COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL SGB PAUTA DE REIVINDICAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL SGB PAUTA DE REIVINDICAÇÕES"

Transcrição

1 COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL SGB PAUTA DE REIVINDICAÇÕES XXIII ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 1

2 SUMÁRIO I. Das Disposições Iniciais 04 Cláusula 1 Data-Base, Vigência e Acompanhamento Cláusula 2 Manutenção de Cláusulas Anteriores...04 II. Da Remuneração 04 Cláusula 3 (2) Reajuste Salarial...04 Cláusula 4 (3) Piso Salarial Cláusula 5 Abono Salarial Cláusula 6 Equivalência Salarial...05 Cláusula 7 Remuneração Estratégica pelo CREA/CONFEA Cláusula 8 Terceirização Cláusula 9 (7) Horas Extraordinárias...05 Cláusula 10 (4) Adicional de Tempo de Serviço Cláusula 11 (6) Adicional Regional Cláusula 12 Adicional de Titulação Cláusula 13 Adicional de incentivo ao estudo Cláusula 14 (8) Adicional de Sobreaviso...07 Cláusula 15 Adicional Noturno Cláusula 16 Participação nos Resultados...07 Cláusula 17 Adicional de Exclusividade III. Dos Benefícios Sociais 07 Cláusula 18 Correção de Valores de Benefícios Cláusula 19 (11) Auxílio-Alimentação Cláusula 20 (12) Transferência e Admissão Cláusula 21 (13) Auxílio-Creche Cláusula 22 Auxílio- Educação Cláusula 23 (14) Seguro Pós-Vida Cláusula 24 (15) Auxílio ao Dependente Deficiente Físico e Portadores de Necessidades Especiais Cláusula 25 (16) Auxílio ao Empregado portador de doença crônica irreversível Cláusula 26 (17) Assistência Médica Cláusula 27 (18) Assistência Odontológica Cláusula 28 (20) Folgas de Campo...11 Cláusula 29 Folgas Compensatórias...11 Cláusula 30 Cesta Básica Cláusula 31 Transporte de acidentados, doentes e parturientes IV. Dos Benefícios Administrativos 12 Cláusula 32 (26) 13º Salário e Férias...12 Cláusula 33 (29) Calendário Anual de Feriados...12 V. Da Proteção ao Empregado 13 Cláusula 34 Dispensa Individual...13 Cláusula 35 (31) Estabilidade da Gestante Cláusula 36 (35) Assédio Moral Cláusula 37 Assaltos, Roubos e Furtos Cláusula 38 Comissão de Ética VI. Da Aposentadoria e Demissão 14 Cláusula 39 Assistência na Aposentadoria e Demissão Cláusula 40 Liberação do FGTS...14 VII. Da Motivação e Valorização Profissional 15 Cláusula 41 Serviço Social

3 Cláusula 42 Psicologia Organizacional Cláusula 43 (40) Treinamento e Aperfeiçoamento de Pessoal...15 Cláusula 44 (41) Funções Gerenciais Cláusula 45 Funções de Confiança Cláusula 46 Indenização de Campo e RAD Cláusula 47 (44) Perdas e Danos Materiais Cláusula 48 (45) Dispensa Especial de Trabalho Cláusula 49 (47) Conselhos e Ordens de Classes Profissionais Cláusula 50 (51) Promoções VIII. Da Segurança e Saúde Ocupacional 18 Cláusula 51 (52) Medicina Preventiva IX. Da Valorização Sindical 18 Cláusula 52 (60) Da Estabilidade...18 Cláusula 53 Liberação de Dirigentes Sindicais, CONAE, AGEN e AECPRMs X. Da Publicidade no Gerenciamento 19 Cláusula 54 (63) Licitações e Contratos...19 XI. Das Disposições Finais 19 Cláusula 55 (64) Multa por Descumprimento...19 Cláusula 56 Comissões Técnicas Temáticas...19 Cláusula 57 Plano de Cargos, Carreiras e Salários PCCS Cláusula 58 Participação no Conselho de Administração Cláusula 59 Aplicação do Acordo Cláusula 60 (70) Da Quitação

4 I. DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Cláusula 1 Data-Base, Vigência e Acompanhamento A data-base dos empregados da CPRM é o dia 01 de julho de cada ano, e o presente acordo terá vigência no período compreendido entre 01 de julho de 2008 e 30 de junho de º - O processo de sua prorrogação, rescisão ou revogação, total ou parcial, deverá ser negociado entre as partes ou, se tal não for possível, obedecerá ao disposto nos artigos 614 e 615 da CLT. 2º - As legítimas Entidades Sindicais representantes da categoria profissional preponderante, em conjunto com a CONAE poderão pleitear reunião de avaliação do cumprimento das cláusulas pactuadas, após o 3º (terceiro) mês de vigência do presente Acordo. 3º - A CPRM convocará as legítimas Entidades Sindicais signatárias do presente Acordo, a CONAE e a AGEN sempre que houver possibilidade de concessão de melhoria para os empregados. Cláusula 2 Manutenção de Cláusulas Anteriores Ficam mantidas, em inteiro teor, as seguintes Cláusulas do XXII Acordo Coletivo de Trabalho: 5, 10, 19, 22, 23, 24, 25, 27, 28, 30, 32, 33, 34, 36, 37, 42, 43, 46, 48, 49, 53, 54, 55, 56, 57, 58, 59, 61, 62, 65, 66, 67, 68 e 69. II. DA REMUNERAÇÃO Cláusula 3 Reajuste Salarial A CPRM reajustará, a partir de 1º de julho de 2008, independente da data da assinatura deste acordo, os salários básicos dos seus empregados, vigentes em 30 de junho de 2008, mediante a aplicação do percentual referente ao maior índice de inflação acumulada entre o período de 01 de julho de 2007 a 30 de junho de 2008, a partir de considerados o ICV-Dieese, o INPC-IBGE, o IPCA-IBGE e o IPC-FIPE. 1º - Sobre todos os salários corrigidos na forma do caput desta cláusula, a empresa aplicará ainda, em 1º de julho de 2008, a título de aumento real, a variação positiva do PIB referente ao ano de º - Em 1º de julho de 2008, a empresa concederá a todos os empregados, avanço de 01 (um) nível na faixa salarial referente a cada cargo. Cláusula 4 Piso Salarial A partir de 1º de julho de 2008, o piso salarial dos empregados da CPRM corresponderá ao nível 5A da Tabela de Classificação Salarial, vigente em julho de 2008, corrigindo-o pelo somatório dos índices previstos neste Capítulo. Cláusula 5 Abono Salarial A CPRM pagará, até 20 de julho de 2008, a todos os seus empregados, indiscriminadamente, abono salarial equivalente a um salário-base. 4

5 Cláusula 6 Equivalência Salarial A título de equivalência salarial, a CPRM enquadrará as demais categorias profissionais de nível superior, à remuneração estratégica de engenheiros, geólogos e geógrafos. Cláusula 7 Remuneração Estratégica pelo CREA/CONFEA A CPRM pagará aos profissionais técnicos de nível médio inscritos nos CREA s, a título de vencimentos básicos mensais, equivalentes a 66% da remuneração estratégica de engenheiros, geólogos e geógrafos, conforme tramitação do Projeto de Lei do Senado PLS n o 227/2005, que altera a Lei 4.950/A, que dispõe sobre salário mínimo profissional, para atender os profissionais de nível médio. Cláusula 8 Terceirização Fica proibida a contratação de terceirizados em serviços permanentes da empresa. Cláusula 9 (7) Horas Extraordinárias A CPRM não exigirá de seus empregados o cumprimento de horas extras, salvo em situações excepcionais. Neste caso as horas extras deverão ser previamente autorizadas pelas chefias dos órgãos de 1ª Linha. 1º - Os empregados que trabalharem horas extras e que não estiverem fora de suas sedes nem em serviço de campo, receberão, gratuitamente, refeições condizentes com o horário (almoço e/ou jantar), sendo: a) dias úteis: I) horário compreendido entre 18:30 e 22:00h jantar; II) horário compreendido entre 22:00 e 07:30h lanche. b) sábados, domingos e feriados: I) almoço e/ou jantar e/ou lanche, conforme horário. 2º - Caso a CPRM não forneça a alimentação prevista no parágrafo anterior, os empregados serão reembolsados das despesas efetuadas com as respectivas refeições, no prazo de até 05 (cinco) dias, mediante comprovação da despesa. 3º - Ficará a cargo da CPRM o transporte dos empregados que estiverem prestando serviço a partir das 22:00h até a sua residência, reembolsando, se for o caso, as despesas efetuadas com o transporte convencional ou com o combustível, limitadas ao valor do percurso normal. 4º - As horas extras serão sempre compensadas, na forma da lei, podendo o empregado pleitear, como exceção, a transformação das horas extras em folgas. 5º - As horas trabalhadas no campo ou nas sedes aos sábados, domingos e feriados serão integralmente consideradas extras e remuneradas na forma deste Acordo. 6º - A jornada de trabalho semanal será de 40 horas, sem necessidade das 04 (quatro) horas aos sábados durante os trabalhos de campo. 7º - A jornada diária de trabalho no campo se iniciará no momento do deslocamento do local de hospedagem para a área alvo e seu efetivo retorno ao local de hospedagem, devendo ser registrada em folha de ponto as horas de início e fim da jornada. 8º - As horas extras não programadas, mas excepcionalmente efetuadas nos trabalhos de campo, deverão ser justificadas formalmente pelo responsável técnico do projeto, e autorizadas pelo chefe de 1ª Linha, para que haja o devido pagamento. 9º - Face à implantação do sistema de controle de freqüência, fica instituído o regime de flexibilização de jornada de trabalho, podendo haver acúmulo de horas trabalhadas, 5

6 espontaneamente, para compensações de horas de até duas semanas após o encerramento do mês em curso. 10 -Até 60 (sessenta) dias após a aprovação deste Acordo, a CPRM implantará um sistema de banco de horas. Cláusula 10 (4) Adicional de Tempo de Serviço A CPRM pagará a todos os seus empregados um adicional de 1% (um por cento) para cada ano inteiro de serviço, descontados os períodos de licença sem vencimentos ou de afastamentos, computando-se, entretanto, os afastamentos por motivo de saúde, devidamente comprovados, limitado ao máximo de 35% (trinta e cinco por cento). Cláusula 11 (6) Adicional Regional A CPRM concederá Adicional Regional de 45% (quarenta e cinco por cento) sobre o salário-base para todos os empregados lotados na Amazônia Legal. 1º - Entende-se por Amazônia Legal aquela assim definida no art. 2o. da Lei 5173, de 27/10/66. 2º - Os empregados admitidos, transferidos ou deslocados de outras unidades para a região da Amazônia Legal, também farão jus ao recebimento do Adicional Regional, de 45% (quarenta e cinco por cento). 3º - Os empregados deslocados para a Amazônia Legal apenas para execução de etapa de campo farão jus ao adicional regional de 45 % (quarenta e cinco por cento) proporcionalmente aos dias de permanência efetiva em serviço de campo na região mencionada. 4º - Por serviços de campo entende-se as atividades nas áreas de geologia e hidrologia inerentes ao objeto social da CPRM que para sua realização haja necessidade de deslocar empregados, independentemente da categoria funcional, de suas respectivas bases de lotação para trabalhos de campo com a finalidade de executar pesquisas, estudos, levantamentos, mapeamentos e quaisquer procedimentos em campo, necessários à efetivação desses trabalhos. Clausula 12 Adicional de Titulação Os valores do adicional de titulação pagos pela CPRM aos detentores de título de mestrado e doutorado serão, a partir de 1º de julho de 2008, nos seguintes valores: R$ 940,00 e R$ 1.394,00, respectivamente. 1º - O Adicional de Titulação será reajustado anualmente, por ocasião do Acordo Coletivo de Trabalho, pelo mesmo índice atribuído ao reajuste dos salários. 2º - Ao empregado que detiver o título de Especialização, a Empresa pagará um adicional de 60% sobre o referente ao Mestrado, incluindo-se, como Especialização, os cursos realizados pelos empregados da CPRM no CIEG, IPH, etc. 3º - O adicional será concedido a TODOS os Empregados que preencham os requisitos desta Cláusula, independente de outros adicionais, auxílios e/ou gratificação que, porventura, percebam, inclusive as gratificações de funções ou salário função. Clausula 13 Adicional de Incentivo ao Estudo A CPRM pagará um adicional de incentivo ao estudo, não cumulativo, aos empregados contratados como nível de ensino fundamental e nível de ensino médio, que completaram ou vierem a completar curso de ensino médio e curso de ensino superior, respectivamente. 6

7 1º - O adicional de que trata esta cláusula será de 10% sobre o salário-base da categoria para os empregados de nível de ensino fundamental que completaram ou vierem a completar curso de ensino médio; de 15% sobre o salário-base da categoria para os empregados de nível de ensino médio que completaram ou vierem a completar curso de ensino superior; e de 20% sobre o salário-base da categoria para os empregados com ensino médio que possuir curso técnico na área fim da empresa. 2º - O curso de ensino superior de que trata esta cláusula deve ter sido concluído em uma instituição de ensino reconhecida pelo Ministério da Educação. Cláusula 14 (8) Adicional de Sobreaviso A CPRM pagará ao empregado autorizado a trabalhar em regime de sobreaviso, conforme Norma Interna, um adicional de 30% (trinta por cento) sobre o salário-base diário, nos dias em que vigorar esse regime. Parágrafo Único Para os empregados em campo na Amazônia Legal que estiverem em regime de acampamento, será aplicado este adicional. Cláusula 15 Adicional Noturno O trabalho noturno terá remuneração superior à do diurno e, para esse efeito, sua remuneração terá um acréscimo de 35% (trinta e cinco por cento) sobre a hora diurna.. 1º - A hora de trabalho noturno será computada como de 52 (cinqüenta e dois) minutos e 30 (trinta) segundos. 2º - Considera-se noturno, para os efeitos desta cláusula, o trabalho executado entre as 22h00 de um dia e 05h00 do dia seguinte. Cláusula 16 Participação nos Resultados A CPRM implementará o resultado final sobre a Participação nos Resultados oriundo dos trabalhos da Comissão Técnica sobre PLR, no prazo máximo de 60 (sessenta) dias da aprovação deste Acordo. Cláusula 17 Adicional de Exclusividade A CPRM pagará a todos os empregados contratados em regime de dedicação exclusiva, um adicional de exclusividade de 40% do salário-base, conforme estabelecido na Lei n o (de 26 de junho de 1964). III. DOS BENEFICIOS SOCIAIS Cláusula 18 Correção de Valores de Benefícios A CPRM assumirá a diferença de qualquer correção nos valores dos benefícios concedidos aos seus funcionários, até o reajuste salarial seguinte, bem como, o que exceder ao índice desse reajuste. 7

8 Cláusula 19 (11) Auxílio-Alimentação A CPRM fornecerá um subsídio à alimentação a seus empregados, no valor de R$ 520,00 (quinhentos e vinte reais), no período de julho de 2008 a junho de 2009, ocorrendo, sempre, a distribuição dos tíquetes até o 20º (vigésimo) dia de cada mês. 1º - A participação dos empregados no custo total do benefício será de 2% (dois por cento). 2º - A critério do empregado, o subsídio poderá ser fornecido metade em vale alimentação e metade em vale refeição. 3º - A CPRM fornecerá, no mês de dezembro, a título de auxílio natalino, no mesmo valor mensal dos créditos recebidos pelo vale alimentação a todos os seus empregados. Cláusula 20 (12) Transferência e Admissão A CPRM concederá, ao empregado transferido por necessidade de serviço ou àquele recém-admitido, uma ajuda de custo assim constituída: a) um valor correspondente a 1 (um) salário-base do empregado, pagável no ato da transferência; b) 65% (sessenta e cinco por cento) do salário-base do empregado, pagáveis nos 12 (doze) primeiros meses da transferência; c) 35% (trinta e cinco por cento) do salário-base do empregado, pagáveis nos 12 (doze) meses subseqüentes; d) passagens aéreas do empregado e dependentes legais, mesmo que estes utilizem transporte próprio; e) despesas de mudança, incluindo seguro da mesma; f) desconto em folha para aluguel residencial (se o empregado assim o desejar); g) após 3 (três) anos de serviço em uma Unidade Regional, o empregado transferido, a partir de julho de 2007, poderá solicitar transferência para Unidade Regional de sua escolha, observados sempre os interesses e a conveniência da Empresa. h) a CPRM concederá transferência ao empregado, sem prejuízo para a empresa, quando se fizer através de permuta com profissionais lotados na mesma área de Diretoria. Cláusula 21 (13) Auxílio-Creche A CPRM subsidiará mensalmente, a partir do mês de julho de 2008, inclusive, com um valor de R$ 450,00 (Quatrocentos e cinqüenta reais) por filho natural, adotado ou em guarda judicial, sem distinção de sexo, com idade até 72 (setenta e dois) meses. 1º Os filhos das empregadas do Escritório Rio de Janeiro, com idade de até 36 (trinta e seis) meses, serão atendidos pela creche existente, estendendo-se, em ocorrendo excesso de vagas, o atendimento a filhos de empregados, também com idade de até 36 (trinta e seis) meses. 2º Caso o filho da empregada ou do empregado complete 36 (trinta e seis) meses antes do término do ano civil, poderá permanecer na creche até o final do ano. 3º Para os demais filhos de empregados do Escritório do Rio de Janeiro, ou no caso da não utilização da creche, aplica-se o disposto no caput desta cláusula. 4º Ao filho de empregado(a) afastado pelo INSS, ou falecido, que na época do óbito estiver percebendo o Auxílio-Creche, será garantido o benefício até 24 (vinte e quatro) meses após o óbito ou até quando o filho completar 72 (setenta e dois) meses de idade, encerrando-se quando ocorrer primeiramente uma das condições acima. 8

9 Cláusula 22 Auxílio-Educação A CPRM subsidiará mensalmente, a partir do mês de julho de 2008, inclusive, com um valor de R$ 450,00 (Quatrocentos e cinqüenta reais) por filho natural, adotado ou em guarda judicial, sem distinção de sexo, com idade superior a 72 (setenta e dois) meses, que estejam cursando escolas de ensino de fundamental e médio. Cláusula 23 (14) Seguro Pós-Vida A CPRM manterá a modalidade do seguro denominado de pós-vida para cobrir as despesas decorrentes de funeral do empregado, de seu cônjuge, ou de seus dependentes, conforme conceituação definida na legislação previdenciária. Parágrafo Único - Ocorrendo morte de cônjuge, filhos, pais ou demais dependentes, a CPRM arcará com as despesas de deslocamento do empregado até o local do funeral, utilizando, para isso, o meio de transporte mais rápido. Cláusula 24 (15) Auxílio ao Dependente Deficiente Físico e Portadores de Necessidades Especiais A CPRM continuará concedendo auxílio mensal ao empregado que tenha dependente deficiente físico e/ou portador de necessidades especiais para tratamento e educação especializados, a partir da apresentação de documento comprobatório no Setor de Pessoal, no valor de R$ 500,00 (Quinhentos reais), a partir do mês de julho de 2008, inclusive, creditados através de folha de pagamento, desde que esteja comprovada, anualmente e sempre no mês de julho, junto ao Departamento de Recursos Humanos DERHU, a condição de dependente excepcional ou deficiente físico. 1 - Serão considerados deficientes físicos, conforme disposto na Lei Orgânica da Previdência Social: a) pessoa com parada de desenvolvimento; b) pessoa com retardo de desenvolvimento; c) pessoa com involução de desenvolvimento que a conduza à incapacidade de subsistência por seus próprios meios, com necessidade de assistência médica e/ou paramédica permanente. 2º - A CPRM aceitará a flexibilidade de horário para o empregado que tenha dependente excepcional ou deficiente físico, de modo a permitir-lhe o acompanhamento durante o tratamento. 3º - Entende-se como dependente aquele previsto na lei da Previdência Social. Cláusula 25 (16) Auxílio ao Empregado portador de doença crônica irreversível A CPRM concederá aos empregados que sejam portadores de doenças crônicas irreversíveis, previstas no inciso XIV,do art. 6º da Lei 8.541, de , e que demandem tratamento especializado permanente, mediante a apresentação ao Setor de Pessoal de laudo médico oficial/rede credenciada, que deverá observar o quanto estabelecerem as Normas Legais que regem a matéria, auxílio mensal no valor R$ 500,00 (Quinhentos reais), a partir do mês de julho de 2008, inclusive, creditados através de folha de pagamento, desde que esteja comprovada, anualmente e sempre no mês de julho, junto ao Departamento de Recursos Humanos DERHU. 9

10 Cláusula 26 (17) Assistência Médica A CPRM manterá sistema de assistência médica supletiva a seus empregados e dependentes, através de contratos com empresas de prestação de serviços ou pelo sistema de reembolso parcial de despesas, de acordo com as suas Normas Internas, para os locais onde não existem condições para estabelecimento de contratos. 1º - A CPRM participará no custeio da assistência médica com, no mínimo, 70% (setenta por cento) do custo total do plano básico. 2º - O rateio da participação dos empregados será decidido pelas assembléias das Associações de Empregados da CPRM AECPRMs. 3º - A CPRM custeará as despesas de deslocamento do empregado, quando necessário, no caso de tratamento fora da Unidade Regional onde estiver lotado, mediante autorização da Diretoria Executiva ou, nos casos de urgência, pelo chefe do Órgão Regional, ad referendum da Diretoria Executiva. 4º - As despesas médicas não cobertas pelos convênios regionais serão pagas pela CPRM, por solicitação do interessado, e a ela ressarcidas, mediante sistemática estabelecida pela Diretoria Executiva, com exceção das despesas de remoção, que serão integralmente cobertas pela CPRM. 5º - No caso de falecimento do empregado, a CPRM garantirá a manutenção, por um prazo de 02 (dois) anos, ao cônjuge e dependentes legais, os benefícios desta cláusula, desde que haja previsão no plano contratado. 6 - Nas licitações para seleção da empresa prestadora de assistência médica, a CPRM, nos termos da Lei nº 8.666/93, priorizará, os padrões de abrangência do atendimento, rede hospitalar e laboratorial, quadro de profissionais (especialização e quantidade), qualidade dos serviços oferecidos e cobertura do convênio, entre outros itens que caracterizem uma assistência de padrão elevado, podendo adotar soluções que incluam a unificação de assistências regionais, abrangendo mais de uma unidade, observados os limites da lei, não podendo, em caso de troca de prestadora dos serviços, licitar condições em padrões inferiores ao do contrato que será substituído. 7º - A CPRM assegurará a todos os empregados afastados por acidente do trabalho ou licença médica para tratamento de saúde, o salário integral até 24 (vinte e quatro) meses. Para os empregados que usufruírem o benefício de auxílio doença a CPRM fará a respectiva complementação. 8º - Ao empregado aposentado que permaneça na ativa, se afastado temporariamente por doença ou acidente de trabalho, a CPRM garantirá o pagamento integral do salário, até o prazo máximo de 24 (vinte e quatro) meses. 9º - A CPRM manterá o empregado desligado sem justa causa ou por aposentadoria, na vigência do presente Acordo, no sistema de assistência médica, caso ele manifeste interesse por escrito e arque com o custo total mensal A CPRM reembolsará integralmente as despesas de seus empregados com medicamentos receitados para o tratamento contínuo de doenças. Por interesse do empregado, a CPRM assumirá os custos de medicamentos de outras doenças, desde que o montante atinja ou ultrapasse 25% do salário-base do empregado, e por solicitação do mesmo, deduzindo parceladamente do seu salário mensal A CPRM criará, num prazo máximo de 30 (trinta) dias da aprovação deste Acordo, Comissões Locais, com a participação de pelo menos 01 (um) membro da Associação local, para acompanhamento de todos os trâmites referentes ao contrato de prestação de assistência médica Será permitida a inclusão de novos agregados por qualquer empregado no plano de saúde atual. 10

11 Cláusula 27 (18) Assistência Odontológica A CPRM, na vigência do presente acordo, concederá, em caráter opcional, a seus empregados e dependentes, serviços de assistência odontológica, através de contratação de empresa especializada, que participará com o percentual de 50% (cinqüenta por cento) incidente sobre os custos dos serviços, conforme previsto na Resolução nº 09 de outubro de 1996, do CCE, percentual esse a ser descontado diretamente em folha de pagamento, através de rubrica específica. 1º - No caso de falecimento do empregado, a CPRM garantirá a manutenção, por um prazo de 02(dois) anos, ao cônjuge e dependentes legais, os benefícios desta cláusula, desde que haja previsão no plano contratado. 2º - A CPRM manterá o empregado desligado sem justa causa ou aposentado, na vigência do presente Acordo, no sistema de assistência odontológica, caso ele manifeste interesse por escrito e arque como custo total mensal e seja aceito pela empresa de prestação de serviço. 3º - No caso de dificuldades orçamentárias, a CPRM convocará as Entidades Sindicais representantes dos empregados para rediscutir o assunto, mantendo as condições ajustadas por ainda durante 30 (trinta) dias, a partir da convocação. 4º - O plano de assistência odontológica também dará cobertura para tratamentos dentários mais complexos (implantes, próteses fixas, ortodontia etc.). Cláusula 28 (20) Folgas de Campo O empregado que, por necessidade de serviço, venha a permanecer no campo durante o sábado, o domingo ou feriado civil ou religioso, fará jus a uma folga designadas como Folga de Campo, por cada dia, mediante dispensa de seu comparecimento ao expediente por igual número de dias úteis. 1º - As Folgas de Campo devidas serão concedidas dentro de 15 (quinze) dias após o regresso do empregado à sua sede, atendidas as necessidades de serviço e observadas as disposições das normas internas sobre o assunto. 2º - O empregado poderá pleitear, em concordância com seu gerente, o acúmulo e a transferência das folgas de sua conveniência, até o máximo de 15 (quinze) folgas. 3 o - A partir das 15 (quinze) folgas acumuladas, cada folga excedente que não puder ser concedida terá que ser remunerada pelo valor de um dia do salário-base do empregado. 4 o - A CPRM permitirá que eventuais Faltas, Atrasos e Compensações de Feriados, sejam compensadas com Folgas de Campo a que o empregado faça jus. 5º - As folgas de campo que, por imperiosa necessidade de serviço, não puderem ser concedidas dentro dos limites estabelecidos nesta cláusula, deverão ser comunicadas ao setor de pessoal, para controle, e ao Departamento de Recursos Humanos devidamente justificadas e com a concordância da chefia imediata. Cláusula 29 Folgas Compensatórias Em viagem administrativa, inclusive ao exterior, ou em curso de aperfeiçoamento de interesse da CPRM, o empregado que venha a permanecer fora da sua Unidade de lotação aos sábados, domingos ou feriados civis ou religiosos, fará jus a uma folga mediante dispensa do seu comparecimento por igual número de dias úteis. Parágrafo Único - O disposto no parágrafo anterior não se aplica ao empregado afastado para cursar mestrado, doutorado ou qualquer curso a estes equivalentes. 11

