Formação em PPPs Edição Casos Práticos. Resíduos sólidos urbanos Estado de Minas Gerais. Frederico Estrella

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Formação em PPPs Edição 2014. Casos Práticos. Resíduos sólidos urbanos Estado de Minas Gerais. Frederico Estrella frederico@tendencias.com."

Transcrição

1 Formação em PPPs Edição Casos Práticos Resíduos sólidos urbanos Estado de Minas Gerais Frederico Estrella São Paulo, 27 de novembro de 2014.

2 Histórico e perfil da Tendências 2 Histórico Fundada em 1996, a Tendências é uma das maiores consultorias de economia do Brasil e constitui referência em assuntos econômicos, financeiros e políticos. Nossa credibilidade foi construída a partir do conhecimento e experiência de sócios com ampla respeitabilidade, apoiados por uma equipe cujas principais características são o profissionalismo, a capacidade técnica, a qualidade das análises e o respeito ao código de ética da empresa. Missão A missão da Tendências está bem representada na citação de Clive Granger, prêmio Nobel de Economia de 2003: Objetivo (...) o propósito da ciência econômica é auxiliar os tomadores de decisão a tomar as melhores decisões. Nosso objetivo é colocar nosso conhecimento da teoria econômica e de suas ferramentas a serviço dos clientes, auxiliando-os em seus processos de tomada de decisão. Macroeconomia e Política Estudos, Projetos e Pareceres Análise Setorial e Inteligência de Mercado Investimentos e Negócios Aparições no Ranking Top 5 do Banco Central Tendências Consultoria B Consultoria C Consultoria D Destaques É a única consultoria econômica da América Latina no ranking das 20 líderes mundiais em economia da concorrência da Global Competition Review (GCR), publicação britânica especializada em antitruste. Ao longo de vários anos, a Tendências é a consultoria com os melhores resultados acumulados entre as consultorias no boletim mensal Top 5 do Banco Central, que classifica as instituições por acerto de projeções de câmbio, juros e inflação

3 Gestão de resíduos sólidos no Brasil Gestão integrada é recente A obrigatoriedade da gestão de resíduos sólidos no país é recente e regulada pela Lei federal nº /2010. Prazos audaciosos de implantação A nova lei determinava prazos audaciosos para a universalização de infraestrutura e processos básicos em todo o país. Investimentos e multas pesadas A mudança desencadeou investimentos na gestão de resíduos sólidos. Contudo, disposição inadequada de resíduos levou a aplicação de multas e processos. 3

4 Visão geral 4 Fonte: ABRELPE Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais. Residências RSU Empresas comerciais Escritórios/ Escolas RSS Hospitais/ Clínicas Total gerado (em milhões de t) Total coletado (em milhões de t) Total residual (em milhões de t) CAGR CAGR 61,6 76,4 4,4% 0,4 NA - 51,4 69,1 6,1% 0,2 (1) 0,3 (1) 4,7% 10,2 7,3-6,4% 0,2 - - Tecnologias de destinação e tratamento Breakdown de volume Aterro sanitário Aterro controlado Lixão 24,3% 20,0% 17,4% 25,0% 58,3% 55,0% Incineração Autoclave Microondas Outros 44,0% 32,0% 20,5% 38,0% 2,4% 11,0% 33,1% 19,0% Incluir apenas resíduos coletados por entes públicos.

5 Potencial de crescimento RSU Potencial de mercado Participação geração (% do total gerado) Abrangência da coleta (% do total gerado coletado) N NE CO SE S Brasil 6,4% 22,1% 8,2% 52,4% 10,9% 100,0% 80,2% 78,2% 93,1% 97,1% 94,1% 90,4% 5 Destinação (número de municípios) Aterro sanitário Aterro controlado Lixão Total Recursos médios aplicados (R$/habitante/ano em 2013) Coleta 37,32 33,36 36,24 53,76 40,92 43,56 Demais serviços* 59,28 63,69 39,24 91,44 49,68 71,28 Fonte: ABRELPE. Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais. * Incluem as despesas com a destinação final dos RSU e com serviços de varrição, capina, limpeza e manutenção de parques e jardins, limpeza de córregos, etc. Estimativa de custos de investimentos em aterro sanitário por porte Custo anual p/ população (R$/habitante/ano em 2009) Investimento inicial (R$/habitante/ano em 2009) Grande porte Médio porte Pequeno porte 2.000t/dia 800t/dia 100t/dia 2 milhões hab 800 mil hab 100 mil hab 13,67 15,80 18,58 8,89 11,48 16,39 Fonte: Estudo FGV para ABETRE. Associação Brasileira de Empresas de Tratamento de Resíduos

6 PPPs como instrumento para realizar investimentos Contratos assinados até Nov/ Nacional por setor Gestão de resíduos sólidos

7 Linha do tempo Perfil do projeto e linha do tempo Gestão de resíduos sólidos Objetivo: serviços de transbordo, tratamento e disposição final de resíduos sólidos urbanos nos municípios convenentes da região metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) e colar metropolitano. Valor do contrato: R$ 2,4 bilhões Investimento: R$ 345 milhões População atendida: ~4,5 milhões A RMBH e o Colar Metropolitano, Abril/2010 Inclusão do projeto no Plano Estadual de PPPs. Junho/2010 Publicação do PMI. Abril/2012 Publicação da Consulta Pública. Outubro/2013 Publicação do Edital. Agosto/2014 Assinatura do Contrato.

8 Inovação na estruturação do projeto Flexibilidade tecnológica Licitação por objetivos 8 Pagamento por desempenho

9 Flexibilidade tecnológica: DBOT Sem projeto básico DBOT (Design, Build, Operate and Transfer), onde o vencedor da licitação tem liberdade para propor a tecnologia a ser adotada. Foco nos resultados e nos impactos Desenvolvimento de meticuloso de metas de resultados e impactos, assim como de indicadores para a melhor estruturação de um sistema de incentivos. (-) Desafios para fiscalização e comparabilidade Liberdade na definição de processos dificulta a supervisão e seleção de projetos. 9 Canal da mancha Desenvolvimento, financiamento, construção e operação do túnel de ligação entre a França e o Reino Unido. Aeroporto Internacional da Costa Rica Design, construção, manutenção e operação do terminal Gold Coast Light Train Austrália Design, construção, manutenção e operação da fase 1 do projeto.

10 Critérios de remuneração 10 Demanda Demanda Risco de demanda compartilhado entre ente privado e público, com garantia de 70% da demanda estimada. Tecnologia Qualidade Qualidade Fator de qualidade com base nos indicadores de desempenho, que afeta 40% do valor base do pagamento. Tecnologia Tecnologia adotada afeta o volume aterrado impactando no valor recebido por tonelada.

11 Comentários Finais 1 Segmento de resíduos sólidos está diante de desafios monumentais nos próximos anos 11 2 Desafios da complexidade institucional 3 Inovações são importantes para garantir value for money dos projetos

12 Rua Estados Unidos, 498, , São Paulo, SP Tel , Fax

Perspectivas para o financiamento das PPPs

Perspectivas para o financiamento das PPPs Perspectivas para o financiamento das PPPs PPP Summit 2015 20 de maio de 2015 Frederico Estrella frederico@tendencias.com.br Histórico e perfil da Tendências 2 Histórico Fundada em 1996, a Tendências é

Leia mais

Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs)

Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) Organização: Unidade de Parcerias Público-Privadas - Secretaria de Estado de Economia e Planejamento (SEP) Vitória, 26.11.2010 Objetivos do Curso Apresentar

Leia mais

Diagnóstico Analítico da Gestão dos Resíduos Sólidos no Brasil

Diagnóstico Analítico da Gestão dos Resíduos Sólidos no Brasil Diagnóstico Analítico da Gestão dos Resíduos Sólidos no Brasil OPAS - Ministério das Cidades Realização: Água e Vida Confiabilidade das Informações * Terminologia adotada * Informações técnicas * Qualidade

Leia mais

Atuação do BNDES na Estruturação e Financiamento de concessões/ppps. Rio de Janeiro, 25 de setembro de 2015

Atuação do BNDES na Estruturação e Financiamento de concessões/ppps. Rio de Janeiro, 25 de setembro de 2015 Atuação do BNDES na Estruturação e Financiamento de concessões/ppps Rio de Janeiro, 25 de setembro de 2015 Roteiro 1. Área de Estruturação de Projeto do BNDES - AEP 2. Financiamento de PPPs pela Área Social

Leia mais

Principais Fatos e Números

Principais Fatos e Números Principais Fatos e Números BRAZIL Brasil Minas Gerais Região Metropolitana de Classificado como a 6ª maior economia em 2011, esperando chegar à 5ª posição até 2016. 3 ª maior economia dentre os 27 Estados

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções

Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções Renato Teixeira Brandão Diretor de Gestão de Resíduos Fundação Estadual do Meio Ambiente Políticas de Resíduos Sólidos Política Estadual de

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE

POLÍTICA NACIONAL DE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS 15/09/2014: implantação - situação atual Joaquim Antônio de Oliveira joaquim.oliveira@mma.gov.br (61) 2028 2504 Resíduos sólidos: um problema de caráter social, ambiental

Leia mais

Financiamento à implementação da PNRS. 7 de maio de 2013

Financiamento à implementação da PNRS. 7 de maio de 2013 Financiamento à implementação da PNRS 7 de maio de 2013 Atratividade financeira Instrumentos financeiros FINEM Capacidade Produtiva linha de base Linhas de Meio Ambiente Fundo Clima BNDES Inovação PSI

Leia mais

DESMISTIFICANDO AS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS

DESMISTIFICANDO AS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS DESMISTIFICANDO AS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS UMA IMPORTANTE ALTERNATIVA PARA O AVANÇO DA INFRAESTRUTURA BRASILEIRA Daniel R. Figueiredo Especialista em Estruturação de Projetos de PPP e Concessões 26/08/2015

Leia mais

Edital de Consulta Pública Nº 02//2010 BNDES/FEP

Edital de Consulta Pública Nº 02//2010 BNDES/FEP Edital de Consulta Pública Nº 02//2010 BNDES/FEP Análise das Diversas Tecnológicas de Tratamento e Disposição Final de Resíduos Sólidos no Brasil, Europa, Estados Unidos e Japão SEMINÁRIO RECIFE COORDENAÇÃO

Leia mais

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A.

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A. METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A. A Agência Reguladora dos Serviços de Saneamento das Bacias dos

Leia mais

POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RILEY RODRIGUES Conselho Empresarial de Infraestrutura Sistema FIRJAN Principais desafios Os programas precisam ser estruturados, dentro de seus setores, como

Leia mais

P.P.P. PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS O porque das Parcerias Público Privadas Impossibilidade de obtenção de recursos públicos A crise da economia

P.P.P. PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS O porque das Parcerias Público Privadas Impossibilidade de obtenção de recursos públicos A crise da economia P.P.P. PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS O porque das Parcerias Público Privadas Impossibilidade de obtenção de recursos públicos A crise da economia causada pelo endividamento público Limitação provocada pela

Leia mais

Aspectos Legais sobre Investimentos no Brasil

Aspectos Legais sobre Investimentos no Brasil Aspectos Legais sobre Investimentos no Brasil Carlos Alberto Rossi Cenário Atual: Eliminação da discriminação entre de empresa brasileira com capital nacional e empresa estrangeira, pela Emenda Constitucional

Leia mais

PERFIL DO SETOR DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS

PERFIL DO SETOR DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS PERFIL DO SETOR DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS Odilon G. Amado Jr. Diretor Regional Sul Julho / 2011 Perfil do Setor de Tratamento de Resíduos 1 ABETRE Associação Brasileira de Empresas de Tratamento de Resíduos

Leia mais

Política Estadual de Resíduos Sólidos e Programa Metropolitano de RSU

Política Estadual de Resíduos Sólidos e Programa Metropolitano de RSU Política Estadual de Resíduos Sólidos e Programa Metropolitano de RSU Programa Metropolitano de Resíduos Sólidos Política Estadual de Resíduos Sólidos Procedimento de Manifestação de Interesse Programa

Leia mais

Formação em Parcerias Público Privadas. Desenvolvimento de uma carteira de projetos

Formação em Parcerias Público Privadas. Desenvolvimento de uma carteira de projetos Formação em Parcerias Público Privadas Desenvolvimento de uma carteira de projetos Novembro de 2013 1. Contexto Atual 2. Análise das Demandas do Setor Público 3. Como Estruturar um Procedimento 4. Como

Leia mais

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília.

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília. Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília Mobilidade Urbana Renato Boareto 1 Organização Não Governamental fundada em 2006

Leia mais

O mercado de PPPs na visão do Setor Privado. Seminário Formação em Parcerias Público-Privadas 05 e 06 de Novembro de 2013 São Paulo/SP

O mercado de PPPs na visão do Setor Privado. Seminário Formação em Parcerias Público-Privadas 05 e 06 de Novembro de 2013 São Paulo/SP O mercado de PPPs na visão do Setor Privado Seminário Formação em Parcerias Público-Privadas 05 e 06 de Novembro de 2013 São Paulo/SP OS AGENTES PRIVADOS DO MERCADO DE PPPS Principais Players do Setor

Leia mais

MINAS GERAIS, SEU MELHOR INVESTIMENTO. Seminário LIDE Abril de 2012

MINAS GERAIS, SEU MELHOR INVESTIMENTO. Seminário LIDE Abril de 2012 MINAS GERAIS, SEU MELHOR INVESTIMENTO Seminário LIDE Abril de 2012 A NOSSA MINAS GERAIS MINAS EM NÚMEROS América do Sul 588.000 KM² DE TERRITÓRIO. Brasil MAIOR DO QUE PAÍSES COMO A FRANÇA, SUÉCIA E ESPANHA.

Leia mais

DIAGNÓSTICO RESÍDUOS SÓLIDOS E LIMPEZA URBANA. www.granziera.com.br

DIAGNÓSTICO RESÍDUOS SÓLIDOS E LIMPEZA URBANA. www.granziera.com.br DIAGNÓSTICO RESÍDUOS SÓLIDOS E LIMPEZA URBANA www.granziera.com.br REGULAÇÃO: OBJETIVOS OBJETIVOS DA REGULAÇÃO estabelecer padrões e normas para a adequada prestação dos serviços e para a sadsfação dos

Leia mais

Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo. Ariovaldo Caodaglio

Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo. Ariovaldo Caodaglio Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo Ariovaldo Caodaglio Município de São Paulo DADOS DEMOGRÁFICOS População (2010) 11.253.503 Densidade demográfica (hab./km²) 7.387,69 Território (Km²) 1.521,101

Leia mais

Eficiência Energética + Comercialização de Energia Oportunidades Conjuntas 16/10/08

Eficiência Energética + Comercialização de Energia Oportunidades Conjuntas 16/10/08 Eficiência Energética + Comercialização de Energia Oportunidades Conjuntas 16/10/08 RME Rio Minas Energia Participações S.A Luce Brasil Fundo de Investimentos - LUCE Missão da Light: Ser uma grande empresa

Leia mais

EEGM Mecanismo de Garantia de Eficiência Energética. Alvaro Silveira

EEGM Mecanismo de Garantia de Eficiência Energética. Alvaro Silveira EEGM Mecanismo de Garantia de Eficiência Energética Alvaro Silveira Institucional Quem somos? O Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (PNUD) é o órgão da Organização das Nações Unidas (ONU)

Leia mais

Sustentabilidade Operacional...novos mercados para o setor financeiro

Sustentabilidade Operacional...novos mercados para o setor financeiro www.pwc.com.br Sustentabilidade Operacional...novos mercados para o setor financeiro Junho 2015 Agenda 01 02 Sustentabilidade...olhando para futuro Para ser sustentável é preciso compreender e se adaptar

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO. Modalidade: CONCORRÊNCIA Nº. 01/2013 SEGEM

EDITAL DE LICITAÇÃO. Modalidade: CONCORRÊNCIA Nº. 01/2013 SEGEM EDITAL DE LICITAÇÃO Modalidade: CONCORRÊNCIA Nº. 01/2013 SEGEM Tipo: MELHOR TÉCNICA E MENOR VALOR POR TONELADA A SER PAGO PELO PODER CONCEDENTE PARA A EXECUÇÃO DO OBJETO DO PRESENTE EDITAL Processo nº.

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DIRETRIZES E PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS NO MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Nov 2012 DIAGNÓSTICO DO DESTINO

Leia mais

Especializada em criar soluções competitivas, abrangentes, diferenciadas e inovadoras para a excelência no gerenciamento das informações.

Especializada em criar soluções competitivas, abrangentes, diferenciadas e inovadoras para a excelência no gerenciamento das informações. Histórico da Empresa Transformando tecnologia em soluções DocSystem Corporation, empresa líder de mercado em soluções para Gestão Corporativa. Projetada para atender a qualquer organização, independente

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Teresina, 12 de junho de 2015

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Teresina, 12 de junho de 2015 GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Teresina, 12 de junho de 2015 GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Bertrand Sampaio de Alencar Teresina, 12 de junho de 2015 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1.Marco

Leia mais

A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS.

A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Eng.ª Andressa Brandalise Unidade de Assessoria e Inovação Ambiental A legislação

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

10 de abril de 2012 Prefeitura de Belo Horizonte Secretaria Municipal de Desenvolvimento

10 de abril de 2012 Prefeitura de Belo Horizonte Secretaria Municipal de Desenvolvimento Ações Públicas pela Cidadania e pelo Desenvolvimento Econômico 10 de abril de 2012 Contexto - Belo Horizonte MINAS GERAIS População :19,6 MM PIB: R$ 287 Bilhões IDH: 0,828 RMBH População :4,9 MM PIB: R$

Leia mais

PPP em saneamento e outras alternativas para investimentos

PPP em saneamento e outras alternativas para investimentos 2015 PPP em saneamento e outras alternativas para investimentos Coordenador: Frederico Turolla Organização: Pezco Microanalysis Dias 21 e 22 de maio de 2015 Justificativa Os investimentos anuais em abastecimento

Leia mais

Rio de Janeiro (RJ), 31 de Agosto de 2012. Heverthon Jeronimo da Rocha Gerente Técnico de Meio Ambienta - URBANA

Rio de Janeiro (RJ), 31 de Agosto de 2012. Heverthon Jeronimo da Rocha Gerente Técnico de Meio Ambienta - URBANA Rio de Janeiro (RJ), 31 de Agosto de 2012. Heverthon Jeronimo da Rocha Gerente Técnico de Meio Ambienta - URBANA Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos do Município de Natal Área 170,298

Leia mais

Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL. Outubro de 2010

Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL. Outubro de 2010 Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL Outubro de 2010 Aviso Esta apresentação contém declarações prospectivas. Tais informações não são apenas fatos históricos, mas refletem as metas e as expectativas

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST -

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - (4 e 5 de outubro de 2011) PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Administrador de Empresas com Pós Graduação em Business Administration pela New York University

Leia mais

SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL

SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL Questões Centrais Manoel Rangel, Diretor da Agência Nacional do Cinema. Esta apresentação: De que maneira a tecnologia deve ser ponderada na decisão? O uso do espectro

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO Chamamento para a Elaboração de Acordo Setorial para a Implantação de Sistema de Logística Reversa de Produtos Eletroeletrônicos

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

Código de Ética do IBCO

Código de Ética do IBCO Código de Ética do IBCO Qua, 14 de Novembro de 2007 21:00 O papel do consultor de organização, no desempenho de suas atividades, é o de assistir aos clientes na melhoria do seu desempenho, tanto nos aspectos

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM CUSTOMER SUCCESS STORY Maio 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários: 182 (2012) Faturamento:

Leia mais

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro II LATIN AMERICAN PUBLIC POLICY FORUM ON INTERNET, E- COMMERCE AND MOBILE TECHNOLOGIES Economic, Social and Cultural Impact on Latin America's Development Keynote speech by Senator Walter Pinheiro Discussion

Leia mais

1º Seminário de Saneamento Básico da FIESP

1º Seminário de Saneamento Básico da FIESP 1º Seminário de Saneamento Básico da FIESP Painel III Investimentos em infraestrutura de saneamento básico O papel do setor privado Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de Saneamento e Infraestrutura

Leia mais

VIII CONOPARH - LONDRINA

VIII CONOPARH - LONDRINA VIII CONOPARH - LONDRINA NEGÓCIO MISSÃO VISÃO VALORES Soluções Fornecer Ser Éticauma empresa soluções que aproximam. de acessíveis classe Meritocracia mundial. e confiáveis para Respeito conectar às pessoas,

Leia mais

Mecanismo de Garantia para Eficiência Energética e Energias Renováveis (EEGM) Alvaro Silveira Atla Consultoria

Mecanismo de Garantia para Eficiência Energética e Energias Renováveis (EEGM) Alvaro Silveira Atla Consultoria Mecanismo de Garantia para Eficiência Energética e Energias Renováveis (EEGM) Alvaro Silveira Atla Consultoria Institucional Quem somos? O Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (PNUD) é o órgão

Leia mais

Oportunidades de Negócios com a Copa do Mundo 2014. Salvador 04/11/10

Oportunidades de Negócios com a Copa do Mundo 2014. Salvador 04/11/10 Oportunidades de Negócios com a Copa do Mundo 2014 Salvador 04/11/10 É a vez do Brasil! Linha do Tempo Eventos Esportivos Copa das Confederações 2013 Copa do Mundo FIFA 2014 Olimpíadas e Paraolimpíadas

Leia mais

Decreto n.º 8.428, de 2 de abril de 2015 Procedimento de Manifestação de Interesse PMI

Decreto n.º 8.428, de 2 de abril de 2015 Procedimento de Manifestação de Interesse PMI , Orçamento e Gestão Decreto n.º 8.428, de 2 de abril de 2015 Procedimento de Manifestação de Interesse PMI Abril/2015 O que é PMI? PMI Procedimento de Manifestação de Interesse Chamamento público para

