Transporte Ferroviário em Angola: Situação Actual e Perspectiva de Desenvolvimento

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Transporte Ferroviário em Angola: Situação Actual e Perspectiva de Desenvolvimento"

Transcrição

1 Transporte Ferroviário em Angola: Situação Actual e Perspectiva de Desenvolvimento Estratégia da Formação de Quadros, Factor Fundamental para o Desenvolvimento Sustentado do Transporte Ferroviário, no País

2 1. OBJECTIVO GERAL - Promover a excelência na formação ferroviária através das melhores práticas como linhas de força, para a inovação dos serviços de transportes ferroviários no país. 2. OBJECTIVOS ESPECÍFCOS: a) Qualificar os profissionais para actuar nos diferentes segmentos de transportes ferroviários; b) Contribuir para a formação de quadros técnico com capacidade de assumir os desafios do crescimento projetado para o país; c) Dar uma resposta às necessidades de formação especializada e avançada de profissionais qualificados numa área considerada de relevância estratégica para a concretização e prossecução da política de desenvolvimento do país; d) Implantar um programa de pós-graduação que possibilite o ingresso dos formandos, a fim de darem continuidade a sua formação.

3 Considerações Gerais O transporte ferroviário constitui, sob uma perspectiva dogmática, o ramo dos transportes mais aliciante de estudar, pelo facto de que a prestação de serviço principal, é realizado sobre uma infra- -estrutura de rede. No passado o Estado investiu capitais de empresas estatais para a criação de novas empresas, designadamente, a Empresa do Caminho de ferro Benguela S.A.R.L, designadamente, Empresa do Caminho de Ferro de Luanda U.E.E, e a Empresa do Caminho de Ferro de Moçâmedes U.E.E (Unidade Económica Estatal). Todavia, o modo de funcionamento de cada uma dassas empresas distinguia-se segundo o seu regime de conceção de exploração, uma vez que as duas primeiras eram reguladas pela lei das sociedades comerciais e a última por outras normas, a título de exemplo pela lei n.º 6/97, de 11 de Julho.

4 Actualmente, as três empresas dos Caminho-de-ferro existentes no País, gozam do estatuto de Empresas Públicas de interesse público estratégico e de grande dimensão, porquanto a institucionalização de cada uma delas resultou da prática de actos administrativos do Titular do Poder Executivo. Por outro lado, são doptadas de personalidade jurídica, autonomia administrativa, financeira e patrimonial, relactivamente ao Executivo. Os actos administrativos que os seus órgãos praticam são actos horizontais, verticalmente definitivos e executórios, cujos actos quando violam algum interesse de um particular devem caber apenas um recurso contencioso e não hierárquico, nos termos do artigo 40º Decreto presidencial n.º 121/10, de 2 de Julho, conjugado com as disposições do artigo 39º dos Decretos presidenciais n.º 150/10, de 21 de Julho e 149/10, de 21 de Julho, respectivamente.

5 Todavia, isto não pressupõe dizer que estejam isentas do controlo do Executivo, aliás os estatutos orgânicos referente aos actos de constituição das empresas ferroviárias, consagram a intervenção do Executivo, cujo objecto sobre o qual incide a intervenção são os actos de gestão das actividades da empresa. O Executivo intervém nas actividades das empresas, através de instrumentos de regulação económica, fundamentalmente no uso do seu poder de superintendência, que por delegação de poder, é exercído pelo titular do sector de actividade, ao abrigo artigo 43º da Lei n.º 11/13, de 03 de Setembro, que revoga a Lei n.º 9/95, de 15 de Setembro. Para superintender a actividade das empresas ferroviárias, podem ser útilizados os seguintes instrumentos de regulação económica: a) As normas para a formação de preços e salários; b) A estrutura e nível de tributação;

6 c) A política de subvenções e incentivos; d) As taxas de juro e a política de crédito; e) O estabelecimento de câmbio e a política cambial; f) Os critérios e taxas de amortização dos activos fixos; g) A política de formação dos fundos financeiros. Porém, o controlo das actividades relacionada com as condições para a prestação de serviço ferroviário é exercido pelo INCFA, por delegação de poderes do Ministério dos Transportes, incluindo aspectos relativos a regulação técnica, social e económica, na sequência da públicação, do Decreto Presidencial n.º 144/10, de 16 de julho.

7 3. ENQUADRAMENTO A Estratégia da Formação de Quadros como Factor Fundamental para o Desenvolvimento Sustentado do Subsector dos Transportes Ferroviário no país, está enquadrado por via de acolação no Programa do Executivo para o Periodo de Governação Deste modo, pelo facto de que a Organização Administrativa do Transportes, consubstancia-se essencialmente na Constituição da República de 2010, vincula-se às directrizes que têm origem do referido instrumento de orientação política da nação.

8 4. ÂMBITO DA ESTRATÉGIA DA FORMAÇÃO DE QUADROS a) Promover acções de formação, superação técnico-profissional e actualização dos quadros, com o necessário acompanhamento da tendência global dos avanços registados, relativos ao ramo ferroviário, sob o ponto de vista global; b) Realizar seminários académicos, como é o caso desta actividade agora em curso e outras actividades de superação técnico-profissional, designadamente visitas de ascultação para reflexão e estudo dos assuntos ligados ao ramo ferroviário; c) Assegurar a formação académica de nível superior, pós-graduação, mestrado e doutoramento no domínio dos transportes ferroviários; d) Inserir cursos de especialização das áreas núcleares do ramo ferroviário, particularmente no quadro da criação do Instituto Superior de Gestão e Logistica dos Transportes ISGEST.