12 Cláusula 30 Cesta Básica A partir de 1º de julho de 2008, a CPRM concederá Cesta Básica a todos os empregados através de crédito mensal em cartão eletrônico no valor de R$ 210,00 (duzentos e dez reais). Cláusula 31 Transporte de acidentados, doentes e parturientes Obriga-se o empregador a transportar o empregado, com urgência, para local apropriado, em caso de acidente, mal súbito ou parto, desde que ocorram no horário de trabalho ou em conseqüência deste. IV. DOS BENEFÍCIOS ADMINISTRATIVOS Cláusula 32 (26) 13º Salário e Férias A CPRM continuará considerando, no cálculo para pagamento do 13 (décimo terceiro) salário e férias, os valores pagos a título de horas extras e outros adicionais pagos com habitualidade, com a seguinte sistemática: a) horas extras: média mensal da quantidade de horas extras trabalhadas durante o ano, multiplicando-se o número obtido pelo salário/hora de dezembro ou para o mês de fruição de férias; b) adicionais (Insalubridade, Periculosidade, Noturno, Transferência e Regional): valor devido na remuneração do empregado em dezembro ou, pela média, se o empregado não tiver recebido o adicional no mencionado mês; c) indenização de campo: média mensal das quantidades de indenização de campo recebidas nos últimos 12 (doze) meses valorizados em dezembro de 2005, para as indenizações de campo que excedam a 50% (cinqüenta por cento) do salário-base mensal. 1º - Mediante solicitação do empregado, a CPRM continuará concedendo, no mês de férias do solicitante, inclusive no mês de janeiro, antecipação do 13º (décimo terceiro) salário, correspondente a 50% (cinqüenta por cento) da remuneração mensal que lhe for devida no referido mês. 2º - Os direitos pecuniários decorrentes das férias do mês de janeiro de 2009 serão pagos na folha de pagamento de dezembro de º - A CPRM antecipará o 13º (décimo terceiro) salário, ou o seu saldo, no caso de internação hospitalar do empregado e/ou seus dependentes, ou morte de quaisquer desses últimos, mediante comprovação. 4º - A CPRM assegurará aos empregados que perceberem adiantamentos de férias, o conseqüente pagamento em 03 parcelas fixas, a partir do mês subseqüente ao benefício. 5º - Ressalvada manifestação em contrário do empregado, a CPRM adiantar-lhe-á, junto com o salário de julho, a primeira metade do 13º (décimo terceiro) salário, caso não o tenha recebido por motivo de férias ou outro qualquer previsto neste Acordo, condicionado o pagamento à disponibilidade de recursos financeiros. 6º - A partir de 1º de julho de 2008, a CPRM passará a conceder a gratificação de férias em valor equivalente à remuneração percebida pelo empregado na data das férias. Cláusula 33 (29) Calendário Anual de Feriados A CPRM se compromete a elaborar um calendário de compensações de feriados para 2008, que considere a realidade de cada Unidade Regional. 12

13 Parágrafo Único A CPRM considerará a quinta-feira santa no calendário anual de compensação. V. DA PROTEÇÃO AO EMPREGADO Cláusula 34 Dispensa Individual Para a eventual dispensa de empregado, a CPRM adotará o seguinte procedimento: a) Encaminhamento à chefia imediata, da proposta de dispensa do empregado; b) O titular do órgão (assim considerado no âmbito da sede, os gerentes executivos e nos órgãos fora da sede os seus gerentes) e a Associação de Empregados local, designarão uma comissão paritária para analisar a proposta, a qual deverá se manifestar no prazo mínimo de 48 (quarenta e oito) horas; c) O empregado será comunicado da instauração do procedimento, facultando-se ao mesmo pronunciar-se junto à comissão; d) A comissão deverá apresentar o seu parecer recomendando formalmente: I. A efetivação da dispensa; II. A reconsideração da proposta de dispensa. Parágrafo Único A CPRM se compromete a, no caso de demissões individuais questionadas pelo sindicato, pela CONAE, AGEN ou AECPRMs, garantir a estas o acesso às informações documentais referentes ao caso. Clausula 35 (31) Estabilidade da Gestante A CPRM assegurará garantia de emprego à empregada gestante, desde o início da gestação até o 1º (primeiro) aniversário dos filhos, ressalvados os casos de falta grave, sendo esse benefício estendido à empregada que adotar criança, até o seu 1º (primeiro) aniversário. 1º - Para atender à necessidade de amamentação de seus filhos, com base no que dispõem os artigos 389, 1º, e 396 da CLT, mediante a apresentação de atestado médico comprobatório, a CPRM reduzirá em 03 (três) horas diárias a jornada de trabalho das empregadas que necessitem amamentar seus filhos, no período de 06 (seis) meses subseqüentes ao retorno da licença-maternidade. 2º - Durante o período de amamentação, a empregada poderá optar por uma jornada de trabalho corrida de 5 horas. Cláusula 36 (35) Assédio Moral A Empresa acatará e apurará por intermédio da sua Comissão de Ética, toda denúncia de assédio moral, em conformidade com o Código de Ética da CPRM, num prazo máximo de 60 (sessenta) dias a partir do registro da denúncia. 1º - A CPRM se compromete, na vigência do presente acordo, estabelecer ações juntamente com a CONAE e AGEN, para o tratamento de ocorrência de casos caracterizados como assédio moral na empresa. 2º - A Comissão de Ética da CPRM contará com um representante dos empregados, eleito através do voto direto pelos mesmos. 3º - A CPRM implementará e dará manutenção a uma política de relações de trabalho, no sentido de coibir a prática de atos atentatórios à dignidade dos seus empregados, impedindo que, no exercício de suas funções, eles sejam submetidos, por seus superiores hierárquicos, a situações constrangedoras, humilhantes e/ou vexatórias, comprometendo-se, ainda, a adotar todas as medidas necessárias ao restabelecimento da normalidade. 13

14 Cláusula 37 Assaltos, Roubos e Furtos A CPRM, ressalvados os casos de dolo, negligência, imprudência ou imperícia, arcará com os prejuízos pessoais de empregados que, quando a serviço da empresa, forem acometidos de assaltos, roubos ou furtos, pelo valor de mercado, desde que os bens constem em Boletim de Ocorrência Policial. Parágrafo Único Nos casos em que houver suspeita fundamentada de dolo ou culpa, a responsabilidade será apurada por uma Comissão de Sindicância específica, da qual deverá fazer parte um perito escolhido de comum acordo e um representante da Associação local. Cláusula 38 Comissão de Ética A CPRM garantirá que os membros da Comissão de Ética sejam em número paritário, sendo, os representantes dos empregados, eleitos por voto direto. VI. DA APOSENTADORIA E DEMISSÃO Cláusula 39 Assistência na Aposentadoria e Demissão Quando da homologação da rescisão do contrato de trabalho, ou aposentadoria, a CPRM entregará ao empregado, num prazo máximo de 10 dias úteis, documentos que contenham informações sobre seu perfil profissiográfico (currículo profissional fornecido pela CPRM), depósitos mensais de FGTS efetuados desde a sua admissão, averbação de tempo de contribuição ao INSS, outros documentos eventualmente necessários, relativos a PASEP, INSS, FGTS etc., bem como dará orientação e assistência, no sentido de ajudar o empregado a se adaptar à nova situação de vida. 1º - A CPRM, no decorrer do presente Acordo, dará continuidade ao Plano de Preparação para Aposentadoria, instituído na vigência do XVIII ACT. 2º - Caso seja de interesse do empregado aposentado, a CPRM permitirá sua permanência nos planos de assistência médica e seguro de vida desde que sem ônus para a Empresa. 3º - A CPRM realizará exames médicos em todos os empregados, por ocasião de sua aposentadoria, observada a orientação de seu órgão de saúde. 4º - A CPRM garantirá estabilidade para o Empregado, que estiver faltando apenas 02 (dois) anos para a aposentadoria. 5º - A CPRM, mediante solicitação do empregado que estiver faltando apenas um ano para a aposentadoria, poderá liberá-lo, por até quatro horas por dia para que o mesmo participe às suas expensas de cursos, seminários, treinamentos, que visem sua futura adaptação pósaposentadoria. A participação nestes cursos terá que ser comprovada perante a CPRM. Cláusula 40 Liberação do FGTS Aos empregados que manifestarem formalmente o desejo de não continuar prestando os seus serviços profissionais, a título de recompensa ao período que labutou, a CPRM liberará o respectivo FGTS acrescido da multa rescisória vigente, hoje estipulada em 40% (quarenta por cento). O recolhimento da indenização de 40% será feita sobre o montante de todos os depósitos realizados na conta vinculada ao FGTS, durante a vigência do contrato de trabalho, atualizados monetariamente e acrescidos dos respectivos juros para todos os empregados, não sendo considerados para tal fim, os saques eventualmente ocorridos. 14

