Projecto Integrador 2012 / 2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projecto Integrador 2012 / 2013"

Transcrição

1 Projecto Integrador 2012 / 2013 Bruno Nobre Cláudia Pernencar USER EXPERIENCE Termo de Donald Norman. 1

2 USER EXPERIENCE I invented the term because I thought human interface and usability were too narrow. I wanted to cover all aspects of the person s experience with the system including industrial design, graphics, the interface, the physical interaction, and the manual. Donald Norman em entrevista com Peter Merholz (2007) USER EXPERIENCE Actualmente USABILIDADE é um tema recorrente. Um sistema ou interface precisa de algo mais do que ser apenas usável. Toda a EXPERIÊNCIA do utilizador deve ser considerada! 2

3 USER EXPERIENCE Tudo é IMPORTANTE! A Experiência, a Estética, a Usabilidade e o Utilizador. USER EXPERIENCE A tentar vender a ideia desde milhão de unidades vendidas num só mês. 3

4 USER EXPERIENCE Definição É com frequência que a Ux é referida como um sinónimo de: Usabilidade; Experiência de Interacção; Experiência do Cliente; Design de Interacção; Emoção; Efeito WOW ; Experiência (no seu geral); Um termo chapéu que incorpora muitos, ou todos, os termos anteriores. USER EXPERIENCE Definição It s a ZEN thing, man! 4

5 USER EXPERIENCE Definição O termo User Experience (Ux) é um encontro com um determinado sistema que tem um princípio e um fim; Ux refere se àforma como as pessoas experimentaram, durante um período de tempo, esse dito encontro ; O campo da Ux incide no ESTUDO, DESENHO e AVALIAÇÃO das experiências na utilização de um produto ou sistema; Ocorre num contexto específico que pode ter impacto para, ou contribuir, para a experiência do utilizador. Adaptado de Roto et al. (2011) In Ux White Paper USER EXPERIENCE Definição AUx abrange TODOS os aspectos de interacção do utilizador com a empresa, serviços e produtos; Atender às necessidades exactas do cliente; Transmitir simplicidade, elegância e alegria; Fusão de várias disciplinas, como: engenharia, marketing, design gráfico, design industrial e design de interfaces ( ). 5

6 USER EXPERIENCE Definição Outros autores definem ainda User Experience (Ux) como: Dillon propõe ainda que a Ux deverá incidir sobre três aspectos elementares: Processos, Resultados e Afectos. Processos sobre o que o utilizador faz; (e.g. navegação num site, realização de uma tarefa) Resultados sobre o que o utilizador obtém; (e.g. objectivos e concretização) Afectos sobre o que o utilizador sente, incluindo a resposta emocional, aumentando o entendimento sobre o que a interacção significa para o utilizador. USER EXPERIENCE Definição Outros autores definem ainda User Experience (Ux) como: Nigel Bevan defende que a definição de Usabilidade deveria ser alongada a critérios de Ux relacionados com os níveis de: Satisfação, relacionados com os objectivos propostos; Prazer, associado às respostas emocionais; Conforto, de acordo com o conforto físico da interacção; Confiança, assumindo que o produto/sistema agirá de acordo com o pretendido e esperado. 6

7 USER EXPERIENCE Factores de influência Apesar de existir uma grande variedade de factores que podem influenciar a Ux entre o utilizador e um sistema, estes podem ser classificados em três categorias principais: 1) o CONTEXTO do utilizador e do sistema; 2) o estado do UTILIZADOR; 3) as propriedades do SISTEMA. Adaptado de Roto et al. (2011) In Ux White Paper USER EXPERIENCE Níveis de impacto Donald Norman apresenta ainda três níveis de impacto que o design das coisas têm sobre os utilizadores: Visceral o nível mais imediato, trata se da primeira reacção que o utilizador tem e é dominado pela aparência. A maneira como o grafismo é interpretado pelos utilizadores é subjectivo e depende muito da sua própria psicologia e cultura. Comportamental é no nível comportamental que o utilizador analisa o funcionamento do sistema e aprende a usá lo. O que é, e como é que funciona? Reflexivo o nível reflexivo é baseado na ideia do todo e é posterior à experiência que o utilizador tem da utilização do sistema. 7

8 USER EXPERIENCE Características útil usável desejável valorizável encontrável acessível credível Adaptado de Peter Morville (2004) In Semantic Studios USER EXPERIENCE Objectivo Utilizadores 8

9 USER EXPERIENCE Objectivo USER EXPERIENCE Problemas Problemas? 9

10 USER EXPERIENCE Problemas Demasiado complexo Problemas? USER EXPERIENCE Problemas Diferentes perspectivas Problemas? 10

11 USER EXPERIENCE Problemas Simplesmente não funciona Problemas? USER EXPERIENCE Desespero 11

12 USER EXPERIENCE Estrutura Jesse Garret (2007) e os 5 planos da Ux: Composto pelas imagens e texto que é mostrado pela interface gráfica; Tudo o que é visivel. O esqueleto é a grelha que organiza os elementos visuais (e.g. texto, botões, imagens). A estrutura define como os utilizadores encontram a informação e navegam de ecrã para ecrã. Adaptado de: Jesse Garret (2007) In The Elements of Ux USER EXPERIENCE Estrutura Jesse Garret (2007) e os 5 planos da Ux: Plano de objectivos para o produto multimédia. Define a estrutura e os elementos a constar. O plano estratégico é o alicerce de toda a concepção da estrutura do projecto. Estes 5 tópicos estruturam um modelo conceptual na identificação de problemas relacionados com a Ux. Adaptado de: Jesse Garret (2007) In The Elements of Ux 12

13 USER EXPERIENCE Estrutura Jesse Garret (2007) e os 5 planos da Ux: 5 esses Jesse Garret (2007) In The Elements of Ux USER EXPERIENCE Estrutura Jesse Garret (2007) e os 5 planos da Ux: 5 esses Jesse Garret (2007) In The Elements of Ux 13

14 USER EXPERIENCE Estrutura Para uma melhor Ux, o fluxo de trabalho deve ser contínuo e que possa permitir sobreposições sobre as diversas fases: Jesse Garret (2007) In The Elements of Ux USER EXPERIENCE DESIGN A UxD é uma abordagem para a concepção de produtos, serviços e ambientes, com base numa análise holística da experiência dos utilizadores. É conduzido pelo design da experiência, tendo em conta momentos de engagement entre pessoas, marcas, bem como as memórias criadas desses momentos. Adaptado de: Kimmy Paluch (2006) In User Experience Design Blog 14

15 USER EXPERIENCE DESIGN A UxD é uma abordagem holística e multidisciplinar ao design de interfaces para produtos digitais (mas não só). USER EXPERIENCE DESIGN Integra as disciplinas de: Kimmy Paluch (2006) In User Experience Design Blog 15

16 USER EXPERIENCE DESIGN UxD perspectiva do utilizador: Michael Cummings In uxdesign.com USER EXPERIENCE DESIGN A base da UxD remete para os mesmos princípios do Design Centrado no Utilizador, epresenteatravésda norma ISO :2010, que prevê: Posicionar o utilizador como o propósito central em todo o processo de design; Identificar os aspectos de design que são importantes para o público alvo em questão; Desenvolver o design de forma iterativa e trazer os utilizadores a participar nas várias fases inerentes; Recolher provas de factores específicos ao utilizador para ajudar ao processo de design. Adaptado de Roto et al. (2011) In Ux White Paper 16

17 USER EXPERIENCE DESIGN A UxD engloba atradicional Interacção Pessoa Máquina (IPM) e alarga a sua extensão, abordando todos os aspectos de um produto ou serviço como percebido pelos utilizadores. A IPM aborda apenas a interacção entre uma pessoa e um computador. A UxD aborda o utilizador, a tomada de consciência inicial, a descoberta, o atendimento, a instalação, o serviço, o suporte, os upgrades,as actividades de fim de vida, etc. (Contudo são as actividades de IPM que preenchem a maioria das actividades da equipa de UxD) IBM In What is user experience design? USER EXPERIENCE DESIGN Métodos de IPM Elementos de Ux 17

18 USER EXPERIENCE DESIGN Como? USER EXPERIENCE DESIGN MÉTODO HBSC Consultant 18

19 USER EXPERIENCE DESIGN MÉTODO UX Design: the Virtues of Lean Methodologies design the virtues of lean methodologies USER EXPERIENCE DESIGN MÉTODO User centred design the fundamentals centred design the fundamentals 19

20 USER EXPERIENCE DESIGN PERSONAS Uma persona*é uma figura arquetípica que pode ajudar a guiar decisões sobre os recursos do produto, da navegação, interacções e até mesmo sobre o design (entre outros factores). Projectar para um arquétipo, cujos objectivos e padrões de comportamento são bem compreendidos, ajuda a equipa a satisfazer um grupo mais amplo de pessoas. * termo introduzido por Alan Cooper (1999). USER EXPERIENCE DESIGN PERSONAS 20

21 USER EXPERIENCE DESIGN As personas são um elemento essencial para estabelecer a visão do produto num nível estratégico: PARA (target do produto) QUEM (necessidades dos utilizadores) Através de personas, a equipa tem uma compreensão comum e partilhada dos utilizadores de um determinado serviço ou produto num formato cativante e facilmente vinculável. Personas são uma maneira de ter presente o utilizador ao longo de todo o processo de desenvolvimento de um produto. Adaptado de Jean Grosjean In A day in life of an AgileUX Practitioner USER EXPERIENCE DESIGN STORYTELLING Usar narrativas! 21

22 USER EXPERIENCE DESIGN STORYTELLING USER EXPERIENCE DESIGN Práticas futuras Usar metodologias de desenvolvimento IMERSIVAS. O desenvolvimento imersivo coloca o focus no desenvolvimento das aplicações e de profissionais da Ux, onde são rodeados com uma equipa multidisciplinar que os apoia (e.g. gestores de projecto, analistas de negócio, developers, etc.). Esta metodologia rejeita a noção de que o desenvolvimento de aplicações é como uma fábrica de automóveis ou como construir um centro comercial. Esta aproxima se mais do desenvolvimento de aplicações como um processo criativo, algo mais semelhante ao processo de executar um filme. 22

23 USER EXPERIENCE DESIGN Práticas futuras Capacitar DESIGNERS, ENGENHEIROS e UTILIZADORES FINAIS no sentido de ajudar a desenvolver o produto. O número de empresas que são capazes de desenvolver aplicações está a aumentar devido a uma combinação de diversos factores. Entre eles: Entrada no mercado de trabalho de uma geração info incluida (Millennial Generation); Proliferação de ferramentas de fácil uso*; Aumento da procura por aplicações interactivas. * Ferramentas como o SketchFlow e Adobe Catalyst, Mock Flow, PowerPoint ou Keynote (entre outras) na realização de sketchings, moke ups e protótipos de alta ou baixa fidelidade. USER EXPERIENCE DESIGN Notas finais NÃO ESQUECER! Defina Objectivos 23

24 USER EXPERIENCE DESIGN Notas finais NÃO ESQUECER! Conheça os Utilizadores USER EXPERIENCE DESIGN Notas finais NÃO ESQUECER! Conheça o SEU Utilizador 24

25 USER EXPERIENCE DESIGN Notas finais NÃO ESQUECER! Torne-se no SEU Utilizador USER EXPERIENCE DESIGN Notas finais NÃO ESQUECER! Crie Personas 25

26 USER EXPERIENCE DESIGN Notas finais NÃO ESQUECER! Design primeiro USER EXPERIENCE DESIGN Notas finais NÃO ESQUECER! Teste SEMPRE (não confie em ninguém) 26

27 REFERÊNCIAS Bevan, N. (2010). What is the difference between the purpose of usability and user experience evaluation methods? In UXEM'09 Workshop, INTERACT 2009, Uppsala, Sweden. Dillon, A. (2001). Beyond usability: process, outcome and affect in human computer interactions. Canadian Journal of Library and Information Science 26 (4), pp Hassenzahl, M. and Tractinksy, N. (2006). User experience: a research agenda. In Behaviour and Information Technology 25 (2), pp Hoonhout, J., Law, E., Roto, V., Vermeeren, A. (2011). User Experience White Paper Bringing clarity to the concept of user experience. Result from Dagstuhl Seminar on Demarcating User Experience, September 15 18, 2010, February 11, Law, E., Roto, V., Vermeeren, A., Kort, J., Hassenzahl, M. (2008). Towards a Shared Definition of User Experience. In CHI April 5 April 10, 2008, Florence, Italy. Morville, P. (2004). User Experience Design. In Semantic Studios. Norman, D. (2004). Attractive Things Work Better. In Emotional Design: why we love (or hate) everyday things. Basic Books. 27

USER EXPERIENCE DESIGN CORPORATE TV / DIGITAL SIGNAGE. Bruno Nobre bruno.nobre@iade.pt

USER EXPERIENCE DESIGN CORPORATE TV / DIGITAL SIGNAGE. Bruno Nobre bruno.nobre@iade.pt USER EXPERIENCE DESIGN CORPORATE TV / DIGITAL SIGNAGE Bruno Nobre bruno.nobre@iade.pt USER EXPERIENCE USABILIDADE é um tema recorrente USER EXPERIENCE Usabilidade: - eficácia - eficiência - satisfação

Leia mais

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO Caio Cesar Caio Cesar? Ensino / Pesquisa / Consultoria Comunicação online Marketing Design de Interação www.caiocesar.cc Tema de hoje Design Centrado no Usuário O quê? Por quê?

Leia mais

DESIGN DE INTERFACES GRÁFICAS CORPORATE TV / DIGITAL SIGNAGE. Bruno Nobre bruno.nobre@iade.pt

DESIGN DE INTERFACES GRÁFICAS CORPORATE TV / DIGITAL SIGNAGE. Bruno Nobre bruno.nobre@iade.pt DESIGN DE INTERFACES GRÁFICAS CORPORATE TV / DIGITAL SIGNAGE Bruno Nobre bruno.nobre@iade.pt O que é? Digital Signage é um tipo de painel informativo tipicamente colocado em espaços públicos, usados normalmente

Leia mais

Design de Interacção - IxD

Design de Interacção - IxD Design de Interacção - IxD Formadores: Bruno Nobre e Cláudia Pernencar PORQUÊ FAZER ESTA FORMAÇÃO? Só uma parceria próxima entre o Design, a Tecnologia e o Utilizador permite obter soluções adequadas,

Leia mais

Interacção Homem-Máquina 4-A Engenharia de Usabilidade

Interacção Homem-Máquina 4-A Engenharia de Usabilidade Interacção Homem-Máquina 4-A Engenharia de Usabilidade Pedro Campos dme.uma.pt/pcampos pcampos@uma.pt O Ciclo de Vida de uma Tecnologia O Paradoxo da Tecnologia de Norman Por um lado, é consensual que

Leia mais

Arquitectura de Informação

Arquitectura de Informação Arquitectura de Informação Saul Wurman, criou o termo em 1976. Foi usado para design impresso: mapas guias e atlas. Posteriormente para layouts e outros campos do design. Morville e Rosenfeld, autores

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 05/2005 137-TC-C5 Sergio Ferreira do Amaral Faculdade de Educação da UNICAMP

Leia mais

3. Engenharia de Requisitos

3. Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 3. Engenharia de Requisitos Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Fases do desenvolvimento de software que mais erros originam (fonte: "Software Testing", Ron Patton)

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Design 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing.

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing. Universidade do Algarve Escola superior de Tecnologia Engenharia Elétrica e Eletrónica MARKETING Docente: Jaime Martins Discentes: Mário Sousa Nº25649 Mário Fontainhas Nº24148 Paulo Rodrigues Nº23615 Introdução

Leia mais

IV.4 Análise de Dados da Avaliação

IV.4 Análise de Dados da Avaliação Melhor e Pior? IV - Avaliação IV.4 Análise de Dados da Avaliação Interactive System Design, Cap. 10, William Newman IV.4 Análise de Dados da Avaliação 2 Melhor e Pior? Resumo Aula Anterior! Avaliação com

Leia mais

Wireframes Desenho de Iteração. Henrique Correia. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Wireframes Desenho de Iteração. Henrique Correia. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa 1 Wireframes Desenho de Iteração Henrique Correia Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Sistemas Hipermédia - 1º ano Mestrado Ensino da Informática 11 de Outubro de 2011 2 Wireframes Introdução

Leia mais

LIFE Training Apresentação

LIFE Training Apresentação LIFE Training Apresentação A Life Training é constituída por formadores multidisciplinares, com grande experiência académica e profissional e que complementam a sua formação com conhecimentos nas emergentes

Leia mais

1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19.

1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19. 1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19. ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA

Leia mais

CURSO DE DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS ADEQUAÇÃO A BOLONHA

CURSO DE DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS ADEQUAÇÃO A BOLONHA CURSO DE DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS ADEQUAÇÃO A BOLONHA 1.º ANO Desenho 1.º Semestre A cadeira de Desenho visa dotar os alunos de uma sólida base de conhecimentos e promover acções específicas

Leia mais

Desenvolvimento Iterativo. Unified Process (UP) Esta abordagem ao desenvolvimento

Desenvolvimento Iterativo. Unified Process (UP) Esta abordagem ao desenvolvimento Desenvolvimento Iterativo Esta abordagem ao desenvolvimento assegura que o sistema cresce de forma incremental assegura que a complexidade se mantém controlada permite ainda obter rápido feedback de várias

Leia mais

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1. O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.3, Outubro, 2015 Nota prévia Esta apresentação tem por objetivo, proporcionar

Leia mais

DEINF - UFMA Especialização em Análise e Projeto de Sistema

DEINF - UFMA Especialização em Análise e Projeto de Sistema DEINF - UFMA Especialização em Análise e Projeto de Sistema Interação Humano Computador Prof. Anselmo C. de Paiva Depto de Informática - UFMA Metodologia de Design Problemática do projeto de software COMO

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

Sessão de Esclarecimento. Curso de Webdesign

Sessão de Esclarecimento. Curso de Webdesign Sessão de Esclarecimento Curso de Webdesign Alguns factos: A industria de serviços de Webdesign representa um mercado de $24B apenas nos EUA. Todos os meses são publicados cerca de 16M novos websites.

Leia mais

Introdução. Aulas. ltodi.est.ips.pt/es. Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas

Introdução. Aulas. ltodi.est.ips.pt/es. Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas Sumário Introdução Joaquim Filipe João Ascenso Engenharia de Software 2005/06 EST, Setúbal Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas 2

Leia mais

COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL

COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL PSICOLOGIA DA COMUNICAÇÃO Ciências da Comunicação CONTEXTOS DE COMUNICAÇÃO: COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL Aspectos gerais Comunicação interpessoal e comunicação grupal Comunicação interpessoal e relações interpessoais

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente o potencial da força

Leia mais

h=p://bjork.com/# v Projecto Integrador - 2012 / 2013 USER EXPERIENCE DA INTERFACE GRÁFICA À EXPERIÊNCIA Bruno Nobre bruno.nobre@iade.

h=p://bjork.com/# v Projecto Integrador - 2012 / 2013 USER EXPERIENCE DA INTERFACE GRÁFICA À EXPERIÊNCIA Bruno Nobre bruno.nobre@iade. Projecto Integrador - 2012 / 2013 Bruno Nobre bruno.nobre@iade.pt Cláudia Pernencar claudia.pernencar@iade.pt USER EXPERIENCE DA INTERFACE GRÁFICA À EXPERIÊNCIA h=p://bjork.com/# v 1 USER EXPERIENCE DA

Leia mais

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 055-1 DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB Emanuel Felipe Duarte 1 ; Aline Maria Malachini Miotto 2 RESUMO: O objetivo deste trabalho foi

Leia mais

Usabilidade e Arquitectura de Informação

Usabilidade e Arquitectura de Informação Usabilidade e Arquitectura de Informação a construção da experiência do utilizador O que é a Usabilidade O que é a Arquitectura de Informação Como pensar a web A experiência do utilizador Pensar como um

Leia mais

Mobile UI / UX Design

Mobile UI / UX Design CURSO INTENSIVO Mobile UI / UX Design Mobile UI/UX Design #Lisboa Duração total: 124h 100h : Curso Intensivo prático 16h : 1 Workshop intensivo à escolha Investimento: 255 x 4 (sem juros) (Pronto Pagamento

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Prototipagem Digital II Área Científica: Design Gráfico e Multimédia Ciclo de Estudos: 1º Ciclo Carácter: Obrigatória Ano Lectivo: 2008/2009 Semestre:

Leia mais

Tema: Por que estudar IHC (Interação Humano Computador)?

Tema: Por que estudar IHC (Interação Humano Computador)? Profa. Tatiana Aires Tavares tatiana@lavid.ufpb.br Tema: Por que estudar IHC (Interação Humano Computador)? Criar desejos... Resolver problemas do nosso dia-a-dia Facilitar a vida da gente Tornar possível...

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

Módulo 2 Planeamento de Marketing. Capítulo 4. Atribuição de Preço. Dr. Andrea Grimm Dr. Astin Malschinger

Módulo 2 Planeamento de Marketing. Capítulo 4. Atribuição de Preço. Dr. Andrea Grimm Dr. Astin Malschinger Módulo 2 Planeamento de Marketing Capítulo 4 Atribuição de Preço Dr. Andrea Grimm Dr. Astin Malschinger CONTEÚDOS 2 MÓDULO 2 PLANEAMENTO DE MARKETING Capítulo 4: Atribuição de preços Autores: Dr. Andrea

Leia mais

Projeto de Interfaces para Sistemas Contemporâneos. (ou IxD 101) CBSoft 2012 Tâmara Baía e Giselle Rossi

Projeto de Interfaces para Sistemas Contemporâneos. (ou IxD 101) CBSoft 2012 Tâmara Baía e Giselle Rossi Projeto de Interfaces para Sistemas Contemporâneos (ou IxD 101) CBSoft 2012 Tâmara Baía e Giselle Rossi Sobre o que é este curso? Definições de Design de Interação Características Atividade 1 - Foco

Leia mais

Pós-Graduação em Marketing de Moda

Pós-Graduação em Marketing de Moda Pós-Graduação em Marketing de Moda Público alvo Indicado para profissionais com formação em Moda, Design, Marketing, Comunicação, Arquitetura, dentre outros, e que atuem ou desejem atuar na área de Moda,

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Prototipação Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Prototipar...... desenvolver e testar interfaces antes

Leia mais

DISRUPTIVE DIGITAL EDUCATION

DISRUPTIVE DIGITAL EDUCATION www.edit.com.pt WE/ ARE/ EDIT. DISRUPTIVE DIGITAL EDUCATION APRESENTAÇÃO. A EDIT. é uma escola especializada nas áreas do Design Interativo, Criatividade, Desenvolvimento Tecnológico e Marketing Digital,

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS. e learning. Uma parceria entre:

CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS. e learning. Uma parceria entre: CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS e learning Uma parceria entre: Curso CEAD - Comunicação Empresarial e Análise de Dados NECESSITA DE PREPARAR PROPOSTAS, RELATÓRIOS OU OUTRAS COMUNICAÇÕES

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO.

WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO. WORKSHOPS. CONTEÚDOS E PÚBLICO-ALVO. Workshop 1 Web 2.0 na educação (dinamizado por Fernando Delgado EB23 D. Afonso III) Os serviços da Web 2.0 têm um enorme potencial para a educação, pois possibilitam

Leia mais

Sumário. Engenharia de Software. Gestão da Complexidade. Objectivos. Engenharia de Software

Sumário. Engenharia de Software. Gestão da Complexidade. Objectivos. Engenharia de Software Engenharia de Software Engenharia de Software António Rito Silva Rito.Silva@inesc-id.pt Objectivos Problemas Qualidades Técnicas Conclusões Referências Sumário Engenharia de Software 2 Objectivos A engenharia

Leia mais

the agency workshop series ux / ui workshop

the agency workshop series ux / ui workshop the agency workshop series ux / ui workshop Lisboa the agency workshop series - ux / ui Este Workshop foi concebido por profissionais na área de UX / UI Design que atuam na indústria nacional e internacional.

Leia mais

Processo de Desenvolvimento II. Processo de Desenvolvimento

Processo de Desenvolvimento II. Processo de Desenvolvimento Processo de Desenvolvimento II Processo de Desenvolvimento Street Java Engenharia de Software 2 Capítulo 2 & 3 3 Espiral Barry Bohem 4 Espiral DETERMINAR OBJECTIVOS, ALTERNATIVAS, RESTRIÇÕES Orçamento

Leia mais

Modelos Conceptuais I

Modelos Conceptuais I Modelos Conceptuais I Capítulo 5 Conceptual Models, J. Johnson and A. Henderson (artigo da revista Interactions, Jan. 2002) Interaction Design, Cap. 2 J. Preece Resumo da aula anterior As capacidades das

Leia mais

Soluções Web Centradas no Utilizador. Ivo Gomes

Soluções Web Centradas no Utilizador. Ivo Gomes Soluções Web Centradas no Utilizador Ivo Gomes 1 Soluções Web Centradas no Utilizador Os interfaces gráficos foram desenvolvidos para dar controlo às pessoas sobre os seus computadores. Colmatar as necessidades

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação Projecto de Design Multimédia I Área Científica Design de Comunicação Ciclo de Estudos 1º Ciclo Carácter: Obrigatória Ano Lectivo 2008/2009 Semestre

Leia mais

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000)

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Usabilidade e Ergonomia Usabilidade de Software INF01043 Interação Homem-Computador 2006/2 Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Ergonomics (or human factors) is the scientific discipline

Leia mais

Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores

Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores Como...fazer o pré-teste de materiais de extensão rural com pequenos agricultores A realização de pré-testes antes da distribuição dos materiais de extensão rural é um processo importante no desenvolvimento

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Matemática Aplicada às Ciências Sociais Ensino Regular Curso Geral de Ciências Sociais e Humanas 10º Ano Planificação 2014/2015 Índice Finalidades... 2 Objectivos e competências

Leia mais

inter curso AVALIAÇÃO DE NEGÓCIOS E INVESTIMENTOS REAIS WWW.INTERNACIONAL.COMPANHIAPROPRIA.PT

inter curso AVALIAÇÃO DE NEGÓCIOS E INVESTIMENTOS REAIS WWW.INTERNACIONAL.COMPANHIAPROPRIA.PT Introdução / Apresentação do Curso: O presente aborda a avaliação de negócios e o uso de informação sobre o valor para tomar melhores decisões. Citando Copeland, Koller e Murrin (2000) Temos subjacente

Leia mais

Criação de Páginas Web

Criação de Páginas Web MÓDULO 3 Criação de Páginas Web Duração de Referência: 33 horas 1 Apresentação Neste módulo, procura dar-se uma primeira ideia instrumental de como criar, a partir de aplicativos próprios, a organização

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

ux & ui design curso

ux & ui design curso ux & ui design Porto ux & ui design O QUE É? A evolução da media digital veio evidenciar o fator central do design de produto: O Utilizador. Ao centrar o foco de desenvolvimento na criação de conteúdo

Leia mais

PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE

PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE PRÓXIMA AULA: APRESENTAÇÃO DE PLANO DE COMUNICAÇÃO E O FILME DO YOUTUBE? AULA 12 A. EMAIL MARKETING - Objectivos e problemas - Ideias - Vantagens

Leia mais

Metodologia Projectual?

Metodologia Projectual? Metodologia Projectual? > Metodologia é a parte da lógica que estuda os métodos das diversas ciências, segundo as leis do raciocínio > estudar e enumerar as tarefas de forma a que o projecto seja feito

Leia mais

APLICAÇÃO PRÁTICA ANÁLISE QUALITATIVA DE DADOS GRUPO 5

APLICAÇÃO PRÁTICA ANÁLISE QUALITATIVA DE DADOS GRUPO 5 APLICAÇÃO PRÁTICA ANÁLISE QUALITATIVA DE DADOS GRUPO 5 ARTIGO BASE: LEADERSHIP BEHAVIORS IN SALES MANAGERS: A LEVEL ANALYSIS SHOEMAKER, MARY E., JOURNAL OF MARKETING, (SPRING 2003) Carlos Jorge Carvalho

Leia mais

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados ÁREA A DESENVOLVER Formação Comercial Gratuita para Desempregados Índice 8. Sobre nós 7. Como pode apoiar-nos 6. Datas de realização e inscrição 5. Conteúdos Programáticos 4. Objectivos 3. O Workshop de

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Processos de software Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Processo Um processo é uma série de etapas envolvendo actividades, restrições e

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações." - ISJ,

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações. - ISJ, 1. Introdução Este trabalho enquadra-se na área de Engenharia de Requisitos (ER). O problema abordado é o da insatisfação com as aplicações das Tecnologias de Informação (TI), utilizadas para suportar

Leia mais

EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY PROPOSTA FORMAÇÃO FORÇAS DE SEGURANÇA

EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY PROPOSTA FORMAÇÃO FORÇAS DE SEGURANÇA EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY PROPOSTA FORMAÇÃO FORÇAS DE SEGURANÇA EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY MASTER NEGOCIAÇÃO & VENDAS DURAÇÃO: 8H HORÁRIOS: Laboral e Pós Laboral ESTRUTURA DA PROPOSTA 1. Designação das

Leia mais

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos 1 AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos Ernesto F. L. Amaral 15 de abril de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.57-73 & 75-85.

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Engenharia de software A economia de todos os países desenvolvidos depende do software. O

Leia mais

Selling Tools. Dale Carnegie Training Portugal www.dalecarnegie.pt customerservice@dalecarnegie.pt

Selling Tools. Dale Carnegie Training Portugal www.dalecarnegie.pt customerservice@dalecarnegie.pt Dale Carnegie Training Portugal www.dalecarnegie.pt customerservice@dalecarnegie.pt Enquadramento As vendas têm um ambiente próprio; técnicas e processos específicos. A forma de estar, o networking, os

Leia mais

8. A Qualidade na Produção Vídeo/Áudio

8. A Qualidade na Produção Vídeo/Áudio Fghfg fghgfhfg fghfgh fghfghfg fghfgh fghfghfgh fgh ffghfgh fghfghf fghfgh fghfghfgh fghfghfgh fghfghfghf fghf ghfghgffggfhhgfhgghhg fgfgh 8. A Qualidade na Produção Vídeo/Áudio 8 128 8 - A Qualidade na

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Qualidade em e-serviços multicanal

Qualidade em e-serviços multicanal Qualidade em e-serviços multicanal Em anos recentes temos assistido a um grande crescimento dos serviços prestados pela internet (e-serviços). Ao longo deste percurso, os e-serviços têm também adquirido

Leia mais

Escola Superior de Educação/Instituto Politécnico de Coimbra

Escola Superior de Educação/Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior de Educação/Instituto Politécnico de Coimbra Grau de Mestre/Master (MsC) degree MESTRADO EM INTERACÇÃO HUMANO-COMPUTADOR (HCI HUMAN-COMPUTER INTERACTION) (Edição 2012-2013) Unidades Curriculares

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

Programa User Experience & User Interface Design

Programa User Experience & User Interface Design Programa User Experience & User Interface Design UI / UX Design # Porto 150h Curso Hands-on + Projeto de Curso 34h Projeto Digital 360º 16h Workshop Investimento: 255 x 8 (sem juros) (Pronto Pagamento

Leia mais

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo PÁGINAS WEB António Ginja Carmo Índice 1 - Titulo 2 2 Enquadramento 2 3 - Descrição 3 4 - Objectivos 3 5 Público-Alvo 3 6 - Conteúdos 4 7 - Calendário das Actividades 5 8 - Estratégias Pedagógicas 8 9

Leia mais

CSCW - Trabalho Cooperativo Suportado por Computador

CSCW - Trabalho Cooperativo Suportado por Computador CSCW - Trabalho Cooperativo Suportado por Computador Luís Manuel Borges Gouveia Aveiro, Janeiro de 2002 evolução dos sistemas de interacção o impacto dos computadores e a preocupação das TI foi-se desenvolvendo

Leia mais

Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas. - Ano Lectivo 2010/2011 -

Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas. - Ano Lectivo 2010/2011 - Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas - Ano Lectivo 2010/2011 - Empreendedorismo como ensiná-lo aos nossos jovens? Contudo, e mesmo sendo possível fazê-lo, o espírito empresarial não é normalmente

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Avaliação da Usabilidade no Desenvolvimento do Produto: estudo de caso na concepção de um aparelho para monitoramento de velocidade

Avaliação da Usabilidade no Desenvolvimento do Produto: estudo de caso na concepção de um aparelho para monitoramento de velocidade Avaliação da Usabilidade no Desenvolvimento do Produto: estudo de caso na concepção de um aparelho para monitoramento de velocidade Usability Evaluation in Product Design: a case study in the design of

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

Comportamento social de Personagens Sintéticos: Dinâmica de Grupo. Rui Prada rui.prada@tagus.ist.utl.pt GAIPS, INESC-ID IST UTL

Comportamento social de Personagens Sintéticos: Dinâmica de Grupo. Rui Prada rui.prada@tagus.ist.utl.pt GAIPS, INESC-ID IST UTL Comportamento social de Personagens Sintéticos: Dinâmica de Grupo Rui Prada rui.prada@tagus.ist.utl.pt GAIPS, INESC-ID IST UTL Sumário Introdução Exemplos Problema Modelo Estudo Conclusões Introdução É

Leia mais

Unified Process e MSF

Unified Process e MSF Unified Process e MSF Engenharia de Software 2005/06 EST, Setúbal Metodologias de Desenvolvimento de Software Agenda Metodologia PREDITIVAS (tradicionais) UP MSF Metodologias Adaptativas(Ageis) XP Scrum

Leia mais

Engenharia de aplicações web

Engenharia de aplicações web Engenharia de aplicações web Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt aplicações web As Aplicações Web (WebApp) cresceram em complexidade e importância, abrangendo as

Leia mais

Resenha. Ergodesign e arquitetura da informação: trabalhando com o usuário (Luiz Agner, Rio de Janeiro, Quartet Editora, 2006, 173 p.

Resenha. Ergodesign e arquitetura da informação: trabalhando com o usuário (Luiz Agner, Rio de Janeiro, Quartet Editora, 2006, 173 p. Resenha Ergodesign e arquitetura da informação: trabalhando com o usuário (Luiz Agner, Rio de Janeiro, Quartet Editora, 2006, 173 p.) Thiago de Andrade Marinho 1 Ergodesign e Arquitetura de Informação:

Leia mais

Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK)

Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK) UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK) Maputo, Julho de 2015 UDM 1

Leia mais

Programa Digital Creative Design

Programa Digital Creative Design Programa Digital Creative Design Digital Creative Design # Porto 150h Curso Hands-on + Projeto de Curso 34h Projeto Digital 360º 16h Workshop Investimento: 255 x 8 (sem juros) (Pronto Pagamento : 5% de

Leia mais

FUNDAMENTOS DE UMA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA

FUNDAMENTOS DE UMA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA O sistema educativo deve garantir a coordenação, a consistência e a coerência do ensino para o desenvolvimento da educação científica Critérios de qualidade O conhecimento dos alunos e das suas aptidões

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Processos de software Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Processo Um processo é uma série de etapas envolvendo actividades, restrições e

Leia mais

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos TECNOLOGIA INOVAÇÃO SOFTWARE SERVIÇOS A MISTER DOC foi constituída com o objectivo de se tornar uma referência no mercado de fornecimento de soluções de gestão de

Leia mais

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Instituto Federal do Sertão-PE Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Prof. Felipe Correia Conteúdo Por que estudar Design de Interfaces e Usabilidade?! Conceitos básicos sobre Design! Primeira

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento.

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2007/08 Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Prof. Mário Caldeira Profª Ana Lucas Dr. Fernando Naves

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica

Avaliação Ambiental Estratégica Mestrado em Engenharia do Ambiente Avaliação Ambiental Estratégica O que é a AAE? Evolução, âmbito, formas, benefícios 2 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário O que é a AAE? Instrumento (processo)

Leia mais

A Ergonomia e os Sistemas de Informação. Ivo Gomes

A Ergonomia e os Sistemas de Informação. Ivo Gomes A Ergonomia e os Sistemas de Informação Ivo Gomes A Ergonomia e os Sistemas de Informação Para a maior parte das pessoas, a ergonomia serve para fazer cadeiras mais confortáveis, mobiliário de escritório

Leia mais

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais?

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais? TEMA - liderança 5 LEADERSHIP AGENDA O Que fazem os LÍDERES eficazes Porque é que certas pessoas têm um sucesso continuado e recorrente na liderança de empresas ou de organizações de todos os tipos? O

Leia mais