ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010"

Transcrição

1 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000360/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/08/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR035613/2009 NÚMERO DO PROCESSO: / DATA DO PROTOCOLO: 14/08/2009 SINDICATO DOS TRAB EM TRANSPORTES RODOVI DE RONDONOPOLI, CNPJ n / , neste ato representado(a) por seu Membro de Diretoria Colegiada, Sr(a). LUIZ GONCALVES DA COSTA, CPF n ; E EUCATUR EMPRESA UNIAO CASCAVEL DE TRANSPORTE E TURIS LT, CNPJ n / , neste ato representado(a) por seu Procurador, Sr(a). REGINALDO MARTINS MENDONCA, CPF n e por seu Procurador, Sr(a). JOSE DE LUCA, CPF n ; TRANSPORTES COLETIVOS SERRA AZUL LTDA, CNPJ n / , neste ato representado(a) por seu Procurador, Sr(a). REGINALDO MARTINS MENDONCA, CPF n e por seu Procurador, Sr(a). JOSE DE LUCA, CPF n ; VIACAO NOVA INTEGRACAO LTDA, CNPJ n / , neste ato representado(a) por seu Procurador, Sr(a). REGINALDO MARTINS MENDONCA, CPF n e por seu Procurador, Sr(a). JOSE DE LUCA, CPF n ; celebram o presente ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes: CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente Acordo Coletivo de Trabalho no período de 1º de julho de 2009 a 30 de junho de 2010 e a data-base da categoria em 1º de julho. CLÁUSULA SEGUNDA - ABRANGÊNCIA O presente Acordo Coletivo de Trabalho, aplicável no âmbito da(s) empresa(s) acordante(s), abrangerá a(s) categoria(s) O presente acordo coletivo de trabalho terá abrangência para os empregados das empresas acordantes na base territorial do sindicato laboral subscritor, com abrangência territorial em Rondonópolis/MT. Salários, Reajustes e Pagamento Reajustes/Correções Salariais CLÁUSULA TERCEIRA - REAJUSTE SALARIAL Os salários de todos empregados serão reajustados em com

2 o percentual de 6 % ( seis inteiros por cento), aplicado sobre os salários base vigentes no mês de julho de PARÁGRAFO PRIMEIRO O piso salarial do Motorista Interestadual de transporte de passageiros ( em ônibus ), a partir de 01/07/09, será de R$ 1.060,00 ( um mil e sessenta reais ) por mês. PARÁGRAFO SEGUNDO: O piso salarial do agente bilheteiro de transporte de passageiros a partir de será de R$ 530,00 ( quinhentos e trinta reais ), por mês. PARÁGRAFO TERCEIRO - O piso salarial dos demais trabalhadores das empresas abrangidas por este acordo não poderá ser inferior a R$ 510,00 ( quinhentos e dez reais) por mês. PARÁGRAFO QUARTO - Os valores acima consignados são relativos a jornadas semanais de 44 horas normais. Nas eventuais extensões das jornadas de trabalho a remuneração observará o acréscimo de 50% (cinqüenta inteiros por cento) sobre a hora normal. As horas noturnas (52 minutos e 30 segundos) terão seus adicionais calculados na forma da lei. PARÁGRAFO QUINTO - Os salários vigentes no mês de julho/09, deverão ser observados para o reajuste na próxima data-base. PARÁGRAFO SEXTO - Fica assegurado às Empresas representadas, pelo reajuste concedido nesta cláusula, o direito de proceder a compensação de todas e quaisquer antecipações (expontâneas e compulsórias) concedidas no período de 01/07/08 a 30/06/09. PARÁGRAFO SÉTIMO - O reajuste estipulado nesta cláusula quita integralmente o repasse da inflação ( INPC ) medida no período de 01/07/08 a 30/06/09. Pagamento de Salário Formas e Prazos CLÁUSULA QUARTA - DIA DE PAGAMENTO O pagamento do salário deverá ser feito até o quinto dia útil de cada mês subsequente ao vencimento, incorrendo as empresas infratoras em multa na forma da Lei. CLÁUSULA QUINTA - ADIANTAMENTO As empresas fornecerão vale de adiantamento de até 40% (quarenta por

3 cento) do salário nominal/ contratual até 15 dias após o pagamento do último salário, exceto aos funcionários que se manifestarem por escrito pela renúncia do mesmo. PARÁGRAFO ÚNICO : Os funcionários que aderiram ao financiamento bancário com base na lei nº / 03; durante o período ( ref. contrato para desconto das parcelas ), terão direito ao adiantamento de que trata esta cláusula, mas somente pela diferença, ou seja: calcula-se os 40 % ( quarenta por cento ) do salário e deduz-se o valor da parcela do financiamento adquirido pelos mesmos. CLÁUSULA SEXTA - PAGAMENTO BANCÁRIO Sempre que o pagamento for efetuado através de cheques será assegurado ao trabalhador intervalo durante sua jornada de trabalho para permitir-lhe o recebimento, sem prejuízo da sua remuneração CLÁUSULA SÉTIMA - COMPROVANTE DE PAGAMENTO Fica determinado o fornecimento obrigatório de comprovante de pagamento do salário contendo a identificação da empresa, bem como a discriminação de todas as parcelas pagas e os descontos efetuados. Gratificações, Adicionais, Auxílios e Outros Auxílio Alimentação CLÁUSULA OITAVA - ALIMENTAÇÃO Para os empregados em serviço, quando fora da sede de seu domicílio de trabalho, as empresas deverão fornecer alimentação, parcela esta sem qualquer natureza salarial, expressamente reconhecida a sua natureza indenizatória pelas entidades acordantes, em face da peculiaridade da atividade profissional, como também empresarial que impõe o deslocamento como condição à execução do contrato de trabalho. Para tanto fica facultado: a) O fornecimento da alimentação, pelas empresas, através de refeitórios próprios; b) O fornecimento da alimentação em locais designados pelas empresas; c). A partir de , ficou extinto o pagamento de diárias para viagens aos motoristas interestaduais, (em media R$ 68,40/mês), existentes no item c da cláusula sétima do ACT 2.007/2.008, devido a sua incorporação ao salário base dos mesmos, ( conforme parágrafo primeiro, da cláusula primeira do Acordo Coletivo 2.008/2.009). PARÁGRAFO PRIMEIRO - Para os empregados, quando em serviço, na sua sede de trabalho, as empresas, eventualmente, poderão fornecer alimentação

