A BAHIA TOTALIZOU SALDO NEGATIVO DE POSTOS DE TRABALHO EM OUTUBRO DE 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A BAHIA TOTALIZOU SALDO NEGATIVO DE POSTOS DE TRABALHO EM OUTUBRO DE 2015"

Transcrição

1 A BAHIA TOTALIZOU SALDO NEGATIVO DE POSTOS DE TRABALHO EM OUTUBRO DE 2015 De acordo com as informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), sistematizadas pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), referentes ao mês de outubro de 2015, a Bahia totalizou um saldo negativo de postos de trabalho com carteira assinada (Gráfico 1). O resultado expressa a diferença entre o total de admissões e desligamentos (Gráfico 2) e seguiu a tendência do valor projetado pela SEI ( postos). O saldo registrado em outubro situou-se em um patamar inferior ao contabilizado em igual período do ano anterior ( postos) e representa o menor resultado da série para os meses de outubro ( ). Com o saldo negativo de outubro, o emprego com carteira assinada apresentou uma elevação do ritmo da perda em relação a setembro de 2015 ( postos), incluindo as declarações fora do prazo. Gráfico 1 Evolução dos saldos do emprego formal Bahia Out Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Dados sistematizados pela SEI/Dipeq/Copes, Nota: série sem o ajuste das declarações realizadas fora do prazo. Gráfico 2 Evolução das admissões e desligamentos Bahia Out a Out Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Dados sistematizados pela SEI/Dipeq/Copes, Nota: série sem o ajuste das declarações realizadas fora do prazo.

2 Setorialmente, em outubro, na Bahia, todos os oito segmentos registraram saldo negativo: Serviços ( postos), Construção Civil ( postos), Agropecuária ( postos), Indústria de Transformação ( postos), Comércio ( postos), Extrativa Mineral (-189 postos), Serviços Industriais de Utilidade Pública SIUP (-129 postos) e Administração Pública (-123 postos). No acumulado dos dez primeiros meses de 2015, seis setores contabilizaram saldos negativos: Construção Civil ( postos), Serviços ( postos), Comércio ( postos), Indústria de Transformação ( postos), Serviços Industriais de Utilidade Pública (-935 postos) e Extrativa Mineral (-151 postos). Dois setores apresentaram saldos acumulados positivos: Agropecuária, Ext. Vegetal, Caça e Pesca ( postos) e Administração Pública ( postos). Análise regional A Bahia encerrou postos, em outubro de 2015, ocupando a 9ª posição dentre os estados da Região Nordeste e a 24ª posição no Brasil em termos de saldo de postos de trabalho. Na Região Nordeste, sete estados totalizaram saldos negativos: a Bahia ( postos), Pernambuco ( postos), Ceará ( postos), Maranhão ( postos), Paraíba (-760 postos), Piauí (-591 postos) e Rio Grande do Norte (-470 postos). Dos nove estados nordestinos, dois contabilizaram saldos positivos: Alagoas ( postos) e Sergipe ( postos).

3 Acumulado do Ano No acumulado dos dez primeiros meses do ano, a Bahia apresentou um saldo de emprego da ordem de postos de trabalho, levando em conta a série ajustada, que incorpora as informações declaradas fora do prazo. A Bahia ocupou a 22ª posição no país e a oitava no Nordeste. No ano, Pernambuco foi o estado que eliminou mais postos no mercado de trabalho formal nordestino ( postos), seguido pela Bahia ( postos), Ceará ( postos), Paraíba ( postos), Rio Grande do Norte ( postos), Alagoas ( postos), Maranhão ( postos) e Sergipe ( postos). Dos estados do Nordeste, Piauí ( postos) foi o único que apresentou um total acumulado positivo nos dez primeiros meses de Análise RMS e Interior Analisando os dados referentes aos saldos de emprego distribuídos dentro do estado da Bahia, em outubro de 2015, verifica-se que o resultado do emprego foi negativo na RMS e no Interior. De forma mais precisa, no Interior foram fechados postos, e na Região Metropolitana de Salvador encerrou-se postos de trabalho celetista. Quanto ao saldo de emprego, de janeiro a outubro de 2015, o estado encerrou postos. Enfatiza-se que a participação do Interior do estado e da RMS foram negativas. O Interior encerrou postos, enquanto a RMS perdeu posições de trabalho com carteira assinada. Análise Municipal Em outubro de 2015, os municípios que tiveram os menores saldos de empregos formais foram: Salvador ( postos), Lauro de Freitas ( postos), Casa Nova (-652 postos) e Feira de Santana (-633 postos). Por outro lado, Governador Mangabeira (+189 postos), Mucuri (+148 postos) e Camaçari (+117 postos) destacaram-se na criação de novas oportunidades de trabalho formal na Bahia.

4 1. Comportamento_nacional, regional, interestadual e por região metropolitana Alagoas Sergipe Tocantins Mato Grosso do Sul Amapá Roraima Rio Grande do Norte Piauí Acre Paraíba Maranhão Distrito Federal Rondônia Espírito Santo Amazonas Mato Grosso Santa Catarina Ceará Pernambuco Rio Grande do Sul Paraná Pará Goiás Bahia Rio de Janeiro Minas Gerais São Paulo Gráfico 3 Comportamento do mercado de trabalho formal por unidade da federação Out Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Dados sistematizados pela SEI/Dipeq/Copes, Nota: série sem o ajuste das declarações realizadas fora do prazo BELÉM FORTALEZA RECIFE SALVADOR BELO HORIZONTE RIO DE JANEIRO SÃO PAULO CURITIBA Gráfico 4 Comportamento do mercado de trabalho formal por região metropolitana Out /Jan.- Out Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Dados sistematizados pela SEI/Dipeq/Copes, Nota: excetuando-se o saldo do último mês, os demais dados contam com o ajuste das declarações realizadas fora do prazo. PORTO ALEGRE out/ Jan.- Out

5 2. Comportamento dos setores de atividade econômica na Bahia Tabela 1 Comportamento do emprego formal por setor de atividade econômica Bahia Out / Jan. Out Setor de Atividade Econômica Out Jan.- Out Admitidos Desligados Saldo Variação (%) Admitidos Desligados Saldo Variação (%) Extrativa Mineral , ,03 Indústria de Transformação , ,10 Serv. Industriais de Utilidade Pública , ,19 Construção Civil , ,94 Comércio , ,32 Serviços , ,72 Administração Pública , ,62 Agropecuária, Ext. Vegetal, Caça e Pesca , ,03 Total , ,74 Notas: excetuando-se o saldo do último mês, os demais dados contam com o ajuste das declarações realizadas fora do prazo. A variação mensal do emprego toma como referência o estoque do mês anterior.

