INDICE PAUTA DO SETOR DE CARGA PESADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INDICE PAUTA DO SETOR DE CARGA PESADA - 2008"

Transcrição

1 INDICE PAUTA DO SETOR DE CARGA PESADA Vigência 02. Reajuste Salarial 03. Aumento Real 04. Pisos Salariais 05. Reembolso de Despesas/Auxílio Alimentação e Pernoite. 06. Data para o Pagamento dos Salários. 07. Adiantamento Salarial. 08. Intervalo Para o Pagamento. 09. Comprovante de Pagamento. 10. Salário Admissão. 11. Tolerância de Atrasos. 12. Horas Extras. 13. Férias. 14. Prêmio por tempo de Serviço. 15. Garantia ao Empregado em Idade de Prestação do Serviço Militar. 16. Garantia à Gestante. 17. Garantia das Mães Adotantes. 18. Garantia ao Trabalhador em vias de Aposentadoria. 19. Garantia ao Trabalhador com mais de 45 anos. 20. Contribuição Confederativa 21. Contribuição Sindical 22. Contribuição Associativa. 23. Garantia de Representação. 24. Quadro de Avisos e de Distribuição de Jornal. 25. Incorporação salarial de benefícios extras. 26. Auxílio Funeral. 27. Seguro de Vida em Grupo. 28. Convênio médico gratuito. 29. Adicional Noturno. 30. Cesta Básica 31. Participação nos Lucros e Resultados das Empresas 1

2 32. Complementação Auxílio Previdenciário 33. Abono Permanência 34. Cipa 35. Garantias na Rescisão Contratual 36. Liberação de Dirigentes Sindicais 37. Terceirização 38. Auxílio ao Filho Excepcional 39. Salário Substituição 40. Contribuição Assistencial 41. Uniformes e Equipamentos de Proteção 42. Atestado de Afastamento 43. Contrato de experiência 44. Contrato de trabalho 45. Água potável 46. Sanitários 47. Armários individuais 48. Atualização de Carteira de Trabalho 49. Empregado Estudante 50. Instrumento de Trabalho 51. FGTS 52. Demissão por Justa Causa 53. Carta de Referência 54. Manutenção de todos as Cláusulas Acordadas na Convenção Anterior. 55. Divulgação da Convenção 56. Juízo Competente 57. Multa 58. Prorrogação, Revisão, Denúncia, ou Revogação Total ou Parcial 59. Abrangência 2

3 PAUTA DO SETOR DE CARGA PESADA REIVINDICAÇÕES 01. Vigência O presente instrumento terá vigência de 12 [doze meses], com início em 1º/05/2008 e término em 30/04/2009, quando novas negociações deverão ocorrer, na forma do que dispõe o Art. 616, Parágrafo 3º da C.L.T. 02. Reajuste Salarial Aplicação do Índice de Inflação Oficial acumulado entre maio/2007 e abril/2008, em todos os salários praticados em abril/2008, a serem pagos a partir de maio/2008, inclusive. Parágrafo 1º - Toda vez que a inflação atingir o patamar de 5% (cinco por cento), o percentual será automaticamente repassado ao salário; 03. Aumento Real As empresas concederão 5% (cinco por cento) de aumento real a todos os trabalhadores; 04. Pisos Salariais Os pisos salariais já existentes são os que seguem abaixo relacionados, sendo que os mesmos serão reajustados na forma da cláusula 2ª e 3ª supra: 3

4 CARGO MAIO 2004 MAIO 2005 MAIO 2006 MAIO 2007 MAIO 2008 *** **** ***** (5,6%) 6,61% 3,05% 5% Motorista Carreteiro veículos especiais 1.307, , , ,70 Motorista carreteiro veiculo tração dupla com linha de eixo 1.127, , , ,62 Motorista carreteiro com linha 1.026,78 de eixo prancha Motorista carreteiro tração simples 932,65 Motorista de escolta 893,24 Motorista de apoio (até truck) 893,24 Motorista Utilitário 769,27 Operador de linha de eixo 781,58 Ajudante de Transporte 630, , , ,44 994, , ,86 952,29 981, ,40 952,29 981, ,40 820,12 845,13 887,39 833,24 858,65 901,58 672,20 692,70 727,33 Operador de Guindaste super pesado (acima 300t) Operador de guindaste pesado (de 150t até 300t) Operador de guindaste médio (acima de 100t até 150t) Operador de guindaste médio (acima de 45t a 100t) 1.503, , ,28 911, , , , , , , , , ,47 972, , ,91 Operador de guindaste leve (até 882,48 909,40 954,87 827,76 45t) Operador de remoção 632,92 674,75 695,33 730,10 4

5 MAIO MAIO MAIO MAIO CARGO Ajudante de guindaste 632,92 674,75 695,33 730,10 MAIO 2008 Auxiliar de escritório 632,92 674,75 695,33 730,10 Conferente 771,43 822,43 847,51 889,89 Copeiro, contínuo e vigia 632,92 674,75 695,33 730,10 Faxineiro 632,92 674,75 695,33 730,10 * Salário reajustado com a inflação do período de 2001/2002, conforme decisão nos autos do processo nº , julgado em ; ** Salário reajustado de acordo com a inflação do período de 2002/2003, conforme decisão proferida no processo de dissídio coletivo nº , acórdão SDC nº 00261/ *** Salário reajustado de acordo com a inflação do período de 2003/2004, conforme decisão proferida no processo de dissídio coletivo nº ; **** Salário reajustado de acordo com a inflação do período de 2004/2005, conforme decisão a ser proferida nos autos do processo nº ; ***** Salário reajustado de acordo com a inflação do período de 2005/2006, conforme decisão a ser proferida nos autos do processo nº ; Parágrafo 1º - Os motoristas que fazem viagem Internacional, nos países que integram o MERCOSUL, deverão ter os seguintes pisos salariais: 5

6 Parágrafo 2º - Piso salarial para os Motoristas que fazem linha Internacional R$ 1.200,00; almoço no valor de R$ 15,00; Jantar de R$ 15,00; pernoite de 30,00 e café da manhã de R$ 10,00; Parágrafo 3º - Nenhum trabalhador poderá receber salário inferior ao piso estabelecido na presente convenção para o ajudante; 05. Reembolso de Despesas/Auxílio Alimentação e Pernoite. Aos empregados fica assegurado um reembolso com o expresso objetivo de cobrir suas despesas com alimentação e descanso, da seguinte forma: Almoço... R$ Jantar...R$ Pernoite... R$ Café da Manhã... R$ Parágrafo Primeiro - As despesas de viagens Viagem/Auxílio Alimentação, face ao seu caráter salarial integrará a remuneração do empregado para todos os efeitos. Parágrafo Segundo - Se por qualquer eventualidade o empregado viajar sem receber as diárias, terá direito ao reembolso das despesas efetuadas, até o limite do valor das diárias estabelecidas nesta cláusula; Parágrafo Terceiro - Se a empresa concede Ticket Refeição, terá fixado a partir de 1º de Maio de 2008 o valor nominal de R$ 10,00 [dez reais]; Parágrafo Quarto - Entende-se como pernoite, a permanência do empregado no trabalho, em decorrência exclusiva da responsabilidade de suas funções, de tal sorte que essa circunstância impeça e inviabilize o seu retorno à sua residência. 06. Data para o Pagamento dos Salários. O pagamento do salário deverá ser feito até o quinto dia útil do mês subseqüente ao vencido, incorrendo a empresa infratora em multa de 20% 6

7 [vinte por cento] do valor do salário do motorista carreteiro com linha de eixo e prancha, por dia de atraso em caso de inadimplência, em favor do empregado. 07. Adiantamento Salarial. A empresa fornecerá adiantamento de 40% [quarenta por cento] do salário base até quinze dias após o pagamento do salário mensal. 08. Intervalo Para o Pagamento. Sempre que os salários forem pagos através de bancos, será assegurado ao trabalhador, intervalo remunerado, a critério da empresa de tal modo que não prejudique o andamento do serviço para que receba seu ganho sendo que esse intervalo não corresponderá àquele destinado a descanso e refeição do empregado. 09. Comprovante de Pagamento. A empresa fornecerá aos seus empregados o comprovante de pagamento que contenha a identificação da empresa bem como a discriminação de todas as parcelas e dos descontos efetuados, especificando cada parcela. 10. Salário Admissão. Aos empregados admitidos para exercer a mesma função de outro cujo contrato de trabalho tenha sido rescindido será garantido, ressalvadas as vantagens pessoais, mesmo salário da função recebido pelo empregado substituído. 11. Tolerância de Atrasos. As empresas, durante a vigência da presente Convenção, concederão uma tolerância de atraso, de até 30 [trinta] minutos, por semana, desde que não ocorram mais de 02 [duas] vezes durante a mesma, sendo que esses atrasos deverão ser compensados no mesmo dia, ou durante a semana de sua ocorrência, salvo a existência de outro critério mais benéfico, como por exemplo, horário flexível. 12. Horas Extras. 7

8 As empresas remunerarão as horas extras de seus empregados com um acréscimo de 70% [setenta por cento] sobre o valor da hora normal, até o limite de 50 [cinqüenta] horas mensais e as que excederem esse limite serão remuneradas com acréscimo de 75% [setenta e cinco por cento] sobre o valor da hora normal, desde que as referidas horas estejam devidamente apontadas em controle de ponto. Parágrafo 1º - As horas extras integrarão, quando habituais, a remuneração do empregado para efeito do DSR, férias, 13º salário, aviso prévio, INSS, FGTS e verbas rescisórias. Parágrafo 2º - As empresas que já remunerarem as horas extras em percentuais superiores ou através de outros critérios de compensação a esse título, fica ressalvado o direito de manter inalterado esse procedimento. Parágrafo 3º - Fica criado o adicional de travessia, no valor de 50% por hora, destinado a indenizar o trabalhador que esteja efetivamente engajado na operação chamada travessia de centros urbanos, devido independentemente do adicional noturno e de horas extras; Parágrafo 4º - Entende-se por travessia a operação que consiste em atravessar com a carga os centros urbanos e que dependam das autoridades do trânsito e das companhias fornecedoras de luz, telefone e assemelhados, aquelas para interromper o trânsito na passagem do veículo, estas para o levantamento físico das redes de energia elétrica ou telefônica; Parágrafo 5º - O Adicional de travessia será calculado por hora que durar a operação e pago no mês seguinte à sua realização; 13. Férias. A empresa comunicará a seus empregados com trinta dias de antecedência, salvo casos excepcionais, a data do início do período de gozo de férias individuais. Observado o disposto no Artigo 135 da CLT o inicio das férias 8

