A Definição de Processos de Software sob o ponto de vista da Gestão de Processos de Negócio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Definição de Processos de Software sob o ponto de vista da Gestão de Processos de Negócio"

Transcrição

1 A Definição de Processos de Software sob o ponto de vista da Gestão de Processos de Negócio Renata Araujo 1, Claudia Cappelli 2, Augusto Gomes Jr 2, Marluce Pereira 3, Hadeliane dos Santos Iendrike 4, Daniel Ielpo 1, José Augusto Tovar 1 1 Departamento de Informática Aplicada / UNIRIO, Av. Pasteur 458, Térreo, Urca, , Rio de Janeiro RJ 2 Núcleo de Pesquisa e Prática em Tecnologia NP2TEC UNIRIO, Av. Pasteur 458, Térreo, Urca, , Rio de Janeiro RJ 3 Programa de Engenharia de Sistemas e Computação - COPPE-UFRJ Cidade Universitária, Centro de Tecnologia, Bloco H - Sala 319 Caixa Postal: Escola de Informática / Unigranrio, Rua Marques de Herval, 1216, Centro, Duque de Caxias RJ Abstract. This paper discusses the software process definition in the light of the concept, activities and tools suggested by the Business Process Management (BPM) area. Business process management initiatives being conducted at an IT department of a Brazilian company brought into light the discussions presented here on how business modeling can be applied to software process definition, profiting from its methods and tools. Resumo. Este artigo discute a definição de processos de software com a visão desta iniciativa sob a ótica dos conceitos, atividades e ferramentas previstas pela área de Gestão de Processos de Negócio (Business Process Management BPM). Iniciativas de gestão de processos de negócio em desenvolvimento na Unidade de TI de uma empresa nacional trouxeram à tona as considerações aqui apresentadas sobre como a visão de modelagem de negócios pode ser aplicada à iniciativa de definição de processos de software, beneficiando-a com sua evolução em métodos e ferramentas. 1. Introdução A melhoria da qualidade de software teve, nos últimos anos, uma ainda crescente motivação à melhoria dos processos de desenvolvimento das organizações produtoras de software. Com base nos conceitos e premissas de Qualidade Total, diversos modelos de 23

2 referência para práticas de desenvolvimento de software com vistas a se atingir qualidade foram desenvolvidos, similarmente a outras áreas de produção. De maneira geral, as organizações selecionam um modelo como guia para a definição de seus processos, quer estejam buscando certificações, quer estejam em busca do estabelecimento de novas práticas, organização e melhoria de seus processos de trabalho. A dinâmica deste trabalho compreende, em linhas gerais, a definição de metas de melhoria a serem atingidas pela organização a partir das práticas sugeridas pelo modelo selecionado. Com base nestas metas e em suas características particulares (tipo de software desenvolvido, equipe, natureza da organização, cultura preexistente), cada organização se vê em face a definir a forma de implementação das práticas escolhidas seus processos. O conjunto de processos definidos e seu uso institucionalizado pela organização corresponderá, a grosso modo, ao principal resultado da iniciativa. A Unidade de TI de uma empresa brasileira, na qual os autores deste artigo atuam como consultores, vem desenvolvendo desde 2002 uma iniciativa de definição de processos para sua Área de Desenvolvimento e Manutenção de Software. Esta iniciativa teve como base o modelo CMM [1], a partir do qual uma primeira versão do Processo de Software Padrão para esta Área foi definido, estando atualmente em fase de institucionalização. Em paralelo a esta iniciativa, outra área desta mesma Unidade de TI a Área de Suporte iniciou a exploração de outros modelos de qualidade de TI - o modelo ITIL [2] para a definição de seus processos de trabalho e prestação de serviços. O acompanhamento destas iniciativas trouxe à tona algumas questões relacionadas ao trabalho de definição de processos que podem ser endereçadas através de uma visão mais ampla do trabalho de processos, como por exemplo, a preconizada pela área de Gestão de Processos de Negócio. A área de Gestão de Processos de Negócio [3] tem surgido no mercado como uma necessidade das empresas atuais para conhecerem, gerirem e aprimorarem seus respectivos negócios. Os conceitos e atividades preconizadas por esta área de prática e também de pesquisa têm originado o desenvolvimento de metodologias e ferramental para a gestão de processos em organizações. Este artigo argumenta que a visão, conceitos e ferramentas da área de Gestão de Processos de Negócio são perfeitamente aplicáveis às iniciativas de definição de processos de software com os benefícios de proporcionar uma visão mais completa do escopo de definição e implantação de processos e de orientar ao uso de ferramentas que auxiliem este trabalho. Tal argumentação se baseia na experiência a ser relatada. Nesta experiência, a iniciativa de definição de processos de software foi influenciada e alinhada aos conceitos de gestão de processos de negócio pelo interesse da organização tanto internamente à Área de TI como em outras áreas por esta prática. O artigo está estruturado da seguinte forma: a seção a seguir apresenta os conceitos, elementos, principais resultados e atividades da Gestão de Processos de Negócio. A seção 3 apresenta a iniciativa de definição e implantação de processos de software na Unidade de TI em questão, discutindo a analogia e interseções das atividades realizadas com as sugestões apresentadas pela área de Gestão de Processos de Negócio. A seção 4 conclui o relato desta experiência. 24

3 2. Gestão de Processos de Negócio Durante muito tempo, o foco principal das organizações estava nos produtos e sua produção era em massa. O mais importante era produzir um grande número de produtos padronizados, tratando os clientes indiscriminadamente. Com a globalização do mercado, a competição ficou mais acirrada. Isto, somado às evoluções tecnológicas, fizeram com que o foco principal das organizações mudasse. O foco passou a ser os clientes. Estes estão conscientes das escolhas possíveis e exigem cada vez mais um tratamento individualizado. Inseridas neste cenário que requer um ajuste constante às mudanças do mundo externo, as organizações precisam adaptar-se para responder às mudanças na velocidade esperada. Por isso, as organizações estão cada vez mais interessadas em conhecer mais detalhadamente o negócio que executam para que possam gerenciá-lo de forma apropriada. Para tanto, é importante formalizar o seu negócio e o conhecimento sobre ele. A gestão de processos de negócio é um conjunto de métodos e técnicas que auxiliam a organização na gestão de seu negócio através do conhecimento e entendimento de seus processos. Como primeiro passo para tal gestão, as organizações se vêem em face a formalizar seus processos, representando-os através de uma linguagem comum e de entendimento uniforme. A modelagem de processos de negócio [3] auxilia nesta formalização, pois ajuda a organização a responder às questões críticas sobre o seu negócio, como: o que está sendo feito, por que está sendo feito, onde, por quem, quando e de que forma é feito [4]. Os conceitos apresentados na Figura 1 compreendem os principais elementos levantados na atividade de modelagem de processos de negócio, bem como o inter-relacionamento entre eles. A explicitação destes conceitos tem como principal resultado o Modelo de Negócio de uma organização. Tal modelo é instrumento para entendimento, divulgação, discussão, gestão e melhoria contínua da organização, de seu funcionamento, metas, produtos, insumos, objetivos e estrutura. A tarefa de modelagem de processos envolve o levantamento e representação de uma grande quantidade de informações. Para tanto, é interessante utilizar ferramentas computacionais que auxiliem na construção, consulta e manutenção destas informações. Atualmente, existem ferramentas que são projetadas para este fim, se propondo a apoiar a modelagem de processos de negócio, como: ARIS (IDS Scheer) [5], ProVision (Proforma) [6], entre outras. Tais ferramentas disponibilizam, para o usuário, funcionalidades diferentes para manipulação dos modelos construídos. Além de representar graficamente o modelo de negócio, também disponibilizam funcionalidades para validar a consistência estrutural dos diagramas construídos. Outra característica importante presente em várias ferramentas é a simulação da execução dos processos. Através da simulação, à organização pode fazer alterações em seus processos avaliando o impacto ocasionado por elas, antes de executá-las realmente. Além de auxiliar na estimativa dos custos, do tempo e dos recursos gastos durante a execução dos processos. 25

4 4XHP" 2QGH" 0RGHOR GH LQWHUDomR GH QHJyFLR 0RGHOR RUJDQL]DFLRQDO 0RGHOR GH ORFDOL]DomR 4XDQGR" &RPR" 3RU TXr" 0RGHOR GH HYHQWR 0RGHOR GH ZRUNIORZ 0RGHOR GH SURFHVVR 0RGHOR GH REMHWLYRV 2TXr" 0RGHOR GH REMHWRV GH QHJyFLR Figura 1. Questões críticas respondidas pela modelagem de processos [4] Do ponto de vista de metodologias para a realização da modelagem de processos de negócio, existem diversas abordagens. Cada uma delas utiliza uma determinada notação e linguagem, mas em geral, abrangem o mesmo conjunto de passos/atividades, a saber [7]: 1) definir o escopo da ação; 2) documentar a missão, estratégia, metas e objetivos da organização; 3) compreensão do processo/organização como está ( asis ); 4) avaliação do modelo obtido; 5) decidir quanto a: abandonar, contratar, manter como está, melhorar ou redesenhar os processos; 6) discutir e gerar idéias; 7) determinar características do processo desejado; 8) projetar os processos desejados ( to-be ). 3. Definição de Processos de Software e Modelagem de Negócios Ao longo das últimas décadas, os produtos de software sofreram um considerável crescimento de tamanho e complexidade e o seu papel para as organizações ganhou tamanha importância que hoje já são considerados vitais para a sobrevivência de uma empresa nos diferentes ramos de negócio. No entanto, à medida que este crescimento ocorre, o número de problemas enfrentados durante o desenvolvimento também aumenta. A partir deste crescimento, a área de desenvolvimento de software deixou de ser uma atividade de suporte à área fim das empresas para ser vista como uma importante área de negócio que precisa ser cuidadosamente analisada e constantemente melhorada. Assim como em qualquer outra área de negócio, a área de desenvolvimento de sistemas está interessada em conhecer melhor seu negócio para poder gerenciá-lo de forma apropriada. Assim, os conceitos de modelagem de negócios aparecem, invariavelmente, nas iniciativas de definição de processos de software e, mais notadamente em sua posterior gestão e melhoria contínua. Nas seções que seguem, argumentamos sobre a interseção entre a visão da área de definição de processos de software e da área de modelagem de negócios em geral, como base em uma experiência de implantação de processos de software. Para isso, consideramos os elementos e principais atividades estipuladas pelas abordagens de modelagem de negócios (enumeradas na seção anterior), relacionando-os com os produtos e atividades desempenhados na iniciativa em questão. 26

5 3.1. Definição do escopo da iniciativa de implantação de processos de software. A iniciativa de Definição do Processo de Desenvolvimento e Manutenção de Software realizada teve como principal objetivo a identificação e priorização dos processos de software que deveriam ser implantados para melhoria dos processos de desenvolvimento, assim como o estabelecimento de uma estratégia para a realização das atividades necessárias à definição e implantação dos processos identificados. Tal projeto pretendeu endereçar as metas de padronização e documentação do processo de desenvolvimento, estabelecimento de metodologias e ferramentas, aumento de produtividade no desenvolvimento e manutenção de aplicações, melhoria da qualidade dos produtos gerados, facilitação, adaptação e melhoria contínua dos processos definidos e estabelecimento progressivo de uma cultura de trabalho segundo padrões de qualidade. O projeto tomou como base as diretrizes e sugestões estipuladas pelo modelo de capacitação para maturidade de processos de software (Capability Maturity Model) [1]. A expectativa da iniciativa não era a de utilizar o modelo com vistas à certificação, mas sim de utilizá-lo como guia para a definição de seus processos. O modelo CMM tornou-se a referência ou escopo geral para as metas de definição de processos da iniciativa. Na visão da modelagem de negócios, o modelo CMM torna-se a visão da organização ideal, com metas, objetivos, estrutura organizacional, interfaces e produtos pré-definidos a partir dos quais os processos de uma organização podem ser definidos. Diferentemente de outras áreas de negócio, os objetivos organizacionais, estrutura, produtos, interfaces etc, devem ser levantados, discutidos e descobertos pelos participantes das atividades de modelagem. No caso específico da Unidade de TI considerada, deveria se considerar também em questão a norma ISO [8], amplamente utilizada pela organização em busca de certificações de qualidade de seus serviços. De forma a não perder esta orientação organizacional, a norma ISO necessitava também ser incorporada no escopo da definição de processos, apesar do grupo de definição de processos ter considerado o CMM como abordagem mais natural para a mudança cultural e orientação dos profissionais da área. Embora os modelos CMM e ISO sejam complementares em seus objetivos, foi preciso, nesta iniciativa, considerar, no início do projeto, quais processos necessitariam ser projetados/trabalhados de forma a atingir ao máximo os objetivos internos da área (de melhoria, treinamento e criação de cultura de processos) e os objetivos estratégicos da organização como um todo (certificação ISO). Áreas-chave dos níveis 2 e 3 do CMM foram então selecionadas para compor o escopo inicial do projeto de definição: Gerência de Requisitos de Software, Planejamento e Acompanhamento de Projetos, Gerência de Subcontratação, Gerência de Configuração, Garantia da Qualidade, Engenharia de Produtos, Programa de Treinamento, Definição do Processo e Foco no Processo. Esta escolha teve como base as principais preocupações atuais tanto da gerência como dos coordenadores de projetos e por, em grande parte, atenderem aos requisitos básicos da norma ISO. Não só nesta Unidade de TI em questão mas também em outras organizações, podemos observar que a definição do escopo de uma iniciativa de definição de processos de software vai além da escolha de um determinado modelo de referência, exigindo, em muitos casos a combinação de mais de um deles entre si e com os 27

6 objetivos particulares de cada organização. O exercício de identificar as metas e objetivos da organização antes de se projetar os processos da mesma, conforme preconizado pela área de modelagem de negócios, torna-se fundamental Compreensão do estado atual do processo/organização/avaliação do modelo obtido Em reuniões realizadas e em levantamentos de dados e documentos sobre os projetos e padrões definidos para o processo de desenvolvimento da Unidade de TI, foi possível realizar um levantamento dos pontos fortes atualmente desempenhados pelos profissionais da área nos processos considerados no escopo da iniciativa, bem como as oportunidades de melhoria. Este levantamento se deu, basicamente, através da realização de entrevistas com representantes dos profissionais da Unidade. Esta dinâmica costuma ser realizada em iniciativas de definição de processos de software, através também do uso de questionários ou chek-lists para avaliação do estado atual da organização. De acordo com a visão da área de modelagem de negócios, nesta fase da iniciativa, o modelo do negócio atual da Unidade poderia ter sido desenhado e discutido juntamente aos profissionais. A apresentação de um modelo, principalmente em representação gráfica, auxiliaria em muito a visualização, uniformização, entendimento e discussão de pontos fortes e oportunidades de melhoria no processo [9]. Um Plano de Ação foi elaborado, baseado nos levantamentos realizados sobre o processo atual de desenvolvimento de software. Tal plano descrevia em sua estrutura: o escopo do projeto, a documentação dos levantamentos iniciais realizados, as conclusões obtidas com estes levantamentos, a organização do projeto, as atividades propostas para sua execução e o planejamento das mesmas. Tais atividades foram divididas basicamente em três fases. A primeira estabelecia a Infraestrutura para Definição de Processos através da definição do modelo de gestão para Desenvolvimento e Manutenção de Software, definição de Políticas para Definição de Processos, estabelecimento de Papéis e Responsabilidades para Definição destes Processos, definição do Processo de Definição de Processos, definição de Procedimentos e Técnicas para Definição de Processos, definição de Padrões e templates para coleta e acompanhamento do processo e estabelecimento de métricas para Definição de Processos. A segunda fase estabelecia os Ciclos de Definição de Processos através dos quais seriam definidas as Políticas de cada processo estabelecido (Gerência de Requisitos, Planejamento e Acompanhamento de Projetos, Gerência de Configuração de Software, Garantia de Qualidade, Subcontratação, Engenharia de Produto e Treinamento) e os Papéis e Responsabilidades para cada um destes processos. Nesta fase foi prevista também toda a institucionalização destas definições. A terceira e última fase previa a Definição de Procedimentos para Manutenção e Melhoria Contínua dos Processos através da definição e implantação do processo de manutenção do modelo utilizado e das metodologias definidas. 28

7 3.3. Discussão e geração de idéias. A organização do projeto estabeleceu os papéis e responsabilidades a serem exercidos por cada grupo envolvido. Esta organização foi composta de uma gerência sênior, um grupo de auditoria de qualidade, um Comitê Gestor e o Grupo de Definição de Processos. Como a maioria das pessoas envolvidas no projeto não tinha ainda conhecimento suficiente sobre o modelo CMM, foi definido como sendo o primeiro passo para execução deste trabalho, a aplicação de um treinamento para todo o grupo do projeto, cujo objetivo seria introduzir os conceitos do CMM, a serem utilizados durante o Ciclo de Definição de Processos de Software e, a partir deste conhecimento, permitir que os envolvidos se voluntariassem a formar subcomitês para discussão e aprovação dos padrões de processo referentes a cada uma das Áreas de processo que seriam abordadas durante o projeto. Logo após o treinamento, foram definidos os subcomitês e suas respectivas Áreas de Processo e, então, o Grupo de Definição de Processos definiu uma agenda com cada subcomitê para discutir quais eram as Forças, Oportunidades, Fraquezas e Ameaças encontradas nas atividades atuais desempenhadas pela Unidade na Área de Processo abordada. A partir deste levantamento, foi iniciada pelo Grupo de Definição de Processos a elaboração dos padrões. A cada grupo de padrões gerado, uma nova reunião era agendada para discutir se atendiam às expectativas do subcomitê. Nestas reuniões, modificações eram sugeridas e incorporadas aos padrões gerados, dando origem a uma nova versão, sempre com o objetivo de tornar os padrões o mais próximos da realidade da Área de Desenvolvimento da organização Definição e projeto dos processos desejados. Ao se levantar as Forças, Oportunidades, Fraquezas e Ameaças encontradas em cada área-chave de processo, o Grupo de Definição de Processos, pôde melhor definir, dentro das metas enumeradas pelo modelo CMM, para cada uma das áreas-chave quais seriam efetivamente as metas endereçadas pelos processos. Haja visto que a iniciativa como um todo não objetivava a certificação, os processos puderam ser projetados de forma a atender o mais rapidamente possível as principais dificuldades ou obstáculos reportados pelos participantes nas sucessivas discussões do padrão, bem como adaptá-los ao seu nível de conhecimento e especialização em cada uma das áreas. Quando uma versão dos padrões para cada Área do Processo de Desenvolvimento era concluída e acordada com o subcomitê, o Grupo de Definição de Processos submetia esta versão ao Comitê Gestor para aprovação. Ao final deste trabalho foi então estabelecida uma primeira versão dos padrões de processo. Esta versão serviria de base para a próxima fase do projeto que previa a realização de projetos piloto para utilização e teste dos padrões. Durante a realização dos projetos piloto, novas necessidades de alterações foram se tornando necessárias e por conseqüência incorporadas aos padrões. Alguns novos padrões não especificados na primeira versão também foram requeridos. Nova versão foi gerada ainda antes da institucionalização dos mesmos. 29

8 3.5. Ferramental associado. Para documentação de processos, a organização possui uma ferramenta utilizada corporativamente desenvolvida internamente em ambiente Lotus Notes, com enfoque notadamente de atendimento às particularidades da norma ISO. Desta forma, o ambiente prevê a documentação de manuais de qualidade de cada área interna da organização, processos, procedimentos e produtos, padronização de sua elaboração, o controle de versões dos mesmos e seu processo de aprovação. O conjunto de padrões definidos ao longo da iniciativa (políticas de qualidade, processos, procedimentos e produtos) foi incorporado à ferramenta, com vistas a seguir a estratégia de padronização da organização. Com a evolução do trabalho de definição de processos, bem como os trabalhos de definição em outras áreas da empresa, a ferramenta ARIS começou a ser avaliada como instrumento para auxílio à definição de processos. As vantagens desta ferramenta estão em sua interface gráfica para desenho dos processos bem como no uso de banco de dados para armazenamento das informações nos processos. Tais características a favorecem como ferramenta para visualização e entendimento dos processos bem como na manutenção da consistência entre os diversos elementos do modelo de processo, na análise e crítica aos processos, favorecendo a melhoria contínua. No escopo da iniciativa, iniciou-se, portanto, a modelagem do Processo de Software da Gerência da Informação da ferramenta ARIS (Figura 2) bem como a avaliação da viabilidade de integração desta ferramenta com o ambiente corporativo de gerência de padrões. Macro atividades do PSP Detalhamento - subprocesso Detalhamento de uma atividade Detalhamento - subprocesso Figura 2. Ilustração de parte do Processo de Software Padrão modelado na ferramenta ARIS 30

9 3.6. Processo de Software Padrão Modelo de Negócios (de Software). O resultado final de cada Ciclo de Definição de Processos correspondeu a uma nova versão do Processo de Padrão para Desenvolvimento e Manutenção de Software. A visão do Processo de Software Padrão[10][11] é a de servir como infraestrutura básica para definição/adaptação de processos especializados capazes de atender a características específicas de cada projeto de desenvolvimento/manutenção. Em linhas gerais, o Processo de Software Padrão de uma área ou organização de software corresponderá ao seu Modelo de Negócio. Nele estarão definidos os objetivos de cada processo, o modelo em si de cada processo, a estrutura organizacional da área/unidade organizacional, suas fronteiras e interfaces, produtos, insumos e participantes. 4. Conclusão O objetivo deste relato foi motivar a área de pesquisa e prática em Implantação de Processos de Software para o potencial de aplicação da visão e ferramental associado da área de Gestão de Processos de Negócio. O acompanhamento da iniciativa de definição de processos na organização em questão trouxe à tona algumas discussões, aqui resumidas. A primeira delas diz respeito ao trabalho da equipe de definição e manutenção dos processos. A responsabilidade desta equipe está em traduzir as expectativas e metas da organização em processos alinhados com o modelo de qualidade selecionado e institucionalizar seu uso na organização. Para este trabalho, as equipes carecem ou desconhecem ferramental apropriado para tornar tal processo visível, de entendimento uniforme pela organização e de fácil manutenção. Nesta experiência foi possível observar também que a definição de processos não está restrita a um modelo específico. Modelos costumam ser combinados para complementar áreas não originariamente cobertas e que são estrategicamente importantes para a organização. Como exemplo, empresas focadas em certificação ISO têm encontrado no modelo CMM o guia para o detalhamento das necessidades específicas de desenvolvimento de software não abordadas pela norma, que é genérica. Outro exemplo, o modelo ITIL sugere o uso das práticas PMBOK [12] e do modelo CMM para a definição de práticas de gerência de projetos e gerência de aplicações, respectivamente. Ou seja, quando se caminha no sentido da gestão e não somente no sentido da certificação, uma visão mais completa do negócio torna-se necessária para a gestão dos processos sendo definidos. Outra questão observada diz respeito ao fato de que ao se definir processos em uma unidade organizacional, é necessário estabelecer as interfaces com as demais unidades organizacionais. Isto requer também uma visão mais completa dos processos da organização e suas interfaces, com vistas a uma gestão mais integrada. Uma última questão é que as iniciativas de definição de processos, em uma primeira instância e dado o momento atual da maioria das organizações de TI, se preocupam primordialmente em estabelecer uma primeira versão de seus processos em muitos casos com o fim de certificações. A continuidade desta iniciativa requer a necessidade de gestão deste processo em busca de sua melhoria contínua. O recente desafio das organizações que investiram na definição de seus processos está em como geri-lo e mantê-lo alinhado com as estratégias da organização e que ferramental se pode 31

10 dispor para isso. Os conceitos e práticas da Gestão de Processos de Negócio pode ser um caminho a ser explorado neste sentido. Referências [1] Paulk, M.C., Weber, C., Curtis, B., Chrissis, M.B., The Capability Maturity Model Guidelines for Improving Software Process. SEI Series in Software Engineering, Addison-Wesley, [2] itsmf-international, IT Service Management an introduction, Van Haren Publishing, 1st edition, The Netherlands, [3] Jacobson, I.; Ericsson, M.; Jacobson, A. The Object Advantage: Business Process Reengineering with Object Tecnology. New York: Addison-Wesley, [4] PROFORMA. Enterprise Application Modeling Vision and strategy for the ongoing development of ProVision Workbench. Proforma Technical White Paper, [5] IDS Scheer - [6] PROFORMA - [7] Sharp, A.; McDermott, P., Workflow Modeling: Tools for Process Improvement and Application Development, Boston: Artech House, [8] ISO 9000:2000 (2004) International Organization for Standardization Agosto. [9] Araujo, R.M., Borges, M.R.S. (2001) Extending the Software Process Culture An Approach based on Groupware and Workflow. Em: Proceedings of the 3rd International Conference on Product Focused Software Process Improvement. LNCS, Germany. [10] Zahran, S., Software Process Improvement Practical Guidelines for Business Success, 1 ed., Addison-Wesley, [11] Fiorini, S., Staa, A.V., Baptista, R.M., Engenharia de Software com CMM, Brasport Livros e Multimídia Ltda, Rio de Janeiro, [12] PMBOK - Tradução livre do PMBOK 2002, disponibilizada pelo PMI-MG em janeiro de 2002 (http://www.pmimg.org.br/). 32

UMA ESTRATÉGIA PARA GESTÃO INTEGRADA DE PROCESSOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ATRAVÉS DA MODELAGEM DE PROCESSOS DE NEGÓCIO EM ORGANIZAÇÕES

UMA ESTRATÉGIA PARA GESTÃO INTEGRADA DE PROCESSOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ATRAVÉS DA MODELAGEM DE PROCESSOS DE NEGÓCIO EM ORGANIZAÇÕES UMA ESTRATÉGIA PARA GESTÃO INTEGRADA DE PROCESSOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ATRAVÉS DA MODELAGEM DE PROCESSOS DE NEGÓCIO EM ORGANIZAÇÕES Andréa Magalhães 1, Cláudia Cappelli 1, Fernanda Baião 1,2, Flávia

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1

MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1 MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1 Prof. Dr. Jorge Henrique Cabral Fernandes (jhcf@cic.unb.br) Departamento de Ciência da Computação

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Curso Fundamentos de Gerenciamento de Serviços de TI baseado no ITIL V3

Curso Fundamentos de Gerenciamento de Serviços de TI baseado no ITIL V3 Curso Fundamentos de Gerenciamento de Serviços de TI baseado no ITIL V3 Todos nossos cursos são preparados por profissionais certificados e reconhecidos no mercado de Gerenciamento de Serviços de TI. Os

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

Escritório de Projetos e Escritório de Processos: Diferenças e Tendências ELO Group

Escritório de Projetos e Escritório de Processos: Diferenças e Tendências ELO Group Escritório de Projetos e Escritório de Processos: Diferenças e Tendências ELO Group contato@elogroup.com.br tel: 21 2561-5619 Agenda Algumas confusões práticas As funções básicas do(s) escritório(s) de

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TIC. ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3

Gerenciamento de Serviços de TIC. ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3 Gerenciamento de Serviços de TIC ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3 Agenda O que é serviço de TIC? O que é Qualidade de Serviços de TIC? O que é Gerenciamento de Serviços de TIC? ISO IEC/20.000-2005 ITIL versão

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva Apresentação Executiva 1 O treinamento de BPM e BPMN tem como premissa capacitar o aluno a captar as atividades relativas a determinado processo da empresa, organizá-las, gerando um fluxograma de atividades/processos,

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 Está em andamento o processo de revisão da Norma ISO 9001: 2015, que ao ser concluído resultará na mudança mais significativa já efetuada. A chamada família ISO 9000

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

A ITIL e o Gerenciamento de Serviços de TI

A ITIL e o Gerenciamento de Serviços de TI A ITIL e o Gerenciamento de Serviços de TI A era da informação Informação, palavra derivada do verbo latim "informare", que significa "disciplinar", "ensinar", "instruir", juntamente com o seu significado

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management)

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management) Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG Maturidade em BPM (Business Process Management) Douglas Rodarte Florentino Belo Horizonte, 21 de Junho de 2010 Agenda Introdução

Leia mais

Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3.

Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3. Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3. Dentro do enfoque geral em conhecer e discutir os fundamentos, conceitos e as definições de Governança de TI - Tecnologia da Informação, bem como

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Qualidade de software É cada dia maior o número de empresas que buscam melhorias em seus processos de desenvolvimento de software. Além do aumento da produtividade e da diminuição do retrabalho, elas buscam

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Wesley Vaz, MSc., CISA

Wesley Vaz, MSc., CISA Wesley Vaz, MSc., CISA Objetivos Ao final da palestra, os participantes deverão ser capazes de: Identificar e compreender os princípios do Cobit 5; Identificar e conhecer as características dos elementos

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Introdução a CMMI Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Campina Grande, 29 de setembro de 2008 Agenda Processos Motivação Sintomas de falha de processo Aprimoramento de Processos O Framework

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can

versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can be humorous. Make sure you look at the Notes Pages for more information about how to use the template.

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

C.M.M. Capability Maturity Model Modelo de Maturidade da Capacidade

C.M.M. Capability Maturity Model Modelo de Maturidade da Capacidade UNISUL Universidade do Sul de Santa Catarina. Campus da Grande Florianópolis Pedra Branca. CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE ALUNO: Volnei A. Caetano Palhoça 02 de Junho de 2000 C.M.M. Capability

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Metodologia de implementação e certificação ISO20.000. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa

Metodologia de implementação e certificação ISO20.000. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa de implementação e certificação ISO20.000 Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Por que estas organizações implementaram a ISO20.000? Alinhamento do negócio e TI Redução da exposição

Leia mais

Orientações iniciais. FATTO Consultoria e Sistemas - www.fattocs.com

Orientações iniciais. FATTO Consultoria e Sistemas - www.fattocs.com 1 Orientações iniciais Dê preferência ao uso de uma conexão de banda larga O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM Trabalho realizado por: Ana Luisa Veiga Filipa Ramalho Doutora Maria Manuela Pinto GSI 2007 AGENDA:

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G por Adriana Silveira de Souza Agenda Visão Geral do MPS.BR Processos e Capacidade de Processo Níveis de Maturidade Atributos de Processo Processo

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Apresentação da Empresa. CAPO Software. your team more agile

Apresentação da Empresa. CAPO Software. your team more agile Apresentação da Empresa CAPO Software QUEM SOMOS A CAPO SOFTWARE é provedora de serviços diversificados de TI com vasta experiência em desenvolvimento de sistemas e processo de configuração que compreende

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Fundamentos de Gestão de TI

Fundamentos de Gestão de TI Fundamentos de Gestão de TI Tópico V Transição de Serviço (ITIL V3) José Teixeira de Carvalho Neto transição de serviço transição de serviço Objetivo: orientar e coordenar o desenvolvimento e a implantação

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio

Modelagem de Processos de Negócio Treinamentos em Gestão por Processos Modelagem de Processos de Negócio Documentando o conhecimento sobre processos de negócio de forma clara e completa Conhecida como a base para iniciativas de processos,

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G 1082 X Salão de Iniciação Científica PUCRS UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G Agner Macedo Paiva, Bernardo Copstein (orientador) FACIN, PUCRS, Centro

Leia mais

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e fortes, que serão utilizados para a criação de um plano

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Professor Samuel Graeff prof.samuel@uniuv.edu.br COBIT O que e? COBIT significa Control Objectives for Information and related Technology - Objetivos

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Giovani Hipolito Maroneze 1, Jacques Duílio Branches 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.001 86.057-970

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

PMO DE SUCESSO PRECISA TER FOCO! Uma proposta de modelo para Escritórios de Projetos

PMO DE SUCESSO PRECISA TER FOCO! Uma proposta de modelo para Escritórios de Projetos PMO DE SUCESSO PRECISA TER FOCO! Uma proposta de modelo para Escritórios de Projetos por Mario Trentim em http://blog.mundopm.com.br/2013/01/21/pmo-de-sucesso-precisa-terfoco/ Caro amigo leitor, que tal

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Leandro Jesus leandro.jesus@elogroup.com.br

Leandro Jesus leandro.jesus@elogroup.com.br Escritório de Processos: Atuações possíveis e arranjos em estruturas organizacionais Leandro Jesus leandro.jesus@elogroup.com.br ELO Group - Visão Institucional Consultoria especializada nas áreas de Gestão

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 2 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0 TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Brivaldo Marinho - Consultor Versão 1.0 CONTROLE DA DOCUMENTAÇÃO Elaboração Consultor Aprovação Diretoria de Informática Referência do Produto

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

GTI Governança de TI

GTI Governança de TI GTI Governança de TI Planejamento, implantação e gerenciamento da Governança de TI Governança de TI FERNANDES & ABREU, cap. 5 1 Implantação empreendimento de longo prazo. Requisitos básicos: Liderança

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

ITIL - Information Technology Infraestructure Library

ITIL - Information Technology Infraestructure Library ITIL Biblioteca de infra estrutura de TI (do Inglês, Information Technology Infraestructure Library) e ISO/IEC 20.000 ITIL - Information Technology Infraestructure Library Foi criado no fim dos anos 80

Leia mais

Governança Corporativa. A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial.

Governança Corporativa. A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial. Governança Corporativa A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial. A virtualização dos negócios tem impactado diretamente a condição de fazer negócio, conferindo

Leia mais

Implantação da Gestão de Projetos na Gerência de Planos, Metas e Políticas de Saúde

Implantação da Gestão de Projetos na Gerência de Planos, Metas e Políticas de Saúde TÍTULO DA PRÁTICA: Implantação da Gestão de Projetos na Gerência de Planos, Metas e Políticas de Saúde CÓDIGO DA PRÁTICA: T20 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 No início de 2010, após

Leia mais

WAMPS 2009. Gestão Integrada da Melhoria de Processos em Organizações de Software. Ana Regina Rocha Marcelo Mello 19/10/2009

WAMPS 2009. Gestão Integrada da Melhoria de Processos em Organizações de Software. Ana Regina Rocha Marcelo Mello 19/10/2009 WAMPS 2009 Gestão Integrada da Melhoria de Processos em Organizações de Software Ana Regina Rocha Marcelo Mello 19/10/2009 Agenda 1. Objetivos 2. Fundamentação Teórica 3. Organização do Projeto 4. Mapeamento

Leia mais

Aplicação da ISO/IEC TR 15504 na Melhoria do Processo de Desenvolvimento de Software de uma Pequena Empresa

Aplicação da ISO/IEC TR 15504 na Melhoria do Processo de Desenvolvimento de Software de uma Pequena Empresa Aplicação da ISO/IEC TR 15504 na Melhoria do Processo de Desenvolvimento de Software de uma Pequena Empresa Odair Jacinto da Silva 1, Carlos Alberto Borges 1, Clênio Sampaio Salviano 2, Adalberto N. Crespo

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais