Art. 1º O Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana - IPTU, a Taxa de Limpeza Pública - TLP,

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Art. 1º O Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana - IPTU, a Taxa de Limpeza Pública - TLP,"

Transcrição

1 DECRETO nº 311, de 03 de fevereiro de 2006 Dispõe sobre o lançamento e a cobrança do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana IPTU, da Taxa de Limpeza Pública TLP, da Taxa de Conservação de Vias e Logradouros Públicos TCVLP, da Taxa de Fiscalização de Localização e Funcionamento TFLF, Taxa de Fiscalização de Anúncios TFA, da Taxa de Fiscalização Sanitária TFS, da Taxa de Fiscalização e de Licença para Ocupação do Solo TFLOS, da Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Publica CCSIP e do Imposto sobre Serviços de qualquer Natureza - ISSQN de profissionais autônomos e da sociedade de profissionais, e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM, no uso de suas atribuições legais, tendo em vista o disposto nos artigos 15, 51 a 71, 86, 93 e 94, 142 A a 142 E, 150 a 162, 167 a 168, 179 a 184 e 297, todos da Lei Municipal nº 1.611, de 30 de dezembro de 1983, que institui o Código Tributário Municipal - CTM, com suas alterações posteriores, inclusive as do 1º, alíneas a e b, do art. 64, com a redação da Lei nº 3.495, de 26 de dezembro de 2001, e dispositivos da Lei nº 3.496, de 26 de dezembro de DECRETA: Art. 1º O Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana - IPTU, a Taxa de Limpeza Pública - TLP, a Taxa de Conservação de Vias e Logradouros Públicos TCVLP, a Taxa de Fiscalização de Localização e Funcionamento TFLF, a Taxa de Fiscalização de Anúncios TFA, a Taxa de Fiscalização Sanitária TFS, a Taxa de Fiscalização e de Licença para Ocupação do Solo TFLOS, a Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Publica CCSIP e o Imposto sobre Serviços de qualquer Natureza - ISSQN de profissionais autônomos e da sociedade de profissionais serão lançados e cobrados de conformidade com este Decreto, em cada exercício. Art. 2º O lançamento do IPTU será efetuado sobre todos os imóveis situados dentro da Zona Urbana definida por lei, bem como sobre as demais áreas situadas fora desse perímetro, conforme previsto nos 1º, 2º e 3º do art. 51 do Código Tributário Municipal CTM, excetuados os imóveis alcançados pela imunidade tributária. Parágrafo único. Estão isentos do pagamento do IPTU, da Taxa de Limpeza Pública TLP e da Taxa de Conservação de Vias e Logradouros Públicos TCVLP os imóveis previstos no art. 1º da Lei 3.496, de 26 de dezembro de Art. 3º Para efeito do disposto no art. 2º deste Decreto, a base de cálculo do IPTU será o valor venal do imóvel apurado em 1º de janeiro de cada exercício, com a aplicação das Tabelas de Valores 1 e 2, conforme disposto no art. 64 do Código Tributário Municipal CTM, anexas a este Decreto. 1º O valor venal do imóvel não edificado será determinado mediante a multiplicação de sua área total pelo correspondente valor unitário do metro quadrado de terreno constante na Tabela 2 anexa a este Decreto, observado o disposto no art. 65 do Código Tributário Municipal CTM. 1

2 2º O valor venal do imóvel construído será determinado pela soma do valor do terreno, apurado na forma do 1º deste artigo, com o valor da edificação, apurado mediante a multiplicação da área total edificada pelo valor unitário do metro quadrado de construção, constante na Tabela 1 anexa a este Decreto, observado o disposto nos incisos I a IV do parágrafo único, do art. 66 do CTM. 3º Quando se tratar de edificação, em área de terreno não loteado, o imóvel será considerado construído, devendo a área de terreno que exceder a 10 (dez) vezes a metragem da área construída ser lançada como imóvel territorial. 4º Nos terrenos não loteados, situados em zona urbana ou equiparada, o lançamento será feito descontandose da área 28 % (vinte e oito por cento) a título de arruamento. Art. 4º As solicitações de reconhecimento de imunidade e de isenção tributárias, não concedidas de ofício, deverão ser feitas mediante petição dirigida à Superintendência da Receita, com a juntada da documentação necessária à comprovação desses direitos, no prazo de 30 (trinta) dias, contados da data da publicação do edital de notificação do lançamento. Art. 5º A Taxa de Limpeza Pública TLP será cobrada do proprietário, titular do domínio útil ou possuidor a qualquer título dos imóveis beneficiados por esse serviço, conjuntamente com o IPTU, na forma deste Decreto. 1º O valor anual da Taxa de Limpeza Publica - TLP é fixado de acordo com o art. 181 do Código Tributário Municipal CTM e nos temos da Tabela VI, do Anexo V. 2º O valor da Taxa de Limpeza Publica - TLP será reduzido a 50% (cinqüenta por cento) quando a unidade imobiliária estiver localizada em logradouro beneficiado pelo serviço de limpeza pública, mas sujeita a prestação de serviços especiais de coleta de lixo e/ou de resíduos industriais ou comerciais, contratados ou geridos pelo Município. 3º Para os sublotes classificados com regime de utilização industrial o lançamento ocorrerá, no máximo, para os 04 (quatro) primeiros sublotes, quando no mesmo terreno estiverem cadastradas mais unidades. Art. 6º A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente SMDUMA informará à Superintendência da Receita os logradouros beneficiados, de forma completa ou parcial, pelos serviços de limpeza pública e as empresas contratantes de seus serviços especiais de coleta de lixo e/ou resíduos industriais ou comerciais, visando a aplicação do disposto no art. 5º deste Decreto. Art. 7º A Taxa de Conservação de Vias e Logradouros Públicos TCVLP será cobrada do proprietário, titular do domínio útil ou possuidor a qualquer título dos imóveis edificados ou não, situados na zona urbana, em cujo logradouro exista pavimentação e o respectivo serviço previsto no art. 182 do Código Tributário Municipal CTM. Parágrafo único A Taxa de que trata este artigo será devida nos termos do disposto no art. 184 do Código Tributário Municipal CTM. Art. 8º Estão isentos do pagamento das Taxas de Limpeza Pública e de Conservação de Vias e Logradouros Públicos os imóveis de propriedade dos destinatários de imunidade recíproca. Art. 9º A Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Publica CCSIP será cobrada do proprietário, titular do domínio útil ou possuidor a qualquer título dos imóveis, edificados ou não, situados à margem da rede de iluminação pública, de acordo com o disposto nos arts. 142-A a 142-E do Código Tributário Municipal CTM. 2

3 1º A CCSIP será devida mensalmente, com cobrança na fatura de consumo de energia elétrica, conforme Tabela prevista no art. 142-C do Código Tributário Municipal CTM. 2º Quando se tratar de imóvel não edificado e de não consumidor de energia elétrica, a CCSIP será devida anualmente e cobrada na guia do Imposto Sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana IPTU. Art. 10 O IPTU, Taxas e CCSIP, que com ele são cobradas, serão lançados e recolhidos de acordo com os critérios e prazos a seguir enumerados: I para o recolhimento antecipado em parcela única, até 10 de março de cada exercício, será concedido desconto correspondente a 10 % (dez por cento) no valor do IPTU e das Taxas, com ele cobradas, nos termos da legislação vigente; II para recolhimento à vista, em parcela única, sem desconto, fica estipulado o prazo de recolhimento até 15 de março de cada exercício; III para o recolhimento em 10 (dez) parcelas, corrigidas monetariamente, acrescidas, nos termos do parágrafo único do art. 62 do Código Tributário Municipal CTM, de juros de 1% ao mês, deverão ser obedecidos os seguintes prazos: a) primeira parcela: até 15 de março; b) segunda parcela: até 15 de abril; c) terceira parcela: até 15 de maio; d) quarta parcela: até 15 de junho; e) quinta parcela: até 15 de julho; f) sexta parcela: até 15 de agosto; g) sétima parcela: até 15 de setembro; h) oitava parcela: até 15 de outubro; i) nona parcela: até 15 de novembro; j) décima parcela: até 15 de dezembro. Parágrafo único. Os tributos e a CCSIP indicados no caput deste artigo serão recolhidos em conjunto na guia de arrecadação destinada ao pagamento do IPTU, mesmo que ocorra imunidade ou isenção em relação a um ou mais deles. Art 11 O carnê de IPTU, Taxas e CCSIP, com ele cobradas, será entregue pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos. Parágrafo único O carnê de que trata este Decreto será entregue de forma simples, sem declaração de recebimento por parte do contribuinte ou responsável. Art. 12 O contribuinte que, por qualquer motivo, não receber o carnê de pagamento do IPTU, das taxas com ele cobradas e da CCSIP, até 10 (dez) dias antes do prazo para o seu respectivo vencimento, em cada exercício, deverá requerer segunda via na Superintendência da Receita, na Avenida Cardeal Eugênio Pacelli, 1887, Cidade Industrial, ou onde estiver indicado na guia de lançamento e arrecadação. Art. 13 Os vencimentos dos prazos para pagamento das Taxas abaixo relacionadas são os seguintes: I - Taxa de Fiscalização de Localização e de Funcionamento TFLF: 30 de maio; II - Taxa de Fiscalização Sanitária TFS: 30 de maio; III - Taxa de Fiscalização de Anúncios TFA: 29 de julho; IV - Taxa de Fiscalização e de Licença para Ocupação do Solo TFLOS: 29 de julho. 3

4 Art. 14 O vencimento do prazo para pagamento das Taxas de que trata o art. 13 deste Decreto anterior ocorrerá excepcionalmente: I - na data do início das atividades, quando se tratar do primeiro ano de funcionamento; II - na data do requerimento da baixa, quando o encerramento das atividades ocorrer antes dos prazos estabelecidos no art. 13 deste Decreto. Parágrafo único O valor a ser pago, nas hipóteses dos incisos I e II deste artigo, será calculado proporcionalmente ao número de meses ou fração de funcionamento. Art. 15 Estão isentos de TFLF e da TFA os contribuintes previstos na Lei 3.496, de 26 de dezembro de Parágrafo único. As solicitações de reconhecimento de isenção deverão ser feitas mediante petição dirigida à Superintendência da Receita, com a juntada da documentação necessária à comprovação desse direito, no prazo de 30 (trinta) dias, contados da data da publicação do edital de notificação do lançamento. Art. 16 As Taxas TFLF, TFA, TFS e TFLOS serão cobradas com base na Tabela V, do Anexo IV, do Código Tributário Municipal - CTM. Art. 17 O Contribuinte ou responsável tributário que, por qualquer motivo, não receber a guia de pagamento das Taxas mencionadas no artigo anterior até 10 (dez) dias antes do prazo para o seu respectivo vencimento, em cada exercício, deverá requerer segunda via na Superintendência da Receita, na Avenida Cardeal Eugênio Pacelli, 1887, Cidade Industrial, ou onde estiver indicado na guia de lançamento e arrecadação. Art. 18 O Imposto sobre Serviços de qualquer Natureza - ISSQN devido pelos profissionais autônomos, sob a forma de trabalho pessoal do próprio contribuinte, terá o seu vencimento em 20 de junho de cada exercício. Art. 19 O vencimento do prazo para recolhimento do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISSQN, próprio ou retido na fonte, é o 5 (quinto) dia útil do mês subseqüente ao da ocorrência do fato gerador, inclusive para sociedade de profissionais. 1º Excetua-se do disposto no caput deste artigo o Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISSQN devido sobre o valor da prestação de serviços contratados com a Administração Direta e Indireta. Nesta situação, o ISSQN deverá ser retido no momento do efetivo pagamento e recolhido ao Erário Municipal até o 5º dia útil após a retenção. 2º Os órgãos, empresas públicas, entidades ou autarquias da Administração Direta e Indireta do Estado ou União, na qualidade de tomadores de serviços, poderão recolher o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISSQN em conta a ser informada pela Superintendência do Tesouro. Art. 20 O contribuinte ou responsável poderá requerer, à Superintendência da Receita, a revisão do lançamento dos tributos e contribuição previstos neste Decreto até 30 (trinta) dias da data da notificação do lançamento. 1º O pedido de revisão, devidamente fundamentado e instruído com a documentação comprobatória das alegações, deverá ser protocolizado na referida repartição, situada na Avenida Cardeal Eugênio Pacelli, 1887, Cidade Industrial, ou onde estiver indicado na guia de lançamento e arrecadação. 2º A decisão do pedido de revisão do lançamento de que trata este artigo implica alteração do prazo de vencimento da obrigação tributária, de modo a garantir que entre a data da ciência da decisão e o prazo para pagamento do débito fiscal, sem desconto pela antecipação, decorram 10 (dez) dias. 4

5 1º O pedido de revisão, devidamente fundamentado e instruído com a documentação comprobatória das alegações, deverá ser protocolizado na referida repartição, situada na Avenida Cardeal Eugênio Pacelli, 1887, Cidade Industrial. (redação data pelo Decreto nº 573, de 18 de janeiro de 2007) 2º Se o pedido de revisão for protocolizado dentro do prazo previsto no caput deste artigo e for julgado procedente, mesmo que parcialmente, será concedido prazo de 10 (dez) dias, a partir da notificação da decisão, para pagamento a vista com o desconto previsto neste Decreto. (redação data pelo Decreto nº 573, de 18 de janeiro de 2007) 3º Se o pedido de revisão for protocolizado dentro do prazo previsto no caput deste artigo e for julgado improcedente, será concedido prazo de 10 (dez) dias, a partir da notificação da decisão, para pagamento sem desconto. (incluído pelo Decreto nº 573, de 18 de janeiro de 2007) 4º O pedido de revisão protocolizado fora do prazo previsto no caput deste artigo não será conhecido, mas a autoridade competente poderá, de ofício, rever o lançamento com base nas informações prestadas, concedendo o prazo de 10 (dez) dias, a partir da notificação da decisão de alteração do lançamento, para pagamento sem desconto, sem juros e sem multa. (incluído pelo Decreto nº 573, de 18 de janeiro de 2007) 5º No caso previsto no 4º deste artigo, se a autoridade competente não alterar o lançamento, haverá a imediata exigência dos Tributos e Contribuição, para pagamento sem desconto, com incidência de juros e multas. (incluído pelo Decreto nº 573, de 18 de janeiro de 2007) 6º Após a decisão do pedido de revisão, o parcelamento dos Tributos e da Contribuição do exercício em curso será realizado em parcelas mensais e consecutivas, com a primeira parcela a ser paga imediatamente sempre incluindo as vencidas até a data da respectiva decisão e com as demais parcelas vencendo conforme o calendário do exercício. (incluído pelo Decreto nº 573, de 18 de janeiro de 2007) Art. 21 Vencidos os prazos fixados neste Decreto, o crédito tributário será acrescido, conforme previsão dos arts. 29 e 35 do Código Tributário Municipal CTM, de: I - Multa de 0,10% (dez centésimos por cento) sobre o valor principal atualizado por dia de atraso nos primeiros 60 (sessenta) dias e de 10% (dez por cento) sobre o valor principal atualizado após 60 (sessenta) dias de atraso, conforme inciso III, do art. 35 do Código Tributário Municipal CTM; II - Juros de mora de 1% ao mês ou fração, desde o seu vencimento, conforme inciso II, do art. 35 do Código Tributário Municipal CTM; III - Correção Monetária, nos termos do art. 6A do Código Tributário Municipal CTM. Parágrafo único. Não efetuado o pagamento dos tributos e contribuição, nos prazos fixados neste Decreto, o crédito tributário será inscrito em dívida ativa para cobrança judicial. Art. 22 O percentual de atualização dos tributos, contribuição e preços, de cada exercício, será o correspondente à variação do IGP-M/FGV, acumulado no exercício anterior, conforme preceitua o art. 6B do CTM. Art. 22 O percentual de atualização dos tributos, contribuição, multas, preços públicos e demais valores mencionados neste Decreto, de cada exercício, será o correspondente à variação do IGP-M/FGV, acumulado no exercício anterior, conforme preceitua o art. 6B do CTM. (redação data pelo Decreto nº 573, de 18 de janeiro de 2007) 5

6 Art. 23 As notificações de lançamento dos tributos e contribuição, de cada exercício, serão realizadas por Edital veiculado pela Secretaria Municipal de Fazenda. Art. 24 Os prazos mencionados neste Decreto correrão normalmente independentemente de recebimento do carnê ou guias de pagamento dos tributos e CCSIP. Art. 25 Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação. Art. 26 Revogam-se as disposições em contrário. Palácio do Registro, Contagem, 03 de fevereiro de MARÍLIA APARECIDA CAMPOS Prefeita de Contagem LUIZ FERNANDO PEREIRA MENDES Secretário Municipal de Fazenda 6

DECRETO Nº , DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015.

DECRETO Nº , DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015. DECRETO Nº 19.269, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece o Calendário Fiscal de Arrecadação dos Tributos Municipais, o valor da Unidade Financeira Municipal (UFM) e os preços do metro quadrado de terrenos

Leia mais

1) do termo final do período de apuração;

1) do termo final do período de apuração; RESOLUÇÃO NO 2.554, DE 17 DE AGOSTO DE 1994 (MG de 18 e ret. em 25) REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 2.880/97 Trata da atualização monetária dos créditos tributários do Estado, da cobrança de juros de mora,

Leia mais

MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei,

MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, DECRETO No. 41.724, 26 DE FEVEREIRO DE 2002 Ano 47 - Número 37 - São Paulo, quarta-feira, 27 de fevereiro de 2002 Diário Oficial do Município de São Paulo Regulamenta a Lei no. 13.283, de 9 de janeiro

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO PARANÁ LEI Nº 2.389/2012 EMENTA: Institui o Programa Municipal de Recuperação Fiscal (REFIS) ampliando sua abrangência. A CÂMARA MUNICIPAL DE ALTO PARANÁ, ESTADO DO PARANÁ, APROVOU E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1106/09, de 29 de dezembro de 2009.

LEI MUNICIPAL Nº 1106/09, de 29 de dezembro de 2009. LEI MUNICIPAL Nº 1106/09, de 29 de dezembro de 2009. Altera a Lei Complementar nº 001/06 de 13 de fevereiro de 2006, Código Tributário Municipal de Camocim e determina outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMF Nº 01, DE 08 DE FEVEREIRO DE 2013.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMF Nº 01, DE 08 DE FEVEREIRO DE 2013. INSTRUÇÃO NORMATIVA SMF Nº 01, DE 08 DE FEVEREIRO DE 2013. Estabelece procedimentos a serem adotados pelos estabelecimentos bancários quanto à arrecadação de tributos e demais receitas do município. CAPÍTULO

Leia mais

Prefeitura Municipal De Belém Gabinete do Prefeito

Prefeitura Municipal De Belém Gabinete do Prefeito LEI N.º 7.243, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1983 Altera disposições das Leis n.ºs 7.056, de 30 de dezembro de 1977, 7.188, de 11 de dezembro de 1981, 7.192, de 21 de dezembro de 1981, e dá outras providências.

Leia mais

LEI Nº 391/2010, DE 13 DE OUTUBRO DE 2010.

LEI Nº 391/2010, DE 13 DE OUTUBRO DE 2010. LEI Nº 391/2010, DE 13 DE OUTUBRO DE 2010. INSTITUI NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DE ITAIÓPOLIS, O REGIME JURÍDICO -TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO, FAVORECIDO E SIMPLIFICADO CONCEDIDO ÀS MICROEMPRESAS ME, E ÀS EMPRESAS

Leia mais

N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE D E C R E T A: Seção I Das Disposições Gerais

N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE D E C R E T A: Seção I Das Disposições Gerais D E C R E T O N o 8.949, DE 26 DE AGOSTO DE 2013 DISCIPLINA O PARCELAMENTO DOS CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS E NÃO TRIBUTÁRIOS, INSCRITOS OU NÃO EM DÍVIDA ATIVA, DO MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS, DE SUAS AUTARQUIAS

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 068/2016

LEI COMPLEMENTAR Nº 068/2016 LEI COMPLEMENTAR Nº 068/2016 Altera os parágrafos 1º, 2º e 3º e acrescenta os parágrafos 4º, 5º e 6º ao art. 143, da Lei Municipal nº 1.108/2001 Código Tributário Municipal. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Altera a Lei nº ,de 27 de dezembro de 1999, que dispõe sobre a Agência Goiana de Regulação, Controle e Fiscalização de Serviços Públicos.

