O ENSINO DE CIÊNCIAS PARA PESSOAS AUTISTAS COMO PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DA INCLUSÃO ESCOLAR.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ENSINO DE CIÊNCIAS PARA PESSOAS AUTISTAS COMO PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DA INCLUSÃO ESCOLAR."

Transcrição

1 O ENSINO DE CIÊNCIAS PARA PESSOAS AUTISTAS COMO PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DA INCLUSÃO ESCOLAR. Viviana Freitas da Silva Cláudio Bertolli Filho Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"- Bauru Eixo Temático: Práticas pedagógicas inclusivas Palavras-chave: Ensino de Ciências, autismo, inclusão escolar. 1. Introdução Um dos temas amplamente discutidos em relação aos direitos de pessoas com algum tipo de deficiência, diz respeito à inclusão escolar. A realidade inclusiva caracterizada com leis e estruturas sistemáticas, presumivelmente promove a inclusão escolar com maestria, porém a medida que nos aproximamos das escolas e nos propomos a pesquisar as vias práticas que embasam essa estrutura, encontramos lacunas que carecem de mais estudos e organização para tornar possível um ensino de qualidade para as pessoas com deficiência. O autismo como tema, emerge do trabalho que ocorre nas salas de aula, de alunos com autismo matriculados no ensino regular, da necessidade de ensinar conteúdos escolares como meta da inclusão escolar e da busca de novas possibilidades de adaptação curricular na disciplina de Ciências para a ascensão do ensino. 1. Objetivos O trabalho tem como objetivo discutir a possibilidade de desenvolvimento de práticas pedagógicas inclusivas em Ciências, em salas de aula regulares, a partir do diagnóstico da relevância dada ao Ensino de Ciências para alunos autistas. 2. Desenvolvimento O termo Autismo que hoje é amplamente discutido, foi introduzido na literatura psiquiátrica por Plouller, em 1906 (GAUDERER, 1993). Em 1943, a revista Nervous Childre publicou o trabalho do psiquiatra austríaco Leo Kanner, intitulando Autistic disturbances of affective contact, tal trabalho apresenta importante destaque em relação à terminologia e

2 definição do autismo, (KANNER, 1943). Kanner, discerniu os distúrbios autísticos do contacto afetivo, o autismo como uma identidade nosológica com critérios diferenciados às psicoses graves da infância e à esquizofrenia. Identificou a tríade de características do autismo composta por prejuízos na interação social, comunicação e comportamento, (1943, p.217). No atual Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), a Desordem do Espectro do Autismo baseia-se em quatro critérios: atraso e desvios sociais; problemas de comunicação; comportamentos incomuns; e maneirismos, com início antes dos 30 meses de idade, (DSM-5, 2014). Pensando na escolarização de crianças com autismo, além dos atendimentos realizados em instituições especializadas, faz-se necessário pensar em possibilidades para tornar o ensino regular acessível e de qualidade também para esse público. Muitas são as leis e documentos que contemplam a trajetória da inclusão no Brasil, contudo, com a instituição da Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro do Autismo (BRASIL, 2012), novas diretrizes garantem o acesso à educação. A proposta de incluir crianças com autismo em salas de aula regulares passa a suscitar uma grande abertura à inclusão, porém, tendo em vista que esta não pode ser a única finalidade, emerge então a inquietação da necessidade do ensino de conteúdos escolares. É possível encontrar alguns trabalhos de pesquisa que apresentam preocupação e discussões com o Ensino de Língua Portuguesa, (BRANDEE e ZANFELICE, 2012) e no Ensino de Matemática (CHEQUETTO, 2015), entretanto, quanto ao Ensino de Ciências, não foi encontrado nenhum trabalho. A princípio o Ensino de Ciências pensado para alunos com autismo pode causar estranheza, porém, Baron-Cohen (2013) afirma que pessoas com autismo podem ter talentos incomuns para a sistematização, fazendo emergir a hipótese de que alunos com autismo são capazes de aprender conteúdos sistematizados também no ensino regular. Descobrimos que as pessoas com autismo ou Síndrome de Asperger podem ter talentos incomuns na sistematização (por exemplo, na física), [...] que mesmo entre o baixo funcionamento, indivíduos com autismo clássico, interesses mesquinhos 'obsessivos' tendem a se concentrar em sistemas, e que seu comportamento excessivamente repetitivo e interesse podem ser sinais de forte sistematização (BARON-COHEN et al., 2013, não paginado). Ao observarmos a lacuna em pesquisas quanto ao Ensino de Ciências para este público e vislumbrarmos novas possibilidades partindo dos pressupostos de Baron-Cohen, estruturarmos uma pesquisa baseada na percepção dos professores de uma Rede Municipal de Ensino de uma

3 cidade do interior do Estado de São Paulo, frente ao Ensino de Ciências, para alunos com diagnóstico de autismo regularmente matriculados no Ensino Fundamental I. Para este trabalho, levantamos uma questão principal a fim de discutir a possibilidade de desenvolvimento de práticas pedagógicas inclusivas que contemplem o Ensino de Ciências: De acordo com a proposta curricular de ensino municipal, qual a relevância dada ao Ensino de Ciências para alunos autistas? 3. Método Diferentes métodos auxiliam no estudo de fenômenos humanos. Para Giorgi (1985), com a fenomenologia e a descrição é possível observar os fenômenos humanos, assim como ocorrem, ou seja, privilegiando a descrição das experiências dos sujeitos no fenômeno pesquisado. Giorgi (1985, p. 10) organizou de forma sistematizada o procedimento analítico da pesquisa fenomenológica em quatro passos flexíveis: a leitura minuciosa dos registros,; a releitura do material salientando os principais pontos do estudo fenomenológico sob a perspectiva apropriada, (unidades de significado); a partir das unidades identificadas, explanar o significado direto que elas abrangem (Descrição Ideográfica) discriminando categorias; realizar a redução das unidades de significado (Análise Nomotética), estruturando consistentemente o fenômeno e sua essência. A pesquisa foi realizada com a análise fenomenológica de casos múltiplos ocorrentes no ensino regular, em escolas públicas municipais. Esta escolha ocorreu devido ao grande número de alunos com diagnóstico de autismo e a emergente necessidade de escolarização deste público. Foram utilizados dois instrumentos de coleta de dados, o questionário e o diário de campo. Ao todo, dezenove professores caracterizam os sujeitos desta pesquisa, sendo cinco Professores Itinerantes de Educação Especial, sete Professores Titulares do Ensino Fundamental I e sete Professores Auxiliares de Educação Especial que atuam em cinco escolas municipais. 4. Resultados e discussão Ao analisarmos as respostas e impressões dos professores sobre a relevância dada ao Ensino de Ciências para alunos autistas, verificamos que pelo fato da proposta curricular de ensino estar baseada no Sistema SESI- SP, todas as atividades deveriam atender os prérequisitos nela dispostos. Um ponto comum observado foi a organização do ensino para crianças com autismo ou algum tipo de deficiência no município. Este público conta com o apoio do Professor Titular da classe; do Professor Itinerante e do Professor Auxiliar de

