PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Secretaria da Saúde

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Secretaria da Saúde"

Transcrição

1

2 PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Secretaria da Saúde

3 PAPEL DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE NO PROGRAMA BOLSA FAMILIA A Secretaria Municipal de Saúde deverá conforme Art. 14 do Decreto n.º 5.209, de 17 de setembro de 2004, indicar um representante para participar da coordenação municipal intersetorial do Programa Bolsa Família. É importante destacar que, conforme os documentos legais que regulamentam o Programa Bolsa Família, o papel da Secretaria Municipal de Saúde é: (Art. 2.o da Portaria Interministerial n.o de 18 de novembro de 2004) I - indicar um responsável técnico - profissional de saúde - para coordenar o acompanhamento das famílias do Programa Bolsa Família, no âmbito da saúde,sendo recomendado, preferencialmente, um nutricionista; II - participar da coordenação intersetorial do Programa Bolsa Família prevista no art. 14 do Decreto nº 5.209, de 2004, no âmbito municipal III - implantar a Vigilância Alimentar e Nutricional, que proverá as informações sobre o acompanhamento das famílias do Programa Bolsa Família;

4 PAPEL DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE NO PROGRAMA BOLSA FAMILIA IV - coordenar o processo de inserção e atualização das informações de acompanhamento das famílias do Programa Bolsa Família nos aplicativos da Vigilância Alimentar e Nutricional; V - prover as ações básicas de saúde que são mencionadas nos artigos 1º e 6º desta Portaria; VI - estimular e mobilizar as famílias para o cumprimento das ações mencionadas no artigo 6º desta Portaria; VII - promover as atividades educativas sobre aleitamento materno e alimentação saudável; VIII - capacitar as equipes de saúde para o acompanhamento de gestantes, nutrizes e crianças das famílias do Programa Bolsa Família, conforme o manual operacional a ser divulgado pelo Ministério da Saúde; IX - prover, semestralmente, o acompanhamento das famílias atendidas pelo Programa X - Informar ao órgão municipal responsável pelo Cadastramento Único qualquer alteração identificada sobre os dados cadastrais das famílias beneficiadas pelo Programa Bolsa Família. Parágrafo único. Além das atribuições descritas anteriormente, as secretarias municipais de saúde poderão estabelecer parcerias com órgãos e instituições municipais, estaduais e federais, governamentais e nãogovernamentais para o fomento de atividades complementares às famílias atendidas pelo Programa Bolsa Família.

5 Compromissos dos beneficiários com o Programa Bolsa Família O SUS é responsável pelo acompanhamento da saúde famílias beneficiárias. As famílias pobres e extremamente pobres podem ter maior dificuldade de acesso e de freqüência aos serviços de Saúde. Por este motivo, o objetivo das condicionalidades do Programa é garantir a oferta das ações básicas (saúde, educação e assistência social), potencializando a melhoria da qualidade de vida das famílias e contribuindo para a sua inclusão social. Essas condicionalidades são os compromissos que as famílias assumem quando fazem parte do Programa. No que se refere as condicionalidades deve-se ofertar a todas as gestantes e crianças menores de 7 anos de idade contempladas com o benefício do Programa as seguintes ações: Gestante Fazer a inscrição do pré-natal e comparecer às consultas, de acordo com o preconizado pelo Ministério da Saúde; Participar de atividades educativas sobre aleitamento materno, orientação para uma alimentação saudável da gestante e preparo para o parto.

6 Compromissos dos beneficiários com o Programa Bolsa Família MÃE OU RESPONSAVEL POR CRIANÇAS MENOR DE 7 ANOS Levar a criança à unidade de saúde para a realização do acompanhamento do crescimento e desenvolvimento, de acordo com o preconizado pelo Ministério da Saúde; Participar de atividades educativas sobre aleitamento materno e cuidados gerais com a alimentação e saúde da criança; Cumprir o calendário de vacinação da criança, de acordo com o preconizado pelo Ministério da Saúde; As ações de Saúde que fazem parte das condicionalidades do Programa Bolsa Família, descritas acima, são universais, ou seja, devem ser ofertadas a todas as pessoas que procuram o SUS. É importante ressaltar que todas as crianças menores de sete anos de idade e gestantes (entre 14 e 44 anos) pertencentes a essas famílias devem ser acompanhadas, independente do valor repassado às mesmas. As ações de Saúde que fazem parte das condicionalidades do Programa Bolsa Família, descritas acima, são universais, ou seja, devem ser ofertadas a todas as pessoas que procuram o SUS. É importante ressaltar que todas as crianças menores de sete anos de idade e gestantes (entre 14 e 44 anos) pertencentes a essas famílias devem ser acompanhadas, independente do valor repassado às mesmas

7 OFERTA DAS AÇÕES DE SAÚDE ÀS FAMÍLIAS BENEFICIÁRIAS Cabe à Secretaria Municipal de Saúde ofertar as ações de pré-natal, vacinação, acompanhamento do estado nutricional da criança, além das atividades educativas em saúde, alimentação e nutrição. Estas ações fazem parte da Atenção Básica a Saúde e já devem ser rotineiramente ofertadas pelo município a toda a população coberta pelo SUS. As atividades educativas são de extrema importância, podendo-se abordar vários assuntos sobre saúde e nutrição como orientar as famílias para adquirirem alimentos mais saudáveis.

