AVALIAÇÃO DA INTERFACE GRÁFICA COM O USUÁRIO DE UM SISTEMA OPERACIONAL DE 32 BITS SEGUNDO A FACILIDADE DE APRENDIZADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DA INTERFACE GRÁFICA COM O USUÁRIO DE UM SISTEMA OPERACIONAL DE 32 BITS SEGUNDO A FACILIDADE DE APRENDIZADO"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DA INTERFACE GRÁFICA COM O USUÁRIO DE UM SISTEMA OPERACIONAL DE 32 BITS SEGUNDO A FACILIDADE DE APRENDIZADO Inês Maria Silva Maciel UFRJ / COPPE - Coordenação dos Programas de Pós-graduação em Engenharia Av. Brigadeiro Trompowsky s/n o Ilha do Fundão - CT - Bloco G - sala G-207 The objective of this study is demonstrate what dimension of impact of new system in a certain user group, stimulated by changes in dialogue structure of a GUI- Graphical User Interface, that occured between different versions of a operation system. This observation was done in a real situation of learning, during the professional capacitation course in a educational foundation of government of state of Rio de Janeiro. These observations was done in the period of April / August 96 with nine (9) groups of students. The students groups was stratificated in thre categories: expert, intermittent and novice users. And the performance of each categorie was evaluated based in time of execution of certain task. The results of this observation showed that the Windows 95 GUI increased the cognitive and affective costs of all categories of users during the course. And was noted a greated effect of this costs in intermittent users, which had the worse performance in all categories of users. These conclusions intended understand which influences of knowledge transfer in learning process and what dimension of levels of user experience in learning process. Keywords: Human - Computer interaction, Cognitive Ergonomics, Human Factors in Computing Systems 1 - Apresentação Este estudo efetua uma avaliação da interface gráfica com o usuário de um sistema operacional de 32 bits, segundo o aspecto da facilidade de aprendizado. O objetivo da pesquisa é demonstrar a dimensão do impacto de um novo sistema junto à uma população de usuários, provocado pelas mudanças na estrutura de diálogo de uma GUI - Graphical User Interface, ocorrida entre as versões de um sistema operacional. Com este intuito, foi efetuada uma mensuração do tempo de execução de uma tarefa, em três categorias de usuários, buscando comprovar as seguintes hipóteses: O usuário com pouco ou nenhum conhecimento dos conceitos computacionais terá muito mais dificuldade de aprender um sistema operacional do que um usuário com um bom conhecimento dos conceitos computacionais. O usuário com um pequeno conhecimento dos conceitos computacionais terá mais dificuldade de aprender um sistema que utilize novos conceitos, do que um usuário sem experiência e que desconheça os conceitos computacionais.

2 Desta forma, o estudo busca a verificação da existência de uma correlação entre a experiência anterior do usuário e a facilidade de aprendizado, através do tempo gasto na realização de uma tarefa. 2 - Metodologia O sistema operacional escolhido como objeto de estudo foi o Windows 95, considerado um produto de destaque no mercado e que pertence a uma nova geração de sistemas operacionais com características multitarefa, interface orientada a objeto etc.. (Linthicum, 1995) A pesquisa foi realizada em uma situação real de aprendizado, durante um curso de capacitação profissional oferecido por uma fundação educacional do governo do estado do Rio de Janeiro, no período de Abril/Agosto de 1996, em oito turmas de Windows 95. As turmas observadas, perfizeram um total de 50 alunos, que possuíam apenas uma característica em comum: não tinham nenhuma experiência anterior com sistemas operacionais de 32 bits. O presente estudo baseou sua mensuração no tempo de execução de uma tarefa, avaliando o desempenho de três categorias de usuários, durante a execução de uma tarefa padronizada. Apesar de grande parte dos estudos visando a avaliação de interfaces adotarem uma abordagem reducionista (Kieras, 1988; Card, Moran e Newell,1980; Shneiderman,1992; Preece, 1993), a metodologia escolhida privilegiou uma estratégia holística, baseando-se na estratégia adotada por Whiteside et al. (1989), devido à evidente complexidade das variáveis envolvidas no processo de interação homem-máquina. Desta forma, o processo foi avaliado como um todo, levando em consideração tanto as variáveis inerentes ao processo quanto as inferências envolvidas nas etapas do aprendizado. 2.1 Procedimentos da Observação A estratégia adotada teve como ponto de partida a aplicação de questionários, seguidos da observação da turma durante os três dias de aula, e só então no último dia é aplicado o exercício. Vale ressaltar, que durante o curso os alunos são instruídos sobre todas as ferramentas, conceitos e princípios contidos no sistema operacional em questão, de forma que possam ser esclarecidas todas as dúvidas, inclusive através da aplicação de alguns exercícios acompanhados pelo instrutor. Contudo, durante a aplicação do exercício final os alunos são instruídos a executarem a tarefa sózinhos e só procurarem a ajuda do instrutor se forem absolutamente incapazes de executar a tarefa sem ajuda. As sessões do exercício final têm aproximadamente 45 minutos de duração e durante todo o período os alunos são cronometrados. O questionário foi construído com perguntas abertas e fechadas, que determinavam a estratificação da amostra por idade, instrução e qual a categoria do usuário de acordo com sua experiência anterior. Os resultados relacionados com a experiência do usuário foram interpretados segundo a categorização de Shneiderman (1992), como descrevemos a seguir:

3 Usuários Novatos Fazem parte de uma categoria que utiliza o computador pela primeira vez ou possui uma experiência mínima (menos de 6 meses). A estes usuários não é atribuído nenhum conhecimento sintático sobre o uso do sistema e nenhum ou pouquíssimo conhecimento semântico dos conceitos computacionais. Usuários Intermitentes Pertencem a uma classe de usuários que já possuem alguma experiência com computador, podem conhecer de forma superficial muitos sistemas, ou programas, ou até utilizam o sistema há pouco tempo e com uma freqüência pequena. Esses usuários podem dominar o conhecimento semântico da tarefa e dos conceitos computacionais, mas têm dificuldade de absorver o conhecimento sintático. Usuário Experiente Faz parte de um grupo de usuários bastante familiarizados com os conceitos sintáticos e semânticos do programa. Não sentem medo de investigar e experientar um novo programa e/ou sistema. Tais usuários apresentam menos dificuldades com o conhecimento sintático, mas como este é dependente da máquina, pode gerar problemas como confusão entre os conceitos sintáticos dos diversos sistemas e/ou programas. Procedimentos de Avaliação Com o intuito de avaliar a dimensão do aprendizado na execução da tarefa e o desempenho dos usuários foram adotadas duas estratégias para a medição do tempo. A primeira estratégia buscou a dimensão do tempo de execução da tarefa, e a dimensão do tempo na avaliação do desempenho. O desempenho, por sua vez, foi classificado em Muito Bom, Bom, Regular, Fraco e Deficiente, e é considerado regular quando determinado pelo intervalo de tempo que se enquadra na média de tempo de execução da tarefa para cada categoria. Portanto, os valores arbitrados para cada categorização de desempenho mudam de acordo com as categorias, devido às mudanças apresentadas pelas médias de tempo. Por exemplo, se a média apresentada pelos usuários experientes for de 16 minutos, esse será o desempenho regular. 2.2 Dimensão do Tempo da Tarefa Para se determinar o tempo de execução da tarefa, sem a influência dos fatores aprendizado e experiência, foram cronometrados 15 usuários experientes, que possuíam habilidade no uso do Windows 95, para se ter idéia do tempo da tarefa e com isto definiu-se quanto tempo é necessário para se executar a tarefa para um usuário experiente que já conhecia o sistema operacional.

4 O tempo médio dos usuários experientes e especialistas em Windows 95, na execução da tarefa, é igual a 5,19 minutos, com um desvio padrão igual a 1,68. Portanto, o tempo adotado como tempo de execução da tarefa é 5,19 minutos. 3 - Resultados 3.1 Resultados Quantitativos Cada categoria de usuário possui um perfil que deve ser cuidadosamente observado para efetuar uma avaliação. Nesse sentido foi realizada uma estratificação empírica da amostra, baseada no questionário aplicado no início do curso, para categorizar os usuários em novatos, intermitentes e experientes. Cada uma dessas categorias possui a sua própria dimensão de tempo devido à grande influência da experiência no desempenho dos usuários. Portanto, foi utilizado o tempo médio de execução da tarefa em cada categoria para se ter um parâmetro de avaliação do desempenho. Esse método foi adotado devido à evidente diversidade entre as categorias, que se fossem comparadas entre si só determinariam o reflexo óbvio dos níveis de experiência na velocidade de desempenho. Os tempos médios encontrados para cada categoria foram: - Tempo Médio dos Usuários Novatos: 34,3 minutos; - Tempo Médio dos Usuários Intermitentes: 27,6 minutos; - Tempo Médio dos Usuários Experientes: 16,6 minutos. A partir dos tempos médios de execução da tarefa para cada categoria, foram encontrados os seguintes resultados: Usuários Novatos - 13% tiveram um desempenho muito bom e realizaram a tarefa entre 15 e 25 min; - 50% tiveram um desempenho bom e completaram a tarefa entre 25 e 35 min; - 25% tiveram um desempenho regular e efetuaram a tarefa entre 35 e 45 min; - 6% tiveram um desempenho fraco e completaram a tarefa entre 45 e 55 min; - 6% tiveram um desempenho deficiente e realizaram a tarefa entre 55 e 65 min; Usuários Intermitentes - -14% tiveram um desempenho muito bom e efetuaram a tarefa entre 5 e 15 min; -27% tiveram um desempenho bom e realizaram a tarefa entre 15 e 25 min; -27% tiveram um desempenho regular e completaram a tarefa entre 25 e 35 min; -23% tiveram um desempenho fraco e efetuaram a tarefa entre 35 e 45 min; -9% tiveram um desempenho deficiente e completaram a tarefa entre 45 e 55 min; - Usuários Experientes % tiveram um desempenho bom e executaram a tarefa entre 5 e 15 min; - 37% tiveram um desempenho regular e completaram a tarefa entre 15 e 25 min.; - 16% tiveram um desempenho fraco e realizaram a tarefa entre 25 e 35 min.

5 3.2 Resultados Qualitativos O comportamento dos usuários foi observado durante todo o curso, com o intuito de identificar as principais dificuldades enfrentadas pelos usuários no processo de interação. Essas dificuldades foram identificadas e classificadas em 5 categorias, baseadas na definição de alguns conceitos, princípios e guidelines descritos por Wolf (1989), Apple Computer (1992) e Grudin (1989): - Inconsistência Através do Tempo - Apesar de o Windows 95 ser considerado, pelo seu próprio fabricante, um upgrade do sistema operacional Dos/Windows, foram identificados alguns problemas denominados, segundo Wolf (1989), de problemas na consistência através dos aplicativos. Esses conflitos de interpretação foram provocados por diferenças sutis na função de alguns comandos e na execução de tarefas básicas entre os dois sistemas e envolveram exclusivamente usuários experientes e intermitentes. - Inconsistência Interna do Projeto da GUI - A interface do Windows 95 embute um novo conceito de lixeira reciclável dentro de sua interface que aciona uma função delicada do sistema. Esse novo conceito possui comportamentos distintos quando trabalha com arquivos de disco rígido e arquivos de diskete. Isto é, quando o arquivo está no disco rígido ele, mesmo depois de deletado, permanece na lixeira reciclável até que o usuário limpe a lixeira, porém, no caso de arquivo de diskete, o arquivo é realmente deletado. Contudo, o usuário, devido a ausência de feedback do sistema, só percebe que aconteceu alguma coisa errada quando não há mais nada a fazer. Esse problema atingiu todas as turmas e todas as categorias de usuários. - Ausência de Feedback do Sistema - Algumas funções oferecidas pelo Windows 95 provocam resultados imprevisíveis e perigosos devido a ausência de feedback do sistema sobre os riscos envolvidos na operação. Esses problemas foram percebidos em todas as categorias de usuários e foram identificados em várias funções do sistema. - Mensagens Obscuras - As mensagens de ajuda do sistema, quando acionadas pelo mouse, são mal interpretadas pelos usuários, porque ela se divide em duas etapas, uma inicial, que faz uma pergunta, e a seguinte, que responde a essa pergunta. Os usuários, na sua maioria novatos com pouca habilidade com o mouse, acionavam o comando pelo mouse acidentalmente e interpretavam a pergunta na tela como um questionamento vago do sistema. - Inconsistência Procedural - O Windows 95 adota um método de interação através do botão direito do mouse, que é pouco desenvolvido pelos usuários de forma geral. Os usuários experientes e intermitentes apresentaram problemas no acionamento dos comandos, por confundirem qual botão deveria ser acionado. No caso dos usuários novatos, o problema apresentou uma amplitude maior porque o aprendizado procedural, ao qual eles deviam se submeter, era mais complexo do que o anterior.

6 - Inconsistência Proposicional - A modificação no formato de execução de alguns procedimentos e a inclusão de novos formatos com o mesmo objetivo confundem o usuário e o induz ao erro, porque o usuário normalmente faz inferências baseadas em sua experiência anterior para executar uma determinada ação no sistema. 4 -Conclusões A partir das hipóteses formuladas e dos dados coletados podemos concluir que a primeira hipótese foi comprovada segundo os dados de desempenho dos usuários novatos e experientes. A segunda hipótese, no entanto, não pôde ser comprovada através dos dados coletados, apesar do desempenho dos usuários intermitentes ter demonstrado indícios da existência de algum problema que prejudica a interação com o sistema. Esse fato identifica que o estudo do comportamento dos usuários intermitentes merece um trabalho mais profundo, envolvendo ferramentas de gravação por software na coleta de dados. Contudo podemos conjecturar que o desempenho fraco dos usuários intermitentes está relacionado a dificuldade na busca pelos comandos e funções oferecidas pelo sistema, supostamente ocasionada pela mudança na forma sintática e semântica dos comandos do Windows 3.11 e Windows 95. Tomando como base os custos cognitivos e afetivos envolvidos, podemos dizer que a interface do Windows 95 possui algumas qualidades e alguns problemas. As qualidades refletem-se na adoção da manipulação direta como processo de interação, o uso de ícones com suporte textual, o uso de efeitos de animação durante o feedback de comandos, provocando uma reação positiva nos usuários. No entanto, os custos cognitivos tiveram um aumento significativo com o uso do botão direito do mouse, criação de duas funções para a visualização do sistema, modificação completa do desenho de interface promovida entre as versões do Windows 3.11 e Windows 95, dificultando o processo de execução da tarefa e inibindo os usuários a utilizarem os métodos de aprendizado prediletos, a exploração do sistema e o método de tentativa e erro. Desta forma, concluímos que talvez a adoção de uma solução mais adequada, que levasse em consideração a experiência anterior dos usuários, transformando a interface gradativamente entre as versões, talvez pudesse evitar o forte impacto sentido pelos usuários intermitentes e experientes. E permitiria que o produto fosse aceito de forma mais rápida pelo mercado. Este trabalho é um resumo da tese de mestrado Avaliação da Interface Gráfica com o Usuário de um Sistema Operacional de 32 bits Segundo a Facilidade de Aprendizado, defendida na COOPE / UFRJ, na Área de Engenharia de Produção, em Setembro de 1996.

7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APPLE COMPUTER. Macintosh Human Interface Guidelines, Apple Computer Inc. Massachusets, Addison Wesley, Waltham, p. CARD, S. K., MORAN, T. P., NEWELL, A.The Keystroke Level Model for User Performance Time with Interactive Systems. Communications of the ACM, New York, 23 (7): , Julho, GRUDIN, J.,1989, The Case Against User Interface Consistency. Communications of the ACM, New York, 32 (10) : , Outubro INTERNATIONAL BUSINESS MACHINES, System Application Architecture. Common User Access, Basic Interface Design Guide, SC , IBM, p. KIERAS, D. E. Towards a Practical GOMS Model Methodology for User Interface Design. In: Handbook of Human Computer Interaction, M. Hellander ( ed.) Elsevier Science B.V. (North-Holland) p LINTHICUM,D.S. How Best to Migrate to Windows 95. Byte Magazine, New Jersey, (7): 51-54, Julho, PREECE, J. A Guide to Usability: Human Factors in Computing. Massachusetts, Addison - Wesley Publishing Company, p. SHNEIDERMAN, B. Designing the User Interface: Strategies for Effective Human Computer Interaction. Massachusets, Addison -Wesley Publishing Company, p. WHITESIDE, J., JONES, S., LEVY, P. S., WIXON, D. User Performance with Command, Menu and Iconic Interfaces; In: CHI'85 Human Factors in Computing Systems, San Francisco, 1985.Proceedings. New York, ACM, p WOLF, R. Consistency as Process. Coordinating User Interfaces for Consistency, Academic Press, New York, p

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000)

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Usabilidade e Ergonomia Usabilidade de Software INF01043 Interação Homem-Computador 2006/2 Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Ergonomics (or human factors) is the scientific discipline

Leia mais

Autor(es) TIAGO CINTO. Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução

Autor(es) TIAGO CINTO. Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica MODULO DE GERÊNCIA DE INTERFACES COM O USUÁRIO: ESTUDO, DEFINIÇÃO E ELABORAÇÃO DE INTERFACES INTELIGENTES PARA A FERRAMENTA KIRA Autor(es) TIAGO CINTO Orientador(es)

Leia mais

Interação Humano Computador IHC

Interação Humano Computador IHC Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação IHC Prof. Jorge Cavalcanti Jorge.cavalcanti@univast.edu.br www.twitter.com/jorgecav Informações Gerais da Disciplina

Leia mais

Avaliação de Interfaces de Ferramentas Computacionais para o Ensino de Estruturas de Dados e Algoritmos em Grafos: Heurísticas de Usabilidade *

Avaliação de Interfaces de Ferramentas Computacionais para o Ensino de Estruturas de Dados e Algoritmos em Grafos: Heurísticas de Usabilidade * Avaliação de Interfaces de Ferramentas Computacionais para o Ensino de Estruturas de Dados e Algoritmos em Grafos: Heurísticas de Usabilidade * Rodrigo Pereira dos Santos 1, Heitor Augustus Xavier Costa

Leia mais

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Formosa Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Prof. M.Sc. Victor Hugo Lázaro Lopes IHC Paradigmas de IHC AGENDA Engenharia Cognitiva

Leia mais

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing Kern, Bryan; B.S.; The State University of New York at Oswego kern@oswego.edu Tavares, Tatiana; PhD;

Leia mais

IHM Interface Humano-Máquina

IHM Interface Humano-Máquina A IHM Interface Humano-Máquina Prof. Dra. Sílvia Dotta Aula 1 - Introdução Roteirodaaula Apresentação da disciplina Motivação, Objetivos Metodologia de ensino Introdução e conceituação de IHM Histórico

Leia mais

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Discutindo a visibilidade da EaD Pública no Brasil USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Priscilla Márcia Scarpelli Bastos 1, Diogo Marcos de

Leia mais

Sistema de Monitoramento Visual das Telas Gráficas das

Sistema de Monitoramento Visual das Telas Gráficas das 324 Sistema de Monitoramento Visual das Telas Gráficas das Estações Linux numa Rede LTSP Herlon Ayres Camargo 1, Joaquim Quinteiro Uchôa 2 1 Departamento de Desenvolvimento Educacional Escola Agrotécnica

Leia mais

Um Compilador Front End para o Estudo da Lógica de Programação: Pseudolinguagem PORTUGOL

Um Compilador Front End para o Estudo da Lógica de Programação: Pseudolinguagem PORTUGOL Um Compilador Front End para o Estudo da Lógica de Programação: Pseudolinguagem PORTUGOL Frederico Coelho, Juliana Padilha, Antônio Cândido, Graziane Hermano Faculdade Ubaense Ozanam Coelho (FAGOC) R.

Leia mais

Hugo Leonardo D. Souza 1, Wilma Edysley Rosado 1 1 Instituto Federal da Bahia/Informática, Camaçari, Brasil

Hugo Leonardo D. Souza 1, Wilma Edysley Rosado 1 1 Instituto Federal da Bahia/Informática, Camaçari, Brasil INVESTIGAÇÃO E PROPOSTA DE MELHORIA DAS INTERFACES DOS AMBIENTES DE PROGRAMAÇÃO UTILIZADOS NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DO INSTITUTO FEDERAL DA BAHIA Hugo Leonardo D. Souza 1, Wilma Edysley Rosado

Leia mais

Easi-Scope Utilizador GUIA DO USUÁRIO www.tts-shopping.com

Easi-Scope Utilizador GUIA DO USUÁRIO www.tts-shopping.com Easi-Scope Aumenta-se a amostras até 41 vezes em um monitor de computador de 17 pol Utilizador GUIA DO USUÁRIO www.tts-shopping.com Sumário Informações importantes 2 Cuidados e manutenção 2 Advertência

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

FUNDAMENTOS DE INTERFACE HOMEM MÁQUINA

FUNDAMENTOS DE INTERFACE HOMEM MÁQUINA FUNDAMENTOS DE INTERFACE HOMEM MÁQUINA O que é Design de Interação? Flavio Barbosa professor@flaviobarbosa.com.br Definindo design de interação. Por design de interação entende-se: Projetar produtos interativos

Leia mais

Modelos do Design de Software

Modelos do Design de Software Modelos do Design de Software Modelos do Design de Software O processo de design na Engenharia de Software parte de três pressupostos básicos: O resultado do design é um produto; O produto é derivado de

Leia mais

Interface Homem- Computador

Interface Homem- Computador Interface Homem- Computador (IHC) Profª. Leticia Lopes Leite Software Educacional I Interface Deve ser entendida como sendo a parte de um sistema computacional com a qual uma pessoa entra em contato física,

Leia mais

Apresentando o GNOME. Arlindo Pereira arlindo.pereira@uniriotec.br

Apresentando o GNOME. Arlindo Pereira arlindo.pereira@uniriotec.br Apresentando o GNOME Arlindo Pereira arlindo.pereira@uniriotec.br O que é o GNOME? GNOME é um ambiente desktop - a interface gráfica de usuário que roda sobre um sistema operacional - composta inteiramente

Leia mais

História do Desenvolvimento das GUI

História do Desenvolvimento das GUI História do Desenvolvimento das GUI A história dos hiperdocumentos ou da IHC não pode ser descrita sem a associação indissolúvel com a a história das Graphical (or Good) User Interfaces. O conceito de

Leia mais

Microscópio digital. Manual de instruções. Novembro de 2012 718B

Microscópio digital. Manual de instruções. Novembro de 2012 718B Microscópio digital Manual de instruções Novembro de 2012 718B 1 Sumário Informações importantes... 4 Descrição do produto... 4 Requisitos do computador... 5 PC com Windows... 5 PC com Mac OS... 5 Conteúdo

Leia mais

Análise de Usabilidade de Sistemas de Geometria Interativa para Tablets

Análise de Usabilidade de Sistemas de Geometria Interativa para Tablets Análise de Usabilidade de Sistemas de Geometria Interativa para Tablets Helena Macedo Reis (helenamcd@icmc.usp.br) Simone de Sousa Borges (sborges@icmc.usp.br) Seiji Isotani (sisotani@icmc.usp.br) Instituto

Leia mais

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais são programas que como o próprio nome diz tem a função de colocar o computador em operação. O sistema Operacional

Leia mais

Interface com o Usuário

Interface com o Usuário Interface com o Usuário Trabalho da disciplina optativa Computação Gráfica III 1/7 A Interface com o usuário A Interface com o Usuário é uma parte fundamental de um software; é a parte do sistema visível

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Conceito de Computador Um computador digital é

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

Utilização de conceitos de interface homem-máquina para adaptação da disciplina de requisitos do RUP

Utilização de conceitos de interface homem-máquina para adaptação da disciplina de requisitos do RUP Utilização de conceitos de interface homem-máquina para adaptação da disciplina de requisitos do RUP Renato Cordeiro 2, Marcos Roberto de Oliveira, Thaís Pereira Chanquini FIAP 1 São Paulo Brasil < renato.cordeiro,

Leia mais

A importância da Usabilidade em Ambientes de Educação a Distância

A importância da Usabilidade em Ambientes de Educação a Distância A importância da Usabilidade em Ambientes de Educação a Distância VANDER CARVALHO Centro Paula Souza São Paulo Brasil vandercarvalho@hotmail.com MARCELO DUDUCHI Centro Paula Souza São Paulo Brasil mduduchi@terra.com.br