9 5.VISÃO a) Formar pessoal especializado em actividades relacionadas com a construção, gestão e manutenção da infraestrutura e do material circulante, bem como a operação ferroviária. b) O ISGEST pode contribuir para formar especilistas desse ramo, ministrando cursos que, podem doptar os formandos de competências necessárias para a actuação nas áreas de manutenção, administração e operação em sistemas ferroviários, com base na concepção de um plano estratégico de cooperação acadêmica com instituições de ensino superior ou instituições congeneres. A título meramente exemplificativo, existe um caso de cesso, relativamente ao Centro de Pesquisas e Governação Local CPGL, da Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto, que estabeleceu com alguns Conselhos Científicos de universidades estrangeiras parcerias a Formação de Quadros do País..

10 Um outro exemplo, é a aprovação pelo Executivo, do Plano Nacional de Formação Quadros, como sendo uma ferramenta para implementar a estratégia de formação durante o período 2013/2020, que inclui em curto prazo o programa de acção para o biénio 2013/2014, sob a égide da Escola Nacional da Adminstração ENAD, cuja incídencia é o sector da Administração Pública do Estado ao nível Central e ao nível Local, através de cursos ministrados no Instituto de Formação Local IFAL.

11 Porém, ao nível do Sector Empresarial Público, referindo-se particularmente ao ramo ferroviário, a Formação de Quadros como Factor Fundamental para o Desenvolvimento Sustentado do País, pode ser dirigida aos quadros superiores, os maquinistas, operários e pessoal especializado nas actividades relacionadas com a construção, gestão e manutenção da infraestrutura e do material circulante, bem como a operação ferroviária.

12 Considerações Finais O país pode adoptar estratégias nacionais de desenvolvimento sustentável estimulando o desenvolvimento harmoniozo da política do sector. Na prática, é uma estratégia eficaz para o desenvolvimento sustentável que reúne as aspirações e capacidades do Executivo, sociedade civil e do sector privado para criar uma visão para o futuro, e para trabalhar tactica e progressivamente para objectivos anteriormente descrito, identificando e construindo sobre "o que funciona", melhorando a integração entre as abordagens, fornecendo um quadro para fazer as escolhas das áreas de formação. Estas estratégias incidem sobre o que é realmente praticável, pois com uma estratégia eficaz e abrangente poderá solucionar-se vários problemas ao mesmo tempo.

13 SUGESTÃO: Apela-se à elaboração de programas estratégicos, que possam reforçar e harmonizar a política nacional para a Formação de Quadros para o sector dos Transporte em geral e particularmente do ramo ferroviário.

SEMINÁRIO O ESTADO ACTUAL DA IMPLEMENTAÇÃO DO NOVO MODELO INSTITUCIONAL PARA O SECTOR FERROVIÁRIO DECRETO PRESIDENCIAL 195/10

SEMINÁRIO O ESTADO ACTUAL DA IMPLEMENTAÇÃO DO NOVO MODELO INSTITUCIONAL PARA O SECTOR FERROVIÁRIO DECRETO PRESIDENCIAL 195/10 O ESTADO ACTUAL DA IMPLEMENTAÇÃO DO NOVO MODELO INSTITUCIONAL PARA O SECTOR FERROVIÁRIO DECRETO PRESIDENCIAL 195/10 DECRETO PRESIDENCIAL 195/10 SEMINÁRIO O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO ACTUAL

Leia mais

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO A MISSÃO DO REGULADOR FERROVIÁRIO HOJE E NUM CONTEXTO DE UMA REDE ONDE PODERÃO CIRCULAR MÚLTIPLOS OPERADORES FERROVIÁRIOS DECRETO PRESIDENCIAL 195/10 SEMINÁRIO O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO

Leia mais

Constituição da República de Angola: n.º 4 do artigo 42º

Constituição da República de Angola: n.º 4 do artigo 42º Constituição da República de Angola: n.º 4 do artigo 42º «A lei assegura aos autores de inventos industriais, patentes de invenções e processos tecnológicos o privilégio temporário para a sua utilização,

Leia mais

PROGRAMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM TURISMO (2º E 3º CICLOS)

PROGRAMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM TURISMO (2º E 3º CICLOS) PROGRAMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM TURISMO (2º E 3º CICLOS) MESTRADO EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES TURÍSTICAS (2º CICLO) MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DOS DESTINOS TURÍSTICOS (2º CICLO) DOUTORAMENTO

Leia mais

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto Código de Ética Empresarial da Metro do Porto MP-848057/09 V1.0 Índice A. A EMPRESA Enquadramento Missão Visão Valores B. CÓDIGO Âmbito de Aplicação Acompanhamento C. PRINCÍPIOS ORIENTADORES DO RELACIONAMENTO

Leia mais

Capítulo 4 ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZAÇÃO

Capítulo 4 ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZAÇÃO Capítulo 4 ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZAÇÃO 104 Banco de Cabo Verde / Relatório Anual de 2008 Capítulo 4 - Enquadramento Institucional e Organização 1. Órgãos de Gestão do Banco de Cabo Verde

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública O direito administrativo é o direito que regula a Administração pública Administração pública: é o objeto do direito administrativo Fernanda Paula Oliveira 1. Administração: gestão

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) 1 Índice I Disposições Legais... 3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

Centro de Estudos de Artes Decorativas da Escola Superior de Artes Decorativas da FRESS. Regulamento

Centro de Estudos de Artes Decorativas da Escola Superior de Artes Decorativas da FRESS. Regulamento Centro de Estudos de Artes Decorativas da Escola Superior de Artes Decorativas da FRESS Regulamento Os Estatutos da Escola Superior de Artes Decorativas (ESAD) da Fundação Ricardo Espírito Santo Silva

Leia mais

REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO. Artigo 1.º. Definição e Finalidade

REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO. Artigo 1.º. Definição e Finalidade REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO O presente regulamento explicita as competências, responsabilidades e funcionamento do Gabinete de Estudos e Planeamento. Artigo 1.º Definição e Finalidade

Leia mais

Tribunal de Contas. Nota Introdutória

Tribunal de Contas. Nota Introdutória Nota Introdutória NOTA INTRODUTÓRIA O presente Volume, cuja estrutura reflecte o conteúdo genérico previsto no artigo 41.º da Lei n.º 98/97, de 26 de Agosto, contém os resultados das acções de verificação

Leia mais

APPASSI. Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17

APPASSI. Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17 Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17 ÍNDICE Introdução Enquadramento 1 Estrutura e Organização Interna 2

Leia mais

Anexo Único. Estrutura e modelo de funcionamento de Co- Governação para os Gabinetes de Apoio aos Bairros de Intervenção Prioritária

Anexo Único. Estrutura e modelo de funcionamento de Co- Governação para os Gabinetes de Apoio aos Bairros de Intervenção Prioritária Anexo Único Estrutura e modelo de funcionamento de Co- Governação para os Gabinetes de Apoio aos Bairros de Intervenção Prioritária Artigo 1º - Definição Um GABIP é uma estrutura de iniciativa municipal,

Leia mais

Carta Educativa. Visão do Decreto-Lei nº 7/2003, de 15 de Janeiro

Carta Educativa. Visão do Decreto-Lei nº 7/2003, de 15 de Janeiro Carta Educativa Visão do Decreto-Lei nº 7/2003, de 15 de Janeiro O ordenamento do território rege-se por um sistema de gestão territorial consagrado pelo Decreto-Lei n.º 380/99, de 22 de Setembro com as

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 Sumário : 1 Entidade Reguladora do Sector Eléctrico em Angola 2 Missão do IRSE 3 Reflexos da Entidade Reguladora no Sector 4 Desafios do Regulador 5 Indicadores 6 Legislação

Leia mais

REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA

REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA A integração no espaço europeu de ensino superior das instituições académicas portuguesas trouxe consigo a necessidade de adoptar

Leia mais

Inserido em: 9-Novembro-2010 Fonte: DR I Série. Pagina 1/8

Inserido em: 9-Novembro-2010 Fonte: DR I Série. Pagina 1/8 Portaria n.º 1165/2010 de 9 de Novembro Aprova a tabela de taxas devidas pelos serviços prestados pelo Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Nos termos dos artigos 3.º e 4.º da lei geral

Leia mais

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS

INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS INSTITUTO DE FORMAÇÃO PARA O COMÉRCIO, TURISMO E SERVIÇOS ACTO FUNDACIONAL Acordo entre a: Associação Comercial de Braga Comércio, Turismo e Serviços; Casa Santos de Vila Verde; Instituto de Negociação

Leia mais

Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS)

Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS) Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS) CAPÍTULO I Natureza, Fins e Atribuições Artigo 1º (Natureza, Constituição, Localização) 1. O Instituto de Psicologia

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E CONCORRÊNCIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

CENTRO DE ESTUDOS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E CONCORRÊNCIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA CENTRO DE ESTUDOS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E CONCORRÊNCIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA MISSÃO E OBJECTIVOS O Centro de Estudos em Propriedade Intelectual e Concorrência (CPIC) tem como missão o desenvolvimento

Leia mais

eficiência energética estratégia iniciativa inovação mat

eficiência energética estratégia iniciativa inovação mat ambiente competência competitividade construção s eficiência energética estratégia iniciativa inovação sinergias sustentabilidade tecnologias transformação sustentável desenvolvimento diferenciação dinamism

Leia mais

COMUNIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DA ÁFRICA AUSTRAL FUNDO EUROPEU DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA CAPACIDADE INSTITUCIONAL.

COMUNIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DA ÁFRICA AUSTRAL FUNDO EUROPEU DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA CAPACIDADE INSTITUCIONAL. COMUNIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DA ÁFRICA AUSTRAL FUNDO EUROPEU DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA CAPACIDADE INSTITUCIONAL Contexto A Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

1. A CMVM O QUE É A CMVM?

1. A CMVM O QUE É A CMVM? 1.. A CMVM 1. A CMVM O QUE É A CMVM? A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários - também conhecida pelas iniciais CMVM - foi criada em Abril de 1991 com a missão de supervisionar e regular os mercados

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA ÓRGÃOS AUXILIARES DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA CASA CIVIL

REPÚBLICA DE ANGOLA ÓRGÃOS AUXILIARES DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA CASA CIVIL REPÚBLICA DE ANGOLA ÓRGÃOS AUXILIARES DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA CASA CIVIL UNIDADE TÉCNICA PARA O INVESTIMENTO PRIVADO Falar do Investimento Privado em Angola, implica ter domínio dos seguintes diplomas

Leia mais

4724 DIÁRIO DA REPÚBLICA

4724 DIÁRIO DA REPÚBLICA 4724 DIÁRIO DA REPÚBLICA ARTIGO 7.º (Inscrição no OGE) São inscritas no Orçamento Geral do Estado as verbas indispensáveis para acorrer ao serviço da Dívida Pública Directa, regulada pelo presente Diploma.

