AVALIAÇÃO DA INTERFACE GRÁFICA COM O USUÁRIO DE UM SISTEMA OPERACIONAL DE 32 BITS SEGUNDO A FACILIDADE DE APRENDIZADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DA INTERFACE GRÁFICA COM O USUÁRIO DE UM SISTEMA OPERACIONAL DE 32 BITS SEGUNDO A FACILIDADE DE APRENDIZADO"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DA INTERFACE GRÁFICA COM O USUÁRIO DE UM SISTEMA OPERACIONAL DE 32 BITS SEGUNDO A FACILIDADE DE APRENDIZADO Inês Maria Silva Maciel UFRJ / COPPE - Coordenação dos Programas de Pós-graduação em Engenharia Av. Brigadeiro Trompowsky s/n o Ilha do Fundão - CT - Bloco G - sala G-207 The objective of this study is demonstrate what dimension of impact of new system in a certain user group, stimulated by changes in dialogue structure of a GUI- Graphical User Interface, that occured between different versions of a operation system. This observation was done in a real situation of learning, during the professional capacitation course in a educational foundation of government of state of Rio de Janeiro. These observations was done in the period of April / August 96 with nine (9) groups of students. The students groups was stratificated in thre categories: expert, intermittent and novice users. And the performance of each categorie was evaluated based in time of execution of certain task. The results of this observation showed that the Windows 95 GUI increased the cognitive and affective costs of all categories of users during the course. And was noted a greated effect of this costs in intermittent users, which had the worse performance in all categories of users. These conclusions intended understand which influences of knowledge transfer in learning process and what dimension of levels of user experience in learning process. Keywords: Human - Computer interaction, Cognitive Ergonomics, Human Factors in Computing Systems 1 - Apresentação Este estudo efetua uma avaliação da interface gráfica com o usuário de um sistema operacional de 32 bits, segundo o aspecto da facilidade de aprendizado. O objetivo da pesquisa é demonstrar a dimensão do impacto de um novo sistema junto à uma população de usuários, provocado pelas mudanças na estrutura de diálogo de uma GUI - Graphical User Interface, ocorrida entre as versões de um sistema operacional. Com este intuito, foi efetuada uma mensuração do tempo de execução de uma tarefa, em três categorias de usuários, buscando comprovar as seguintes hipóteses: O usuário com pouco ou nenhum conhecimento dos conceitos computacionais terá muito mais dificuldade de aprender um sistema operacional do que um usuário com um bom conhecimento dos conceitos computacionais. O usuário com um pequeno conhecimento dos conceitos computacionais terá mais dificuldade de aprender um sistema que utilize novos conceitos, do que um usuário sem experiência e que desconheça os conceitos computacionais.

2 Desta forma, o estudo busca a verificação da existência de uma correlação entre a experiência anterior do usuário e a facilidade de aprendizado, através do tempo gasto na realização de uma tarefa. 2 - Metodologia O sistema operacional escolhido como objeto de estudo foi o Windows 95, considerado um produto de destaque no mercado e que pertence a uma nova geração de sistemas operacionais com características multitarefa, interface orientada a objeto etc.. (Linthicum, 1995) A pesquisa foi realizada em uma situação real de aprendizado, durante um curso de capacitação profissional oferecido por uma fundação educacional do governo do estado do Rio de Janeiro, no período de Abril/Agosto de 1996, em oito turmas de Windows 95. As turmas observadas, perfizeram um total de 50 alunos, que possuíam apenas uma característica em comum: não tinham nenhuma experiência anterior com sistemas operacionais de 32 bits. O presente estudo baseou sua mensuração no tempo de execução de uma tarefa, avaliando o desempenho de três categorias de usuários, durante a execução de uma tarefa padronizada. Apesar de grande parte dos estudos visando a avaliação de interfaces adotarem uma abordagem reducionista (Kieras, 1988; Card, Moran e Newell,1980; Shneiderman,1992; Preece, 1993), a metodologia escolhida privilegiou uma estratégia holística, baseando-se na estratégia adotada por Whiteside et al. (1989), devido à evidente complexidade das variáveis envolvidas no processo de interação homem-máquina. Desta forma, o processo foi avaliado como um todo, levando em consideração tanto as variáveis inerentes ao processo quanto as inferências envolvidas nas etapas do aprendizado. 2.1 Procedimentos da Observação A estratégia adotada teve como ponto de partida a aplicação de questionários, seguidos da observação da turma durante os três dias de aula, e só então no último dia é aplicado o exercício. Vale ressaltar, que durante o curso os alunos são instruídos sobre todas as ferramentas, conceitos e princípios contidos no sistema operacional em questão, de forma que possam ser esclarecidas todas as dúvidas, inclusive através da aplicação de alguns exercícios acompanhados pelo instrutor. Contudo, durante a aplicação do exercício final os alunos são instruídos a executarem a tarefa sózinhos e só procurarem a ajuda do instrutor se forem absolutamente incapazes de executar a tarefa sem ajuda. As sessões do exercício final têm aproximadamente 45 minutos de duração e durante todo o período os alunos são cronometrados. O questionário foi construído com perguntas abertas e fechadas, que determinavam a estratificação da amostra por idade, instrução e qual a categoria do usuário de acordo com sua experiência anterior. Os resultados relacionados com a experiência do usuário foram interpretados segundo a categorização de Shneiderman (1992), como descrevemos a seguir:

3 Usuários Novatos Fazem parte de uma categoria que utiliza o computador pela primeira vez ou possui uma experiência mínima (menos de 6 meses). A estes usuários não é atribuído nenhum conhecimento sintático sobre o uso do sistema e nenhum ou pouquíssimo conhecimento semântico dos conceitos computacionais. Usuários Intermitentes Pertencem a uma classe de usuários que já possuem alguma experiência com computador, podem conhecer de forma superficial muitos sistemas, ou programas, ou até utilizam o sistema há pouco tempo e com uma freqüência pequena. Esses usuários podem dominar o conhecimento semântico da tarefa e dos conceitos computacionais, mas têm dificuldade de absorver o conhecimento sintático. Usuário Experiente Faz parte de um grupo de usuários bastante familiarizados com os conceitos sintáticos e semânticos do programa. Não sentem medo de investigar e experientar um novo programa e/ou sistema. Tais usuários apresentam menos dificuldades com o conhecimento sintático, mas como este é dependente da máquina, pode gerar problemas como confusão entre os conceitos sintáticos dos diversos sistemas e/ou programas. Procedimentos de Avaliação Com o intuito de avaliar a dimensão do aprendizado na execução da tarefa e o desempenho dos usuários foram adotadas duas estratégias para a medição do tempo. A primeira estratégia buscou a dimensão do tempo de execução da tarefa, e a dimensão do tempo na avaliação do desempenho. O desempenho, por sua vez, foi classificado em Muito Bom, Bom, Regular, Fraco e Deficiente, e é considerado regular quando determinado pelo intervalo de tempo que se enquadra na média de tempo de execução da tarefa para cada categoria. Portanto, os valores arbitrados para cada categorização de desempenho mudam de acordo com as categorias, devido às mudanças apresentadas pelas médias de tempo. Por exemplo, se a média apresentada pelos usuários experientes for de 16 minutos, esse será o desempenho regular. 2.2 Dimensão do Tempo da Tarefa Para se determinar o tempo de execução da tarefa, sem a influência dos fatores aprendizado e experiência, foram cronometrados 15 usuários experientes, que possuíam habilidade no uso do Windows 95, para se ter idéia do tempo da tarefa e com isto definiu-se quanto tempo é necessário para se executar a tarefa para um usuário experiente que já conhecia o sistema operacional.

4 O tempo médio dos usuários experientes e especialistas em Windows 95, na execução da tarefa, é igual a 5,19 minutos, com um desvio padrão igual a 1,68. Portanto, o tempo adotado como tempo de execução da tarefa é 5,19 minutos. 3 - Resultados 3.1 Resultados Quantitativos Cada categoria de usuário possui um perfil que deve ser cuidadosamente observado para efetuar uma avaliação. Nesse sentido foi realizada uma estratificação empírica da amostra, baseada no questionário aplicado no início do curso, para categorizar os usuários em novatos, intermitentes e experientes. Cada uma dessas categorias possui a sua própria dimensão de tempo devido à grande influência da experiência no desempenho dos usuários. Portanto, foi utilizado o tempo médio de execução da tarefa em cada categoria para se ter um parâmetro de avaliação do desempenho. Esse método foi adotado devido à evidente diversidade entre as categorias, que se fossem comparadas entre si só determinariam o reflexo óbvio dos níveis de experiência na velocidade de desempenho. Os tempos médios encontrados para cada categoria foram: - Tempo Médio dos Usuários Novatos: 34,3 minutos; - Tempo Médio dos Usuários Intermitentes: 27,6 minutos; - Tempo Médio dos Usuários Experientes: 16,6 minutos. A partir dos tempos médios de execução da tarefa para cada categoria, foram encontrados os seguintes resultados: Usuários Novatos - 13% tiveram um desempenho muito bom e realizaram a tarefa entre 15 e 25 min; - 50% tiveram um desempenho bom e completaram a tarefa entre 25 e 35 min; - 25% tiveram um desempenho regular e efetuaram a tarefa entre 35 e 45 min; - 6% tiveram um desempenho fraco e completaram a tarefa entre 45 e 55 min; - 6% tiveram um desempenho deficiente e realizaram a tarefa entre 55 e 65 min; Usuários Intermitentes - -14% tiveram um desempenho muito bom e efetuaram a tarefa entre 5 e 15 min; -27% tiveram um desempenho bom e realizaram a tarefa entre 15 e 25 min; -27% tiveram um desempenho regular e completaram a tarefa entre 25 e 35 min; -23% tiveram um desempenho fraco e efetuaram a tarefa entre 35 e 45 min; -9% tiveram um desempenho deficiente e completaram a tarefa entre 45 e 55 min; - Usuários Experientes % tiveram um desempenho bom e executaram a tarefa entre 5 e 15 min; - 37% tiveram um desempenho regular e completaram a tarefa entre 15 e 25 min.; - 16% tiveram um desempenho fraco e realizaram a tarefa entre 25 e 35 min.

