Utilização dos Pré e Pós-Testes. Desenvolvimento do Pré e Pós-Teste

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Utilização dos Pré e Pós-Testes. Desenvolvimento do Pré e Pós-Teste"

Transcrição

1 G U I Ã O D E I M P L E M E N T A Ç Ã O T É C N I C A # 2 Orientações para Pré e Pós-Teste Os Guiões de Implementação Técnica da I-TECH são uma série de documentos práticos e instrutivos, criados para dar apoio aos seus funcionários e parceiros em seu esforço para criar e manter a qualidade dos programas em todo o mundo. Pré e pós-testes são utilizados para medir o conhecimento adquirido pelos participantes numa formação. O pré-teste é um conjunto de perguntas feitas aos participantes antes do início da formação, com a finalidade de determinar o seu nível de conhecimento sobre o conteúdo que será ensinado. Ao final da formação, os participantes devem responder à um pós-teste com as mesmas perguntas feitas anteriormente, ou perguntas com o mesmo nível de dificuldade. Através da comparação das notas do pré-teste com as notas do pós-teste, será possível descobrir se a formação foi bem-sucedida em aumentar o conhecimento do participante sobre o conteúdo da formação. Este guião fornecerá informações acerca de quando e como utilizar os pré e pós-testes, sugestões para desenvolver boas perguntas, instruções sobre como validar e gerir pré e pós-testes, e descrição de como analisar resultados. Utilização dos Pré e Pós-Testes As notas do pré e pós-teste informam se os participantes aprenderam ou não através da formação. Além disso, um bom pré e pós-teste pode ajudar os facilitadores a entenderem quais conceitos ou competências foram bem ensinados durante a formação e quais requerem tempo adicional, ou necessitam de métodos alternativos para serem ensinados. Pré e pós-testes podem não ser as melhores ferramentas a serem utilizadas em todas as formações. Por exemplo, se a formação for altamente interactiva, com muitas oportunidades de avaliar o conhecimento e conforto dos participantes com o conteúdo, então talvez o tempo necessário para gerir e analisar os testes não compense sua utilização. Formações muito curtas, de aproximadamente um dia de duração, podem não compensar o tempo necessário para gerir e analisar os resultados dos pré e pós-testes. Além disso, pode ser difícil criar e avaliar os pré e pós-testes em formações focadas em capacidades de construção de relacionamentos, por exemplo, uma formação sobre capacidades de aconselhamento efectivo. Nesta situação, pode ser mais apropriado utilizar um método alternativo para a avaliação da aprendizagem, tal como a observação das capacidades demonstradas numa dramatização. Quando está a decidir se irá ou não utilizar o pré e pósteste, primeiro considere o que é mais importante aprender sobre a sua própria formação. Se deseja compreender exactamente qual conhecimento pode ser atribuído à formação em si, é importante utilizar a metodologia de pré e pós-teste. Se em vez disso, só é necessário saber se os participantes possuem conhecimento do conteúdo ou capacidade ao final da formação, não é necessário fazer o pré-teste. A realização de um teste somente ao final da formação, não demonstrará os conhecimentos adquiridos, mas poderá avaliar até que ponto os participantes entenderam o material ensinado. Lembre-se que uma das limitações de qualquer teste de conhecimentos realizado imediatamente depois da formação, é que não demonstrará o que as pessoas irão lembrar-se daqui a uma semana ou um ano, nem se eles irão utilizar o que aprenderam durante a formação no seu trabalho. Desenvolvimento do Pré e Pós-Teste Testes são instrumentos ou ferramentas utilizadas para medir mudanças. Se a ferramenta em si tiver problemas, não poderá medir com precisão as mudanças no conhecimento. Para que um pré e pós-teste seja válido e confiável deve conter perguntas claras e bem escritas. Os tópicos abaixo são sugestões para a criação de boas perguntas: Criar perguntas focalizadas nos objectivos principais da formação. Tente desenvolver ao menos uma pergunta para cada um dos objectivos da formação. Isto vai assegurar que está a perguntar aos participantes para demonstrar seus conhecimentos nos conceitos que os criadores do currículo determinaram serem os mais importantes de toda a formação. Pergunte a si mesmo, Quais são as 10 coisas

2 ORIENTAÇÕES PARA PRÉ E PÓS-TESTE: UM GUIÃO DE IMPLEMENTAÇÃO TÉCNICA PÁGINA 2 mais importantes nesta formação que um médico - ou outro profissio nal de saúde necessita saber sobre os cuidados de saúde relativos ao HIV? Crie perguntas a partir desta lista de 10 conceitos, factos ou capacidades. Para um seminário ou outra formação sobre um conteúdo altamente técnico, como anti-retrovirais (ARVs) ou infecções oportunistas (IOs), um especialista no assunto deve criar o teste, para assegurar que as respostas incorrectas são aceitáveis, que o conteúdo correcto é abordado, etc. Não elabore perguntas que exijam memorização de detalhes irrelevantes. Não deve-se avaliar a capacidade dos participantes de memorizar uma palavra ou frase específica, ou sua capacidade de lembrar se a taxa de prevalência é de 13% ou 15%, mas sim se eles aprenderam conceitos importantes e factos relacionados. Incluir somente perguntas que tiveram respostas claras abordadas durante a formação. Não avalie os participantes em conceitos ou conhecimentos que não foram devidamente explicados durante a formação. Se existem conceitos importantes que devam ser incluídos no currículo mas não foram, inclua esta informação na sua própria avaliação e recomende que estes conceitos sejam incluídos na próxima vez que a formação for realizada. Desenvolver uma avaliação que demore entre 10 e 25 minutos para ser respondida. O tempo gasto nos pré e pós-testes deve variar de acordo com a extensão da formação e o tipo de perguntas feitas. É razoável que o teste de uma formação de uma semana demore mais que o teste de uma formação de dois dias. Testes com perguntas abertas ou de respostas curtas demorarão mais que testes de múltipla escolha com o mesmo número de perguntas. Sugestões para Formular Perguntas Existe uma variedade de tipos de perguntas - abertas, verdadeiro/falso, múltipla escolha e baseada em casos - que podem ser utilizadas num teste. Ter uma variedade de perguntas de conhecimento, pode ajudar a fazer o teste mais rigoroso e interessante. Perguntas abertas requerem que os participantes utilizem suas próprias palavras para responderem ou comentarem um cenário em particular. Perguntas de múltipla escolha dão oportunidade aos participantes de seleccionar entre diversas respostas possíveis. Em perguntas verdadeiro/falso os participantes têm a opção entre duas possíveis respostas. É mais fácil para os participantes demonstrarem uma aprendizagem específica e detalhada através de perguntas de múltipla escolha do que através de perguntas verdadeiro/falso. Se um teste é elaborado para pessoas que não têm o Português como língua materna, evite mudar o tipo de perguntas muitas vezes num mesmo teste. Os participantes podem confundir-se ao interpretar novas instruções, o que irá distraí-los do objectivo principal do teste. Formular Perguntas Abertas Formular perguntas que sejam suficientemente específicas para que os participantes entendam o sentido da pergunta. Exemplo: Explique como as crianças infectadas pelo HIV podem sofrer. Esta pergunta é muito ampla. Os participantes podem perguntar-se se sofrer referese ao abandono, à fragilidade física e outras complicações ou à outros tipos de sofrimento. Liste os 3 principais motivos pelos quais crianças infectadas pelo HIV podem sofrer de má evolução ponderal. Esta pergunta refere-se especificamente à evolução ponderal, uma condição clínica que foi amplamente abordada durante a formação. Formular Perguntas Verdadeiro/Falso Desenvolver perguntas com palavras simples, directas e sem ambiguidade. Frases simples são mais directas e têm menos palavras que frases comple xas, com muitas orações. Um vocabulário que pode ser interpretado de diferentes formas faz com que seja muito mais difícil para os participantes reponderem. Exemplo: Existem muitas maneiras que uma pessoa pode ser infectada pelo HIV, esta frase utiliza a palavra muitas que pode ser interpretada de, provavelmente, dez diferentes maneiras. A pergunta seria melhor se focalizasse em apenas um modo de transmissão: Um indivíduo pode ser infectado pelo HIV através de uma agulha injectável. Evitar palavras como e, mas, excepto e ou. Estas palavras implicam uma segunda ideia ou conceito e podem confundir os participantes em perguntas verdadeiro/falso. Exemplo: A seguinte afirmação verdadeiro/falso. A tuberculose (TB) pode se espalhar somente pela

