Sucessos, Fracassos e Replicação de Inovações Sociotécnicas: Implicações dos estudos de caso do projeto DESAFIO.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sucessos, Fracassos e Replicação de Inovações Sociotécnicas: Implicações dos estudos de caso do projeto DESAFIO."

Transcrição

1 Sucessos, Fracassos e Replicação de Inovações Sociotécnicas: Implicações dos estudos de caso do projeto DESAFIO. SISAR Ceará Brazil Recife Brazil Baixada Fluminense Brazil La Voragine Colombia Mondomo Colombia Quilombola com. Brazil Santa Fé Argentina Recife Brazil Rute Pinto, Zara Teixeira, Maria da Conceição Cunha julho 2015 Rio de Janeiro Brasil Parceiros Consorcio :

2 La Voragine Colombia Estrutura da apresentação : 1. Introdução: Contextualização e Objetivos 2. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO por dimensão na base dos processos facilitadores e obstáculos às inovações sociotécnicas 3. Quais os REQUISITOS CRÍTICOS para a sustentabilidade e replicação das inovações? 4. Quais os OBSTÁCULOS para a sustentabilidade e replicação das inovações? 5. Qual o efeito da ESCALA espacial? E temporal? 6. Implicações para a utilização das inovações sociotécnicas 7. Conclusões

3 La Voragine Colombia 1. Introdução: Contextualização e Objetivos

4 1. Introdução: Contextualização e Objetivos

5 Objetivo Geral: Identificar os processos facilitadores e obstáculos na base do sucesso, fracasso e replicação das inovações sociotécnicas consideradas nos vários estudos de caso mais especificamente: Quilombola communities Brazil» Identificar critérios de avaliação por dimensão analítica que permitam determinar os mecanismos/obstáculos» Identificar principais critérios que permitem avaliar o sucesso das inovações» Identificar principais critérios que condicionam a implementação das inovações (obstáculos)» Discutir possíveis lacunas e implicações destes resultados

6 La Voragine Colombia 2. Critérios de Avaliação por dimensão na base dos processos facilitadores e obstáculos às inovações sociotécnicas

7 Sociopolítico & Cultural Políticoinstitucional Económicofinanceiro Tecno- Infraestrutural & Operacional Saúde Qual a abordagem institucional: as politicas e legislação existente suporta a existência e implementação do estudo de caso? Que implicações para a qualidade de vida das populações? A inovação obtém o apoio da população (empoderamento dos cidadãos)? Que implicações para a qualidade de vida das populações? Que modelo organizacional? Custos de manutenção e de intervenção? Atores sociais envolvidos? A tecnologia é apropriada para as condições do estudo de caso? A tecnologia pode ser mantida e reparada facilmente? Qualidade da água? Quais os usos da água (avaliação higienização)? Ecológico- Ambiental Percepção ambiental (?)

8 Políticoinstitucional Qual a abordagem institucional: as politicas e legislação existente suporta a existência e implementação do estudo de caso? Que implicações para a qualidade de vida das populações?

9 Sociopolítico & Cultural A inovação obtém o apoio da população (empoderamento dos cidadãos)? Que implicações para a qualidade de vida das populações? Que modelo organizacional? Dependendo da inovação diferentes indicadores foram usados (e.g. SISAR e Nascentes Comunitárias)

10 Económicofinanceiro Custos de manutenção e de intervenção? Atores sociais envolvidos?» 3 custos intervenção (e.g. sistema integrado)» 2 faturação agua e relação com capacidade económica da população (e.g. Santa Fé)» 3 estrutura comunidades (e.g. La Voragine)» 3 percepção qualidade de vida (e.g. Baixada Fluminense)

11 Tecno-Infraestrutural & Operacional A tecnologia é apropriada para as condições do estudo de caso? A tecnologia pode ser mantida e reparada facilmente? Vasta gama de indicadores considerados.

12 Saúde Qualidade da água? Qual os usos da água (avaliação higienização)?

13 Ecológico- Ambiental Percepção ambiental (?)» dimensão menos abordada: refletido nos indicadores selecionados» relação entre dimensões saúde e ecológicoambiental muito frequente» abordagem ecossistémica: La Voragine» condições biofísicas: comunidades Quilombolas e Santa Fé

14 La Voragine Colombia 3. Requisitos críticos para inovações sociotécnicas sustentáveis e replicáveis

15 3. Requisitos críticos para inovações sociotécnicas sustentáveis e replicáveis Sociopolítico & Cultural Ecológicoambiental Tecno- Infraestrutural & Operacional Saúde Políticoinstitucional Económicofinanceiro D2.1 SISAR D2.3 Nascentes comunitárias D3.1 SISAR D3.2 Sist. Integrado D3.3 Mondomo D4.1 Quilombola D4.2 SISAR D4.3 Capacitação comunidades D2.1 SISAR D2.3 Nascentes comunitárias D2.4 La Voragine D3.1 SISAR D4.1 Quilombola D4.2 SISAR D4.3 Capacitação comunidades D2.1 SISAR D2.1 SISAR D3.1 SISAR D3.3 Mondomo D4.1 Quilombola D4.2 SISAR D4.3 Capacitação comunidades - - Requisitos Críticos dimensão estudos de caso

