ECLETISMO, ARTS AND CRAFTS ART NOUVEAU

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ECLETISMO, ARTS AND CRAFTS ART NOUVEAU"

Transcrição

1 TH3 Teoria, História e Crítica da Arquitetura e Urbanismo III ECLETISMO, ARTS AND CRAFTS ART NOUVEAU Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Curso de Arquitetura e Urbanismo Prof. Ana Paula Zimmermann

2 Ecletismo (2ª metade Séc. XIX) Após o Neoclássico inicia-se uma tendência ao resgate de estilos históricos Arquitetura mistura de estilos ECLETISMO Os engenheiros/técnicos dominavam as construções. Os projetos e as edificações seguiam uma linha funcionalista: privilegiava-se a função acima da beleza Arquitetos eram chamados para decorar os edifícios (fachadas e interiores) Cada estilo histórico era adequado a uma função: - Clássico edifícios públicos / governos - Gótico edifícios religiosos - Barroco edifícios de lazer (ex.: teatros) 02

3 Parlamento Britânico Arquiteto Charles Barry concebeu o edifício em linguagem clássica: disposição de espaços internos, massas e volumes da edificação foram organizados em função de eixos de simetria, mantendo as proporções do classicismo 03

4 Exigências estéticas impostas pelo governo acrescentaram elementos neogóticos. 04

5 Arquitetura eclética é o nome atribuído à prática acadêmica do mundo ocidental, ocorrida entre as últimas décadas dos século XIX e primeiras do século XX, orientada para questões estilísticas, segundo a qual todos os estilos e tendências históricas da tradição ocidental grego, romano, gótico, renascentista, barroco, juntamente com arquiteturas exóticas chinesa, japonesa, indiana, islâmica são considerados, isoladamente ou conjugados entre si, como tipos ou modelos para edifícios a serem projetados. Residência real Royal Pavilion, Brighton, Inglaterra) 05

6 Petit Palais de Paris França Originalmente: pavilhao de exposições Hoje: museu 06

7 Palácio de Reichstag im Winter - Berlim Alemanha Parlamento Federal 07

8 Arts and Crafts (Artes e Ofícios) Inglaterra 1880 Movimento precursor da Art Nouveau Governo britânico incentivava colaboração entre as artes e a indústria artesanal 1835: criação das escolas de desenho, com o objetivo de aprimorar o design para compatibilizar a arte com a industrialização Mesmo com a indústria ainda nascente alguns artistas e críticos pregavam a volta da tradição artesanal. John Ruskin Crítico, teórico e historiador da arte. Creditava à revolução industrial todos os problemas sociais e econômicos da época. 08

9 William Morris arquiteto e sociólogo acreditava na renovação artesanal para melhorar o design. Sofre influência das ideias de Ruskin e cria a Morris & Co, para produzir em maior escala mas com rigor e acabamento artesanal. Projeta a Red House: todos os móveis e detalhes foram planejados e executados artesanalmente. Suas ideias consagraram a prática de os artistas desenharem objetos para produção em série pela indústria. Gráfica, tecido, papel de parede 09

10 William Morris 10

11 1888 Arts and Crafts Exhibition Society Objetivo: divulgar o desenvolvimento do mobiliário Tendência é a funcionalidade Nestas exposições aparecem participantes que realizam pesquisas formais e começam a trabalhar com formas mais fluidas, curvilineas. Esse movimento dá origem ao Art Nouveau. Outras influências: gravuras e arte japonesa. 11

12 Art Nouveau Europa e Inglaterra Art Nouveau: marchand Bing, loja especializada em venda de móveis e objetos avant-gard Liberty: loja em Londres, 1875 Jugendstil: Alemanha, revista Jugend (1896) Reuniu tendências: industrialização, arte oriental, artes decorativas, iluminuras medievais, artes aplicadas (processos industriais) Rejeita as formas meramente funcionais dos objetos decorativos provenientes da produção em massa e adere às formas sinuosas, curvilíneas. 12

13 Caracterizado pela ruptura com as tradições na arte e na arquitetura. Estilo novo, voltado para a originalidade da forma, destituído de preocupações ideológicas e tradições estéticas. Teve principal influência nos objetos decorativos e na arquitetura (Machintosh, Gaudi) Integração das artes: mesmo princípio passou a ser utilizado na arquitetura, decoração, pintura, móveis, jóias Queria fugir da opressão da indústria, da linha reta, da igualdade Propunha uma linguagem formal inspirada na natureza, caracterizada pela linha sinuosa e dinâmica e decoração floral. Design foi adaptado ao modo de produção industrial 13

14 Aplicado em jóias e demais objetos decorativos O artista não deveria pretender criar uma única obra de arte, mas sim um complexo harmonioso e integrado de partes e elementos que propiciasse um ambiente adequado para a vida social. 14

15 15

16 16

17 Arquitetura: Artes e Ofícios Arquitetos de destaque: Richard Norman Shaw, Charles Francis A. Voysey e Herman Muthesius Edifícios racionais Uso de materiais modernos (concreto, ferro, vidro) aliados aos materiais tradicionais (pedra, tijolo) Amplas janelas Detalhes com aparência artesanal Móveis no estilo Arts & Crafts Decoração integrada ao projeto, papéis de parede 17

18 Richard Shaw nasceu em Edimburgo. Enquanto esteve em Londres frequentou a Academia Real Inglesa. De 1854 a 1856 viajou por diversos lugares graças à Academia Real Inglesa, tempo no qual desenvolveu vários esboços arquitetonicos. Desenhou grandes casas e vários edifícios comerciais, cada um deles com o um estilo próprio. Em 1877 Shaw ingressou nas fileiras da Academia Real Inglesa, e juntamente com Sir Thomas Jackson co-editou a coleção de ensaios de 1892 "Arquitectura, uma profissão ou uma arte?". Richard Shaw acreditava veemente que era uma arte. Anos mais tarde, Shaw começou a trabalhar com o estilo clássico mais pesado do início do século XX. Shaw morreu em Londres, cidade onde desenhou inúmeros edifícios em áreas como Pont Street, e edifícios públicos, sendo um dos mais famosos o New Scotland Yard. 18

19 Prédios da New Scotland Yard original, agora chamados Norman Shaw Buildings, em Westminster, construídos pelo arquiteto Richard Norman Shaw, entre 1887 e

20 New Zealand Chambers, Londres, Shaw se inspirou nos séculos XVII e XVIII e criou o estilo Rainha Ana para edificações urbanas. As características incluem tijolo vermelho, caixilhos brancos e ornamentos cuidadosamente controlados. 20

21 Charles Francis A. Voysey, nascido em Yorkshire, 1857, trabalhou como designer gráfico de papeis de parede e tecidos no início da carreira. Rejeitava o ecletismo na arquitetura e, por influencia do Arts & Crafts, utilizou materiais modernos em seus projetos. Utilizava elementos que remetiam ao artesanal: materiais naturais, painéis de carvalho rústico. Pelas linhas simples dos seus projetos e os interiores de paredes brancas, Voysey foi considerado por muitos como um precursor do movimento modernista. Seus edifícios de maior destaque foram: Tower House, em Bedford Park; Orchard (pomar), em Chorleywood; Cabana Branca, em Wandsworth Common e outras mais de 50 residências. The a 21

22 Sobre o design de interiores Voysey aconselhava: Nós devemos acomodar nosso design ao caráter natural do material.... encontrar prazer na observação da proporção - organizando os móveis e ornamentos para que estejam cada um em seu lugar, nada muito cheio, e cada ítem destacando as qualidades dos demais. A essência da boa proporção é fraternalismo. A natureza embeleza com uso da cor mais calmante verde; ela usa o vermelho em toques comedidos nunca permite que suas cores briguem. Suas árvores roxas, com seu toque de verde primavera, caem amorosamente sobre o tapete azul de jacintos. A harmonia está em todos os lugares." 22

23 23

24 Arquitetura: Art Nouveau Características: 1) Motivos fitomorficos, inspirados na natureza 2) Estilização das formas 3) Ritmo baseado nas curvas e na cor 4) Não existe mais simetria perfeita 5) Busca comunicar agilidade, movimento, leveza O elemento decorativo perde o caráter de acréscimo, de sobreposição. Elemento ornamental se adequa ao objeto transformando-se de superestrutura em estrutura. Funcionalidade se identifica com o belo. 24

25 Artistas proclamavam a intenção de basear sua arte na realidade presente. Por isso os termos aplicados fazem referências à modernidade, à inovação. Podem utilizar elementos do passado mas o faziam de estilos tão distanciados no tempo (medievais) ou no espaço (japoneses) que o resultado parecia original e moderno. Rejeitavam o naturalismo puro e simples. Não se deveria imitar a natureza mas sim sintetizar suas formas e projetá-las de maneira mais livre e imaginativa. 25

26 Victor Horta Arquiteto belga, , em Bruxelas, Bélgica. Estudou desenho, têxteis e arquitetura na Academia de Belas- Artes de Gent começou a trabalhar, desenvolvendo uma arquitetura que rejeita os estilos históricos em voga na época. Casa do Povo (1898), a Casa Horta (1898) e o Hotel Solvay (1900). Fortemente decorativista, utiliza em abundância ferro e o vidro, inspirando-se em elementos vegetais. Aproveita os elementos estruturais como parte da decoração. A partir de 1897 leciona na Universidade de Bruxelas e, entre 1912 e 1931, foi professor na Academia de Belas-Artes de Bruxelas. A casa que construiu para si próprio, em 1898, foi transformada num museu dedicado à Arte Nova. 26

27 Projeta a Casa Tassel, em Bruxelas (Bélgica) considerada o primeiro edifício construído no estilo Art Nouveau. 27

28 28

29 ANTONIO GAUDÍ Barcelona Influenciado por Ruskin e Morris Contrário a ideologias rígidas Produz arquitetura dita religiosa pelos simbolos e signos presentes em seus elementos decorativos Acreditava que a técnica estava a serviço da fantasia, da criação 29

30 Formas abstratas Fluidez, feitio orgânico Forma modelada como uma escultura Cores fortes Revestimento em mosaico Busca a forma pura 30

31 31

32 Verticalismo quase neogótico Substitui o arco de ponta gótico (ogival) por arcos parabólicos Preferência por formas naturais, biomórficas, ritmos lineares contínuos Mostra a essência da criação natural Linhas ondulantes e paredes côncavas ou convexas com decoração em relevo Integração de macro e microestrutura 32

33 A edificação era projetada como um todo: estrutura, fachada, janelas, portas, escadas, móveis, etc. 33

34

35 Conclusões: Arts & Crafts - Durou pouco tempo, mas influenciou o movimento francês da art nouveau e é considerado por diversos historiadores como uma das raízes do modernismo no design gráfico, desenho industrial e arquitetura. O Arts & Crafts foi uma importante influência para o surgimento da Bauhaus, que também acreditavam que o ensino e a produção do design deveria ser estruturado em pequenas comunidades de artesãos-artistas, sob a orientação de um ou mais mestres. A Bauhaus desejou, assim, uma produção de objetos feito por poucos, nos quais a assinatura do artesão tem um valor simbólico fundamental. De forma ampla, a Bauhaus herda a reação gerada no movimento de Morris contra a produtividade anônima dos objetos da revolução industrial. 35

36 Atenção: AED1 (2 freq) Entrega até 27/03/15 Resumo do texto: O Urbanismo em Questão, introdução do livro O Urbanismo, Françoise Choay Deve ser manuscrito!

37 Atenção: 1ª avaliação escrita - 06/03/2015 Individual, sem consulta Conteúdo: aulas até 03/03/15 O Ambiente da Revolução Industrial As Mudanças na técnica das construções durante a Revolução Industrial O Progresso no século XIX Ecletismo e Industrialização O Movimento Artes e Ofícios OBS: Os textos acima são apenas referenciais e não devem ser entendidos como única fonte de estudos. Procure material complementar na biblioteca.

Art Nouveau/ Secessão de Viena

Art Nouveau/ Secessão de Viena 1760 Revolução Francesa 1789 Revolução Industrial 1819 Rainha Vitória 1840 1901 1874 Arts and Crafts 1880 1890 Primeira Guerra Mundial 1914 1918 1924 Art Déco Impressionismo 1925 Art Nouveau/ Secessão

Leia mais

aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Art Nouveau Art Nouveau Profª Adalgiza

aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Art Nouveau Art Nouveau Profª Adalgiza aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Art Nouveau Movimento das Artes e Ofícios Movimento nascido na Inglaterra, na segunda metade do século XIX; Conhecido como Movimento

Leia mais

Antropocentrismo (do grego anthropos, "humano"; e kentron, "centro") é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do

Antropocentrismo (do grego anthropos, humano; e kentron, centro) é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do ARTE GÓTICA A Arte Gótica se desenvolveu na Europa entre os séculos XII e XV e foi uma das mais importantes da Idade Média, junto com a Arte Românica. Ela teve grande influencia do forte Teocentrismo (O

Leia mais

Acadêmicos: Erick Carbone Gabriel Gonçalves

Acadêmicos: Erick Carbone Gabriel Gonçalves Acadêmicos: Erick Carbone Gabriel Gonçalves História da Arquitetura 2008 O Concurso O Grand Palais começou a ser construído em 1897 para abrigar a Exposição Universal de 1900, envolvendo um complexo processo

Leia mais

Uso ou mistura de estilos do passado ocorrido na 2ª metade do séc. XIX

Uso ou mistura de estilos do passado ocorrido na 2ª metade do séc. XIX INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA IEI DIVISÃO DE ENGENHARIA CIVIL DEPARTAMENTO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Arquitetura e Urbanismo EDI - 64 Série 1º e 2º Ano Carga Horária Semanal: 02 Teoria / 01 laboratório

Leia mais

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Neoclássico França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Definição Neoclássico Movimento cultural dado no século

Leia mais

História da Arquitetura

História da Arquitetura Subdivisão da História da Arte - estudo da evolução histórica da arquitetura. Seus princípios Idéias Realizações Cronologia 1. Pré-História Arquitetura neolítica 2. Antigüidade Arquitetura egípcia Arquitetura

Leia mais

ART NOUVEAU. Camilla Almeida Daniel Fleming Érika Tamashiro Heleni Gaudio

ART NOUVEAU. Camilla Almeida Daniel Fleming Érika Tamashiro Heleni Gaudio ART NOUVEAU Camilla Almeida Daniel Fleming Érika Tamashiro Heleni Gaudio CONTEXTO SÉCULO XIX BUSCA POR UM NOVO ESTILO DIVÓRCIO ENTRE AS ARTES APLICADAS: ARQUITETURA, PINTURA E ESCULTURA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

Engenharia e Arquitetura no século XIX

Engenharia e Arquitetura no século XIX AUH0154 História e Teorias da Arquitetura III Engenharia e Arquitetura no século XIX Camilla Bernal P. L. Mendes - 6817461 Fernanda Adams Domingos - 6816870 Fernanda Nogueira Ribeiro - 6816932 Guilherme

Leia mais

Arquitetura: do repertório à prática

Arquitetura: do repertório à prática Arquitetura: do repertório à prática Arquiteto: - tecton, em grego, designava um artífice ligado à construção de objetos por junção de peças; - arqui, prefixo que indica superioridade. Arquitetura: Aurélio:

Leia mais

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO Aula 3.2-2 1. A Anunciação é uma das obras mais conhecidas de Leonardo da Vinci. Feita por volta do ano de 1472, ela retrata uma das cenas bíblicas mais famosas de todos os tempos. Escreva nas linhas abaixo

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 17032441 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA Evolução das Artes Visuais II ETAPA 2ª Período

Leia mais

Romantismo. Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS:

Romantismo. Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS: Romantismo Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS: 1. ( C ) Foi a primeira e forte reação ao Neoclassicismo. 2. ( E ) O romantismo não valorizava a

Leia mais

DESENHO INDUSTRIAL. Carla Laureano

DESENHO INDUSTRIAL. Carla Laureano DESENHO INDUSTRIAL Carla Laureano CASTELNOU O QUE É DESIGN? O Desenho Industrial é uma atividade projetual responsável pela determinação das características funcionais, estruturais e estético-formais de

Leia mais

BARROCO. Pintura. 8º Ano Artes 2º bimestre

BARROCO. Pintura. 8º Ano Artes 2º bimestre 8º Ano Artes 2º bimestre BARROCO A arte barroca desenvolveu-se no século XVII, num período muito importante da história da civilização ocidental, pois nele ocorreram mudança que deram nova feição à Europa

Leia mais

História da Arquitetura

História da Arquitetura História da Arquitetura Subdivisão da História da Arte - estudo da evolução histórica da arquitetura. Seus princípios Idéias Realizações História da arte Evolução das expressões artísticas, a constituição

Leia mais

ARQUITETURA PRÉ-MODERNISTA: ADOLF LOOS E A RACIONALIDADE DA FORMA

ARQUITETURA PRÉ-MODERNISTA: ADOLF LOOS E A RACIONALIDADE DA FORMA 257 ARQUITETURA PRÉ-MODERNISTA: ADOLF LOOS E A RACIONALIDADE DA FORMA Liza da Fonseca Jeronymo¹, Francinne Xavier dos Santos¹, Mariana Malheiro Negrão Bandeira¹, Mariele Silva Ferragini¹, Valquíria Patricia

Leia mais

A Revolução Industrial

A Revolução Industrial textos de José Manuel Russo A Revolução Industrial A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Introdução Embora o século XIX seja conhecido como o da Revolução Industrial, as suas origens centram-se nas transformações assistidas

Leia mais

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino 1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino Contrapondo-se a Egípcia vida pósmortem. Arte grega fundamenta-se na inteligência Os governantes não eram deuses, mas seres mortais Usavam a razão e o senso de

Leia mais

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno 3.3 O Largo do Carmo e seu entorno O Largo do Carmo, como ainda é conhecido o espaço público na frente das igrejas da Ordem Primeira e Terceira do Carmo, e ao lado do Teatro Vasques. Seu entorno conserva

Leia mais

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo Século XIX na Europa as inovações na arte { Predomínio do neoclassicismo ou academicismo ANTIGUIDADE CLÁSSICA IDADE MÉDIA NEOCLASSICISMO OU ACADEMICISMO ROMANTISMO RENASCIMENTO BARROCO ROCOCÓ NEOCLÁSSICO

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br Porque construir? Necessidade de se

Leia mais

Neoclassicismo, Romantismo e Realismo

Neoclassicismo, Romantismo e Realismo 2º ano - ENSINO MÉDIO Aula dia 20/02/15 Neoclassicismo, Romantismo e Realismo Professora Alba Fim do século XVIII e início do século XIX. Período complexo e inquietante de profundas mudanças. A Revolução

Leia mais

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I

HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I União Educacional do Norte Faculdade Uninorte Professora: Edinete Oliveira Arquiteta e Urbanista Tema: A ignorância da Arquitetura & As várias idades do

Leia mais

Neoclassicismo e o Romantismo. Clique para adicionar texto HISTÓRIA DA ARTE

Neoclassicismo e o Romantismo. Clique para adicionar texto HISTÓRIA DA ARTE Neoclassicismo e o Romantismo Clique para adicionar texto HISTÓRIA DA ARTE Nas duas últimas décadas do século XVIII e nas três primeiras do século XIX, uma nova tendência estética predominou nas criações

Leia mais

O surgimento da escrita, a invenção e a evolução das artes gráficas

O surgimento da escrita, a invenção e a evolução das artes gráficas O surgimento da escrita, a invenção e a evolução das artes gráficas A humanidade sempre dependeu de se comunicar para poder sobreviver melhor, transmitir os conhecimentos acumulados sempre foi algo muito

Leia mais

ARTE GÓTICA. História da Arte Profª Denise Dalle Vedove

ARTE GÓTICA. História da Arte Profª Denise Dalle Vedove ARTE GÓTICA História da Arte Profª Denise Dalle Vedove Introdução A Idade Média foi um dos períodos mais longos da história : durou cerca de dez séculos.iniciouse no ano 476, com a ocupação de Roma pelos

Leia mais

UNOCHAPECÓ Artes Visuais 6º período Conteúdo e Métodos II. Profª Me. Márcia Moreno

UNOCHAPECÓ Artes Visuais 6º período Conteúdo e Métodos II. Profª Me. Márcia Moreno UNOCHAPECÓ Artes Visuais 6º período Conteúdo e Métodos II Profª Me. Márcia Moreno 1 Conhecendo o Louvre... Foi no fim do século XII que Filipe Augusto mandou construir um castelo num local já chamado Louvre.

Leia mais

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa:

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa: Neoclassicismo Questão 01 De acordo com a tendência neoclássica, uma obra de arte só seria perfeitamente bela na medida em que imitasse não as formas da natureza, mas as que os artistas clássicos gregos

Leia mais

T U R M A : A 0 8 A L U N O S : E R I C K A A. R E I S ; G L A U C I A M. S I L V A ; H E L G A B. G R O S S ; M A R C E L O A. M.

T U R M A : A 0 8 A L U N O S : E R I C K A A. R E I S ; G L A U C I A M. S I L V A ; H E L G A B. G R O S S ; M A R C E L O A. M. ART NOUVEAU T U R M A : A 0 8 A L U N O S : E R I C K A A. R E I S ; G L A U C I A M. S I L V A ; H E L G A B. G R O S S ; M A R C E L O A. M. G U I M A R Ã E S ; P H I L I P M. F O N S E C A Índice 5

Leia mais

HISTÓRIA DA ARTE Da Pré-história ao Barroco. Professora: Vanessa Oliveira Arte 1ª série Ensino Médio

HISTÓRIA DA ARTE Da Pré-história ao Barroco. Professora: Vanessa Oliveira Arte 1ª série Ensino Médio HISTÓRIA DA ARTE Da Pré-história ao Barroco Professora: Vanessa Oliveira Arte 1ª série Ensino Médio O contexto de uma imagem nos apresenta o cenário geral em que ela foi produzida, sua função e o impacto

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA

PROFESSOR: EQUIPE DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA PROFESSOR: EQUIPE DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA BANCO DE QUESTÕES - EDUCAÇÃO ARTÍSTICA 3ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO - PARTE 3 =============================================================================================

Leia mais

UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1

UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1 DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A ARQUITETURA E URBANISMO PROFESSORA: ELOANE CANTUÁRIA TURMAS: 1ARQV-1 e 1ARQN-1 UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1 MACAPÁ-AP MARÇO/2006

Leia mais

A arte na Grécia. Capítulo 3

A arte na Grécia. Capítulo 3 A arte na Grécia Capítulo 3 Por volta do século X a. C, os habitantes da Grécia continental e das ilhas do mar Egeu formavam pequenas comunidades, distantes umas das outras, e falavam diversos dialetos.

Leia mais

DESENHO DE PRODUTO. José Veríssimo de Sousa. Esta produção visa registrar minhas impressões sobre o conteúdo assimilado na matéria Desenho de Produto.

DESENHO DE PRODUTO. José Veríssimo de Sousa. Esta produção visa registrar minhas impressões sobre o conteúdo assimilado na matéria Desenho de Produto. Portfólio DESENHO DE PRODUTO José Veríssimo de Sousa Esta produção visa registrar minhas impressões sobre o conteúdo assimilado na matéria Desenho de Produto. 18/02/2008 e 25/02/2008. Design Em português

Leia mais

HISTÓRIA DO MOBILIÁRIO: BAUHAUS¹. Mazzini JR., E. G.²; Bisognin, E. L.², Côrrea, L.³, Bortoluzzi. C. G.³; Beck, L. A 4. RESUMO

HISTÓRIA DO MOBILIÁRIO: BAUHAUS¹. Mazzini JR., E. G.²; Bisognin, E. L.², Côrrea, L.³, Bortoluzzi. C. G.³; Beck, L. A 4. RESUMO HISTÓRIA DO MOBILIÁRIO: BAUHAUS¹ Mazzini JR., E. G.²; Bisognin, E. L.², Côrrea, L.³, Bortoluzzi. C. G.³; Beck, L. A 4. 1 Trabalho da linha de pesquisa: Design e Gestão do Produto, História, Estética e

Leia mais

A arte da Europa Ocidental no início da Idade Média

A arte da Europa Ocidental no início da Idade Média Natal, RN / /2014 ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 7º D V DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - III 1º trimestre TATIANE A arte da Europa Ocidental no início

Leia mais

SOCIEDADE PIAUIENSE DE ENSINO SUPERIOR LTDA. INSTITUTO CAMILLO FILHO

SOCIEDADE PIAUIENSE DE ENSINO SUPERIOR LTDA. INSTITUTO CAMILLO FILHO EDITAL Nº 16/2014 O Instituto Camillo Filho torna público que estará recebendo, no período de 15 a 22/12/2014, inscrição de candidatos para admissão no cargo de Professor, para as disciplinas e conforme

Leia mais

Wilderness. casa ÚLTIMAS REPORTAGENS FG+SG

Wilderness. casa ÚLTIMAS REPORTAGENS FG+SG casa Wilderness A construção, assimétrica, quebrada, composta por múltiplos volumes, que se contraem ou se expandem do corpo principal, reinventa, contemporânea, as tradicionais casas de campo britânicas.

Leia mais

neoclassicismo Arquitetura Pintura Escultura

neoclassicismo Arquitetura Pintura Escultura neoclassicismo Arquitetura Pintura Escultura A arquitectura neoclássica De acordo com os ideais iluministas, os arquitectos neoclássicos responderam às necessidades do seu tempo com originalidade e engenho,

Leia mais

Paisagista. "Profissional que trabalha com projetos de paisagens naturais e urbanas"

Paisagista. Profissional que trabalha com projetos de paisagens naturais e urbanas Paisagista "Profissional que trabalha com projetos de paisagens naturais e urbanas" Fonte: Dicionário Michaelis O que é ser um paisagista? Paisagista, ou arquiteto paisagista é o profissional que trabalha

Leia mais

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda;

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda; ARTE PRÉ-HISTÓRICA PALEOLÍTICO INFERIOR aproximadamente 5.000.000 a 25.000 a.c.; controle do fogo; e instrumentos de pedra e pedra lascada, madeira e ossos: facas, machados. PALEOLÍTICO SUPERIOR instrumentos

Leia mais

Teve como base os ideais do Iluminismo, iniciando-se na França e na Inglaterra, expandindo-se por toda Europa.

Teve como base os ideais do Iluminismo, iniciando-se na França e na Inglaterra, expandindo-se por toda Europa. Arte no século XIX Neoclassicismo O Neoclassicismo foi um movimento cultural nascido na Europa em meados do século XVIII, que teve larga influência na arte e na cultura de todo o ocidente até meados do

Leia mais

ARQUITETURA MODERNA BRASILEIRA (a partir de 1944)

ARQUITETURA MODERNA BRASILEIRA (a partir de 1944) ARQUITETURA MODERNA BRASILEIRA (a partir de 1944) Lúcio Costa e Oscar Niemeyer TEORIA E HISTÓRIA DA ARQUITETURA IV Profa. Dra. Deusa Maria R. Boaventura Profa. Isabela Ferrante 1. Arquitetura Moderna Brasileira

Leia mais

SETE MILÊNIOS EM SETE MINUTOS Sob a luneta arquitetônica

SETE MILÊNIOS EM SETE MINUTOS Sob a luneta arquitetônica SETE MILÊNIOS EM SETE MINUTOS Sob a luneta arquitetônica Prof. Marco Pádua O período conhecido como pré-história, ou seja, sem registro dos acontecimentos, situa-se a partir de 8.000 a.c. Chamado de Neolítico

Leia mais

MUSEU DO LOUVRE. REVISTA LOUVRE Museus de Arte

MUSEU DO LOUVRE. REVISTA LOUVRE Museus de Arte REVISTALOUVRE MuseusdeArte MUSEU DO LOUVRE O"Castelo do Louvre" foi fundado pelo rei Filipe II em 1190, como uma fortaleza para defender Paris a oeste contra os ataques dos Vikings. No século XIV, o rei

Leia mais

ANÁLISE DE OBRAS ARQUITETÔNICAS DA PRAÇA DOS GIRASSÓIS, PALMAS/TO COM ÊNFASE NA RELAÇÃO ENTRE A ARQUITETURA E A GEOMETRIA.

ANÁLISE DE OBRAS ARQUITETÔNICAS DA PRAÇA DOS GIRASSÓIS, PALMAS/TO COM ÊNFASE NA RELAÇÃO ENTRE A ARQUITETURA E A GEOMETRIA. ANÁLISE DE OBRAS ARQUITETÔNICAS DA PRAÇA DOS GIRASSÓIS, PALMAS/TO COM ÊNFASE NA RELAÇÃO ENTRE A ARQUITETURA E A GEOMETRIA. Érica CARDOSO (1); Kamila Cristina de SOUZA (2); Thaíssa Fernandes Santana MACENA

Leia mais

1 substituição do teto de madeira por abóbadas. 2 grande espessura das paredes,

1 substituição do teto de madeira por abóbadas. 2 grande espessura das paredes, Arte românica é o nome dado ao estilo artístico vigente na Europa entre os séculos XI e XIII. O estilo é visto principalmente nas igrejas católicas construídas após a expansão do cristianismo pela Europa

Leia mais

Fauvismo. Cubismo. Arte Conceptual, a Street Art e muitas outras.