3 ORIENTAÇÕES PARA PRÉ E PÓS-TESTE: UM GUIÃO DE IMPLEMENTAÇÃO TÉCNICA PÁGINA 3 tosse, excepto quando o paciente cobre sua boca é problemática. Já que a TB pode se espalhar de várias maneiras, não é claro se a afirmação quer testar se o participante sabe que a TB pode se espalhar de outras maneiras, ou se ele sabe que cobrir a boca é uma forma efectiva de reduzir a transmissão. A palavra excepto dá ambigüidade e pode causar dúvida no participante. Formular Perguntas de Múltipla Escolha Desenvolver respostas que são bem diferentes umas das outras. Uma pergunta de múltipla escolha com respostas muito parecidas, não oferece ao participante uma selecção clara. Tais perguntas podem acabar por avaliar a capacidade do participante de diferenciar a escrita ou definição de uma determinada palavra, ao invés de testar seu conhecimento em conceitos importantes acerca do HIV. Exemplo: Qual das seguintes opções é o nome de uma medicação anti-retroviral abreviada como ABC? Abacab Abacavan Abacavir Abracadabra Ainda que possa ser importante para os participantes da formação de TARV, saber que a sigla ABC refere-se a Abacavir, estas opções de respostas estão a avaliar a capacidade do participante de distinguir entre variações na ortografia da palavra. Uma melhor opção de respostas seria: Abacavir Amprenavir Aciclovir Anfotericina B Desenvolver respostas incorrectas que são potencialmente possíveis mas claramente erradas. As respostas correctas não devem ser óbvias, nem mesmo para os formandos com mais conhecimento; deve-se oferecer aos participantes uma selecção de respostas que serão consideradas cuidadosamente. Na primeira opção de respostas do exemplo descrito acima, a resposta correcta é óbvia para pessoas que têm o português como sua língua materna. E para as pessoas para as quais o português não é sua língua materna, este pode ser apenas um teste de ortografia ou vocabulário. A pergunta de múltipla escolha deve ser mais longa que as opções de resposta. A maioria da informação deve estar concentrada na pergunta, não nas respostas. O participante não deve sentir-se sobrecarregado com o texto ao tentar responder a pergunta correctamente. Revisar a utilidade das perguntas e respostas. Cubra as respostas e leia somente as perguntas. Alguém que conheça o conteúdo da formação deve ser capaz de responder a pergunta sem ler as respostas. Se possível, peça à um outro colega que também conheça o conteúdo da formação para fazer o teste e avaliar as respostas. Se eles tiverem problemas em res ponder as perguntas correctamente, é possível que as perguntas não sejam suficientemente específicas. Combinação de Métodos: Criar Perguntas Baseadas em Casos Uma pergunta baseada em casos apresenta um pequeno caso e perguntas baseadas na informação dispo nível no caso. Perguntas baseadas em casos requerem que os participantes apliquem diferentes fatos ou aspectos de seu conhecimento à situações que eles provavelmente encontra rão nos seus locais de trabalho. Perguntas baseadas em caso podem ser verdadeiro/ falso, múltipla escolha ou perguntas abertas. Perguntas abertas irão proporcionar uma melhor ideia do nível de conhecimento dos participantes e sua capacidade de aplicar conceitos aprendidos durante a formação. Os pré e pós-testes devem demorar entre 10 e 25 minutos para serem respondidos.

4 ORIENTAÇÕES PARA PRÉ E PÓS-TESTE: UM GUIÃO DE IMPLEMENTAÇÃO TÉCNICA PÁGINA 4 Exemplo Perguntas Abertas Baseadas num Caso A Senhora Maria é uma mulher de 34 anos que foi encaminhada ao Gabinete de Aconselhamento e Testagem Voluntária - GATV, depois de ter sido diagnosticada HIV positiva, três semanas atrás. Seu esposo morreu recentemente de meningite criptocócica; durante sua hospitalização ele foi testado HIV positivo, e fez com que ela também procurasse fazer o teste. Quatro meses atrás, a Senhora Maria foi diagnosticada com tuberculose. A partir de seu diagnóstico, ela iniciou um tratamento com quatro diferentes medicamentos para TB, e actualmente está a tomar isoniazida e etambutol. Quando foi diagnostica com TB, a testagem de HIV foi recomendada à Senhora Maria, que recusou fazer o teste. Ela não está a tomar nenhuma outra medicação, só para o tratamento de TB. Até seu diagnóstico de TB, o seu historial médico era normal. Ela é alérgica à trimetoprim/sulfametoxazol (Bactrim), que lhe produz uma erupção eritematosa máculo-papular. No exame físico é detectado que ela é uma mulher magra, bem desenvolvida, sem nenhum mal-estar agudo. O exame de cabeça, olhos, ouvidos, nariz e garganta, revela cândida na língua e na mucosa bucal. O exame do coração, pulmão e abdómen está normal. Os resultados dos testes de laboratório mostram: Hemoglobina 11.7 ALT 39 Células: Glóbulos Brancos 4.8 AST 47 Neutrófilos 74% Linfócitos 20% Monócitos 6% Plaquetas 167,000 VIH Reactiva 1. Que evidência apoia o início do TARV para esta paciente (historial, exame clínico e/ou dados de laboratório)? 2. É possível identificar alguma barreira para uma boa adesão ao TARV? Caso seja possível, como esta(s) barreira(s) pode ser ultrapassada? 3. Que tipo de medicação anti-retroviral deve ser recomendada? 4. Que tipo de reacção pode estar associada com a medicação anti-retroviral escolhida? As perguntas baseadas em caso têm uma pergunta principal e possíveis respostas (ou espaço para respostas). O caso não deve fornecer a resposta facilmente, e quando utilizar múltipla escolha, a resposta correcta também não deve ser óbvia entre as outras possíveis opções. Os pré e pós-testes podem não ser as melhores ferramentas de avaliação para todas as formações, como seminários de apenas um dia de duração ou formações focalizadas em capacidades que precisam ser observadas.

