LANDSCAPE DESIGN. A Cerâmica e sua aproximação à paisagem contemporânea. Jorge Ferro. Festival de inverno Atelier livre. Porto Alegre, 2004

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LANDSCAPE DESIGN. A Cerâmica e sua aproximação à paisagem contemporânea. Jorge Ferro. Festival de inverno Atelier livre. Porto Alegre, 2004"

Transcrição

1 A Cerâmica e sua aproximação à paisagem contemporânea. Festival de inverno Atelier livre

2 Objetivos: Ação Cultural e Intervenção no Espaço Urbano / estrutura ambiental urbana. O projeto se constitui de uma Ação Cultural e intervenção urbana de caráter poético, cujo objeto de pesquisa é a possibilidade de aproximar a relação Arte + paisagem + Arquitetura + Design a uma perspectiva mais ampla da nossa habitual percepção e as possíveis estratégias para sua realização técnica, como também o desenvolvimento de um processo metodológico projetual artístico.

3 Objetivos: Proporcionar aos interessados na matéria cerâmica, a experimentação pratica de novos conceitos híbridos e, contaminação com outras áreas tentando demonstrar, que a paisagem artificial consolidada pode transformar o lugar e estabelecer uma aproximação da Cerâmica com o usuário/espectador. Desenvolver e aplicar uma metodologia projetual para um trabalho plástico coletivo e inserir o mesmo no contexto urbano.

4 Conceito Formal Inovação Estética Compositiva do Espaço Coerência Formal-entre Arquitetura e espaço urbano ou entorno Impacto Ambiental Utilização de Cores e Acabamentos Superficiais Principais Fatores que Contribuem para a determinação da Forma do Espaço Arquitetônico

5 Criação e procedimentos metodológicos linear espiralar realimentar

6 Criação e percursos metodológicos 1.1.Problematização PROJETO 1.Preparação + 2.Apresentação + 3.Realização 1.2.Análises 2.1.Definição 2.2.Geração 2.3.Avaliação 3.1.Comunicação 3.2.Acompanhamento Artefato Estrutura Macro-estrutura

7 Criação e técnicas para processos projetuais Estrutura Micro-estrutura 1.Preparação 2.Apresentação Realização Lista de Verificação 1.2. Análises Lingüísticas Deno-conotativa Dia-sincrônica Para-sintagma Análises artefatos Funcional Estrutural Formal 2.1. Lista de Requisitos 3.1.Lista de Comunicação Preliminar equipe 2.2.Organização Preliminar direção Combinação Preliminar cliente Hierarquização (Debuxos) Equacionalização Parametrização Pósliminar equipe Quantificação Pósliminar direção Pósliminar cliente 2.3.Avaliação (Desenhos) 3.2. Liminar fabricante(s)

8 TÉCNICAS Criação e suas técnicas de exploração do processo lógico, criativo etc. Técnicas de Exploração do Processo Lógico Semi-Grupo Hierárquico Matrizes (Interação/ restrição) Redes (Interação / restrição) Diferencial Semântico Análise de Funções AIDA Técnicas de Exploração do Processo Criativo Brainstormig Osborn, Synectics Gordon, Zwicky Box Discussão 66 Método 635 Biônica Técnicas de Avaliação de Alternativas Escala Nominal (avaliação qualitativa) Escala Ordinal (avaliação comparativa) Escala Cardinal (avaliação quantitativa) Fonte: BOMFIM, Gustavo A. Metodologia Para desenvolvimento de Projeto. Campina Grande : CDI/CT- UFPB, 1984)

9 AVALIAÇÃO Criação e seus princípios avaliativos. Princípios para critérios de avaliação de criação Princípio da Organização (ordem / arranjo) Princípio da Representação (oral / visual) Princípio da Harmonização (simplicidade / proporção) Princípio da Contextualização (figura / fundo) Princípio da Relevância (autor / ator) Princípio da Comercialização (imitação / inovação)

10 CONCEITOS E METODOLOGIA DE PROJETO A ciência do projeto é a arte de criar o artificial (Simon, 1969)

11 CONCEITOS E METODOLOGIA DE PROJETO O Termo projeto será empregado como usualmente é utilizado na bibliografia. Ele irá denotar ao mesmo tempo o resultado do trabalho e, algumas poucas vezes, o processo utilizado para alcançar o resultado- Vamos procurar utilizar, sempre que possível, processo de projeto ou projetar para denotar a atividade e progressão do projeto e processo de realização do projeto (PRP) para denotar o processo completo, o todo. Vamos também utilizar o termo conceito ou concepção para denotar uma determinada opção idealizada para o artefato; e o termo desenho será utilizado como o resultado da representação gráfica do objeto, assim como desenhar será utilizado como o ato de realizar a representação gráfica do artefato. Artefato e objeto serão denominações genéricas para o produto projetado.

12 CONCEITOS E METODOLOGIA DE PROJETO Introdução As dificuldades encontradas em novos projetos são as usuais: como todo projeto envolve uma parcela de novidade, é necessário buscar novas tecnologias ou adaptar tecnologias já conhecidas para a solução dos problemas que se apresentam ao longo do processo.

13 CONCEITOS E METODOLOGIA DE PROJETO O que é projeto? Como aprender a projetar? São duas questões que precisam ficar claras desde o início. Projetar é um tipo de atividade que muitas vezes não é possível explicar ou ensinar tal como uma disciplina de caráter descritivo. Qualquer um pode explicar criteriosamente a um amigo como se dirige um carro e quais os dispositivos de comando a serem acionados, e mesmo assim o amigo aprendiz não será capaz de dirigir o veículo, por mais conhecimento que tenha sobre a arte de dirigir. Em outras palavras, projetar envolve uma grande quantidade de conhecimentos práticos, denominados conhecimentos tácitos, que só se adquirem através da prática.

14 CONCEITOS E METODOLOGIA DE PROJETO Portanto, projetar se aprende projetando e o aprendiz projetista utiliza nessa atividade três tipos básicos de conhecimentos:conhecimentos para gerar ideias, conhecimentos para avaliar conceitos e conhecimentos para estruturação do processo de projeto. A geração de ideias depende do desenvolvimento de habilidades específicas, associadas a alguma experiência dentro do domínio a que pertence o objeto a ser projetado. Muitos autores colocam que, na realidade, a própria habilidade ou criatividade pessoal podem ser parcialmente construídas, uma vez que se trata de um repertório de soluções envolvendo mecanismos, conhecimento de componentes, etc. que o aprendiz vai formando ao longo da vida.

15 CONCEITOS E METODOLOGIA DE PROJETO Conhecimentos sobre a estruturação do processo de realização do projeto (PRP) podem ser adquiridos através do treinamento formal e apresentam a particularidade de serem independentes do domínio, isto é, não importa se é o projeto de um objeto artistico ou de um produto industrial, uma vez que a progressão do projeto prevê um trajeto composto das mesmas etapas.

16 A NATUREZA DA ATIVIDADE DE PROJETO Em primeiro lugar, não existe uma definição satisfatória para projeto, o que existe de senso comum a respeito do assunto é que projetar é uma atividade complexa, e que os problemas a serem enfrentados pêlos projetistas são mal estruturados ou incompletos. O projetar envolve mecanismos mentais de estruturação, análise e síntese, consideradas atividades de maior nível cognitivo, conforme classificação proposta por Bloom(1956).

17 Também é senso comum que projetar é uma atividade essencialmente executada por seres humanos, não havendo a possibilidade de existir uma máquina de projetar. Ressalte-se que existem programas computacionais dedicados a resolver problemas rotineiros e bem definidos que emergem nas etapas finais da progressão do projeto, tais como, por exemplo, calcular a quantidade de material de um muro, trata-se de automatizar atividades bem definidas e dentro de domínios de conhecimento bem delimitados.

18 De qualquer forma, existem várias definições propostas para projeto, todas incompletas e muito dependentes da formação e da experiência profissional de quem opina. Uma definição bem difundida é a de que projeto é uma atividade que produz uma descrição de algo que ainda não existe, porém capaz de viabilizar a construção desse artefato em criação (Naveiro R. & Borges M., 1997).

19 Pesquisadores das ciências cognitivas e membros da comunidade de Inteligência Artificial tratam o projeto como uma atividade de "resolução de problemas", Nesse caso os problemas principais envolvidos são: como explicitar e representar o conhecimento utilizado pelo projetista para encontrar e avaliar uma solução, e como decodificar o processo empreendido pelo projetista para estruturar especificações incompletas de projeto. Dentro dessa linha de abordagem, destacamos algumas das propostas de definição de projeto contidas em documento da National Science Foundation (Miles & Moore, 1994):

20 projeto é um processo de tomada de decisão; projeto é uma atividade de resolução de problemas; projeto é um processo de planejamento e busca; projeto é um processo de satisfação de restrições. Todas essas definições se concentram na atividade intelectiva do ato de projetar, enquadrando-a na categoria genérica das atividades intelectuais que têm um objetivo racional a ser alcançado. Nesse aspecto, não há diferença fundamental entre um diagnóstico médico e o projeto de uma casa (Simon, 1969).

21 Uma outra abordagem para a conceituaçao de projeto vem da área de Sociologia da Inovação, a qual considera o projeto como um processo coletivo de construção de um artefato no qual o resultado final é maior do que a soma ou síntese das contribuições individuais dos participantes. Nessa linha de pensamento, o projeto é um processo coletivo viabilizado pela organização que o sustenta. Nessa vertente, os problemas principais envolvidos são: criar um ambiente para o trabalho intelectual cooperativo; gerenciar e controlar o estado da informação; compartilhar informação de conteúdo adequado e no tempo exato.

22 Essa abordagem considera que a identificação das diversas tarefas do projeto e sua inserção como constituintes do todo, define as fronteiras entre as diversas etapas do projeto, bem como a relação entre os participantes. As definições abaixo privilegiam o aspecto de trabalho coletivo contido na atividade de projetar artefatos: projeto é um processo interativo; projeto é uma atividade criativa e inexplicável; projeto é um processo paralelo.

23 Podemos sintetizar essas duas vertentes em duas caracterizações complementares sobre o que é projeto: a primeira privilegia o aspecto coletivo da criação de um artefato, enfatizando as questões que vêm à tona quando se tem uma equipe trabalhando em aspectos particulares de um objetivo comum. A outra se concentra na atividade individual de criação que se processa em cada membro de uma equipe ao projetar.

24 A PERSPECTIVA C0LETIVA NO PROJETO Existem quatro aspectos básicos presentes no processo coletivo do processo de realização do projeto (PRP): a organização, os contextos, os condicionantes e o discurso (Bucciarelli, 1988). Organização: A organização das atividades do projeto é definida pela percepção da estrutura do objeto que se forma ao longo da progressão do projeto. A identificação das tarefas elementares e a sua inserção como constituintes do todo define as fronteiras entre as tarefas do projeto, bem como a relação que se estabelece entre os participantes.

25 A subdivisão do projeto pode ser feita usandose critérios funcionais ou hierárquicos; porém, o mais importante é a elaboração de uma interface clara entre os subsistemas de forma a que se possa identificar, ao longo do processo, os condicionantes que se estabelecem entre eles. Convém ressaltar que o objeto desejado ainda é inexistente, de forma que é um processo altamente abstraio imaginar subsistemas de um produto em criação. Normalmente, essa estruturação é feita considerando um conjunto de partes que vão executar uma função especifica no produto final.

26 Contextos: São melhor definidos como universos de competências, isto é, ambientes de especialização técnica, com seus dialetos e símbolos próprios, bem como modelos e metáforas para representação de soluções abstratas. Projetistas encaram e resolvem seus desafios do projeto, segundo seus universos de especialização, e deslocam de suas áreas de competência apenas parte do seu tempo total durante a progressão do projeto.

27 Os atributos do artefato capturados por cada participante são diferentes e em sintonia com a especialização de cada membro da equipe de projeto, o que obriga cada participante a criar interfaces com os demais contextos que influenciam seu universo de competência específico. Cada projetista trabalha, portanto, em aspectos particulares do projeto tendo como referência um objetivo comum.

28 Condicionantes Os condicionantes do projeto são as especificações e as restrições que balizam os diversos constituintes do projeto. As restrições podem ser de vários tipos, podendo variar desde restrições tecnológicas até restrições circunstanciais tais como custo, tempo, desempenho, etc. Na maioria das vezes, as restrições são conflitantes entre si, o que obriga a equipe a buscar soluções de compromisso que atendam em primeiro lugar as funções principais do produto.

29 Os processos de argumentação, negociação e decisão empreendidos para o atendimento das restrições são parte integrante do projeto e os membros da equipe necessitam de um discurso de comunicação capaz de cruzar a fronteira entre os diferentes universos de especialização.

30 Discurso O discurso refere-se à linguagem desenvolvida pêlos participantes para promover a reconciliação entre os diversos universos de especialização. O ato de dar nomes aos elementos constituintes do projeto e às suas funções é também parte integrante do projeto, uma vez que o ato de nomear consolida as diferentes visões de forma e de função do componente que estão construídas na mente de cada membro da equipe. Esse esforço para estruturar o entendimento das categorias de informação que povoam o universo do projeto se faz necessário para o entendimento do processo e para a correia escolha e utilização de meios informatizados de auxílio ao projeto.

31 A PERSPECTIVA INDIVIDUAL NO PROJETO O projeto é considerado como um tipo de problema pertencente à classe de problemas abertos, isto é, uma categoria de problemas onde os condicionantes não são capazes de delimitar inteiramente o espaço de soluções. Isso exige do projetista um esforço para diminuir o número de graus de liberdade na procura de uma solução, o que, na prática, representa um trabalho de estruturação do problema à medida que ocorre a progressão do projeto. Um aspecto importante a ressaltar é que o que se busca num projeto é descobrir uma solução que atenda aos condicionantes colocados inicialmente. A partir daí, pode-se refinar a solução descoberta com o intuito de melhorá-la, procurando-se a solução ótima.

32 Porém, nem sempre existe a solução ótima; muitas vezes existe uma série de soluções igualmente boas, algumas melhores em alguns aspectos, outras melhores em outros. Convém lembrar que no projetar existem condicionantes conflitantes, tais como, desempenho x custo, conforto x desempenho ou ainda conforto x custo. Nesse caso, as soluções obtidas são contingentes, isto é, atendem parcialmente a um fator mais do que a outro. A decisão relativa ao fator que terá mais prioridade faz parte dos processos coletivos de negociação e tomada de decisão discutidos anteriormente.

33 O PRP se caracteriza pela "busca de soluções", procura essa que se dá através de mecanismos cognitivos de decomposição, associação e prototipagem. A estratégia de decomposição é muito utilizada pêlos projetistas, e consiste na identificação de estruturas de componentes semiindependentes dentro do todo, nas quais o processo de busca de soluções se simplifica. Trata-se de uma forma usual de reduzir a complexidade de um problema, solucionando um sub-problema de maneira independente dos demais para depois verificar a compatibilidade das soluções parciais com o todo.

34 O mecanismo de associação também é muito utilizado na formulação de conceitos. Vários mecanismos e sistemas mecânicos engenhosos foram concebidos a partir de associações com outros produtos já existentes ou associações relativas à observação de seres vivos. A maior ou menor facilidade ou quantidade de associações vai depender do repertório que cada pessoa vai construindo ao longo de sua vida.

35 O estudo dos mecanismos mentais humanos na resolução de problemas é tratado dentro da psicologia cognitiva, que vem desenvolvendo algumas teorias e modelos para elucidar essas questões. É adotado pela área da psicologia cognitiva um modelo denominado "sistema humano de processamento de informações" que considera que o processamento de informações se dá pela interaçâo de dois ambientes distintos: o ambiente interno (o interior da mente humana) e o ambiente externo (os meios físicos externos de representação).

36 No interior da mente humana existem dois tipos de memória: memória de curta duração e memória de longa duração. Fazendo uma associação com o computador, estas memórias seriam respectivamente a memória RAM e o disco rígido. A memória de curta duração do ser humano é capaz de armazenar no máximo 7 ± 2 informações ao mesmo tempo, o que necessariamente obriga o projetista a utilizar algum meio externo para registrar seu conceito e, a partir daí, liberar sua memória de curta duração para outra tarefa. A quantidade de informação armazenada na memória de curta duração, porém, é dependente das características pessoais de cada um.

37 De uma maneira geral, podemos dizer o seguinte a respeito do "sistema humano de processamento de informações": A capacidade de armazenamento da memória de curta duração está associada à experiência prévia do projetista, ou, em outras palavras, projetistas mais experientes gastam menos memória para armazenar uma ideia ou concepção; A capacidade de retenção de algo na memória de curta duração é pouca. O que foi visto e registrado num determinado momento terá sido esquecido alguns minutos depois. O registro de uma ideia no papel libera a memória de curta duração para armazenagem de uma outra alternativa;

38 A memória de longa duração é aparentemente ilimitada, mas requer muito mais tempo para uma recuperar informações nela armazenadas é muito informação ser registrada. Por outro lado, mais rápido; Os esboços, rabiscos e anotações efetuados pelo projetista durante o seu trabalho é uma extensão da memória de curta duração, funcionando como elemento de comunicação do projetista com ele mesmo. Tais rabiscos são densos em informação, servindo como "acionadores" das associações e "ponteiros" dos blocos de informação anteriormente mencionados.

39 Sintetizando, podemos identificar os seguintes processos mentais durante a progressão do projeto: inicialmente temos o processo de identificação e definição do problema, no qual "blocos" de informação vão gradativamente sendo armazenados na memória de longa duração. Os blocos constituem-se na incorporação da percepção do problema por parte do projetista, assim como da incorporação das decisões tomadas pelo projetista para diminuir o grau de incerteza do projeto. Ao término desta fase o projetista tem um entendimento global do problema, com seus requisitos e restrições bem definidas.

40 Em seguida, inicia-se o processo de busca de soluções, utilizando os mecanismos de decomposição e associação anteriormente mencionados. Isso equivale a dizer que o projetista procura, dentro da sua memória de longa duração, soluções que atendam a função exigida pelo projeto. A busca também pode ser feita através da recuperação de soluções já adotadas em projetos anteriores e existe uma predisposição natural para se proceder desta forma, o que muitas vezes embota a criatividade, impedindo o aparecimento de soluções melhores.

41 Por último, temos os processos de planejamento e controle do PRP, que conforme dito anteriormente, são independentes do domínio do projeto. É um conjunto de conhecimentos adquiridos através do treinamento formal que permite ao projetista ter um referencial da progressão do seu trabalho e planejar as atividades a serem empreendidas.

42 TIPOS DE PROJETO Podemos inicialmente classificar o projetar pelo seu caráter ínovador. invenção e inovação, a inovação só se concretiza quando a invenção se materializa através de um produto, a maioria dos projetos, no entanto, não tem esse conteúdo inovador; são pequenas melhorias que vão se agregando aos produtos constituindo-se no que se denomina reprojeto ou projeto rotineiro.

43 Existem algumas classificações encontradas na literatura sobre os diversos tipos de projeto. Pahl & Beitz (1984) propõem uma classificação baseada no tipo de problema que o projeto se propõe a resolver. Esses autores reconhecem três tipos de problemas de projeto, podendo haver alguma superposição parcial entre as classes, a saber:

44 projeto original - criação de um novo produto completamente diferente dos demais; como o caso do forno à micro-ondas; projeto adaptativo - uso de uma abordagem de solução já conhecida para projetar novos produtos. Está associado aos mecanismos de associação já descritos, onde o projetista se apropria da concepção de um produto já existente e adapta a solução para o caso; projeto variante - trata-se dos casos onde se faz uma modificação do tamanho ou do arranjo já existente para criar um novo produto.

45 Outras propostas de classificação das tipologias de projeto consideram os aspectos complexidade e inovatividade presentes para delimitar algumas classes de projeto. A complexidade é medida pelo porte do projeto e pela frequência e quantidade de problemas presentes. A inovatividade está relacionada ao grau de estruturação do problema. Quatro classes podem ser identificadas:

46 projeto por seleção - envolve a escolha de um ou mais itens de um catálogo. Pode parecer uma tarefa simples, mas se o catálogo apresenta muitas possibilidades e se o critério de escolha envolve vários parâmetros, a tarefa pode ficar bastante complexa; projeto por configuração - é semelhante ao item anterior, com a diferença que, neste caso, os componentes do produto já estão projetados, como no caso do brinquedo LEGO. O problema do projeto é arranjar os componentes de forma compatível com as propriedades e características desejadas para o produto final. Como exemplo típico, temos o caso do computador PC. Todos os componentes para montar um PC são encontráveis nas lojas especializadas, o problema é descobrir aqueles compatíveis física e eletronicamente, de forma a se alcançar uma configuração com determinado desempenho ao menor custo possível;

47 projeto incremental - consiste na modificação de componentes ou de partes do produto, mantendo o conceito original. É uma tarefa estruturada, pois as principais variáveis do problema e os respectivos processos de solução já estão identificados e definidos; projeto complexo - projetos de grande porte que envolve muita gente e um sistema de informação extremamente complicado. A frequência dos problemas é grande, exigindo grandes esforços de coordenação;

48 projeto criativo - consiste em projetos com baixo grau de estruturação, porém lidando com problemas tecnologicamente simples; projeto intensivo - projetos que envolvem situações novas e complexas. Como exemplo, podemos citar o caso do Boeing 777, que, além de envolver uma equipe enorme, apresenta uma grande quantidade de problemas não triviais a serem resolvidos.

49 Dixon (1995) classifica o projetar de maneira diferente, atrelada aos estados inicial e final do projeto, isto é, qual o estado inicial do projeto e qual o estado final que será alcançado. Combinando as diversas possibilidades de estado inicial e final, são propostas pelo autor sete categorias de problemas, a saber: projeto preliminar ou ante-projeto, projeto conceitual, projeto básico, projeto funcional, projeto paramétrico, seleçao de fenómenos e seleçao de atributos. Essa proposta de categorizaçâo feita por Dixon conjuga o grau de definição alcançado na progressão do projeto com o tipo de problema a ser atacado.

50 Ullman (op. cit.) propõe uma classificação para projeto de produtos industriais de base mecânica, identificando as seguintes modalidades de atividades: seleção, configuração e parametrização.

51 projeto paramétrico - consiste na definição de valores para variáveis previamente selecionadas, também denominadas parâmetros, de forma a atender um objetivo previamente definido. Podemos considerar um exemplo muito simples como o da determinação do diâmetro e da altura de um tanque cujo volume total deve ser de 10 m 3. Existe uma infinidade de soluções para o problema: os parâmetros "diâmetro" e "altura" deverão ser definidos levando em conta outras restrições que limitem melhor o espaço de soluções possíveis.

52 A ESTRUTURA DO PROCESSO DE PROJETO A progressão do projeto pode ser comparada a uma estrada, na qual à medida que se vai andando, se vai construindo o caminho clarificando-se a rota a ser seguida. À medida que se avança na progressão do projeto, diminui-se o grau de incerteza em relação ao objeto a ser projetado, através de um processo contínuo de tomada de decisão ao longo do qual o estado do projeto" vai sendo alterado. O projetar pode também ser encarado como uma progressão incremental de um estado inicial para um estado final (projeto completo) ao longo da qual várias decisões são tomadas. Cada "estado" é composto de uma coleção de esboços, cálculos, notas e decisões que representam a situação instantânea do desenvolvimento do projeto.

53 Convém ressaltar que o processo de tomada de decisões que caracteriza a progressão do projeto utiliza-se de várias "linguagens" para representar aspectos particulares do artefato em elaboração:

54 semântica: descrição verbal ou textual do objeto, como por exemplo falar que as dimensões de uma viga numa edificação dependem da força cortante e do momento fletor atuantes; gráfica: são os esboços, desenhos em perspectiva, desenhos técnicos; analítica: equações, regras e procedimentos que são utilizados para definir a forma ou a função do artefato; física: modelos em escala reduzida, mock-ups, protótipo-rápido ou protótipo real do objeto.

55 7 - Projeto detalhado e desenhos para montagem 6 - Projeto dimensionado 5 - Projeto preliminar (concepção geral do produto 4 - Princípios de solução e concepções parciais 3-Estrutura funcional 2- Definição dos requisitos e restrições 1- Definição do problema Componentes - Material - Forma dos componentes - Arranjo dos componentes - Dimensionamento dos componentes - Propriedades dos componentes elementares - Requisitos legais - Requisitos de custo - Requisitos de distribuição - Requisitos de acabamento - Requisitos ergonómicos - Requisitos operacionais - Requisitos funcionais

56 METODOLOGIA DE PROJETO Na área das ciências o termo metodologia significa ao mesmo tempo a maneira de conduzir a pesquisa e a adequação dos diversos métodos às fases de desenvolvimento da pesquisa. Resumindo, metodologia é simultaneamente a sequência de etapas que devem ser seguidas para atingir um determinado objetivo e a identificação e a seleçâo dos métodos a serem seguidos em cada etapa. Uma primeira discussão que veio à tona ao se tratar de metodologia de projeto foi a da viabilidade de se desenvolver uma metodologia geral independente da classe de objetos que se pretendia projetar.

57 Essas discussões, iniciadas nos anos 50 e consolidadas no decorrer dos anos 60, deram origem a várias propostas de sequenciamento e denominação das etapas constituintes de um projeto.

58 Por último, temos as "operações elementares, que se referem às tarefas pontuais tais como consultar catálogo, desenhar eixo, dimensionar barra, etc. Associado a este modelo descritivo da estrutura hierárquica do projetar, existe o modelo procedural, que representa a progressão do projeto como uma sequência de etapas onde a informação gerada em cada etapa é o elemento de entrada para a etapa seguinte. O PRP é, portanto, um processo de transformação da informação até se alcançar a descrição completa do artefato.

59 Modelo Hubka (1987) O principal mérito deste modelo é o grau de detalhamento dado a cada etapa do projeto; É proposto um modelo procedural onde o PRP é composto de cinco etapas: 1. Definição do problema e decomposição (análise); 2. Identificação dos princípios de solução e dos componentes principais; 3. Solução de sub-problemas e formulação da estrutura preliminar; 4. Consolidação das soluções parciais em um conceito do produto (síntese); 5. Detalhamento da estrutura do produto. um processo de transformação da informação até se alcançar a descrição completa do artefato.

60 A primeira etapa é de problematização, isto é, clarificar os pontos duvidosos, completar os requisitos ainda não formulados, explicitar restrições e planificar o trabalho. É uma etapa dedicada portanto a diminuir o grau de indefinição do projeto estabelecendo claramente os requisitos e restrições que delimitam o projeto, bem como definir um cronograma de trabalho.

61 Na segunda etapa é elaborada a estrutura de funções do produto e são identificados os princípios de solução para cada função. Uma vez confrontados os princípios de solução com os requisitos & restrições, parte-se para a terceira etapa, onde é criada a concepção preliminar do produto e o arranjo esquemático das suas partes constituintes. Até agora, o produto ou artefato ainda não tem corpo, os conceitos gerados são incompletos e representados por diagramas, ilustrações condensadas do artefato em criação.

62 Na etapa n 3 as representações diagramáticas tomam corpo e recebem dimensõescompatíveis com seu desempenho. É nessa etapa que se definem os materiais dos componentes, que se faz o dimensionamento e que se determinam os métodos de fabricação a serem usados.

63 Por último, temos a etapa de detalhamento e documentação final, onde é completado o dimensionamento dos componentes para atender às características específicas dos processos produtivos, bem como são feitos os desenhos e listas de montagem e é estabelecido o planejamento do processo produtivo.

64 Modelo UIrich & Eppinger A proposta metodológica de Uirich, prevê o processo de realização do projeto (PRP) composto de cinco etapas a saber: 1.Desenvolvimento do conceito do produto; 2.Desenvolvimento dos sistemas do produto; 3. Projeto detalhado; 4. Testes e melhorias; 5. Preparação para a produção.

65 PRINCÍPIOS GERAIS DE PROJETO Os princípios enumerados a seguir se aplicam principalmente ao projeto de Artefatos, e são voltados principalmente para a verificação da viabilidade daquilo que é projetado. Alguns desses princípios consagrados de projeto estão assinalados a seguir :

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Manual de apoio à elaboração de projetos culturais

Manual de apoio à elaboração de projetos culturais Manual de apoio à elaboração de projetos culturais Um projeto tem como objetivo transformar idéias e aspirações em ações concretas que possam aproveitar oportunidades, solucionar problemas, atender a necessidades

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo.

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO CULTURAIS A Fundação Cultural do Estado da Bahia tem como missão fomentar o desenvolvimento das Artes Visuais, Dança, Música, Teatro, Circo, Audiovisual, Culturas

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Por que Projetos Sociais?

Por que Projetos Sociais? PROJETOS SOCIAIS Por que Projetos Sociais? Projetos são resultado de uma nova relação entre Estado e Sociedade Civil; Mudanças no que se relaciona à implantação de políticas sociais; Projetos se constroem

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA 01. Partindo do princípio de que a estratégia é a definição do melhor futuro para a sua equipe ou organização, o mapeamento da rota para alcançá-lo e a sua clara comunicação,

Leia mais

Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos

Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos www.tecnologiadeprojetos.com.br Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos Eduardo F. Barbosa Dácio G. Moura Material didático utilizado na disciplina Desenvolvimento de

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO

AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO 1 AUÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 O QUE É UM PROJETO?... 2 2.1 PROJETO DE PESQUISA... 2 3 CLASSIFICAÇÃO DAS PESQUISAS... 4 4 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA

Leia mais

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações Fonte: Introdução à Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano Índice Definição de planejamento Incertezas Eventos previsíveis Processo de planejamento Decisões de planejamento Planejar Atitudes em

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação Maria Rita Gramigna A gestão por competências é um programa executado através de blocos de intervenção, que se sucedem de forma simultânea ou passo-a-passo.

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Professor: Adriel Ziesemer Disciplina: Engenharia de Software TRABALHO ACADÊMICO Cristian Santos - nº 45671 Guilherme

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Fornecimento de produtos e serviços Planejamento e controle do processo Demanda de produtos e serviços Recursos de produção O gerenciamento

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

Integração de Projetos na Fase de Engenharia

Integração de Projetos na Fase de Engenharia 1 Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA Gestão de Projetos Turma 19 20 de Dezembro 2014 Integração de Projetos na Fase de Engenharia Josie de Fátima Alves Almeida Engenheira Civil josiealmeida@bol.com.br

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

quinta-feira, 16 de maio de 13

quinta-feira, 16 de maio de 13 POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 08 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS A Teoria dos Múltiplos Fluxos e Teoria do Equilíbrio Pontuado análise da política pública como um processo

Leia mais

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA Profa. Lérida Malagueta Estratégia competitiva Já conhecemos os conceitos sobre a teoria da decisão estratégica e de como competem e cooperam: Os decisores As empresas

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Workshop PMBoK. Gerenciamento de Recursos Humanos

Workshop PMBoK. Gerenciamento de Recursos Humanos Workshop PMBoK Gerenciamento de Recursos Humanos Paulo H. Jayme Alves Departamento de Inovação Tecnológica - DeIT Janeiro de 2009 1 Envolvimento da equipe Os membros da equipe devem estar envolvidos: Em

Leia mais

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2015. Todos direitos reservados. Atualizado em setembro de 2015 Conceituação do SIG Introdução Nessa fase o executivo

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

O que é e como encontrar uma oportunidade?

O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS É mais fácil perceber uma carência ou uma necessidade do que uma oportunidade.

Leia mais

Gerência de Projetos

Gerência de Projetos Gerência de Projetos Escopo Custo Qualidade Tempo CONCEITO PROJETOS: são empreendimentos com objetivo específico e ciclo de vida definido Precedem produtos, serviços e processos. São utilizados as funções

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr Projetos na área de TI Prof. Hélio Engholm Jr Projetos de Software Ciclo de Vida do Projeto Concepção Iniciação Encerramento Planejamento Execução e Controle Revisão Ciclo de Vida do Produto Processos

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos

Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos GLOSSÁRIO Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos nele apresentados, embora aplicáveis em outros contextos. Análise atividade que envolve a determinação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos o Processo sistemático o Análise e resposta aos riscos do projeto o Minimizar as consequências dos eventos negativos o Aumento dos eventos positivos Gerenciamento de Riscos o Principais

Leia mais