Leia mais

O Professor. Objetivos. Ementa. Sistemas de Informação. Interfaces Gráficas. Planejamento de Ensino. Prof. Eng. Rafael Rehm

O Professor. Objetivos. Ementa. Sistemas de Informação. Interfaces Gráficas. Planejamento de Ensino. Prof. Eng. Rafael Rehm Sistemas de Informação Planejamento de Ensino Prof. Eng. Rafael Rehm -Mestrado em Engenharia (PUCRS) -Engenheiro de Controle e Automação (PUCRS) Atualmente: O Professor Faculdade de Sistemas de Informação

Leia mais

Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari amanda@fcav.unesp.br

Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari amanda@fcav.unesp.br Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari amanda@fcav.unesp.br São representações dos números de uma forma consistente. Apresenta uma grande quantidade de números úteis, dando a cada número

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Computação (ISC) Curso de Administração de Negócios Eletrônicos Professor :

Introdução aos Sistemas de Computação (ISC) Curso de Administração de Negócios Eletrônicos Professor : Introdução aos Sistemas de Computação (ISC) Curso de Administração de Negócios Eletrônicos Professor : Marco Antônio Chaves Câmara Lista de Exercícios 3 Nome do Aluno : 1. Sobre as unidades de disco rígido

Leia mais

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix.

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix. UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas Prof.Marcelo Nogueira Análise Essencial de Sistemas 1 Introdução A produção de Software é uma atividade build and fix. Análise Essencial de Sistemas

Leia mais

Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente

Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente 1 Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente Clarisse Sieckenius de Souza SERG - Semiotic Engineering Research Group Departamento de Informática, PUC-Rio clarisse@inf.puc-rio.br http://www.serg.inf.puc-rio.br

Leia mais

Identificação dos papeis de usuários

Identificação dos papeis de usuários Análise de usuário e tarefas Análise de usuários Identificação dos papeis de usuários Conhecer as diferentes funções que cada usuário deverá ter no sistema Cada papel possui um conjunto de tarefas Definir

Leia mais

INF2135 Processos e Ambientes de Engenharia de Software

INF2135 Processos e Ambientes de Engenharia de Software INF2135 Processos e Ambientes de Engenharia de Software Arndt von Staa arndt at inf.puc-rio.br Departamento de Informática 2014/1 site: www.inf.puc-rio.br/~inf2135 Objetivo Capacitar os alunos a avaliar,

Leia mais

ENSINO PARA A PRÁTICA DE PROJETO DE ESTRUTURAS

ENSINO PARA A PRÁTICA DE PROJETO DE ESTRUTURAS ENSINO PARA A PRÁTICA DE PROJETO DE ESTRUTURAS Henrique Innecco Longo hlongo@civil.ee.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Escola de Engenharia Rua Brigadeiro Trompowsky s/n, Centro de

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular Ano letivo 2014/2015

Ficha de Unidade Curricular Ano letivo 2014/2015 6.2.1.1. Unidade curricular: Curricular Unit: Ficha de Unidade Curricular Ano letivo 2014/2015 Design de Interface Interface Design 6.2.1.2. Docente responsável e respectivas horas de contacto na unidade

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO SInAE Sistema Integrado de Administração Escolar Fevereiro - 2006 Sumário INTRODUÇÃO... 2 APRESENTAÇÃO DOS MÓDULOS... 3 Módulo Acadêmico... 3 Módulo de Cofigurações da Escola...

Leia mais

Windows Explorer. Gerenciador de arquivos, pastas e unidades.

Windows Explorer. Gerenciador de arquivos, pastas e unidades. Windows Explorer Windows Explorer Gerenciador de arquivos, pastas e unidades. Unidades, Pastas e Arquivos CESPE - 2008 - MC Acerca de conceitos do sistema operacional Windows XP/Vista, julgue os itens

Leia mais

Histórico de implantação da EAD na Universidade Estadual de Ponta Grossa: a evolução dos estilos de aprendizagem

Histórico de implantação da EAD na Universidade Estadual de Ponta Grossa: a evolução dos estilos de aprendizagem Histórico de implantação da EAD na Universidade Estadual de Ponta Grossa: a evolução dos estilos de aprendizagem Adilson de Oliveira Pimenta Junior (UEPG) aopjr@uepg.br Diolete Marcante Lati Cerutti (UEPG)

Leia mais

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Licenciatura em Engenharia Informática Degree in Computer Science Engineering Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Performance analysis of large distributed

Leia mais

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Raquel Jauffret Guilhon Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo

Leia mais

APLICATIVO CAD/CAM DEDICADO PARA UTILIZAÇÃO DE CICLOS DE USINAGEM DE TORNEAMENTO

APLICATIVO CAD/CAM DEDICADO PARA UTILIZAÇÃO DE CICLOS DE USINAGEM DE TORNEAMENTO 7º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 7 th BRAZILIAN CONGRESS ON MANUFACTURING ENGINEERING 20 a 24 de maio de 2013 Penedo, Itatiaia RJ - Brasil May 20 th to 24 th, 2013 Penedo, Itatiaia RJ

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

A INFORMÁTICA NO ENSINO

A INFORMÁTICA NO ENSINO A INFORMÁTICA NO ENSINO Renato Vairo Belhot Escola de Engenharia de São Carlos - USP Departamento de Engenharia de Produção Caixa Postal 359-13560-970 - São Carlos - SP RVBELHOT@SC.USP.BR RESUMO A informática

Leia mais

Estereoscopia Digital no Ensino da Química AGRADECIMENTOS

Estereoscopia Digital no Ensino da Química AGRADECIMENTOS AGRADECIMENTOS O findar desta dissertação é o momento indicado para agradecer ao Professor Doutor João Carlos de Matos Paiva pela sua grande ajuda, pela disponibilidade sempre manifestada, pelo seu empenho

Leia mais

IBM WebSphere Business Monitor

IBM WebSphere Business Monitor Obtenha visibilidade em tempo real do desempenho dos processos de negócios IBM WebSphere Business Monitor Fornece aos usuários de negócios uma visão abrangente e em tempo real do desempenho dos processos

Leia mais

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola SO - Conceitos Básicos Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola Definição de SO É uma camada de software que opera entre o hardware e os programas aplicativos voltados ao usuário final. É uma estrutura

