Climatologia Agrícola Ano de 2007

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Climatologia Agrícola Ano de 2007"

Transcrição

1 Climatologia Agrícola Ano de 27 Relatório Anual No âmbito da actividade do Sistema Agrometeorológico para a Gestão da Rega no (SAGRA) e no seguimento de anos anteriores, apresenta-se no presente relatório, o resumo climatológico de maior interesse agrícola referente ao ano de 27. Devido à especificidade da actividade desenvolvida apresenta-se também o resumo do consumo hídrico das culturas mais representativas na área de cada uma das estações. Na Figura 1, apresenta-se, para o caso de Beja, a evolução da precipitação anual, temperatura média anual e evapotranspiração da cultura de referência anual (ETo) e a sua relação com os valores médios de precipitação anual e temperatura média anual do período de , para o posto meteorológico de Beja do Instituto de Meteorologia (IM). Os dados de precipitação anual e temperatura média anual no período de 1994 a 21 foram cedidos pelo IM e referem-se também ao posto meteorológico de Beja. A partir de 22 toda a informação foi obtida pela estação meteorológica automática (EMA) de Beja da rede SAGRA. A partir de 22 passou a disponibilizar-se também a evapotranspiração de referência (ETo) estimada de acordo com a metodologia recomendada pela FAO (Allen et al., 1998). 1 Termopluviograma e ETo 3, 12 2, 1 2, 7 1, C 1, 2, Anos Precipitação ETo T med T med (1961-9) P med (1961-9), Figura 1 - Relação entre ETo, Precipitação e Temperatura média anual para Beja. Mod.11/ Pela análise do gráfico da Figura 1, verifica-se que a temperatura média anual (linha laranja contínua) tem evoluído sempre muito próxima do valor médio do período de , representada pela linha laranja tracejado. Não se tendo evidenciado diferenças entre a temperatura média do ano de 27 e a temperatura média do período de Em relação à precipitação, observa-se um maior desvio em relação ao valor médio do período de (linha azul tracejada), notando-se que a precipitação registada em 27 foi de 4 % (aprox.) menos que o valor médio. A ETo calculada no ano de 27 apresentou o valor mais baixo desde que se iniciaram os cálculos (< 13 ). Quinta da Saúde, APT 34, Beja Telf.: FAX:

2 Após o enquadramento inicial de uma EMA de referência (no presente caso Beja), em relação a uma série de dados históricos, conforme apresentado na Figura 1, passa-se a descrever de seguida, a relação dos parâmetros mais significativos em termos de climatologia agrícola entre as diversas estações meteorológicas automáticas (EMA s) da rede SAGRA. Assim, na Figura 2, apresenta-se a relação entre todas as que compõem a rede SAGRA referente à precipitação anual ocorrida, à evapotranspiração da cultura de referência (ETo) estimada de acordo com a metodologia recomendada pela FAO (Allen et al., 1998) e à temperatura média anual verificada. Termopluviograma e Evapotranspiração (ETo) Beja Elvas Alvalade Moura Ferrreira do Aljustrel Redondo Évora Odemira Serpa Estremoz Viana do P () ETo () Tmed () Figura 2 - Relação entre ETo, Precipitação e Temperatura média anual para as diferentes estações da rede SAGRA. Da análise do gráfico da Figura 2, verifica-se que a evapotranspiração da cultura de referência (ETo) acumulada durante o ano foi cerca de 12 e que a precipitação foi inferior a, em grande parte das estações. As maiores exigências evapotranspirativas ocorreram nas estações de Beja, Alvalade do Sado, Aljustrel, Serpa, Redondo e Viana do. Em relação à precipitação, Évora, Estremoz, Elvas e Viana do foram os locais onde ocorreu maior quantidade de precipitação. As zonas mais secas foram Beja, Moura, Ferreira do e Odemira. Nas estações meteorológicas de Évora, Odemira e Estremoz foi onde se registaram as temperaturas médias anuais mais baixas (1,2 ). Desta figura ressalta ainda que, Évora, Estremoz e Odemira foram os locais onde existiu menor diferença entre a evapotranspiração e precipitação, ou seja, potencialmente menor exigência de rega, comparativamente com os outros locais. Na figura seguinte apresentam-se os valores mensais da temperatura média do ar, precipitação e evapotranspiração de referência, distribuídos pelas estações da rede P ETo Tmed P ETo Tmed 2

3 P ETo Tmed P ETo Tmed DO ALENTEJO P ETo Tmed P ETo Tmed P ETo Tmed P ETo Tmed ODEMIRA P ETo Tmed P ETo Tmed ESTREMOZ VIANA DO ALENTEJO P ETo Tmed P ETo Tmed Figura 3 - Relação entre ETo, Precipitação e Temperatura média mensal nas estações da rede SAGRA. 3

4 Pela análise dos gráficos da Figura 3, verifica-se uma tendência similar em todos eles, isto é, o período com a temperatura média mensal mais elevada foi aquele em que as necessidades de evapotranspiração também foram maiores, e coincidiu exactamente com o período de menor ocorrência de precipitação. Pelo contrário, o Inverno foi a estação com maior ocorrência de precipitação e mais fria, e simultaneamente a que teve menores exigências de evapotranspiração. As maiores amplitudes térmicas verificaram-se nas estações de Elvas e Moura com valores médios entre os 26 (Julho) e 7 (Dezembro), enquanto a estação de Odemira apresentou a menor amplitude térmica com 2 (Julho e Agosto) e 11 (Janeiro e Dezembro). A precipitação apresentou uma distribuição mensal aleatória, resultado da constante instabilidade atmosférica que caracterizou o ano, registando-se a ocorrência de alguma precipitação durante o mês de Agosto. Verificaram-se grandes amplitudes de evapotranspiração com valores de 2 por mês durante o Verão, baixando para valores de 3 durante os meses de Inverno. A excepção acontece na estação de Odemira onde os valores durante o Verão não ultrapassaram os 1 /mês. Na Figura 4, apresenta-se a variação da radiação solar global anual (MJ/m 2 ), registada em cada uma das EMA s. Radiação Global nas Estações 7 67 Rad G (MJ/m 2 ) Beja Elvas Alvalade Moura Ferrreira do Aljustrel Redondo Évora Odemira Serpa Estremoz Viana do Figura 4 - Radiação Solar Global anual para as EMA s da rede SAGRA. Da análise do gráfico da Figura 4, verifica-se que a radiação solar global acumulada ao longo do ano, por cada EMA, foi em média de 6 MJ/m 2. Em Évora, Estremoz e Moura não se atingiu o valor médio e em Beja, Odemira e Viana do superouse esse valor, atingindo os 6 MJ/m 2 em Beja e Viana do e no caso de Odemira devido à proximidade do mar, atingiu o valor mais elevado ultrapassando os 68 MJ/m 2. Nas figuras e 6, apresenta-se a evolução da radiação solar global comparativa entre estações ao longo do ano de 27, expressa em valores mensais. 4

