Forros. Classificação e tipos. Segundo a forma de fixação: 12/11/2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Forros. Classificação e tipos. Segundo a forma de fixação: 12/11/2013"

Transcrição

1 Definição Forros Prof. MSc. Eng. Poliana Tatiana da Silva Gratão Engenharia Civil Construção Civil II 8º Período Turma B01 Revestimento da face inferior da laje ou de telhados de modo a constituir a superfície superior de um ambiente fechado Funções Proteção da vedação e da estrutura Auxiliar a vedação a cumprir suas funções Proporcionar o acabamento final ao conjunto vedação Classificação e tipos Segundo a forma de fixação: Aderentes Argamassa Gesso Suspensos ou Fixados por Dispositivos Madeira PVC Placa de Gesso Gesso acartonado Metálico 1

2 Forros Forros aderentes Forros aderentes Revestimento com Gesso Podem ser executados em conjunto com os revestimentos verticais Argamassa Gesso em pasta 2

3 Preparo da argamassa de gesso Certificar-se da conformidade da execução do traço da argamassa de gesso, considerando a proporção de 30 litros de água para cada 40 kg de gesso; Aplicação da argamassa de gesso Aguardar cerca de 15 minutos para que se atinja o ponto ideal de aplicação da argamassa ; Limite de uso: 25 minutos. 17.pdf Revestimento de Forro de Argamassa Forro aderido argamassa 3

4 Itens de verificação Verificar nivelamento dos cantos; Avaliar a planicidade da superfície: Teste da lâmpada: observar sombras, ao se iluminar a superfície de perto. Averiguar a uniformidade e acabamento da superfície, que não deve ter fissuras, marcas de desempenadeira ou riscos de qualquer outra natureza, bem como rebarbas nas requadrações; Terminalidade e limpeza. Forros suspensos ou Fixados por dispositivos Forros Suspensos ou Fixados por Dispositivos Permitem que as instalações sejam embutidas. Forros Suspensos ou Fixados por Dispositivos Executados após finalização dos revestimentos verticais e das instalações a serem embutidas Estrutura suporte embutida Estrutura suporte aparente Metálicos Madeira Unidirecional Bidirecional 4

5 Forros Suspensos Forros Suspensos Classificação Segundo a acessibilidade às instalações Totalmente acessíveis (removíveis) Parcialmente acessíveis Desmontáveis Não desmontáveis (é destruído para se ter acesso) Segundo o material dos componentes (placas) de fechamento Placas de Gesso PVC Metálicos Madeira Critérios de escolha Acessibilidade Estética (formas, cores, aparência, regularidade) Absorção acústica (e isolamento acústico) Proteção contra fogo (e resistência ao fogo) Critérios de escolha Facilidade de manutenção (limpeza, substituição parcial) Rapidez e facilidade de montagem Durabilidade (deterioração, estabilidade dimensional, resistência à ação da água, etc.) 5

6 Interferências de Projeto Unidirecional Estrutura Vedações verticais Sistemas prediais Iluminação Ar Condicionado Combate a Incêndio Hidráulico e Sanitário Unidirecional Bidirecional 6

7 Bidirecional Gesso em Placas Maciças Placas de 0,60 x 0,60 m Sensível à água Elevada resistência ao fogo (protege instalações contra incêndios) Remoção é destrutiva Artesanal e muitos desperdícios Possibilidade de detalhalhamento arquitetônico requintado Juntas de dilatação Forro em placas de gesso 7

8 Forros Suspensos gesso em placas Encaixe Forro em placas de gesso Gesso Acartonado Placas 1,20 x 2,40 a 3,60 m Chapas especiais (verde) para áreas com presença de vapor Boa resistência ao fogo Monolíticos - remoção difícil, normalmente destrutiva, pode ser desmontável modulares - removíveis Montagem menos artesanal que a placa de gesso (estruturação metálica e tirantes especiais) 8

9 Gesso Acartonado Gesso Acartonado Estrutura aparente COM ESTRUTURA APARENTE Gesso Acartonado Estrutura não aparente Gesso Acartonado 9

10 Forro de PVC Forro de PVC Comercializado em réguas (principalmente) e placas Baixa resistência ao fogo Boa resistência à degradação por ação de agentes químicos Baixa absorção acústica Facilidade de limpeza Totalmente resistente à água e à umidade Remoção Réguas - difícil, porém é desmontável Placas - removíveis Forro de PVC Forro de PVC RÉGUAS PLACAS RÉGUAS RÉGUAS 10

11 Forro PVC - Placas Forro PVC - Réguas Forro Metálico Forro Metálico Grande variedade de formas e cores (réguas, bandejas, grelhas e colméias) Total acessibilidade fácil remoção Resistente à umidade Baixo isolamento térmico Resistente ao fogo (mas não protege as instalações em incêndios) Elevado grau de industrialização Boa absorção acústica 11

12 Forro Metálico Forros de madeira - Lambris Baixa absorção acústica Baixa resistência ao fogo Baixa resistência à água Remoção difícil não acessível, porém pode ser desmontado Como padrão estético é o mais valorizado em imóveis residenciais Forros de madeira - Lambris Encaixe Em réguas (lambril) de madeira maciça ou de madeira reconstituída folheada Em réguas aparelhadas ou acabadas (envernizadas) Diversidade de aparência tipo da madeira, do tratamento superficial e da disposição de juntas 12

13 Forros de madeira Recebimento Conferir metragem, cor Conferir se há empenamentos ou rachaduras Verificar se o tamanho das réguas condiz com o padrão de colocação (projeto) Estocagem Proteger das intempéries Estocagem: aclimatização Acondicionar com pelo menos um dia de antecedência, para aclimatação Acondicionar com pelo menos um dia de antecedência, no local em que será aplicado 13