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Evolução Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Introdução Componentes de um sistema computacional Conceituação Características desejáveis Organização

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura de um Sistema Operacional Basicamente dividido em shell é a interface entre o usuário e o sistema operacional é um interpretador de comandos possui embutido

Leia mais

User Guide Manual de Utilizador

User Guide Manual de Utilizador 2400 DPI OPTICAL GAMING MOUSE User Guide Manual de Utilizador 2014 1Life Simplify it All rights reserved. www.1-life.eu 2 2400 DPI OPTICAL GAMING MOUSE ENGLISH USER GUIDE...4 MANUAL DE UTILIZADOR PORTUGUÊS...18

Leia mais

A aplicação da Engenharia Semiótica no design da interface de usuário do software ASK2000

A aplicação da Engenharia Semiótica no design da interface de usuário do software ASK2000 A aplicação da Engenharia Semiótica no design da interface de usuário do software ASK2000 Jair Cavalcanti Leite Universidade Federal do Rio Grande do Norte Campus Universitário, Lagoa Nova 59072-970 Natal,

Leia mais

Perguntas e respostas

Perguntas e respostas Autodesk Revit Autodesk Revit Architecture Autodesk Revit MEP Autodesk Revit Structure Autodesk Revit LT Perguntas e respostas Este documento fornece perguntas e respostas sobre como usar o software Autodesk

Leia mais

APLICAÇÕES DE SISTEMAS TUTORES INTELIGENTES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: POSSIBILIDADES E LIMITES TCC5056

APLICAÇÕES DE SISTEMAS TUTORES INTELIGENTES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: POSSIBILIDADES E LIMITES TCC5056 1 APLICAÇÕES DE SISTEMAS TUTORES INTELIGENTES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: POSSIBILIDADES E LIMITES TCC5056 15/02/2006 Ana Paula Costa e Silva Universidade Católica de Brasília - asilva@ucb.br Categoria: C

Leia mais

CA Education Calendário de Cursos em Turmas Abertas Janeiro Junho 2007. Brasil ca.com/education 0800-121502

CA Education Calendário de Cursos em Turmas Abertas Janeiro Junho 2007. Brasil ca.com/education 0800-121502 CA Education Calendário de Cursos em Turmas Abertas Janeiro Junho 2007 Brasil ca.com/education 0800-121502 Venha Para a Fonte Preferida de Treinamento Para Software de Gerenciamento de TI e Melhores Práticas

Leia mais

EFEITOS DO FEEDBACK EXTRÍNSECO NA APRENDIZAGEM DE UMA HABILIDADE MOTORA NOVA NO FUTEBOL

EFEITOS DO FEEDBACK EXTRÍNSECO NA APRENDIZAGEM DE UMA HABILIDADE MOTORA NOVA NO FUTEBOL EFEITOS DO FEEDBACK EXTRÍNSECO NA APRENDIZAGEM DE UMA HABILIDADE MOTORA NOVA NO FUTEBOL AUDRIO ENRI MAGALHÃES ORIENTADOR: PROF. ANTÔNIO COPPI NAVARRO UNIVERSIDADE GAMA FILHO Av. Olavo Bilac, 745 KM 18

Leia mais

UM NOVO SOFTWARE LIVRE PARA COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA. Gustavo Theodoro LASKOSKI 1 e Percy NOHAMA 2

UM NOVO SOFTWARE LIVRE PARA COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA. Gustavo Theodoro LASKOSKI 1 e Percy NOHAMA 2 UM NOVO SOFTWARE LIVRE PARA COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA Gustavo Theodoro LASKOSKI 1 e Percy NOHAMA 2 Universidade Tecnológica Federal do Paraná Av. Sete de Setembro 3165, Curitiba, Paraná RESUMO: Neste artigo,

Leia mais

MÍDIA EDUCAÇÃO: UM FOCO NO DESENVOLVIMENTO DA MÍDIA INTERATIVA 1

MÍDIA EDUCAÇÃO: UM FOCO NO DESENVOLVIMENTO DA MÍDIA INTERATIVA 1 MÍDIA EDUCAÇÃO: UM FOCO NO DESENVOLVIMENTO DA MÍDIA INTERATIVA 1 Annanette Rabelo Batista de Oliveira 2 Fernanda Rabelo de Souza 3 Eixo Temático 08. Tecnologias, Mídias e Educação RESUMO O objetivo desse

Leia mais

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves Conceitos Básicos de Informática Antônio Maurício Medeiros Alves Objetivo do Material Esse material tem como objetivo apresentar alguns conceitos básicos de informática, para que os alunos possam se familiarizar

Leia mais

OS COMPUTADORES NO BRASIL E O DESPREPARO DE SEUS USUÁRIOS.

OS COMPUTADORES NO BRASIL E O DESPREPARO DE SEUS USUÁRIOS. 79 OS COMPUTADORES NO BRASIL E O DESPREPARO DE SEUS USUÁRIOS. LIMA, Jorge Luis Silvério de 1 SILVA, Regina Célia Marques Freitas 2 Recebido em: 2008-10-13 Aprovado em: 2009-03-09 ISSUE DOI: 10.3738/1982.2278.145

Leia mais

Avaliação dos aspectos de usabilidade do Sistema Financeiro Web: usuários novatos versus usuários experientes

Avaliação dos aspectos de usabilidade do Sistema Financeiro Web: usuários novatos versus usuários experientes Avaliação dos aspectos de usabilidade do Sistema Financeiro Web: usuários novatos versus usuários experientes Alan Braga, alansbraga@gmail.com Danillo da Silva Rocha, danrocha@ifsp.edu.br Evandro Fioravante

Leia mais

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: SELEÇÃO E AVALIAÇÃO PELO PECUARISTA

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: SELEÇÃO E AVALIAÇÃO PELO PECUARISTA SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: SELEÇÃO E AVALIAÇÃO PELO PECUARISTA Marcos Aurélio Lopes Email: malopes@ufla.br Vínculo: Professor do Depto de Medicina Veterinária da Universidade Federal

Leia mais

Infraestrutura Básica

Infraestrutura Básica Índice Introdução Características do Mastersaf Componentes do MasterSAF Servidor de Banco de Dados (obrigatório) Estações de Trabalho (obrigatório) Servidor de Arquivos (opcional) Servidor de Aplicações

Leia mais

SO Sistemas Operacionais

SO Sistemas Operacionais GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO DE APOIO A ESCOLA TÉCNICA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL REPÚBLICA SO Sistemas Operacionais Curso de Informática ETE REPÚBLICA - Rua Clarimundo de Melo, 847, Quintino

Leia mais

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD)

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD) Pós-graduação em Ciência da Computação CCM-202 Sistemas de Banco de Dados Introdução Profa. Maria Camila Nardini Barioni camila.barioni@ufabc.edu.br Bloco B - sala 937 2 quadrimestre de 2011 Motivação

Leia mais

Tema: Por que estudar IHC (Interação Humano Computador)?

