Reforma da Lei de Defesa da Concorrência Gesner Oliveira

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reforma da Lei de Defesa da Concorrência Gesner Oliveira"

Transcrição

1 Reforma da Lei de Defesa da Concorrência Gesner Oliveira Brasília, 14 de abril de 2009 CAE, Senado Federal

2 Três pontos Defesa da concorrência ganhou importância crescente nas últimas duas décadas Defesa da concorrência estimula o crescimento e o investimento Reforma da lei de defesa da concorrência deve visar o tempo econômico, a segurança jurídica e a difusão da cultura da concorrência

3 Sumário 1. Introdução 2. Importância da defesa da concorrência no Brasil 3. Proposta de reforma

4 1. Introdução

5 Três fases em quase meio século de defesa da concorrência no Brasil... 30s Criação do CADE Modelo fechado Redemocratização Criação da SNDE Criação do sistema CADE/SDE/SEAE Transição PL06 - reforma do CADE Modelo aberto

6 A reforma da defesa da concorrência em perspectiva histórica... LEI ÓRGÃOS CADE SNDE CADE CADE SDE SEAE CADE SEAE ÂMBITO Conduta Conduta Conduta Controle de estrutura ex post Conduta Controle de estrutura ex ante AUTONOMIA - - Cade torna-se mais independente: mandato de dois anos com recondução Cade tem independência reforçada: mandato de quatro anos sem recondução

7 2. Importância da defesa da concorrência no Brasil

8 Práticas anti-competitivas representam um grande obstáculo para a operação e crescimento do seu negócio? Região Práticas anti-competitivas representam um grande obstáculo (% das firmas) Leste Asiático & Pacífico 22,25 Europa & Ásia Central 19,60 América Latina & Caribe 50,88 Oriente Médio & Norte da África 30,45 Sul da Ásia 14,67 África sub-sahaariana 32,04 Fonte: Banco Mundial

9 Defesa da concorrência não interessa apenas aos países ricos... IDH Canadá Brasil China Indonésia Fonte: Banco Mundial Ambiente competitivo percebido pelas firmas

10 Três mudanças explicam a importância crescente da defesa da concorrência no Brasil Desestatização de segmentos de infraestrutura Maior integração à economia mundial Estabilização dos preços

11 Evolução das fusões e aquisições no Brasil Fonte: KPMG

12 Elevado número de atos de concentração julgados no Cade Fonte: CADE

13 Processos administrativos julgados no Cade Fonte: CADE

14 Ações concorrenciais não se restringem aos processos administrativos... Outros normativos são importantes (exemplo: reforma da lei de licitações) Regulação dos setores de infra-estrutura pode ser decisiva Política de compras das empresas

15 Daí a importância que projeto dá à promoção da concorrência... - papel da SEAE - promoção da concorrência pelo CADE

16 Três casos concretos de estímulo à concorrência mediante política empresarial 1. Inversão de fases 2. Pregão Eletrônico 3. Compartilhamento de registro de preços

17 Um exemplo da Sabesp: estímulo à concorrência mediante inversão de fases e pregão...

18 Nota: Dados de compras do período Poder de Mercado: Sabesp tem poucos fornecedores para seus principais produtos... Produto Fornecedores Principal Fornecedor (%) Tubo de Ferro Fundido 1 100% Cloro 1 100% Nitrato de Amônio 1 100% Sulfato Férrico 2 70,4% Hidrômetros 4 56,0% Sulfato de Alumínio 2 55,6% Cal Virgem 4 42,9%

19 3. Análise da reforma do sistema brasileiro de defesa da concorrência

20 Diagnóstico dos problemas amadureceu... Principais problemas Morosidade Julgamentos a posteriori Capacidade de fazer valer as decisões

21 Evolução do tempo médio de julgamento do Cade ( ) Fonte: CADE

22 Efeitos econômicos da reforma: benefícios Nova estrutura diminui sobreposição de tarefas e número de guichês Aprovação prévia de atos de concentração e decisões rápidas em casos simples Aparelhamento institucional deve aumentar capacidade de fazer valer as decisões(art. 125) Introdução gradual da lei mediante vacatio legis de 180 dias (art. 129)

23 Relembrando os três pontos Defesa da concorrência ganhou importância crescente nas últimas duas décadas Defesa da concorrência estimula o crescimento e o investimento Reforma da lei de defesa da concorrência deve visar o tempo econômico, a segurança jurídica e a difusão da cultura da concorrência

24 Muito obrigado!

25 Inversão de fases ganho de tempo econômico A utilização da inversão de fases diminui o tempo médio de licitação de 180 dias para 120 dias A aceleração do processo de contratação estimula o investimento

26 Exemplo concreto de estímulo à concorrência: registro de preços compartilhado (RPC)...

27 Diretrizes concorrenciais para compras: pregão eletrônico Desde 2004 a Sabesp já economizou mais de R$ 300 milhões devido à utilização do pregão eletrônico. A queda média nos preços é de 10%. A Sabesp fomenta a concorrência no mercado de insumos ao promover o registro compartilhado de preços;

José Antonio Marciano

José Antonio Marciano Sistema de Pagamentos de Varejo José Antonio Marciano Pro Teste São Paulo abril/2008 1 Agenda Sistema de Pagamentos de Varejo Política e Papel do Banco Central Diagnóstico Ações Próximos passos 2 Sistema

Leia mais

O PAPEL DO DIREITO NAS RELAÇÕES DE MERCADO

O PAPEL DO DIREITO NAS RELAÇÕES DE MERCADO O PAPEL DO DIREITO NAS RELAÇÕES DE MERCADO Direito econômico Baseado em fatos econômicos para criar suas regras; Existe necessidade de legislação; Só é considerado Direito econômico se obedecer as seguintes

Leia mais

O futuro do saneamento no Brasil 2º Congresso Brasileiro do PVC Gesner Oliveira Presidente

O futuro do saneamento no Brasil 2º Congresso Brasileiro do PVC Gesner Oliveira Presidente O futuro do saneamento no Brasil 2º Congresso Brasileiro do PVC Gesner Oliveira Presidente São Paulo, 19 de junho de 2007 O objeto que representa a civilização e o progresso não é o livro, o telefone,

Leia mais

Direito Concorrencial e Regulação do Setor Financeiro

Direito Concorrencial e Regulação do Setor Financeiro Direito Concorrencial e Regulação do Setor Financeiro Juliano Souza de Albuquerque Maranhão Universidade de São Paulo Sampaio Ferraz Advogados (jm@sampaioferraz.com.br) Agenda 1. Momento institucional:

Leia mais

GESTÃO PLANEJAMENTO E PROPOSTAS. Alexandre Barreto de Souza Presidente do Cade

GESTÃO PLANEJAMENTO E PROPOSTAS. Alexandre Barreto de Souza Presidente do Cade GESTÃO 2017-2020 PLANEJAMENTO E PROPOSTAS Alexandre Barreto de Souza Presidente do Cade 5 anos da Lei 12.529/2011 e o Legado das gestões anteriores O atual desenho institucional da autoridade antitruste

Leia mais

XAVIER, BERNARDES, BRAGANÇA, Sociedade de Advogados QUESTÕES ATUAIS SOBRE A APLICAÇÃO EFETIVA DA REGULAMENTAÇÃO, POLÍTICA

XAVIER, BERNARDES, BRAGANÇA, Sociedade de Advogados QUESTÕES ATUAIS SOBRE A APLICAÇÃO EFETIVA DA REGULAMENTAÇÃO, POLÍTICA , Sociedade de Advogados QUESTÕES ATUAIS SOBRE A APLICAÇÃO QuickTime and a TIFF (Uncompressed) decompressor are needed to see this picture. EFETIVA DA REGULAMENTAÇÃO, POLÍTICA QuickTime and a TIFF (Uncompressed)

Leia mais

Curso de Inverno NEDEP/UFRGS 2011

Curso de Inverno NEDEP/UFRGS 2011 Curso de Inverno NEDEP/UFRGS 2011 Interfaces entre Direito e Economia nas Políticas de Defesa da Concorrência jabmz.jabmz@gmail.com jose.antonio.ziebarth@usp.br jose.antonio.ziebarth@fgv.br II Curso de

Leia mais

ABRAFATI Freddy Carrillo Presidente da Sherwin-Williams Brasil Presidente do Conselho Diretivo da ABRAFATI

ABRAFATI Freddy Carrillo Presidente da Sherwin-Williams Brasil Presidente do Conselho Diretivo da ABRAFATI ABRAFATI 2017 Freddy Carrillo Presidente da Sherwin-Williams Brasil Presidente do Conselho Diretivo da ABRAFATI agenda Ambiente de Negócios Brasil Evolução Mercado Tintas Brasil Comparativo América Latina

Leia mais

Abertura de capital estrangeiro das empresas aéreas brasileiras: Uma análise antitruste

Abertura de capital estrangeiro das empresas aéreas brasileiras: Uma análise antitruste Abertura de capital estrangeiro das empresas aéreas brasileiras: Uma análise antitruste Luiz A. Esteves (Economista-Chefe do CADE) Brasília, 21 de Setembro de 2015 Sumário da Apresentação Objetivo e Motivação

Leia mais

POTENCIAL E PERSPECTIVAS DE FLORESTAS PLANTADAS NOS TROPICOS

POTENCIAL E PERSPECTIVAS DE FLORESTAS PLANTADAS NOS TROPICOS ATUAÇÃO GLOBAL POTENCIAL E PERSPECTIVAS DE FLORESTAS PLANTADAS NOS TROPICOS Ivan Tomaselli stcp@stcp.com.br VII CONGESSO INTERNATIONAL DE COMPENSADOS E MADEIRA TROPICAL BELÉM- OUTUBRO 2007 ASPECTOS ABORDADOS

Leia mais

O que precisa de ser feito para colocar o Brasil no radar dos investidores internacionais

O que precisa de ser feito para colocar o Brasil no radar dos investidores internacionais O que precisa de ser feito para colocar o Brasil no radar dos investidores internacionais ENIC, SALVADOR Setembro, 2015 kpmg.com.br 2014 KPMG Structured Finance S. A., uma sociedade anônima brasileira

Leia mais

Contratos Associativos. Vinícius Marques de Carvalho Presidente do Cade

Contratos Associativos. Vinícius Marques de Carvalho Presidente do Cade Contratos Associativos Vinícius Marques de Carvalho Presidente do Cade Setembro de 2014 Contratos Associativos na Lei nº 12.529/2011 Art. 90. Para os efeitos do art. 88 desta Lei, realiza-se um ato de

Leia mais

VERSÃO PÚBLICA ALL América Latina Logística S.A. ("ALL")

VERSÃO PÚBLICA ALL América Latina Logística S.A. (ALL) Ministério da Justiça MJ Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE SEPN 515 Conjunto D, Lote 4 Ed. Carlos Taurisano, 2º andar Bairro Asa Norte, Brasília/DF, CEP 70770 504 Telefone: (61) 3221 8438

Leia mais

Regulação e Antitruste no Setor Portuário frente às inovações da Lei n /13 Victor Oliveira Fernandes

Regulação e Antitruste no Setor Portuário frente às inovações da Lei n /13 Victor Oliveira Fernandes Regulação e Antitruste no Setor Portuário frente às inovações da Lei n. 12.815/13 Victor Oliveira Fernandes Regulação e Concorrência: o planejamento de mercados Aproximações e distanciamentos Importância

Leia mais

Tecnologias e Interoperabilidade no Transporte Ferroviário

Tecnologias e Interoperabilidade no Transporte Ferroviário Tecnologias e Interoperabilidade no Transporte Ferroviário Guilherme Quintella Chairman UIC South America 13 de Setembro de 2012 UIC União Internacional de Ferrovias» Fundada em 1922 com sede em Paris»

Leia mais

ESTUDO DESCRITIVO AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS (ANP)

ESTUDO DESCRITIVO AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS (ANP) AVM Faculdade Integrada MBA em Regulação Pedro Henrique de Moraes Papastawridis ESTUDO DESCRITIVO AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS (ANP) Rio de Janeiro 2016 AVM Faculdade Integrada

Leia mais

Desde 2001 Conta hoje com. Desde 1996 Conta hoje com. Empresas associadas. Empresas associadas

Desde 2001 Conta hoje com. Desde 1996 Conta hoje com. Empresas associadas. Empresas associadas Desde 1996 Conta hoje com 14 Empresas associadas Desde 2001 Conta hoje com 125 Empresas associadas Temas Estratégicos ABCON 2016 1 SEGURANÇA JURÍDICA: uma proposta para o compartilhamento

Leia mais

Art. 37, XXI, CF. Disciplina: Direito Administrativo Professor: Rodrigo Bordalo

Art. 37, XXI, CF. Disciplina: Direito Administrativo Professor: Rodrigo Bordalo Art. 37, XXI, CF (...) as obras, serviços, compras e alienações serão contratados mediante processo de licitação pública que assegure igualdade de condições a todos os concorrentes (...) Art. 37, XXI,

Leia mais

CARTÉIS NA REVENDA DE COMBUSTÍVEIS

CARTÉIS NA REVENDA DE COMBUSTÍVEIS ARTHUR VILLAMIL Doutor em Direito da Concorrência pela UFMG Mestre em Direito Econômico pela UFMG Advogado do Departamento Jurícido Cível/Comercial do Minaspetro Advogado da Fecombustíveis em Direito Econômico

Leia mais

Aspectos concorrenciais do mercado de GLP

Aspectos concorrenciais do mercado de GLP Aspectos concorrenciais do mercado de GLP A importância do poder regulatório da ANP e o mercado de GLP Brasília, 05 de junho de 2008 Gesner Oliveira Fundação Getúlio Vargas Pedro Scazufca Universidade

Leia mais

Instituto de Estudos e Marketing Industrial. Pesquisa de Mercado - Estudos Setoriais - Assessoria Empresarial - Publicações

Instituto de Estudos e Marketing Industrial. Pesquisa de Mercado - Estudos Setoriais - Assessoria Empresarial - Publicações Instituto de Estudos e Marketing Industrial Pesquisa de Mercado - Estudos Setoriais - Assessoria Empresarial - Publicações Apresentação Brasil Móveis 2006 Relatório Setorial da Indústria de Móveis no Brasil

Leia mais

Nova Lei do Gás Desafios e Oportunidades da Regulação

Nova Lei do Gás Desafios e Oportunidades da Regulação Nova Lei do Gás Desafios e Oportunidades da Regulação Felipe Kury Diretor ABDIB Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base 11 de dezembro de 2017 Agenda 1- Visão de um Modelo Concorrencial

Leia mais

Relatório Técnico: Junho/2016. Digitalização e Geração de Empregos PESQUISA SOBRE DIGITALIZAÇÃO

Relatório Técnico: Junho/2016. Digitalização e Geração de Empregos PESQUISA SOBRE DIGITALIZAÇÃO Relatório Técnico: Junho/2016 Digitalização e Geração de Empregos PESQUISA SOBRE DIGITALIZAÇÃO SOBRE A EQUIPE TÉCNICA DA FUNDAÇÃO DOM CABRAL (FDC) COORDENAÇÃO TÉCNICA DA PESQUISA SOBRE DIGITALIZAÇÃO: Hugo

Leia mais

PLANO AQUARELA

PLANO AQUARELA PLANO AQUARELA 2007-2010 Evolução do Turismo no Mundo TABELA 1 TENDÊNCIAS DO TURISMO MUNDIAL - ENTRADA DE TURISTAS (MILHÕES) 2003 2004 2005 2006 Previsão 2010 Previsão 2020 MUNDO 694,0 764,0 806,0 842,0

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

28/04/2011. Cláudia Sousa Leitão NO MUNDO

28/04/2011. Cláudia Sousa Leitão NO MUNDO POLÍTICAS PÚBLICAS E ECONOMIA CRIATIVA Cláudia Sousa Leitão O ESTADO DA ARTE DA ECONOMIA CRIATIVA NO MUNDO 1 PANORAMA INTERNACIONAL DA ECONOMIA CRIATIVA EUROPA Criatividade como insumo para sistemas de

Leia mais

O papel da AICEP nas Feiras Internacionais. 20 de fevereiro de 2013

O papel da AICEP nas Feiras Internacionais. 20 de fevereiro de 2013 O papel da AICEP nas Feiras Internacionais 20 de fevereiro de 2013 Tópicos da apresentação 1. Feiras Internacionais no contexto da globalização 2. Papel da AICEP nas feiras internacionais 2.1 Organização

Leia mais

A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE. 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010

A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE. 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010 A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010 CONTEÚDO 1. PERFIL DO SETOR BRASILEIRO DE C&P 2. OVERVIEW DO SETOR BRASILEIRO DE C&P 3.

Leia mais

Capítulo 1 Direito Administrativo e Administração Pública...1

Capítulo 1 Direito Administrativo e Administração Pública...1 S u m á r i o Capítulo 1 Direito Administrativo e Administração Pública...1 1.1. Introdução e Conceito de Direito Administrativo... 1 1.2. Taxinomia do Direito Administrativo... 2 1.3. Fontes do Direito

Leia mais

PPP Summit 2013 Desafios vinculados à estruturação dos projetos de PPP: Condução dos estudos de viabilidade Tomás Anker

PPP Summit 2013 Desafios vinculados à estruturação dos projetos de PPP: Condução dos estudos de viabilidade Tomás Anker PPP Summit 2013 Desafios vinculados à estruturação dos projetos de PPP: Condução dos estudos de viabilidade Tomás Anker Maio, 2013 Agenda 1. Fundo PSP Brazil e o que fazemos 2. Estruturação: Critérios

Leia mais

Crescimento orgânico Crescimento por aquisições Fusão, incorporação, compra de ações

Crescimento orgânico Crescimento por aquisições Fusão, incorporação, compra de ações Crescimento orgânico Crescimento por aquisições Fusão, incorporação, compra de ações Crescimento interno (crescimento orgânico) Crescimento por aquisição Fusão de empresas Incorporação de empresas Aquisição

Leia mais

O RESULTADO DOS INVESTIMENTOS EM INOVAÇÃO NO BRASIL

O RESULTADO DOS INVESTIMENTOS EM INOVAÇÃO NO BRASIL O RESULTADO DOS INVESTIMENTOS EM INOVAÇÃO NO BRASIL Alvaro T. Prata Secretário Nacional de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação MCTIC Governo Federal Inovação e Negócios Tecnológicos Fórum ABINEE TEC

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06257/2008/DF COGCE/SEAE/MF Rio de Janeiro, 11 de novembro de 2008 Referência: Ofício nº 7146/2008/SDE/GAB, de 29 de outubro

Leia mais

À COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA DO SENADO FEDERAL

À COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA DO SENADO FEDERAL Carta Idec nº 259/2017/Coex São Paulo, 26 de setembro de 2017 À COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA DO SENADO FEDERAL Senado Federal Praça dos Três Poderes Brasília (DF) CEP 70165-900 Assunto:

Leia mais

ACORDOS DE LENIÊNCIA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

ACORDOS DE LENIÊNCIA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACORDOS DE LENIÊNCIA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES Antonio Carlos Rodrigues do Amaral, Ph.D. e EdM (USP), LL.M. e ITP (Harvard), LL.B. (Mackenzie) Professor de Estudos Avançados em Direito Constitucional da Faculdade

Leia mais

Produz: Açúcar, Etanol, Energia Elétrica, Levedura e Derivados (Biorigin)

Produz: Açúcar, Etanol, Energia Elétrica, Levedura e Derivados (Biorigin) Zilor Estratégias de Retenção e Desenvolvimento Sobre a Zilor Industria de energia e alimentos que transforma recursos agrícolas e naturais de maneira sustentável, comprometida com o desenvolvimento social

Leia mais

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti Reunião Mensal Plenária CIESP - Campinas Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil Prof. Dr. Fernando Sarti NEIT-IE IE-UNICAMP fersarti@eco.unicamp. @eco.unicamp.br Campinas, 18 de fevereiro de 2009

Leia mais

I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil:

I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil: I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil: Projeções e Reflexões Fonte: FMI G7: EUA. Alemanha, Japão,

Leia mais

A Nova Lei Antitruste e os Impactos em Operações de M&A

A Nova Lei Antitruste e os Impactos em Operações de M&A A Nova Lei Antitruste e os Impactos em Operações de M&A 29 de novembro de 2011 1 Índice I. Política de Concorrência no Brasil 03 II. O que são Atos de Concentração? 04 III. Critérios de Submissão da Lei

Leia mais

CADE PARCERIAS E ATUAÇÃO COORDENADA. Alexandre Barreto de Souza Presidente do Cade

CADE PARCERIAS E ATUAÇÃO COORDENADA. Alexandre Barreto de Souza Presidente do Cade CADE PARCERIAS E ATUAÇÃO COORDENADA Alexandre Barreto de Souza Presidente do Cade O Papel do Cade Zelar pela livre concorrência Normas de Regência: Lei 12.529/2011; Lei 8.884/1994; Regimento Interno; Resoluções

Leia mais

Mailing Fev/2017 Programa de Implantação de Compliance Concorrencial 1

Mailing Fev/2017 Programa de Implantação de Compliance Concorrencial 1 Federação Brasileira das Cooperativas de Anestesiologia Mailing Fev/2017 Programa de Implantação de Compliance Concorrencial 1 Com a palavra, o Compliance Officer! Eduardo Lamy, CO da FEBRACAN Apresento

Leia mais

28 de novembro de 2016

28 de novembro de 2016 Impactos sobre a Concorrência e a Regulação da Indústria do Gás Natural do Processo de Desinvestimento da Petrobras Superintendência de Comercialização e Movimentação de Petróleo, seus Derivados e Gás

Leia mais

COMPRAS GOVERNAMENTAIS: ANÁLISE DE ASPECTOS DA DEMANDA PÚBLICA POR EQUIPAMENTOS DE TELECOMUNICAÇÕES

COMPRAS GOVERNAMENTAIS: ANÁLISE DE ASPECTOS DA DEMANDA PÚBLICA POR EQUIPAMENTOS DE TELECOMUNICAÇÕES COMPRAS GOVERNAMENTAIS: ANÁLISE DE ASPECTOS DA DEMANDA PÚBLICA POR EQUIPAMENTOS DE TELECOMUNICAÇÕES Rodrigo Abdalla Filgueiras de Sousa João Maria de Oliveira Brasília, 28 de outubro de 2010. Objetivos,

Leia mais

Seminário Nacional NTU Lei Anticorrupção e Programa de Compliance. Lélis Marcos Teixeira

Seminário Nacional NTU Lei Anticorrupção e Programa de Compliance. Lélis Marcos Teixeira Seminário Nacional NTU - 2014 Lei Anticorrupção e Programa de Compliance Lélis Marcos Teixeira 28/agosto/2014 Iniciativas FETRANSPOR Lei 12.846/2013 Agenda Abertura Histórico Iniciativas Dúvidas Encerramento

Leia mais

Interferências e obstáculos na execução de obras de habitação e saneamento. Yves Besse Vice-presidente do conselho de administração

Interferências e obstáculos na execução de obras de habitação e saneamento. Yves Besse Vice-presidente do conselho de administração Interferências e obstáculos na execução de obras de habitação e saneamento Yves Besse Vice-presidente do conselho de administração Junho 2014 CAB ambiental Dados sobre Obras de saneamento Principais interferências

Leia mais

Comércio e Fluxo de Capital, seus Efeitos nas Contas Nacionais

Comércio e Fluxo de Capital, seus Efeitos nas Contas Nacionais Comércio e Fluxo de Capital, seus Efeitos nas Contas Nacionais Silvia Ferreira Marques Salustiano Tito Belchior Silva Moreira ** O presente trabalho faz uma análise voltada para o Brasil e para os países

Leia mais

- Exportação: US$ 13,7 bi, em valor, e média diária de US$ 652,6 milhões; sobre jan-14 (US$ 728,5 bilhões),

- Exportação: US$ 13,7 bi, em valor, e média diária de US$ 652,6 milhões; sobre jan-14 (US$ 728,5 bilhões), Janeiro / 2015 Resultados de Janeiro de 2015 - Exportação: US$ 13,7 bi, em valor, e média diária de US$ 652,6 milhões; sobre jan-14 (US$ 728,5 bilhões), redução de 10,4%, pela média diária; - Importação:

Leia mais

Norma Permanente Assunto: Política de Proteção da Livre Concorrência Código da Norma: NAD-40 Data da publicação: 01/09/2015

Norma Permanente Assunto: Política de Proteção da Livre Concorrência Código da Norma: NAD-40 Data da publicação: 01/09/2015 Página 1 de 5 Resumo: Estabelece as diretrizes e regras gerais para garantir a proteção da livre concorrência nas atividades da Duratex S.A. e suas subsidiárias (Organização). Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA

Leia mais

BRASIL E CHINA: COMPLEMENTARIDADES, RIVALIDADES E LIMITES DO DESENVOLVIMENTO Eduardo Costa Pinto Professor do Instituto de Economia da Universidade

BRASIL E CHINA: COMPLEMENTARIDADES, RIVALIDADES E LIMITES DO DESENVOLVIMENTO Eduardo Costa Pinto Professor do Instituto de Economia da Universidade BRASIL E CHINA: COMPLEMENTARIDADES, RIVALIDADES E LIMITES DO DESENVOLVIMENTO Eduardo Costa Pinto Professor do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro Rio de Janeiro, 2015 Estrutura

Leia mais

Seminário GVcev Varejo Virtual e Multicanal. Caso de sucesso em varejo multicanal: Magazine Luiza Flavio Dias Fonseca da Silva

Seminário GVcev Varejo Virtual e Multicanal. Caso de sucesso em varejo multicanal: Magazine Luiza Flavio Dias Fonseca da Silva Seminário GVcev Varejo Virtual e Multicanal Caso de sucesso em varejo multicanal: Magazine Luiza Flavio Dias Fonseca da Silva SOBRE A EMPRESA Foco em bens de consumo: Eletrônicos, eletrodomésticos, móveis,

Leia mais

ÁREA: CIÊNCIAS ECONÔMICAS EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL COM OS DEMAIS PAÍSES DO BRICS, NO PERÍODO DE 2008 A 2014

ÁREA: CIÊNCIAS ECONÔMICAS EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL COM OS DEMAIS PAÍSES DO BRICS, NO PERÍODO DE 2008 A 2014 ÁREA: CIÊNCIAS ECONÔMICAS EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL COM OS DEMAIS PAÍSES DO BRICS, NO PERÍODO DE 2008 A 2014 OLIVEIRA, Luiz Henrique 1 ROSA, Tatiana Diair L. Franco 2 As relações entre os

Leia mais

Criando uma Líder Global no setor de Cosméticos

Criando uma Líder Global no setor de Cosméticos Criando uma Líder Global no setor de Cosméticos 1 Visão Geral da Transação (CFO 5 min.) Racional Estratégico (CEO 10 min,) Destaques da The Body Shop (VP Internacional 15 min.) Perguntas e Respostas (30

Leia mais

POPULAÇÃO DO BRASIL NO CONTEXTO MUNDIAL

POPULAÇÃO DO BRASIL NO CONTEXTO MUNDIAL ARGUMENTO 2017 2º ANO E.M. MÓDULO 2 POPULAÇÃO DO BRASIL NO CONTEXTO MUNDIAL INTRODUÇÃO O estudo da população de qualquer área deve ser iniciado com a obtenção de informações sobre os valores de sua POPULAÇÃO

Leia mais

Atribuições da ANM: Compatibilização DNPM/ANM. Victor Hugo Froner Bicca Diretor-Geral do DNPM

Atribuições da ANM: Compatibilização DNPM/ANM. Victor Hugo Froner Bicca Diretor-Geral do DNPM Atribuições da ANM: Compatibilização DNPM/ANM Victor Hugo Froner Bicca Diretor-Geral do DNPM Brasília, 29 de junho de 2017 SUMÁRIO 1. Natureza Jurídica da ANM; 2. Autonomia Político-administrativa; 3.

Leia mais

Mercado Brasileiro de Software e Serviços Jorge Sukarie Neto Panorama e Tendências

Mercado Brasileiro de Software e Serviços Jorge Sukarie Neto Panorama e Tendências Mercado Brasileiro de Software e Serviços - 2013 Jorge Sukarie Neto jorge.sukarie@abes.org.br Panorama e Tendências A ABES PERFIL DAS EMPRESAS ASSOCIADAS - 1.478 Associados (*) - US$ 19,8 bilhões de dólares

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL Painel: Experiências bem-sucedidas em CT&I: das estratégias de financiamento à vanguarda na gestão empresarial

SEMINÁRIO INTERNACIONAL Painel: Experiências bem-sucedidas em CT&I: das estratégias de financiamento à vanguarda na gestão empresarial SEMINÁRIO INTERNACIONAL Painel: Experiências bem-sucedidas em CT&I: das estratégias de financiamento à vanguarda na gestão empresarial SÉRGIO PAUPÉRIO SÉRIO FILHO DEZEMBRO/2015 24 QUEM SOMOS De origem

Leia mais

BREVE ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS EM Informe 08/2013

BREVE ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS EM Informe 08/2013 Informe 08/2013 BREVE ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS EM 2012 Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais ABIROCHAS Avenida Paulista, 1313 8º andar sala 805 Bela

Leia mais

Regulação dos serviços de Saneamento Básico

Regulação dos serviços de Saneamento Básico Regulação dos serviços de Saneamento Básico José Bonifácio de Sousa Amaral Filho Diretor de Regulação Econômico-Financeira e Mercados Workshop Departamento de Infraestrutura - FIESP São Paulo, 16 de setembro

Leia mais

A expectativa de progresso para o relacionamento Nipo-Brasileiro O invariável interesse no país com desafios: O Brasil

A expectativa de progresso para o relacionamento Nipo-Brasileiro O invariável interesse no país com desafios: O Brasil A expectativa de progresso para o relacionamento Nipo-Brasileiro O invariável interesse no país com desafios: O Brasil Kotaro Horisaka, Universidade Sofia 1 Desafio do Brasil 2 O Novo Brasil Desenvolvimento

Leia mais

Saúde Suplementar Desafios e Perspectivas

Saúde Suplementar Desafios e Perspectivas Saúde Suplementar Desafios e Perspectivas José Carlos de Souza Abrahão Diretor Presidente São Paulo, 01 de setembro de 2016. Dimensão do Setor Suplementar (Brasil, Junho/2016) Beneficiários: 48,5 milhões

Leia mais

Imprensa Eletrônica. Caderno 02: CONTAS PÚBLICAS

Imprensa Eletrônica. Caderno 02: CONTAS PÚBLICAS NESTE VEICULO PODEM SER LIDOS TODOS OS ATOS OFICIAIS DO PREFEITURA DE Remanso-BA ANO VII EDIÇÃO 180 DOCUMENTO ASSINADO DIGITALMENTE CONFORME MP NO- 2.200-2 DE 24/08/2001, QUE INSTITUI A INFRAESTRUTURA

Leia mais

Comissão Paritária ACT 2016/2017. Plano de Saúde dos Empregados dos Correios. CorreiosSaúde

Comissão Paritária ACT 2016/2017. Plano de Saúde dos Empregados dos Correios. CorreiosSaúde Comissão Paritária ACT 2016/2017 Plano de Saúde dos Empregados dos Correios CorreiosSaúde Referência: ACT 2016/2017 Clausula 28 e PRT/PRESI 206/2016. Tema: Modelo de Gestão do Plano de Saúde Demanda: Comparar

Leia mais

CECORE GUN JUMPING. Barbara Rosenberg. 29 de maio de 2015

CECORE GUN JUMPING. Barbara Rosenberg. 29 de maio de 2015 CECORE GUN JUMPING Barbara Rosenberg 29 de maio de 2015 1 Análise Prévia de Atos de Concentração O controle dos atos de concentração é prévio, portanto: até a decisão final do CADE os atos não podem ser

Leia mais

Sistemas Regionais de Inovação Tecnologias Ambientais e o Desafio de Regiões Periféricas.

Sistemas Regionais de Inovação Tecnologias Ambientais e o Desafio de Regiões Periféricas. Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável 11 e 12 de Novembro, 2013 - Rio de Janeiro, Brasil Sistemas Regionais

Leia mais

O que o Sebrae pode fazer pelo seu negócio: desenvolvimento sustentável das MPE e fomentar o empreendedorismo.

O que o Sebrae pode fazer pelo seu negócio: desenvolvimento sustentável das MPE e fomentar o empreendedorismo. O que o Sebrae pode fazer pelo seu negócio: Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável das MPE e fomentar o empreendedorismo. Palestra: Oportunidade de Negócios para as MPE nas Compras

Leia mais

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2012

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2012 COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2012 1 Krugman & Obtstfeld (2005) Cap. 10 2 1. Industrialização como Meio para Superação do Subdesenvolvimento 2. Política de Substituição

Leia mais

CLIPPING EVENTO DO DIA 03/08 SOBRE A NOVA LEI DO CADE

CLIPPING EVENTO DO DIA 03/08 SOBRE A NOVA LEI DO CADE CLIPPING EVENTO DO DIA 03/08 SOBRE A NOVA LEI DO CADE 01 de agosto de 2012 Câmara de Comércio Americana do Rio promove debate sobre a nova Lei do Cade As modificações na chamada Lei do Cade serão discutidas

Leia mais

ANEXO 19 (para fins da Instrução CVM nº 481/09) AQUISIÇÃO DE CONTROLE

ANEXO 19 (para fins da Instrução CVM nº 481/09) AQUISIÇÃO DE CONTROLE 1. Descrever o negócio ANEXO 19 (para fins da Instrução CVM nº 481/09) AQUISIÇÃO DE CONTROLE Resposta: Em Acordo de Investimento celebrado em 22 de janeiro de 2010 ( Acordo de Investimento ), Odebrecht

Leia mais

PERCEPÇÃO DA SOCIEDADE SOBRE A QUALIDADE DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E A SUSTENTABILIDADE DOS NEGÓCIOS. Flávia Flamínio

PERCEPÇÃO DA SOCIEDADE SOBRE A QUALIDADE DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E A SUSTENTABILIDADE DOS NEGÓCIOS. Flávia Flamínio PERCEPÇÃO DA SOCIEDADE SOBRE A QUALIDADE DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E A SUSTENTABILIDADE DOS NEGÓCIOS Flávia Flamínio flavia@espm.br O MUNDO E AS EMPRESAS MUDARAM O AMBIENTE DE NEGÓCIOS DA EMPRESA Fornecedores

Leia mais

Painel: Casos de Inovação Tecnológica Bem Sucedidos. São Paulo Cidade da Inovação

Painel: Casos de Inovação Tecnológica Bem Sucedidos. São Paulo Cidade da Inovação Painel: Casos de Inovação Tecnológica Bem Sucedidos São Paulo Cidade da Inovação São Paulo 21_10_2013 INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA ESTRATÉGIA COMPETITIVA missão A missão da Anpei é: Estimular a Inovação Tecnológica

Leia mais

ATO DE CONCENTRAÇÃO. NEWCO Joint Venture SBT, Record e Rede TV! Alexandre Cordeiro

ATO DE CONCENTRAÇÃO. NEWCO Joint Venture SBT, Record e Rede TV! Alexandre Cordeiro ATO DE CONCENTRAÇÃO NEWCO Joint Venture SBT, Record e Rede TV! Alexandre Cordeiro APRESENTAÇÃO OBJETO DA NEWCO REGULAÇÃO vs CONCORRÊNCIA ASPECTOS CONCORRENCIAIS MERCADO RELEVANTE ATO DE CONCENTRAÇÃO PODER

Leia mais

Área de Insumos Básicos AIB

Área de Insumos Básicos AIB Área de Insumos Básicos AIB Departamento de Indústria de Base - DEINB Paulo Sergio Moreira da Fonseca Setembro de 2009 1 Nossa História! " #! $ %& '(! "! Áreas de atuação Inovação Cartão BNDES Infraestrutura

Leia mais

Resultados de Junho de 2014

Resultados de Junho de 2014 Junho / 2014 Resultados de Junho de 2014 - Exportação: US$ 20,5 bi, em valor, e média diária de US$ 1,023 bilhão; sobre mai-14, aumento de 3,6%, pela média diária; sobre jun-13, redução de 3,5%, pela média

Leia mais

Imprensa Eletrônica. Caderno 02: CONTAS PÚBLICAS

Imprensa Eletrônica. Caderno 02: CONTAS PÚBLICAS NESTE VEICULO PODEM SER LIDOS TODOS OS ATOS OFICIAIS DO MUNICÍPIO DE Mata Grande-AL ANO IX EDIÇÃO EXTRAORDINÁRIA DOCUMENTO ASSINADO DIGITALMENTE CONFORME MP NO- 2.200-2 DE 24/08/2001, QUE INSTITUI A INFRAESTRUTURA

Leia mais

Parte I Compreensão dos Fundamentos da Ciência Política, Estado, Governo e Administração Pública, 9

Parte I Compreensão dos Fundamentos da Ciência Política, Estado, Governo e Administração Pública, 9 Sumário Apresentação, xiii Estrutura do livro, xv Introdução, 1 Debate sobre Governo e Administração Pública, 1 Gestão Pública no Brasil, 3 Reforma e Modernização do Estado, 4 Papel do Estado no Mundo

Leia mais

Painel I. Painel II PREGÃO PRESENCIAL A LICITAÇÃO NA MODALIDADE PREGÃO

Painel I. Painel II PREGÃO PRESENCIAL A LICITAÇÃO NA MODALIDADE PREGÃO O curso Pregão Presencial Formação de Pregoeiro e Lei de Acesso a Informação tem o objetivo de capacitar os servidores e gestores públicos envolvidos na área e instrumentalizar os municípios para o seu

Leia mais

O desafio da produtividade

O desafio da produtividade O desafio da produtividade 21º Seminário Dia da Qualidade Caxias CIC Renato da Fonseca Caxias do Sul, RS, 20/07/2015 Roteiro 1. O estado da indústria e da economia brasileira 2. Baixa competitividade:

Leia mais

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI 2ª REUNIÃO DO COMITÊ DE LÍDERES DA MEI DE 2016 Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI Gilberto Peralta GE 13 de maio de 2016 MARCO INSTITUCIONAL Emenda Constitucional nº 85 Inserção da inovação

Leia mais

Cobertura de, aproximadamente, 7% do PIB mundial

Cobertura de, aproximadamente, 7% do PIB mundial São Paulo Brasil I Outubro 2015 Comércio e Investimento Comércio e Investimento Acordos comerciais em vigor Acordos comerciais assinados, que ainda não entraram em vigor Acordos de Cooperação em Investimento

Leia mais

SINDICATO NACIONAL DOS DOCENTES DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR

SINDICATO NACIONAL DOS DOCENTES DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR CIÊNCIA E TECNOLOGIA PÚBLICAS: CAMINHO PARA UMA SOCIEDADE IGUALITÁRIA 1. O Tema do Seminário: Religa a C&T aos seus condicionantes sociais Pressupõe que C&T deve ser colocada a serviço das amplas maiorias

Leia mais

Desafios da Gestão Florestal visando produção florestal sustentável. Tasso Rezende de Azevedo Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Desafios da Gestão Florestal visando produção florestal sustentável. Tasso Rezende de Azevedo Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Desafios da Gestão Florestal visando produção florestal sustentável Tasso Rezende de Azevedo Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro A Reforma do Setor Florestal Serviço Florestal Brasileiro Leitura

Leia mais

Experiência com o RDC

Experiência com o RDC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PROAD DEPARTAMENTO DE LICITAÇÕES - DPL Av. Desembargador Vitor Lima nº 222, 5º andar Florianópolis SC CEP 88040-400 Telefones: (48)

Leia mais

OS IMPACTOS ECONÔMICOS DA INATIVIDADE DA SAMARCO MINERAÇÃO RELATÓRIO DE RESULTADOS

OS IMPACTOS ECONÔMICOS DA INATIVIDADE DA SAMARCO MINERAÇÃO RELATÓRIO DE RESULTADOS OS IMPACTOS ECONÔMICOS DA INATIVIDADE DA SAMARCO MINERAÇÃO RELATÓRIO DE RESULTADOS SOBRE A SAMARCO 2 A Samarco é uma empresa brasileira de mineração, de capital fechado, que tem como produto principal

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria de Comércio Exterior

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria de Comércio Exterior Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior O comércio exterior brasileiro e o desempenho do setor industrial Welber Barral Secretário SÃO PAULO (SP), 27

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 12/06/2017 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Referências... 3 3 Princípios... 3 4 Diretrizes... 3 5 Responsabilidades... 7 6 Disposições

Leia mais

Tudo sobre o Lions. História Organização Serviço

Tudo sobre o Lions. História Organização Serviço Tudo sobre o Lions História Organização Serviço Lions Clubs International Destaques históricos 1917 Melvin Jones estabelece a Associação de Lions Clubes "Você não pode ir muito longe até que faça algo

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA E SUPRIMENTOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE LOGÍSTICA E SUPRIMENTOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE LOGÍSTICA E SUPRIMENTOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 Aprovada por meio da RES nº 261/2017, de 19/09/2017 Deliberação nº 075/2017, de 05/10/2017 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Referências...

Leia mais

As Esferas da Globalização

As Esferas da Globalização As Esferas da Globalização As quatro esferas da globalização Comercial Produtiva Financeira Tecnológica Esfera Comercial A idéia de globalização é um fenômeno sócioeconômico, que pode ser dividido em processos,

Leia mais

Antonio Huertas Presidente da MAPFRE

Antonio Huertas Presidente da MAPFRE ASSEMBLEIA GERAL DE ACIONISTAS PARA ONDE VAMOS? Antonio Huertas Presidente da MAPFRE 11 de março de 2016 Plano Estratégico 2016-2018 Áreas Regionais Compromissos Estratégicos Triênio 2 A nova estratégia

Leia mais

TEMA Nº 3: AGÊNCIAS REGULADORAS NO DIREITO BRASILEIRO

TEMA Nº 3: AGÊNCIAS REGULADORAS NO DIREITO BRASILEIRO TEMA Nº 3: AGÊNCIAS REGULADORAS NO DIREITO BRASILEIRO Modelo brasileiro A REGULAÇÃO NO BRASIL Compreende uma pluralidade de entes com função regulatória Entes reguladores em geral -> Autarquias comuns

Leia mais

Formação de Mão de Obra para o Brasil. Desafios na qualificação de pessoas para a Indústria de P&G

Formação de Mão de Obra para o Brasil. Desafios na qualificação de pessoas para a Indústria de P&G Formação de Mão de Obra para o Brasil Desafios na qualificação de pessoas para a Indústria de P&G Apresentado por Paulo Sérgio Rodrigues Alonso São Paulo, 19 de novembro de 2013 PLANO DE NEGÓCIOS E GESTÃO

Leia mais

Tecnologias Inovadoras para Impulsionar o Desenvolvimento do Setor

Tecnologias Inovadoras para Impulsionar o Desenvolvimento do Setor Tecnologias Inovadoras para Impulsionar o Desenvolvimento do Setor ALESSANDRO MORAES Diretor do Negócio de Infraestrutura para DOW América Latina Megatendências Influenciando o Segmento de Pinturas Consumo

Leia mais

Audiência Pública na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática. Brasília, 30 de junho de 2015

Audiência Pública na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática. Brasília, 30 de junho de 2015 Audiência Pública na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Brasília, 30 de junho de 2015 Associados p. 2 Associados Institucionais Setor de Tecnologia de Informação e Comunicação

Leia mais

UNCTAD WIR 2007 WORLD INVESTMENT REPORT SOBEET

UNCTAD WIR 2007 WORLD INVESTMENT REPORT SOBEET UNCTAD UNITED NATIONS CONFERENCE ON TRADE AND DEVELOPMENT WIR 2007 WORLD INVESTMENT REPORT LANÇAMENTO NO BRASIL: SOBEET SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS DE EMPRESAS TRANSNACIONAIS E DA GLOBALIZAÇÃO ECONÔMICA

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS (RDC) NA UFSC: UMA AÇÃO EFETIVA DE GESTÃO NA POLÍTICA INSTITUCIONAL DE LICITAÇÃO.

A IMPLANTAÇÃO DO REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS (RDC) NA UFSC: UMA AÇÃO EFETIVA DE GESTÃO NA POLÍTICA INSTITUCIONAL DE LICITAÇÃO. A IMPLANTAÇÃO DO REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS (RDC) NA UFSC: UMA AÇÃO EFETIVA DE GESTÃO NA POLÍTICA INSTITUCIONAL DE LICITAÇÃO. FOCO NA CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA. RICARDO

Leia mais

EVENTO DE LANÇAMENTO INVESTIMENTOS CHINESES NO BRASIL ( )

EVENTO DE LANÇAMENTO INVESTIMENTOS CHINESES NO BRASIL ( ) EVENTO DE LANÇAMENTO INVESTIMENTOS CHINESES NO BRASIL (2014-2015) O Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC) lançou o estudo Investimentos chineses no Brasil (2014-2015) em evento realizado em São Paulo,

Leia mais

As principais empresas produtoras e seus percentuais de produção no Brasil são:

As principais empresas produtoras e seus percentuais de produção no Brasil são: 24 O Brasil é o décimo quinto maior produtor de Minério de, com produção em de 4 mil toneladas. Em, o IBRAM estima que o País poderá atingir 45 mil toneladas. Espera-se um crescimento mais significativo

Leia mais

O BRASIL NO CONTEXTO MUNDIAL

O BRASIL NO CONTEXTO MUNDIAL O BRASIL NO CONTEXTO MUNDIAL BRASIL: PAÍS RICO OU POBRE??? Ao estudarmos a economia brasileira nos deparamos com uma série de incoerências: é atualmente a 6ª economia mundial; significativo parque industrial;

Leia mais

Novas Políticas Operacionais do BNDES - Apoio ao Setor de Petróleo e Gás

Novas Políticas Operacionais do BNDES - Apoio ao Setor de Petróleo e Gás Novas Políticas Operacionais do BNDES - Apoio ao Setor de Petróleo e Gás Mauricio dos Santos Neves Superintendente Área de Indústrias de Base Maio / 2017 Organização Interna Auditoria Interna Conselho

Leia mais

BNDES. Experiência do BNDES no Financiamento ao Setor de Bens de Capital. Fabio Stefano Erber Diretor. Jose Oswaldo Barros de Souza Superintendente

BNDES. Experiência do BNDES no Financiamento ao Setor de Bens de Capital. Fabio Stefano Erber Diretor. Jose Oswaldo Barros de Souza Superintendente Experiência do no Financiamento ao Setor de Bens de Capital Fabio Stefano Erber Diretor Jose Oswaldo Barros de Souza Superintendente Haroldo Fialho Prates Chefe do DEPIP 14 de junho de 2004 Atuação Estratégica

Leia mais