Leia mais

PRÊMIO CNH INDUSTRIAL DE JORNALISMO ECONÔMICO

PRÊMIO CNH INDUSTRIAL DE JORNALISMO ECONÔMICO PRÊMIO CNH INDUSTRIAL DE JORNALISMO ECONÔMICO REGULAMENTO EDIÇÃO 2015 O Prêmio CNH Industrial de Jornalismo Econômico é um concurso cultural, promovido pela CNH Industrial, que tem como objetivo valorizar

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV)

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) II Workshop Construindo o diagnóstico dos RCCV e RSS

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE ENTRADA NO BH-TEC

SOLICITAÇÃO DE ENTRADA NO BH-TEC SOLICITAÇÃO DE ENTRADA NO BH-TEC DE... (Candidato)... (Data) 1. CARTA DE CANDIDATURA (Minuta) (Candidato) declara seu interesse em instalar-se no BH-TEC - Parque Tecnológico de Belo Horizonte. Na oportunidade,

Leia mais

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Atração de Investimentos, Promoção Comercial e Projeção Internacional Eduardo Bernis Secretaria Municipal de Desenvolvimento Belo Horizonte

Leia mais

Compartilhar objetivos e alcançar um novo patamar em tratamento de resíduos sólidos. Essa é a proposta do governo de minas.

Compartilhar objetivos e alcançar um novo patamar em tratamento de resíduos sólidos. Essa é a proposta do governo de minas. Compartilhar objetivos e alcançar um novo patamar em tratamento de resíduos sólidos. Essa é a proposta do governo de minas. Compartilhar objetivos e alcançar um novo patamar no tratamento de resíduos.

Leia mais

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC 27.03.12 Paulo Safady Simão Presidente da CBIC REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL DAS ENTIDADES EMPRESARIAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E CÂMARAS 62

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

O Sistema Expectativas de Mercado: Ferramenta de Suporte à Política Monetária

O Sistema Expectativas de Mercado: Ferramenta de Suporte à Política Monetária O Sistema Expectativas de Mercado: Ferramenta de Suporte à Política Monetária André Marques Março de 2015 I. Histórico II. Características Principais III. Relatórios IV. Uso no Processo de Política Monetária

Leia mais

TIPOS DE RELACIONAMENTO COM A INICIATIVA PRIVADA E FORMAS DE ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS

TIPOS DE RELACIONAMENTO COM A INICIATIVA PRIVADA E FORMAS DE ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS TIPOS DE RELACIONAMENTO COM A INICIATIVA PRIVADA E FORMAS DE ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS terça-feira, 10 de novembro de 2015 Objetivo Apresentar os alguns dos tipos de relacionamento estabelecidos entre a

Leia mais

Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO

Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO Introdução O Plano Nacional de Resíduos Sólidos é um

Leia mais

XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos

XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos SECRETARIA DE SANEAMENTO E ENERGIA XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos Mesa redonda: Marco Regulatório do Setor Saneamento Desafios do Saneamento e Regulação dos Serviços no Estado de São Paulo

Leia mais

Apresentação Corporativa. Novembro de 2010

Apresentação Corporativa. Novembro de 2010 Apresentação Corporativa Novembro de 2010 Estácio: Breve Histórico Crescimento orgânico Consolidação para liderança nacional IPO Companhia listada Turn around e preparação para o crescimento futuro # de

Leia mais

Pessoas que cuidam de pessoas

Pessoas que cuidam de pessoas Pessoas que cuidam de pessoas Agenda Cenário Econômico Mundial Ranking PIB 2012 15,68 8,22 5,96 3,40 2,60 2,44 2,39 2,02 2,01 1,82 Estados Unidos China Japão Alemanha França Reino Brasil Rússia Itália

Leia mais

Do continente europeu para o subsolo brasileiro

Do continente europeu para o subsolo brasileiro Do continente europeu para o subsolo brasileiro No SEFE 7, a Terratest apresentou todo knowhow acumulado em mais de 50 anos de experiência em obras de fundações, nos 25 países onde está presente A Terratest

Leia mais

Panorama da empresa. Estratégia de negócio. Performance e Portfólio de produtos

Panorama da empresa. Estratégia de negócio. Performance e Portfólio de produtos 2014 Panorama da empresa Estratégia de negócio Performance e Portfólio de produtos Panorama da empresa Panorama da empresa Nossa História Criada em 1992 para atuar nos ramos de vida e acidentes pessoais,

Leia mais

PANORAMA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL: UMA VISÃO GERAL

PANORAMA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL: UMA VISÃO GERAL PANORAMA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL: UMA VISÃO GERAL Quantidade de Resíduos Sólidos Urbanos Gerada e Coletada em 2007 Distribuição Percentual (%) da Quantidade Total de RSU Coletada no Brasil Quantidade

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Nos trilhos do progresso

Nos trilhos do progresso Nos trilhos do progresso brasil: polo internacional de investimentos e negócios. Um gigante. O quinto maior país do mundo em extensão e população e o maior da América Latina, onde se destaca como a economia

Leia mais

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO CÂMARA DOS DEPUTADOS Daniela Arantes Alves Lima Eduardo Carvalho Departamento de Economia Solidária Brasília,

Leia mais

Tendências e cenários para a infra-estrutura de telecomunicações. ões. Seminário: O futuro das (tele)comunicações no Brasil

Tendências e cenários para a infra-estrutura de telecomunicações. ões. Seminário: O futuro das (tele)comunicações no Brasil Tendências e cenários para a infra-estrutura de telecomunicações ões Seminário: O futuro das (tele)comunicações no Brasil em homenagem a Sérgio S Motta (1940 1998) S. Paulo, 3 de junho de 2008 Juarez Quadros

Leia mais

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Fabíola Ortiz - 28/02/13 Potencial de produção de energia vinda dos aterros pode dobrar em 20 anos, se a lei de resíduos sólidos for cumprida.

Leia mais

Pinhalzinho. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento

Pinhalzinho. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento Pinhalzinho Aspectos Gerais Pinhalzinho Relação Pinhalzinho x CISBRA 5% dos habitantes do CISBRA 3% da pop. urbana do CISBRA 12% da pop. rural do CISBRA CISBRA Área CISBRA 2.576,553 km² Pinhalzinho 154,531

Leia mais

SEM FRONTEIRAS NA AMÉRICA LATINA

SEM FRONTEIRAS NA AMÉRICA LATINA SEM FRONTEIRAS NA AMÉRICA LATINA Case vencedor do VII Prêmio ANATEC na categoria B2B Serviços BANCA ASSINATURA CUSTOMIZADA PORTFÓLIO A maior provedora de conteúdo de economia, negócios e finanças da América

Leia mais

Instituição privada dedicada a promover negócios em ciências da vida no Brasil

Instituição privada dedicada a promover negócios em ciências da vida no Brasil Instituição privada dedicada a promover negócios em ciências da vida no Brasil Biominas Brasil tem 21 anos de experiência na criação e desenvolvimento de empresas de ciências da vida. A Biominas Brasil

Leia mais

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022 2.7 Financiamento Por que Financiamento? O ritmo de crescimento de uma economia e a competitividade da sua indústria dependem da disponibilidade de recursos para investimento e da capacidade do sistema

Leia mais

Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega

Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega Setor de grande importância Mais de 50 milhões de beneficiários no país. Níveis elevados de satisfação com os serviços. Custos hospitalares

Leia mais

A Estruturadora Brasileira de Projetos tem por missão desenvolver, com imparcialidade e transparência, projetos de infraestrutura que contribuam para

A Estruturadora Brasileira de Projetos tem por missão desenvolver, com imparcialidade e transparência, projetos de infraestrutura que contribuam para A Estruturadora Brasileira de Projetos tem por missão desenvolver, com imparcialidade e transparência, projetos de infraestrutura que contribuam para o desenvolvimento econômico e social brasileiro criando

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A GESTÃO DE RESÍDUOS NO BRASIL

REFLEXÕES SOBRE A GESTÃO DE RESÍDUOS NO BRASIL REFLEXÕES SOBRE A GESTÃO DE RESÍDUOS NO BRASIL Diógenes Del Bel Diretor Presidente IV Fórum de Sustentabilidade CCFB Câmara de Comércio França-Brasil 12 / 9 / 2014 Reflexões sobre a gestão de resíduos

Leia mais

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013.

