Perfil País. Moçambique

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perfil País. Moçambique"

Transcrição

1 Perfil País Moçambique Elaborado pela: Unidade de - Apex-Brasil Tel: Fax:

2 Moçambique Indicadores Econômicos Crescimento do PIB (%) 8,82% PIB ( US$ - Bilhões ) 5,39 PIB PPP (Moeda Local - Bilhões) 0,01 Taxa de Inflação FBCF*/PIB IDE**/PIB Grau de aberturaa do país 61,58% IMP/PIB 36,12% População (Mil hab) PIB PPP - share 0,00% 2004 Índice de complementaridade 40% Fonte: Euromonitorr e GTIS - Elaboração UIC APEX-Brasil * FBCF: Formação bruta de capital fixo **IDE: Investimento direto estrangeiro, dados de 2006 Comércio (US$ milhões) Exportações Totais Importações Totais Importações brasileiras do país Exportações brasileiras para o país Var. das Importações Totais (07/06) % Var. das Exportações Totais (07/06) % Var. das Importações brasileiras (07/06) % Var. das Exportações brasileiras (07/06) % ,00 27, ,02 35,21 Fonte: GTIS e Aliceweb. Elaboração UIC APEX-Brasil média Indicadores Econômicos PIB per capita (US$) 271,58 Correntes de comércio/pib Fonte: Euromonitorr e GTIS - Elaboração UIC APEX-Brasil média (%) 12,01% 10,48% 4,47% 7,00% 8,02 0,02 8,20% 12,06% 2,16% 73,10% 38,28% ,00% 47% ,02 28,25 37,82% 35,28% 27,12% -19,79% 374,64 69,88% Indicadores Econômicos: - PIB (produto interno bruto): é a soma dos valores de toda renda e produção interna de um país, incluindo os impostos em determinado período. - PIB PPP (PIB paridade de poder de compra): mede a paridade de poder de compra de uma certa população em relação aos bens e serviços de modo que possibilita a comparação em diferentes países. - FBCF: representa o aumento da capacidade produtiva futura de uma economia por meio de investimentos correntes em bens duradouros adquiridos pelas unidades produtivas com a finalidade de serem utilizados por um período superior a um ano, no processo produtivo.(ex: Máquinas). - Grau de abertura do país: é calculado a partir da corrente do comércio sobre o PIB. 2

3 - PIB PPP share: PIB do país em relação ao PIB mundial. Principais Países Fornecedores - 1,9% 2,1% 2,2% 3,7% 4,0% 5,2% 13,9% 11,4% 13,7% 41,7% África do Sul EUA Índia Austrália China Portugal Tailândia Japão Argentina Outros Fonte: GTIS Elaboração: UIC Apex-Brasil O Brasil ocupa a 16ª posição entre os mercados fornecedores para Moçambique, tendo exportado US$ 27 milhões para o país em, o que representou um acréscimo de 5% em relação ao montante exportado no ano anterior 1. Matriz de Atratividade A Matriz de Atratividade tem o objetivo de comparar o desempenho dos produtos ou setores brasileiros no mercado-alvo. Ao visualizar o gráfico, é possível identificar as melhores oportunidades no quadrante superior direito, em que se encontram os grupos de produtos que mais tiveram crescimento nas importações totais pelo mercado-alvo e nas exportações brasileiras totais para esse mesmo mercado. A construção da matriz de atratividade seguiu as seguintes padronizações: 1. Bolhas: representam grupos de produtos criados com os SH6 segundo a classificação do MDIC/Secex. 2. Tamanho de cada bolha: representa o total importado em US$ pelo mercado-alvoo daquele grupo de produtos no ano de. Portanto, quanto maior a bolha, maior o volume importado pelo mercado-alvo de todos os países, inclusive do Brasil; 3. Eixo X: representa a média do crescimento das exportações dos grupos de produtos brasileiros para o mercado-alvo entre 2002 e ; 4. Eixo Y: representa a média do crescimento das importações totais do mercado-alvo dos grupos de produtos 2002 e ; 5. Valor de referência: facilita a visualização de quanto representa o tamanho da bolha em US$; 1 Para obtenção dos dados de importação de Moçambique utilizou-se a base de dados do Global Trade Information Service (GTIS). Como Moçambique não reporta diretamente suas importações para essa base, tais valores foram extraídos do cruzamento das informações de exportações dos demais países. 3

