Projecto Integrador 2012 / 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projecto Integrador 2012 / 2013"

Transcrição

1 Projecto Integrador 2012 / 2013 Bruno Nobre Cláudia Pernencar USER EXPERIENCE Termo de Donald Norman. 1

2 USER EXPERIENCE I invented the term because I thought human interface and usability were too narrow. I wanted to cover all aspects of the person s experience with the system including industrial design, graphics, the interface, the physical interaction, and the manual. Donald Norman em entrevista com Peter Merholz (2007) USER EXPERIENCE Actualmente USABILIDADE é um tema recorrente. Um sistema ou interface precisa de algo mais do que ser apenas usável. Toda a EXPERIÊNCIA do utilizador deve ser considerada! 2

3 USER EXPERIENCE Tudo é IMPORTANTE! A Experiência, a Estética, a Usabilidade e o Utilizador. USER EXPERIENCE A tentar vender a ideia desde milhão de unidades vendidas num só mês. 3

4 USER EXPERIENCE Definição É com frequência que a Ux é referida como um sinónimo de: Usabilidade; Experiência de Interacção; Experiência do Cliente; Design de Interacção; Emoção; Efeito WOW ; Experiência (no seu geral); Um termo chapéu que incorpora muitos, ou todos, os termos anteriores. USER EXPERIENCE Definição It s a ZEN thing, man! 4

5 USER EXPERIENCE Definição O termo User Experience (Ux) é um encontro com um determinado sistema que tem um princípio e um fim; Ux refere se àforma como as pessoas experimentaram, durante um período de tempo, esse dito encontro ; O campo da Ux incide no ESTUDO, DESENHO e AVALIAÇÃO das experiências na utilização de um produto ou sistema; Ocorre num contexto específico que pode ter impacto para, ou contribuir, para a experiência do utilizador. Adaptado de Roto et al. (2011) In Ux White Paper USER EXPERIENCE Definição AUx abrange TODOS os aspectos de interacção do utilizador com a empresa, serviços e produtos; Atender às necessidades exactas do cliente; Transmitir simplicidade, elegância e alegria; Fusão de várias disciplinas, como: engenharia, marketing, design gráfico, design industrial e design de interfaces ( ). 5

6 USER EXPERIENCE Definição Outros autores definem ainda User Experience (Ux) como: Dillon propõe ainda que a Ux deverá incidir sobre três aspectos elementares: Processos, Resultados e Afectos. Processos sobre o que o utilizador faz; (e.g. navegação num site, realização de uma tarefa) Resultados sobre o que o utilizador obtém; (e.g. objectivos e concretização) Afectos sobre o que o utilizador sente, incluindo a resposta emocional, aumentando o entendimento sobre o que a interacção significa para o utilizador. USER EXPERIENCE Definição Outros autores definem ainda User Experience (Ux) como: Nigel Bevan defende que a definição de Usabilidade deveria ser alongada a critérios de Ux relacionados com os níveis de: Satisfação, relacionados com os objectivos propostos; Prazer, associado às respostas emocionais; Conforto, de acordo com o conforto físico da interacção; Confiança, assumindo que o produto/sistema agirá de acordo com o pretendido e esperado. 6

7 USER EXPERIENCE Factores de influência Apesar de existir uma grande variedade de factores que podem influenciar a Ux entre o utilizador e um sistema, estes podem ser classificados em três categorias principais: 1) o CONTEXTO do utilizador e do sistema; 2) o estado do UTILIZADOR; 3) as propriedades do SISTEMA. Adaptado de Roto et al. (2011) In Ux White Paper USER EXPERIENCE Níveis de impacto Donald Norman apresenta ainda três níveis de impacto que o design das coisas têm sobre os utilizadores: Visceral o nível mais imediato, trata se da primeira reacção que o utilizador tem e é dominado pela aparência. A maneira como o grafismo é interpretado pelos utilizadores é subjectivo e depende muito da sua própria psicologia e cultura. Comportamental é no nível comportamental que o utilizador analisa o funcionamento do sistema e aprende a usá lo. O que é, e como é que funciona? Reflexivo o nível reflexivo é baseado na ideia do todo e é posterior à experiência que o utilizador tem da utilização do sistema. 7

8 USER EXPERIENCE Características útil usável desejável valorizável encontrável acessível credível Adaptado de Peter Morville (2004) In Semantic Studios USER EXPERIENCE Objectivo Utilizadores 8

9 USER EXPERIENCE Objectivo USER EXPERIENCE Problemas Problemas? 9

10 USER EXPERIENCE Problemas Demasiado complexo Problemas? USER EXPERIENCE Problemas Diferentes perspectivas Problemas? 10

11 USER EXPERIENCE Problemas Simplesmente não funciona Problemas? USER EXPERIENCE Desespero 11

12 USER EXPERIENCE Estrutura Jesse Garret (2007) e os 5 planos da Ux: Composto pelas imagens e texto que é mostrado pela interface gráfica; Tudo o que é visivel. O esqueleto é a grelha que organiza os elementos visuais (e.g. texto, botões, imagens). A estrutura define como os utilizadores encontram a informação e navegam de ecrã para ecrã. Adaptado de: Jesse Garret (2007) In The Elements of Ux USER EXPERIENCE Estrutura Jesse Garret (2007) e os 5 planos da Ux: Plano de objectivos para o produto multimédia. Define a estrutura e os elementos a constar. O plano estratégico é o alicerce de toda a concepção da estrutura do projecto. Estes 5 tópicos estruturam um modelo conceptual na identificação de problemas relacionados com a Ux. Adaptado de: Jesse Garret (2007) In The Elements of Ux 12

13 USER EXPERIENCE Estrutura Jesse Garret (2007) e os 5 planos da Ux: 5 esses Jesse Garret (2007) In The Elements of Ux USER EXPERIENCE Estrutura Jesse Garret (2007) e os 5 planos da Ux: 5 esses Jesse Garret (2007) In The Elements of Ux 13

14 USER EXPERIENCE Estrutura Para uma melhor Ux, o fluxo de trabalho deve ser contínuo e que possa permitir sobreposições sobre as diversas fases: Jesse Garret (2007) In The Elements of Ux USER EXPERIENCE DESIGN A UxD é uma abordagem para a concepção de produtos, serviços e ambientes, com base numa análise holística da experiência dos utilizadores. É conduzido pelo design da experiência, tendo em conta momentos de engagement entre pessoas, marcas, bem como as memórias criadas desses momentos. Adaptado de: Kimmy Paluch (2006) In User Experience Design Blog 14

15 USER EXPERIENCE DESIGN A UxD é uma abordagem holística e multidisciplinar ao design de interfaces para produtos digitais (mas não só). USER EXPERIENCE DESIGN Integra as disciplinas de: Kimmy Paluch (2006) In User Experience Design Blog 15

16 USER EXPERIENCE DESIGN UxD perspectiva do utilizador: Michael Cummings In uxdesign.com USER EXPERIENCE DESIGN A base da UxD remete para os mesmos princípios do Design Centrado no Utilizador, epresenteatravésda norma ISO :2010, que prevê: Posicionar o utilizador como o propósito central em todo o processo de design; Identificar os aspectos de design que são importantes para o público alvo em questão; Desenvolver o design de forma iterativa e trazer os utilizadores a participar nas várias fases inerentes; Recolher provas de factores específicos ao utilizador para ajudar ao processo de design. Adaptado de Roto et al. (2011) In Ux White Paper 16

17 USER EXPERIENCE DESIGN A UxD engloba atradicional Interacção Pessoa Máquina (IPM) e alarga a sua extensão, abordando todos os aspectos de um produto ou serviço como percebido pelos utilizadores. A IPM aborda apenas a interacção entre uma pessoa e um computador. A UxD aborda o utilizador, a tomada de consciência inicial, a descoberta, o atendimento, a instalação, o serviço, o suporte, os upgrades,as actividades de fim de vida, etc. (Contudo são as actividades de IPM que preenchem a maioria das actividades da equipa de UxD) IBM In What is user experience design? USER EXPERIENCE DESIGN Métodos de IPM Elementos de Ux 17

18 USER EXPERIENCE DESIGN Como? USER EXPERIENCE DESIGN MÉTODO HBSC Consultant 18

19 USER EXPERIENCE DESIGN MÉTODO UX Design: the Virtues of Lean Methodologies design the virtues of lean methodologies USER EXPERIENCE DESIGN MÉTODO User centred design the fundamentals centred design the fundamentals 19

20 USER EXPERIENCE DESIGN PERSONAS Uma persona*é uma figura arquetípica que pode ajudar a guiar decisões sobre os recursos do produto, da navegação, interacções e até mesmo sobre o design (entre outros factores). Projectar para um arquétipo, cujos objectivos e padrões de comportamento são bem compreendidos, ajuda a equipa a satisfazer um grupo mais amplo de pessoas. * termo introduzido por Alan Cooper (1999). USER EXPERIENCE DESIGN PERSONAS 20

21 USER EXPERIENCE DESIGN As personas são um elemento essencial para estabelecer a visão do produto num nível estratégico: PARA (target do produto) QUEM (necessidades dos utilizadores) Através de personas, a equipa tem uma compreensão comum e partilhada dos utilizadores de um determinado serviço ou produto num formato cativante e facilmente vinculável. Personas são uma maneira de ter presente o utilizador ao longo de todo o processo de desenvolvimento de um produto. Adaptado de Jean Grosjean In A day in life of an AgileUX Practitioner USER EXPERIENCE DESIGN STORYTELLING Usar narrativas! 21

22 USER EXPERIENCE DESIGN STORYTELLING USER EXPERIENCE DESIGN Práticas futuras Usar metodologias de desenvolvimento IMERSIVAS. O desenvolvimento imersivo coloca o focus no desenvolvimento das aplicações e de profissionais da Ux, onde são rodeados com uma equipa multidisciplinar que os apoia (e.g. gestores de projecto, analistas de negócio, developers, etc.). Esta metodologia rejeita a noção de que o desenvolvimento de aplicações é como uma fábrica de automóveis ou como construir um centro comercial. Esta aproxima se mais do desenvolvimento de aplicações como um processo criativo, algo mais semelhante ao processo de executar um filme. 22

23 USER EXPERIENCE DESIGN Práticas futuras Capacitar DESIGNERS, ENGENHEIROS e UTILIZADORES FINAIS no sentido de ajudar a desenvolver o produto. O número de empresas que são capazes de desenvolver aplicações está a aumentar devido a uma combinação de diversos factores. Entre eles: Entrada no mercado de trabalho de uma geração info incluida (Millennial Generation); Proliferação de ferramentas de fácil uso*; Aumento da procura por aplicações interactivas. * Ferramentas como o SketchFlow e Adobe Catalyst, Mock Flow, PowerPoint ou Keynote (entre outras) na realização de sketchings, moke ups e protótipos de alta ou baixa fidelidade. USER EXPERIENCE DESIGN Notas finais NÃO ESQUECER! Defina Objectivos 23

24 USER EXPERIENCE DESIGN Notas finais NÃO ESQUECER! Conheça os Utilizadores USER EXPERIENCE DESIGN Notas finais NÃO ESQUECER! Conheça o SEU Utilizador 24

25 USER EXPERIENCE DESIGN Notas finais NÃO ESQUECER! Torne-se no SEU Utilizador USER EXPERIENCE DESIGN Notas finais NÃO ESQUECER! Crie Personas 25

26 USER EXPERIENCE DESIGN Notas finais NÃO ESQUECER! Design primeiro USER EXPERIENCE DESIGN Notas finais NÃO ESQUECER! Teste SEMPRE (não confie em ninguém) 26

27 REFERÊNCIAS Bevan, N. (2010). What is the difference between the purpose of usability and user experience evaluation methods? In UXEM'09 Workshop, INTERACT 2009, Uppsala, Sweden. Dillon, A. (2001). Beyond usability: process, outcome and affect in human computer interactions. Canadian Journal of Library and Information Science 26 (4), pp Hassenzahl, M. and Tractinksy, N. (2006). User experience: a research agenda. In Behaviour and Information Technology 25 (2), pp Hoonhout, J., Law, E., Roto, V., Vermeeren, A. (2011). User Experience White Paper Bringing clarity to the concept of user experience. Result from Dagstuhl Seminar on Demarcating User Experience, September 15 18, 2010, February 11, Law, E., Roto, V., Vermeeren, A., Kort, J., Hassenzahl, M. (2008). Towards a Shared Definition of User Experience. In CHI April 5 April 10, 2008, Florence, Italy. Morville, P. (2004). User Experience Design. In Semantic Studios. Norman, D. (2004). Attractive Things Work Better. In Emotional Design: why we love (or hate) everyday things. Basic Books. 27

USER EXPERIENCE DESIGN CORPORATE TV / DIGITAL SIGNAGE. Bruno Nobre bruno.nobre@iade.pt

USER EXPERIENCE DESIGN CORPORATE TV / DIGITAL SIGNAGE. Bruno Nobre bruno.nobre@iade.pt USER EXPERIENCE DESIGN CORPORATE TV / DIGITAL SIGNAGE Bruno Nobre bruno.nobre@iade.pt USER EXPERIENCE USABILIDADE é um tema recorrente USER EXPERIENCE Usabilidade: - eficácia - eficiência - satisfação

Leia mais

DESIGN DE INTERFACES GRÁFICAS CORPORATE TV / DIGITAL SIGNAGE. Bruno Nobre bruno.nobre@iade.pt

DESIGN DE INTERFACES GRÁFICAS CORPORATE TV / DIGITAL SIGNAGE. Bruno Nobre bruno.nobre@iade.pt DESIGN DE INTERFACES GRÁFICAS CORPORATE TV / DIGITAL SIGNAGE Bruno Nobre bruno.nobre@iade.pt O que é? Digital Signage é um tipo de painel informativo tipicamente colocado em espaços públicos, usados normalmente

Leia mais

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO Caio Cesar Caio Cesar? Ensino / Pesquisa / Consultoria Comunicação online Marketing Design de Interação www.caiocesar.cc Tema de hoje Design Centrado no Usuário O quê? Por quê?

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Design 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Design de Interacção - IxD

Design de Interacção - IxD Design de Interacção - IxD Formadores: Bruno Nobre e Cláudia Pernencar PORQUÊ FAZER ESTA FORMAÇÃO? Só uma parceria próxima entre o Design, a Tecnologia e o Utilizador permite obter soluções adequadas,

Leia mais

Interacção Homem-Máquina 4-A Engenharia de Usabilidade

Interacção Homem-Máquina 4-A Engenharia de Usabilidade Interacção Homem-Máquina 4-A Engenharia de Usabilidade Pedro Campos dme.uma.pt/pcampos pcampos@uma.pt O Ciclo de Vida de uma Tecnologia O Paradoxo da Tecnologia de Norman Por um lado, é consensual que

Leia mais

h=p://bjork.com/# v Projecto Integrador - 2012 / 2013 USER EXPERIENCE DA INTERFACE GRÁFICA À EXPERIÊNCIA Bruno Nobre bruno.nobre@iade.

h=p://bjork.com/# v Projecto Integrador - 2012 / 2013 USER EXPERIENCE DA INTERFACE GRÁFICA À EXPERIÊNCIA Bruno Nobre bruno.nobre@iade. Projecto Integrador - 2012 / 2013 Bruno Nobre bruno.nobre@iade.pt Cláudia Pernencar claudia.pernencar@iade.pt USER EXPERIENCE DA INTERFACE GRÁFICA À EXPERIÊNCIA h=p://bjork.com/# v 1 USER EXPERIENCE DA

Leia mais

Arquitectura de Informação

Arquitectura de Informação Arquitectura de Informação Saul Wurman, criou o termo em 1976. Foi usado para design impresso: mapas guias e atlas. Posteriormente para layouts e outros campos do design. Morville e Rosenfeld, autores

Leia mais

3. Engenharia de Requisitos

3. Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 3. Engenharia de Requisitos Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Fases do desenvolvimento de software que mais erros originam (fonte: "Software Testing", Ron Patton)

Leia mais

As emoções desencadeadas pelas interfaces web: o caso do site Duolingo

As emoções desencadeadas pelas interfaces web: o caso do site Duolingo As emoções desencadeadas pelas interfaces web: o caso do site Duolingo Margarida CARVALHO 1 Lídia OLIVEIRA 2 Resumo As emoções, como componente da experiência do utilizador, têm vindo a ganhar destaque

Leia mais

DISRUPTIVE DIGITAL EDUCATION

DISRUPTIVE DIGITAL EDUCATION www.edit.com.pt WE/ ARE/ EDIT. DISRUPTIVE DIGITAL EDUCATION APRESENTAÇÃO. A EDIT. é uma escola especializada nas áreas do Design Interativo, Criatividade, Desenvolvimento Tecnológico e Marketing Digital,

Leia mais

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Instituto Federal do Sertão-PE Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Prof. Felipe Correia Conteúdo Por que estudar Design de Interfaces e Usabilidade?! Conceitos básicos sobre Design! Primeira

Leia mais

Avaliação da Usabilidade no Desenvolvimento do Produto: estudo de caso na concepção de um aparelho para monitoramento de velocidade

Avaliação da Usabilidade no Desenvolvimento do Produto: estudo de caso na concepção de um aparelho para monitoramento de velocidade Avaliação da Usabilidade no Desenvolvimento do Produto: estudo de caso na concepção de um aparelho para monitoramento de velocidade Usability Evaluation in Product Design: a case study in the design of

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação Projecto de Design Multimédia I Área Científica Design de Comunicação Ciclo de Estudos 1º Ciclo Carácter: Obrigatória Ano Lectivo 2008/2009 Semestre

Leia mais

Sessão de Esclarecimento. Curso de Webdesign

Sessão de Esclarecimento. Curso de Webdesign Sessão de Esclarecimento Curso de Webdesign Alguns factos: A industria de serviços de Webdesign representa um mercado de $24B apenas nos EUA. Todos os meses são publicados cerca de 16M novos websites.

Leia mais

Maria da Conceição Gonçalves Costa

Maria da Conceição Gonçalves Costa Maria da Conceição Gonçalves Costa Identificação pessoal Conceição Costa tem um Master of Arts in Business Communication and Public Relations pela European University (equivalência a grau de mestre pela

Leia mais

Modelos Conceptuais I

Modelos Conceptuais I Modelos Conceptuais I Capítulo 5 Conceptual Models, J. Johnson and A. Henderson (artigo da revista Interactions, Jan. 2002) Interaction Design, Cap. 2 J. Preece Resumo da aula anterior As capacidades das

Leia mais

Programa Digital Creative Design

Programa Digital Creative Design Programa Digital Creative Design Digital Creative Design # Porto 150h Curso Hands-on + Projeto de Curso 34h Projeto Digital 360º 16h Workshop Investimento: 255 x 8 (sem juros) (Pronto Pagamento : 5% de

Leia mais

ux & ui design curso

ux & ui design curso ux & ui design Porto ux & ui design O QUE É? A evolução da media digital veio evidenciar o fator central do design de produto: O Utilizador. Ao centrar o foco de desenvolvimento na criação de conteúdo

Leia mais

CURSO?SP?CIALIZADO?M UX

CURSO?SP?CIALIZADO?M UX CURSO?SP?CIALIZADO?M UX 36 HORAS O Curso (specializado em User (xperience introduz as técnicas e métodos de análise e desenho com o o9jectivo de auxiliar o desenvolvimento de sites e aplicações que apresentam

Leia mais

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000)

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Usabilidade e Ergonomia Usabilidade de Software INF01043 Interação Homem-Computador 2006/2 Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Ergonomics (or human factors) is the scientific discipline

Leia mais

Projeto de Interfaces para Sistemas Contemporâneos. (ou IxD 101) CBSoft 2012 Tâmara Baía e Giselle Rossi

Projeto de Interfaces para Sistemas Contemporâneos. (ou IxD 101) CBSoft 2012 Tâmara Baía e Giselle Rossi Projeto de Interfaces para Sistemas Contemporâneos (ou IxD 101) CBSoft 2012 Tâmara Baía e Giselle Rossi Sobre o que é este curso? Definições de Design de Interação Características Atividade 1 - Foco

Leia mais

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações." - ISJ,

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações. - ISJ, 1. Introdução Este trabalho enquadra-se na área de Engenharia de Requisitos (ER). O problema abordado é o da insatisfação com as aplicações das Tecnologias de Informação (TI), utilizadas para suportar

Leia mais

Usabilidade e Arquitectura de Informação

Usabilidade e Arquitectura de Informação Usabilidade e Arquitectura de Informação a construção da experiência do utilizador O que é a Usabilidade O que é a Arquitectura de Informação Como pensar a web A experiência do utilizador Pensar como um

Leia mais

Programa User Experience & User Interface Design

Programa User Experience & User Interface Design Programa User Experience & User Interface Design UI / UX Design # Porto 150h Curso Hands-on + Projeto de Curso 34h Projeto Digital 360º 16h Workshop Investimento: 255 x 8 (sem juros) (Pronto Pagamento

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

digital creative design curso

digital creative design curso digital creative design Porto digital creative design O QUE É? Um Digital Creative Designer tem a capacidade de materializar a sua criatividade nas várias plataformas digitais. Tem de ter capacidade de

Leia mais

Escola Superior de Educação/Instituto Politécnico de Coimbra

Escola Superior de Educação/Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior de Educação/Instituto Politécnico de Coimbra Grau de Mestre/Master (MsC) degree MESTRADO EM INTERACÇÃO HUMANO-COMPUTADOR (HCI HUMAN-COMPUTER INTERACTION) (Edição 2012-2013) Unidades Curriculares

Leia mais

Mobile UI / UX Design

Mobile UI / UX Design CURSO INTENSIVO Mobile UI / UX Design Mobile UI/UX Design #Lisboa Duração total: 124h 100h : Curso Intensivo prático 16h : 1 Workshop intensivo à escolha Investimento: 255 x 4 (sem juros) (Pronto Pagamento

Leia mais

DEINF - UFMA Especialização em Análise e Projeto de Sistema

DEINF - UFMA Especialização em Análise e Projeto de Sistema DEINF - UFMA Especialização em Análise e Projeto de Sistema Interação Humano Computador Prof. Anselmo C. de Paiva Depto de Informática - UFMA Metodologia de Design Problemática do projeto de software COMO

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

Arquitetura de Informação de websites

Arquitetura de Informação de websites Arquitetura de Informação de websites Apresentação Gil Barros Design e implementação de interfaces digitais desde 96 design gráfico > html perl/lingo > php/sql/flash usabilidade > arquitetura de informação

Leia mais

Ergonomia e usabilidade. TCC - Design Centrado no Usuário

Ergonomia e usabilidade. TCC - Design Centrado no Usuário Ergonomia e usabilidade TCC - Design Centrado no Usuário Usabilidade De acordo com Dantas (2005, 193) interface, perante o senso comum significa comunicação, ou seja, espaço em que há relação entre dois

Leia mais

SEMINÁRIO: PROFISSÕES DA COMUNICAÇÃO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA - ESCOLA SUPERIOR DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

SEMINÁRIO: PROFISSÕES DA COMUNICAÇÃO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA - ESCOLA SUPERIOR DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 2009-2010 / 1º SEMESTRE SEMINÁRIO: PROFISSÕES DA COMUNICAÇÃO RICARDO RODRIGUES GABINETE: 1G1 A AULAS@ESGANA.COM www.esgana.com/aulas 1. O QUE VAMOS FALAR NESTE MÓDULO? O QUE VAMOS FALAR NESTE MÓDULO? 1

Leia mais

Análise semiótica em produtos do segmento de eletrodomésticos

Análise semiótica em produtos do segmento de eletrodomésticos - SEPesq Análise semiótica em produtos do segmento de eletrodomésticos Ivna Motta Ravanello Mestranda em Design ivyravanello@gmail.com César Steffen Doutor em Comunicação cesar_steffen@uniritter.edu.br

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 05/2005 137-TC-C5 Sergio Ferreira do Amaral Faculdade de Educação da UNICAMP

Leia mais

1. Caracterização do Problema e Justificativa

1. Caracterização do Problema e Justificativa Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná (CEFET-PR) Programa de Pós Graduação em Tecnologia (PPGTE) Processo de Seleção para Ingresso em 2006 uso exclusivo do PPGTE O papel da interatividade em

Leia mais

CURSO DE DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS ADEQUAÇÃO A BOLONHA

CURSO DE DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS ADEQUAÇÃO A BOLONHA CURSO DE DESIGN E TECNOLOGIA DAS ARTES GRÁFICAS ADEQUAÇÃO A BOLONHA 1.º ANO Desenho 1.º Semestre A cadeira de Desenho visa dotar os alunos de uma sólida base de conhecimentos e promover acções específicas

Leia mais

Interacção Homem-Máquina Design e Prototipagem

Interacção Homem-Máquina Design e Prototipagem Interacção Homem-Máquina Design e Prototipagem Pedro Campos dme.uma.pt/pcampos pcampos@uma.pt Protótipos: o que são? Modelo desenvolvido para testar ideias de design Examinar conteúdo, estética e técnicas

Leia mais

INTERFACES HOMEM-MÁQUINA INTRODUÇÃO. Santiago P. S. Sáez, 2010

INTERFACES HOMEM-MÁQUINA INTRODUÇÃO. Santiago P. S. Sáez, 2010 INTERFACES HOMEM-MÁQUINA INTRODUÇÃO Santiago P. S. Sáez, 2010 Interface Homem-Máquina -Introdução O estudo da interacção entre as pessoas e os computadores. Para a ACM, trata-se de: a disciplina preocupada

Leia mais

Design Disruptivo a serviço de um mundo melhor v

Design Disruptivo a serviço de um mundo melhor v Design Disruptivo a serviço de um mundo melhor v Design como ferramenta de negócios ! CONFIDENTIAL MATERIAL CONFIDENCIAL WARNING* * Este material contido em nossa apresentação e qualquer material ou *

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais?

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais? TEMA - liderança 5 LEADERSHIP AGENDA O Que fazem os LÍDERES eficazes Porque é que certas pessoas têm um sucesso continuado e recorrente na liderança de empresas ou de organizações de todos os tipos? O

Leia mais

EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY PROPOSTA FORMAÇÃO FORÇAS DE SEGURANÇA

EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY PROPOSTA FORMAÇÃO FORÇAS DE SEGURANÇA EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY PROPOSTA FORMAÇÃO FORÇAS DE SEGURANÇA EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY MASTER NEGOCIAÇÃO & VENDAS DURAÇÃO: 8H HORÁRIOS: Laboral e Pós Laboral ESTRUTURA DA PROPOSTA 1. Designação das

Leia mais

FUNDAMENTOS DE INTERFACE HOMEM MÁQUINA

FUNDAMENTOS DE INTERFACE HOMEM MÁQUINA FUNDAMENTOS DE INTERFACE HOMEM MÁQUINA O que é Design de Interação? Flavio Barbosa professor@flaviobarbosa.com.br Definindo design de interação. Por design de interação entende-se: Projetar produtos interativos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO Ano lec.2013-2014. Curso Profissional de Técnico de Multimédia. Planificação

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO Ano lec.2013-2014. Curso Profissional de Técnico de Multimédia. Planificação ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO Ano lec.2013-2014 Curso Profissional Técnico Multimédia Planificação Disciplina: Design, Comunicação e Audiovisuais Ano: 11º Conteúdos Objetivos Estratégias/Atividas

Leia mais

IV.4 Análise de Dados da Avaliação

IV.4 Análise de Dados da Avaliação Melhor e Pior? IV - Avaliação IV.4 Análise de Dados da Avaliação Interactive System Design, Cap. 10, William Newman IV.4 Análise de Dados da Avaliação 2 Melhor e Pior? Resumo Aula Anterior! Avaliação com

Leia mais

CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS. e learning. Uma parceria entre:

CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS. e learning. Uma parceria entre: CURSO CEAD COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E ANÁLISE DE DADOS e learning Uma parceria entre: Curso CEAD - Comunicação Empresarial e Análise de Dados NECESSITA DE PREPARAR PROPOSTAS, RELATÓRIOS OU OUTRAS COMUNICAÇÕES

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Prototipagem Digital II Área Científica: Design Gráfico e Multimédia Ciclo de Estudos: 1º Ciclo Carácter: Obrigatória Ano Lectivo: 2008/2009 Semestre:

Leia mais

Ponto de Tangência do Emocional e Universal

Ponto de Tangência do Emocional e Universal Ponto de Tangência do Emocional e Universal Point of Tangency of Emotional and Universal Danckwardt, Frances; Graduanda; Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS frandanckwardt@gmail.com Resumo

Leia mais

Curso Técnico de Informática de Sistemas

Curso Técnico de Informática de Sistemas Curso Técnico de Informática de Sistemas Módulo: 772 Sistemas Operativos Formador: Henrique Fidalgo Objectivos da UFCD: Instalar e configurar sistemas operativos. Instalar e configurar utilitários sobre

Leia mais

PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE

PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE PRÓXIMA AULA: APRESENTAÇÃO DE PLANO DE COMUNICAÇÃO E O FILME DO YOUTUBE? AULA 12 A. EMAIL MARKETING - Objectivos e problemas - Ideias - Vantagens

Leia mais

Wireframes Desenho de Iteração. Henrique Correia. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Wireframes Desenho de Iteração. Henrique Correia. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa 1 Wireframes Desenho de Iteração Henrique Correia Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Sistemas Hipermédia - 1º ano Mestrado Ensino da Informática 11 de Outubro de 2011 2 Wireframes Introdução

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing Kern, Bryan; B.S.; The State University of New York at Oswego kern@oswego.edu Tavares, Tatiana; PhD;

Leia mais

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 055-1 DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB Emanuel Felipe Duarte 1 ; Aline Maria Malachini Miotto 2 RESUMO: O objetivo deste trabalho foi

Leia mais

Return on Investment for Usability

Return on Investment for Usability 150 113 75 2001 2003 38 2005 0 2007 Return on Investment for Usability Interacção Homem-Computador, Prof. Pedro Faria Lopes Ricardo Carvalho a24668@iscte.pt ISCTE, Abril 2007 1 1 Quoting It is foolish

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

Interfaces Pessoa/Máquina

Interfaces Pessoa/Máquina Interfaces Pessoa/Máquina Interfaces Pessoa Máquina 2010/11 2009-11 baseado em material Alan Dix 1 Apresentação Docente responsável spa@di.uevora.pt http://www.di.uevora.pt/~spa/ Cursos Mestrado em Engenharia

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

ENTIDADE FORMADORA. C406. Ensino e aprendizagem com TIC na Educação pré-escolar e no 1.º ciclo do Ensino Básico.

ENTIDADE FORMADORA. C406. Ensino e aprendizagem com TIC na Educação pré-escolar e no 1.º ciclo do Ensino Básico. ENTIDADE FORMADORA Formadores: Eunice Macedo e Carlos Moedas C406. Ensino e aprendizagem com TIC na Educação pré-escolar e no 1.º ciclo do Ensino Básico. Escola EB 2,3 Irmãos Passos Guifões 5, 7, 12, 14

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

Parte I Requirement Engineering. Gestão de Projectos Informáticos. Gestão do Âmbito (Scope Management) Requirement Engineering.

Parte I Requirement Engineering. Gestão de Projectos Informáticos. Gestão do Âmbito (Scope Management) Requirement Engineering. Parte I Requirement Engineering Gestão de Projectos Informáticos Gestão do Âmbito (Scope Management) Requirement Engineering Introduzir as noções requisitos de sistema e processo de engª de requisitos

Leia mais

ideação de produtos e geração de ideias

ideação de produtos e geração de ideias ideação de produtos e geração de ideias Regional Scrum Gathering Rio 3 de setembro de 2014 Leonardo Monteiro de Miranda UX Designer, ScrumMaster e Professor nademiranda@gmail.com design centrado no usuário

Leia mais

Interactive Menu. Trabalho feito por: Jorge Manuel Rei Félix (c0807021) Eduardo Miguel Ferreira Alves (c0807047)

Interactive Menu. Trabalho feito por: Jorge Manuel Rei Félix (c0807021) Eduardo Miguel Ferreira Alves (c0807047) Interactive Menu Trabalho feito por: Jorge Manuel Rei Félix (c0807021) Eduardo Miguel Ferreira Alves (c0807047) Bruno Miguel Rodrigues Martins (c0707025) Índice Introdução... 3 Motivação... 3 Objectivos...

Leia mais

21º Congresso Quantificar o Futuro. Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL

21º Congresso Quantificar o Futuro. Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL 21º Congresso Quantificar o Futuro Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL Programa Data Hora Actividade 23/Nov. 11:30 Inauguração Oficial Innovation Lounge Visita efectuada ao Venture Lounge por Sua

Leia mais

CONSULTORIA POSITIVA

CONSULTORIA POSITIVA O consultor é uma pessoa que, pela sua habilidade, postura e posição, tem o poder de influenciar as pessoas, grupos e organizações, mas não tem o poder directo para produzir mudanças ou programas de implementação.

Leia mais

Erivan de Sena Ramos. Fundação Getúlio Vargas (FGV) Barueri São Paulo Brasil. erivansr@gmail.com

Erivan de Sena Ramos. Fundação Getúlio Vargas (FGV) Barueri São Paulo Brasil. erivansr@gmail.com 288 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Elaboração de uma Persona para o profissional de Análise de Requisitos que pratica UX/UCD/IHC baseado em dados estatísticos provenientes de pesquisas no

Leia mais

Computação Afetiva: Uma ferramenta para avaliar aspectos afetivos em aplicações computacionais.

Computação Afetiva: Uma ferramenta para avaliar aspectos afetivos em aplicações computacionais. 286 Computação Afetiva: Uma ferramenta para avaliar aspectos afetivos em aplicações computacionais. Saulo William S. Costa, Ailton Lopes de Sousa, Yomara Pires Laboratório de Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Tecnologia, Negócio e Educação ( Startup )

Tecnologia, Negócio e Educação ( Startup ) Tecnologia, Negócio e Educação ( Startup ) Palestra: Desafios do Analista de Negócio na Era do Digital Business Agenda Apresentação Trends Analista de Negócio Digital transformation A & Q Apresentação

Leia mais

S4S - SMARTPHONES FOR SENIORS. Apresentação dos resultados do Projeto, 6 Setembro 2013

S4S - SMARTPHONES FOR SENIORS. Apresentação dos resultados do Projeto, 6 Setembro 2013 S4S - SMARTPHONES FOR SENIORS Apresentação dos resultados do Projeto, 6 Setembro 2013 AGENDA 14h30 Boas-vindas (MSFT) (10m) 14h40 Apresentação do Projeto S4S (MSFT) (20m) 15h00 Demonstração das aplicações:

Leia mais

Concepção de módulos de ensino aprendizagem em elearning / blearning - Novos paradigmas novos desafios

Concepção de módulos de ensino aprendizagem em elearning / blearning - Novos paradigmas novos desafios José Miguel Gago da Silva Concepção de módulos de ensino aprendizagem em elearning / blearning - Novos paradigmas novos desafios Convergências n.º 2 - Nov., 2008 RESUMO A formação é uma fase de extrema

Leia mais

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1. O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.3, Outubro, 2015 Nota prévia Esta apresentação tem por objetivo, proporcionar

Leia mais

8. A Qualidade na Produção Vídeo/Áudio

8. A Qualidade na Produção Vídeo/Áudio Fghfg fghgfhfg fghfgh fghfghfg fghfgh fghfghfgh fgh ffghfgh fghfghf fghfgh fghfghfgh fghfghfgh fghfghfghf fghf ghfghgffggfhhgfhgghhg fgfgh 8. A Qualidade na Produção Vídeo/Áudio 8 128 8 - A Qualidade na

Leia mais

ARQI. Arquitetura de Informação. Prototipação, layout e wireframe. Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico

ARQI. Arquitetura de Informação. Prototipação, layout e wireframe. Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico ARQI Arquitetura de Informação Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico Prototipação, layout e wireframe Conserva o modelo das sãs palavras que de mim tens ouvido, na fé e no amor que há em Cristo

Leia mais

DIGITAL MARKETING PROFESSIONAL DIPLOMA PELO DIGITAL MARKETING INSTITUTE SEA SEO. www.cegoc.pt/news/marketingdigital WEB ANALYTICS.

DIGITAL MARKETING PROFESSIONAL DIPLOMA PELO DIGITAL MARKETING INSTITUTE SEA SEO. www.cegoc.pt/news/marketingdigital WEB ANALYTICS. O BO TC AM P DIGITAL MARKETING SEA WEB ANALYTICS SEO www.cegoc.pt/news/marketingdigital INTRODUÇÃO TIPOLOGIAS DE FORMAÇÃO ESTRATÉGICA OPERACIONAL PRÁTICA Formação estratégica, estruturante e pensante,

Leia mais

Concepção e Desenvolvimento de Interfaces para o Motor de Busca Geográfico GeoTumba!

Concepção e Desenvolvimento de Interfaces para o Motor de Busca Geográfico GeoTumba! Concepção e Desenvolvimento de Interfaces para o Motor de Busca Geográfico GeoTumba! Sérgio Freitas, Ana Paula Afonso, Mário Silva Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Departamento de Informática

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente o potencial da força

Leia mais

Requisitos e Modelação

Requisitos e Modelação Requisitos e Modelação combinação essencial para melhorar o processo de desenvolvimento de software Class4 -End1 -End2 Class1 * * System Actor1 * -End3 -End5 -End7 * Actor2 UseCase1 -End4 * UseCase2 -End6

Leia mais

Princípios relacionados com a ergonomia de sistemas multimédia uma sistematização possível

Princípios relacionados com a ergonomia de sistemas multimédia uma sistematização possível Princípios relacionados com a ergonomia de sistemas multimédia uma sistematização possível Joana Isadora Castro, João Manuel R. S. Tavares FEUP Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Rua Dr.

Leia mais

ultimate design and technology.

ultimate design and technology. ultimate design and technology. -- Do it or do not. There is no try. yoda, 1980 4 DIGITAL IMPULSE DIGITAL IMPULSE 5 estas são as nossas raízes. -- Quando dizemos que somos de um sítio, o verbo não poderia

Leia mais

INICIAÇÃO Revista Eletrônica de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística

INICIAÇÃO Revista Eletrônica de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística HOLOFACE Programação de Simulação de Interfaces Interativas Aluno: Leandro Santos Castilho 1 Orientador: Romero Tori 2 Linha de Pesquisa: Ambientes Interativos Projeto: Livro 3D Resumo Os conceitos de

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul INFO.EDU: NOVOS TALENTOS NO PAMPA LABORATÓRIO DE CONSTRUÇÃO DE SITES EM ABORDAGEM PARTICIPATIVA

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul INFO.EDU: NOVOS TALENTOS NO PAMPA LABORATÓRIO DE CONSTRUÇÃO DE SITES EM ABORDAGEM PARTICIPATIVA INFO.EDU: NOVOS TALENTOS NO PAMPA LABORATÓRIO DE CONSTRUÇÃO DE SITES EM ABORDAGEM PARTICIPATIVA Área temática: Tecnologia e Produção Amanda Meincke Melo (Coordenadora da Ação de Extensão) Jaline Mombach

Leia mais

Public Presentation Skills the power of PREZI

Public Presentation Skills the power of PREZI Public Presentation Skills the power of PREZI. Captar, impressionar e inspirar a Audiência Background As apresentações da maioria das pessoas são cheias de slides, bullet points, animações, diagramas,

Leia mais

Antecedentes sistémicos do comportamento organizacional

Antecedentes sistémicos do comportamento organizacional Antecedentes sistémicos do comportamento organizacional Estrutura Tecnologia Tamanho Idade Gestão de Recursos Humanos Cultura Aprendizagem Comportamento Desempenho Satisfação Mudança Inovação Tomada de

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

digital creative design curso

digital creative design curso digital creative design Lisboa digital creative design O QUE É? Um Digital Creative Designer tem a capacidade de materializar a sua criatividade nas várias plataformas digitais. Tem de ter capacidade de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE AMBIENTES VIRTUAIS PARA O ENSINO DA FÍSICA

DESENVOLVIMENTO DE AMBIENTES VIRTUAIS PARA O ENSINO DA FÍSICA DESENVOLVIMENTO DE AMBIENTES VIRTUAIS PARA O ENSINO DA FÍSICA TRINDADE, Jorge Fonseca Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico da Guarda Guarda, Portugal FIOLHAIS, Carlos Departamento

Leia mais

Conceito O2. O futuro tem muitos nomes. Para a Conceito O2 é Coaching. Sinta uma lufada de ar fresco. :!:!: em foco

Conceito O2. O futuro tem muitos nomes. Para a Conceito O2 é Coaching. Sinta uma lufada de ar fresco. :!:!: em foco :!:!: em foco Conceito O2 Sinta uma lufada de ar fresco Executive Coaching Através do processo de Executive Coaching a Conceito O2 realiza um acompanhamento personalizado dos seus Clientes com objectivo

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

Sistemas de Representação Interactivos II Beatriz Vieira da Silva 2007-2008 Design de Comunicação // FBAUL

Sistemas de Representação Interactivos II Beatriz Vieira da Silva 2007-2008 Design de Comunicação // FBAUL Sistemas de Representação Interactivos II Beatriz Vieira da Silva Versailles : Complot à la Cour du Roi Soleil (1996) Increasingly, we inhabit a world of transmedia storytelling, one which depends less

Leia mais

Programa Digital Creative Design

Programa Digital Creative Design Programa Digital Creative Design Digital Creative Design # Lisboa 150h Curso Hands-on + Projeto de Curso 34h Projeto Digital 360º 16h Workshop Investimento: 255 x 8 (sem juros) (Pronto Pagamento : 5% de

Leia mais

Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign

Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net Tópicos da Aula 1. Design 2. Importância do

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 RESUMO

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 RESUMO RESUMO METODOLOGIAS DO MARKETING DIGITAL As marcas e empresas precisam de ser ENCONTRADAS COMPREENDIDAS MEMORÁVEIS METODOLOGIAS DO MARKETING DIGITAL Ciclo de acções dos projectos de PESQUISA OBJECTIVOS

Leia mais

Quadros Interactivos Multimédia e Formação Contínua de Docentes. InterwriteBoard Guia de Iniciação

Quadros Interactivos Multimédia e Formação Contínua de Docentes. InterwriteBoard Guia de Iniciação Quadros Interactivos Multimédia e Formação Contínua de Docentes InterwriteBoard Guia de Iniciação A. Jorge Mesquita Maio, 2008 Conteúdo Introdução... 1 Antes de iniciar... 1 Caneta interactiva... 1 Interagir

Leia mais

A Arquitetura de Informação segundo Lou e Peter por Márcio Tristão

A Arquitetura de Informação segundo Lou e Peter por Márcio Tristão A Arquitetura de Informação segundo Lou e Peter por Márcio Tristão Conversamos com Louis Rosenfeld e Peter Morville autores do best-seller Information Architecture for the World Wide Web, o livro do urso

Leia mais

Interação Humano Computador IHC

Interação Humano Computador IHC Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação IHC Prof. Jorge Cavalcanti Jorge.cavalcanti@univast.edu.br www.twitter.com/jorgecav Informações Gerais da Disciplina

Leia mais

Processo de Desenvolvimento II. Processo de Desenvolvimento

Processo de Desenvolvimento II. Processo de Desenvolvimento Processo de Desenvolvimento II Processo de Desenvolvimento Street Java Engenharia de Software 2 Capítulo 2 & 3 3 Espiral Barry Bohem 4 Espiral DETERMINAR OBJECTIVOS, ALTERNATIVAS, RESTRIÇÕES Orçamento

Leia mais

Modelos Conceptual e Mental

Modelos Conceptual e Mental Interfaces Pessoa Máquina 08-10-2012 Modelos Conceptual e Mental Cap. 6 Conceptualização da Interação 06 Melhor e Pior? 1 Melhor e Pior? Resumo Aula Anterior Análise de Utilizadores O que é? Porquê? O

Leia mais