5 3.2 Resultados Qualitativos O comportamento dos usuários foi observado durante todo o curso, com o intuito de identificar as principais dificuldades enfrentadas pelos usuários no processo de interação. Essas dificuldades foram identificadas e classificadas em 5 categorias, baseadas na definição de alguns conceitos, princípios e guidelines descritos por Wolf (1989), Apple Computer (1992) e Grudin (1989): - Inconsistência Através do Tempo - Apesar de o Windows 95 ser considerado, pelo seu próprio fabricante, um upgrade do sistema operacional Dos/Windows, foram identificados alguns problemas denominados, segundo Wolf (1989), de problemas na consistência através dos aplicativos. Esses conflitos de interpretação foram provocados por diferenças sutis na função de alguns comandos e na execução de tarefas básicas entre os dois sistemas e envolveram exclusivamente usuários experientes e intermitentes. - Inconsistência Interna do Projeto da GUI - A interface do Windows 95 embute um novo conceito de lixeira reciclável dentro de sua interface que aciona uma função delicada do sistema. Esse novo conceito possui comportamentos distintos quando trabalha com arquivos de disco rígido e arquivos de diskete. Isto é, quando o arquivo está no disco rígido ele, mesmo depois de deletado, permanece na lixeira reciclável até que o usuário limpe a lixeira, porém, no caso de arquivo de diskete, o arquivo é realmente deletado. Contudo, o usuário, devido a ausência de feedback do sistema, só percebe que aconteceu alguma coisa errada quando não há mais nada a fazer. Esse problema atingiu todas as turmas e todas as categorias de usuários. - Ausência de Feedback do Sistema - Algumas funções oferecidas pelo Windows 95 provocam resultados imprevisíveis e perigosos devido a ausência de feedback do sistema sobre os riscos envolvidos na operação. Esses problemas foram percebidos em todas as categorias de usuários e foram identificados em várias funções do sistema. - Mensagens Obscuras - As mensagens de ajuda do sistema, quando acionadas pelo mouse, são mal interpretadas pelos usuários, porque ela se divide em duas etapas, uma inicial, que faz uma pergunta, e a seguinte, que responde a essa pergunta. Os usuários, na sua maioria novatos com pouca habilidade com o mouse, acionavam o comando pelo mouse acidentalmente e interpretavam a pergunta na tela como um questionamento vago do sistema. - Inconsistência Procedural - O Windows 95 adota um método de interação através do botão direito do mouse, que é pouco desenvolvido pelos usuários de forma geral. Os usuários experientes e intermitentes apresentaram problemas no acionamento dos comandos, por confundirem qual botão deveria ser acionado. No caso dos usuários novatos, o problema apresentou uma amplitude maior porque o aprendizado procedural, ao qual eles deviam se submeter, era mais complexo do que o anterior.

6 - Inconsistência Proposicional - A modificação no formato de execução de alguns procedimentos e a inclusão de novos formatos com o mesmo objetivo confundem o usuário e o induz ao erro, porque o usuário normalmente faz inferências baseadas em sua experiência anterior para executar uma determinada ação no sistema. 4 -Conclusões A partir das hipóteses formuladas e dos dados coletados podemos concluir que a primeira hipótese foi comprovada segundo os dados de desempenho dos usuários novatos e experientes. A segunda hipótese, no entanto, não pôde ser comprovada através dos dados coletados, apesar do desempenho dos usuários intermitentes ter demonstrado indícios da existência de algum problema que prejudica a interação com o sistema. Esse fato identifica que o estudo do comportamento dos usuários intermitentes merece um trabalho mais profundo, envolvendo ferramentas de gravação por software na coleta de dados. Contudo podemos conjecturar que o desempenho fraco dos usuários intermitentes está relacionado a dificuldade na busca pelos comandos e funções oferecidas pelo sistema, supostamente ocasionada pela mudança na forma sintática e semântica dos comandos do Windows 3.11 e Windows 95. Tomando como base os custos cognitivos e afetivos envolvidos, podemos dizer que a interface do Windows 95 possui algumas qualidades e alguns problemas. As qualidades refletem-se na adoção da manipulação direta como processo de interação, o uso de ícones com suporte textual, o uso de efeitos de animação durante o feedback de comandos, provocando uma reação positiva nos usuários. No entanto, os custos cognitivos tiveram um aumento significativo com o uso do botão direito do mouse, criação de duas funções para a visualização do sistema, modificação completa do desenho de interface promovida entre as versões do Windows 3.11 e Windows 95, dificultando o processo de execução da tarefa e inibindo os usuários a utilizarem os métodos de aprendizado prediletos, a exploração do sistema e o método de tentativa e erro. Desta forma, concluímos que talvez a adoção de uma solução mais adequada, que levasse em consideração a experiência anterior dos usuários, transformando a interface gradativamente entre as versões, talvez pudesse evitar o forte impacto sentido pelos usuários intermitentes e experientes. E permitiria que o produto fosse aceito de forma mais rápida pelo mercado. Este trabalho é um resumo da tese de mestrado Avaliação da Interface Gráfica com o Usuário de um Sistema Operacional de 32 bits Segundo a Facilidade de Aprendizado, defendida na COOPE / UFRJ, na Área de Engenharia de Produção, em Setembro de 1996.

7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APPLE COMPUTER. Macintosh Human Interface Guidelines, Apple Computer Inc. Massachusets, Addison Wesley, Waltham, p. CARD, S. K., MORAN, T. P., NEWELL, A.The Keystroke Level Model for User Performance Time with Interactive Systems. Communications of the ACM, New York, 23 (7): , Julho, GRUDIN, J.,1989, The Case Against User Interface Consistency. Communications of the ACM, New York, 32 (10) : , Outubro INTERNATIONAL BUSINESS MACHINES, System Application Architecture. Common User Access, Basic Interface Design Guide, SC , IBM, p. KIERAS, D. E. Towards a Practical GOMS Model Methodology for User Interface Design. In: Handbook of Human Computer Interaction, M. Hellander ( ed.) Elsevier Science B.V. (North-Holland) p LINTHICUM,D.S. How Best to Migrate to Windows 95. Byte Magazine, New Jersey, (7): 51-54, Julho, PREECE, J. A Guide to Usability: Human Factors in Computing. Massachusetts, Addison - Wesley Publishing Company, p. SHNEIDERMAN, B. Designing the User Interface: Strategies for Effective Human Computer Interaction. Massachusets, Addison -Wesley Publishing Company, p. WHITESIDE, J., JONES, S., LEVY, P. S., WIXON, D. User Performance with Command, Menu and Iconic Interfaces; In: CHI'85 Human Factors in Computing Systems, San Francisco, 1985.Proceedings. New York, ACM, p WOLF, R. Consistency as Process. Coordinating User Interfaces for Consistency, Academic Press, New York, p

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Engenharia Cognitiva e Semiótica Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Conteúdo Engenharia Cognitiva Fundamentos

Leia mais

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Formosa Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Prof. M.Sc. Victor Hugo Lázaro Lopes IHC Paradigmas de IHC AGENDA Engenharia Cognitiva

Leia mais

Desenvolvimento de Interfaces Prototipação

Desenvolvimento de Interfaces Prototipação Autarquia Educacional do Vale do São Francisco AEVSF Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina - FACAPE Centro de Engenharia e Ciências Tecnológicas CECT Curso de Ciência da Computação Desenvolvimento

Leia mais

Modelos do Design de Software

Modelos do Design de Software Modelos do Design de Software Modelos do Design de Software O processo de design na Engenharia de Software parte de três pressupostos básicos: O resultado do design é um produto; O produto é derivado de

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000)

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Usabilidade e Ergonomia Usabilidade de Software INF01043 Interação Homem-Computador 2006/2 Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Ergonomics (or human factors) is the scientific discipline

Leia mais

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO PELA SOFTHOUSE

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO PELA SOFTHOUSE SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO PELA SOFTHOUSE Marcelo Pereira Barbosa Email: mpbbarbosa@bol.com.br Vínculo: Professor da Escola Técnica Estadual "Lauro Gomes"

Leia mais

PERFIL DE ESCOLAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DO CICLO II A RESPEITO DO USO DE RECURSOS DE INFORMÁTICA PELO PROFESSOR PARA AUXÍLIO DA APRENDIZAGEM DO ALUNO

PERFIL DE ESCOLAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DO CICLO II A RESPEITO DO USO DE RECURSOS DE INFORMÁTICA PELO PROFESSOR PARA AUXÍLIO DA APRENDIZAGEM DO ALUNO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

Curso: Operador de Computador - PRONATEC. Prof.: Roberto Franciscatto. S.O. Windows Seven Gerenciamento Básico

Curso: Operador de Computador - PRONATEC. Prof.: Roberto Franciscatto. S.O. Windows Seven Gerenciamento Básico Sistemas Operacionais Curso: Operador de Computador - PRONATEC Prof.: Roberto Franciscatto S.O. Windows Seven Gerenciamento Básico Introdução Quem é este que vos fala? O por que desta disciplina no curso?

Leia mais

Pastas São indicadas pelo ícone correspondente a uma pasta suspensa.

Pastas São indicadas pelo ícone correspondente a uma pasta suspensa. Janela do Windows Explorer Logo abaixo dos componentes que já conhecemos (barra de título, barra de menus e barra de ferramentas), existe uma divisão vertical, é a exibição de todas as pastas. Modos de

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS Dr. André Ricardo Magalhães andrerm@gmail.com Universidade do Estado da Bahia Brasil Modalidade: Comunicação Breve Nível

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Ivanovitch Medeiros Dantas da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação DCA0800 - Algoritmos e

Leia mais

CLUBE DE PROGRAMAÇÃO NAS ESCOLAS: NOVAS ERSPECTIVAS PARA O ENSINO DA COMPUTAÇÃO. IF Farroupilha Campus Santo Augusto; e-mail: joaowinck@hotmail.