5 Rad G (MJ/m2) Evolução Rad. Solar Global Zona Sul F. ALENTEJO ODEMIRA Figura Evolução da Radiação Solar Global mensal entre EMA s da rede. Pela análise dos gráficos da Figura e 6, pode-se observar uma crescente evolução nos valores da radiação até ao mês de Julho, durante o qual a radiação atingiu valor máximo entre os 8 e 9 MJ/m 2. A partir de Julho verifica-se um decréscimo progressivo até ao fim do ano, atingindo-se os valores mínimos em Dezembro e Janeiro de 2 MJ/m 2 (aprox.). Rad G (MJ/m2) Evolução Rad. Solar Global Zona Norte ESTREMOZ EVORA V. ALENTEJO Figura 6 Evolução da Radiação Solar Global mensal entre EMA s da rede (cont.). Fazendo a análise por estações, verifica-se que as EMA s de Viana do, Beja e Odemira, atingiram os valores máximos de 9 MJ/m 2 (aprox.). Pelo contrário, as estações de Ferreira do, Aljustrel, Serpa e Évora e Moura, apresentaram os registos mais baixos de radiação solar global mensal de 2 MJ/m 2 (aprox.) durante os meses de Inverno. Na Figura 7, apresenta-se a variação da velocidade média e máxima do vento anual para a rede de EMA s.

6 m/s 2, 18, 16, 14, 12, 1, 8, 6, 4, 2,, Beja Elvas Alvalade Moura Ferreira do Aljustrel Redondo Évora Odemira Serpa Estremoz Viana do Figura 7 Comparação da velocidade média e máxima do vento anual entre estações da rede. Pela análise da Figura 7, verifica-se que a velocidade média do vento entre todas as estações da rede SAGRA se aproximou dos 2 m/s, acima desta média destacam-se as estações de Redondo e Viana do. Pelo contrário, as estações de Moura, Ferreira do e Estremoz apresentaram valores mais baixos relativamente à média. Da análise dos valores máximos registados, verifica-se que as estações Alvalade, Aljustrel e Redondo atingiram os maiores valores de velocidade do vento, superando os 18 m/s. De acordo com o referido no início do relatório, apresenta-se em seguida a evolução das necessidades hídricas das culturas e das necessidades de rega, considerando apenas a contribuição da precipitação, durante o período de desenvolvimento da cultura. As figuras 8, 9 e 1 apresentam a evapotranspiração das culturas mais representativas da rede, estimadas de acordo com a metodologia recomendada pela FAO (Allen et al., 1998). Assim, no gráfico da Figura 8, apresentam-se as necessidades hídricas de beterraba de Outono, milho e girassol. Na Figura 9 e 1, respectivamente as culturas, tomate e melão e olival e vinha para vinho. No caso da vinha, as necessidades foram estimadas simulando a cultura em plena produção numa situação permanente de défice hídrico moderado. A determinação das necessidades em água do olival foram adaptadas às condições da região, para as quais se considerou o olival instalado com compasso 7 6, com um diâmetro médio de copa de 4 m, o que equivale a uma fracção de cobertura de cerca de 3% da superfície do solo. Os valores apresentados referem-se à evapotranspiração acumulada para um ciclo normal e para uma data de sementeira média ou início habitual de ciclo. 12 ETc () ODEMIRA Beterraba Outono Milho Grão Girassol Figura 8 Evapotranspiração das culturas mais representativas da área de influência rede SAGRA no ano de 27. 6

7 Pela análise do gráfico da Figura 8, verifica-se que a beterraba de Outono apresentou o maior consumo de água, superando na maioria das regiões os 9, atingindo inclusive, os 1 em Aljustrel. Em relação à cultura do milho, as exigências em água para completar o ciclo foram, em média, de 7 (aprox.), podendo-se verificar que a cultura na região de Odemira teve menores exigências em água (< 6 ) e que em Aljustrel e no Redondo atingiu as necessidades hídricas máximas, aproximando-se dos 8. No caso do girassol, esta cultura apresentou, durante a campanha, uma exigência média em água de 6. Em relação às culturas hortícolas aqui consideradas, apresenta-se no gráfico da Figura 9, o consumo hídrico das culturas de tomate para indústria e melão. 12 ETc () Tomate Melão Figura 9 Evapotranspiração das culturas mais representativas da área de influência rede SAGRA no ano de 27 (cont.). Relativamente à cultura do tomate, pela análise do gráfico da Figura 9, verifica-se que, de um modo geral, a cultura apresentou uma exigência em água de 6, evidenciando-se uma exigência ligeiramente superior no Redondo, seguido de Aljustrel. A cultura do melão apresentou uma exigência em água ligeiramente inferior, em termos médios, situando-se em valores ligeiramente inferiores a 6. Apresenta-se no gráfico da Figura 1, o consumo hídrico das culturas do olival e vinha para produção de vinho. 12 ETc () Olival Vinha para vinho Figura 1 Evapotranspiração das culturas mais representativas da área de influência rede SAGRA no ano de 27 (cont.). 7

8 Pela análise do gráfico da Figura 1, pode-se observar que o olival apresentou um consumo em água ligeiramente inferior a 4, e a vinha para produção de vinho apresentou um consumo de 3 (aprox.). Os valores apresentados nas Figuras 8 a 1, referem-se às necessidades de hídricas das culturas para reporem as suas exigências de evapotranspiração durante o ciclo anual de vida, para transformar essas necessidades em necessidades de água de rega foi considerada a precipitação efectiva ocorrida durante o período correspondente ao ciclo cultural. Desta forma, nas Figuras 11, 12 e 13, apresentam-se as necessidades em água de rega estimadas para maximizar a produção da cultura, considerando a precipitação efectiva como 8% da precipitação ocorrida durante o período de desenvolvimento da cultura, e não considerando a contribuição do armazenamento do solo, nem qualquer outra contribuição, como seja a existência de lençol freático ao alcance das raízes. 7 NA () ODEMIRA Beterraba Outono Milho Grão Girassol Figura 11 Necessidades em água de rega das culturas mais representativas da área de influência rede SAGRA no ano de 27. Pela análise do gráfico da Figura 11, verifica-se que a beterraba de Outono apresentou necessidades em água de rega idênticas ao milho, em média, de 6 (aprox.), podendo-se verificar que as culturas na região do Redondo têm maiores exigências em água superando os 6. Em Ferreira do, Évora e Odemira as exigências em água de rega do milho foram as mais baixas, de (aprox.). Em relação à cultura do girassol as exigências de água de rega foram de, sendo que em Elvas e Ferreira do ficaram ligeiramente abaixo deste valor. 7 6 NA () Tomate Melão Figura 12 Necessidades em água de rega das culturas mais representativas da área de influência rede SAGRA no ano de 27 (cont.). 8

9 De acordo com o gráfico da Figura 12, pode-se observar que o tomate para indústria apresentou necessidades em água de rega que variaram entre os em Ferreira do e Évora e os 6 em Aljustrel e no Redondo. As necessidades de rega da cultura do melão foram, em média, de 4 (aprox.), sendo que no Redondo atingiram os e em Ferreira do, em pouco superaram os NA () Olival Vinha para vinho Figura 13 Necessidades em água de rega das culturas mais representativas da área de influência rede SAGRA no ano de 27 (cont.). Para finalizar o presente relatório, verifica-se que, pela análise do gráfico da Figura 13, o olival apresentou necessidades em água de rega de 1 (aprox.), sendo que em Alvalade do Sado, Beja, Ferreira do e Redondo, superaram esse valor, atingindo os 1. Em relação à vinha para produção de vinho, esta apresentou necessidades em água de rega que atingiram os 1 no Redondo e Beja, e em Aljustrel, Évora e Redondo foram de, em valores médios. Beja, 3 Março 28 Os Técnicos de Área SAGRA Jorge Maia Marta Santos O Director Técnico (Isaurindo Oliveira) 9

Climatologia Agrícola Relatório Anual Ano de 2008

Climatologia Agrícola Relatório Anual Ano de 2008 Climatologia Agrícola Relatório Anual Ano de 28 No âmbito da actividade do Sistema Agrometeorológico para a Gestão da Rega no (SAGRA) e no seguimento de anos anteriores, apresenta-se no presente relatório,

Leia mais

NECESSIDADES EM ÁGUA DAS CULTURAS REGIÃO DO ALENTEJO

NECESSIDADES EM ÁGUA DAS CULTURAS REGIÃO DO ALENTEJO NECESSIDADES EM ÁGUA DAS CULTURAS REGIÃO DO ALENTEJO Campanha de Rega de 2010/11 BEJA 2012 Necessidades em água das culturas Enquadrado na actividade desenvolvida pelo serviço SAGRA - Sistema Agrometeorológico

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental DEZEMBRO de 2014 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Tabela Resumo mensal 1 2 3 5 7 8 Figura 1 Variabilidade

Leia mais

Boletim Climatológico Sazonal Verão 2015

Boletim Climatológico Sazonal Verão 2015 ISSN 2183-1084 Resumo Boletim Climatológico Sazonal Verão 2015 O verão 2015 (junho, julho, agosto) em Portugal Continental foi caracterizado por valores da temperatura média do ar superiores ao valor normal

Leia mais

Climatológico Sazonal. Boletim Climatológico Sazonal Verão de 2016

Climatológico Sazonal. Boletim Climatológico Sazonal Verão de 2016 ISSN 2183-1084 Boletim Climatológico Sazonal Verão 2016 Resumo O verão de 2016 (junho, julho, agosto) em Portugal Continental foi caracterizado por valores da temperatura média do ar muito superiores ao

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO SOBRE A PRIMAVERA NO ESTADO DO PARANÁ

BOLETIM CLIMÁTICO SOBRE A PRIMAVERA NO ESTADO DO PARANÁ BOLETIM CLIMÁTICO SOBRE A PRIMAVERA NO ESTADO DO PARANÁ Data da previsão: 22/09/15 Duração da Primavera: 23/09/15 (05h20) a 22/12/2015 (01h48 não ajustado ao horário de verão) Características climáticas

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DE MAIO E PROGNÓSTICO CLIMÁTICO PARA O TRIMESTRE JUNHO, JULHO E AGOSTO DE 2011. I. DIAGNÓSTICO Maio foi um mês seco e com temperaturas amenas em Minas Gerais. As chuvas foram

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE IMPERATRIZ

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE IMPERATRIZ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE IMPERATRIZ Disciplina: 2E321 - METEOOROLOGIA E CLIMATOLOGIA CONCEITOS INICIAIS Professor: Luiz Carlos A. dos Santos Tempo atmosférico ou

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental NOVEMBRO de 2014 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Tabela Resumo mensal 1 2 3 4 7 8 Figura 1 Variabilidade

Leia mais

Análise Climatológica da Década (Relatório preliminar)

Análise Climatológica da Década (Relatório preliminar) Análise Climatológica da Década 2000-2009 (Relatório preliminar) Resumo Boleti m Climat ológico Anual - 2008 Produz ido por Institut o de Meteor ologia, I.P. També m A análise dos dados meteorológicos

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL PARA MINAS GERAIS, 11 a 20 de Março de 2011

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL PARA MINAS GERAIS, 11 a 20 de Março de 2011 BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL PARA MINAS GERAIS, 11 a 20 de Março de 2011 I. DIAGNÓSTICO Comportamento das Chuvas O segundo decêndio de março, em Minas Gerais, foi caracterizado por chuvas frequentes,

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental FEVEREIRO de 2015 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Tabela Resumo mensal 1 2 3 6 7 8 Instituto

Leia mais

Relatório Diário. 5 de agosto 2016

Relatório Diário. 5 de agosto 2016 Relatório Diário 5 de agosto 2016 1 Relatório Diário 05.08.2016 10:00 Report Highlights Para o dia 05.08.2016 importa destacar: Aumento da temperatura em todo o país. A partir do dia de hoje previsão de