Tema: Por que estudar IHC (Interação Humano Computador)? Profa. Tatiana Aires Tavares tatiana@lavid.ufpb.br Tema: Por que estudar IHC (Interação Humano Computador)? Criar desejos... Resolver problemas do nosso dia-a-dia Facilitar a vida da gente Tornar possível...

Leia mais

UMA ANÁLISE PRELIMINAR DA ACESSIBILIDADE WEB DOS SITES DE SERVIÇOS DE DIVULGAÇÃO E ACESSO A INFORMAÇÃO PÚ- BLICA NO BRASIL COM BASE NO E-MAG 1

UMA ANÁLISE PRELIMINAR DA ACESSIBILIDADE WEB DOS SITES DE SERVIÇOS DE DIVULGAÇÃO E ACESSO A INFORMAÇÃO PÚ- BLICA NO BRASIL COM BASE NO E-MAG 1 XVI Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (XVI ENANCIB) ISSN 2177-3688 GT5 Política e Economia da Informação Pôster UMA ANÁLISE PRELIMINAR DA ACESSIBILIDADE WEB DOS SITES DE SERVIÇOS DE

Leia mais

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio 1. Introdução ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio Geraldo Zimbrão da Silva (IM/UFRJ) Victor Teixeira de Almeida (COPPE/UFRJ) Jano Moreira de Souza (COPPE/UFRJ) Francisco Gonçalves Pereira

Leia mais

Arquitetura para Adaptação de Cursos na Modalidade de Educação a Distância empregando Objetos de Aprendizagem

Arquitetura para Adaptação de Cursos na Modalidade de Educação a Distância empregando Objetos de Aprendizagem 266 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Arquitetura para Adaptação de Cursos na Modalidade de Educação a Distância empregando Objetos de Aprendizagem Naidú Gasparetto de Souza1, Sidnei Renato

Leia mais

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Instituto Federal do Sertão-PE Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Prof. Felipe Correia Conteúdo Por que estudar Design de Interfaces e Usabilidade?! Conceitos básicos sobre Design! Primeira

Leia mais

CAPES - MEC COLETA DE DADOS 9.01 MANUAL SIMPLIFICADO DO USUÁRIO 2006

CAPES - MEC COLETA DE DADOS 9.01 MANUAL SIMPLIFICADO DO USUÁRIO 2006 CAPES - MEC COLETA DE DADOS 9.01 MANUAL SIMPLIFICADO DO USUÁRIO 2006 1 APRESENTAÇÃO...2 2 INSTALAÇÃO...2 3 IMPORTAÇÃO DO ARQUIVO ESPECÍFICO...3 4 IMPORTAÇÃO DE DADOS DO CADASTRO DE DISCENTES...4 5 PREENCHIMENTO

Leia mais

Processo de Avaliação de Usabilidade de Sistemas Computacionais Interativos Contextualizado no Nível 2 do Modelo CMM

Processo de Avaliação de Usabilidade de Sistemas Computacionais Interativos Contextualizado no Nível 2 do Modelo CMM Processo de Avaliação de Usabilidade de Sistemas Computacionais Interativos Contextualizado no Nível 2 do Modelo CMM Iris Fabiana de Barcelos Angelita Moutin Segovia Edson Walmir Cazarini Universidade

Leia mais

METODOLOGIA PARA PROJETO DE INTERFACES E EQUIPAMENTOS NUCLEARES COM ABORDAGEM CENTRADA NOS USUÁRIOS E NA SUA ATIVIDADE

METODOLOGIA PARA PROJETO DE INTERFACES E EQUIPAMENTOS NUCLEARES COM ABORDAGEM CENTRADA NOS USUÁRIOS E NA SUA ATIVIDADE 6 Disponibilizado no endereço http://www.acaoergonomica.ergonomia.ufrj.br Ação Ergonômica vol 3 nº. 1 (2007) pp. 01-06 METODOLOGIA PARA PROJETO DE INTERFACES E EQUIPAMENTOS NUCLEARES COM ABORDAGEM CENTRADA

Leia mais

Senado Federal Questões 2012

Senado Federal Questões 2012 Senado Federal Questões 2012 Sistemas Operacionais Prova de Analista de Sistemas Prof. Gustavo Van Erven Senado Federal Questões 2012 Rede Social ITnerante http://www.itnerante.com.br/ Vídeo Aulas http://www.provasdeti.com.br/

Leia mais

Utilização das Idéias de Piaget como Suporte para o Ensino de Sistemas Operacionais

Utilização das Idéias de Piaget como Suporte para o Ensino de Sistemas Operacionais Utilização das Idéias de Piaget como Suporte para o Ensino de Sistemas Operacionais José Augusto Fabri Alexandre L Erário Departamento de Engenharia de Produção Escola Politécnica Universidade de São Paulo.