15 VII. DA MOTIVAÇÃO E VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL Cláusula 41 Serviço Social A CPRM dará continuidade ao processo de implantação do Serviço Social, no âmbito de cada unidade regional, com atribuições claras e definidas através de normas internas, como setor estratégico para implementação da Política de Recursos Humanos da empresa, vinculado diretamente ao DERHU. 1º - Até que seja realizado Concurso Público para o provimento do cargo e efetiva implantação do setor em todas as unidades regionais, naquelas onde ainda não implantado o serviço, a CPRM realizará convênios com Universidades, ou contratos de prestação de serviços, com profissionais qualificados e devidamente registrados nos seus órgãos de classe. 2º - Ao Serviço Social, caberá dentre outras coisas, a Coordenação do Programa de Preparação para Aposentadoria no âmbito de cada unidade Regional; a implementação de Programa de Prevenção e Redução de Danos ao uso indevido de álcool e outras drogas, bem como de Readaptação Funcional para dependentes químicos, seguindo parâmetros definidos pelo Ministério da Saúde, no que se refere à Saúde do Trabalhador, adaptados à realidade empresarial. 3º - Enquanto não for implantado o serviço social, no âmbito das Superintendências Regionais, a CPRM reembolsará aos empregados, mediante comprovação através de recibo, a importância correspondente a 90% do valor da consulta com um profissional da área. Cláusula 42 Psicologia Organizacional A CPRM implantará o serviço de Psicologia Organizacional, no âmbito de cada unidade regional, com atribuições claras e definidas através de normas internas, como setor estratégico para implementação da Política de Recursos Humanos da empresa, vinculado diretamente ao DERHU. 1º - Até que seja realizado Concurso Público para o provimento do cargo e efetiva implantação do setor em todas as unidades regionais, naquelas onde ainda não implantado o serviço, a CPRM realizará convênios com Universidades, ou contratos de prestação de serviços, com profissionais qualificados e devidamente registrados nos seus órgãos de classe. 2º - Ao setor de Psicologia Organizacional caberá dentre outras coisas, a implementação da política de Treinamento e Gestão Organizacional e, Relações Interpessoais. 3º - Ressalvadas as especificidades, os setores de Serviço Social e de Psicologia Organizacional trabalharão dentro de uma perspectiva multidisciplinar, com vistas ao atendimento integral das necessidades psicossociais dos empregados. 4º - Enquanto não for implantado o serviço de psicologia organizacional, no âmbito das Superintendências Regionais, a CPRM reembolsará aos empregados, mediante comprovação através de recibo, a importância correspondente a 90% do valor da consulta com um profissional da área. Cláusula 43 (40) Treinamento e Aperfeiçoamento de Pessoal A CPRM gestionará junto a entidades de treinamento e aperfeiçoamento de pessoal, tipo SENAI, SENAR, SENAC, SEBRAE etc., a fim de implementar cursos oferecidos por essas entidades, que atendam aos interesses de especialização nas áreas de atuação de seus empregados. 1º - A CPRM poderá conceder, até 10 (dez) dias úteis por ano, liberação para os empregados que queiram comparecer, às suas expensas, a cursos, congressos, seminários, encontros e simpósios afetos a suas áreas de atividade profissional, mediante comunicação prévia de 05 (cinco) dias úteis, e com a obrigação de comprovação de comparecimento ao evento. 15

16 2º - A título de motivação profissional, a CPRM manterá um Sub-programa de Valorização Profissional, dentro do Programa Global de Treinamento PGT, proporcionando, a cada semestre, aos empregados do seu quadro funcional, por Gerência, o financiamento de projeto pessoal de aperfeiçoamento profissional em área de interesse da empresa, com uma verba no valor de R$ 1.000,00 (um mil reais) por empregado, contemplado de acordo com os seguintes termos: I. A verba deverá custear as despesas de: (a) compras de livros, periódicos, revistas técnicas, equipamentos, etc.; (b) visitas técnicas ou excursões didáticas; (c) participações em cursos técnicos e de extensão pertinentes à efetiva atividade desenvolvida na empresa; (d) eventos técnico-científicos como congressos, simpósios, etc.; ou (e) compra de equipamentos ou suprimentos que sejam específicos ou fundamentais para o uso na sua profissão. II. O projeto pessoal de aperfeiçoamento profissional deverá conter uma introdução/apresentação, objetivos bem definidos, justificativa plausível, resultados desejados e cronograma executivo-financeiro. III. Será contemplado 02 (dois) empregado por Gerência, em todas as Unidades Regionais, pelos chefes e colegas de trabalho, através das análises dos projetos individuais apresentados. Um empregado não poderá ser contemplado por duas vezes consecutivas. IV. O empregado eleito deverá fazer jus da verba de acordo com o projeto apresentado. 3º - A CPRM participará com o valor de 50% de curso de línguas estrangeiras (ao teto máximo de R$ 200,00/mês), para o funcionário que desejar, mediante a apresentação de recibo de curso regulamentado. Cláusula 44 (41) Funções Gerenciais A CPRM nomeará, para exercer função de gerenciamento técnico/administrativo, profissionais pertencentes ao seu quadro funcional, com habilitação para o exercício da função. 1º - Esses cargos gerenciais deverão ser substituídos rotativamente a uma periodicidade máxima de 04 (quatro) anos, devendo ser realizada por voto direto dos empregados por lista tríplice. 2º - A CPRM extinguirá por completo os Salários-Função. Cláusula 45 Funções de Confiança A partir da assinatura do XXIII ACT a CPRM pagará aos Chefes de Projeto ou empregados que exerçam a responsabilidade técnico-administrativa de chefe de Projeto, o adicional previsto na Tabela de Funções de Confiança, conforme previsto na Norma Interna 012/DERHU/2001 Anexo A. Parágrafo Único - Num prazo de 30 dias, a partir da aprovação deste ACT, a CPRM implementará a função gratificada para Chefe de Seção, Equipe de Pregão e Comissão de Licitação, retroativa à data-base. Cláusula 46 Indenização de Campo e RAD A partir de 01/07/2008 a CPRM reajustará todas as parcelas componentes nas indenizações de campo e da alimentação na RAD, pelo mesmo índice de reajuste concedido por este ACT. 1º - Nas viagens com retorno ocorrido após as 12h00 (doze horas), será computado como dia completo. 2º - O valor das indenizações de campo (diárias) para o pessoal do nível médio será 16

17 equivalente ao pessoal de nível superior. Cláusula 47 (44) Perdas e Danos Materiais A CPRM, ressalvados os casos de dolo, negligência, imprudência ou imperícia, não exigirá ressarcimento das perdas, extravios e danos de materiais e equipamentos, incluindo veículos, desde que conduzidos por motoristas profissionais ou condutores devidamente autorizados. Parágrafo único - Nos casos de perdas e danos de bens e/ou valores da CPRM, em que houver suspeita fundamentada de dolo ou culpa, a responsabilidade será apurada por uma Comissão de Sindicância específica, de composição paritária com representantes da Associação local. Cláusula 48 (45) Dispensa Especial de Trabalho A CPRM concederá aos seus empregados dispensa do trabalho, sem prejuízo da remuneração, nas seguintes situações: a) 05 (cinco) dias corridos, no caso de casamento; b) 05 (cinco) dias úteis, no caso de falecimento de cônjuge, pais, irmãos, filhos, companheiro(a) ou dependentes legais registrados na CPRM; c) 07 (sete) dias úteis, nos casos de falecimentos previstos na letra b), ocorridos fora da sede de trabalho do empregado; d) 06 (seis) dias úteis, nos casos de falecimentos previstos na letra b), ocorridos fora da sede de trabalho do empregado; e) 120 (cento e vinte) dias à empregada que adotar filho, com idade até 60 (sessenta) meses, a partir do deferimento judicial da adoção; f) 05 (cinco) dias úteis, a título de licença paternidade, extensiva ao caso de adoção de criança de até 12 (doze) meses de idade. 1 - O empregado poderá deixar de comparecer ao serviço sem prejuízo do salário, nos dias em que estiver comprovadamente realizando prova de exame promovido por instituição de ensino de qualquer grau. 2 - A CPRM permitirá que seus empregados se ausentem do trabalho para acompanhar cônjuge, pais, filhos, companheiro(a) ou dependentes e agregados, esses últimos se estiverem contribuindo para o plano de assistência médico-odontológica da CPRM, na internação ou emergência hospitalar, desde que devidamente comprovadas, abonando as ausências, limitado o período a 15 (quinze) dias. 3 - A CPRM liberará, sem prejuízo da respectiva remuneração, os empregados que queiram participar de assembléias convocadas por Entidades Sindicais, Associações de Empregados da CPRM ou pela CONAE, para tratar de interesses específicos desses empregados, relacionados com a CPRM. 4 - A CPRM liberará os empregados, membros efetivos de comitês e de conselhos institucionais, estaduais e federais (p.ex. comitê de bacia, CERH, CNRH e CONAMA), para participar de reuniões referentes a seus assuntos, podendo ter seus gastos subsidiados mediante comprovação de despesas, quando para locais distantes de sua área de origem. 5 - A CPRM liberará os empregados que sejam diretores sindicais, por até 40 (quarenta) horas mensais, para que possam exercer suas atividades sindicais. 6 - A CPRM liberará o ponto no dia do aniversário do empregado. 7 - A CPRM liberará o ponto referente ao dia antecedente a viagem a serviço do empregado, desde que esta exceda 05 (cinco) dias em trânsito, para que o mesmo possa resolver seus compromissos particulares. 17

18 Cláusula 49 (47) Conselhos e Ordens de Classes Profissionais A CPRM registrará as devidas ARTs Anotação de Responsabilidade Técnica, em nome dos profissionais que realizarem trabalhos técnicos. Parágrafo único - Quando da rescisão de contrato dos profissionais ligados ao sistema CONFEA/CREA, a CPRM providenciará a Recuperação do Acervo Técnico RAT. Cláusula 50 (51) - Promoções Na vigência do presente Acordo, a CPRM se compromete, a aplicar, da forma aplicada no XXII ACT, consoante dispõe a Resolução do Conselho de Coordenação e Controle das Empresas Estatais CCE, atual DEST, nº 09, de 08 de outubro de 1996, o correspondente a 1% (um por cento) do valor de sua folha salarial, em promoções. Parágrafo Único A empresa convidará as entidades sindicais, a CONAE e a AGEN para apresentação dos critérios e recebimento de sugestões. VIII. DA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Cláusula 51 (52) Medicina Preventiva A CPRM realizará, em todos os empregados, exame médico periódico anual, incluindo exames laboratoriais e vacinação. 1º - A critério do médico examinador, serão incluídos exames preventivos de câncer ginecológico e de mama para as empregadas e de câncer de próstata para os empregados. 2º - Sempre que solicitado por um médico do trabalho do sindicato, o Órgão de Saúde Ocupacional da Companhia fornecerá, mediante autorização do empregado, os resultados dos exames e informações sobre a saúde, relacionadas com suas atividades profissionais. 3º - A CPRM manterá em cada Unidade Regional um médico do trabalho durante 05 (cinco) dias na semana, de segunda à sexta-feira, cobrindo um período diário de 02 (duas) horas. 4º - A CPRM manterá em cada Unidade Regional a Ginástica Laboral para seus empregados, durante a jornada de trabalho, 03 (três) vezes por semana, sendo a adesão à modalidade de livre escolha do empregado. IX. DA VALORIZAÇÃO SINDICAL Cláusula 52 (60) Da Estabilidade A CPRM assegurará estabilidade no emprego, aos membros das CIPAs eleitos pelos empregados, e aos empregados eleitos para cargos de direção, fiscalização ou representação profissional, tais como CONAE, AGEN e Associações (AECPRM s) e sindicatos signatários do presente Acordo, a partir do registro de sua candidatura até 02 (dois) anos após o término do mandato. 1º - Durante o processo eleitoral, até no máximo 30 (trinta) dias da data da eleição, é garantida a estabilidade de emprego aos cargos da CONAE, AECPRMs, AGEN e sindicatos. 2º - A CPRM não efetuará transferências compulsórias de dirigentes das AECPRMs, CONAE, AGEN e sindicatos durante seu mandato e até 02 (dois) anos após a sua conclusão. 18

19 Cláusula 53 Liberação de Dirigentes Sindicais, CONAE, AGEN e AECPRMs A CPRM liberará dirigentes e delegados sindicais e membros das diretorias da CONAE, AGEN e AECPRMs, inclusive de suas Comissões específicas, quando necessitarem ausentar-se do serviço com a finalidade de resolver assuntos de interesse de suas entidades ou de seus representados, devidamente fundamentados. X. DA PUBLICIDADE NO GERENCIAMENTO Cláusula 54 (63) Licitações e Contratos A CPRM admitirá a participação de um representante da CONAE ou Associação local, como observador, nos processos de licitação e contratação, que digam respeito aos serviços destinados a beneficiar os empregados. Parágrafo Único - Nos casos em que os contratos e respectivas licitações contenham definição de participação financeira dos empregados, na composição de seus custos, a CONAE, AGEN e Associações locais terão participação de caráter deliberativo, na elaboração dos Editais e termos de referência, sem remuneração. XI. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Cláusula 55 (64) Multa por Descumprimento Por descumprimento de qualquer das partes, de cláusula ou condições previstas no presente Acordo, pagará, aquela que der causa à infração, multa equivalente a R$ 2.000,00 (dois mil reais) por infração, que reverterá à parte prejudicada. Cláusula 56 Comissões Técnicas Temáticas A CPRM continuará mantendo Comissões Técnicas temáticas sobre assuntos não acordados durante os XXII ACT bem como deste XXIII ACT, sem prejuízo das Mesas de Negociação Permanente, arcando com os custos dos Empregados que, por ventura, sejam de outras unidades regionais e indicados pelos Sindicatos como seus membros. Cláusula 57 Plano de Cargos, Carreiras e Salários - PCCS A CPRM deverá, imediatamente, cumprir as regras do PCS em vigor (Instrução 011- DERHU/98), até que o novo PCCS seja aprovado e implantado, inclusive corrigindo os desvios de função. 1º - A CPRM apresentará e disponibilizará, aos seus empregados, o novo Plano de Cargos, Carreiras e Salários PCCS, na íntegra, até o final do mês de julho de º - Sem prejuízo do disposto no caput desta cláusula, a CPRM concederá a todos os seus empregados, a partir de 1º de julho de 2008, a progressão de um nível salarial da faixa de seu cargo, tendo por base o PCS vigente na data. 19

20 Cláusula 58 Participação no Conselho de Administração Fica assegurado aos empregados da CPRM sua participação no Conselho de Administração da empresa, mediante processo eleitoral organizado pelas entidades sindicais que os representem. Cláusula 59 Aplicação do Acordo Para efeito de aplicação deste XXIII ACT, a CPRM considerará como início a data-base para concessão dos benefícios e, a data de aprovação pelos Empregados, para concessão dos demais direitos conquistados e/ou mantidos. Cláusula 60 (70) Da Quitação As Entidades Sindicais dão quitação à CPRM do XXII ACT, ficando ressalvado, entretanto, o direito dos atuais empregados e ex-empregados da CPRM que constavam de seus quadros na vigência do citado Acordo de pleitearem o que entenderem lhes seja devido com base no mesmo Acordo, ressalvando-se, ainda, as reclamações em curso, respeitado o período prescricional. 20

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2014-2015 DOS EMPREGADOS DA EMPRESA ADINOR INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ADITIVOS LTDA. 1ª Cláusula - REAJUSTE SALARIAL A Empresa reajustará o salário de seus empregados em 100% (cem

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES DATAMEC 2014-2015

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES DATAMEC 2014-2015 PAUTA DE REIVINDICAÇÕES DATAMEC 2014-2015 EIXO POLÍTICO CAMPANHA EM DEFESA DA DATAMEC E DE SUA HISTORIA. CLÁUSULA REAJUSTAMENTO Os salários fixos ou a parte fixa dos salários mistos, vigentes em 30/04/2014,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001554/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/08/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR032670/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.023032/2010-49 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002217/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/10/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053080/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.035134/2010-15 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000955/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR028972/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009094/2013-61 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR002151/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR026676/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.010071/2009-72 DATA DO

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 009/2009

RESOLUÇÃO CFP Nº 009/2009 RESOLUÇÃO CFP Nº 009/2009 Dispõe sobre o reajuste, direitos e deveres dos empregados do Conselho Federal de Psicologia. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais, estatutárias

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000953/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029282/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009097/2013-02 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO AERO AGRÍCOLA 2006/2007

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO AERO AGRÍCOLA 2006/2007 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO AERO AGRÍCOLA 2006/2007 Que fazem de um lado, o SINAERO Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Empresa de Táxi Aéreo, Aeroclubes, Aviação Agrícola e de Garimpo, Prestadores

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002667/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/06/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR027436/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.005491/2011-61 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR000679/2015 VALEC ENGENHARIA CONSTRUCOES E FERROVIAS S/A, CNPJ n. 42.150.664/0001-87, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a).

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001633/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017942/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001682/2013-16 DATA DO

Leia mais

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem.

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDIMVET SINDICATO DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO e SINPAVET SINDICATO PATRONAL DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÀO PAULO PERÍODO

Leia mais

SINDPD/SC SINDICATO DOS EMPREGADOS EM EMPRESAS DE PROCESSAMENTO DE DADOS DE SANTA CATARINA.

SINDPD/SC SINDICATO DOS EMPREGADOS EM EMPRESAS DE PROCESSAMENTO DE DADOS DE SANTA CATARINA. PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2012/2013 GRUPO I CLÁUSULAS ECONÔMICAS CLÁUSULA 1 ª. REAJUSTE SALARIAL Em 01.08.2012, os salários dos trabalhadores serão reajustados em 100% (cem por cento) do Índice do Custo

Leia mais

CAMPANHA SALARIAL COPEL 2015 PAUTA UNIFICADA SEÇÃO I DO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

CAMPANHA SALARIAL COPEL 2015 PAUTA UNIFICADA SEÇÃO I DO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO CAMPANHA SALARIAL COPEL 2015 PAUTA UNIFICADA SEÇÃO I DO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO CLÁUSULAS ECONÔMICAS 01 REAJUSTE SALARIAL A partir de 1º de outubro de 2015, a Copel fará a correção salarial pelo índice

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000096/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/01/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064426/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.042751/2011-40 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2000/2001

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2000/2001 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2000/2001 Acordo Coletivo de Trabalho que entre si fazem, de um lado, a Federação Única dos Petroleiros e os seguintes sindicatos: Sindicato do Ramo Químico/Petroleiro do Estado

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2004 SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2004 SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2004 SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO que entre si fazem o SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SESC - Administração Regional no Distrito Federal,

Leia mais

PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016. São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014:

PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016. São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014: PROPOSTA DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 / 2016 CLÁUSULA 1ª - DO PISO SALARIAL São fixados os seguintes salários para admissão a partir de 1º de maio de 2014: a) Fica afixado o piso salarial da

Leia mais

Parágrafo Primeiro: Fica assegurado ao TRABALHADOR admitido para a função de outro, o percebimento de salário igual ao TRABALHADOR desligado.

Parágrafo Primeiro: Fica assegurado ao TRABALHADOR admitido para a função de outro, o percebimento de salário igual ao TRABALHADOR desligado. REFERÊNCIA: CLARO S/A PAUTA NACIONAL DE REIVINDICAÇÕES DOS TRABALHADORES DAS EMPRESAS CONCESSIONÁRIAS DE TELEFONIA FIXA E MÓVEL (OPERADORAS) PARA NEGOCIAÇÃO UNIFICADA DOS SINDICATOS FILIADOS À FENATTEL

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO O SINDICATO DOS AEROVIÁRIOS DO AMAZONAS DE UM LADO, E, DE OUTRO LADO, O SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE TÁXI AÉREO - SNETA, TÊM, ENTRE SI, JUSTA E CONTRATADA A SEGUINTE

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 SINDICATO TRABS ENTIDADES SINDICAIS DO ESTADO M GERAIS, CNPJ n. 17.498.775/0001-31, neste ato representado(a) por seu Diretor, Sr(a). ROGERIA CASSIA DOS REIS NASCIMENTO

Leia mais

NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013.

NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013. NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013. GARANTIA DA DATA BASE Fica estabelecido primeiro de maio como data base da categoria REAJUSTE SALARIAL

Leia mais

SENAC/DF - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL

SENAC/DF - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL CAMPANHA SALARIAL - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SENAC-SERVICO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COM COMERCIAL-ADMINISTRACAO REGIONAL DO DF O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011-2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011-2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011-2011 SINDICATO TRABS ENTIDADES SINDICAIS DO ESTADO M GERAIS, CNPJ n. 17.498.775/0001-31, neste ato representado(a) por seu Secretário Geral, Sr(a). MARIA DE LOURDES VIEIRA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001711/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 06/05/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016575/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.005146/2014-61 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, QUE ENTRE SI FAZEM, O SINDICATO DOS AUXILIARES EM ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E, DE OUTRO, A EMPRESA MASAN SERVIÇOS ESPECIALIZADOS LTDA, COMO ABAIXO MELHOR

Leia mais

Data-Base 1º de maio de 2015

Data-Base 1º de maio de 2015 PRÉ-PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2015 Data-Base 1º de maio de 2015 Pré-Pauta de Reivindicações 2015 Agroindústrias do setor de carnes e leite, Cooperativas Agropecuárias, Clinicas Veterinárias, Laboratórios

Leia mais

CAPÍTULO I - DA DATA BASE. CLÁUSULA 1ª: DATA BASE Fica reconhecida e garantida como data-base da categoria a data de 1º de maio.

CAPÍTULO I - DA DATA BASE. CLÁUSULA 1ª: DATA BASE Fica reconhecida e garantida como data-base da categoria a data de 1º de maio. 1 SINDICATO DOS SERVIDORES DAS AUTARQUIAS DE FISCALIZAÇÃO PROFISSIONAL E ENTIDADES COLIGADAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Rua Álvaro Alvim, 37/811-812 e 814 Centro CEP.: 20031-010 - Rio de Janeiro/RJ Tel.:

Leia mais

CLÁUSULA 08 AUXÍLIO TRANSPORTE A Compagas concederá para todos os empregados o valor de R$ 300,00 a título de auxilio transporte.

CLÁUSULA 08 AUXÍLIO TRANSPORTE A Compagas concederá para todos os empregados o valor de R$ 300,00 a título de auxilio transporte. PAUTA UNIFICADA DE REIVINDICAÇÃO PARA FINS DE CELEBRAÇÃO DO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 DOS EMPREGADOS DA COMPANHIA PARANAENSE DE GÁS COMPAGAS CLÁUSULA 01 - VIGÊNCIA E ABRANGÊNCIA O presente

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2014

CONVENÇÃO COLETIVA 2014 CONVENÇÃO COLETIVA 2014 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS E CICLISTAS, MOTO- FRETE, MOTOBOYS E MOTO-TAXISTAS DE CURVELO E REGIÃO, CNPJ n 17.437.757/0001-40, NESTE ATO REPRESENTADO POR SEU PRESIDENTE,

Leia mais

CLÁUSULA 1ª - DATA BASE Fica reconhecida e garantida como data-base da categoria a data de 1º de março.

CLÁUSULA 1ª - DATA BASE Fica reconhecida e garantida como data-base da categoria a data de 1º de março. PAUTA DO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO FIRMADO ENTRE O SINDICATO DOS SERVIDORES EM CONSELHOS E ORDENS DE FISCALIZAÇÃO PROFISSIONAL E ENTIDADES COLIGADAS E AFINS DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO SINDICOES-ES E

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 1/5 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES CULTURAIS, RECREATIVAS, DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, DE ORIENTAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NO ESTADO DO PARANÁ SENALBA/PR, CNPJ 75.992.446/0001-49,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E POLIÍTICA RURAL - DAR CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DO ESTADO DE SANTA CATARINA S.A - CEASA/SC ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001746/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020832/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.005849/2012-27

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF CLÁUSULA PRIMEIRA VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000433/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/09/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR054260/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.010934/2010-24 DATA DO

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

CLÁUSULA 1 A. - ATUALIZAÇÃO SALARIAL CLÁUSULA 2 A. SALÁRIO NORMATIVO CLÁUSULA 3 A. - SALÁRIO ADMISSIONAL CLÁUSULA 5 A. - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE

CLÁUSULA 1 A. - ATUALIZAÇÃO SALARIAL CLÁUSULA 2 A. SALÁRIO NORMATIVO CLÁUSULA 3 A. - SALÁRIO ADMISSIONAL CLÁUSULA 5 A. - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE CONVENÇÃO COLETIVA COM VIGÊNCIA A PARTIR DE 01 DE ABRIL DE 2007 FEITA ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM INSTITUIÇOES BENEFICENTES, RELIGIOSAS E FILANTRÓPICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E O SINDICATO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001599/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017802/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.004343/2013-81 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DOS TECNICOS EM SEGURANCA TRABALHO DO ESTADO DE MINAS GERAIS, CNPJ n. 25.578.642/0001-01, neste ato representado por seu Presidente, Sr. CLÁUDIO FERREIRA SANTOS;

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 7 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003924/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053747/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.011188/2014-31 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002443/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/11/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR061733/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.043450/2011-33 DATA DO

Leia mais

EMPREGADOS DE REPRESENTANTES COMERCIAIS E EM EMPRESAS DE REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

EMPREGADOS DE REPRESENTANTES COMERCIAIS E EM EMPRESAS DE REPRESENTAÇÃO COMERCIAL EMPREGADOS DE REPRESENTANTES COMERCIAIS E EM EMPRESAS DE REPRESENTAÇÃO COMERCIAL Entre as partes, de um lado, representando a Categoria Profissional, o SINDICATO DOS EMPREGADOS DE AGENTES AUTONOMOS DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000346/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR000762/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000198/2015-31 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000247/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 01/07/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021198/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46224.001800/2010-02 DATA DO

Leia mais

Convenção Coletiva 2014

Convenção Coletiva 2014 Convenção Coletiva 2014 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS E CICLISTAS, MOTO- FRETE, MOTOBOYS E MOTO-TAXISTAS DE CURVELO E REGIÃO, CNPJ n 12.512.993/0001-60, NESTE ATO REPRESENTADO POR SEU PRESIDENTE,

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG005003/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/12/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR079528/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.007490/2014-02 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 9 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000736/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067570/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.023448/2012-38 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR034439/2012 SINDICATO DOS FARMACEUTICOS DO ESTADO DE M GROSSO DO SU, CNPJ n. 15.939.572/0001-08, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE 2013/2014 ACORDO COLETIVA DE TRABALHO QUE ENTRE SI FAZEM DE UM LADO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM EMPRESAS DE SEGUROS PRIVADOS E CAPITALIZAÇÃO E DE AGENTES AUTÔNOMOS DE SEGUROS

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001254/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017099/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006142/2011-57 DATA DO

Leia mais

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15.1 - Integram a remuneração para fins de cálculos dos valores devidos à Previdência Social e a serem recolhidos para o FGTS, dentre outras, as seguintes parcelas:

Leia mais

CAPÍTULO I DA ABRANGÊNCIA, VIGÊNCIA E DA DATA- BASE

CAPÍTULO I DA ABRANGÊNCIA, VIGÊNCIA E DA DATA- BASE ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, QUE ENTRE SI FAZEM, O SINDICATO DOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E, DE OUTRO, A EMPRESA MASAN SERVIÇOS ESPECIALIZADOS LTDA, COMO ABAIXO MELHOR

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2009/2011

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2009/2011 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2009/2011 Que entre si celebram, de um lado, E de outro lado, SINDICATO DOS AEROVIÁRIOS DE PORTO ALEGRE, com sede na Rua Augusto Severo, 82 - Porto Alegre RS, CEP 90.240-480,

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES Campanha Salarial - 2014/2015

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES Campanha Salarial - 2014/2015 PAUTA DE REIVINDICAÇÕES Campanha Salarial - 2014/2015 CLÁUSULA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º de maio de 2014 a 30 de abril

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES DATAMEC 2012-2013

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES DATAMEC 2012-2013 PAUTA DE REIVINDICAÇÕES DATAMEC 2012-2013 CLÁUSULA REAJUSTAMENTO Os salários fixos ou a parte fixa dos salários mistos, vigentes em 30/04/2012, terão reajuste linear pelo índice do Dieese mais 4,5 % a

Leia mais

Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal de Belo Horizonte

Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal de Belo Horizonte PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PROPOSTA DE ACORDO COLETIVO DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO CONTRATADOS PELOS CAIXAS ESCOLARES 2014/2015 A presente Pauta de Reivindicações, elaborada pela categoria profissional

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO CEASA 2013/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO CEASA 2013/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO CEASA 2013/2013 ]NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000395/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/03/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR005860/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.004426/2013-60 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO SUSCITANTE: SINDICATO DOS PSICÓLOGOS NO ESTADO DE SÃO PAULO - SINPSI-SP, Entidade Sindical Profissional, com registro no MTb sob nº012.228.026.60-5 e inscrita no CNPJ/MF

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2011

CONVENÇÃO COLETIVA 2011 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA E ATACADISTA DE VITÓRIA DA CONQUISTA CONVENÇÃO COLETIVA 2011 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO PELO PRESENTE

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 10 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001530/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022315/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.004377/2013-77 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000433/2008 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/10/2008 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015947/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.032963/2008-13 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1993 SESI/DR SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1993 SESI/DR SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1993 SESI/DR SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA SINDAF/DF PRIMEIRO TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA EM 30 DE AGOSTO DE 1993. ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL - 2012 (Fetquim/CUT)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL - 2012 (Fetquim/CUT) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL - 2012 (Fetquim/CUT) CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º de novembro de 2012

Leia mais

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR Por intermédio destas informações, o SITRIVESCH tem por finalidade informar o trabalhador de seus direitos/deveres. Importante destacar que o não cumprimento

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PI000036/2008 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/09/2008 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015042/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46214.002894/2008-23 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON ANDRADE;

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEGUNDA REGIÃO.

EXMO. SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEGUNDA REGIÃO. EXMO. SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEGUNDA REGIÃO. Processo TRT/SP no20308200600002004 O SINDICATO DOS CONTABILISTAS DE SÃO PAULO, Suscitante, e o SINDICATO DAS EMPRESAS

Leia mais

T E R M O A D I T I V O VIGÊNCIA: 1º/02/2012 A 31/01/2013

T E R M O A D I T I V O VIGÊNCIA: 1º/02/2012 A 31/01/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si celebram, de um lado, representando a categoria profissional, o SINDICATO DOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS SAAE/MG,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 Que fazem na forma abaixo, de um lado, o SINDICATO DAS SANTAS CASAS E ENTIDADES FILANTRÓPICAS DO ESTADO DA BAHIA - SINDIFIBA, CNPJ n 96.777.958/0001-62 sito à Rua

Leia mais

ACORDO COLETIVO 2008/2009

ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA E ATACADISTA DE VITÓRIA DA CONQUISTA ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA 01 DE MARÇO DE 2008 CONVENÇÃO COLETIVA

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 PAUTA DE REIVINDICAÇÃO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º de maio de

Leia mais

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2014-2015 DOS EMPREGADOS DA EMPRESA M DIAS BRANCO S/A 1ª Cláusula - REAJUSTE SALARIAL A Empresa reajustará o salário de seus empregados em 100% (cem por cento) do INPC, apurado

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002511/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053502/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.005004/2012-32 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011 2012 A PERSONAL SERVICE Recursos Humanos Assessoria Empresarial Ltda., com sede na Rua Almirante Grenfall, 405, Anexo Bloco 2 Anexo Salas 501 a 507, Parque Duque, Duque

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001069/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/07/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR034655/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009004/2011-70 DATA DO

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA CAMPINAS JANEIRO/2014 1 PAUTA DE REIVINDICAÇÃO CLÁUSULA 1ª - PISO SALARIAL Fica estipulado

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001710/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/07/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR042733/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.004077/2015-50 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002408/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/10/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR058446/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.001895/2015-09 DATA DO

Leia mais

Celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes:

Celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes: SINDICATO TRABALHADORES MOV MERC EM GERAL DE PASSOS, CNPJ n. 64.480.692/0001-03, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). Manoel Messias dos Reis Silva; E FEDERACAO DO COMERCIO DE BENS, SERVICOS

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2010

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2010 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: ES000006/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 16/01/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022093/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46207.009379/2008-63 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PA000361/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/06/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR031936/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46222.003478/2015-72 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R Termo de Acordo Coletivo de Trabalho, que entre si celebram o SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO, PERÍCIA, PESQUISA E INFORMAÇÕES

Leia mais

ACORDO COLETIVO. Parágrafo 5º - As horas serão remuneradas com base no salário do mês de seu efetivo pagamento.

ACORDO COLETIVO. Parágrafo 5º - As horas serão remuneradas com base no salário do mês de seu efetivo pagamento. ACORDO COLETIVO Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Juiz de Fora, registro sindical nº. 10.610, inscrito no CNPJ sob nº. 20.453.643/0001-06, sito a rua Halfeld, 805/603 Juiz de Fora MG 36010-000,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2001 IEL/DF - INSTITUTO EUVALDO LODI SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2001 IEL/DF - INSTITUTO EUVALDO LODI SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2001 IEL/DF - INSTITUTO EUVALDO LODI SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO QUE ENTRE SI, CELEBRAM O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE FORMAÇÃO

Leia mais

CLÁUSULA 1ª- DATA BASE Fica reconhecida e garantida como data-base da categoria a data de 1º de maio.

CLÁUSULA 1ª- DATA BASE Fica reconhecida e garantida como data-base da categoria a data de 1º de maio. Acordo Coletiva de Trabalho firmado entre o Sindicato dos Servidores em Conselhos e Ordens de Fiscalização Profissional e Entidades Coligadas e Afins do Estado do Espírito Santo SINDICOES-ES e o Conselho

Leia mais

É o empregado, o requisitado, o contratado para função de confiança da administração superior e o titular de órgão executivo de direção superior.

É o empregado, o requisitado, o contratado para função de confiança da administração superior e o titular de órgão executivo de direção superior. 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para concessão de licenças. 2. CONCEITOS 2.1. Beneficiado É o empregado, o requisitado, o contratado para função de confiança da administração superior e o titular

Leia mais

ACORDO COLETIVO 2013/ 2014 VALEC- PCS1988/2012 06/03/2014

ACORDO COLETIVO 2013/ 2014 VALEC- PCS1988/2012 06/03/2014 ACORDO COLETIVO 2013/ 2014 VALEC- PCS1988/2012 06/03/2014 ACT - VIGENTE 2012/2013 PROPOSTA N ALEC/DIRAF -18/02 PROPOST A N ALECIDIRAF -06/03 JUSTIFICA TIV A PRIMEIRA - DA VIGÊNCIA As partes fixam a vigência

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 10 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RN000052/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 27/02/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001722/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46217.001204/2012-75

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PERÍODO 1º/05/2015 A 30/04/2016

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PERÍODO 1º/05/2015 A 30/04/2016 PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PERÍODO 1º/05/2015 A 30/04/2016 CLÁUSULA 1ª - REAJUSTE SALARIAL Fica estabelecido o reajuste dos salários dos empregados pertencentes à categoria profissional representada pelo

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001049/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 19/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023241/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009741/2013-34 DATA

Leia mais

PAUTA DA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 CLÁUSULAS ECONÔMICAS

PAUTA DA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 CLÁUSULAS ECONÔMICAS PAUTA DA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 CLÁUSULAS ECONÔMICAS Cláusula 01 - ABRANGÊNCIA A presente Convenção Coletiva de Trabalho abrangerá todas as Empregadoras e Empregados das categorias econômica

Leia mais

CAMPANHA SALARIAL 2015-2016 PAUTA UNIFICADA DA CATEGORIA REPRESENTADA PELO SINDIPA EMPRESAS COM DATA BASE EM 01/11/2015 E 01/01/2016

CAMPANHA SALARIAL 2015-2016 PAUTA UNIFICADA DA CATEGORIA REPRESENTADA PELO SINDIPA EMPRESAS COM DATA BASE EM 01/11/2015 E 01/01/2016 CAMPANHA SALARIAL 2015-2016 PAUTA UNIFICADA DA CATEGORIA REPRESENTADA PELO SINDIPA EMPRESAS COM DATA BASE EM 01/11/2015 E 01/01/2016 1. REAJUSTE SALARIAL: O salário base nominal dos empregados da categoria

Leia mais