Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,"

Transcrição

1 Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação

2 ÍNDICES DE GESTÃO TEMA DESCENTRALIZADA IGDSUAS E IGDPBF MAIO DE 2014

3 Refletir sobre o apoio financeiro da união, no aprimoramento da gestão, OBJETIVO reconhecendo e incentivando os esforços dos gestores na condução do SUAS de forma qualificada.

4 PROGRAMAÇÃO/CONTEÚDOS HISTÓRICO, LEGISLAÇÃO E REGULAMENTAÇÃO MODALIDADES OBJETIVO BASE DE CÁLCULO APLICAÇÃO FINANCEIRA

5 ATIVIDADE 1

6 FINALIDADE DO IGDSUAS E IGD PBF AFERIR A QUALIDADE DA GESTÃO EM SUAS RESPECTIVAS ESPECIFICIDADES

7 INDICADOR

8 HISTÓRICO, LEGISLAÇÃO E REGULAMENTAÇÃO

9 HISTÓRICO DO IGD EM 2001 CRIADO CADÚNICO EM NECESSIDADE DE ATUALIZAR - APOIO FINANCEIRO CONSTITUIU NO REPASSE DE R$ 6,00 (SEIS REAIS) POR CADASTRO VÁLIDO E ATUALIZADO. EM 2006 CRIADO IGD - A IDEIA ERA VALORIZAR OS MUNICÍPIOS E/OU O DF, COM QUALIDADE DE GESTÃO E INCENTIVAR OS DEMAIS A ALCANÇAR SEMPRE MELHORES INDICADORES DE GESTÃO LOCAL

10 LEGISLAÇÃO IGDPBF PORTARIA MDS/GM Nº 148, DE 27 DE ABRIL DE ALTERADA PELAS PORTARIAS: MDS/GM Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 Nº 319, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2011.

11 LEGISLAÇÃO IGDSUAS Inspirado na experiência inovadora do IGD do Programa Bolsa Família, FOI INSTITUÍDO pelo artigo 12-A da Lei nº /2011, que altera a Lei nº 8.742/1993 (LOAS) o Índice de Gestão Descentralizada do SUAS (IGDSUAS), como APOIO FINANCEIRO da União aos estados, Distrito Federal e municípios para o APRIMORAMENTO DA GESTÃO descentralizada do SUAS.

12 REGULAMENTAÇÃO - IGDSUAS Presidência da República Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PORTARIA Nº 07, DE 30 DE JANEIRO DE 2012 DECRETO Nº 7.636, 7 DE DEZEMBRO /2011 DE Dispõe sobre o apoio financeiro à gestão descentralizada dos serviços, programas, projetos e benefícios de assistência social, por meio do Índice de Gestão Descentralizada do Sistema Único de Assistência Social IGDSUAS, e dá outras providências.

13 MODALIDADES DO IGD

14 MODALIDADES DO IGD OS DOIS ÍNDICES APRESENTAM DUAS MODALIDADES, UMA PARA MUNICÍPIOS E DF E OUTRA PARA ESTADOS. IGD-PBF - IGD-M para municípios e DF - IGD-E para estados IGDSUAS - IGDSUAS-M para municípios e DF - IGDSUAS-E para estados

15 OBJETIVOS DOS IGD S IGD-PBF VISA ESTIMULAR OS ENTES NO ESFORÇO PERMANENTE DE ATUALIZAÇÃO DO CADASTRO ÚNICO PARA PROGRAMAS SOCIAIS (CADÚNICO), E MANUTENÇÃO DE SUA QUALIDADE INFORMACIONAL, INCENTIVANDO FINANCEIRAMENTE ÀQUELES QUE OBTIVERAM BONS RESULTADOS. VISA TAMBÉM O APOIO AOS ENTES NA GESTÃO INTERSETORIAL DAS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA.

16 OBJETIVOS DOS IGD S IGD-SUAS VISA AVALIAR A QUALIDADE DA GESTÃO DESCENTRALIZADA DOS SERVIÇOS, PROGRAMAS, PROJETOS E BENEFÍCIOS SOCIOASSISTENCIAIS NO ÂMBITO DOS ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS, BEM COMO A ARTICULAÇÃO INTERSETORIAL. CONFORME OS RESULTADOS ALCANÇADOS PELOS ENTES A UNIÃO APOIA FINANCEIRAMENTE O APRIMORAMENTO DA GESTÃO DO SUAS COMO FORMA DE INCENTIVO.

17 O QUE O IGD-PBF E O IGDSUAS TEM EM COMUM

18 O QUE OS IGD S TEM EM COMUM Variação de 0 a 1 O IGD-PBF e o IGDSUAS são índices que variam de 0 a 1, sendo que o índice numérico reflete em incentivos financeiros para o aprimoramento da gestão. Quanto mais próximo de 1, maior poderá ser os recursos financeiros repassados. AS INFORMAÇÕES SOBRE O ÍNDICE OBTIDO E OS RECURSOS RECEBIDOS POR CADA ESTADO, DF E MUNICÍPIO ENCONTRAM-SE DISPONÍVEIS PARA CONSULTA DE QUALQUER CIDADÃO NO SÍTIO DO MDS

19 O QUE OS IGD S TEM EM COMUM Repasse Fundo a Fundo OS RECURSOS DOS IGDPBF E IGDSUAS SÃO REPASSADOS DIRETAMENTE DO FUNDO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL AOS FUNDOS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS. O REPASSE É AUTOMÁTICO E MENSAL, NA MODALIDADE FUNDO A FUNDO, ESTANDO CONDICIONADO AO CUMPRIMENTO DOS REQUISITOS PARA RECEBIMENTO DO INCENTIVO.

20 O QUE OS IGD S TEM EM COMUM PLANEJAMENTO OS RECURSOS DOS IGD-PBF E IGDSUAS DEVERÃO ESTAR INCORPORADOS NO ORÇAMENTO DE FORMA PLANEJADA ANTES DE SUA UTILIZAÇÃO. DESSA FORMA, ALÉM DE CONSTAR NA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL, OS RECURSOS DEVERÃO CONSTAR NO PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DOS ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS E SER REGISTRADO NO PLANO DE AÇÃO SISTEMA DO SUAS WEB ACESSADO PELOS GESTORES DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E CONSELHEIROS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL.

21 O QUE OS IGD S TEM EM COMUM PRESTAÇÃO DE CONTAS A PRESTAÇÃO DE CONTAS DO USO DOS RECURSOS DOS IGD S DEVE SER FEITA NO ÂMBITO DOS ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS E SUA SITUAÇÃO INFORMADA AO MDS, POR MEIO DO SUASWEB, COM O PREENCHIMENTO DO DEMONSTRATIVO SINTÉTICO ANUAL DA EXECUÇÃO FÍSICO E FINANCEIRA, SENDO NECESSÁRIA A DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E EMISSÃO DE PARECER.

22 O QUE OS IGD S TEM EM COMUM DESEMPENHO MÍNIMO Ambos os Índices exigem desempenho mínimo para o recebimento de recursos. No caso do IGD-PBF, o DF e municípios devem alcançar no mínimo o índice de 0,20 nas taxas que compõem o cálculo do Índice, e índice superior a 0,55 no cálculo final das taxas, para recebimento dos recursos. No caso dos estados, o índice mínimo é 0,60. Para o IGDSUAS, o índice mínimo para recebimento dos recursos é de 0,21, não tendo mínimo para as variáveis.

23 O QUE OS IGD S TEM EM COMUM ADESÃO AO SUAS COMO REQUISITO PARA RECEBIMENTO DOS RECURSOS ALÉM DO ALCANCE DE UM ÍNDICE MÍNIMO, AMBOS TÊM COMO REQUISITO PARA O RECEBIMENTO DOS RECURSOS A ADESÃO AO SUAS PELOS ENTES. OS ESTADOS E DF DEVEM TER ADERIDO POR MEIO DO PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO, PLANEJANDO O ALCANCE DAS PRIORIDADES DEFINIDAS NA RESOLUÇÃO CIT Nº 17/2010

24 O QUE OS IGD S TEM EM COMUM MODALIDADES Ainda como ponto em comum, os dois Índices apresentam duas modalidades, uma para municípios e DF e outra para estados, que se diferenciam na forma de cálculo, explicada de forma detalhada nos Cadernos acima citados. IGD-PBF IGD-M para municípios e DF IGD-E para estados IGDSUAS IGDSUAS-M para municípios e DF IGDSUAS-E para estados

25 O QUE OS IGD S TEM EM COMUM USO OBRIGATÓRIO PARA FORTALECIMENTO DO CONTROLE SOCIAL No mínimo 3% dos recursos do IGD-PBF e no mínimo 3% dos recursos do IGDSUAS deverão ser utilizados OBRIGATORIAMENTE para o fortalecimento do controle social, apoiando técnica e financeiramente as suas atividades. No caso de o Conselho de Assistência Social ser também a instância de controle social do Programa Bolsa Família e CadÚnico, o gestor deverá destinar no mínimo 3% dos recursos do IGD-PBF mais 3%, mínimo, dos recursos do IGDSUAS, somando assim, ao menos 3% de cada um dos Índices. ORIENTAÇÕES CONJUNTAS SOBRE OS ÍNDICES DE GESTÃO DESCENTRALIZADA DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (IGD-PBF) E DO SUAS (IGDSUAS), PÁGINA 16.

26 O QUE OS IGD S TEM DE DIFERENTE

27 O QUE OS IGD S TEM DE DIFERENTE FINALIDADE DO USO DOS RECURSOS FORMA DE CÁLCULO

28 ATIVIDADE - 2

29 ATIVIDADE - 2 IDENTIFICAR A BASE DE CÁLCULO PARA O REPASSE DOS RECURSOS VIA IGDPBF E IGDSUAS, PARA OS MUNICÍPIOS.

30 BASE DE CÁLCULO - IGDPBF

31 BASE DE CÁLCULO - IGDPBF TAFE - Taxa de Acompanhamento de Frequência Escolar TAAS - Taxa de Acompanhamento de Agenda de Saúde TCQC - Taxa de Cobertura Qualificada de Cadastros TAC - Taxa de Atualização Cadastral

32 BASE DE CÁLCULO - IGDPBF Vídeo 9 Índice de Gestão Descentralizada - IGD

33 1- Crianças e adolescentes das famílias do PBF com frequência escolar informada / Total de crianças e adolescentes das famílias do PBF no município / TAFE - Taxa de Acompanhamento de Frequência Escolar ( item 1 / item 2 ) 0,75 12/ Famílias do PBF com condicionalidade de Saúde informada / Total de famílias com perfil Saúde no município / TAAS - Taxa de Acompanhamento de Agenda de Saúde ( item 4 / item 5 ) 0,64 12/ Cadastros válidos de Famílias com Perfil CadÚnico no município / Estimativa de famílias no município perfil CadÚnico (Censo 2010) / TCQC - Taxa de Cobertura Qualificada de Cadastros ( item 7 / item 8 ) 1,00 12/ Atualizações de cadastros válidos no município - perfil CadÚnico / Cadastros válidos de Famílias no município com perfil CadÚnico / TAC - Taxa de Atualização Cadastral ( item 10 / item 11 ) 0,76 12/ Fator 1: Operação (média aritmética de TAFE, TAAS, TCQC e TAC) 0,79 12/ Fator 2: Adesão ao SUAS 1 12/ Fator 3: Comprovação de Gastos pelo FMAS 1 12/ Fator 4: Aprovação da Comprovação de Gastos pelo CMAS 1 12/ IGD-M ( Fator 1 x Fator 2 x Fator 3 x Fator 4 ) 0,79 12/ Estimativa total de famílias de baixa renda no município - perfil CadÚnico / Quantidade de famílias consideradas para cálculo do repasse / Valor de Repasse sem Incentivos ( item 17 x R$ 3,25 x item 19 ) ,91 12/ Incetivo 1 - Proporção de famílias em descumprimento de condicionalidades acompanhadas 461,19 12/ Incetivo 2 - Demandas de fiscalização atendidas no prazo 0 12/ Incetivo 3 - Dados da gestão municipal no SIGPBF atualizados há menos de 1 ano 0,00 12/ Incetivo 4 - Efetividade da entrega de cartões 0,00 12/ Valor Total de Incentivos ( item 21 + item 22 + item 23 + item 24 ) 461,19 12/ Valor a ser repassado ( Item 20 + Item 25 ) ,10 12/ Teto de repasse do IGD-M ,18 12/ Valor repassado no mês ,10 12/2013 Motivo(s) que impede(m) o repasse 12/ , %

34 1 - Crianças e adolescentes das famílias do PBF com frequência escolar informada / Total de crianças e adolescentes das famílias do PBF no município / TAFE - Taxa de Acompanhamento de Frequência Escolar ( item 1 / item 2 ) 0,67 12/ Famílias do PBF com condicionalidade de Saúde informada / Total de famílias com perfil Saúde no município / TAAS - Taxa de Acompanhamento de Agenda de Saúde ( item 4 / item 5 ) 0,46 12/ Cadastros válidos de Famílias com Perfil CadÚnico no município / Estimativa de famílias no município perfil CadÚnico (Censo 2010) / TCQC - Taxa de Cobertura Qualificada de Cadastros ( item 7 / item 8 ) 1,00 12/ Atualizações de cadastros válidos no município - perfil CadÚnico / Cadastros válidos de Famílias no município com perfil CadÚnico / TAC - Taxa de Atualização Cadastral ( item 10 / item 11 ) 0,57 12/ Fator 1: Operação (média aritmética de TAFE, TAAS, TCQC e TAC) 0,68 12/ Fator 2: Adesão ao SUAS 1 12/ Fator 3: Comprovação de Gastos pelo FMAS 1 12/ Fator 4: Aprovação da Comprovação de Gastos pelo CMAS 1 12/ IGD-M ( Fator 1 x Fator 2 x Fator 3 x Fator 4 ) 0,68 12/ Estimativa total de famílias de baixa renda no município - perfil CadÚnico / Quantidade de famílias consideradas para cálculo do repasse / Valor de Repasse sem Incentivos ( item 17 x R$ 3,25 x item 19 ) ,88 12/ Incetivo 1 - Proporção de famílias em descumprimento de condicionalidades acompanhadas 788,65 12/ Incetivo 2 - Demandas de fiscalização atendidas no prazo 0 12/ Incetivo 3 - Dados da gestão municipal no SIGPBF atualizados há menos de 1 ano 973,64 12/ Incetivo 4 - Efetividade da entrega de cartões 0,00 12/ Valor Total de Incentivos ( item 21 + item 22 + item 23 + item 24 ) 1.762,29 12/ Valor a ser repassado ( Item 20 + Item 25 ) ,17 12/ Teto de repasse do IGD-M ,30 12/ Valor repassado no mês ,17 12/2013 Motivo(s) que impede(m) o repasse 12/ , %

35 Home > Bolsa Família > Gestão Descentralizada > Índice de Gestão Descentralizada (IGD) Índice de Gestão Descentralizada (IGD) O Índice de Gestão Descentralizada (IGD) é um indicador que mostra a qualidade da gestão descentralizada do Programa Bolsa Família (PBF), além de refletir os compromissos assumidos pelos estados e municípios na sua adesão ao Programa, como a gestão do Cadastro Único e das condicionalidades. O índice varia entre zero e 1. Quanto mais próximo de 1, melhor a avaliação da gestão desses processos. Com base nesse indicador, o MDS repassa recursos a estados e municípios para a realização da gestão do Bolsa Família. Quanto maior o valor do IGD, maior será também o valor dos recursos a serem repassados. Por meio do IGD, o MDS espera incentivar o aprimoramento da qualidade da gestão local do Programa e contribuir para que estados e municípios executem as ações que estão sob sua responsabilidade. A prestação de contas desses recursos devem ser registrados pelo gestor no SuasWeb, no qual também o respectivo Conselho de Assistência Social registra o resultado de sua apreciação sobre essas contas. A forma de apuração do IGD, os mecanismos de cálculo dos recursos a serem repassados e as sugestões para a utilização adequada dos recursos estão disponíveis no Caderno do IGD-M e no Caderno do IGD-E. Confira aqui: Teto do IGD-E por estado Dados do seu município

36 BASE DE CÁLCULO - IGDPBF - E No caso dos ESTADOS, as taxas são similares, sendo considerados os mesmos dados, mas de todos os municípios que compõem o ESTADO e no DF, ou seja, total de famílias no Cadastro Único dividido pela quantidade de famílias estimadas como público alvo do Cadastro no Estado; total de cadastros válidos no Estado; e famílias em acompanhamento da frequência escolar e da agenda de saúde no Estado.

37 VALORES DOS TETOS PARA O IGD-E 2014 UF Teto Mensal (em R$) Teto Anual (em R$) PE , ,00

38 BASE DE CÁLCULO - IGDSUAS - M

39 BASE DE CÁLCULO - IGDSUAS - M O valor do IGDSUAS-M corresponderá ao resultado da média aritmética ponderada: 1 - do IDCRAS, obtido no Censo SUAS, com peso 4; 2 - e da execução financeira ajustada, obtido no Demonstrativo Sintético Anual da Execução Físico e Financeira, com peso 1. A média aritmética simples é obtida dividindo-se a soma das observações pelo número delas. A média aritmética ponderada envolve números sujeitos a um peso. Seu resultado é a soma de cada observação, multiplicados por seus respectivos pesos, dividido pela soma dos pesos.

40 CRAS PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA CRAS Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família PAIF Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Serviço de Proteção Social Básica no Domicílio para Pessoas com Deficiência e Idosas.

41 IDCRAS MÉDIO O IDCRAS, CRIADO EM É UM INDICADOR SINTÉTICO QUE TEM POR OBJETIVO SISTEMATIZAR AS CARACTERÍSTICAS DE FUNCIONAMENTO DOS CRAS E APRIMORAR O PROCESSO DE MONITORAMENTO. É COMPOSTO PELA COMBINAÇÃO DOS SEGUINTES INDICADORES DIMENSIONAIS: 1 - ATIVIDADES REALIZADAS; 2 - HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO; 3 - RECURSOS HUMANOS; 4 - E ESTRUTURA FÍSICA.

42 BASE DE CÁLCULO - IGDSUAS - M CADA DIMENSÃO PODE SER ENQUADRADA EM QUATRO GRAUS DE 1 - INSUFICIENTE; 2 - REGULAR; 3 - SUFICIENTE OU SUPERIOR. DESENVOLVIMENTO: O ÍNDICE DE CADA CRAS É O RESULTADO DA COMBINAÇÃO DOS GRAUS DE DESENVOLVIMENTO APURADOS POR DIMENSÃO

43 BASE DE CÁLCULO - IGDSUAS - M 1 - ATIVIDADES REALIZADAS 2 - ESTRUTURA FÍSICA 1 -SUPERIOR 2 -SUFICIENTE 3 - HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO 3 - REGULAR 4 - RECURSOS HUMANOS 4 - INSUFICIENTE

44 BASE DE CÁLCULO - IGDSUAS - M ESTÁGIOS 1 - Duas ou mais dimensões no nível insuficiente. 2 - Uma dimensão insuficiente e ao menos uma no nível regular. 3 - Uma dimensão insuficiente e demais nos níveis suficiente ou superior. 4 - Uma dimensão regular e demais nos níveis suficiente ou superior. 5 - Todas as dimensões ao menos no nível suficiente, sendo 50% ou menos no nível superior. 6 - Todas as dimensões ao menos no nível suficiente, sendo mais de 50% no nível superior.

45 Enquadramento dos graus de desenvolvimento de cada dimensão Infraestrutura Física Graus de Desenvolvimento Superior (possui os itens) Itens existentes no CRAS Local para recepção. Sala para entrevista que possibilite o atendimento individual. Salão para reunião com grupos de famílias*. Banheiro. Condições de acessibilidade - em conformidade com a Norma da ABNT- NBR para pessoas idosas e pessoas com deficiência**. Imóvel próprio. Critério 2008 para sala de atendimento - mínimo de 2 salas com a Norma da ABNT - NBR *** Critério 2008 possui condições de acessibilidade, mas que não estão em conformidade com a Norma ABNT - NBR 9050

46 Enquadramento dos graus de desenvolvimento de cada dimensão Infraestrutura Física Graus de Desenvolvimento Suficiente (possui os itens) Itens existentes no CRAS Local para recepção. Sala para entrevista que possibilite o atendimento individual. Salão para reunião com grupos de famílias*. Banheiro Condições de acessibilidade - em acordo com a Norma ABNT -NBR para pessoas idosas e pessoas com deficiência*** Imóvel próprio * Critério 2008 para sala de atendimento - mínimo de 2 salas, sendo que pelo menos uma delas com capacidade superior a 15 pessoas. ** Critério 2008 possui condições de acessibilidade em conformidade com a Norma da ABNT - NBR *** Critério 2008 possui condições de acessibilidade, mas que não estão em conformidade com a Norma ABNT - NBR 9050

47 Enquadramento dos graus de desenvolvimento de cada dimensão Infraestrutura Física Graus de Desenvolvimento Regular (possui os itens) Insuficiente (não possui algum dos itens) Itens existentes no CRAS Local para recepção. Sala para entrevista que possibilite o atendimento individual. Salão para reunião com grupos de famílias*. Banheiro. Local para recepção. Sala para entrevista que possibilite o atendimento individual. Salão para reunião com grupos de famílias*. Banheiro. * Critério 2008 para sala de atendimento - mínimo de 2 salas, sendo que pelo menos uma delas com capacidade superior a 15 pessoas. ** Critério 2008 possui condições de acessibilidade em conformidade com a Norma da ABNT - NBR *** Critério 2008 possui condições de acessibilidade, mas que não estão em conformidade com a Norma ABNT - NBR 9050

48 Enquadramento dos graus de desenvolvimento de cada dimensão Atividades Realizadas Graus de Desenvolvimento Superior (realiza todos os itens) Itens existentes no CRAS Visitas domiciliares. Acompanhamento de famílias. Orientação/acompanhamento para inserção no BPC. Encaminhamento para inserção de famílias no Cadúnico. Grupo/oficina de convivência e atividades socioeducativas com famílias ou por ciclo de vida ou intergeracional. Busca ativa.

49 Enquadramento dos graus de desenvolvimento de cada dimensão Atividades Realizadas Graus de Desenvolvimento Suficiente (realiza todos os itens) Itens existentes no CRAS Visitas domiciliares. Acompanhamento de famílias. Orientação/acompanhamento para inserção no BPC. Encaminhamento para inserção de famílias no CadÚnico. Grupo/oficina de convivência e atividades socioeducativas com famílias ou por ciclo de vida ou intergeracional.

50 Enquadramento dos graus de desenvolvimento de cada dimensão Atividades Realizadas Graus de Desenvolvimento Suficiente (realiza todos os itens) Itens existentes no CRAS Visitas domiciliares. Acompanhamento de famílias. Orientação/acompanhamento para inserção no BPC. Encaminhamento para inserção de famílias no CadÚnico. Grupo/oficina de convivência e atividades socioeducativas com famílias ou por ciclo de vida ou intergeracional.

51 Enquadramento dos graus de desenvolvimento de cada dimensão Atividades Realizadas Graus de Desenvolvimento Regular (realiza todos os itens) Itens existentes no CRAS Visitas domiciliares. Acompanhamento de famílias. Insuficiente (não realiza algum dos itens) Visitas domiciliares. Acompanhamento de famílias.

52 Enquadramento dos graus de desenvolvimento de cada dimensão Disponibilidade de Serviços Graus de Desenvolvimento Superior Suficiente Regular Itens existentes no CRAS Funcionamento da unidade 5 dias por semana com mais de 8 horas por dia ou mais de 5 dias por semana com 8 horas ou mais por dia. 5 dias por semana com 8 horas por dia. 5 dias na semana ou mais, com seis ou sete horas por dia. Insuficiente Inferior a 5 dias na semana ou seis horas por dia

53 Recursos Humanos Graus de Desenvolvimento Superior Metrópole/ Grande Porte/ Médio Porte Nove ou mais profissionais, sendo: cinco ou mais profissionais de nível superior, quatro ou mais profissionais de nível médio, devendo haver, pelo menos: - dois assistentes sociais - um psicólogo - um coordenador de nível superior e Estatutário. Pequeno Porte II Sete ou mais profissionais, sendo: quatro ou mais profissionais de nível superior, três ou mais profissionais de nível médio, devendo haver, pelo menos: - um assistente so-cial - um coordenador de nível superior e Estatutário. Pequeno Porte I Cinco ou mais profissionais, sendo: três ou mais profis-sionais de nível su-perior, dois ou mais profissionais de nível médio, devendo haver, pe lo menos: - um assistente social - um coordenador de nível superior e estatutário

54 Recursos Humanos Graus de Desenvolvimento Metrópole/ Grande Porte/ Médio Porte Oito ou mais profissionais, sendo: quatro ou mais proissionais de nível superior, quatro ou mais profissionais de nível médio, devendo haver, pelo menos: - dois assistentes sociais - um psicólogo Pequeno Porte II Pequeno Porte I Suficiente Seis ou mais profissionais, sendo: três ou mais profissionais de nível superior, três ou mais profissionais de nível médio, devendo haver, pelo menos: - um assistente social Quatro ou mais profissionais, sendo: dois ou mais profissionais de nível superior, dois ou mais profisionais de nível médio, devendo haver, pelo menos: - um assistente social

55 Recursos Humanos Graus de Desenvolvimento Metrópole/ Grande Porte/ Médio Porte Pequeno Porte II Pequeno Porte I Regular Seis ou mais profissionais, sendo: quatro ou mais pro-fissionais de nível superior Cinco ou mais profissionais, sendo: três ou mais profissionais de nível superior Três ou mais profissionais, sendo: dois ou mais profissionais de nível superior

56 Recursos Humanos Graus de Desenvolvimento Metrópole/ Grande Porte/ Médio Porte Pequeno Porte II Pequeno Porte I Insuficiente Menos de seis profissionais ou menos de quatro profissionais de nível superior Menos de cinco profissionais ou menos de três profissionais de nível superior Menos de quatro profissionais ou menos de dois profissionais de nível superior

57 BASE DE CÁLCULO - IGDSUAS - M II. EXECUÇÃO FINANCEIRA AJUSTADA O SEGUNDO COMPONENTE DE CÁLCULO DO IGDSUAS-M É A EXECUÇÃO FINANCEIRA DO MUNICÍPIO OU DF. O CÁLCULO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA AJUSTADA CONSIDERA O TOTAL DE RECURSOS RE-PASSADOS PELO MDS AO MUNICÍPIO OU DF PARA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS DO SUAS DURANTE O EXERCÍCIO FINANCEIRO E A PROPORÇÃO DE RECURSOS GASTOS NO MESMO PERÍODO.

58 BASE DE CÁLCULO - IGDSUAS - M ÍNDICE DE GESTÃO DESCENTRALIZADA DOS MUNICÍPIOS (IGDSUAS-M) Valores referente à competência de Abril/2014 IBGE IBGE_7 Região UF Nome município IGDSUAS-M Valor do repasse - Abril/2014 Nordeste PE 0, ,72 Nordeste PE 0, ,97

59 Cálculo do Teto Mensal O TETO MENSAL DOS ENTES SERÁ APURADO ANUALMENTE ATÉ O MÊS DE JU-NHO DE CADA ANO. A) TETO MENSAL MUNICIPAL PARA OBTENÇÃO DO TETO DE REPASSE PARA OS MUNICÍPIOS ADOTAR-SE-Á OS CRITÉRIOS DE POPULAÇÃO CONSTANTE NA ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO DO CADASTRO ÚNICO, QUANTIDA-DE DE CRAS E CREAS EM CADA LOCALIDADE, INFORMADA NO ÚLTIMO CENSO SUAS, E A ÁREA MUNICIPAL EXTRAÍDA DO CENSO IBGE MAIS RECENTE.

60 BASE DE CÁLCULO - IGDSUAS - E O IGDSUAS-E aplica-se aos Estados. Seu cálculo considerará o IDCRAS Médio dos municípios de seu território e a Execução Financeira Ajustada, utilizando-se os valores da execução financeira ajustada de todos os municípios do estado. Os recursos de apoio à gestão descentralizadas do SUAS serão transferidos apenas para os estados cujo IGDSUAS-E seja superior a 0,2 (dois décimos). Assegura-se aos estados que atingirem o índice mínimo estabelecido o valor mínimo de repasse mensal equivalente a R$ ,00 (dez mil reais).

61 ATIVIDADE 3

62 ATIVIDADE 3 ATIVIDADE EM GRUPO IDENTIFICAR AS DIFERENTES FORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DO IGDPBF E IGDSUAS QUE PRÁTICA EM SEU MUNICÍPIO OU QUE CONHECE.

63 Como podem ser utilizados os recursos do IGDSUAS? Caderno de Orientações sobre o Índice de Gestão Descentralizada do Sistema Único de Assistência Social IGDSUAS. (pág. 25 a 39 - detalha os 12 itens das ações de investimento da gestão descentralizada, da Portaria n 7 de 30 de janeiro de 2012)

64 Como podem ser utilizados os recursos do IGDSPBF? APRESENTAÇÃO MDS /SENARC

65 COMO SABER SE O USO DO RECURSO ESTÁ CORRETO

66 COMO SABER SE O USO DO RECURSO ESTÁ CORRETO Para identificar se o uso dos recursos dos IGD-PBF e IGDSUAS está correto, pode-se verificar se são afirmativas as seguintes perguntas: 1. A utilização dos recursos do IGD-PBF e do IGDSUAS foi planejada conforme as prioridades identificadas por meio de diagnóstico? 2. O planejamento do uso dos recursos do IGD-PBF e do IGDSUAS foi aprovado pelo Conselho de Assistência Social? 3. Os recursos foram incorporados no Orçamento do ente?

67 COMO SABER SE O USO DO RECURSO ESTÁ CORRETO 4. Os recursos estão sendo utilizados exclusivamente nas finalidades para as quais se destinam, em conformidade com a legislação pertinente e Cadernos de orientações? 5. No mínimo 3% dos recursos foram utilizados para o fortalecimento do controle social? No caso do IGDSUAS obrigatoriamente para o Conselho de Assistência Social, e no caso do IGD-PBF, na instância de controle social que pode ser o Conselho de Assistência Social. 6. A prestação de contas foi feita no Demonstrativo Sintético Anual da Execução Físico e Financeira do Suas Web, com parecer do Conselho de Assistência Social?

68 GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO GPPC (81) ou (81) ou (81)

69 OBRIGADA! LUCIA LYRA

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação ÍNDICES DE GESTÃO TEMA DESCENTRALIZADA

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social Secretaria Nacional de Assistência Social. Índice de Gestão Descentralizada do SUAS - IGDSUAS

Ministério do Desenvolvimento Social Secretaria Nacional de Assistência Social. Índice de Gestão Descentralizada do SUAS - IGDSUAS Índice de Gestão Descentralizada do SUAS - IGDSUAS MARCO LEGAL O IGDSUAS foi instituído pela Lei n.º 12.435/2011, que altera a Lei n.º 8.742/1993 (LOAS) art. 12-A Regulamentado pelo Decreto n.º 7.636 de

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO / SENARC / MDS

DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO / SENARC / MDS ÍNDICE DE GESTÃO DESCENTRALIZADA IGD DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO / SENARC / MDS INDICE DE GESTÃO DESCENTRALIZADA CARACTERÍSTICAS Fortalecimento da Gestão Municipal e Estadual do PBF e do Cadastro Único Fortalecimento

Leia mais

Monitoramento do Sistema Único de Assistência Social

Monitoramento do Sistema Único de Assistência Social Monitoramento do Sistema Único de Assistência Social Módulo CRAS SAGI - Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação MDS - Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome AGENDA O MDS A SAGI Atividades

Leia mais

IGD - Índice de Gestão Descentralizada - IGD M. Fortaleza - CE, 21 a 23 de Março de 2012

IGD - Índice de Gestão Descentralizada - IGD M. Fortaleza - CE, 21 a 23 de Março de 2012 IGD - Índice de Gestão Descentralizada - IGD M Fortaleza - CE, 21 a 23 de Março de 2012 MARCO LEGAL 1) Lei nº 12.058, de 13 de outubro de 2009, altera o Art. 8º da Lei 10.836/2004: Institucionaliza o IGD,

Leia mais

Edição nº 81 de 28/04/2006 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Edição nº 81 de 28/04/2006 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Edição nº 81 de 28/04/2006 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N 148, DE 27 DE ABRIL DE 2006 Estabelece normas, critérios e procedimentos para o apoio à

Leia mais

Orçamento e Financiamento da Assistência Social

Orçamento e Financiamento da Assistência Social Orçamento e Financiamento da Assistência Social Orçamento e Financiamento: Definições O Orçamento Público é um Planejamento que gera um compromisso de um governo em relação às políticas públicas; Ele reflete

Leia mais

A produção de indicadores na Secretaria Nacional de Assistência Social

A produção de indicadores na Secretaria Nacional de Assistência Social A produção de indicadores na Secretaria Nacional de Assistência Social Hugo Miguel Pedro Nunes Coordenador Geral dos Serviços de Vigilância Social- substituto Departamento de Gestão do SUAS Secretaria

Leia mais

PROPOSTA PARA NOVO ID-CRAS 2014

PROPOSTA PARA NOVO ID-CRAS 2014 PROPOSTA PARA NOVO ID-CRAS 2014 Proposta de Metodologia de Cálculo para o Índice de Desenvolvimento dos Centros de Referências da Assistência Social (CRAS) Ministério do Desenvolvimento Social e Combate

Leia mais

PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS NOS MUNICÍPIOS

PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS NOS MUNICÍPIOS PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS NOS MUNICÍPIOS PRIORIDADES E METAS PARA A GESTÃO MUNICIPAL DO SUAS PARA O QUADRIÊNIO 2014/2017 André YoSan Analista de Políticas Sociais Coordenador-Geral Substituto Coordenação-Geral

Leia mais

APRESENTAÇÃO SOBRE A ESTRUTURA DO CRAS

APRESENTAÇÃO SOBRE A ESTRUTURA DO CRAS APRESENTAÇÃO SOBRE A ESTRUTURA DO CRAS Atividades desenvolvidas no âmbito do CRAS no que se refere a encaminhamentos Atividades desenvolvidas Orientação/acompanhamento para inserção no BPC Encaminhamento

Leia mais

GESTÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DO SUAS NOS MUNICÍPIOS REGIÃO CENTRO-OESTE. RIO VERDE/GO, 03 e 04 de abril de 2013

GESTÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DO SUAS NOS MUNICÍPIOS REGIÃO CENTRO-OESTE. RIO VERDE/GO, 03 e 04 de abril de 2013 Encontro Regional CONGEMAS GESTÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DO SUAS NOS MUNICÍPIOS REGIÃO CENTRO-OESTE RIO VERDE/GO, 03 e 04 de abril de 2013 Cadastro Único para Programas Sociais Definição Instrumento de identificação

Leia mais

Coordenação de Proteção Social Básica

Coordenação de Proteção Social Básica - S E D S Coordenação de Proteção Social Básica Agosto 212 Coordenação Proteção Social Básica A coordenação e o controle das ações da Política Pública da Assistência Social relacionadas a proteção social

Leia mais

AÇÕES, SERVIÇOS E BENEFICIOS SOCIOASSISTENCIAIS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES - BAHIA

AÇÕES, SERVIÇOS E BENEFICIOS SOCIOASSISTENCIAIS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES - BAHIA AÇÕES, SERVIÇOS E BENEFICIOS SOCIOASSISTENCIAIS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES - BAHIA Sistema Único de Assistência Social Fundos Conselhos SUAS Planejamento Diagnóstico Rede Socioassistencial Serviços Tipificados

Leia mais

PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS

PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS O NOVO MOMENTO DO SUAS NOBSUAS 2012 PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS O QUE É: Acordo/Compromisso, entre os entes (Federal, Estadual e Municipal), para ajustar o SUAS local.

Leia mais

PERFIL DA POLÍTICA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EM PONTA GROSSA

PERFIL DA POLÍTICA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EM PONTA GROSSA PERFIL DA POLÍTICA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EM PONTA GROSSA Secretaria Munic. de Assistência Social Estrutura Ponta Grossa é considerada pelo Sistema Único de Assistência Social como município de

Leia mais

Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social. Recife, 04 de dezembro de 2013.

Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social. Recife, 04 de dezembro de 2013. Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Recife, 04 de dezembro de 2013. Definição Firmado entre a União, Estados, Distrito Federal e municípios; Instrumento pelo qual se materializam

Leia mais

Orçamento e Financiamento da Assistência Social Monitoramento e Avaliação da Assistência Social

Orçamento e Financiamento da Assistência Social Monitoramento e Avaliação da Assistência Social Orçamento e Financiamento da Assistência Social Monitoramento e Avaliação da Assistência Social Célio Vanderlei Moraes Orçamento e Financiamento da Assistência Social Orçamento e Financiamento: Definições

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua O FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL CF-88 art. 204 as ações governamentais na área da assistência social devem ser realizadas com recursos

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL ORÇAMENTOS DA UNIÃO EXERCÍCIO FINANCEIRO 2015 PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Leia mais

O DEMONSTRATIVO SINTÉTICO DO IGD PBF

O DEMONSTRATIVO SINTÉTICO DO IGD PBF O DEMONSTRATIVO SINTÉTICO DO IGD PBF O Índice de Gestão Descentralizada do Município (IGD- M) mede a qualidade das ações realizadas pelo município nas ações de cadastramento, de atualização cadastral e

Leia mais

Gestão do Programa Bolsa Família Cadastro Único

Gestão do Programa Bolsa Família Cadastro Único Encontro Estadual da Assistência Social: Gestão dos Recursos Financeiros - IGDSUAS e IGDPBF Gestão do Programa Bolsa Família Cadastro Único COORDENAÇÃO-GERAL DE EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA DEOP

Leia mais

Plano de Ação Coordenação Geral de Apoio ao Controle Social e à Gestão Descentralizada (CGACS/MDS)

Plano de Ação Coordenação Geral de Apoio ao Controle Social e à Gestão Descentralizada (CGACS/MDS) Plano de Ação 2011 Coordenação Geral de Apoio ao Controle Social e à Gestão Descentralizada (CGACS/MDS) Conhecendo o plano de ação O cofinanciamento no SUAS A NOB/SUAS instituiu novos mecanismos e formas

Leia mais

Instrução Operacional nº 37 SENARC/MDS Brasília, 19 de novembro de 2010.

Instrução Operacional nº 37 SENARC/MDS Brasília, 19 de novembro de 2010. 1 Brasília, 19 de novembro de 2010. 1. INTRODUÇÃO Assunto: Divulga procedimentos para apresentação da comprovação dos gastos feitos com os recursos recebidos pelos municípios, no exercício de 2009, a título

Leia mais

GUIA RA PIDO DA ESTRUTURA GERAL DO ORÇAMENTO Um novo desenho frente à publicação da Portaria MDS nº 113/2015, para os entes.

GUIA RA PIDO DA ESTRUTURA GERAL DO ORÇAMENTO Um novo desenho frente à publicação da Portaria MDS nº 113/2015, para os entes. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Assistência Social Fundo Nacional de Assistência Social GUIA RA PIDO DA ESTRUTURA GERAL DO ORÇAMENTO Um novo desenho frente

Leia mais

PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL A Gestão proposta pelo SUAS pauta-se no Pacto Federativo onde devem ser atribuídas e detalhadas as competências e responsabilidades

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 5 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 5 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 17, DE 5 DE JUNHO DE 2014 Aprova metas e critérios de partilha para o cofinanciamento federal do Programa Nacional de Promoção da Integração ao Mundo do Trabalho para o exercício de 2014 e

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE RENDA DE CIDADANIA SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE RENDA DE CIDADANIA SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE RENDA DE CIDADANIA SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL INSTRUÇÃO OPERACIONAL CONJUNTA SENARC/SNAS MDS Nº 01, DE 14 DE

Leia mais

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Centro de Referência de Assistência Social PLANO ANUAL DE AÇÃO 2015

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Centro de Referência de Assistência Social PLANO ANUAL DE AÇÃO 2015 CRAS: Maracanã COORDENADOR(A): Eliana de Araújo Vieira PREFEITURA DE MONTES CLAROS PLANO ANUAL DE AÇÃO 2015 QUADRO I Atividades de fortalecimento dos vínculos familiares e comunitários: Objetivo Atividades

Leia mais

MÓDULO I IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL

MÓDULO I IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL MÓDULO I IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL ACOMPANHAMENTO E ATENDIMENTO FAMILIAR Configura-se como um ato Configura como um processo continuado ACOMPANHAMENTO FAMILIAR ACOMPANHAMENTO FAMILIAR O QUE

Leia mais

CONTROLE SOCIAL POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

CONTROLE SOCIAL POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CONTROLE SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL LINHA DO TEMPO 1988 1993 2004 2005 2006 Constituição Federal, Art. 203 e 204 Lei Orgânica da Assistência Social- LOAS- LEI Nº 8.742 Política Nacional de

Leia mais

Município: CAROLINA / MA

Município: CAROLINA / MA O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE AGENTES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE CONTROLE SOCIAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

CAPACITAÇÃO DE AGENTES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE CONTROLE SOCIAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) CAPACITAÇÃO DE AGENTES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE CONTROLE SOCIAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) ROTEIRO DE RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE CURSO (RCC) 1. OBJETIVO Promover a

Leia mais

PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS

PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS IMPLANTAÇÃO DA NOB SUAS BRASILIA / JULHO DE 2013 NOB SUAS Aperiodicidade de elaboração do Pacto será quadrienal, com o acompanhamento e a revisão anual das prioridades e

Leia mais

Estratégia de Monitoramento das unidades do SUAS: CRAS e CREAS

Estratégia de Monitoramento das unidades do SUAS: CRAS e CREAS II Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Fortaleza, junho de 2010 Estratégia de Monitoramento das unidades do SUAS: CRAS e CREAS Gláucia Macedo / Caio Nakashima Departamento de Gestão

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 32, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 32, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013. Dispõe sobre o Pacto de Aprimoramento da Gestão dos Estados e do Distrito Federal no âmbito do Sistema Único de Assistência Social SUAS, estabelece a revisão

Leia mais

Redesenho do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Redesenho do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Redesenho do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome MDS Secretaria Nacional de Assistência Social SNAS HISTÓRICO DO PETI PETI Contexto histórico

Leia mais

Programa Bolsa Família

Programa Bolsa Família 2014 DIAGNÓSTICO SOCIOASSISTENCIAL Programa Bolsa Família Gerência de Monitoramento e Avaliação GMA Vigilância Socioassistencial Sumário 1. PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA EM PERNAMBUCO... 3 2. ACOMPANHAMENTO PELO

Leia mais

Apoio Técnico da Vigilância Socioassistencial. 04:Principais instrumentos e fontes de informação

Apoio Técnico da Vigilância Socioassistencial. 04:Principais instrumentos e fontes de informação Apoio Técnico da Vigilância Socioassistencial 04:Principais instrumentos e fontes de informação Módulo 04:Principais instrumentos e fontes de informação MÓDULOS DO APOIO TÉCNICO Módulo 1: Introdução à

Leia mais

RESOLUÇÃO N 26, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO N 26, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011. RESOLUÇÃO N 26, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011. Aprova os critérios para expansão 2011 do cofinanciamento federal, nos serviços de proteção social básica, apresentados pela SNAS O CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

Módulo 3 - DESAFIOS À INTEGRAÇÃO DOS ÓRGÃOS DE CONTROLE SOCIAL CONTROLE SOCIAL

Módulo 3 - DESAFIOS À INTEGRAÇÃO DOS ÓRGÃOS DE CONTROLE SOCIAL CONTROLE SOCIAL Módulo 3 - DESAFIOS À INTEGRAÇÃO DOS ÓRGÃOS DE CONTROLE SOCIAL Professora Mestre Edsonia Marcelino CONTROLE SOCIAL Controlar significa verificar se a realização de uma determinada atividade não se desvia

Leia mais

Considerando a disponibilidade orçamentária e financeira do Fundo Estadual de Assistência Social - FEAS, resolve:

Considerando a disponibilidade orçamentária e financeira do Fundo Estadual de Assistência Social - FEAS, resolve: GOVERNO DA PARAIBA PORTARIA/ SEDH Nº 036 de 02 de dezembro de 2015. Dispõe sobre a forma de repasse dos recursos do cofinanciamento Estadual aos Municípios e sua prestação de contas, e dá outras providências.

Leia mais

PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA: ANALISANDO O ÍNDICE DE GESTÃO DESCENTRALIZADA EM SAÚDE E EDUCAÇÃO

PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA: ANALISANDO O ÍNDICE DE GESTÃO DESCENTRALIZADA EM SAÚDE E EDUCAÇÃO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA: ANALISANDO O ÍNDICE DE GESTÃO DESCENTRALIZADA EM SAÚDE E EDUCAÇÃO Autores: Fabrício Noura Gomes; Ana Maria de Albuquerque Vasconcellos; Mário Vasconcellos Sobrinho; Lorena Silva

Leia mais

O CRAS é uma unidade pública estatal devidamente identificado, localizado em áreas de vulnerabilidade social.

O CRAS é uma unidade pública estatal devidamente identificado, localizado em áreas de vulnerabilidade social. CRAS - Centro de Referência da Assistência Social O CRAS é uma unidade pública estatal devidamente identificado, localizado em áreas de vulnerabilidade social. Profª. Iracema Ferreira Site: www.aprimore.net

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social. Fundo Nacional de Assistência Social

Secretaria Nacional de Assistência Social. Fundo Nacional de Assistência Social Secretaria Nacional de Assistência Social Fundo Nacional de Assistência Social fevereiro / 2011 O PLANEJAMENTO E A EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA DO SUAS Bases Legais do Financiamento Instrumentos

Leia mais

As Ações Estratégicas da Gestão do Trabalho travadas no âmbito da Gestão do SUAS

As Ações Estratégicas da Gestão do Trabalho travadas no âmbito da Gestão do SUAS As Ações Estratégicas da Gestão do Trabalho travadas no âmbito da Gestão do SUAS José Crus Assistente Social Coordenador-Geral Coordenação Geral da Gestão do Trabalho do SUAS Departamento de Gestão do

Leia mais

Programa Bolsa Família Pós-coleta dos dados de acompanhamento das condicionalidades de saúde

Programa Bolsa Família Pós-coleta dos dados de acompanhamento das condicionalidades de saúde XIV Encontro Nacional da Rede de Alimentação e Nutrição do SUS e Reunião do Programa Bolsa Família na Saúde Programa Bolsa Família Pós-coleta dos dados de acompanhamento das condicionalidades de saúde

Leia mais

Desafios e perspectivas do Programa Bolsa Família

Desafios e perspectivas do Programa Bolsa Família Desafios e perspectivas do Programa Bolsa Família Rodrigo Lofrano Coordenador-Geral de Acompanhamento das Condicionalidades Decon/Senarc/MDS Brasília, 19 de agosto de 2015 As três dimensões do Programa

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DEPARTAMENTO DE BENEFÍCIOS ASSISTENCIAIS

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DEPARTAMENTO DE BENEFÍCIOS ASSISTENCIAIS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DEPARTAMENTO DE BENEFÍCIOS ASSISTENCIAIS PROGRAMA BPC TRABALHO O QUE É O BPC O Benefício de Prestação Continuada

Leia mais

NOTA TÉCNICA N o 028/2015

NOTA TÉCNICA N o 028/2015 NOTA TÉCNICA N o 028/2015 Brasília, 07 de dezembro de 2015. ÁREA: Desenvolvimento Social TÍTULO: Condicionalidades e Processos Administrativos do Programa Bolsa Família. REFERÊNCIAS: Medida Provisória

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO TRABALHO, EMPREGO E PROMOÇÃO SOCIAL

SECRETARIA DE ESTADO DO TRABALHO, EMPREGO E PROMOÇÃO SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORA BIPARTITE CIB RESOLUÇÃO 007/2004 CIB A Comissão Intergestora Bipartite CIB, em reunião ordinária realizada no dia 23 de novembro de 2004 RESOLVE Art. 1º - Aprovar o documento CRITÉRIOS

Leia mais

Redesenho do PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil

Redesenho do PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Redesenho do PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI É um programa de caráter intersetorial que,no âmbito do SUAS, compreende transferência de renda, trabalho social com famílias e oferta

Leia mais

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Maria das Graças Rua Março de 2007

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Maria das Graças Rua Março de 2007 Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Maria das Graças Rua Março de 2007 DIMENSÕES EXAMINADAS: a clareza e compartilhamento dos

Leia mais

Oficina: Operacionalização do BPC Escola e BPC Trabalho

Oficina: Operacionalização do BPC Escola e BPC Trabalho Oficina: Operacionalização do BPC Escola e BPC Trabalho XIV ENCONTRO NACIONAL DO CONGEMAS Fortaleza, 22 março de 2012 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - MDS Secretaria Nacional de

Leia mais

Organização de Serviços Básicos do SUAS em Comunidades Tradicionais. CONGEMAS Belém/PA 18 a 20 de abril de 2011

Organização de Serviços Básicos do SUAS em Comunidades Tradicionais. CONGEMAS Belém/PA 18 a 20 de abril de 2011 Organização de Serviços Básicos do SUAS em Comunidades Tradicionais CONGEMAS Belém/PA 18 a 20 de abril de 2011 Pilares: Constituição Federal Lei Orgânica de Assistência Social - LOAS Política Nacional

Leia mais

XIV Encontro Nacional do CONGEMAS Coordenação Geral da Rede SUAS /DGSUAS/SNAS/MDS

XIV Encontro Nacional do CONGEMAS Coordenação Geral da Rede SUAS /DGSUAS/SNAS/MDS XIV Encontro Nacional do CONGEMAS 2012 Finalidade do Sistema Nacional de Informações do SUAS Rede SUAS Dar suporte à operação, à gestão, ao financiamento e ao controle social do SUAS; ao monitoramento

Leia mais

Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família SIGPBF

Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família SIGPBF Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família SIGPBF Sérgio A. S. Moraes Outubro/2012 Agenda Introdução Escopo do Sistema Programas Subsidiados Conclusão INTRODUÇÃO O Programa Bolsa Família possui três processos

Leia mais

Gestão Compartilhada. do Programa Bolsa. Família

Gestão Compartilhada. do Programa Bolsa. Família Gestão Compartilhada do Programa Bolsa Família Olinda Abriga uma população de 397.268 habitantes (IBGE/2009), 3ª maior cidade de Pernambuco. Extensão territorial de 43,55 km², das quais 9,73 km² fazem

Leia mais

Dicas para utilização dos recursos do PBV III Cras Volante

Dicas para utilização dos recursos do PBV III Cras Volante Dicas para utilização dos recursos do PBV III Cras Volante 1. O que são as Equipes Volantes do CRAS? Equipe Volante consiste em uma equipe adicional que integra um Centro de Referência de Assistência Social

Leia mais

REDE SOCIOASSISTENCIAL

REDE SOCIOASSISTENCIAL REDE SOCIOASSISTENCIAL O que é Vulnerabilidade Social? Pode ser entendida como a condição de risco em que uma pessoa se encontra. Um conjunto de situações mais, ou menos problemáticas, que situam a pessoa

Leia mais

Orientações Técnicas Centro de Referência de Assistência Social CRAS (2009)

Orientações Técnicas Centro de Referência de Assistência Social CRAS (2009) Orientações Técnicas Centro de Referência de Assistência Social CRAS (2009) Caderno do Cras capítulo 6 Equipe de Referência do CRAS A equipe de referência do CRAS é constituída por profissionais responsáveis

Leia mais

IX JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS PALMEIRA¹ / PR.

IX JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS PALMEIRA¹ / PR. IX JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CRAS PALMEIRA¹ / PR. MARTINS, Mayara Lucia (Estágio I), e-mail: mayamartins1993@hotmail.com.

Leia mais

MATRIZ 4: ESTRATÉGIA NACIONAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

MATRIZ 4: ESTRATÉGIA NACIONAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MATRIZ 4: ESTRATÉGIA NACIONAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CARTA

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO SUAS AVANÇOS E DESAFIOS

IMPLEMENTAÇÃO DO SUAS AVANÇOS E DESAFIOS SECRETARIA DE ESTADO DO TRABALHO, EMPREGO E PROMOÇÃO SOCIAL Núcleo de Coordenação da Assistência Social IMPLEMENTAÇÃO DO SUAS AVANÇOS E DESAFIOS POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO VIII CONFERÊNCIA ESTADUAL DE

Leia mais

RESOLUÇÃO INEA Nº 45, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO INEA Nº 45, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO INEA Nº 45, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2011 ESTABELECE O MANUAL OPERATIVO DE PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DO PROGRAMA DE TRABALHO DOS CONTRATOS DE GESTÃO ENTRE O INEA E AS

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA. Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência/CD Comissão de Seguridade Social e Família/

AUDIÊNCIA PÚBLICA. Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência/CD Comissão de Seguridade Social e Família/ AUDIÊNCIA PÚBLICA Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência/CD Comissão de Seguridade Social e Família/ Brasília, 13 de maio de 2015 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Leia mais

0,1,67e5,2'2'(6(192/9,0(17262&,$/(&20%$7( )20(

0,1,67e5,2'2'(6(192/9,0(17262&,$/(&20%$7( )20( 0,1,67e5,2'2'(6(192/9,0(17262&,$/(&20%$7( )20(,16758d 21250$7,9$1ž01, '(20'(0$,2'( Divulga orientações aos municípios, Estados e Distrito Federal para constituição de instância de controle social do Programa

Leia mais

Município: GOVERNADOR VALADARES / MG

Município: GOVERNADOR VALADARES / MG O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA Nº 04 ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE O RELATÓRIO QUADRIMESTRAL DE ACORDO COM A LEI COMPLEMENTAR Nº141 DE 13 DE JANEIRO DE 2012 Introdução: Até 2011, a forma de prestar contas sobre as ações, recursos

Leia mais

1. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo.

1. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo. NOTA TÉCNICA N. 035/2013 Brasília, 24 de outubro de 2013. ÁREA: TÍTULO: Desenvolvimento Social. Reordenamento do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo (SCFV). REFERÊNCIA: Resolução CNAS n

Leia mais

NOTA TÉCNICA 003/2011 Florianópolis, 20 de setembro de 2011

NOTA TÉCNICA 003/2011 Florianópolis, 20 de setembro de 2011 NOTA TÉCNICA 003/2011 Florianópolis, 20 de setembro de 2011 Interessado: Secretarias de Assistência Social e Conselhos Municipais de Assistência Social Assunto: Processo de inscrição das entidades e/ou

Leia mais

ANAIS DO II SEMINÁRIO SOBRE GÊNERO: Os 10 anos da lei Maria da Penha e os desafios das políticas públicas transversais

ANAIS DO II SEMINÁRIO SOBRE GÊNERO: Os 10 anos da lei Maria da Penha e os desafios das políticas públicas transversais DESCUMPRIMENTO DE CONDICIONALIDADES: UM OLHAR SOBRE O TERRITÓRIO DE ABRANGÊNCIA DO CRAS VILA OPERÁRIA-PARANAVAÍ/PR Gabriela Santana de Andrade- (Acadêmica) Unespar/Campus de Paranavaí gabi_santanaandrade@hotmail.com

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE

Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE Resolução nº XX, de 21 de outubro de 2016 Pactua o desenho do Programa Criança

Leia mais

Oficina de Cidadania, Controle Social e Participação Social Encontro Regional do Congemas

Oficina de Cidadania, Controle Social e Participação Social Encontro Regional do Congemas Construindo o Plano Decenal da Assistência Social Oficina de Cidadania, Controle Social e Participação Social Encontro Regional do Congemas EIXOS TEMÁTICOS Dinâmica de Trabalho nas Oficinas - Relação entre

Leia mais

OFICINA: VIGILÂNCIA SOCIAL. CLARICE IMPERIAL Fortaleza, março de 2012

OFICINA: VIGILÂNCIA SOCIAL. CLARICE IMPERIAL Fortaleza, março de 2012 OFICINA: VIGILÂNCIA SOCIAL CLARICE IMPERIAL Fortaleza, março de 2012 FOTO Capital do Espírito Santo Possui 327.801 habitantes Censo 2010 Compõem com outros seis municípios (Cariacica, Fundão, Guarapari,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA ORIENTAÇÕES PARA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DE FAMÍLIAS INDÍGENAS

Leia mais

RESOLUÇÃO CNAS Nº 18, DE 24 DE MAIO DE 2012.

RESOLUÇÃO CNAS Nº 18, DE 24 DE MAIO DE 2012. RESOLUÇÃO CNAS Nº 18, DE 24 DE MAIO DE 2012. Institui o Programa Nacional de Promoção do Acesso ao Mundo do Trabalho ACESSUAS-TRABALHO. Alterada pela Resolução CNAS nº 27/2014. O CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul MUNICÍPIO DE CAPÃO DO CIPÓ Gabinete do Prefeito Municipal LEI Nº 648, DE 11 DE ABRIL DE 2013.

Estado do Rio Grande do Sul MUNICÍPIO DE CAPÃO DO CIPÓ Gabinete do Prefeito Municipal LEI Nº 648, DE 11 DE ABRIL DE 2013. LEI Nº 648, DE 11 DE ABRIL DE 2013. AUTORIZA O MUNICÍPIO DE CAPÃO DO CIPÓ A CONTRATAR, EM CARÁTER TEMPORÁRIO, PROFISSIONAL PARA O DESEMVOLVIMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE INCLUSÃO DE JOVENS - PROJOVEM ADOLESCENTE.

Leia mais

Município: OURO PRETO / MG

Município: OURO PRETO / MG Município: OURO PRETO / MG O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado em junho de 2011 com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi

Leia mais

Proteção Social às crianças diagnosticadas com microcefalia e suas famílias. PERNAMBUCO Abril de 2016

Proteção Social às crianças diagnosticadas com microcefalia e suas famílias. PERNAMBUCO Abril de 2016 Proteção Social às crianças diagnosticadas com microcefalia e suas famílias PERNAMBUCO Abril de 2016 Objetivo Identificar o papel da Assistência Social na atenção às crianças diagnosticadas com microcefalia

Leia mais

Vigilância Social: Estudando os instrumentais a serem utilizados pelo PAIF/PAEFI

Vigilância Social: Estudando os instrumentais a serem utilizados pelo PAIF/PAEFI Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social Vigilância Social: Estudando os instrumentais a serem utilizados pelo PAIF/PAEFI FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

Leia mais

VI SEMINÁRIO DA REDE BRASILEIRA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO 19 a 21 de Novembro de 2014

VI SEMINÁRIO DA REDE BRASILEIRA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO 19 a 21 de Novembro de 2014 [1 ] VI SEMINÁRIO DA REDE BRASILEIRA DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO 19 a 21 de Novembro de 2014 O papel estratégico do monitoramento e da avaliação no contexto das políticas públicas: a experiência de execução

Leia mais

ESTUDO SOBRE O CADASTRO ÚNICO E O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DOS MUNICÍPIOS QUE COMPÕEM A MESORREGIÃO DA GRANDE FRONTEIRA DO MERCOSUL

ESTUDO SOBRE O CADASTRO ÚNICO E O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DOS MUNICÍPIOS QUE COMPÕEM A MESORREGIÃO DA GRANDE FRONTEIRA DO MERCOSUL ESTUDO SOBRE O CADASTRO ÚNICO E O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DOS MUNICÍPIOS QUE COMPÕEM A MESORREGIÃO DA GRANDE FRONTEIRA DO MERCOSUL Grupo de pesquisa: Gestão e Organização Angélica Caetane Pelizza - Acadêmica

Leia mais

Promovendo desenvolvimento integral na primeira infância. Outubro de 2016

Promovendo desenvolvimento integral na primeira infância. Outubro de 2016 Promovendo desenvolvimento integral na primeira infância Outubro de 2016 MARCO LEGAL DA PRIMEIRA INFÂNCIA Lei nº 13.257, de 8 de março de 2016 DIRETRIZES E ESTRATÉGIAS de apoio às famílias em sua função

Leia mais

TERMO DE ACEITE SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA JOVENS E ADULTOS COM DEFICIÊNCIA EM RESIDÊNCIA INCLUSIVA CLÁUSULA PRIMEIRA 1.

TERMO DE ACEITE SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA JOVENS E ADULTOS COM DEFICIÊNCIA EM RESIDÊNCIA INCLUSIVA CLÁUSULA PRIMEIRA 1. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Assistência Social SNAS Departamento de Proteção Social Especial Quadra 515 norte, Ed. Ômega, Bloco B, 1º. Andar, sala 136

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CMAS RESOLUÇÃO 02/2011

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CMAS RESOLUÇÃO 02/2011 CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CMAS RESOLUÇÃO 02/2011 Dispõe sobre os requisitos necessários para a obtenção de inscrição dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais no

Leia mais

DO QUE TRATA A PORTARIA MDS nº 113, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015?

DO QUE TRATA A PORTARIA MDS nº 113, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015? DO QUE TRATA A PORTARIA MDS nº 113, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015? Regulamenta o cofinanciamento federal do Sistema Único de Assistência Social - SUAS e a transferência de recursos na modalidade fundo a fundo

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CMAS Criado pela Lei Municipal n 207/97 de 14/01/97 Praça Barão do Rio Branco n 192 Entre Rios - BA

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CMAS Criado pela Lei Municipal n 207/97 de 14/01/97 Praça Barão do Rio Branco n 192 Entre Rios - BA 2 RESOLUÇÃO 003/2016 Regulamenta o Plano de Reprogramação dos Recursos Financeiros de 2015 referente ao Cofinanciamento do FEAS e FNAS para serem utilizados no Exercício Financeiro de 2016, e dá outras

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA Oferta Pública de Recursos para municípios com população de até 50mil habitantes

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA Oferta Pública de Recursos para municípios com população de até 50mil habitantes PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA Oferta Pública de Recursos para municípios com população de até 50mil habitantes MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação Departamento de Produção Habitacional

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 34, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº 34, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2011. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Esplanada dos Ministérios, bloco F, anexo, ala A, 1º andar, Brasília/DF CEP: 70059-900 RESOLUÇÃO Nº 34, DE

Leia mais

Curso SUAS Sistema Único de Assistência Social nos CRAS e CREAS

Curso SUAS Sistema Único de Assistência Social nos CRAS e CREAS Associação Brasileira de Formação e Desenvolvimento Social - ABRAFORDES www.cursosabrafordes.com.br DICA: Tecle Ctrl+s para salvar este PDF no seu computador. Curso SUAS Sistema Único de Assistência Social

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Avaliação da Política de Proteção Social no Brasil: a experiência do MDS

Sistema de Monitoramento e Avaliação da Política de Proteção Social no Brasil: a experiência do MDS Sistema de Monitoramento e Avaliação da Política de Proteção Social no Brasil: a experiência do MDS Júnia Quiroga Diretora de Avaliação SAGI/MDS SEMINÁRIO SOBRE POLÍTICAS PÚBLICAS INTERSETORIAIS: PROTEÇÃO

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social Secretaria Nacional de Assistência Social ORIENTAÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS RELATIVOS AO ARTIGO 6º E/LOAS

Ministério do Desenvolvimento Social Secretaria Nacional de Assistência Social ORIENTAÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS RELATIVOS AO ARTIGO 6º E/LOAS ORIENTAÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS RELATIVOS AO ARTIGO 6º E/LOAS INFORMAÇÕES INICIAIS O que é o Art. 6 E da Lei nº 8.742/1993, inserido pela Lei nº 12.435/2011 no texto da Lei Orgânica da Assistência

Leia mais

SUAS, SUS E TERRITÓRIO: INTERFACES DO CUIDADO

SUAS, SUS E TERRITÓRIO: INTERFACES DO CUIDADO 1º MÓDULO SUAS, SUS E TERRITÓRIO: INTERFACES DO CUIDADO Profª Dione Menz 2016 HISTÓRICO - SUAS Sistema Único da Assistência Social é fruto de quase duas décadas de debates e coloca em prática os preceitos

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Nota Técnica elaborada em 28.08.07 pela CGPAN/DAB/SAS. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Acompanhamento

Leia mais

Município: TAILÂNDIA / PA

Município: TAILÂNDIA / PA O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

Curitiba Mais Humana INTERSETORIALIDADE APRIMORAMENTO DO SUAS

Curitiba Mais Humana INTERSETORIALIDADE APRIMORAMENTO DO SUAS Curitiba Mais Humana INTERSETORIALIDADE APRIMORAMENTO DO SUAS Reunião Ampliada do Conselho Nacional de Assistência Social 18 de novembro de 2014 Salvador BA Pacto de Aprimoramento da Gestão: o controle

Leia mais

Circular 02 - Frente em Defesa do SUAS e da Seguridade Social

Circular 02 - Frente em Defesa do SUAS e da Seguridade Social Circular 02 - Frente em Defesa do SUAS e da Seguridade Social Brasília, 5 de junho de 2016. A Frente em Defesa do SUAS e da Seguridade Social, por meio do grupo de trabalho de mobilização constituído em

Leia mais

IBGE: HABITANTES URBANA: RURAL: AREA 350 KM² 56 comunidades 8 bairros

IBGE: HABITANTES URBANA: RURAL: AREA 350 KM² 56 comunidades 8 bairros IBGE: 2010 16.034 HABITANTES URBANA: 9.871 RURAL:6.150 AREA 350 KM² 56 comunidades 8 bairros Nº Famílias referenciadas: 540 famílias Nº Famílias acompanhadas em grupos: 190 famílias. 1 Coordenadora: 40

Leia mais