Leia mais

A Convergência da Regulação e da Supervisão da Actividade Financeira. Gabinete do Governador e dos Conselhos

A Convergência da Regulação e da Supervisão da Actividade Financeira. Gabinete do Governador e dos Conselhos Intervenção do Governador do Banco de Cabo Verde, Dr. Carlos Burgo, no VII Encontro dos Governadores dos Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa, Cidade da Praia, 2 de Maio de 2014. A Convergência

Leia mais

BOLETIM DA REPÚBLICA 2.º SUPLEMENTO PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Quinta-feira, 19 de Abril de I SÉRIE Número 16 SUMÁRIO

BOLETIM DA REPÚBLICA 2.º SUPLEMENTO PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Quinta-feira, 19 de Abril de I SÉRIE Número 16 SUMÁRIO Quinta-feira, 19 de Abril de 2012 I SÉRIE Número 16 BOLETIM DA REPÚBLICA PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE 2.º SUPLEMENTO IMPRENSA NACIONAL DE MOÇAMBIQUE, E.P. A V I S O A matéria a publicar

Leia mais

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios]

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] Painel: Como é que os destinos turísticos se estão a preparar? O caso do Destino Douro Porto, 18 de Junho

Leia mais

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5 A Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. (ACSS, IP) é um Instituto Público, criado em 2007, integrado na administração indireta do Estado, dotado de autonomia administrativa, financeira e patrimonial

Leia mais

BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS

BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS Benja Satula BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS Mestrado em Direito Penal sob a orientação do Professor Doutor Germano Marques da Silva UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2010 PREFÁCIO É sempre razão para grande

Leia mais

A CONTA GERAL DO ESTADO

A CONTA GERAL DO ESTADO Seminario sobre Responsabilização Financeira e Prestação de Contas Ministerio de Finanças e Cooperação Internacional(MFCI) S.Tomé, 28 à 30 de Maio 2012 A CONTA GERAL DO ESTADO Prestação de Contas Aprovação

Leia mais

Victor Ceita Advogado sócio FBL - Advogados Angola

Victor Ceita Advogado sócio FBL - Advogados Angola Victor Ceita Advogado sócio FBL - Advogados Angola Estado actual da legislação de telecomunicações e suas tendências futuras Enquadramento Fases essenciais das telecomunicações em Angola:. Fase do controlo

Leia mais

RELATÓRIO E PARECER SOBRE O PROJECTO DE RESOLUÇÃO RELATIVO AO PEDIDO DE DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI N.º 11/2003, DE 13 DE MAIO

RELATÓRIO E PARECER SOBRE O PROJECTO DE RESOLUÇÃO RELATIVO AO PEDIDO DE DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI N.º 11/2003, DE 13 DE MAIO RELATÓRIO E PARECER SOBRE O PROJECTO DE RESOLUÇÃO RELATIVO AO PEDIDO DE DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI N.º 11/2003, DE 13 DE MAIO HORTA, 7 DE MAIO DE 2004 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO A Comissão de

Leia mais

DESTAQUES LEGISLATIVOS AGOSTO 2015

DESTAQUES LEGISLATIVOS AGOSTO 2015 ANGOLA DESTAQUES LEGISLATIVOS COOPERAÇÃO INTERNACIONAL CARTA DE ADESÃO N.º 1/15 PRESIDENTE DA REPÚBLICA Sumário: Aprova, para Adesão da República de Angola, a Convenção sobre a Proibição do Desenvolvimento,

Leia mais

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO JOÃO DE DEUS

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO JOÃO DE DEUS CENTRO DE INVESTIGAÇÃO JOÃO DE DEUS Preâmbulo 1. Caracterização O Centro de Investigação João de Deus é um serviço da Escola Superior de Educação João de Deus, onde se desenvolverá o apoio e o acompanhamento

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 72, de 18 de Abril. Decreto Presidencial n.º 65/11 de 18 de Abril

Publicado no Diário da República, I série, nº 72, de 18 de Abril. Decreto Presidencial n.º 65/11 de 18 de Abril Publicado no Diário da República, I série, nº 72, de 18 de Abril Decreto Presidencial n.º 65/11 de 18 de Abril O Executivo atribui a maior relevância, no seu programa, à modernização e solidez do sistema

Leia mais

Plataforma Supraconcelhia do Tâmega

Plataforma Supraconcelhia do Tâmega Regulamento da Plataforma Supraconcelhia do Tâmega Artigo 1º Objecto O presente regulamento define o processo de organização e funcionamento da Plataforma supraconcelhia do Tâmega, abreviadamente designada

Leia mais

OBJECTIVOS U.PORTO 2010

OBJECTIVOS U.PORTO 2010 OBJECTIVOS U.PORTO 2010 Durante o ano de 2009 foi publicada ou entrou em vigor vária legislação que introduziu inúmeras alterações às disposições legais que enformam a actividade da U.Porto (LVCR, acreditação

Leia mais

PREÂMBULO. Nota justificativa

PREÂMBULO. Nota justificativa PREÂMBULO O texto do Manutenção de Infra-Estruturas Urbanísticas foi submetido a apreciação pública, durante 30 dias úteis, tendo sido publicado para o efeito em edital, com o n.º 126/2002, de 23 de Maio

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ) 1 Índice I Disposições Legais...3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