Fauvismo. Cubismo. Arte Conceptual, a Street Art e muitas outras. A arte nasceu na Pré-História, quando o Homem primitivo decidiu fazer uns desenhos com sangue de animais, nas cavernas onde vivia, sendo denominada por Arte Rupestre. Por fim, chegamos á arte da actualidade,

Leia mais

Palácio de Versailles. Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti

Palácio de Versailles. Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti Palácio de Versailles Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti O Palácio de Versalhes (em francês Château de Versailles) é um château real localizado na cidade de Versalhes, uma aldeia

Leia mais

Peter Behrens REVISTA DIGITAL UM HOMEM QUE MUDOU A HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN

Peter Behrens REVISTA DIGITAL UM HOMEM QUE MUDOU A HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN REVISTA DIGITAL Peter Behrens UM HOMEM QUE MUDOU A HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN Conheça a história de Peter Behrens e a sua importância na criação do conceito design 1 2 Trabalho feito pelos alunos de

Leia mais

TH-3. Prof. Ana Paula Zimmermann. Turma C01 2015/1

TH-3. Prof. Ana Paula Zimmermann. Turma C01 2015/1 TH-3 Prof. Ana Paula Zimmermann Turma C01 2015/1 Arquitetura Brasileira Descoberto em 1500 pelo Reino de Portugal, o Brasil manteve-se na qualidade de colônia até o século XIX. Durante este período podemos

Leia mais

S c e n a r i u m G a l e r i a. Exposição Azul Cobalto, Azulejos e Memórias

S c e n a r i u m G a l e r i a. Exposição Azul Cobalto, Azulejos e Memórias S c e n a r i u m G a l e r i a Exposição Azul Cobalto, Azulejos e Memórias Azul Cobalto, Azulejos e Memórias...Ladrilhos eternos, como eterno para mim é o prédio número 13 da Rua do Lavradio e sua fachada

Leia mais

ARTE PALEOCRISTÃ PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS. Arte Paleocristã Arte Bizantina Arte Islâmica - ESPIRITUALIDADE

ARTE PALEOCRISTÃ PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS. Arte Paleocristã Arte Bizantina Arte Islâmica - ESPIRITUALIDADE Arte Paleocristã Arte Bizantina Arte Islâmica ARTE PALEOCRISTÃ ARTE PALEOCRISTÃ Também chamada de Arte das Catacumbas, desenvolveu-se dentro do Império Romano, quando surgiram os primeiros núcleos cristãos.

Leia mais

Projeto do Livro. Paisagens Art Déco, Arquitetura no Rio de Janeiro Virgilio Garbayo. Conteúdo

Projeto do Livro. Paisagens Art Déco, Arquitetura no Rio de Janeiro Virgilio Garbayo. Conteúdo Projeto do Livro Conteúdo Introdução Conceito Art Déco no Rio de Janeiro Cidade Maravilhosa, Urbanismo e humanidade Divulgar a arquitetura Art Déco no Rio de Janeiro Público alvo Análise de Competidores

Leia mais

Revisão/ 2 Ano/Arte. Neoclassicismo/ Romantismo/ Realismo/ Impressionismo/Pósimpressionismo/Neoimpressionismo/ Art noveau

Revisão/ 2 Ano/Arte. Neoclassicismo/ Romantismo/ Realismo/ Impressionismo/Pósimpressionismo/Neoimpressionismo/ Art noveau Revisão/ 2 Ano/Arte Neoclassicismo/ Romantismo/ Realismo/ Impressionismo/Pósimpressionismo/Neoimpressionismo/ Art noveau Neoclassicismo: Novo clássico. Novo resgate do vocabulário e das ideias que surgiram

Leia mais

Concebida por arquitetos que visam a elegância e a praticidade do bom viver, a TABLERIA, é uma empresa extremamente ligada às tendências

Concebida por arquitetos que visam a elegância e a praticidade do bom viver, a TABLERIA, é uma empresa extremamente ligada às tendências Concebida por arquitetos que visam a elegância e a praticidade do bom viver, a TABLERIA, é uma empresa extremamente ligada às tendências contemporâneas. Propõe levar para dentro de sua residência, escritório,

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

A descoberta de novos continentes, a visão antropocêntrica do mundo, a invenção da bússola e da imprensa, a afirmação dos estados nacionais; a

A descoberta de novos continentes, a visão antropocêntrica do mundo, a invenção da bússola e da imprensa, a afirmação dos estados nacionais; a A descoberta de novos continentes, a visão antropocêntrica do mundo, a invenção da bússola e da imprensa, a afirmação dos estados nacionais; a difusão de variadas formas artísticas inspiradas no mundo

Leia mais

05/09/12. ANÁLISE DOS PROJETOS: ARQUITETÔNICO/ URBANO Guia para estudo do projeto e estudos de caso

05/09/12. ANÁLISE DOS PROJETOS: ARQUITETÔNICO/ URBANO Guia para estudo do projeto e estudos de caso TEORIA E HISTÓRIA DA ARQUITETURA V Profa. Dra Deusa Maria R. Boaventura ANÁLISE DOS PROJETOS: ARQUITETÔNICO/ URBANO Guia para estudo do projeto e estudos de caso REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SUGESTÃO DE

Leia mais

SEJAM BEM VINDOS AO NOSSO JARDIM, E APRECIEM AS NOSSAS MAIS BELAS FLOWERS.

SEJAM BEM VINDOS AO NOSSO JARDIM, E APRECIEM AS NOSSAS MAIS BELAS FLOWERS. A natureza é sempre contemplativa em qualquer época do ano. Nosso irmão sol, nosssa irmã lua, água fonte de vida, e a mãe terra com inúmeras espécies de flores. Flores agraciadas e perfumadas, no quarto,

Leia mais

SOLAR DA IMPERATRIZ - PROJETO DE RESTAURO PESQUISA HISTÓRICA

SOLAR DA IMPERATRIZ - PROJETO DE RESTAURO PESQUISA HISTÓRICA SOLAR DA IMPERATRIZ - PROJETO DE RESTAURO PESQUISA HISTÓRICA 1. INTRODUÇÃO A pesquisa histórica levada a cabo pela equipe da 6ª CR do IPHAN e que esteve agregada ao Edital de Licitação do Projeto de Restauro

Leia mais

Urbanismo e planejamento urbano A Cidade do Século XIX

Urbanismo e planejamento urbano A Cidade do Século XIX Urbanismo e planejamento urbano A Cidade do Século XIX Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Artes e Arquitetura Curso de Arquitetura e Urbanismo Teoria e História da Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

LUZ E SOMBRA NA ARTE

LUZ E SOMBRA NA ARTE LUZ E SOMBRA NA ARTE A luz e a sombra são elementos fundamentais da linguagem visual. Com elas podemos criar no desenho, na pintura e escultura belíssimos efeitos como o de dilatação do espaço, o de profundidade

Leia mais

ANEXO VI CHAMAMENTO PÚBLICO 001/2011 TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO VI CHAMAMENTO PÚBLICO 001/2011 TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO VI CHAMAMENTO PÚBLICO 001/2011 TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETIVO O presente Termo de Referência estabelece as orientações necessárias ao edital de Chamamento Público SECIDADES Nº 001/2011 para credenciamento

Leia mais

TURMA 601. Aula 07. Formas Geométricas

TURMA 601. Aula 07. Formas Geométricas TURMA 601 Aula 07 Formas Geométricas As figuras geométricas sempre chamaram a atenção dos artistas plásticos. As composições com figuras geométricas é um trabalho de buscar o equilíbrio entre as formas.

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

A implantação da Academia de Belas Artes, o Neoclassicismo e os desdobramentos da arquitetura no período.

A implantação da Academia de Belas Artes, o Neoclassicismo e os desdobramentos da arquitetura no período. A Arquitetura Brasileira do século XIX A implantação da Academia de Belas Artes, o Neoclassicismo e os desdobramentos da arquitetura no período. Prof. Dr. Carlos Augusto Mattei Faggin Denis de Souza e

Leia mais

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX Neoclassicismo ou Academicismo: * Últimas décadas do século XVIII e primeiras do XIX; * Retoma os princípios da arte da Antiguidade grecoromana; * A

Leia mais

As Influências artísticas nos projetos de cartazes

As Influências artísticas nos projetos de cartazes As Influências artísticas nos projetos de cartazes Acadêmico: Pedro de Marco * Orientação: Profº Drº Carlos Alberto Ávila dos Santos Resumo Durante o Estagio Final de Curso de Design foram postas a prática

Leia mais

COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO. Aluno (a): Série:

COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO. Aluno (a): Série: COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO Aluno (a): Série: Nº. Data: / /2012 Professor(a): Rosilene Ardengui 7º Ano CALIGRAFIA TÉCNICA OU

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO PAVILHÕES Os edifícios para grandes exposições têm marcado a história da Arquitetura desde 1851, com a construção do Palácio de Cristal, concebido por Joseph Paxton para a primeira Exposição Universal,

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DO ESPAÇO. Antonio Castelnou

INTERPRETAÇÃO DO ESPAÇO. Antonio Castelnou INTERPRETAÇÃO DO ESPAÇO Antonio Castelnou CASTELNOU Introdução No decorrer da história, nem todos os espaços arquitetônicos mereceram a atenção dos estudiosos, mas apenas aqueles que possuíam algum valor

Leia mais

CURSO INTRODUÇÃO À CRÍTICA DE ARTE

CURSO INTRODUÇÃO À CRÍTICA DE ARTE CURSO INTRODUÇÃO À CRÍTICA DE ARTE Aninha Duarte 2004 CRÍTICA Arte ou faculdade de examinar e/ou julgar as obras do espírito, em particular as de caráter literário ou artístico. Apreciação minuciosa. (AURÉLIO,

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

22/04/2015. Publicidade Gráfica. Tipografia. Você sabe qual a importância da Tipografia no mundo em que vivemos?

22/04/2015. Publicidade Gráfica. Tipografia. Você sabe qual a importância da Tipografia no mundo em que vivemos? Publicidade Gráfica Tipografia Você sabe qual a importância da Tipografia no mundo em que vivemos? 1 Capa de Livro Capa de Revista 2 Cartaz Pôster de Filme 3 Grafitte 4 A tipografia do grego typos = forma

Leia mais

DAS ARTES. 1º semestre / 2012. Aula 4. Prof. a M. a Marcela Provinciatto Siscão. masiscao@hotmail.com

DAS ARTES. 1º semestre / 2012. Aula 4. Prof. a M. a Marcela Provinciatto Siscão. masiscao@hotmail.com ESTÉTICA TICA E HISTÓRIA DAS ARTES 1º semestre / 2012 Aula 4 Prof. a M. a Marcela Provinciatto Siscão masiscao@hotmail.com 1 ANTIGUIDADE OCIDENTAL ARTE ANTIGA: ROMANA 2 Roma Antiga Extensão máxima território

Leia mais

The Charles Rennie Mackintosh Society

The Charles Rennie Mackintosh Society Biografia Charles Rennie Mackintosh nasceu dia 7 de Junho de 1868, em Glasgow. No período em que frequentou a escola pública Reid e a Allan Glen s School, demonstrou pouco domínio sobre o estudo mas se

Leia mais

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda;

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda; ARTE PRÉ-HISTÓRICA PALEOLÍTICO INFERIOR aproximadamente 5.000.000 a 25.000 a.c.; controle do fogo; e instrumentos de pedra e pedra lascada, madeira e ossos: facas, machados. PALEOLÍTICO SUPERIOR instrumentos

Leia mais

O MODERNISMO - ARQUITECTURA

O MODERNISMO - ARQUITECTURA O MODERNISMO - ARQUITECTURA ARTE VS TÉCNICA TRADIÇÃO VS MODERNIDADE ACADEMISMO VS FUNCIONALISMO FORMA VS FUNÇÃO BELO VS ÚTIL PAPEL DO ARQUITECTO NA SOCIEDADE O MODERNISMO - ARQUITECTURA ESCOLAS DE BELAS-ARTES

Leia mais

PROGRAMA DE HISTÓRIA DAS ARTES

PROGRAMA DE HISTÓRIA DAS ARTES PROGRAMA DE HISTÓRIA DAS ARTES 11ª Classe 2º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO GERAL Área de Artes Visuais Ficha Técnica Título Programa de História das Artes - 11ª Classe Editora Editora Moderna, S.A. Pré-impressão,

Leia mais

FLORENÇA. Data do Sec. I a. C.

FLORENÇA. Data do Sec. I a. C. FLORENÇA Data do Sec. I a. C. Cópia do Sec. XIX Pianta della Catena A cidade nasce da política, da observação do que existe, dos levantamentos feitos e da meditação na realidade a cidade não nasce, vai-se

Leia mais

A IMAGEM COMO TRANSMISSORA DE CONHECIMENTO. Korina Costa

A IMAGEM COMO TRANSMISSORA DE CONHECIMENTO. Korina Costa Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 155 A IMAGEM COMO TRANSMISSORA DE CONHECIMENTO Korina Costa Arquiteta e Urbanista, Especialista em Docência do Ensino

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Decor Store. Interiores. Loja de Decorações de Interiores. Cristiane Dal Prá Designer de Interiores

Decor Store. Interiores. Loja de Decorações de Interiores. Cristiane Dal Prá Designer de Interiores Decor Store Interiores Loja de Decorações de Interiores Cristiane Dal Prá Designer de Interiores Quem somos A Decor Store Interiores é uma loja que agrega em um único espaço vários itens relacionados a

Leia mais

DESIGN GRÁFICO E ARTE PUBLICITÁRIA

DESIGN GRÁFICO E ARTE PUBLICITÁRIA DESIGN GRÁFICO E ARTE PUBLICITÁRIA PÔSTER - FINAL DO SÉCULO XIX O pôster fala sobre as tendências estéticas de uma geração. Jules Cherét - desenvolveu sistema de litografia em 3 a 4 cores. PÔSTER - FINAL

Leia mais

excessivamente ornamental, atualmente se valoriza muito a importância histórica do Art Nouveau, sem menosprezar a sua riqueza ornamental.

excessivamente ornamental, atualmente se valoriza muito a importância histórica do Art Nouveau, sem menosprezar a sua riqueza ornamental. Art nouveau (AFI: [aʁ nuvo], "arte nova" em francês) foi um estilo estético essencialmente de design earquitetura que também influenciou o mundo das artes plásticas. Era relacionado com o movimento arts

Leia mais

O barroco O caso Francês e o barroco no mundo

O barroco O caso Francês e o barroco no mundo O barroco O caso Francês e o barroco no mundo O caso Francês Em França, as concepções renascentistas permaneceram até mais tarde, pois houve uma grande resistência ao Barroco por parte das academias. Quando

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo

Arquitetura e Urbanismo Arquitetura e Urbanismo Arquitetura e Urbanismo CARREIRA EM ARQUITETURA E URBANISMO Os arquitetos recebem uma formação geral que lhes permite trabalhar em diversos campos: em projetos de construções, de

Leia mais

Arte 1º. Ano do Ensino Médio. Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico).

Arte 1º. Ano do Ensino Médio. Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico). Arte 1º. Ano do Ensino Médio 1º. Trimestre - Conteúdo Avaliativo: Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico). Períodos Artísticos: Pré-História/Idade Antiga

Leia mais

Teatro e Bar no Morro da Urca 1986

Teatro e Bar no Morro da Urca 1986 Anexo 1.12 Teatro e Bar no Morro da Urca 1986 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: Rio de Janeiro RJ, Brasil. Autoria: desconhecida. Data do Projeto: 1912. Data da Construção: 1913. Área do Terreno: não foram

Leia mais

Revolução Industrial e Socialismo. A Revolução Industrial.

Revolução Industrial e Socialismo. A Revolução Industrial. Aula 11 Revolução Industrial e Socialismo Nesta aula, iremos tratar da Revolução Industrial e de suas conseqüências para o mundo contemporâneo. Entre as conseqüências, destaque para o desenvolvimento de

Leia mais

Teatro Municipal do Rio de Janeiro

Teatro Municipal do Rio de Janeiro c a p a Teatro Municipal do Rio de Janeiro Por Tatiana Teles Sob a merecida luz dos refletores O TEATRO MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO É UMA construção característica da arquitetura acadêmica francesa da

Leia mais

Arquiteto André Luque - Linha Cores Lisas B30 CATÁLOGO COLORMIX

Arquiteto André Luque - Linha Cores Lisas B30 CATÁLOGO COLORMIX CATÁLOGO 2009 Arquiteto André Luque - Linha Cores Lisas B30 CATÁLOGO COLORMIX PASTILHAS DE VIDRO E PORCELANA 04 16 20 28 34 44 48 58 66 76 Linha Cores Lisas Linha Mármore Linha Ouro Linha Dubai Linha Murano

Leia mais

Neste momento, originou-se um novo tipo de cultura : a cultura do consumo, que correspondeu à troca da compra de bens materiais para a satisfação das

Neste momento, originou-se um novo tipo de cultura : a cultura do consumo, que correspondeu à troca da compra de bens materiais para a satisfação das Neste momento, originou-se um novo tipo de cultura : a cultura do consumo, que correspondeu à troca da compra de bens materiais para a satisfação das necessidades por um consumo de imagens e valores agora

Leia mais

solução de qualidade na arquitetura dos edifícios

solução de qualidade na arquitetura dos edifícios cobre solução de qualidade na arquitetura dos edifícios Copyright 2003 - Todos os direitos reservados e protegidos Será permitido o download gratuito do(s) arquivo(s) eletrônico(s) desta publicação para

Leia mais

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL DISCIPLINA: ARTE PROFESSORA: Cristiana de Souza DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 8º ANO TURMA: A e B ALUNO (A): Nº: 01. RELAÇÃO DO CONTEÚDO RELAÇÃO DOCONTEÚDO

Leia mais

Um Museu Super Divertido Boston Children s Museum

Um Museu Super Divertido Boston Children s Museum Um Museu Super Divertido Boston Children s Museum É só entrar e ver a alegria das crianças escorregando, subindo e descendo por uma escultura de madeira que mais parece um trepa trepa gigante. É incrível!

Leia mais