4 6. Acima e à esquerda estão os setores que apresentaram algum crescimento maior que a representação do gráfico valor no eixo X, valor no eixo Y, e valor importado pelo país no ano de. Crescimento médio das importações pelo mercado-alvo dos concorrentes do Brasil 2004/ Outros produtos de origem animal (28%) Higiene e Cosméticos (2%) 60% Produtos metalúrgicos (9%) 4 100% 80% 40% 3 20% 0% -50% 0% -20% Matriz de atratividade para setores - Produtos Mais Exportados Mercado-alvo: Moçambique 1-Móveis (12%) 2-Prod. Cerâmicos (30%) 3 -Obras diversas (5%) 4-Chocolates, balas e conf. (16%) 5-Obras de pedra (49%) 6-Papel e Celulose (7%) Chá, mate e especiarias (16%) Carne bovina (18%) Borracha e suas obras (4%) Veículos automotores e partes (22%) 6 Carne de aves (73%) 50% 100% Materiais elétricos e eletroeletrônicos (4%) Ferramentas e Talheres (13%) Calçados e suas partes (8%) Instrumentos de Precisão (10%): 26%; 203%; US$ 2,3 milhões Prod. Químicos (10%): 168%; 188%; US$ 799 mil Água Mineral e Refri. (11%): -16%; 54%; US$ 773 mil Prod. Metalúrgicos (9%): -11%; 18%; US$ 4,7 milhões Vidro e suas obras (9%) 197%; 146%; US$ 1,9 milhões Tintas (2%) Têxteis (11%) Máquinas e motores (9%) Plásticos e suas obras (7%) Metais não ferrosos (18%) 150% 200% Valor de Referência = US$ 5 milhões Fonte: GTIS. Elaboração: UIC APEX-Brasil Crescimento médio das exportações brasileiras do setor para o mercado-alvo alvo 2004/ Copyright ApexBrasil A matriz de atratividade indica que as oportunidades para as exportações brasileiras para o Moçambique encontram-se em nichos bastante diversificados. Entre os segmentos selecionados, Prod. Químicos, Vidros e suas obras e Metais não-ferrosos apresentam as maiores taxas de crescimento anual das exportações brasileiras entre 2004 e. Já as maiores taxas para as importações de Moçambique foram observadas para Instrumentos de Precisão, Prod. Químicos e Vidros e suas obras. Por fim, os maiores valores importados por Moçambique em couberam aos Móveis, às Borrachas e suas obras e aos veículos automotores e suas partes. Essas informações são complementadas com as tabelas das páginas seguintes, que se utilizam de informações como continuidade (produtos exportados) ou descontinuidade (produtos não exportados), participação do Brasil e dos concorrentes no mercado- alvo e IVCR - Índice de Vantagens Comparativas Reveladas 2, entre outras. 2 A Vantagem Comparativa Revelada (VCR) mede a participação de um produto nas exportações do país em relação à participação do mesmo produto no comércio mundial. Um índice VCR menor que uma unidade indica uma desvantagem comparativa revelada do país num determinado produto, enquanto um valor acima de um mostra uma vantagem comparativa revelada no produto. 4

5 EMPRESAS BRASILEIRAS EXPORTADORAS MOÇAMBIQUE PORTE Desconhecido Micro Pequena Média Grande TOTAL FONTE Secex/MDIC e Sigeor/Apex-Brasil Exportadoras a 08 de Projetos APEX Clientes Clientes Clientes Clientes Clientes APEX 05 a APEX 2005 APEX 2006 APEX APEX FONTE GTIS/ Elaboração UIC/Apex-Brasil Complexo Setor Valor importado pelo mercado em (US$) Máquinas e Equipamentos Borracha e suas obras Alimentos Bebidas e Agronegócio Carne de aves Alimentos Bebidas e Agronegócio Chá, mate e especiarias Alimentos Bebidas e Agronegócio Chocolates, balas e confeitos Alimentos Bebidas e Agronegócio Higiene e Cosméticos Máquinas e Equipamentos Instrumentos de Precisão Máquinas e Equipamentos Materiais elétricos e eletroeletrônicos Metais não ferrosos Alimentos Bebidas e Agronegócio Outros produtos de origem animal Papel e Celulose Máquinas e Equipamentos Plásticos e suas obras Produtos cerâmicos Máquinas e Equipamentos Produtos metalúrgicos Tecnologia e Saúde Produtos químicos Moda Têxteis Tintas Máquinas e Equipamentos Veículos automotores e partes Alimentos Bebidas e Agronegócio Carne bovina Moda Calçados e suas partes PRODUTOS EXPORTADOS Participação brasileira nas importações do mercado em Principal concorrente Participação do principal concorrente nas importações do mercado em Crescimento médio das exportações brasileiras para o mercado (2004- ) Crescimento médio das exportações dos concorrentes para o mercado (2004-) 3,7% África do Sul 51,5% 37,0% 13,2% 72,7% África do Sul 16,0% 14,4% -10,8% 16,2% África do Sul 43,5% -12,2% 42,5% 15,9% África do Sul 43,4% -5,6% 25,6% 2,1% África do Sul 88,5% -24,1% 53,1% 10,1% África do Sul 71,9% 26,3% 202,7% 3,7% África do Sul 48,9% 152,9% 51,5% 17,9% África do Sul 36,1% 195,2% 10,7% 27,6% Argentina 68,2% -11,5% 79,1% 7,5% África do Sul 43,5% 42,2% 14,6% 6,6% Coréia do Sul 45,5% 165,8% 53,3% 29,8% Portugal 26,0% 27,8% 17,4% 8,9% África do Sul 63,3% -10,5% 17,8% 10,3% África do Sul 80,3% 168,0% 187,8% 11,0% Portugal 29,9% 103,6% 23,1% 2,4% África do Sul 89,3% 135,8% 42,2% 21,7% África do Sul 36,8% 42,4% 20,7% 17,8% Índia 50,9% 1,6% 36,5% 7,6% China 53,8% 69,7% 11,4% VCR do Brasil (média ) VCR do principal concorrente (média ) Comentário sobre o Potencial do setor no mercado-alvo 1,80 0,88 A CONSOLIDAR 25,53 0,17 CONSOLIDADO 0,36 0,13 DECLÍNIO 1,51 0,22 DESVIO DE COMÉRCIO 1,87 0,88 DESVIO DE COMÉRCIO 0,56 0,13 DECLÍNIO 0,43 0,16 A CONSOLIDAR 0,27 0,09 A CONSOLIDAR 4,62 3,04 DECLÍNIO 0,21 0,16 A CONSOLIDAR 1,23 1,91 A CONSOLIDAR 3,21 7,07 A CONSOLIDAR 1,30 0,52 DESVIO DE COMÉRCIO 1,01 0,75 DESVIO DE COMÉRCIO 0,22 0,88 A CONSOLIDAR 0,50 0,41 A CONSOLIDAR 2,51 0,33 A CONSOLIDAR 12,97 3,17 DECLÍNIO 3,34 3,59 A CONSOLIDAR 5

6 Obras de pedra Vidro e suas obras Ferramentas e Talheres Máquinas e Equipamentos Máquinas e motores Móveis Obras diversas Tecnologia e Saúde Produtos farmacêuticos Alimentos Bebidas e Agronegócio Água Mineral e Refrigerantes Moda Material esportivo ,9% África do Sul 20,6% 31,7% 17,4% 9,4% China 57,9% 197,3% 145,9% 13,4% África do Sul 31,3% 77,3% 28,3% 8,8% África do Sul 50,5% 95,2% 5,8% 11,7% África do Sul 42,8% 11,8% 23,5% 4,6% África do Sul 50,0% -6,5% 27,0% 40,1% Índia 50,5% 631,1% 3,7% 10,5% África do Sul 52,6% -16,5% 54,5% 14,5% China 82,2% 0,0% 14,7% 7,66 2,76 CONSOLIDADO 0,88 3,07 A CONSOLIDAR 0,94 0,31 A CONSOLIDAR 0,38 0,17 A CONSOLIDAR 1,12 0,28 DESVIO DE COMÉRCIO 1,04 0,24 DESVIO DE COMÉRCIO 0,69 3,32 A CONSOLIDAR 0,14 0,09 DECLÍNIO 0,34 1,81 DECLÍNIO PRODUTOS NÃO-EXPORTADOS OPORTUNIDADES Complexo Moda Alimentos Bebidas e Agronegócio Moda Máquinas e Equipamentos Tecnologia e Saúde Alimentos Bebidas e Agronegócio Máquinas e Equipamentos FONTE GTIS/ Elaboração UIC/Apex-Brasil Importações VCR do Crescimento médio Crescimento médio Setor totais pelo Brasil das importações das importações mercado em (média totais do mundo totais do mercado (US$) ) (2004-) (2004-) Colas e enzimas ,11 8,34% 35,30% Demais carnes ,80 8,12% 38,30% Ferramentas e Talheres ,66 10,74% 29,39% Metais não ferrosos ,19 24,71% 41,58% Móveis ,38 10,28% 25,09% Peles e couros ,50 7,26% 30,65% Petróleo ,67 20,65% 30,28% Pólvora ,88 8,02% 40,75% Produtos cerâmicos ,45 8,56% 22,43% Produtos metalúrgicos ,70 14,15% 48,99% Produtos minerais ,61 25,23% 79,98% Produtos químicos ,86 11,99% 33,55% Semente ,78 8,41% 15,81% Veículos e materiais para vias férreas ,74 6,97% 73,44% Dinamismo Comentário Dinâmico Oportunidade Dinâmico Oportunidade Dinâmico Oportunidade 6

Perfil País. Cazaquistão

Perfil País. Cazaquistão Perfil País Cazaquistão Elaborado pela: Unidade de - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55 613426.0202 Fax: +55 613426.0332 www.apexbrasil.com.br 1 Cazaquistão Indicadores Econômicos Crescimento do

Leia mais

Perfil País. Azerbaijão

Perfil País. Azerbaijão Perfil País Azerbaijão Elaborado pela: Unidade de - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55 613426.0202 Fax: +55 613426.0332 www.apexbrasil.com.br 1 Azerbaijão Indicadores Econômicos Crescimento do PIB

Leia mais

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG Vale do Rio Grande Julho/2016 Objetivo Prover informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria no Estado de Minas Gerais e nas Regionais

Leia mais

As exportações chinesas e o impacto na FIAM 2009

As exportações chinesas e o impacto na FIAM 2009 As exportações chinesas e o impacto na Zona Franca de Manaus FIAM 2009 Modelo econômico de desenvolvimento chinês P d Produção para exportação China A retração do mercado americano e europeu As alternativas

Leia mais

NOVA ZELÂNDIA. Comércio Exterior

NOVA ZELÂNDIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC NOVA ZELÂNDIA Comércio Exterior Março de 2016 Principais indicadores

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Dezembro/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Out16/Set16 (%) dessaz. Out16/Out15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

CUBA Estudo de Oportunidades

CUBA Estudo de Oportunidades CUBA Estudo de Oportunidades Camila Meyer Unidade de Inteligência Comercial CUBA: Características mais importantes destacadas no estudo Pontos Favoráveis Crescimento do PIB de 7,3% (2007) Mudanças graduais

Leia mais

ESTADOS UNIDOS. Comércio Exterior

ESTADOS UNIDOS. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ESTADOS UNIDOS Comércio Exterior Março de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

ARGENTINA. Comércio Exterior

ARGENTINA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

URUGUAI. Comércio Exterior

URUGUAI. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC URUGUAI Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM AGOSTO Exportações As exportações da indústria registraram o nível mais baixo para o mês desde

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JULHO Exportações As exportações da indústria atingiram o nível mais baixo desde 2006 para o

Leia mais

Unidade de Inteligência Comercial Apex-Brasil Tel: +55 61 3426.0202 Fax: +55 61 3426.0263 www.apexbrasil.com.br

Unidade de Inteligência Comercial Apex-Brasil Tel: +55 61 3426.0202 Fax: +55 61 3426.0263 www.apexbrasil.com.br P E R F I L P A Í S T U R Q U I A Unidade de Inteligência Comercial Apex-Brasil Tel: +55 61 3426.0202 Fax: +55 61 3426.0263 www.apexbrasil.com.br TURQUIA Indicadores Econômicos média 2002-2007 2008 Crescimento

Leia mais

ISLÂNDIA. Comércio Exterior

ISLÂNDIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ISLÂNDIA Comércio Exterior Fevereiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

SENEGAL Comércio Exterior

SENEGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SENEGAL Comércio Exterior Agosto de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro 2013 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM 2013 Exportações A contabilização como exportação de três plataformas de petróleo e gás somou

Leia mais

3º Trimestre de 2011

3º Trimestre de 2011 Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 3º Trimestre de 2011 Coordenação de Contas Nacionais 06 de dezembro de 2011 Revisões nas Contas Nacionais Trimestrais No 3º trimestre

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL

BALANÇA COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL BALANÇA COMERCIAL Tatiana Lacerda Prazeres Secretária de Comércio Exterior Indicadores Sócioeconômicos dos Países do Mercosul 2010 BRASIL ARGENTINA PARAGUAI URUGUAI PIB (US$ bi) 2.090,3 370,3 18,5 40,3

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Dezembro/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS I R A Q U E

DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS I R A Q U E Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS I R

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL GOIANA OUTUBRO 2015 Dados preliminares

BALANÇA COMERCIAL GOIANA OUTUBRO 2015 Dados preliminares BALANÇA COMERCIAL GOIANA OUTUBRO 2015 Dados preliminares 1 BALANÇA COMERCIAL GOIÁS OUTUBRO 2015 US$ FOB MÊS EXPORTAÇÕES IMPORTAÇÕES SALDO OUTUBRO/2015 516.095.546 262.729.719 253.365.827 2 EVOLUÇÃO DA

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Resultados de 2011 Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular São Paulo, 07 de fevereiro de 2012 Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior -

Leia mais

Desempenho da Indústria Catarinense

Desempenho da Indústria Catarinense FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA Desempenho da Indústria Catarinense Florianópolis, 20 de março de 2015 SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2015 INDICADOR SANTA CATARINA

Leia mais

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Comunicação e tecnologia. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 7.2 Conteúdos A presença da economia

Leia mais

PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%).

PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%). PIB apresentou estabilidade em relação a 2013 (+0,1%). O PIB encerrou o ano de 2014 com variação de 0,1%. Nessa comparação, a Agropecuária (0,4%) e os Serviços (0,7%) cresceram e a Indústria caiu (- 1,2%).

Leia mais

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Diretoria Adjunta de Análise e Disseminação de Informações Gerência de Indicadores Econômicos Em fevereiro de 2016, no acumulado de 12 meses,

Leia mais

Evolução dos coeficientes de exportação e importação da Indústria de Transformação

Evolução dos coeficientes de exportação e importação da Indústria de Transformação Evolução dos coeficientes de exportação e importação da Indústria de Transformação Gráfico 1 CE e PI da Indústria de transformação e taxa de câmbio real CE e PI(%) 20 A taxa média de câmbio efetiva real

Leia mais

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria Rede Setorial da Indústria Os desafios setoriais à competitividade da indústria brasileira Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria São Paulo, 10 de setembro de 2013 ROTEIRO

Leia mais

Relações Comerciais Brasil-Alemanha

Relações Comerciais Brasil-Alemanha Relações Comerciais Brasil-Alemanha Balança Comercial Brasil Alemanha / 2002 Mar 2015 (em mil US$ - FOB) Ano Exportação Importação Saldo Volume de Comércio 2002 2.539.954 4.418.971-1.879.016 6.958.926

Leia mais

NOTA TÉCNICA CHINA. Período: 2014 / 2015* *Valores em US$ FOB. Fonte: Aliceweb/Exportaminas. BALANÇA COMERCIAL BRASIL X CHINA

NOTA TÉCNICA CHINA. Período: 2014 / 2015* *Valores em US$ FOB. Fonte: Aliceweb/Exportaminas. BALANÇA COMERCIAL BRASIL X CHINA NOTA TÉCNICA CHINA Período: 2014 / 2015* *Valores em US$ FOB. Fonte: Aliceweb/. Brasil Gráfico 1. BALANÇA COMERCIAL BRASIL X CHINA Balança Comercial Brasil X China 40.616 37.345 35.608 30.719 US$ 2014

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação

Leia mais

PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA

PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA 8 PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA A crise econômico-financeira originada nos Estados Unidos, em 2008, denominada Crise dos Subprime, afetou toda a economia mundial. A atual crise da União Europeia, chamada

Leia mais

LÍBANO Comércio Exterior

LÍBANO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC LÍBANO Comércio Exterior Junho de 2014 Índice. Dados Básicos. Principais

Leia mais

Mogi das Cdr_mogi_das_cruzes 21 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE MOGI DAS CRUZES. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação

Mogi das Cdr_mogi_das_cruzes 21 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE MOGI DAS CRUZES. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação Mogi das Cdr_mogi_das_cruzes 21 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE MOGI DAS CRUZES Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 16 de dezembro de 2016 A Diretoria Regional do CIESP de Mogi

Leia mais

Oportunidades de Negócios em Minas Gerais. Mauricio Cecilio Diretor de Promoção de Investimentos

Oportunidades de Negócios em Minas Gerais. Mauricio Cecilio Diretor de Promoção de Investimentos Oportunidades de Negócios em Minas Gerais Mauricio Cecilio Diretor de Promoção de Investimentos Aspectos de MG 588.000 km2 20 milhões de habitantes 18.000 escolas básicas 289 faculdades/universidades 265.000

Leia mais

Prof. Dr. Fernando Sarti

Prof. Dr. Fernando Sarti Os Desafios do Pré-sal: Riscos e Oportunidas para o País Sessão 3: O Brasil po se tornar uma referência em petróleo em águas profundas? As Políticas Industrial e Inovação Prof. Dr. Fernando Sarti Unicamp,

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ABRIL 2012

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ABRIL 2012 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ABRIL 2012 US$ milhões FOB Período Dias Úteis EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Média Média Média Média Valor Valor Valor Valor p/dia útil p/dia útil p/dia útil p/dia

Leia mais

Sistema de Contas Nacionais Brasil

Sistema de Contas Nacionais Brasil Diretoria de Pesquisas Sistema de Contas Nacionais Brasil 2004-2008 Coordenação de Contas Nacionais Rio, 05/11/2010 Divulgações do SCN Já divulgados os dois primeiros trimestres de 2010, HOJE - ano 2008

Leia mais

ano V, n 46, Fevereiro de 2015

ano V, n 46, Fevereiro de 2015 ,, Fevereiro de 2015 EM FOCO O Índice de rentabilidade das exportações registrou queda de 10,1% em janeiro de 2015 na comparação com janeiro de 2014 (Tabela 1). A queda do Índice resultou da forte diminuição

Leia mais

NEPAL Comércio Exterior

NEPAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC NEPAL Comércio Exterior Fevereiro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Brazilian Festival. Cairo - Egito : Setembro de 2016

Brazilian Festival. Cairo - Egito : Setembro de 2016 Brazilian Festival Cairo - Egito : 06-09 Setembro de 2016 Dados de Importação Brasil - Egito 2 Egito em Números População: 90 milhões PIB per Capita: US$ 3.242 Distancia Marítima: 26d14h Principais produtos

Leia mais

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Exportaminas

Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Exportaminas NOTA TÉCNICA MERCOSUL Estados Associados* 2010-2014 * Mercado Comum do Sul Estados Associados é composto por República do Chile, República da Colômbia, República do Equador, República Cooperativa da Guiana,

Leia mais

ano IV, n 46 Fevereiro de 2015

ano IV, n 46 Fevereiro de 2015 ano IV, n 46 Fevereiro de 2015 SÍNTESE JANEIRO DE 2015 Em US$ milhões Período Exportações Importações Saldo Janeiro 13.704 16.878-3.174 Variação em relação a Janeiro de 2014-14,5 % -16,0 % 894 Acumulado

Leia mais

O investimento direto estrangeiro e o Brasil. Elton Jony Jesus Ribeiro IPEA

O investimento direto estrangeiro e o Brasil. Elton Jony Jesus Ribeiro IPEA O investimento direto estrangeiro e o Brasil Elton Jony Jesus Ribeiro IPEA 1. O que é o IDE? Investimento de Portfólio X Investimento Direto Investimento de Portfólio: É baseado na percepção do ganho financeiro

Leia mais

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti Reunião Mensal Plenária CIESP - Campinas Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil Prof. Dr. Fernando Sarti NEIT-IE IE-UNICAMP fersarti@eco.unicamp. @eco.unicamp.br Campinas, 18 de fevereiro de 2009

Leia mais

V AVISULAT Porto Alegre/RS

V AVISULAT Porto Alegre/RS V AVISULAT Porto Alegre/RS Avanços e desafios para o agronegócio brasileiro no mercado externo. Eduardo Sampaio Marques Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio SRI/MAPA Panorama do Agronegócio

Leia mais

Gráfico 1 Corrente de comércio Brasil - China entre 2006 e 2015 (US$ milhões)

Gráfico 1 Corrente de comércio Brasil - China entre 2006 e 2015 (US$ milhões) INFORMATIVO Nº. 48. JANEIRO de 216 COMÉRCIO BILATERAL BRASIL-CHINA Balança Comercial Em 215, a corrente de comércio Brasil-China totalizou 66,3 bilhões, de acordo com dados divulgados pelo Ministério do

Leia mais

Internacionalização da Economia Brasileira

Internacionalização da Economia Brasileira ASPECTOS TÉCNICOS DO ACORDO BRASIL ARGENTINA DE PAGAMENTOS EM MOEDA LOCAL Internacionalização da Economia Brasileira Paulo Vieira da Cunha São Paulo, Agosto/2007 1 Agenda 1. Internacionalização da Economia

Leia mais

ano V, n 47, Março de 2015

ano V, n 47, Março de 2015 ,, Março de 2015 EM FOCO Em fevereiro, o Índice de rentabilidade das exportações totais registrou aumento de 2,6%, em relação a janeiro. O aumento da Rentabilidade exportadora no mês foi devido ao impacto

Leia mais

COLETIVA DE IMPRENSA. Rafael Cervone Presidente da Abit

COLETIVA DE IMPRENSA. Rafael Cervone Presidente da Abit COLETIVA DE IMPRENSA Rafael Cervone Presidente da Abit RESULTADOS 2014 Var.% em relação ao mesmo período do ano anterior 2013 2014* Perfil 2014* Emprego +7.273-20.000 1,6 milhão Produção Vestuário -1,3%

Leia mais

JAPÃO Comércio Exterior

JAPÃO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC JAPÃO Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da França,

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da França, Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

Uma análise dos setores exportadores das economias brasileira e paranaense

Uma análise dos setores exportadores das economias brasileira e paranaense Uma análise dos setores exportadores das economias brasileira e paranaense Luciano Nakabashi * Luis Esteves ** Marcio José Vargas da Cruz *** RESUMO - O cenário internacional tem sido favorável tanto à

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL MATO GROSSO - RONDONÓPOLIS JUNHO DE 2011

EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL MATO GROSSO - RONDONÓPOLIS JUNHO DE 2011 EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL MATO GROSSO - RONDONÓPOLIS JUNHO DE 2011 SETOR INDUSTRIAL DE MT QUEM SOMOS INDICADOR MT INDÚSTRIA % FONTE Número de empresas (Dez/2010) 70.877 9.126 13% RAIS 2010 VAB (Produção)

Leia mais

Competitividade e Comércio Internacional da Região Norte Eduardo Pereira

Competitividade e Comércio Internacional da Região Norte Eduardo Pereira Competitividade e Comércio Internacional da Região Norte Eduardo Pereira 3 a sessão NORTE & ECONOMIA 30 novembro Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões Matosinhos www.ccdr-n.pt/norte-economia Competitividade

Leia mais

Resultados de Junho de 2014

Resultados de Junho de 2014 Junho / 2014 Resultados de Junho de 2014 - Exportação: US$ 20,5 bi, em valor, e média diária de US$ 1,023 bilhão; sobre mai-14, aumento de 3,6%, pela média diária; sobre jun-13, redução de 3,5%, pela média

Leia mais

EUA - Síntese País. Informação Geral sobre os EUA. Principais Indicadores Macroeconómicos dos EUA

EUA - Síntese País. Informação Geral sobre os EUA. Principais Indicadores Macroeconómicos dos EUA Informação Geral sobre os EUA Área (km 2 ): 9 161 923 Vice-Presidente: Joseph R. Biden População (milhões hab.): 321,3 (2015) Risco de crédito: (**) Capital: Washington, D.C. Risco do país: AA (AAA = risco

Leia mais

Relatório dos Investimentos Estrangeiros no Brasil Fluxos de IED e sua contribuição para o comércio exterior brasileiro

Relatório dos Investimentos Estrangeiros no Brasil Fluxos de IED e sua contribuição para o comércio exterior brasileiro Relatório dos Investimentos Estrangeiros no Brasil - 2013 Fluxos de IED e sua contribuição para o comércio exterior brasileiro Unidade de Negociações Internacionais Confederação Nacional da Indústria -

Leia mais

Medindo o tamanho de uma economia

Medindo o tamanho de uma economia Medindo o tamanho de uma economia Roberto Guena de Oliveira 31 de julho de 2016 USP Sumário 1 Renda e despesa na economia 2 O cálculo do produto interno bruto 3 Os componentes do PIB 4 PIB real e PIB nominal

Leia mais

Workshop CINDES Agenda econômica externa do Brasil: Desafios e cenários para o próximo governo. 29 de Novembro de Ricardo Markwald / FUNCEX

Workshop CINDES Agenda econômica externa do Brasil: Desafios e cenários para o próximo governo. 29 de Novembro de Ricardo Markwald / FUNCEX Workshop CINDES Agenda econômica externa do Brasil: Desafios e cenários para o próximo governo 29 de Novembro de 2013 Ricardo Markwald / FUNCEX 2/12/2013 Introdução Comparação segundo quatro dimensões

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE EM 2009

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE EM 2009 DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE EM 20 Em 20 a indústria catarinense enfrentou um ambiente econômico adverso, marcado por restrições de liquidez no mercado internacional e incertezas quanto ao futuro

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL Março/2014 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População

Leia mais

Indicadores selecionados do RS*

Indicadores selecionados do RS* 67 Indicadores selecionados do RS* Tabela 1 Taxas de crescimento da produção, da área colhida e da produtividade dos principais produtos da lavoura no Rio Grande do Sul /06 PRODUTOS / 2006/ (1) Produção

Leia mais

Sem plataformas de petróleo parcela exportada da indústria cairia em 2013.