6 3. Comportamento ocupacional na Bahia Trabalhadores em Serviços de Reparação e Manutenção Trabalhadores da Produção de Bens e Serviços Industriais II Trabalhadores da Produção de Bens e Serviços Industriais I Trabalhadores Agropecuários, Florestais e da Pesca Trabalhadores dos Serviços, Vendedores do Comércio em Lojas e Mercados -819 Trabalhadores de Serviços Administrativos -491 Técnicos de Nível Médio Profissionais das Ciências e das Artes Membros Superiores do Poder Público, Dirigentes de Organizações de Interesse Público e de Empresas, Gerentes Gráfico 5 Comportamento do emprego formal por grandes grupos de ocupação¹ Bahia Out Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). ¹ Classificação Brasileira de Ocupações, Grandes Grupos CBO Nota: série sem o ajuste das declarações realizadas fora do prazo. Dados sistematizados pela SEI/Dipeq/Copes, 2015.

7 Tabela 2 Comportamento do emprego formal por subgrupo de ocupação¹ Bahia Out / Jan. Out (continua) Grupo e Subgrupo Competência Declarada Out Jan.- Out Admitidos Desligados Saldo Admitidos Desligados Saldo Membros superiores do poder público, dirigentes de organizações de interesse público e de empresas, gerentes Dirigentes de empresas e organizações (exceto de interesse público) Diretores e gerentes em empresa de serviços de saúde, da educação, ou de serviços culturais, sociais ou pessoais Gerentes Profissionais das ciências e das artes Pesquisadores e profissionais policientíficos Profissionais das ciências exatas, físicas e da engenharia Profissionais das ciências biológicas, da saúde e afins Profissionais de ensino Profissionais das ciências jurídicas Profissionais das ciências sociais e humanas Comunicadores, artistas e religiosos Profissionais em gastronomia Técnico de nível médio Técnicos polivalentes Técnicos de nível médio das ciências físicas, químicas, engenharia e afins Técnicos de nível médio das ciências biológicas, bioquímicas, da saúde e afins Professores leigos e de nível médio Técnicos de nível médio em serviços de transportes Técnicos de nível médio nas ciências administrativas Técnicos em nível médio dos serviços culturais, das comunicações e dos desportos Outros técnicos de nível médio Trabalhadores de serviços Escriturários Trabalhadores de atendimento ao público

8 Tabela 2 Comportamento do emprego formal por subgrupo de ocupação¹ Bahia Out / Jan. Out (conclusão) Competência Declarada Grupo e Subgrupo Out Jan.- Out Admitidos Desligados Saldo Admitidos Desligados Saldo Trabalhadores dos serviços, vendedores do comércio em lojas e mercados Trabalhadores dos serviços Vendedores e prestadores de serviços do comércio Trabalhadores agropecuários, florestais e da pesca Produtores na exploração agropecuária Trabalhadores na exploração agropecuária Pescadores e extrativistas e florestais Trabalhadores da mecanização agropecuária e florestal Trabalhadores da produção de bens e serviços industriais I Trabalhadores da indústria extrativa e da construção civil Trabalhadores da transformação de metais e de compósitos Trabalhadores da fabricação e instalação eletroeletrônica Montadores de aparelhos e instrumentos de precisão e musicais Joalheiros, vidreiros, ceramistas e afins Trabalhadores nas indústrias têxtil, do curtimento, do vestuário e das artes Trabalhadores das indústrias de madeira e do mobiliário Trabalhadores de funções transversas Trabalhadores do artesanato Trabalhadores da produção de bens e serviços industriais II Trabalhadores em indústrias de processos contínuos e outras indústrias Trabalhadores de instalações siderúrgicas e de materiais de construção Trabalhadores de instalações e máquinas de fabricação de celulose e papel Trabalhadores da fabricação de alimentos, bebidas e fumo Operadores de produção, captação, tratamento e distribuição (energia, água e utilidades) Trabalhadores em serviços de reparação e manutenção Trabalhadores em serviços de reparação e manutenção mecânica Polimantenedores Outros trabalhadores da conservação, manutenção e reparação Bahia ¹ Classificação Brasileira de Ocupações, Grandes Grupos CBO Nota: excetuando-se o saldo do último mês, os demais dados contam com o ajuste das declarações realizadas fora do prazo.

9 4. Comportamento intraestadual Tabela 3 Comportamento do mercado de trabalho celetista entre RMS e interior Bahia Out / Jan. Out Área geográfica Out Jan.- Out Admitidos Desligados Saldo Variação Admitidos Desligados Saldo Variação Bahia , ,74 RMS , ,38 Interior , Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Dados sistematizados pela SEI/Dipeq/Copes, Nota: excetuando-se o saldo do último mês, os demais dados contam com o ajuste das declarações realizadas fora do prazo. A variação mensal do emprego toma como referência o estoque do mês anterior RMS Interior Out./15 Set./15 Ago./15 Jul./15 Jun./15 Mai./15 Abr./15 Mar./15 Fev./15 Jan./15 Dez./14 Nov./14 Out./14 Gráfico 6 Evolução do mercado de trabalho celetista entre RMS e Interior Bahia Out Out Nota: série sem o ajuste das declarações realizadas fora do prazo.

10 5. Comportamento municipal Tabela 4 Comportamento do mercado de trabalho formal Bahia Out. 2015/Jan. Out Município Out Jan.- Out Município Admitidos Desligados Saldo Admitidos Desligados Saldo Menores saldos Salvador Salvador Lauro de Freitas Lauro de Freitas Casa Nova Feira de Santana Feira de Santana Maragogipe Santa Cruz Cabrália Camaçari Vitória da Conquista Itabuna São Desidério Barra do Rocha Cruz das Almas Vitória da Conquista Itagibá Simões Filho Alagoinhas Brumado Municípios Out Jan.- Out Município Admitidos Desligados Saldo Admitidos Desligados Saldo Maiores saldos Governador Mangabeira Juazeiro Mucuri Casa Nova Camaçari Mata de São João Itamaraju Correntina Serrinha Medeiros Neto São Francisco do Conde Lajedão Formosa do Rio Preto Eunápolis Correntina Sobradinho Itapetinga Conceição do Coite Esplanada Mucuri Nota: excetuando-se o saldo do último mês, os demais dados contam com o ajuste das declarações realizadas fora do prazo.