Regulamento Interno CSIF-A

Regulamento Interno CSIF-A Regulamento Interno Comissão Social Inter Freguesia - A Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Enquadramento A Comissão Social Inter Freguesia de Alcofra, Cambra, Campia, Carvalhal de Vermilhas e Paços

Leia mais

Informação. Direcção aprovou regulamento da formação de créditos para efeitos do controle de qualidade

Informação. Direcção aprovou regulamento da formação de créditos para efeitos do controle de qualidade Informação Direcção aprovou regulamento da formação de créditos para efeitos do controle de qualidade António Domingues Azevedo, Presidente da Direcção da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, vem pelo

Leia mais

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP) UMA FORMA ALTERNATIVA DE PENSAR A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM ANGOLA

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP) UMA FORMA ALTERNATIVA DE PENSAR A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM ANGOLA PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP) UMA FORMA ALTERNATIVA DE PENSAR A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM ANGOLA ÍNDICE CONTEXTO ACTUAL A NOVA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA O QUE SÃO PPP? MODELOS DE CONTRATAÇÃO PÚBLICA QUAIS

Leia mais

Orientações do Governo para o Desenvolvimento do Projecto do Novo Aeroporto de Lisboa

Orientações do Governo para o Desenvolvimento do Projecto do Novo Aeroporto de Lisboa Orientações do Governo para o Desenvolvimento do Projecto do Novo Aeroporto de Lisboa Lisboa, 22 de Novembro de 2005 1 2 1 Principais orientações do Governo para o Novo Aeroporto de Lisboa 2 Agenda estratégica

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA A GESTÃO DA MANUTENÇÃO DAS INFRAESTRUTURAS FERROVIÁRIAS

ESTRATÉGIAS PARA A GESTÃO DA MANUTENÇÃO DAS INFRAESTRUTURAS FERROVIÁRIAS ESTRATÉGIAS PARA A GESTÃO DA MANUTENÇÃO DAS INFRAESTRUTURAS FERROVIÁRIAS ABORDAGEM DAS INFRAESTRUTURAS DO PONTO DE VISTA DAS ENGENHARIAS INFRAESTRUTURAS ESPECIFICAMENTE FERROVIÁRIAS INFRAESTRUTURAS COMUNS

Leia mais

Observatório de Luta Contra a Pobreza: 10 anos a conhecer Lisboa

Observatório de Luta Contra a Pobreza: 10 anos a conhecer Lisboa Sérgio Aires Sérgio Aires Observatório de Luta Contra a Pobreza: 10 anos a conhecer Lisboa POBREZA NA CIDADE DE LISBOA, UMA RESPONSABILIDADE DE TODOS Assinatura do protocolo de colaboração entre a Câmara

Leia mais

Conversão e optimização da exploração agro-pecuária. Aula 2

Conversão e optimização da exploração agro-pecuária. Aula 2 Conversão e optimização da exploração agro-pecuária Aula 2 Aula 2 Sumário: Principais conceitos associados à elaboração de projetos. Tipos de orçamentos necessários à elaboração do cash-flow do projeto:

Leia mais

PROPOSTA. Relativa ao Ponto Sete da Ordem do Dia da reunião da Assembleia Geral Anual da. IFD Instituição Financeira de Desenvolvimento, S.A.

PROPOSTA. Relativa ao Ponto Sete da Ordem do Dia da reunião da Assembleia Geral Anual da. IFD Instituição Financeira de Desenvolvimento, S.A. PROPOSTA Relativa ao Ponto Sete da Ordem do Dia da reunião da Assembleia Geral Anual da IFD Instituição Financeira de Desenvolvimento, S.A. Convocada para o dia 31 DE MARÇO DE 2017 pelas 15h00 Considerando:

Leia mais

ESGCS Escola Superior de Gestão Corporativa e Social. O Social pela Governança

ESGCS Escola Superior de Gestão Corporativa e Social. O Social pela Governança ESGCS Escola Superior de Gestão Corporativa e Social O Social pela Governança Por: Tamara Tavares da Silva tamara.tavares.silva@gmail.com Tlm: 00258 823 919 280 / 00258 840 649 792 Tlm: 00258 823 919 280

Leia mais

PROJECTO: Geologia das Áreas Urbanas GEOURBE Gabriela Pires

PROJECTO: Geologia das Áreas Urbanas GEOURBE Gabriela Pires PROJECTO: Geologia das Áreas Urbanas GEOURBE Universidade Agostinho Neto, Departamento de Geologia - Luanda, Angola, 2013 Email: gabrielapires@hotmail.com DIAGNÓSTICO: DIAGNÓSTICO: DIAGNÓSTICO: Estrada

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Gabinete do Ministro

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Gabinete do Ministro REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Gabinete do Ministro Intervenção de Sua Excelência Georges Rebelo Pinto Chikoti, Ministro das Relações Exteriores, na Reunião de Alto Nível do Comité

Leia mais

BASES GERAIS DO V CONGRESSO DA UNTA. Artigo 1º (Definição e Constituição)

BASES GERAIS DO V CONGRESSO DA UNTA. Artigo 1º (Definição e Constituição) BASES GERAIS DO V CONGRESSO DA UNTA Artigo 1º (Definição e Constituição) 1- O Congresso é o órgão supremo da UNTA-CS, que s reúne de cinco em cinco anos e extraordinariamente sempre que necessário; 2-

Leia mais

São Tomé e Príncipe, 2 de Setembro de

São Tomé e Príncipe, 2 de Setembro de Apresentação de : Dr. Marino Bulles Jurista do Gabinete de Assessoria Jurídica do IRSE São Tomé e Príncipe, 2 de Setembro de 2015 1 AGENDA Promulgação da Lei Geral de Electricidade e seu impacto no Sector

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 28 de outubro de Série. Número 166

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 28 de outubro de Série. Número 166 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 28 de outubro de 2015 Série Suplemento Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Decreto Regulamentar Regional n.º 19/2015/M Aprova a Orgânica da Direção

Leia mais

REGULAMENTO Nº2/IPT/2006

REGULAMENTO Nº2/IPT/2006 REGULAMENTO Nº2/IPT/2006 Relativo à implementação de projectos/acções por Unidades Orgânicas e Unidades Funcionais do IPT Considerando o disposto no n.º 1 do artigo 8.º da lei de autonomia dos estabelecimentos

Leia mais

O Parecer do Tribunal de Contas sobre a Conta Geral do Estado no Âmbito da Prestação de Contas

O Parecer do Tribunal de Contas sobre a Conta Geral do Estado no Âmbito da Prestação de Contas Transparência Orçamental e os principais documentos orçamentais na fase de Auditoria das Contas Públicas O Parecer do Tribunal de Contas sobre a Conta Geral do Estado no Âmbito da Prestação de Contas Luanda,

Leia mais

Sistemas de Incentivos do QREN

Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN 1. Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME 2. Sistema de Incentivos à Inovação 3. Sistema de Incentivos à Investigação

Leia mais

Politica da Qualidade, Contexto actual e Estratégia de Implementação

Politica da Qualidade, Contexto actual e Estratégia de Implementação Politica da Qualidade, Contexto actual e Estratégia de Implementação Apresentado por: Alfredo Sitoe Objectivo Geral da Politica da qualidade Contribuir para a melhoria contínua da qualidade de vida da

Leia mais

TEATRO NACIONAL S. JOÃO

TEATRO NACIONAL S. JOÃO TEATRO NACIONAL S. JOÃO CÓDIGO DE ÉTICA E REGRAS DE CONDUTA MISSÃO O TNSJ como Entidade Pública Empresarial que é, tem como missão a prestação do serviço público área da criação e apresentação de espectáculos

Leia mais

doutoramentos guia (3º ciclo) e pós-doutoramentos

doutoramentos guia (3º ciclo) e pós-doutoramentos doutoramentos (3º ciclo) e pós-doutoramentos guia 2015 www.fd.ulisboa.pt faculdade de direito exigência, rigor e diálogo científico a faculdade de direito da universidade de lisboa é uma instituição centenária,

Leia mais

Direito da Economia. Programa

Direito da Economia. Programa Docente: Profa. Maria Eduarda Gonçalves e-mail: mebg2009@gmail.com mebg@iscte.pt Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa Licenciatura em Direito 2010/2011 Direito da Economia Programa 15 de

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto

CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto Lei n.º 71/98 de 3 de Novembro Bases do enquadramento jurídico do voluntariado A Assembleia da República decreta, nos termos do artigo 161.º, alínea c), do artigo 166.º, n.º 3, e do artigo 112.º, n.º 5,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DO PETRÓLEO E DO GÁS UM PARADIGMA NA FORMAÇÂO PÓS-GRADUADA

PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DO PETRÓLEO E DO GÁS UM PARADIGMA NA FORMAÇÂO PÓS-GRADUADA PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DO PETRÓLEO E DO GÁS UM PARADIGMA NA FORMAÇÂO PÓS-GRADUADA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO (FDUAN) Um curso de excelência pioneiro em Angola que resulta de

Leia mais

REGIME GERAL DAS TAXAS DAS AUTARQUIAS LOCAIS. CAPÍTULO I Princípios gerais

REGIME GERAL DAS TAXAS DAS AUTARQUIAS LOCAIS. CAPÍTULO I Princípios gerais REGIME GERAL DAS TAXAS DAS AUTARQUIAS LOCAIS CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Âmbito 1 A presente lei regula as relações jurídico-tributárias geradoras da obrigação de pagamento de taxas às autarquias

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes: EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE APOIO A INFRA-ESTRUTURAS CIENTÍFICAS E TECNOLÓGICAS O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E INTERVENÇÃO SOCIAL

CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E INTERVENÇÃO SOCIAL Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Palmela Nota Justificativa Reconhecendo: 1. A juventude como força motriz do desenvolvimento de uma comunidade, região, país, através das suas múltiplas

Leia mais

Regulamento. Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII)

Regulamento. Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII) Regulamento Modelo de Intervenção Integrada do Concelho de Ourique (MII) Regulamento Modelo de Intervenção Integrada Nota justificativa O Modelo de Intervenção Integrada surge no âmbito da Rede Social,

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional do Porto Faculdade de Economia e Gestão. Centro de Estudos em Gestão e Economia CEGE

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional do Porto Faculdade de Economia e Gestão. Centro de Estudos em Gestão e Economia CEGE UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional do Porto Faculdade de Economia e Gestão Centro de Estudos em Gestão e Economia CEGE Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º (Natureza) 1. O Centro de Estudos

Leia mais

Estatuto Orgânico da Administração de Infra-estruturas de Água e Saneamento 28 DE SETEMBRO DE (165) 31 DE DEZEMBRO DE (165)

Estatuto Orgânico da Administração de Infra-estruturas de Água e Saneamento 28 DE SETEMBRO DE (165) 31 DE DEZEMBRO DE (165) 28 DE SETEMBRO DE 2009 286 (165) 31 DE DEZEMBRO DE 2009 394 (165) Requisitos para ingresso: Possuir o nível médio técnico-profissional ou equivalente em área afim e ter sido aprovado em curso específico.

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE PROPOSTAS DE MEDIDAS DE APERFEIÇOAMENTO DA PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA

SEMINÁRIO SOBRE PROPOSTAS DE MEDIDAS DE APERFEIÇOAMENTO DA PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA SEMINÁRIO SOBRE PROPOSTAS DE MEDIDAS DE APERFEIÇOAMENTO DA PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA Projecto de Decreto Presidencial que Estabelece o Regime Jurídico de Vinculação e de Contribuição da Protecção Social

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

Manual Técnico Das Equipas Locais de Intervenção

Manual Técnico Das Equipas Locais de Intervenção Manual Técnico Das Equipas Locais de Intervenção pág. 1/18 Índice 1 - Enquadramento do SNIPI 1.1 - Objectivos do SNIPI 1.2 Competências dos 3 Ministérios 1.3 Organização do Sistema 2 - Legislação 3 - Regulamento

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Direito das Empresas

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Direito das Empresas INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 30/3/2016 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 20/4/2016 Ficha de Unidade

Leia mais

Estratégia e Marketing. EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008

Estratégia e Marketing. EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008 Estratégia e Marketing EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008 A Estrutura Organizacional é o que vai servir como ponte de ligação entre a Formulação e a Implementação da Estratégia para que a empresa

Leia mais

Princípios Orientadores

Princípios Orientadores Escola de Engenharia Candidatura para a Eleição dos Representantes dos Professores e Investigadores ao Conselho de Escola da Escola de Engenharia da Universidade do Minho 2013-2016 Princípios Orientadores

Leia mais

Termos de Referencia para Assessor Sénior da ANAC ASSESSOR SÉNIOR PARA DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

Termos de Referencia para Assessor Sénior da ANAC ASSESSOR SÉNIOR PARA DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Termos de Referencia para Assessor Sénior da ANAC Titulo da Posição: Período de desempenho: ABRIL A SETEMBRO DE 2014 Dias de trabalho: 110 DIAS EQUIVALENTE A 5 MESES RENOVÁVEIS Nome do consultor: PD ASSESSOR

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 FORUM REGIONAL ALENTEJO 2020 DESAFIOS E OPORTUNIDADES PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALENTEJO Joaquim Fialho joaquim.fialho@ccdr-a.gov.pt Vendas

Leia mais

Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos

Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos Estudo de Caracterização do Tecido Empresarial do Concelho de Almada Observatório sobre Emprego, Empresas e Formação Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos 1 O Objecto da presente

Leia mais

PROPOSTA DE MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A UNYLEYA - EDUCAÇÃO EFORMAÇÃO A DISTÂNCIA, SA E O INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, I.P.

PROPOSTA DE MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A UNYLEYA - EDUCAÇÃO EFORMAÇÃO A DISTÂNCIA, SA E O INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, I.P. , ~.> ~.) I INSTITUTO NACIONAL -l.l.í!sj DE ADMINISTRAÇÃO. I-p. PROPOSTA DE MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A UNYLEYA - EDUCAÇÃO EFORMAÇÃO A DISTÂNCIA, SA E O INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, I.P.

Leia mais

TRATADO DE AMIZADE E COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE

TRATADO DE AMIZADE E COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE TRATADO DE AMIZADE E COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE A República Portuguesa e a República de Cabo Verde, doravante designadas como Partes, Conscientes dos laços históricos

Leia mais

Ministério da Indústria

Ministério da Indústria Ministério da Indústria Assembleia Nacional Lei n.º 10/94 31 de Agosto de 2008 O processo de redimensionamento do sector empresarial do Estado teve até agora como principal suporte legais o Decreto n.º

Leia mais

INOVAR PARA CRESCER A MAIA NO CENTRO DA CRIAÇÃO DE EMPREGO

INOVAR PARA CRESCER A MAIA NO CENTRO DA CRIAÇÃO DE EMPREGO INOVAR PARA CRESCER A MAIA NO CENTRO DA CRIAÇÃO DE EMPREGO 1- O Mundo Global e os fenómenos de inserção colectiva O processo de globalização competitiva, o terrorismo religioso, a escassez do petróleo

Leia mais

1. (PT) - Correio da Manhã, 15/07/2013, Luanda vale 5 mil milhões 1

1. (PT) - Correio da Manhã, 15/07/2013, Luanda vale 5 mil milhões 1 Tema de Pesquisa: Internacional 15 de Julho de 2013 Revista de Imprensa 15-07-2013 1. (PT) - Correio da Manhã, 15/07/2013, Luanda vale 5 mil milhões 1 2. (PT) - Diário Económico, 15/07/2013, Portugal quer

Leia mais

FAQ. 1. Qual o âmbito de aplicação pessoal da portaria n.º 242/2011, de 21 de junho?