5 ORIENTAÇÕES PARA PRÉ E PÓS-TESTE: UM GUIÃO DE IMPLEMENTAÇÃO TÉCNICA PÁGINA 5 Exemplos de Perguntas de Múltipla Escolha Baseadas num Caso Exemplo 1: Um homem de 60 anos apresenta fraqueza progressiva nos braços e pernas. Ele relata que tem dificuldade para subir escadas ou pentear-se. Ele também apresenta dificuldade para engolir, mas não tem problemas para enxergar. No exame físico, é possível notar uma erupção eritematosa máculo-papular sobre as pálpebras, nariz, bochechas e dedos. O resultado do exame das articulações foi normal. Qual é o diagnóstico mais provável? Dermatomiosite Miastenia Gravis Polimialgia Reumática Artrite Reumatóide Lupus eritematoso sistémico Exemplo 2: Neste exemplo, o caso é apresentado e seguido por várias perguntas de múltipla escolha. Estudo de Caso: João foi recentemente diagnosticado HIV positivo e veio à clínica para sua primeira visita. Os resultados dos seus primeiros exames de laboratório são: Hb de 9, contagem CD4 de 199. No exame físico é possível notar placas brancas na língua e no céu-da-boca. Ele teve tuberculose 5 anos atrás, que foi efectivamente tratada. No geral, ele parece ter uma boa saúde. As seguintes perguntas tem somente UMA resposta correcta. Marque a letra que corresponde a resposta correcta. 1. De acordo com os estádios da OMS, o João está em que estádio do HIV? a. Estádio 4 b. Estádio 3 c. Estádio 2 d. Estádio 1 2. O João é elegível para a medicação anti-retroviral? a. Sim b. Não 3. Qual é o provável diagnóstico da placa branca na língua de João? a. Leucoplasia oral pilosa (LOP) b. Sarcoma de Kaposi c. Candidíase oral d. Líquen escleroso Validação do Pré e Pós-Teste Todos os pré e pós-testes devem ser validados antes de serem considerados uma ferramenta confiável de recolha de dados. Se os participantes erram uma pergunta, isto deve acontecer por falta de conhecimento acerca do conteúdo, não por entender a pergunta de maneira incorrecta. Isto pode acontecer quando a pergunta não foi correctamente formulada e tem mais de uma resposta correcta, ou quando o conteúdo não foi ensinado durante a formação. Quando o participante acerta a resposta, isso deve ser o resultado do conhecimento que ele/ela tem sobre o conteúdo e não porque as respostas incorrectas eram tão óbvias que foi fácil adivinhar a resposta correcta. Como primeiro passo no processo de validação, peça a quatro integrantes da equipa local para fazerem o

