PRINCÍPIOS PIOS BASE DA FISCALIZAÇÃO DE SEGURANÇA. J. Amorim Faria

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRINCÍPIOS PIOS BASE DA FISCALIZAÇÃO DE SEGURANÇA. J. Amorim Faria"

Transcrição

1 PRINCÍPIOS PIOS BASE DA FISCALIZAÇÃO DE SEGURANÇA J. Amorim Faria 1

2 CONTEÚDO Legislação Fundamental Intervenientes na Segurança a em Obra: Principais Funções e Responsabilidades Princípios pios-base Documentos a produzir Visitas à obra 2

3 LEGISLAÇÃO FUNDAMENTAL Dec. Lei 41820, de 19/8/58. Justifica normas de segurança e estabelece fiscalização e multas por infracções Dec.Lei 41821, de 19/8/58. Regulamenta as normas de segurança no trabalho da construção civil Dec. Lei 308/89, de 14/9. Comete ao CMOPP competência para fiscalizar a protecção ão, organização ão, segurança e sinalização de estaleiros Dec.Lei 441/91, de 14/11. Transposição da directiva 89/391/CEE relativa à aplicação de medidas destinadas a promover a melhoria da segurança e da saúde dos trabalhadores 3

4 LEGISLAÇÃO FUNDAMENTAL (cont( cont.) Dec. Lei 41820, de 19/8/58. Justifica normas de segurança e estabelece fiscalização e multas por infracções Dec.Lei 41821, de 19/8/58. Regulamenta as normas de segurança no trabalho da construção civil Dec. Lei 308/89, de 14/9. Comete ao CMOPP competência para fiscalizar a protecção ão, organização ão, segurança e sinalização de estaleiros Dec.Lei 441/91, de 14/11. Transposição da directiva 89/391/CEE relativa à aplicação de medidas destinadas a promover a melhoria da segurança e da saúde dos trabalhadores 4

5 LEGISLAÇÃO FUNDAMENTAL (cont( cont.) Dec.Lei 330/93, de 25/9. Transpõe para o direito interno a directiva 90/369/CEe de 29/5 relativa a prescrições mínimas de segurança e de saúde na movimentação normal de cargas Dec.Lei 331/93 de 25/9. Transpõe para o direito interno a Directivo nº 89/655/CEE relativa às prescrições mínimas de segurança e saúde dos trabalhadores na utilização de equipamentos de trabalho Dec.Lei 347/93, de 1/10. Transpõe para o direito interno a directiva 89/654/CEE de 30/11 relativa às prescrições mínimas de segurança e saúde para os locais de trabalho 5

6 LEGISLAÇÃO FUNDAMENTAL (cont( cont.) Dec.Lei 348/93 de 1/10. Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva nº 89/656/CEE relativa às prescrições mínimas de segurança e saúde dos trabalhadores na utilização de equipamentos de protecção individual Port. 987/93 de 6/10. estabelece as normas técnicas de execução do Dec.Lei 347/93, de 1/10 Dec.Lei 362/93 de 15/10. Estabelece as regras relativas à informação estatística stica sobre acidentes de trabalho e doenças profissionais Dec.Lei 26/94 de 1/2. Estabelece o regime de organização e financiamento das actividades de Segurança, Higiene e Saúde no trabalho 6

7 LEGISLAÇÃO FUNDAMENTAL (cont( cont.) Dec.Lei 7/95, de 29/3. Alteração por ratificação do Dec.Lei 21/94 Dec.Lei 141/95, de 14/6. Transpõe para o direito interno a directiva 92/58/CEE de 24/6, relativa a prescrições mínimas para a sinalização de segurança e de saúde no trabalho Dec.Lei 155/95, de 1/7. Transpõe para o direito interno a directiva 92/57/CEE, de 24/6, relativa a prescrições mínimas de segurança e saúde a aplicar nos estaleiros temporários rios ou móveis 7

8 LEGISLAÇÃO FUNDAMENTAL (cont( cont.) Port A/95, de 11/12. Regulamenta as prescrições mínimas de colocação e utilização da sinalização de segurança e saúde no trabalho Port. 101/96, de 3/4. Regulamenta as prescrições mínimas de segurança e saúde da directiva 92/67/CEE (9.12) 8

9 INTERVENIENTES COM RESPONSABILIDADES SEGURANÇA Promotor Empreiteiros Trabalhadores Independentes CSSEO Entidades Fiscalizadoras (IDICT, IGT) Trabalhadores 9

10 ESQUEMA GERAL DA SEGURANÇA CSSEO SEGURANÇA Promotor IDICT IGT Empreiteiros Operário s MÁXIMA: NÃO HÁ SEGURANÇA SEM COLABORAÇÃO / CONSCIENCIALIZAÇÃO DE TODOS 10

11 RESPONSABILIDADES - PROMOTOR Garantir existência e actualizações de um PSS; Garantir existência e actualizações da Compilação Técnica; T Garantir existência (quando aplicável) do CSSEO. 11

12 CSSEO - Principais Funções Colaborar com o Empreiteiro em todas as actividades relativas à Segurança a e Saúde dos trabalhadores da obra; Apreciar Apreciar os Planos Particulares de Segurança a e Saúde elaborados pelo Empreiteiro e ficar na posse da cópia c dos Planos Particulares de S. S. que sejam aprovados e fiquem em vigor; Solicitar Solicitar a documentação técnica t relativa aos trabalhos e materiais com riscos especiais; Exigir Exigir um programa de trabalhos detalhado, que garanta de forma adequada a Segurança a aos trabalhadores; 12

13 CSSEO - Principais Funções (cont( cont.) Incluir no PSS todas as informações relativas aos intervenientes na fase de execução (Entidade/ Função; Endereço; Contactos telefónicos; e os Representantes dos intervenientes); Incluir no PSS cópia c da Licença a de Obra e anexos próprios; prios; Incluir no PSS cópia c dos Certificados de Classificação das Empresas Intervenientes e os seus registos no IMOPPI (Instituto dos Mercados de Obras Públicas, P Particulares e do Imobiliário); Incluir no PSS cópia c das Apólices dos Seguros de Acidentes de Trabalho que cubram todos os trabalhadores que exerçam a sua actividade produtiva dentro do Estaleiro; Verificar ocasionalmente a validade das Apólices de Seguros de Acidentes de Trabalho; 13

14 CSSEO - Principais Funções (cont( cont.) Fazer visitas regulares à obra acompanhado dos responsáveis pela segurança das empresas intervenientes na execução da mesma para ajudar a tentar identificar/ confirmar/validar todos os riscos inerentes aos trabalhos em curso; Promover reuniões periódicas com os mesmos responsáveis para esclarecer todas as dúvidas relativas à Segurança e Saúde de cada fase (devem ser feitas actas destas reuniões que devem ser arquivadas, divulgadas pelos presentes e registadas no Diário de Segurança e Saúde); O coordenador de segurança em fase de obra deve verificar periodicamente se as empresas têm Mapa de Distribuição dos Equipamentos de Protecção Individual actualizados; se os mesmos estão em bom estado de conservação e se estão dentro dos respectivos prazos de validade; se os mesmos equipamentos são usados de acordo com as referidas instruções; 14

15 CSSEO - Principais Funções (cont( cont.) Ocasionalmente o Coordenador de Segurança em fase de obra pode solicitar que sejam efectuados testes de despistagem de excesso de álcool no sangue (< 0,5 g/l) dos trabalhadores, devendo impedir de trabalhar qualquer trabalhador que evidencie quaisquer outros sinais de perturbação evidente que ponham em causa a sua saúde e/ou integridade física. 15

16 Empreiteiro(s) (responsáveis pela segurança) a) Afixar documentação segurança; a; Implementar PSS; Produzir documentos exigidos no PSS; colaborar na preparação de novas fichas de segurança ; Dar formação ao pessoal operário, rio, pelo menos no 1º 1 dia de trabalho de cada operário. rio. 16

17 Trabalhadores Independentes São responsáveis por si próprios; prios; CSSEO deverá garantir a formação e informação mínimas m (princ( princípios-base e conhecimento do PSS). 17

18 Princípios - base actuação CSSEO/Empreiteiros Responsabilidade permanente; Registo de não conformidades do PSS; Conhecimento técnico t geral e particular ao nível n da obra; Informação seleccionada afixada em obra; Formação do pessoal; Vigilância/ Policiamento. 18

19 Principais documentos a produzir Coordenador Segurança a e Saúde Execução Obra (CSSEO) 1º Relatório diagnóstico do PSS; Relatórios de Visita; Impressos de Não Conformidades; Relatório Final. 19

20 Relatórios Visita Entregar na hora ao encarregado / Director Obra e Responsável da Segurança; a; Enviar de modo formal aos intervenientes identificados: Promotor (Director do empreendimento); Empreiteiro (Director da Obra, Responsável local da Segurança a, Responsável Geral da Segurança); a); Relatórios sucintos e objectivos. 20

21 Exemplo de Relatórios Visita 21

22 Impressos de Não Conformidade - segurança 22

23 Documentos a produzir Empreiteiro Fichas de Segurança a para as principais tarefas; (obrigatórios rios para as tarefas que envolvem riscos especiais) Estrutura das Fichas: 1. Descrição da tarefa; 2. Identificação sumária dos recursos (MO, MAT, EQ, SUB.) e Tecnologias construtivas; 3. Planificação da tarefa (datas; tempo de duração) quando importante; 4. Identificação dos riscos; 5. Descrição das Medidas Preventivas; 6. Definição dos EPC s e EPI s a considerar. 23

24 Documentos a entregar pelo Empreiteiro Início da obra Plano de Segurança a e Saúde específico; Cópias dos Certificados de Classificação das Empresas intervenientes, ou seja, registo no IMOPPI; Cópias das Apólices de Seguro de Acidentes de Trabalho cobrindo todos os intervenientes em obra; Cópias das Apólices de Seguro de Responsabilidade Civil das empresas (empreiteiro e subempreiteiros presentes em obra); Cópia dos Horários rios de Trabalho de todas as empresas presentes em obra (com carimbo de entrada no IDICT); Plano de Trabalhos detalhado; Cronograma de Mão de Obra. 24

25 Procedimentos a implementar - Empreiteiro Elaborar Plano de Segurança a e Saúde específico e entregar ao CSSEO para apreciação e aprovação; Satisfazer os pedidos do CSSEO (como fichas de trabalhos e materiais que apresentem riscos especiais); Difundirem as regras aplicáveis à Segurança a e Saúde aos operários, rios, antes de iniciarem os trabalhos; Solicitar aprovação do CSSEO da Planta Geral do Estaleiro (com indicação da sinalização de segurança a e saúde e caminhos de evacuação); Registar a verificação das instalações eléctricas do estaleiro periodicamente; 25

26 Procedimentos a implementar Empreiteiro (cont( cont) O estaleiro deve dispor de dois circuitos independentes de iluminação, sendo um deles de emergência; Os Equipamentos de protecção colectiva devem ser verificados e deve ser garantida a adequada manutenção; Deve fornecer EPI s aos operários rios adequados às s tarefas, dentro da validade e emitir um Mapa de Distribuição de EPI s; Deve dispor de extintores apropriados nas diversas frentes de trabalho; Deve dispor de local de primeiros socorros e ter em obra um socorrista; Deve dispor de Plano de Sensibilização/ Formação, no âmbito de Segurança a e Saúde para os trabalhadores da obra; 26