Sem plataformas de petróleo parcela exportada da indústria cairia em 2013. Informativo trimestral 4º trimestre de 2013 Para mais informações www.fiesp.com.br São Paulo, 19 de fevereiro de 2014 Sem plataformas de petróleo parcela exportada da indústria cairia em 2013. Coeficiente

Leia mais

IGP-M registra variação de 0,51% em março

IGP-M registra variação de 0,51% em março Segundo Decêndio Março de 2014 IGP-M registra variação de 0,51% em março O Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) variou 0,51%, em março. Em fevereiro, o índice variou 1,29%. Em março de 2015, a variação

Leia mais

Resultados de 2015 Perspectivas para Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio

Resultados de 2015 Perspectivas para Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Resultados de 2015 Perspectivas para 2016 Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Agronegócio na Balança Comercial 300 250 37,9% 37,1% 39,5% 41,3% 43,0% 45,9% 50% 45% 40% 200 35% 30% US$ Bilhões

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica. Panorama Econômico e Desempenho Setorial

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica. Panorama Econômico e Desempenho Setorial Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Panorama Econômico e Desempenho Setorial 2009 Apresentação Fundada em 1963, a Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Leia mais

Risco do país: D (A1 = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: Bounnhang Vorachith Tx. câmbio (fim do período): 1 EUR = K (2015)

Risco do país: D (A1 = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: Bounnhang Vorachith Tx. câmbio (fim do período): 1 EUR = K (2015) Informação Geral sobre o Laos Área (km 2 ): 236 800 Primeiro-Ministro: Thongloun Sisoulith População (milhões hab.): 7,0 (estimativa 2015) Risco de crédito: 7 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital:

Leia mais

62 ESPECIAL SONDAGEM

62 ESPECIAL SONDAGEM Indicadores CNI SONDAGEM 6 ESPECIAL China Perda de mercado doméstico em razão da concorrência com importados da China atinge 16% da indústria A concorrência com a China no mercado doméstico é sentida por

Leia mais

Caminhos para melhorar o acesso a mercado das exportações brasileiras

Caminhos para melhorar o acesso a mercado das exportações brasileiras Caminhos para melhorar o acesso a mercado das exportações brasileiras Fórum Estadão de Competitividade Carlos Eduardo Abijaodi Diretor de Desenvolvimento Industrial Confederação Nacional da Indústria 1

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO

BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO São Paulo, 20 de março de 2016 Fevereiro 2016 BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO Em fevereiro, a corrente de comércio brasileira totalizou US$ 23,7 bilhões,

Leia mais

A Política Fiscal Brasileira em Tempos de Crise

A Política Fiscal Brasileira em Tempos de Crise Ministério da A Política Fiscal Brasileira em Tempos de Crise Encontro de Política Fiscal - FGV Ministro Guido Mantega Brasília, 7 de novembro de 2014 Antes de 2008, Brasil tinha Situação Fiscal Confortável

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até maio de Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Exportações no período acumulado de janeiro até maio de Total das exportações do Rio Grande do Sul. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de maio de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

Panorama do Setor de HPPC 2016

Panorama do Setor de HPPC 2016 Evolução A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto próximo a 11,4% aa nos últimos 20 anos, tendo passado de um faturamento

Leia mais

Belo Horizonte, 28 de março de 2013 ESTRUTURA DA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO TÊXTIL E DE CONFECÇÃO INFOGRÁFICO DO SETOR TÊXTIL

Belo Horizonte, 28 de março de 2013 ESTRUTURA DA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO TÊXTIL E DE CONFECÇÃO INFOGRÁFICO DO SETOR TÊXTIL REUNIÃO APIMEC BH BALANÇO 2012 E PERSPECTIVAS 2013 AGUINALDO DINIZ FILHO PRESIDENTE DA ABIT PRESIDENTE DA CEDRO TÊXTIL Belo Horizonte, 28 de março de 2013 ESTRUTURA DA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal dezembro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE DESINDUSTRIALIZAÇÃO EM SANTA CATARINA: CARACTERÍSTICAS E CAMINHOS PARA A RETOMADA DO CRESCIMENTO

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE DESINDUSTRIALIZAÇÃO EM SANTA CATARINA: CARACTERÍSTICAS E CAMINHOS PARA A RETOMADA DO CRESCIMENTO AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE DESINDUSTRIALIZAÇÃO EM SANTA CATARINA: CARACTERÍSTICAS E CAMINHOS PARA A RETOMADA DO CRESCIMENTO Silvio Antonio Ferraz Cario NEIITEC-UFSC FLORIANÓPOLIS - SC Argumentos: Perda de

Leia mais

SBN quadra02, lote11 ED. Apex-Brasil, Brasília, Brasil / CEP

SBN quadra02, lote11 ED. Apex-Brasil, Brasília, Brasil / CEP 1 Apex-Brasil Mauricio Borges PRESIDENTE Ricardo Santana DIRETOR DE NEGÓCIOS Tatiana Porto DIRETORA DE GESTÃO CORPORATIVA Marcos Tadeu Caputi Lélis GERENTE EXECUTIVO DE ESTRATÉGIA CORPORATIVA E NEGÓCIOS

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Evolução das Exportações Portuguesas de Bens eiro a o de 2012 Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens eiro a o de 2012 Informação Portugal, 10 de ho de 2012 Evolução das Exportações

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.200 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; Sede nacional

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: SANTA CATARINA

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: SANTA CATARINA MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: SANTA CATARINA O número de empregos formais no estado alcançou 2,274 milhões em dezembro de 2014, representando

Leia mais

Ambiente econômico nacional e internacional

Ambiente econômico nacional e internacional Ambiente econômico nacional e internacional Apresentação para elaboração do documento referencial 2015-19 no Ministério do Turismo Manoel Pires - MF Cenário internacional O mundo se recupera da crise,

Leia mais

9 9 ªª E E d diiç ç ã ã o o d d e e o o u uttu u b b rro o d d e e

9 9 ªª E E d diiç ç ã ã o o d d e e o o u uttu u b b rro o d d e e 9ª 9ª Edição Edição 28 28 de de outubro de de 2008 2008 Economistas: Mônica Mattia Enio Gehlen Resenha 1 153145 145 empresas 47 52 empresas com faturamento acima de R$ 1 milhão 22 21 segmentos R$ 64,4

