CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO TRANSPORTE COLETIVO INTERMUNICIPAL RODOVIÁRIO VALE DO PARAÍBA Vigência 1º de Maio de 2007 a 30 de Abril de 2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO TRANSPORTE COLETIVO INTERMUNICIPAL RODOVIÁRIO VALE DO PARAÍBA Vigência 1º de Maio de 2007 a 30 de Abril de 2008"

Transcrição

1 O SETPESP - SINDICATO DAS EMPRESAS DE TRANSPORTES DE PASSAGEIROS DO ESTADO DE SÃO PAULO, com sede à Avenida Paulista, 2073, 13 andar, edifício Horsa II, São Paulo SP, CEP , CNPJ / e registro CNES DNT - Processo nº 13786/41, livro 2 fls. 81 e SR 02795, representado por seu Presidente Robson Rodrigues, portador da Cédula de Identidade - RG e inscrito no CPF e o SINDICATO DOS TRABALHADORES EM TRANSPORTES RODOVIÁRIOS E ANEXOS DO VALE DO PARAÍBA, com sede à Rua Mário Sampaio Martins, 148, Jardim Valparaíso, em São José dos Campos - SP, CNPJ / e registro na AESB nº /90, representado por seu Presidente José Carlos de Souza, portador da Cédula de Identidade - RG e inscrito no CPF , firmam a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO nos seguintes termos: 1. INTRODUÇÃO 1.1. A Base Territorial da Convenção é a representada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários e Anexos do Vale do Paraíba, para os empregados das empresas: EMPRESA DE ÔNIBUS PÁSSARO MARRON LTDA; EXPRESSO DA MANTIQUEIRA LTDA, EXPRESSO REDENÇÃO TRANSPORTE E TURISMO LTDA, VIAÇÃO OITO IRMÃOS LTDA e RODOVIÁRIO E TURISMO SÃO JOSÉ LTDA A Modalidade de serviços abrangidos, é o realizado pelos empregados que trabalham no transporte interestadual e intermunicipal rodoviário de passageiros em ônibus, excluídos os que trabalham em serviço urbano ou suburbano, que são regidos em convenção própria. 2. REAJUSTE SALARIAL As partes acordam que os salários serão reajustados em 5% (cinco por cento), sendo 4% (quatro por cento) em 1º de maio de 2007 e 1% (um por cento) em 1º de janeiro de 2008, aplicáveis sobre os salários vigentes em 1 o de maio de 2006, compensadas as antecipações espontaneamente concedidas e as decorrentes de Lei Os novos salários terão vigência a partir de 1 o de maio de 2007 e 1º de janeiro de 2008, respectivamente As eventuais diferenças salariais, decorrentes dos reajustes referentes ao mês de maio e de junho, deverão ser pagas até a folha de julho, que é devida até o quinto dia útil de agosto de Os admitidos após a data base receberão proporcionalmente o mesmo reajuste, obedecendo a isonomia dos cargos excluídas as vantagens pessoais A duração normal da jornada de trabalho é de 8 horas diárias ou 44 horas semanais, não se aplicando portanto o disposto no art. 7 o, inciso XIV da Constituição Federal Piso Salarial - Fica instituído o piso mensal para motoristas do serviço intermunicipal rodoviário no valor de R$ 1.078,00 (um mil e setenta e oito reais) a partir de 1º de maio de 2007 e R$ 1.088,00 (um mil e oitenta e oito reais) a partir de 1º de janeiro de C.C.T. Inter-Rod Página 1 de 11

2 3. ADICIONAL NOTURNO O trabalho noturno será remunerado com adicional de 20% (vinte por cento) sobre o valor da hora normal, contadas as horas noturnas com a redução legal para 52 minutos e 30 segundos, independentemente da existência de turnos de revezamento. 4. CONTROLE DE HORÁRIOS As empresas ficam obrigadas a manter controle de horários para seus empregados, na forma da Lei Nos registros deverão constar o horário de apresentação ao trabalho conforme escalado, e o de encerramento, cumpridas as últimas obrigações No intervalo para repouso ou alimentação será registrado o tempo efetivamente desfrutado Poderão ocorrer até dois intervalos para repouso ou alimentação dentro da mesma jornada de trabalho, desde que a soma desses intervalos não ultrapasse a 3 (três) horas, prevalecendo nestes casos o estabelecido no 2º do art. 71 da CLT, para atender ao disposto na Portaria ARTESP 9 de , ou similares, que regulam paradas obrigatórias no percurso A escala de folgas dos motoristas e cobradores seguirá o sistema cinco por um, sendo cinco dias seguidos de trabalho e folga no sexto dia, ou sistema de folga semanal aos sábados ou domingos Quando a folga escalada coincidir com dias de demanda excessiva, como alguns feriados prolongados ou datas especiais, a empresa poderá convocar o empregado para o trabalho para atender esses serviços inadiáveis, pagando as respectivas horas trabalhadas em dobro Poderá ser utilizado outro sistema de escala de folga semanal, desde que respeitada a forma legal e que as folgas sejam divulgadas com antecedência mínima de trinta dias Os feriados trabalhados poderão ter folga compensatória no período de quinze dias, quando não utilizado o sistema cinco por um, acima mencionado. 5. HORAS EXTRAS As horas extraordinárias devidas serão pagas com acréscimo de 50% (cinqüenta por cento) sobre o valor da hora normal. Quando habituais, integrarão a remuneração dos empregados para efeitos de D.S.R., Férias, 13 o Salário, Aviso Prévio e F.G.T.S Ficam os empregadores desde logo autorizados a prorrogar e a compensar a jornada de trabalho, podendo os horários serem variáveis, não sendo necessária sua especificação, nem acordo individual. A compensação somente poderá ocorrer mediante formalização de acordo específico com o sindicato profissional, onde se estabeleçam prazos formas e condição Podem os empregadores estipular intervalos para repouso ou alimentação, com duração a partir de 15 minutos e até o máximo de três (3) horas Na hipótese prevista na sub-cláusula acima, não caberá remuneração do intervalo não utilizado de que trata o parágrafo 4º do art. 71 da CLT, considerando-se também atendido seu parágrafo 2º. C.C.T. Inter-Rod Página 2 de 11

3 5.4. No dia em que ocorrer mudança de escala do período da noite para o da manhã, limitado à ocorrência de uma vez por semana, o intervalo de 11 (onze) horas entre duas jornadas de trabalho poderá ser reduzido para até um mínimo de 8 (oito) horas, devendo as horas necessárias para completar o intervalo de 11 (onze) horas serem concedidas em outro dia, a título de compensação As empresas poderão adotar calendário diferenciado para apuração das horas extras e demais parcelas variáveis, considerando-se como tal o período, do dia 21 de um mês até 20 do seguinte. Tal calendário permitirá que as empresas processem suas folhas de pagamentos em tempo, valendo para todos efeitos perante os órgãos de fiscalização, ficando mantida a data de pagamento As condições avençadas nesta cláusula são justificadas pelas características de operação dos transportes rodoviários de passageiros, sujeitos a picos de horários e de demanda de serviços, visando o atendimento do interesse público Quando houver necessidade imperiosa de serviço, face à demanda de transporte, os empregados poderão trabalhar além da décima hora diária, devendo a empresa utilizar controle para evitar que o empregado exceda a 60 (sessenta) horas extras mensais, entretanto, se eventualmente ocorrer algum excesso, tal trabalho também deverá ser anotado nas fichas de controle de jornadas, devendo o respectivo pagamento, acrescido do adicional contratado, ocorrer na folha de pagamentos do próprio mês. 6. ALOJAMENTOS E REEMBOLSOS As partes estabelecem a título de alojamento, o seguinte critério: 6.1. As empresas manterão à disposição de seus empregados e motoristas, quando estes se encontrarem fora do local de sua base, alojamento adequado, sem ônus para os trabalhadores, destinado exclusivamente para descanso nos intervalos entre duas jornadas de trabalho, nos principais entroncamentos de suas linhas, competindo aos empregados que deles se utilizam, bem como ao empregador, velarem pela higiene e disciplina em tais locais, de forma a garantir o necessário repouso dos mesmos, obedecido o regulamento interno As empresas, quando não dispuserem de alojamentos próprios, darão ao motorista ou funcionários em viagem fora do local de sua base, alojamento, não integrando isto a sua remuneração para nenhum efeito O tempo despendido nos alojamentos para descanso entre duas jornadas de trabalho não poderá ser considerado como tempo à disposição do empregador As empresas fornecerão Vale Alimentação, na forma de cartão magnético ou equivalente, no valor de R$ 240,00 (duzentos e quarenta reais) mensais, cuja verba integra em substituição, a cesta básica que era fornecida em produtos e a alimentação que anteriormente era fornecida na forma de vale refeição ou diretamente em refeitórios próprios ou conveniados O Vale Alimentação deverá ser creditado no mesmo dia do pagamento do adiantamento quinzenal e as eventuais diferenças referentes a maio e junho deverão ser creditadas até o pagamento referente a julho/2007. C.C.T. Inter-Rod Página 3 de 11

4 6.6. O Vale Alimentação será fornecido durante o afastamento por doença ou acidentário, até o segundo mês de duração do afastamento O valor do vale alimentação, bem como o transporte gratuito, ainda que em local servido de transporte público, não terão qualquer conotação de natureza salarial, portanto não se incorporam à remuneração para quaisquer efeitos e não constituem base de incidência de contribuição previdenciária ou do FGTS. 7. DIA DE PAGAMENTO O pagamento do salário deverá ser feito até o quinto dia útil de cada mês subsequente ao vencido, incorrendo a empresa infratora em multa de um vigésimo de salário mínimo por dia, a favor de cada funcionário prejudicado. 8. ADIANTAMENTO As empresas fornecerão vale adiantamento de 40% (quarenta por cento) do salário nominal contratual, até 15 dias após o pagamento do salário. 9. PAGAMENTO ATRAVÉS DE BANCO Sempre que os salários forem pagos através de bancos, será assegurado ao empregado intervalo remunerado que não prejudique o andamento do serviço, sendo que esse intervalo não será incluído naquele destinado ao seu descanso, salvo se o crédito do salário for efetuado diretamente na contacorrente do funcionário. 10. DESCONTOS NOS SALÁRIOS Ficam vedados os descontos salariais a título de assalto, roubo, quebra de veículos ou peças e outras avarias ao patrimônio da empresa ou de terceiros, quando comprovado que o empregado não teve culpa para a ocorrência desses fatos As empresas poderão descontar da remuneração mensal do empregado, os valores por ele expressamente autorizados, para cobrir danos causados por sua culpa ou obrigações que tenha assumido. Os descontos poderão ser inclusive repassados a associação ou clube de empregados, cooperativas ou outras entidades, atendendo a mensalidades associativas, empréstimos, convênios, planos de assistência médica/odontológica, farmácias, óticas, supermercados, seguros, etc. A qualquer tempo o empregado poderá revogar a autorização de desconto, exceto por obrigações já assumidas e até a liquidação dos eventuais débitos. 11. DESCONTOS DECORRENTES DE MULTAS A empresa comunicará ao empregado a ocorrência de multas, apresentando cópia do auto de infração e as cópias dos documentos necessários ao recurso (documentos do veículo), desde que decorrente do exercício de sua atividade. Nesse caso, o empregado poderá solicitar a apresentação de recurso, no prazo de 5 (cinco) dias úteis, cabendo à empresa efetuar quaisquer descontos a esse título. O desconto do valor só poderá ocorrer após 30 dias da entrega dos documentos ao empregado, salvo caso de rescisão contratual. C.C.T. Inter-Rod Página 4 de 11

5 11.1. Em ocorrendo a rescisão do contrato de trabalho, será mantido o desconto referente à multa questionada, aguardando-se a decisão. Se a decisão for favorável ao empregado a empresa o ressarcirá no valor atualizado pela taxa referencial oficial O motorista primário na infração específica só será onerado da multa pelo seu valor normal. 12. COMPROVANTE DE PAGAMENTO Fica determinado o fornecimento obrigatório de comprovantes de pagamentos, contendo a identificação da empresa, bem como a discriminação de todas as parcelas pagas e descontos efetuados, ficando proibido os descontos genéricos. 13. INTERRUPÇÃO DO TRABALHO Quando as empresas suspenderem o trabalho de seus empregados por motivos técnicos para a execução de serviços de manutenção, ou falta de matéria-prima, não poderão exigir a compensação das horas faltantes, com horas extraordinárias ou em dias de férias, nem exigir que reponham as horas deixadas de trabalhar. 14. COMISSÕES As empresas pagarão ao motorista, comissão de 5% (cinco por cento) sobre o valor das passagens que ele vender no decorrer das viagens. 15. SALÁRIO ADMISSÃO Aos empregados admitidos para exercer a mesma função de outro, cujo contrato de trabalho tenha sido rescindido por qualquer motivo, será garantido o mesmo salário deste, excluídas as vantagens pessoais. 16. SALÁRIO SUBSTITUIÇÃO O trabalhador que venha a substituir outro em caráter não eventual e que perceba salário maior, por qualquer motivo, inclusive por rescisão contratual, receberá salário igual ao do trabalhador substituído, a partir da data da substituição, excluídas as eventuais vantagens pessoais. 17. GARANTIA AO EMPREGADO EM IDADE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO MILITAR As empresas concederão estabilidade ao trabalhador em idade de prestação de serviço militar, desde o alistamento e até 60 (sessenta) dias após a baixa ou dispensa da incorporação. 18. GARANTIA AO TRABALHADOR EM VIAS DE APOSENTADORIA Ficam asseguradas as garantias de emprego e de salário aos empregados que dependam de até dois anos para aquisição do tempo mínimo de serviço necessário à aposentadoria e que trabalhem na empresa por período igual ou superior a 5 (cinco) anos, condicionando-se, entretanto, à comprovação desse fato por escrito ao empregador, ressalvando-se a ocorrência de falta grave A comprovação deverá ser feita até 30 dias antes da aquisição do referido tempo. Caso não tenha feito essa comprovação, tal fato será informado no ato do recebimento de eventual aviso C.C.T. Inter-Rod Página 5 de 11

6 prévio, ficando o empregado liberado de seu cumprimento para providenciar os documentos comprobatórios. Se comprovar até o termo final do Aviso Prévio, este será cancelado; caso contrário a demissão será mantida, considerando-se como faltas os dias não trabalhados No caso de aviso prévio indenizado, haverá prazo de até 20 dias para comprovação, a partir da data determinada para homologação da rescisão, que ficará sustada durante esse período. 19. EMPREGADO ESTUDANTE O empregado estudante, cursando estabelecimento de ensino oficial, autorizado ou reconhecido, terá abonada a falta para prestação de exames escolares, quando realizados durante a jornada de trabalho desde que avise antecipadamente seu empregador, no prazo mínimo de 72 horas, sujeitando-se à comprovação posterior. 20. GARANTIA À GESTANTE Será garantida a estabilidade provisória à gestante, desde a confirmação da gravidez, levada a conhecimento da empresa na forma da lei, até 60 (sessenta) dias após o término da licença compulsória, salvo motivo de falta grave. 21. MÃES ADOTANTES As mães adotantes de recém-nascidos de até 06 meses de idade serão consideradas, para efeito das garantias previstas neste acordo, com os mesmos direitos das mães biológicas. 22. PARTICIPAÇÃO EM CONGRESSOS As empresas liberarão por 3 (três) dias os delegados sindicais no exercício de mandato para participarem do congresso anual da categoria, devendo os interessados comunicar o evento, por escrito, ao seu superior imediato, com antecedência mínima de 15 (quinze) dias. 23. RELAÇÃO DE EMPREGADOS Por ocasião do recolhimento da contribuição sindical, assistencial, confederativa ou mensalidade associativa, as empresas, juntamente com as guias de recolhimento, enviarão às entidades sindicais as relações dos empregados, contendo nomes, funções e valor descontado de cada um. 24. QUADRO DE AVISO Permissão à diretoria do sindicato profissional para proceder à colocação de avisos e comunicações, em local visível e acessível, condicionando-se a medida à prévia comunicação à empresa. 25. MENSALIDADES SINDICAIS Desde que observados os termos do Art. 545 da CLT, as empresas descontarão em folha de pagamento as mensalidades associativas em favor da entidade sindical profissional, procedendo o recolhimento em seu favor, até o 2 o dia útil após o pagamento dos salários. As empresas fornecerão mensalmente ao sindicato profissional, relação nominal dos empregados citando os valores descontados, bem como a relação dos empregados associados que não tiveram desconto no mês e a causa. C.C.T. Inter-Rod Página 6 de 11

7 26. PREENCHIMENTO DE FORMULÁRIOS À PREVIDÊNCIA SOCIAL A empresa deverá preencher a documentação exigida pelo INSS (atestado de afastamento e salários; declaração de atividade penosa, perigosa e insalubre, etc.), quando solicitado por escrito pelo trabalhador e fornecê-la, obedecendo o prazo máximo de 10 (dez) dias. 27. CARTEIRAS PROFISSIONAIS As empresas cuidarão para que sejam anotados, nas CTPS, os cargos efetivamente exercidos pelos empregados, respeitadas as estruturas de cargos e salários existentes nas mesmas, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, com observância do que estabelece o artigo 29 da CLT. 28. DOCUMENTOS Serão fornecidos aos empregados, quando da admissão, cópia do contrato de trabalho e bem assim na demissão, termo da rescisão contratual e outros pertinentes ao ato. 29. UNIFORMES Fica estabelecido o fornecimento gratuito de duas calças, quatro camisas e uma gravata de uniformes por ano para os motoristas e cobradores e bilheteiros. 30. ÁGUA POTÁVEL As empresas se obrigam a manter em suas instalações, água potável para consumo dos seus empregados. 31. SANITÁRIOS As empresas se obrigam a manter em suas instalações, os sanitários masculinos e femininos em condições de higiene. 32. ARMÁRIOS INDIVIDUAIS As empresas manterão armários individuais em suas instalações, para a guarda de roupas e pertences dos empregados, desde que a troca de roupa decorra de exigência da atividade desenvolvida pelo funcionário. 33. FÉRIAS Observado o disposto no artigo 7 o, XVII, da Constituição Federal vigente e no artigo 135 da CLT, as férias terão início em dias úteis. 34. AUXÍLIO FUNERAL No caso de falecimento do empregado, a empresa pagará ao dependente qualificado, a título de auxílio funeral e na época do óbito, o valor equivalente a três salários mínimos. C.C.T. Inter-Rod Página 7 de 11

8 35. INDENIZAÇÃO ADICIONAL AO AVISO PRÉVIO Na rescisão do contrato de trabalho, sem justa causa e por iniciativa da empresa, será paga uma indenização adicional ao aviso prévio, correspondente a 2 (dois) dias do salário contratual, por ano de serviço ou fração superior a seis meses. 36. GARANTIAS NA RESCISÃO CONTRATUAL As rescisões de contrato de trabalho, havendo o empregado prestado mais de 12 (doze) meses de serviços, serão preferencialmente homologadas na entidade sindical da categoria profissional, no prazo de 10 (dez) dias após o desligamento. 37. CIPA As eleições da CIPA serão conforme determinado na NR-5, da Portaria 3.214/78, em sua nova redação. 38. JUSTA CAUSA Em caso de dispensa por justa causa a empresa comunicará ao empregado, por escrito e contra recibo, cientificando-o dos motivos da dispensa, sob pena de gerar presunção de dispensa imotivada. 39. INDENIZAÇÃO APOSENTADORIA. As empresas pagarão ao empregado que conte no mínimo 8 (oito) anos de tempo de serviço ao se aposentar, na ocasião de seu desligamento da empresa, uma indenização adicional no valor de 2 (duas) vezes a sua remuneração contratual A indenização acima mencionada não será devida para os empregados que tiverem direito à multa rescisória do FGTS ao se desligar. 40. CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO E ESPECIALIZAÇÃO As entidades patronais comprometem-se a atuar junto ao SEST/SENAT, objetivando a contrapartida das taxas pagas para a realização de cursos de aperfeiçoamento e especialização aos trabalhadores do setor de transporte, correndo as despesas por conta do SEST/SENAT, coordenadas pelas entidades sindicais superiores laborais e patronais. As empresas fornecerão os valores mensalmente creditados por elas ao SEST/SENAT em complemento às informações da Cláusula 23 a, objetivando, também, a obtenção de contrapartidas de serviços pelo SEST/SENAT e de cursos específicos. 41. F.G.T.S. As empresas solicitarão aos Bancos depositários que forneçam semestralmente cópia do extrato do F.G.T.S. aos seus empregados. 42. AÇÃO DE CUMPRIMENTO A entidade sindical profissional poderá ajuizar ação de cumprimento em favor de toda a categoria profissional, na hipótese de violação de qualquer cláusula do presente acordo, independentemente C.C.T. Inter-Rod Página 8 de 11

9 da outorga de procuração por parte de seus representados, uma vez obedecida a legislação processual vigente. As partes acordantes assumem o compromisso de tentar solucionar quaisquer pendências resultantes deste acordo, a fim de evitar a propositura da ação. 43. CONTRIBUIÇÃO NEGOCIAL As empresas descontarão dos salários reajustados, cinco parcelas mensais, correspondentes a 1,5% (um e meio por cento) do salário base, a partir da primeira folha de pagamento com o salário reajustado. Fica ressalvado o direito de oposição do trabalhador, até dez dias antes do primeiro desconto a ser efetuado. Nos meses em que ocorrer o desconto assistencial, os associados ficarão isentos do pagamento das mensalidades associativas. a. O recolhimento do valor arrecadado será efetuado até o 2 o (segundo) dia útil após o pagamento dos salários. Qualquer atraso sujeitará as empresas ao pagamento de juros e correção monetária, além de multa de um salário mínimo por dia de atraso. b. Será de responsabilidade exclusiva da entidade sindical profissional, qualquer pedido de devolução, decorrente ou não de demandas diretas, administrativas ou judiciais, como também o pagamento de multas ou quaisquer outros ônus que decorram do desconto salarial estabelecido nesta cláusula. 44. MULTA Fica estipulada a multa de um vigésimo de salário mínimo para cada infração às cláusulas contidas neste acordo, revertendo o benefício a favor da parte prejudicada, com exceção daquelas que prevêem multa específica. 45. SEGURO DE VIDA EM GRUPO As empresas contratarão seguro de vida em grupo garantindo indenização única e total de R$ 5.000,00 (cinco mil reais), em caso de morte ou invalidez total permanente do empregado decorrente de acidente, sendo que, no caso de invalidez parcial, o valor será pago proporcionalmente, conforme tabela da SUSEP. A empresa que não contratar apólice de seguro responderá pelo pagamento Se o empregado manifestar por escrito e a empresa concordar, poderá ser contratado seguro em valor superior ao estipulado, cujo prêmio adicional será descontado do salário. 46. RECONHECIMENTO DA CONVENÇÃO Os termos e condições pactuados nesta norma coletiva deverão ser reconhecidos por todos, inclusive Fiscalização e Justiça do Trabalho, como estabelecido no art. 7º, Inciso XXVI, da Constituição Federal. 47. PROGRAMA DE PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS. As empresas pagarão Participação em Resultado para seus empregados, nos termos da Lei de 19/12/2000, que regulamenta o art. 7 º, inciso XI, da Constituição Federal, tendo como direito substantivo, o pagamento de duas parcelas de R$ 225,00 (duzentos e vinte e cinco reais) cada uma, totalizando R$ 450,00 (quatrocentos e cinqüenta reais) no período, sendo a primeira no mês de agosto/2007 e a segunda em fevereiro/2008, devendo ser realizado no mesmo dia do pagamento do C.C.T. Inter-Rod Página 9 de 11

10 adiantamento quinzenal destes dois meses. Como regra adjetiva, os empregados receberão o valor integral, independente de sua faixa salarial, inclusive os que estiverem em gozo de férias, respeitada a proporcionalidade por tempo de serviço relativa às admissões ou demissões ocorridas no período de 12 meses compreendido entre 01/05/07 e 30/04/ Nas hipóteses de admissão, de demissão sem justa causa ou de afastamento por auxílio doença, entre 01/05/07 e a data dos pagamentos, o empregado receberá participação de resultado proporcionalmente, reduzindo-se 1/12 (um doze avos) do valor para cada mês não trabalhado neste período, sendo que fração igual ou superior a 15 (quinze) dias de trabalho será havida como mês integral Para os admitidos após o pagamento das parcelas mencionadas, o pagamento do saldo a que tiver direito será em abril/2008, proporcional a este período, respeitando-se a mesma regra de proporcionalidade acima estabelecida. Os demitidos por justa causa não farão jus à participação A participação aqui estabelecida não integra a remuneração salarial do empregado para qualquer fim e não se lhe aplica o princípio da habitualidade. 48. APERFEIÇOAMENTO DA RELAÇÃO CAPITAL E TRABALHO Os Sindicatos, Profissional e Patronal, reunir-se-ão periodicamente, a fim de dirimirem conflitos resultantes da relação de capital e trabalho, eventualmente denunciados, bem como, os decorrentes do cumprimento do presente acordo. 49. CAFÉ DA MANHÃ A partir de 1º de agosto de 2007 as empresas fornecerão em suas garagens para seus motoristas e cobradores do primeiro turno, extensivo aos demais empregados que estiverem presentes, até as 08:00 horas, um café da manhã composto de leite, café, pão e manteiga. O tempo utilizado para tomar este café não será considerado como tempo integrante da jornada de trabalho, ficando ainda a critério de cada empregado tomar ou não referido café fornecido pelas empresas. 50. PLANO DE SAÚDE As empresas que ainda não dispõe de plano de saúde deverão implementá-lo até 1º de setembro de 2007 e torná-lo disponível para todos os empregados e seus dependentes que desejarem aderir, devendo o plano prover atendimento em hospitais e laboratórios, próprios ou conveniados, além de atendimento em consultórios Nestes novos planos as empresas deverão assumir parte do custo mensal, podendo optar por uma das duas formas seguintes: a. Assumir o subsídio mensal equivalente a 50% (cinqüenta por cento) do custo referente ao empregado e seus dependentes. b. Assumir o subsídio mensal equivalente a R$ 95,00 (noventa e cinco reais) por empregado que aderiu As empresas descontarão mensalmente dos salários o valor relativo à parte devida pelo empregado e seus dependentes. C.C.T. Inter-Rod Página 10 de 11

11 50.3. Nos casos de afastamento por motivo de doença ou acidente do trabalho o subsídio será mantido por até 12 (doze) meses, contados do início do afastamento, desde que o empregado continue a pagar mensalmente sua parte no plano, que será automaticamente cancelado no caso de sua inadimplência No caso da cláusula 50.3, como o INSS normalmente atrasa o pagamento aos afastados, será admitida carência de três meses no pagamento da parte devida pelo empregado ao plano de saúde, caso em que as empresas poderão descontar o valor acumulado devido do primeiro pagamento que tiver que realizar ao empregado, a qualquer título, inclusive rescisão contratual. 51. VIGÊNCIA O presente acordo é válido por um ano, entrando em vigor a partir de primeiro de maio de 2007, como data base, ficando revogadas todas as cláusulas constantes das normas coletivas anteriores. São Paulo, 03 de julho de Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários e Anexos do Vale do Paraíba. CNPJ / José Carlos de Souza (Presidente) RG , CPF Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado de São Paulo. CNPJ / Robson Rodrigues (Presidente) RG , CPF C.C.T. Inter-Rod Página 11 de 11

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002511/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053502/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.005004/2012-32 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 10 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001530/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022315/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.004377/2013-77 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2014-2015 DOS EMPREGADOS DA EMPRESA ADINOR INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ADITIVOS LTDA. 1ª Cláusula - REAJUSTE SALARIAL A Empresa reajustará o salário de seus empregados em 100% (cem

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000204/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/03/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR006500/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.002367/2015-27 DATA DO

Leia mais

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem.

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDIMVET SINDICATO DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO e SINPAVET SINDICATO PATRONAL DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÀO PAULO PERÍODO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2010/2011

CONVENÇÃO COLETIVA 2010/2011 CONVENÇÃO COLETIVA 2010/2011 Pelo presente instrumento particular, de um lado O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Publicidade do Estado do Paraná, com sede em Curitiba, no estado do Paraná, na

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001633/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017942/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001682/2013-16 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG004008/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR057851/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.008943/2011-67 DATA

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2009/2011

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2009/2011 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2009/2011 Que entre si celebram, de um lado, E de outro lado, SINDICATO DOS AEROVIÁRIOS DE PORTO ALEGRE, com sede na Rua Augusto Severo, 82 - Porto Alegre RS, CEP 90.240-480,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002716/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 16/11/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064091/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.006426/2015-78 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002515/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR038779/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004745/2014-77 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO 2008/2009

ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA E ATACADISTA DE VITÓRIA DA CONQUISTA ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA 01 DE MARÇO DE 2008 CONVENÇÃO COLETIVA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR034439/2012 SINDICATO DOS FARMACEUTICOS DO ESTADO DE M GROSSO DO SU, CNPJ n. 15.939.572/0001-08, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DOS TECNICOS EM SEGURANCA TRABALHO DO ESTADO DE MINAS GERAIS, CNPJ n. 25.578.642/0001-01, neste ato representado por seu Presidente, Sr. CLÁUDIO FERREIRA SANTOS;

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO SUSCITANTE: SINDICATO DOS PSICÓLOGOS NO ESTADO DE SÃO PAULO - SINPSI-SP, Entidade Sindical Profissional, com registro no MTb sob nº012.228.026.60-5 e inscrita no CNPJ/MF

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 Suscitante: Sindicato dos Enfermeiros do Estado de São Paulo, com sede à Rua Rondinha, 72/78, Chácara Inglesa, São Paulo, S.P, CEP: 04140-010, inscrito no CNPJ/MF

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001254/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017099/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006142/2011-57 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2012/2013

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2012/2013 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2012/2013 Que entre si celebram, de um lado, E de outro lado, SIMARJ SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS EMPRESAS DE TRANSPORTE AÉREO DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO, com sede

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP008188/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 28/07/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR044970/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46256.002785/2015-49 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2008/2009

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2008/2009 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2008/2009 SINTRAFOPOLIS/SETPESC Termo de CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, que fazem entre si, de um lado o SINDICATO DOS CONDUTORES DE VEÍCULOS, TRABALHADORES EM EMPRESAS

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000812/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 19/06/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017988/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.002440/2009-54 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 1/5 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES CULTURAIS, RECREATIVAS, DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, DE ORIENTAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NO ESTADO DO PARANÁ SENALBA/PR, CNPJ 75.992.446/0001-49,

Leia mais

Celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes:

Celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes: SINDICATO TRABALHADORES MOV MERC EM GERAL DE PASSOS, CNPJ n. 64.480.692/0001-03, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). Manoel Messias dos Reis Silva; E FEDERACAO DO COMERCIO DE BENS, SERVICOS

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2.008 / 2.009

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2.008 / 2.009 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2.008 / 2.009 Pelo presente instrumento particular, de um lado o SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ SITICOM -

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF CLÁUSULA PRIMEIRA VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: AM000540/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/10/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR066158/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46202.016710/2014-90 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 Termo de CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si fazem, o Sindicato dos Empregados em Edifícios e em Empresas de Compra, Venda Locação e Administração de Imóveis

Leia mais

1º Rol de negociação 2013 a 2014

1º Rol de negociação 2013 a 2014 1º Rol de negociação 2013 a 2014 Celebram entre si o SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE MATERIAIS PLÁSTICOS E SIMILARES DE CHAPECÓ E REGIÃO OESTE DE SANTA CATARINA com CNPJ Nº 80.623.929/0001-06,

Leia mais

FETIA ESP FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO CONVEÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

FETIA ESP FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO CONVEÇÃO COLETIVA DE TRABALHO FETIA ESP FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO CONVEÇÃO COLETIVA DE TRABALHO Entre as partes, de um lado, SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE PANIFICAÇÃO E CONFEITARIA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000637/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR004928/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001229/2011-48 DATA

Leia mais

SENAC/DF - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL

SENAC/DF - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL CAMPANHA SALARIAL - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SENAC-SERVICO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COM COMERCIAL-ADMINISTRACAO REGIONAL DO DF O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029594/2015 DATA E HORÁRIO DA TRANSMISSÃO: 21/05/2015 ÀS 15:50 SINDICATO DOS EMP NO COM DE CONSELHEIRO LAFAIETE, CNPJ n. 19.721.463/0001-70,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000276/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/02/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR005346/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.024928/2011-26

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF CLÁUSULA PRIMEIRA VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente Acordo Coletivo de Trabalho no período

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 7 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003924/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053747/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.011188/2014-31 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2011

CONVENÇÃO COLETIVA 2011 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA E ATACADISTA DE VITÓRIA DA CONQUISTA CONVENÇÃO COLETIVA 2011 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO PELO PRESENTE

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000145/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 31/01/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR080680/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.001357/2014-74 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG005003/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/12/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR079528/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.007490/2014-02 DATA

Leia mais

SINDICATO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM E EMPREGADOS EM

SINDICATO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM E EMPREGADOS EM CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO PARA VIGÊNCIA DE 1º DE FEVEREIRO DE 2.005 A 31 DE JANEIRO DE 2.006, CELEBRADA ENTRE O ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE DO ESTADO DO MARANHÃO-SINPEEES/MA E O SINDICATO DE HOSPITAIS,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000953/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029282/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009097/2013-02 DATA DO

Leia mais

SINDMINÉRIOS SANTOS. Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Minérios, Derivados de Petróleo e Combustíveis de Santos e Região.

SINDMINÉRIOS SANTOS. Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Minérios, Derivados de Petróleo e Combustíveis de Santos e Região. FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NO COMÉRCIO DE MINÉRIOS E DERIVADOS DE PETRÓLEO NO ESTADO DE SÃO PAULO 01 - REAJUSTE SALARIAL PAUTA DE REIVINDICAÇÕES SIREGÁS 2012/2013 As Empresas concederão, a todos os empregados

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON ANDRADE;

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: AM000415/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/09/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR044279/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46202.014239/2014-03 DATA

Leia mais

ILUSTRISSIMO DOUTOR DELEGADO REGIONAL DO TRABALHO DE SÃO PAULO SP.

ILUSTRISSIMO DOUTOR DELEGADO REGIONAL DO TRABALHO DE SÃO PAULO SP. ILUSTRISSIMO DOUTOR DELEGADO REGIONAL DO TRABALHO DE SÃO PAULO SP. O Sindicato dos farmacêuticos no Estado de São Paulo SINFAR, entidade sindical de primeiro grau, com Carta Sindical processo nº MTIC 362.322

Leia mais

Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho

Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho SINPEFESP-(empregados)-SINDELIVRE-(patronal) Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho 2014/2015. VIGÊNCIA E DATA-BASE As cláusulas e condições da presente Convenção Coletiva de Trabalho que

Leia mais

ACORDO COLETIVO. Parágrafo 5º - As horas serão remuneradas com base no salário do mês de seu efetivo pagamento.

ACORDO COLETIVO. Parágrafo 5º - As horas serão remuneradas com base no salário do mês de seu efetivo pagamento. ACORDO COLETIVO Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Juiz de Fora, registro sindical nº. 10.610, inscrito no CNPJ sob nº. 20.453.643/0001-06, sito a rua Halfeld, 805/603 Juiz de Fora MG 36010-000,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002058/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018377/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004510/2012-13 DATA DO

Leia mais

EMPREGADOS DE REPRESENTANTES COMERCIAIS E EM EMPRESAS DE REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

EMPREGADOS DE REPRESENTANTES COMERCIAIS E EM EMPRESAS DE REPRESENTAÇÃO COMERCIAL EMPREGADOS DE REPRESENTANTES COMERCIAIS E EM EMPRESAS DE REPRESENTAÇÃO COMERCIAL Entre as partes, de um lado, representando a Categoria Profissional, o SINDICATO DOS EMPREGADOS DE AGENTES AUTONOMOS DO

Leia mais

(Concessionários e Distribuidores de Veículos de São José, Biguaçú, Palhoça e Santo Amaro da Imperatriz)

(Concessionários e Distribuidores de Veículos de São José, Biguaçú, Palhoça e Santo Amaro da Imperatriz) CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2008/2009 (Concessionários e Distribuidores de Veículos de São José, Biguaçú, Palhoça e Santo Amaro da Imperatriz) Termo de Convenção Coletiva de Trabalho que entre si

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 POR ESTE INSTRUMENTO, QUE ENTRE SI CELEBRAM, POR SEUS RESPECTIVOS REPRESENTANTES LEGAIS, DE UM LADO A ARCELORMITTAL CARIACICA, INSCRITA NO CNPJ/MF SOB O Nº 17.469.701/0053-06

Leia mais

T E R M O A D I T I V O VIGÊNCIA: 1º/02/2012 A 31/01/2013

T E R M O A D I T I V O VIGÊNCIA: 1º/02/2012 A 31/01/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si celebram, de um lado, representando a categoria profissional, o SINDICATO DOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS SAAE/MG,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 DA ABRANGÊNCIA:

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 DA ABRANGÊNCIA: CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 DA ABRANGÊNCIA: Cláusula 1ª - Esta convenção coletiva de trabalho que entre si celebram, de um lado o Sindicato dos Médicos de Anápolis e, do outro lado, o Sindicato

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005-2006

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005-2006 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005-2006 Cláusula Primeira - Entidades signatárias: SINDICATO DAS EMPRESAS DE COMPRA, VENDA, LOCAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE IMÓVEIS E DOS EDIFÍCIOS EM CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS

Leia mais

3ª CLÁUSULA PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS: Os empregados participarão nos lucros de suas empresas empregadoras, na forma que vier estabelecida em lei.

3ª CLÁUSULA PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS: Os empregados participarão nos lucros de suas empresas empregadoras, na forma que vier estabelecida em lei. 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO FIRMADA ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMERCIO DE JACOBINA E O SINDICATO PATRONAL DO COMERCIO VAREJISTA DE JACOBINA E REGIÃO, PARA O PERIODO DE 01 DE JUNHO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000170/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR000920/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.000168/2015-16

Leia mais

Convenção Coletiva de Trabalho

Convenção Coletiva de Trabalho Convenção Coletiva de Trabalho Pelo presente instrumento de Convenção Coletiva de Trabalho, celebrada na forma do artigo 611, da Consolidação das Leis do trabalho, o Sindicato de Hotéis, Restaurantes,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO Pelo presente instrumento, de um lado o Sindicato dos Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado de Alagoas, estabelecido na Rua Prof. José da Silveira Camerino, 930,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL 1 de 7 28/12/2015 17:24 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC003175/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/12/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR081080/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 47620.002006/2015-72

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR002151/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR026676/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.010071/2009-72 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000202/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/06/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021878/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46224.002474/2009-17 DATA

Leia mais

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR Por intermédio destas informações, o SITRIVESCH tem por finalidade informar o trabalhador de seus direitos/deveres. Importante destacar que o não cumprimento

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001554/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/08/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR032670/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.023032/2010-49 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, que entre si ajustam, de um lado a FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DE BENS, SERVIÇOS E TURISMO DO ESTADO DO MARANHÃO, CNPJ nº06.52.757/0001-05; SINDICATO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2014

CONVENÇÃO COLETIVA 2014 CONVENÇÃO COLETIVA 2014 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS E CICLISTAS, MOTO- FRETE, MOTOBOYS E MOTO-TAXISTAS DE CURVELO E REGIÃO, CNPJ n 17.437.757/0001-40, NESTE ATO REPRESENTADO POR SEU PRESIDENTE,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Mediador - Extrato Instrumento Coletivo CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000236/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/06/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023908/2011 NÚMERO

Leia mais

CLÁUSULA 1 A. - ATUALIZAÇÃO SALARIAL CLÁUSULA 2 A. SALÁRIO NORMATIVO CLÁUSULA 3 A. - SALÁRIO ADMISSIONAL CLÁUSULA 5 A. - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE

CLÁUSULA 1 A. - ATUALIZAÇÃO SALARIAL CLÁUSULA 2 A. SALÁRIO NORMATIVO CLÁUSULA 3 A. - SALÁRIO ADMISSIONAL CLÁUSULA 5 A. - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE CONVENÇÃO COLETIVA COM VIGÊNCIA A PARTIR DE 01 DE ABRIL DE 2007 FEITA ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM INSTITUIÇOES BENEFICENTES, RELIGIOSAS E FILANTRÓPICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E O SINDICATO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2000/2001

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2000/2001 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2000/2001 Acordo Coletivo de Trabalho que entre si fazem, de um lado, a Federação Única dos Petroleiros e os seguintes sindicatos: Sindicato do Ramo Químico/Petroleiro do Estado

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SENAC-DF

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SENAC-DF PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SENAC-DF CLÁUSULA PRIMEIRA VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente Acordo Coletivo de Trabalho no período

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PA000361/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/06/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR031936/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46222.003478/2015-72 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000007/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/01/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR072509/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.000014/2014-10 DATA

Leia mais

7,5% (SETE E MEIO POR CENTO)

7,5% (SETE E MEIO POR CENTO) CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2008/2009 FIRMADA ENTRE O SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE SANTO ANTONIO DE JESUS E O SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DE SANTO ANTONIO DE JESUS CLÁUSULA 1 - AUMENTO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002450/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/10/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR055380/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.005486/2013-10 DATA DO

Leia mais

Entidade (s) Profissional (is): Sindicato dos Empregados de Agentes Autônomos no Comércio do Estado do Rio Grande do Sul

Entidade (s) Profissional (is): Sindicato dos Empregados de Agentes Autônomos no Comércio do Estado do Rio Grande do Sul Nº 46218.011718/2009-23 Entidade (s) Profissional (is): Sindicato dos Empregados de Agentes Autônomos no Comércio do Estado do Rio Grande do Sul Entidade (s) Patronal (is): Sindicato das Sociedades de

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 RS001648/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/09/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR048052/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.012138/2011-78 DATA DO PROTOCOLO: 01/09/2011 Confira

Leia mais

DISSÍDIO COLETIVO PROCESSO TRT/SP Nº 20280200500002004

DISSÍDIO COLETIVO PROCESSO TRT/SP Nº 20280200500002004 DISSÍDIO COLETIVO PROCESSO TRT/SP Nº 20280200500002004 PELO PRESENTE INSTRUMENTO E NA MELHOR FORMA DE DIREITO, DE UM LADO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM CASAS DE DIVERSÕES DE SÃO PAULO E REGIÃO, ENTIDADE

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 Pelo presente instrumento, de um lado o SINDICATO DOS TRABALHADORES EM TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE SOROCABA E REGIÃO, com sede à Rua Augusto Franco, nº 159, em Sorocaba/SP,

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000053/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR005715/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.000338/2015-33 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 9 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000736/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067570/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.023448/2012-38 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RN000390/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/10/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR060523/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46217.008181/2013-19

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000776/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/05/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015125/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46305.000402/2014-94 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000529/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 04/04/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002949/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.003317/2014-97 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000718/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/08/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR041087/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.008416/2013 73 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2004 SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2004 SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2004 SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO que entre si fazem o SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SESC - Administração Regional no Distrito Federal,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000285/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/02/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002993/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.003256/2014-68 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000787/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024630/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.008066/2015-98 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2.002/2.003 (Empregados em Empresas de Conservação de Elevadores)

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2.002/2.003 (Empregados em Empresas de Conservação de Elevadores) CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2.002/2.003 (Empregados em Empresas de Conservação de Elevadores) O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM TURISMO, HOSPITALIDADE E DE HOTÉIS, RESTAURANTES, BARES E SIMILARES DA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, QUE ENTRE SI FAZEM, O SINDICATO DOS AUXILIARES EM ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E, DE OUTRO, A EMPRESA MASAN SERVIÇOS ESPECIALIZADOS LTDA, COMO ABAIXO MELHOR

Leia mais

Convenção Coletiva 2014

Convenção Coletiva 2014 Convenção Coletiva 2014 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS E CICLISTAS, MOTO- FRETE, MOTOBOYS E MOTO-TAXISTAS DE CURVELO E REGIÃO, CNPJ n 12.512.993/0001-60, NESTE ATO REPRESENTADO POR SEU PRESIDENTE,

Leia mais

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Qual é o prazo para pagamento dos salários dos empregados? R: O pagamento deve ser realizado até o 5º dia útil do mês seguinte. Esta deve ser a data em que deve

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000433/2008 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/10/2008 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015947/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.032963/2008-13 DATA DO

Leia mais