11 6. Comportamento por território de identidade Tabela 5 Comportamento do mercado de trabalho formal por território de identidade Bahia Out /Jan. Out UF / Território de Identidade Out Jan.- Out Admitidos Desligados Saldo Ranking Mensal Admitidos Desligados Saldo Ranking Anual Bahia Bacia do Jacuípe Bacia do Paramirim Bacia do Rio Corrente Bacia do Rio Grande Baixo Sul Chapada Diamantina Costa do Descobrimento Extremo Sul Irecê Itaparica Litoral Norte e Agreste Baia Litoral Sul Médio Rio de Contas Médio Sudoeste da Bahia Metropolitano de Salvador Piemonte da Diamantina Piemonte do Paraguaçu Piemonte Norte do Itapicur Portal do Sertão Recôncavo Semiárido Nordeste II Sertão do São Francisco Sertão Produtivo Sisal Vale do Jiquiriçá Velho Chico Vitória da Conquista Nota: excetuando-se o saldo do último mês, os demais dados contam com o ajuste das declarações realizadas fora do prazo.

12 7. Comportamento por gênero na Bahia Agropecuária, Ext. Vegetal, Caça e Pesca Administração Pública Serviços Comércio Construção Civil Serviços Industriais de Utilidade Pública Indústria de Transformação Extrativa Mineral Feminino Gráfico 7 Comportamento do mercado de trabalho formal por gênero e setor¹ Bahia Out Masculino ¹Setores da Classificação Nacional de Atividade Econômica 2.0. Nota: série sem o ajuste das declarações realizadas fora do prazo.

13 Extrativa Mineral 2 - Indústria de Transformação 3 - Serviços Industriais de Utilidade Pública Extrativa Mineral 2 - Indústria de Transformação 3 - Serviços Industriais de Utilidade Pública Construção Civil 5 - Comércio Construção Civil 5 - Comércio 6 - Serviços 6 - Serviços Administração Pública 8 - Agropecuária, Ext. Vegetal, Caça e Pesca Administração Pública 8 - Agropecuária, Ext. Vegetal, Caça e Pesca Gráfico 8 Número de admitidos do sexo masculino por setor Bahia Out Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Dados sistematizados pela SEI/Dipeq/Copes, Gráfico 10 Número de desligados do sexo masculino por setor Bahia Out Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Dados sistematizados pela SEI/Dipeq/Copes, Extrativa Mineral 2 - Indústria de Transformação 3 - Serviços Industriais de Utilidade Pública 4 - Construção Civil 5 - Comércio 6 - Serviços 7 - Administração Pública Extrativa Mineral 2 - Indústria de Transformação 3 - Serviços Industriais de Utilidade Pública 4 - Construção Civil 5 - Comércio 6 - Serviços 8 - Agropecuária, Ext. Vegetal, Caça e Pesca 7 - Administração Pública 8 - Agropecuária, Ext. Vegetal, Caça e Pesca Gráfico 9 Número de admitidos do sexo feminino por setor Bahia Out Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Dados sistematizados pela SEI/Dipeq/Copes, Gráfico 11 Número de desligados do sexo feminino por setor Bahia Out Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Dados sistematizados pela SEI/Dipeq/Copes, 2015.

14 Desligamento por Demissão sem Justa Causa Desligamento por Demissão com Justa Desligamento Causa a Pedido Desligamento por Desligamento Aposentadoria por Morte Desligamento por Término de Contrato Término Contrato Trabalho Prazo Determinado Admissão por Primeiro Emprego Admissão por Reemprego Admissão por Reintegração Contrato Trabalho Prazo Determinado Masculino Feminino Masculino Feminino Gráfico 12 Tipo de admissão por gênero Bahia Out Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Dados sistematizados pela SEI/Dipeq/Copes, Gráfico 13 Tipo de desligamento por gênero Bahia Out Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Dados sistematizados pela SEI/Dipeq/Copes, 2015.

15 8. Comportamento por faixa de estabelecimento Tabela 6 Saldo de empregos por setor e faixa de estabelecimento Bahia Out Tamanho dos Estabelecimentos 1 - Extrativa Mineral 2 - Indústria de Transformação 3 - Serviços Industriais de Utilidade Pública 4 - Construção Civil 5 - Comércio 6 - Serviços ATÉ DE 5 A DE 10 A DE 20 A DE 50 A DE 100 A DE 250 A DE 500 A OU MAIS Total Comportamento por grau de instrução e faixa etária dos empregados Tabela 7 Saldo de empregos por grau de instrução e faixa etária Bahia Out Administração Pública 8 - Agropecuária, Ext. Vegetal, Caça e Pesca Grau Instrução Até a a a a a ou mais Total Sem Instrução Até 5ª Incompleto ª Completo Fundamental ª a 9ª Fundamental Fundamental Completo Médio Incompleto Médio Completo Superior Incompleto Superior Completo Total Total

16 Comportamento nominal de salários de entrada e saída do mercado de trabalho na Bahia Trabalhadores em Serviços de Reparação e Manutenção Trabalhadores em Serviços de Reparação e Manutenção Trabalhadores da Produção de Bens e Serviços Industriais II Trabalhadores da Produção de Bens e Serviços Industriais II Trabalhadores da Produção de Bens e Serviços Industriais I Trabalhadores da Produção de Bens e Serviços Industriais I Trabalhadores Agropecuários, Florestais e da Pesca Trabalhadores Agropecuários, Florestais e da Pesca Trabalhadores dos Serviços, Vendedores do Comércio em Lojas e Mercados Trabalhadores dos Serviços, Vendedores do Comércio em Lojas e Mercados Trabalhadores de Serviços Administrativos Trabalhadores de Serviços Administrativos Técnicos de Nível Médio Técnicos de Nível Médio Profissionais das Ciências e das Artes Profissionais das Ciências e das Artes Membros Superiores do Poder Público, Dirigentes de Organizações de Interesse Público e de Empresas, Gerentes Membros Superiores do Poder Público, Dirigentes de Organizações de Interesse Público e de Empresas, Gerentes out/14 set/15 out/15 R$ nominais out/14 set/15 out/15 R$ nominais Gráfico 14 Média nominal de salário mensal Admitidos Bahia Out. 2014, Set e Out Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Dados sistematizados pela SEI/Dipeq/Copes, Nota: Trabalhadores da produção de bens e serviços industriais I engloba: - famílias ocupacionais da indústria que desempenham trabalhos "artesanais", entendidos como os trabalhadores que conhecem e trabalham em todas as fases do processo de produção, independentemente de usar equipamentos rudimentares ou sofisticados. Trabalhadores da produção de bens e serviços industriais II engloba: - operadores de máquinas. Gráfico 15 Média nominal de salário mensal Desligados Bahia Out. 2014, Set e Out Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Dados sistematizados pela SEI/Dipeq/Copes, Nota: Trabalhadores da produção de bens e serviços industriais I engloba: - famílias ocupacionais da indústria que desempenham trabalhos "artesanais", entendidos como os trabalhadores que conhecem e trabalham em todas as fases do processo de produção, independentemente de usar equipamentos rudimentares ou sofisticados. Trabalhadores da produção de bens e serviços industriais II engloba: - operadores de máquinas.

17 Massa Salarial Nominal Mensal (R$ Milhões) 80,0 Trabalhadores em Serviços de Reparação e Manutenção 70,0 1,8 1,4 Trabalhadores da Produção de Bens e Serviços Industriais II 60,0 50,0 40,0 1,7 1,1 17,6 1,5 1,2 17,7 23,0 4,2 Trabalhadores da Produção de Bens e Serviços Industriais I Trabalhadores Agropecuários, Florestais e da Pesca Trabalhadores dos Serviços, Vendedores do Comércio em Lojas e Mercados 30,0 3,5 12,1 4,2 12,4 14,0 Trabalhadores de Serviços Administrativos Técnicos de Nível Médio 20,0 9,0 9,0 10,6 Profissionais das Ciências e das Artes 10,0-4,1 4,7 4,9 4,3 4,8 5,3 2,0 2,2 2,0 out/15 set/15 out/14 Membros Superiores do Poder Público, Dirigentes de Organizações de Interesse Público e de Empresas, Gerentes Gráfico 16 Massa salarial nominal mensal Admitidos Bahia Out. 2014, Set. e Out Nota: Trabalhadores da produção de bens e serviços industriais I engloba: - famílias ocupacionais da indústria que desempenham trabalhos "artesanais", entendidos como os trabalhadores que conhecem e trabalham em todas as fases do processo de produção, independentemente de usar equipamentos rudimentares ou sofisticados. Trabalhadores da produção de bens e serviços industriais II engloba: - operadores de máquinas.

Características Conjunturais do Comércio Varejista de Araraquara: Evolução do rendimento médio

Características Conjunturais do Comércio Varejista de Araraquara: Evolução do rendimento médio Núcleo de Conjuntura e Estudos Econômicos Coordenador: Prof. Dr. Elton Eustáquio Casagrande Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara - UNESP FCL/UNESP/Araraquara Características Conjunturais do Comércio

Leia mais

Mercado de Trabalho Empregos formais. Estado de São Paulo Município: Capivari

Mercado de Trabalho Empregos formais. Estado de São Paulo Município: Capivari Mercado de Trabalho Empregos formais Estado de São Paulo Município: Capivari SÍNTESE Estado de São Paulo População estimada em 2014 44.035.304 População 2010 41.262.199 Área (km²) 248.222,36 Densidade

Leia mais

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010 MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010 Isaac A. Coimbra Lou SEI/BA Lis Helena Borges Bolsista/IPEA Roberta Pimenta Bolsista/IPEA Brasília, Março de 2013 3 a Conferência

Leia mais

Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Indústria Janeiro/2014

Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Indústria Janeiro/2014 EMPREGO INDUSTRIAL Janeiro de 2014 Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO APRESENTOU O MELHOR DESEMPENHO

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 Emprego industrial 28 de Janeiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO - no acumulado do ano, foi

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO MAIO DE 2013 A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO.

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO MAIO DE 2013 A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO. EMPREGO INDUSTRIAL MAIO DE 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO. FORAM GERADAS 31.531 VAGAS ENTE JANEIRO E MAIO, correspondendo a um acréscimo

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro em 2013 FEVEREIRO DE 2014 RESUMO O país criou 730.687 novos postos de trabalho em 2013, desempenho este 16% menor do que o apresentado em 2012. No

Leia mais

O setor de Serviços foi o maior gerador de empregos formais no mês de julho (1.372 postos), seguido da Construção Civil (564 postos).

O setor de Serviços foi o maior gerador de empregos formais no mês de julho (1.372 postos), seguido da Construção Civil (564 postos). EMPREGO INDUSTRIAL JULHO DE 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO CATARINENSE APRESENTOU DIMINUIÇÃO DO EMPREGO EM JULHO. O número de demissões foi maior que o de admissões resultando em um

Leia mais

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações (1.069 postos).

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações (1.069 postos). JAN/2016 Sumário Executivo No mês de janeiro de 2016, o saldo de empregos em Santa Catarina aumentou em relação a dezembro (7.211 postos e variação de 0,4%). A indústria de transformação também teve desempenho

Leia mais

Maio/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Maio/2014

Maio/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Maio/2014 Maio/2014 - BRASIL Análise do emprego Brasil Maio/2014 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação, no

Leia mais

Na comparação com o mesmo mês, foi o menor saldo de empregos da indústria de transformação para fevereiro desde 2010.

Na comparação com o mesmo mês, foi o menor saldo de empregos da indústria de transformação para fevereiro desde 2010. Sumário Executivo FEV/2016 No mês de fevereiro de 2016, o saldo de empregos em Santa Catarina aumentou em relação a janeiro (4.793 postos e variação de 0,2%). A indústria de transformação também teve desempenho

Leia mais

2015. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae

2015. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Outubro/2015 2015. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação aos

Leia mais

Acre Previsão por Coeficiente no Estado

Acre Previsão por Coeficiente no Estado Acre 0,6 121.073,55 262.729,59 0,8 161.431,39 350.306,12 1,0 201.789,24 437.882,66 1,2 242.147,09 525.459,19 1,4 - - 1,6 322.862,79 700.612,25 1,8 363.220,64 788.188,78 2,0 - - 2,2 - - 2,4 - - 2,6 524.652,03

Leia mais

Janeiro/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Janeiro/2014

Janeiro/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Janeiro/2014 Janeiro/2014 - BRASIL Análise do emprego Brasil Janeiro/2014 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Março de 2008 Termo de Contrato Nº. 226/2007 MAIO de 2008 SUMÁRIO Apresentação

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Maio de 2014

EMPREGO INDUSTRIAL Maio de 2014 EMPREGO INDUSTRIAL Maio de 2014 EMPREGO INDUSTRIAL FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO O mercado de trabalho catarinense não cresceu em maio. A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO

Leia mais

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 REGIÃO NORTE 5.951.408 87,35 861.892 12,65 6.813.300 RONDÔNIA 760.521 88,11 102.631 11,89 863.152 ACRE 298.081 85,86 49.094

Leia mais

SÍNTESE DO COMPORTAMENTO DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL EM ALAGOAS ABRIL DE 2015

SÍNTESE DO COMPORTAMENTO DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL EM ALAGOAS ABRIL DE 2015 SÍNTESE DO COMPORTAMENTO DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL EM ALAGOAS ABRIL DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Diretoria de Estatística e Indicadores Analisando os

Leia mais

2016. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae

2016. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Julho/2016 2016. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação aos direitos

Leia mais

2016. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae

2016. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Junho/2016 2016. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação aos direitos

Leia mais

Emprego Industrial Julho de 2015

Emprego Industrial Julho de 2015 Emprego Industrial Julho de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de julho de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de junho (-14.770 postos e variação de -0,7%). A indústria

Leia mais

Geração de Empregos Celetistas no Ceará - 1º Semestre de 2014

Geração de Empregos Celetistas no Ceará - 1º Semestre de 2014 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DO MATO GROSSO Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 903.386 10,63% 56,24% População

Leia mais

Emprego Industrial Setembro de 2014

Emprego Industrial Setembro de 2014 Emprego Industrial Setembro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de setembro de 2014, o saldo do emprego voltou a crescer em Santa Catarina (7.033 postos e variação de 0,3% em relação ao estoque de agosto).

Leia mais

2016. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae

2016. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Dezembro/2016 e acumulado de 2016 2016. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui

Leia mais

Emprego Industrial Dezembro de 2014

Emprego Industrial Dezembro de 2014 Emprego Industrial Dezembro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de dezembro de 2014, o saldo de empregos em Santa Catarina recuou em relação ao estoque de novembro (-36.691 postos e variação de -1,8%). A

Leia mais

Emprego Industrial Setembro de 2015

Emprego Industrial Setembro de 2015 Emprego Industrial Setembro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de setembro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de agosto (-4.425 postos e variação de -0,2%). A indústria

Leia mais

Emprego Industrial Junho de 2015

Emprego Industrial Junho de 2015 Emprego Industrial Junho de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de junho de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de maio (-7.922 postos e variação de -0,4%). A indústria

Leia mais

Emprego com carteira no RN tem primeiro saldo positivo depois de nove meses

Emprego com carteira no RN tem primeiro saldo positivo depois de nove meses Emprego com carteira no RN tem primeiro saldo positivo depois de nove meses Depois de nove meses com saldo negativo, o mercado de trabalho formal do Rio Grande do Norte criou 453 vagas com carteira assinada

Leia mais

Emprego Industrial Fevereiro de 2015

Emprego Industrial Fevereiro de 2015 Emprego Industrial Fevereiro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de fevereiro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina cresceu em relação ao estoque de janeiro (12.108 postos e variação de 0,6%). A

Leia mais

Emprego Industrial Janeiro de 2015

Emprego Industrial Janeiro de 2015 Emprego Industrial Janeiro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de janeiro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina cresceu em relação a dezembro (14.637 postos e variação de 0,7%). A indústria de transformação

Leia mais

Emprego Industrial Dezembro de 2015

Emprego Industrial Dezembro de 2015 Emprego Industrial Dezembro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de embro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de novembro (-34.971 postos e variação de -1,7%). A indústria

Leia mais

2016. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae

2016. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Setembro/2016 2016. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação aos

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Junho de 2014

EMPREGO INDUSTRIAL Junho de 2014 EMPREGO INDUSTRIAL Junho de 2014 Emprego industrial FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO CATARINENSE fechou 1.344 postos de trabalho em junho,

Leia mais

Anuário. Educação. Profissional da. Volume II Bahia

Anuário. Educação. Profissional da. Volume II Bahia da Anuário Educação Profissional da Bahia Volume II - 2012 DIEESE Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos Anuário da Educação Profissional da Bahia (Volume II) Salvador, 2012

Leia mais

GERAÇÃO DE VAGAS ATINGIU MAIS DA METADE DOS SUBSETORES NO 1º TRIMESTRE

GERAÇÃO DE VAGAS ATINGIU MAIS DA METADE DOS SUBSETORES NO 1º TRIMESTRE GERAÇÃO DE VAGAS ATINGIU MAIS DA METADE DOS SUBSETORES NO 1º TRIMESTRE Apesar do saldo agregado negativo nos três primeiros meses do ano, 13 dos 25 subsetores de atividade geraram postos formais de trabalho.

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO DO EMPREGO NO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA

MOVIMENTAÇÃO DO EMPREGO NO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA 2013 MOVIMENTAÇÃO DO EMPREGO NO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Sumário 1. EVOLUÇÃO GERAL... 2 1.1. Movimentação do emprego - comparação com o setor de Serviços e Construção Civil 5 1.1.1.

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - ABRIL/2015

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - ABRIL/2015 Saldo (Admissão - Desligamentos) Saldo (Admissão - Desligamentos) GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - ABRIL/215 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho volta a Demitir O Ministério do Trabalho

Leia mais

2015. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae

2015. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Janeiro/2015 2015. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação aos

Leia mais

9, R$ , , R$ ,

9, R$ , , R$ , Rondônia 2005 R$ 601.575,17 2005 10.154 2004 1.027.983 2004 108.139 2004 10,52 2006 R$ 609.834,21 2006 10.757 2005 1.025.249 2005 101.539 2005 9,90 2007 R$ 1.229.490,00 2007 9.100 2006 1.047.004 2006 111.068

Leia mais

Rio de Janeiro, 18/05/2017. Mercado de Trabalho Brasileiro 1º trimestre de 2017

Rio de Janeiro, 18/05/2017. Mercado de Trabalho Brasileiro 1º trimestre de 2017 1 Rio de Janeiro, 18/05/2017 Mercado de Trabalho Brasileiro estre de 2017 O B J P R I N C I P A L Produzir informações contínuas PNAD Contínua Produzir informações anuais E T I sobre a inserção da população

Leia mais

Emprego Industrial Agosto de 2014

Emprego Industrial Agosto de 2014 Emprego Industrial Agosto de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de agosto de 2014, o saldo de emprego em Santa Catarina voltou a crescer (6.599 postos e variação de 0,3% em relação ao estoque de julho). A indústria

Leia mais

Emprego Industrial Outubro de 2015

Emprego Industrial Outubro de 2015 Emprego Industrial Outubro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de ubro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de setembro (-4.475 postos e variação de -0,2%). A indústria

Leia mais

Participação dos Pequenos Negócios no Emprego

Participação dos Pequenos Negócios no Emprego Participação dos Pequenos Negócios no Emprego CAGED fevereiro/2013 2013. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

SANTA CATARINA REGISTRA O SEGUNDO MENOR SALDO DE EMPREGOS PARA O MÊS DE JUNHO DESDE 2002

SANTA CATARINA REGISTRA O SEGUNDO MENOR SALDO DE EMPREGOS PARA O MÊS DE JUNHO DESDE 2002 Informação e Análise do Mercado de Trabalho Informativo Mensal de Emprego CAGED nº 07/2012 1 23/07/2012 SANTA CATARINA REGISTRA O SEGUNDO MENOR SALDO DE EMPREGOS PARA O MÊS DE JUNHO DESDE 2002 Os dados

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO DO EMPREGO NO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA

MOVIMENTAÇÃO DO EMPREGO NO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA MOVIMENTAÇÃO DO EMPREGO NO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Sumário. EVOLUÇÃO GERAL..... Movimentação do emprego - comparação com todos os setores da economia, o setor de Serviços e Construção

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JANEIRO DE 214 BRASIL O saldo líquido de empregos formais no primeiro mês de 214 foi de 29.595 empregos em todo o país, segundo o Cadastro Geral

Leia mais

Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Outubro de 2008

Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Outubro de 2008 OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Outubro de 2008 Termo de Contrato Nº. 226/2007 NOVEMBRO de 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO

Leia mais

Informativo Mensal de Emprego CAGED. nº 10, outubro de 2012

Informativo Mensal de Emprego CAGED. nº 10, outubro de 2012 SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO SETOR DE INFORMAÇÃO E ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO Informativo Mensal de Emprego CAGED nº 10, outubro

Leia mais

Comércio em Números. Brasil. meses.

Comércio em Números. Brasil. meses. Belo Horizonte MG Dezembro de 2015 O é um acompanhamento sistemático das estatísticas econômicas. Trata-se de um estudo que busca acompanhar o comportamento das variáveis de desempenho do consumo e das

Leia mais

FNPETI FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL. Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014

FNPETI FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL. Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014 Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014 Fonte: IBGE/Pnad. Elaboração própria. Nota: a PNAD até o ano de 2003 não abrangia a área rural da região Norte (exceto o Tocantins). Nos anos de 1994, 2000

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA Relatório Mensal: A Movimentação do Mercado de Trabalho Formal no Município de Diadema Maio de 2008 Termo de Contrato Nº. 226/2007 JUNHO de 2008 SUMÁRIO Apresentação

Leia mais

Março/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Março/2014

Março/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Março/2014 Março/2014 - BRASIL Análise do emprego Brasil Março/2014 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

Santa Catarina gera novos empregos formais em setembro

Santa Catarina gera novos empregos formais em setembro 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 SINE/SC - SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO Informativo Caged nº 10/2011 18/10/2011 Santa Catarina gera 10.297 novos empregos formais

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA GRANDE VITÓRIA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA GRANDE VITÓRIA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA GRANDE VITÓRIA Relatório Mensal sobre o Mercado de Trabalho Formal dos Municípios da Região Metropolitana de Vitória Junho de 2009 Contrato de Prestação de Serviços Nº. 28/2008

Leia mais

Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social

Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social 2º Semestre/2011 1 Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social Informações Trabalhistas e Previdenciárias de acordo

Leia mais

Ceará: Resultados do PIB Trimestral 3 0 Trimestre/2007

Ceará: Resultados do PIB Trimestral 3 0 Trimestre/2007 Ceará: Resultados do PIB Trimestral 2003-2007 eloisa@ipece.ce.gov.br rogerio.soares@ipece.ce.gov.br Fortaleza 2009 CEARÁ: COMPOSIÇÃO Ceará: DO Resultados PRODUTO INTERNO do PIB BRUTO Trimestral A PREÇOS

Leia mais

AGETRAB Agencia de Trabalho, Educação Profissional e Renda Dezembro -2015

AGETRAB Agencia de Trabalho, Educação Profissional e Renda Dezembro -2015 Análise Emprego Formal Macaé AGETRAB Agencia de Trabalho, Educação Profissional e Renda Dezembro -2015 Movimentação de pessoal - Macaé De acordo com os dados do CAGED em dezembro de 2015, foram admitidos

Leia mais

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações no ano (3.907 postos).

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações no ano (3.907 postos). Sumário Executivo MAR/2016 No mês de março de 2016, o saldo de empregos em Santa Catarina recuou em relação a fevereiro (-3.803 postos e variação de -0,2%). A indústria de transformação teve desempenho

Leia mais

72ª Fevereiro de 2014

72ª Fevereiro de 2014 72ª Fevereiro de 2014 EXPEDIENTE DA FUNDAÇÃO SOCIAL DO TRABALHO - FUNSAT PREFEITURA DE CAMPO GRANDE Alcides Jesus Peralta Bernal Prefeito de Campo Grande - MS Thaís Helena Vieira Rosa Gomes Secretária

Leia mais

BNB Conjuntura Econômica Nº40

BNB Conjuntura Econômica Nº40 BNB Conjuntura Econômica Nº40 Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE 4. Mercado de Trabalho O cenário atual da economia brasileira, que experimentou queda sucessiva do PIB nos dois

Leia mais

Projeções Demográficas para Bahia

Projeções Demográficas para Bahia Projeções Demográficas para Bahia 2010-2030 Objetivo o Investigar, através das projeções, as condições futuras dos diversos segmentos da população, bem como prever alterações na dinâmica demográfica, levando

Leia mais

Balanço do Emprego Formal no Espírito Santo Dados de Julho de 2008

Balanço do Emprego Formal no Espírito Santo Dados de Julho de 2008 Balanço do Emprego Formal no Espírito Santo Dados de Julho de 2008 OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DO ESPÍRITO SANTO Contrato de Prestação de Serviços N. 28/2008 SETADES / DIEESE VITÓRIA,

Leia mais

Pesquisa Mensal de Atividade em Serviços. Junho de 2015

Pesquisa Mensal de Atividade em Serviços. Junho de 2015 Pesquisa Mensal de Atividade em Serviços Junho de 2015 Definições A Pesquisa de Emprego em Serviços é desenvolvida pela CNS/FESESP com base em dados do sistema RAIS- CAGED do Ministério do Trabalho e Emprego

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Março de 2014

EMPREGO INDUSTRIAL Março de 2014 EMPREGO INDUSTRIAL Março de 2014 Emprego industrial FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO APRESENTOU O MELHOR DESEMPENHO ENTRE OS SETORES DA

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. Fevereiro/2013 (dados até Janeiro)

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. Fevereiro/2013 (dados até Janeiro) ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Fevereiro/2013 (dados até Janeiro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nos Pequenos Negócios e suas

Leia mais

O mercado de trabalho na Região Metropolitana de Salvador: uma análise retrospectiva de 2009 e as perspectivas para 2010

O mercado de trabalho na Região Metropolitana de Salvador: uma análise retrospectiva de 2009 e as perspectivas para 2010 ENCONTROS DE ATUALIDADES ECONÔMICAS O mercado de trabalho na Região Metropolitana de Salvador: uma análise retrospectiva de 2009 e as perspectivas para 2010 Prof. Dr. Laumar Neves de Souza Diagrama do

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Junho de 2016

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Junho de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Junho de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Junho de 2016 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Pesquisa Mensal de Atividade em Serviços. Junho de 2014

Pesquisa Mensal de Atividade em Serviços. Junho de 2014 Pesquisa Mensal de Atividade em Serviços Junho de 2014 Definições A Pesquisa de Emprego em Serviços é desenvolvida pela CNS/FESESP com base em dados do sistema RAIS- CAGED do Ministério do Trabalho e Emprego

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 23/01/15

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 23/01/15 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 23/01/15 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged),

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO FEVEREIRO DE Eego industrial FEVEREIRO DE 2013

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO FEVEREIRO DE Eego industrial FEVEREIRO DE 2013 EMPREGO INDUSTRIAL FEVEREIRO DE 2013 FEVEREIRO DE 2013 Eego industrial SUMÁRIO EXECUTIVO O número de assalariados com carteira assinada da indústria de transformação catarinense cresceu 1,50% em fevereiro

Leia mais

33ª Novembro de 2010

33ª Novembro de 2010 33ª Novembro de 2010 EXPEDIENTE DA FUNDAÇÃO SOCIAL DO TRABALHO DE CAMPO GRANDE PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE Nelson Trad Filho Prefeito Municipal Maria Antonieta Amorim Trad Secretária Munic. de

Leia mais

PIB 2012 Estado do Tocantins

PIB 2012 Estado do Tocantins PIB 2012 Estado do Tocantins Parceiros: GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SANDOVAL LÔBO CARDOSO Governador do Estado TOM LYRA Vice-governador do Estado JOAQUIM CARLOS PARENTE JUNIOR Secretário JOAQUÍN EDUARDO

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO FORMAL RURAL

O MERCADO DE TRABALHO FORMAL RURAL 1 Subseção CONTAG O MERCADO DE TRABALHO FORMAL RURAL Agosto/2009 Introdução Este informativo tem como finalidade suprir o Movimento Sindical dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais MSTTR (CONTAG, FETAGs

Leia mais

Resultados- Junho OUTUBRO 2011

Resultados- Junho OUTUBRO 2011 Resultados- Junho 2011 - OUTUBRO 2011 Crescimento do volume e receita nominal das vendas; evolução da massa de rendimentos dos ocupados; volume de crédito e inadimplência; dados sobre emprego formal, como

Leia mais

Piores trechos por Unidade Federativa por número de acidentes

Piores trechos por Unidade Federativa por número de acidentes Piores trechos por Unidade Federativa por número de acidentes - 2015 Data: 18/05/2016 FILTROS: Veículos: Todos Valores: Absolutos Estado: Todos BR: Todas Piores trechos por Estado número de acidentes -

Leia mais

Alexsandre Lira Cavalcante *

Alexsandre Lira Cavalcante * 1. Volume de vendas do comércio varejista Alexsandre Lira Cavalcante * De acordo com dados da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), realizada pelo IBGE, o volume de vendas do comércio varejista comum cearense

Leia mais

Confira o perfil de cada um dos setores segundo a divisão adotada pela CNM/CUT/CUT:

Confira o perfil de cada um dos setores segundo a divisão adotada pela CNM/CUT/CUT: Mapeamento do Emprego e Desempenho da Indústria Metalúrgica do Brasil 1 O presente trabalho, elaborado pelos Técnicos da Subseção do DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos),

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Novembro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Novembro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Novembro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Novembro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Rio de Janeiro, 22/11/2016. Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016

Rio de Janeiro, 22/11/2016. Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016 1 Rio de Janeiro, 22/11/2016 Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016 O B J P R I N C I P A L Produzir informações contínuas PNAD Contínua Produzir informações anuais E T I sobre a inserção

Leia mais

Boletim Mensal de Emprego Formal do Estado de São Paulo Fevereiro de 2016

Boletim Mensal de Emprego Formal do Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 2016 Boletim Mensal de Emprego Formal do Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Balanço do trabalho formal para o Mês de Fevereiro de 2016 Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho do Estado de São Paulo.

Leia mais

O Comércio de Serviços do Brasil

O Comércio de Serviços do Brasil Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio e Serviços IV Seminário Estadual de Negócios Internacionais do Paraná O Comércio de Serviços do Brasil Curitiba, 17 de

Leia mais

ÍNDICE. 1. Desempenho Estadual Desempenho por Atividade Desempenho por Região Melhores e Piores Regiões...

ÍNDICE. 1. Desempenho Estadual Desempenho por Atividade Desempenho por Região Melhores e Piores Regiões... OUTUBRO DE 2016 ÍNDICE 1. Desempenho Estadual... 3 2. Desempenho por Atividade... 7 3. Desempenho por Região... 10 3.1. Melhores e Piores Regiões... 13 4. Conclusão... 15 5. Nota Metodológica... 16 1.

Leia mais

Panorama Econômico do Rio Grande do Sul Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Panorama Econômico do Rio Grande do Sul Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Panorama Econômico do Rio Grande do Sul 2008 Unidade de Estudos Econômicos COMPOSIÇÃO DO PIB PIB DO RIO GRANDE DO SUL 62% 9% 29% Estamos mais sujeitos a refletir crises agrícolas que a média da economia

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Julho 2014

BOLETIM EMPREGO Julho 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RIO GRANDE DO NORTE

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RIO GRANDE DO NORTE OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RIO GRANDE DO NORTE Relatório Mensal: Movimentação do emprego formal em agosto de 2010 no Rio Grande do Norte Contrato de Prestação de Serviços Nº. 011/2010 - SETHAS/DIEESE

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego 1º semestre de 2015 - Brasil. Dieese. Subseção Força Sindical. Elaboração: 21/07/2015

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego 1º semestre de 2015 - Brasil. Dieese. Subseção Força Sindical. Elaboração: 21/07/2015 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego 1º semestre de 2015 - Brasil Dieese. Subseção Força Sindical Elaboração: 21/07/2015 De acordo com os dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Leia mais

ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE MENSAL DO MERCADO DE TRABALHO NAS PRINCIPAIS CIDADES DA REGIÃO METROPOLITANA DE LONDRINA REFERÊNCIA DEZEMBRO 2016

ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE MENSAL DO MERCADO DE TRABALHO NAS PRINCIPAIS CIDADES DA REGIÃO METROPOLITANA DE LONDRINA REFERÊNCIA DEZEMBRO 2016 Londrina, 20 de janeiro de 2017. NOTA À IMPRENSA ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE MENSAL DO MERCADO DE TRABALHO NAS PRINCIPAIS CIDADES DA REGIÃO METROPOLITANA DE LONDRINA REFERÊNCIA DEZEMBRO 2016 Este acompanhamento

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Abril de 2016

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Abril de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Abril de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Abril de 2016 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Piores trechos por Unidade Federativa por número de mortos

Piores trechos por Unidade Federativa por número de mortos Piores trechos por Unidade Federativa por número de mortos - 2016 Data: 24/05/2017 FILTROS: Veículos: Todos Valores: Absolutos Estado: Todos BR: Todas Piores trechos por Estado número de mortos 2016 Estado

Leia mais

Características do candidato a Empreendedor Individual (MEI) no Brasil. SEBRAE-SP/Planejamento Abril de 2009

Características do candidato a Empreendedor Individual (MEI) no Brasil. SEBRAE-SP/Planejamento Abril de 2009 Características do candidato a Empreendedor Individual (MEI) no Brasil SEBRAE-SP/Planejamento Abril de 2009 1 Metodologia do trabalho Definição de candidato a MEI: Consideramos como proxy de candidato

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL OFERTA INICIAL S

SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL OFERTA INICIAL S T.I. Território DIREC Município Unidade Escolar Eixo Tecnológico Cursos 2 VELHO CHICO 22 Ibotirama 3 CHAPADA DIAMANTINA 27 Seabra SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL OFERTA INICIAL 2013.2S Velho

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas - ano 2015 Pernambuco 5,20% Ceará 5,44% Maranhão 5,14% Pará 4,89% Paraná 4,43% Rio Grande do Sul 4,37% Santa Catarina 2,54% Rio Grande do Norte 2,48% Espírito Santo 2,14% Amazonas 2,06% Sergipe 1,87% Alagoas

Leia mais

COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS PNAD Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio última atualização da pesquisa: 2011 1 2 CARACTERÍSTICAS DOS DOMICÍLIOS 3 ACESSO A SERVIÇOS PÚBLICOS EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL

Leia mais

ESCASSEZ DE MÃO DE OBRA QUALIFICADA NOS PEQUENOS NEGÓCIOS?

ESCASSEZ DE MÃO DE OBRA QUALIFICADA NOS PEQUENOS NEGÓCIOS? ESCASSEZ DE MÃO DE OBRA QUALIFICADA NOTA CONJUNTURAL MAIO DE 2014 Nº32 NOS PEQUENOS NEGÓCIOS? NOTA CONJUNTURAL MAIO DE 2014 Nº32 PANORAMA GERAL A entrada no segundo milênio foi marcada por mudanças no

Leia mais

RECUPERAÇÃO DO EMPREGO JÁ ATINGIU MAIS DA METADE DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO

RECUPERAÇÃO DO EMPREGO JÁ ATINGIU MAIS DA METADE DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO RECUPERAÇÃO DO EMPREGO JÁ ATINGIU MAIS DA METADE DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO De janeiro a junho deste ano, quatorze estados passaram a criar vagas de trabalho ou registraram saldos maiores do que os do mesmo

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL RA Central 2 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Abril de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Março de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego em Serviços. Abril de 2013

Pesquisa Mensal de Emprego em Serviços. Abril de 2013 Pesquisa Mensal de Emprego em Serviços Abril de 2013 Definições A Pesquisa de Emprego em Serviços é desenvolvida pela CNS/FESESP com base em dados do sistema RAISCAGED do Ministério do Trabalho e Emprego

Leia mais

Pressão sobre os salários continua em queda, apesar da taxa de desemprego estável

Pressão sobre os salários continua em queda, apesar da taxa de desemprego estável Pressão sobre os salários continua em queda, apesar da taxa de desemprego estável Estimativa da Fipe e da Catho para a taxa de desemprego do décimo mês do ano é de 5,0%, 0,1 ponto percentual maior do que

Leia mais