4 através de refeitório próprio ou em locais designados pelas empresas, ou ainda por intermédio de Vales-refeição. Porém, nestes casos fica assegurado, às empresas, o desconto em folha de pagamento de até 20% (vinte por cento) dos valores respectivos, na forma do Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT). PARÁGRAFO SEGUNDO - Fica definido que estes valores não terão qualquer natureza salarial, pois assim são expressamente reconhecidos pelas entidades acordantes. CLÁUSULA NONA - VALE ALIMENTAÇÃO As Empresas fornecerão vale alimentação através de crédito em cartão magnético Visa Vale, e ou outra modalidade, no valor mensal de R$ 30,00 ( trinta) reais, para todos os empregados, o qual não terá conotação de caráter salarial ( in natura): portanto não se incorpora à remuneração para quaisquer efeitos e não constitui base de incidência para contribuição previdenciária, I.R.F e F.G.T.S. PARÁGRO PRIMEIRO: Este vale alimentação porém, não será devido ao empregado que se afastar por mais de 30 (trinta) dias consecutivos, por motivos diversos, ou mais de 5 (cinco) dias dentro do mês por faltas não justificadas. A liberação do referido crédito será sempre entre os dias 01 a 10 do mês, com início no mês de julho/ 2009, e término em junho/2010, ou seja, até o final deste Acordo Coletivo. PARÁGRAFO SEGUNDO: Ficou definido entre as partes que, com a implantação do Vale Alimentação mensal, no caput desta cláusula; ficou extinto a partir de , o PLR anual de R$ 220,00 (duas parcelas de R$ 110,00 cada uma), existente na cláusula qüinquagésima primeira do Acordo Coletivo de Trabalho 2.007/2.008 CLÁUSULA DÉCIMA - CESTA DE PRODUTOS ALIMENTICIOS As empresas fornecerão uma cesta de produtos alimentícios por mês para todos empregados, a qual não terá caráter salarial (in natura). Porém, não será devida ao empregado que se afastar por mais de 30 (trinta) dias consecutivos, por motivos diversos ou que tiver mais de 05 (cinco) dias de faltas injustificadas dentro do mês. PARÁGRAFO PRIMEIRO - A entrega da cesta será sempre entre os dias 01 e 05 de cada mês, com início no mês de julho de 2009 e término em junho de PARÁGRAFO SEGUNDO - A cesta é composta com os seguintes produtos: - 02 pacotes de arroz tipo 1, de 5 kg. cada pacotes de feijão tipo 1, de 1 kg cada latas de óleo de soja, de 900 ml cada.

5 - 04 latas pequenas de extrato de tomate de 75g kg. de açúcar kg. de farinha de trigo especial kg. de farinha de mandioca kg. de macarrão espaguete com ovos kg. de sabão em pó barras de sabão de 200g cada tubos de creme dental, de 90g. cada unidades de sabonete comum, 90g cada pacotes de Bom Bril pacote de café de 500 g pacotes de papel higiênico com quatro rolos cada kg. de sal refinado. PARÁGRAFO TERCEIRO: Pelo fornecimento da cesta de produtos Alimentícios, as empresas efetuarão um desconto mensalmente de seus empregados, conforme escala abaixo, aplicada sobre o salário base dos mesmos: a) Até 02 salários mínimos, desconto de r$ 1,50; b) De 02 a 04 salários mínimos, desconto de r$ 2,20; c) Acima de 04 salários mínimos, desconto de r$ 3,00 Auxílio Transporte CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA - VALE TRANSPORTES Devido as alterações que estão sendo implantadas no sistema urbano de Rondonópolis/ MT, visando a transformação do vale transporte papel para o fornecimento através de cartão magnético, está gerando inúmeros transtornos para o usuário. Visando a praticidade para o usuário do sistema de Transporte Urbano, fica, portanto, acordado entre as partes que durante a vigência deste Acordo Coletivo de Trabalho, as empresas poderão fornecer o vale transporte para os empregados, que conforme prova em declaração escrita para a Empresa, tem direito a 04 V.T. por dia, e quando dois deles se destinam para utilização do intervalo ( intrajornada ), nestes casos, considerando que a distância entre as empresas e as residências respectivas, os mesmos não teriam tempo suficiente para o deslocamento, portanto dois deles serão fornecidos por intermédio do cartão magnético e os outros dois poderão ser substituídos e fornecidos em vale papel e ou em forma de ajuda de custo em folha. Auxílio Morte/Funeral CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA - AUXÍLIO FUNERAL

6 No caso de falecimento de empregado, as empresas pagarão aos dependentes qualificados, a título de auxílio funeral e na época do óbito, um abono no valor de dois salários mínimos Outros Auxílios CLÁUSULA DÉCIMA TERCEIRA - GARANTIA AO EMPREGADO ACIDENTADO Ao empregado acidentado no trabalho será concedida estabilidade no emprego de acordo com a lei. CLÁUSULA DÉCIMA QUARTA - COMPLEMENTO DE AUXÍLIO DOENÇA O empregado em gozo de auxílio doença pelo INSS, do 16º ao 60º dia do afastamento,receberá das empresas acordantes uma importância determinada que somada ao valor do benefício previdenciário atinja o valor do seu salário base integral vigente na época do evento, sem considerar a remuneração das horas extras, adicionais legais e outros, limitado a uma única vez durante a vigência do presente acordo coletivo. PARÁGRAFO ÚNICO - A verba complementar aqui acordada, dado o seu caráter de mera liberalidade patronal e porque paga enquanto suspenso o contrato de trabalho, não tem natureza salarial para fins previdenciários, trabalhistas e fundiários. CLÁUSULA DÉCIMA QUINTA - OPÇÃO DA CESTA DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS POR CARTÃO DE VALE ALIMENTAÇÃO Fica definido entre as partes que, durante a vigência deste ACT., a cesta de que trata esta cláusula, poderá ser substituída para todos os funcionários, mediante opção, pela modalidade de Vale Alimentação Visa Vale, ( para compras em supermercados conveniados ), com fornecimento mensal através de Cartão Magnético, permanecendo este sem caráter salarial ( in natura ). O valor do Vale Alimentação Visa Vale será determinado na data da substituição; considerando-se para tal, a média de custo ( conforme Notas Fiscais ) das últimas três cestas fornecidas; permanecendo este valor até o final deste ACT. Contrato de Trabalho Admissão, Demissão, Modalidades Normas para Admissão/Contratação

7 CLÁUSULA DÉCIMA SEXTA - SALÁRIO DE ADMISSÃO Ao empregado admitido para exercer a mesma função de outro, cujo contrato de trabalho tenha sido rescindido por qualquer motivo, será garantido o mesmo salário deste, excluídas as vantagens pessoais. CLÁUSULA DÉCIMA SÉTIMA - SALÁRIO SUBSTITUIÇÃO O trabalhador que venha substituir outro por qualquer motivo, inclusive por rescisão contratual, em caráter não eventual e que percebe salário menor, receberá salário igual ao trabalhador substituído, a partir da data da substituição, excluídas as eventuais vantagens pessoais do substituído, desde que seja respeitado o plano de cargos e salários existente nas empresas. CLÁUSULA DÉCIMA OITAVA - CARTEIRAS PROFISSIONAIS As empresas cuidarão para que sejam anotados na CTPS os cargos efetivamente exercidos pelos empregados, respeitadas as estruturas de cargos e salários existentes na mesma, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, com observância do que estabelece o art. 29 da CLT. CLÁUSULA DÉCIMA NONA - DOCUMENTOS Serão fornecidos aos empregados, quando da admissão, cópia do contrato de trabalho e na demissão o termo de rescisão contratual e outros documentos pertinentes ao ato. Desligamento/Demissão CLÁUSULA VIGÉSIMA - GARANTIAS NA RESCISÃO CONTRATUAL As rescisões de contrato de trabalho, havendo o empregado prestado mais de 12 (doze) meses de serviço serão preferencialmente homologadas na entidade sindical da categoria profissional. PARÁGRAFO ÚNICO - Na ocorrência de atrasos por culpa das empresas, estas pagarão aos empregados multa na forma da Lei, porém se este atraso for provocado pelos empregados as empresas ficarão isentas das multas respectivas. CLÁUSULA VIGÉSIMA PRIMEIRA - JUSTA CAUSA Em caso de dispensa por justa causa, as empresas comunicarão aos empregados, por escrito e contra recibo, cientificando-os dos motivos da dispensa, sob pena de gerar presunção de dispensa imotivada.

8 Relações de Trabalho Condições de Trabalho, Normas de Pessoal e Estabilidades Qualificação/Formação Profissional CLÁUSULA VIGÉSIMA SEGUNDA - EMPREGADO ESTUDANTE O empregado estudante, cursando estabelecimento de ensino oficial autorizado ou reconhecido, terá abonada a falta para prestação de exames escolares quando realizados durante a sua jornada de trabalho, desde que avise antecipadamente seu empregador, no prazo mínimo de 05 (cinco) dias corridos, sujeitando-se à comprovação posterior. CLÁUSULA VIGÉSIMA TERCEIRA - CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO As partes comprometem-se a atuar junto ao SEST/SENAT, buscando a contrapartida dos recursos recolhidos por intermédio da guia de INSS ( GPS ), como encargos sociais, para a aplicação na realização de cursos de aperfeiçoamento e especialização dos trabalhadores do setor de transportes, correndo as despesas por conta do SEST/SENAT, coordenadas pelas partes aqui pactuantes. As empresas fornecerão os valores, mensalmente creditados por elas ao SEST/SENAT, em complemento às informações da cláusula 24ª objetivando, também, a obtenção de serviços pelo SEST e de cursos específicos pelo SENAT Estabilidade Serviço Militar CLÁUSULA VIGÉSIMA QUARTA - GARANTIA AO EMPREGADOR EM IDADE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO MILITAR As Empresas concederão estabilidade provisória aos trabalhadores em idade de prestação de serviço militar, desde o alistamento militar até 60 (sessenta) dias após a baixa e ou dispensa da incorporação. Estabilidade Aposentadoria CLÁUSULA VIGÉSIMA QUINTA - GARANTIA AO TRBALHADOR EM VIAS DE APOSENTADORIA Ficam asseguradas as garantias de emprego e de salário aos empregados que dependam de até dois anos para aquisição do tempo de serviço

9 necessário à aposentadoria e que trabalham na empresa por período igual ou superior a 05 (cinco) anos, contados pelo contrato de trabalho em vigor, os quais não poderão sofrer despedidas arbitrárias nesses 24 (vinte e quatro) meses, entendendo-se como tal a que não fundar-se em motivo disciplinar, técnico, econômico, financeiro. Porém, vencido o período acima citado ficam extintas as garantias de emprego e salário, independentemente do funcionário requerer a aposentadoria ou não, ficando ressalvado, ainda, os casos de falta grave. PARÁGRAFO ÚNICO - Essa garantia provisória só será adquirida a partir do recebimento por escrito, pela empresa, de comunicação do empregado, devidamente protocolada. A comunicação não tem efeito retroativo, de reunir, ele, as condições previstas. Jornada de Trabalho Duração, Distribuição, Controle, Faltas Duração e Horário CLÁUSULA VIGÉSIMA SEXTA - TEMPO A DISPOSIÇÃO DO EMPREGADOR Quando as Empresas suspenderem o trabalho de seus empregados por motivos técnicos para a execução de serviço de manutenção, falta de matéria prima ou outras razões, não poderão exigir a compensação das horas faltantes, com horas extraordinárias ou em dias de férias nem exigir que reponham as horas deixadas de trabalhar. Compensação de Jornada CLÁUSULA VIGÉSIMA SÉTIMA - COMPENSAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO DOS FUNCIONÁRIOS INTERNOS Fica facultada, às empresas, a possibilidade de compensarem eventuais horas extras trabalhadas na semana, com a conseqüente redução na jornada em outras semanas, porém dentro do prazo máximo de 30 (trinta) dias. PARÁGRAFO PRIMEIRO: Em razão das peculiaridades do transporte coletivo de passageiros, os emissores de passagens ( agentes ), inclusive os folguistas, ficam sujeitos a cumprimento de jornadas variadas de trabalho, conforme escala prévia, porém esta prestação de serviços não configura-se em qualquer hipótese, em regime de Turnos Ininterruptos de Revezamento ( Art. 7º, inciso XIV da Constituição Federal ). PARÁGRAFO SEGUNDO: As Empresas poderão dar folgas aos seus

10 empregados em vésperas e pós feriados e compensá-las com aumento da jornada até o limite das horas referentes ao dia desta folga, no período entre a semana que antecede o feriado e a semana posterior ao feriado. Quando houver esta compensação, as empresas ficarão isentas do adicional de 50 % ( cinqüenta por cento ) a título de horas extraordinárias. PARÁGRAFO TERCEIRO - Para compensar as horas extraordinárias existentes, em conseqüência de viagens, serviços prestados em outras filiais ou outros motivos, as empresas poderão conceder folgas extras durante o mês, além das normais, na quantidade de 01 (um) a 03 (três) dias consecutivos ou alternados, de acordo com a necessidade. PARÁGRAFO QUARTO: Quando os empregados, eventualmente, estiverem prestando serviço fora da sua base de registro, terão as folgas semanais concedidas na localidade onde estiverem, sendo que no mínimo duas folgas no mês as empresas deverão conceder no local do domicílio dos empregados. PARÁGRAFO QUINTO As empresas poderão estipular intervalo para repouso e alimentação na intra-jornada diária de até no mínimo 45 (quarenta e cinco) minutos e no máximo de até 5 (cinco) horas, para atender às solicitações do público usuário. Intervalos para Descanso CLÁUSULA VIGÉSIMA OITAVA - INTERV/DESCANSOS E ALIMENTAÇÃO DE MOT. E OUTROS FUNC.EM VIAGENS, DE ACORDO Devido ao ramo de atividade das empresas, o qual exige trabalho de atendimento à coletividade (transporte coletivo de passageiros) e inclusive com normas pré-estabelecidas pelo DNIT e de acordo com os Parágrafos 2º e 3º do Artigo 3º da Resolução nº 18 de da ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre) relacionadas às paradas dos ônibus durante as viagens para repouso e alimentação, e solicitação para autorização de redução dos intervalos intrajornadas protocolado pela Empresa EUCATUR Empresa União Cascavel de T. T. Ltda. na Delegacia Regional do Trabalho em Cuiabá/ MT na data de , fica portanto acordado que estes intervalos (intra-jornadas) para os motoristas e outros funcionários que viajam a serviço das empresas poderão ser reduzidos para até 30 (trinta ) minutos no mínimo e estendidos para até 05 (cinco) horas no máximo durante a jornada diária de trabalho em todos os itinerários das empresas. PARÁGRAFO ÚNICO: A flexibilização das condições do regime do horário de intervalo dos empregados em viagem está em consonância com as disposições contidas no Artigo 8º da CLT e decorre do fato da natureza da atividade desenvolvida pelas empresas, as quais têm o compromisso de cumprir horários nos itinerários e já que é costume que o tempo gasto nas refeições dos passageiros e motorista leva em média de 20 (vinte) a 25 (vinte

11 e cinco) minutos. Nas viagens das linhas normais não existe a possibilidade de estender este intervalo para 60 (sessenta) minutos, pois jamais os passageiros iriam concordar em fazer as refeições e ficarem aguardando no local por mais 30 (trinta) minutos para completar o dito intervalo do motorista, para então prosseguirem na viagem. O intervalo nestes casos será computado como 30 ( trinta ) minutos, e a partir daí recomeça a jornada normal de trabalho. Os empregados citados nesta cláusula, farão as refeições em restaurantes selecionados, avaliados e conveniados para esta finalidade, sendo que os mesmos atendem as exigências concernentes à organização dos refeitórios e demais normas regulamentadoras de segurança e saúde no trabalho. Controle da Jornada CLÁUSULA VIGÉSIMA NONA - JORNADA E COMPENSAÇÃO DO HORÁRIO DE TRAB DO MOTORISTA DO TRANSP INTERESTADU A jornada de trabalho dos motoristas será de 44 horas semanais, mas devido às características de operação do transporte rodoviário de passageiros, o qual está sujeito a picos de horários e de demanda de serviços, as empresas ficam autorizadas, desde logo, a prorrogar e a compensar a jornada de trabalho dos motoristas. PARÁGRAFO PRIMEIRO: Em razão das peculiaridades do transporte coletivo de passageiros, os motoristas interestaduais ficam sujeitos ao cumprimento de jornadas variadas de trabalho, conforme escala prévia, porém esta prestação de serviços não configura-se em qualquer hipótese, em regime de Turnos Ininterruptos de Revezamento ( Art. 7º, inciso XIV da Constituição Federal ). PARÁGRAFO SEGUNDO: o início da jornada dos motoristas será de acordo com a escala de trabalho estabelecida pelas Empresas, devendo os mesmos anotar o horário no campo determinado horário de entrada em serviço no documento de controle de jornada de trabalho ( ficha ponto ) fornecido pelas empresas, e ao ingressar a sua jornada ao volante deverá consignar no campo início da viagem. A jornada de trabalho poderá ser iniciada na garagem, no ponto de apoio, no terminal rodoviário ou em outro ponto determinado pelas empresas. PARÁGRAFO TERCEIRO - O encerramento da jornada também será conforme a escala e ocorrerá no momento em que o motorista recolher o veículo para a garagem, no ponto de apoio, no terminal rodoviário, ou em outro local determinado pelas empresas, com anotação do horário no campo saída de serviço após o término de todas suas atividades pertinentes a viagem. PARÁGRAFO QUARTO - As eventuais horas extras após a compensação,

12 caso existentes, integrarão a remuneração dos empregados para efeito de pagamento das férias, adicional de férias, 13º salário, aviso prévio e FGTS. Férias e Licenças Remuneração de Férias CLÁUSULA TRIGÉSIMA - FÉRIAS PROPORCIONAIS Fica garantido ao empregado que solicitar demissão antes de completar um ano de serviço na empresa o pagamento de férias proporcionais. Licença Maternidade CLÁUSULA TRIGÉSIMA PRIMEIRA - GARANTIA A GESTANTE Será garantida a estabilidade provisória à gestante, desde a confirmação da gravidez, até 60 (sessenta) dias após o término da licença compulsória, salvo o motivo de falta grave e ou pedido de demissão. PARÁGRAFO ÚNICO Caso ocorra a demissão da empregada e no momento ficar comprovada a gravidez, a rescisão do contrato não poderá ser efetivada. Todavia, a empresa tem a faculdade de fazer a demissão desde que pague o período da estabilidade. Licença Adoção CLÁUSULA TRIGÉSIMA SEGUNDA - MÃES ADOTANTES As mães adotantes de filhos recém nascidos, e de até 06 (seis) meses de idade, terão os mesmos direitos das mães biológicas, desde que comprovada a adoção através de documentos legais. Saúde e Segurança do Trabalhador Condições de Ambiente de Trabalho CLÁUSULA TRIGÉSIMA TERCEIRA - ALOJAMENTO E REEMBOLSO As partes estabelecem a título de alojamento os seguintes critérios:

13 PARÁGRAFO PRIMEIRO - As empresas manterão, à disposição de seus empregados e motoristas quando estes se encontrarem fora do local de sua base e sem qualquer ônus para estes, alojamento adequado destinados exclusivamente para descanso nos intervalos de intra-jornadas e interjornadas de trabalho, nos principais entroncamentos de suas linhas competindo aos empregados que deles utilizarem, zelarem pela higiene e disciplina em tais locais, de forma a garantir o necessário repouso dos mesmos, obedecendo, ainda, o regulamento e normas das empresas. PARÁGRAFO SEGUNDO O tempo utilizado pelos empregados, quando estiverem descansando nos alojamentos das empresas, bem como quando estiverem em outros locais aguardando o seu horário de trabalho, nas inter-jornadas e nas intra-jornadas, não será considerado à disposição das empresas, não ensejando, assim, o cômputo na jornada de trabalho. PARÁGRAFO TERCEIRO - As empresas, quando não dispuserem de alojamento próprio, darão aos motoristas ou funcionários em viagens fora do local de sua base, alojamento, o qual não integra à sua remuneração para qualquer efeito legal. CLÁUSULA TRIGÉSIMA QUARTA - ÀGUA POTÁVEL As empresas ficam obrigadas a fornecer e manter no local de trabalho, água potável para consumo de seus empregados CLÁUSULA TRIGÉSIMA QUINTA - SANITÁRIOS As empresas ficam obrigadas a manter os sanitários masculino e feminino em condições de higiene. CLÁUSULA TRIGÉSIMA SEXTA - ARMÁRIOS INDIVIDUAIS As empresas manterão armários individuais para a guarda de roupas e pertences dos empregados, desde que a troca de roupa decorra da exigência de atividade desenvolvida pelos funcionários, tais como: mecânicos e motoristas. Uniforme CLÁUSULA TRIGÉSIMA SÉTIMA - UNIFORMES Fica estabelecido o fornecimento gratuito de uniformes aos empregados, quando exigidos pelas empresas na prestação de serviços, limitando-se em

14 03 (três) jogos anuais. Relações Sindicais Acesso do Sindicato ao Local de Trabalho CLÁUSULA TRIGÉSIMA OITAVA - QUADRO DE AVISOS É permitido, à diretoria do sindicato profissional, proceder a colocação de quadro de avisos e comunicações em local visível condicionando-se à prévia comunicação às empresas. Garantias a Diretores Sindicais CLÁUSULA TRIGÉSIMA NONA - PARTICIPAÇÃO EM CONGRESSO As empresas liberarão por 03 (três) dias, os delegados sindicais no exercício do mandato para participarem do congresso anual da categoria, devendo os interessados comunicar, por escrito, ao superior imediato sobre a ocorrência do evento, com antecedência mínima de 15 (quinze) dias da licença pretendida. Contribuições Sindicais CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA - RELAÇÃO DE EMPREGADOS Por ocasião do recolhimento da contribuição sindical, as empresas enviarão às entidades sindicais, juntamente com as guias de recolhimento as relações dos empregados, conforme consta da Portaria de 20/12/83, contendo nomes, funções, data de admissão e o valor das contribuições descontadas. CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA PRIMEIRA - CONTRIBUIÇÃO SOCIAL As empresas ficam autorizadas a descontar do salário base de seus empregados associados ao sindicato dos trabalhadores, o percentual de 2,5% (dois e meio por cento) ao mês, desde que autorizado por eles, conforme preceitua o art. 545 da CLT. PARÁGRAFO ÚNICO O desconto que se refere a presente cláusula será efetuado a partir do mês da autorização do funcionário. CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA SEGUNDA - CONTRIBUIÇÃO

15 CONFEDERATIVA As Empresas descontarão mensalmente em folha de pagamento, de todos os trabalhadores não sócios da Entidade Sindical, a título de Contribuição Confederativa, a importância de 1,3% ( um ponto três por cento ) sobre o salário base em favor do Sindicato, conforme aprovado em assembléia. A Contribuição prevista em Acordo Coletivo de Trabalho, fruto do disposto no artigo nº. 513, alínea e da CLT Consolidação das Leis do Trabalho, é devida por todos os integrantes da categoria profissional. O recolhimento total do valor descontado deverá ser efetuado diretamente ao Sindicato Profissional. PARÁGRAFO ÚNICO: Mesmo com a autorização da assembléia geral referida, fica estabelecido o direito de oposição dos trabalhadores. Para exercer este direito, o trabalhador deverá apresentar na Sede do Sindicato, carta escrita de próprio punho. CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA TERCEIRA - DO REPASSE DAS CONTRIBUIÇÕES /RELAÇÃO NOMINAL As empresas ficam obrigadas a encaminhar ao sindicato dos trabalhadores, até o 7º dia útil após a efetivação do desconto da contribuição social e Contribuição Confederativa, a relação nominal com o respectivo pagamento do valor descontado de seus empregados. Disposições Gerais Aplicação do Instrumento Coletivo CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA QUARTA - AÇÃO DE CUMPRIMENTO O sindicato laboral poderá ajuizar ação de cumprimento em favor dos trabalhadores abrangidos, na hipótese de violação de quaisquer cláusulas do presente, independentemente de outorga ou procuração por parte dos mesmos. Outras Disposições CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA QUINTA - APURAÇÃO DE PONTO Devido às dificuldades que existem na elaboração da folha de pagamento mensal, tais como: a) datas limite dentro do mês para o encerramento da folha de pagamento; b) demora na chegada dos dados para a folha, devido às distâncias entre as filiais e a matriz, pois em muitas delas não existe