6 ORIENTAÇÕES PARA PRÉ E PÓS-TESTE: UM GUIÃO DE IMPLEMENTAÇÃO TÉCNICA PÁGINA 6 teste. Peça a eles para marcar qualquer pergunta que não for clara. Discuta as respostas com a equipa, assegure-se que tenham entendido correctamente todas as perguntas. Ainda que esta equipa possa não ser representativa dos participantes que farão o teste, este é um bom primeiro passo para esclarecer perguntas e respostas antes de realizar o teste com o grupo de participantes. Se necessário, modifique as questões com base nos resultados do pré-teste com a equipa antes de realizar o teste com os participantes O passo mais importante do processo de validação acontece com os próprios participantes. Depois de realizar o pós-teste com participantes da formação, revise as respostas com o grupo. Peça aos participantes para explicar suas respostas, para entender melhor como eles interpretaram cada uma das perguntas. A discussão deve esclarecer quais perguntas foram confusas para os participantes e quais foram bem escritas. Para as perguntas que foram respondidas incorrectamente, a discussão também deve ajudar a determinar se a pergunta não foi clara mas os participantes entendem o conceito que está a ser testado ou, se por alguma razão, os participantes não aprenderam o conteúdo. Reescreva o teste baseado na retro-informação e realize o teste com outro grupo de participantes para ter a certeza de que os ajustes esclarecem qualquer dúvida relativa às perguntas. Implementação de um Pré e Pós-Teste Uma vez que o teste tenha sido validado, estará pronto para começar a ser utilizado como um método de recolha de dados sobre a formação. A forma mais efectiva de utilizar este método é emparelhar as respostas do pré-teste com as respostas do pós-teste de cada participante, e analisar a variação do conhecimento de cada um, assim como do grupo em geral. Como os participantes podem não sentir-se confortáveis ao escrever seu nome nos testes, utilize números em vez de nomes para identificá-los. Os tópicos abaixo são instruções para realizar pré e pós-testes anónimos. Atribuir números de forma aleatória a cada participante. Escreva números de 1 a X (X é igual ao número de participantes da formação) em pedaços de papel. Peça aos participantes para escolherem um pedaço de papel e escreverem o número que pegaram na primeira página no Manual do Participante ou outro material recebido. Realizar o pré-teste antes de iniciar a formação. Distribua os pré-testes aos participantes e peça a eles que anotem seus números onde está indicado o número do código. Explique aos participantes que suas respostas são anónimas - não sabemos qual número cada um deles pegou. Explique que o objectivo do pré e pós-teste é avaliar a formação e responder a seguinte pergunta, Os participantes aprenderam aquilo que gostaríamos que eles tivessem aprendido? Peça aos participantes para responder as perguntas do pré-teste. Eles podem pedir esclarecimento para perguntas que não entendam, se por exemplo há alguma palavra que não faz sentido para eles ou é ambígua. O facilitador deve anotar todas as perguntas ou esclarecimentos em sua própria cópia do teste, para que o teste possa ser aperfeiçoado para a próxima formação. Quando os participantes terminarem o teste, recolhaos e inicie a formação. Realizar o pós-teste ao final da formação. Distribua os pós-testes e peça aos participantes para escreverem seus números no topo da página. Relembre que os facilitadores desconhecem os números de cada participante, mas que é importante que o mesmo código seja utilizado em ambos os pré e pós-testes, para que os facilitadores possam avaliar o que funcionou e o que não deu certo durante a formação. Peça aos participantes para responder as perguntas do pós-teste. De novo, as pessoas devem sentir-se à vontade para esclarecer qualquer dúvida na linguagem ou na interpretação das perguntas. O facilitador deve anotar todas as perguntas ou esclarecimentos na sua própria cópia do teste. Quando os participantes terminarem, recolha os pós-testes e repasse-los à equipa que conduz a formação. Discuta as perguntas e respostas do teste com os participantes. Para ambos propósitos, de ensino e ava liação, é importante revisar as respostas correctas do pós-teste com os participantes. Revisar as respostas em grupo fornece retro-informação imediata aos participantes acerca de conceitos que não foram bem compreendidos e fortalece a aprendizagem da informação correcta. Isto também ajuda a esclarecer conceitos errados, antes que eles sejam institucionalizados através da prática. Por último, revisar as respostas durante a formação fornece aos facilitadores uma importante retro-informação em conceitos que ainda não estão claros para os participantes, e ajuda a identificar as áreas do currículo que necessitam de adaptação.

7 ORIENTAÇÕES PARA PRÉ E PÓS-TESTE: UM GUIÃO DE IMPLEMENTAÇÃO TÉCNICA PÁGINA 7 Certifique-se de incluir tempo para os pré e pós-testes e para a discussão dos resultados na agenda da formação. Os participantes devem encarar a discussão dos resultados dos testes como parte da formação, não como uma actividade opcional que acontece depois da formação. Análise dos Resultados dos Pré e Pós-Testes O passo final é analisar os resultados dos pré e póstestes, ambos por participante e por pergunta. Analisar a informação dessa maneira, vai ajudá-lo a avaliar o tipo de participante que mais aprendeu com a formação (p.ex., aqueles que tinham muito, ou pouco conhecimento acerca do conteúdo) e as áreas da formação que foram mais efectivas para o grupo em geral. Não é necessário utilizar programas de análise de dados como o Excel, SPSS ou outro, mas eles podem facilitar o processo de análise. Crie um formulário em que cada linha é relativa a um participante (identificado pelo número) e onde cada pergunta tem duas colunas - uma coluna indica se o participante respondeu correctamente a pergunta no pré-teste e a outra indica se o participante respondeu correctamente a pergunta no pós-teste. Analise as mudanças das respostas por pessoa. A nota de cada pessoa aumentou? Existe qualquer padrão capaz de indicar a nota de quais participantes aumentou mais? Por exemplo, numa formação multidisciplinar, a nota das enfermeiras aumentou mais que as notas dos médicos? Houve mudanças no nível geral das notas do grupo entre o pré-teste e o pós-teste? Reflicta a respeito do nível de conhecimento do público-alvo da formação. Se a formação for muito difícil, aqueles que tiveram notas altas no pré-teste demonstrarão um maior aumento no pós-teste, e aqueles que tiveram notas mais baixas podem não apresentar um aumento significativo em suas notas. Por outro lado, se as notas baixas sobem e as notas altas permanecem estáveis, a formação pode ter sido muito fácil. Dependendo do propósito da avaliação da informação, pode-se analisar se o aumento do conhecimento foi estatisticamente significativo. conhecimento. Lembre-se que a falta de variação no conhecimento pode indicar, tanto uma pergunta mal formulada quanto uma fraqueza no currículo. Se as notas dos pré-testes forem muito altas, haverá pouco espaço no pós-teste para medir o conhecimento adquirido. Se houver perguntas que muitos participantes erraram, tanto no pré como no pós-teste, considere ajustes no currículo para fortalecer conteúdos fracos ou poucos claros. Revise toda a informação para assegurar que nenhum elemento foi ignorado e registe qualquer informação relevante. Utilize os resultados para fazer adaptações necessárias na formação. Lembre-se de utilizar os resultados dos testes para fazer modificações na formação. Lista de Recursos 1. Based on Developing Multiple Choice Questions for the Royal College of Physicians and Surgeons of Canada Certifi cation Examinations, T. Wood & G. Cole, Educational Research and Development, June p. 4. Can be found online at: pdfs/diploma-mcqs/developing-mcqs-for-rcpsc.pdf. A seguir, analise as variações no conhecimento por pergunta, para descobrir que partes da formação foram mais efectivas, isto é, resultaram no maior aumento do

8 ORIENTAÇÕES PARA PRÉ E PÓS-TESTE: UM GUIÃO DE IMPLEMENTAÇÃO TÉCNICA PÁGINA 8 Agradecimentos Financiamento Este documentos foi desenvolvido através do financiamento do Acordo Cooperativo U69HA00047 do U.S. Department of Health and Human Services Health Resources and Services Agency (HRSA); o conteúdo deste material é de responsabilidade dos autores e não necessariamente representa a visão da HRSA. Acerca da I-TECH A I-TECH, uma colaboração entre a Universidade de Washington e a Universidade da Califórnia, São Francisco, é um programa de formação global sobre SIDA que trabalha a convite dos Ministérios da Saúde e do governo dos Estados Unidos para aumentar a capacidade de profissionais e instituições na prevenção, cuidados e tratamento da SIDA em países fortemente atingidos pela epidemia. A I-TECH foi fundada em 2002 pela HRSA em colaboração com CDC (Centers for Disease Control and Prevention). I-TECH Estados Unidos Moçambique 901 Boren Avenue, Suite 1100 Cahora Bassa, 106 Seattle, Washington USA Maputo, Moçambique University of Washington. Favor pedir a permissão da I-TECH antes de reproduzir, adaptar ou extrair partes deste manual. Março 2008 I-TECH

Formulação dos Objectivos de Aprendizagem Efectivos

Formulação dos Objectivos de Aprendizagem Efectivos G U I Ã O D E I M P L E M E N T A Ç Ã O T É C N I C A # 4 Formulação dos Objectivos de Aprendizagem Efectivos Os Guiões de Implementação Técnica da I-TECH são uma série de documentos práticos e educativos

Leia mais

Cap. 3. A errar também se aprende

Cap. 3. A errar também se aprende Cap. 3. A errar também se aprende O erro cometido pelo aluno constitui um fenómeno familiar ao professor. Está presente no quotidiano da sala de aula e surge através de produções orais ou escritas dos

Leia mais

BEM VINDO À AMWAY. Guia do participante

BEM VINDO À AMWAY. Guia do participante BEM VINDO À AMWAY Guia do participante Esta página foi deixada intencionalmente em branco. Sumário Seção 1: O conteúdo de hoje Introdução do curso 1 O que estamos fazendo hoje? 2 O ciclo de aprendizado

Leia mais

MÉTODO DÁDER MANUAL DE ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO. Grupo de Investigação em Atenção Farmacêutica (CTS-131) Universidade de Granada

MÉTODO DÁDER MANUAL DE ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO. Grupo de Investigação em Atenção Farmacêutica (CTS-131) Universidade de Granada MÉTODO DÁDER MANUAL DE ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO Grupo de Investigação em Atenção Farmacêutica (CTS-131) Universidade de Granada Grupo de Investigação em Atenção Farmacêutica. Universidade de Granada

Leia mais

KIT DE FERRAMENTAS. 2a EDIÇÃO

KIT DE FERRAMENTAS. 2a EDIÇÃO KIT DE FERRAMENTAS 2a EDIÇÃO Introdução 2a EDIÇÃO 1 H C D Introdução Human Centered Design Você Está Procurando... Inovar na base da pirâmide social? Entrar em uma nova região? Adaptar tecnologias à sua

Leia mais

Capítulo 10: Monitorização e Avaliação (M&A) GUIA

Capítulo 10: Monitorização e Avaliação (M&A) GUIA Capítulo 10: Monitorização e Avaliação (M&A) GUIA Foto de capa: Susan Thubi, oficial de saúde na clínica de Nazareth Holy Family em Limuru, no Quénia, verifica o registo dos pacientes que visitaram o centro

Leia mais

Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos. Série de Formação Profissional n. º 06

Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos. Série de Formação Profissional n. º 06 Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos GENEBRA Série de Formação Profissional n. º 06 Formação em Direitos Humanos MANUAL SOBRE A METODOLOGIA DA FORMAÇÃO O EM DIREITOS HUMANOS Alto

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL CONTINUADO ALFABETIZAÇÃO. Módulo Alfabetizar com textos

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL CONTINUADO ALFABETIZAÇÃO. Módulo Alfabetizar com textos Ministério da Educação Secretaria de Educação Fundamental PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL CONTINUADO ALFABETIZAÇÃO Módulo Alfabetizar com textos Brasília 1999 Secretaria de Educação Fundamental

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE PROJETOS DA PAISAGEM PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE PROJETOS DA PAISAGEM PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE PROJETOS DA PAISAGEM PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES Currso:: Gesttão de Prrojjettos APOSTIILA maio, 2006 Introdução Conseguir terminar o

Leia mais

COMO ELABORAR UMA PESQUISA DE MERCADO

COMO ELABORAR UMA PESQUISA DE MERCADO COMO ELABORAR UMA PESQUISA DE MERCADO 3 4 2005 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas Gerais Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial, de qualquer forma ou

Leia mais

Manual de Trabalho de Campo ASEG. Programa de Análise Sócio-Económica e de Género. Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura

Manual de Trabalho de Campo ASEG. Programa de Análise Sócio-Económica e de Género. Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Manual de Trabalho de Campo ASEG Programa de Análise Sócio-Económica e de Género Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura As referências feitas nesta publicação e a apresentação

Leia mais

Investigações Matemáticas na Sala de Aula: Um Projecto Colaborativo 1

Investigações Matemáticas na Sala de Aula: Um Projecto Colaborativo 1 Investigações Matemáticas na Sala de Aula: Um Projecto Colaborativo 1 Hélia Oliveira Irene Segurado João Pedro da Ponte Maria Helena Cunha Este artigo apresenta o trabalho levado a cabo por um grupo colaborativo

Leia mais

EDIÇÃO ONLINE GRATUITA

EDIÇÃO ONLINE GRATUITA EDIÇÃO ONLINE GRATUITA Feito para você Cortesia da Este livro é distribuído gratuitamente no portal InfoQ.com. Se você recebeu este livro de qualquer outra fonte, por favor, suporte o autor e o editor

Leia mais

LEITURA, COMPREENSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS: Qual a relação? RESUMO

LEITURA, COMPREENSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS: Qual a relação? RESUMO LEITURA, COMPREENSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS: Qual a relação? 1 Juliana Simplicio de Melo 1 Silvia Sergina Silva dos Santos Maia 2 Kátia Leal Reis de Melo 3 RESUMO Este trabalho busca investigar

Leia mais

O que é Design de Interação?

O que é Design de Interação? CAPÍTULO 1 O que é Design de Interação? 1.1 Introdução 1.2 Um bom e um mau design 1.2.1 O que projetar 1.3 O que é design de interação? 1.3.1 Breve história do design de interação 1.3.2 Trabalhando juntos

Leia mais

1. Desenvolvimento na Primeira Infância (DPI) é: O período de mais acelerado desenvolvimento na vida humana

1. Desenvolvimento na Primeira Infância (DPI) é: O período de mais acelerado desenvolvimento na vida humana Introdução ao Desenvolvimento na Primeira Infância Duzentas milhões de crianças em todo o mundo não estão a alcançar o seu potencial de desenvolvimento. Garantir um início de vida sólido para as crianças

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE VENDAS

COMO ELABORAR UM PLANO DE VENDAS COMO ELABORAR UM PLANO DE VENDAS COMO ELABORAR UM PLANO DE VENDAS 3 4 2007 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas Gerais Nenhuma parte ou todo desta publicação poderá ser reproduzido -