CLUBE DE PROGRAMAÇÃO NAS ESCOLAS: NOVAS ERSPECTIVAS PARA O ENSINO DA COMPUTAÇÃO. IF Farroupilha Campus Santo Augusto; e-mail: joaowinck@hotmail. CLUBE DE PROGRAMAÇÃO NAS ESCOLAS: NOVAS ERSPECTIVAS PARA O ENSINO DA COMPUTAÇÃO WINCK, João Aloísio 1 RISKE, Marcelo Augusto 2 AVOZANI, Mariel 3 CAMBRAIA, Adão Caron 4 FINK, Marcia 5 1 IF Farroupilha Campus

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

INF2135 Processos e Ambientes de Engenharia de Software

INF2135 Processos e Ambientes de Engenharia de Software INF2135 Processos e Ambientes de Engenharia de Software Arndt von Staa arndt at inf.puc-rio.br Departamento de Informática 2014/1 site: www.inf.puc-rio.br/~inf2135 Objetivo Capacitar os alunos a avaliar,

Leia mais

Iniciação à Informática

Iniciação à Informática Meu computador e Windows Explorer Justificativa Toda informação ou dado trabalhado no computador, quando armazenado em uma unidade de disco, transforma-se em um arquivo. Saber manipular os arquivos através

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada SO Windows Aula 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 APRESENTAÇÃO Todo computador precisa de um sistema operacional. O Windows

Leia mais

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010 Tutorial do Iniciante Excel Básico 2010 O QUE HÁ DE NOVO O Microsoft Excel 2010 é um programa de edição de planilhas eletrônicas muito usado no mercado de trabalho para realizar diversas funções como;

Leia mais

Identificação dos papeis de usuários

Identificação dos papeis de usuários Análise de usuário e tarefas Análise de usuários Identificação dos papeis de usuários Conhecer as diferentes funções que cada usuário deverá ter no sistema Cada papel possui um conjunto de tarefas Definir

Leia mais

Tipo de raciocínio - Indutivo. Método de Pesquisa (continuação) Tipo de raciocínio - Indutivo

Tipo de raciocínio - Indutivo. Método de Pesquisa (continuação) Tipo de raciocínio - Indutivo Tipo de raciocínio - Indutivo Método de Pesquisa (continuação) Analisa-se um aspecto particular e se procura gerar proposições teóricas a partir dos dados (May,2004). A teoria se forma a partir da observação

Leia mais

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA Aula 7 SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA META Discutir a utilização de softwares no ensino de Química. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Através da utilização do software carbópolis,

Leia mais

Apresento a resolução da prova para Agente da Polícia Federal. Observe as possibilidades de recurso que anotei nas questões.

Apresento a resolução da prova para Agente da Polícia Federal. Observe as possibilidades de recurso que anotei nas questões. Olá, pessoal, Apresento a resolução da prova para Agente da Polícia Federal. Observe as possibilidades de recurso que anotei nas questões. Para proferir uma palestra acerca de crime organizado, um agente

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO 18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO Autor(es) MARINA CALÇA Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS

Leia mais

Curso: Operador de Computador - PRONATEC. Prof.: Roberto Franciscatto. S.O. Windows Seven Gerenciamento Básico

Curso: Operador de Computador - PRONATEC. Prof.: Roberto Franciscatto. S.O. Windows Seven Gerenciamento Básico Sistemas Operacionais Curso: Operador de Computador - PRONATEC Prof.: Roberto Franciscatto S.O. Windows Seven Gerenciamento Básico Introdução Quem é este que vos fala? O por que desta disciplina no curso?

Leia mais

QUESTÕES SOBRE WINDOWS 7

QUESTÕES SOBRE WINDOWS 7 Informática Windows 7 QUESTÕES SOBRE WINDOWS 7 1) Considerando a figura exibida acima, ao repousar o ponteiro do mouse sobre o ícone doword, aparecerão três miniaturas, representando arquivos desse programa

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

IHM Interface Humano-Máquina

IHM Interface Humano-Máquina A IHM Interface Humano-Máquina Prof. Dra. Sílvia Dotta Aula 1 - Introdução Roteirodaaula Apresentação da disciplina Motivação, Objetivos Metodologia de ensino Introdução e conceituação de IHM Histórico

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT Silmara Alexandra da Silva Vicente Universidade Presbiteriana Mackenzie Gisela Hernandes Gomes Universidade Presbiteriana

Leia mais

Disciplina: Introdução à informática Profª Érica Barcelos

Disciplina: Introdução à informática Profª Érica Barcelos Disciplina: Introdução à informática Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 3 1. ARQUITETURA DO COMPUTAÇÃO- SOFTWARE Vimos nos capítulos anteriores que durante muitas décadas vários projetos foram realizados para

Leia mais

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix.

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix. UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas Prof.Marcelo Nogueira Análise Essencial de Sistemas 1 Introdução A produção de Software é uma atividade build and fix. Análise Essencial de Sistemas

Leia mais

ENSINO PARA A PRÁTICA DE PROJETO DE ESTRUTURAS

ENSINO PARA A PRÁTICA DE PROJETO DE ESTRUTURAS ENSINO PARA A PRÁTICA DE PROJETO DE ESTRUTURAS Henrique Innecco Longo hlongo@civil.ee.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Escola de Engenharia Rua Brigadeiro Trompowsky s/n, Centro de

Leia mais

Capítulo 3. Avaliação de Desempenho. 3.1 Definição de Desempenho

Capítulo 3. Avaliação de Desempenho. 3.1 Definição de Desempenho 20 Capítulo 3 Avaliação de Desempenho Este capítulo aborda como medir, informar e documentar aspectos relativos ao desempenho de um computador. Além disso, descreve os principais fatores que influenciam

Leia mais

Pontos de Função. André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos. Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS

Pontos de Função. André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos. Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS Pontos de Função André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS Roteiro Introdução Métricas de Projeto Análise de Pontos de Função

Leia mais

Autor(es) TIAGO CINTO. Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução

Autor(es) TIAGO CINTO. Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica MODULO DE GERÊNCIA DE INTERFACES COM O USUÁRIO: ESTUDO, DEFINIÇÃO E ELABORAÇÃO DE INTERFACES INTELIGENTES PARA A FERRAMENTA KIRA Autor(es) TIAGO CINTO Orientador(es)

Leia mais

O Inicio TODAS AS VERSÕES DO WINDOWS. O que era o MS-DOS? Como funcionava o MS-DOS? 26/09/2015

O Inicio TODAS AS VERSÕES DO WINDOWS. O que era o MS-DOS? Como funcionava o MS-DOS? 26/09/2015 O Inicio TODAS AS VERSÕES DO WINDOWS Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br Também temos ciência de que as primeiras versões do Windows não passavam de uma interface gráfica

Leia mais

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito 1. INTRODUÇÃO O setor de energia sofreu, nos últimos anos, importantes modificações que aumentaram sua complexidade. Para trabalhar

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 201 Ensino Técnico ETEC DR. FRANCISCO NOGUEIRA DE LIMA Código: 0059 Município: Casa Branca Área Profissional: Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional:

Leia mais

E-learning para servidores públicos de nível médio

E-learning para servidores públicos de nível médio 554.ART 04 24.06.05 19:13 Page 113 E-Learning para servidores públicos de nível médio E-learning para servidores públicos de nível médio Silvio Miyazaki* Marcelo Amaral Gonçalves de Mendonça** RESUMO Analisar

Leia mais

Tema: Por que estudar IHC (Interação Humano Computador)?

Tema: Por que estudar IHC (Interação Humano Computador)? Profa. Tatiana Aires Tavares tatiana@lavid.ufpb.br Tema: Por que estudar IHC (Interação Humano Computador)? Criar desejos... Resolver problemas do nosso dia-a-dia Facilitar a vida da gente Tornar possível...

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 05/2005 137-TC-C5 Sergio Ferreira do Amaral Faculdade de Educação da UNICAMP

Leia mais

Shop Control 8. Alteração. Manual SPED. Bematech

Shop Control 8. Alteração. Manual SPED. Bematech Shop Control 8 Alteração Manual Driver USB SPED Bematech PIS / COFINS IdealSoft Março / 2012 Informações Gerais Nova DLL Em virtude da adequação do Shop Control 8 Fiscal aos novos computadores do mercado

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

O computador. Sistema Operacional

O computador. Sistema Operacional O computador O computador é uma máquina desenvolvida para facilitar a vida do ser humano, principalmente nos trabalhos do dia-a-dia. É composto basicamente por duas partes o hardware e o software. Uma

Leia mais

Avaliação de Interfaces de Ferramentas Computacionais para o Ensino de Estruturas de Dados e Algoritmos em Grafos: Heurísticas de Usabilidade *

Avaliação de Interfaces de Ferramentas Computacionais para o Ensino de Estruturas de Dados e Algoritmos em Grafos: Heurísticas de Usabilidade * Avaliação de Interfaces de Ferramentas Computacionais para o Ensino de Estruturas de Dados e Algoritmos em Grafos: Heurísticas de Usabilidade * Rodrigo Pereira dos Santos 1, Heitor Augustus Xavier Costa

Leia mais

Interface Homem- Computador

Interface Homem- Computador Interface Homem- Computador (IHC) Profª. Leticia Lopes Leite Software Educacional I Interface Deve ser entendida como sendo a parte de um sistema computacional com a qual uma pessoa entra em contato física,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Texto Técnico 005/2013 TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Parte 05 0 Vamos finalizar o tema Trabalho com Grandes Montagens apresentando os melhores recursos e configurações de hardware para otimizar a abertura