Altera a Lei nº ,de 27 de dezembro de 1999, que dispõe sobre a Agência Goiana de Regulação, Controle e Fiscalização de Serviços Públicos. GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria Superintendência de Legislação LEI Nº 16.653, DE 23 DE JULHO DE 2009 Altera a Lei nº 13.569,de 27 de dezembro de 1999, que dispõe sobre a Agência

Leia mais

Lei Complementar nº 4.284, de 22 de setembro de 2015.

Lei Complementar nº 4.284, de 22 de setembro de 2015. Lei Complementar nº 4.284, de 22 de setembro de 2015. Institui o Programa de Recuperação Fiscal REFIS do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Taquaritinga SAAET, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE LEI Nº 760/CMSR/2015

PROPOSIÇÃO DE LEI Nº 760/CMSR/2015 DISPÕE SOBRE A CONTRIBUIÇÃO PARA CUSTEIO DO SERVIÇO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O povo de Santana do Riacho, através de seus legítimos representantes, aprova e eu, André Ferreira Torres,

Leia mais

LEI N Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a. seguinte lei:

LEI N Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a. seguinte lei: LEI N. 6.869 Altera, acrescenta e revoga dispositivos e tabelas que especifica, da Lei Municipal nº 1.389, de 27 de dezembro de 1966, que instituiu o Código Tributário do Município de Poços de Caldas,

Leia mais

Referência: Decreto Municipal-RJ Nº /14 - Rio de Janeiro/RJ - Créditos tributários - Parcelamento Alteração.

Referência: Decreto Municipal-RJ Nº /14 - Rio de Janeiro/RJ - Créditos tributários - Parcelamento Alteração. Of. Circ. Nº 004/14 Rio de Janeiro, 05 de janeiro de 2015. Referência: Decreto Municipal-RJ Nº 39.682/14 - Rio de Janeiro/RJ - Créditos tributários - Parcelamento Alteração. Senhor Presidente, informamos:

Leia mais

Lauro de Freitas DECRETO Nº DE 20 DE JANEIRO DE 2015.

Lauro de Freitas DECRETO Nº DE 20 DE JANEIRO DE 2015. 2 - Ano III - Nº 291 Decretos DECRETO Nº 3.824 DE 20 DE JANEIRO DE 2015. Institui a Certidão de Regularidade Fiscal da Construção Civil CRFCC. O PREFEITO MUNICIPAL DE LAURO DE FREITAS, Estado da Bahia,

Leia mais

DECRETO N.º DE 07 DE MAIO DE 2014

DECRETO N.º DE 07 DE MAIO DE 2014 Decreto Publicado no D.O.E. de 08.05.2014, pág. 02 Este texto não substitui o publicado no D.O.E Índice Remissivo: Letra I - ICMS. DECRETO N.º 44.780 DE 07 DE MAIO DE 2014 Dispõe sobre o parcelamento e

Leia mais

Art. CLT/2011 Art. Nova Lei Nova Lei 8º (tabela) 3º / º (tabela) 4º / º ao 8º / III-g e 20-I

Art. CLT/2011 Art. Nova Lei Nova Lei 8º (tabela) 3º / º (tabela) 4º / º ao 8º / III-g e 20-I Art. CLT/2011 Art. Nova Lei Nova Lei 8º (tabela) 3º 15.889/2013 10º (tabela) 4º 15.889/2013 17 6º ao 8º 15.889/2013 19-III-g e 20-I 15 15.889/2013 24 e 41 14 15.889/2013 30 (tabela) 5º 15.889/2013 60 11

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL 1 LEI Nº 5.211, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2013 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Institui a segunda fase do Programa de Recuperação de Créditos Tributários do Distrito Federal RECUPERA-DF e dá outras providências.

Leia mais

NOVO CNPJ: /

NOVO CNPJ: / Lei Nº 492/05 de 12 de Dezembro de 2005. Aprova a Planta de Valores Genéricos dos Terrenos e Tabela de Preços de Construções, para o exercício de 2006 e dá outras providências. A Câmara de Vereadores da

Leia mais

Conselho Regional de Educação Física da 11ª Região Mato Grosso do Sul

Conselho Regional de Educação Física da 11ª Região Mato Grosso do Sul Resolução CREF11/MS nº 155/2015 Campo Grande, 01 de dezembro de 2015. Dispõe sobre valores e formas de pagamentos das anuidades do CREF11/MS para o Exercício de 2016 e dá outras providencias. O PRESIDENTE

Leia mais

Prefeitura Municipal de Sidrolândia ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

Prefeitura Municipal de Sidrolândia ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL LEI COMPLEMENTAR N 32/2007. S Ú M U L A Institui e Autoriza o programa de Reabilitação Fiscal Municipal REFIM de débitos tributários e não tributários e dá outras providências O Prefeito Municipal de Sidrolândia,

Leia mais

Page 1 of 5 RICMS 2000 - Atualizado até o Decreto 55.438, de 17-02-2010. SEÇÃO II - DAS OPERAÇÕES COM ÁLCOOL CARBURANTE SUBSEÇÃO I - DAS OPERAÇÕES COM ÁLCOOL ETÍLICO HIDRATADO CARBURANTE Artigo 418 - Na

Leia mais

LEI Nº. 886, DE 22 DE MARÇO DE 2011

LEI Nº. 886, DE 22 DE MARÇO DE 2011 LEI Nº. 886, DE 22 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre o Parcelamento de Débitos Tributários e Não Tributários inscritos ou não em Dívida Ativa, concede remissão da multa e juros decorrentes de dívida ativa,

Leia mais

DECRETO N , DE 31 DE JULHO DE O Prefeito de Ituiutaba, no uso de suas atribuições, e de conformidade com a legislação em vigor,

DECRETO N , DE 31 DE JULHO DE O Prefeito de Ituiutaba, no uso de suas atribuições, e de conformidade com a legislação em vigor, DECRETO N. 7.672, DE 31 DE JULHO DE 2014 Disciplina o sistema de parcelamento de débito fiscal e dá ouras providências. O Prefeito de Ituiutaba, no uso de suas atribuições, e de conformidade com a legislação

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE ÁGUA E ESGOTO

SUPERINTENDÊNCIA DE ÁGUA E ESGOTO RESOLUÇÃO 001/17 Atualiza as tarifas de água e esgoto e demais preços dos serviços prestados pela SAE Superintendência de Água e Esgoto do Município de Araguari. A SUPERINTENDÊNCIA DE ÁGUA E ESGOTO SAE,

Leia mais

MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA.

MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA. Quinta-feira, 19 de janeiro de 2017 Ano II Edição nº 236 Página 1 de 5 SUMÁRIO PODER EXECUTIVO DE TAQUARITINGA 2 Atos Oficiais 2 Decretos 2 Portarias 3 Licitações e Contratos 4 Ratificação 4 Serviço Autônomo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PAULO AFONSO ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PAULO AFONSO ESTADO DA BAHIA Lei n o. 1154 de 22 de maio 2009. Concede Anistia, Remissão e Redução nos pagamentos de Débitos Fiscais nos prazos e condições que menciona. O PREFEITO MUNICIPAL DE PAULO AFONSO aprovou e ou sanciono a

Leia mais

Assunto: Instruções Normativas da RFB nº 1713 e 1714 que tratam do parcelamento de débitos devidos pelo MEI e por optantes do Simples Nacional

Assunto: Instruções Normativas da RFB nº 1713 e 1714 que tratam do parcelamento de débitos devidos pelo MEI e por optantes do Simples Nacional Rio de Janeiro, 30 de junho de 2017 Of. Circ. Nº 131/17 Assunto: Instruções Normativas da RFB nº 1713 e 1714 que tratam do parcelamento de débitos devidos pelo MEI e por optantes do Simples Nacional Senhor(a)

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ENTRE RIOS ESTADO DA BAHIA C.G.C. nº / DECRETO Nº. 729/2016 DE 04 DE JANEIRO DE 2016.

PREFEITURA MUNICIPAL DE ENTRE RIOS ESTADO DA BAHIA C.G.C. nº / DECRETO Nº. 729/2016 DE 04 DE JANEIRO DE 2016. 13 1 DECRETO Nº. 729/2016 DE 04 DE JANEIRO DE 2016. Institui o Calendário Fiscal de Arrecadação de Tributos do Município de Entre Rios, para o exercício de 2016 e dá outras providências O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

DECRETO Nº , DE 10 DE MARÇO DE 2016.

DECRETO Nº , DE 10 DE MARÇO DE 2016. DECRETO Nº 19.332, DE 10 DE MARÇO DE 2016. Regulamenta a Lei nº 12.005, de 11 de fevereiro de 2016, que permite às instituições conveniadas com o Município ou mantidas pelo Estado e cadastradas como beneficiárias

Leia mais

Procuradoria da Dívida Ativa - PG-05

Procuradoria da Dívida Ativa - PG-05 Procuradoria da Dívida Ativa - PG-05 Ano UFIR-RJ* 2006 67.495.595,72 2007 50.486.636,57 2008 65.476.580,85 2009 231.174.347,46 2010 421.467.819,04 2011 144.707.862,62 2012 357.340.649,83 2013 367.528.368,78

Leia mais

Recife, 19 de julho de Armando Moutinho Perin Advogado

Recife, 19 de julho de Armando Moutinho Perin Advogado Recife, 19 de julho de 2016 Armando Moutinho Perin Advogado Constituição Federal de 1988 Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: I direito tributário,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Page 1 of 6 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Decreto nº 54.976, de 29 de outubro de 2009 Introduz alterações no Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações

Leia mais

Referência: Decreto Estadual-RJ nº /14 - ICM e ICMS - Parcelamento - Redução de multas e acréscimos legais Disposições.

Referência: Decreto Estadual-RJ nº /14 - ICM e ICMS - Parcelamento - Redução de multas e acréscimos legais Disposições. Rio de Janeiro, 08 de maio de 2014 Of. Circ. Nº 134/14 Referência: Decreto Estadual-RJ nº 44.780/14 - ICM e ICMS - Parcelamento - Redução de multas e acréscimos legais Disposições. Senhor Presidente, Fazendo

Leia mais

DECRETO Nº , DE 4 DE MAIO DE 2004 Regulamenta a outorga onerosa de potencial construtivo adicional, nos termos dos artigos 209 a 216 da Lei nº

DECRETO Nº , DE 4 DE MAIO DE 2004 Regulamenta a outorga onerosa de potencial construtivo adicional, nos termos dos artigos 209 a 216 da Lei nº 1 DECRETO Nº 44.703, DE 4 DE MAIO DE 2004 Regulamenta a outorga onerosa de potencial construtivo adicional, nos termos dos artigos 209 a 216 da Lei nº 13.430, de 13 de setembro de 2002, que aprovou o Plano

Leia mais

Dispõe sobre o Sistema de Parcelamento de Dívidas de Santana de Parnaíba.

Dispõe sobre o Sistema de Parcelamento de Dívidas de Santana de Parnaíba. 1/6 LEI Nº 3631, DE 21 DE JUNHO DE 2017 Dispõe sobre o Sistema de Parcelamento de Dívidas de Santana de Parnaíba. ELVIS LEONARDO CEZAR, Prefeito do Município de Santana de Parnaíba, Estado de São Paulo,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA Página 1 de 9 Inscrição Imobiliária Natureza PREDIAL Sublote Cód. Taxação 11 Indicação Fiscal Espécie 0 Nº do Talão COMERCIAL GERDAU LTDA AV. JUSCELINO KUBITSCHEK DE OLIVEIRA LE 00589 CIDADE INDUSTRIAL

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF Título financeiro em dólar

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IRRF Título financeiro em dólar IRRF 30/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Da Tributação na Fonte - RIR/99... 3 3.2. Ato Declaratório Interpretativo...

Leia mais

ARTIGO 65 DA LEI Nº , DE 11 DE JUNHO DE Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial ARTIGO 65

ARTIGO 65 DA LEI Nº , DE 11 DE JUNHO DE Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial ARTIGO 65 ARTIGO 65 LEI Nº 12.249, DE 11 DE JUNHO DE 2010 Art. 65. Poderão ser pagos ou parcelados, em até 180 (cento e oitenta) meses, nas condições desta Lei, os débitos administrados pelas autarquias e fundações

Leia mais

O QUE PODE SER PARCELADO? (art. 1º, 1º e 2º)

O QUE PODE SER PARCELADO? (art. 1º, 1º e 2º) O QUE PODE SER PARCELADO? (art. 1º, 1º e 2º) Débitos na Fazenda Estadual e suas autarquias, tributários ou não, vencidos até 31/12/2008, constituídos ou não; inscritos ou não em dívida ativa; ajuizados

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE ALAGOINHAS GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 2.036/2010

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE ALAGOINHAS GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 2.036/2010 LEI Nº 2.036/2010 Dispõe sobre a criação de incentivos ao desenvolvimento Econômico do Polo Industrial do Município de ALAGOINHAS, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ALAGOINHAS aprova e o

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA arnê de IPTU de 5 28/9/216 :23 Inscrição Imobiliária Natureza TERRIT. Sublote Cód. Taxação 26 Indicação Fiscal Espécie Nº do Talão ZAHIRA MARIANELI LOPES R. ANTONIO DE LIMA CASTRO 26 PORTÃO CURITIBA-PR

Leia mais

Resolução CRESS 19ª Região GO nº 22, de 21 de novembro de 2013.

Resolução CRESS 19ª Região GO nº 22, de 21 de novembro de 2013. Resolução CRESS 19ª Região GO nº 22, de 21 de novembro de 2013. EMENTA: Dispõe sobre o valor da anuidade para o exercício de dois mil e quatorze (2014), de Pessoas Física e Jurídica, no âmbito do Conselho

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE LAURO DE FREITAS, Estado da Bahia, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

O PREFEITO MUNICIPAL DE LAURO DE FREITAS, Estado da Bahia, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DECRETO N o 3.594 DE 14 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o art. 5 da Lei Municipal 618, de 16 de maio de 1990, na forma que indica e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE LAURO DE FREITAS, Estado

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL CRESS DA 17ª REGIÃO. RESOLUÇÃO CRESS/ES Nº 120, de 28 de novembro de 2015

CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL CRESS DA 17ª REGIÃO. RESOLUÇÃO CRESS/ES Nº 120, de 28 de novembro de 2015 CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL CRESS DA 17ª REGIÃO RESOLUÇÃO CRESS/ES Nº 120, de 28 de novembro de 2015 Ementa: Estabelece o valor da anuidade e das taxas cobradas pelo CRESS da 17ª Região para o

Leia mais

LEI Nº DE SETEMBRO DE 2009

LEI Nº DE SETEMBRO DE 2009 LEI Nº 3.324 29 DE SETEMBRO DE 2009 Altera a Lei Municipal nº 1.852, de 14/11/1994 no Título II e III e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SANTO ÂNGELO, no uso das atribuições que lhe são

Leia mais

Capítulo V - DO PARCELAMENTO DE DÉBITO FISCAL

Capítulo V - DO PARCELAMENTO DE DÉBITO FISCAL Page 1 of 9 RICMS 2000 - Atualizado até o Decreto 56.019, de 16-07-2010. CAPÍTULO V - DO PARCELAMENTO DE DÉBITO FISCAL (Redação dada ao Capítulo pelo Decreto 46.529, de 04-02-2002; DOE 05-02-2002; efeitos

Leia mais

DECRETO Nº , DE 7 DE JANEIRO DE 2015 (DOC de 08/01/2015)

DECRETO Nº , DE 7 DE JANEIRO DE 2015 (DOC de 08/01/2015) DECRETO Nº 55.828, DE 7 DE JANEIRO DE 2015 (DOC de 08/01/2015) Regulamenta o Programa de Parcelamento Incentivado de 2014 PPI 2014, instituído pela Lei nº 16.097, de 29 de dezembro de 2014, e o artigo

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 793, DE 31 DE JULHO DE 2017.

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 793, DE 31 DE JULHO DE 2017. MEDIDA PROVISÓRIA Nº 793, DE 31 DE JULHO DE 2017. Institui o Programa de Regularização Tributária Rural junto à Secretaria da Receita Federal do Brasil e à Procuradoria- Geral da Fazenda Nacional. O PRESIDENTE

Leia mais

DECRETA: Disposição Preliminar

DECRETA: Disposição Preliminar Decreto nº 058, de 05 de junho de 2012. Estabelece o Sistema de Preços Públicos do Município de Euclides da Cunha, aprova tabelas de cobrança e dá outras providências. A PREFEITA MUNICIPAL DE EUCLIDES

Leia mais

DOE: 10/03/2017 LEI Nº , 09 DE MARÇO DE Institui o Programa de Parcelamento Incentivado de Débitos Fiscais, nas condições que especifica.

DOE: 10/03/2017 LEI Nº , 09 DE MARÇO DE Institui o Programa de Parcelamento Incentivado de Débitos Fiscais, nas condições que especifica. 1 de 8 11/09/2017 15:25 DOE: 10/03/2017 LEI Nº 10.628, 09 DE MARÇO DE 2017 * Alterada pela Lei n.º 10.713, de 25 de julho de 2017, DOE 26/07/17. Institui o Programa de Parcelamento Incentivado de Débitos

Leia mais

Refis da Copa Eliminação dos honorários sobre os débitos previdenciários

Refis da Copa Eliminação dos honorários sobre os débitos previdenciários Refis da Copa Eliminação dos honorários sobre os débitos previdenciários Marcelo Alvares Vicente Mestre em Direito Tributário pela PUC/SP, advogado especialista em administração do passivo fiscal, professor

Leia mais

Leis e Decretos - DECRETO N DE 29 DE DEZEMBRO DE 1951

Leis e Decretos - DECRETO N DE 29 DE DEZEMBRO DE 1951 Leis e Decretos - DECRETO N. 21.115 DE 29 DE DEZEMBRO DE 1951 Dá regulamento aos artigos 1.º, 2.º, 3.º, 4.º, 5.º, 6.º, 9.º, 12, 13, 35, 36, 37 e 57 da Lei n. 1297, de 16-11-51; modifica o regulamento para

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos ICMS ST para transportadoras de produtos da Petrobrás

Orientações Consultoria de Segmentos ICMS ST para transportadoras de produtos da Petrobrás 10/02/2014 Orientações Consultoria Tributária de Segmentos Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 Decreto Nº 20.686, De 28

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 11/03

ATO NORMATIVO Nº 11/03 ATO NORMATIVO Nº 11/03 Dispõe sobre os valores das anuidades de pessoas jurídicas a serem pagas ao Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Estado do Espírito Santo Crea ES para o exercício

Leia mais

ESCLARECIMENTOS LANÇAMENTO IPTU 2017

ESCLARECIMENTOS LANÇAMENTO IPTU 2017 ESCLARECIMENTOS LANÇAMENTO IPTU 2017 PLANEJAMENTO DE LANÇAMENTO É PRECISO EVITAR A POLÊMICA NO LANÇAMENTO DO IPTU. A população precisa ser esclarecida de forma isenta e responsável da base de cálculo do

Leia mais

Art. 2º - Os débitos de que trata o artigo anterior, existente para com a Fazenda Municipal, poderão ser pagos de acordo com os seguintes critérios:

Art. 2º - Os débitos de que trata o artigo anterior, existente para com a Fazenda Municipal, poderão ser pagos de acordo com os seguintes critérios: LEI MUNICIPAL N.º 3.993/2015 INSTITUI PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO FISCAL (REFIS) E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. RENATO GEMELLI BONADIMAN, Prefeito Municipal, Seberi, Estado do Rio Grande do sul, no uso de suas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CLÁUDIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CLÁUDIA LEI Nº 559/2015 DATA: 12 DE FEVEREIRO DE 2015 INSTITUI A COBRANÇA DE TAXA DE SERVIÇOS SOBRE ATIVIDADES DE LICENCIAMENTO E FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DE CLÁUDIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

RESOLUÇÃO CRESS N.º 4211/ de outubro de 2013.

RESOLUÇÃO CRESS N.º 4211/ de outubro de 2013. RESOLUÇÃO CRESS N.º 4211/2013 31 de outubro de 2013. Estabelece o valor da anuidade para o exercício de 2014 de pessoa física e jurídica no âmbito do CRESS 6ª Região e determina outras providências. O

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 780, DE 19 DE MAIO DE 2017.

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 780, DE 19 DE MAIO DE 2017. MEDIDA PROVISÓRIA Nº 780, DE 19 DE MAIO DE 2017. Institui o Programa de Regularização de Débitos não Tributários junto às autarquias e fundações públicas federais e à Procuradoria-Geral Federal e dá outras

Leia mais

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI Dispõe sobre as contribuições devidas para os conselhos profissionais em geral, bem como sobre a forma de cobrança, pelos conselhos, das anuidades e multas por violação da ética. O CONGRESSO

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei: MEDIDA PROVISÓRIA Nº 780 DE 19/05/2017 (DOU 22/05/2017) Institui o Programa de Regularização de Débitos não Tributários junto às autarquias e fundações públicas federais e à Procuradoria-Geral Federal

Leia mais

Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP

Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP Nota Técnica n 003/2012/GECON Vitória, 08 de Março de 2012. Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP

Leia mais

DECRETO Nº. 922 DE 07DE MAIO DE A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE SAQUAREMA, no uso de suas atribuições legais, nos termos da Lei, e

DECRETO Nº. 922 DE 07DE MAIO DE A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE SAQUAREMA, no uso de suas atribuições legais, nos termos da Lei, e DECRETO Nº. 922 DE 07DE MAIO DE 2010. Dispõe sobre os critérios para o parcelamento dos créditos tributários ou não, inscritos ou não em Dívida Ativa, e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO

Leia mais

DECRETO N.º DE 11 DE MAIO DE 2010.

DECRETO N.º DE 11 DE MAIO DE 2010. DECRETO N.º 32.250 DE 11 DE MAIO DE 2010. Dispõe sobre a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica- NFS-e - NOTA CARIOCA - e dá outras providências. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MÁRIO CAMPOS Estado de Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MÁRIO CAMPOS Estado de Minas Gerais LEI COMPLEMENTAR Nº 02, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2001. (Altera Lei n 168 de 29 de Dezembro de 2000) Altera Legislação Tributária Municipal, e dá outras providências. O Povo do Município de Mário Campos, por

Leia mais

PORTARIA Nº 44-N DE 14 DE MAIO DE 1997

PORTARIA Nº 44-N DE 14 DE MAIO DE 1997 PORTARIA Nº 44-N DE 14 DE MAIO DE 1997 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS E RENOVÁVEIS IBAMA, no uso das atribuições que lhe conferem o Art. 24, do anexo I, da

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 664 de 30 de julho de 2013

LEI COMPLEMENTAR Nº 664 de 30 de julho de 2013 Proc. Nº 8477/2013 LEI COMPLEMENTAR Nº 664 de 30 de julho de 2013 Regulamenta o Art. 97 da Lei Complementar nº 580, de 19 de dezembro de 2008, que institui o CÓDIGO DE URBANISMO E MEIO AMBIENTE da Estância

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 315, de 29 de dezembro de 2005. Dispõe sobre a concessão, pelas entidades abertas de previdência complementar e sociedades

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil COMO UTILIZAR A TABELA PRÁTICA NO CÁLCULO DE CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS EM ATRASO

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil COMO UTILIZAR A TABELA PRÁTICA NO CÁLCULO DE CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS EM ATRASO MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil COMO UTILIZAR A TABELA PRÁTICA NO CÁLCULO DE CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS EM ATRASO Orientação para divulgação na Internet e Intranet Prezados

Leia mais

Disciplina os procedimentos referentes à remissão do Imposto sobre a Propriedade

Disciplina os procedimentos referentes à remissão do Imposto sobre a Propriedade RESOLUÇÃO SMF Nº 2677 DE 20 DE JULHO DE 2011 Disciplina os procedimentos referentes à remissão do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana IPTU instituída pelo art. 5º da Lei nº 5.128,

Leia mais

Disciplina o pagamento de tributos e contribuições federais nas condições estabelecidas nos arts. 13 e 14 da Lei nº , de 2002.

Disciplina o pagamento de tributos e contribuições federais nas condições estabelecidas nos arts. 13 e 14 da Lei nº , de 2002. Portaria Conjunta SRF/PGFN nº 07, de 8 de janeiro de 2003 DOU de 10.1.2003 Disciplina o pagamento de tributos e contribuições federais nas condições estabelecidas nos arts. 13 e 14 da Lei nº 10.637, de

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº. 669, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2015

MEDIDA PROVISÓRIA Nº. 669, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2015 MEDIDA PROVISÓRIA Nº. 669, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2015 Altera a Lei nº 12.546, de 14 de dezembro de 2011, quanto à contribuição previdenciária sobre a receita bruta; a Lei nº 12.469, de 26 de agosto de

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 9.960 DE 28 DE JANEIRO DE 2000. Institui a Taxa de Serviços Administrativos TSA, em favor da Superintendência da Zona Franca de Manaus Suframa, estabelece preços a serem cobrados pelo Instituto

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 146, DE 16 DE DEZEMBRO DE Altera a Lei n.º 5.040, de 20 de Novembro de Código Tributário Municipal

LEI COMPLEMENTAR Nº 146, DE 16 DE DEZEMBRO DE Altera a Lei n.º 5.040, de 20 de Novembro de Código Tributário Municipal PREFEITURA DE GOIÂNIA GABINETE DO PREFEITO LEI COMPLEMENTAR Nº 146, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2003. Altera a Lei n.º 5.040, de 20 de Novembro de 1975 - Código Tributário Municipal A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº. 088/2016

LEI COMPLEMENTAR Nº. 088/2016 LEI COMPLEMENTAR Nº. 088/2016 DISPÕE SOBRE ISENÇÃO POR TEMPO DETERMINADO DE IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO - IPTU PARA LOTEAMENTOS APROVADOS, REGULARIZADOS E REGISTRADOS NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO

Leia mais

Débitos-PIS,COFINS-Parcelamento-Lei Disposições-Alterações na Portaria PGFN RFB 08 13

Débitos-PIS,COFINS-Parcelamento-Lei Disposições-Alterações na Portaria PGFN RFB 08 13 Débitos-PIS,COFINS-Parcelamento-Lei 12.865 13 -Disposições-Alterações na Portaria PGFN RFB 08 13 Portaria Conjunta PGFN RFB nº 11/2013-DOU: 26.11.2013 Altera a Portaria Conjunta PGFN/RFB nº 8, de 18 de

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 773, DE 8 DE OUTUBRO DE 2015.

LEI COMPLEMENTAR Nº 773, DE 8 DE OUTUBRO DE 2015. LEI COMPLEMENTAR Nº 773, DE 8 DE OUTUBRO DE 2015. Institui o Programa de Recuperação Fiscal Refispoa 2015 e revoga a Lei nº 11.428, de 30 de abril de 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Faço saber

Leia mais

DECRETO N 6003, de 02 de fevereiro de 2017.

DECRETO N 6003, de 02 de fevereiro de 2017. DECRETO N 6003, de 02 de fevereiro de 2017. REGULAMENTA O ARTIGO 303 DA LEI COMPLEMENTAR Nº110, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2003, QUE ESTABELECEU O CÓDIGO TRIBUTÁRIO MUNICIPAL. O Prefeito do Município de Rio

Leia mais

Diário Oficial do Estado de SP Volume Número São Paulo, sexta-feira, 5 de dezembro de 2003 SECRETARIA DA FAZENDA GABINETE DO SECRETÁRIO

Diário Oficial do Estado de SP Volume Número São Paulo, sexta-feira, 5 de dezembro de 2003 SECRETARIA DA FAZENDA GABINETE DO SECRETÁRIO São Paulo, 11 de Dezembro de 2.003. DE: PARA: ASSESSORIA JURÍDICA ASSOCIADOS CIRCULAR Nº 052/2003 Resolução Conjunta Secretária da Fazenda / Procuradoria Geral do Estado de 4 de Dezembro de 2003 Diário

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA

CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA RESOLUÇÃO CONFE N.º 311 de 14 de OUTUBRO de 2015. DISPÕE SOBRE O VALOR DA ANUIDADE, TAXAS E MULTAS DEVIDAS AOS CONSELHOS REGIONAIS DE ESTATÍSTICA PARA O EXERCÍCIO DE 2016. O CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 353/2009 Poder Executivo

PROJETO DE LEI Nº 353/2009 Poder Executivo DIÁRIO OFICIAL DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Porto Alegre, sexta-feira, 20 de novembro de 2009. PRO 1 PROJETO DE LEI Nº 353/2009 Poder Executivo Introduz modificações na Lei nº 6.537, de 27 de fevereiro de

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 388, DE 26 DE AGOSTO DE 2011.

LEI COMPLEMENTAR Nº 388, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. LEI COMPLEMENTAR Nº 388, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Institui o Programa de Recuperação Fiscal Quatro de Caxias do Sul (REFIS IV Caxias), para pessoas físicas e jurídicas, e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA arnê de IPTU de 5 11//016 13:44 Inscrição Imobiliária Natureza TERRIT. Sublote Cód. Taxação 6 Indicação Fiscal Espécie 5 Nº do Talão ESTELA MARIS KANNERNBERG NARDI R. ESTEVÃO BAYÃO 6 AP 1401 Andar 14 ÁGUA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o 3.112, DE 6 DE JULHO DE 1999. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o inciso IV do art. 84 da

Leia mais

Programa Regularize. Novo prazo para utilização de crédito acumulado

Programa Regularize. Novo prazo para utilização de crédito acumulado Programa Regularize Novo prazo para utilização de crédito acumulado Decreto 47.020/2016 O que é o Programa Regularize? O estado de Minas Gerais publicou o Decreto n.º 46.817/2015, instituindo o Programa

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº. 32/09

ATO NORMATIVO Nº. 32/09 ATO NORMATIVO Nº. 32/09 Dispõe sobre os valores das anuidades de pessoas físicas a serem pagas ao Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Estado do Espírito Santo - Crea-ES para o exercício

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.336, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2001. Institui Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a importação e

Leia mais

Artigo 1º. Passa a Lei Complementar 118, de 21 de novembro de 2002 (Código Tributário Municipal), a viger com as seguintes alterações:

Artigo 1º. Passa a Lei Complementar 118, de 21 de novembro de 2002 (Código Tributário Municipal), a viger com as seguintes alterações: Lei Complementar N.º 185, de 25 de Julho de 2007 ALTERA A LEI COMPLEMENTAR Nº 118, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2002 CÓDIGO TRIBUTÁRIO MUNICIPAL RUBENS FURLAN, Prefeito do Município de Barueri, usando das atribuições

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Jari Terra de lutas e conquistas CNPJ: /

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Jari Terra de lutas e conquistas CNPJ: / LEI Nº- 1923 DE 22 DE OUTUBRO DE 2013 FICA O PODER EXECUTIVO MUNICIPAL, AUTORIZADO A PROMOVER A REGULARIZAÇÃO DE EDIFICAÇÕES E USOS QUE ESTEJAM EM DESACORDO COM A LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO, E COM O

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA

CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA RESOLUÇÃO CONFE N. º 296 de 08 de NOVEMBRO de 2011. DISPÕE SOBRE O VALOR DA ANUIDADE, TAXAS E MULTAS DEVIDAS AOS CONSELHOS REGIONAIS DE ESTATÍSTICA PARA O EXERCÍCIO DE 2012. O CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA DECRETA:

PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA DECRETA: 1 DECRETO Nº 11.333, DE 30 DE JUNHO DE 2011. Dispõe sobre a regulamentação da emissão de certidões e declarações no âmbito da Fazenda Pública Municipal. O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA, Estado do Piauí,

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção do Estado da Bahia

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção do Estado da Bahia RESOLUÇÃO Nº 002/2016 - CP Programa de Regularização Financeira da Ordem dos Advogados Brasil Seccional Bahia. CONSELHO PLENO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SECCIONAL DO ESTADO DA BAHIA, reunido em 16

Leia mais

O art. 1º da Lei nº 8.621, de 03/07/2014, dispõe sobre os limites estabelecidos nos incisos I, II e III do art. 4º desta Lei. LEI Nº 8.

O art. 1º da Lei nº 8.621, de 03/07/2014, dispõe sobre os limites estabelecidos nos incisos I, II e III do art. 4º desta Lei. LEI Nº 8. DOM DE 28 A 30 /09/2013 O art. 1º da Lei nº 8.621, de 03/07/2014, dispõe sobre os limites estabelecidos nos incisos I, II e III do art. 4º desta Lei. LEI Nº 8.473/2013 Aprova os Valores Unitários Padrão

Leia mais

PEP PROGRAMA ESPECIAL DE PARCELAMENTO DÉBITOS DE ICMS COM REFERÊNCIA ATÉ JULHO/2012

PEP PROGRAMA ESPECIAL DE PARCELAMENTO DÉBITOS DE ICMS COM REFERÊNCIA ATÉ JULHO/2012 CIRCULAR Nº 45/2012 São Paulo, 28 de Dezembro de 2012. PEP PROGRAMA ESPECIAL DE PARCELAMENTO DÉBITOS DE ICMS COM REFERÊNCIA ATÉ JULHO/2012 Prezado Cliente, No dia 28/12/2012, o Governo do Estado de São

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22, DE 19 DE OUTUBRO DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº 22, DE 19 DE OUTUBRO DE 2010. RESOLUÇÃO Nº 22, DE 19 DE OUTUBRO DE 2010. FIXA O VALOR DA ANUIDADE, FORMAS DE PARCELAMENTO E PAGAMENTO, MULTAS E PREÇOS PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2011, NO ÂMBITO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL-SEÇÃO

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Antecipação tributária do imposto - entrada de mercadoria proveniente de outra UF - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Antecipação tributária do imposto - entrada de mercadoria proveniente de outra UF - SP Segmentos mercadoria proveniente de outra UF - SP 11/05/2016 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 Antecipação Tributária...

Leia mais