Diretrizes para formação inicial e licenciaturas na UTFPR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diretrizes para formação inicial e licenciaturas na UTFPR"

Transcrição

1 Diretrizes para formação inicial e licenciaturas na UTFPR Profa. Dra. Flávia Dias de Souza Docente do Departamento de Educação DEPED Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Docente do Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências e Matemática PPGECM UFPR

2 As licenciaturas no contexto da UTFPR Com a adesão da universidade ao REUNI - Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais, em 2008, a UTFPR iniciou a implantação de cursos de licenciatura em seus diversos câmpus; Atualmente são 12 câmpus da UTFPR que ofertam cursos de licenciatura / Em Curitiba (UTFPR-CT) são ofertados 05 cursos (Matemática, Física, Química, Letras Português e Letras Inglês);

3 As licenciaturas no contexto da UTFPR-CT Cursos organizados em momentos e contextos distintos, oriundos dos departamentos acadêmicos das áreas específicas; Desencadeou ampliação de vagas para docentes da área educacional e a consequente expansão do Departamento de Educação, para atendimento à oferta de disciplinas pedagógicas.

4 A realidade das disciplinas pedagógicas nas licenciaturas da UTFPR-CT Cursos com diferentes arquiteturas curriculares; Disciplinas pedagógicas distintas entre os cursos: Ementas Carga horária Organização das APCCs (prática como componente curricular); Comissão de Estudo de Disciplinas Pedagógicas

5 Portaria 024, de 26 de janeiro de 2015 Diretoria Geral do Câmpus Curitiba Comissão de Estudo para implantação de Núcleo Comum de Disciplinas Pedagógicas nas Licenciaturas da UTFPR CT 11 professores do DEPED; 10 professores (coordenadores de curso e representante do NDE) dos demais departamentos.

6 Algumas ações da Comissão_1 Levantamento bibliográfico-documental sobre a temática da formação pedagógica e da prática na formação inicial; Elaboração de sínteses de estudos realizados; Realização de encontros de discussão com componentes da comissão de disciplinas pedagógicas;

7 Algumas ações da Comissão_2 Desenvolvimento de seminário de pesquisa com palestrante convidada para aprofundamento da temática de investigação; Formação de grupos de trabalho colaborativo sobre a temática de investigação, a partir dos projetos de cursos; Proposição de arquitetura curricular para as disciplinas pedagógicas nas licenciaturas em consonância com as diretrizes legais.

8 Do contexto universitário às diretrizes nacionais Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada (Resolução no 2, de 01 de julho de 2015)

9 Mudanças nas diretrizes para formação inicial nas licenciaturas_1 Resolução CNE/CP 02, de 19/fev/ 2002 Art. 1 carga horária mínima de 2800 horas; 400 (quatrocentas) horas de prática como componente curricular, vivenciadas ao longo do curso; 400 (quatrocentas) horas de estágio curricular supervisionado a partir do início da segunda metade do curso; Resolução CNE/CP 02, de 01/07/2015 Art. 13 carga horária mínima de 3200 horas, de no mínimo 4 (quatro) anos; I (quatrocentas) horas de prática como componente curricular, distribuídas ao longo do processo formativo; II (quatrocentas) horas de estágio supervisionado, na área de formação e atuação na educação básica, contemplando também outras áreas específicas, se for o caso, conforme o projeto;

10 Mudanças nas diretrizes para formação inicial nas licenciaturas_2 Resolução CNE/CP 02, de 19/fev/ 2002 III (mil e oitocentas) horas de aulas para os conteúdos curriculares de natureza científicocultural; IV (duzentas) horas para outras formas de atividades acadêmico-científico-culturais. Resolução CNE/CP 02, de 01/07/2015 III - pelo menos (duas mil e duzentas) horas de atividades formativas estruturadas pelos núcleos definidos nos incisos I e II do artigo 12 desta Resolução, conforme o projeto de curso; IV (duzentas) horas de atividades teórico-práticas de aprofundamento em áreas específicas de interesse dos estudantes, conforme núcleo definido no inciso III do artigo 12 desta Resolução, por meio da iniciação científica, da iniciação à docência, da extensão e da monitoria, entre outras.

11 Núcleos de formação Art. 12 Composição dos núcleos: I) núcleo de estudos de formação geral, das áreas específicas e interdisciplinares, e do campo educacional, seus fundamentos e metodologias, e das diversas realidades educacionais; II) núcleo de aprofundamento e diversificação de estudos das áreas de atuação profissional, incluindo os conteúdos específicos e pedagógicos, priorizadas pelo projeto pedagógico das instituições, em sintonia com os sistemas de ensino; Atividades formativas 2200 horas Art. 13 III) III) núcleo de estudos integradores para enriquecimento curricular. Atividades teórico-práticas de aprofundamento 200 horas (Art. 13 IV)

12 O tempo destinado à formação pedagógica o tempo dedicado às dimensões pedagógicas não será inferior à quinta parte da carga horária total (Art. 13 inciso 5); Pelo menos 20 % da carga horária destinada às dimensões pedagógicas

13 O estágio e a prática na formação inicial O estágio curricular supervisionado é componente obrigatório da organização curricular das licenciaturas, sendo uma atividade específica intrinsecamente articulada com a prática e com as demais atividades de trabalho acadêmico. (Art. 13 inciso 6 da Resolução 02/2015) Prática como componente curricular não é retomada nas diretrizes, mantendo-se as orientações do Art. 12 da Resolução 01/2002: 1º A prática, na matriz curricular, não poderá ficar reduzida a um espaço isolado, que a restrinja ao estágio, desarticulado do restante do curso. 2º A prática deverá estar presente desde o início do curso e permear toda a formação do professor. 3º No interior das áreas ou das disciplinas que constituírem os componentes curriculares de formação, e não apenas nas disciplinas pedagógicas, todas terão a sua dimensão prática.

14 Avanços da Comissão para o Núcleo Comum de Disciplinas Pedagógicas

15 Avanços da Comissão para o Núcleo Comum de Disciplinas Pedagógicas Proposição de um Núcleo Comum de Disciplinas Pedagógicas nas licenciaturas da UTFPR-CT; Constituição de grupo de estudo e formação colaborativo envolvendo todas as licenciaturas; Ampliação das compreensões sobre a importância da formação pedagógica e da identidade da licenciatura.

16 REFERÊNCIAS ANFOPE. Contribuições para subsidiar discussão na audiência pública nacional do CNE sobre a Proposta de Diretrizes Nacionais para Formação Inicial de Professores para a Educação Básica em cursos de nível superior. Brasília, DF: Associação Nacional pela Formação de Profissionais da Educação Anfope, ANFOPE. Documento Gerador XVII Encontro Nacional da Anfope. Brasília, DF: Associação Nacional pela Formação de Profissionais da Educação Anfope, BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei no 9394/96, de 20 de dezembro de BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Resolução CNE/CP 1, de 18 de fevereiro de 2002a. BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Resolução CNE/CP 2, de 19 de fevereiro de 2002b. BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Resolução CNE/CP 2, de 01 de julho de CONTRERAS, J. A autonomia de professores. Trad. Sandra T. Valenzuela. São Paulo: Cortez, DINIZ-PEREIRA, J. E. A prática como componente curricular na formação de professores. Educação, Santa Maria, v. 36, n. 2, p FIORENTINI, D.; CASTRO, F. C de C. Tornando-se professor de Matemática: o caso de Allan em Prática de Ensino e Estágio Supervisionado. In: FIORENTINI, Dario (Org.). Formação de Professores de Matemática: explorando novos caminhos com outros olhares. Campinas: Mercado das Letras, p FIORENTINI, D.; LORENZATO, S. Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas: Autores Associados, 2006.

17 REFERÊNCIAS FIORENTINI, D.; NACARATO, A. M. (Org.). Cultura, formação e desenvolvimento profissional de professores quem ensinam Matemática. São Paulo: Musa Editora; Campinas: Unicamp, FORMOSINHO, J. A Formação Prática de Professores. In: CAMPOS, B. P. (Org.). Formação profissional de professores no ensino superior (pp ). Porto: Porto Editora, FORMOSINHO, J. A formação prática dos professores. Da prática docente na instituição de formação à prática pedagógica nas escolas. In: FORMOSINHO, João (Coord.). Formação de Professores: aprendizagem profissional e acção docente. Porto: Porto Editora, p FORMOSINHO, J; NIZA, S. Iniciação à prática profissional nos cursos de formação inicial de professores. In: FORMOSINHO, João (Coord.). Formação de Professores: aprendizagem profissional e acção docente. Porto: Porto Editora, p GATTI, B. A. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 113, p MOURA, M. O. de. Pesquisa colaborativa: um foco na ação formadora. In: BARBOSA, R. L. L. (Org.). Trajetórias e perspectivas da formação de educadores. São Paulo: Editora Unesp, RIBEIRO, F. D. A aprendizagem da docência na prática de ensino e no estágio: contribuições da teoria da atividade.196 p Tese (Doutorado em Educação) Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, SÁNCHEZ VÁZQUEZ, A. Filosofia da práxis. São Paulo: Expressão Popular, UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Institui Comissão de Estudo para implantação do Núcleo Comum de Disciplinas Pedagógicas dos Cursos de Licenciatura do Câmpus Curitiba da UTFPR. Portaria 024 de 26 de janeiro de UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Plano de Desenvolvimento Institucional da UTFPR (PDI versão preliminar para Disponível em: <http://www.utfpr.edu.br/estrutura-universitaria/diretorias-de- gestao/dircom/noticias/noticias/link/versao-preliminar-do-pdi /view>. Acesso em: 11 dez 2014.

REPENSANDO A LICENCIATURA EM FÍSICA: elementos para uma nova proposta

REPENSANDO A LICENCIATURA EM FÍSICA: elementos para uma nova proposta REPENSANDO A LICENCIATURA EM FÍSICA: elementos para uma nova proposta Nilson Marcos Dias Garcia a b [nilson@ppgte.cefetpr.br] José Luiz Fabris a [fabris@cefetpr.br] Cristóvão Renato M. Rincoski a [rincoski@cefetpr.br]

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 99/2013 - CONSUNIV Aprova a reformulação do Projeto Pedagógico do Curso de

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 99/2013 - CONSUNIV Aprova a reformulação do Projeto Pedagógico do Curso de UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 99/2013 - CONSUNIV Aprova a reformulação do Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Geografia, oferecido regularmente pela

Leia mais

Novas diretrizes para a licenciatura em Educação Física

Novas diretrizes para a licenciatura em Educação Física Novas diretrizes para a licenciatura em Educação Física Prof. Dr. João Batista Tojal, 1º Vice-Presidente do CONFEF O Ministério da Educação, através do Conselho Nacional de Educação / Conselho Pleno, designou

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE DE CALDAS NOVAS UNICALDAS CALDAS NOVAS 2013 SUMÁRIO 1 ATIVIDADES COMPLEMENTARES... 3 2 NORMAS DE FUNCIONAMENTO... 4 2.1 ATRIBUIÇÃO DE CRÉDITOS...

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 1503 - Licenciatura em Matemática. Ênfase. Disciplina 0004117A - Didática da Matemática

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 1503 - Licenciatura em Matemática. Ênfase. Disciplina 0004117A - Didática da Matemática Curso 1503 - Licenciatura em Matemática Ênfase Identificação Disciplina 0004117A - Didática da Matemática Docente(s) Marisa da Silva Dias Unidade Faculdade de Ciências Departamento Departamento de Educação

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Flávia Sueli Fabiani Marcatto Universidade Estadual Paulista - Unesp - Rio Claro

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UFPI

PROJETO PEDAGÓGICO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UFPI PROJETO PEDAGÓGICO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UFPI AGENDA Considerações conceituais Características Fundamentos legais Elementos do PPC Implementação e avaliação do PPC CONSIDERAÇÕES CONCEITUAIS PROJETO

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições e,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições e, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 16/2014 Aprova a estrutura curricular do Curso de Letras, modalidade licenciatura,

Leia mais

MARLY GUIMARÃES FERNANDES COSTA Vice-Presidente

MARLY GUIMARÃES FERNANDES COSTA Vice-Presidente UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 2/2013-CONSUNIV Dispõe sobre diretrizes para estruturação e organização curricular dos Cursos de Graduação da UEA e dá outras providências.

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos:

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO/ PPC

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO/ PPC UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO/ PPC Ouro Preto Junho/2014 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 4 1. APRESENTAÇÃO...

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições e,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições e, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 04/2014 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

PAPG-IFES Programa de Apoio a Pós-P Graduaçã. ção o das IFES

PAPG-IFES Programa de Apoio a Pós-P Graduaçã. ção o das IFES PAPG-IFES Programa de Apoio a Pós-P Graduaçã ção o das IFES (Açõ ções propostas em discussão) o) Objetivo Geral Consolidar e expandir os programas de formaçã ção o pós-graduada p de pessoas pelas Instituiçõ

Leia mais

SIC 19/03. Belo Horizonte, 3 de outubro de 2003. MUDANÇAS NAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A FORMAÇÃO DE DOCENTES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA

SIC 19/03. Belo Horizonte, 3 de outubro de 2003. MUDANÇAS NAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A FORMAÇÃO DE DOCENTES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA SIC 19/03 Belo Horizonte, 3 de outubro de 2003. MUDANÇAS NAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A FORMAÇÃO DE DOCENTES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA O Conselho Nacional de Educação propõe a revogação das

Leia mais

FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO

FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR - CAPES FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO (versão preliminar) Brasília, setembro

Leia mais

O Programa de Formação de Professores e a Gestão dos Cursos de Licenciatura na Universidade de São Paulo