Leia mais

CIF. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Classificação Detalhada com definições

CIF. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Classificação Detalhada com definições Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde Classificação Detalhada com definições Todas as categorias com as suas definições, inclusões e exclusões Organização Mundial da Saúde

Leia mais

POBREZA E BEM-ESTAR EM MOÇAMBIQUE: SEGUNDA AVALIAÇÃO NACIONAL

POBREZA E BEM-ESTAR EM MOÇAMBIQUE: SEGUNDA AVALIAÇÃO NACIONAL POBREZA E BEM-ESTAR EM MOÇAMBIQUE: SEGUNDA AVALIAÇÃO NACIONAL Março de 2004 Direcção Nacional do Plano e Orçamento, Ministério de Plano e Finanças Gabinete de Estudos, Ministério de Plano e Finanças Instituto

Leia mais

Como Elaborar um Plano de Negócios: O SEU GUIA PARA UM PROJECTO DE SUCESSO

Como Elaborar um Plano de Negócios: O SEU GUIA PARA UM PROJECTO DE SUCESSO Como Elaborar um Plano de Negócios: O SEU GUIA PARA UM PROJECTO DE SUCESSO Como Elaborar um Plano de Negócios Ao pensar em procurar um parceiro de Capital de Risco, um empreendedor necessita de estruturar

Leia mais

Guia do Scrum. Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo. Julho de 2013. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland

Guia do Scrum. Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo. Julho de 2013. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Guia do Scrum Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo Julho de 2013 Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Jeff Sutherland Í ndice O propósito do Guia do Scrum... 3 Definição do Scrum...

Leia mais

Como planificar e gerir um serviço de referência

Como planificar e gerir um serviço de referência No.28, Abr Jun. 2007 Como planificar e gerir um serviço de referência Sérgio Filipe Agostinho Mangas Bibliotecário responsável pela Biblioteca Municipal de Figueiró dos Vinhos, Portugal sergiomangas@gmail.com

Leia mais

"ENSINAR É APENAS AJUDAR A APRENDER"

ENSINAR É APENAS AJUDAR A APRENDER "Podemos e devemos tratar a educação como uma ciência. Eu encaro os dados das minhas experiências laboratoriais da mesma maneira que trato os resultados das minhas aulas, que também são um laboratório",

Leia mais

DICAS PRÁTICAS PARA QUEM PENSA EM INVESTIR NUMA FRANQUIA

DICAS PRÁTICAS PARA QUEM PENSA EM INVESTIR NUMA FRANQUIA Marcelo Cherto PRESIDENTE DO GRUPO CHERTO www.cherto.com.br www.franchisestore.com.br DICAS PRÁTICAS PARA QUEM PENSA EM INVESTIR NUMA FRANQUIA O emprego é um animal em extinção Some-se à Globalização

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA. Progressos e Desenvolvimentos 2005 2010

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA. Progressos e Desenvolvimentos 2005 2010 INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA Progressos e Desenvolvimentos 2005 2010 INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA PROGRESSOS E DESENVOLVIMENTOS 2005 2010 European Agency for Development in Special Needs Education

Leia mais

Prevenção e Controlo da Malária Durante a Gravidez

Prevenção e Controlo da Malária Durante a Gravidez Prevenção e Controlo da Malária Durante a Gravidez Workshop para Profissionais de Saúde Factos sobre a Malária 250 milhões de casos por ano em todo o mundo 9 em cada 10 casos registam-se em África Em África,

Leia mais

fazendo minha história Guia de ação para o trabalho em grupos

fazendo minha história Guia de ação para o trabalho em grupos fazendo minha história Guia de ação para o trabalho em grupos 1 fazendo minha história Guia de ação para o trabalho em grupos apresentação Estar em grupo nos dá a sensação de estarmos mais vivos. Pelo

Leia mais

Metodologia para Implementação de Programas de Bem-estar e Qualidade de Vida

Metodologia para Implementação de Programas de Bem-estar e Qualidade de Vida Metodologia para Implementação de Programas de Bem-estar e Qualidade de Vida Alberto Ogata e Sâmia Simurro Adaptado de Guia Prático de Qualidade de Vida Como planejar e gerenciar o melhor programa para

Leia mais

Minha Busca por Emprego

Minha Busca por Emprego Minha Busca por Emprego AUTOSSUFICIÊNCIA INTRODUÇÃO SERÁ QUE ESTE GRUPO VAI ME AJUDAR A ENCONTRAR UM EMPREGO? Nem sempre é fácil encontrar emprego, mas este grupo de autossuficiência vai ajudá- lo a aprender

Leia mais