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Dezembro 2009

Boletim Climatológico Mensal Dezembro 2009 Boletim Climatológico Mensal Dezembro 2009 CONTEÚDOS IM,I.P. 01 Resumo Mensal 05 Resumo das Condições Meteorológicas 06 Caracterização Climática Mensal 06 Temperatura do Ar 07 Precipitação Total 09 Outros

Leia mais

BOLETIM CLIMATOLÓGICO

BOLETIM CLIMATOLÓGICO ISSN 2183-1076 BOLETIM CLIMATOLÓGICO Janeiro 2016 Portugal Continental Resumo 1 Situação Sinóptica 2 Temperatura do Ar 2 Precipitação 6 Monitorização da Seca 8 Radiação 9 Tabela Resumo Mensal 10 Instituto

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Janeiro de 2014

Boletim Climatológico Mensal Janeiro de 2014 Boletim Climatológico Mensal Janeiro de 2014 CONTEÚDOS Vestígios de neve no ponto mais alto da ilha do Faial, a 7 de janeiro de 2014. (Cortesia de António Maia) 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições

Leia mais

CHUVAS EM Campo Grande MATO GROSSO DO SUL. NOVEMBRO e DEZEMBRO/2015 JANEIRO e FEVEREIRO/2016

CHUVAS EM Campo Grande MATO GROSSO DO SUL. NOVEMBRO e DEZEMBRO/2015 JANEIRO e FEVEREIRO/2016 CHUVAS EM Campo Grande MATO GROSSO DO SUL NOVEMBRO e DEZEMBRO/2015 JANEIRO e FEVEREIRO/2016 1. DESCRIÇÃO DOS DADOS Os dados desse documento são da Estação Meteorológica Automática EMA -, do Instituto Nacional

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Março de 2015

Boletim Climatológico Mensal Março de 2015 Boletim Climatológico Mensal Março de 2015 CONTEÚDOS Imagens MODIS de ondas de montanha causadas pela orografia da ilha de S. Miguel em 23.03.2015 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Outubro de 2015 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Monitorização da Seca Radiação Vento Forte Tabela Resumo

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Abril de 2015

Boletim Climatológico Mensal Abril de 2015 Boletim Climatológico Mensal Abril de 2015 CONTEÚDOS Preparação de uma sondagem nos anos 30-40 (arquivo fotográfico do Observatório José Agostinho). 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas

Leia mais

Boletim Climatológico Março 2016 Região Autónoma dos Açores

Boletim Climatológico Março 2016 Região Autónoma dos Açores Boletim Climatológico Março 2016 Região Autónoma dos Açores Conteúdo Resumo...2 Situação sinóptica...2 Precipitação...3 Temperatura do ar...5 Vento...5 Radiação global...6 INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E

Leia mais

Figura 1 Distribuição espacial do índice de seca meteorológica em 31de Agosto e em 15 de Setembro de 2012.

Figura 1 Distribuição espacial do índice de seca meteorológica em 31de Agosto e em 15 de Setembro de 2012. Situação de Seca Meteorológica em 15 de setembro Contributo do Instituto de Meteorologia, I.P. para o Acompanhamento e Avaliação dos Efeitos da Seca 1. Situação Atual de Seca Meteorológica A situação de

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental OUTUBRO de 2014 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Tabela Resumo mensal 1 2 3 7 10 11 Figura 1

Leia mais

Duração do Brilho do Sol e Períodos de Céu Encoberto Durante Dez Anos em Canoas, RS.

Duração do Brilho do Sol e Períodos de Céu Encoberto Durante Dez Anos em Canoas, RS. Duração do Brilho do Sol e Períodos de Céu Encoberto Durante Dez em Canoas, RS. Pereira Neto, J.E., Hackbart, Eugênio J., Welzel, A., Xavier, Júlio A., Morcio, Daniel R.S. ULBRA - Universidade Luterana

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DE JANEIRO E PROGNÓSTICO CLIMÁTICO PARA O TRIMESTRE FEVEREIRO, MARÇO E ABRIL DE 2011. I. DIAGNÓSTICO Em Minas Gerais, janeiro iniciou-se com chuvas fortes, frequentes e generalizadas,

Leia mais

Introdução. A importância da compreensão dos fenômenos meteorologicos Grande volume de dados

Introdução. A importância da compreensão dos fenômenos meteorologicos Grande volume de dados Introdução A importância da compreensão dos fenômenos meteorologicos Grande volume de dados Estações meteorológicas Imagens de satélite Radar Aeronaves, navios e bóias oceânicas Necessidade de rapidez

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DE ABRIL E PROGNÓSTICO CLIMÁTICO PARA O TRIMESTRE MAIO, JUNHO E JULHO DE 2011. I. DIAGNÓSTICO Abril apresentou características típicas de transição do período chuvoso para o seco.

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL MARÇO/ABRIL/MAIO - 2016 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural MARÇO/2016 El Niño 2015-2016 Observações recentes sobre a região do Oceano Pacífico Equatorial

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO - NOVEMBRO 2015

BOLETIM CLIMÁTICO - NOVEMBRO 2015 BOLETIM CLIMÁTICO - NOVEMBRO 2015 1. Condições meteorológicas sobre o Brasil No mês de novembro de 2015 os valores acumulados de precipitação mais significativos ocorreram nas regiões Sul, São Paulo, e

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO E DO NÚMERO DE DIAS DE CHUVA NO MUNICÍPIO DE PETROLINA - PE

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO E DO NÚMERO DE DIAS DE CHUVA NO MUNICÍPIO DE PETROLINA - PE CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA SUSTENTABILIDADE DE ÁREAS RURAIS E URBANAS TECNOLOGIAS E CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA TERESINA, PI, DE 11 A 14 DE JULHO DE 2 ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO E DO NÚMERO DE DIAS

Leia mais

BOLETIM CLIMATOLÓGICO

BOLETIM CLIMATOLÓGICO ISSN 2183-1076 BOLETIM CLIMATOLÓGICO Fevereiro 2016 Portugal Continental Resumo 1 Situação Sinóptica 2 Temperatura do Ar 2 Precipitação 6 Monitorização da Seca 8 Radiação 9 Tabela Resumo Mensal 10 Instituto

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Setembro de 2015 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Monitorização da Seca Radiação Tabela Resumo mensal

Leia mais

MODELAÇÃO MATEMÁTICA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DA REGIÃO DE MOURA

MODELAÇÃO MATEMÁTICA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DA REGIÃO DE MOURA 7 CLIMA 7.1 Introdução Para a caracterização do clima de uma região, no que respeita à água, uma das técnicas correntemente utilizadas consiste na realização do balanço sequencial mensal da água no solo.