4 Educação Especial. Seis Professores Auxiliares que participaram da pesquisa atuam individualmente, ou seja, há um professor de educação especial exclusivo para cada aluno. Outro ponto comum a todos os professores foi que o ensino para alunos autistas, em todas as disciplinas, ocorre de forma adaptada, organizadas em um Plano de Ensino Individualizado elaborado em comum acordo pelos professores. Os Professores afirmam que não existe uma preocupação especial com o Ensino de Ciências em relação às outras disciplinas e que devido à complexidade da proposta de ensino alguns conteúdos irrelevantes. Para resguardar a identidade dos sujeitos, os nomes que serão apresentados a seguir foram alterados. Como Professora titular, Sara afirma que: [...] Creio seja importante destacar o que é significativo para eles, como: higiene, alimentação e outros. Alice, Professora Auxiliar, diz que: Conforme o ensino SESI (adotado pelo município), muitas atividades não se aplicam à realidade de alunos autistas [...]de fato, são relevantes as atividades de vida diária, higiene corporal, alimentação, tudo relacionado à vida funcional do aluno. Quanto à funcionalidade dos conteúdos, Laura, Professora Auxiliar, destaca que: São relevantes para o aluno atividades funcionais. Tais afirmações amparam a ideia de que alunos com autismo não são capazes aprenderem todos os conteúdos dispostos na proposta curricular comum, porém, Baron-Cohen (2013) afirma que crianças com autismo são capazes de aprender conteúdos sistematizados. Cinco, dos dezenove professores acreditam que o Ensino de Ciências deve vislumbrar apenas conteúdos funcionais, porém não observam que todos os conteúdos em Ciências para o Ensino Fundamental I são importantes para o desenvolvimento da autonomia e da cidadania. Três professores afirmaram que o aluno com autismo não apresenta capacidade de aprender conteúdos escolares. Daniela, Professora Titular afirma que: Esta criança vai apenas se socializar, devido ao conteúdo escolar ser muito abrangente para seus limites. O conceito de funcionalidade está embasado em trabalhos como os de Brown, L. et. al. (1989) na qual, em geral, o público alvo é caracterizado por crianças com deficiência intelectual, contudo, crianças com autismo nem sempre apresentam diagnóstico de deficiência intelectual associados. 5. Conclusão Com base na referência teórica apresentada e nos dados obtidos, é possível concluir que apesar de termos leis que amparam a inclusão escolar de crianças com autismo, o Ensino de Ciências ainda não é compreendido como possibilidade para inclusão social. Seus conteúdos

5 ainda são desenvolvidos de maneira restrita ou meramente funcional. Esse fato restringe as possibilidades de sistematização que os alunos com autismo poderiam ter se fossem desenvolvidos mais conteúdos de ciências. Apesar de poucos estudos referentes ao tema, fazse necessário ainda ampliar o ensino para este público. Práticas pedagógicas inclusivas precisam necessariamente almejar o cumprimento da finalidade da educação como formação humana e não apenas funcional. Referências ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE PSIQUIATRIA. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, 5ª edição (DSM-5). Porto Alegre: Artmed; BARON-COHEN, S. et al. Systemizing in autism spectrum conditions. Autism research centre Disponível em: Acesso em: 28 mar BRANDE, C., & ZANFELICE, C. (2012).A inclusão escolar de um aluno com autismo: diferentes tempos de escuta, intervenção e aprendizagens. Revista de Educação Especial,25 (42), Disponível em: Acesso em: 16 mar BRASIL. Decreto Federal nº 8.368/2014, de 02 de dezembro de Regulamenta a Lei nº , de 27 de dezembro de 2012, que institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. Disponível em: BROWN, L. et. al. (1989). Should Students with Severe Intellectual Disabilities Be Based in Regular or in Special Education Classrooms in Home Schools? In The Journal of the Association for Persons with Severe Handicaps, 14(1), CHEQUETTO, J. J.; GONÇALVES, A. F. S. Possibilidades no ensino de matemática para um aluno com autismo. Revista Eletrônica Debates em Educação Científica e Tecnológica-ISSN , v. 5, n. 02, GIORGI, Amadeo. Phenomenology and Psychological Research. N. Jersey, Humanities Press: GAUDERER, E. C. Autismo. 3ª ed. São Paulo: Atheneu, KANNER, L. et al. Distúrbios autísticos do contato afetivo. Criança nervosa, v 2, n. 3, p , 1943.

A partir da década de 1990, no Brasil e no mundo, o paradigma tende a ser deslocado da integração para a inclusão. A Educação Inclusiva surgiu, e vem

A partir da década de 1990, no Brasil e no mundo, o paradigma tende a ser deslocado da integração para a inclusão. A Educação Inclusiva surgiu, e vem A partir da década de 1990, no Brasil e no mundo, o paradigma tende a ser deslocado da integração para a inclusão. A Educação Inclusiva surgiu, e vem crescendo no mundo inteiro, com base no pressuposto

Leia mais

PSICOPEDAGOGIA,INCLUSÃO E O ATENDIMENTO A PESSOA COM AUTISMO

PSICOPEDAGOGIA,INCLUSÃO E O ATENDIMENTO A PESSOA COM AUTISMO PSICOPEDAGOGIA,INCLUSÃO E O ATENDIMENTO A PESSOA COM AUTISMO VALERIA OLIVEIRA PSICOPEDAGOGA, PSICANALISTA ORIENTADORA EDUCACIONAL ESPECIALISTA EM NEUROPSICOPEDAGOGIA E EDUCAÇÃO ESPECIAL INCLUSIVA. PÓS

Leia mais

Palavras-chave: Educação Especial, Educação Infantil, Autismo, Interação. 1. Introdução

Palavras-chave: Educação Especial, Educação Infantil, Autismo, Interação. 1. Introdução HABILIDADES DE INTERAÇÃO DE ALUNOS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO NA ESCOLA Bianca Sampaio Fiorini Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Campus de Marília. Débora Deliberato Universidade

Leia mais

INDICADORES DE ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO DOS ALUNOS NO ESNINO FUNDAMENTAL (5º. AO 9º. ANO) DE UMA ESCOLA PÚBLICA MINEIRA

INDICADORES DE ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO DOS ALUNOS NO ESNINO FUNDAMENTAL (5º. AO 9º. ANO) DE UMA ESCOLA PÚBLICA MINEIRA INDICADORES DE ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO DOS ALUNOS NO ESNINO FUNDAMENTAL (5º. AO 9º. ANO) DE UMA ESCOLA PÚBLICA MINEIRA Priscila Moreira Corrêa; Lavine Rocha Cardoso Ferreira; Maria Isabel de Araújo

Leia mais

Caderno 2 de Prova AE02. Educação Especial. Auxiliar de Ensino de. Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal de Educação

Caderno 2 de Prova AE02. Educação Especial. Auxiliar de Ensino de. Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal de Educação Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal de Educação Edital n o 003/2009 Caderno 2 de Prova AE02 Auxiliar de Ensino de Educação Especial Dia: 22 de novembro de 2009 Horário: das 8 às

Leia mais

A INCLUSÃO DE UM ALUNO AUTISTA EM UMA ESCOLA PRIVADA DE ENSINO.

A INCLUSÃO DE UM ALUNO AUTISTA EM UMA ESCOLA PRIVADA DE ENSINO. A INCLUSÃO DE UM ALUNO AUTISTA EM UMA ESCOLA PRIVADA DE ENSINO. Autor (Germana Sintia Redig de Oliveira) Pós Graduando em Educação Ambiental e Sustentabilidade da Universidade Federal do Pará-UFPA, Belém/PA.

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÂO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO 2017

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÂO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO 2017 Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÂO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO 2017 PARECER RECURSOS PROVA 3 Educação Especial - AEE (SAEDE) 11) Com base nas

Leia mais

AUTISMO: UM ESTUDO SOBRE ESTRATÉGIAS DE ENSINO PARA AULAS DE MATEMÁTICA INCLUSIVAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA

AUTISMO: UM ESTUDO SOBRE ESTRATÉGIAS DE ENSINO PARA AULAS DE MATEMÁTICA INCLUSIVAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA AUTISMO: UM ESTUDO SOBRE ESTRATÉGIAS DE ENSINO PARA AULAS DE MATEMÁTICA INCLUSIVAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA G5 - Ensino e Aprendizagem de Matemática Sofia Seixas Takinaga (MA) seixassofia@hotmail.com Profa.

Leia mais

TGD - O POSICIONAMENTO DA ESCOLA REGULAR NA INCLUSÃO DE ALUNOS COM AUTISMO. PALAVRAS - CHAVE: Autismo. Ações pedagógicas. Escola inclusiva.

TGD - O POSICIONAMENTO DA ESCOLA REGULAR NA INCLUSÃO DE ALUNOS COM AUTISMO. PALAVRAS - CHAVE: Autismo. Ações pedagógicas. Escola inclusiva. TGD - O POSICIONAMENTO DA ESCOLA REGULAR NA INCLUSÃO DE ALUNOS COM AUTISMO Aletéia Cristina Bergamin¹ Célia Regina Fialho Bortolozo² Profª Dra Eliana Marques Zanata³ Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

AVALIAÇÃO COGNITIVA DE ALUNOS AUTISTAS A PARTIR DO PROCESSO DE INCLUSÃO ESCOLAR. Palavras-Chave: Autismo. Avaliação Cognitiva. Educação Inclusiva.

AVALIAÇÃO COGNITIVA DE ALUNOS AUTISTAS A PARTIR DO PROCESSO DE INCLUSÃO ESCOLAR. Palavras-Chave: Autismo. Avaliação Cognitiva. Educação Inclusiva. AVALIAÇÃO COGNITIVA DE ALUNOS AUTISTAS A PARTIR DO PROCESSO DE INCLUSÃO ESCOLAR Vanessa Queiroz Ferreira- EAUFPA Denise Soares da Silva Alves- EAUFPA Deusa Priscila da Silva Resque- EAUFPA Renata Oliveira

Leia mais

METODOLOGIAS ADAPTADAS PARA AUTISTAS EM DUAS APAES DO PARANÁ

METODOLOGIAS ADAPTADAS PARA AUTISTAS EM DUAS APAES DO PARANÁ METODOLOGIAS ADAPTADAS PARA AUTISTAS EM DUAS APAES DO PARANÁ CARNEIRO, B. S. 1 ; OLIVEIRA, M. B. 1 ; PEDERSOLI, G. R. R. 1 ; SANTOS, L. F. 1 ; MENEGHIN, E. M. 1 ; SILVA, C. V. da 2 1 Discente do Curso

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO ENSINO MÉDIO EM UMA ESCOLA PARTICULAR: VISÃO DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA.

EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO ENSINO MÉDIO EM UMA ESCOLA PARTICULAR: VISÃO DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA. EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO ENSINO MÉDIO EM UMA ESCOLA PARTICULAR: VISÃO DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA. Beatriz A. Barboza do Nascimento Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho UNESP Mestranda do programa

Leia mais

ROBÔ NAO E O ENSINO DE FÍSICA E MATEMÁTICA PARA ALUNOS AUTISTAS: UMA POSSIBILIDADE TÉCNICA E METODOLÓGICA PARA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

ROBÔ NAO E O ENSINO DE FÍSICA E MATEMÁTICA PARA ALUNOS AUTISTAS: UMA POSSIBILIDADE TÉCNICA E METODOLÓGICA PARA EDUCAÇÃO INCLUSIVA ROBÔ NAO E O ENSINO DE FÍSICA E MATEMÁTICA PARA ALUNOS AUTISTAS: UMA POSSIBILIDADE TÉCNICA E METODOLÓGICA PARA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Daiany Dynia da Silva; Amanda Marcelina da Fonseca; Carolina Gomes de Souza;

Leia mais

I - Apresentação. II - Marcos históricos e normativos SÚMULA: POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

I - Apresentação. II - Marcos históricos e normativos SÚMULA: POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA SÚMULA: POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA ste documento foi elaborado pela equipe da Secretaria de Educação Especial do Ministério da Educação e pesquisadores

Leia mais

As dificuldades na abordagem de adultos autistas e conseqüências concretas

As dificuldades na abordagem de adultos autistas e conseqüências concretas As dificuldades na abordagem de adultos autistas e conseqüências concretas Transtorno do Espectro Autista O autismo é considerado um transtorno do desenvolvimento de causas neurobiológicas. As características

Leia mais

TG D Fon o t n e t : e : CID 10 1

TG D Fon o t n e t : e : CID 10 1 TG D Fonte: CID 10 TG D /TID Desde 1993, com a CID-10 (OMS) o autismo infantil passa a ser classificado entre os transtornos invasivos do desenvolvimento juntamente com outros cinco transtornos que apresentam

Leia mais

TRANSTORNO DE ESPECTRO AUTISTA

TRANSTORNO DE ESPECTRO AUTISTA TRANSTORNO DE ESPECTRO AUTISTA Mara Cristiane R. Aguila Psicóloga/ Neuropsicóloga Doutoranda em Educação pela Universidad Nacional de Rosário - Argentina Transtorno do espectro autista (TEA) Diferenças

Leia mais

O PERCURSO DE UM ALUNO COM SINDROME DE ASPERGER NO ENSINO TÉCNICO EM UMA PERSPECTIVA INTERDISCIPLINAR

O PERCURSO DE UM ALUNO COM SINDROME DE ASPERGER NO ENSINO TÉCNICO EM UMA PERSPECTIVA INTERDISCIPLINAR O PERCURSO DE UM ALUNO COM SINDROME DE ASPERGER NO ENSINO TÉCNICO EM UMA PERSPECTIVA INTERDISCIPLINAR Paulo Osni Silverio Universidade de Taubaté Cibele Sales da Silva IFSP Campus Suzano Rita Schlinz Universidade

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DO MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISE DOS ASPECTOS INCLUSIVOS

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DO MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISE DOS ASPECTOS INCLUSIVOS O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DO MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISE DOS ASPECTOS INCLUSIVOS Clarice Karen de Jesus Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Palavras chave:

Leia mais

A COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA NO PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM AUTISMO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA NO PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM AUTISMO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA NO PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM AUTISMO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Márcia Eleotério da Silva Adriana Rodrigues Saldanha de Menezes Patrícia Blasquez Olmedo Prefeitura Municipal

Leia mais

TRABALHO COLABORATIVO DE UMA PROFESSORA ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL EM UMA ESCOLA COM EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL

TRABALHO COLABORATIVO DE UMA PROFESSORA ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL EM UMA ESCOLA COM EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL TRABALHO COLABORATIVO DE UMA PROFESSORA ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL EM UMA ESCOLA COM EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL Josemaris Aparecida Martinelli - Universidade Estadual de Londrina Josemaris2012@gmail.com

Leia mais

NOME DO CURSO:O uso do sistema de FM no ambiente escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: Presencial

NOME DO CURSO:O uso do sistema de FM no ambiente escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: Presencial NOME DO CURSO:O uso do sistema de FM no ambiente escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: Presencial Parte 1 Código / Área Temática Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Educação Especial

Leia mais

AS INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS PARA O ALUNO COM TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO

AS INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS PARA O ALUNO COM TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AS INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS PARA O ALUNO COM TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO Ilse Silva Matos Dantas 1 Neire Abreu Mota Profiro 2 1. INTRODUÇÃO Espectro do autismo

Leia mais

Parte 1 Código / Área Temática. Educação Especial

Parte 1 Código / Área Temática. Educação Especial NOME DO CURSO: O Ensino de Língua Portuguesa como segunda língua para estudantes surdos e/ou com deficiência auditiva Nível: Especialização Modalidade: A distância Parte 1 Código / Área Temática Código

Leia mais

Palavras-chave: Educação Especial/Educação Inclusiva, Atendimento Educacional Especializado e Políticas Públicas.

Palavras-chave: Educação Especial/Educação Inclusiva, Atendimento Educacional Especializado e Políticas Públicas. CONHECENDO AS PROPOSTAS DE EDUCAÇÃO ESPECIAL/ EDUCAÇÃO INCLUSIVA E DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO RESUMO Juliana de Oliveira Nogueira Mestranda em Educação julyndinha@hotmail.com Carline Santos

Leia mais

SÍNDROME DE ASPERGER E AUTISMO

SÍNDROME DE ASPERGER E AUTISMO SÍNDROME DE ASPERGER E AUTISMO CASTRO.M.B. 1 ; MARRONI.N.M.O. 2 ; FARIA.M.C.C. 3 ; RESUMO A Síndrome de Asperger é uma desordem pouco comum, ou seja, um grupo de problemas que algumas crianças tem quando

Leia mais

APROPRIAÇÃO DE CONCEITOS CIENTÍFICOS EM JOVENS E ADULTOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL A PARTIR DE INTERVENÇÕES SISTEMATIZADAS DO GÊNERO TEXTUAL ANEDOTA

APROPRIAÇÃO DE CONCEITOS CIENTÍFICOS EM JOVENS E ADULTOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL A PARTIR DE INTERVENÇÕES SISTEMATIZADAS DO GÊNERO TEXTUAL ANEDOTA APROPRIAÇÃO DE CONCEITOS CIENTÍFICOS EM JOVENS E ADULTOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL A PARTIR DE INTERVENÇÕES SISTEMATIZADAS DO GÊNERO TEXTUAL ANEDOTA Viviane Gislaine Caetano Auada Elsa Midori Shimazaki

Leia mais

O DIREITO A INCLUSÃO ESCOLAR DE ALUNOS AUTISTAS: DA TEORIA À PRÁTICA

O DIREITO A INCLUSÃO ESCOLAR DE ALUNOS AUTISTAS: DA TEORIA À PRÁTICA O DIREITO A INCLUSÃO ESCOLAR DE ALUNOS AUTISTAS: DA TEORIA À PRÁTICA Adélia Carneiro da Silva; Antônio Cavalcante Neto Universidade Estadual da Paraíba adeliarosado@hotmail.com antoniocavalcantecneto@hotmail.com

Leia mais

ESCOLA X AUTISMO PERCEPÇÃO DOS PAIS

ESCOLA X AUTISMO PERCEPÇÃO DOS PAIS ESCOLA X AUTISMO PERCEPÇÃO DOS PAIS Karine da Silva Moreira Enfermeira Universidade Federal do Maranhao- UFMA. karine.preven@hotmail.com Maria Socorro Aquino Silva Terapeuta Ocupacional Unichristus CE.

Leia mais

Caderno de Prova 2 AE02. Educação Especial. ( ) prova de questões Objetivas. Auxiliar de Ensino de

Caderno de Prova 2 AE02. Educação Especial. ( ) prova de questões Objetivas. Auxiliar de Ensino de Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal de Educação Edital n o 001/2009 Caderno de Prova 2 AE02 ( ) prova de questões Objetivas Auxiliar de Ensino de Educação Especial Dia: 8 de novembro

Leia mais

A MUDANÇA DE NOMENCLATURA NOS TÍTULOS DE ARTIGOS PUBLICADOS NA REVISTA BRASILEIRA DE DUCAÇÃO ESPECIAL

A MUDANÇA DE NOMENCLATURA NOS TÍTULOS DE ARTIGOS PUBLICADOS NA REVISTA BRASILEIRA DE DUCAÇÃO ESPECIAL A MUDANÇA DE NOMENCLATURA NOS TÍTULOS DE ARTIGOS PUBLICADOS NA REVISTA BRASILEIRA DE DUCAÇÃO ESPECIAL Patrícia Gonçalves de Oliveira Souza Priscila Bezerra Zioto Barros Viviane Aparecida Sotana Pansani

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí-Goiás. Fabiana dos Santos Santana Flávia Cristina da Silva

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí-Goiás. Fabiana dos Santos Santana Flávia Cristina da Silva Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí-Goiás Fabiana dos Santos Santana Flávia Cristina da Silva Educação Especial: Formação dos Professores na Cidade de Itaberaí Itaberaí-GO

Leia mais

Documento subsidiário à política de inclusão. Ministério da Educação Brasília 2005 Secretaria de Educação Especial

Documento subsidiário à política de inclusão. Ministério da Educação Brasília 2005 Secretaria de Educação Especial Documento subsidiário à política de inclusão Ministério da Educação Brasília 2005 Secretaria de Educação Especial Objetivo: (...) subsidiar os sistemas educacionais para transformar as escolas públicas

Leia mais

TDAH E A LEI DA INCLUSÃO 1 ADHD AND THE INCLUSION LAW. Isabela Albarello Dahmer 2

TDAH E A LEI DA INCLUSÃO 1 ADHD AND THE INCLUSION LAW. Isabela Albarello Dahmer 2 TDAH E A LEI DA INCLUSÃO 1 ADHD AND THE INCLUSION LAW Isabela Albarello Dahmer 2 1 Pesquisa livre realizada durante a graduação em Direito na Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do

Leia mais

A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM TEA NA ESCOLA SOB O OLHAR DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO

A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM TEA NA ESCOLA SOB O OLHAR DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM TEA NA ESCOLA SOB O OLHAR DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO Cibelly Aliny Siqueira Lima Freitas Antonia Bruna Ferreira Braga Emerson Alex Lino Dias Letícia Amélia Gonçalves

Leia mais

Alunos, professores, demais profissionais da educação e de outras áreas interessadas nos temas.

Alunos, professores, demais profissionais da educação e de outras áreas interessadas nos temas. A Educação Especial é definida pela LDBEN 9394/96 como modalidade de educação escolar que permeia todas as etapas e níveis do ensino. As escolas especiais assumem um papel importante, no sentido de apoiar

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Educação Inclusiva Código da Disciplina: EDU 319 Curso: Pedagogia Semestre de oferta da disciplina: 2015/1 Faculdade responsável: Pedagogia Programa em vigência a partir

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MATERIAL BILINGUE PARA FORMAÇÃO DO PROFESSOR

A IMPORTÂNCIA DO MATERIAL BILINGUE PARA FORMAÇÃO DO PROFESSOR A IMPORTÂNCIA DO MATERIAL BILINGUE PARA FORMAÇÃO DO PROFESSOR Débora Rebeca da Silva Santos 1 Rennan Andrade dos Santos 2 Bárbara Amaral Martins 3 Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Campus do

Leia mais

WWW.RMPSIQUIATRIA.COM.BR Coordenador do curso: Rafael Moreno Ferro de Araújo Médico Psiquiatra UFCSPA, Porto Alegre-RS Mestre e Doutorando em Medicina PUCRS, Porto Alegre-RS Professor e coordenador da

Leia mais

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM EM LEITURA E ESCRITA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO: ESTRATÉGIAS E DIFICULDADES DOS PROFESSORES

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM EM LEITURA E ESCRITA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO: ESTRATÉGIAS E DIFICULDADES DOS PROFESSORES DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM EM LEITURA E ESCRITA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO: ESTRATÉGIAS E DIFICULDADES DOS PROFESSORES Glaucea Valéria Batista Vitor (PIBIC//UENP) glauceacp95@hotmail.com

Leia mais

NOME DO CURSO: O uso pedagógico dos recursos de Tecnologia Assistiva Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: Presencial

NOME DO CURSO: O uso pedagógico dos recursos de Tecnologia Assistiva Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: Presencial NOME DO CURSO: O uso pedagógico dos recursos de Tecnologia Assistiva Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: Presencial Parte 1 Código / Área Temática Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina

Leia mais

Palavras-chave: Educação Física. Produção Colaborativa de Práticas Corporais Inclusivas. Alunos público alvo da Educação Especial. 1.

Palavras-chave: Educação Física. Produção Colaborativa de Práticas Corporais Inclusivas. Alunos público alvo da Educação Especial. 1. INCLUSÃO DE ALUNOS PÚBLICO ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA REDE REGULAR DE ENSINO DA CIDADE DE CATALÃO: ANÁLISE E ESTÍMULO DA PRODUÇÃO COLABORATIVA DE PRÁTICAS CORPORAIS INCLUSIVAS

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 OBJETIVOS Discutir e fomentar conhecimentos sobre a compreensão das potencialidades,

Leia mais

RELATO DO PROCESSO DE INCLUSÃO DE UM ALUNO COM AUTISMO EM UMA ESCOLA PÚBLICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

RELATO DO PROCESSO DE INCLUSÃO DE UM ALUNO COM AUTISMO EM UMA ESCOLA PÚBLICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE RELATO DO PROCESSO DE INCLUSÃO DE UM ALUNO COM AUTISMO EM UMA ESCOLA PÚBLICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Samira Fontes Carneiro Margareth Oliveira Lopes Kelly Adriana Pinheiro

Leia mais

Regulamento de auxílio as pessoas com transtorno espectro autismo.

Regulamento de auxílio as pessoas com transtorno espectro autismo. Regulamento de auxílio as pessoas com transtorno espectro autismo. Introdução: A Fundação Educacional de Além Paraíba FEAP, implantou este Regulamento para todas as Unidades mantidas pela FEAP, na localidade

Leia mais

A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS.

A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS. A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS. Luciana Barros Farias Lima Instituto Benjamin Constant Práticas Pedagógicas Inclusivas

Leia mais

PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL E A INCLUSÃO ESCOLAR

PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL E A INCLUSÃO ESCOLAR PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL E A INCLUSÃO ESCOLAR Flores, A. S. 1,* ; Pagliarini, C.D. 1 ; Escolano, A. C. M. 1 ; Maltoni, K, L. 1 andrezza_flores@hotmail.com 1 Faculdade de Engenharia Campus de Ilha

Leia mais

Programa de apoio ao estudante com. deficiência. Comitê de Inclusão e Acessibilidade

Programa de apoio ao estudante com. deficiência. Comitê de Inclusão e Acessibilidade Programa de apoio ao estudante com deficiência Comitê de Inclusão e Acessibilidade Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) Segundo a CID-10, classificado F84: Transtornos invasivos do desenvolvimento,

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA EM POLÍTICAS EDUCACIONAIS BRASILEIRAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA EM POLÍTICAS EDUCACIONAIS BRASILEIRAS EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA EM POLÍTICAS EDUCACIONAIS BRASILEIRAS Andrea Soares Wuo Aline Martins Varela Juliany Mazera Fraga Rita Buzzi Rausch Universidade Regional de Blumenau FURB Eixo Temático: Política

Leia mais

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD

NÚCLEO TEMÁTICO I CONCEPÇÃO E METODOLOGIA DE ESTUDOS EM EaD UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ-UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL CURSO DE PEDAGOGIA MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E DOS ANOS

Leia mais

MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA: FORMAÇÃO DOCENTE NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA REDE PÚBLICA DE MANAUS

MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA: FORMAÇÃO DOCENTE NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA REDE PÚBLICA DE MANAUS MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA: FORMAÇÃO DOCENTE NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA REDE PÚBLICA DE MANAUS Claudia Regina Rodrigues Nazaré Magalhães, Secretaria Municipal de Educação Msc. Jacy Alice Grande da

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÂO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO 2017 PARECER RECURSOS PROVA 3 SEGUNDO PROFESSOR DE TURMA 11) Considerando os

Leia mais

EDUCAÇÃO TERAPÊUTICA UMA PROPOSTA DE TRATAMENTO De 21 a 24/1/2008

EDUCAÇÃO TERAPÊUTICA UMA PROPOSTA DE TRATAMENTO De 21 a 24/1/2008 Curso de aperfeiçoamento ORIENTAÇÃO À QUEIXA ESCOLAR de março a novembro de 2008, às segundas-feiras das 15h às 17h e às quintas-feiras das 13h15 às 17h15h OBJETIVOS Contribuir para o aperfeiçoamento de

Leia mais

Pp Elaine Laranjeira Souza

Pp Elaine Laranjeira Souza Pp Elaine Laranjeira Souza CBO 2394-25 Pedagoga UEFS Psicopedagoga Clínica, Institucional e Hospitalar - FACCEBA Neuropsicopedagoga em formação - UCAMPROMINAS CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988 CAPÍTULO III Seção

Leia mais

CONSULTA DE NEURODESENVOLVIMENTO. Miguel Palha PEDIATRA

CONSULTA DE NEURODESENVOLVIMENTO. Miguel Palha PEDIATRA CONSULTA DE NEURODESENVOLVIMENTO Miguel Palha PEDIATRA 2. INVENTÁRIO DE SINTOMAS, SINAIS E OUTRAS VARIÁVEIS 1. HISTÓRIA CLÍNICA (PEDIATRA) 9. CONSULTA DE SEGUIMENTO (PEDIATRA + TÉCNICO) Explicação nos

Leia mais

O ENSINO NA CONSTRUÇÃO DE COMPETÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

O ENSINO NA CONSTRUÇÃO DE COMPETÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA O ENSINO NA CONSTRUÇÃO DE COMPETÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Autor: EDILSON JOSÉ DE CARVALHO E ANA ALICE Introdução Este trabalho é uma síntese das aulas da professora Ana Alice, que administrou a disciplina:

Leia mais

Oficina para Comunicação Assistiva em Deficiência Auditiva

Oficina para Comunicação Assistiva em Deficiência Auditiva Oficina para Comunicação Assistiva em Deficiência Auditiva Aula 19 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE.

Leia mais

PLANO EDUCACIONAL INDIVIDUALIZADO PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: DESENHO PARA O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO

PLANO EDUCACIONAL INDIVIDUALIZADO PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: DESENHO PARA O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PLANO EDUCACIONAL INDIVIDUALIZADO PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL: DESENHO PARA O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO Cristina Angélica Aquino de Carvalho Mascaro (FAETEC / UERJ) Annie Gomes

Leia mais

PRÁTICAS DE LETRAMENTO DE ALUNOS COM SURDEZ NA PERSPECTIVA BILÍNGUE EM ESPAÇOS DE AEE MINICURSO

PRÁTICAS DE LETRAMENTO DE ALUNOS COM SURDEZ NA PERSPECTIVA BILÍNGUE EM ESPAÇOS DE AEE MINICURSO PRÁTICAS DE LETRAMENTO DE ALUNOS COM SURDEZ NA PERSPECTIVA BILÍNGUE EM ESPAÇOS DE AEE MINICURSO Francisca Maria Cerqueira da Silva 1 Eixo Temático: Práticas pedagógicas com alunos público-alvo da Educação

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DOS PROFESSORES E A INCLUSÃO DOS ALUNOS PÚBLICO ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

FORMAÇÃO INICIAL DOS PROFESSORES E A INCLUSÃO DOS ALUNOS PÚBLICO ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL FORMAÇÃO INICIAL DOS PROFESSORES E A INCLUSÃO DOS ALUNOS PÚBLICO ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Larissa Guadagnini Thereza Makibara Ribeiro Márcia Duarte Universidade Federal de São Carlos Palavras-chave: Inclusão

Leia mais

Tecnologia Assistiva: uma análise das percepções dos professores sobre o uso desse recurso na promoção da inclusão educacional

Tecnologia Assistiva: uma análise das percepções dos professores sobre o uso desse recurso na promoção da inclusão educacional Tecnologia Assistiva: uma análise das percepções dos professores sobre o uso desse recurso na promoção da inclusão educacional Cláudia Danielle de França Otoni Rejane Fernandes da Silva Vier Prof. Dra.

Leia mais

Política Nacional da Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Três Corações Minas Gerais Julho de 2011

Política Nacional da Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Três Corações Minas Gerais Julho de 2011 Política Nacional da Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva Três Corações Minas Gerais Julho de 2011 Do ponto de vista político... O movimento mundial pela inclusão é uma ação política,

Leia mais

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: UM ESTUDO SOBRE AS POSSIBILIDADES DE AVANÇO COGNITIVO PARA O ESTUDANTE COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: UM ESTUDO SOBRE AS POSSIBILIDADES DE AVANÇO COGNITIVO PARA O ESTUDANTE COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: UM ESTUDO SOBRE AS POSSIBILIDADES DE AVANÇO COGNITIVO PARA O ESTUDANTE COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL Juliana Dalbem Omodei Renata Portela Rinaldi Elisa T. Moriya Schlünzen

Leia mais

EMENTA - CURSO DE EXTENSÃO EM EDUCAÇÃO INCLUSIVA

EMENTA - CURSO DE EXTENSÃO EM EDUCAÇÃO INCLUSIVA EMENTA - CURSO DE EXTENSÃO EM EDUCAÇÃO INCLUSIVA Descrição O objetivo deste curso é promover um aprimoramento para estudantes e profissionais das áreas de saúde e/ou educação que buscam ampliar seus conhecimentos

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTÍFICA ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL SOBRE AUTISMO EM PROGRAMAS BRASILEIROS DE PÓS-GRADUAÇÃO

PRODUÇÃO CIENTÍFICA ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL SOBRE AUTISMO EM PROGRAMAS BRASILEIROS DE PÓS-GRADUAÇÃO PRODUÇÃO CIENTÍFICA ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL SOBRE AUTISMO EM PROGRAMAS BRASILEIROS DE PÓS-GRADUAÇÃO Sílvia Cristiane MURARI 1 (orientadora) - Universidade Estadual de Londrina Fábio Henrique ARÉVALO 2

Leia mais

Pontos importantes da metodologia - EI e EF I

Pontos importantes da metodologia - EI e EF I Pontos importantes da metodologia - EI e EF I Cada segmento tem sua característica Educação Infantil: - desenvolvimento dos padrões de aprendizagem. Ensino Fundamental: - domínio de conceitos essenciais

Leia mais

INCLUSÃO ESCOLAR- O QUE A SALA DE RECURSOS TEM A VER COM ISSO?

INCLUSÃO ESCOLAR- O QUE A SALA DE RECURSOS TEM A VER COM ISSO? INCLUSÃO ESCOLAR- O QUE A SALA DE RECURSOS TEM A VER COM ISSO? Glaucia dos Santos Carvalho Palavras-chave: Inclusão, Pessoa com Deficiência, Aprendizagem e Sala de Recursos. INTRODUÇÃO Japeri no que se

Leia mais

Armando Traldi Júnior

Armando Traldi Júnior www.fisem.org/web/union http://www.revistaunion.org ISSN: 1815-0640 Número 48. Diciembre 2016 Página 232-237 Reseña de los libros: Desafios da Educação Inclusiva: formação de professores e práticas Armando

Leia mais

DIREITOS EDUCACIONAIS DAS CRIANÇAS E JOVENS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA. Palavras-chave: Direitos. Escola. Transtorno do Espectro Autista.

DIREITOS EDUCACIONAIS DAS CRIANÇAS E JOVENS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA. Palavras-chave: Direitos. Escola. Transtorno do Espectro Autista. DIREITOS EDUCACIONAIS DAS CRIANÇAS E JOVENS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA GT6 Educação, Inclusão, Gênero e Diversidade. Sandra Rosa Baldin 1 Neuza Maria Vieira 2 RESUMO O transtorno do espectro autista

Leia mais

TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA E INCLUSÃO SOCIAL

TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA E INCLUSÃO SOCIAL TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA E INCLUSÃO SOCIAL NASCIMENTO, T 1 ; MOYA, P.T 2.; BARILLI, Z. T 1.; SAPATINI, V. G. C 1. 1 Discentes do Curso de Ciências Biológicas FAP ² Docente da Faculdade de Apucarana

Leia mais

A PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E O MERCADO DE TRABALHO: UM ESTUDO SOBRE A INFLUÊNCIA DA OFICINA PROTEGIDA DE PADARIA DA APAE

A PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E O MERCADO DE TRABALHO: UM ESTUDO SOBRE A INFLUÊNCIA DA OFICINA PROTEGIDA DE PADARIA DA APAE A PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E O MERCADO DE TRABALHO: UM ESTUDO SOBRE A INFLUÊNCIA DA OFICINA PROTEGIDA DE PADARIA DA APAE Tatiane Cristina Athayde Marques Glaucimara Pires Oliveira Universidade

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2017-2018 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Departamento do 1º ciclo CRITÉRIOS de AVALIAÇÃO 1º CICLO Enquadramento A avaliação interna das aprendizagens

Leia mais

A epistemologia qualitativa: contribuições para a pesquisa em educação especial

A epistemologia qualitativa: contribuições para a pesquisa em educação especial A epistemologia qualitativa: contribuições para a pesquisa em educação especial Qualitative epistemology: contributions towards research in special education 123 124 125 A Epistemologia Qualitativa: fundamentos

Leia mais

AUTISMO NA ESCOLA: UM OLHAR SOBRE A REALIDADE

AUTISMO NA ESCOLA: UM OLHAR SOBRE A REALIDADE AUTISMO NA ESCOLA: UM OLHAR SOBRE A REALIDADE Érica Michele dos Santos Mateus Universidade Estadual da Paraíba- UEPB erimichele@gmail.com Janicléia Faustino da Silva Universidade Estadual da Paraíba- UEPB

Leia mais

PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO

PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS GERENCIAIS DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO PSICOPEDAGÓGICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO PSICOPEDAGÓGICA Artigo 1º - Introdução A necessidade de atenção às

Leia mais

Profa. Dra. VANESSA H. SANTANA DALLA DÉA

Profa. Dra. VANESSA H. SANTANA DALLA DÉA Profa. Dra. VANESSA H. SANTANA DALLA DÉA UFG - Números 2015 GRADUAÇÃO Deficiência No. Especificidade No. Auditiva 57 Surdos 27 Física 52 Cadeirante 4 Intelectual 19 Sínd. de Down 2 Visual 36 Cego 2 Asperger

Leia mais

DANÇA E O AUTISMO: UMA VISÃO A PARTIR DO PROJETO DANÇA ESPORTIVA PARA DEFICIENTES (DEPD).

DANÇA E O AUTISMO: UMA VISÃO A PARTIR DO PROJETO DANÇA ESPORTIVA PARA DEFICIENTES (DEPD). DANÇA E O AUTISMO: UMA VISÃO A PARTIR DO PROJETO DANÇA ESPORTIVA PARA DEFICIENTES (DEPD). Meriane Teixeira de Matos 1 Enoly Cristine Frazão da Silva 1 Lionela da Silva Corrêa 1 Esaú da Silva Soares 2 Universidade

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº,DE 2016 (Do Sr. João Derly)

PROJETO DE LEI Nº,DE 2016 (Do Sr. João Derly) PROJETO DE LEI Nº,DE 2016 (Do Sr. João Derly) Estabelece preceitos para o aperfeiçoamento da política educacional brasileira dos sistemas públicos de ensino, para a permanência e o sucesso escolar de alunos

Leia mais

UNIÃO NACIONAL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO PROPOSTAS DE EMENDAS AO PL 8.035/2010 PNE 2011/2020

UNIÃO NACIONAL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO PROPOSTAS DE EMENDAS AO PL 8.035/2010 PNE 2011/2020 PROPOSTAS DE EMENDAS AO PL 8.035/2010 PNE 2011/2020 A União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação (UNCME), entidade criada em 1992 e organizada em todos os estados brasileiros, tem como finalidade

Leia mais

Redes de Atenção à Saúde e o Cuidado às Pessoas com TEA no SUS

Redes de Atenção à Saúde e o Cuidado às Pessoas com TEA no SUS Redes de Atenção à Saúde e o Cuidado às Pessoas com TEA no SUS Viver Sem Limite - Marco Legal Nacional e Internacional Convenção sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência (NY, 2007) Decreto Presidencial

Leia mais

GESTO E FALA NA LINGUAGEM DA CRIANÇA COM AUTISMO

GESTO E FALA NA LINGUAGEM DA CRIANÇA COM AUTISMO GESTO E FALA NA LINGUAGEM DA CRIANÇA COM AUTISMO Flávia Gonçalves Calaça de Souza UFPB flavia.ufpb@hotmail.com Juciane Nóbrega Lima UFPB jucy.nobrega@gmail.com INTRODUÇÃO O presente artigo tem como o objetivo

Leia mais

Palavras-chave: projeto, educação especial, aprendizagem significativa, adaptação curricular.

Palavras-chave: projeto, educação especial, aprendizagem significativa, adaptação curricular. A IMPORTÂNCIA DA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Artur Carmello Neto Diretoria de Ensino Região de Araraquara RESUMO A prática docente bem sucedida foi realizada em uma Sala de Recursos

Leia mais

ADAPTAÇÃO CURRICULAR: CONTRIBUIÇÕES DA FONOAUDIOLOGIA EDUCACIONAL

ADAPTAÇÃO CURRICULAR: CONTRIBUIÇÕES DA FONOAUDIOLOGIA EDUCACIONAL ADAPTAÇÃO CURRICULAR: CONTRIBUIÇÕES DA FONOAUDIOLOGIA EDUCACIONAL Marta Gertel RESUMO: Nos últimos anos, a proposta de inclusão escolar tem gerado uma modalidade de atividades cujo objetivo principal é

Leia mais

POLÍTICA DE ATENDIMENTO À PESSOA COM DEFICIÊNCIA Atendimento à pessoa com Autismo TEA (Transtorno do Espectro Autista)

POLÍTICA DE ATENDIMENTO À PESSOA COM DEFICIÊNCIA Atendimento à pessoa com Autismo TEA (Transtorno do Espectro Autista) POLÍTICA DE ATENDIMENTO À PESSOA COM DEFICIÊNCIA Atendimento à pessoa com Autismo TEA (Transtorno do Espectro Autista) 1. Considerações iniciais: Após a promulgação e aprovação em 27 de dezembro 2012 da

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NO CONTEXTO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS Ana Paula do Amaral Tibúrcio UFSJ

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NO CONTEXTO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS Ana Paula do Amaral Tibúrcio UFSJ ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NO CONTEXTO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS Ana Paula do Amaral Tibúrcio UFSJ Introdução Na história da educação de nosso país uma das questões sempre presente neste cenário

Leia mais

3º - A pessoa com Transtorno do Espectro Autista é considerada pessoa com deficiência, para todos os efeitos legais.

3º - A pessoa com Transtorno do Espectro Autista é considerada pessoa com deficiência, para todos os efeitos legais. PROJETO DE LEI Nº /2017 INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA. A Prefeita Municipal de Mossoró, Estado do Rio Grande do Norte, no uso de suas atribuições

Leia mais

ADAPTAÇÕES NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR PARA INCLUSÃO DO ALUNO AUTISTA: um estudo de caso

ADAPTAÇÕES NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR PARA INCLUSÃO DO ALUNO AUTISTA: um estudo de caso ADAPTAÇÕES NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR PARA INCLUSÃO DO ALUNO AUTISTA: um estudo de caso RESUMO Ana Paula Costa; Karine Barros da Silva; Wemyclênia lira dos Santos. 1 Eixo Temático: Práticas Educativas

Leia mais

RESOLUÇÃO 01 /2015 RESOLVE. Art. 1 - Aprovar o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, em nível de Especialização, denominado Autismo.

RESOLUÇÃO 01 /2015 RESOLVE. Art. 1 - Aprovar o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, em nível de Especialização, denominado Autismo. RESOLUÇÃO 01 /2015 Aprova o Curso de Pós-Graduacão Lato Sensu, na modalidade de Especialização, com a denominação de Curso de Especialização em Autismo. O COLEGIADO ACADÊMICO DA FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS

Leia mais

Educação de Alunos Superdotados: Desafios e Tendências Atuais

Educação de Alunos Superdotados: Desafios e Tendências Atuais Educação de Alunos Superdotados: Desafios e Tendências Atuais Denise de Souza Fleith Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal Audiência Pública, 24 junho 2008 Desafios na Educação de Alunos

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO DO UNIBAVE

POLÍTICA DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO DO UNIBAVE CENTRO UNIVERSITÁRIO BARRIGA VERDE PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO - PROGRAD PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PROADM PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO - PROPPEX POLÍTICA DE ACESSIBILIDADE

Leia mais

Desenvolvimento pedagógico de crianças com autismo na fase pré-escolar e alfabetização

Desenvolvimento pedagógico de crianças com autismo na fase pré-escolar e alfabetização Desenvolvimento pedagógico de crianças com autismo na fase pré-escolar e alfabetização 73 Valéria Peres ASNIS 1 Fabiana Lacerda EVARISTO 2 Talissa Lopes FERREIRA 3 Ana Carolina NILO 4 Resumo: O espectro

Leia mais

O QUE É O TRANSTORNO DO ESPECTRO DO APRESENTA. Dificuldades nas relações sociais e emocionais.

O QUE É O TRANSTORNO DO ESPECTRO DO APRESENTA. Dificuldades nas relações sociais e emocionais. O QUE É O TRANSTORNO DO ESPECTRO DO APRESENTA AUTISMO? O QUE É O TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO (TEA)? Indivíduos com transtorno do espectro do autismo muitas vezes apresentam: Meninos em idade escolar

Leia mais

Escola Especial Renascer APAE - Lucas do Rio Verde - MT. Futsal Escolar

Escola Especial Renascer APAE - Lucas do Rio Verde - MT. Futsal Escolar Escola Especial Renascer APAE - Lucas do Rio Verde - MT Futsal Escolar Prof. Ivan Gonçalves dos Santos Lucas do Rio Verde MT - 2009 Introdução A Educação Física é uma disciplina pedagógica permeada de

Leia mais

A DANÇA NO CONTEXTO EDUCACIONAL: UMA PROPOSTA INTERDISCIPLINAR E INCLUSIVA PARA O ENSINO ESPECIAL COM ÊNFASE NAS MANIFESTAÇÕES CULTURAIS

A DANÇA NO CONTEXTO EDUCACIONAL: UMA PROPOSTA INTERDISCIPLINAR E INCLUSIVA PARA O ENSINO ESPECIAL COM ÊNFASE NAS MANIFESTAÇÕES CULTURAIS A DANÇA NO CONTEXTO EDUCACIONAL: UMA PROPOSTA INTERDISCIPLINAR E INCLUSIVA PARA O ENSINO ESPECIAL COM ÊNFASE NAS MANIFESTAÇÕES CULTURAIS Belister Rocha Paulino Universidade Federal de Brasília - UnB Palavras-chave:

Leia mais

Material elaborado pela professora Tásia Wisch - PNAIC

Material elaborado pela professora Tásia Wisch - PNAIC QUESTIONAMENTOS INICIAIS O que vocês entendem por Inclusão? Você acredita que as escolas de seu município são inclusivas? Se não, o que pode ser feito para mudar esta situação? Quais os serviços oferecidos

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DA DISLEXIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DA DISLEXIA POLÍTICAS PÚBLICAS DA DISLEXIA Segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais 5ª Edição (DSM-5), a Dislexia é um transtorno específico de linguagem, que se manifesta nas habilidades

Leia mais

ESTRUTURA PARA O PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESCOLAR INDIVIDUAL DE CRIANÇAS COM AUTISMO PDI CONDIÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA NO MOMENTO:

ESTRUTURA PARA O PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESCOLAR INDIVIDUAL DE CRIANÇAS COM AUTISMO PDI CONDIÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA NO MOMENTO: ESTRUTURA PARA O PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESCOLAR INDIVIDUAL DE CRIANÇAS COM AUTISMO PDI Validade: / / a / / IDENTIFICAÇÃO: Criança: Data de Nasc.: Ano letivo: Ano escolar da criança: Responsável: (mãe)

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL: QUESTÕES RELACIONADAS AO AUTISMO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL: QUESTÕES RELACIONADAS AO AUTISMO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL: QUESTÕES RELACIONADAS AO AUTISMO ANA PAULA DE OLIVEIRA ¹ MORGANA DE FÁTIMA AGOSTINI MARTINS ² SIMONE FÉLIZ COSTA FONTANA ³ JOELSON DA

Leia mais

A ESCOLARIZAÇÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA

A ESCOLARIZAÇÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA A ESCOLARIZAÇÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA Izadora Martins da Silva de Souza Alana da Rocha Ramos Julinete Vieira da Fonseca Santos Márcia Denise Pletsch Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Leia mais