O Programa de Formação de Professores e a Gestão dos Cursos de Licenciatura na Universidade de São Paulo O Programa de Formação de Professores e a Gestão dos Cursos de Licenciatura na Universidade de São Paulo Autora: Profa. Dra. Edna Maura Zuffi e.mail: edna@icmc.usp.br Instituição: Departamento de Matemática,

Leia mais

35.000.000 DISTRITO FEDERAL F 3 2 90 0 300 200.000 F 5 2 90 0 112 5.740.126 F 5 2 90 0 300 19.361.703 F 5 2 90 0 312 9.698.171

35.000.000 DISTRITO FEDERAL F 3 2 90 0 300 200.000 F 5 2 90 0 112 5.740.126 F 5 2 90 0 300 19.361.703 F 5 2 90 0 312 9.698.171 ORGAO : 26000 - MINISTERIO DA EDUCACAO UNIDADE : 26290 - INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANISIO TEIXEIRA ANEXO I PROGRAMA DE TRABALHO RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00 1449

Leia mais

A REFLEXÃO NO PROCESSO FORMATIVO EM PRÁTICA DE ENSINO E NO ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA DA ATIVIDADE

A REFLEXÃO NO PROCESSO FORMATIVO EM PRÁTICA DE ENSINO E NO ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA DA ATIVIDADE A REFLEXÃO NO PROCESSO FORMATIVO EM PRÁTICA DE ENSINO E NO ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA DA ATIVIDADE Flávia Dias Ribeiro Manoel Oriosvaldo De Moura Resumo O presente estudo constitui um recorte de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura. RESOLUÇÃO Nº 04/2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

FORMAAÁO DE RECURSOS HUMANOS NA ÁREA DE ENSINO MÉDICO DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÁO PRETO, UNIVERSIDADE DE SAO PAULO

FORMAAÁO DE RECURSOS HUMANOS NA ÁREA DE ENSINO MÉDICO DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÁO PRETO, UNIVERSIDADE DE SAO PAULO 280 / Educación Médica y Salud Vol. 26, No. 2 (1992) en el proceso. Finalmente, la estructuración de la etapa de seguimiento y de multiplicación del rendimiento del becario representa otro aporte del Comité.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Portaria/MEC nº 2.792, publicada no Diário Oficial da União de 18/08/2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Sociedade Campineira de Educação e

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES NORMAS GERAIS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS Prezados alunos, As atividades Acadêmico-Científico Culturais foram instituídas como carga horária visando a complementação

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER 1 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES (A.A.C.C.) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO: ATIVIDADES

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE 2015 Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura,

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Estatísticas Educacionais NOTA TÉCNICA Nº 020/2014 Brasília, 21 de novembro de 2014 Indicador

Leia mais

Licenciatura em Educação Física

Licenciatura em Educação Física Licenciatura em Educação Física Estágio Curricular O Estágio Curricular talvez seja um dos primeiros grandes desafios do acadêmico que optou pelo Curso de licenciatura em Educação Física. As situações

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Prof. Carlos Fernando de Araújo Calado PRESIDENTE

Prof. Carlos Fernando de Araújo Calado PRESIDENTE RESOLUÇÃO CEPE N 017/2010 Ementa: Concede o regime de Dedicação Exclusiva aos professores Clóvis Gomes da Silva Júnior da FACETEG e Wellington Pinheiro dos Santos da POLI. lhe conferem o Art. 33 inciso

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 01/2013 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Curitiba Licenciatura em Matemática PROJETO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Curitiba Licenciatura em Matemática PROJETO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Curitiba Licenciatura em Matemática PROJETO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1. INTRODUÇÃO O presente Projeto de Estágio Supervisionado

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA NO PARANÁ ATRAVÉS DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL (PDE)

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA NO PARANÁ ATRAVÉS DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL (PDE) A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA NO PARANÁ ATRAVÉS DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL (PDE) INTRODUÇÃO Ana Claudia Biz anaclaudiabiz@yahoo.com.br UNIOESTE-FBE O texto que segue

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 16/2012 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

Designação da Disciplina: Tendências de pesquisas e de práticas em Educação Matemática

Designação da Disciplina: Tendências de pesquisas e de práticas em Educação Matemática Designação da Disciplina: Tendências de pesquisas e de práticas em Educação Matemática Domínio Específico (X) Domínio Conexo ( ) Natureza: Específica da Área de Concentração do Curso (Ensino de Ciências)

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

Saberes de Professores da Educação Infantil: reflexões sobre a educação matemática para crianças de 3 a 6 anos

Saberes de Professores da Educação Infantil: reflexões sobre a educação matemática para crianças de 3 a 6 anos Saberes de Professores da Educação Infantil: reflexões sobre a educação matemática para crianças de 3 a 6 anos Maria José da Silva Rocha 1 GD7 Formação de Professores que Ensinam Matemática A pesquisa

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa FONTANA, Maria Iolanda (maria.fontana1@utp.br) UTP/SME RESUMO Este artigo apresenta as reflexões acerca da pesquisa no Curso de Pedagogia e o trabalho pedagógico na Escola Pública Municipal da cidade de

Leia mais

Palavras-Chave: Formação de Professores, Institutos Federais, Curso de Pedagogia.