16 comunicação on line, e ainda com base no Acórdão do processo nº /98/ RR; as empresas poderão pagar horas extras, adicional noturno ou outras parcelas da remuneração, caso existam, sempre no mês seguinte ao daquele efetivamente trabalhado (apurado). CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA SEXTA - DESCONTOS NOS SALÁRIOS Ficam vedados os descontos salariais a título de assalto, roubo, quebra de veículos ou peças e outras avarias ao patrimônio das empresas ou terceiros, quando comprovado que o empregado não tenha contribuído para a ocorrência desses fatos. CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA SÉTIMA - DANOS EM VEICULOS,ACESSÓRIOS,EQUIPAMENTOS E OUTROS Em caso de dano causado pelos empregados em geral, em veículos, acessórios ou outros equipamentos das empresas ou de terceiros, e ou outros prejuízos ocasionados, no exercício de suas funções, por negligência, imprudência, imperícia ou ainda no caso de dolo, inclusive as multas no caso dos motoristas que os mesmos derem origem no desempenho da função, as empresas ficam autorizadas a efetuarem o desconto em folha de pagamento das importâncias correspondentes aos prejuízos ocasionados, com fundamento no parágrafo 1º do artigo 462 da C.L.T. PARÁGRAFO PRIMEIRO - Os orçamentos, referentes aos danos causados, serão elaborados sempre pelas empresas e com o acompanhamento do empregado envolvido. PARÁGRAFO SEGUNDO - As Empresas comunicarão aos empregados, quando da ocorrência de multas, apresentando cópia dos autos de infração, desde que decorrentes do exercício de sua atividade. PARÁGRAFO TERCEIRO Os autos de infrações referentes as multas deverão ser fornecidos aos empregados dentro do prazo para recorrer, ou seja no mínimo de 05 ( cinco ) dias úteis antes do vencimento, limitados estes a até 02 ( dois ) dias úteis em casos especiais justificados; ocasião em que os empregados poderão solicitar às empresas à apresentação de recurso. PARÁGRAFO QUARTO - As empresas poderão efetuar o desconto do valor das multas, somente quando as mesmas decorrerem de falha do empregado. Os descontos serão realizados após a decisão de indeferimento do recurso, pelo valor efetivamente pago ao Órgão de Trânsito. PARÁGRAFO QUINTO - Caso ocorra a rescisão do contrato de trabalho antes da decisão do recurso, as empresas poderão fazer o desconto referente a multa questionada e futuramente quando sair a decisão do recurso e este for pelo cancelamento da multa, as empresas farão o ressarcimento ao empregado, cujo valor será devidamente atualizado com

17 base nos índices de variação do reajuste salarial e proporcional aos meses que transcorreram entre o período do desconto até a data do efetivo reembolso. PARÁGRAFO SEXTO - O motorista primário na infração específica só será onerado da multa no seu valor normal. CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA OITAVA - FUNDO ASSISTENCIAL Durante a vigência deste Acordo Coletivo de Trabalho, as Empresas recolherão mensalmente, por sua própria conta ao Sindicato laboral, a título de Contribuição para edificação do Clube dos Trabalhadores Rodoviários, o valor correspondente a 1,0 % ( um por cento ) calculado sobre o salário base de todos os empregados pertencentes a filial de Rondonópolis/MT. Estas contribuições deverão ser recolhidas para o Sindicato respectivo até o dia 15 ( quinze ) do mês subseqüente ao vencido. CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA NONA - CONVÊNIOS COM FARMÁCIAS As empresas providenciarão convênio com farmácia para atender exclusivamente receitas médicas dos funcionários, sendo que os valores respectivos serão descontados automaticamente em folha de pagamento dos mesmos. CLÁUSULA QUINQUAGÉSIMA - CONVÊNIOS COM SEST/SENAT As empresas vão providenciar convênio com o SEST/ SENAT ( Serviço Social do Transporte / e Serviço Nacional do Transporte ) para que os empregados aqui representados possam usufruir dos benefícios proporcionados por esses órgãos, tais como: Assistência Médica, Odontológica, Laboratorial, SEST/ Clube, Social e outras. Os custos dos referidos atendimentos deverão ser pactuados diretamente entre os empregados interessados e o SEST/ SENAT, sendo que os valores entre eles acertados, poderão ser descontados na folha de pagamento mensal dos empregados respectivos, mediante autorização por escrito dos mesmos. CLÁUSULA QUINQUAGÉSIMA PRIMEIRA - CONVÊNIO COM SESI/VIDA As empresas vão providenciar convênio com o SESI ( Serviço Social da Indústria ) para que os empregados aqui representados possam usufruir dos benefícios proporcionados por esse órgão, tais como: Assistência Médica, Laboratorial, Social e outras. Os custos dos referidos atendimentos deverão ser pactuados diretamente entre os empregados interessados e o SESI, sendo que os valores entre eles acertados, poderão ser descontados na folha de pagamento mensal dos empregados respectivos, mediante autorização

18 por escrito dos mesmos. CLÁUSULA QUINQUAGÉSIMA SEGUNDA - DESCONTOS DECORRENTES DE CONVENIOS FIRMADOS ENTRE EMPREGADOS E SINDICATO As empresas ficam autorizadas a descontar de seus empregados as importâncias decorrentes de convênios firmados entre eles e o sindicato dos trabalhadores, e com autorização expressa do empregado, restringindo-se portanto até a margem consignável de 30% (trinta por cento) do salário, considerando-se para esta margem, todos os convênios pactuados neste ACT. CLÁUSULA QUINQUAGÉSIMA TERCEIRA - ACESSO AO CONTROLE DE PONTO E PAGAMENTO As Empresas deverão apresentar o controle de ponto e recibo de pagamento de salário dos trabalhadores que a entidade sindical expressamente indicar para exames e conferência de pagamento de horas extraordinariamente prestadas CLÁUSULA QUINQUAGÉSIMA QUARTA - PREENCHIMENTO DE FORMULÁRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL As empresas deverão preencher a documentação exigida pelo INSS, tais como: atestado de afastamento e salário, declaração de atividade penosa, perigosa e insalubre no prazo de 05 (cinco) dias da solicitação feita pelo empregado. CLÁUSULA QUINQUAGÉSIMA QUINTA - SALÁRIO POR VIAGEM É vedada a estipulação de salário contratual por viagem. CLÁUSULA QUINQUAGÉSIMA SEXTA - FGTS As Empresas solicitarão aos bancos depositários que forneçam semestralmente cópia dos extratos do FGTS aos empregados CLÁUSULA QUINQUAGÉSIMA SÉTIMA - SEGURO DE VIDA E GRUPO As empresas se comprometem a organizar junto a Cia. Seguradora, o livre acesso a uma apólice de seguro de vida em grupo, para todos os trabalhadores que manifestarem o desejo em participar. Fica definido que o ônus desta apólice ficará por conta dos referidos trabalhadores e para

19 facilitar, as empresas farão o desconto dos valores respectivos em folha de pagamento mensal, desde que haja autorização individual e por escrito dos segurados. PARÁGRAFO ÚNICO: Os trabalhadores denominados motoristas interestaduais de transporte de passageiros, poderão participar de duas apólices de seguro de vida em grupo, a primeira delas, aquela citada no caput desta cláusula com os custos por sua própria conta; porém estes funcionários, poderão participar de outra apólice de seguro de vida em grupo, durante a vigência deste Acordo Coletivo de Trabalho, desde que permaneçam no quadro de funcionários, com coberturas asseguradas de R$ ,00 ( dez mil reais ) para morte natural, e de R$ ,00 ( vinte mil reais ) para casos de morte acidental, mas neste caso, não haverá desconto em folha de pagamento, pois os valores respectivos serão custeados pelas Empresas. Quando se tratar de funcionários novos admitidos nesta função, a inclusão dos mesmos na apólice referida neste parágrafo, somente poderá ser efetivada a partir do mês seguinte da contratação. Os motoristas que eventualmente vierem a se afastar por motivo de acidente de trabalho e ou por doença, decorridos 90 ( noventa ) dias de afastamento, terão o seu nome excluído da segunda apólice de seguro junto a companhia seguradora, tratada neste parágrafo, e quando no seu retorno ao trabalho, após a alta médica, serão novamente incluídos na referida apólice de seguro. CLÁUSULA QUINQUAGÉSIMA OITAVA - COMISSÃO DE CONCILIAÇÃO PRÉVIA Fica definido entre as partes que as empresas pactuantes deste acordo coletivo de trabalho, em eventuais reclamatórias trabalhistas, poderão participar da Comissão de Conciliação Prévia ( CCP ) a ser instalada no SETROMAT; e ou em outro local, mas neste caso, desde que dentro da base territorial do Sindicato ao final nominado. CLÁUSULA QUINQUAGÉSIMA NONA - SITUAÇÕES MAIS BENEFICAS As partes acima nominadas, após uma análise criteriosa de todas as cláusulas, concluem e convencionam que este acordo coletivo de trabalho é mais benéfico para os trabalhadores da categoria em relação à convenção coletiva de trabalho do SETROMAT com vigência no mesmo período, o que enseja que para os empregados aqui representados serão aplicadas as normas aqui pactuadas CLÁUSULA SEXAGÉSIMA - VIGENCIA/ABRAGÊNCIA O presente acordo coletivo de trabalho é celebrado para viger por 12 (doze) meses, a contar de até e terá abrangência para os

20 empregados das empresas acordantes na base territorial do sindicato laboral subscritor. LUIZ GONCALVES DA COSTA Membro de Diretoria Colegiada SINDICATO DOS TRAB EM TRANSPORTES RODOVI DE RONDONOPOLI REGINALDO MARTINS MENDONCA Procurador EUCATUR EMPRESA UNIAO CASCAVEL DE TRANSPORTE E TURIS LT JOSE DE LUCA Procurador EUCATUR EMPRESA UNIAO CASCAVEL DE TRANSPORTE E TURIS LT REGINALDO MARTINS MENDONCA Procurador TRANSPORTES COLETIVOS SERRA AZUL LTDA JOSE DE LUCA Procurador TRANSPORTES COLETIVOS SERRA AZUL LTDA REGINALDO MARTINS MENDONCA Procurador VIACAO NOVA INTEGRACAO LTDA JOSE DE LUCA Procurador VIACAO NOVA INTEGRACAO LTDA A autenticidade deste documento poderá ser confirmada na página do Ministério do Trabalho e Emprego na Internet, no endereço

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002511/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053502/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.005004/2012-32 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001633/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017942/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001682/2013-16 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2007/2008 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000146/2007 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/10/2007 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001271/2007 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.005618/2007-28 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000204/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/03/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR006500/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.002367/2015-27 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL 1 de 5 05/11/2014 10:02 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002761/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 04/11/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR066410/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.007110/2014-12

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000953/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029282/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009097/2013-02 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002716/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 16/11/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064091/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.006426/2015-78 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG004008/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR057851/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.008943/2011-67 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002285/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/10/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR055933/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.001820/2011-96 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR002151/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR026676/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.010071/2009-72 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 10 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001530/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022315/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.004377/2013-77 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001254/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017099/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006142/2011-57 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002460/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/10/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR039198/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46313.003316/2014-34 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG005003/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/12/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR079528/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.007490/2014-02 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002515/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR038779/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004745/2014-77 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000812/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 19/06/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017988/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.002440/2009-54 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR034439/2012 SINDICATO DOS FARMACEUTICOS DO ESTADO DE M GROSSO DO SU, CNPJ n. 15.939.572/0001-08, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PA000361/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/06/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR031936/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46222.003478/2015-72 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000433/2008 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/10/2008 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015947/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.032963/2008-13 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000276/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/02/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR005346/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.024928/2011-26

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP008079/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/09/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR044195/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46261.004278/2009-22 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000247/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 01/07/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021198/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46224.001800/2010-02 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000145/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 31/01/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR080680/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.001357/2014-74 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000637/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR004928/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001229/2011-48 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000640/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/09/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR060060/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46306.001737/2015-09 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000787/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024630/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.008066/2015-98 DATA

Leia mais

http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resumovisualizar?nrsolicitacao...

http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resumovisualizar?nrsolicitacao... Página 1 de 5 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000542/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 13/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024046/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46290.001101/2013-11 DATA DO PROTOCOLO: 23/05/2013 CONVENÇÃO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002547/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/11/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR069674/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.031201/2012-86 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP008188/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 28/07/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR044970/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46256.002785/2015-49 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000007/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/01/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR072509/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.000014/2014-10 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001428/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021439/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.003413/2010-41 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000776/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/05/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015125/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46305.000402/2014-94 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001554/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/08/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR032670/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.023032/2010-49 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 7 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003924/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053747/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.011188/2014-31 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002217/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/10/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053080/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.035134/2010-15 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000094/2008 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/07/2008 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR009387/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.004520/2008-21 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000718/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/08/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR041087/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.008416/2013 73 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002450/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/10/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR055380/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.005486/2013-10 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000202/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/06/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021878/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46224.002474/2009-17 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001710/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/07/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR042733/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.004077/2015-50 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000170/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR000920/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.000168/2015-16

Leia mais

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001902/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR019390/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46236.000751/2012-13 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002443/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/11/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR061733/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.043450/2011-33 DATA DO

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA - CORREÇÃO DO SÁLARIO VIGÊNCIA DA CLÁUSULA: 01/05/2014 a 30/04/2015