9 coletivas ou individuais não poderá coincidir com sábados, domingos, feriados ou dias já compensados. 14. Prêmio por tempo de Serviço. O prêmio por tempo de serviço - PTS, a que fará jus todo o empregado que completar dois anos de serviços prestados na empresa, será de 5% [cinco por cento] calculado sobre o Piso Salarial do Motorista de Apoio e/ou Escolta. Para o empregado que completar três anos de serviços prestados na empresa, esse percentual será de 8% [oito por cento] calculado sobre o Salário Normativo do Motorista de Apoio e/ou Escolta. Parágrafo Único - O PTS tem natureza salarial para fins de equiparação, sendo devido a partir do mês seguinte àquele em que o empregado completar dois ou cinco anos de serviço da empresa, não sendo devido cumulativamente. 15. Garantia ao Empregado em Idade de Prestação do Serviço Militar. A empresa concederá estabilidade ao empregado em idade de prestação do Serviço Militar, desde a data do alistamento até sessenta dias após o desengajamento previsto na Lei n. 4375/ Garantia à Gestante. À gestante aplica-se o contido no Art. 7º, inciso XVIII da Constituição Federal e Ar. 10 inciso II, alínea "b" das disposições constitucionais transitórias. 17. Garantia das Mães Adotantes. A empresa concederá, de uma só vez, licença remunerada de cento e vinte dias para as empregadas que adotarem, juridicamente, crianças na faixa de zero a seis meses de idade. 18. Garantia ao Trabalhador em vias de Aposentadoria. A empresa assegurará aos empregados que estiverem, comprovadamente, a dois anos da aquisição do direito à aposentadoria, seja ela parcial ou integral, e que contem com cinco anos de serviço na empresa, o emprego ou salário 9

10 durante o período que faltar para se aposentar, excetuando-se os casos de demissão por justa causa, de extinção do estabelecimento, ou motivo de força maior comprovada, devendo o empregado informar o empregador desse seu direito, sob pena de não se aplicar a garantia prevista nesta cláusula. 19. Garantia ao Trabalhador com mais de 45 anos. Aos empregados com mais de quarenta e cinco anos de idade que, na ocasião de seu desligamento, não estiverem recebendo nenhum beneficio de aposentadoria, será assegurado um aviso prévio de sessenta dias dias. 20. Contribuição Confederativa A assembléia da categoria especialmente convocada para este fim autorizará ou não uma contribuição mensal, de todos os trabalhadores beneficiados por esta Convenção Coletiva que deverá ser descontada pelas empresas em folha de pagamento e recolhida ao sindicato da categoria profissional no prazo de 10 dias. O não desconto e recolhimento desta contribuição acarretará em multa diária de 1% (um por cento) do salário normativo do motorista carreteiro, por empregado, a cargo da empresa e em favor do sindicato profissional. Parágrafo Único - Ao empregado que contribuir com o seu Sindicato de Classe, nos termos do disposto nesta Cláusula, será garantido, sem qualquer ônus ou despesa adicional, o direito de usufruir, dentro das condições ofertadas pela entidade sindical, dos serviços de atendimento Médico (Clínico Geral, Oftalmológico e Ginecológico, Odontológico), Assistência Jurídica, subsídio para habilitação e revalidação da Carteira Nacional de Habilitação e demais benefícios que o Sindicato profissional vier a oferecer, durante a vigência da presente norma coletiva de trabalho. 21. Contribuição Sindical Por ocasião do recolhimento da Contribuição Sindical a empresa enviará copia das guias de recolhimento juntamente com a relação nominal dos empregados ao sindicato da categoria profissional. 10

11 Parágrafo 1º - A falta desse recolhimento e das demais condições no prazo supra, implicará em multa diária de 1% (um por cento), por empregado, acrescido de atualização monetária diária de acordo com a Lei. 22. Contribuição Associativa. Condicionada à apresentação pelo sindicato da relação dos empregados associados, observado o disposto no Art. 545 da CLT., as empresas descontarão em folha de pagamento, as mensalidades associativas de seus empregados, em favor do seu Sindicato, procedendo o recolhimento todo dia 10 de cada mês, sob pena de sujeição a multa prevista neste instrumento. 23. Garantia de Representação. Ao empregado eleito como titular ou suplente ou representante dos empregados para a CIPA - comissão Interna de Prevenção de Acidentes, fica vedada a dispensa arbitraria ou sem justa causa, na forma do Art. 10º, inciso II das disposições transitórias da Constituição Federal. Caso, durante a vigência desta Convenção ocorrer divergência com a legislação em vigor, prevalecerá a legislação. 24. Quadro de Avisos e de Distribuição de Jornal. A empresa colocará à disposição do Sindicato dos empregados, quadro de avisos nos locais de trabalho, para a afixação de comunicados oficiais da categoria profissional desde que não contenham matéria político partidária ou ofensiva a que quer que seja, devendo esses serem enviados ao setor competente da empresa, que se encarregará de afixá-los prontamente. 25. Incorporação salarial de benefícios extras. Todo e qualquer benefício adicional que a empresa, espontaneamente já concede ou vier a conceder aos seus empregados durante a vigência deste instrumento, tais como convênio ou assistência médica/odontológica, seguro de vida em grupo, convênios de fornecimento de alimentos, auxílio alimentação, cesta de alimentação, auxílio educacional de qualquer espécie, clubes esportivos e de lazer, condução aos seus empregados ou 11

12 assemelhados, serão considerados para todos os efeitos, como parte do salário ou remuneração do empregado. 26. Auxílio Funeral. Em caso de morte natural ou por acidente de trabalho de empregado, a empresa se responsabilizará pelas despesas com o funeral. 27. Seguro de Vida em Grupo. A empresa se compromete a fornecer seguro de vida em grupo no valor de 10 [dez] vezes o piso da categoria estipulada para Motorista Carreteiro veiculo tração Simples, no caso de morte acidental ou invalidez permanente sem ônus para o trabalhador. 28. Convênio médico gratuito. Será fornecido a todos os empregados convênio medico ambulatorial, sem ônus para o empregado. 29. Adicional Noturno. As empresas pagarão a todos os empregados, a título de adicional noturno 50% (cinqüenta por cento), para o trabalho realizado a partir das 22:00 horas. 30. Cesta Básica As empresas fornecerão, gratuitamente, a todos os empregados integrantes da categoria profissional, inclusive os que estiverem na ativa ou afastados, CESTA BÁSICA, composta dos seguintes itens: a- 15 Kgs. de Arroz tipo 1 (Camil). b- 04 kgs. de Feijão Carioquinha (Camil). c- 04 Latas de Óleo de Soja (Lisa, Sadia ou Ceres). d- 07 Kgs. de Açúcar Refinado (União). e- 04 Pcte. de Café Torrado e Moído grs. (Pilão/Caboclo). f- 02 Pctes. Macarrão grs. (Premiate / Petybon / São Jorge). g- 01 Kg. de Sal refinado (Cisne / Riosal). h- 02 Latas de Molho de Tomate grs. (Arisco). i- 02 Latas de Sardinha (Coqueiro) 12

13 j- 01 Pcte. Farinha de Mandioca gred. (Yuki). k- 01 Pcte. de fubá Mimoso grs. (Yuki). l- 01 Kg. de Farinha de trigo - (São Jorge). m- 01 Lata de Ervilha em Conserva grs. (Quero). n- 03 Pcte. de leite em Pó grs. (Itambé). o- 01 Lata de Goiabada grs. (Cica). p- 01 Embalagem de Papelão 31. Participação nos Lucros e Resultados das Empresas As empresas efetuarão o pagamento de um abono semestral, no valor correspondente ao maior piso salarial da categoria, estabelecido nesta convenção, para todos os empregados integrantes da categoria a título de participação nos lucros e resultados das empresas. 32. Complementação Auxílio Previdenciário Aos empregados que estiverem afastados por motivo de acidente do trabalho ou doença, recebendo benefício da previdência social, as empresas garantirão o complemento do valor pago até o limite do efetivo salário. 33. Abono Permanência Os empregados que se aposentarem, receberão um abono no valor de 5 salários nominais recebidos pelo funcionário. 34. Cipa A constituição da CIPA obedecerá determinantes da legislação vigente, sendo que as empresas darão ciência das eleições ao Sindicato profissional, com antecedência mínima de 90 dias da realização da mesma, dando publicidade do ato através de Edital de convocação, enviando cópia ao Sindicato no prazo de dois dias após a convocação. Parágrafo 1º - O prazo para inscrições será de no mínimo 15 dias. Entre o término das inscrições e a eleição terá um prazo mínimo de 10 dias, para que os candidatos possam divulgar suas propostas aos companheiros de trabalho. 13

14 Parágrafo 2º - O sindicato através de um ou mais diretores acompanhará todo o processo, desde as inscrições até a efetiva Posse da Cipa. Parágrafo 3º - A inobservância de quaisquer destes requisitos ou outro que fira a Lei, anulará todo o processo, ficando todos os inscritos com estabilidade garantida. 35. Garantias na Rescisão Contratual Todas as rescisões de contrato de trabalho sem justa causa, serão necessariamente homologadas no sindicato da categoria profissional, independentemente do tempo de serviço do empregado, no prazo de 1 (hum) dia após o, desligamento, sob pena de pagamento dos dias de atraso como se trabalhando estivesse, além de juros de 2% (dois por cento) ao dia sem prejuízo de correção monetária. Parágrafo Primeiro - Quando da homologação, serão entregues todos os documentos referentes ao contrato de trabalho, bem como a apresentação dos controles de horários dos últimos doze meses, para a conferência da medida de horas extras e adicional noturno a integrar as verbas rescisórias. Parágrafo Segundo - Será garantido ao Sindicato da categoria profissional, consignar ressalvas na rescisão contratual, para que posteriormente os trabalhadores possam reivindicar juridicamente as verbas não descriminadas ou eventuais diferenças, além da aplicação do Art. 477 da C.L.T Liberação de Dirigentes Sindicais As empresas liberarão da prestação de serviço, sem prejuízo da remuneração mensal, nem dos direitos trabalhistas e previdenciários, 02 (dois) diretores efetivos ou suplentes, de cada empresa que atue na base territorial do órgão de classe, devendo os diretores liberados dedicar-se, exclusivamente, às atividades de interesse da categoria ou ao exercício de 14

15 função de representação, para qual tenha sido designado por ato do poder Público, mantidas as condições mais favoráveis já praticadas. Parágrafo 1º - Afastando-se o diretor liberado para o gozo de férias ou benefício previdenciário, o ora convencionado se aplicará ao seu substituto legal, de modo a manter o mesmo número de liberações. 37. Terceirização e Cooperativa Fica expressamente proibida a contratação de empresas terceiras ou cooperativas, para a realização da atividade fim da empresa, em especial, o motorista e ajudante de carga. Parágrafo Primeiro - Em caso de ocorrência deste fato o vínculo específico se formará diretamente com a tomadora, que se responsabilizará por todos os direitos dos empregados, em especial, a C.B.O., registro em CTPS., as contribuições, CIPA e etc. Parágrafo Segundo - Fica garantido ao sindicato o livre acesso nas dependências das empresas para a sindicalização dos empregados. 38. Auxílio ao Filho Excepcional As empresas pagarão aos seus empregados que tenham filhos excepcionais comprovadamente, um auxílio mensal de 20% (vinte por cento) sobre o salário mensal contratual por filho nesta condição. 39. Salário Substituição Quando o motorista realizar 01 (uma) ou mais viagem Internacional em um mês, e não estiver enquadrado como tal, este receberá no mês em que ocorrer este fato o salário igual ao do motorista Internacional. 40. Contribuição Assistencial Desconto assistencial de 5% dos empregados, associados ou não, de um só vez e quando do primeiro pagamento dos salários já reajustados, em favor da entidade de trabalhadores. 15

16 41. Uniformes e Equipamentos de Proteção Quando exigido o uso de uniformes pelo empregador, este será obrigado a fornece-lo gratuitamente aos empregados, dispensando igual tratamento, quando forem exigidos o uso de equipamentos de segurança prescritos por lei ou em face da natureza do trabalho prestado. 42. Atestado de Afastamento A empresa, desde que solicitada por escrito e com antecedência mínima de 72 horas, fornecerá a seus empregados, o atestado de afastamento e salários, para obtenção de benefícios previdenciários. 43. Contrato de experiência As partes acordantes estabelecem que o Contrato de Experiência terá prazo máximo de 30 (trinta) dias. 44. Contrato de trabalho A empresa fica obrigada, quando da admissão de seus empregados a fornecer as cópias dos contratos de trabalho e qualquer outros documentos que resultem do vinculo laboral, que sejam firmados na sua vigência. 45. Água potável A empresa se obriga a manter, no local de trabalho, água potável para consumo dos seus empregados. 46. Sanitários A empresa se obriga a manter os sanitários masculinos e femininos em condições de higiene. 47. Armários individuais A empresa manterá armários individuais, para guarda de roupa e pertences dos empregados, desde que a troca de roupa decorra de exigência das atividades desenvolvidas pelo funcionário. 16

17 48. Atualização de Carteira de Trabalho A empresa cuidará para que nas Carteiras Profissionais sejam anotados os cargos efetivos dos seus empregados, respeitadas as estruturas de cargos e salários existentes. 49. Empregado Estudante O empregado estudante em estabelecimento de ensino oficial, autorizado ou reconhecido pelo poder competente, terá abonada a falta para prestação de exames escolares, desde que avise seu empregador, no mínimo setenta e duas horas antes, sujeitando-se a comprovação posterior. 50. Instrumento de Trabalho Os instrumentos de trabalho, quando exigidos pela empresa na execução dos serviços, serão fornecidos gratuitamente pela empresa. 51. FGTS A empresa fornecerá, semestralmente, cópias do extrato do FGTS aos seus empregados, mediante solicitação destes, desde que não suprido esse fornecimento pela Caixa Econômica Federal. 52. Demissão por Justa Causa Ao empregado demitido por justa causa, dar-se-á por escrito a ciência de sua dispensa mencionando-se os motivos determinantes da rescisão contratual. 53. Carta de Referência Ocorrendo a rescisão do contrato de trabalho sem justa causa, a empresa fica obrigada a fornecer carta de referência. 54. Manutenção de todas as Cláusulas Acordadas na Convenção Anterior. Manutenção de todas as cláusulas da convenção anterior desde que não sejam contrarias as cláusulas ora reivindicadas. 55. Divulgação da Convenção 17

18 As cópias da presente convenção coletiva de trabalho deverão ser afixadas em local visível nas sedes das entidades e das empresas dentro de 5 (cinco) dias da data do ajuste, dando-se, cumprimento ao disposto no artigo 614 da CLT e Decreto n.º 229/ Juízo Competente As partes elegem a Justiça do Trabalho como preceitua o art. 114 da Constituição Federal para dirimir não só as dúvidas oriundas deste instrumento, mas também, quaisquer questões pertinentes às contribuições do Sindicato. 57. Multa Fica estabelecida a multa de 10% (dez por cento) do salário normativo do Motorista Carreteiro veículos especiais, por cláusula, independente das cominações legais, no caso de descumprimento do presente instrumento coletivo, que reverterá em favor da parte prejudicada 58. Prorrogação, Revisão, Denúncia, ou Revogação Total ou Parcial Nos casos de prorrogação, revisão, denúncia ou revogação total ou parcial desta convenção, serão observadas as disposições constantes do artigo 615 da Consolidação das Leis do Trabalho. 59. Abrangência O presente instrumento abrange todos os empregados definidos no estatuto social do sindicato profissional. 18

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO SÃO PAULO - 2008/2009 CARGA PESADA

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO SÃO PAULO - 2008/2009 CARGA PESADA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO SÃO PAULO - 2008/2009 CARGA PESADA SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE CARGAS SECAS E MOLHADAS DE SÃO PAULO E ITAPECERICA DA SERRA, inscrito

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes:

celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes: SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS,CICLISTAS E MOTO-TAXISTAS DO ESTADO DE SAO PAULO, CNPJ n. 66.518.978/0001-58, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). GILBERTO ALMEIDA DOS SANTOS; E

Leia mais

CIRCULAR DA CONSTRUÇÃO CIVIL 2.010

CIRCULAR DA CONSTRUÇÃO CIVIL 2.010 CIRCULAR DA CONSTRUÇÃO CIVIL 2.010 ATENÇÃO: ESTA CIRCULAR É APENAS UM INFORMATIVO DO SINDICATO PARA AS EMPRESAS E TRABALHADORES, E NÃO TERÁ VALIDADE PARA PROCESSOS TRABALHISTAS OU DE QUALQUER OUTRA NATUREZA.

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF CLÁUSULA PRIMEIRA VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente

Leia mais

ACORDO COLETIVO 2008/2009

ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA E ATACADISTA DE VITÓRIA DA CONQUISTA ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA 01 DE MARÇO DE 2008 CONVENÇÃO COLETIVA

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA - CORREÇÃO DO SÁLARIO VIGÊNCIA DA CLÁUSULA: 01/05/2014 a 30/04/2015

CLÁUSULA TERCEIRA - CORREÇÃO DO SÁLARIO VIGÊNCIA DA CLÁUSULA: 01/05/2014 a 30/04/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS, CICLISTAS E MOTO- TAXISTAS DO ESTADO DE SAO PAULO, CNPJ n. 66.518.978/0001-58, neste ato representado (a) por seu Presidente,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO SUSCITANTE: SINDICATO DOS PSICÓLOGOS NO ESTADO DE SÃO PAULO - SINPSI-SP, Entidade Sindical Profissional, com registro no MTb sob nº012.228.026.60-5 e inscrita no CNPJ/MF

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG004008/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR057851/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.008943/2011-67 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL 1 de 5 05/11/2014 10:02 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002761/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 04/11/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR066410/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.007110/2014-12

Leia mais

celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes:

celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes: CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS,CICLISTAS E MOTO- TAXISTAS DO ESTADO DE SAO PAULO, CNPJ n. 66.518.978/0001-58, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002511/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053502/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.005004/2012-32 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 DA ABRANGÊNCIA:

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 DA ABRANGÊNCIA: CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 DA ABRANGÊNCIA: Cláusula 1ª - Esta convenção coletiva de trabalho que entre si celebram, de um lado o Sindicato dos Médicos de Anápolis e, do outro lado, o Sindicato

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2002/2004

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2002/2004 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2002/2004 CATEGORIA ECONÔMICA SINDIPESA - SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE TRANSPORTES E MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS PESADAS E EXCEPCIONAIS, localizado à Rua da Gávea, 1.390

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000145/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 31/01/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR080680/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.001357/2014-74 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO. Parágrafo 5º - As horas serão remuneradas com base no salário do mês de seu efetivo pagamento.

ACORDO COLETIVO. Parágrafo 5º - As horas serão remuneradas com base no salário do mês de seu efetivo pagamento. ACORDO COLETIVO Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Juiz de Fora, registro sindical nº. 10.610, inscrito no CNPJ sob nº. 20.453.643/0001-06, sito a rua Halfeld, 805/603 Juiz de Fora MG 36010-000,

Leia mais

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2014-2015 DOS EMPREGADOS DA EMPRESA ADINOR INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ADITIVOS LTDA. 1ª Cláusula - REAJUSTE SALARIAL A Empresa reajustará o salário de seus empregados em 100% (cem

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2007/2008 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000146/2007 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/10/2007 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001271/2007 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.005618/2007-28 DATA

Leia mais

Mensageiro Motociclista R$ 1.000,00 Mensageiro Ciclista R$ 800,00 Setor Administrativo R$ 972,00

Mensageiro Motociclista R$ 1.000,00 Mensageiro Ciclista R$ 800,00 Setor Administrativo R$ 972,00 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS,CICLISTAS E MOTO- TAXISTAS DO ESTADO DE SAO PAULO, CNPJ n. 66.518.978/0001-58, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001254/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017099/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006142/2011-57 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 Pelo presente instrumento, de um lado o SINDICATO DOS TRABALHADORES EM TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE SOROCABA E REGIÃO, com sede à Rua Augusto Franco, nº 159, em Sorocaba/SP,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000637/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR004928/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001229/2011-48 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2011

CONVENÇÃO COLETIVA 2011 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA E ATACADISTA DE VITÓRIA DA CONQUISTA CONVENÇÃO COLETIVA 2011 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO PELO PRESENTE

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001633/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017942/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001682/2013-16 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR034439/2012 SINDICATO DOS FARMACEUTICOS DO ESTADO DE M GROSSO DO SU, CNPJ n. 15.939.572/0001-08, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

Data-Base 1º de maio de 2015

Data-Base 1º de maio de 2015 PRÉ-PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2015 Data-Base 1º de maio de 2015 Pré-Pauta de Reivindicações 2015 Agroindústrias do setor de carnes e leite, Cooperativas Agropecuárias, Clinicas Veterinárias, Laboratórios

Leia mais

CLÁUSULA 1 A. - ATUALIZAÇÃO SALARIAL CLÁUSULA 2 A. SALÁRIO NORMATIVO CLÁUSULA 3 A. - SALÁRIO ADMISSIONAL CLÁUSULA 5 A. - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE

CLÁUSULA 1 A. - ATUALIZAÇÃO SALARIAL CLÁUSULA 2 A. SALÁRIO NORMATIVO CLÁUSULA 3 A. - SALÁRIO ADMISSIONAL CLÁUSULA 5 A. - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE CONVENÇÃO COLETIVA COM VIGÊNCIA A PARTIR DE 01 DE ABRIL DE 2007 FEITA ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM INSTITUIÇOES BENEFICENTES, RELIGIOSAS E FILANTRÓPICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E O SINDICATO

Leia mais

SINDIPESA - SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE TRANSPORTE E MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS PESADAS E EXCEPCIONAIS

SINDIPESA - SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE TRANSPORTE E MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS PESADAS E EXCEPCIONAIS SINDIPESA - SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE TRANSPORTE E MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS PESADAS E EXCEPCIONAIS e SINDICATO DOS EMPREGADOS ADMINISTRATIVOS E TRABALHADORES EM ESCRITÓRIOS DE EMPRESAS DE TRANSPORTES

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000812/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 19/06/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017988/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.002440/2009-54 DATA

Leia mais

http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resumovisualizar?nrsolicitacao...

http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resumovisualizar?nrsolicitacao... Página 1 de 5 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000542/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 13/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024046/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46290.001101/2013-11 DATA DO PROTOCOLO: 23/05/2013 CONVENÇÃO

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SESC-AR/DF CLÁUSULA PRIMEIRA VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente Acordo Coletivo de Trabalho no período

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2010/2011

CONVENÇÃO COLETIVA 2010/2011 CONVENÇÃO COLETIVA 2010/2011 Pelo presente instrumento particular, de um lado O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Publicidade do Estado do Paraná, com sede em Curitiba, no estado do Paraná, na

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002716/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 16/11/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064091/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.006426/2015-78 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: AM000415/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/09/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR044279/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46202.014239/2014-03 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, que entre si ajustam, de um lado a FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DE BENS, SERVIÇOS E TURISMO DO ESTADO DO MARANHÃO, CNPJ nº06.52.757/0001-05; SINDICATO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 10 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001530/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022315/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.004377/2013-77 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000776/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/05/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015125/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46305.000402/2014-94 DATA

Leia mais

SEESS - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM, BETIM E REGIÃO. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015

SEESS - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM, BETIM E REGIÃO. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 SEESS - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM, BETIM E REGIÃO. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 Entre o SEES - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR002151/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR026676/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.010071/2009-72 DATA DO

Leia mais

FETIA ESP FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO CONVEÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

FETIA ESP FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO CONVEÇÃO COLETIVA DE TRABALHO FETIA ESP FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO CONVEÇÃO COLETIVA DE TRABALHO Entre as partes, de um lado, SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE PANIFICAÇÃO E CONFEITARIA

Leia mais

SINDMINÉRIOS SANTOS. Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Minérios, Derivados de Petróleo e Combustíveis de Santos e Região.

SINDMINÉRIOS SANTOS. Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Minérios, Derivados de Petróleo e Combustíveis de Santos e Região. FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NO COMÉRCIO DE MINÉRIOS E DERIVADOS DE PETRÓLEO NO ESTADO DE SÃO PAULO 01 - REAJUSTE SALARIAL PAUTA DE REIVINDICAÇÕES SIREGÁS 2012/2013 As Empresas concederão, a todos os empregados

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016 SIND DOS EMP VEN E VIAJ DO C P P V E VEN DE P FAR DO DF, CNPJ n. 00.449.181/0001-38, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). MARIA APARECIDA ALVES

Leia mais

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem.

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDIMVET SINDICATO DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO e SINPAVET SINDICATO PATRONAL DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÀO PAULO PERÍODO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP012425/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 08/10/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR060338/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46263.004405/2014-31 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 Termo de CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si fazem, o Sindicato dos Empregados em Edifícios e em Empresas de Compra, Venda Locação e Administração de Imóveis

Leia mais

NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013.

NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013. NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013. GARANTIA DA DATA BASE Fica estabelecido primeiro de maio como data base da categoria REAJUSTE SALARIAL

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000953/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029282/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009097/2013-02 DATA DO

Leia mais

Exmo. Sr. Delegado Regional do Trabalho em São Paulo

Exmo. Sr. Delegado Regional do Trabalho em São Paulo Exmo. Sr. Delegado Regional do Trabalho em São Paulo SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ESCOVAS E PINCÉIS DE SÃO PAULO e SINDICATO DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS DE JUNCO E VIME E VASSOURAS E DE ESCOVAS

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002217/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/10/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053080/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.035134/2010-15 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO Ferraz - 2011/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO Ferraz - 2011/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO Ferraz - 2011/2012 CATEGORIA ECONÔMICA SINDIPESA - SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE TRANSPORTES E MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS PESADAS E EXCEPCIONAIS, Inscrito no Cadastro Nacional

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

EMPREGADOS DE REPRESENTANTES COMERCIAIS E EM EMPRESAS DE REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

EMPREGADOS DE REPRESENTANTES COMERCIAIS E EM EMPRESAS DE REPRESENTAÇÃO COMERCIAL EMPREGADOS DE REPRESENTANTES COMERCIAIS E EM EMPRESAS DE REPRESENTAÇÃO COMERCIAL Entre as partes, de um lado, representando a Categoria Profissional, o SINDICATO DOS EMPREGADOS DE AGENTES AUTONOMOS DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP014890/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/12/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR047289/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46393.000305/2010-26 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RN000390/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/10/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR060523/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46217.008181/2013-19

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002515/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR038779/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004745/2014-77 DATA

Leia mais

CIRCULAR DA CONSTRUÇÃO CIVIL 2.011

CIRCULAR DA CONSTRUÇÃO CIVIL 2.011 CIRCULAR DA CONSTRUÇÃO CIVIL 2.011 ATENÇÃO: ESTA CIRCULAR É APENAS UM INFORMATIVO DO SINDICATO PARA AS EMPRESAS E TRABALHADORES, E NÃO TERÁ VALIDADE PARA PROCESSOS TRABALHISTAS OU DE QUALQUER OUTRA NATUREZA.

Leia mais

Convenção Coletiva de Trabalho 2016/2016

Convenção Coletiva de Trabalho 2016/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000921/2016 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/05/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023133/2016 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.002652/2016-61 DATA DO PROTOCOLO: 24/05/2016 Convenção Coletiva

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP004984/2016 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/05/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024123/2016 NÚMERO DO PROCESSO: 47204.000414/2016 81 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001554/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/08/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR032670/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.023032/2010-49 DATA DO

Leia mais

1 - Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Anexos de MOGI DAS CRUZES, Suzano e Região

1 - Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Anexos de MOGI DAS CRUZES, Suzano e Região SINDIPESA Sindicato Nacional das Empresas de Transportes e Movimentação de Cargas Pesadas e Excepcionais e 1 - Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Anexos de MOGI DAS CRUZES, Suzano

Leia mais

Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho

Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho SINPEFESP-(empregados)-SINDELIVRE-(patronal) Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho 2014/2015. VIGÊNCIA E DATA-BASE As cláusulas e condições da presente Convenção Coletiva de Trabalho que

Leia mais

PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016. São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014:

PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016. São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014: PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016 CLÁUSULA 1ª - DO PISO SALARIAL São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014: a) Fica afixado o piso salarial da

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2011/2012

CONVENÇÃO COLETIVA 2011/2012 CONVENÇÃO COLETIVA 2011/2012 Pelo presente instrumento particular, de um lado O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Publicidade do Estado do Paraná, com sede em Curitiba, no estado do Paraná, na

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO Pelo presente instrumento, de um lado o Sindicato dos Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado de Alagoas, estabelecido na Rua Prof. José da Silveira Camerino, 930,

Leia mais

3ª CLÁUSULA PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS: Os empregados participarão nos lucros de suas empresas empregadoras, na forma que vier estabelecida em lei.

3ª CLÁUSULA PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS: Os empregados participarão nos lucros de suas empresas empregadoras, na forma que vier estabelecida em lei. 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO FIRMADA ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMERCIO DE JACOBINA E O SINDICATO PATRONAL DO COMERCIO VAREJISTA DE JACOBINA E REGIÃO, PARA O PERIODO DE 01 DE JUNHO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000204/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/03/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR006500/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.002367/2015-27 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO Convenção coletiva de trabalho, que entre si celebram o SINTICOM - SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO DE GOVERNADOR VALADARES MG, CNPJ:

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1993 SESI/DR SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1993 SESI/DR SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1993 SESI/DR SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA SINDAF/DF PRIMEIRO TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA EM 30 DE AGOSTO DE 1993. ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP012504/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/11/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR060006/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46261.005100/2012-02 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001711/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 06/05/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016575/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.005146/2014-61 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2.008 / 2.009

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2.008 / 2.009 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2.008 / 2.009 Pelo presente instrumento particular, de um lado o SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ SITICOM -

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 RS001648/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/09/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR048052/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.012138/2011-78 DATA DO PROTOCOLO: 01/09/2011 Confira

Leia mais

SINDICATO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM E EMPREGADOS EM

SINDICATO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM E EMPREGADOS EM CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO PARA VIGÊNCIA DE 1º DE FEVEREIRO DE 2.005 A 31 DE JANEIRO DE 2.006, CELEBRADA ENTRE O ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE DO ESTADO DO MARANHÃO-SINPEEES/MA E O SINDICATO DE HOSPITAIS,

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA CAMPINAS JANEIRO/2014 1 PAUTA DE REIVINDICAÇÃO CLÁUSULA 1ª - PISO SALARIAL Fica estipulado

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PA000361/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/06/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR031936/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46222.003478/2015-72 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000718/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/08/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR041087/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.008416/2013 73 DATA

Leia mais

1 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 SUSCITANTE: SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO, entidade sindical profissional, inscrita no CNPJ nº 46.862.926/0001-97,

Leia mais

Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal de Belo Horizonte

Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal de Belo Horizonte PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PROPOSTA DE ACORDO COLETIVO DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO CONTRATADOS PELOS CAIXAS ESCOLARES 2014/2015 A presente Pauta de Reivindicações, elaborada pela categoria profissional

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002285/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/10/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR055933/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.001820/2011-96 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 7 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003924/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053747/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.011188/2014-31 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 SINDICATO DOS MOTORISTAS EM EMPRESAS DE COLETAS DE LIXO INDUSTRIAL, RESIDENCIAL E ENTULHOS, DAS CIDADES DE BARUERI, JANDIRA, CARAPICUIBA, ITAPEVI, SANTANA DO PARNAÍBA,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Mediador - Extrato Instrumento Coletivo CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000236/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/06/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023908/2011 NÚMERO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2007/2009

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2007/2009 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2007/2009 CATEGORIA ECONÔMICA SINDIPESA - SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE TRANSPORTES E MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS PESADAS E EXCEPCIONAIS, Inscrito no Cadastro Nacional de

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001092/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/06/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR005184/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.004081/2014-14 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000015/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/01/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR000163/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.000147/2011-48 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001702/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR014964/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006002/2013-41

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEGUNDA REGIÃO.

EXMO. SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEGUNDA REGIÃO. EXMO. SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEGUNDA REGIÃO. Processo TRT/SP no20308200600002004 O SINDICATO DOS CONTABILISTAS DE SÃO PAULO, Suscitante, e o SINDICATO DAS EMPRESAS

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001428/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021439/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.003413/2010-41 DATA

Leia mais

1º Rol de negociação 2013 a 2014

1º Rol de negociação 2013 a 2014 1º Rol de negociação 2013 a 2014 Celebram entre si o SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE MATERIAIS PLÁSTICOS E SIMILARES DE CHAPECÓ E REGIÃO OESTE DE SANTA CATARINA com CNPJ Nº 80.623.929/0001-06,

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SENAC-DF

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SENAC-DF PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SENAC-DF CLÁUSULA PRIMEIRA VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente Acordo Coletivo de Trabalho no período

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO Suscitante: Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de São Paulo, entidade sindical profissional, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 60.890.928/0001-10,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 9 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000736/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067570/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.023448/2012-38 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 POR ESTE INSTRUMENTO, QUE ENTRE SI CELEBRAM, POR SEUS RESPECTIVOS REPRESENTANTES LEGAIS, DE UM LADO A ARCELORMITTAL CARIACICA, INSCRITA NO CNPJ/MF SOB O Nº 17.469.701/0053-06

Leia mais

Acordo coletivo 2008/2009

Acordo coletivo 2008/2009 Acordo coletivo 2008/2009 ACORDO COLETIVO celebrado entre SINDICATO DOS ENFERMEIROS DO RIO DE JANEIRO, doravante denominado SINDENFRJ, inscrito no CNPJ sob o nº 42.183.624/0001-31, localizado a Rua Sete

Leia mais

A presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO terá vigência por 12 (doze) meses, á partir de 01 de Abril de 2003, terminando em 31 de março de 2004.

A presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO terá vigência por 12 (doze) meses, á partir de 01 de Abril de 2003, terminando em 31 de março de 2004. ~. ~ " 4 \ fts.ot\-. ~- Entre as partes abaixo assinadas, de um lado, o SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DE ALIMENT AçAo ANIMAL, e de outro, o SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE RAÇOES BALANCEADAS

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2000/2001

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2000/2001 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2000/2001 Acordo Coletivo de Trabalho que entre si fazem, de um lado, a Federação Única dos Petroleiros e os seguintes sindicatos: Sindicato do Ramo Químico/Petroleiro do Estado

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO que entre si celebram, com fundamento no artigo 611 e seguinte da CLT, por seus representantes legais ao final assinados, de um lado o SINDICATO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 1/5 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES CULTURAIS, RECREATIVAS, DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, DE ORIENTAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NO ESTADO DO PARANÁ SENALBA/PR, CNPJ 75.992.446/0001-49,

Leia mais