Regimes de execução dos contratos e contratação integrada

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regimes de execução dos contratos e contratação integrada"

Transcrição

1 Regime Diferenciado de Contratações - RDC Lei Federal nº /11 Regimes de execução dos contratos e contratação integrada Augusto Dal Pozzo

2 Artigo 8º Regimes de contratação de obras e serviços de engenharia

3 LEI Art. 8º Na execução indireta de obras e serviços de engenharia, são admitidos os seguintes regimes: I - empreitada por preço unitário; II - empreitada por preço global; III - contratação por tarefa; IV - empreitada integral; ou V - contratação integrada. Art. 10. As obras e serviços poderão ser executados nas seguintes formas: II - execução indireta, nos seguintes regimes: a) empreitada por preço global; b) empreitada por preço unitário; c) (Vetado). d) tarefa; e) empreitada integral. IMPORTANTE: Âmbito de aplicação do artigo 8º concerne a serviços de engenharia outros serviços que não sejam de engenharia deverão render observância ao artigo 2º do RDC; Redação das definições dos regimes de execução contidas no artigo 2º do RDC são iguais as do artigo 6º da Lei 8.666/93 3

4 Comparativo das definições legais LEI DO RDC LEI Art. 2º Na aplicação do RDC, deverão ser observadas as seguintes definições: I - empreitada integral: quando se contrata um empreendimento em sua integralidade, compreendendo a totalidade das etapas de obras, serviços e instalações necessárias, sob inteira responsabilidade da contratada até a sua entrega ao contratante em condições de entrada em operação, atendidos os requisitos técnicos e legais para sua utilização em condições de segurança estrutural e operacional e com as características adequadas às finalidades para a qual foi contratada; EPC engineering (engenharia), procurement (procura e compra) and construction (construção civil e montagem). II - empreitada por preço global: quando se contrata a execução da obra ou do serviço por preço certo e total; III - empreitada por preço unitário: quando se contrata a execução da obra ou do serviço por preço certo de unidades determinadas; Art. 6º Para os fins desta Lei, considera-se: (...) VIII - Execução indireta - a que o órgão ou entidade contrata com terceiros sob qualquer dos seguintes regimes: (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994) a) empreitada por preço global - quando se contrata a execução da obra ou do serviço por preço certo e total; b) empreitada por preço unitário - quando se contrata a execução da obra ou do serviço por preço certo de unidades determinadas; (...) e) empreitada integral - quando se contrata um empreendimento em sua integralidade, compreendendo todas as etapas das obras, serviços e instalações necessárias, sob inteira responsabilidade da contratada até a sua entrega ao contratante em condições de entrada em operação, atendidos os requisitos técnicos e legais para sua utilização em condições de segurança estrutural e operacional e com as características adequadas às finalidades para que foi contratada; 4

5 Comparativo das definições legais LEI DO RDC LEI Art. 2 o Na aplicação do RDC, deverão ser observadas as seguintes definições: (...) VI - tarefa: quando se ajusta mão de obra para pequenos trabalhos por preço certo, com ou sem fornecimento de materiais. Art. 6º Para os fins desta Lei, considera-se: d) tarefa - quando se ajusta mão-de-obra para pequenos trabalhos por preço certo, com ou sem fornecimento de materiais; 5

6 Art. 8º Na execução indireta de obras e serviços de engenharia, são admitidos os seguintes regimes: (...) 1º Nas licitações e contratações de obras e serviços de engenharia serão adotados, preferencialmente, os regimes discriminados nos incisos II (empreitada por preço global), IV (empreitada integral) e V (contratação integrada) do caput deste artigo. 2º No caso de inviabilidade da aplicação do disposto no 1º deste artigo, poderá ser adotado outro regime previsto no caput deste artigo (empreitada por preço unitário e tarefa), hipótese em que serão inseridos nos autos do procedimento os motivos que justificaram a exceção. 3º O custo global de obras e serviços de engenharia deverá ser obtido a partir de custos unitários de insumos ou serviços menores ou iguais à mediana de seus correspondentes ao Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil (SINAPI), no caso de construção civil em geral, ou na tabela do Sistema de Custos de Obras Rodoviárias (SICRO), no caso de obras e serviços rodoviários. - Art. 8º, 1º - estabelece um regime de preferência de regimes de execução; - Art. 8º, 2º - possibilidade de adoção de outro regime (empreitada por preço unitário e tarefa); - Art. 8º, 3º segue tendência da jurisprudência atual do TCU - SINAPI: IBGE coleta mensalmente os preços de materiais e equipamentos de construção e os salários dos profissionais a CEF é responsável pela manutenção da base técnica de engenharia - SICRO: DNIT - Crítica: realidades distintas de valores no Brasil podem servir como referências, mas não como limites de custos, pois deve ser considerada as especificidades de cada obra 6

7 Art. 8º Na execução indireta de obras e serviços de engenharia, são admitidos os seguintes regimes: (...) 4º No caso de inviabilidade da definição dos custos consoante o disposto no 3º deste artigo, a estimativa de custo global poderá ser apurada por meio da utilização de dados contidos em tabela de referência formalmente aprovada por órgãos ou entidades da administração pública federal, em publicações técnicas especializadas, em sistema específico instituído para o setor ou em pesquisa de mercado. 5º Nas licitações para a contratação de obras e serviços (de engenharia??), com exceção daquelas onde for adotado o regime previsto no inciso V do caput deste artigo, deverá haver projeto básico aprovado pela autoridade competente, disponível para exame dos interessados em participar do processo licitatório. 4º Havendo inviabilização da utilização da SICRO e SINAPI devem ser utilizados: - tabela de referência aprovada por entidade das administração federal; - publicações técnicas especializadas; - sistema específico instituído para o setor; - pesquisa de mercado. - Pergunta: há ordem de preferência? - 5º - necessidade de projeto básico, com exceção do regime de contratação integrada.

8 Art. 8º Na execução indireta de obras e serviços de engenharia, são admitidos os seguintes regimes: (...) 6º No caso de contratações realizadas pelos governos municipais, estaduais e do Distrito Federal, desde que não envolvam recursos da União, o custo global de obras e serviços de engenharia a que se refere o 3º (SINAPI e SICRO) deste artigo poderá também ser obtido a partir de outros sistemas de custos já adotados pelos respectivos entes e aceitos pelos respectivos tribunais de contas. 6º - não havendo recursos da União, nas contratações pelo RDC dos governos municipais, estaduais e DF poderão ser utilizados outras referencias de preços já adotados pelos respectivos entes e aceito pelos respectivos Tribunais de Contas. 7º É vedada a realização, sem projeto executivo, de obras e serviços de engenharia para cuja concretização tenha sido utilizado o RDC, qualquer que seja o regime adotado. 8

9 Artigo 9º Regime de contratação integrada de obras e serviços de engenharia

10 Art. 9º Nas licitações de obras e serviços de engenharia, no âmbito do RDC, poderá ser utilizada a contratação integrada, desde que técnica e economicamente justificada. 1º A contratação integrada compreende a elaboração e o desenvolvimento dos projetos básico e executivo, a execução de obras e serviços de engenharia, a montagem, a realização de testes, a pré-operação e todas as demais operações necessárias e suficientes para a entrega final do objeto. 2º No caso de contratação integrada: I - o instrumento convocatório deverá conter anteprojeto de engenharia que contemple os documentos técnicos destinados a possibilitar a caracterização da obra ou serviço, incluindo: 1) O instituto da contratação integrada foi inspirado no Regulamento de Licitações da PETROBRÁS: 1.9. Sempre que economicamente recomendável, a PETROBRÁS poderá utilizar-se da contratação integrada, compreendendo realização de projeto básico e/ou detalhamento, realização de obras e serviços, montagem, execução de testes, préoperação e todas as demais operações necessárias e suficientes para a entrega final do objeto, com a solidez e segurança especificadas. 2) Contrário ao regime geral da Lei de Licitações que veda a promoção licitação desprovida do projeto básico (art. 7º, 2º da Lei 8.666/93). 3) Substituição do projeto básico pelo anteprojeto de engenharia. Qual a diferença substancial entre ambos os documentos técnicos? 10

11 2º No caso de contratação integrada: I - o instrumento convocatório deverá conter anteprojeto de engenharia que contemple os documentos técnicos destinados a possibilitar a caracterização da obra ou serviço, incluindo: a) a demonstração e a justificativa do programa de necessidades, a visão global dos investimentos e as definições quanto ao nível de serviço desejado; b) as condições de solidez, segurança, durabilidade e prazo de entrega, observado o disposto no caput e no 1º do art. 6º desta Lei; c) a estética do projeto arquitetônico; e d) os parâmetros de adequação ao interesse público, à economia na utilização, à facilidade na execução, aos impactos ambientais e à acessibilidade; Art. 2º Na aplicação do RDC, deverão ser observadas as seguintes definições: IV - projeto básico: conjunto de elementos necessários e suficientes, com nível de precisão adequado, para, observado o disposto no parágrafo único deste artigo: a) caracterizar a obra ou serviço de engenharia, ou complexo de obras ou serviços objeto da licitação, com base nas indicações dos estudos técnicos preliminares; b) assegurar a viabilidade técnica e o adequado tratamento do impacto ambiental do empreendimento; e c) possibilitar a avaliação do custo da obra ou serviço e a definição dos métodos e do prazo de execução; 11

12 Art. 74. [...] REGULAMENTO DO RDC 1º Deverão constar do anteprojeto, quando couber, os seguintes documentos técnicos: O Decreto amplia o rol de requisitos que caracterizam o anteprojeto de engenharia I - concepção da obra ou serviço de engenharia; II - projetos anteriores ou estudos preliminares que embasaram a concepção adotada; III - levantamento topográfico e cadastral; IV - pareceres de sondagem; e V - memorial descritivo dos elementos da edificação, dos componentes construtivos e dos materiais de construção, de forma a estabelecer padrões mínimos para a contratação. 12

13 Art. 9º Nas licitações de obras e serviços de engenharia, no âmbito do RDC, poderá ser utilizada a contratação integrada, desde que técnica e economicamente justificada. II - o valor estimado da contratação será calculado com base nos valores praticados pelo mercado, nos valores pagos pela administração pública em serviços e obras similares ou na avaliação do custo global da obra, aferida mediante orçamento sintético ou metodologia expedita ou paramétrica; e III - será adotado o critério de julgamento de técnica e preço. - Art. 9º, II na contratação integrada não há preferência para adoção das tabela referenciais de preços (SICRO E SINAPI) os preços serão calculados com base nos valores praticados pelo mercado - Art. 9º, III - Inovação! Técnica e preço sempre para serviços predominantemente intelectuais no regime da Lei 8.666/93 e em projetos que envolvam concessão de serviço público ou PPP. - TC s parâmetros de 70/30 e respectivas súmulas - objetividade de critérios de julgamento da proposta técnica 13

14 Art. 9º Nas licitações de obras e serviços de engenharia, no âmbito do RDC, poderá ser utilizada a contratação integrada, desde que técnica e economicamente justificada. Art. 9, 3º - imprecisão do objeto e consequentemente dos valores a serem oferecidos 3º Caso seja permitida no anteprojeto de engenharia a apresentação de projetos com metodologias diferenciadas de execução, o instrumento convocatório estabelecerá critérios objetivos para avaliação e julgamento das propostas. 14

15 Art. 9º Nas licitações de obras e serviços de engenharia, no âmbito do RDC, poderá ser utilizada a contratação integrada, desde que técnica e economicamente justificada. (...) 4º Nas hipóteses em que for adotada a contratação integrada, é vedada a celebração de termos aditivos aos contratos firmados, exceto nos seguintes casos: IMPORTANTE: As hipóteses são taxativas ou exemplificativas? Será possível prorrogar o prazo contratual? Caso fortuito: evento da natureza (tufão) Força maior: evento humano imprevisível e inevitável (greve na fabricação de produto) I - para recomposição do equilíbrio econômicofinanceiro decorrente de caso fortuito ou força maior; e II - por necessidade de alteração do projeto ou das especificações para melhor adequação técnica aos objetivos da contratação, a pedido da administração pública, desde que não decorrentes de erros ou omissões por parte do contratado, observados os limites previstos no 1º do art. 65 da Lei no 8.666, de 21 de junho de

16 Art. 9º Nas licitações de obras e serviços de engenharia, no âmbito do RDC, poderá ser utilizada a contratação integrada, desde que técnica e economicamente justificada. (...) 4º Nas hipóteses em que for adotada a contratação integrada, é vedada a celebração de termos aditivos aos contratos firmados, exceto nos seguintes casos: I - para recomposição do equilíbrio econômicofinanceiro decorrente de caso fortuito ou força maior; e II - por necessidade de alteração do projeto ou das especificações para melhor adequação técnica aos objetivos da contratação, a pedido da administração pública, desde que não decorrentes de erros ou omissões por parte do contratado, observados os limites previstos no 1º do art. 65 da Lei no 8.666, de 21 de junho de Referência legislativa expressa feita pelo RDC: Art. 65. Os contratos regidos por esta Lei poderão ser alterados, com as devidas justificativas, nos seguintes casos: (...) 1º O contratado fica obrigado a aceitar, nas mesmas condições contratuais, os acréscimos ou supressões que se fizerem nas obras, serviços ou compras, até 25% (vinte e cinco por cento) do valor inicial atualizado do contrato, e, no caso particular de reforma de edifício ou de equipamento, até o limite de 50% (cinqüenta por cento) para os seus acréscimos. 16

Seminário. Projeto Básico e Executivo nas Contratações Públicas

Seminário. Projeto Básico e Executivo nas Contratações Públicas Seminário Projeto Básico e Executivo nas Contratações Públicas Objetivo Verificar os entendimentos entre contratantes e contratados na Administração Pública sobre questões que envolvem projeto básico e

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, º Andar (55 11)

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, º Andar (55 11) São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS - RDC Apresentação para as Associadas da APEOP PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

Professora Taís Flores

Professora Taís Flores Professora Taís Flores GABARITO - D COMENTÁRIOS Inicialmente, percebam que as alternativas III e IV não correspondem à literalidade da lei. Assim, abre-se uma margem de liberdade para que a banca as considere

Leia mais

Controle de preços em obras públicas:

Controle de preços em obras públicas: Controle de preços em obras públicas: Princípios gerais na utilização dos sistemas oficiais de preços Rafael Jardim Cavalcante Contextualização Decisão Lei para o caso concreto; Interpretação da Lei direito

Leia mais

VI SEMINÁRIO NACIONAL DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE DOS RECURSOS PÚBLICOS.

VI SEMINÁRIO NACIONAL DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE DOS RECURSOS PÚBLICOS. VI SEMINÁRIO NACIONAL DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE DOS RECURSOS PÚBLICOS. TEMA: A Lei de Licitações nº 8.666 e o Regime Diferenciado de Contratações (RDC) Diretoria Executiva - DIREX/ DNIT diretoria.executiva@dnit.gov.br

Leia mais

BANCO DE PREÇOS DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DA CAERN - TABELA NOVEMBRO DE 2014 COM DESONERAÇÃO

BANCO DE PREÇOS DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DA CAERN - TABELA NOVEMBRO DE 2014 COM DESONERAÇÃO BANCO DE PREÇOS DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DA CAERN - TABELA NOVEMBRO DE 2014 COM DESONERAÇÃO BANCO DE PREÇOS DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DA CAERN - TABELA NOVEMBRO DE 2014 COM DESONERAÇÃO NATAL/RN - NOVEMBRO

Leia mais

SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO PESADA DO ESTADO DO PARANÁ-SICEPOT/PR

SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO PESADA DO ESTADO DO PARANÁ-SICEPOT/PR SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO PESADA DO ESTADO DO PARANÁ-SICEPOT/PR COMPARAÇÃO ENTRE AS LEIS DE LICITAÇÕES LEI nº 8.666/93 (Licitações) LEI nº 10.520/02 (Pregão) LEI nº 1461/12 (RDC) AUTORIA: Engenheiro

Leia mais

Os novos paradigmas da engenharia brasileira

Os novos paradigmas da engenharia brasileira Os novos paradigmas da engenharia brasileira Como compatibilizar as novas tecnologias, custos e preços Debatedor: André P. Baeta Disposições Legais sobre Preços de Obras Públicas 2 LDO 2012 Lei 12.465/2011

Leia mais

ASSESSORIA TÉCNICA AUDITORIA INTERNA Assunto: Utilização de modalidade de licitação Carta Convite

ASSESSORIA TÉCNICA AUDITORIA INTERNA Assunto: Utilização de modalidade de licitação Carta Convite Pelotas, 26 de setembro de 2013. ASSESSORIA TÉCNICA 02.2013 Assunto: Utilização de modalidade de licitação Carta Convite A elaboração da presente assessoria técnica tem como referência principal os apontamentos

Leia mais

Sabesp. Regulamento Interno de Licitações e Contratos da SABESP

Sabesp. Regulamento Interno de Licitações e Contratos da SABESP Sabesp Regulamento Interno de Licitações e Contratos da SABESP 1 AMBIENTE DE LICITAÇÕES DA SABESP 2 Ambiente de Licitações da Sabesp Valores Contratados 2014 a 2016 TOTAL 2.488.682.736,04 2.443.321.671,96

Leia mais

PROC IBR EDIF /2014

PROC IBR EDIF /2014 INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 01.02.011/2014 01 - Fase Licitatória 01.02 - Análise das especificações, quantidades

Leia mais

REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES

REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES Susana Filgueiras Brasília, 10 de setembro de 2012 LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Lei nº12.462, de 5 de agosto de 2011. Decreto nº 7.581, de 11 de outubro de 2011. Lei nº 12.688,

Leia mais

PLANILHA COMPARATIVA - PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DE PESQUISA DE PREÇOS IN Nº 05/2014 x IN Nº 03/ MP

PLANILHA COMPARATIVA - PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DE PESQUISA DE PREÇOS IN Nº 05/2014 x IN Nº 03/ MP PLANILHA COMPARATIVA - PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DE PESQUISA DE PREÇOS IN Nº 05/2014 x IN Nº 03/2017 - MP IN Nº 05/2014 IN Nº 03/2017 Interpretação Art. 2º A pesquisa de preços será realizada mediante

Leia mais

LICITAÇÃO PARA OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA PELAS ENTIDADES DO SISTEMA S E UTILIZAÇÃO DA TABELA SINAPI Por Julieta Mendes Lopes Vareschini 1

LICITAÇÃO PARA OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA PELAS ENTIDADES DO SISTEMA S E UTILIZAÇÃO DA TABELA SINAPI Por Julieta Mendes Lopes Vareschini 1 LICITAÇÃO PARA OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA PELAS ENTIDADES DO SISTEMA S E UTILIZAÇÃO DA TABELA SINAPI Por Julieta Mendes Lopes Vareschini 1 Cumpre esclarecer que o Sistema Nacional de Pesquisa de Custos

Leia mais

SUMÁRIO. Regime Diferenciado de Contratações Públicas RDC 2.1 RDC E OBJETOS TRANSITÓRIOS DOS OBJETOS PASSÍVEIS DE ADOÇÃO DO RDC...

SUMÁRIO. Regime Diferenciado de Contratações Públicas RDC 2.1 RDC E OBJETOS TRANSITÓRIOS DOS OBJETOS PASSÍVEIS DE ADOÇÃO DO RDC... SUMÁRIO Regime Diferenciado de Contratações Públicas RDC PREFÁCIO... 15 Nota dos autores... 17 CAPÍTULO 1 ASPECTOS GERAIS... 19 1.1 Introdução... 19 1.2 Objetivos... 22 1.3 Definições... 30 1.4 Diretrizes...

Leia mais

OBRAS PÚBLICAS LICITAÇÃO, CONTRATAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO CLÁUDIO SARIAN ALTOUNIAN. Autor. Formato: 17x24 cm CÓDIGO:

OBRAS PÚBLICAS LICITAÇÃO, CONTRATAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO CLÁUDIO SARIAN ALTOUNIAN. Autor. Formato: 17x24 cm CÓDIGO: problemas que prejudicam o andamento dos empreendimentos, incorporou alguns trabalhos do TCU desenvolvidos no último biênio. O texto busca apresentar de forma prática a técnicos envolvidos com licitação,

Leia mais

SEMINÁRIO AMBIENTE DE NEGÓCIOS:

SEMINÁRIO AMBIENTE DE NEGÓCIOS: SEMINÁRIO AMBIENTE DE NEGÓCIOS: SEGURANÇA JURÍDICA, TRANSPARÊNCIA E SIMPLICIDADE Sérgio Guerra Mudanças institucionais nas contratações públicas 23 de setembro de 2016 REGIMES DE CONTRATAÇÕES 1993 Licitações

Leia mais

Lei /16 e Licitações

Lei /16 e Licitações Lei 13.303/16 e Licitações Rafael Da Cás Maffini Mestre e Doutor em Direito pela UFRGS, Professor de Direito Administrativo na UFRGS, Advogado, Sócio Diretor do escritório Rossi, Maffini, Milman & Grando

Leia mais

MÁRCIO SOARES DA ROCHA CLASSIFICAÇÃO E PROCEDIMENTOS ACERCA DE IRREGULARIDADES EM PREÇOS DE OBRAS PÚBLICAS (ARTIGO TÉCNICO)

MÁRCIO SOARES DA ROCHA CLASSIFICAÇÃO E PROCEDIMENTOS ACERCA DE IRREGULARIDADES EM PREÇOS DE OBRAS PÚBLICAS (ARTIGO TÉCNICO) MÁRCIO SOARES DA ROCHA CLASSIFICAÇÃO E PROCEDIMENTOS ACERCA DE IRREGULARIDADES EM PREÇOS DE (ARTIGO TÉCNICO) Fortaleza Dezembro / 2002 2 SUMÁRIO ASSUNTO PÁGINA I. Introdução...03 II. Superfaturamento II.1.

Leia mais

CAPACITAÇÃO. Legislação e Prática

CAPACITAÇÃO. Legislação e Prática CAPACITAÇÃO Funcionários Departamento de Compras e Licitações Membros da Comissão de Licitações Pregoeiro e Equipe de Apoio Legislação e Prática LICITAÇÃO Procedimento administrativo prévio à contratação

Leia mais

Comparação entre o Regime Diferenciado. de Contratação (Lei nº /11) e o. Regime Jurídico vigente sobre licitações e. Lei nº 10.

Comparação entre o Regime Diferenciado. de Contratação (Lei nº /11) e o. Regime Jurídico vigente sobre licitações e. Lei nº 10. Comparação entre o Regime Diferenciado de Contratação (Lei nº 12.462/11) e o Regime Jurídico vigente sobre licitações e contratos (especialmente, Lei nº 8.666/93 e Lei nº 10.520/02) Regime Diferenciado

Leia mais

ATO Nº 61. Dispõe sobre a conceituação de Projeto Básico em Consultoria de Engenharia, Arquitetura e Agronomia.

ATO Nº 61. Dispõe sobre a conceituação de Projeto Básico em Consultoria de Engenharia, Arquitetura e Agronomia. ATO Nº 61 Dispõe sobre a conceituação de Projeto Básico em Consultoria de Engenharia, Arquitetura e Agronomia. CONSIDERANDO que é dever O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESTADO

Leia mais

Lei /2016 Estatuto Jurídico das Empresas Públicas, Sociedades de Economia Mista e suas subsidiárias no âmbito da União, Estados e Municípios e

Lei /2016 Estatuto Jurídico das Empresas Públicas, Sociedades de Economia Mista e suas subsidiárias no âmbito da União, Estados e Municípios e Lei 13.303/2016 Estatuto Jurídico das Empresas Públicas, Sociedades de Economia Mista e suas subsidiárias no âmbito da União, Estados e Municípios e Distrito Federal A nova lei extingue a modalidade carta-convite

Leia mais

DIREX Elaboração de Orçamentos sob a Égide da Lei 8666/1993 e do Regime Diferenciado de Contratação

DIREX Elaboração de Orçamentos sob a Égide da Lei 8666/1993 e do Regime Diferenciado de Contratação Elaboração de Orçamentos sob a Égide da Lei 8666/1993 e do Regime Diferenciado de Contratação Coordenação-Geral de Custos de Infraestrutura de Transportes Diretoria Executiva Legislação Aplicada Lei 12.462,

Leia mais

OT IBR 001/ PROJETO BÁSICO

OT IBR 001/ PROJETO BÁSICO ENCONTRO TÉCNICO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS ENAOP PALMAS-TO - 2012 TCE-TO / IBRAOP / IRB / ATRICON OT IBR 001/2006 - PROJETO BÁSICO Palmas, 21/junho/2012 Pedro Jorge Rocha de Oliveira 1 OT

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 027/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Instalações Telefônicas e de Lógica

PROC-IBR-EDIF 027/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Instalações Telefônicas e de Lógica INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 027/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Instalações Telefônicas

Leia mais

PASSO A PASSO PARA A CONTRATAÇÃO DE OBRAS PELA NOVA LEI DAS ESTATAIS

PASSO A PASSO PARA A CONTRATAÇÃO DE OBRAS PELA NOVA LEI DAS ESTATAIS CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PASSO A PASSO PARA A CONTRATAÇÃO DE OBRAS PELA NOVA LEI DAS ESTATAIS As principais inovações trazidas pela Lei 13.303/2016 O uso da contratação semi-integrada Sugestões

Leia mais

Obras Públicas: Novo Patamar de Qualidade Custos Realistas

Obras Públicas: Novo Patamar de Qualidade Custos Realistas 83º ENIC Obras Públicas: Novo Patamar de Qualidade Custos Realistas PALESTRANTE: ANDRÉ PACHIONI BAETA Propriedades de um Orçamento ESPECIFICIDADE Todo orçamento está intrinsecamente ligado à empresa e

Leia mais

DECRETO Nº , DE 25 DE NOVEMBRO DE 2015.

DECRETO Nº , DE 25 DE NOVEMBRO DE 2015. DECRETO Nº 19.224, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2015. Estabelece os critérios e os percentuais máximos, relativos às taxas de Benefícios e Despesas Indiretas (BDI), a serem aplicados na elaboração do orçamento

Leia mais

DECRETO Nº 7.379, DE 1º DE DEZEMBRO DE 2010.

DECRETO Nº 7.379, DE 1º DE DEZEMBRO DE 2010. DECRETO Nº 7.379, DE 1º DE DEZEMBRO DE 2010. Dá nova redação e acresce dispositivos ao Decreto n o 6.555, de 8 de setembro de 2008, que dispõe sobre as ações de comunicação do Poder Executivo Federal e

Leia mais

OFICINA DE ELABORAÇÃO DE EDITAL, TERMO DE REFERÊNCIA, PROJETO BÁSICO E JULGAMENTO DAS PROPOSTAS PARA OBRAS PÚBLICAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

OFICINA DE ELABORAÇÃO DE EDITAL, TERMO DE REFERÊNCIA, PROJETO BÁSICO E JULGAMENTO DAS PROPOSTAS PARA OBRAS PÚBLICAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA TREINAMENTO PRÁTICO OFICINA DE ELABORAÇÃO DE EDITAL, TERMO DE REFERÊNCIA, PROJETO BÁSICO E JULGAMENTO DAS PROPOSTAS PARA OBRAS PÚBLICAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA MACEIÓ - AL 8 e 9 JUNHO/2015 APRESENTAÇÃO

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIOS MÍNIMOS PROFISSIONAIS ÁREA ENGENHARIA CORRIGIDA ANUALMENTE PELO ÍNDICE IPC FIPE

TABELA DE HONORÁRIOS MÍNIMOS PROFISSIONAIS ÁREA ENGENHARIA CORRIGIDA ANUALMENTE PELO ÍNDICE IPC FIPE TABELA DE HONORÁRIOS MÍNIMOS PROFISSIONAIS ÁREA ENGENHARIA CORRIGIDA ANUALMENTE PELO ÍNDICE IPC FIPE I - GLOSSÁRIO - CLASSIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS TÉCNICOS CONSIDERAÇÕES INICIAIS: O Projeto de Prefeitura

Leia mais

DECRETO Nº , DE 29 DE DEZEMBRO DE 2016.

DECRETO Nº , DE 29 DE DEZEMBRO DE 2016. DECRETO Nº 19.634, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2016. Aplica às empresas públicas e às sociedades de economia mistas municipais o disposto na Lei Federal nº 13.303, de 30 de junho de 2016 que dispõe sobre o estatuto

Leia mais

Regime Diferenciado de Contratação de Obras Públicas

Regime Diferenciado de Contratação de Obras Públicas Regime Diferenciado de Contratação de Obras Públicas Introdução [p_s]este curso visa oferecer ao participante as informações sobre o Regime Diferenciado de Contratações Públicas RDC, que implantou através

Leia mais

Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública. Magno Subtil

Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública. Magno Subtil Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública Magno Subtil Registro de Preços Decreto Estadual 7.437/2011 Sistema de Registro de Preços é o conjunto de procedimentos para registro

Leia mais

Precisões e Margens de Erros dos Orçamentos de Engenharia

Precisões e Margens de Erros dos Orçamentos de Engenharia Orientação Técnica OT-004/2016-IBRAENG (aprovada aos 19 de dezembro de 2016. Publicada aos 20 de dezembro de 2016) Precisões e Margens de Erros dos Orçamentos de Engenharia Accuracies and Error Margins

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 006/2016

ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 006/2016 ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 006/2016 ANTEPROJETO DE ENGENHARIA Primeira edição: em consulta pública até 16/03/2017 Palavras-Chave: obras públicas; anteprojeto; auditoria; contratação integrada; RDC. 11

Leia mais

SIMULADO LICITAÇÕES (LEI 8.666/93)

SIMULADO LICITAÇÕES (LEI 8.666/93) SIMULADO LICITAÇÕES (LEI 8.666/93) 1. (CESPE / SEGER / 2013) De acordo com o princípio da impessoalidade, a conduta dos licitantes deve ser lícita e compatível com a moral, a ética e os bons costumes.

Leia mais

Precisões e Margens de Erros dos Orçamentos de Engenharia

Precisões e Margens de Erros dos Orçamentos de Engenharia Orientação Técnica OT-004/2016-IBRAENG (em consulta pública, de 12 de setembro até 14 de novembro de 2016. Contribuições podem ser enviadas para ibraeng@ibraeng.org) Precisões e Margens de Erros dos Orçamentos

Leia mais

XIV SINAOP SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS

XIV SINAOP SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS XIV SINAOP SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS Tribunal de Contas de Mato Grosso TCE/MT Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas (IBRAOP) Planejamento de obras e sustentabilidade

Leia mais

CONTRATAÇÃO DIRETA NO ÂMBITO DO RDC

CONTRATAÇÃO DIRETA NO ÂMBITO DO RDC CONTRATAÇÃO DIRETA NO ÂMBITO DO RDC Marçal Justen Neto LL.M em Direito Público pela London School of Economics - LSE Advogado de Justen, Pereira, Oliveira e Talamini 1. Introdução A legislação do Regime

Leia mais

SÚMULAS DO TCU SÚMULA Nº 103 SÚMULA Nº 157 SÚMULA Nº 177 SÚMULA Nº 191 SÚMULA Nº 205 SÚMULA Nº 222

SÚMULAS DO TCU SÚMULA Nº 103 SÚMULA Nº 157 SÚMULA Nº 177 SÚMULA Nº 191 SÚMULA Nº 205 SÚMULA Nº 222 SÚMULAS DO TCU SÚMULA Nº 103 Na falta de normas legais regimentais específicas, aplicam-se, analógica e subsidiariamente, no que couber, a juízo do Tribunal de Contas da União, as disposições do Código

Leia mais

ARTIGO 6º INCISO XX LEI 8.666/93

ARTIGO 6º INCISO XX LEI 8.666/93 Bom dia! ARTIGO 6º INCISO XX LEI 8.666/93 Art. 6 o Para os fins desta Lei, considera-se: XX - produtos para pesquisa e desenvolvimento - bens, insumos, serviços e obras necessários para atividade de pesquisa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ RDC ELETRÔNICO Nº. 04/2016-UNIFAP RESPOSTA I M P U G N A Ç Ã O 1 - RESPOSTA A IMPUGNAÇÃO APRESENTADA PELA EMPRESA PALETA ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO

Leia mais

Avaliação do Desequilíbrio Econômico- Financeiro em Contratos de Construções

Avaliação do Desequilíbrio Econômico- Financeiro em Contratos de Construções Avaliação do Desequilíbrio Econômico- Financeiro em Contratos de Construções Equilíbrio Econômico-Financeiro Definição manutenção da relação estabelecida inicialmente pelas partes contratantes que deverá

Leia mais

PROJETO VII COMO FISCALIZAR E GERENCIAR OS CONTRATOS ADMINISTRATIVOS COMPRAS, SERVIÇOS CONTÍNUOS E OBRAS DE ENGENHARIA

PROJETO VII COMO FISCALIZAR E GERENCIAR OS CONTRATOS ADMINISTRATIVOS COMPRAS, SERVIÇOS CONTÍNUOS E OBRAS DE ENGENHARIA PROJETO VII COMO FISCALIZAR E GERENCIAR OS CONTRATOS ADMINISTRATIVOS COMPRAS, SERVIÇOS CONTÍNUOS E OBRAS DE ENGENHARIA Curso 1: ALTERAÇÕES E ADITIVOS AOS CONTRATOS ADMINISTRATIVOS Curso 2: RESCISÃO DO

Leia mais

Sistema de Custos Referenciais de Obras SICRO2/DNIT Conceitos e formas de utilização

Sistema de Custos Referenciais de Obras SICRO2/DNIT Conceitos e formas de utilização Sistema de Custos Referenciais de Obras SICRO2/DNIT Conceitos e formas de utilização Alexandre da Rocha Gomes Tecnólogo em Construção Civil HISTÓRICO DOS SISTEMAS DE CUSTOS DO DNER E DO DNIT 1946 Implantação

Leia mais

SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS. Fernanda Nunes

SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS. Fernanda Nunes SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS Fernanda Nunes Base Legal Lei Federal nº 8.666/1993 art. 15, inciso II, e parágrafos 1º ao 6º Decreto Federal nº 3.931/2001 (aplicável no âmbito da União). Decreto Estadual

Leia mais

O Controle Externo das Obras Públicas

O Controle Externo das Obras Públicas O Controle Externo das Obras Públicas Escola de Contas Públicas Slide nº 1 O TRABALHO DO TCESP Fiscalização contábil, financeira orçamentária, operacional e patrimonial do Estado de São Paulo e de seus

Leia mais

Conceitos fundamentais à nova lei de licitações e principais problemas do PLS nº 559/2013. Russell Rudolf Ludwig, Vice Presidente do Sinaenco/SP

Conceitos fundamentais à nova lei de licitações e principais problemas do PLS nº 559/2013. Russell Rudolf Ludwig, Vice Presidente do Sinaenco/SP Conceitos fundamentais à nova lei de licitações e principais problemas do PLS nº 559/2013 Russell Rudolf Ludwig, Vice Presidente do Sinaenco/SP A Modernização da Lei de Licitações Histórico: Lei 8.666/1993

Leia mais

Anteprojeto, Projeto Básico e Executivo

Anteprojeto, Projeto Básico e Executivo CGDESP/DPP I Seminário de Licitações e Contratos do DNIT Anteprojeto, Projeto Básico e Executivo Paula G. de O. Passos Coordenadora Geral de Desenvolvimento e Projetos CGDESP/DPP Escopo da apresentação:

Leia mais

Art. 2 Para os fins e efeitos desta Resolução são considerados os seguintes termos e respectivas definições:

Art. 2 Para os fins e efeitos desta Resolução são considerados os seguintes termos e respectivas definições: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o 56, DE 6 DE ABRIL DE 2004. Estabelece procedimentos para acesso das centrais geradoras participantes do PROINFA, regulamentando o art.

Leia mais

CAPÍTULO I DO PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA - PMCMV

CAPÍTULO I DO PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA - PMCMV DECRETO Nº 6819, DE 13 DE ABRIL DE 2009 (DOU DE 13.04.2009 - EDIÇÃO EXTRA) Regulamenta as Seções II, III e IV do Capítulo I da Medida Provisória nº 459, de 25 de março de 2009, que dispõe sobre o Programa

Leia mais

Audiência Pública. Registro de Preços para Construção de

Audiência Pública. Registro de Preços para Construção de Audiência Pública Registro de Preços para Construção de Estabelecimentos de Ensino Público Projeto Piloto: Construção Escolas ProInfância Desafio: Melhorar a eficiência do processo, e garantir:. Edifícios

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PÓS CONTRATAÇÃO PÓS CONTRATAÇÃO FISCALIZAÇÃO MEDIÇÕES E RECEBIMENTO VIGÊNCIA CONTRATUAL ADITAMENTOS CONTRATUAIS INEXECUÇÃO E SANÇÕES Lei nº 8.666/93 FISCALIZAÇÃO Art. 58. O regime

Leia mais

SINAPI. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil

SINAPI. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil é um sistema de informações de preços e custos relativos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Lei n.º 12.462, de 5 de agosto de 2011. Conversão da Medida Provisória nº 527, de 2011 Institui o Regime Diferenciado de Contratações

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 836, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2017 Dá nova redação à Resolução nº 702, de 4 de

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 836, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2017 Dá nova redação à Resolução nº 702, de 4 de CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 836, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2017 Dá nova redação à Resolução nº 702, de 4 de outubro de 2012, que estabelece diretrizes para elaboração

Leia mais

Contratos Formalização, Gestão e Fiscalização

Contratos Formalização, Gestão e Fiscalização Contratos Formalização, Gestão e Fiscalização Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão seplan@tcu.gov.br Junho/2016 Foto: Lucila Rosa Formalização, Gestão e Fiscalização de Contratos Fundamentos

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA Exercício 2010 ANEXO 4 CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA Exercício 2010 ANEXO 4 CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES INTERNA 3.1.1.2 241099 CONSTATAÇÃO: (005) Ausência de Anotação de Responsabilidade Técnica ART para elaboração do Projeto Básico, referente à construção dos Blocos de Salas

Leia mais

Nota Técnica n.º 02/2013 AUDIN/IFAM. Manaus, 20 de agosto de 2013.

Nota Técnica n.º 02/2013 AUDIN/IFAM. Manaus, 20 de agosto de 2013. Nota Técnica n.º 02/2013 AUDIN/IFAM Manaus, 20 de agosto de 2013. Assunto: Projeto Básico para contratação de serviços técnicos de engenharia e arquitetura. Art. 6, IX Lei 8.666/1993; Lei 5.194/66; Lei

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL SUPERINTENDÊNCIA DE COMPRAS E LICITAÇÕES MANUAL DE ORIENTAÇÃO. Pesquisa de Preços

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL SUPERINTENDÊNCIA DE COMPRAS E LICITAÇÕES MANUAL DE ORIENTAÇÃO. Pesquisa de Preços UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL SUPERINTENDÊNCIA DE COMPRAS E LICITAÇÕES MANUAL DE ORIENTAÇÃO Pesquisa de Preços DEPARTAMENTO DE COMPRAS VERSÃO 2016 Página 1 de 10 SUMÁRIO 1. Introdução...3 1.1.

Leia mais

Esporte Manual de Orçamento

Esporte Manual de Orçamento Centro de Iniciação ao Esporte Manual de Orçamento Objetivo: ajudar os entes selecionados a cumprir o prazo da Etapa 1, que está sendo prorrogado para 21/11/2014, e preparar as etapas subsequentes. Serviços

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Prefeitura do Campus Universitário

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Prefeitura do Campus Universitário PROJETO BASICO REFORMA DAS COBERTURAS DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO E CENTRO DE VIVÊNCIA UFOP - CAMPUS MORRO DO CRUZEIRO Projeto básico é o conjunto de elementos necessários e suficientes, com nível de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Prefeitura do Campus Universitário

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Prefeitura do Campus Universitário PROJETO BÁSICO Reforma de cobertura do Centro de Convenções Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Projeto básico é o conjunto de elementos necessários e suficientes, com nível de precisão adequado, para

Leia mais

87º ENCONTRO NACIONAL DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO (ENIC 2015)

87º ENCONTRO NACIONAL DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO (ENIC 2015) 87º ENCONTRO NACIONAL DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO (ENIC 2015) FORMAC AÕ DE PREC OS NAS OBRAS PU BLICAS: ASPECTOS LEGAIS NA FORMAC A O DE PREC OS CONCEITO DE PREC O PARA OS OŔGAÕS DE FISCALIZAC A O E CONTROLE

Leia mais

Planejamento, Elaboração, Controle e Fatores Críticos na Precificação de Obras e Serviços

Planejamento, Elaboração, Controle e Fatores Críticos na Precificação de Obras e Serviços Planejamento, Elaboração, Controle e Fatores Críticos na Precificação de Obras e Serviços Introdução Oferecer um curso avançado com o objetivo de dar o imprescindível suporte técnico, jurídico e administrativo

Leia mais

DECISÃO SINGULAR DS2 TC 00047/2017

DECISÃO SINGULAR DS2 TC 00047/2017 155 Jurisdicionado: Prefeitura Municipal de Cabedelo Objeto: Inspeção Especial de Licitações e Contratos Responsáveis: Wellington Viana França (Prefeito) e Simone Mendonça Bezerra (Presidente da CPL) RELATOR:

Leia mais

CIDs (Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento)

CIDs (Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento) CIDs (Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento) LEI Nº 15.413, DE 20 DE JULHO DE 2011 (Projeto de Lei nº 288/11, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Dispõe sobre a concessão

Leia mais

PNRS A IMPORTÂNCIA DOS CONSÓRCIOS

PNRS A IMPORTÂNCIA DOS CONSÓRCIOS PNRS A IMPORTÂNCIA DOS CONSÓRCIOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS Consórcio público é uma pessoa jurídica criada por lei com a finalidade de executar a gestão associada de serviços públicos, onde

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 462, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2009

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 462, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2009 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 462, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2009 Dá nova redação à Portaria Interministerial nº 326, de 31 de agosto de 2009, que dispõe sobre o Programa Nacional de Habitação Rural PNHR, integrante

Leia mais

LEI Nº DE 22 DE DEZEMBRO DE A Câmara Municipal de Tiradentes aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte lei: CAPÍTULO I

LEI Nº DE 22 DE DEZEMBRO DE A Câmara Municipal de Tiradentes aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte lei: CAPÍTULO I LEI Nº 2.493 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009. Institui a Lei Municipal relativa ao Empreendedor Individual e dá outras providências A Câmara Municipal de Tiradentes aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA UTILIZANDO PREGÃO E SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA UTILIZANDO PREGÃO E SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA UTILIZANDO PREGÃO E SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS 03 e 04 de julho Brasília, 03 e 04 de julho de 2017 Carga Horária: 16 horas/atividade Horário: 8h30 às 18h (com intervalo

Leia mais

Gerenciamento da Construção Civil

Gerenciamento da Construção Civil Gerenciamento da Construção Civil FSP - Faculdade Sudoeste Paulista Departamento. Engenharia Civil ENGª. M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré Cap. 8 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 8. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 8.1 Considerações

Leia mais

Regulamento de Compras e Contratações de Serviços

Regulamento de Compras e Contratações de Serviços Regulamento de Compras e Contratações de Serviços Capítulo I INTRODUÇÃO Dos Princípios Art.1º- Este regulamento estabelece normas para a aquisição e alienação de bens e para a contratação de obras e serviços

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Manual de Preenchimento de Solicitação de Compras

Universidade Federal de São Paulo Manual de Preenchimento de Solicitação de Compras Manual de Preenchimento de Solicitação de Compras Acesso à intranet: DTI Emissão de pedido de compra: Diretoria do Campus Caso esteja vinculado a mais do que um centro de custo Local de destino do

Leia mais

Como contratar TI com riscos baixos. Carlos Mamede Sefti/TCU

Como contratar TI com riscos baixos. Carlos Mamede Sefti/TCU Como contratar TI com riscos baixos Carlos Mamede Sefti/TCU Contratação de TI Riscos envolvidos na contratação Mitigação dos riscos Como contratar TI com riscos baixos 2 Agenda 1. Contratações públicas

Leia mais

Desafio: Licitação. 6. nos casos de alienação de bens ou concessão de direito real de uso qual tipo de licitação empregar?

Desafio: Licitação. 6. nos casos de alienação de bens ou concessão de direito real de uso qual tipo de licitação empregar? Desafio: Licitação 1. Modalidade de licitação entre quaisquer interessados para a venda de bens móveis inservíveis para a administração ou de produtos legalmente apreendidos ou penhorados, ou para a alienação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 5 DE MAIO DE Estabelece regras para a implementação da homepage Contas Públicas, de que trata a Lei nº 9.755/98.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 5 DE MAIO DE Estabelece regras para a implementação da homepage Contas Públicas, de que trata a Lei nº 9.755/98. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 5 DE MAIO DE 1999 Estabelece regras para a implementação da homepage Contas Públicas, de que trata a Lei nº 9.755/98. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Licitação Pag 3.1 Descrição dos Fluxos de Trabalho 3.1 FLUXOGRAMA LICITAÇÃO FASE INTERNA.

Licitação Pag 3.1 Descrição dos Fluxos de Trabalho 3.1 FLUXOGRAMA LICITAÇÃO FASE INTERNA. Licitação Pag 3.1 3.1 FLUXOGRAMA LICITAÇÃO FASE INTERNA. Princípio da motivação (interesse / necessidade) Solicitação/Requisição Objeto Obras Serviços Compras Alienações Concessões Permissões Locações

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2012-AUDIN Assunto: Formalização legal dos processos de dispensa de licitação

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2012-AUDIN Assunto: Formalização legal dos processos de dispensa de licitação ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2012-AUDIN Assunto: Formalização legal dos processos de dispensa de licitação Belém, 05 de dezembro de 2012. Conforme disposto no art. 2º da Lei nº 8.666/93 as obras, serviços,

Leia mais

DINOP / CENOP LOGÍSTICA CURITIBA (PR) ESCLARECIMENTOS DIVERSOS

DINOP / CENOP LOGÍSTICA CURITIBA (PR) ESCLARECIMENTOS DIVERSOS Curitiba, 02 de Abril de 2014. ESCLARECIMENTOS DIVERSOS CONCORRÊNCIA 2014/002264 (7419) Registro de preços referente à execução de obras diversas de construção, reformas e serviços de engenharia, incluindo

Leia mais

Papel técnico das agências reguladoras. Ademir Castorino

Papel técnico das agências reguladoras. Ademir Castorino Papel técnico das agências reguladoras Ademir Castorino Objetivo Demonstrar o papel técnico das agências reguladoras na definição dos parâmetros de avaliação técnica dos projetos no âmbito das concessões

Leia mais

Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização PARECER Nº, DE 2015

Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização PARECER Nº, DE 2015 PARECER Nº, DE 2015 Da Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização, sobre o Avn nº 12, de 2015, que Informa, em cumprimento ao disposto no art. 117 da Lei 13.080, de 2015 (LDO 2015), a

Leia mais

Lista de verificação PREGÃO Fase Interna

Lista de verificação PREGÃO Fase Interna UFC Pró-Reitoria Planejamento e Administração Lista verificação PREGÃO Fase Interna Eletrônico Presencial Código: PROPLAD064 Unida mandante: Nº do Processo: Nº Pregão: 1. Consta a autorização da autorida

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ENCONTRO DE ENCERRAMENTO DO CURSO CICLO DE COMPRAS FUNDAP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CONTRATAÇÃO DIRETA HIPÓTESES MAIS FREQUENTES COMO E O QUE JUSTIFICAR NEGOCIAÇÃO DO CONTRATO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Prefeitura do Campus Universitário

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Prefeitura do Campus Universitário PROJETO BASICO REFORMA DA COBERTURA ICEB 01-02 BLOCOS ALA NORTE UFOP - CAMPUS MORRO DO CRUZEIRO Projeto básico é o conjunto de elementos necessários e suficientes, com nível de precisão adequado, para

Leia mais

O exame de processos de outorga de concessão deve conter em sua introdução as informações básicas relativas ao tipo de processo.

O exame de processos de outorga de concessão deve conter em sua introdução as informações básicas relativas ao tipo de processo. Tribunal de Contas da União MANUAL PARA INSTRUÇÃO DE PROCESSOS DE LICITAÇÃO PARA OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS E DE LINHAS DE TRANSMISSÃO 1 - INTRODUÇÃO 1.1. CARACTERÍSTICAS GERAIS O exame de

Leia mais

CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO

CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO NOTA TÉCNICA Nº 001/2011 Brasília, 16 de março de 2011. ÁREA: Saneamento Área de Desenvolvimento Urbano TÍTULO: Contratação dos serviços de saneamento básico REFERÊNCIA(S): Lei nº 11.445/2010, Decreto

Leia mais

SIMO. Aspectos sobre a Gestão de Obras segundo a IN CGE Nº 01/2013. Auditores Governamentais: Alexandre Farias Chaves Gilberto Gomes da Silva

SIMO. Aspectos sobre a Gestão de Obras segundo a IN CGE Nº 01/2013. Auditores Governamentais: Alexandre Farias Chaves Gilberto Gomes da Silva SIMO Aspectos sobre a Gestão de Obras segundo a IN CGE Nº 01/2013 Auditores Governamentais: Alexandre Farias Chaves Gilberto Gomes da Silva ESCOPO DO DECRETO 15.093/2013 E DA IN CGE Nº 01/2013 Esclarece

Leia mais

Coordenação de Projetos. Antonio Pedro Alves de Carvalho

Coordenação de Projetos. Antonio Pedro Alves de Carvalho Coordenação de Projetos Antonio Pedro Alves de Carvalho Projetos: Definição Atividade responsável pelo desenvolvimento, organização, registro e transmissão das características físicas e tecnológicas especificadas

Leia mais

CONTRATADA CELEBRAÇÃO DE ADITIVO CONTRATUAL CONTRATANTE ALTERAÇÃO DO PROJETO

CONTRATADA CELEBRAÇÃO DE ADITIVO CONTRATUAL CONTRATANTE ALTERAÇÃO DO PROJETO ERRO NA ESTIMATIVA DE CUSTO DA OBRA, INCLUSIVE OS DECORRENTES DE OMISSÃO DE SERVIÇOS NO ORÇAMENTO E DE PREVISÕES INSUFICIENTES DE QUANTITATIVOS DE SERVIÇOS ERRO NA ESTIMATIVA DE PRAZO DA OBRA PREJUÍZOS

Leia mais

REGULAMENTO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS DO BRB - BANCO DE BRASÍLIA S.A.

REGULAMENTO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS DO BRB - BANCO DE BRASÍLIA S.A. Página 1/46 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: FINALIDADE: ELABORAÇÃO: APROVAÇÃO: REGULAMENTO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS DO BRB - BANCO DE NORMA EXECUTIVA Com base na Lei nº 13.303/2016, estabelecer normas gerais sobre

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PROCEDIMENTOS DE DISPENSA E INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO

ORIENTAÇÕES PARA PROCEDIMENTOS DE DISPENSA E INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA PROCEDIMENTOS DE DISPENSA E 1. DISPENSA DE LICITAÇÃO 1.1. Definição: INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO As situações excepcionais aplicáveis à compra ou à contratação de obras e serviços que

Leia mais

PROC IBR EDIF 050/2014 Análise de projeto de Instalações Prediais de Esgotamento Sanitário

PROC IBR EDIF 050/2014 Análise de projeto de Instalações Prediais de Esgotamento Sanitário INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 050/2014 Análise de projeto de Instalações Prediais de Esgotamento Sanitário Primeira

Leia mais

Terceiro Setor e o Direito Administrativo

Terceiro Setor e o Direito Administrativo Terceiro Setor e o Direito Administrativo Ponto n. 7 Qualificações e instrumentos de parcerias com a Administração Pública: legislação e regime jurídico: Convênios, Termos de Fomento, Termos de Colaboração

Leia mais

SUBSTITUTIVO ADOTADO À PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 212-A DE 2016

SUBSTITUTIVO ADOTADO À PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 212-A DE 2016 COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A PROFERIR PARECER À PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 212-A, DE 2016, DO SENADO FEDERAL, QUE ACRESCENTA ART. 101 AO ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS PARA

Leia mais

DISPENSA DE LICITAÇÃO

DISPENSA DE LICITAÇÃO DISPENSA DE LICITAÇÃO Processo: Secretaria: Empresa: CNPJ: Objeto: LISTA DE VERIFICAÇÕES Justificativa - deverá ser elaborada pela Secretaria Requisitante, a qual identificará a necessidade administrativa

Leia mais

A CASA - MUSEU DE ARTES E ARTEFATOS BRASILEIROS ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRA, CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO E LOCAÇÃO

A CASA - MUSEU DE ARTES E ARTEFATOS BRASILEIROS ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRA, CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO E LOCAÇÃO A CASA - MUSEU DE ARTES E ARTEFATOS BRASILEIROS ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRA, CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO E LOCAÇÃO 1 SUMÁRIO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO CAPÍTULO II COMPRA Titulo I Definição

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA PASSARELA

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA PASSARELA MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA PASSARELA INDICE 1.0-APRESENTAÇÃO 2.0-MEMORIAL DESCRITIVO- PROJETO ESTRUTURAL 2.1-Dados geral 2.2-Disposições gerais 2.3-Omissões 2.4-Execução 2.5-Responsabilidades da empresa

Leia mais