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. ------------------------------------------- DUKE UNIVERSITY NEWS e FGV Notícias Duke University Office of News & Communications http://www.dukenews.duke.edu

Leia mais

Mesas Temáticas Inovação e os Gargalos do Setor Equipamentos IVD

Mesas Temáticas Inovação e os Gargalos do Setor Equipamentos IVD Mesas Temáticas Inovação e os Gargalos do Setor Equipamentos IVD Ref.: oct, 2012 Eliane Lustosa Labtest Diagnóstica SA 15 16 de abril de 2014 PERFIL DA EMPRESA LABTEST Fundada em 1971 Pioneira na produção

Leia mais

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 EQPS Belo Horizonte Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria

Leia mais

Qualidade dos Serviços Situação Atual e Perspectivas COELCE 30/06/2011

Qualidade dos Serviços Situação Atual e Perspectivas COELCE 30/06/2011 Qualidade dos Serviços Situação Atual e Perspectivas COELCE 30/06/2011 Agenda O grupo Endesa 1 Características da COELCE e do estado do Ceará 2 Qualidade dos Serviços Técnicos e Comerciais 3 Investimentos

Leia mais

MORUNGABA. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento

MORUNGABA. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento MORUNGABA Aspectos Gerais - Morungaba CISBRA Relação Populacional Morungaba x CISBRA 4% dos habitantes do CISBRA 4% da pop. urbana do CISBRA 3% da pop. rural do CISBRA Área CISBRA 2.576,553 km² Morungaba

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Março/2014

PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Março/2014 PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Março/2014 Plano Estadual de Resíduos Sólidos Horizonte de atuação: 20 anos; Revisões: a cada 4 anos Estruturação: 1. Panorama dos Resíduos Sólidos do Estado de São Paulo

Leia mais

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Maximize o desempenho das suas instalações Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Sua empresa oferece um ambiente de trabalho com instalações eficientes e de qualidade? Como você consegue otimizar

Leia mais

Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo. Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011

Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo. Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011 Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011 ANÁLISE DE FLUXOS DE CAIXA EM AMBIENTES DE NCERTEZA E SUA APLICAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS www.observatorioasiapacifico.org A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS Ignacio Bartesaghi 1 O debate na América Latina costuma focar-se no sucesso ou no fracasso dos processos

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos São Paulo, 17 de

Leia mais

CHINA Apresentação de Casos de Sucesso

CHINA Apresentação de Casos de Sucesso CHINA Apresentação de Casos de Sucesso Parceiro e membro da IMCN: KK Yeung Management MERCAL CONSULTING GROUP A Member of IMCN- International Management Consultancies Network ÍNDICE DA APRESENTAÇÃO 1.

Leia mais

BNDES Pró-estruturação de Projetos

BNDES Pró-estruturação de Projetos BNDES Pró-estruturação de Projetos Guia para Consultorias Junho de 2016 Agenda 1 2 3 O papel dos bancos de desenvolvimento na preparação de projetos de infraestrutura Estudo IFC/BNDES sobre Estruturação

Leia mais

POLÍTICAS PERMANENTES DE HABITAÇÃO

POLÍTICAS PERMANENTES DE HABITAÇÃO POLÍTICAS PERMANENTES DE HABITAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Outubro / 2014 POLÍTICAS PERMANENTES DE HABITAÇÃO Histórico recente da evolução do crédito à moradia Impactos dos investimentos

Leia mais

PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO

PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO SEMINÁRIO BINACIONAL NA ÁREA DE SAÚDE BRASIL PERU LIMA - SETEMBRO/2011 VISÃO GERAL Abrangência: Governo Federal Marcos Legais Visão Geral do Planejamento e do Orçamento Recursos

Leia mais

SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS

SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS Marco Antonio Rossi Presidente da Fenaprevi Presidente da Bradesco Seguros Agenda Mercado Segurador Nacional Os direitos dos Segurados e Participantes Legislação O Brasil

Leia mais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Carlos Figueiredo Diretor Executivo Agenda Anahp Brasil: contexto geral e econômico Brasil: contexto

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA Política Nacional de Resíduos Sólidos Plano Nacional de Resíduos Sólidos

AUDIÊNCIA PÚBLICA Política Nacional de Resíduos Sólidos Plano Nacional de Resíduos Sólidos AUDIÊNCIA PÚBLICA Política Nacional de Resíduos Sólidos Plano Nacional de Resíduos Sólidos Diógenes Del Bel Diretor Presidente Senado Federal Subcomissão Temporária de Resíduos Sólidos (CMARS) 19 / 3 /

Leia mais

Confiança de lideranças empresariais do Rio Grande do Sul Edição nov/2009 Resultados GERAIS

Confiança de lideranças empresariais do Rio Grande do Sul Edição nov/2009 Resultados GERAIS Confiança de lideranças empresariais do Rio Grande do Sul Edição nov/2009 Resultados GERAIS Avaliação do início do segundo semestre Perspectivas para o final do segundo semestre e início de 2010 Expectativa

Leia mais