Leia mais

Carne de Frango Var. Produção (milhões ton) Exportação (milhões ton) Disponibilidade 12,69 13,146 3,58% 4,03 4,3 5% 8,59 8,84 3,1%

Carne de Frango Var. Produção (milhões ton) Exportação (milhões ton) Disponibilidade 12,69 13,146 3,58% 4,03 4,3 5% 8,59 8,84 3,1% Carne de Frango Produção (milhões ton) Exportação (milhões ton) Disponibilidade (milhões ton) 2014 2015 Var. 12,69 13,146 3,58% 4,03 4,3 5% 8,59 8,84 3,1% Per capita (kg) 42,7 43,25 1,1% 2016 Produção

Leia mais

Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2014

Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2014 Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2014 No ano de 2014, as exportações 1 do Estado de São Paulo somaram US$ 51,46 bilhões (22,9% do total nacional), e as importações 2,

Leia mais

Desenvolvimento Produtivo Além da Indústria - O Papel dos Serviços

Desenvolvimento Produtivo Além da Indústria - O Papel dos Serviços Desenvolvimento Produtivo Além da Indústria - O Papel dos Serviços Jorge Arbache UnB e BNDES FGV-SP 27/5/2014 As opiniões são do autor e não necessariamente refletem as visões do BNDES 1 Vivemos uma nova

Leia mais

GUIANA Comércio Exterior

GUIANA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC GUIANA Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

O Desempenho Comparado das Telecomunicações do Brasil Preços dos Serviços de Telecomunicações Serviço Móvel Pessoal Pré-Pago (Celular Pré-pago)

O Desempenho Comparado das Telecomunicações do Brasil Preços dos Serviços de Telecomunicações Serviço Móvel Pessoal Pré-Pago (Celular Pré-pago) O Desempenho Comparado das Telecomunicações do Brasil Preços dos Serviços de Telecomunicações Serviço Móvel Pessoal Pré-Pago (Celular Pré-pago) Documento preparado por solicitação da TELEBRASIL & FEBRATEL

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO DAS RELAÇÕES ECONÔMICAS E COMERCIAIS. BRASIL x CHINA

SUMÁRIO EXECUTIVO DAS RELAÇÕES ECONÔMICAS E COMERCIAIS. BRASIL x CHINA Ministério das Relações Exteriores MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos DPR Divisão de Inteligência Comercial DIC SUMÁRIO EXECUTIVO DAS RELAÇÕES ECONÔMICAS E COMERCIAIS BRASIL x CHINA

Leia mais

Indicadores de Exportação e Importação. Dados de Comércio de Importação e Exportação de Biscoitos e outros derivados.

Indicadores de Exportação e Importação. Dados de Comércio de Importação e Exportação de Biscoitos e outros derivados. Dados de Comércio de Importação e Exportação de Biscoitos e outros derivados. Dados extraídos em 17.06.2013 Relação dos Códigos NCM s utilizados: Indicadores de Exportação e Importação NCM Bolachas e biscoitos

Leia mais

Estratégia nacional Inserção internacional Mudanças sócio-demográficas Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP

Estratégia nacional Inserção internacional Mudanças sócio-demográficas Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP Estratégia nacional Inserção internacional Mudanças sócio-demográficas Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP Inserção Internacional Islândia Inglaterra Oceano Atlântico França Espanha Itália

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM O GABÃO

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM O GABÃO BALANÇA COMERCIAL Var % a 05/09 Var % b 09/10 Exportações 1.661 2.118 1.702 4.445 2.113 29,1 2.035 6.652 226,8 Importações 15.503 9.430 11.457 7.302 4.850-21,9 4.654 4.867 4,6 Saldo -13.842-7.312-9.755-2.857-2.737

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO Josep-Francesc Valls Coordenador do Centro de Formação e Investigação em Turismo da UMa Professor Esade Business & Law School RESUMO 1. Posição de Portugal

Leia mais

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL Eugenio Stefanelo ECONOMIA MUNDIAL PIB em % ao ano: Média de 50 anos: 3,5% 2004 a 2007: 5% 2008 e 2009: 3,1%

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Agosto de 2014 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

Concorrência com produtos da China afeta uma em cada quatro empresas industriais brasileiras

Concorrência com produtos da China afeta uma em cada quatro empresas industriais brasileiras Ano 5, Nº.1, março de 2007 Concorrência com produtos da China afeta uma em cada quatro empresas industriais brasileiras Principais resultados 26% das empresas brasileiras concorrem com produtos chineses

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Uruguai. Período: 2015* *Valores em US$ FOB. Fonte: Aliceweb/Exportaminas. Balança Comercial Minas Gerais X Uruguai US$ 2014 US$ 2015

NOTA TÉCNICA. Uruguai. Período: 2015* *Valores em US$ FOB. Fonte: Aliceweb/Exportaminas. Balança Comercial Minas Gerais X Uruguai US$ 2014 US$ 2015 NOTA TÉCNICA Uruguai Período: 2015* *Valores em US$ FOB. Fonte: Aliceweb/. MINAS GERAIS BALANÇA COMERCIAL MINAS GERAIS X URUGUAI Gráfico 1. Balança Comercial Minas Gerais X Uruguai 88 89 55 36 US$ 2014

Leia mais