16 Dimensão Requisitos criticos Estudo de caso Politico-institucional intervenção governamental D2.1 SISAR D3.1 SISAR apoio tecnologico D2.1 SISAR D3.1 SISAR institucionalização do programa D2.1 SISAR D3.1 SISAR apoio politico D2.3 Nascentes comunitárias D3.2 Sistema Integrado D4.3 Capacitação comunidades compromisso politico, tecnico e intelectual D3.2 Sistema Integrado D3.3 Mondomo D4.1 Quilombola D4.2 SISAR Socio-politico & cultural participação D2.1 SISAR D3.1 SISAR atitude D2.1 SISAR D3.1 SISAR transparencia D2.1 SISAR D3.1 SISAR mobilização/awareness D2.1 SISAR D2.3 Nascentes comunitárias D3.1 SISAR D4.3 Capacitação comunidades organização comunidades processo participação publica soluções de fornecimento água D2.3 Nascentes comunitárias D2.4 La Voragine formação comunidades D2.4 La Voragine D4.1 Quilombola D4.3 Capacitação comunidades conhecimento realidade local D4.1 Quilombola D4.2 SISAR acompanhamento solução D4.1 Quilombola Economico-financeiro equidade distribuição recursos publicos D2.1 SISAR D3.1 SISAR recolha e controlo eficaz facturas D2.1 SISAR D3.1 SISAR financiamento manutenção e operação D2.1 SISAR D3.1 SISAR Tecnoinfraestruturalqualidade da água D2.1 SISAR D3.1 SISAR Operacional D4.3 Capacitação comunidades tratamento águas eficaz D2.1 SISAR D3.1 SISAR D3.3 Mondomo processos de participação publica com experts tecnicos empresa publica - construção sustentabilidade: tarifas a longo-prazo D3.3 Mondomo D4.2 SISAR PPP - construção D3.3 Mondomo Saúde Ecologico-ambiental

17 Requisitos críticos para inovações sociotécnicas sustentáveis e replicáveis: 1» apoio político Dimensão Requisitos criticos Estudo de caso Politico-institucional intervenção governamental D2.1 SISAR D3.1 SISAR apoio tecnologico D2.1 SISAR D3.1 SISAR institucionalização do programa D2.1 SISAR D3.1 SISAR apoio politico D2.3 Nascentes comunitárias D3.2 Sistema Integrado D4.3 Capacitação comunidades Socio-politico & cultural compromisso politico, tecnico e intelectual D3.2 Sistema Integrado D3.3 Mondomo D4.1 Quilombola D4.2 SISAR participação D2.1 SISAR D3.1 SISAR atitude D2.1 SISAR 2» D3.1 participação SISAR comunidades transparencia D2.1 SISAR D3.1 SISAR mobilização/awareness D2.1 SISAR D2.3 Nascentes comunitárias D3.1 SISAR D4.3 Capacit organização comunidades processo participação publica soluções de fornecimento água D2.3 Nascentes comunitárias D2.4 La Voragine formação comunidades D2.4 La Voragine 3» D4.1 adaptabilidade Quilombola D4.3 Capacitação realidade comunidades local conhecimento realidade local D4.1 Quilombola D4.2 SISAR acompanhamento solução D4.1 Quilombola Economico-financeiro equidade distribuição recursos publicos D2.1 SISAR D3.1 SISAR recolha e controlo eficaz facturas D2.1 SISAR D3.1 SISAR financiamento manutenção e operação D2.1 SISAR D3.1 SISAR Tecnoinfraestrutural- Operacional Saúde Ecologico-ambiental qualidade da água D2.1 SISAR D3.1 SISAR 4» financiamento D4.3 Capacitação comunidades (construção, manutenção e operação) tratamento águas eficaz D2.1 SISAR D3.1 SISAR D3.3 Mondomo processos de participação publica com experts tecnicos empresa publica - construção sustentabilidade: tarifas a longo-prazo D3.3 Mondomo D4.2 SISAR PPP - construção D3.3 Mondomo 5» qualidade serviços

18 La Voragine Colombia 4. Obstáculos para obter inovações sociotécnicas sustentáveis e replicáveis

19 4. Obstáculos para obter inovações sociotécnicas sustentáveis e replicáveis Sociopolítico & Cultural Ecológicoambiental Tecno- Infraestrutural & Operacional Saúde Políticoinstitucional Económicofinanceiro D3.2 Sist. Integrado D3.3 Mondomo D4.1 Quilombola D2.1 SISAR D2.3 Nascentes comunitárias D3.1 SISAR D3.2 Sist. Integrado D3.3 Mondomo D4.2 SISAR D4.3 Capacitação comunidades D2.1 SISAR D2.3 Nascentes comunitárias D2.1 SISAR D2.3 Nascentes comunitárias D2.4 La Voragine D3.1 SISAR D3.3 Mondomo D4.1 Quilombola D2.3 Nascentes comunitárias D2.3 Nascentes comunitárias Obstáculos dimensão estudos de caso

20 Dimensão Obstáculos Estudo de caso Politico-institucional falta dialogo inter-sectorial D3.2 Sistema Integrado falta de decisão politica para abordagens institucionais instabilidade e fragilidade politico-institucional D3.2 Sistema Integrado vontade politica D3.3 Mondomo dificuldade em conciliar actores D4.1 Quilombola Socio-politico & cultural desmobilização pública D2.1 SISAR falta de compromisso e awareness a longo-prazo das comunidades conflitos nas populações D2.3 Nascentes comunitárias aspectos culturais D2.3 Nascentes comunitárias D3.1 SISAR D4.2 SISAR D4.3 Capacitação comunidades descredibilização actores politicos D3.2 Sistema Integrado sensibilização ambiental população D3.3 Mondomo comunidades vulneráveis economicamente D4.2 SISAR Economico-financeiro auto-sustentabilidade D2.1 SISAR inequidade distribuição recursos públicos D2.1 SISAR falta de recursos D2.3 Nascentes comunitárias Tecnoinfraestrutural- Operacional falta apoio escolha estações de tratamento D2.1 SISAR falta de recursos implementação incompleta falta manutenção e operação falta de planeamento falta apoio logistico D2.3 Nascentes comunitárias dificuldade em obter água potável D2.3 Nascentes comunitárias estações tratamento águas residuais insuficientes D2.4 La Voragine instabilidade preços a praticar D3.1 SISAR falta de atribuição de responsabilidade dos vários actores envolvidos D3.1 SISAR participação insuficiente D3.1 SISAR funcionamento para comunidades pequenas D3.3 Mondomo D4.1 Quilombola Saúde Ecologico-ambiental falta educação ambiental água contaminada D2.3 Nascentes comunitárias

21 Obstáculos para inovações sociotécnicas sustentáveis e replicáveis: 1» sensibilização e compromisso populações Dimensão Obstáculos Estudo de caso Politico-institucional falta dialogo inter-sectorial D3.2 Sistema Integrado falta de decisão politica para abordagens institucionais instabilidade e fragilidade politico-institucional D3.2 Sistema Integrado vontade politica D3.3 Mondomo dificuldade em conciliar actores D4.1 Quilombola Socio-politico & cultural desmobilização pública D2.1 SISAR falta de compromisso e awareness a longo-prazo das comunidades conflitos nas populações D2.3 Nascentes comunitárias aspectos culturais D2.3 Nascentes comunitárias D3.1 SISAR D4.2 SISAR D4.3 Capacitação comunidades descredibilização actores politicos D3.2 Sistema Integrado sensibilização ambiental população D3.3 Mondomo comunidades vulneráveis economicamente D4.2 SISAR Economico-financeiro auto-sustentabilidade D2.1 SISAR inequidade distribuição recursos públicos D2.1 SISAR falta de recursos D2.3 Nascentes comunitárias Tecnoinfraestrutural- Operacional falta apoio escolha estações de tratamento D2.1 SISAR falta de recursos implementação incompleta falta manutenção e operação falta de planeamento falta apoio logistico D2.3 Nascentes comunitárias dificuldade em obter água potável D2.3 Nascentes comunitárias estações tratamento águas residuais insuficientes D2.4 La Voragine instabilidade preços a praticar D3.1 SISAR falta de atribuição de responsabilidade dos vários actores envolvidos D3.1 SISAR participação insuficiente D3.1 SISAR funcionamento para comunidades pequenas D3.3 Mondomo D4.1 Quilombola Saúde Ecologico-ambiental falta educação ambiental água contaminada D2.3 Nascentes comunitárias 2» political willingness descredibilização e imputação responsabilidades atores 3» sistemas tecnológicos adequados às necessidades das populações 4» auto-sustentabilidade e capacidade económica populações

22 La Voragine Colombia 5. Qual o efeito da Escala espacial? E temporal?

23 Que escala (espacial e/ou temporal) considerar para garantir uma transferência efetiva de conhecimento?» Escala (espacial) local possível scaling-up? Dependente do tipo de inovação

24 Escala temporal Table 2. Temporal scale(s) of design and implementation of the innovation and temporal scale(s) of the impact sought. Case-study Historical Current Intervention DESAFIO systems SISAR - Politico- Institucional Evaluation Condominial Sanitation System (CS) Communal Springs Ecothecnological System SISAE/CE - Ethnographic Assessment Integrated Sanitation System (IS) Community Management Participative Generation of a Water Treatment SISAR/CE - Community oriented WSS D2.1 D2.2 D2.3 D2.4 D3.1 D3.2 D3.3 D4.1 D4.2 D4.3 Temporal scale of design and implementation of the innovation 1991 late design 1980s s s Capacity Building implicações a longo-prazo (?) implementation phase1: 1990s phase2: 2005 phase3:2011 phase4: under discussion responds to needs analysed time interval Temporal scale(s) of the impact sought through the innovation long-term X X X X X X X X X medium-term short-term X

25 La Voragine Colombia 6. Implicações para a utilização das inovações sociotécnicas

26 » Desafios-chave: - Estudos de caso DESAFIO: maior ênfase em certas dimensões em detrimento de outras - Replicabilidade das inovações tem de garantir a sustentabilidade em todas as suas dimensões - Conjunto de indicadores imprecisos/incompletos para definir as condições de base

27 7. Conclusões» Factores chave que podem determinar o sucesso ou falha das inovações sociotécnicas: 1. competências sociais (empoderamento e awareness) 2. vontade politica 3. abordagem económico-financeira adequada 4. diálogo/cooperação intersectorial

28 obrigada. Mondomo Colombia Consortium Partners :

29 Indicadores

30 Key question from the original project: What are the critical requirements to make successful socio-technical innovations sustainable and replicable? What are the obstacles to their sustainability and replication? 5 Which implications for governance (top-down or bottom-up approaches)? To ensure an effective transfer of knowledge, at which scale should it be done?: local and/or national governments, non-governmental organizations, households (private sector), all? 6.1 Are the costs of the resulting from water and sanitation facilities reasonable and affordable to the beneficiaries? Were public funds used in a way that maximized impact?

31

32

33

34

35

36

Prioridade e alternativas para aprofundar o processo de democratização

Prioridade e alternativas para aprofundar o processo de democratização Prioridade e alternativas para aprofundar o processo de democratização O P R O J E T O D E S A F I O C O M O I M P U L S I O N A D O R D E I N V E S T I G A Ç Ã O E I N T E R V E N Ç Ã O F U T U R A S

Leia mais

Governancia da Água. Contributo de Portugal e da PPA para o Plano Estratégico de Implementação da Parceria Europeia para a Inovação no Domínio da Água

Governancia da Água. Contributo de Portugal e da PPA para o Plano Estratégico de Implementação da Parceria Europeia para a Inovação no Domínio da Água A Água e o Programa Horizonte 2020 (8ºPQ) Contributo de Portugal e da PPA para o Plano Estratégico de Implementação da Parceria Europeia para a Inovação no Domínio da Água Governancia da Água Francisco

Leia mais

2ª Conferência Internacional do Projeto DESAFIO. Valeria Melo

2ª Conferência Internacional do Projeto DESAFIO. Valeria Melo 2ª Conferência Internacional do Projeto DESAFIO Valeria Melo Rio de Janeiro(RJ), 28 de Julho de 2015 Fatores e processos facilitadores e obstáculos que contribuem para explicar os sucessos, fracassos e

Leia mais

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Rita Almeida Dias 18 Setembro de 2012 2012 Sustentare Todos os direitos reservados Anterior Próximo www.sustentare.pt

Leia mais

Seminário do Projeto DESAFIO Recife 19 de agosto

Seminário do Projeto DESAFIO Recife 19 de agosto Seminário do Projeto DESAFIO Recife 19 de agosto Democratização da Política de Serviços de Saneamento Básico por meio de Inovações Sociotécnicas. Lições para enfrentar os desafios. Escala Discussão fundamentada

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica

Avaliação Ambiental Estratégica Mestrado em Engenharia do Ambiente Avaliação Ambiental Estratégica O que é a AAE? Evolução, âmbito, formas, benefícios 2 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário O que é a AAE? Instrumento (processo)

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS Os Indicadores Ethos são uma ferramenta de gestão, de uso gratuito, que visa apoiar

Leia mais

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS BRASIL - BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL URBANA SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS Erika do Carmo Cerqueira

Leia mais

Uma iniciativa que pretende RECONHECER AS BOAS PRÁTICAS em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável.

Uma iniciativa que pretende RECONHECER AS BOAS PRÁTICAS em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável. GREEN PROJECT AWARDS BRASIL Uma iniciativa que pretende RECONHECER AS BOAS PRÁTICAS em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável. CANDIDATURAS 201 INSCRIÇÕES NO PRIMEIRO ANO INSCRIÇÕES FEITAS

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE DIRIGENTES COOPERATIVOS. 18 a 22 de janeiro de 2016

CURSO DE FORMAÇÃO DE DIRIGENTES COOPERATIVOS. 18 a 22 de janeiro de 2016 CURSO DE FORMAÇÃO DE DIRIGENTES COOPERATIVOS 18 a 22 de janeiro de 2016 de 18 a 22 de janeiro de 2016 Objetivos gerais: Enquanto matéria transversal, sensibilizar quadros técnicos e dirigentes para a temática

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 SECT- AM: Missão e Diretrizes A SECT foi criada para formular e gerir políticas estaduais de C&T buscando articular os esforços os de fazer com que

Leia mais

Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores

Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Integração do grupo; Sensibilização para os problemas e potencialidades

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017. Sessão Divulgação: Convocatória 2015

Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017. Sessão Divulgação: Convocatória 2015 Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017 Sessão Divulgação: Convocatória 2015 Cristina Carreiras Pedro Baptista APA, 25-06-2015 LIFE 2014-2020 Áreas Prioritárias Subprograma Ambiente Ambiente

Leia mais

VULNERABILIDADE, RESILIÊNCIA E ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

VULNERABILIDADE, RESILIÊNCIA E ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS VULNERABILIDADE, RESILIÊNCIA E ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS O que significa a adaptação para as cidades? Katerina Elias-Trostmann WRI Brasil Image: Wikimedia; Source: IPCC A MUDANÇA CLIMÁTICA CHEGOU

Leia mais

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE Cuidados de Saúde Primários em Moçambique Já foi há mais de 30 anos que o sonho de Saúde para todos

Leia mais

Juliana Garrido Especialista Sênior em Água e Saneamento, Banco Mundial

Juliana Garrido Especialista Sênior em Água e Saneamento, Banco Mundial SEMINÁRIO REGIONAL DE SANEAMENTO RURAL ESTUDO DE GESTÃO DE SERVIÇOS DE ÁGUA POTÁVEL NO MEIO RURAL NO BRASIL Juliana Garrido Especialista Sênior em Água e Saneamento, Banco Mundial 22 de junho de 2015,

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Conteúdo

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Conteúdo Conteúdo O Instituto Ethos Organização sem fins lucrativos fundada em 1998 por um grupo de empresários, que tem a missão de mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios de forma socialmente

Leia mais

Determinantes da Satisfação com Funcionamento Actual & Prioridades de Reforma. Uma Abordagem Qualitativa

Determinantes da Satisfação com Funcionamento Actual & Prioridades de Reforma. Uma Abordagem Qualitativa OS CENTROS DE SAÚDE EM PORTUGAL Determinantes da Satisfação com Funcionamento Actual & Prioridades de Reforma Uma Abordagem Qualitativa Instituição promotora e financiadora Missão para os Cuidados de Saúde

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Organização. Financiamento

Organização. Financiamento PRIMEIRA REUNIÃO DE TRABALHO DO PROJETO DESAFIO Democratização da Governança dos Serviços de Água e Esgotos por Meio de Inovações Sociotécnicas Organização Financiamento 26 de fevereiro a 1 de março de

Leia mais

Documento Regional Europeu quinto Fórum Mundial da Água Sumário Executivo

Documento Regional Europeu quinto Fórum Mundial da Água Sumário Executivo O Documento Regional Europeu para o quinto Fórum Mundial da Água descreve os principais desafios que a Europa atravessa bem como as soluções desenvolvidas de modo a supera-los. O Documento foi escrito

Leia mais

Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África

Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África Madalena Dray Consultora Socio-Ambiental Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE ENERGIA

Leia mais

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4 Conteúdos: Siglas 2 Identidade 3 Visão 3 Missão 3 Princípios e Valores 4 Objetivos Gerais Meta 1: Responsabilidade Social e Ação Social 6 Meta 2: Cooperação e Ação Humanitária 7 Meta 3: Educação para o

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

Caracterização Regional e Difusão Tecnológica para Uso Sustentável dos Recursos Hídricos das Aluviões do Semi-Árido Brasileiro

Caracterização Regional e Difusão Tecnológica para Uso Sustentável dos Recursos Hídricos das Aluviões do Semi-Árido Brasileiro CONSULTORIA Caracterização Regional e Difusão Tecnológica Ministério de Minas e Energia / CPRM / UFPE Consultoria: Ana Cristina Brito Arcoverde Período: 2006-2010 PLANO DE TRABALHO DE CONSULTORIA AO PROALUV

Leia mais

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014 1. CONTEXTO AVALIAÇÃO DO CENTRO CRIANÇA FELIZ Termos de Referência O projecto Centro Criança Feliz é uma iniciativa da IBIS Moçambique, concebida e por si implementada desde 2008. O projecto surgiu no

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

MESA REDONDA. Gestão de Recursos de Uso Comuns: Rumo à co-gestãoadaptativa para o desenvolvimento territorial sustentável

MESA REDONDA. Gestão de Recursos de Uso Comuns: Rumo à co-gestãoadaptativa para o desenvolvimento territorial sustentável IX Simpósio Brasileiro de Etnobiologia e Etnoecologia Florianópolis, 28 de novembro de 2012 MESA REDONDA Gestão de Recursos de Uso Comuns: Rumo à co-gestãoadaptativa para o desenvolvimento territorial

Leia mais

Os participantes concordaram em nove tópicos-chave nos quais houve semelhanças em problemas de água e gestão. São estes:

Os participantes concordaram em nove tópicos-chave nos quais houve semelhanças em problemas de água e gestão. São estes: A Academia Brasileira de Ciências (ABC), em parceria com o Instituto Internacional de Ecologia (IIE) - e com o suporte da Rede Interamericana de Academias de Ciências (IANAS), da Rede Africana de Academias

Leia mais

UMA ABORDAGEM DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

UMA ABORDAGEM DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS UMA ABORDAGEM DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ao abastecimento de água rural Nos últimos trinta anos, as infraestruturas de abastecimento de água rural nos países em desenvolvimento foram objeto de investimentos

Leia mais

- Um caso de sucesso de empreendedorismo social -

- Um caso de sucesso de empreendedorismo social - - Um caso de sucesso de empreendedorismo social - 9 de Junho de 009 . O empreendedorismo social 0 O empreendedorismo social O que resultaria da fusão do sentido criativo e empreendedor de Richard Branson

Leia mais

O financiamento de projetos no sector da água nos países de operação do BERD

O financiamento de projetos no sector da água nos países de operação do BERD O financiamento de projetos no sector da água nos países de operação do BERD Abel Mateus, Diretor por Portugal/Grécia no BERD Lisboa 23 de março de 2012 Informação geral sobre o Banco 12 10 8 6. 65 55

Leia mais

Os Catadores de Materiais Recicláveis e a atuação do Ministério Público

Os Catadores de Materiais Recicláveis e a atuação do Ministério Público Os Catadores de Materiais Recicláveis e a atuação do Ministério Público Promotora Marina Brandão Póvoa Coordenadoria de Inclusão e Mobilização Sociais Coordenadoria de Inclusão e Mobilização Sociais Criação

Leia mais

Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos

Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos SEMINÁRIO REGIONAL DE SANEAMENTO RURAL Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos Campinas(SP), 23 de Junho 2015 Mobilização

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020 ENCONTRO TEMÁTICO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL 28 de Fevereiro de 2014, Espaço Jovem, Porto de Mós. Grupo de Trabalho Desenvolvimento Urbano Sustentável A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL

Leia mais

Projetos Internacionais

Projetos Internacionais Projetos Internacionais Projetos Nacionais de Desenvolvimento Nacional de Água (I e II) - Banco Mundial (IDA) Cerca de 130 milhões USD (1998-2007) para a produção de água em zonas rurais e urbanas e para

Leia mais

O Trabalho de Mobilização Comunitária no Estado do Ceará

O Trabalho de Mobilização Comunitária no Estado do Ceará O Trabalho de Mobilização Comunitária no Estado do Ceará João Pessoa(PB), 06 de novembro de 2012 EVOLUÇÃO DO SANEAMENTO RURAL NO CEARÁ/CAGECE 2000 Ampliação da atuação da CAGECE no saneamento rural. 2001

Leia mais

Sector das TI s em Portugal e Projectos de

Sector das TI s em Portugal e Projectos de Sector das TI s em Portugal e Projectos de Financiamento Seminário Modelos de Gestão em Tecnologias de Informação: Gestão de Serviços, da Segurança e da Inovação 18 Nov 2010 Escola de Engenharia da Universidade

Leia mais

O MUNDO É UM SISTEMA COMPLEXO

O MUNDO É UM SISTEMA COMPLEXO SIMBIENTE Engenharia e Gestão Ambiental Apresentação Institucional O MUNDO É UM SISTEMA COMPLEXO Edição: Janeiro 2012 O Mundo é um sistema complexo. Sistemas naturais. Sistemas socioeconómicos. Desafio

Leia mais

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS. Conferência Internacional da Rede WATERLAT

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS. Conferência Internacional da Rede WATERLAT CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS Conferência Internacional da Rede WATERLAT Tensão entre justiça ambiental e justiça social na América Latina: o caso da gestão da água PRIMEIRA CIRCULAR (MARÇO DE

Leia mais

Domínio Prioritário Natureza e Biodiversidade

Domínio Prioritário Natureza e Biodiversidade Domínio Prioritário Natureza e Biodiversidade Projectos contribuem para: aplicação, desenvolvimento, avaliação e seguimento da política e legislação da UE na área da natureza e da biodiversidade, incluindo

Leia mais

TRANSPARÊNCIA E VALOR PARA O INVESTIDOR. ISE 2013 São Paulo, 05 de março de 2013

TRANSPARÊNCIA E VALOR PARA O INVESTIDOR. ISE 2013 São Paulo, 05 de março de 2013 TRANSPARÊNCIA E VALOR PARA O INVESTIDOR ISE 2013 São Paulo, 05 de março de 2013 TRANSPARÊNCIA E VALOR PARA O INVESTIDOR TRANSPARÊNCIA É A BASE PARA NOSSO PROCESSO DECISÓRIO E ESTRUTURA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

INFORME DE POLÍTICA PÚBLICA. Segundo Informe de Política Pública. Março 2015

INFORME DE POLÍTICA PÚBLICA. Segundo Informe de Política Pública. Março 2015 INFORME DE POLÍTICA PÚBLICA DEMOCRATIZAÇÃO DA GOVERNANÇA DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTOS POR MEIO DE INOVAÇÕES SOCIOTÉCNICAS Segundo Informe de Política Pública Março 2015 Este informe de política pública

Leia mais

Relatos de Sustentabilidade

Relatos de Sustentabilidade Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Relatos de Sustentabilidade Descreva até 3 projetos/programas/iniciativas/práticas relacionadas a sustentabilidade Instruções 2015 Esse espaço é reservado

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL: Subsídios para a Construção de uma Agenda e uma Estratégia

GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL: Subsídios para a Construção de uma Agenda e uma Estratégia GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL: Subsídios para a Construção de uma Agenda e uma Estratégia Dr. Josef Leitmann 12 de junho de 2015 Qual a Importância da Questão Metropolitana e dos Aspectos de Governança

Leia mais

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS do conteúdo dos Indicadores Ethos com outras iniciativas Com a evolução do movimento de responsabilidade social e sustentabilidade, muitas foram as iniciativas desenvolvidas

Leia mais

Pilot project on the implementation of SSD2 in the frame of the electronic transmission of harmonized data collection of analytical results to EFSA

Pilot project on the implementation of SSD2 in the frame of the electronic transmission of harmonized data collection of analytical results to EFSA Pilot project on the implementation of SSD2 in the frame of the electronic transmission of harmonized data collection of analytical results to EFSA OC/EFSA/DCM/2013/05 Luísa Oliveira luisa.oliveira@insa.min-saude.pt

