a Distância NETTAD - CAVG. O Presidente em exercício do Conselho Coordenador do

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP

EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP Seleção de propostas de extensão universitária de Unidades Auxiliares no âmbito da PROEX/UNESP para

Leia mais

NORIEL VIANA PEREIRA Candidato a Diretor ESTES

NORIEL VIANA PEREIRA Candidato a Diretor ESTES NORIEL VIANA PEREIRA Candidato a Diretor ESTES CHAPA: InterAÇÃO: Equidade e Responsabilidade Propostas para a Gestão Junho/2013 a Junho/2017 UBERLÂNDIA 2013 1.0 APRESENTAÇÃO DO CANDIDATO Bacharel e Licenciado

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013.

RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013. RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013. A PRESIDENTE DO DO IF-SC no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo Decreto de 15/12/2011, publicado no DOU de 16/12/2011 e atendendo

Leia mais

IFSP CAMPUS: SUZANO RELATÓRIO ANALÍTICO

IFSP CAMPUS: SUZANO RELATÓRIO ANALÍTICO IFSP CAMPUS: SUZANO RELATÓRIO ANALÍTICO Comissão Própria de Avaliação Institucional: Representante Docente: Fábio Nazareno Machado-da-Silva Representante Técnico-administrativo: Diego Martins Braga Representante

Leia mais

ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO

ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO Este documento tem a finalidade de estabelecer um referencial para o exercício da função de supervisão dos Cursos das Instituições do Ensino Superior, do Sistema Estadual

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais, Categoria e Finalidades Art. 1º - O Conselho de Câmpus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de

Leia mais

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB Ministério da Educação Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Pró-Reitoria de Ensino Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação Pró-Reitoria de Extensão DIRETRIZES PARA A

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Aprovado pelo Colegiado do Curso de Bacharelado em Educação Física, em reunião

Leia mais

SUGESTÕES CARACTERÍSTICA DE PONTUAÇÃO RSC

SUGESTÕES CARACTERÍSTICA DE PONTUAÇÃO RSC As descrições a seguir visam detalhar alguns aspectos relativos às características pontuáveis no processo de Reconhecimento de Saberes e Competências (RSC), auxiliando assim professores requerentes e avaliadores.

Leia mais

Patricia Couto Gonçalves Mauro

Patricia Couto Gonçalves Mauro Patricia Couto Gonçalves Mauro Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/6537457426127728 Última atualização do currículo em 25/02/2015 Professor Adjunto da Universidade Federal da Integração

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019 Agosto-2014 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURITIBA 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprova o Regimento do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ. INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS REITORIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS REITORIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS REITORIA O Reitor do Instituto Federal de Alagoas no uso de suas atribuições, como Presidente do Conselho

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO A Comissão Própria de Avaliação da FACISA CPA/FACISA, constituída pela Diretoria-Geral de acordo com o estabelecido pela Lei n 10.861 de 14

Leia mais

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I RESOLUÇÃO N. 001/2007 ANEXO NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I 1. Conceituação As normas relativas à concessão de Bolsas de Formação, de Pesquisa

Leia mais

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET IFET-RS Bento Gonçalves (RS), 15 de junho de 2009 Maria Beatriz Luce Conselheira

Leia mais