FAQ. 1. Qual o âmbito de aplicação pessoal da portaria n.º 242/2011, de 21 de junho? FAQ SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA CARREIRA ESPECIAL DE ENFERMAGEM I. Enquadramento 1. Quais os instrumentos legais aplicáveis ao SIADAP dos enfermeiros? Ao SIADAP dos enfermeiros aplicam-se os

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE VISEU

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE VISEU Mapa Resumo dos postos de trabalho por cargo/carreira/categoria - Para 03 Cargo / Carreira / Categoria Certo Incerto Incerto Certo Director Delegado 0 0 0 0 0 Com. Serv. Chefe de Divisão 3 0 0 0 0 3 5

Leia mais

AS TAXAS E AS CONTRIBUIÇÕES NA LEI OE/2016 (Lei nº 7-A/2016, de 30 de Março) S U ZA N A TAVA R ES DA S I LVA ESCRITOS BREVES.1 www.cedipre.fd.uc.pt/observatorio ESCRITOS BREVES 1 AS TAXAS E AS CONTRIBUIÇÕES

Leia mais

Diploma. Aprova a orgânica da Secretaria-Geral do Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia

Diploma. Aprova a orgânica da Secretaria-Geral do Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia Diploma Aprova a orgânica da Secretaria-Geral do Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia Decreto-Lei n.º 54/2014 de 9 de abril O Decreto-Lei n.º 119/2013, de 21 de agosto, alterou a

Leia mais

Decreto-Lei n.º 554/77, de 31 de Dezembro. Competências das Direcções-Gerais dos Ensinos Básico e Secundário

Decreto-Lei n.º 554/77, de 31 de Dezembro. Competências das Direcções-Gerais dos Ensinos Básico e Secundário Decreto-Lei n.º 554/77, de 31 de Dezembro Competências das Direcções-Gerais dos Ensinos Básico e Secundário Cria os Serviços de Coordenação de Educação Física e Desporto Escolar Decreto-Lei n.º 554/77

Leia mais

Função Principal do Cargo: Promover a paz e a segurança na Região. Áreas Principais de Resultados

Função Principal do Cargo: Promover a paz e a segurança na Região. Áreas Principais de Resultados ANÚNCIO DE VAGA O Secretariado da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) convida os cidadãos dos Estados Membros da SADC, devidamente qualificados e com experiência, a candidatarem-se para

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE VISEU

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE VISEU MAPA DE PESSOAL PARA Mapa Resumo dos postos de trabalho por cargo/carreira/categoria - Para Cargo / Carreira / Categoria Tempo Indeterminado Nº de Postos de Trabalho Tempo Tempo Extinguir Total Determinado

Leia mais

SEMINÁRIO CPC. A actividade do Conselho de Prevenção da Corrupção e a sua recomendação sobre os Planos de prevenção de Riscos

SEMINÁRIO CPC. A actividade do Conselho de Prevenção da Corrupção e a sua recomendação sobre os Planos de prevenção de Riscos SEMINÁRIO CPC A actividade do Conselho de Prevenção da Corrupção e a sua recomendação sobre os Planos de prevenção de Riscos O Conselho de Prevenção da Corrupção veio preencher uma lacuna em Portugal.

Leia mais

JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 21 de Fevereiro de 2011

JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 21 de Fevereiro de 2011 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 21 de Fevereiro de 2011 I Série Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DOS RECURSOS HUMANOS, DA EDUCAÇÃO E CULTURAE DO PLANO E FINANÇAS Portaria n.º 10/2011

Leia mais

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A.

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BALANÇO INDIVIDUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E 2000 2001 ACTIVO Notas Activo Amortizações Activo 2000 Bruto e Provisões líquido 1. Caixa e disponibilidades

Leia mais

Ministério da Comunicação Social

Ministério da Comunicação Social Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo Nº 79 /2007 de 2 Julho Convindo regulamentar o funcionamento da Direcção Nacional de Publicidade do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao

Leia mais

Centro Nacional de Cibersegurança: um desígnio nacional

Centro Nacional de Cibersegurança: um desígnio nacional Cibersegurança: um desígnio nacional AGENDA ENQUADRAMENTO COMISSÃO INSTALADORA CNCSeg LEGISLAÇÃO E CONSTITUIÇÃO ESTRATÉGIA NACIONAL DE CIBERSEGURANÇA PRINCIPAL DESAFIO PRINCÍPIOS OBJECTIVOS CENTRO NACIONAL

Leia mais

INTRODUÇÃO 3 A. VALOR ACTUAL LÍQUIDO DA CARTEIRA (EM MILHÕES DE USD) 4 B. COMPOSIÇÃO GEOGRÁFICA E POR DURAÇÃO 4

INTRODUÇÃO 3 A. VALOR ACTUAL LÍQUIDO DA CARTEIRA (EM MILHÕES DE USD) 4 B. COMPOSIÇÃO GEOGRÁFICA E POR DURAÇÃO 4 RELATÓRIO TRIMESTRAL DE ACTIVIDADES ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 A. VALOR ACTUAL LÍQUIDO DA CARTEIRA (EM MILHÕES DE USD) 4 B. COMPOSIÇÃO GEOGRÁFICA E POR DURAÇÃO 4 C. COMPOSIÇÃO DA CARTEIRA POR CLASSES DE ACTIVOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 12629 Despacho (extrato) n.º 5181/2013 Em conformidade com o estipulado na alínea b) do n.º 1 do artigo 37.º da Lei n.º 12 -A/2008, de 27 de fevereiro, torna -se público para os devidos efeitos que por

Leia mais

Regulamento de criação, acreditação interna e creditação dos cursos de formação na área da educação contínua da UPorto

Regulamento de criação, acreditação interna e creditação dos cursos de formação na área da educação contínua da UPorto Regulamentos Regulamento de criação, acreditação interna e creditação dos cursos de formação na área da educação contínua da UPorto Secção Permanente do Senado de 07 de Abril de 2004 Alterado pela Secção

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL

ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO JESUS MAIATO Director Nacional de Segurança Social do MAPTSS Benguela. 22. Maio 2014 INSTALAÇÃO DOS NOVOS DEPARTAMENTOS

Leia mais