Leia mais

Interação Humano Computador IHC

Interação Humano Computador IHC Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação IHC Prof. Jorge Cavalcanti Jorge.cavalcanti@univast.edu.br www.twitter.com/jorgecav Informações Gerais da Disciplina

Leia mais

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Guia Fundamental para Gestão de Qualidade em Serviços Objetivo Capacitar os participantes a interpretarem os requisitos da Norma ISO 9001:2008, relacionados aos

Leia mais

Apresentando o GNOME. Arlindo Pereira arlindo.pereira@uniriotec.br

Apresentando o GNOME. Arlindo Pereira arlindo.pereira@uniriotec.br Apresentando o GNOME Arlindo Pereira arlindo.pereira@uniriotec.br O que é o GNOME? GNOME é um ambiente desktop - a interface gráfica de usuário que roda sobre um sistema operacional - composta inteiramente

Leia mais

Área de Trabalho. Encontramos: Ìcones Botão Iniciar Barra de Tarefas

Área de Trabalho. Encontramos: Ìcones Botão Iniciar Barra de Tarefas Inicialização Tela de Logon Área de Trabalho Encontramos: Ìcones Botão Iniciar Barra de Tarefas Área de Trabalho Atalhos de Teclados Win + D = Mostrar Área de trabalho Win + M = Minimizar Tudo Win + R

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel *

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * material do 2010* 1.0 Introdução O Excel nos ajuda a compreender melhor os dados graças à sua organização em células (organizadas em linhas e colunas) e ao uso

Leia mais

1. Introdução. Avaliação de Usabilidade Página 1

1. Introdução. Avaliação de Usabilidade Página 1 1. Introdução Avaliação de Usabilidade Página 1 Os procedimentos da Avaliação Heurística correspondem às quatro fases abaixo e no final é apresentado como resultado, uma lista de problemas de usabilidade,

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST.

Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST. Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST. Um software deve ser projetado para simplificar tarefas e criar experiências positivas para

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD

CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Turismo Pós-Graduação em Gestão de Negócios CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD EMENTA

Leia mais

Sistemas Operacionais. Conceitos de um Sistema Operacional

Sistemas Operacionais. Conceitos de um Sistema Operacional Sistemas Operacionais Conceitos de um Sistema Operacional Modo usuário e Modo Kernel Como já vimos são ambientes de execução diferentes no processador Há um conjunto de funções privilegiadas acessadas

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

1 ACESSO AO PORTAL UNIVERSITÁRIO 3 3 PLANO DE ENSINO 6 4 AULAS 7 5 AVALIAÇÃO E EXERCÍCIO 9 6 ENQUETES 12 7 QUADRO DE AVISOS 14

1 ACESSO AO PORTAL UNIVERSITÁRIO 3 3 PLANO DE ENSINO 6 4 AULAS 7 5 AVALIAÇÃO E EXERCÍCIO 9 6 ENQUETES 12 7 QUADRO DE AVISOS 14 portal@up.com.br Apresentação Este manual contém informações básicas, e tem como objetivo mostrar a você, aluno, como utilizar as ferramentas do Portal Universitário e, portanto, não trata de todos os

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

Manual de instalação e configuração

Manual de instalação e configuração SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CAMPUS SÃO BORJA Manual de instalação e configuração Autores Claiton Marques

Leia mais

Estatística Aplicada. Gestão de TI. Evanivaldo Castro Silva Júnior

Estatística Aplicada. Gestão de TI. Evanivaldo Castro Silva Júnior Gestão de TI Evanivaldo Castro Silva Júnior Porque estudar Estatística em um curso de Gestão de TI? TI trabalha com dados Geralmente grandes bases de dados Com grande variabilidade Difícil manipulação,

Leia mais

UM MÓDULO DE ATIVIDADES PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DAS FÓRMULAS DE ÁREA DOS PRINCIPAIS POLÍGONOS CONVEXOS

UM MÓDULO DE ATIVIDADES PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DAS FÓRMULAS DE ÁREA DOS PRINCIPAIS POLÍGONOS CONVEXOS UM MÓDULO DE ATIVIDADES PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DAS FÓRMULAS DE ÁREA DOS PRINCIPAIS POLÍGONOS CONVEXOS Cristiane Fernandes de Souza, Ms. UFRN cristianesouza.fernandes@bol.com.br Introdução O estudo

Leia mais

Aula 1 Introdução ao Word 2013

Aula 1 Introdução ao Word 2013 O que é o curso? Nove em cada dez empresas utilizam o Microsoft Word para diversas funções, seja para digitarmos simples documentos, ou para digitarmos grandes contratos empresariais. É fundamental o aprendizado

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA MULTIMIDIA PARA O ENSINO DEDINÂMICA DE MÚLTIPLOS CORPOS

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA MULTIMIDIA PARA O ENSINO DEDINÂMICA DE MÚLTIPLOS CORPOS DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA MULTIMIDIA PARA O ENSINO DEDINÂMICA DE MÚLTIPLOS CORPOS Ilmar Ferreira Santos Rodrigo Fernandes de Carvalho UNICAMP - Faculdade de Engenharia Mecânica Departamento de Projeto

Leia mais

Aplicação do Software GeoGebra no ensino de Funções

Aplicação do Software GeoGebra no ensino de Funções Ricardo Antonio Faustino da Silva Braz Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA Brasil ricardobraz@ufersa.edu.br Jean Michel Moura Bezerra Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA Brasil

Leia mais

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes Montagem e Manutenção Luís Guilherme A. Pontes Introdução Qual é a importância da Montagem e Manutenção de Computadores? Sistema Binário Sistema Binário Existem duas maneiras de se trabalhar e armazenar

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

Status. Barra de Título. Barra de Menu. Barra de. Ferramentas Padrão. Caixa de nomes. Barra de. Ferramentas de Formatação. Indicadores de Coluna

Status. Barra de Título. Barra de Menu. Barra de. Ferramentas Padrão. Caixa de nomes. Barra de. Ferramentas de Formatação. Indicadores de Coluna O que é uma planilha eletrônica? É um aplicativo que oferece recursos para manipular dados organizados em tabelas. A partir deles pode-se gerar gráficos facilitando a análise e interpretação dos dados

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE Síntese de tópicos importantes PRESSMAN, Roger S. Conteúdo Componentes e tipos de software Problemas com o software e suas causas Mitologia que envolve o software Configuração de

Leia mais

Investigação experimental

Investigação experimental Investigação experimental Aproximação positivista Experiências laboratoriais: identificação de relações exactas entre as variáveis escolhidas num ambiente controlado (laboratório) através do uso de técnicas

Leia mais

O ALUNO CEGO NO CONTEXTO DA INCLUSÃO ESCOLAR: OS DESAFIOS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA RESUMO

O ALUNO CEGO NO CONTEXTO DA INCLUSÃO ESCOLAR: OS DESAFIOS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA RESUMO O ALUNO CEGO NO CONTEXTO DA INCLUSÃO ESCOLAR: OS DESAFIOS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA RESUMO Edinéia Terezinha de Jesus Miranda PPGEC - UNESP/Bauru Neia.terezinha@gmail.com Nesse

Leia mais

EssentialPIM: Organize sua vida sem gastar nada! 01. Start menu program group Desktop icon Quick launch icon 02.

EssentialPIM: Organize sua vida sem gastar nada! 01. Start menu program group Desktop icon Quick launch icon 02. EssentialPIM: Organize sua vida sem gastar nada! Hoje em dia, os computadores realmente são multitarefa (podem executar mais de um programa ao mesmo tempo), só que nós normalmente também temos que ser.

Leia mais

Manual do Usuário. SCA - Sistema de Controle de Acesso

Manual do Usuário. SCA - Sistema de Controle de Acesso Manual do Usuário SCA - Sistema de Controle de Acesso Equipe-documentacao@procergs.rs.gov.br Data: Julho/2012 Este documento foi produzido por Praça dos Açorianos, s/n CEP 90010-340 Porto Alegre, RS (51)

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO DE DISCIPLINA / CRÉDITO RESUMO INTRODUTÓRIO

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO DE DISCIPLINA / CRÉDITO RESUMO INTRODUTÓRIO ORGANIZAÇÃO DO ENSINO DE DISCIPLINA / CRÉDITO RESUMO INTRODUTÓRIO Roberto Leal Lobo e Silva Filho A organização do ensino de uma disciplina específica dentro de um currículo de graduação vai depender,

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura de um Sistema Operacional Basicamente dividido em shell é a interface entre o usuário e o sistema operacional é um interpretador de comandos possui embutido

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

O sistema está pedindo que eu faça meu login novamente e diz que minha sessão expirou. O que isso significa?

O sistema está pedindo que eu faça meu login novamente e diz que minha sessão expirou. O que isso significa? Que tipo de navegadores são suportados? Preciso permitir 'cookies' O que são 'cookies' da sessão? O sistema está pedindo que eu faça meu login novamente e diz que minha sessão expirou. O que isso significa?

Leia mais

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES Rogério Sousa AZEVEDO (1); Iara M Cavalcante NOLETO (2) (1 e 2) Instituto Federal de

Leia mais

Prof. Marcelo Henrique dos Santos

Prof. Marcelo Henrique dos Santos ORIENTAÇÃO A OBJETOS COM PROTOTIPAÇÃO CAPÍTULO 02 CONCEITOS FUNDAMENTAIS OBJETIVOS Definiremos alguns conceitos fundamentais de forma a não deixar dúvidas básicas ou interpretações que nos coloquem em

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Conceito de Computador Um computador digital é

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2 Na aula anterior, vimos sobre: a) Janela de comando b) Gerenciador de Projetos c) Database Designer e Table Designer Prosseguiremos então a conhecer as ferramentas

Leia mais

Microsoft Office PowerPoint 2007

Microsoft Office PowerPoint 2007 INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007 O Microsoft Office PowerPoint 2007 é um programa destinado à criação de apresentação através de Slides. A apresentação é um conjunto de Sides que são exibidos em

Leia mais