14 Execução Execução - Entarugamento Forro ou Lambril são réguas de madeira maciça pregadas nos caibros do telhado ou tetos. Espaçamento entre sarrafos de 0,50 / 0,60m Espessura de 1 cm, possuem encaixe macho e fêmea. Sarrafos de 5 a 7 cm Execução Execução - Entarugamento Colocar sarrafo em nível, com prego de aço ou parafuso e bucha CUIDADO com nível do revestimento da parede e altura de ralos Colocar sarrafos transversais (estroncas) Esticar linha para nivelamento 14

15 Execução - Entarugamento Execução - Colocação dos Lambris Pregos 15 x 15 sem cabeça (pode-se usar pistola de ar comprimido) Serra meia esquadria Colocação de moldura Execução - Colocação dos Lambris Execução - Colocação dos Lambris 15

16 Acabamento Final Tipos de Juntas Problemas mais comuns Espaçamento do entarugamento inadequado (empenamento) Umidade acidental (falha de impermeabilização), empenamento e degradação Baixa estabilidade dimensional empenamentos (proteção inadequada) Arremates e acabamentos mal executados (prejuízo na qualidade estética) Fiação do ponto de luz (esquecimento) Exercício laboratório (12/11/2013) Assistam aos vídeos e façam um resumo, apontando os diferenciais e os cuidados referentes a instalação de cada tipo de forro: Entregar dia 03/12/2013; Esse trabalho irá compor a nota de laboratório da N2; 16

17 AED 1. Elevadores (Projeto, interferências, condições de inicio e montagem) 2. Manual de manutenção do edifício (Manual do Proprietário) 3. Bancadas, Louças e Metais Sanitários (Armazenamento, proteção, instalação e itens de verificação) Entregar dia 03/12/13 Cada AED vale 2 presenças 17

CONSTRUÇÃO CIVIL II ENG 2333 (2016/1)

CONSTRUÇÃO CIVIL II ENG 2333 (2016/1) ENG 2333 (2016/1) Aula 12 Forros FORROS Definição: Revestimento da face inferior da laje ou de telhados de modo a constituir a superfície superior de um ambiente fechado FORROS FORROS Critérios de escolha:

Leia mais

Forros. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II

Forros. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II Forros Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II Definição Revestimento da face inferior da laje ou de telhados de modo a constituir

Leia mais

O que são os revestimentos verticais??? REVESTIMENTO: Cartão de visitas da empresa!!! que cobre uma superfície

O que são os revestimentos verticais??? REVESTIMENTO: Cartão de visitas da empresa!!! que cobre uma superfície Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Construção Civil PCC-2436 Tecnologia da Construção de Edifícios II Aula 05: Revestimentos Verticais Conceituação e Classificação

Leia mais

FORROS E LUMINÁRIAS. Forros e luminárias

FORROS E LUMINÁRIAS. Forros e luminárias 1 Attuale Eficácia 100% ecológica Produzido totalmente em PVC, o forro modular removível Attuale é durável e contém materiais auto-extinguíveis em sua composição. Um dos forros mais versáteis do mercado,

Leia mais

PESQUISA DE MATERIAIS DE ACABAMENTO FORROS E TETOS. Aquiles Fernandes Pinho

PESQUISA DE MATERIAIS DE ACABAMENTO FORROS E TETOS. Aquiles Fernandes Pinho PESQUISA DE MATERIAIS DE ACABAMENTO FORROS E TETOS Aquiles Fernandes Pinho 1 TETOS: FABRICANTE: PRODUTO: TIPO DE USO: Knauf D112 Unidirecional Revestimento do Forro DESCRIÇÃO: Utiliza uma estrutura metálica

Leia mais

Técnicas de construção. Vedações Verticais. Profa. Keila Bento

Técnicas de construção. Vedações Verticais. Profa. Keila Bento Técnicas de construção Vedações Verticais Profa. Keila Bento Vedações verticais Definição UM SUBSISTEMA DOS EDIFÍCIOS CONSTITUÍDO PELOS ELEMENTOS QUE: DEFINEM E LIMITAM VERTICALMENTE O EDIFÍCIO E SEUS

Leia mais

Paredes Knauf. Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto

Paredes Knauf. Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto Knauf Folheto Técnico 08 / 2016 Paredes Knauf Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto Estabilidade, resistência a impactos, proteção termoacústica e outras características inovadoras que não

Leia mais

Parafuso autoperfurante TA 3,5x25mm. Massa para tratamento de juntas com fita de papel microperfurado. Fita de isolamento Montante

Parafuso autoperfurante TA 3,5x25mm. Massa para tratamento de juntas com fita de papel microperfurado. Fita de isolamento Montante Parede Knauf W111 - Detalhes Técnicos Corte Vertical Detalhe - Junta de chapas estrutura simples TA 3,5x25mm TA 3,5x25mm com fita de com fita de Detalhe - Encontro com parede TA 3,5x25mm Parafuso com bucha

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Miguel das Missões Construção de Lavanderia na UBS/Bairro Alegria PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

Prefeitura Municipal de São Miguel das Missões Construção de Lavanderia na UBS/Bairro Alegria PLANILHA ORÇAMENTÁRIA 3.3 73942/002 Prefeitura Municipal de São Miguel das Missões 1. SERVIÇOS PRELIMINARES R$ 355,38 1.1 73801/001 DEMOLICAO DE PISO DE ALTA RESISTENCIA M² 8,25 R$ 17,84 R$ 22,30 R$ 183,98 1.2 LOCACAO CONVENCIONAL

Leia mais

também de acordo com o Sistema Métrico Internacional e conforme exigência da norma ABNT

também de acordo com o Sistema Métrico Internacional e conforme exigência da norma ABNT STEEL FRAME O Steel Frame é uma alternativa já consolidada e amplamente usada há dezenas de anos em países desenvolvidos. Ao contrário das estruturas convencionais de construção, são usados perfis de aço

Leia mais

CARACTERÍSTICAS PROCESSOS DE APLICAÇÃO. o Durabilidade o Beleza o Cuidados especiais na aplicação o Alto peso

CARACTERÍSTICAS PROCESSOS DE APLICAÇÃO. o Durabilidade o Beleza o Cuidados especiais na aplicação o Alto peso REVESTIMENTO VERTICAL DE PEDRA NATURAL Fonte: Revista Téchne no.10 1 o Durabilidade o Beleza o Cuidados especiais na aplicação o Alto peso CARACTERÍSTICAS PROCESSOS DE APLICAÇÃO o Sistema ADERENTE: Assentamento

Leia mais

PROCEDIMENTO DE EXECUÇÃO

PROCEDIMENTO DE EXECUÇÃO Ferramentas utilizadas PROCEDIMENTO DE EXECUÇÃO Furadeira Parafusadeira Serrote Estilete Escada Linha de marcar Nível a laser / mangueira de nível Trena metálica Lápis de carpinteiro Martelo Tesoura para

Leia mais

REVESTIMENTOS. Curso Técnico em Edificações Disciplina: Técnicas de Construção Civil 3 Profª Nayra Y. Tsutsumoto

REVESTIMENTOS. Curso Técnico em Edificações Disciplina: Técnicas de Construção Civil 3 Profª Nayra Y. Tsutsumoto REVESTIMENTOS Curso Técnico em Edificações Disciplina: Técnicas de Construção Civil 3 Profª Nayra Y. Tsutsumoto REVESTIMENTOS O que é revestimento? Revestimentos mais comuns Argamassas Cerâmicos Pedra

Leia mais

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva

Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Desempenho em serviço Prof. Maristela Gomes da Silva Departamento de Engenharia Civil Bibliografia referência para esta aula ISAIA, G. C. (editor) Materiais de Construção Civil e Princípios de ciência

Leia mais

Guia Prático de Instalação Revestimentos Nexacustic. Revisão: 1

Guia Prático de Instalação Revestimentos Nexacustic. Revisão: 1 Guia Prático de Instalação Revestimentos Nexacustic Revisão: 1 Guia Prático de Instalação Nexacustic Cuidados Iniciais Cuidados iniciais: Os produtos Nexacustic foram desenvolvidos para aplicação em ambientes

Leia mais

sinapi BDI BONIFICAÇÕES E DESPESAS INDIRETAS SINAPI 20,00%

sinapi BDI BONIFICAÇÕES E DESPESAS INDIRETAS SINAPI 20,00% ORÇAMENTO ESTIMATIVO OBRA: PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CANOAS RS LOCALIDADE: Rua Dr. Barcelos nº 1135 - salas nº 201 a 206, - Edifício San Rafael Canoas - RS Data base de preços SINAPI :

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PLANILHA ORÇAMENTÁRIA 1 Preliminares 1.1 Atualização de projetos/as Built (A2) 1,00 vb. 50,00 135,00 50,00 135,00 185,00 TOTAL MATERIAL 50,00 TOTAL MÃO-DE-OBRA 135,00 VALOR TOTAL DO ITEM 185,00 2 Implantação

Leia mais

CNPJ /

CNPJ / 1. REFORMA EM GERAL 1.1 Serviços Preliminares 74209/001 Placa de obra em chapa de aço galvanizado m2 4,50 413,13 101,18 2.314,37 Total do ìtem 2.314,37 1.2 Demolições e Remoções 72142 Retirada de folhas

Leia mais

RECEITA PRÁTICA PARA UMA BOA INSTALAÇÃO

RECEITA PRÁTICA PARA UMA BOA INSTALAÇÃO RECEITA PRÁTICA PARA UMA BOA INSTALAÇÃO Madeiramento: Verifique se os ripões ou sarrafos foram bem fixados e distribuídos sobre os caibros com o espaçamento correto para o assentamento e fixação das telhas

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: IT837 CRÉDITOS: T2-P2 INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO OBJETIVO DA DISCIPLINA: Fornecer ao aluno as informações necessárias sobre a constituição,

Leia mais

FORROS & LUMINÁRIAS. Estúdio de Arquitetura - Sustentabilidade. Ana Carolina Duran e Lorena Campos

FORROS & LUMINÁRIAS. Estúdio de Arquitetura - Sustentabilidade. Ana Carolina Duran e Lorena Campos FORROS & LUMINÁRIAS Estúdio de Arquitetura - Sustentabilidade Ana Carolina Duran e Lorena Campos Forros Os forros suspensos também são chamados de tetos ou tetos rebaixados. Eles são amplamente utilizados

Leia mais

Ministério Público do Estado de Mato Grosso Procuradoria Geral de Justiça Departamento de Aquisições Comissão de Licitação

Ministério Público do Estado de Mato Grosso Procuradoria Geral de Justiça Departamento de Aquisições Comissão de Licitação ANEXO IIIB PLANILHA ORÇAMENTÁRIA OBRA: READEQUAÇÃO E REFORMA DA SEDE DA PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE ITIQUIRA - MT LOCAL: ITIQUIRA /MT DATA: ABRIL/2016 PRAZO TÉCNICO: 150 DIAS B.D.I: 26,22% ITEM ESPECIFICAÇÃO

Leia mais

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS

PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS PATOLOGIA DA CONSTRUÇÃO ESTUDO DE CASOS Vasco Peixoto de Freitas Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-1 www.patorreb.com Estrutura do Site Vasco Peixoto de Freitas FC_FEUP Novembro de 2007-2

Leia mais

Modernidade e inteligência. a serviço da construção. Eterplac Eterplac Wood Eterplac Stone Eterplac Color Painel Wall Pratic Wall

Modernidade e inteligência. a serviço da construção. Eterplac Eterplac Wood Eterplac Stone Eterplac Color Painel Wall Pratic Wall Modernidade e inteligência a serviço da construção Eterplac Eterplac Wood Eterplac Stone Eterplac Color Painel Wall Pratic Wall Com o objetivo de superar expectativas, acompanhar e influenciar a evolução

Leia mais

Manual do Proprietário

Manual do Proprietário Manual do Proprietário INTRODUÇÃO Prezado Cliente, Este Manual do Proprietário foi elaborada com a finalidade de transmitir, no momento da compra de seu imóvel, todas as informações referentes a sua unidade,

Leia mais

CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA PLACAS CIMENTÍCIAS, PAINÉIS E ACESSÓRIOS BRASILIT PARA A EXECUÇÃO DA SUA OBRA

CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA PLACAS CIMENTÍCIAS, PAINÉIS E ACESSÓRIOS BRASILIT PARA A EXECUÇÃO DA SUA OBRA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA PLACAS CIMENTÍCIAS, PAINÉIS E ACESSÓRIOS BRASILIT PARA A EXECUÇÃO DA SUA OBRA Facilite com Brasilit PLACAS E PAINÉIS BRASILIT. A RAPIDEZ E A PRATICIDADE ALIADAS À ELEGÂNCIA E

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montagem Revestimento Knauf W61 Construção As chapas Knauf gesso podem ser fi-xadas diretamente sobre a parede original, como revestimento, com massa para fixação. Os revestimentos Knauf indireto

Leia mais

Guia Prático de Instalação Completo Forros Minerais OWA. Revisão: 2

Guia Prático de Instalação Completo Forros Minerais OWA. Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Completo Forros Minerais OWA Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Forros Minerais OWA Cuidados Iniciais Cuidados iniciais: SEMPRE manter as mãos limpas para manusear os forros

Leia mais

Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto

Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto Paredes Knauf Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto Estabilidade, resistência a impactos, proteção termoacústica e outras características inovadoras que não dividem opiniões Parede Knauf W111

Leia mais

MOSAICOS. Assentamento e Cuidados Especiais.

MOSAICOS. Assentamento e Cuidados Especiais. www.tessela.com.br Materiais Necessários Nível, régua, prumo, trena e esquadro Reconhecimento e adequação da superfície, controle do assentamento. Serra mármores munida de disco de diamante Efetuar recortes

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM STELL FRAME FICHA CATALOGRÁFICA-4 DATA: DEZEMBRO/2010.

SISTEMA CONSTRUTIVO EM STELL FRAME FICHA CATALOGRÁFICA-4 DATA: DEZEMBRO/2010. Tecnologias, sistemas construtivos e tipologias para habitações de interesse social em reassentamentos. SISTEMA CONSTRUTIVO EM STELL FRAME FICHA CATALOGRÁFICA-4 DATA: DEZEMBRO/2010. Tecnologias, sistemas

Leia mais

II Semina rio Nacional de Peri cias de Engenharia PERI CIAS EM FACHADAS CASES. Eng. Clémenceau Chiabi Saliba Jr.

II Semina rio Nacional de Peri cias de Engenharia PERI CIAS EM FACHADAS CASES. Eng. Clémenceau Chiabi Saliba Jr. II Semina rio Nacional de Peri cias de Engenharia PERI CIAS EM FACHADAS CASES Eng. Clémenceau Chiabi Saliba Jr. clemenceau@chiabi.com A causa de aparecimento de uma patologia em fachada, pode ser interpretada

Leia mais

Telefones: (48) / Apoio:

Telefones: (48) / Apoio: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

CARACTERISTICAS TÉCNICAS

CARACTERISTICAS TÉCNICAS SISTEMA SMART light CARACTERISTICAS TÉCNICAS MOBILIDADE E FLEXIBILIDADE A NATUREZA AUTOPORTANTE DESTE PRODUTO, QUER NA VERSÃO PAREDE DIVISÓRIA, QUER NA PAREDE ARMÁRIO, TEM COMO BASE A SUA TOTAL MOBILIDADE,

Leia mais

Patologias das Edificações

Patologias das Edificações Unisalesiano Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Construção Civil II Patologias das Edificações Prof. André L. Gamino Tipos Comuns: Patologias das alvenarias; Patologias

Leia mais

Forros e Revestimentos Acústicos de Madeira

Forros e Revestimentos Acústicos de Madeira Forros e Revestimentos Acústicos de Madeira Acústica e Design Acústica e Design Com foco em acústica a OWA Sonex atua no mercado desde 1988 oferecendo produtos inovadores de alta performance e design diferenciado.

Leia mais

Laboratório de Eficiência Energética em Edificações

Laboratório de Eficiência Energética em Edificações UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-970 Caixa Postal 476 Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

Guia Prático de Instalação Completo Painel Nexacustic. Revisão: 2

Guia Prático de Instalação Completo Painel Nexacustic. Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Completo Painel Nexacustic Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Nexacustic Cuidados Iniciais Cuidados iniciais: Os painéis Nexacustic foram desenvolvidos para aplicação em ambientes

Leia mais

Placa Cimento-Madeira

Placa Cimento-Madeira Placa Cimento-Madeira INFORMAÇÃO GERAL: Painel de superfície lisa ou rugosa para diferentes aplicações. COMPOSIÇÃO: 75% Cimento 25% Madeira APRESENTADA COMO: B1 / A2 Bruto / Lixado Lisa / Bordo Maquinado

Leia mais

E STEEL FRAME. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. jan. 2014

E STEEL FRAME. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. jan. 2014 PRODUTOS DE GESSO SISTEMA DRY WALL E STEEL FRAME jan. 2014 GESSO O gesso é uma substância, normalmente vendida na forma de um pó branco, produzida a partir do mineral gipsita, composto basicamente de sulfato

Leia mais

AULA 6 ARGAMASSA. Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting. 1 o semestre 2015

AULA 6 ARGAMASSA. Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting. 1 o semestre 2015 AULA 6 ARGAMASSA Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil ARGAMASSAS DEFINIÇÃO Materiais

Leia mais

Técnicas das Construções I ESQUADRIAS. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana (14) AULA 10

Técnicas das Construções I ESQUADRIAS. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana (14) AULA 10 200888 Técnicas das Construções I ESQUADRIAS Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 10 1. Conceituação Elemento da Vedação Vertical utilizado no fechamento de

Leia mais

TC-038 Construção Civil III

TC-038 Construção Civil III TC-038 Construção Civil III As primeiras casas em madeira transportadas para o local de montagem que temos notícia surgiram ainda no período colonial, como os casos das casas préfabricadas em 1578 levada

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil AULA 11 CONTRAPISOS O contrapiso é uma camada de argamassa executada sobre uma base, que pode ser a laje de um pavimento ou um lastro de concreto, se for sobre o solo. Sua função é regularizar a superfície

Leia mais

TECNOLOGIA SUSTENTÁVEL DE CONSTRUÇÕES EM CONCRETO E EPS

TECNOLOGIA SUSTENTÁVEL DE CONSTRUÇÕES EM CONCRETO E EPS TECNOLOGIA SUSTENTÁVEL DE CONSTRUÇÕES EM CONCRETO E EPS Somos uma empresa constituída por diferentes profissionais da construção voltados para o emprego do Sistema ICF (INSULATED CONCRETE FORMS) em paredes

Leia mais

RESUMO DOS SERVIÇOS A SEREM EXECUTADOS

RESUMO DOS SERVIÇOS A SEREM EXECUTADOS RESUMO DOS SERVIÇOS A SEREM EXECUTADOS DADOS GERAIS Proprietário: Prefeitura Municipal - Câmara Municipal de Getúlio Vargas-RS Obra: Reforma e Adaptação no Prédio da Câmara Municipal de Vereadores Endereço:

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MÓDULO DE APOIO MA ERG-01 REVOGA: REVOGA DESENHO: DT-492/2 CÓDIGO ERP: ORGÃO DEMANDANTE: DERAT

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MÓDULO DE APOIO MA ERG-01 REVOGA: REVOGA DESENHO: DT-492/2 CÓDIGO ERP: ORGÃO DEMANDANTE: DERAT EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MÓDULO DE APOIO MA ERG-01 NÚMERO: 122003 DESENHO: DT-492/3 EMISSÃO: JAN/2012 VALIDADE: JAN/2017 REVOGA: 082116 REVOGA DESENHO: DT-492/2

Leia mais

Conheça os produtos industrializados existentes no mercado e veja dicas para compra, recebimento e armazenamento

Conheça os produtos industrializados existentes no mercado e veja dicas para compra, recebimento e armazenamento Argamassas de revestimento Conheça os produtos industrializados existentes no mercado e veja dicas para compra, recebimento e armazenamento Reportagem: Gisele C. Cichinelli As argamassas de revestimento

Leia mais

29/04/2014. Professor

29/04/2014. Professor UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Introdução a Engenharia Civil Elementos de Vedações Área de Construção Civil Prof. Dr. André Luís Gamino

Leia mais

Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico

Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico Conforto Ambiental I I Aula 04 Tratamento Acústico Professores: Ana Cristina Hillesheim Karina Colet Marcela Cebalho Michelle de Almeida Costa TRATAMENTO ACÚSTICO Os sons classificam-se, segundo sua origem,

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: INCÊNDIO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. Apresentação... 03 2. Extintores... 04 3. Iluminação de Emergência...

Leia mais

ALVENARIA DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO TREINAMENTO INTERNO

ALVENARIA DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO TREINAMENTO INTERNO ALVENARIA DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO TREINAMENTO INTERNO ALVENARIA DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO VANTAGENS: Redução de formas e armaduras; Eliminação das etapas de moldagem dos pilares e vigas; Montagem

Leia mais

Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA

Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA ASSESSORIA DE OBRAS E MANUTENÇÃO Processo: Sistema de Custo para Obras e Serviços de Engenharia SC- SERVIÇOS COMPLEMENTARES Ano referência:

Leia mais

CRONOGRAMA DE OBRA DIVISÃO DE MÓDULOS DOM MANOEL SERRA LIMA OLÍMPIO DE FREITAS

CRONOGRAMA DE OBRA DIVISÃO DE MÓDULOS DOM MANOEL SERRA LIMA OLÍMPIO DE FREITAS CRONOGRAMA DE OBRA DIVISÃO DE MÓDULOS DOM MANOEL SERRA LIMA OLÍMPIO DE FREITAS DIVISÃO DE MÓDULOS - DOM MANOEL *EXECUTADO DE SETEMBRO À DEZEMBRO / 2014 BLOCO 07 BLOCO 12,13 BLOCO 14,15 BLOCO 14,15 (06,05)

Leia mais

A Haná Garden oferece o que há de melhor em jardim vertical, seja ele preservado, natural ou artificial -, além de soluções para paisagismo e

A Haná Garden oferece o que há de melhor em jardim vertical, seja ele preservado, natural ou artificial -, além de soluções para paisagismo e A Haná Garden oferece o que há de melhor em jardim vertical, seja ele preservado, natural ou artificial -, além de soluções para paisagismo e jardinagem em geral. Somos especialistas em toda a cadeia,

Leia mais

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H PBQP-H INMETRO Programas Setoriais da Qualidade EGT credenciada pelo PBQP-H e acreditada pelo INMETRO Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H Mais de 250 ensaios acreditados pelo INMETRO SINAT

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA E PINTURA EXTERNA DO IMOVEL DO FT DE UMUARAMA TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 9 REGIÃO RESUMO VALOR (R$) ÍTEM DESCRIÇÃO

SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA E PINTURA EXTERNA DO IMOVEL DO FT DE UMUARAMA TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 9 REGIÃO RESUMO VALOR (R$) ÍTEM DESCRIÇÃO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA E PINTURA EXTERNA DO IMOVEL DO FT DE UMUARAMA TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 9 REGIÃO RESUMO OBRA: FÓRUM TRABALHISTA DE UMUARAMA ENDEREÇO: Avenida Rio Branco, 3.700 - Centro Cívico

Leia mais

MANTA ASFÁLTICA VEDACIT ALUMÍNIO

MANTA ASFÁLTICA VEDACIT ALUMÍNIO Produto A MANTA ASFÁLTICA VEDACIT ALUMÍNIO é elaborada à base de asfaltos modificados armados com estruturante de Polietileno de Alta Densidade (PEAD). Possui cobertura superficial em foil de alumínio

Leia mais

PEDREIRO PASSO A PASSO

PEDREIRO PASSO A PASSO PEDREIRO PASSO A PASSO 1. INICIO 2. MASSA PRA TIJOLO 3. MASSA PRA REBOCO 4. EQUIPAMENTOS PRA PEDREIRO 5. LEVANTANDO PAREDE 6. REBOCO INICIO Pedreiro é o profissional que constrói ou reveste muros, paredes,

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVO SÃO JOAQUIM

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVO SÃO JOAQUIM - TIPO 02 - ÁREA = 2,73 m² BDI 19,69% 1,1969 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES. SUB TOTAL 112,67 1.1 74077/001 LOCACAO CONVENCIONAL DE OBRA, ATRAVÉS DE GABARITO DE TABUAS CORRIDAS PONTALETADAS, SEM REAPROVEITAMENTO

Leia mais

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas.

Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar. Boas práticas. Qualidade em Instalações de Aquecimento Solar Boas práticas O sistema de aquecimento solar e seus componentes O que é sistema de aquecimento solar (SAS) A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas)

Leia mais

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR Características Sistema de isolamento térmico pelo exterior é um sistema de isolamento de paredes pelo exterior de edifícios existentes e construção nova, composto

Leia mais

A Planivis incorpora nas suas construções modulares materiais sustentáveis, nomeadamente*:

A Planivis incorpora nas suas construções modulares materiais sustentáveis, nomeadamente*: Princípio construtivo: O conceito de construção modular, assenta na execução de módulos com uma estrutura metálica mista, 100% reciclável, de aço laminado a quente (aço pesado ) e aço leve galvanizado.

Leia mais

Relatório de Vistoria de Patologias Prediais

Relatório de Vistoria de Patologias Prediais Campus Prof. João David Ferreira Lima CEP 88040-900 Trindade Florianópolis Santa Catarina Brasil 55 (048) 3721-5100 Relatório de Vistoria de Patologias Prediais Centro de Comunicação e Expressão - CCE

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS COBERTURAS Imitação Telha (1/2/4 águas) -Aço galvanizado na qualidade S250GD+Z, segundo EN 10346:2009 + EN 10169, revestida com poliéster regular modificado, e tolerâncias de espessura

Leia mais

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -XOKR

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -XOKR 81,9(56,'$'()('(5$/'2&($5È '(3$57$0(172'((1*(1+$5,$(6758785$/( &216758d 2&,9,/ 127$6'($8/$6 &216758d 2'((',)Ë&,26, 5(9(67,0(1726'(7(726 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -XOKR &RQVWUXomRGH(GLItFLRV, 5HYHVWLPHQWRVGH7HWRV

Leia mais

Manual Técnico de Instalação e Montagem, de Réguas e Placas em. Couro Natural Reciclado aplicados como revestimentos.

Manual Técnico de Instalação e Montagem, de Réguas e Placas em. Couro Natural Reciclado aplicados como revestimentos. Manual Técnico de Instalação e Montagem, de Réguas e Placas em Couro Natural Reciclado aplicados como revestimentos. Prezado Cliente, Você acaba de adquirir um produto de alta qualidade para revestimento,

Leia mais

METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS

METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS METAIS Podem ser moldados; São dúcteis (deformam antes de romper); Bons condutores de energia elétrica e calor. OBTENÇÃO DOS METAIS OBTENÇÃO DOS METAIS OBTENÇÃO DOS

Leia mais

ARGAMASSAS E CONCRETOS AGLOMERANTES

ARGAMASSAS E CONCRETOS AGLOMERANTES ARGAMASSAS E CONCRETOS AGLOMERANTES DEFINIÇÃO São materiais ligantes, em geral pulverulentos, que promovem a união entre os grãos de agregados. Estes materiais sofrem transformações químicas, por isso

Leia mais

Flexwall. Manual de especificação e instalação

Flexwall. Manual de especificação e instalação Flexwall Índice 1. Flexwall...3 Vantagens...3 Utilizações...3 Padrões de acabamento...3 Componentes...3 Placas... 4 Elementos estruturais... 4 Acessórios... 4 Elementos de fixação...5 Ferramentas...5 2.

Leia mais

Posição solar Posição solar Posição solar DESCRIÇÃO AMBIENTE ESPECIFICAÇÃO Alvenaria Geral Alvenarias com dimensões conforme projeto Cobertura Lajes de forro Laje impermeabilizada ou telhado

Leia mais

ACESSIBILIDADE NOS PRODUTOS

ACESSIBILIDADE NOS PRODUTOS ACESSIBILIDADE NOS PRODUTOS Conceito do DESENHO UNIVERSAL Pensar em quem vai utilizar o espaço, e como. Deficientes físicos; Deficientes mentais; Cegos; Surdos; Pessoas com nanismo; Idosos; Gestantes;

Leia mais

Normas ABNT em Consulta Pública, Publicadas, Confirmadas ou Canceladas 18 de Outubro à 04 de Novembro de2016

Normas ABNT em Consulta Pública, Publicadas, Confirmadas ou Canceladas 18 de Outubro à 04 de Novembro de2016 em, Publicadas, Confirmadas ou Canceladas ABNT/CEE-185 ABNT NBR 16569 _ Parede e laje de concreto celular estrutural moldada no local para a construção de edificações Projeto, execução e controle Requisitos

Leia mais

PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE DOS COMPONENTES PARA SISTEMAS CONSTRUTIVOS EM CHAPAS DE GESSO PARA DRYWALL

PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE DOS COMPONENTES PARA SISTEMAS CONSTRUTIVOS EM CHAPAS DE GESSO PARA DRYWALL PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE DOS COMPONENTES PARA SISTEMAS ALGE Metalúrgica Ltda. SP: 08.445.558/0001-92 ALGE ANANDA Metais Ltda. SP: 4.215.721/0001-70 ANANDA ASFOR Comercial Ltda. EPP SP: 01.321.046/0001-75

Leia mais

Painéis de garrafas PET e argamassa armada FICHA CATALOGRÁFICA NOVEMBRO/2014

Painéis de garrafas PET e argamassa armada FICHA CATALOGRÁFICA NOVEMBRO/2014 Tecnologias, Sistemas Construtivos e Tipologias para Habitações de Interesse Social Painéis de garrafas PET e argamassa armada FICHA CATALOGRÁFICA NOVEMBRO/2014 Tecnologias, Sistemas Construtivos e Tipologias

Leia mais

Ecoplac Cimentícia. Base Coat. Passo a Passo. Tratamento de Juntas com Base Coat

Ecoplac Cimentícia. Base Coat. Passo a Passo. Tratamento de Juntas com Base Coat Passo a Passo Após a fixação das Placas Cimentícias deixando 3mm a 5mm de dilatação entre elas, limpar a superfície a ser aplicada, retirando qualquer elemento que prejudique sua aderência (poeira, óleo,

Leia mais

TUTORIAL MINHA CASA MINHA VIDA. Fone: FEVEREIRO

TUTORIAL MINHA CASA MINHA VIDA. Fone: FEVEREIRO TUTORIAL MINHA CASA MINHA VIDA O Template MCMV O Template MCMV Minha Casa Minha Vida tem como objetivo fornecer um arquivo BIM (Building Information Modeling) com Famílias e Famílias de Sistemas adaptados

Leia mais

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário:

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário: (11) Número de Publicação: PT 10657 (51) Classificação Internacional: E04B 2/00 (2006) (12) FASCÍCULO DE MODELO DE UTILIDADE (22) Data de pedido: 2011.01.27 (30) Prioridade(s): (43) Data de publicação

Leia mais

Soluções para Alvenaria. Informe Técnico

Soluções para Alvenaria. Informe Técnico Soluções para Alvenaria Informe Técnico Qualidade que faz a diferença em Alvenaria. Para o mercado de Alvenaria, escolher a qualidade Belgo Bekaert Arames significa estar pronto para difíceis demandas,

Leia mais

Quando Devo Usar Sanca ou Forro de Gesso?

Quando Devo Usar Sanca ou Forro de Gesso? Quando Devo Usar Sanca ou Forro de Gesso? (Índice de Páginas: Sancas pág de 1-7; Forro de Gesso pág 8; Dicas Quentes pág 9-10) As sancas são ótimas para quem não pode ou não quer rebaixar o teto, mas quer

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 10 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa 6. Procedimento de Execução Elaboração Estruturas de Concreto e Revestimentos de Argamassa 92 Instruções para a contratação de mão-de-obra

Leia mais

CATÁLOGO DE PEÇAS COMPLE MENTARES

CATÁLOGO DE PEÇAS COMPLE MENTARES CATÁLOGO DE PEÇAS COMPLE MENTARES TELHA UNIVERSAL (4mm)...5 11.1 Superior / Inferior...5 2TELHA ONDULADA (5, 6 e 8mm)...6 2.1 Cumeeira Normal...6 2.2 Cumeeira Universal...7 2.3 Cumeeira Shed...8 2.4 Cumeeira

Leia mais

CUMEEIRA TELHA CERAMICA EMBOCADA ARGAMASSA 1:2:8 (CIMENTO, CAL E AREIA) 63,00 m 25, ,34

CUMEEIRA TELHA CERAMICA EMBOCADA ARGAMASSA 1:2:8 (CIMENTO, CAL E AREIA) 63,00 m 25, ,34 UL URUAÇU - ORÇAMENTO PARA REFORMA DA INSTALAÇÕES DA UNIDADE LOCAL DE URUAÇU MÊS REFERÊNCIA SETEMBRO 2015 ITEM ITEM SINAPI DESCRIÇÃO QUANT. UNID. SERVIÇO UNIT. TOTAL 01. SERVIÇOS PRELIMINARES 1.575,00

Leia mais

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 1ª MEDIÇÃO

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 1ª MEDIÇÃO RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 1ª MEDIÇÃO OBRA: EXECUÇÃO DE REFORMA NO FÓRUM TRABALHISTA DE CORNÉLIO PROCÓPIO - IMÓVEL LOCADO. CONTRATADA: NS ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA - EPP. Considerando a instituição da Comissão

Leia mais

Soluções para Alvenaria. Informe Técnico

Soluções para Alvenaria. Informe Técnico Soluções para Alvenaria Informe Técnico Qualidade que faz a diferença em Alvenaria. Para o mercado de Alvenaria, escolher a qualidade Belgo Bekaert Arames significa estar pronto para difíceis demandas,

Leia mais

LUIZA. Execução do Revestimento de Fachada de Argamassa. Santos / SP. Universidade Santa Cecília Santos / SP. Universidade Santa Cecília Santos / SP

LUIZA. Execução do Revestimento de Fachada de Argamassa. Santos / SP. Universidade Santa Cecília Santos / SP. Universidade Santa Cecília Santos / SP Execução do Revestimento de Fachada de Argamassa Aluno(s): Lucio Vinicius Andrade Carlini Luiza Pautz Aguiar Professor : Damin Santos / SP LUIZA 1 Revestimento Função Proteger os elementos da vedação e

Leia mais

pro-t Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características

pro-t Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características Ficha técnica pro-t Perfil de transição entre pavimentos. Lâmina de metal em forma de T que se insere na junta de separação de dois pavimentos diferentes, permitindo cobrir ligeiras diferenças de altura.

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL II ENG 2333 (2016/1)

CONSTRUÇÃO CIVIL II ENG 2333 (2016/1) ENG 2333 (2016/1) Aula 08 Contrapiso CONTRAPISO Funções: Regularizar a superfície do piso ou da laje; Embutir instalações que passem pelo piso; Permitir o correto caimento do piso nas áreas molhadas; Fornecer

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 12 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO IPT INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO

Leia mais

O que é o ICF? Vantagens

O que é o ICF? Vantagens O que é o ICF? É um sistema de construção constituído por blocos isolantes em EPS, poliestireno expandido (conhecido em Portugal como esferovite), que após montagem, são preenchidos com betão armado, formando

Leia mais

ANEXO V DESCRIÇÃO DO PADRÃO DAS EDIFICAÇÕES Padrão Baixo

ANEXO V DESCRIÇÃO DO PADRÃO DAS EDIFICAÇÕES Padrão Baixo ANEXO V DESCRIÇÃO DO PADRÃO DAS EDIFICAÇÕES Padrão Baixo Edificações térreas ou assobradadas, podendo ser geminadas, inclusive em ambos os lados, satisfazendo a projeto arquitetônico simples, geralmente

Leia mais

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação

Isolamento Sustentável. Soluções Ideais para Reabilitação Isolamento Sustentável A Gyptec Ibérica de capital nacional e inserida no Grupo Preceram, dedica-se à produção de placas de gesso laminado, através de métodos não poluentes e ambientalmente sustentáveis

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO TOMADA DE PREÇO Nº 2/2016

EDITAL DE LICITAÇÃO TOMADA DE PREÇO Nº 2/2016 Page 1 of 10 Sub. Qtde. Unid. Descrição Marca/Modelo Valor Valor Total 1 1,00 UN INSTALAÇÃO DA OBRA Valor de Referência: 612,55000 1 2,50 M2 PLACA DE OBRA 2,00 m x 1,25 m Valor de Referência: 245,02000

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

ESCADAS DESMONTÁVEIS

ESCADAS DESMONTÁVEIS ESCADAS DESMONTÁVEIS ESCADAS DESMONTÁVEIS anos de GARANTIA nas escadas Fakro dispőe de uma ampla gama de escadas fabricadas em diferentes materiais. As escadas de madeira estăo disponíveis em dois, três

Leia mais

Técnicas de Construção Civil 3 Revestimento Interno e Externo

Técnicas de Construção Civil 3 Revestimento Interno e Externo Curso Técnico em Edificações Disciplina Técnicas de Construção Civil 3 Revestimento Interno e Externo Docente: Profa. Priscila B. Alves TCCC3 O que é? Pra que serve? Quais os tipos? Introdução Nada mais

Leia mais

SISTEMAS FACHADAS VENTILADAS

SISTEMAS FACHADAS VENTILADAS SISTEMAS FACHADAS VENTILADAS Fachadas Ventiladas Os 5 principais benefícios para as obras: Inovação e eficiência. Sistema construtivo que cria uma segunda pele para a edificação, protegendo dos fenômenos

Leia mais

Características a observar pelas pré-lajes para a sua colocação em obra.

Características a observar pelas pré-lajes para a sua colocação em obra. 1.1. OBJECTO Características a observar pelas pré-lajes para a sua colocação em obra. 1.2. ESPECIFICAÇÕES GERAIS As pré-lajes visam constituir pavimentos em lajes maciças, a partir da justaposição de vários

Leia mais