27 Documentação a afixar em obra Cópia da Comunicação Prévia, entregue no IDICT; Cópia do Horário rio de Trabalho, carimbado pelo IDICT; Plano de Emergência: Números de telefones de emergência e do corpo técnico t da obra; Procedimento de actuação em caso de sinistro; Planta com a localização da farmácia e hospital mais próximos; Plano de Sensibilização/ Formação para a obra; Outros documentos considerados imprescindíveis para o conhecimento dos trabalhadores. 27

28 Articulação entre os Intervenientes CSSEO tem o papel fundamental! Tem de, em cada situação concreta responsabilizar formalmente os restantes intervenientes através s de: Relatórios de visita; Impressos de Não Conformidade. 28

29 Visitas à Obra - CSSEO Em obras correntes é preferível que o CSSEO não esteja a tempo inteiro no local Cada visita tem mais impacto; Fazer visitas no mínimo m de 2 em 2 semanas; periodicidade definida cada caso consoante a obra; Principal atitude é a responsabilização das entidades envolvidas em cada situação incumprimento (empreiteiros, trabalhador independente, operários, rios, ). 29

30 Exemplos comentados Ausência de entivação Falta de acesso escada de mão 30

31 Ausência de andaime Ausência de andaime 31

32 Passadiço inadequado Ausência de EPC s 32

33 Sem quaisquer condições de segurança Ausência de entivação 33

34 Andaime sem quaisquer condições de segurança Entulho e lixo acumulado 34

35 Falsa protecção Ausência de entivação 35

36 Bibliografia seleccionada titulo autor editor ISBN PROJECTOS DESIGN PROF. L. M. ALVES DIAS UP ESCAVAÇÕES E CONTENÇÕES PERIFÉRICAS - CONSTRUÇÕES DE ESTRADAS CONSTRUÇÃO E PREVENÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS GESTÃO DO AMBIENTE, DA QUALIDADE E DA SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇÃO PROF. ANTÓNIO CORREIA PROF. FERNANDO BRANCO PROF. L. M. ALVES DIAS UP UP UP SEGURANÇA CONTRA SUBSTÂNCIAS PERIGOSAS, EQUIPAMENTO DE PROTECÇÃO COLECTIVA, INDIVIDUAL E INCÊNDIOS E EXPLOSÕES FERNANDA CARVALHO, MANUEL FONSECA,JOÃO VENTURA UP REGULAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO REGULAMENTO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS PORTO EDITORA PORTO EDITORA REGULAMENTO DAS INSTALAÇÕES DE ENERGIA ELÉCTRICA E TELEFONES PORTO EDITORA

37 Bibliografia seleccionada titulo autor editor ISBN REGULAMENTO DE SEGURANÇA E ACÇÕES PARA ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS E PONTES PORTO EDITORA LEGISLAÇÃO DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO APLICÁVEL AO SECTOR DA CONSTRUÇÃO AICCOPN CONSTRUÇÃO CIVIL - PLANO DE SEGURANÇA E DE SAÚDE NA CONSTRUÇÃO L. M. ALVES DIAS; M. SANTOS FONSECA IDICT & IST DECIVIL CONSTRUÇÃO CIVIL E OBRAS PÚBLICAS - A COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA FERNANDO A CABRAL / MANUEL M. ROXO IDICT CONSTRUÇÃO CIVIL E OBRAS PÚBLICAS - MANUAL DE SEGURANÇA NO ESTALEIRO JOSÉ GANDRA DO AMARAL APET & IDICT CONSTRUÇÃO CIVIL E OBRAS PÚBLICAS - ESCAVAÇÕES EM SOLOS E SUA ESTABILIDADE FRANCISCO JOSÉ FREIRE LUCAS IPCB- INSTITUTO POLITÉCNICO CASTELO BRANCO & IDICT CONSTRUÇÃO CIVIL E OBRAS PÚBLICAS - RISCOS DE SOTERRAMENTO NA CONSTRUÇÃO UNIVERSIDAD E DO MINHO & IDICT 37

38 Bibliografia seleccionada titulo autor editor ISBN LEGISLAÇÃO DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO APLICÁVEL AO SECTOR DA CONSTRUÇÃO AICCOPN COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA NA CONSTRUÇÃO - PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO IDICT CONSTRUÇÃO - QUALIDADE E SEGURANÇA NO TRABALHO L. M. ALVES DIAS, JORGE M. H. PIRES IDICT CONSTRUÇÃO CIVIL - MANUAL DE SEGURANÇA NO ESTALEIRO LUIS FONTES MACHADO IDICT & AECOPS LEGISLAÇÃO DE OBRAS PÚBLICAS DRA. MARIA DO ROSÁRIO COIMBRA UP SISTEMA DE QUALIFICAÇÃO PARA O EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE CONSTRUÇÃO CIVIL E OBRAS PÚBLICAS PROF. L. M. ALVES DIAS UP 5ªs JORNADAS DE CONSTRUÇÕES CIVIS - SEGURANÇA NA CONSTRUÇÃO: ANÁLISE E REFLEXÃO FEUP - DECIVIL LEGISLAÇÃO SOBRE SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇÃO ORGANIZAÇÃO E INSTALAÇÃO DE ESTALEIROS L. M. ALVES DIAS L. M. ALVES DIAS; ALFREDO SOEIRO; LUIS M. BRAGANÇA FEUP UP 38

39 Bibliografia seleccionada titulo autor editor ISBN LEGISLAÇÃO DA SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO DR. LUIS FREITAS UP COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NA CONSTRUÇÃO PROF. L. M. ALVES DIAS FEUP SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE MÁQUINAS ENGº VICTOR MARQUES UP ERGONOMIA, MOVIMENTAÇÃO MANUAL DE CARGAS, RUÍDO E VIBRAÇÕES ENGº JOSÉ PONTES UP INQUÉRITOS REALIZADOS PELA IGT - CASOS DE ACIDENTES DE TRABALHO ARQº JOSÉ MANUEL SANTOS (REPRESENTANTE IDICT) UP OBRAS SUBTERRÂNEAS - UTILIZAÇÃO DE EXPLOSIVOS PROF. DINIS DA GAMA UP SEGURANÇA CONTRA RISCOS ELÉCTRICOS ENGº SÉRGIO MANUEL UP HIGIENE, SEGURANÇA, SAÚDE E PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO - VOL. 1 (1-7) FERNANDO CABRAL / RUI VEIGA VERLAG DASHÖFER

40 Bibliografia seleccionada titulo autor editor ISBN HIGIENE, SEGURANÇA, SAÚDE E PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO - VOL. 2 (8-15) FERNANDO CABRAL / RUI VEIGA VERLAG DASHÖFER HIGIENE, SEGURANÇA, SAÚDE E PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO FERNANDO CABRAL / RUI VEIGA VERLAG DASHÖFER SINOPSE DE LEGISLAÇÃO SOBRE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO ENG. ALBERTO SÉRGIO MIGUEL ORDEM DOS ENGENHEIROS - REGIÃO NORTE ONS - NORMALIZAÇÃO EM SEGURANÇA MANUEL BOUZA SERRANO / MANUEL BACELAR BEGONHA CERTITECNA- ENGENHEIROS CONSULTORES,L DA MANUAL DE SEGURANÇA CONSTRUTORA SAN JOSÉ, S.ª SEGURANÇA CONSULTORES ASSOCIADOS, LDA. HIGIENE, SEGURANÇA, SAÚDE E PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO - 9ª Actualização FERNANDO CABRAL / RUI VEIGA VERLAG DASHÖFER 40

11 SEGURANÇA E SAÚDE NA CONSTRUÇÃO

11 SEGURANÇA E SAÚDE NA CONSTRUÇÃO 11. Segurança e Saúde na Construção 1/53 11 SEGURANÇA E SAÚDE NA CONSTRUÇÃO JOSÉ AMORIM FARIA VERSÃO 8 FEVEREIRO 2014 11. Segurança e Saúde na Construção 2/53 ÍNDICE 1. ANÁLISE DETALHADA DA LEGISLAÇÃO

Leia mais

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis - Obrigações Gerais do Empregador SERVIÇOS DE ENGENHARIA/SEGURANÇA AICCOPN - 07 de Junho de

Leia mais

Entrevista n.º 7. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança?

Entrevista n.º 7. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança? Entrevista n.º 7 Empresa: Alberto Rites Lda. Entidade patronal 1. A segurança e a higiene do trabalho, bem como a protecção da saúde fazem parte integrante dos princípios que regem a empresa? Quais são

Leia mais

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro 1. INTRODUÇÃO A indústria da Construção engloba um vasto e diversificado conjunto de características, tais como: Cada projecto

Leia mais

O PAPEL DAS ESCOLAS SUPERIORES NA CULTURA DA SEGURANÇA NO SECTOR DA CONSTRUÇÃO, EM PORTUGAL

O PAPEL DAS ESCOLAS SUPERIORES NA CULTURA DA SEGURANÇA NO SECTOR DA CONSTRUÇÃO, EM PORTUGAL O PAPEL DAS ESCOLAS SUPERIORES NA CULTURA DA SEGURANÇA NO SECTOR DA CONSTRUÇÃO, EM PORTUGAL Anabela Mendes Moreira; Ana Paula Machado; Carla G. Correia Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO Humberto Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A crescente preocupação das entidades oficiais sobre a segurança na indústria extractiva,

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

Entrevista n.º 5. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança?

Entrevista n.º 5. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança? Entrevista n.º 5 Empresa: Aurélios Sobreiros Lda. Encarregado 1. A segurança e a higiene do trabalho, bem como a protecção da saúde fazem parte integrante dos princípios que regem a empresa? Quais são

Leia mais

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 MANUAL DE FUNÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE XZ Consultores Direção INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 ÍNDICE CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 Mapa de Controlo das Alterações

Leia mais

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1. Objecto e âmbito

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1. Objecto e âmbito DATA: 14 de Junho de 1995 EMISSOR: MINISTÉRIO DO EMPREGO E DA SEGURANÇA SOCIAL DIPLOMA/ACTO: Decreto-Lei n.º 141/95 SUMÁRIO: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 92/58/CEE, do Conselho,

Leia mais

COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NA CONSTRUÇÃO. 1º CURSO de FORMAÇÃO AVANÇADA

COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NA CONSTRUÇÃO. 1º CURSO de FORMAÇÃO AVANÇADA COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NA CONSTRUÇÃO 1º CURSO de FORMAÇÃO AVANÇADA 10 de Setembro de 2010 a 11 de Dezembro de 2010 APRESENTAÇÃO GERAL DO CURSO 1. Introdução O exercício da actividade de coordenação

Leia mais

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho.

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho. Guia de Segurança do Operador PORTUGAL: Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

Parque Tecnológico de Óbidos

Parque Tecnológico de Óbidos Parque Tecnológico de Óbidos Regulamento de obras (Versão preliminar) Fevereiro de 2009 Óbidos Requalifica, E.E.M. Casa do Largo da Porta da Vila, 1.º Tel: +351 262 955 440 obidos.requalifica@mail.telepac.pt

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1 Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção José M. Cardoso Teixeira 1 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058 Guimarães, Portugal RESUMO De uma forma geral,

Leia mais

Entrevista n.º 1. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança?

Entrevista n.º 1. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança? Entrevista n.º 1 Empresa: Festa & Festa Entidade patronal 1. A segurança e a higiene do trabalho, bem como a protecção da saúde fazem parte integrante dos princípios que regem a empresa? Quais são os objectivos

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ORGANIZAÇÃO DO ESTALEIRO 2 DESCRIÇÃO Face à legislação em vigor, estaleiros temporários ou móveis são os locais onde se efectuam trabalhos de

Leia mais

Gestão global de empreendimentos

Gestão global de empreendimentos Gestão global de empreendimentos Coordenação e fiscalização de obras José Amorim Faria FEUP - Porto 1 CONTEÚDO Gestão global de empreendimentos Análise mais detalhada das principais áreas da fiscalização

Leia mais

Decreto-Lei n.º 273/2003 de 29 de Outubro

Decreto-Lei n.º 273/2003 de 29 de Outubro A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 273/2003 de 29 de

Leia mais

TÍTULO: Segurança nos Trabalhos em Altura. AUTORIA: Paula Mendes. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 165 (Julho/Agosto de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: Segurança nos Trabalhos em Altura. AUTORIA: Paula Mendes. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 165 (Julho/Agosto de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: Segurança nos Trabalhos em Altura AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 165 (Julho/Agosto de 2006) INTRODUÇÃO A execução de trabalhos em altura expõe os trabalhadores a riscos elevados,

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de ENERGIAS RENOVÁVEIS PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Organização Industrial Escolas Proponentes / Autores Escola Profissional de

Leia mais

C.R.C.P.Com de GRÂNDOLA BALCÃO ÚNICO

C.R.C.P.Com de GRÂNDOLA BALCÃO ÚNICO JOÃO CARVALHO TEIXEIRA ARQUITECTOS, LDA C.R.C.P.Com de GRÂNDOLA BALCÃO ÚNICO PROJECTO DE EXECUÇÃO PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE EM PROJECTO (PSS) (Out. 2009) INSTITUTO DOS REGISTOS E DO NOTARIADO Av. D. João

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO DE AMBIENTE, SEGURANÇA E HIGIENE NA EXECUÇÃO DE OBRAS/PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS/COMPRA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTO

ANEXO REGULAMENTO DE AMBIENTE, SEGURANÇA E HIGIENE NA EXECUÇÃO DE OBRAS/PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS/COMPRA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTO ANEXO REGULAMENTO DE AMBIENTE, SEGURANÇA E HIGIENE NA EXECUÇÃO DE OBRAS/PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS/COMPRA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTO 1. Objetivo do Regulamento O presente Regulamento, em reforço das exigências

Leia mais

Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra

Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra Área de Prática - Imobiliário Julho 2009 Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra A Lei n.º 31/2009, de 03.07.,

Leia mais

DIRECÇÃO DE OBRA SÍNTESE DOS PRINCIPAIS CONCEITOS

DIRECÇÃO DE OBRA SÍNTESE DOS PRINCIPAIS CONCEITOS DIRECÇÃO DE OBRA SÍNTESE DOS PRINCIPAIS CONCEITOS MAIO 2004 J. Amorim Faria 1/29 ÍNDICE Organograma empresa; Organograma obra; Organização do trabalho operário; Principais funções; Gestão de recursos produtivos;

Leia mais

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico 1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico O documento legislativo que estabelece o regime jurídico de enquadramento da segurança, higiene e saúde no trabalho é determinado

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Manuela Mil-Homens Comando Distrital de Operações de Socorro

Leia mais

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE NECESSIDADES DE RECORRER AO TRABALHO TEMPORÁRIO As Empresas de Trabalho

Leia mais

Anexo 3 - Questionário específico - construção

Anexo 3 - Questionário específico - construção Anexo 3 - Questionário específico - construção 85 Empresa: Morada: Localidade: Cód. Postal: Distrito: Telefone: NIF: Código de CAE-Rev. 2/92: Actividade principal da empresa: Categoria da Actividade: Número

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO. (20ª Edição do Curso de Técnico Superior de SHT) PROJECTO INDIVIDUAL. Plano de Segurança e Saúde

PÓS-GRADUAÇÃO SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO. (20ª Edição do Curso de Técnico Superior de SHT) PROJECTO INDIVIDUAL. Plano de Segurança e Saúde PÓS-GRADUAÇÃO EM SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (20ª Edição do Curso de Técnico Superior de SHT) PROJECTO INDIVIDUAL Plano de Segurança e Saúde Fase de Projecto Orientador: Professor Paulo Lima Formando:

Leia mais

SEGURANÇA NA MONTAGEM DE ANDAIMES E ESCORAMENTOS IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO.

SEGURANÇA NA MONTAGEM DE ANDAIMES E ESCORAMENTOS IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO. SEGURANÇA NA MONTAGEM DE ANDAIMES E ESCORAMENTOS IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO. ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 1.1 HISTÓRIA 1.2 ORGANIGRAMA

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE

PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE Folha: 1 / 134 PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE ( FASE DE PROJECTO ) BENEFICIAÇÃO DE ESTRADAS, CAMINHOS E ARRUAMENTOS MUNICIPAIS CARTAXO Folha: 2 / 134 Índice I MEMÓRIA DESCRITIVA 1 Memória Descritiva e Justificativa.

Leia mais

PROCEDIMENTO DE GESTÃO

PROCEDIMENTO DE GESTÃO Página: 1 de 7 ÍNDICE 1. OBJECTIVO 2 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 2 3. DEFINIÇÕES 2 4. REFERÊNCIAS 2 5. RESPONSABILIDADES E MODOS DE PROCEDER 2 5.1. Cuidados em Situação de Emergência 2 5.2. Cuidados de Saúde

Leia mais

Obras de Arte Segurança. Projecto FEUP

Obras de Arte Segurança. Projecto FEUP Projecto FEUP Obras de Arte 2010/2011 0 Projecto FEUP Obras de Arte Civ224 Eva Gomes; Hugo Torres; Pedro Mota; Renato Fonseca; Ricardo Rocha; Rui Antunes. Coordenadora: Ana Vaz Sá Orientador: Miguel Fernandes

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir bases técnicas para a elaboração de Plantas de Emergência, em suporte de papel ou em suporte digital, conforme a legislação

Leia mais

MINISTÉRIO DA SEGURANÇA SOCIAL E DO TRABALHO. N. o 251 29 de Outubro de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 7199. Artigo 20. o

MINISTÉRIO DA SEGURANÇA SOCIAL E DO TRABALHO. N. o 251 29 de Outubro de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 7199. Artigo 20. o N. o 251 29 de Outubro de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 7199 Artigo 20. o Encargos plurianuais Os encargos decorrentes da aplicação deste diploma que tenham reflexo em mais de um ano económico são

Leia mais

ÍNDICE CAPÍTULO 1 PROTEÇÃO COLETIVA ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS 15 INTRODUÇÃO 17

ÍNDICE CAPÍTULO 1 PROTEÇÃO COLETIVA ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS 15 INTRODUÇÃO 17 ÍNDICE ÍNDICE DE SIGLAS E ABREVIATURAS 15 INTRODUÇÃO 17 CAPÍTULO 1 PROTEÇÃO COLETIVA 1. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO CONTRA QUEDAS EM ALTURA 23 1.1. Introdução 23 1.2. Guarda-corpos 25 1.3. Redes de segurança

Leia mais

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores Cenário 1 Alarme de reconhecimento Responsável Bloco faz o reconhecimento Atuação Equipa 1ª Intervenção Alarme Parcial Bloco A Atuação Equipa Evacuação Bloco A Situação Controlada? Sinistro? Sim Não Reposição

Leia mais

Segurança e saúde no trabalho

Segurança e saúde no trabalho Segurança e saúde no trabalho A empresa tem a responsabilidade legal de assegurar que os trabalhadores prestam trabalho em condições que respeitem a sua segurança e a sua saúde. A empresa está obrigada

Leia mais

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Resolução do Conselho 2002/C161/01 Nova Estratégia Comunitária de Saúde e Segurança (2002 2006) Redução dos Acidentes de Trabalho

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA

CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA Regulamento do Processo de Fiscalização das Obras Particulares Sujeitas a Licenciamento Municipal Preâmbulo Estabelece o artigo 24º. do DL 445/91, de 20 Novembro, com a redacção

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Objectivos...2 2 - Legislação aplicável...2 3 - Enquadramento legal...2 3.1 - Limites de fornecimento...2 3.2 - Descrição de encargos...2 3.2.1 - Encargos do adjudicatário...2 3.3 - Encargos

Leia mais

Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C

Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C Designação do estabelecimento: MegaExpansão LDA. Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C 8300-135 Silves Telefone: 282441111 Localização geográfica Sul Estrada Nacional 124 Norte Este

Leia mais

Normas de funcionamento e utilização do Mercado de Sant Ana Centro Cultural 1

Normas de funcionamento e utilização do Mercado de Sant Ana Centro Cultural 1 1 6 Normas de funcionamento e utilização do Mercado de Sant Ana Centro Cultural 1 I Disposições Gerais 1. Objecto O presente regulamento tem por finalidade estabelecer as condições gerais a que ficam sujeitos

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES...

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES... PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 3.1. FASE DE PLANEAMENTO (PRÉ-OBRA)...5 3.2. FASE DE CONSTRUÇÃO...5 3.2.1. Deposição

Leia mais

TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6)

TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6) TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (NÍVEL 6) Objectivos do Curso No final da acção, os formandos deverão ser capazes de: Colaborar na definição da política geral da empresa relativa à

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

projectos de engenharia e fiscalização de obras, lda.

projectos de engenharia e fiscalização de obras, lda. projectos de engenharia e fiscalização de obras, lda. PORTUGAL ARGELIA ANGOLA BARRA4 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 MORADIAS EM BANDA Correia & Nóbrega, Lda Caniço, R. A. Madeira MORADIA UNIFAMILIAR

Leia mais

PROCEDIMENTO DE REALIZAÇÃO MONTAGEM, DESMONTAGEM E MOVIMENTAÇÃO DOS ANDAIMES

PROCEDIMENTO DE REALIZAÇÃO MONTAGEM, DESMONTAGEM E MOVIMENTAÇÃO DOS ANDAIMES MONTAGEM, DESMONTAGEM E MOVIMENTAÇÃO DOS ANDAIMES P.88.03 de 8 REGISTO DE ALTERAÇÕES: Elaborado Verificado Aprovado EDIÇÃO DESCRIÇÃO Representante Permanente do empreiteiro em obra Gestor da Qualidade

Leia mais

Plano de Segurança e Saúde

Plano de Segurança e Saúde BALC O ÚNICO Ã V ILA DO B ISPO IRN - INSTITUTO DOS R EGISTOS E DO N OTARIADO o UTUBRO 2009 Autor do Projecto S. A. AMORIM, arquitectos PSS_09019 PSS Balcão Único Vila do Bispo Índice 1. Introdução --------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Raquel Azevedo Oliveira Almeirante Rua Dr. António Carlos Ferreira Soares, nº25, 2ºesq

Raquel Azevedo Oliveira Almeirante Rua Dr. António Carlos Ferreira Soares, nº25, 2ºesq Curriculum Vitae Informação pessoal Nome Morada Código Postal Correio(s) Electrónico(s) Raquel Azevedo Oliveira Almeirante Rua Dr. António Carlos Ferreira Soares, nº25, 2ºesq 4520 Santa Maria da Feira

Leia mais

Estágio Curricular no âmbito do Curso Licenciatura de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Segurança

Estágio Curricular no âmbito do Curso Licenciatura de Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Segurança 1/10 Índice 1. SEGURANÇA...2 1.1. Domínio de Actuação... 2 1.2. Situações de Emergência... 2 1.3. Prescrições de... 3 1.3.1. Equipamentos de Trabalho (ET)... 3 1.3.2. Equipamentos de Protecção Colectiva

Leia mais

P-Évora: Equipamento de controlo e telemetria 2008/S 132-176072 ANÚNCIO DE CONCURSO. Fornecimentos

P-Évora: Equipamento de controlo e telemetria 2008/S 132-176072 ANÚNCIO DE CONCURSO. Fornecimentos 1/5 P-Évora: Equipamento de controlo e telemetria 2008/S 132-176072 ANÚNCIO DE CONCURSO Fornecimentos SECÇÃO I: ENTIDADE ADJUDICANTE I.1) DESIGNAÇÃO, ENDEREÇOS E PONTOS DE CONTACTO: Águas do Centro Alentejo,

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- ESPECIFICAÇÕES SOBRE AS OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO... 3 3.- PLANO DE PREVENÇÃO

Leia mais

Regulamento Interno Férias Academia 2014. Art.º 1 - Informações Gerais

Regulamento Interno Férias Academia 2014. Art.º 1 - Informações Gerais Regulamento Interno Férias Academia 2014 Art.º 1 - Informações Gerais 1. As Férias Academia decorrem nas instalações da Academia Sporting, em regime fechado; 2. Os campos de férias têm, normalmente, uma

Leia mais

A Gestão da Higiene e Segurança na. Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo EPE

A Gestão da Higiene e Segurança na. Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo EPE A Gestão da Higiene e Segurança na Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo EPE Histórico Janeiro de 2006 Centro Hospitalar do Baixo Alentejo EPE Hospital José Joaquim Fernandes - Beja Hospital São Paulo

Leia mais

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 澳 門 衛 特 別 生 行 政 局 區 政 府 Governo da Região Administrativa de Macau Serviços de Saúde Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 (1.ª Parte) Unidades Privadas de Saúde que

Leia mais

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos Medidas de Prevenção e Protecção Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos 30 - Novembro, 2010 ÍNDICE Introdução - Medidas de Prevenção e Protecção pág.

Leia mais

CICLO DE FORMAÇÕES CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PROJECTO EM CONTROLO E APLICAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS. Em parceria com as empresas/entidades:

CICLO DE FORMAÇÕES CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PROJECTO EM CONTROLO E APLICAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS. Em parceria com as empresas/entidades: CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PROJECTO EM CONTROLO E APLICAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS CICLO DE FORMAÇÕES 2012 Em parceria com as empresas/entidades: c/a participação de formadores da EDP 1 Conteúdo Ciclo de

Leia mais

SGA. Introdução. Qualidade SGA ISO 14001. SGA por Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. Casos. Prática SGA. Introdução.

SGA. Introdução. Qualidade SGA ISO 14001. SGA por Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. Casos. Prática SGA. Introdução. por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Legislação aplicada no âmbito de S.H.S.T. Prescrições mínimas de segurança e saúde sobre os componentes materiais do Trabalho

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

Decreto-Lei n.º 441/91 de 14 de Novembro

Decreto-Lei n.º 441/91 de 14 de Novembro Decreto-Lei n.º 441/91 de 14 de Novembro A realização pessoal e profissional encontra na qualidade de vida do trabalho, particularmente a que é favorecida pelas condições de segurança, higiene e saúde,

Leia mais

Tecnologias Aplicadas

Tecnologias Aplicadas CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Electrónica, Automação e Computadores PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Tecnologias Aplicadas Escolas Proponentes / Autores E P de

Leia mais

MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Paulo Pinto Obrigações legais e metodologias para a sua implementação Conteúdo 2 Medidas de Autoprotecção O que são? Enquadramento legal Responsabilidades Coimas e sanções acessórias

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABERTURA DE CABOUCOS PARA MACIÇOS DE FUNDAÇÃO 2 DESCRIÇÃO A construção dos maciços de fundação para os pórticos e torres metálicas das linhas

Leia mais

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora Pág.1/5 Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos Câmara Municipal de Mora Pág.2/5 Identificação da Entidade Informação da Visita Documento Entidade: Câmara Municipal de Mora Entidade: Segurévora

Leia mais

RESPONSABILIDADE AMBIENTAL

RESPONSABILIDADE AMBIENTAL RESPONSABILIDADE AMBIENTAL AXA Portugal ORDEM DOS ENGENHEIROS - XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de Outubro 2012 Paula Bruto da Costa 1 sumário Enquadramento

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

(Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho

(Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho I SÉRIE N.º 20 B. O. DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 12 DE JULHO DE 2001 (Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho A Lei de Bases de Protecção Civil,

Leia mais

Escola Secundária/3 da Maia Cursos em funcionamento 2009-2010. Técnico de Electrónica, Automação e Comando

Escola Secundária/3 da Maia Cursos em funcionamento 2009-2010. Técnico de Electrónica, Automação e Comando Ensino Secundário Diurno Cursos Profissionais Técnico de Electrónica, Automação e Comando PERFIL DE DESEMPENHO À SAÍDA DO CURSO O Técnico de Electrónica, Automação e Comando é o profissional qualificado

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR 1 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar,

Leia mais

Plano de Curso Normas de Realização GESTÃO E COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇÃO 2ª EDIÇÃO DE FORMAÇÃO AVANÇADA

Plano de Curso Normas de Realização GESTÃO E COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇÃO 2ª EDIÇÃO DE FORMAÇÃO AVANÇADA Plano de Curso Normas de Realização GESTÃO E COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇÃO 2ª EDIÇÃO DE FORMAÇÃO AVANÇADA 1. Enquadramento O exercício das actividades de gestão e coordenação de segurança

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação... 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 4 5.1. Política da Qualidade 4 5.2. Processos de gestão do

Leia mais

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Preâmbulo O novo Regime Jurídico de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Empreendimentos Turísticos, aprovado

Leia mais

GeoMob: Solução de Gestão e Controlo de Bens e Recursos Móveis

GeoMob: Solução de Gestão e Controlo de Bens e Recursos Móveis GeoMob: Solução de Gestão e Controlo de Bens e Recursos Móveis Luis Cabral IDC - Mobility & RFID, CCB 26 de Fevereiro de 2008 1 Miguel Setas GeoMob Gestão de Bens e Recursos Móveis Apresentação divida

Leia mais

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora Pág.1/9 Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos Câmara Municipal de Mora 2010 Pág.2/9 Identificação da Entidade Informação da Visita Documento Entidade: Câmara Municipal de Mora Entidade:

Leia mais

Projecto ApoiarMicro - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO

Projecto ApoiarMicro - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO Regulamento de Funcionamento Preâmbulo Tendo como principal objectivo fomentar o empreendedorismo na Região da Lezíria do Tejo, a NERSANT Associação Empresarial em parceria com a Comunidade Intermunicipal

Leia mais

CIRCULAR N.º 15/2009 REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009)

CIRCULAR N.º 15/2009 REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009) CIRCULAR N.º 15/2009 A Portaria nº 773/2009, de 21 de Julho, que define o procedimento de registo, na Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), das entidades que exercem a actividade de comercialização,

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S).

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho Trabalhador Designado Público-Alvo Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). OBJECTIVOS Formação direccionada para cumprimento da legislação

Leia mais

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n.º 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Maio, relativa à aproximação das legislações dos Estados membros respeitantes ao seguro

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA Entidade Auditada: BIBLIOTECA MUNICIPAL SANTA MARIA DA FEIRA Tipo de Auditoria: Auditoria Interna Data da Auditoria: 09.12.2014 Duração: 1 dia Locais Auditados: Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa / 4520-606

Leia mais

Regime de qualificações nos domínios da construção urbana e do urbanismo Perguntas e respostas sobre a inscrição/renovação da inscrição

Regime de qualificações nos domínios da construção urbana e do urbanismo Perguntas e respostas sobre a inscrição/renovação da inscrição Regime de qualificações nos domínios da construção urbana e do urbanismo Perguntas e respostas sobre a inscrição/renovação da inscrição 1. Quais as instruções a seguir pelos técnicos que pretendam exercer

Leia mais

A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um

A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um CARTA DA QUALIDADE DA HABITAÇÃO COOPERATIVA Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um instrumento de promoção, afirmação e divulgação, junto

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO Introdução No actual quadro legislativo (Lei 7/2009 Código do Trabalho) e (Lei 102/2009 Regime jurídico da promoção da segurança e saúde

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A.

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2010 ÍNDICE

Leia mais

Novo Regime de Licenciamento dos Estabelecimentos de Restauração ou Bebidas

Novo Regime de Licenciamento dos Estabelecimentos de Restauração ou Bebidas dos Estabelecimentos de Restauração ou Bebidas DECRETO-LEI N.º 234/2007, DE 19 DE JUNHO ( ENTROU EM VIGOR EM 19 DE JULHO DE 2007 ) 1 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES 1 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES a) Ao nível das competências

Leia mais

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVIII Plano de Emergência um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS 1. bjectivo presente documento tem como objectivo definir o esquema de acreditação para a Certificação do Serviço proporcionado pelas várias Respostas Sociais, tendo em conta os Modelos de Avaliação da

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE Proposta de Regulamento do Serviço Municipal de Protecção Civil do Concelho da Ribeira Grande Preâmbulo Atendendo que: A Protecção Civil é, nos termos da Lei de Bases

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DEPENDENTES DA DGPC ACORDO INSTITUIÇÃO / VOLUNTÁRIO (MINUTA) VOLUNTARIADO NOS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DA DGPC Acordo de Voluntariado

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA DO PORTO

MUNICÍPIO DE VILA DO PORTO REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Nota justificativa O Decreto Lei nº 167/97, de 4 de Julho, aprovou o regime jurídico de instalação e do funcionamento dos empreendimentos

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO PESO DA RÉGUA Modalidade Alargada Divulgar os Direitos da Criança na Comunidade OBJECTIVOS ACÇÕES RECURSOS HUMANOS DA CPCJ RECURSOS

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais