Sucessos, Fracassos e Replicação de Inovações Sociotécnicas: Implicações dos estudos de caso do projeto DESAFIO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sucessos, Fracassos e Replicação de Inovações Sociotécnicas: Implicações dos estudos de caso do projeto DESAFIO."

Transcrição

1 Sucessos, Fracassos e Replicação de Inovações Sociotécnicas: Implicações dos estudos de caso do projeto DESAFIO. SISAR Ceará Brazil Recife Brazil Baixada Fluminense Brazil La Voragine Colombia Mondomo Colombia Quilombola com. Brazil Santa Fé Argentina Recife Brazil Rute Pinto, Zara Teixeira, Maria da Conceição Cunha julho 2015 Rio de Janeiro Brasil Parceiros Consorcio :

2 La Voragine Colombia Estrutura da apresentação : 1. Introdução: Contextualização e Objetivos 2. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO por dimensão na base dos processos facilitadores e obstáculos às inovações sociotécnicas 3. Quais os REQUISITOS CRÍTICOS para a sustentabilidade e replicação das inovações? 4. Quais os OBSTÁCULOS para a sustentabilidade e replicação das inovações? 5. Qual o efeito da ESCALA espacial? E temporal? 6. Implicações para a utilização das inovações sociotécnicas 7. Conclusões

3 La Voragine Colombia 1. Introdução: Contextualização e Objetivos

4 1. Introdução: Contextualização e Objetivos

5 Objetivo Geral: Identificar os processos facilitadores e obstáculos na base do sucesso, fracasso e replicação das inovações sociotécnicas consideradas nos vários estudos de caso mais especificamente: Quilombola communities Brazil» Identificar critérios de avaliação por dimensão analítica que permitam determinar os mecanismos/obstáculos» Identificar principais critérios que permitem avaliar o sucesso das inovações» Identificar principais critérios que condicionam a implementação das inovações (obstáculos)» Discutir possíveis lacunas e implicações destes resultados

6 La Voragine Colombia 2. Critérios de Avaliação por dimensão na base dos processos facilitadores e obstáculos às inovações sociotécnicas

7 Sociopolítico & Cultural Políticoinstitucional Económicofinanceiro Tecno- Infraestrutural & Operacional Saúde Qual a abordagem institucional: as politicas e legislação existente suporta a existência e implementação do estudo de caso? Que implicações para a qualidade de vida das populações? A inovação obtém o apoio da população (empoderamento dos cidadãos)? Que implicações para a qualidade de vida das populações? Que modelo organizacional? Custos de manutenção e de intervenção? Atores sociais envolvidos? A tecnologia é apropriada para as condições do estudo de caso? A tecnologia pode ser mantida e reparada facilmente? Qualidade da água? Quais os usos da água (avaliação higienização)? Ecológico- Ambiental Percepção ambiental (?)

8 Políticoinstitucional Qual a abordagem institucional: as politicas e legislação existente suporta a existência e implementação do estudo de caso? Que implicações para a qualidade de vida das populações?

9 Sociopolítico & Cultural A inovação obtém o apoio da população (empoderamento dos cidadãos)? Que implicações para a qualidade de vida das populações? Que modelo organizacional? Dependendo da inovação diferentes indicadores foram usados (e.g. SISAR e Nascentes Comunitárias)

10 Económicofinanceiro Custos de manutenção e de intervenção? Atores sociais envolvidos?» 3 custos intervenção (e.g. sistema integrado)» 2 faturação agua e relação com capacidade económica da população (e.g. Santa Fé)» 3 estrutura comunidades (e.g. La Voragine)» 3 percepção qualidade de vida (e.g. Baixada Fluminense)

11 Tecno-Infraestrutural & Operacional A tecnologia é apropriada para as condições do estudo de caso? A tecnologia pode ser mantida e reparada facilmente? Vasta gama de indicadores considerados.

12 Saúde Qualidade da água? Qual os usos da água (avaliação higienização)?

13 Ecológico- Ambiental Percepção ambiental (?)» dimensão menos abordada: refletido nos indicadores selecionados» relação entre dimensões saúde e ecológicoambiental muito frequente» abordagem ecossistémica: La Voragine» condições biofísicas: comunidades Quilombolas e Santa Fé

14 La Voragine Colombia 3. Requisitos críticos para inovações sociotécnicas sustentáveis e replicáveis

15 3. Requisitos críticos para inovações sociotécnicas sustentáveis e replicáveis Sociopolítico & Cultural Ecológicoambiental Tecno- Infraestrutural & Operacional Saúde Políticoinstitucional Económicofinanceiro D2.1 SISAR D2.3 Nascentes comunitárias D3.1 SISAR D3.2 Sist. Integrado D3.3 Mondomo D4.1 Quilombola D4.2 SISAR D4.3 Capacitação comunidades D2.1 SISAR D2.3 Nascentes comunitárias D2.4 La Voragine D3.1 SISAR D4.1 Quilombola D4.2 SISAR D4.3 Capacitação comunidades D2.1 SISAR D2.1 SISAR D3.1 SISAR D3.3 Mondomo D4.1 Quilombola D4.2 SISAR D4.3 Capacitação comunidades - - Requisitos Críticos dimensão estudos de caso

16 Dimensão Requisitos criticos Estudo de caso Politico-institucional intervenção governamental D2.1 SISAR D3.1 SISAR apoio tecnologico D2.1 SISAR D3.1 SISAR institucionalização do programa D2.1 SISAR D3.1 SISAR apoio politico D2.3 Nascentes comunitárias D3.2 Sistema Integrado D4.3 Capacitação comunidades compromisso politico, tecnico e intelectual D3.2 Sistema Integrado D3.3 Mondomo D4.1 Quilombola D4.2 SISAR Socio-politico & cultural participação D2.1 SISAR D3.1 SISAR atitude D2.1 SISAR D3.1 SISAR transparencia D2.1 SISAR D3.1 SISAR mobilização/awareness D2.1 SISAR D2.3 Nascentes comunitárias D3.1 SISAR D4.3 Capacitação comunidades organização comunidades processo participação publica soluções de fornecimento água D2.3 Nascentes comunitárias D2.4 La Voragine formação comunidades D2.4 La Voragine D4.1 Quilombola D4.3 Capacitação comunidades conhecimento realidade local D4.1 Quilombola D4.2 SISAR acompanhamento solução D4.1 Quilombola Economico-financeiro equidade distribuição recursos publicos D2.1 SISAR D3.1 SISAR recolha e controlo eficaz facturas D2.1 SISAR D3.1 SISAR financiamento manutenção e operação D2.1 SISAR D3.1 SISAR Tecnoinfraestruturalqualidade da água D2.1 SISAR D3.1 SISAR Operacional D4.3 Capacitação comunidades tratamento águas eficaz D2.1 SISAR D3.1 SISAR D3.3 Mondomo processos de participação publica com experts tecnicos empresa publica - construção sustentabilidade: tarifas a longo-prazo D3.3 Mondomo D4.2 SISAR PPP - construção D3.3 Mondomo Saúde Ecologico-ambiental