8

9 REGISTRO DOS DADOS NO MAPA DE ACOMPANHAMENTO DO BOLSA FAMÍLIA Mapa de Acompanhamento do Bolsa Família é o formulário proposto pelo Ministério da Saúde para o registro do acompanhamento dos beneficiários do Programa Bolsa Família, para posterior inclusão de dados no Sistema Informatizado do Programa na saúde. Para que este processo aconteça recomenda-se as seguintes etapas: Capacitar a equipe de saúde quanto ao preenchimento do formulário; Garantir a distribuição do Mapa já preenchido, com a relação dos beneficiários para cada unidade de saúde e/ou equipe da Saúde da Família para o acompanhamento; Orientar a equipe de saúde para que anote, no Mapa de Acompanhamento, os dados de todas as crianças menores de sete anos e de todas as mulheres entre 14 e 44 anos informando se estas estão gestantes ou não; Solicitar que, ao final do dia ou do mês ou no prazo estipulado como rotina, as equipes de saúde encaminhem os dados para a Coordenação Municipal no Programa na Saúde providenciar a inserção das informações no sistema Informatizado do programa na saúde. Orienta-se que não haja o acúmulo de informações para a data final do período. Observe os principais passos para acessar a relação das famílias beneficiárias do PBF a serem acompanhadas pelo setor saúde e registrar as informações coletadas no módulo de Gestão do Programa Bolsa Família:

10

11

12 Relação de beneficiários para acompanhamento na saúde Programas Bolsa Família Relação das famílias a serem acompanhadas

13 AÇÕES DA SAUDE 2ª VIGENCIA Identificar os beneficiários no Hygia, com mensagem, na de ficha de atendimento pessoal. - Colocar no site da saúde a relação completa dos beneficiários. - Relação de beneficiários por INEP - Trocar senha para cada unidade. - Relação de beneficiários mortos Sicaef. - Lista para assistência social com intercorrências. - Reunião para entrega da caderneta do Bolsa Família.

14 AÇÕES DA SAUDE 2ª VIGENCIA - Datas: /09/10- fim da avaliação da 1ª fase e envio para secretaria 04/ a 15/10 digitação da 1ª fase. 15/10/10- entrega da lista modificada para 2ª fase 30/11/10- fim da segunda fase, e envio para secretaria. 01 a 31/12-digitação final

15

16

17

18

19

20

21 RESULTADOS CRIANÇA MENOR DE 5 ANOS Fase do Ciclo de Vida: Criança (de 0 a Abrangência: Por Municipío - SP - RIBEIRÃO PRETO Região de Cobertura Todas Período: 2009 Raça/cor: Todas Sexo: Todos 5 anos) Origem do Registro(Sistema): Todos Relatório gerado em 18/04/2010 às 19:07:29 Peso X Idade UF Município IBGE Peso Muito Baixo para a Idade Peso Baixo para a Idade Peso Adequado ou Eutrófico Peso Elevado para a Idade Total Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % SP RIBEIRÃO PRETO 28 0,8 69 2, , , Total geral 28 0,8 69 2, , , Nota: * A avaliação nutricional entre menores de 5 anos é realizada com base nos parâmetros da OMS ** A avaliação nutricional de crianças de 5 a 10 anos é realizada com base nos parâmetros da OMS 2007.

22 Estado Nutricional de Criança menor de 5 anos ,8 2 8,5 peso muito baixo para idade peso baixo para idade peso elevado peso muito baixo para idade peso baixo para idade peso elevado

23 Estado Nutricional Gestante baixo peso adequado sobrepeso obesidade

24 RESULTADO ADULTO Relatório gerado em 18/04/2010 às 19:25:06 Fase do Abrangência: Por Municipío - SP - RIBEIRÃO PRETO Ciclo Região de Cobertura Todas de Período: 2009 Vida: Adulto Raça/cor: Todas (De Sexo: Todos 20 a 60) Programa: Todos IMC Adequado ou Baixo peso Sobrepeso Obesidade UF Município IBGE Eutrófico Total Quantidade % Quantidade % Quantidade % Quantidade % SP RIBEIRÃO PRETO 325 4, , , , Total geral 325 4, , , ,

25 RESULTADO IDOSO Fase do Ciclo de Vida: Idoso Abrangência: Por Municipío - SP - RIBEIRÃO PRETO Região de Cobertura Todas Período: 2009 Raça/cor: Todas Sexo: Todos Todos (Acima de 60) Programa: UF Município IBGE Relatório gerado em 18/04/2010 às 19:33:37 IMC Baixo peso Adequado ou Eutrófico Sobrepeso Quantidade % Quantidade % Quantidade % SP RIBEIRÃO PRETO , , ,0 70 Total geral 8 11, , ,0 70 Total

26 RESULTADO ADOLESCENTE Relatório gerado em 18/04/2010 às 19:29:38 Fase do Abrangência: Por Municipío - SP - RIBEIRÃO PRETO Ciclo de Região de Cobertura Todas Vida: Adolescente Período: 2009 (De 10 a Raça/cor: Todas 19) Sexo: Todos Programa: Todos IMC X Idade Magreza Obesidade Magreza Eutrofia Sobrepeso Obesidade UF Município IBGE acentuada Grave Total Quant. % Quant. % Quant. % Quant. % Quant. % Quant. % SP RIBEIRÃO PRETO 19 0,8 56 2, , , ,5 45 1, Total geral 19 0,8 56 2, , , ,5 45 1,

27 Agosto de 2006: Lançamento Projeto Passaporte para Saúde (integração das Secretarias de Esportes, Educação, Saúde e Infra-estrutura)

28 PROGRAMA MUNICIPAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

29 IMC por Idade MENINAS Do nascimento aos 5 anos (percentis) p97 p85 IMC (Kg\m²) p50 p15 p3 Meses Nascimento 1 ano 2 anos 3 anos 4 anos 5 anos Idade (meses completos e anos) Fonte: WHO Child Growth Standards, 2006(

30 Semana Mundial da Alimentação 2009

31 Ação Passaporte da Saúde CEMEI João Gilberto Sampaio (UNAERP)

32 Semana Mundial da Alimentação2010 Outdoor 2 DIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO 2010 Como é sua alimentação hoje? Pense, sua saúde dependerá dela! Procure a Unidade de Saúde mais próxima da sua casa. Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto Secretaria da Saúde Plano Municipal de Alimentação e Nutrição.

33 Muito Obrigada!

34

NOTA TÉCNICA Nº 2/2016-CVN/GVE/SUVISA. Em 23 de agosto de 2016

NOTA TÉCNICA Nº 2/2016-CVN/GVE/SUVISA. Em 23 de agosto de 2016 SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA NUTRICIONAL NOTA TÉCNICA Nº 2/2016-CVN/GVE/SUVISA Em 23 de agosto de 2016 ASSUNTO: Operacionalização

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Nota Técnica elaborada em 28.08.07 pela CGPAN/DAB/SAS. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Acompanhamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO SEPN 511- Bloco C Edifício Bittar IV 4º andar - Brasília/DF CEP:775.543

Leia mais

Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN WEB Vilma Ramos de Cerqueira Gestão em Sistemas de Saúde

Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN WEB Vilma Ramos de Cerqueira Gestão em Sistemas de Saúde Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN WEB Vilma Ramos de Cerqueira Gestão em Sistemas de Saúde OBJETIVOS DO SISVAN I -Fornecer informação contínua e atualizada sobre a situação alimentar

Leia mais

Gestão Compartilhada. do Programa Bolsa. Família

Gestão Compartilhada. do Programa Bolsa. Família Gestão Compartilhada do Programa Bolsa Família Olinda Abriga uma população de 397.268 habitantes (IBGE/2009), 3ª maior cidade de Pernambuco. Extensão territorial de 43,55 km², das quais 9,73 km² fazem

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA ORIENTAÇÕES PARA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DE FAMÍLIAS INDÍGENAS

Leia mais

Avanços do Programa bolsa Família em João Pessoa: Uma Questão de Acesso à Saúde para Beneficiários do Programa Bolsa Família

Avanços do Programa bolsa Família em João Pessoa: Uma Questão de Acesso à Saúde para Beneficiários do Programa Bolsa Família Secretaria Municipal de Saúde Diretoria de Atenção à Saúde Área Técnica de Saúde da Criança e Adolescente Avanços do Programa bolsa Família em João Pessoa: Uma Questão de Acesso à Saúde para Beneficiários

Leia mais

O registro desses motivos é obrigatório a partir da 2ª vigência 2016.

O registro desses motivos é obrigatório a partir da 2ª vigência 2016. O SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NA SAÚDE ESTÁ ABERTO PARA O INICIO DOS REGISTROS DO ACOMPANHAMENTO DA 2ª VIGÊNCIA DE 2016 E COM NOVIDADES! A partir de 06 de setembro, o Sistema de Gestão

Leia mais

Capacitação Macrorregional SISVAN

Capacitação Macrorregional SISVAN Capacitação Macrorregional SISVAN Ministério da Saúde Secretaria de Atenção á Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição SISVAN - Diagnóstico descritivo

Leia mais

O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS?

O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS? O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS? Coordenação-Geral de Saúde das Mulheres CONDICIONALIDADES DE SAÚDE Mulheres entre 14 e 44 anos: Pré-natal

Leia mais

Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família na Saúde

Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família na Saúde Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família na Saúde Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição / DAB / SAS/ MS bfasaude@saude.gov.br Outubro de 2016 - Novidades para a 2ª vigência de 2016; - Período

Leia mais

Programa Bolsa Família Pós-coleta dos dados de acompanhamento das condicionalidades de saúde

Programa Bolsa Família Pós-coleta dos dados de acompanhamento das condicionalidades de saúde XIV Encontro Nacional da Rede de Alimentação e Nutrição do SUS e Reunião do Programa Bolsa Família na Saúde Programa Bolsa Família Pós-coleta dos dados de acompanhamento das condicionalidades de saúde

Leia mais

Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição. 25 de Maio de 2011

Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição. 25 de Maio de 2011 Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição Programa Bolsa Família Acompanhamento das condicionalidades de Saúde PATRICIA CONSTANTE JAIME PATRICIA

Leia mais

-PNAN - Portaria Estatuto da criança e do adolescente -PCNs

-PNAN - Portaria Estatuto da criança e do adolescente -PCNs -PNAN - Portaria 1.010 - Estatuto da criança e do adolescente -PCNs Alimentação Escolar Aline Guimarães Nutricionista - CECANE UnB PNAN Política Nacional de Alimentação e Nutrição Alimentação escolar PNAN

Leia mais

USO DOS FORMULÁRIOS E REGISTRO DAS INFORMAÇÕES NO NOVO SISTEMA INFORMATIZADO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SISVAN WEB

USO DOS FORMULÁRIOS E REGISTRO DAS INFORMAÇÕES NO NOVO SISTEMA INFORMATIZADO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SISVAN WEB MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO SEPN 511- Bloco C Edifício Bittar IV 4º andar - Brasília/DF CEP:70750.543

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral de Política de Alimentação e Nutrição

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral de Política de Alimentação e Nutrição MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral de Política de Alimentação e Nutrição MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE O BOLSA FAMÍLIA NA SAÚDE Série A. Normas

Leia mais

P O R G O R G A R M A A M A B O B L O S L A S A F A F M A Í M L Í I L A

P O R G O R G A R M A A M A B O B L O S L A S A F A F M A Í M L Í I L A PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Acompanhamento da Frequência Escolar de Crianças e Jovens em Vulnerabilidade - Condicionalidade Educação do Programa Bolsa Família 2003 -Governo Federal unifica, no Programa Bolsa-Família,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Instrução Operacional Conjunta SENARC/MDS/SAS/MS nº 11 Brasília, 18 de novembro de 2011. 1 INTRODUÇÃO Assunto: Divulga informações e procedimentos sobre a implantação do Benefício Variável destinado a

Leia mais

Edição Número 92 de 16/05/2005 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro

Edição Número 92 de 16/05/2005 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro Edição Número 92 de 16/05/2005 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 729, DE 13 DE MAIO DE 2005 Institui o Programa Nacional de Suplementação de Vitamina A e dá outras providências. O MINISTRO

Leia mais

Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Ministério da Saúde

Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Ministério da Saúde Situação Alimentar e Nutricional no Brasil e no Mundo - O rápido declínio da desnutrição infantil no Brasil e o papel das políticas públicas na redução das desigualdades Coordenação-Geral da Política de

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA PERFIL DA GESTÃO DA UNIDADE DE SAÚDE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA PERFIL DA GESTÃO DA UNIDADE DE SAÚDE QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA PERFIL DA GESTÃO DA UNIDADE DE SAÚDE IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO (ID) [ ] ( ) Questionário [ ] ( ) Entrevistador (bolsista)

Leia mais

Manual de Orientações sobre o Bolsa Família na Saúde

Manual de Orientações sobre o Bolsa Família na Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Manual de Orientações sobre o Bolsa Família na Saúde 3ª edição Brasília DF 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Manual de Orientações

Leia mais

Desafios e perspectivas do Programa Bolsa Família

Desafios e perspectivas do Programa Bolsa Família Desafios e perspectivas do Programa Bolsa Família Rodrigo Lofrano Coordenador-Geral de Acompanhamento das Condicionalidades Decon/Senarc/MDS Brasília, 19 de agosto de 2015 As três dimensões do Programa

Leia mais

CURSO BOLSA FAMÍLIA NA SAÚDE

CURSO BOLSA FAMÍLIA NA SAÚDE CURSO BOLSA FAMÍLIA NA SAÚDE Sumário Módulo 1 - O que é o Programa Bolsa Família?... página 4 Módulo 2 - Os Compromissos do SUS com o PBF... página 13 Módulo 3 - Gestão do Programa Bolsa Família... página

Leia mais

Avaliação e Classificação do Estado Nutricional

Avaliação e Classificação do Estado Nutricional Avaliação e Classificação do Estado Nutricional Disciplina: Políticas Públicas em Alimentação e Nutrição. Curso de Nutrição e Metabolismo FMRP/USP Luciana Cisoto Ribeiro O que é estado nutricional? É o

Leia mais

Os vieses no cadastramento do Bolsa Família

Os vieses no cadastramento do Bolsa Família FURTADO, Ariandeny [1] PEREIRA, Fernando Marcello Nunes [2] TOMÉI, Maria Cristina da Mota [3] FURTADO, Ariandeny; PEREIRA, Fernando Marcello Nunes; TOMÉI, Maria Cristina da Mota. Os vieses no cadastramento

Leia mais

Prefeitura Municipal de Volta Redonda Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Programas e Projetos

Prefeitura Municipal de Volta Redonda Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Programas e Projetos Prefeitura Municipal de Volta Redonda Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Programas e Projetos 1 2 0 0 8 Prefeitura do Município de Volta Redonda Gothardo Lopes Netto Prefeito do Município de

Leia mais

Feira de Santana Outubro/2011

Feira de Santana Outubro/2011 PREFEITURA MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE SEÇÃO NUTRIÇÃO Experiências no Acompanhamento de Saúde do Programa Bolsa Família no Município de Feira de

Leia mais

Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição. Brasília, junho de 2015

Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição. Brasília, junho de 2015 Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição Brasília, junho de 2015 Programa Nacional de Suplementação de Vitamina A Mapa da cobertura de suplementação de vitamina A para crianças de 6 a 11 meses, em

Leia mais

NOTA TÉCNICA N o 028/2015

NOTA TÉCNICA N o 028/2015 NOTA TÉCNICA N o 028/2015 Brasília, 07 de dezembro de 2015. ÁREA: Desenvolvimento Social TÍTULO: Condicionalidades e Processos Administrativos do Programa Bolsa Família. REFERÊNCIAS: Medida Provisória

Leia mais

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Modelagem e Educação Matemática (MEM) GT 4 Ângela Tereza Silva de SOUZA Universidade Federal da Paraíba anjinhatereza@hotmail.com RESUMO Neste

Leia mais

Estratégias e Ações do Governo Federal para a Prevenção e Controle da Obesidade

Estratégias e Ações do Governo Federal para a Prevenção e Controle da Obesidade Estratégias e Ações do Governo Federal para a Prevenção e Controle da Obesidade Encontro com as referências estaduais de Alimentação e Nutrição 16 e 17/06/2015 - Brasília/DF Ministério do Desenvolvimento

Leia mais

Apresentação da Equipe Estadual. Coordenadora: Terezinha de Jesus Pinheiro Franco

Apresentação da Equipe Estadual. Coordenadora: Terezinha de Jesus Pinheiro Franco ESTADO DO TOCANTINS Apresentação da Equipe Estadual Estado: Tocantins Coordenadora: Terezinha de Jesus Pinheiro Franco Equipe Técnica: Renata Batista Vasconcelos Soraya Rodrigues Dodero Vilma Maciel Dias

Leia mais

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS Escolaridade de nível superior de acordo com a NOB/RH/2006

Leia mais

Cadastro Único de Programas Sociais Seminário Pan- Amazônico de Proteção Social Belém - PA

Cadastro Único de Programas Sociais Seminário Pan- Amazônico de Proteção Social Belém - PA Cadastro Único de Programas Sociais Seminário Pan- Amazônico de Proteção Social Belém - PA Tiago Falcão Secretário da Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário

Leia mais

PROTOCOLO PARA APLICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA Gestor da Unidade Básica de Saúde

PROTOCOLO PARA APLICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA Gestor da Unidade Básica de Saúde PROTOCOLO PARA APLICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA Gestor da Unidade Básica de Saúde As informações devem ser coletadas EXCLUSIVAMENTE com o gestor

Leia mais

Cartilha de Alimentação Infantil para profissionais de saúde e educação

Cartilha de Alimentação Infantil para profissionais de saúde e educação Cartilha de Alimentação Infantil para profissionais de saúde e educação Cristiane Aparecida Azevedo de Assis Machado Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba Coordenação de Vigilância Nutricional II FÓRUM

Leia mais

EDITAL PIBID-UFBA Nº 13/2016 SELEÇÃO DE SUPERVISORES

EDITAL PIBID-UFBA Nº 13/2016 SELEÇÃO DE SUPERVISORES UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA EDITAL PIBID-UFBA Nº 13/2016 SELEÇÃO DE SUPERVISORES A Pró-Reitoria de Ensino

Leia mais

Vigilância Alimentar e Nutricional - SISVAN ampliado -

Vigilância Alimentar e Nutricional - SISVAN ampliado - Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Vigilância Alimentar e Nutricional - SISVAN ampliado - Natacha Toral

Leia mais

Município: CAROLINA / MA

Município: CAROLINA / MA O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

Diário Oficial DECRETO Nº , DE 13 DE NOVEMBRO DE 2007

Diário Oficial DECRETO Nº , DE 13 DE NOVEMBRO DE 2007 Diário Oficial Poder Executivo Estado de São Paulo - Seção I GOVERNADOR JOSÉ SERRA Volume 117 - Número 215 - São Paulo, quarta-feira, 14 de novembro de 2007 DECRETO Nº 52.361, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2007

Leia mais

ESTUDO SOBRE O CADASTRO ÚNICO E O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DOS MUNICÍPIOS QUE COMPÕEM A MESORREGIÃO DA GRANDE FRONTEIRA DO MERCOSUL

ESTUDO SOBRE O CADASTRO ÚNICO E O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DOS MUNICÍPIOS QUE COMPÕEM A MESORREGIÃO DA GRANDE FRONTEIRA DO MERCOSUL ESTUDO SOBRE O CADASTRO ÚNICO E O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DOS MUNICÍPIOS QUE COMPÕEM A MESORREGIÃO DA GRANDE FRONTEIRA DO MERCOSUL Grupo de pesquisa: Gestão e Organização Angélica Caetane Pelizza - Acadêmica

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA Tecnologia e inovação a serviço do fim da pobreza. V Seminário de Gestão de Tecnologias e Inovação em Saúde Salvador 11/10/2013

BOLSA FAMÍLIA Tecnologia e inovação a serviço do fim da pobreza. V Seminário de Gestão de Tecnologias e Inovação em Saúde Salvador 11/10/2013 BOLSA FAMÍLIA Tecnologia e inovação a serviço do fim da pobreza V Seminário de Gestão de Tecnologias e Inovação em Saúde Salvador 11/10/2013 CRESCIMENTO DA RENDA DOMICILIAR PER CAPITA POR QUINTIL (2002

Leia mais

CENÁRIO DA GESTÃO DO FINANCIAMENTO DAS AÇÕES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO FAN ELEMENTOS DA GESTÃO ORÇAMENTÁRIA: A EXPERIÊNCIA DE TERESINA-PI

CENÁRIO DA GESTÃO DO FINANCIAMENTO DAS AÇÕES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO FAN ELEMENTOS DA GESTÃO ORÇAMENTÁRIA: A EXPERIÊNCIA DE TERESINA-PI CENÁRIO DA GESTÃO DO FINANCIAMENTO DAS AÇÕES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO FAN ELEMENTOS DA GESTÃO ORÇAMENTÁRIA: A EXPERIÊNCIA DE TERESINA-PI Theonas Gomes Pereira FMS/DAA/GEAP/ Núcleo de Alimentação e Nutrição

Leia mais

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU Profa. Gilcinéa de Cássia Santana Coordenadora da COREMU/UFMG COREMU RESOLUÇÃO Nº 2, DE 4 DE MAIO

Leia mais

Organograma de Operacionalização do SIVAN do município de Viçosa-MG.

Organograma de Operacionalização do SIVAN do município de Viçosa-MG. Organograma de Operacionalização do SIVAN do município de Viçosa-MG. Ministério da Saúde Fundo Nacional da Saúde Secretária Estadual da Saúde Diretoria de Ações Descentralizadas de Saúde Secretária Municipal

Leia mais

Brasília, 19 de janeiro de Introdução

Brasília, 19 de janeiro de Introdução Chamada Pública nº 01 /2012 CET-UnB/FNDE Brasília, 19 de janeiro de 2012. Chamada Pública para seleção de municípios para participar do projeto Educando com a Horta Escolar e a Gastronomia - Formação de

Leia mais

EDITAL PROAC Nº 01, 04 DE MARÇO DE 2016

EDITAL PROAC Nº 01, 04 DE MARÇO DE 2016 EDITAL PROAC Nº 01, 04 DE MARÇO DE 2016 A Pró-Reitora Acadêmica do CENTRO UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO EUFRÁSIO DE TOLEDO DE PRESIDENTE PRUDENTE, no uso de suas atribuições, torna pública as normas para seleção

Leia mais

Balanço da Agenda para Intensificação da Atenção Nutricional à Desnutrição Infantil - Andi

Balanço da Agenda para Intensificação da Atenção Nutricional à Desnutrição Infantil - Andi Balanço da Agenda para Intensificação da Atenção Nutricional à Desnutrição Infantil - Andi 212-215 Agenda para Intensificação da Atenção Nutricional à Desnutrição Infantil - ANDI Portaria nº 2.387 de 18/1/212;

Leia mais

BALANÇO DAS AÇÕES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

BALANÇO DAS AÇÕES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO BALANÇO DAS AÇÕES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO - 2013 Patrícia Constante Jaime Coordenadora Geral de Alimentação e Nutrição Departamento de Atenção Básica Secretária de Atenção à Saúde Ministério da Saúde

Leia mais

Implantação do Projeto Educando com a Horta Escolar e a Gastronomia (UnB-CET/ FNDE), no seu município/estado:

Implantação do Projeto Educando com a Horta Escolar e a Gastronomia (UnB-CET/ FNDE), no seu município/estado: Implantação do Projeto Educando com a Horta Escolar e a Gastronomia (UnB-CET/ FNDE), no seu município/estado: O presente documento se destina a orientar os multiplicadores do Projeto Educando com a Horta

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA

QUESTIONÁRIO SOBRE ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA QUESTIONÁRIO SOBRE ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA Denise Silveira, Anaclaudia Gastal Fassa, Maria Elizabeth Gastal Fassa, Elaine Tomasi, Luiz Augusto Facchini IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE 1. UF:

Leia mais

Política Nacional de Alimentação e Nutrição no Plano Brasil sem Miséria

Política Nacional de Alimentação e Nutrição no Plano Brasil sem Miséria Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição Política Nacional de Alimentação e Nutrição no Plano Brasil sem Miséria PATRICIA CONSTANTE JAIME

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO PÚBLICA RESOLUÇÃO CSTGP Nº 02/2015 Regulamenta o Estágio Supervisionado obrigatório do Curso

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO / SENARC / MDS

DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO / SENARC / MDS ÍNDICE DE GESTÃO DESCENTRALIZADA IGD DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO / SENARC / MDS INDICE DE GESTÃO DESCENTRALIZADA CARACTERÍSTICAS Fortalecimento da Gestão Municipal e Estadual do PBF e do Cadastro Único Fortalecimento

Leia mais

NÚCLEO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NAPAN - RR

NÚCLEO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NAPAN - RR NÚCLEO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AN - RR Equipe - AN Alimentação e Nutrição Cargo Função Vinculo Maria do Livramento da Costa Rêgo Nutricionista Gerente do Núcleo Efetiva Leila Agra

Leia mais

Coordenação Estadual de. Alimentação e Nutrição

Coordenação Estadual de. Alimentação e Nutrição Coordenação Estadual de Alimentação e Nutrição Apresentação da Equipe Estadual Estado: Minas Gerais (MG) Coordenador (a): Maria Lúcia Teixeira Leite Equipe técnica (Nutricionistas): Isabel Cristina Bento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EDITAL Nº 007/2017 PROCESSO SELETIVO PARA PROVIMENTO DE VAGAS REMANESCENTES A Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Notificação de Violência contra Crianças, Mulheres e Idosos

Notificação de Violência contra Crianças, Mulheres e Idosos http://portal.prefeitura.sp.gov.br/secretarias/saude/vigilancia_saude/dant/0009 Notificação de Violência contra Crianças, Mulheres e Idosos Através do Decreto 48.421, de 06 de junho de 2007, a Prefeitura

Leia mais

SISVAN WEB. Informações Gerais para Navegar no Acesso Restrito

SISVAN WEB. Informações Gerais para Navegar no Acesso Restrito SISVAN WEB Informações Gerais para Navegar no Acesso Restrito Este documento tem o objetivo de orientar a navegação pelo ambiente restrito do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN Web. Aqui

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CIMATEC NÚCLEO DE CARREIRA PROFISSIONAL MAIO 2012 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade disciplinar as atividades

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INVESTIGAÇÃO DO ÓBITO INFANTIL E FETAL - SÍNTESE, CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

ANEXO I FICHA DE INVESTIGAÇÃO DO ÓBITO INFANTIL E FETAL - SÍNTESE, CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES ANEXO I FICHA DE INVESTIGAÇÃO DO ÓBITO INFANTIL E FETAL - SÍNTESE, CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES Formulário padrão com a síntese da investigação de óbito infantil e fetal a ser adotado obrigatoriamente como

Leia mais

IV Seminário Internacional da Primeira Infância Brasília, 5 a 7 de julho de 2016

IV Seminário Internacional da Primeira Infância Brasília, 5 a 7 de julho de 2016 IV Seminário Internacional da Primeira Infância Brasília, 5 a 7 de julho de 2016 Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas Coordenação Geral de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB AUTORIZAÇÃO: DECRETO Nº92937/86, DOU RECONHECIMENTO: PORTARIA Nº909/95, DOU

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB AUTORIZAÇÃO: DECRETO Nº92937/86, DOU RECONHECIMENTO: PORTARIA Nº909/95, DOU ANEXO 2 DO EDITAL PIBID UNEB CAPES Nº. 010/2014 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Candidato (a) Matrícula Curso / Depto. UNEB (iniciação à docência) Escola (supervisão) ENDEREÇO:...Nº... BAIRRO:...CIDADE:... CEP.:...

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NOS ESF DO MUNICÍPIO DE SÃO LUDGERO NO ANO DE 2007

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NOS ESF DO MUNICÍPIO DE SÃO LUDGERO NO ANO DE 2007 AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NOS ESF DO MUNICÍPIO DE SÃO LUDGERO NO ANO DE 2007 Morgana Prá 1 Maria Helena Marin 2 RESUMO Vários fatores influenciam no progresso e no resultado

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO UGB PARTE I - DOS ASPECTOS GERAIS DO ESTÁGIO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DO ESTÁGIO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO UGB PARTE I - DOS ASPECTOS GERAIS DO ESTÁGIO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DO ESTÁGIO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO UGB PARTE I - DOS ASPECTOS GERAIS DO ESTÁGIO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DO ESTÁGIO Art. 1º - Este regulamento tem por finalidade, fixar

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO - DAGA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Telefone: (41) 3360-4360 Fax: (41) 3360-4360 REGULAMENTO DE

Leia mais

Visita domiciliar ao recém nascido: uma prática Interdisciplinar.

Visita domiciliar ao recém nascido: uma prática Interdisciplinar. TÍTULO DA PRÁTICA: Visita domiciliar ao recém nascido: uma prática Interdisciplinar. CÓDIGO DA PRÁTICA: T23 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 a)situação problema e/ou demanda inicial que

Leia mais

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Centro de Referência de Assistência Social PLANO ANUAL DE AÇÃO 2015

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Centro de Referência de Assistência Social PLANO ANUAL DE AÇÃO 2015 CRAS: Maracanã COORDENADOR(A): Eliana de Araújo Vieira PREFEITURA DE MONTES CLAROS PLANO ANUAL DE AÇÃO 2015 QUADRO I Atividades de fortalecimento dos vínculos familiares e comunitários: Objetivo Atividades

Leia mais

ABORDAGEM INTERDISCIPLINAR DA EQUIPE DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO ACOMPANHAMENTO DAS CRIANÇAS BENEFICIÁRIAS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

ABORDAGEM INTERDISCIPLINAR DA EQUIPE DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO ACOMPANHAMENTO DAS CRIANÇAS BENEFICIÁRIAS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA ABORDAGEM INTERDISCIPLINAR DA EQUIPE DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO ACOMPANHAMENTO DAS CRIANÇAS BENEFICIÁRIAS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Sabrina Alves Ribeiro Barra, Bruna Carneiro Silva, Roberta Lopes Kalrburger,

Leia mais

PAA LEITE. Renda para quem produz e comida na mesa de quem precisa!

PAA LEITE. Renda para quem produz e comida na mesa de quem precisa! Cartilha: Orientação para a Execução do Programa de Aquisição de Alimentos PAA Leite. PAA LEITE Renda para quem produz e comida na mesa de quem precisa! Introdução O Programa de Aquisição do Leite tem

Leia mais

CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Concepção, Desenho e Resultados

CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Concepção, Desenho e Resultados CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Concepção, Desenho e Resultados Departamento de Condicionalidades (SENARC/MDS) Brasília, 02 de abril de 2014 DIMENSÕES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Transferência

Leia mais

PATRICIA CONSTANTE JAIME

PATRICIA CONSTANTE JAIME Importância da articulação intersetorial e intergovernamental na gestão de condicionalidades do PATRICIA CONSTANTE JAIME 03 de Outubro de 2011 Condicionalidades de saúde do O compromisso do Sistema Único

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS DIVISÃO DE ESPORTE E LAZER DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS DIVISÃO DE ESPORTE E LAZER DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS DIVISÃO DE ESPORTE E LAZER DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTAS PARA O PROGRAMA SEGUNDO TEMPO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 557, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2011.

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 557, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2011. MEDIDA PROVISÓRIA Nº 557, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2011. Institui o Sistema Nacional de Cadastro, Vigilância e Acompanhamento da Gestante e Puérpera para Prevenção da Mortalidade Materna, autoriza a União

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN Ana Paula Araujo de Souza 1 ; Luciana Karla Miranda Lins 2 1 Secretaria Municipal do Trabalho e Assistência

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL LUTERANA BOM JESUS/IELUSC RESOLUÇÃO CES Nº 16/2012

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL LUTERANA BOM JESUS/IELUSC RESOLUÇÃO CES Nº 16/2012 ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL LUTERANA BOM JESUS/IELUSC RESOLUÇÃO CES Nº 16/2012 Regulamenta e normatiza o funcionamento dos Núcleos de Pesquisa e Extensão do BOM JESUS/IELUSC. A Câmara de Ensino Superior do

Leia mais

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DO MONITORAMENTO E DO CUIDADO DA CRIANÇA COM EXCESSO DE PESO

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DO MONITORAMENTO E DO CUIDADO DA CRIANÇA COM EXCESSO DE PESO AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DO MONITORAMENTO E DO CUIDADO DA CRIANÇA COM EXCESSO DE PESO Excesso de peso infantil no Brasil A prevalência de excesso de peso triplicou no Brasil nos últimos 20 anos (IBGE,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA PRÓ-REITORIA DE CULTURA, EXTENSÃO E ASSUNTOS ESTUDANTIS - PROCEA. COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA PRÓ-REITORIA DE CULTURA, EXTENSÃO E ASSUNTOS ESTUDANTIS - PROCEA. COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Edital 001/2010- PROCEA/UNIR PROGRAMA CONEXÕES DE SABERES/ESCOLA ABERTA A Pró-Reitora de Cultura, Extensão e Assuntos Estudantis - PROCEA, por meio da Coordenação de Extensão, no uso de suas atribuições

Leia mais

Gerência de Nutrição/SAS/SES-DF

Gerência de Nutrição/SAS/SES-DF Gerência de Nutrição/SAS/SES-DF Coordenação de Alimentação e Nutrição do DF Apresentação da Equipe Estadual Estado: Distrito Federal SES/DF Gerência de Nutrição Coordenadora: Mariana Martins Coord. de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL Secretaria Executiva dos Conselhos Superiores SECS/UFAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL Secretaria Executiva dos Conselhos Superiores SECS/UFAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL Secretaria Executiva dos Conselhos Superiores SECS/UFAL RESOLUÇÃO Nº 55/2008-CONSUNI/UFAL, de 10 de novembro de 2008. APROVA NORMAS QUE DISCIPLINAM O PROGRAMA DE MONITORIA

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA EDUCAÇÃO PORTARIA:

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA EDUCAÇÃO PORTARIA: PORTARIA: A SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso das suas atribuições, em especial as dispostas no artigo 90, incisos I e II da Constituição do Estado e considerando: - o dever constitucional e legal

Leia mais

famílias de baixa renda com acesso aos direitos

famílias de baixa renda com acesso aos direitos Acompanhamento das Condicionalidades do Programa Bolsa Família Na Saúde Seminário Regional Programa Bolsa Família na Saúde - 2009 Programa Bolsa Família Programa de transferência de renda para famílias

Leia mais

PROGRAMA LEITE DAS CRIANÇAS

PROGRAMA LEITE DAS CRIANÇAS PROGRAMA LEITE DAS CRIANÇAS DISTRIBUIÇÃO GRATUITA DE UM LITRO DE LEITE PASTEURIZADO INTEGRAL ENRIQUECIDO COM VITAMINAS A, D E FERRO QUELATO, POR DIA PARA CRIANÇAS COM IDADE ENTRE 06 E 36 MESES, MEMBROS

Leia mais

Ações prioritárias da CGPAN/Ministério da Saúde para o ano de 2007

Ações prioritárias da CGPAN/Ministério da Saúde para o ano de 2007 Ações prioritárias da CGPAN/Ministério da Saúde para o ano de 2007 ESTRATÉGIAS SOCIAIS EM NUTRIÇÃO, EDUCAÇÃO E COMBATE À POBREZA Data: 17-18 de maio de 2007 Instituto de Estudos Avançados Universidade

Leia mais

Edição nº 81 de 28/04/2006 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Edição nº 81 de 28/04/2006 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Edição nº 81 de 28/04/2006 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N 148, DE 27 DE ABRIL DE 2006 Estabelece normas, critérios e procedimentos para o apoio à

Leia mais

SISPRENATAL. Manual de Preenchimento dos Formulários de Cadastro e Consulta, Exames e Vacinas

SISPRENATAL. Manual de Preenchimento dos Formulários de Cadastro e Consulta, Exames e Vacinas SISPRENATAL Manual de Preenchimento dos Formulários de Cadastro e Consulta, Exames e Vacinas Prefeitura Municipal de Porto Alegre Março de 2007 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre José Fogaça Prefeito

Leia mais

Cantinas Escolares Saudáveis

Cantinas Escolares Saudáveis PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO AMBIENTE ESCOLAR: Cantinas Escolares Saudáveis Patrícia Constante Jaime Coordenadora-Geral de Alimentação e Nutrição/DAB/SAS/MS Fortaleza, 25 de outubro de 2012 TÓPICOS

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 TEIXEIRA, Giselle 2 ; BOSI, Greice 2 ; FONTOURA, Ethiene 2 ; MUSSOI, Thiago 2 ; BLASI,

Leia mais

D E C R E T A: Fica aprovado o Regimento Interno do Centro de Atendimento à Mulher do Município de Dourados, constante no anexo único, deste decreto.

D E C R E T A: Fica aprovado o Regimento Interno do Centro de Atendimento à Mulher do Município de Dourados, constante no anexo único, deste decreto. DECRETO N 1188, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2012. Homologa o regimento interno do Regimento Interno do Centro de Atendimento à Mulher. O PREFEITO MUNICIPAL DE DOURADOS, Estado de Mato Grosso do Sul, no uso das

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac 2 TÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS Artigo 1º - Os Cursos da FELM mantém estágios curriculares supervisionados que se constituem

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: A EXPERIÊNCIA DO

RELATO DE EXPERIÊNCIA AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: A EXPERIÊNCIA DO RELATO DE EXPERIÊNCIA AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE TERESINA Ayla Maria Calixto de Carvalho Alba Alves Costa Marques Telma Maria Evangelista

Leia mais

Vigilância Alimentar e Nutricional.

Vigilância Alimentar e Nutricional. Vigilância Alimentar e Nutricional. Disciplina: Políticas Públicas em Alimentação e Nutrição. Curso de Nutrição e Metabolismo FMRP/USP Luciana Cisoto Ribeiro Segurança Alimentar e Nutricional realização

Leia mais

OLIMPÍADA CATARINENSE DE REDAÇÃO. 1 a Edição

OLIMPÍADA CATARINENSE DE REDAÇÃO. 1 a Edição OLIMPÍADA CATARINENSE DE REDAÇÃO 1 a Edição 1. Responsabilidade: A 1ª Olimpíada Catarinense de Redação (OCR 2016) é um projeto, sem fins lucrativos, realizado pela Secretaria de Educação do Estado, em

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUNI nº 54/16

RESOLUÇÃO CONSUNI nº 54/16 Conselho Universitário - CONSUNI RESOLUÇÃO CONSUNI nº 54/16 Aprova o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Engenharia Mecânica. O Vice-Reitor, no exercício da Presidência do Conselho

Leia mais

Profa. Neila Maria Viçosa Machado

Profa. Neila Maria Viçosa Machado SAÚDE E EDUCAÇÃO: uma perspectiva de integração a partir da Atenção Básica pelos Programa Saúde na Escola (PSE) e Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Profa. Neila Maria Viçosa Machado SAÚDE

Leia mais

0,1,67e5,2'2'(6(192/9,0(17262&,$/(&20%$7( )20(

0,1,67e5,2'2'(6(192/9,0(17262&,$/(&20%$7( )20( 0,1,67e5,2'2'(6(192/9,0(17262&,$/(&20%$7( )20(,16758d 21250$7,9$1ž01, '(20'(0$,2'( Divulga orientações aos municípios, Estados e Distrito Federal para constituição de instância de controle social do Programa

Leia mais

BRASIL SAUDÁVEL. Ação Nacional em favor de Modos de Viver Saudáveis

BRASIL SAUDÁVEL. Ação Nacional em favor de Modos de Viver Saudáveis BRASIL SAUDÁVEL Ação Nacional em favor de Modos de Viver Saudáveis Inserida no contexto do Bom Exemplo SECOM Coordenação Geral Ministério da Saúde Ministério da Educação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Incorporação das novas curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde na Vigilância Nutricional

Incorporação das novas curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde na Vigilância Nutricional Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Incorporação das novas curvas de crescimento da Organização Mundial

Leia mais