Workshops NAGI ABIMAQ INOVAÇÃO NA PRÁTICA - Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Workshops NAGI ABIMAQ INOVAÇÃO NA PRÁTICA - Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos"

Transcrição

1 Workshops NAGI ABIMAQ INOVAÇÃO NA PRÁTICA - Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos Instituto de Pesquisa e desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Máquinas e Equipamentos

2 AGENDA Abertura do Workshop Inovação na Prática NAGI/ABIMAQ Como dimensionar a maturidade da inovação de sua empresa? Inovação como negócio Ferramentas para a identificação de oportunidades de inovação

3 ABERTURA DO WORKSHOP INOVAÇÃO NA PRÁTICA NAGI/ABIMAQ Objetivo do NAGI/ABIMAQ Criar Núcleos de Apoio à Gestão da Inovação nas Pequenas e Médias Empresas*do setor de bens de capital, segundo o Modelo de Gestão da Inovação ABIMAQ, viabilizando o desenvolvimento de projetos de inovação e aumentando a competitividade do setor.

4 Workshops NAGI ABIMAQ INOVAÇÃO NA PRÁTICA - COMO DIMENSIONAR A MATURIDADE DE INOVAÇÃO DA SUA EMPRESA Professor Neri dos Santos

5 INTERNACIONAL NACIONAL REGIONAL MODELO DE GESTÃO DA INOVAÇÃO ABIMAQ Empresas Líderes Champions Políticas Públicas Setores Produtivos Fornecedores e Distribuidores 7 Comercialização 8 Escalabilidade da solução Clientes 1 Ideação Alinhada à Estratégia Organizacional Internacionalização 2 Portifólio de Projetos, EVTEC Modelo Negócio Propriedade Intel. Empresas associadas ABIMAQ Concorrentes Políticas Públicas Ambiente do Ecossistema de Inovação ABIMAQ Agências de fomento Órgãos reguladores Programas de financiamento Desenvolvimento 6 Investidores e Fundos Captação de Recursos 5 Solução detalhada 4 Políticas Públicas 3 Prova de Conceito Universidades Parceiros Centros de Inovação Consultorias Laboratórios P&D Infra estrutura tecnológica

6 PREMISSAS DO MODELO Entender Entender Observar O Cliente O Mercado A Tecnologia O que não está claro O que não é desejado O que não está satisfazendo Implementar Filosofias Processos Observar Visualizar Como a solução resolve o problema Construção de um protótipo Pessoas Aperfeiçoar Criação de soluções alternativas Ajustar Aperfeiçoar Visualizar Implementar Comercialização Estratégia de mercado IDEO, The Art of Innovation, 2012; DNA do Inovador: dominando as 5 habilidades dos inovadores e ruptura, Christensen; Dyer; Gregersen, 2012.

7 GESTÃO DO MODELO GOVERNANÇA NAGI / ABIMAQ Nível 2: Estruturas de Governança Sibratec Núcleo de Inovação na Empresa Gestor de Projeto Diretoria e Gerência Alinhamento ABIMAQ Gestão das ações de inovação Atendimento metas internas Gestão do Projeto Relacionamento com mercado Gestão de Entregas Avaliação de desempenho CAdm Conselho de Administração CGes Conselho Gestor Equipe de Projeto Especialistas Técnicos Parceiros Desenvolvimento Apoio Tecnológico Validação e testes Manter a cultura Inovação Demais colaboradores

8 RECURSOS PARA INOVAÇÃO Fundações de apoio Fontes Internacionai s

9 MODALIDADES PRATICADAS Fundações de apoio Reembolsável Subvenção Não- Reembolsável Incentivo Fiscal Capital de Risco Bolsas Instituição de Pesquisa Empresas

10 LINHAS DE FOMENTO Modalidades Fundações de Apoio Agências Estaduais de Desenvolvimento Reembolsável Inova EMPRESA Crédito R$ 20,9bi MPME inovadora R$ 500 milh BRDE Inova (via BNDES) Inovacred: R$ 1,2Bi Fontes Subvenção Não Reembolsável Inova Empresa Subvenção: R$ 1,2 bi Inova Empresa: Projeto ICT: 4,2 bi BNDES FUNTEC R$ 200 milhões PAPPE TECNOVA: R$ 25 milhões Juro Zero Senai/Sesi Inovação R$ 27,5 milh COSME R$ 8 BI Horizon 2020 R$ 250 bi FP7 R$ 4 bi Bolsas Recursos Humanos: Pesquisador na Empresa: R$ 100 milhões Senai/Sesi Inovação R$ 3 milh Incentivos Fiscais

11 $ ROAD MAP Reembolsável R$ 22,6 bi Subvenção R$ 1,2 bi Não -Reembolsável R$ 258,5 bi Bolsas R$ 100 mi 2015 / 2020 Valores aproximados

12 FATORES RESTRITIVOS Enquadramento nos Requisitos Composição de Garantias Contrapartidas financeiras Projetos Inovadores Capacidade de pagamento* * Para financiamentos

13 PASSO A PASSO Implementação Prestação de conta Captação do Recurso Formatação do projeto Enquadramento nas linhas de fomento Consulta a fonte de fomento Ideia Identificação das atividades de P,D&I Modelo de Gestão 13 Modelo da de Inovação Gestão da Inovação NAGI/IPDMAQ NAGI/ABIMAQ

14 IDENTIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES DE P, D & I Glossário P, D & I Identificar as atividades de PD&I, segundo as definições das fontes de fomento. Modelo de Gestão Modelo da de Inovação Gestão da Inovação NAGI/IPDMAQ NAGI/ABIMAQ

15 CONSULTA A FONTE DE FOMENTO Fundações de Apoio Agências Estaduais de Desenvolvimento Avaliar previamente a ideia do projeto junto a fonte de fomento. Buscar orientações sobre garantias e enquadramento.

16 ENQUADRAMENTO NA LINHA DE FOMENTO Avaliar a aderência aos requisitos de enquadramento, valores e contrapartida. Modelo de Gestão Modelo da de Inovação Gestão da Inovação NAGI/IPDMAQ NAGI/ABIMAQ

17 FORMATAÇÃO DO PROJETO Formatar a ideia do projeto de inovação, conforme a exigência dos formulários disponibilizados pelos agentes de fomento. Modelo de Gestão Modelo da de Inovação Gestão da Inovação NAGI/IPDMAQ NAGI/ABIMAQ

18 CAPTAÇÃO DE RECURSO Submeter a proposta segundo o enquadramento da linha de fomento. Aguardar os trâmites. Modelo de Gestão Modelo da Inovação de Gestão da Inovação NAGI/IPDMAQ NAGI/ABIMAQ

19 IMPLEMENTAÇÃO Executar o projeto envolvendo os agentes de fiscalização dos órgãos de fomento. Modelo de Gestão Modelo da de Inovação Gestão da Inovação NAGI/IPDMAQ NAGI/ABIMAQ

20 PRESTAÇÃO DE CONTAS Atender os padrões de cada órgão de fomento.

21 AVALIAÇÃO DA MATURIDADE DA INOVAÇÃO Processo de Auditoria

22 AVALIAÇÃO DA MATURIDADE DA INOVAÇÃO Indicadores da Inovação

23 AVALIAÇÃO DA MATURIDADE DA INOVAÇÃO Grau de Maturidade da Inovação

24 INOVÍMETRO

25 Workshops NAGI ABIMAQ INOVAÇÃO NA PRÁTICA - INOVAÇÃO COMO NEGÓCIO Professor Alexandre Ueno

26 INOVAÇÃO COMO NEGÓCIO Arte da Criação e entrega de um novo valor para o cliente no mercado, por meio de um modelo de negócio sustentável para a empresa produzí-lo. (CARLSON, 2012*) * Prof. Curtis Carlson PhD; Senior Research at Stanford; C.E.O. at Stanford Research Institute; President Obama's National Advisor Council on Innovation and Entrepreneurship

27 INOVAÇÃO COMO NEGÓCIO Criar e entregar um novo valor Identificação objetiva das oportunidades; Integração de processos de P&D baseado no open innovation; Criação do conhecimento novo integrando a expertise da empresa e boas práticas externas; Geração de novos produtos e novos processos.

28 INOVAÇÃO COMO NEGÓCIO Cliente no Mercado Tradução da oportunidade em necessidades de clientes; Especialização do fornecedor requer envolvimento do cliente no desenvolvimento do novo bem; Antecipação das soluções para competitividade das empresas no mercado.

29 INOVAÇÃO COMO NEGÓCIO Modelo de negócio Dinâmica mercadológica favorável ao crescimento das PMEs; Capacidade de geração de receita pelos novos produtos ou processos; Encadeamento produtivo das PMEs na indústria de bens de capital; Geração de novos modelos de marketing e organizacional.

30 INOVAÇÃO COMO NEGÓCIO Modelo de Inovação Referência

31 Informações Externas PARA INOVAR É PRECISO 8 Escalabilidade da solução 1 Ideação Alinhada à Estratégia Organizacional Empresa 2 Comercialização 7 GC Portifólio de Projetos, EVTEC Modelo Negócio Propriedade Intel. Desenvolvimento Prova de Conceito 3 6 Captação de Recursos 5 Solução Detalhada 4

32 NA PRÁTICA 1- Ideação Alinhada à estratégia Ex: Caixa de Velocidade

33 NA PRÁTICA 2- Portfólio de projetos, EVTEC, Modelo Negócio e Propriedade Intelectual Caixa de Velocidade

34 NA PRÁTICA 3- Prova de conceito

35 NA PRÁTICA 4-Solução detalhada

36 NA PRÁTICA 5-Captação de Recursos

37 NA PRÁTICA 6- Desenvolvimento

38 NA PRÁTICA 7- Comercialização

39 NA PRÁTICA 8- Escalabilidade da Solução

40 NAGI INOVAÇÃO COMO NEGÓCIO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO BUSINESS CASE

41 1. DECLARAÇÃO DA OPORTUNIDADE Propósito Esta etapa identifica e formaliza o problema enfrentado pela empresa, relacionado aos desafios para criar e/ou manter uma cultura inovadora. Orientações Avalie no contexto do negócio, os principais desafios para incorporar a inovação como prática diária; Represente este desafio como etapas de um processo para ajudar a visualizar o problema; Descreva cada etapa deste processo, caracterizando o problema. Explique a necessidade de criação ou ampliação de um NAGI na empresa Exemplo A empresa BK Ltda produz implementos agrícolas desde 1980 oferecendo o mesmo produto a preços competitivos para produtores de grãos. A comercialização destes produtos está restrita ao mercado nacional e gradativamente a concorrência com produtos importados de maior conteúdo tecnológico e relação custo benefício favorável, reduz sua participação no mercado. O desafio identificado pela empresa está em absorver o conhecimento de seus colaboradores e incorporar as práticas de gestão para reduzir seus custos e criar maior atratividade de seus produtos tradicionais.

42 2. ESTRUTURA NAGI Propósito Caracterizar a estrutura organizacional do NAGI para implantação na empresa. Orientações Como a empresa pretende implantar o NAGI em termos de estrutura organizacional? Exemplo Na empresa BK Ltda o NAGI foi desenhado para ser incorporado na empresa aproveitando os processos internos existentes como forma de integrar suas funções as necessidades das áreas internas. Estrutura Governança Avalie a capacidade de estruturar o Comitê de inovação da empresa e a estrutura de Governança; Identifique a demanda de espaço físico, novos profissionais e capacitação na metodologia utilizada; O NAGI possuirá uma governança liderada por um comitê de inovação formado pelos líderes internos atuantes nos processos produtivos. O comitê irá definir suas atividades e funções específicas em cada etapa da cadeia de valor da BK Ltda, que irá dispor de uma sala dedicada para o NAGI, com uma equipe de dois estagiários e um coordenador. Dentre as ferramentas utilizadas no NAGI estão a Análise de cenário para identificar as ações do Núcleo para estimular a prática inovadora em seus processos internos. Outra ferramenta é a análise SWOT que apoiará o NAGI a estimular a inovação junto seus colaboradores.

43 3. PROCESSOS ATUAIS Propósito Caracterizar os processos existentes na empresa que envolvem o problema relacionado a cultura da inovação, descrevendo suas potenciais causas. Orientações Caracterize as áreas envolvidas na empresa e suas atribuições; Identifique neste processo, o papel dos líderes como multiplicadores de ações pró inovação; Avalie em quais etapas do processo as ações serão potencialmente mais eficazes, descrevendo estas ações. Como o NAGI apoiará os processos internos das empresas para inovar? Exemplo O NAGI da empresa BK Ltda irá apoiar os processos de gestão interna, buscando identificar e estimular os diversos líderes e multiplicadores pró-inovação a induzirem ações sobre os pontos críticos do processo de inovação. Para tanto o processo crítico da empresa BK Ltda foi mapeado, permitindo identificar que o problema relacionado a competitividade de seus produtos está relacionado a capacidade de absorver os conhecimentos adquiridos por seus colaboradores. Neste sentido a empresa BK ltda requer um processo de gestão e estímulo deste conhecimento a ser incorporado em seu atual processo produtivo

44 4. OPERACIONALIZAÇÃO DO NAGI Propósito Descrever o processo de operacionalização do NAGI na empresa. Orientações Caracterize as principais etapas de operacionalização: Planejamento da unidade, Mapeamento das rotinas, Gerenciamento de processo e riscos, Registros de nãoconformidade, acompanhamento resultados; Descreva os perfis que poderão ser alocados para atuação no NAGI; Identifique as ferramentas essenciais para operação do NAGI (masp, swot, gerenciamento pelas rotinas ). Como o NAGI contribuirá na construção e manutenção da cultura da inovação na empresa? Exemplo Para a empresa BK Ltda a operacionalização do NAGI foi definida para acontecer sob demanda de Projetos mobilizadores internos, buscando resolver problemas críticos já identificados. Foram elaborados um Planejamento de operação, Procedimentos operacionais, Itens de controle permanente via Check list e liderados pelo comitê de inovação formado pelos gerentes, colaboradores e o próprio CEO. NAGI BK Ltda Programa Ideação O NAGI BK propôs um programa de ideação interno para atender a área de projetos em criar melhorias nos produtos gerados. O programa é contínuo, conta com a participação dos colaboradores e há um sistema de recompensa para os melhores resultados. Com a preocupação do atendimento das metas, NAGI propôs a integração da área de representação para uma única área comercial. Esta ação combinada a geração de ideias, possibilitou reduzir custos operacionais e criar uma nova fonte de vantagem competitiva.

45 5. Estrutura de Investimentos NAGI Propósito Apresentar ordens de grandeza para o planejamento, implantação e operação do NAGI no primeiro ano. Orientações Caracterize as principais etapas de implantação: Planejamento da unidade, Mapeamento das rotinas, Gerenciamento de processo e riscos, Registros de nãoconformidade, acompanhamento resultados; Identifique as ferramentas essenciais para operação do NAGI (masp, swot, gerenciamento pelas rotinas ). Qual a estrutura de investimento necessário para implantação e operação do NAGI? Exemplo Para a empresa BK Ltda a estrutura de investimento foi dividida em duas etapas: a implantação e a operacionalização Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Business Case Anteprojeto Implantação Projeto Piloto e Capacitação NAGI BK Ltda Operação Mês 5 Mês 6 Projetos mobilizadores, Gestão e Controle 1,2% Orçamento no período 0,8 % Orçamento das áreas afetadas Limitado a 1% sobre as receitas no período Neste exemplo, a empresa BK Ltda prevê limite de investimento para o NAGI começar a operar. Nos demais meses é previsto um orçamento específico para cada projeto mobilizador

46 NAGI MAPA DE INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS DEMANDA DO SETOR

47

48 ESTRUTURA DO MAPA DE INFORMAÇÔES ESTRATÉGICAS Questão-1.1 Tema - 1 Questão-1.2 Questão-1.3 Questão-1.4 Questão-1.5 Contexto Tema - 2 Questão-2.1 Questão-2.2 Questão-2.3 Questão-2.4 Questão-2.5 Tema - n Questão-3.1 Questão-3.2 Questão-3.3 Questão-3.4 Questão-3.5

49 EXEMPLO DO MAPA DE INFORMAÇÔES ESTRATÉGICAS Etapa 1 Contexto do Setor Cenário do Setor: Começo de 2014 registra crescimento; Indústria de máquinas e equipamentos com queda de quase 14% no faturamento em 2014; Déficit na balança comercial em 2014 com retração de 24,2%; Crise hídrica estimula uso de equipamentos com novas tecnologias de irrigação; Setor é afetado por inadimplência na aquisição de máquinas e equipamentos; Queda na utilização da capacidade instalada; Redução no úmero de empregados. Etapa 2 Temas Monitorados Inovações na Indústria Oportunidades no setor de bens de capital Quais as principais inovações na fabricação e qualidade dos produtos para o setor? Como a empresas podem acessar as novas tecnologias, materiais e fabricantes? Quais as principais ações de qualificação da mão de obra e dos serviços para o setor? Linhas de Crédito para os segmentos do setor Mercado Nacional atendido pelo segmento Etapa 3 Questões relevantes Quais ações estratégicas nas empresas podem alavancar suas receitas neste setor? Quais as melhores linhas de crédito para aquisição de matéria-prima, máquinas e equipamentos? Quais as melhores linhas de crédito disponíveis para inovar no setor? Qual o perfil de consumo dos bens de capital produzidos que demandados pelas regiões do país? Como as empresas líderes nos segmentos de máquinas e equipamentos acessam mercado? Etapa 4 Fontes Informação Empresas, Instituições P&D, ABIMAQ, Sebrae, FGV... Rais, IBGE, FGV, ABIMAQ... Sebrae, Macroplan... IPDMAQ, Sebrae...

50 Workshops NAGI ABIMAQ INOVAÇÃO NA PRÁTICA - FERRAMENTAS PARA IDENTIFICAÇÃO DE OPORTUNIDADES DE INOVAÇÃO NA EMPRESA Professor Maurício Manhães

51 Workshops NAGI ABIMAQ INOVAÇÃO NA PRÁTICA ATUAR NO FUTURO DESIGN + SERVIÇO+ INOVAÇÃO

52 AGENDA 2 Design Thinking 13:30 14:30 15:00 15:30 15:45 16:00 16:30 17:00 17:15 17:30 Abertura Mediador Descobrir Definir Apresenta Protótipo Grupos FeedBack Desenvolver Delivrar Apresenta Produto Grupos FeedBack Encerramento

53 APRESENTAÇÃO Maurício Manhães

54 DEFINIÇÃO Inovação Lamark

55 DEFINIÇÃO Inovação Darwin

56 METÁFORA GENERATIVA: VARIAÇÃO CEGA E RETENÇÃO SELETIVA [ ] ganhos reais devem ser produtos de explorações que vão além dos limites da previsão ou presciência e, neste sentido, explorações cegas

57 INOVAÇÃO Darwin Estabilidade? RS Inovação? Caos? VC

58 INOVAÇÃO Darwin Estabilidade Estabilidade Estabilidade Etc.. Extinção

59 INOVAÇÃO Darwin Caos Caos Caos Etc.. Extinção

60 INOVAÇÃO Darwin Estabilidade Caos Estabilidade Etc.. Evolução

61 DARWIN E JOBS Darwin e o ipod

62 DARWIN E JOBS Darwin e o ipod ipods VC

63 DARWIN E JOBS Darwin e o ipod SimpleScreem RS

64 DARWIN E JOBS Darwin e o ipod MovieScreen VC

65 DARWIN E JOBS Darwin e o ipod ClickWheel RS

66 DARWIN E JOBS Darwin e o ipod TouchScreen VC

67 DARWIN E JOBS Darwin e o ipod VC e RS Paralelos

68 Inovação Darwiniana

69 Inovação Darwiniana

70 VARIAÇÃO CEGA E RETENÇÃO SELETIVA VaCa RoSa Variação Cega e Retenção Seletiva

71 INCOMPETENTES? PRECONCEITO LIMITA PODER INOVAÇÃO MELHORAÇÃO

72 INOVAÇÃO ORDINÁRIA VARIAÇÃO SELETIVA

73 INOVAÇÃO ORDINÁRIA VARIAÇÃO SELETIVA

74 INOVAÇÃO ABERTA VARIAÇÃO NA INTEL Director of Creative Innovation Janeiro, 2011

75 DEFINIÇÃO Design Como um processo de co-evolução entre os espaços problema e solução. BOLAND; COLLOPY, 2004; DORST, 2006; DORST; CROSS, 2001; HATCHUEL; WEIL,2008; STEMPFLE;DABDKE- SHAUBE, 2002

76 DESIGN Pós- conceito Solução Tempo Solução Solução Problema Problema Problema

77 DINÂMICAS DO DESIGN Design Council Descobrir Definir Desenvolver Delivrar

78 ENGENHARIA Pré-Conceito Solução A Problema Problema Problema Solução A++ Tempo Solução A+

79 DESIGN Diversas Ferramentas

80 SECI Processo de Criação de Conhecimento

81 DESIGN THINKING Estamos enganando as pessoas. Não existem regras reais a serem seguidas. Não há nenhum processo em Design Thinking. David Kelley (2012)

82 DESIGN E HERMENÊUTICA Questão de ética Processo de construção de pontes entre diferentes. Dr. Marcus Jahnke (2013)

83

84 Workshops NAGI ABIMAQ INOVAÇÃO NA PRÁTICA ACT INTO THE FUTURE DESIGN + SERVIÇO+ INOVAÇÃO ETAPA 2

85 DESIGN NA PRÁTICA Questão TEMA +Power Presentation Objetivos Criar novas proposições de valor para determinada rede de valor, comunidade, grupo de pessoas, etc Inovar

86 CONDIÇÕES OBRIGATÓRIAS Isonomia dentro do grupo Objetivos comuns Cooperação radical Tolerância ZERO

87 DESCOBRIR Divergente MÃOS A OBRA

88 CONDIÇÕES OBRIGATÓRIAS Isonomia dentro do grupo Objetivos comuns Cooperação radical Tolerância ZERO

89 DEFINIR Convergente Etapa 2 MÃOS A OBRA

90 CONDIÇÕES OBRIGATÓRIAS Isonomia dentro do grupo Objetivos comuns Cooperação radical Tolerância ZERO

91 DESENVOLVER Divergente Etapa 3 MÃOS A OBRA

92 CONDIÇÕES OBRIGATÓRIAS Isonomia dentro do grupo Objetivos comuns Cooperação radical Tolerância ZERO

93 DELIVRAR Convergente Etapa 4 MÃOS A OBRA

94 ATUAR NO FUTURO!

95 OBRIGADO Questões? MAURÍCO

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Christimara Garcia CEO Inventta+bgi São Paulo, 29 de abril de 2015 CONTEXTO BRASILEIRO APOIO DIRETO Captação de Recursos Evolução dos desembolsos

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Financiamento de Projetos para a Inovação

Financiamento de Projetos para a Inovação GESTÃO Financiamento de Projetos para a Inovação Objetivos da Aula Conhecer sobre o financiamento de projetos de pesquisa aplicada; Conhecer a dinâmica do processo de elaboração de projetos de pesquisa

Leia mais

ENCONTRO RMPI e FIEMG DE INOVAÇÃO Belo Horizonte, 4 de novembro de 2013

ENCONTRO RMPI e FIEMG DE INOVAÇÃO Belo Horizonte, 4 de novembro de 2013 ENCONTRO RMPI e FIEMG DE INOVAÇÃO Belo Horizonte, 4 de novembro de 2013 Agilidade Relacionamento O panorama da inovação no Brasil e no mundo Relações entre das Instituições de Ciência e Tecnologia (ICTs)

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Pesquisa: Fomento para inovação nas Empresas Brasileiras

Pesquisa: Fomento para inovação nas Empresas Brasileiras CI1306 Pesquisa: Fomento para inovação nas Empresas Brasileiras Raoni Pereira, Hérica Righi, Marina Loures, Tiara Bicalho, Janayna Bhering, Bárbara Xavier - Núcleo de Inovação A Introdução inovação configura-se

Leia mais

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira:

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Ampliação do patamar de investimentos Maior apoio

Leia mais

BDMG. Linhas de financiamento para INOVAÇÃO

BDMG. Linhas de financiamento para INOVAÇÃO BDMG Linhas de financiamento para INOVAÇÃO Setembro/2015 Portfólio BDMG em Inovação Participação em fundos de investimento BDMG TEC Estruturação de parques tecnológicos Financiamentos a projetos inovadores

Leia mais

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ Fevereiro de 2015 Os indicadores demonstram as dificuldades que as empresas de BK vêm encontrando... 2 3 Em um cenário adverso no

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA MCT/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação 01/2009 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

SELEÇÃO PÚBLICA MCT/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação 01/2009 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES SELEÇÃO PÚBLICA MCT/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação 01/2009 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES É obrigatório oferecer contrapartida? Em caso afirmativo, quanto devo oferecer de contrapartida? Sim. O

Leia mais

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação.

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação. A Finep -A FINEP Agência Brasileira da Inovação -é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em 24 de julho de 1967. -Seu objetivo é atuar em toda a cadeia

Leia mais

BRDE INOVA. Joaçaba, 12 de maio de 2014. Apresentador: Paulo César Antoniollo

BRDE INOVA. Joaçaba, 12 de maio de 2014. Apresentador: Paulo César Antoniollo BRDE INOVA Joaçaba, 12 de maio de 2014 Apresentador: Paulo César Antoniollo Contextualização Primeiro Agente Financeiro do País credenciado junto ao BNDES Primeiro Agente Financeiro do País credenciado

Leia mais

Inovação, ação inovadora e financiamento à inovação. IEL/ES junho de 2009 INOVA FINDES

Inovação, ação inovadora e financiamento à inovação. IEL/ES junho de 2009 INOVA FINDES Inovação, ação inovadora e financiamento à inovação IEL/ES junho de 2009 INOVA FINDES Inovação introdução de novidade ou aperfeiçoamento no ambiente produtivo ou social que resulte em novos produtos, processos

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Conferência Estadual Paulista de C&TI 12 de abril de 2010 Mesa 1: P&D no setor privado. Sistema de Inovação... Como chegar ao P&D?

Conferência Estadual Paulista de C&TI 12 de abril de 2010 Mesa 1: P&D no setor privado. Sistema de Inovação... Como chegar ao P&D? Conferência Estadual Paulista de C&TI 12 de abril de 2010 Mesa 1: P&D no setor privado Sistema de Inovação... Como chegar ao P&D? Ronald M. Dauscha Agenda - Foco em maturidade de inovação - Serviços para

Leia mais

FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA

FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS Cooperação CSMIA-ABIMAQ/ IPT / POLI-USP 29 de Abril 2013 - AGRISHOW Desafios da Competitividade e Consolidação do Setor 1. A maioria

Leia mais

Inova Pequena Empresa RS

Inova Pequena Empresa RS Inova Pequena Empresa RS 1 Bloco: : Conceituando Inovação; 2 Bloco: : Programa Inova Pequena Empresa RS / Chamada Pública P Nº N 01/2009; 3 Bloco: : Estruturação do projeto no Sistema de Gestão de Projetos

Leia mais

NAGI. Gestão da Inovação. Núcleo de Apoio a. Orestes Alarcon - UFSC Anita Dedding IPDMAQ/ABIMAQ. Núcleo de Apoio a Gestão da Inovação NAGI/IPDMAQ

NAGI. Gestão da Inovação. Núcleo de Apoio a. Orestes Alarcon - UFSC Anita Dedding IPDMAQ/ABIMAQ. Núcleo de Apoio a Gestão da Inovação NAGI/IPDMAQ NAGI Núcleo de Apoio a Gestão da Inovação Orestes Alarcon - UFSC Anita Dedding IPDMAQ/ABIMAQ ANTECEDENTES PARCERIA ABIMAQ/IPDMAQ/UFSC OBJETIVOS CNPQ Capacitar empresas em Gestão da Inovação Realizar monitoramento

Leia mais

13/02/2012. Alysson Andrade Amorim

13/02/2012. Alysson Andrade Amorim Importância de um Sistema de Gestão da Inovação em uma instituição de educação 13/02/2012 Alysson Andrade Amorim ROTEIRO Unidade de Inovação e Tecnologia - UNITEC Cenário de inovação tecnológica no Brasil;

Leia mais

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável.

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. INOVAR PARA CRESCER O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. Além disso, damos todo suporte

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 2º Workshop Platec E&P Onshore - Sondas de Perfuração e Workover - Equipamentos

Leia mais

2005 Manual de Oslo 3a. edição. FINEP patrocina em 2007 a tradução para o português.

2005 Manual de Oslo 3a. edição. FINEP patrocina em 2007 a tradução para o português. A atividade inovadora Inovação 2005 Manual de Oslo 3a. edição FINEP patrocina em 2007 a tradução para o português. http://www.finep.gov.br/imprensa/sala_imprensa/manual_de_oslo.pdf Inovação É a introdução

Leia mais

GESTÃO DA INOVAÇÃO E USO OTIMIZADO DE INCENTIVOS E FOMENTO

GESTÃO DA INOVAÇÃO E USO OTIMIZADO DE INCENTIVOS E FOMENTO GESTÃO DA INOVAÇÃO E USO OTIMIZADO DE INCENTIVOS E FOMENTO 1 PROGRAMA DE APOIO A OBTENÇÃO DE FOMENTO - IABM PARCERIA: 2 Estruturaremos a gestão e o portfólio de inovação das empresas participantes do programa,

Leia mais

Da ideia ao mercado Um caminho de percalços

Da ideia ao mercado Um caminho de percalços Da ideia ao mercado Um caminho de percalços CONTEXTO REGULATÓRIO % da ROL a ser investido em P&D Investimento Recolhimento SEGMENTO P&D Light FNDCT MME Light SESA 0,2% 0,2% 0,1% Light Energia 0,4% 0,4%

Leia mais

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO PLANEJAMENTO, SEGMENTAÇÃO E AÇÕES DE PROMOÇÃO CASO ABIHPEC EIXOS ESTRATÉGICOS DO PROJETO DE (Resultado do Workshop out 2008) Objetivos Relacionados: 11 - AUMENTAR A DECLARAÇÃO

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Prioridades BNDES Infraestrutura logística e energética Infraestrutura urbana de saneamento e mobilidade. Modernização da

Leia mais

Mobilização Empresarial pela Inovação: Estratégia e Objetivos

Mobilização Empresarial pela Inovação: Estratégia e Objetivos Mobilização Empresarial pela Inovação: Estratégia e Objetivos 1. Introdução Inovar é transformar ideias em valor. Seu motor é o mercado: é um imperativo da concorrência. É a capacidade de atender as necessidades

Leia mais

Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT

Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT Inovação: motor da competitividade e do desenvolvimento sustentado O investimento bem sucedido em inovação: Aumenta produtividade e cria novos produtos:

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

InovaCamp. Dezembro / 2014

InovaCamp. Dezembro / 2014 InovaCamp Dezembro / 2014 O Programa São Paulo Inova é uma iniciativa do Estado de São Paulo para apoiar empresas paulistas de base tecnológica e de perfil inovador em estágio inicial ou em processo. O

Leia mais

Apoio do BNDES à Inovação

Apoio do BNDES à Inovação Atribuição-Sem Derivações-Sem Derivados CC BY-NC-SA Apoio do BNDES à Inovação 28 de Abril de 2015 Missão e Visão Missão Promover o desenvolvimento sustentável e competitivo da economia brasileira, com

Leia mais

EQ PS -Fortaleza. Program as de incentivo do BN D ES à Indústria Nacionalde Software. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

EQ PS -Fortaleza. Program as de incentivo do BN D ES à Indústria Nacionalde Software. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social EQ PS -Fortaleza Program as de incentivo do BN D ES à Indústria Nacionalde Software Marcio Wegmann masil@bndes.gov.br Depto. Indústria Eletrônica Área Industrial Princípios Norteadores da Atuação do BNDES

Leia mais

O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco

O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco CNI-MEI São Paulo, 19 de outubro de 2015 Agenda Atuação da BNDESPAR em Capital de Risco Participações diretas Participações por meio de Fundos de

Leia mais

A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado

A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado QUEM SOMOS A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo. Atua como banco de desenvolvimento apoiando financeiramente às iniciativas que estimulam o crescimento da economia

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ fevereiro de 2014 Principais Linhas para o setor de BK FINAME: produção e comercialização de máquinas, equipamentos, bens de informática

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto do Mercado de Carbono no Brasil Rio de Janeiro RJ, 09 de novembro de 2010 FINEP

Leia mais

LINHA INOVACRED EXPRESSO

LINHA INOVACRED EXPRESSO LINHA INOVACRED EXPRESSO A Linha INOVACRED EXPRESSO tem por objetivo financiar atividades inovadoras em empresas e outras instituições cuja receita operacional bruta anual ou anualizada seja de até R$

Leia mais

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI!

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! 1 É preciso elevar a produtividade da economia brasileira (Fonte: BID ECLAC, Índice 1980=100) Produtividade na Ásia (média

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para credenciamento de Unidades EMBRAPII (UE)

Leia mais

APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO

APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO Página 1 de 18 ÍNDICE DA PROPOSTA Apresentação da Empresa... 3 Apresentação dos serviços da Oficina da Inovação... 6 Consultoria... 6 Capacitação...

Leia mais

Etapa de Plano de Negócios

Etapa de Plano de Negócios Etapa de Plano de Negócios Agenda Fluxo Direto de Projetos Novidade!!! Plano de Negócios: Orientações para a Elaboração 2 Fluxo Direto de Projetos Objetivo: acelerar a tramitação de projetos reembolsáveis

Leia mais

LINHAS DE CRÉDITO PARA EMPRESAS DE TECNOLOGIA E EMPRESAS INOVADORAS. Resumo. Djalma Petit Consultor

LINHAS DE CRÉDITO PARA EMPRESAS DE TECNOLOGIA E EMPRESAS INOVADORAS. Resumo. Djalma Petit Consultor LINHAS DE CRÉDITO PARA EMPRESAS DE TECNOLOGIA E EMPRESAS INOVADORAS Resumo Djalma Petit Consultor Brasília São Paulo, novembro de 2014 FINANCIAMENTO Recursos reembolsáveis. Operado por bancos Requerem

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA. Márlon Alberto Bentlin Santa Cruz do Sul RS 04 de agosto de 2014

CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA. Márlon Alberto Bentlin Santa Cruz do Sul RS 04 de agosto de 2014 CAPTAÇÃO DE RECURSOS PARA INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS Márlon Alberto Bentlin Santa Cruz do Sul RS 04 de agosto de 2014 Márlon Alberto Be INVESTIMENTO NA ATIVIDADE EMPRESARIAL? Márlon Alberto Be INVESTIMENTO

Leia mais

Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia - FAPESB

Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia - FAPESB Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia - FAPESB EDITAL FAPESB 021/2014 APOIO A INOVAÇÃO EM COMÉRCIO E SERVIÇOS http://www.fapesb.ba.gov.br Salvador-BA, 25 de novembro de 2014 Geração de Empregos

Leia mais

NAGI ABIMAQ IPDMAQ UFSC EMC - EGC

NAGI ABIMAQ IPDMAQ UFSC EMC - EGC NAGI ABIMAQ IPDMAQ UFSC EMC - EGC Brasília 28-05- 2014 RESULTADOS ALCANÇADOS 1. ELABORAÇÃO/APLICAÇÃO DIAGNÓSTICO ABIMAQ INOVAÇÃO 2. METODOLOGIA PARA GESTÃO DA INOVAÇÃO PARA INDÚSTRIAS DE BENS DE CAPITAL

Leia mais

Sistema Indústria. 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57 milhões de alunos capacitados

Sistema Indústria. 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57 milhões de alunos capacitados Sistema Indústria CNI 27 Federações de Indústrias 1.136 Sindicatos Associados 622.874 Indústrias SENAI SESI IEL 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

Agenda. Inovação. A Finep. Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde. Programas de Descentralização

Agenda. Inovação. A Finep. Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde. Programas de Descentralização Agenda Inovação A Finep Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde Programas de Descentralização Nova fase da FINEP O que é inovação? Inovação é a introdução

Leia mais

Bem-Vindos NAGI P&G Campinas

Bem-Vindos NAGI P&G Campinas Bem-Vindos NAGI P&G Campinas Núcleo de Apoio à Gestão da Inovação da Cadeia de Petróleo e Gás do Estado de São Paulo 2013-2014 Edital Pro-Inova FINEP/2010 Há oportunidades para participação de empresas

Leia mais

1ª Conferência Estadual de APLs Oficina Inovação e Sustentabilidade Porto Alegre, 22 de novembro de 2012.

1ª Conferência Estadual de APLs Oficina Inovação e Sustentabilidade Porto Alegre, 22 de novembro de 2012. IEL/RS 1ª Conferência Estadual de APLs Oficina Inovação e Sustentabilidade Porto Alegre, 22 de novembro de 2012. IEL/RS Instituição criada em 1969, vinculada à Confederação Nacional da Indústria CNI. O

Leia mais

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Programa de Inovação Tecnologica FIESP CIESP - SENAI Sede Fiesp 2013 Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

Recursos subsidiados disponíveis hoje. empresas. para investimentos, giro e inovação nas. Palestrante: Antônio Carlos Rocha

Recursos subsidiados disponíveis hoje. empresas. para investimentos, giro e inovação nas. Palestrante: Antônio Carlos Rocha Competitividade para Gerar Negócios Recursos subsidiados disponíveis hoje para investimentos, giro e inovação nas empresas Palestrante: Antônio Carlos Rocha Coordenação: Nicolás Honorato SINAIS DA RECUPERAÇÃO

Leia mais

Parceria ANPEI e REDETEC

Parceria ANPEI e REDETEC Parceria ANPEI e REDETEC Mecanismos de Apoio para Obtenção de Financiamento para o Desenvolvimento da Propriedade Intelectual no Brasil: Recursos para Inovação Apresentação na REPICT 2013. A Origem do

Leia mais

ANEXO II - Especificações Técnicas

ANEXO II - Especificações Técnicas ANEXO II - Especificações Técnicas Índice 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESCOPO... 24 1.1 OBJETIVO DESTE DOCUMENTO... 24 1.2 CARACTERÍSTICAS DAS SOLUÇÕES SAGER E SAAT... 24 1.3 COMPONENTES DO PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

MECANISMOS DE FOMENTO VOLTADOS PARA PROJETOS DE INOVAÇÃO

MECANISMOS DE FOMENTO VOLTADOS PARA PROJETOS DE INOVAÇÃO MECANISMOS DE FOMENTO VOLTADOS PARA PROJETOS DE INOVAÇÃO RESUMO Este artigo investigou quais são os mecanismos de fomento concedidos pelo Governo Federal como instrumentos de apoio aos projetos de inovação

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

Apresentação Institucional. Clientes Parceiros Fornecedores Consultores

Apresentação Institucional. Clientes Parceiros Fornecedores Consultores Apresentação Institucional Clientes Parceiros Fornecedores Consultores Identidade Corporativa MISSÃO Desenvolver soluções criativas e inovadoras que viabilizem a execução da estratégica do cliente no mercado

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL Departamento de Planejamento, Pesquisa e Desenvolvimento - DPD Diretoria de Engenharia 1 ÍNDICE 1 PÚBLICO ALVO... 3 2 FINALIDADE...3 3 FUNDAMENTOS...

Leia mais

Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult

Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult IMPORTANTE O programa BNDES PSI reduziu as taxas de juros no apoio a bens de capital, inovação e exportação. Verifique se o seu

Leia mais

NASCER BEM 2/59. Foto: Stock.Schng

NASCER BEM 2/59. Foto: Stock.Schng 2/59 Foto: Stock.Schng NASCER BEM OBJETIVOS: Fase 1: Fornecer informações e orientações para empreendedores que pretendem iniciar um negócio, sobretudo na elaboração do Plano de Negócio. 3/59 Foto: Stock.Schng

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

Formulário de Apresentação de Proposta - TECNOVA PB

Formulário de Apresentação de Proposta - TECNOVA PB Formulário de Apresentação de Proposta - TECNOVA PB Secretaria de Recursos Hídricos, Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia - SERHMACT Fundação de Apoio à Pesquisa - FAPESQ Setembro/Outubro de 2013 TECNOVA

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

DPDE - Departamento de Produtos Financeiros Descentralizados. ACIT - Área de Apoio à Ciência, Inovação, Infraestrutura e Tecnologia.

DPDE - Departamento de Produtos Financeiros Descentralizados. ACIT - Área de Apoio à Ciência, Inovação, Infraestrutura e Tecnologia. EMITENTE: Área Responsável DPDE - Departamento de Produtos Financeiros Descentralizados ACIT - Área de Apoio à Ciência, Inovação, Infraestrutura e Tecnologia. Histórico das revisões (como base nas Resoluções

Leia mais

Visão Geral da Certificação CERTICS

Visão Geral da Certificação CERTICS Projeto 0113009300 - Implementação da CERTICS - Certificação de Tecnologia Nacional de Software IX Workshop Anual do MPS WAMPS 2013 Visão Geral da Certificação CERTICS Palestrante: Adalberto Nobiato Crespo

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

2.1 - Proponente. Grupo Econômico CNAE principal Faturamento / Rec. Oper. Bruta de 2014. Endereço Telefone Geral Endereço Eletrônico Institucional

2.1 - Proponente. Grupo Econômico CNAE principal Faturamento / Rec. Oper. Bruta de 2014. Endereço Telefone Geral Endereço Eletrônico Institucional SUMÁRIO EXECUTIVO Linha Temática PN solicita Recursos Não - Reembolsáveis 1 1 - Título do Plano de Negócio 2 - Cadastramento: 2.1 - Proponente Razão Social CNPJ Grupo Econômico CNAE principal Faturamento

Leia mais

Consultoria em RH ENCANTAR COM OPORTUNIDADES DE REALIZAR SONHOS CONTECTANDO GLOBALMENTE TALENTOS IDEAIS COM ORGANIZAÇÕES

Consultoria em RH ENCANTAR COM OPORTUNIDADES DE REALIZAR SONHOS CONTECTANDO GLOBALMENTE TALENTOS IDEAIS COM ORGANIZAÇÕES Consultoria em RH ENCANTAR COM OPORTUNIDADES DE REALIZAR SONHOS CONTECTANDO GLOBALMENTE TALENTOS IDEAIS COM ORGANIZAÇÕES A EMPRESA LOUPE CONSULTORIA EM RH ESPECIALIZADA EM GESTÃO DE PESSOAS A Loupe Consultoria

Leia mais

Apoio à Inovação. Luciana Capanema Gerente de Inovação

Apoio à Inovação. Luciana Capanema Gerente de Inovação Apoio à Inovação Luciana Capanema Gerente de Inovação Apoio à Inovação http://www.bndes.gov.br O objetivo do BNDES é fomentar e apoiar operações associadas à formação de capacitações e ao desenvolvimento

Leia mais

Sessão Técnica C 3 : Monitoramento, Prospecção Tecnológica e Inteligência Competitiva de Medicamentos

Sessão Técnica C 3 : Monitoramento, Prospecção Tecnológica e Inteligência Competitiva de Medicamentos Sessão Técnica C 3 : Monitoramento, Prospecção Tecnológica e Inteligência Competitiva de Medicamentos Aspectos sobre inteligência tecnológica no desenvolvimento de medicamentos 16 de setembro de 2009 Estratégias

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO O QUE É GOVERNANÇA CORPORATIVA? Conselho de Família GOVERNANÇA SÓCIOS Auditoria Independente Conselho de Administração Conselho Fiscal

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

O futuro da área de finanças Uma visão a ser compartilhada. CFO Program

O futuro da área de finanças Uma visão a ser compartilhada. CFO Program O futuro da área de finanças Uma visão a ser compartilhada CFO Program O futuro da área de finanças Temos o orgulho de compartilhar com vocês nossa visão de como será a área de finanças no futuro. Esta

Leia mais

Chamada de Projetos 01/2014 - FUNDOAPL. Projeto de Fortalecimento das Cadeias e APLs

Chamada de Projetos 01/2014 - FUNDOAPL. Projeto de Fortalecimento das Cadeias e APLs Chamada de Projetos 01/2014 - FUNDOAPL Projeto de Fortalecimento das Cadeias e APLs Objetivos: Apoiar a execução de projetos coletivos, de soluções coletivas e/ou que estejam disponíveis para um conjunto

Leia mais

PLANO CONJUNTO BNDES-FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INDUSTRIAL DOS SETORES SUCROENERGÉTICO E SUCROQUÍMICO PAISS

PLANO CONJUNTO BNDES-FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INDUSTRIAL DOS SETORES SUCROENERGÉTICO E SUCROQUÍMICO PAISS Anexo I ao Acordo de Cooperação Técnica entre BNDES e FINEP ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ENTRE BNDES E FINEP - ANEXO I PLANO CONJUNTO BNDES-FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INDUSTRIAL DOS SETORES

Leia mais

Executive Business Process Management

Executive Business Process Management Executive Business Process Management Executive Business Consulting 1 Executive Business Process Management (EBPM) O aumento da competitividade das organizações passa pela melhoria dos processos, principalmente

Leia mais

Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados

Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados III Workshop das Unidades de Pesquisa do MCT e a Inovação Tecnológica Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados Campinas, São Paulo, 30 e 31 de agosto de 2010 Subsecretaria de Coordenação das

Leia mais

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital.

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse terá suas etapas e prazos muito bem definidos, garantindo um processo

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado

A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado QUEM SOMOS A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo. Atua como banco de desenvolvimento apoiando financeiramente às iniciativas que estimulam o crescimento da economia

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro

Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro 1 Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro Atuamos junto a estes três grupos de empresas, ajudando-os a atender da melhor maneira às necessidades do consumidor 2 Atendemos às necessidades

Leia mais

Programa +Inovação +Indústria Formulário de Candidatura

Programa +Inovação +Indústria Formulário de Candidatura Programa +Inovação +Indústria Formulário de Candidatura Com o propósito de ajudar no preenchimento do formulário de candidatura online, em letra Arial, tamanho 11, a informação necessária está resumida

Leia mais

Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I

Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I julho 2009 Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo 06 Governança TRANSPARÊNCIA 23 Corporativa e Gestão Conselho de Administração O Conselho de Administração da Camargo Corrêa Cimentos é composto de até seis membros, sendo um presidente, três vice-presidentes

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

Ata de Reunião. Data da Reunião: 02/07/2013 Horário: 10h00min às 18h00min Local: Apex Brasil.

Ata de Reunião. Data da Reunião: 02/07/2013 Horário: 10h00min às 18h00min Local: Apex Brasil. Ata de Reunião 1. IDENTIFICAÇÃO DA REUNIÃO Data da Reunião: 02/07/2013 Horário: 10h00min às 18h00min Local: Apex Brasil. Líder da Reunião: Regina Silvério Telefones: (61) 3426-0785 Ordem do dia: Reunião

Leia mais

I Mercado Audiovisual Cearense Oficina PROCULT

I Mercado Audiovisual Cearense Oficina PROCULT I Mercado Audiovisual Cearense Oficina PROCULT 20/06/2015 Agenda Modalidades de Apoio do BNDES ao setor audiovisual PROCULT Caracterização e orientações estratégicas Setores atendidos Produtoras já apoiadas

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Apoio à Inovação. Junho de 2013

Apoio à Inovação. Junho de 2013 Apoio à Inovação Junho de 2013 Inovação: Conceito (...) implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente aprimorado, ou um processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Apresentação Institucional. Instrumentos de apoio. Evolução dos recursos. Apresentação de propostas

Apresentação Institucional. Instrumentos de apoio. Evolução dos recursos. Apresentação de propostas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação da Finep São Paulo, 28/04/2009 O desenvolvimento das economias modernas demonstra o papel fundamental que, nesse processo, compete

Leia mais

FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME

FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME Junho/2013 Diretoria de Sustentabilidade Linda Murasawa Brasil SANTANDER NO MUNDO 102 milhões DE CLIENTES 14.392 AGÊNCIAS 186.763 FUNCIONÁRIOS Dezembro de

Leia mais

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica recursos para inovação Centro de Conhecimento recursos para inovação Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica Lei 11.196/05 (Lei do Bem) Estratégia Incentivos Fiscais e Recursos Educação e Cultura

Leia mais