17 Requisitos críticos para inovações sociotécnicas sustentáveis e replicáveis: 1» apoio político Dimensão Requisitos criticos Estudo de caso Politico-institucional intervenção governamental D2.1 SISAR D3.1 SISAR apoio tecnologico D2.1 SISAR D3.1 SISAR institucionalização do programa D2.1 SISAR D3.1 SISAR apoio politico D2.3 Nascentes comunitárias D3.2 Sistema Integrado D4.3 Capacitação comunidades Socio-politico & cultural compromisso politico, tecnico e intelectual D3.2 Sistema Integrado D3.3 Mondomo D4.1 Quilombola D4.2 SISAR participação D2.1 SISAR D3.1 SISAR atitude D2.1 SISAR 2» D3.1 participação SISAR comunidades transparencia D2.1 SISAR D3.1 SISAR mobilização/awareness D2.1 SISAR D2.3 Nascentes comunitárias D3.1 SISAR D4.3 Capacit organização comunidades processo participação publica soluções de fornecimento água D2.3 Nascentes comunitárias D2.4 La Voragine formação comunidades D2.4 La Voragine 3» D4.1 adaptabilidade Quilombola D4.3 Capacitação realidade comunidades local conhecimento realidade local D4.1 Quilombola D4.2 SISAR acompanhamento solução D4.1 Quilombola Economico-financeiro equidade distribuição recursos publicos D2.1 SISAR D3.1 SISAR recolha e controlo eficaz facturas D2.1 SISAR D3.1 SISAR financiamento manutenção e operação D2.1 SISAR D3.1 SISAR Tecnoinfraestrutural- Operacional Saúde Ecologico-ambiental qualidade da água D2.1 SISAR D3.1 SISAR 4» financiamento D4.3 Capacitação comunidades (construção, manutenção e operação) tratamento águas eficaz D2.1 SISAR D3.1 SISAR D3.3 Mondomo processos de participação publica com experts tecnicos empresa publica - construção sustentabilidade: tarifas a longo-prazo D3.3 Mondomo D4.2 SISAR PPP - construção D3.3 Mondomo 5» qualidade serviços

18 La Voragine Colombia 4. Obstáculos para obter inovações sociotécnicas sustentáveis e replicáveis

19 4. Obstáculos para obter inovações sociotécnicas sustentáveis e replicáveis Sociopolítico & Cultural Ecológicoambiental Tecno- Infraestrutural & Operacional Saúde Políticoinstitucional Económicofinanceiro D3.2 Sist. Integrado D3.3 Mondomo D4.1 Quilombola D2.1 SISAR D2.3 Nascentes comunitárias D3.1 SISAR D3.2 Sist. Integrado D3.3 Mondomo D4.2 SISAR D4.3 Capacitação comunidades D2.1 SISAR D2.3 Nascentes comunitárias D2.1 SISAR D2.3 Nascentes comunitárias D2.4 La Voragine D3.1 SISAR D3.3 Mondomo D4.1 Quilombola D2.3 Nascentes comunitárias D2.3 Nascentes comunitárias Obstáculos dimensão estudos de caso

20 Dimensão Obstáculos Estudo de caso Politico-institucional falta dialogo inter-sectorial D3.2 Sistema Integrado falta de decisão politica para abordagens institucionais instabilidade e fragilidade politico-institucional D3.2 Sistema Integrado vontade politica D3.3 Mondomo dificuldade em conciliar actores D4.1 Quilombola Socio-politico & cultural desmobilização pública D2.1 SISAR falta de compromisso e awareness a longo-prazo das comunidades conflitos nas populações D2.3 Nascentes comunitárias aspectos culturais D2.3 Nascentes comunitárias D3.1 SISAR D4.2 SISAR D4.3 Capacitação comunidades descredibilização actores politicos D3.2 Sistema Integrado sensibilização ambiental população D3.3 Mondomo comunidades vulneráveis economicamente D4.2 SISAR Economico-financeiro auto-sustentabilidade D2.1 SISAR inequidade distribuição recursos públicos D2.1 SISAR falta de recursos D2.3 Nascentes comunitárias Tecnoinfraestrutural- Operacional falta apoio escolha estações de tratamento D2.1 SISAR falta de recursos implementação incompleta falta manutenção e operação falta de planeamento falta apoio logistico D2.3 Nascentes comunitárias dificuldade em obter água potável D2.3 Nascentes comunitárias estações tratamento águas residuais insuficientes D2.4 La Voragine instabilidade preços a praticar D3.1 SISAR falta de atribuição de responsabilidade dos vários actores envolvidos D3.1 SISAR participação insuficiente D3.1 SISAR funcionamento para comunidades pequenas D3.3 Mondomo D4.1 Quilombola Saúde Ecologico-ambiental falta educação ambiental água contaminada D2.3 Nascentes comunitárias

21 Obstáculos para inovações sociotécnicas sustentáveis e replicáveis: 1» sensibilização e compromisso populações Dimensão Obstáculos Estudo de caso Politico-institucional falta dialogo inter-sectorial D3.2 Sistema Integrado falta de decisão politica para abordagens institucionais instabilidade e fragilidade politico-institucional D3.2 Sistema Integrado vontade politica D3.3 Mondomo dificuldade em conciliar actores D4.1 Quilombola Socio-politico & cultural desmobilização pública D2.1 SISAR falta de compromisso e awareness a longo-prazo das comunidades conflitos nas populações D2.3 Nascentes comunitárias aspectos culturais D2.3 Nascentes comunitárias D3.1 SISAR D4.2 SISAR D4.3 Capacitação comunidades descredibilização actores politicos D3.2 Sistema Integrado sensibilização ambiental população D3.3 Mondomo comunidades vulneráveis economicamente D4.2 SISAR Economico-financeiro auto-sustentabilidade D2.1 SISAR inequidade distribuição recursos públicos D2.1 SISAR falta de recursos D2.3 Nascentes comunitárias Tecnoinfraestrutural- Operacional falta apoio escolha estações de tratamento D2.1 SISAR falta de recursos implementação incompleta falta manutenção e operação falta de planeamento falta apoio logistico D2.3 Nascentes comunitárias dificuldade em obter água potável D2.3 Nascentes comunitárias estações tratamento águas residuais insuficientes D2.4 La Voragine instabilidade preços a praticar D3.1 SISAR falta de atribuição de responsabilidade dos vários actores envolvidos D3.1 SISAR participação insuficiente D3.1 SISAR funcionamento para comunidades pequenas D3.3 Mondomo D4.1 Quilombola Saúde Ecologico-ambiental falta educação ambiental água contaminada D2.3 Nascentes comunitárias 2» political willingness descredibilização e imputação responsabilidades atores 3» sistemas tecnológicos adequados às necessidades das populações 4» auto-sustentabilidade e capacidade económica populações

22 La Voragine Colombia 5. Qual o efeito da Escala espacial? E temporal?

23 Que escala (espacial e/ou temporal) considerar para garantir uma transferência efetiva de conhecimento?» Escala (espacial) local possível scaling-up? Dependente do tipo de inovação

24 Escala temporal Table 2. Temporal scale(s) of design and implementation of the innovation and temporal scale(s) of the impact sought. Case-study Historical Current Intervention DESAFIO systems SISAR - Politico- Institucional Evaluation Condominial Sanitation System (CS) Communal Springs Ecothecnological System SISAE/CE - Ethnographic Assessment Integrated Sanitation System (IS) Community Management Participative Generation of a Water Treatment SISAR/CE - Community oriented WSS D2.1 D2.2 D2.3 D2.4 D3.1 D3.2 D3.3 D4.1 D4.2 D4.3 Temporal scale of design and implementation of the innovation 1991 late design 1980s s s Capacity Building implicações a longo-prazo (?) implementation phase1: 1990s phase2: 2005 phase3:2011 phase4: under discussion responds to needs analysed time interval Temporal scale(s) of the impact sought through the innovation long-term X X X X X X X X X medium-term short-term X

25 La Voragine Colombia 6. Implicações para a utilização das inovações sociotécnicas

26 » Desafios-chave: - Estudos de caso DESAFIO: maior ênfase em certas dimensões em detrimento de outras - Replicabilidade das inovações tem de garantir a sustentabilidade em todas as suas dimensões - Conjunto de indicadores imprecisos/incompletos para definir as condições de base

27 7. Conclusões» Factores chave que podem determinar o sucesso ou falha das inovações sociotécnicas: 1. competências sociais (empoderamento e awareness) 2. vontade politica 3. abordagem económico-financeira adequada 4. diálogo/cooperação intersectorial

28 obrigada. Mondomo Colombia Consortium Partners :

29 Indicadores

30 Key question from the original project: What are the critical requirements to make successful socio-technical innovations sustainable and replicable? What are the obstacles to their sustainability and replication? 5 Which implications for governance (top-down or bottom-up approaches)? To ensure an effective transfer of knowledge, at which scale should it be done?: local and/or national governments, non-governmental organizations, households (private sector), all? 6.1 Are the costs of the resulting from water and sanitation facilities reasonable and affordable to the beneficiaries? Were public funds used in a way that maximized impact?

31

32

33

34

35

36

Prioridade e alternativas para aprofundar o processo de democratização

Prioridade e alternativas para aprofundar o processo de democratização Prioridade e alternativas para aprofundar o processo de democratização O P R O J E T O D E S A F I O C O M O I M P U L S I O N A D O R D E I N V E S T I G A Ç Ã O E I N T E R V E N Ç Ã O F U T U R A S

Leia mais

Governancia da Água. Contributo de Portugal e da PPA para o Plano Estratégico de Implementação da Parceria Europeia para a Inovação no Domínio da Água

Governancia da Água. Contributo de Portugal e da PPA para o Plano Estratégico de Implementação da Parceria Europeia para a Inovação no Domínio da Água A Água e o Programa Horizonte 2020 (8ºPQ) Contributo de Portugal e da PPA para o Plano Estratégico de Implementação da Parceria Europeia para a Inovação no Domínio da Água Governancia da Água Francisco

Leia mais

Seminário do Projeto DESAFIO Recife 19 de agosto

Seminário do Projeto DESAFIO Recife 19 de agosto Seminário do Projeto DESAFIO Recife 19 de agosto Democratização da Política de Serviços de Saneamento Básico por meio de Inovações Sociotécnicas. Lições para enfrentar os desafios. Escala Discussão fundamentada

Leia mais

UMA ABORDAGEM DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

UMA ABORDAGEM DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS UMA ABORDAGEM DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ao abastecimento de água rural Nos últimos trinta anos, as infraestruturas de abastecimento de água rural nos países em desenvolvimento foram objeto de investimentos

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica

Avaliação Ambiental Estratégica Mestrado em Engenharia do Ambiente Avaliação Ambiental Estratégica O que é a AAE? Evolução, âmbito, formas, benefícios 2 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário O que é a AAE? Instrumento (processo)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO EM UMA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

As Novas Fronteiras da Soberania

As Novas Fronteiras da Soberania As Novas Fronteiras da Soberania 7 de Outubro de 2011 Um Novo Contexto Estratégico de Soberania A Soberania tem que assentar cada vez mais num Novo Contrato de Confiança entre o Estado e o Cidadão, formalizado

Leia mais

Pilot project on the implementation of SSD2 in the frame of the electronic transmission of harmonized data collection of analytical results to EFSA

Pilot project on the implementation of SSD2 in the frame of the electronic transmission of harmonized data collection of analytical results to EFSA Pilot project on the implementation of SSD2 in the frame of the electronic transmission of harmonized data collection of analytical results to EFSA OC/EFSA/DCM/2013/05 Luísa Oliveira luisa.oliveira@insa.min-saude.pt

Leia mais

2ª Conferência Internacional do Projeto DESAFIO. Valeria Melo

2ª Conferência Internacional do Projeto DESAFIO. Valeria Melo 2ª Conferência Internacional do Projeto DESAFIO Valeria Melo Rio de Janeiro(RJ), 28 de Julho de 2015 Fatores e processos facilitadores e obstáculos que contribuem para explicar os sucessos, fracassos e

Leia mais

Sector das TI s em Portugal e Projectos de

Sector das TI s em Portugal e Projectos de Sector das TI s em Portugal e Projectos de Financiamento Seminário Modelos de Gestão em Tecnologias de Informação: Gestão de Serviços, da Segurança e da Inovação 18 Nov 2010 Escola de Engenharia da Universidade

Leia mais

Interconexão de Redes Acadêmicas entre Europa e América Latina Resumo de Situação

Interconexão de Redes Acadêmicas entre Europa e América Latina Resumo de Situação Interconexão de Redes Acadêmicas entre Europa e América Latina Resumo de Situação Nelson Simões Maio de 2004 Resumo de situação da participação da RNP no início do Projeto ALICE America Latina Interconectada

Leia mais

Challenges and lessons learned from the Surui Forest Carbon Project, Brazilian Amazon. Pedro Soares / IDESAM

Challenges and lessons learned from the Surui Forest Carbon Project, Brazilian Amazon. Pedro Soares / IDESAM Challenges and lessons learned from the Surui Forest Carbon Project, Brazilian Amazon Pedro Soares / IDESAM Project Proponent & Partners Proponent: Support and supervise the project activities and will

Leia mais

INOVAÇÃO NA GESTÃO PÚBLICA

INOVAÇÃO NA GESTÃO PÚBLICA Curso Técnico em Gestão Pública Módulo INOVAÇÃO NA GESTÃO PÚBLICA Prof. Dr. Fernando de S. COELHO fernandocoelho@usp.br São Paulo, 13 de maio de 2015 Onde estamos no curso? Disciplina Periodo Local Data

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4 Conteúdos: Siglas 2 Identidade 3 Visão 3 Missão 3 Princípios e Valores 4 Objetivos Gerais Meta 1: Responsabilidade Social e Ação Social 6 Meta 2: Cooperação e Ação Humanitária 7 Meta 3: Educação para o

Leia mais

BPM (Business Process Management)

BPM (Business Process Management) Instituto Superior de Economia e Gestão Ano lectivo 2007/2008 Cadeira de Tecnologias de Informação BPM (Business Process Management) Planeamento e Controlo de Gestão Baseados nos Processos de Negócio José

Leia mais

Água Abastecimento de água Saneamento Recursos hídricos

Água Abastecimento de água Saneamento Recursos hídricos Água Abastecimento de água Saneamento Recursos hídricos Sumário Linhas de orientação dacooperação Austríaca para o Desenvolvimento Publicação Ministério Federal dos Negócios Europeus e Internacionais Departamento

Leia mais

Competências Gerenciais

Competências Gerenciais Gerenciais usando o PMCD para alavancar sua carreira Ayres set 2015 1 Ayres, MsC*, PMP, MBA, ITIL, ISO 20000, COBIT Consultor, professor e palestrante nas áreas de governança, gestão e projetos. Mestrando

Leia mais

O Projecto EPTA Enquadramento e Objectivos. Catarina Freitas Câmara Municipal de Almada

O Projecto EPTA Enquadramento e Objectivos. Catarina Freitas Câmara Municipal de Almada O Projecto EPTA Enquadramento e Objectivos Catarina Freitas Câmara Municipal de Almada Almada 12 Março 2013 EPTA European model for Public Transport Authority as a key factor leading to transport sustainability

Leia mais

Gestão de Projetos BIO-RIO Modelo de Sustentabilidade

Gestão de Projetos BIO-RIO Modelo de Sustentabilidade Gestão de Projetos BIO-RIO Modelo de Sustentabilidade Área Temática 2 Poster Autores: SILVA, Katia R. Aguiar C. 1 ; Co-Autores: Amorim, Kelly C. K., CIQUEIRA, Bárbara G., 3 Resumo Dentro do processo de

Leia mais

Workshop Investimento Social: uma Abordagem Prática

Workshop Investimento Social: uma Abordagem Prática Workshop Investimento Social: uma Abordagem Prática 11 Fevereiro 2015, Fundação Caixa Geral de Depósitos Culturgest RESUMO EVENTO Realizou-se no passado dia 11 de Fevereiro, na Culturgest, o evento Workshop

Leia mais

Visão da CNI, em 2007, sobre indicadores de inovação em Centros Tecnológicos. Pouco efetivos

Visão da CNI, em 2007, sobre indicadores de inovação em Centros Tecnológicos. Pouco efetivos Visão da CNI, em 2007, sobre indicadores de inovação em Centros Tecnológicos Pouco efetivos Indicadores CSIRO Flagship Program Indicadores de Desempenho(KPIs -Key Performance Indicators) para o National

Leia mais

Angola : business opportunities highlight

Angola : business opportunities highlight 13-01-2014 O Ministério da Energia e Águas da República de Angola, no âmbito do Plano de Desenvolvimento do Subsector Eléctrico de Angola alicerçado na Política e a Estratégia de Segurança Energética Nacional

Leia mais

CRONOGRAMA DE APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS CR3+2015 11.11.15

CRONOGRAMA DE APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS CR3+2015 11.11.15 Horários 13h30 às 15h30 11.11.15 13h30 às 15h30 SESSÃO 1: APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS Sala 1 Painel Estratégias e Horários Sala 2 - Painel Políticas Públicas e Práticas Sustentáveis P1 Consumo e Produção

Leia mais

Aceleração Industrial de Empresas e Educação Empreendedora: Metodologia de Trabalho Incubadora Senai Centro Internacional de Inovação

Aceleração Industrial de Empresas e Educação Empreendedora: Metodologia de Trabalho Incubadora Senai Centro Internacional de Inovação Aceleração Industrial de Empresas e Educação Empreendedora: Metodologia de Trabalho Incubadora Senai Centro Internacional de Inovação Mário Rafael Bendlin Calzavara RESUMO A Incubadora Senai Centro Internacional

Leia mais

Mainstreaming Sustainable Tourism

Mainstreaming Sustainable Tourism 8. Se sim, quais os meios mais apropriados para tanto? Não aplicável Em estudo Em implementação Implementado Divulgação de informações sobre as práticas de sustentabilidade realizadas ou apoiadas pelo

Leia mais

Juliana Garrido Especialista Sênior em Água e Saneamento, Banco Mundial

Juliana Garrido Especialista Sênior em Água e Saneamento, Banco Mundial SEMINÁRIO REGIONAL DE SANEAMENTO RURAL ESTUDO DE GESTÃO DE SERVIÇOS DE ÁGUA POTÁVEL NO MEIO RURAL NO BRASIL Juliana Garrido Especialista Sênior em Água e Saneamento, Banco Mundial 22 de junho de 2015,

Leia mais

GOVERNANÇA NACIONAL E REGIONAL DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL: EXPERIÊNCIA DOS PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA (PALOP)

GOVERNANÇA NACIONAL E REGIONAL DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL: EXPERIÊNCIA DOS PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA (PALOP) MULTI STAKEHOLDERS PARTICIPATION IN THE CFS BUILDING INSTITUTIONS FOR NATIONAL AND REGIONAL FOOD SECURITY AND NUTRITION GOVERNANCE Side Event to the FAO Regional Conference for Africa Luanda, Angola, 5th

Leia mais

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br Institutional Skills Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS Passo a passo 2 2 British Council e Newton Fund O British Council é a organização internacional do Reino Unido para relações culturais e oportunidades

Leia mais

As informações contidas neste documento são de propriedade da EMBRAER e não deverão ser utilizadas ou reproduzidas, exceto com autorização desta.

As informações contidas neste documento são de propriedade da EMBRAER e não deverão ser utilizadas ou reproduzidas, exceto com autorização desta. As informações contidas neste documento são de propriedade da EMBRAER e não deverão ser utilizadas ou reproduzidas, exceto com autorização desta. This information is EMBRAER property and cannot be used

Leia mais

Documento Regional Europeu quinto Fórum Mundial da Água Sumário Executivo

Documento Regional Europeu quinto Fórum Mundial da Água Sumário Executivo O Documento Regional Europeu para o quinto Fórum Mundial da Água descreve os principais desafios que a Europa atravessa bem como as soluções desenvolvidas de modo a supera-los. O Documento foi escrito

Leia mais

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO (MESTRADO EM ENGENHARIA URBANA) (2º CICLO)

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO (MESTRADO EM ENGENHARIA URBANA) (2º CICLO) SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO (MESTRADO EM ENGENHARIA URBANA) (2º CICLO) 1 Principal(ais) área(s) de estudo da qualificação: Engenharia Civil - Planeamento Urbanístico Engenharia Civil

Leia mais

Organização. Financiamento

Organização. Financiamento PRIMEIRA REUNIÃO DE TRABALHO DO PROJETO DESAFIO Democratização da Governança dos Serviços de Água e Esgotos por Meio de Inovações Sociotécnicas Organização Financiamento 26 de fevereiro a 1 de março de

Leia mais

Aspectos sócio-ambientais. Psicologia ambiental Impactos sócio ambientais Desenvolvimento sustentável

Aspectos sócio-ambientais. Psicologia ambiental Impactos sócio ambientais Desenvolvimento sustentável Aspectos sócio-ambientais Psicologia ambiental Impactos sócio ambientais Desenvolvimento sustentável Intervenção e Gestão Ambiental Todo projeto industrial, desenvolvimento urbano ou oferta de serviço

Leia mais

O MUNDO É UM SISTEMA COMPLEXO

O MUNDO É UM SISTEMA COMPLEXO SIMBIENTE Engenharia e Gestão Ambiental Apresentação Institucional O MUNDO É UM SISTEMA COMPLEXO Edição: Janeiro 2012 O Mundo é um sistema complexo. Sistemas naturais. Sistemas socioeconómicos. Desafio

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 2 PERSPECTIVAS SOBRE O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIFÍCIL CONCEITUAÇÃO A NECESSIDADE DE UM MARCO DE GOVERNANÇA ADEQUADO

1 INTRODUÇÃO 2 PERSPECTIVAS SOBRE O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIFÍCIL CONCEITUAÇÃO A NECESSIDADE DE UM MARCO DE GOVERNANÇA ADEQUADO O Desenvolvimento Sustentável A NECESSIDADE DE UM MARCO DE GOVERNANÇA ADEQUADO Maria Bernadete Sarmiento Gutierrez* 1 INTRODUÇÃO Este artigo tem como objetivo principal sugerir como os conceitos de desenvolvimento

Leia mais

Revista Inteligência Competitiva Daniela Ramos Teixeira

Revista Inteligência Competitiva Daniela Ramos Teixeira 15 INTELIGÊNCIA DE MERCADO: TRANSFORMANDO AS OLIMPÍADAS EM NEGÓCIOS 1 RESUMO Um dos grandes desafios das organizações hoje é a aplicabilidade assertiva das técnicas de análise e métodos utilizados em Inteligência

Leia mais

Oportunidades de financiamento no Horizonte 2020 - MSCA -

Oportunidades de financiamento no Horizonte 2020 - MSCA - Oportunidades de financiamento no Horizonte 2020 - MSCA - Juliana Monteiro GPPQ/FCT Juliana.monteiro@fct.pt Horizonte 2020 Excelência Científica Marie Skłodowska- Curie actions 6.162 M Liderança Industrial

Leia mais

Aspectos práticos a ter em conta

Aspectos práticos a ter em conta Programa-Quadro de I&I da CE Horizonte 2020: Aspectos práticos a ter em conta 23 de Setembro de 2014 Alexandre Marques NCP Assuntos Legais e Financeiros, PME, Acesso a Financiamento de Risco e EIT 1. Ciclo

Leia mais

Abordagem modular e projectos horizontais Infoday Lisboa, Setembro 2015

Abordagem modular e projectos horizontais Infoday Lisboa, Setembro 2015 Abordagem modular e projectos horizontais Infoday Lisboa, Setembro 2015 um Eixo Prioritário territorial EIXO PRIORITÁRIO 1: Promover as capacidades de inovação no Mediterrâneo para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

INFORME DE POLÍTICA PÚBLICA. Segundo Informe de Política Pública. Março 2015

INFORME DE POLÍTICA PÚBLICA. Segundo Informe de Política Pública. Março 2015 INFORME DE POLÍTICA PÚBLICA DEMOCRATIZAÇÃO DA GOVERNANÇA DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTOS POR MEIO DE INOVAÇÕES SOCIOTÉCNICAS Segundo Informe de Política Pública Março 2015 Este informe de política pública