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 11 a 20 de Janeiro de 2011

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 11 a 20 de Janeiro de 2011 BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 11 a 20 de Janeiro de 2011 I. DIAGNÓSTICO Comportamento das Chuvas O segundo decêndio de janeiro foi caracterizado por chuvas fortes e recorrentes, principalmente no

Leia mais

NARRATIVA DO MONITOR DE SECAS DO MÊS DE FEVEREIRO DE Condições Meteorológicas do Mês de Fevereiro de 2016

NARRATIVA DO MONITOR DE SECAS DO MÊS DE FEVEREIRO DE Condições Meteorológicas do Mês de Fevereiro de 2016 NARRATIVA DO MONITOR DE SECAS DO MÊS DE FEVEREIRO DE 2016 Condições Meteorológicas do Mês de Fevereiro de 2016 A Figura 1 mostra a espacialização da precipitação do Nordeste brasileiro: (a) registrada

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ Teresina - PI Dezembro(2015)/Janeiro(2016)/Fevereiro(2016) Rua 13 de Maio, 307, 4º, 5º e 6º Andar Centro CEP 64.001-150 - www.semar.pi.gov.br Teresina

Leia mais

UNIDADE DE CONSERVAÇÃO E ZONA DE AMORTECIMENTO

UNIDADE DE CONSERVAÇÃO E ZONA DE AMORTECIMENTO ANEXO 5.2 - CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DO PNSB E DA ZONA DE AMORTECIMENTO A 5.2.1 REGIME PLUVIOMÉTRICO O regime pluviométrico das áreas do PNSB e de sua Zona de Amortecimento foi avaliado com base nos dados

Leia mais

Climatologia e meteorologia

Climatologia e meteorologia Climatologia e meteorologia 1. Introdução A climatologia é a ciência que se ocupa do estudo dos climas. Os estudos climatológicos referem-se, de uma maneira geral, a territórios mais ou menos vastos e

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Julho de 2015

Boletim Climatológico Mensal Julho de 2015 Boletim Climatológico Mensal Julho de 2015 CONTEÚDOS Observatório da Horta, atual Príncipe Alberto de Mónaco, inaugurado a 1 de julho de 1915. 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas 02

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Dezembro de 2013 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Tabela Resumo mensal 1 2 3 5 7 8 Instituto

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO PARA O PARANÁ OUTONO 2015

BOLETIM CLIMÁTICO PARA O PARANÁ OUTONO 2015 1. Características da estação BOLETIM CLIMÁTICO PARA O PARANÁ OUTONO 2015 O outono tem início em 20 de março às 19 h e 45 min e término em 21 de junho às 13 h e 38 min. Esta estação é marcada por forte

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS I N F O C L I M A BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET PREVISÃO DE NORMALIDADE DE CHUVAS E DE TEMPERATURAS NA MAIOR PARTE DO PAÍS

Leia mais

Características Climáticas da Primavera

Características Climáticas da Primavera Previsão Climática para a Primavera/2014 Data da Previsão: 17/09/2014 Duração da Primavera: 22/09/2014(23h29min) a 21/12/2014 (20h03min*) *Não acompanha o horário de verão Características Climáticas da

Leia mais

Águas. Superficiais: Disponibilidades Hídricas. Quantidade de Água disponível no Planeta. Dependem de:

Águas. Superficiais: Disponibilidades Hídricas. Quantidade de Água disponível no Planeta. Dependem de: Águas Superficiais: Rios Lagos Lagoas Albufeiras Subterrâneas: Aquíferos Águas do Subsolo até 800 metros de Profundidade Disponibilidades Hídricas Quantidade de Água disponível no Planeta. Dependem de:

Leia mais

BOLETIM PROJETO CHUVA - 22 DE JUNHO DE 2011

BOLETIM PROJETO CHUVA - 22 DE JUNHO DE 2011 BOLETIM PROJETO CHUVA - 22 DE JUNHO DE 2011 Condições Climáticas Na carta de Temperatura da Superfície do Mar (TSM), que pode ser analisado através da Figura 1a, são observadas anomalias positivas de TSM

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL DEZEMBRO/JANEIRO/FEVEREIRO 2015-2016 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural NOVEMBRO/2015 Comunicado importante da Aquaeris Meteorologia Em novembro de 2015

Leia mais

Estatísticas do Turismo 2001

Estatísticas do Turismo 2001 Informação à Comunicação Social 29 de Agosto de 22 Estatísticas do Turismo 21 Estando disponível na Internet a publicação Estatísticas do Turismo 21, o INE apresenta os principais resultados referentes

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira Diferença entre Tempo e Clima TEMPO: Variações diárias das condições atmosféricas. CLIMA: É a condição média

Leia mais

Instituto de Meteorologia Departamento de Meteorologia e Clima

Instituto de Meteorologia Departamento de Meteorologia e Clima Instituto de Meteorologia Departamento de Meteorologia e Clima vanda.cabrinha@meteo.pt Clima conjunto das condições meteorológicas, num dado instante e num dado local condições médias do tempo Descrição

Leia mais

IMPACTO DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS EM PORTUGAL

IMPACTO DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS EM PORTUGAL GRUPO AMB 101 IMPACTO DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS EM PORTUGAL Avaliação das Alterações Climáticas com base nos Sistemas de Monitorização Ana Filipa Barros Filipe Pereira Isabel Sofia Lourenço Maria Inês

Leia mais

BOLETIM Nº 05/2016 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS. Núcleo Estadual de Meteorologia e Recursos Hídricos

BOLETIM Nº 05/2016 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS. Núcleo Estadual de Meteorologia e Recursos Hídricos FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS Núcleo Estadual de Meteorologia e Recursos Hídricos nemet.rh@unitins.br (63) 3218-2930 BOLETIM Nº 05/2016 Nesse boletim executivo será apresentado o monitoramento mensal

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO REGIME DE VENTO NO MUNICÍPIO DE SEROPÉDICA-RJ

CARACTERIZAÇÃO DO REGIME DE VENTO NO MUNICÍPIO DE SEROPÉDICA-RJ CARACTERIZAÇÃO DO REGIME DE VENTO NO MUNICÍPIO DE SEROPÉDICA-RJ (2001-2011) Flavia de Oliveira Dias 1 ; Jessica Cristina dos Santos Souza 2 ; José Francisco de Oliveira Júnior 3 1,2 Curso Técnico em Meio

Leia mais

XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO Eficiência nas cadeias produtivas e o abastecimento global

XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO Eficiência nas cadeias produtivas e o abastecimento global XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO Eficiência nas cadeias produtivas e o abastecimento global Fatores de correção para a evapotranspiração de referência estimada para uso no software IrrigaFácil Paulo

Leia mais

Geografia. Climas Do Brasil. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. Climas Do Brasil. Professor Luciano Teixeira. Geografia Climas Do Brasil Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia CLIMAS DO BRASIL Tempo x Clima Tempo meteorológico estado momentâneo da atmosfera. Clima sucessão habitual

Leia mais

1. CLIMATOLOGIA E PREVISÃO DA PRECIPITAÇÃO PARA JUL/AGO/SET/2014

1. CLIMATOLOGIA E PREVISÃO DA PRECIPITAÇÃO PARA JUL/AGO/SET/2014 1. CLIMATOLOGIA E PREVISÃO DA PRECIPITAÇÃO PARA JUL/AGO/SET/2014 A climatologia da precipitação para os meses de Julho, Agosto e Setembro (Figura 1) mostra que os volumes de chuva neste trimestre variam

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. Estratégias por TRY e Normais Climatológicas. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. Estratégias por TRY e Normais Climatológicas. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA Estratégias por TRY e Normais Climatológicas M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira CARTA PSICROMÉTRICA CARTA BIOCLIMÁTICA CARTA BIOCLIMÁTICA CARTA

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Abril 2016

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Abril 2016 BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Abril 2016 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL Em abril de 2016 as fontes de energias renováveis (FER) mantiveram-se como a principal origem de abastecimento

Leia mais

O que são chuvas? Podemos entender por precipitação como sendo o retorno do vapor d água atmosférica no estado líquido ou sólido à superfície da

O que são chuvas? Podemos entender por precipitação como sendo o retorno do vapor d água atmosférica no estado líquido ou sólido à superfície da O que são chuvas? Podemos entender por precipitação como sendo o retorno do vapor d água atmosférica no estado líquido ou sólido à superfície da terra. Formas de precipitação: chuva, neve, granizo, orvalho

Leia mais

Boletim meteorológico para a agricultura

Boletim meteorológico para a agricultura ISSN 2182-0597 Publicação Mensal DIRETOR: Jorge Miguel Miranda Boletim meteorológico para a agricultura Nº37, janeiro 2014 CONTEÚDOS IPMA,I.P. 01 Resumo 02 Descrição Meteorológica 03 Descrição Agrometeorológica

Leia mais

Considerações sobre o clima do Algarve

Considerações sobre o clima do Algarve Paulo Oliveira (Engº Mecânico / Termodinâmica) Com o presente artigo pretende-se, de forma sucinta, tecer algumas considerações e de algum modo caracterizar o clima actual na região Algarvia. Para efectuar

Leia mais

ANÁLISE SINÓTICA DE UM CASO DE OCORRÊNCIA DE TEMPO SEVERO NA CAPITAL PAULISTA E NO VALE DO PARAÍBA

ANÁLISE SINÓTICA DE UM CASO DE OCORRÊNCIA DE TEMPO SEVERO NA CAPITAL PAULISTA E NO VALE DO PARAÍBA ANÁLISE SINÓTICA DE UM CASO DE OCORRÊNCIA DE TEMPO SEVERO NA CAPITAL PAULISTA E NO VALE DO PARAÍBA Introdução Elaborado por Silvia Manami Yaguchi e Gustavo Escobar No final da tarde do dia 4 de Maio de

Leia mais

Capítulo 01 Método de Thornthwaite, 1948

Capítulo 01 Método de Thornthwaite, 1948 Capítulo 01 Método de Thornthwaite, 1948 Tanque para evaporaçao Classe A Varejao-Silva, 2005 1-1 SUMÁRIO Ordem Assunto 1.1 Introdução 1.2 Método de Thornthwaite, 1945 1.3 Conclusão 1.4 Bibliografia e livros

Leia mais

Formação das precipitações

Formação das precipitações 6.1. Definição A precipitação consiste no produto da condensação atmosférica depositado no solo. As formas mais comuns de precipitação entre outras são a chuva, a neve, o granizo e o orvalho. Formação

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO VERÃO (Início: 21/12/2016 às 08h 44min - Término: 20/03/2017 às 07h29min)

BOLETIM CLIMÁTICO VERÃO (Início: 21/12/2016 às 08h 44min - Término: 20/03/2017 às 07h29min) BOLETIM CLIMÁTICO VERÃO 2016-17 (Início: 21/12/2016 às 08h 44min - Término: 20/03/2017 às 07h29min) No Paraná, historicamente, esta estação é bastante chuvosa. Os sistemas frontais - frentes frias ou quentes

Leia mais

IRRIGAÇÃO EM VINHEDOS NO OESTE PAULISTA. Marco Antônio F. Conceição Embrapa Uva e Vinho Estação Experimental de Viticultura Tropical

IRRIGAÇÃO EM VINHEDOS NO OESTE PAULISTA. Marco Antônio F. Conceição Embrapa Uva e Vinho Estação Experimental de Viticultura Tropical IRRIGAÇÃO EM VINHEDOS NO OESTE PAULISTA Marco Antônio F. Conceição Embrapa Uva e Vinho Estação Experimental de Viticultura Tropical Produção de Uvas no Brasil Produção de Uvas no Brasil 16% 12% 57% 52%

Leia mais

1) Observe a imagem a seguir:

1) Observe a imagem a seguir: Exercícios on line Geografia Prof. Dinário Equipe Muriaé 1º Ano 1) Observe a imagem a seguir: Vista do Monte Everest O fator determinante para o clima da área retratada pela imagem é: a) a latitude. b)

Leia mais

informa Ano III - Nº 6 Janeiro 2005

informa Ano III - Nº 6 Janeiro 2005 Boletim informativo do Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio COTR informa Ano III - Nº 6 Janeiro 2005 Nesta Edição Nota Editorial SAGRA Climatologia Agricola - Ano 2004 Área da Assistencia Técnica

Leia mais

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios Estimativas de População Residente 09 de Junho 2010 Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios A evolução demográfica em caracteriza-se por um ligeiro crescimento da população

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO - JULHO 2016

BOLETIM CLIMÁTICO - JULHO 2016 BOLETIM CLIMÁTICO - JULHO 2016 1. Condições meteorológicas sobre o Brasil No mês de julho de 2016, os valores acumulados de precipitação mais significativos ocorreram no noroeste do Amazonas, sul de Roraima

Leia mais

Jornadas da Meteorologia Abril Vila do Conde

Jornadas da Meteorologia Abril Vila do Conde ENTIDADE ESTÁTICA CAUSA DETERMINANTE 7ºC Terras altas do interior Centro 18ºC Litoral Sul Diferença significativa entre o Norte e o Sul de Portugal Temperatura média anual (1961-1990) Diferença significativa

Leia mais

ANÁLISE SINÓTICA DE UM CASO DE TEMPO SEVERO OCORRIDO NA CIDADE DE SÃO PAULO (SP) DURANTE O DIA 7 DE FEVEREIRO DE 2009

ANÁLISE SINÓTICA DE UM CASO DE TEMPO SEVERO OCORRIDO NA CIDADE DE SÃO PAULO (SP) DURANTE O DIA 7 DE FEVEREIRO DE 2009 ANÁLISE SINÓTICA DE UM CASO DE TEMPO SEVERO OCORRIDO NA CIDADE DE SÃO PAULO (SP) DURANTE O DIA 7 DE FEVEREIRO DE 2009 A partir da tarde e parte da noite do dia 7 de fevereiro de 2009 foram registradas

Leia mais

Relatório de. Português Língua Não Materna (PLNM) 2006/07 e 2007/08

Relatório de. Português Língua Não Materna (PLNM) 2006/07 e 2007/08 Relatório de Português Língua Não Materna (PLNM) e 2007/08 Dezembro de 2009 Índice 1. Introdução... 3 2. Análise comparativa da população escolar de PLNM nos anos lectivos de e 2007/08... 5 3. Análise

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DO IMPACTO DO RESERVATÓRIO DE ITÁ NO CLIMA LOCAL. Maria Laura G. Rodrigues 1 Elaine Canônica 1,2

ANÁLISE PRELIMINAR DO IMPACTO DO RESERVATÓRIO DE ITÁ NO CLIMA LOCAL. Maria Laura G. Rodrigues 1 Elaine Canônica 1,2 ANÁLISE PRELIMINAR DO IMPACTO DO RESERVATÓRIO DE ITÁ NO CLIMA LOCAL Maria Laura G. Rodrigues 1 Elaine Canônica 1,2 RESUMO O presente trabalho investiga as possíveis alterações de precipitação e temperatura

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EL NIÑO-OSCILAÇÃO SUL (ENOS) NOS REGIMES PLUVIOMÉTRICO E TÉRMICO NA ILHA DE SÃO LUIS, MA RESUMO 1. INTRODUÇÃO

INFLUÊNCIA DO EL NIÑO-OSCILAÇÃO SUL (ENOS) NOS REGIMES PLUVIOMÉTRICO E TÉRMICO NA ILHA DE SÃO LUIS, MA RESUMO 1. INTRODUÇÃO INFLUÊNCIA DO EL NIÑO-OSCILAÇÃO SUL (ENOS) NOS REGIMES PLUVIOMÉTRICO E TÉRMICO NA ILHA DE SÃO LUIS, MA 1 Gunter de Azevedo Reschke 2 Ronaldo Haroldo N. de Menezes 3 Alan de Castro Leite RESUMO Entre as

Leia mais

CC54Z - Hidrologia. Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características. Universidade Tecnológica Federal do Paraná

CC54Z - Hidrologia. Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Definir a importância

Leia mais

FATORES CLIMÁTICOS Quais são os fatores climáticos?

FATORES CLIMÁTICOS Quais são os fatores climáticos? Quais são os fatores climáticos? o Latitude A distância a que os lugares se situam do equador determina as suas características climáticas. Por isso, existem climas quentes, temperados e frios. o Proximidade

Leia mais

Baixa oferta de leite no mercado começa impactar cadeia produtiva

Baixa oferta de leite no mercado começa impactar cadeia produtiva Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 21, Nº 07 Julho/2016 Baixa oferta de leite no mercado começa impactar cadeia produtiva O curso de

Leia mais

1. Introdução. Fonte do texto: Cptec/Cemtec.

1. Introdução. Fonte do texto: Cptec/Cemtec. 1. Introdução O verão iniciará na terça-feira, dia 22 de dezembro à 1 hora e 48 minutos, horário para Mato Grosso do Sul (não corrigida para o horário de verão), com término dia 20 de março de 2016, portanto,

Leia mais

Análise da chuva intensa que atingiu a Grande São Paulo no dia 08 de setembro de 2009

Análise da chuva intensa que atingiu a Grande São Paulo no dia 08 de setembro de 2009 Análise da chuva intensa que atingiu a Grande São Paulo no dia 08 de setembro de 2009 A chuva que ocorreu em São Paulo no último dia 08 de setembro de 2009 provocou um longo congestionamento e problemas

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ Teresina - PI Janeiro/Fevereiro/Março (2016) Rua 13 de Maio, 307, 4º, 5º e 6º Andar Centro CEP 64.001-150 - www.semar.pi.gov.br Teresina - PI TELEFONE:

Leia mais

Condições meteorológicas e Clima

Condições meteorológicas e Clima Anexo 6 Condições meteorológicas e Clima xvii Condições meteorológicas e Clima As condições meteorológicas locais, nomeadamente a temperatura do ar, a precipitação e o vento, podem influenciar o comportamento

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária acentuou tendência crescente

Valor médio de avaliação bancária acentuou tendência crescente Dez-14 Jan-15 Fev-15 Mar-15 Abr-15 Mai-15 Jun-15 Jul-15 Ago-15 Set-15 Out-15 Nov-15 Dez-15 Inquérito à Avaliação Bancária na Dezembro de 2015 25 de janeiro de 2016 Valor médio de avaliação bancária acentuou

Leia mais

Localização : em áreas de baixas latitudes, ao longo da linha equatorial.

Localização : em áreas de baixas latitudes, ao longo da linha equatorial. Curso Completo Professor João Felipe Geografia Tipos de Clima No Brasil e no Mundo CLIMA EQUATORIAL Localização : em áreas de baixas latitudes, ao longo da linha equatorial. 1 Apresentam baixas pressões

Leia mais

Chapecó tem aumento de 2,50% em fevereiro no valor do Cesto de produtos básicos

Chapecó tem aumento de 2,50% em fevereiro no valor do Cesto de produtos básicos Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 20, Nº 2 Fevereiro/2015 Chapecó tem aumento de 2,50% em fevereiro no valor do Cesto de produtos básicos

Leia mais

Estatísticas da Educação 2014/15 Principais resultados relativos ao Ensino Superior

Estatísticas da Educação 2014/15 Principais resultados relativos ao Ensino Superior Estatísticas da Educação 2014/15 Principais resultados relativos ao Ensino Superior Inscritos no 1.º ano, pela 1.ª vez, em estabelecimentos de ensino superior 1 Em 2014/15, inscreveram-se em estabelecimentos

Leia mais

Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira

Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira São José dos Campos, 18 de agosto de 2016. Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira 1) Situação atual do Sistema Cantareira A precipitação média espacial, acumulada durante a estação

Leia mais

RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAFEEIROS, NA 1ª SAFRA, SOB EFEITO DO DÉFICIT HÍDRICO DE JAN-MAR DE EXEMPLO DE PROPRIEDADE NO SUL DE MINAS.

RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAFEEIROS, NA 1ª SAFRA, SOB EFEITO DO DÉFICIT HÍDRICO DE JAN-MAR DE EXEMPLO DE PROPRIEDADE NO SUL DE MINAS. RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAFEEIROS, NA 1ª SAFRA, SOB EFEITO DO DÉFICIT HÍDRICO DE JAN-MAR DE 2014 - EXEMPLO DE PROPRIEDADE NO SUL DE MINAS. J.B. Matiello Eng Agr Fundação Procafé e J. Renato Dias e Lucas

Leia mais

Chuva intensa no Rio de Janeiro entre final da tarde e noite do dia 05/12/2010

Chuva intensa no Rio de Janeiro entre final da tarde e noite do dia 05/12/2010 Chuva intensa no Rio de Janeiro entre final da tarde e noite do dia 05/12/2010 Entre a tarde e noite do dia 05/12/2010 áreas de instabilidade atingiram o centro-sul do estado do RJ, provocando acumulados

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Novembro 2016

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Novembro 2016 BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Novembro 2016 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL O outono de 2016 tem-se caracterizado por temperaturas ligeiramente acima da média e uma produtibilidade

Leia mais

I. Analisar a evolução dos recursos hídricos superficiais na bacia do rio Sabor, desde a segunda metade do século XX até aos primórdios do XXI;

I. Analisar a evolução dos recursos hídricos superficiais na bacia do rio Sabor, desde a segunda metade do século XX até aos primórdios do XXI; RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIO SABOR: EVOLUÇÃO RECENTE E RELAÇÕES COM MUDANÇAS AS SÓCIOAMBIENTAIS Adélia NUNES Instituto de Estudos Geográficos, Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Praça da

Leia mais

Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira

Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira São José dos Campos, 02 de março de 2016 Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira 1) Situação atual do Sistema Cantareira A precipitação acumulada durante a estação seca de abril

Leia mais

5. Análise dos deslocamentos verticais

5. Análise dos deslocamentos verticais 5. Análise dos deslocamentos verticais Os deslocamentos verticais em aterros fundados em solos altamente compressíveis apresentam-se como uma das principais preocupações do engenheiro projetista. A busca

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Índice Introdução Preço Médio por Dormida Proveito Médio de Aposento por Cama Conceitos Anexos Proveitos e Custos nos Estabelecimentos Hoteleiros Ano de 2004 Página 2

Leia mais

Apoio Meteorológico Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Apoio Meteorológico Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, IPMA Apoio Meteorológico Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais RELATÓRIO MENSAL SETEMBRO 2013 MSG1_ RGB_Fogos_noite_201309230300 www.ipma.pt Caracterização

Leia mais

ESTUDO DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS DO PIAUÍ

ESTUDO DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS DO PIAUÍ ESTUDO DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS DO PIAUÍ Medeiros, R.M. (1) ; Santos, D.C. (1) ; Correia, D. S, (1) ; Oliveira, V.G (1) ; Rafael, A. R. (1) mainarmedeiros@gmail.com (1) Universidade

Leia mais

Resumo de Resultados Vila Nova de Gaia Daniel Sebastião. Carla Oliveira, Daniel Sebastião, Diana Ladeira

Resumo de Resultados Vila Nova de Gaia Daniel Sebastião. Carla Oliveira, Daniel Sebastião, Diana Ladeira Título Editor Autores Resumo de Resultados Vila Nova de Gaia Daniel Sebastião Data 2007/03/05 Versão 01 Distribuição Documento Sumário Carla Oliveira, Daniel Sebastião, Diana Ladeira Vários MONIT_Ext_Tec_0511_01_ResResultVNGaia

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL PROVA 1. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

CONFORTO AMBIENTAL PROVA 1. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira CONFORTO AMBIENTAL PROVA 1 M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira QUESTÃO 1 Classifique as alternativas abaixo em verdadeiras (V) ou falsas (F), corrigindo as falsas e justificando as verdadeiras: a ( F ) Para

Leia mais

Precipitação Pluviométrica

Precipitação Pluviométrica Precipitação Pluviométrica Capítulo XI Objetivos: 1. Definir chuva e destacar a sua importância agronômica 2. Explicar o processo de formação da chuva 3. Distinguir entre os diferentes tipos de chuva 4.

Leia mais

Resumo Climatológico 1ª quinzena de agosto de 2016

Resumo Climatológico 1ª quinzena de agosto de 2016 Resumo Climatológico 1ª quinzena de agosto de 2016 O período de 1 a 15 de agosto de 2016 em Portugal Continental foi extremamente quente. A temperatura média do ar, 25.1 C foi 2.9 C acima do valor médio

Leia mais

CAPÍTULO IV. Através da tabela 4, podemos observar os dados obtidos às necessidades

CAPÍTULO IV. Através da tabela 4, podemos observar os dados obtidos às necessidades CAPÍTULO IV APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Neste capítulo serão apresentados os resultados dos dados obtidos relativos à ingestão nutricional dos jovens atletas, após a realização do tratamento estatístico.

Leia mais