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

OVERVIEW DO EAMS. Enterprise Architecture Management System 2.0

OVERVIEW DO EAMS. Enterprise Architecture Management System 2.0 OVERVIEW DO EAMS Enterprise Architecture Management System 2.0 NETWORKS @arqcorp_br #eamsrio http://arquiteturacorporativa.wordpress.com/ WE MANAGE KNOWLEDGE, WITH YOU Arquitetura Empresarial Repositório

Leia mais

Escola Adalgisa de Barros

Escola Adalgisa de Barros Escola Adalgisa de Barros Sistemas Operacionais Ensino Médio Técnico 1º Ano 1 Software Hardware O Sistema Operacional (SO) é um software que gerencia os recursos do computador, controla o fluxo de informações

Leia mais

MAX-FLOW Um estudo de interface e usabilidade de uma ferramenta de editoração de processo

MAX-FLOW Um estudo de interface e usabilidade de uma ferramenta de editoração de processo MAX-FLOW Um estudo de interface e usabilidade de uma ferramenta de editoração de processo Isac Velozo de C. Aguiar, Eduardo M. F. Jorge Faculdade de Ciências Exatas e Tecnologia Centro Universitário da

Leia mais

O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP

O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP INTRODUÇÃO O que seria a utilização do computador na educação de maneira inteligente? Seria fazer aquilo que o professor faz tradicionalmente

Leia mais

Análise da Interface do Usuário de Sistemas de Gestão Hospitalar por meio de Testes de Usabilidade

Análise da Interface do Usuário de Sistemas de Gestão Hospitalar por meio de Testes de Usabilidade Análise da Interface do Usuário de Sistemas de Gestão Hospitalar por meio de Testes de Usabilidade Analysis of User Interface in Hospital Management Systems through Usability Testing Adni C. Aristides

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Classificação dos Sistemas Operacionais Classificação Os sistemas operacionais podem ser classificados segundo diversos parâmetros e perspectivas.

Leia mais

DELEGAÇÃO DE TETE CAPACITAÇÃO INTERNA DO CORPO DOCENTE/ FEVEREIRO DE 2015

DELEGAÇÃO DE TETE CAPACITAÇÃO INTERNA DO CORPO DOCENTE/ FEVEREIRO DE 2015 DELEGAÇÃO DE TETE CAPACITAÇÃO INTERNA DO CORPO DOCENTE/ FEVEREIRO DE 2015 TEMA: IBM SPSS Statistics 20 FACILITADORES: dr. Alfeu Dias Martinho dr. Pércio António Chitata dr. Domingos Arcanjo António Nhampinga

Leia mais

USABILIDADE E MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DE USABILIDADE DE INTERFACES WEB. Robson L. G. dos Santos, MSc. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

USABILIDADE E MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DE USABILIDADE DE INTERFACES WEB. Robson L. G. dos Santos, MSc. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro USABILIDADE E MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DE USABILIDADE DE INTERFACES WEB Robson L. G. dos Santos, MSc. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Resumo Este trabalho apresenta a usabilidade como ponto

Leia mais

MANUAL TECLADO ADAPTADO IntelliKeys USB

MANUAL TECLADO ADAPTADO IntelliKeys USB NAPNE Núcleo de Atendimento às Pessoas com Necessidades Especiais SIEP Sistema de Informações da Educação Profissional e Tecnológica MANUAL TECLADO ADAPTADO IntelliKeys USB Fonte: User s Guide (Guia do

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE Síntese de tópicos importantes PRESSMAN, Roger S. Conteúdo Componentes e tipos de software Problemas com o software e suas causas Mitologia que envolve o software Configuração de

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação IDENTIFICAÇÃO DE PERFIS COGNITIVOS DE USUÁRIOS E GUIDELINES PARA PROJETO DE INTERFACES HOMEM-COMPUTADOR

9º Congresso de Pós-Graduação IDENTIFICAÇÃO DE PERFIS COGNITIVOS DE USUÁRIOS E GUIDELINES PARA PROJETO DE INTERFACES HOMEM-COMPUTADOR 9º Congresso de Pós-Graduação IDENTIFICAÇÃO DE PERFIS COGNITIVOS DE USUÁRIOS E GUIDELINES PARA PROJETO DE INTERFACES HOMEM-COMPUTADOR Autor(es) SANDRA RODRIGUES SARRO BOARATI Orientador(es) PROFª DRª CECILIA

Leia mais

INTRODUÇÃO AO WINDOWS

INTRODUÇÃO AO WINDOWS INTRODUÇÃO AO WINDOWS Paulo José De Fazzio Júnior 1 Noções de Windows INICIANDO O WINDOWS...3 ÍCONES...4 BARRA DE TAREFAS...5 BOTÃO...5 ÁREA DE NOTIFICAÇÃO...5 BOTÃO INICIAR...6 INICIANDO PROGRAMAS...7

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados.

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados. MRP l SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAS Aula 3: Tipos de Sistemas informatizados. Material Requirement Planning Planejamento de requisição de materiais. Tecnológica e Organizacional décadas de 60 e 70

Leia mais

Disciplina de IHC na graduação

Disciplina de IHC na graduação 1 Aula 1 Interação Humano-Computador (com foco em métodos de pesquisa) Prof. Dr. Osvaldo Luiz de Oliveira 2 Disciplina de IHC na graduação Engenharia da interação: design e avaliação. Como fazer: técnicas,

Leia mais

Dell Server PRO Management Pack 4.0 para o Microsoft System Center Virtual Machine Manager Guia de instalação

Dell Server PRO Management Pack 4.0 para o Microsoft System Center Virtual Machine Manager Guia de instalação Dell Server PRO Management Pack 4.0 para o Microsoft System Center Virtual Machine Manager Guia de instalação Notas, avisos e advertências NOTA: uma NOTA indica informações importantes que ajudam você

Leia mais

CÓDIGO DE MÁQUINA, LINGUAGEM DE MÁQUINA

CÓDIGO DE MÁQUINA, LINGUAGEM DE MÁQUINA MACHINE CODE MACHINE-LEGIBLE MACRO MAGNETO RESISTIVE HEAD MAIL BOMBING MAIL SERVER MAN (METROPOLITAN AREA NETWORK) MAP CÓDIGO DE MÁQUINA, LINGUAGEM DE MÁQUINA 83 O resultado final da compilação de um assembly

Leia mais

Z13 Color Jetprinter Z23 Color Jetprinter Z33 Color Jetprinter

Z13 Color Jetprinter Z23 Color Jetprinter Z33 Color Jetprinter Z13 Color Jetprinter Z23 Color Jetprinter Z33 Color Jetprinter Da instalação até a impressão Da instalação até a impressão para Windows 98, Windows Me, Windows 2000, Mac OS 8.6 à 9.1 e Mac OS X Abril 2001

Leia mais

A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES

A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES Ulisses Dias ulissesdias@limc.ufrj.br Rodrigo de Alencar Hausen hausen@limc.ufrj.br Rodrigo G. Devolder rodrigodevolder@limc.ufrj.br Luiz Carlos

Leia mais