Leia mais

WATERLAT NETWORK WORKING PAPERS

WATERLAT NETWORK WORKING PAPERS ISSN 2056-4856 (Print) ISSN 2056-4864 (Online) WATERLAT NETWORK WORKING PAPERS Research Projects Series SPIDES DESAFIO Project Working Paper Vol. 1, No x The experience of the condominial and integrated

Leia mais

Modelação Dinâmica para a Avaliação Integrada da. Sustentabilidade

Modelação Dinâmica para a Avaliação Integrada da. Sustentabilidade Fotos: (c) istockphoto.com/caracterdesign ; (c) Videira, N.; (c) istockphoto.com/arfo; (c) Videira, N.; (c) istockphoto.com/ kycstudio; (c) istockphoto.com/sapsiwai ; c) istockphoto.com/ kr1sta ; c) istockphoto.com/

Leia mais

MESA REDONDA. Gestão de Recursos de Uso Comuns: Rumo à co-gestãoadaptativa para o desenvolvimento territorial sustentável

MESA REDONDA. Gestão de Recursos de Uso Comuns: Rumo à co-gestãoadaptativa para o desenvolvimento territorial sustentável IX Simpósio Brasileiro de Etnobiologia e Etnoecologia Florianópolis, 28 de novembro de 2012 MESA REDONDA Gestão de Recursos de Uso Comuns: Rumo à co-gestãoadaptativa para o desenvolvimento territorial

Leia mais

Oportunidades para as PME

Oportunidades para as PME Programa-Quadro de I&I da CE: Horizonte 2020: Oportunidades para as PME Gonçalo Lobo Xavier Delegado Nacional Inovação nas PME e Acesso a Financiamento de Risco Horizonte 2020 -Oportunidades para a indústria

Leia mais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais 24 de maio de 2012 Auditório ISEGI - UNL Patrocínio Principal Apoios Patrocinadores Globais APDSI 24 Maio 2012 Inteligência Competitiva A Nova Agenda Digital

Leia mais

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T BUSINESS IMPROVEMENT A I N D E V E QUEM É A Indeve é uma empresa especializada em Business Improvement, composta por consultores com uma vasta experiência e com um grande conhecimento do mundo empresarial

Leia mais

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Rita Almeida Dias 18 Setembro de 2012 2012 Sustentare Todos os direitos reservados Anterior Próximo www.sustentare.pt

Leia mais

Hidráulica Urbana. Urban Hydraulics. Semestre do plano de estudos 2

Hidráulica Urbana. Urban Hydraulics. Semestre do plano de estudos 2 Nome UC Hidráulica Urbana CU Name Código UC 725 Curso MEC Semestre do plano de estudos 2 Área científica Engenharia Civil Duração Semestral Horas de trabalho 164 ECTS 6 Horas de contacto T - 22,5; PL -

Leia mais

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE Cuidados de Saúde Primários em Moçambique Já foi há mais de 30 anos que o sonho de Saúde para todos

Leia mais

APLICAÇÃO DA FERRAMENTA OLAP EM DIFERENTES MÓDULOS DE UM SISTEMA ERP MELHORANDO A TOMADA DE DECISÃO. Henrique César Gouveia 1 gouveia.henriq@gmail.

APLICAÇÃO DA FERRAMENTA OLAP EM DIFERENTES MÓDULOS DE UM SISTEMA ERP MELHORANDO A TOMADA DE DECISÃO. Henrique César Gouveia 1 gouveia.henriq@gmail. APLICAÇÃO DA FERRAMENTA OLAP EM DIFERENTES MÓDULOS DE UM SISTEMA ERP MELHORANDO A TOMADA DE DECISÃO Henrique César Gouveia 1 gouveia.henriq@gmail.com Muller Marciel Melo 2 muller_melo@hotmail.com Pedro

Leia mais

CMDB no ITIL v3. Miguel Mira da Silva. mms@ist.utl.pt 919.671.425

CMDB no ITIL v3. Miguel Mira da Silva. mms@ist.utl.pt 919.671.425 CMDB no ITIL v3 Miguel Mira da Silva mms@ist.utl.pt 919.671.425 1 CMDB v2 Configuration Management IT components and the services provided with them are known as CI (Configuration Items) Hardware, software,

Leia mais

oikos desafio de profissionalização de uma ONG gestão da mudança responsabilidade perante os stakeholders

oikos desafio de profissionalização de uma ONG gestão da mudança responsabilidade perante os stakeholders oikos desafio de profissionalização de uma ONG gestão da mudança responsabilidade perante os stakeholders João José Fernandes director geral executivo jjfernandes@oikos.pt Lisboa, 24 Junho 2008 oikos desafio

Leia mais

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Mobilidade em Cidades Médias e Áreas Rurais Castelo Branco, 23-24 Abril 2009 A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI A POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Compromisso

Leia mais

Gestão de Serviços. Mário Lavado itsmf Portugal. Guimarães 18 de Novembro 2010. itsmf Portugal 1

Gestão de Serviços. Mário Lavado itsmf Portugal. Guimarães 18 de Novembro 2010. itsmf Portugal 1 Gestão de Serviços Mário Lavado itsmf Portugal Guimarães 18 de Novembro 2010 itsmf Portugal 1 Agenda 1. O que é o itsmf? 2. A Gestão de Serviços e o ITIL 3. A ISO 20000 4. A certificação ISO 20000 itsmf

Leia mais

AMBULATÓRIO DE ADOLESCENTES

AMBULATÓRIO DE ADOLESCENTES AMBULATÓRIO DE ADOLESCENTES Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Coordenação Geral Maria de Fátima Rato Padin/Dirce Maria Bengel de Paula Gestão em Tratamento e Coordenação de Projetos Histórico O ambulatório

Leia mais

Projetos Internacionais

Projetos Internacionais Projetos Internacionais Projetos Nacionais de Desenvolvimento Nacional de Água (I e II) - Banco Mundial (IDA) Cerca de 130 milhões USD (1998-2007) para a produção de água em zonas rurais e urbanas e para

Leia mais

Online Collaborative Learning Design

Online Collaborative Learning Design "Online Collaborative Learning Design" Course to be offered by Charlotte N. Lani Gunawardena, Ph.D. Regents Professor University of New Mexico, Albuquerque, New Mexico, USA July 7- August 14, 2014 Course

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

O Mês do Terceiro Sector. A Qualidade e a Qualificação no Terceiro Sector. Faculdade de Letras da Universidade do Porto 20 de Maio 2008

O Mês do Terceiro Sector. A Qualidade e a Qualificação no Terceiro Sector. Faculdade de Letras da Universidade do Porto 20 de Maio 2008 O Mês do Terceiro Sector A Qualidade e a Qualificação no Terceiro Sector Faculdade de Letras da Universidade do Porto 20 de Maio 2008 REDE EUROPEIA ANTI-POBREZA / PORTUGAL A Rede Portuguesa foi constituída

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

ELEnA European Local ENergy Assistance

ELEnA European Local ENergy Assistance ECO.AP Programa de Eficiência Energética na Administração Pública ELEnA European Local ENergy Assistance Lisboa, 6/03/2015 Desafios 1 Conhecimento: a) Edifícios/equipamentos; b) Capacidade técnica; c)

Leia mais

IV th WORLD WATER FORUM Developing and Implementing Shared Water Information Systems

IV th WORLD WATER FORUM Developing and Implementing Shared Water Information Systems IV th WORLD WATER FORUM Developing and Implementing Shared Water Information Systems OFFICIAL SESSION n FT 5-13 March, 21 st 2005-16 H 30-18 H 30 BANAMEX CENTER ROOM ITURBIDE N 3 Mr. Oscar Cordeiro NETTO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE ÉVORA

UNIVERSIDADE DE ÉVORA UNIVERSIDADE DE ÉVORA MESTRADO EM INTERVENÇÃO SÓCIO-ORGANIZACIONÀL NA SAÚDE Curso ministrado em parceria com a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (DR Série, n.. 250 de 29 de Outubro de 2002)

Leia mais

A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS. 10 de Maio de 2014 Dr. Domingos Saraiva Presidente da Direção da EGSRA

A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS. 10 de Maio de 2014 Dr. Domingos Saraiva Presidente da Direção da EGSRA A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS 10 de Maio de 2014 Dr. Domingos Saraiva Presidente da Direção da EGSRA Surge da vontade dos Sistemas Intermunicipais, que até então se representavam

Leia mais

OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto

OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto Identificação do Projeto OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto Planejamento de força de trabalho em atenção primária a partir

Leia mais

Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação

Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação Overview Dynamising National Innovation Systems As Sínteses constituem-se em excertos de publicações da OCDE. Elas são disponíveis livremente na biblioteca

Leia mais

Projecto SuGIK na UniCV Sessão de Abertura 1ª Edição do Curso

Projecto SuGIK na UniCV Sessão de Abertura 1ª Edição do Curso Projecto SuGIK na UniCV Sessão de Abertura 1ª Edição do Curso Marco Painho painho@isegi.unl.pt 19 de Janeiro de 2009 www.isegi.unl.pt SuGIK Workshop Sessão de Arranque Inaugural do Projecto Universidade

Leia mais

Taking care of the world s water

Taking care of the world s water Industry Sector Portugal Taking care of the world s water Page 1 Siemens AG 2012. 2009. All rights reserved. Organização da Siemens Energy Healthcare Industry Infrastructure & Cities Fossil Power Generation

Leia mais

- Um caso de sucesso de empreendedorismo social -

- Um caso de sucesso de empreendedorismo social - - Um caso de sucesso de empreendedorismo social - 9 de Junho de 009 . O empreendedorismo social 0 O empreendedorismo social O que resultaria da fusão do sentido criativo e empreendedor de Richard Branson

Leia mais

Formação Avançada. Investigação e Desenvolvimento Tecnológico. Consultoria. Transferência e Valorização de Tecnologia

Formação Avançada. Investigação e Desenvolvimento Tecnológico. Consultoria. Transferência e Valorização de Tecnologia Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Transferência e Valorização de Tecnologia Formação Avançada Consultoria Pré-incubação de empresas de base tecnológica Relação universidade-empresa No knowledge

Leia mais

Oportunidades no Horizonte 2020 nas ações Marie Skłodowska-Curie. Juliana Monteiro Mafalda Dourado

Oportunidades no Horizonte 2020 nas ações Marie Skłodowska-Curie. Juliana Monteiro Mafalda Dourado Oportunidades no Horizonte 2020 nas ações Marie Skłodowska-Curie Juliana Monteiro Mafalda Dourado Critérios-chave MSCA Abordagem Bottom-up, cobre todos os domínios científicos Apoio à carreira de investigação

Leia mais

SME Instrument e Fast Track to Innovation

SME Instrument e Fast Track to Innovation Apoio às PME no H2020 SME Instrument e Fast Track to Innovation Horizonte 2020 Apoio às PME no H2020 H2020 (2014-2020) Três prioridades que se reforçam mutuamente ~79M 7% para o SME Instrument Projectos

Leia mais

La Incubadora de Empresas como Herramienta de Desarrolo Regional Brasil

La Incubadora de Empresas como Herramienta de Desarrolo Regional Brasil La Incubadora de Empresas como Herramienta de Desarrolo Regional Brasil Mariza Almeida, DsC Incubadora de Empresas Phoenix Universidade do Estado do Rio de Janeiro Projeto aprovado pelo Programa Nacional

Leia mais

Igualdade de Género: Direitos Humanos DUDH, 1948 Ninguém pode ser Discriminado/a em razão do sexo

Igualdade de Género: Direitos Humanos DUDH, 1948 Ninguém pode ser Discriminado/a em razão do sexo O mainstreaming de género nas políticas públicas como estratégia de promoção da igualdade de género e do desenvolvimento sustentável Helena Alexandre Instituto Nacional de Administração, I.P. 6º Congresso

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

6ª Reunião, ISEP, Porto 27 Novembro 2013 AGENDA

6ª Reunião, ISEP, Porto 27 Novembro 2013 AGENDA 6ª Reunião, ISEP, Porto 27 Novembro 2013 O projeto Building SPP O projeto Building SPP da Unidade de Produção Consumo Sustentável do Laboratório Nacional de Energia e Geologia () tem como objetivo desenvolver

Leia mais

MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA

MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA Universidade de Lisboa Faculdade de Medicina de Lisboa MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA Catarina Isabel Fonseca Paulos Mestrado em Medicina Legal e Ciências Forenses 2005 Esta dissertação

Leia mais

WSF activities on Housing and Land Rights and Right to the City. Day Time Place Activity Organization

WSF activities on Housing and Land Rights and Right to the City. Day Time Place Activity Organization Day Time Place Activity Organization Wednesday 28/01/09 Thursday 29/01/09 Permanent 14:00-15:30 14:30-15:00-18:00 Ob, Sala O1 Afternoon Pavilhão Db, sala D4 8:30-13:00 13:00-15:00 15:00-17: 00- Housing

Leia mais

UM PORTAL DE JOGOS EDUCATIVOS DESENVOLVIDO NO CONTEXTO DO ENSINO DE GRADUAÇÃO

UM PORTAL DE JOGOS EDUCATIVOS DESENVOLVIDO NO CONTEXTO DO ENSINO DE GRADUAÇÃO UM PORTAL DE JOGOS EDUCATIVOS DESENVOLVIDO NO CONTEXTO DO ENSINO DE GRADUAÇÃO Rosangela L. Lima, lima@dcc.ic.uff.br Welisson Reich de Jesus, welissonjesus@gmail.com Instituto de Computação, Universidade

Leia mais

Universidade do Minho. Escola de Engenharia. UC transversais Programas Doutorais 1º semestre 2012-13. 11 de outubro 2012

Universidade do Minho. Escola de Engenharia. UC transversais Programas Doutorais 1º semestre 2012-13. 11 de outubro 2012 Universidade do Minho Escola de Engenharia UC transversais Programas Doutorais 1º semestre 2012-13 11 de outubro 2012 1 2 2 courses offered in the first semestre: Métodos de Investigação em Engenharia

Leia mais

Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África

Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África Madalena Dray Consultora Socio-Ambiental Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE ENERGIA

Leia mais

Integração de Imigrantes

Integração de Imigrantes Integração de Imigrantes ODEMIRA INTEGRA It is a project born from the need to improve and increase support measures, reception and integration of immigrants. 47% of immigrants registered in the district

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular

Ficha da Unidade Curricular ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS CURSO Licenciatura em Engenharia Informática U.C. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Ficha da Unidade Curricular Horas presenciais / Ano 56 Ano Lectivo 2010 / 2011

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

Implantação do Sistema de Arquivo e Controle de Documentos no Poder Legislativo: Senado Federal

Implantação do Sistema de Arquivo e Controle de Documentos no Poder Legislativo: Senado Federal Implantação do Sistema de Arquivo e Controle de Documentos no Poder Legislativo: Senado Federal Alraune Reinke da Paz, Arquivista, e-mail: alraune@senado.gov.br; Ana Claudia Ferreira da Silva, Administradora,

Leia mais

PLANEAR O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Isabel Alexandra Joaquina Ramos (Prof.ª Auxiliar da Universidade de Évora)

PLANEAR O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Isabel Alexandra Joaquina Ramos (Prof.ª Auxiliar da Universidade de Évora) PLANEAR O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Isabel Alexandra Joaquina Ramos (Prof.ª Auxiliar da Universidade de Évora) Departamento de Planeamento Biofísico e Paisagístico Depois de um período em que ao nível

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

Dennis Seiji Taquemori. ISO 9001: Eficiência ou Legitimidade? Dissertação de Mestrado

Dennis Seiji Taquemori. ISO 9001: Eficiência ou Legitimidade? Dissertação de Mestrado Dennis Seiji Taquemori ISO 9001: Eficiência ou Legitimidade? Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração de Empresas da PUC-Rio como requisito parcial para

Leia mais

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS. Conferência Internacional da Rede WATERLAT

CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS. Conferência Internacional da Rede WATERLAT CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS Conferência Internacional da Rede WATERLAT Tensão entre justiça ambiental e justiça social na América Latina: o caso da gestão da água PRIMEIRA CIRCULAR (MARÇO DE

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais

Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial

Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial Workshop dos Resultados dos Estudos Temáticos 13-14 de dezembro de 2006 Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial Grupo Temático 10 Modelos Sumário Objetivos do GT10 Lógica ideal de desenvolvimento

Leia mais

Saulo Rodrigues-Filho, PhD

Saulo Rodrigues-Filho, PhD CompasSus Compass of Sustainability A contribution from the University of Brasília to an assessment model of sustainability performance Saulo Rodrigues-Filho, PhD Center for Sustainable Development CDS

Leia mais

A -- Como líder de projecto, dirigiu as equipes de preparaçao de 8 projectos de saúde em diferentes países da América Latina e da África:

A -- Como líder de projecto, dirigiu as equipes de preparaçao de 8 projectos de saúde em diferentes países da América Latina e da África: ANEXO - Projectos A -- Como líder de projecto, dirigiu as equipes de preparaçao de 8 projectos de saúde em diferentes países da América Latina e da África: Brasil: NE Endemic Disease Control, supervisão

Leia mais

a eficácia do ensino superior agrário português: realidade ou ficção?

a eficácia do ensino superior agrário português: realidade ou ficção? a eficácia do ensino superior agrário português: realidade ou ficção? António José Gonçalves Fernandes resumo: abstract: Keywords 9 A EFICÁCIA DO ENSINO SUPERIOR AGRÁRIO PORTUGUÊS: REALIDADE OU FICÇÃO?

Leia mais

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal 10 ANOS DO IPCG O GOVERNO SOCIETÁRIO EM PORTUGAL O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal Lisboa, 09 de Julho de 2013 SUMÁRIO 1. Acontecimentos empresariais e governance 2. Fatores normativos

Leia mais

Avaliação da Descentralização de Programas Sociais o caso do Bolsa Família no Nordeste V Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Campinas, 27/09/2013 Cátia Wanderley Lubambo FUNDAJ/UFPE

Leia mais

SISAR - Sistema Integrado de Saneamento Rural GESTÃO NOS ESTADOS DO: CEARÁ, BAHIA E PICOS.

SISAR - Sistema Integrado de Saneamento Rural GESTÃO NOS ESTADOS DO: CEARÁ, BAHIA E PICOS. SISAR - Sistema Integrado de Saneamento Rural GESTÃO NOS ESTADOS DO: CEARÁ, BAHIA E PICOS. Campinas(SP), 23 de junho 2015 APRESENTANDO CENTRAL SEABRA: Central de Associações Comunitárias para Manutenção

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS DA UFC PELOS CLIENTES DO CURSO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS DA UFC PELOS CLIENTES DO CURSO AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS DA UFC PELOS CLIENTES DO CURSO ZAMBELLI, R. A. rafaelzambelli@hotmail.com Universidade Federal do Ceará. Departamento de Tecnologia de Alimentos. Av. Mister

Leia mais