CLÁUSULA TERCEIRA - CORREÇÃO DO SÁLARIO VIGÊNCIA DA CLÁUSULA: 01/05/2014 a 30/04/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS, CICLISTAS E MOTO- TAXISTAS DO ESTADO DE SAO PAULO, CNPJ n. 66.518.978/0001-58, neste ato representado (a) por seu Presidente,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003439/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR046249/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.012779/2015 14 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001069/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/07/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR034655/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009004/2011-70 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000601/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/04/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016325/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46305.000436/2015-60 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000096/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/01/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064426/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.042751/2011-40 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000955/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR028972/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009094/2013-61 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: AM000415/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/09/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR044279/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46202.014239/2014-03 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS 1 de 7 25/07/2014 09:03 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001369/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 24/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR038747/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.014791/2014-44

Leia mais

Celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes:

Celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes: SINDICATO TRABALHADORES MOV MERC EM GERAL DE PASSOS, CNPJ n. 64.480.692/0001-03, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). Manoel Messias dos Reis Silva; E FEDERACAO DO COMERCIO DE BENS, SERVICOS

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 10 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RN000052/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 27/02/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001722/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46217.001204/2012-75

Leia mais

SINDICATO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM E EMPREGADOS EM

SINDICATO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM E EMPREGADOS EM CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO PARA VIGÊNCIA DE 1º DE FEVEREIRO DE 2.005 A 31 DE JANEIRO DE 2.006, CELEBRADA ENTRE O ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE DO ESTADO DO MARANHÃO-SINPEEES/MA E O SINDICATO DE HOSPITAIS,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000285/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/02/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002993/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.003256/2014-68 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000212/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021394/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.003027/2013-64 DATA DO

Leia mais

Data-Base 1º de maio de 2015

Data-Base 1º de maio de 2015 PRÉ-PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2015 Data-Base 1º de maio de 2015 Pré-Pauta de Reivindicações 2015 Agroindústrias do setor de carnes e leite, Cooperativas Agropecuárias, Clinicas Veterinárias, Laboratórios

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000729/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 16/10/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR063549/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.014938/2014-95 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000561/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/07/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002385/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.008552/2015-25 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002058/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018377/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004510/2012-13 DATA DO

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000562/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 19/09/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053836/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.001892/2014-03

Leia mais

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem.

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDIMVET SINDICATO DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO e SINPAVET SINDICATO PATRONAL DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÀO PAULO PERÍODO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP005541/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR007344/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46255.000552/2015-11 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG003310/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 06/08/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR045893/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46504.003095/2015-38 DATA DO

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000311/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 13/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020828/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.007783/2013-70

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 9 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: ES000221/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/07/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR030450/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46207.004952/2010-67

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000053/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR005715/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.000338/2015-33 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001092/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/06/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR005184/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.004081/2014-14 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 DA ABRANGÊNCIA:

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 DA ABRANGÊNCIA: CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 DA ABRANGÊNCIA: Cláusula 1ª - Esta convenção coletiva de trabalho que entre si celebram, de um lado o Sindicato dos Médicos de Anápolis e, do outro lado, o Sindicato

Leia mais

celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes:

celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes: SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS,CICLISTAS E MOTO-TAXISTAS DO ESTADO DE SAO PAULO, CNPJ n. 66.518.978/0001-58, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). GILBERTO ALMEIDA DOS SANTOS; E

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000709/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR039160/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.008251/2015-11 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RN000390/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/10/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR060523/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46217.008181/2013-19

Leia mais

O Piso Salarial da categoria, a partir de 01 de maio de 2015, será de R$ 865,00 (Oitocentos e sessenta e cinco reais).

O Piso Salarial da categoria, a partir de 01 de maio de 2015, será de R$ 865,00 (Oitocentos e sessenta e cinco reais). CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000185/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022722/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.001751/2015-15 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000877/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE : 31/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO : MR022913/2011 NÚMERO DO PROCESSO : 46215.016894/2011 SINTUR

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002667/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/06/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR027436/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.005491/2011-61 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL 1 de 7 28/12/2015 17:24 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC003175/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/12/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR081080/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 47620.002006/2015-72

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000316/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/03/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR085351/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.001800/2015-18 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001711/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 06/05/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016575/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.005146/2014-61 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 9 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000736/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067570/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.023448/2012-38 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000287/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/06/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR037320/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.002586/2015-19 DATA DO

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2012

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2012 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: TO000023/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/04/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017571/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46226.009193/2012-62

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PI000036/2008 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/09/2008 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015042/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46214.002894/2008-23 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO 2008/2009

ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA E ATACADISTA DE VITÓRIA DA CONQUISTA ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA 01 DE MARÇO DE 2008 CONVENÇÃO COLETIVA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Mediador - Extrato Instrumento Coletivo CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000236/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/06/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023908/2011 NÚMERO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016 SIND DOS EMP VEN E VIAJ DO C P P V E VEN DE P FAR DO DF, CNPJ n. 00.449.181/0001-38, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). MARIA APARECIDA ALVES

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 SINDICATO TRABS ENTIDADES SINDICAIS DO ESTADO M GERAIS, CNPJ n. 17.498.775/0001-31, neste ato representado(a) por seu Diretor, Sr(a). ROGERIA CASSIA DOS REIS NASCIMENTO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2010/2011

CONVENÇÃO COLETIVA 2010/2011 CONVENÇÃO COLETIVA 2010/2011 Pelo presente instrumento particular, de um lado O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Publicidade do Estado do Paraná, com sede em Curitiba, no estado do Paraná, na

Leia mais

Mensageiro Motociclista R$ 1.000,00 Mensageiro Ciclista R$ 800,00 Setor Administrativo R$ 972,00

Mensageiro Motociclista R$ 1.000,00 Mensageiro Ciclista R$ 800,00 Setor Administrativo R$ 972,00 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS,CICLISTAS E MOTO- TAXISTAS DO ESTADO DE SAO PAULO, CNPJ n. 66.518.978/0001-58, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

Salários, Reajustes e Pagamento

<sp> Salários, Reajustes e Pagamento TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001994/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/08/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR051798/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.002524/2014-55

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029594/2015 DATA E HORÁRIO DA TRANSMISSÃO: 21/05/2015 ÀS 15:50 SINDICATO DOS EMP NO COM DE CONSELHEIRO LAFAIETE, CNPJ n. 19.721.463/0001-70,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON ANDRADE;

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001599/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017802/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.004343/2013-81 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001746/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020832/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.005849/2012-27

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 8 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000792/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016119/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 47193.000049/2012-58

Leia mais