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

Prémio Redes para o Desenvolvimento

Prémio Redes para o Desenvolvimento Prémio Redes para o Desenvolvimento Regulamento 6 de outubro de 2015 www.redesparaodesenvolvimento.org Este Prémio é lançado no âmbito do Projeto Redes para o Desenvolvimento: Educação Global para uma

Leia mais

Soluções para SMART CITIES. Nuno Alves

Soluções para SMART CITIES. Nuno Alves Soluções para SMART CITIES Nuno Alves Agenda Contexto Organizacional Conceito e Objetivos Intergraph Smart Cities 12/7/2014 2014 Intergraph Corporation 2 Intergraph Corporation Intergraph Intergraph helps

Leia mais

Políticas de saúde no México Direitos, universalidade, eqüidade e integralidade?

Políticas de saúde no México Direitos, universalidade, eqüidade e integralidade? XXI Congresso da Associação Latina de Análise dos Sistemas de Saúde Cidade do México 2-4 de setembro de 2010 Políticas de saúde no México Direitos, universalidade, eqüidade e integralidade? Oliva López

Leia mais

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde 1. Nós, representantes dos governos que se reuniram no Recife, Brasil, de

Leia mais

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE A INSTITUIÇÃO A Universidade Livre do Meio Ambiente - Unilivre, instalada em Curitiba, Paraná, é uma organização não governamental sem fins lucrativos, recentemente

Leia mais

Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa

Os fundos de confiança como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa César Jaramillo Avila - aurbana@quito.gov.ec Coordenador do Programa Municipal de Agricultura Urbana da

Leia mais

Aspectos sócio-ambientais. Psicologia ambiental Impactos sócio ambientais Desenvolvimento sustentável

Aspectos sócio-ambientais. Psicologia ambiental Impactos sócio ambientais Desenvolvimento sustentável Aspectos sócio-ambientais Psicologia ambiental Impactos sócio ambientais Desenvolvimento sustentável Intervenção e Gestão Ambiental Todo projeto industrial, desenvolvimento urbano ou oferta de serviço

Leia mais

Compras Públicas Sustentáveis

Compras Públicas Sustentáveis Compras Públicas Sustentáveis Município de Torres Vedras 12 de Novembro 2013 Seminário: Sustentabilidade Energética nas Compras Públicas OesteCIM Supported by: Coordination: Partners: Resumo 1 - Território

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

Política Nacional de Mobilidade Urbana Os Desafios para Efetivação da Lei nº. 12.587/2012

Política Nacional de Mobilidade Urbana Os Desafios para Efetivação da Lei nº. 12.587/2012 Política Nacional de Mobilidade Urbana Os Desafios para Efetivação da Lei nº. 12.587/2012 André Dantas Matteus de Paula Freitas Arthur Oliveira Belo Horizonte (MG), 15/02/2012 1 ESTRUTURA 1. Contexto;

Leia mais

Safe drinking water for all: realizing the human right to water and sanitation

Safe drinking water for all: realizing the human right to water and sanitation Safe drinking water for all: realizing the human right to water and sanitation David Alves Coordenador do Departamento de Estudos e Projetos da ERSAR Conferência 7º Fórum Mundial da Água Organização APRH

Leia mais

Interconexão de Redes Acadêmicas entre Europa e América Latina Resumo de Situação

Interconexão de Redes Acadêmicas entre Europa e América Latina Resumo de Situação Interconexão de Redes Acadêmicas entre Europa e América Latina Resumo de Situação Nelson Simões Maio de 2004 Resumo de situação da participação da RNP no início do Projeto ALICE America Latina Interconectada

Leia mais

Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial

Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial Workshop dos Resultados dos Estudos Temáticos 13-14 de dezembro de 2006 Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial Grupo Temático 10 Modelos Sumário Objetivos do GT10 Lógica ideal de desenvolvimento

Leia mais

Iniciativa Portugal Inovação Social Novos programas de financiamento da inovação social no Portugal2020

Iniciativa Portugal Inovação Social Novos programas de financiamento da inovação social no Portugal2020 Iniciativa Portugal Inovação Social Novos programas de financiamento da inovação social no Portugal2020 Santa Casa da Misericórdia de Santarém 28 Maio 2015 Tema ENTIDADES PÚBLICAS PORTUGAL 2020 Objetivos

Leia mais

Aspectos práticos a ter em conta na elaboração de um proposta para PME

Aspectos práticos a ter em conta na elaboração de um proposta para PME Aspectos práticos a ter em conta na elaboração de um proposta para PME Alexandre Marques Ponto Contacto Nacional L&F, PME, SSH e SiS Aspectos Chave a reter 1.Posição das PME no 7ºPQ 2. Cooperação Internacional

Leia mais

Enquadramento e critérios de Candidatura

Enquadramento e critérios de Candidatura Enquadramento e critérios de Candidatura A cidadania ativa constitui um elemento chave do reforço da coesão social. O Conselho da União Europeia instituiu o ano de 2011, como Ano Europeu do Voluntariado

Leia mais

SERVIÇOS BÁSICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO

SERVIÇOS BÁSICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO SERVIÇOS BÁSICOS DE ABASTECIMENTO ASSUNTOS-CHAVE DE ÁGUA E SANEAMENTO Princípios Institucionais e de Gestão RESPOSTAS POSSIVEIS As alterações dos objectivos políticos e dos factores económicos ocorridos

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

O que é HORIZONTE 2020?

O que é HORIZONTE 2020? O que é HORIZONTE 2020? Maior Programa Mundial para financiamento da Pesquisa e Inovação 80 bilhões (2014-2020) Responder a crise econômica através de investimentos em empregos, crescimento e inovação

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

BPM (Business Process Management)

BPM (Business Process Management) Instituto Superior de Economia e Gestão Ano lectivo 2007/2008 Cadeira de Tecnologias de Informação BPM (Business Process Management) Planeamento e Controlo de Gestão Baseados nos Processos de Negócio José

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Organograma da Administração Pública Municipal de Curitiba Descentralização da Estrutura MAPA DAS REGIONAIS Instituto Municipal de Administração Pública Missão Desenvolver,

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 1 Índice: I Enquadramento II Eixos de Intervenção Estratégica III Proposta de Orçamento IV Candidaturas a Programas de Apoio 2 I Enquadramento Estratégico

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO INTEGRADA

POLÍTICA DE GESTÃO INTEGRADA Conteúdo 1. OBJETIVO... 3 2. APLICAÇÃO... 3 3. SGI-AMAZUL... 3 4. SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE... 3 5. QUALIDADE... 4 6. DOCUMENTAÇÃO... 5 6. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 6 7. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA...

Leia mais

UNESCO IOC 2011 Todos os direitos reservados.

UNESCO IOC 2011 Todos os direitos reservados. UNESCO IOC 2011 Todos os direitos reservados. Edição: Rachel Dahl Redação: Charles Ehler e Fanny Douvere Tradução: Ministério do Meio Ambiente Revisão técnica: Setor de Ciências Naturais da Representação

Leia mais

Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT

Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT A Responsabilidade Social Corporativa no Contexto da Internacionalização Abril, 2014 AGENDA QUEM SOMOS SUSTENTABILIDADE A IMPORTÂNCIA

Leia mais

Água Abastecimento de água Saneamento Recursos hídricos

Água Abastecimento de água Saneamento Recursos hídricos Água Abastecimento de água Saneamento Recursos hídricos Sumário Linhas de orientação dacooperação Austríaca para o Desenvolvimento Publicação Ministério Federal dos Negócios Europeus e Internacionais Departamento

Leia mais

Igualdade de Género: Direitos Humanos DUDH, 1948 Ninguém pode ser Discriminado/a em razão do sexo

Igualdade de Género: Direitos Humanos DUDH, 1948 Ninguém pode ser Discriminado/a em razão do sexo O mainstreaming de género nas políticas públicas como estratégia de promoção da igualdade de género e do desenvolvimento sustentável Helena Alexandre Instituto Nacional de Administração, I.P. 6º Congresso

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Workshop Saneamento Básico Fiesp. Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa

Workshop Saneamento Básico Fiesp. Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa Workshop Saneamento Básico Fiesp Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa Presidente da Funasa Henrique Pires São Paulo, 28 de outubro de 2015 Fundação Nacional de

Leia mais

Abordagem modular e projectos horizontais Infoday Lisboa, Setembro 2015

Abordagem modular e projectos horizontais Infoday Lisboa, Setembro 2015 Abordagem modular e projectos horizontais Infoday Lisboa, Setembro 2015 um Eixo Prioritário territorial EIXO PRIORITÁRIO 1: Promover as capacidades de inovação no Mediterrâneo para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

INOVAÇÃO SOCIAL E MEDIAS SOCIAIS

INOVAÇÃO SOCIAL E MEDIAS SOCIAIS INOVAÇÃO SOCIAL E MEDIAS SOCIAIS INOVAÇÃO SOCIAL l DEFINIÇÃO A Inovação Social é um Procura desenvolver movimento organizado formas inovadoras de por vários actores, com o organizações e interacções entre

Leia mais

A ARTICULAÇÃO DE REDE EM PROJETOS DE JUSTIÇA RESTAURATIVA

A ARTICULAÇÃO DE REDE EM PROJETOS DE JUSTIÇA RESTAURATIVA Cristina Telles Assumpção Meirelles Cecília Assumpção Célia Bernardes Heloise Pedroso Marta Marioni Monica Cecília Burg Mlynarz Violeta Daou Vania Curi Yazbek - Coordenadora da Equipe ARTICULAÇÃO DE REDES

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES Missão : Dinamizar a investigação científica e promover o desenvolvimento tecnológico e a inovação para consolidar a Sociedade do Conhecimento na

Leia mais

II Edição do Concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade. Tema: Uso Sustentável da Água. Regulamento do Concurso de Ideias

II Edição do Concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade. Tema: Uso Sustentável da Água. Regulamento do Concurso de Ideias II Edição do Concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade Tema: Uso Sustentável da Água Regulamento do Concurso de Ideias (Aberto a todos os cidadãos) 1. O que é? O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais