Troféu Transparência Comunicação Visual

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Troféu Transparência Comunicação Visual"

Transcrição

1 Troféu Transparência 2015 Comunicação Visual

2 Sobre a ANEFAC Entidade sem fins lucrativos fundada há quase 50 anos Cerca de 1600 associados Executivos de finanças, administração e contabilidade Missão Promover ações que viabilizem de forma ética o desenvolvimento de gestores de negócios na construção de relacionamentos no mercado. Abrangência São Paulo/Campinas/Rio de Janeiro/Curitiba/Salvador/Belo Horizonte 1

3 FIPECAFI Órgão de apoio ao Departamento de Contabilidade e Atuária da FEA-USP Ensino, pesquisa e extensão Referência no cenário contábil e financeiro Mais de 40 anos de tradição no ensino Forte apoio e produção de pesquisa Parceria com empresas nacionais e multinacionais Membro do CPC como representante da academia

4 Alberto Gergull Professor do Departamento de Contabilidade da PUC. Mestre em Contabilidade e Controladoria pela FEA/USP. Consultor e Professor da FIPECAFI. Doutorando, mestre em Contabilidade pela FEA/USP. Consultor e professor da FIPECAFI. Possui Diploma em IFRS concedido pela ACCA. 3

5 Concessões de Serviços Públicos IPSAS 32 Contratos de concessão

6 Histórico Historicamente foi responsabilidade do setor público. Financiada por meio de dotações orçamentárias. Evolução atração do interesse do setor privado para: Desenvolvimento; Financiamento; Operação; e Manutenção dessa infraestrutura. 5

7 Modalidades Concessões comuns Projetos auto-sustentáveis Lei 8.987/95 e Lei 9.074/95 PPPs Projetos parcialmente sustentáveis Contrapresção Integral / Parcial Lei /04 Apenas contraprestação Lei /12 - Permissão de aporte Patrocinada x Administrativa Obras públicas Lei das licitações (Lei 8.666/93) 6

8 Rodovia, Pontes, Túneis Ferrovia Energia elétrica Distribuição de gás Água e saneamento Telecomunicações Portos, Aeroportos Hospitais, Prisões, Estádios de futebol 7

9 Características O contrato estabelece: preço inicial, mecanismos de ajuste de preços e de resolução de conflitos, níveis de desempenho. Concedente: entidade/órgão público ou entidade privada para a qual foi delegado o serviço. O concessionário é responsável por: Prestar os serviços em nome do concedente; Parte da gestão da infraestrutura e dos serviços relacionados; Não atua como mero agente, em nome do concedente; e Entregar a infraestrutura (condições especificadas) ao final do contrato, por pequeno ou nenhum valor adicional. A infraestrutura base para a prestação dos serviços: É preexistente ou deve ser construída. 8

10 Características Serviços incluem: Construir a infraestrutura usada para prestar os serviços públicos; Melhorar a infraestrutura (aumento da capacidade); e Operar e manter a infraestrutura. O contrato de concessão não representa um direito de uso sobre a infraestrutura, como no caso de arrendamento, já que o poder concedente mantém o controle sobre ela. O concessionário tem sim um direito que é representado pelo acesso à infraestrutura para prover o serviço público em nome do poder concedente, nos termos do contrato. 9

11 Escopo O CONCEDENTE controla ou regula quais serviços o OPERADOR deve prestar com a infraestrutura, para quem deve prestá-los e por qual preço? N S O CONCEDENTE controla, por meio da titularidade, direito beneficiário ou de outro modo, qualquer participação residual significativa na infraestrutura ao final do contrato de serviço? Ou a infraestrutura é utilizada no contrato durante toda a sua vida útil? N FORA DO ESCOPO DA IPSAS 32 S A infraestrutura é construída ou adquirida pelo OPERADOR de um terceiro para o objetivo do contrato de prestação de serviço? N O CONCEDENTE da acesso ao OPERADOR à infraestrutura já existente para o objetivo do contrato de prestação de serviço? N S S DENTRO DO ESCOPO DA INTERPRETAÇÃO O operador não reconhece a infraestrutura como ativo imobilizado ou como um ativo arrendado. 10

12 Infraestrutura CONCESSIONÁRIA PODER CONCEDENTE Ativo Intangível Direito de cobrar pelo serviço público Obrigação por Concessão OU Ativo Financeiro Direito de receber um valor determinável de caixa do poder concedente OU Passivo Financeiro 11

13 Exemplo 1 Obrigação por concessão Contrato de concessão de um novo aeroporto: Construção: 1 ano valor justo R$ 300; Operação: 2 anos receita anual de taxa de embarque R$ 200 / ano; Infraestrutura: 10 anos de vida útil; e Devolução: sem indenização. 12

14 PODER CONCEDENTE CONCESSIONÁRIA ANO 1 ANO 2 ANO 3

15 Exemplo 2 Passivo financeiro Contrato de concessão de um novo presídio: Construção: 1 ano valor justo R$ 300; Operação: 1 ano concedente para R$ 400 ao final da operação; Infraestrutura: 10 anos de vida útil; e Devolução: sem indenização. 14

16 PODER CONCEDENTE CONCESSIONÁRIA ANO 1 ANO 2 ANO 2a

17 Exemplo 3 Bifurcado Contrato de concessão de uma nova estrada é assinada: Construção: 1 ano valor justo R$ 200; Operação: 1 ano receita annual de pedágio R$ 250; Infraestrutura: 5 anos de vida útil; e Devolução: indenização de 50% do custo da construção. 16

18 PODER CONCEDENTE CONCESSIONÁRIA ANO 1 ANO 2 ANO 2a

Troféu Transparência Comunicação Visual

Troféu Transparência Comunicação Visual Troféu Transparência 2015 Comunicação Visual Sobre a ANEFAC Entidade sem fins lucrativos fundada há quase 50 anos Cerca de 1600 associados Executivos de finanças, administração e contabilidade Missão Promover

Leia mais

ARTESP - Especialista em Regulação de Transporte Ciências Contábeis FCC Prova tipo 001. Prof. Dr. Giovanni Pacelli

ARTESP - Especialista em Regulação de Transporte Ciências Contábeis FCC Prova tipo 001. Prof. Dr. Giovanni Pacelli ARTESP - Especialista em Regulação de Transporte Ciências Contábeis FCC Prova tipo 001 Prof. Dr. Giovanni Pacelli Agradecimentos aos alunos: Andressa Giglioli, Lin Chan, Regiane Aparecida pelo envio da

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP) Carlos Alexandre Nascimento Coordenador Geral MBA PPP e Concessões

INTRODUÇÃO ÀS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP) Carlos Alexandre Nascimento Coordenador Geral MBA PPP e Concessões INTRODUÇÃO ÀS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP) Carlos Alexandre Nascimento Coordenador Geral MBA PPP e Concessões Contato Carlos Alexandre Nascimento Diretor de Programas LSE Enterprise London School of

Leia mais

Por que o Brasil tem dificuldades em atrair investimentos para concessões, privatizações e PPPs?

Por que o Brasil tem dificuldades em atrair investimentos para concessões, privatizações e PPPs? Por que o Brasil tem dificuldades em atrair investimentos para concessões, privatizações e PPPs? Bruno Werneck Março, 2017 Princípio do Equilíbrio Econômico-Financeiro Proteção da proporção entre encargos

Leia mais

FINANCIAMENTO A INFRAESTRUTURA ADAILTON FERREIRA TRINDADE SUPERINTENDENTE NACIONAL PARA SANEAMENTO E INFRAESTRUTURA

FINANCIAMENTO A INFRAESTRUTURA ADAILTON FERREIRA TRINDADE SUPERINTENDENTE NACIONAL PARA SANEAMENTO E INFRAESTRUTURA FINANCIAMENTO A INFRAESTRUTURA ADAILTON FERREIRA TRINDADE SUPERINTENDENTE NACIONAL PARA SANEAMENTO E INFRAESTRUTURA Atuação da CAIXA 2 Áreas de Atuação Carteira Ativa por Macrosegmento Saneamento e Infraestrutura

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 01. Contratos de Concessão

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 01. Contratos de Concessão COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 01 Contratos de Concessão Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRIC 12 Índice Item REFERÊNCIAS HISTÓRICO 1 3 ALCANCE 4 9

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MODELO CONCESSIONÁRIO E SUAS DIFERENÇAS EM RELAÇÃO AOS CONTRATOS ORDINÁRIOS DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

INTRODUÇÃO AO MODELO CONCESSIONÁRIO E SUAS DIFERENÇAS EM RELAÇÃO AOS CONTRATOS ORDINÁRIOS DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA INTRODUÇÃO AO MODELO CONCESSIONÁRIO E SUAS DIFERENÇAS EM RELAÇÃO AOS CONTRATOS ORDINÁRIOS DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA AUTOSSUSTENTABILIDADE FINANCEIRA AUTONOMIA DE GESTÃO FOCO EM OBRIGAÇÕES DE RESULTADO

Leia mais

SEMINÁRIO AMBIENTE DE NEGÓCIOS:

SEMINÁRIO AMBIENTE DE NEGÓCIOS: SEMINÁRIO AMBIENTE DE NEGÓCIOS: SEGURANÇA JURÍDICA, TRANSPARÊNCIA E SIMPLICIDADE Sérgio Guerra Mudanças institucionais nas contratações públicas 23 de setembro de 2016 REGIMES DE CONTRATAÇÕES 1993 Licitações

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 01 (R1) Contratos de Concessão

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 01 (R1) Contratos de Concessão COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 01 (R1) Contratos de Concessão Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRIC 12 (BV2011 BB)* Índice REFERÊNCIAS Item HISTÓRICO

Leia mais

COMPLEXO HOSPITALAR IMASF MODELAGEM 1

COMPLEXO HOSPITALAR IMASF MODELAGEM 1 COMPLEXO HOSPITALAR IMASF MODELAGEM 1 Legislação Aplicável Esta Audiência Pública está sendo realizada nos termos do ART. 39 da Lei 8.666/1993. Lei nº 11.079, de 30 de Dezembro de 2004 Lei de Parcerias

Leia mais

Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo Gerência de Parcerias Público-Privadas Secretaria de Estado de Desenvolvimento.

Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo Gerência de Parcerias Público-Privadas Secretaria de Estado de Desenvolvimento. Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo Gerência de Parcerias Público-Privadas 2015 Secretaria de Estado de Desenvolvimento. SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO Programa Estadual

Leia mais

Saneamento e Infraestrutura

Saneamento e Infraestrutura Saneamento e Infraestrutura Desempenho 2014 Contratação SUSAN Desempenho 2014 Desembolso SUSAN Perspectivas 2015 Linhas de Financiamento: SANEAMENTO PARA TODOS Tipos de Financiamento Financiamento Corporativo

Leia mais

SISTEMAS DE PAGAMENTOS e INDICADORES DE QUALIDADE DE SERVIÇOS em CONCESSÕES e PPPs

SISTEMAS DE PAGAMENTOS e INDICADORES DE QUALIDADE DE SERVIÇOS em CONCESSÕES e PPPs SISTEMAS DE PAGAMENTOS e INDICADORES DE QUALIDADE DE SERVIÇOS em CONCESSÕES e PPPs CONCESSÕES PPPs LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Lei n 8.987/1995 Lei n 11.079/2004 e Lei nº 12.766/2012 Objetivos: atrair investimentos

Leia mais

PPPs PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS. DARCI FERNANDES PIMENTEL Advogada, Especialista em Direito Público

PPPs PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS. DARCI FERNANDES PIMENTEL Advogada, Especialista em Direito Público PPPs PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS DARCI FERNANDES PIMENTEL Advogada, Especialista em Direito Público 1 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, DIRETA E INDIRETA: CONCESSÕES E PERMISSÕES 1.1 FUNDAMENTO CONSTITUCIONAL:

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 01 (R1) Contratos de Concessão

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 01 (R1) Contratos de Concessão COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 01 (R1) Contratos de Concessão Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRIC 12 (BV2011 BB)* Índice Item REFERÊNCIAS HISTÓRICO

Leia mais

Infraestrutura e Fundos de Pensão Igino Mattos

Infraestrutura e Fundos de Pensão Igino Mattos Infraestrutura e Fundos de Pensão Igino Mattos PPI Governo Federal O que é PPI? O Programa de Parcerias de Investimentos ( PPI ) foi o 2º ato do Governo Temer em Maio de 2016, buscando coordenar os esforços

Leia mais

Programa Paulista de Concessões. Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP

Programa Paulista de Concessões. Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP Programa Paulista de Concessões Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP Foz do Iguaçu, 13 de Maio de 2016 Sobre a ARTESP Criada pela Lei Complementar nº 914,

Leia mais

Um novo modelo de negócios

Um novo modelo de negócios Congresso Nacional de Adm Hospitalar 23/06/2006 Alternativas para Viabilização do Sistema de Saúde Sinergia Público Privado Parcerias - Público-Privadas PPP Um novo modelo de negócios A necessidade de

Leia mais

Possibilidades de PPP em Saneamento

Possibilidades de PPP em Saneamento Seminário Internacional MRE BID BNDES Parceria Público-Privada Privada na Prestação de Serviços de Infra-estrutura Possibilidades de PPP em Saneamento ROGÉRIO DE PAULA TAVARES Diretor de Saneamento e Infra-estrutura

Leia mais

UNIÃO DE ESFORÇOS PARA UNIVERSALIZAR OS SERVIÇOS. Yves Besse maio 2010

UNIÃO DE ESFORÇOS PARA UNIVERSALIZAR OS SERVIÇOS. Yves Besse maio 2010 UNIÃO DE ESFORÇOS PARA UNIVERSALIZAR OS SERVIÇOS VISÃO DO SETOR PRIVADO Yves Besse maio 2010 ABCON Fundação 1996 ABCON e 2001 SINTERCON Objetivo Promover a participação das empresas privadas no setor de

Leia mais

Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção

Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção Como Superar o Desafio do Financiamento dos Projetos de Infraestrutura? Thomaz Assumpção A Urban Systems é uma empresa de Inteligência de Mercado e Soluções há 17 anos no mercado. Realizou mais de 700

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS P P P. Parcerias Público-Privadas Governo do Estado do Rio de Janeiro

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS P P P. Parcerias Público-Privadas Governo do Estado do Rio de Janeiro SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS P P P Parcerias Público-Privadas Governo do Estado do Rio de Janeiro MODALIDADE DE PPP s Característica Contratos de Concessão Lei

Leia mais

Os impactos da convergência contábil (IFRS) no setor elétrico. Leonardo George de Magalhães Superintendente de Controladoria

Os impactos da convergência contábil (IFRS) no setor elétrico. Leonardo George de Magalhães Superintendente de Controladoria Os impactos da convergência contábil (IFRS) no setor elétrico Leonardo George de Magalhães Superintendente de Controladoria Convergência brasileira para o IFRS uma tsunami Até 2006 O IFRS era utilizado

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE DISCIPLINAS DA SÉRIE ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.2 Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA II DIREITO TRIBUTARIO LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA ORÇAMENTO PUBLICO TEORIA

Leia mais

Soluções e Parcerias para o Desenvolvimento dos Municípios. Helio Luiz Duranti Diretor Regional de Negócios

Soluções e Parcerias para o Desenvolvimento dos Municípios. Helio Luiz Duranti Diretor Regional de Negócios Soluções e Parcerias para o Desenvolvimento dos Municípios Helio Luiz Duranti Diretor Regional de Negócios Missão da CAIXA Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável do País, como

Leia mais

Direito. Administrativo. Serviços públicos

Direito. Administrativo. Serviços públicos Direito Administrativo Serviços públicos Serviços Públicos - Constituição Federal Art. 175. Incumbe ao Poder Público, na forma da lei, diretamente ou sob regime de concessão ou permissão, sempre através

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A remuneração nas concessões comuns (lei 8.987/95), patrocinadas e administrativas (lei 11.079/04) André Luís Tisi Ribeiro * 1. Introdução Através do presente artigo busca-se expor

Leia mais

Troféu Transparência Comunicação Visual

Troféu Transparência Comunicação Visual Troféu Transparência 2015 Comunicação Visual Sobre a ANEFAC Entidade sem fins lucrativos fundada há quase 50 anos Cerca de 1600 associados Executivos de finanças, administração e contabilidade Missão Promover

Leia mais

Parcerias Público-Privadas no Setor de Habitação

Parcerias Público-Privadas no Setor de Habitação 14h00 às 15h30-Caso 3 Parcerias Público-Privadas no Setor de Habitação Jardins Mangueiral (DF) Novembro de 2014 1. Oportunidades e Desafios das PPP Habitacionais PPP Habitacionais Oportunidades Parceiro

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 Contabilidade Pública Capítulo 2 Receita Pública... 41

Sumário. Capítulo 1 Contabilidade Pública Capítulo 2 Receita Pública... 41 Sumário Capítulo 1 Contabilidade Pública... 1 1.1. Introdução...1 1.2. Conceito...2 1.3. Princípios de Contabilidade x Estrutura Conceitual...3 1.4. Natureza do Registro dos Atos e Fatos na Contabilidade

Leia mais

Concessão administrativa para ampliação, manutenção e operação do sistema de esgotamento sanitário do município da Serra

Concessão administrativa para ampliação, manutenção e operação do sistema de esgotamento sanitário do município da Serra Sumário Executivo Concessão administrativa para ampliação, manutenção e operação do sistema de esgotamento sanitário do município da Serra Em 10/10/13 a CESAN realizou o leilão na Bovespa através da Concorrência

Leia mais

ENCONTRO COM O METRÔ. Obras em andamento, Concessões e PPP. Paulo Menezes Figueiredo Diretor Presidente do Metrô São Paulo 26/07/2016

ENCONTRO COM O METRÔ. Obras em andamento, Concessões e PPP. Paulo Menezes Figueiredo Diretor Presidente do Metrô São Paulo 26/07/2016 ENCONTRO COM O METRÔ Obras em andamento, Concessões e PPP Paulo Menezes Figueiredo Diretor Presidente do Metrô São Paulo 26/07/2016 Antecedentes do Serviço Metroferroviário na RMSP Anterior à Constituição

Leia mais

Papel técnico das agências reguladoras. Ademir Castorino

Papel técnico das agências reguladoras. Ademir Castorino Papel técnico das agências reguladoras Ademir Castorino Objetivo Demonstrar o papel técnico das agências reguladoras na definição dos parâmetros de avaliação técnica dos projetos no âmbito das concessões

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. Interpretações e Orientações Técnicas Contábeis 2011

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. Interpretações e Orientações Técnicas Contábeis 2011 COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS Interpretações e Orientações Técnicas Contábeis 2011 Conselho Federal de Contabilidade, CFC. Brasília, DF - 2012 Pronunciamentos Coordenadorias do CPC De 7 de maio de

Leia mais

Saneamento Básico. Parcerias Público-Privadas. Uma solução inteligente para a região metropolitana do Estado do Rio de Janeiro

Saneamento Básico. Parcerias Público-Privadas. Uma solução inteligente para a região metropolitana do Estado do Rio de Janeiro Saneamento Básico Parcerias Público-Privadas Uma solução inteligente para a região metropolitana do Estado do Rio de Janeiro Sumário As PPPs na lei Federal nº 11.079/04 Estrutura econômico-jurídica dos

Leia mais

ASPECTOS CONSTITUCIONAIS POLÊMICOS DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS.

ASPECTOS CONSTITUCIONAIS POLÊMICOS DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS. ASPECTOS CONSTITUCIONAIS POLÊMICOS DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS. III Fórum Brasileiro de Direito Público da Economia Rio de Janeiro 11 de novembro de 2005 GUSTAVO BINENBOJM Prof. Dr. Direito Administrativo

Leia mais

Concessão de Serviço Público e Parceria Público-Privada

Concessão de Serviço Público e Parceria Público-Privada Concessão de Serviço Público e Parceria Público-Privada Câmara de Transporte e Logística FIESC Florianópolis/SC 26 de julho de 2012 Histórico O Reino Unido foi o pioneiro na institucionalização financeira,

Leia mais

PALESTRA ANEFAC - IBRACON. Tema: Medida Provisória 627/13 - PIS/COFINS

PALESTRA ANEFAC - IBRACON. Tema: Medida Provisória 627/13 - PIS/COFINS PALESTRA ANEFAC - IBRACON Tema: Medida Provisória 627/13 - PIS/COFINS Até 1998 PIS e COFINS incidiam sobre o faturamento à 2,65%; Era cumulativo; Poucas exceções; Legislação relativamente simples; Ônus

Leia mais

Impactos Contábeis do IFRS 3, 9, 15 e 16

Impactos Contábeis do IFRS 3, 9, 15 e 16 Impactos Contábeis do IFRS 3, 9, 15 e 16 40 pontos PEPC CFC Datas: 28 e 29 de novembro de 2017 13 e 14 de dezembro de 2017 Local: Av. Prudente de Morais, 444 - Cidade Jardim - Belo Horizonte-MG Programa

Leia mais

Contabilidade Orçamentária e Patrimonial

Contabilidade Orçamentária e Patrimonial Contabilidade Orçamentária e Patrimonial EVOLUÇÃO LEGAL 4320/64 LRF NBCT S ENFOQUES DA CONTABILIDADE EFEITOS NO PATRIMÔNIO IMPACTO NO FLUXO DE CAIXA RECEITAS E DESPESAS (BASE MODIFICADA) Contabilidade

Leia mais

Parcerias de Desenvolvimento Produtivo - PDP Parcerias Público-Privadas - PPP

Parcerias de Desenvolvimento Produtivo - PDP Parcerias Público-Privadas - PPP Parcerias de Desenvolvimento Produtivo - PDP Parcerias Público-Privadas - PPP Parcerias de Desenvolvimento Produtivo Conceitos 2 O que é uma Parceria de Desenvolvimento Produtivo (PDP)? Parcerias para

Leia mais

Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo Secretário José Eduardo de Azevedo Secretaria de Estado de Desenvolvimento.

Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo Secretário José Eduardo de Azevedo Secretaria de Estado de Desenvolvimento. Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo Secretário José Eduardo de Azevedo 2015 Secretaria de Estado de Desenvolvimento. PROGRAMA ESTADUAL DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS Fórum Concessões

Leia mais

Atuação do BDMG na estruturação e financiamento de PPPs para resíduos sólidos e tratamento de água

Atuação do BDMG na estruturação e financiamento de PPPs para resíduos sólidos e tratamento de água Atuação do BDMG na estruturação e financiamento de PPPs para resíduos sólidos e tratamento de água Seminário e oficina Técnica ABDE-BID: O Papel das Instituições Financeiras de Desenvolvimento no Financiamento

Leia mais

IFRS 15 Receitas de Contratos com Clientes. Agenda. Sumário do projeto no IASB e FASB. Sumário da Norma. Novo modelo de reconhecimento de receitas

IFRS 15 Receitas de Contratos com Clientes. Agenda. Sumário do projeto no IASB e FASB. Sumário da Norma. Novo modelo de reconhecimento de receitas Agenda Sumário do projeto no IASB e FASB Sumário da Norma Novo modelo de reconhecimento de receitas Alguns impactos esperados por indústria 1. Sumário do Projeto no IASB e FASB Emissão do primeiro Discussion

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA CUSTEIO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA - COSIP E RESOLUÇÃO DA ANEEL 414/2010: ENTRE O DIREITO TRIBUTÁRIO E O FINANCEIRO

CONTRIBUIÇÃO PARA CUSTEIO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA - COSIP E RESOLUÇÃO DA ANEEL 414/2010: ENTRE O DIREITO TRIBUTÁRIO E O FINANCEIRO CONTRIBUIÇÃO PARA CUSTEIO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA - COSIP E RESOLUÇÃO DA ANEEL 414/2010: ENTRE O DIREITO TRIBUTÁRIO E O FINANCEIRO Hendrick Pinheiro Raquel Lamboglia Guimarães Advogados em Manesco, Ramires,

Leia mais

Noções de Direito Aula assistida? Questões Feitas? Revisão

Noções de Direito Aula assistida? Questões Feitas? Revisão Noções de Direito Aula assistida? Questões Feitas? Revisão 1. Direito Constitucional 1.1. A Constituição Federal de 1988 1.1.1. Dos Princípios Fundamentais 1.1.2. Dos Direitos e Garantias Fundamentais

Leia mais

Aspectos Legais das Concessões/PPPs Reconstrução da Confiança

Aspectos Legais das Concessões/PPPs Reconstrução da Confiança Aspectos Legais das Concessões/PPPs Reconstrução da Confiança Massami Uyeda Junior Jun./2017 1. A volta aos anos 90 uma breve história da evolução das concessões 2. A necessária estabilidade regulatória:

Leia mais

Ministério do Trabalho FGTS. Secretaria-Executiva do Conselho Curador do FGTS

Ministério do Trabalho FGTS. Secretaria-Executiva do Conselho Curador do FGTS FGTS Secretaria-Executiva do Conselho Curador do FGTS Histórico 1943 - CLT - Garantia de estabilidade de emprego após 10 anos na mesma empresa. - Pesquisa do em 1966: apenas 15% dos trabalhadores celetistas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: PRINCÍPIOS E ORGANIZAÇÃO GERAL, SERVIÇO PÚBLICO E AGENTES PÚBLICOS. PROFª ME. ÉRICA RIOS

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: PRINCÍPIOS E ORGANIZAÇÃO GERAL, SERVIÇO PÚBLICO E AGENTES PÚBLICOS. PROFª ME. ÉRICA RIOS ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: PRINCÍPIOS E ORGANIZAÇÃO GERAL, SERVIÇO PÚBLICO E AGENTES PÚBLICOS. PROFª ME. ÉRICA RIOS ERICA.CARVALHO@UCSAL.BR REGIME JURÍDICO DA ADM. PÚB. INDIRETA Possui autonomia em relação

Leia mais

LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995

LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995 LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995 Dispõe sobre o Regime de Concessão e Permissão da Prestação de Serviços Públicos previsto no art. 175 da Constituição Federal, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

IFRS 11 Joint Arrangements

IFRS 11 Joint Arrangements FEA / USP Departamento de Contabilidade e Atuária EAC-518 Tópicos de Contabilidade Internacional IFRS 11 Joint Arrangements Prof. Fernando Dal-Ri Murcia Qual Norma devo Aplicar? Controle Controle Conjunto

Leia mais

ANUT REUNIÃO PLENÁRIA DE 01 DE JULHO DE 2015 PROGRAMA DE INVESTIMENTOS EM LOGÍSTICA FASE 2

ANUT REUNIÃO PLENÁRIA DE 01 DE JULHO DE 2015 PROGRAMA DE INVESTIMENTOS EM LOGÍSTICA FASE 2 ANUT REUNIÃO PLENÁRIA DE 01 DE JULHO DE 2015 PROGRAMA DE INVESTIMENTOS EM LOGÍSTICA FASE 2 PRESSUPOSTOS DO PROGRAMA Aumentar a competitividade da economia; Escoar com eficiência a produção agrícola crescente

Leia mais

PLANO DE SANEAMENTO E ESTRATÉGIA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO. Companhia Riograndense de Saneamento - Corsan. Junho/2017

PLANO DE SANEAMENTO E ESTRATÉGIA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO. Companhia Riograndense de Saneamento - Corsan. Junho/2017 PLANO DE SANEAMENTO E ESTRATÉGIA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO Companhia Riograndense de Saneamento - Corsan Junho/2017 PLANSAB Metas de universalização: Água : 100% em 2023 Esgoto: 92% em 2033 Perdas: 31% em

Leia mais

6 O Projeto da MG-050

6 O Projeto da MG-050 61 6 O Projeto da MG-050 Em 2006, foi lançado o edital do Projeto PPP da MG-050 com o objetivo de recuperação, ampliação e manutenção da Rodovia MG-050. O projeto engloba ainda trechos da BR-265 (entre

Leia mais

Contas a Receber Vinculadas à Concessão

Contas a Receber Vinculadas à Concessão Políticas contábeis críticas adotadas pelo emissor, explorando, em especial, estimativas contábeis feitas pela administração sobre questões incertas e relevantes para a descrição da situação financeira

Leia mais

Fórum modelos de negócios para eficiência energética em iluminação pública. Riscos e mecanismos de mitigação

Fórum modelos de negócios para eficiência energética em iluminação pública. Riscos e mecanismos de mitigação JCMiguez Fórum modelos de negócios para eficiência energética em iluminação pública Riscos e mecanismos de mitigação Junho de 2016 0 Agenda PPP como solução para projetos de IP Riscos e Mecanismos de mitigação

Leia mais

Infraestrutura. Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados.

Infraestrutura. Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados. Infraestrutura Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados. Nossos serviços Eleito o melhor escritório da América Latina pelo Chambers & Partners Awards 2015

Leia mais

Investimento pela lógica do cidadão Percepções sobre o crescimento da economia, a importância das obras de infraestrutura e o processo de concessão

Investimento pela lógica do cidadão Percepções sobre o crescimento da economia, a importância das obras de infraestrutura e o processo de concessão Investimento pela lógica do cidadão Percepções sobre o crescimento da economia, a importância das obras de infraestrutura e o processo de concessão Novembro / 2016 METODOLOGIA Metodologia: Pesquisa Quantitativa

Leia mais

Estudo do setor de transporte aéreo do Brasil

Estudo do setor de transporte aéreo do Brasil Estudo do setor de transporte aéreo do Brasil Modelo de subvenção Análise Jurídica Rio de Janeiro, 25 de janeiro de 2010 Este documento é parte integrante do CD anexo ao Estudo do Setor de Transporte Aéreo

Leia mais

Gas Brasiliano Distribuidora S.A.

Gas Brasiliano Distribuidora S.A. Balanço patrimonial em 31 de março (não auditado) Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 78.050 132.536 Fornecedores 23.096 19.064 Contas

Leia mais

O QUE SÃO PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP)?

O QUE SÃO PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP)? O QUE SÃO PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP)? Marcos Mendes 1 (09/04/2012) A literatura internacional define uma PPP como sendo um contrato de longo prazo entre um governo (federal, estadual ou municipal)

Leia mais

Estratégias de Implantação de PPPs. Guilherme Afif Domingos Vice-Governador

Estratégias de Implantação de PPPs. Guilherme Afif Domingos Vice-Governador Estratégias de Implantação de PPPs Guilherme Afif Domingos Vice-Governador Oportunidades globais Brasil: Uma parada obrigatória 2 O Brasil definitivamente entrou no grupo dos paises mais importantes do

Leia mais

ESDE - Empresa Santos Dumont de Energia S/A

ESDE - Empresa Santos Dumont de Energia S/A BALANÇO PATRIMONIAL REGULATÓRIO 31 de dezembro de 2013 e 2012 Nota 2013 2012 Ativo Circulante Caixa e equivalentes de caixa 11.209 11.696 Títulos e valores mobiliários 1.215 - Contas a receber ativo financeiro

Leia mais

Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL

Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL Nome: Denise Maria Lara de Souza Seabra Formação: Enga. Civil e Sanitarista Instituição: Caixa Econômica Federal Agenda Contextualização

Leia mais

Troféu Transparência Reunião Técnica Programa de Regularização Tributária

Troféu Transparência Reunião Técnica Programa de Regularização Tributária Troféu Transparência 2015 Reunião Técnica Programa de Regularização Tributária Comunicação Março 2017 Visual Sobre a ANEFAC Entidade com quase 50 anos de história integrando executivos Rede com mais 1600

Leia mais

PLANO NACIONAL DE BANDA LARGA (PNBL)

PLANO NACIONAL DE BANDA LARGA (PNBL) Diretoria Comercial PLANO NACIONAL DE BANDA LARGA (PNBL) O Programa Nacional de Banda Larga Brasil Conectado foi criado pelo Governo Federal para ampliar o acesso à internet em banda larga no país. I -

Leia mais

Infraestrutura e competitividade da economia

Infraestrutura e competitividade da economia São Paulo, 6 de Maio de 2013. 8º Encontro de Logistica e Infraestrutura Infraestrutura e competitividade da economia Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Programa de Estudos Pós-graduados em Economia Política

Leia mais

Operação Urbana Porto Maravilha

Operação Urbana Porto Maravilha Operação Urbana Porto Maravilha Formatação Jurídica Formatação Jurídica - Estatuto das Cidades: Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001 Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece

Leia mais

SBC Valorização de Resíduos S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e de 2013

SBC Valorização de Resíduos S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e de 2013 SBC Valorização de Resíduos S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 Notas explicativas às demonstrações financeiras (Valores expressos em milhares de Reais) 1 Contexto operacional A SBC Valorização de Resíduos

Leia mais

Concessão e PPP Fundamentos e oportunidades. Aldo Mattos Júlio Roppa Carlos Braga Daniel Szyfman

Concessão e PPP Fundamentos e oportunidades. Aldo Mattos Júlio Roppa Carlos Braga Daniel Szyfman Concessão e PPP Fundamentos e oportunidades Aldo Mattos Júlio Roppa Carlos Braga Daniel Szyfman AEERJ, 27 de julho de 2016 Fonte: Radar PPP Mercado de PPPs no Brasil Principais Conceitos Contratações de

Leia mais

Abertura dos Cursos para CLDF: finanças pública, contador e administrador. Prof. Dr. Giovanni Pacelli

Abertura dos Cursos para CLDF: finanças pública, contador e administrador. Prof. Dr. Giovanni Pacelli Abertura dos Cursos para CLDF: finanças pública, contador e administrador Prof. Dr. Giovanni Pacelli Doutor (2016) e Mestre em Contabilidade - 2011 (UnB). Especialista em Operações Militares - 2008 (ESAO).

Leia mais

Lucro Fiscal x Lucro Societário

Lucro Fiscal x Lucro Societário Lei n o 12. 973/14 Lucro Fiscal x Lucro Societário Alterações Práticas na Atividade Comercial Prof. Eric Aversari Martins Um Breve Histórico 11.638/07 Harmonização das Normas Contábeis 11.941/09 Instituição

Leia mais

Troféu Transparência Comunicação Visual

Troféu Transparência Comunicação Visual Troféu Transparência 2015 Comunicação Visual Sobre a ANEFAC Entidade sem fins lucrativos fundada há quase 50 anos Cerca de 1600 associados Executivos de finanças, administração e contabilidade Missão Promover

Leia mais

CONTRATOS DE CONCESSÃO ICPC 01, ICPC 17 E OCPC 05

CONTRATOS DE CONCESSÃO ICPC 01, ICPC 17 E OCPC 05 CONTRATOS DE CONCESSÃO ICPC 01, ICPC 17 E OCPC 05 INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 01 C O N T R AT O S D E C O N C E S S Ã O : E V I D E N C I A Ç Ã O HISTÓRICO Historicamente a infraestrutura de serviços públicos

Leia mais

STC Sistema de Transmissão Catarinense S.A. BALANÇOS PATRIMONIAIS REGULATÓRIOS 31 de dezembro de 2011 e 2010 (Valores expressos em milhares de reais)

STC Sistema de Transmissão Catarinense S.A. BALANÇOS PATRIMONIAIS REGULATÓRIOS 31 de dezembro de 2011 e 2010 (Valores expressos em milhares de reais) STC Sistema de Transmissão Catarinense S.A BALANÇOS PATRIMONIAIS REGULATÓRIOS 31 de dezembro de 2011 e 2010 (Valores expressos em milhares de reais) 7 STC Sistema de Transmissão Catarinense S.A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Gas Brasiliano Distribuidora S.A.

Gas Brasiliano Distribuidora S.A. Balanço patrimonial em 31 de março (não auditado) Ativo 2017 2016 Passivo e patrimônio líquido 2017 2016 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 50.383 78.050 Fornecedores 22.725 23.096 Contas

Leia mais

VARIAÇÕES PATRIMÔNIO LÍQUIDO

VARIAÇÕES PATRIMÔNIO LÍQUIDO FEA / USP Departamento de Contabilidade e Atuária EAC-106 Contabilidade Introdutória VARIAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Prof. Fernando Dal-Ri Murcia 1 Variações no Patrimônio Líquido Receita: É a entrada

Leia mais

Programa estadual Parcerias Público Privadas

Programa estadual Parcerias Público Privadas Programa estadual Parcerias Público Privadas Marco Regulatório LEI No 11.079, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2004. Institui normas gerais para licitação e contratação de parceria público privada no âmbito da administração

Leia mais

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S.A. Demonstrações Financeiras Regulatórias em 31 de Dezembro de 2012 e 2011

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S.A. Demonstrações Financeiras Regulatórias em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S.A. Demonstrações Financeiras Regulatórias em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA VALE PARANAPANEMA S.A. DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

414 ECTE - Empresa Catarinense de Transmissão de Energia S.A

414 ECTE - Empresa Catarinense de Transmissão de Energia S.A 414 ECTE - Empresa Catarinense de Transmissão de Energia S.A Balanços patrimoniais regulatórios 31 de dezembro de 2012 e 2011 (Valores expressos em milhares de reais) Nota 31/12/12 31/12/11 Ativo Circulante

Leia mais

Investimentos em Parcerias Público-Privadas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Investimentos em Parcerias Público-Privadas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

PANORAMA ATUAL DO PROGRAMA DE PARCERIAS DE INVESTIMENTOS. Marco Aurélio de Barcelos Silva São Paulo, 22 de março de 2017

PANORAMA ATUAL DO PROGRAMA DE PARCERIAS DE INVESTIMENTOS. Marco Aurélio de Barcelos Silva São Paulo, 22 de março de 2017 PANORAMA ATUAL DO PROGRAMA DE PARCERIAS DE INVESTIMENTOS Marco Aurélio de Barcelos Silva São Paulo, 22 de março de 2017 O QUE É O PROGRAMA PPI O Programa de Parcerias de Investimentos foi criado em Maio

Leia mais

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A.

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Demonstrações contábeis regulatórias em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Demonstrações contábeis regulatórias em 31

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CEARÁ

CAPACITAÇÃO EM CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CEARÁ Pacote I Área Nº Disciplinas Horas / Aula 03 Procedimentos Contábeis Orçamentários I PCO I Procedimentos Contábeis Orçamentários II PCO II 05 Procedimentos Contábeis Patrimoniais I PCP I Fundamentos 06

Leia mais

1. ANÁLISE DE DESEMPENHO OPERACIONAL DA AUTOBAN. Janeiro a Março/2013

1. ANÁLISE DE DESEMPENHO OPERACIONAL DA AUTOBAN. Janeiro a Março/2013 1. ANÁLISE DE DESEMPENHO OPERACIONAL DA AUTOBAN Janeiro a Março/2013 As informações financeiras e operacionais abaixo são apresentadas de acordo com a Legislação Societária e as comparações são referentes

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Antônio Carlos Palácios Vice Presidente Técnico CRCRS O tema no contexto da CONVERGÊNCIA das Normas Contábeis A CRONOLOGIA DA CONVERGÊNCIA

Leia mais

Sumário. Manual_Completo_Contab_Pub_00.indd 23 21/08/ :54:07

Sumário. Manual_Completo_Contab_Pub_00.indd 23 21/08/ :54:07 Sumário Capítulo 1 Contabilidade Pública... 1 1.1. Introdução...1 1.2. Conceito...2 1.3. Princípios de Contabilidade...3 1.4. Natureza do Registro dos Atos e Fatos na Contabilidade Pública...7 1.5. Objetivo...9

Leia mais

VISÕES DE FUTURO mobilidade urbana na Região Metropolitana do Rio de Janeiro

VISÕES DE FUTURO mobilidade urbana na Região Metropolitana do Rio de Janeiro 13/05/2015 VISÕES DE FUTURO mobilidade urbana na Região Metropolitana do Rio de Janeiro Divisão de Competitividade Industrial e Investimentos Gerência de Competitividade Industrial e Investimentos Diretoria

Leia mais

Responsabilidade Social e Ambiental - Política Global do Grupo Santander -

Responsabilidade Social e Ambiental - Política Global do Grupo Santander - Responsabilidade Social e Ambiental - Política Global do Grupo Santander - I.- Introdução O Grupo Santander, através do seu Plano de Responsabilidade Social Corporativa, assumiu, de forma voluntária, uma

Leia mais

GARANTIAS EM PPP. Arena Fonte Nova

GARANTIAS EM PPP. Arena Fonte Nova GARANTIAS EM PPP Arena Fonte Nova I - Mecanismo de Pagamento SUMÁRIO Legislação; Fluxo Financeiro da Garantia de Pagamento; Adesões ao Mecanismo de Garantia; Bloco de Contratos; Controle de Pagamentos

Leia mais

VARIAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO

VARIAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO VARIAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (cap 3) Prof. Renê Coppe Pimentel Material e conteúdo padronizados elaborados por professores da FEA/USP Prof. Renê Coppe Pimentel Pg. 1 INTERLIGAÇÃO DE BALANÇOS PATRIMONIAIS

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 ATIVO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades

Leia mais

ARRENDAMENTO MERCANTIL Aspectos Contábeis

ARRENDAMENTO MERCANTIL Aspectos Contábeis ARRENDAMENTO MERCANTIL Aspectos Contábeis Sumário 1. Introdução 2. Conceitos 2.1 - Modalidades de Arrendamento 3. Avaliação Dos Componentes Patrimoniais 3.1 - Arrendamento Mercantil Financeiro Nas Entidades

Leia mais

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto PIS e COFINS Aspectos conceituais Núcleo de Estudos em Controladoria e Contabilidade Tributária Prof. Amaury

Leia mais

Impactos Potenciais da Interpretação IFRIC 12 na Contabilidade das Concessionárias de Serviços Públicos

Impactos Potenciais da Interpretação IFRIC 12 na Contabilidade das Concessionárias de Serviços Públicos Impactos Potenciais da Interpretação IFRIC 12 na Contabilidade das Concessionárias de Serviços Públicos Autoria: Cláudia Ferreira da Cruz, Angelino Fernandes Silva, Adriano Rodrigues RESUMO Esse trabalho

Leia mais

PERSPECTIVAS DOS ESTADOS COM PROGRAMAS DE PPP EMERGENTES

PERSPECTIVAS DOS ESTADOS COM PROGRAMAS DE PPP EMERGENTES PERSPECTIVAS DOS ESTADOS COM PROGRAMAS DE PPP EMERGENTES Cristiano Tatsch Secretário do Planejamento e Desenvolvimento Regional do Rio Grande do Sul Maio/2015 Investimento em infraestrutura no Brasil O

Leia mais

Comunicado ao Mercado Assinatura do Contrato PPP Sistema Metroviário - Salvador e Lauro de Freitas

Comunicado ao Mercado Assinatura do Contrato PPP Sistema Metroviário - Salvador e Lauro de Freitas Comunicado ao Mercado Assinatura do Contrato PPP Sistema Metroviário - Salvador e Lauro de Freitas São Paulo, 15 de outubro de 2013. A CCR S.A. ( CCR / Companhia ) (BM&FBovespa:CCRO3; Bloomberg: CCRO3BZ;

Leia mais

EQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO, REEQUILÍBRIOS INCOMPLETOS E LIMITES DE ALTERAÇÃO DE CONTRATOS DE CONCESSÃO E PPP

EQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO, REEQUILÍBRIOS INCOMPLETOS E LIMITES DE ALTERAÇÃO DE CONTRATOS DE CONCESSÃO E PPP EQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO, REEQUILÍBRIOS INCOMPLETOS E LIMITES DE ALTERAÇÃO DE CONTRATOS DE CONCESSÃO E PPP Mauricio Portugal Ribeiro (os slides sobre limites de alteração contractual são de autoria

Leia mais

CPC 06 Arrendamento Mercantil

CPC 06 Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS - CPC CPC 06 Arrendamento Mercantil O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) no âmbito da Gestão Contábil com o pronunciamento técnico CPC 06, tem por objetivo determinar,

Leia mais