Palavras-Chave: Formação de Professores, Institutos Federais, Curso de Pedagogia. O PROCESSO FORMATIVO DO CURSO DE PEDAGOGIA NO CAMPUS PORTO ALEGRE DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL: APONTAMENTOS INICIAIS Josiane Carolina Soares Ramos do Amaral

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

PACTO NACIONAL PELO ENSINO MÉDIO

PACTO NACIONAL PELO ENSINO MÉDIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PACTO NACIONAL PELO ENSINO MÉDIO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO Documento Orientador Preliminar Brasília, outubro de 2013 1 1. INTRODUÇÃO O

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE 2015. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO.

RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE 2015. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Enci cl opédi adeadmi ni s t r açãouni v er s i t ár i a ESQUEMA I ESPECIAIS DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA - DISCIPLINAMENTO INSTITUTOS SUPERIORES DE EDUCAÇÃO LICENCIATURA REGULAMENTAÇÃO INSTITUTOS SUPERIORES

Leia mais

A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS

A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS Taís da Silva MARTINS Universidade Federal de Santa Maria taissmartins@superig.com.br Em nossa pesquisa, buscamos entender

Leia mais

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Contexto do Ensino Médio Ensino Médio Evolução das matrículas, 1991-2012 1991

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Curso de graduação em Pedagogia - Licenciatura Disciplina: Conteúdo e Metodologia em Matemática Carga Horária: 60 Teórica: 60 Prática: Semestre: 2013.2

Leia mais

EXPERIENCIA INTERNACIONAL DE DIRECCIÓN ESTRATÉGICA EN LAS UNIVERSIDADES - BRASIL. UNICAMP Maio, 2010 José Roberto Rus Perez

EXPERIENCIA INTERNACIONAL DE DIRECCIÓN ESTRATÉGICA EN LAS UNIVERSIDADES - BRASIL. UNICAMP Maio, 2010 José Roberto Rus Perez EXPERIENCIA INTERNACIONAL DE DIRECCIÓN ESTRATÉGICA EN LAS UNIVERSIDADES - BRASIL UNICAMP Maio, 2010 José Roberto Rus Perez Experiencia Internacional de dirección estratégica Universitaria Parte 1 - Perfil

Leia mais

HISTÓRIA DO CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL: 1939-2005

HISTÓRIA DO CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL: 1939-2005 HISTÓRIA DO CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL: 1939-2005 Resumo FURLAN, Cacilda Mendes Andrade UEL cmafurlan@sercomtel.com.br Área Temática: Profissionais da Educação: formação, concepções e perspectivas Agência

Leia mais

Estudo Comparativo sobre o estágio supervisionado na formação inicial de professores de matemática em vários países

Estudo Comparativo sobre o estágio supervisionado na formação inicial de professores de matemática em vários países Estudo Comparativo sobre o estágio supervisionado na formação inicial de professores de matemática em vários países Sidney Takeo Yassuda 1 GD7 Formação de Professores que Ensinam Matemática Resumo Nesta

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares. Faculdade de Jussara

Regulamento das Atividades Complementares. Faculdade de Jussara ATIVIDADES COMPLEMENTARES O curso de Administração da Faculdade de Jussara, considerando a importância da existência de outras atividades acadêmicas na formação do profissional, reservará 5% (cinco por

Leia mais

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1022 OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA

Leia mais

TOTAL - FISCAL 48.333.886 TOTAL - SEGURIDADE 21.890.000 TOTAL - GERAL 70.223.886

TOTAL - FISCAL 48.333.886 TOTAL - SEGURIDADE 21.890.000 TOTAL - GERAL 70.223.886 UNIDADE : 26101 - MINISTERIO DA EDUCACAO 0910 OPERACOES ESPECIAIS: GESTAO DA PARTICIPACAO EM ORGANISMOS INTERNACIONAIS 500.000 OPERACOES ESPECIAIS 12 212 0910 00B9 CONTRIBUICAO A ORGANIZACAO DAS NACOES

Leia mais

FACULDADE PORTO DAS MONÇÕES PORTO FELIZ

FACULDADE PORTO DAS MONÇÕES PORTO FELIZ FACULDADE PORTO DAS MONÇÕES PORTO FELIZ COORDENADORIA DE EXTENSÃO E PESQUISA CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU MBA Engenharia Logística 1. Nome do Curso e Área do Conhecimento Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SÚMULA DE PARECERES REUNIÃO ORDINÁRIA DE 17 A 19 DE FEVEREIRO DE 2003 (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SÚMULA DE PARECERES REUNIÃO ORDINÁRIA DE 17 A 19 DE FEVEREIRO DE 2003 (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SÚMULA DE PARECERES REUNIÃO ORDINÁRIA DE 17 A 19 DE FEVEREIRO DE 2003 (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Processo: 23001.000078/2002-90 Parecer: CEB 001/2003

Leia mais

RESOLUÇÃO 50/2004. II Estágio Curricular Supervisionado será composto pelas seguintes disciplinas:

RESOLUÇÃO 50/2004. II Estágio Curricular Supervisionado será composto pelas seguintes disciplinas: 1 O Presidente do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso de suas atribuições, de acordo com a Lei Estadual nº 7.176/97, publicada no D.O.E de 11 de setembro de 1997, combinada

Leia mais

UMA ABORDAGEM QUANTITATIVA DE VARIÁVEIS RELACIONADAS A CURSOS DE MATEMÁTICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

UMA ABORDAGEM QUANTITATIVA DE VARIÁVEIS RELACIONADAS A CURSOS DE MATEMÁTICA NO ESTADO DE SÃO PAULO UMA ABORDAGEM QUANTITATIVA DE VARIÁVEIS RELACIONADAS A CURSOS DE MATEMÁTICA NO ESTADO DE SÃO PAULO Marcelo Dias Pereira 1 Universidade Municipal de São Caetano do Sul e Faculdades Integradas de Ribeirão

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES QUADRO SÍNTESE DA PORTARIA N.º 08/CCEF/2010 DE 12/06/2010, ABAIXO.

ATIVIDADES COMPLEMENTARES QUADRO SÍNTESE DA PORTARIA N.º 08/CCEF/2010 DE 12/06/2010, ABAIXO. ATIVIDADES COMPLEMENTARES QUADRO SÍNTESE DA PORTARIA N.º 08/CCEF/2010 DE 12/06/2010, ABAIXO. Horas/a A) Programa de Iniciação Científica, Projetos de Pesquisa, Publicações... Sem limites a I) Participação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE PLANO DE ENSINO Curso: "Formação Continuada de Professores da UFCSPA Carga horária: 30 horas/aula Docentes responsáveis: Márcia Rosa da Costa e

Leia mais

Pró-Reitora de Graduação da Universidade Federal de Goiás

Pró-Reitora de Graduação da Universidade Federal de Goiás Apresentação Prezados Professores e Acadêmicos Com o objetivo de consolidar a política de estágio da Universidade Federal de Goiás, a Pró-Reitoria de Graduação, por meio da Coordenação de Estágios, realizou

Leia mais

Programa da Disciplina

Programa da Disciplina INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E tecnologia PARAÍBA Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba - Campus Cajazeiras Diretoria de Ensino / Coord. do Curso

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE MÚSICA EDUCAÇÃO MUSICAL (LICENCIATURA)

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE MÚSICA EDUCAÇÃO MUSICAL (LICENCIATURA) 1 ANO CADASTRO NO E-MEC 04/02/2011 INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE MÚSICA EDUCAÇÃO MUSICAL (LICENCIATURA) Justificativa da oferta do curso O Curso de Educação Musical Licenciatura (currículo:

Leia mais

Revista Gestão Pública em Curitiba MOMENTOS II ENCONTRO INTERNACIONAL DE CURITIBA EM PLANEJAMENTO URBANO 40 Volume II - Edição Especial - Março/2012 II Encontro Internacional de Curitiba em Planejamento

Leia mais

Revista Gestão Pública em Curitiba MOMENTOS I ENCONTRO INTERNACIONAL DE CURITIBA EM GESTÃO PÚBLICA Pública Gestão Curitiba 2011 em I Encontro Internacional de Curitiba Gestão Pública para Resultados 44

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS

MANUAL DE ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS MANUAL DE ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS APRESENTAÇÃO As atividades acadêmico-científico-culturais - AACC têm por finalidade oferecer aos acadêmicos dos cursos de licenciatura e bacharelado

Leia mais

EDITAL Nº. 79/2012 PROGRAMA DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO - 2013 PROCESSO SELETIVO DISCENTE 2012

EDITAL Nº. 79/2012 PROGRAMA DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO - 2013 PROCESSO SELETIVO DISCENTE 2012 EDITAL Nº. 79/2012 PROGRAMA DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO - 2013 PROCESSO SELETIVO DISCENTE 2012 A Pró-Reitora Acadêmica da Universidade Católica de Santos, nos termos das suas atribuições legais, estatutárias

Leia mais

A FORMAC AO DE PROFESSORES NO BRASIL: PROBLEMAS E PERSPECTIVAS

A FORMAC AO DE PROFESSORES NO BRASIL: PROBLEMAS E PERSPECTIVAS 1 A FORMAC AO DE PROFESSORES NO BRASIL: PROBLEMAS E PERSPECTIVAS Paini, Leonor Dias * Greco, Eliana Alves ** Amblard, Viviane Maria Lauer Bressan *** RESUMO: Este trabalho objetiva refletir sobre a situacionalidade

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I- DA EXIGÊNCIA - Resolução CNE/CP 1/ 2002, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura,

Leia mais

FINANCIAMENTO E AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO: OS DESAFIOS POSTOS PELO PNE PARA A ARTICULAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO COM A EDUCAÇÃO BÁSICA

FINANCIAMENTO E AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO: OS DESAFIOS POSTOS PELO PNE PARA A ARTICULAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO COM A EDUCAÇÃO BÁSICA FINANCIAMENTO E AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO: OS DESAFIOS POSTOS PELO PNE PARA A ARTICULAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO COM A EDUCAÇÃO BÁSICA Adair Mendes Nacarato Universidade São Francisco adamn@terra.com.br RESUMO

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR EM CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

UM ESTUDO SOBRE A PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR EM CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA UM ESTUDO SOBRE A PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR EM CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA MANRIQUE, Ana Lúcia PUC/SP manrique@pucsp.br PERENTELLI, Leia Fernandes SEE-SP perentelli2@ig.com.br Área Temática

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ISE

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ISE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ISE As atividades complementares estão regidas pelas Leis Federais 6494/77 e 889/94, regulamentadas pelos Decretos Federais 87497/8 e 80/96. Constitui-se como um procedimento

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DA EVASÃO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UTFPR - CÂMPUS FRANCISCO BELTRÃO

A PROBLEMÁTICA DA EVASÃO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UTFPR - CÂMPUS FRANCISCO BELTRÃO A PROBLEMÁTICA DA EVASÃO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UTFPR - CÂMPUS FRANCISCO BELTRÃO Adriana Regina Ramos Kleber Rodrigo Durat 1 Lizandra Felippi Czerniaski Paula

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GEOGRAFIAA DISTÂNCIA CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GEOGRAFIAA DISTÂNCIA CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GEOGRAFIAA DISTÂNCIA CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento visa normatizar as Atividades Complementares do Curso de Pedagogia.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO DE GRADUAÇÃO INTERESSADO Coordenadorias de Curso ASSUNTO Relatórios Retratos da Graduação EMENTA Orientações

Leia mais

INDICADORES DE QUALIDADE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR revisando as medidas de qualidade da ES

INDICADORES DE QUALIDADE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR revisando as medidas de qualidade da ES III ENCONTRO do CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR INDICADORES DE QUALIDADE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR revisando as medidas de qualidade da ES Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES Foz do Iguaçu Novembro

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Metodologia do Ensino Superior Imperatriz

Leia mais

ANPEd Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação

ANPEd Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação ANPEd Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação Contribuições na Audiência Pública Regional Centro-Oeste sobre Diretrizes para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica em

Leia mais

O CURSO DE PEDAGOGIA: HISTÓRIAS E DEBATES PÓS DCNs

O CURSO DE PEDAGOGIA: HISTÓRIAS E DEBATES PÓS DCNs O CURSO DE PEDAGOGIA: HISTÓRIAS E DEBATES PÓS DCNs Camila Lima Coimbra FACIP/UFU camilima8@gmail.com Esse artigo apresenta parte da tese de doutorado intitulada "A pesquisa e a prática pedagógica como

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás - Campus Jataí, vaniahorner@hotmail.com. Orientador: Dr. Adelino Candido Pimenta.

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás - Campus Jataí, vaniahorner@hotmail.com. Orientador: Dr. Adelino Candido Pimenta. As Tendências da Educação Matemática estudada no Curso de Graduação de Licenciatura em Matemática ofertado pelo Projeto Parceladas no período de 2003 a 2013 Vânia Hörner de Almeida 1 GD7 Formação de Professores

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, RESOLUÇÃO Nº 01/2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

A ATUAÇÃO DOCENTE NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO: MIGRAÇÕES DE UNIVERSIDADES PRIVADAS PARA PÚBLICAS

A ATUAÇÃO DOCENTE NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO: MIGRAÇÕES DE UNIVERSIDADES PRIVADAS PARA PÚBLICAS A ATUAÇÃO DOCENTE NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO: MIGRAÇÕES DE UNIVERSIDADES PRIVADAS PARA PÚBLICAS Autora: Ilara Sanchez Baesso Programa de pós-graduação da Faculdade de Educação Unicamp - Capes Eixo Temático:

Leia mais

A TRAJETÓRIA DA LDB: UM OLHAR CRÍTICO FRENTE À REALIDADE BRASILEIRA

A TRAJETÓRIA DA LDB: UM OLHAR CRÍTICO FRENTE À REALIDADE BRASILEIRA A TRAJETÓRIA DA LDB: UM OLHAR CRÍTICO FRENTE À REALIDADE BRASILEIRA CERQUEIRA, Aliana Georgia Carvalho 1 E-mail: alianageorgia@hotmail.com CERQUEIR, Aline Carvalho 2 E-mail: alinecarvace@yahoo.com.br SOUZA,

Leia mais

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TICs) NO CONTEXTO DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL (UAB) E O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (UFSM) AVINIO, Carina

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores O PAPEL DE PRÁTICAS COMO COMPONENTE CURRICULAR NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS/BIOLOGIA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Migrações de professores de universidades privadas para públicas: os casos da Unicamp e da USP

Migrações de professores de universidades privadas para públicas: os casos da Unicamp e da USP nº 13 abril-junho 2014 TRAJETÓRIA DOCENTE Ilara Sanchez Baesso Mestra em Educação, área de concentração Ciências Sociais na Educação, Grupo de Políticas Públicas na Educação da Universidade Estadual de

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Apucarana (AP) / Campo Mourão (CM) / Cornélio Procópio (CP) / Curitiba (CT) / Dois Vizinhos (DV) Francisco Beltrão (FB) / Guarapuava (GP) / Londrina (LD) / Medianeira (MD) / Pato Branco (PB) Ponta Grossa

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º 1. O Departamento de Educação, adiante

Leia mais

A FORMAÇÃO INICIAL DOS EDUCADORES AMBIENTAIS NAS LICENCIATURAS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DE CURITIBA E AS POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A FORMAÇÃO INICIAL DOS EDUCADORES AMBIENTAIS NAS LICENCIATURAS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DE CURITIBA E AS POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 553 A FORMAÇÃO INICIAL DOS EDUCADORES AMBIENTAIS NAS LICENCIATURAS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DE CURITIBA E AS POLÍTICAS

Leia mais

Educação Física em Ação PIBID - Subprojeto de Educação Física

Educação Física em Ação PIBID - Subprojeto de Educação Física Educação Física em Ação PIBID - Subprojeto de Educação Física Mostra Local de: Palmas PR Categoria do projeto: I Projetos em Implantação (projetos que estão em fase inicial) Nome da Instituição/Empresa:

Leia mais

Revista Lusófona de Educação, 2005, 1, 143-152. Educação pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa.

Revista Lusófona de Educação, 2005, 1, 143-152. Educação pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa. , 2005, 1, 143-152 Profissionais da educação de vários setores da sociedade vêm discutindo a concepção de educação, a função da escola, a relação entre conhecimento escolar e a vida social e cultural e

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM SUPERVISÃO EDUCACIONAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM SUPERVISÃO EDUCACIONAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM SUPERVISÃO EDUCACIONAL (MONTES CLAROS, JANUÁRIA, MANGA, MEDINA e ITAMBACURI). ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO: Normal Superior, Pedagogia e Licenciatura Plena. BREVE DESCRIÇÃO

Leia mais

GRUPO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS CEPESLI/UFSM

GRUPO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS CEPESLI/UFSM GRUPO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS CEPESLI/UFSM WAGNER, Alison Marcelo; MARCHESAN, MariaTereza; PADILHA, Emanuele Coimbra; LEMES, Debora; HAYGERT, Suelen; AZEVEDO, Cinara; MESQUITA, Gisele. Graduado

Leia mais

NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA NA UEPG

NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA NA UEPG 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA

Leia mais

III-Compreender e vivenciar o funcionamento e a dinâmica da sala de aula.

III-Compreender e vivenciar o funcionamento e a dinâmica da sala de aula. REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º -O Estágio Supervisionado de que trata este regulamento refere-se à formação de licenciados em Pedagogia

Leia mais

O Programa de Desenvolvimento Educacional e suas Interfaces

O Programa de Desenvolvimento Educacional e suas Interfaces 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

REGULAMENTO DE AACC 2011/13

REGULAMENTO DE AACC 2011/13 REGULAMENTO DE AACC 2011/13 1 Apresentação A FESAR - Faculdade de Ensino Superior da Amazônia Reunida apresenta por meio deste Manual, orientações a fim de que os discentes ao longo de sua jornada acadêmica

Leia mais