FORUM DE ÁGUAS DAS AMÉRICAS INFORME DA SUBREGIÃO AMÉRICA DO NORTE. Preparado para o BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO. Por. César Herrera Toledo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORUM DE ÁGUAS DAS AMÉRICAS INFORME DA SUBREGIÃO AMÉRICA DO NORTE. Preparado para o BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO. Por. César Herrera Toledo"

Transcrição

1 FORUM DE ÁGUAS DAS AMÉRICAS INFORME DA SUBREGIÃO AMÉRICA DO NORTE Preparado para o BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO Por César Herrera Toledo Consultor ARC para América do Norte NOVEMBRO 2008

2 2

3 ÍNDICE I. DOCUMENTO BASE I.1 Características da sub-região Aspectos geográficos e socioeconômicos Recursos Hídricos Usos da Água Trocas de Água na Sub-região Fornecimento de água e serviços de saneamento Características por país MÉXICO ESTADOS UNIDOS CANADÁ I. 2 Principais partes interessadas nas políticas e na gestão dos recursos hídricos Partes interessadas internacionais e sub-regionais Partes interessadas locais MÉXICO ESTADOS UNIDOS CANADÁ II. DOCUMENTO DE ESTABELECIMENTO DE POLÍTICAS II.1 Desafios da água da sub-região Aspectos da Água A economia da sub-região frente à globalização Fatores demográficos e urbanos II.2 Os progressos alcançados na sub-região Gestão integrada dos recursos hídricos Disponibilidade de água e as secas Os impactos dos ciclones tropicais Água e saneamento Estudo de caso das bacias hidrográficas transfronteiriças II.3 Medidas políticas e institucionais e opções para enfrentar os desafios da água na subregião Mudanças globais e controle de risco Em direção ao desenvolvimento humano e os ODM Gerenciando e protegendo os recursos hídricos e os sistemas de fornecimento para atender às necessidades humanas e ambientais. Governança e gestão Finanças Educação, conhecimento e desenvolvimento de habilidades 3

4 I. DOCUMENTO BASE I.1 Características da sub-região Aspectos geográficos e socioeconômicos A sub-região da América do Norte compreende o Canadá, os Estados Unidos e o México. Está localizada ao norte do paralelo 14, que abrange regiões de clima tropical, temperado e áreas polares, se espalha sobre uma superfície de 21,6 milhões de km 2 (8,3 milhões de mi 2 ), que representam 53% da região das Américas e aproximadamente 15% da superfície do planeta. Os 349 milhões de habitantes perfazem 49% do total da população da região e geram 86% do PIB da região. A população da sub-região representa 5% da população mundial. A Tabela abaixo apresenta os principais dados geográficos e socioeconômicos da sub-região: Tabela Principais dados geográficos e socioeconômicos País População total 2005 (000 s habitantes) População rural 2005 (000 s) População urbana 2005 (000 s) Área total (000 s km 2 ) PIB - Produto Interno Bruto 2007 (000 s K USD) PIB per capita (USD) 2007 Índice de desenvolvimento humano 2005 (Índice habitacional) Canadá ,961 EUA ,951 México ,829 Total da subregião Fonte: FAO Aquastat, PNUD, UNSD & FMI. O clima é tropical úmido na parte sul do México; seco e semi-árido principalmente na parte ocidental das Montanhas Rochosas nos Estados Unidos, nas partes norte e nordeste do México e uma pequena parte ao sul do Canadá e, por fim, subártico e de tundra na maior parte do território canadense. Oitenta por cento da população da sub-região é urbana. Aproximadamente 84 milhões de pessoas, representando um quinto da população urbana da sub-região vivem nas regiões metropolitanas (áreas conurbadas) de Nova Iorque, Cidade do México, Los Angeles, Chicago e Toronto. A taxa de crescimento da população foi inferior a 1% nos últimos 30 anos nos Estados Unidos e Canadá. No México, diminuiu drasticamente de 3,4% na década de 60 para 1,02% entre 2000 e A sub-região inclui três das maiores economias mundiais. Com base no PIB, os Estados Unidos estão posicionados em primeiro lugar, o Canadá em décimo e o México em décimo quinto. Eles têm os primeiro, segundo e quarto lugares respectivamente (o Brasil está na terceira posição) na região. Os três países da sub-região apresentam um elevado índice de desenvolvimento humano e estão entre os 10 mais altos da região. Mesmo assim, há diferenças econômicas notórias entre os dois países industrializados do norte e o México, considerado um país em desenvolvimento. No México, existe um elevado contraste socioeconômico entre as regiões central, norte e nordeste e região meridional do país, bem como uma grande concentração de atividade econômica em torno da área da Cidade do México. A concentração do PIB nacional na Cidade do México (Distrito Federal) é de 21,8%; portanto, o PIB per capita nessa área é de USD, quase três vezes a média nacional. 4

5 Recursos Hídricos Apesar de 86% do PIB das Américas serem gerados na sub-região, esta só responde por 26% dos seus recursos hídricos renováveis. A média anual de precipitação na sub-região é 637 milímetros (25,0787 polegadas) por ano e esses números escondem a existência de elevadas variações nas diferentes latitudes e longitudes, compreendendo as regiões áridas e semi-áridas no oeste dos Estados Unidos e no norte do México, com uma média de precipitação inferior a 300 milímetros (11,8110 polegadas) por ano; as florestas tropicais na área meridional, na região sudeste do México, onde a precipitação atinge mais de 2000 milímetros (78,7402 polegadas) por ano. O escoamento superficial e a recarga de aqüíferos na sub-região derivados de precipitações produzem km 3 /ano de disponibilidade de água renovável, que dividida entre os habitantes é equivalente a um valor anual de m 3 (517006,72 ft³) per capita, quase o dobro da disponibilidade média mundial. Em contraste, a disponibilidade hídrica renovável per capita no Canadá é quase nove vezes superior ao valor dos Estados Unidos e vinte vezes inferior ao do México. É importante deixar claro que a disponibilidade total de água renovável representada, em milímetros é muito semelhante nos três países; porém, devido às grandes diferenças de densidade populacional, começando com 3 habitantes no Canadá e chegando a até 54 habitantes por quilômetro quadrado no México, a disponibilidade per capita varia muito. Esses fatores são mostrados na tabela abaixo: Tabela Recursos Hídricos País Média de precipitação (mm/ano) Disponibilidade total (km 3 /ano) Disponibilidade per capita (m 3 /hab./ano) Disponibilidade total expressa em mm Densidade populacional (hab./km 2 ) Canadá EUA México Sub-região Total Fonte: Environment Canada 2005, USGS 2000 & CONAGUA 2007 Os valores médios nos níveis da sub-região e do país ocultam as grandes diferenças internas em cada país. Nos Estados Unidos, existe um contraste particular na parte oriental do rio Mississipi com sua umidade, e suas extensas áreas áridas e semi-áridas na parte ocidental. No México, o contraste reside no norte e no nordeste, com predomínio árido e semi-árido e no sudeste tropical. No Canadá, 85% da população estão concentradas ao Sul, a menos de 300 km (186,41 mi) da fronteira com os Estados Unidos, enquanto 60% da água doce renovável escoa para o norte. Devido ao fato de que o México está localizado principalmente no trópico, sofre alta variabilidade climática entre a estação chuvosa no verão e a estação seca, donde 67% das precipitações ocorrem entre julho e setembro. Além dos recursos hídricos renováveis, em especial no Canadá e nos Estados Unidos, existem importantes reservatórios de água armazenada principalmente na região dos Grandes Lagos, os maiores do mundo, nos quais estão km 3 de água, aproximadamente 20% da água doce do mundo. A velocidade de renovação da água é tão lenta que a água no Lago Superior leva 191 anos para se renovar. A proteção da qualidade da água destes frágeis recursos hídricos é de grande importância para a subregião, uma vez que será necessário muito tempo para reverter qualquer eventual poluição. A bacia dos Grandes Lagos é de grande relevância porque 30,7 milhões de americanos e 8,5 milhões de canadenses 5

6 vivem lá, além de ser um centro comercial, industrial e de geração de energia hidrelétrica muito importante. As notáveis regiões litorâneas da sub-região têm quilômetros ( milhas). A proteção destes frágeis recursos costeiros é de grande relevância, pois estas áreas vão apresentar alta taxa de desenvolvimento populacional, principalmente nos Estados Unidos e no Caribe (Cancun e Quintana Roo). Existem várias bacias hidrográficas transfronteiriças na sub-região. O Canadá e os Estados Unidos partilham os Grandes Lagos. Ambos os países assinaram acordos para a preservação da qualidade da água. Os Estados Unidos e o México partilham as bacias hidrográficas Bravo e Colorado, bem como a do pequeno Rio Tijuana. Existe um acordo entre ambos os países para a distribuição de água destas bacias hidrográficas. Usos da água A retirada de água doce anual para uso em outros locais na sub-região é de 606 km 3, o que representa apenas 9% de sua disponibilidade total. A retirada da água para uso em outros locais na região é de 76% do volume total de água retirada em toda a região das Américas. O principal uso de água em outros locais na região é para a agricultura (43%), seguido pelas termoelétricas (37%), em grande parte refere-se à utilização da água para resfriamento nas usinas centrais núcleo-elétricas, abastecimento público (13%) e, finalmente, para uso industrial (6%). É importante frisar que 84% da área irrigada nas Américas estão localizadas na sub-região, uma vez que os Estados Unidos têm a terceira maior quantidade de áreas irrigadas do mundo e o México tem a sexta. A área irrigada de ambos os países é de 27 milhões de hectares. ( acres) Quadro 1.3 Água para uso em outros locais País Retirada da água para uso agrícola (km 3 /ano) Retirada de água para abastecimento público (km 3 /ano) Retirada de água para uso industrial (km 3 /ano) Retirada de água para uso termoelétrico (km 3 /ano) Retirada total de água (km 3 /ano) Canadá 4,8 5,7 7,8 32,1 50,3 Estados Unidos 19,7 64,8 28,3 187,0 476,8 México 6,6 11,2 3,1 4,1 79,0 Sub-região Total 26,1 81,6 39,2 223,2 606,1 Fonte: Environment Canada 2005, USGS 2000 & CONAGUA 2007 A informação anterior, em nível de sub-região, contrasta com o que ocorre no sudeste dos Estados Unidos e nordeste do México (áreas áridas e semi-áridas). Nesta área, a precipitação é inferior a 500 mm (19,68 polegadas) por ano e o setor agrícola usa mais de 80% das águas retiradas para uso em outros locais. A retirada de água para outros locais nesta área supera 50% da disponibilidade hídrica e, portanto, se considera que os recursos hídricos nesta região estão em situação crítica. A retirada maior do que a reposição nos aqüíferos é um grande problema na área. Os casos mais graves são no aqüífero Ogallala nos Estados Unidos, bem como em vários aqüíferos no norte do México. A retirada da água para uso em centrais hidrelétricas é de grande relevância para a sub-região, particularmente no Canadá, onde quase 60% da energia elétrica vêm dessa fonte. Nos Estados Unidos essa proporção é menor, contudo, a produção total de energia hidrelétrica se iguala à produção do Canadá, como mostra a tabela a seguir: 6

7 Tabela 1.4 Produção de Energia Elétrica País Produção total de Energia elétrica (TWh / ano) Hidroeletricidade (TWh / ano) Porcentagem hidroelétrica do total de energia no país Canadá % Estados Unidos % México % Total % Fonte: Environment Canada, o DOE, CFE. Os Estados Unidos, o Canadá e o México estão entre os 9 países que possuem a maior capacidade de armazenamento em represas do mundo, com km 3. Eles estão entre os países com maior número de grandes barragens grandes: Fornecimento de água e serviços de saneamento No Canadá e nos Estados Unidos o abastecimento de água e os serviços de saneamento básico são praticamente universais; no entanto, no México 87,1% dos habitantes têm acesso a abastecimento de água e 67,6% tem acesso à rede de esgotos. A situação da área rural mexicana é ainda pior, uma vez que apenas 66,6% da população têm acesso ao serviço de abastecimento de água e 19,4% à rede de esgotos. A proporção per capita ligada a uma rede de tratamento de águas residuais no Canadá e nos Estados Unidos é superior a 75%, enquanto no México não chega a 36%. Trocas de Água na Sub-região Os Estados Unidos troca água com o Canadá e o México. No caso do México, cerca de 2 km 3 por ano; com o Canadá é de aproximadamente 0,5 km 3 por ano em fluxos físicos de águas que ocorrem nas bacias hidrográficas transfronteiriças. Por outro lado, a exportação anual de água nos Estados Unidos é de aproximadamente 229 km 3 de água virtual contidos nos produtos agrícolas e industriais exportados, enquanto a quantidade importada é de 176 km 3. O Canadá exporta 95 km 3 as e importa 50 km 3 de água virtual. O México exporta 21 km 3 e importa 50 km 3 anualmente. O comércio virtual de água ocorre do Canadá aos Estados Unidos, Japão e China e dos Estados Unidos para o Japão, México e China. Os Estados Unidos são o maior exportador de água virtual do mundo, seguidos pelo Canadá. Características por país MÉXICO Dois terços do país são áreas áridas e semi-áridas, localizadas em duas regiões principais: a central e o norte e nordeste, onde 87% do PIB e 31% da disponibilidade hídrica renovável são concentradas, e da região sudeste, onde 13% do PIB e 69% de escoamento estão concentrados. Além disso, devido ao fato de estar localizada perto do trópico, a maior parte das precipitações é concentrada no verão, entre julho e setembro, mas o tipo torrencial a torna de difícil aproveitamento. No México, 77% da água são utilizadas para agricultura, principalmente para quase 6 milhões de hectares, colocando o país em sexto lugar no mundo com a sua infra-estrutura de irrigação superficial. 7

8 Aproximadamente 37% da água utilizada no país são provenientes de aqüíferos subterrâneos. Atualmente, 104 das 653 unidades hidrogeológicas espalhadas pelo país são super exploradas. Apenas 87,1% da população do país têm acesso ao serviço de abastecimento de água e 67,6% ao serviço de esgotos. No sudeste, a percentagem de habitantes com fornecimento de água é de 40,8%, enquanto apenas 38,7% têm acesso a saneamento básico. Tem havido um crescimento significativo da população durante as últimas décadas, no norte do país, especialmente perto da fronteira com os Estados Unidos, causando um aumento de pressão sobre os recursos desta região. Além disso, uma maior competição entre uso agrícola e abastecimento público tem sido causada devido ao crescimento das áreas urbanas. Assim, as principais cidades do país necessitarão da construção de aquedutos para levar água a partir de uma distância maior, aumentando significativamente os custos. Existe uma utilização diária de 289 litros (76,33 galões) per capita do serviço de abastecimento de água, uma quantidade menor comparada à quantidade utilizada no Canadá e nos Estados Unidos. Mesmo assim, uma grande parte dessa água (40%) é perdida em vazamentos nas redes de água. Apenas 36% das águas residuais municipais recolhidas recebem algum tipo de tratamento, portanto, um grande número de corpos de água está contaminado. Pelo menos um grande furacão (3-5 na escala Saffir-Simpson), alcança a região costeira a cada dois anos, afetando principalmente o sudeste. ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Existem duas grandes áreas nos Estados Unidos, uma úmida, localizada a leste do rio Mississipi, com milímetros (44,0945 polegadas) de precipitação anual, e outra, uma grande área árida e semiárida a oeste. Nos estados da Califórnia, Arizona, Nevada, Utah, Colorado e Novo México, que estão a oeste das Montanhas Rochosas, a precipitação é de apenas 460 milímetros por ano. Quarenta e um por cento da água utilizada no país são para agricultura, 39% para resfriamento de usinas termoelétricas, 14% para o abastecimento público e os 6% restantes para fins industriais. Embora a taxa de crescimento populacional tenha aumentado em 13% de 1990 a 2000, a quantidade total de água doce utilizada no país para uso em outros locais se manteve inalterada, o que reflete uma utilização mais racional da água. Com referência à irrigação, em 1990, foi aplicada uma média de 0,81 m (2,66 ft) de lâmina de irrigação, enquanto que em 2000 foi de 0,76 m (2,49 ft). Há uma utilização média diária de 556 litros (146,85 galões) per capita de água nas cidades, um dos volumes mais elevados do mundo, o que significa que existe uma grande oportunidade para reduzir a demanda de água nas cidades. Nos Estados do Oeste, a proporção de água utilizada na agricultura chega a 83%. Há uma grande competência no uso da água para agricultura e no fornecimento urbano nesta região. Os problemas de poluição das águas, principalmente devido aos produtos químicos tóxicos, persistem em grande parte do país, impedindo o seu uso para banho e pesca. A qualidade da água ao longo do litoral, especialmente no Golfo do México e no nordeste está abaixo dos limites de qualidade estabelecidos pelas normas regulamentares. CANADÁ O Canadá tem uma elevada disponibilidade de água doce renovável per capita, especialmente porque é um país com uma grande extensão territorial e baixo nível populacional. O Canadá ocupa 7% da superfície mundial, que é habitada por somente 0,45% da população mundial. Neste país estão 7% da 8

9 água doce mundial renovável (escoamento superficial e recarga da precipitação), colocando-o em quarto lugar atrás do Brasil, Rússia e os Estados Unidos. Vinte por cento do total dos recursos mundiais de água doce (não renovável por precipitação) estão localizados no Canadá, incluindo os Grandes Lagos, as geleiras e os pólos. O Canadá é o segundo maior produtor hidrelétrico do mundo (cerca de 350 TWh / ano), depois da China. Cerca de 60% da energia elétrica provém de centrais hidrelétricas. Também é o país com mais transferências entre bacias do mundo, como os 8 km 3 /ano de transferência de água entre as bacias do Lago Erie para o Lago Ontário, bem como as utilizadas no Lago Superior para compensar o nível, devido às retiradas para o abastecimento de água em Chicago. O país tem represas com a maior capacidade de armazenamento do mundo (cerca de 857 km 3 ). Um exemplo é a represa é Daniel Johnson (capacidade de 142 km 3 ), em Quebec, cuja capacidade é igual à de todas as barragens no México. A média de consumo per capita é 763 litros (201,52 galões) de água, um dos mais altos do mundo, e por tanto, da mesma forma que os Estados Unidos, existe uma grande oportunidade para que se faça um uso doméstico racional. Apesar da qualidade da água no Canadá ser em geral muito boa, existem alguns problemas derivados da pressão de atividades humanas, principalmente na parte meridional do país, particularmente na região dos Grandes Lagos, onde, juntamente com os Estados Unidos, tem sido viável reduzir significativamente a poluição nesses corpos de água. I.2 Política principal e as partes interessadas na gestão dos recursos hídricos Partes interessadas sub-regionais e internacionais Os três países da sub-região são federações estaduais ou provinciais, onde as responsabilidades relacionadas à água são distribuídas entre as instituições federais e os estados ou províncias, incluindo os municípios, condados ou cidades. O fornecimento de água potável, de serviços de esgotos e de saneamento é responsabilidade das autoridades locais nos três países. Os estados ou províncias desempenham um papel importante na regulamentação da prestação desses serviços. Nos Estados Unidos e no Canadá, a gestão nos aqüíferos e bacias hidrográficas é um assunto do estado ou da província. A legislação de cada país é diferente e variada. No caso do México, a autoridade responsável pela gestão da água é o Governo Federal. O nível federal é responsável pela concessão de autorizações para a utilização da água e de licenças para descargas. Em um nível sub-regional e derivado do Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (NAFTA), os três países fundaram em 1994 a Comissão para a Cooperação Ambiental (CEC), em conformidade com o Acordo Norte-Americano sobre Cooperação Ambiental (NAAEC). A finalidade desta organização internacional é tratar questões ambientais de interesse mútuo, para contribuir na prevenção de possíveis conflitos ambientais derivados da relação comercial e promover a execução efetiva da legislação ambiental. O acordo complementa as disposições ambientais do NAAEC. A gestão compartilhada dos recursos hídricos ao longo das fronteiras dos Estados Unidos e do Canadá ocorre no âmbito do Tratado das Águas Fronteiriças de Alguns outros tratados, convenções e acordos relacionados com regiões específicas, foram aprovados, como o Tratado do Rio Columbia (1961) e o segundo Acordo de Qualidade da Água dos Grandes Lagos (1978). A Comissão Mista Internacional (International Joint Commission - IJC) foi instituída no âmbito do Tratado das Águas Fronteiriças de 1909 para abordar questões ligadas às águas compartilhadas dos 9

10 EUA-Canadá. Inicialmente, o IJC foi responsável pela aprovação dos usos, obstáculos e desvios das águas transfronteiriças e fronteiriças entre os dois países, bem como a pesquisa e a elaboração de recomendações sobre questões emergentes ao longo da fronteira, que pode dar início a disputas bilaterais. Desde o início em 1992, a jurisdição e a função do IJC vêm sendo fortalecidas através de tratados, acordos e protocolos. Com a criação de vários conselhos internacionais para os acordos sobre poluição nos anos 1960 e do Acordo de Qualidade da Água dos Grandes Lagos de 1972,os níveis de fluxo e a regulamentação da qualidade da água passou a ser um assunto de preocupação comum. Nos casos do México e dos Estados Unidos, o núcleo central da estrutura jurídica para a gestão transfronteiriça da água é estabelecido pelo Tratado Internacional de Água de Este tratado levou à criação da Comissão Internacional sobre Limites e Água (IBWC), que mantém trabalhos em conjunto e apóia a resolução de questões binacionais para a distribuição de águas entre os dois países, dos Rios Bravo/Grande e do Rio Colorado. A Comissão para Cooperação Ambiental (BECC) e o Banco Norte-Americano de Desenvolvimento (NADB) foram fundados em 1993 com a finalidade de abordar as questões ambientais na região fronteiriça, derivadas do esperado dinamismo do Acordo de Livre Comércio entre México e Estados Unidos. O âmbito da autoridade destas organizações é de 100 km ao norte da fronteira até 300 km ao sul. Além dos acordos entre os governos, diversas associações profissionais dos três países assinaram acordos de trabalho em conjunto para questões ligadas à água. Por exemplo, em 1999, a Associação Americana das Empresas de Água (AWWA) e a Associação Canadense das Empresas de Água (CWWA) assinaram um acordo de trabalho conjunto. Em 2007 a Associação Nacional de Empresas de Água e Saneamento (ANEAS - National Association of Water and Sanitation Utilities) assinou um acordo de cooperação com AWWA para partilhar idéias e informações para promover água potável segura. A Federação Ambiental da Água (WEF - Water Environmental Federation) com base nos Estados Unidos reúne várias associações do México, Canadá e dos Estados Unidos. Partes interessadas nos locais MÉXICO No México, a responsabilidade dos serviços hídricos foi transferida do governo federal para os municípios desde o início da década de Em 1999 foi acrescida a responsabilidade pelo sistema de serviços de esgotos e tratamento de águas residuais. Uma série de limitações técnicas, administrativas e financeiras impediu os municípios de cumprirem satisfatoriamente seus trabalhos. Foram criadas Comissões Estaduais para apoiar os trabalhos dos municípios. Leis estaduais reforçam a Comissão Estadual de Água e Saneamento para coordenar e regular a oferta de água potável no interior de cada Estado, oferecer apoio técnico e financeiro para os fornecedores de serviços de água municipais e intermunicipais, bem como para assumir a prestação do serviço mediante solicitação do município nas localidades onde este não pode fazê-lo. Organizações estatais relacionadas à água são agencias administrativas descentralizadas. Todos os recursos hídricos no México estão sob jurisdição nacional e são administrados pelo Governo Federal. Desde 1989, a Comissão Nacional da Água (CONAGUA - National Water Commission), uma agência administrativa descentralizada, reúne todas as autoridades nacionais relacionadas à água, consolidada pela Lei de Águas Nacionais, promulgada em A CONAGUA também apóia a infraestrutura hidráulica no país, principalmente com os programas de infra-estrutura para água potável, saneamento, irrigação e controle de enchentes. 10

11 Com o objetivo de alcançar um sistema integrado de gestão descentralizada da água as agências das bacias hidrográficas foram criadas em cada uma das administrações hidrológicas no país. Essas agências são responsáveis pela execução das questões relacionadas à água em sua região. Com a fundação da CONAGUA em 1989, iniciou-se um processo de transferência, dos distritos de Irrigação, administrados pelo Governo Federal, para a Associação de Usuários de Irrigação. Quase todos os distritos de irrigação foram transferidos para os usuários. A Associação Nacional de Usuários de Irrigação foi fundada em 1994 para representar os melhores interesses das associações de usuários nas negociações com o Governo Federal. Em 1986 foi criado o Instituto Mexicano de Tecnologia da Água (IMTA - Mexican Institute of Water Technology), uma organização pública autônoma e coordenada pelo Ministério do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (SEMARNAT - Ministry of Environment and Natural Resources), com o objetivo principal de pesquisa, desenvolvimento, adaptação e transferência de tecnologia. A CONAGUA trabalha em conjunto com a Comissão Federal para Proteção contra Riscos Sanitários (COFEPRIS - Federal Commission for the Protection Against Sanitation Risks), e com o Departamento de Saúde para proteger a população contra os riscos de beber e usar água contaminada. A Agência Federal de Proteção Ambiental (PROFEPA - Federal Agency of Environmental Protection) foi fundada em É responsável pela vigilância e avaliação do cumprimento das leis federais mexicanas aplicáveis para prevenir e controlar a poluição ambiental, a restauração dos recursos naturais, bem como a preservação e proteção dos recursos florestais, da vida selvagem, das colônias marinhas, dos mamíferos e das espécies aquáticas em risco, entre outras responsabilidades. Os Conselhos de Bacias Hidrográficas (CC - Basin Councils) foram criados através da Lei Nacional das Águas, nos quais participam representantes dos usuários, governos estaduais e municipais e o Governo Federal. Esses conselhos são instituições de coordenação e acordos, apoio e assessoria ao CONAGUA e às organizações das bacias hidrográficas. Existem também as agências de apoio, como as Comissões de Bacias Hidrográficas e Comitês de Bacias Hidrográficas, bem como os Comitês Técnicos de Águas Subterrâneas (COTAS - Technical Groundwater Commitees). O Conselho Consultivo de Água (CCA - The Water Advisory Council) foi fundado em 2000, é um órgão consultivo independente integrado por representantes do setor privado e da comunidade, acadêmicos e especialistas no assunto. Foi incluído em 2004 na reforma da Lei Nacional de Águas como consultor do governo federal. A Associação Nacional de Empresas de Água e Saneamento (ANEAS) foi fundada em 1992, para reunir os serviços e tratamento de águas e para apoiar a eficiência e o desempenho na prestação desses serviços. Os Estados Unidos da América A principal responsabilidade em nível municipal é o abastecimento de água potável, e o fornecimento de serviços de esgotos e tratamento de águas residuais. A legislação sobre água é diferente em cada estado. Há diferenças particularmente grandes entre os estados do leste e oeste. Cada estado tem sua própria estrutura organizacional para tratar problemas relacionados à água. Em muitos estados uma agência ambiental ou de recursos naturais é responsável pelo abastecimento de água e pela regulamentação da qualidade, outra é responsável pela parte recreativa, uma agência de vida selvagem responde pela vida aquática e uma agência de desenvolvimento econômico é responsável pela regulamentação da construção de barragens. As agências federais têm uma jurisdição diferente em cada estado. Por exemplo, em apenas 12 estados a Agência de Proteção Ambiental (EPA - Environmental Protection Agency) administra as licenças para as descargas para a rede nacional, em 18 Estados, o Corpo de Engenheiros do Exército dos Estados Unidos 11

12 (ESACE - United States Army Corps of Engineers) gerencia as licenças relacionadas às áreas úmidas, e em outros estados trabalha junto com os governos locais. No plano federal, existem diversas instituições com responsabilidades relacionadas à água. Em alguns casos, a distribuição de responsabilidades é baseada nos limites geográficos, em outros isso de dá por temas. Por exemplo, a Agência de Reclamações do Ministério do Interior dos Estados Unidos (US Bureau of Reclamation of the Interior Department) é restrita à parte ocidental dos Estados Unidos. Os departamentos estaduais encarregados da gestão da água incluem os Ministério da Agricultura, do Comércio, da Defesa, da Energia, do Interior, de Estado, bem como outras agências federais, como a Agência de Proteção Ambiental e da Autoridade do Vale de Tennessee. As responsabilidades relacionadas com a água de diversas agências federais são mostradas na Tabela abaixo: Tabela 2.1. Responsabilidade das agências federais em relação à água Responsabilidades Relacionadas à água Ministério de agricultura Agências de Serviços agrícolas e de Gado Serviços Florestais Serviços de Conservação de Recursos Naturais Serviço de Pesquisa Agrícola Ministério do Comércio Serviço Nacional de Pesca Marinha Serviço Nacional Oceânico e Atmosférico Ministério de Defesa Corpo de Engenheiros do Exercito Norte Americano Ministério de Energia Comissão Federal Regulatória de Energia Ministério do Interior Escritório de Gerenciamento da Terra Escritório de Reclamações Departamento de Serviços de Peixes e Vida Selvagem Serviço Geológico Norte Americano Serviço do Parque Nacional Escritório de Assuntos Indígenas Ministério do Estado Comissões Internacionais de Fronteiras e Água Outras Agências Federais Agência de Proteção Ambiental Autoridade do Vale de Tennessee Departamento de Energia, Administração de Energia de Bonneville Agencia Federal de Gerenciamento de Emergência Fornecimento de água Gerenciamento de risco de inundação Qualidade da água Controle de erosão e sedimentos Diversidade e restauração ecológica Políticas de precipitação Pesca Vida Selvagem Preservação Recreação Navegação Poder hídrico Informação de pesquisa e análise Áreas úmidas Oceanos e estuários Mostra responsabilidade significativa Mostra certo grau de responsabilidade compartilhado FONTE: National Research Council.- Novas Estratégias para Bacias Hidrográficas da América O Corpo de Engenheiros do Exército dos Estados Unidos (ESACE) tem realizado desde 1779 um excelente trabalho de controle de prejuízos causados por inundações e em obras públicas. Atualmente, a ESACE concede autorizações para a construção de hidrovias, constrói barragens e obras de proteção 12

13 contra inundações, desenvolve projetos de abastecimento de água potável, constrói áreas de recreação, e trabalha na melhoria da qualidade da água e proteção dos lagos e regiões costeiras. A Agência de Reclamações (USBR - The Bureau of Reclamation), criado em 1902, é responsável pelo desenvolvimento e pela gestão dos recursos hídricos e energéticos do oeste dos Estados Unidos. A USBR gera projetos de controle de inundação, regulação do fluxo do volume dos rios, áreas de recreação, peixes e fauna selvagem e a melhoria da qualidade da água. AUSBR constrói e opera as barragens e projetos hidrelétricos e gerencia recursos naturais e aquáticos envolvidos em tais projetos. Além disso, gerencia projetos de tratamento de esgotos e de irrigação. Também ajuda os governos estaduais e locais no desenvolvimento de projetos sobre conservação de água, energia, meio ambiente e qualidade da água. A Agência de Proteção Ambiental (EPA- Environmental Protection Agency) foi criada em 1970 a partir de uma reestruturação administrativa. Assim, os componentes da nova agência foram agrupados a partir de diversos programas de outros ministérios, como os ministérios do Interior, da Agricultura, da Saúde, da Educação, da Previdência Social e do Departamento de Energia Atômica. A EPA foi criada para fazer cumprir a Lei da Água Limpa e do ar puro, entre outros. Tem a principal responsabilidade pela definição e execução dos padrões nacionais sob uma variedade de leis ambientais e de concessão de subsídios. O Serviço de Análises Geológicas dos Estados Unidos (USGS - The United States Geological Survey), do Ministério do Interior, é a agência responsável pela integração de dados e realiza pesquisas utilizadas no gerenciamento da água e das questões ambientais. A Administração Nacional de Oceanos e da Atmosfera (NOAA - National Oceanic and Atmospheric Administration) responsável por descrever, monitorar e prognosticar as condições da atmosfera, dos oceanos, do sol e do espaço, entre outras tarefas. As informações provenientes destas instituições são de grande relevância para o México. Entre as organizações profissionais estão a Sociedade Americana de Engenheiros Civis (ASCE - American Society of Civil Engineers), fundada em 1852, a Associação Americana das Empresas de Água (AWWA - American Water Works Association), criada em 1881 para compartilhar informações sobre obras de gestão da água, a Federação Ambiental de Água (WEF - Water Environment Federation), fundada em Sua visão é de preservar e valorizar o ambiente hídrico mundial, afiliando um grande número de profissionais relacionados à qualidade da água. Estas associações, através de recursos e esforços conjuntos, perseguem da garantia de infra-estrutura hídrica, tratamento de águas residuais e de escoamento pluvial. A Associação de Recursos Hídricos dos Estados Unidos (AWRA - America Water Resources Association) recentemente desempenhou um papel fundamental na busca de melhor integração das políticas da água no país. CANADÁ Da mesma forma que no México e nos Estados Unidos, no Canadá os municípios, governados pela legislação das províncias, são responsáveis pelo serviço de provisão, esgotamento e tratamento da água. As províncias são responsáveis, dentro de suas fronteiras, pela concessão de autorizações para a utilização da água, pelo controle da poluição, pela regulação hidrológica, pelo desenvolvimento de energia elétrica, bem como pela provisão de serviços de água e saneamento. As águas dentro dos limites territoriais da província estão sob a sua jurisdição; os parques nacionais, reservatórios nacionais e as águas transfronteiriças estão sob jurisdição do governo federal. Para uma melhor compreensão do papel do governo federal na gestão da água no Canadá, é importante ter um entendimento prévio dos interesses e dos mandatos dos departamentos envolvidos nos estabelecimentos dos programas. O governo federal tem mais de 20 departamentos e agências com 13

14 responsabilidades exclusivas pela água limpa. O principal desafio é assegurar que estas responsabilidades sejam desenvolvidas e utilizadas em colaboração. A Meio Ambiente Canadá (Environment Canada) trabalha em estreita colaboração com outros departamentos federais desenvolvendo uma estratégia para resolver questões nacionais importantes sobre questões referentes à água limpa. A legislação, administrada pela Meio Ambiente Canadá, inclui as seguintes atividades relacionadas à água: Lei Canadense de Água contendo as previsões para orientação formal e acordos com as províncias. Lei Internacional dos Rios, que concede autorizações para atividades que poderiam alterar as entradas para os Estados Unidos. Lei do Departamento de Meio Ambiente que designa a liderança da gestão da água ao Ministério do Meio Ambiente. Também é relevante o trabalho da Associação Canadense de Água e Águas Residuais (CWWA- Canadian Water and Wastewater Association), criada em 1986, que reúne os fornecedores municipais antes das agencias interprovinciais e federais. Recentemente, o CWRA tem desempenhado um papel chave na busca de uma estratégia nacional de água no país. 14

15 II. DOCUMENTO DE ELABORAÇÃO DE POLÍTICAS II.1 Desafios da água na sub-região Aspectos da Água Devido à baixa densidade populacional na sub-região, a disponibilidade hídrica renovável per capita é de m 3 ( ft ³) por ano, quase o dobro da média mundial, no entanto, existem grandes áreas áridas e semi-áridas localizadas ao norte de México e a oeste dos Estados Unidos, onde a disponibilidade anual está entre m 3 (70629 ft ³) e m 3 ( ft ³) por habitante, onde está aumentando a concorrência entre o fornecimento público agrícola e urbano. Tem havido um aumento da retirada de água dos aqüíferos durante os últimos anos, levando a uma exploração excessiva em vastas áreas do México e a oeste dos Estados Unidos. Há previsão de que estes problemas aumentem nos próximos anos devido ao crescimento da população em áreas áridas. Apesar das ações conjuntas dos Estados Unidos e do Canadá, os problemas na qualidade da água persistem, especialmente na riqueza da água dos Grandes Lagos, já que grande parte da atividade econômica e industrial ocorre em sua bacia hidrográfica. O caso do México é ainda mais grave, uma vez que apenas 36% das águas residuais recebem algum tipo de tratamento. Há uma deterioração significativa em várias regiões do México, especialmente na bacia hidrográfica de Lerma-Chapala, bem como nas áreas costeiras, onde o governo tem estabelecido ações para melhorar a qualidade da água nas praias. Além disso, o elevado déficit de água potável e saneamento no sudeste e nas áreas rurais requer investimentos altos. A economia da sub-região frente à globalização A América do Norte é, juntamente com a União Européia, uma das regiões do mundo que, nos últimos 20 anos, passou por mudanças cruciais formais e estruturais na operação de suas economias. Estas mudanças refletem bem sua busca por uma nova forma de participação nos mercados globais, que se baseia na exploração de sinergias e vantagens competitivas sub-regionais derivadas de um comprometimento deliberado e verdadeiro em favor de sua integração comercial e financeira. O ápice desse compromisso foi a criação de acordos comerciais assinados pelos chefes de governo dos três países. Em 1989, os Estados Unidos e o Canadá assinaram um acordo para lançar o comércio binacional e, em 1994, os dois países assinaram o Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (NAFTA) juntamente com o México. Estes acordos produziram, somente na sub-região, uma redução drástica significativa das tarifas e de outros tipos de barreiras ao comércio e outros fluxos de investimento de capital, já que com outros países havia ainda mais restrições. Um fator-chave neste esforço é a padronização de normas e regulamentos entre os três países em outras áreas além do comércio, tais como a cooperação ambiental, a resolução de controvérsias, a promoção do comércio de bens e serviços que são sujeitas a direitos de propriedade intelectual. Estes acordos comerciais ressaltaram a interdependência econômica e comercial tradicional entre os três países. Entre 1988 e 2000, as trocas comerciais entre Estados Unidos e Canadá cresceram de um valor inicial de 37% do produto interno bruto (PIB) canadense para 65% no final do período; essa proporção foi mantida até Da mesma forma, no caso do México, os ativos financeiros transfronteiriços de câmbio passaram de 53% do produto interno bruto (PIB) em 1988 para 90% em O comércio entre o México e os Estados Unidos começou com 10% do produto interno bruto (PIB) mexicano na década de 1970, passando para 23% em 1993 e aumentando para 40% em O crescimento das transações financeiras transfronteiriças entre os dois países teve um efeito duplo, com um saldo recente de 50% do PIB, em relação à proporção em

16 Os parceiros do Nafta estão empenhados na proteção do ambiente e no processo de integração na região através de tecnologias em prol do meio ambiente, encontrando soluções de mercado para os problemas ambientais e a criação de riqueza nos países. Os parceiros do NAFTA têm promovido perante a Comissão para Cooperação Ambiental (CEC), a execução das políticas e ações geradoras de benefícios mútuos no cuidado ao meio ambiente, ao comércio e à economia. O Conselho da CEC recentemente recebeu deliberações entre os três governos para promover a competitividade e a sustentabilidade ambiental em longo prazo. Também apoiou uma melhor cooperação entre o CEC e a Comissão de Livre Comércio em questões relacionadas ao crescimento do comércio e à melhoria no desempenho ambiental. Também apoiou os esforços para a melhoria da cooperação entre e a Comissão de Livre Comércio sobre o crescimento de comércio e os tópicos de melhoria no desempenho ambiental. Concluiu-se, também, um programa piloto do CEC, para ajudar empresas de pequeno e médio porte a melhorar o seu desempenho em relação às questões ambientais para melhorar sua competitividade. É importante mencionar que a elevada concentração do comércio e dos fluxos de investimento na parte norte da sub-região tem contribuído para reforçar e conciliar as fases dos ciclos da atividade econômica do Canadá e do México com os Estados Unidos. Esta crescente convergência dos padrões de ciclos econômicos entre os três países vão intensificar a evolução do emprego coordenado e a pressão sobre os recursos naturais. Em outras palavras, os períodos de alta atividade produtiva nos Estados Unidos tendem a provocar um maior dinamismo do PIB e do emprego nas outras duas economias da sub-região. Essa coordenação na evolução das economias na sub-região às vezes é motivo de preocupação, como atualmente, quando a economia dos Estados Unidos está em processo de franco declínio, causando impactos desfavoráveis sobre o emprego e o crescimento econômico do México. De fato, segundo os dados da ECLAC (Comissão Econômica para América Latina e o Caribe) a economia latino-americana com menor crescimento em 2008 e, provavelmente, em 2009, será a do México. Um aspecto importante a considerar neste assunto, e que diferencia o NAFTA da experiência de integração da Comunidade Européia, é a falta da livre mobilidade da mão de obra na região, especialmente em direção aos Estados Unidos. Mesmo assim, e de acordo com números oficiais, existe uma migração líquida anual de cerca de mexicanos para os Estados Unidos. Essa migração tem padrões regionais claramente identificados, especialmente nas comunidades baseadas na origem. Este processo de migração para o exterior distorce a composição geográfica da demanda de serviços de água no país. O impacto da subida dos preços sobre a energia e seu impacto sobre os custos de transporte podem tornar mais competitiva a produção na sub-região do NAFTA, em comparação com os produtos importados da Ásia (especialmente China). Da mesma maneira, a modificação de fontes de energia deve surtir algum efeito através da dotação de culturas agrícolas e áreas rurais com o aumento da produção com etanol. Por outro lado, o aumento da demanda e sensibilização do público para tecnologias mais limpas, disponibilidade segura e acesso a água potável e saneamento, vai desempenhar um papel importante nos anos seguintes. Um elemento a considerar neste cenário, pelo menos para o México, é a necessidade urgente de iniciar um programa para a modernização e expansão da infra-estrutura básica, se o México quiser uma inserção competitiva nos mercados globais que conduzirá ao crescimento sustentável econômico a taxas superiores a 6%, a fim de absorver a mão de obra disponível e reduzir a pobreza. 16

17 Fatores demográficos e urbanísticos A sub-região Norte Americana ocupa aproximadamente 15% da superfície do mundo, na qual se localiza 7% da população mundial. A densidade populacional é de 20 habitantes por km 2, quase 5 vezes menor do que na Europa ou na Ásia. Para 2030 estima-se que a população da sub-região aumentará em aproximadamente 20%. Uma grande parte do aumento será devido à imigração, principalmente no Canadá, onde o crescimento natural é quase nulo. No caso do México, o fluxo migratório, principalmente para os Estados Unidos, vai reduzir o seu crescimento total, conforme mostrado na Tabela abaixo: Tabela 2.1. Principais indicadores demográficos País População total 2005 (000 hab.) População total 2030 (000 hab.) Taxa de fecundidade Crescimento natural anual 2005 (000 hab.) Migração líquida anual 2005 (000 hab.) Crescimento total anual 2005 (000 hab.) Canadá Estados Unidos México Total da subregião Fonte: US Bureau of the Census, Statistics Canada, CONAPO. No entanto, considerando que o balanço demográfico no México está diminuindo, ou seja, a proporção relativa de sua população em idade ativa começa a diminuir a migração de mexicanos para o exterior perderá um grande impulso. Por outro lado, a tendência que vai prevalecer é a da migração das áreas rurais para as áreas urbanas morando, inicialmente, na periferia - em favelas. Entre 2000 e 2030, alguns estados do México e dos Estados Unidos terão mais do dobro do que sua população atual, como em Quintana Roo, sul do México, e o triplo da população em Nevada e Arizona, no oeste dos Estados Unidos, e a Baixa Califórnia, nordeste do México. Há várias observações a fazer sobre a forma como as mudanças demográficas e as migrações vão modificar a população na sub-região. Por um lado, constata-se um crescimento significativo em direção às regiões áridas e semi-áridas e por outro lado, a fronteira entre os Estados Unidos e o México, em grande parte árida e semi-árida também, terá um crescimento populacional significativo e, finalmente, um grande influxo de pessoas para as áreas costeiras. Um valor estimado de 30% de todo o crescimento na sub-região ocorrerá nos estados ocidentais dos Estados Unidos, no norte e nordeste do México, onde há precisamente, menor disponibilidade de água. A população destes estados em conjunto terá um crescimento estimado de 40% no período de

18 Tabela 2.2 Estados e províncias com maior crescimento entre 2000 e 2030 Estado, Província ou Território País População 2000 (000 hab.) População 2030 (000 hab.) Aumento (000 hab.) Aumento % Quintana Roo Mexico % Nevada Estados Unidos % Arizona Estados Unidos % Baixa California Mexico % Baixa California do Sul Mexico % Flórida Estados Unidos % Queretaro Arteaga Mexico % Texas Estados Unidos % Utah Estados Unidos % Aguascalientes Mexico % Idaho Estados Unidos % Carolina do Norte Estados Unidos % Os dez estados localizados na fronteira entre o México e os Estados Unidos terão um crescimento conjunto da população de quase 50% entre 2000 e Há uma migração da população de regiões metropolitanas frias e úmidas (o Cinturão de Neve) para locais quentes e secos (Cinturão do Sol), especialmente nos Estados Unidos, assim como em Quintana Roo, México, perto do centro de desenvolvimento de Cancun, na costa do Caribe. O crescimento conjunto da população nos estados costeiros da Califórnia, Flórida, Texas, Geórgia, Carolina do Norte, Carolina do Sul, Mississipi e Alabama, nos Estados Unidos, e, por outro lado, Baixa Califórnia, Baixa Califórnia do Sul e Quintana Roo, no litoral do México, serão quase 50% entre 2000 e A pressão das atividades humanas nos recursos costeiros será uma questão que vai exigir uma atenção especial dos países da sub-região. Existem 26 áreas metropolitanas na sub-região com mais de um milhão de habitantes, dos quais 11 estão no México, 9 nos Estados Unidos e 6 no Canadá. 14 dessas áreas mencionadas estão no centro e no norte do México, e na parte ocidental dos Estados Unidos, onde a disponibilidade hídrica é a mais baixa da sub-região. Mudanças Climáticas Em relação à sub-região, pode-se salientar que, apesar da quantidade de troca de carbono entre os ecossistemas dos três países e a atmosfera todos os anos através da fotossíntese e da respiração das plantas e outros organismos ser elevada, o saldo líquido de todos os ecossistemas combinados na subregião é de milhões de toneladas de carbono. O valor líquido representa apenas 20-30% do atual combustível fóssil na região, ou seja, a sub-região é um grande gerador de CO 2. Alguns dos maiores impactos sociais e ecológicos de mudanças climáticas que estão previstas na região serão evidentes nas águas superficiais e subterrâneas. Como a taxa de aquecimento aumentará durante as próximas décadas, podem surgir mudanças nas condições meteorológicas, no volume, na qualidade e na distribuição espacial da disponibilidade hídrica para assentamentos humanos, uso industrial e agrícola na sub-região. 18

19 No México, além dos efeitos na disponibilidade de água, são previstos impactos significativos na sua qualidade. Em primeiro lugar, causado pelo escoamento reduzido, em segundo lugar, derivado do aumento da temperatura, o que reduz a capacidade dos corpos de água de reter oxigênio. Uma quantidade menor de oxigênio dissolvido nos corpos de água resulta em uma maior eutrofização. O aquecimento global e as mudanças na forma e quantidade de precipitação podem vir a causar um derretimento precoce e significativa redução de neve nas Montanhas do Ocidente até meados do século XXI. Estima-se um derretimento considerável nas bacias onde prevalece o derretimento nas montanhas, provocando um aumento nos fluxos durante o inverno e início da primavera, aumentando a probabilidade de enchentes e uma redução nos fluxos durante o verão. No Canadá, prevê-se um aumento da precipitação anual de mais de 20%, e de mais de 30% no inverno, em determinados cenários. Alguns estudos prevêem aumentos dispersos de precipitação e secas associadas com maior variabilidade sazonal na precipitação. Em geral, as alterações esperadas para precipitações extremas são maiores do que os valores médios. Na Colúmbia Britânica, impactos previstos incluem aumento na precipitação, inundações severas na primavera para áreas costeiras e interiores, e maior estiagem no verão para região costeira do sul e áreas interiores do sudeste; isso resultará na diminuição do escoamento nestas áreas que afetam tanto a sobrevivência dos peixes, quanto o fornecimento de água no verão, quando há uma demanda maior. Nos Grandes Lagos os impactos associados com baixos níveis sugerem alterações relativas na qualidade da água, na navegação, no lazer, na produção hidroelétrica, nas transferências de água e nas relações binacionais. A pluviosidade média anual está prevista para diminuir no sudeste dos Estados Unidos mais do que em qualquer outra área neste país e no Canadá. Existe uma grande possibilidade de que o clima no México se torne mais quente em 2020, 2050 e 2080, principalmente no norte do país. Prevê-se diminuição de precipitação e mudanças na sua distribuição sazonal. Diminuições de até 15% na área central, e menos que 5% na bacia do Golfo do México, principalmente durante janeiro e maio. O ciclo hídrico será intensificado, causando mais tempestades severas e de intensidade maior na época seca. O balanço hídrico sugere que o aumento da temperatura causará um aumento na evapotranspiração e diminuirá a umidade do solo. As avaliações feitas pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC - Intergovernmental Panel on Climate Change) mostram que o México pode vivenciar uma queda significativa no escoamento de 10 a 20% até 40% nas áreas úmidas costeiras do Golfo do México. No caso de fenômenos meteorológicos extremos, tais como frentes frias, é possível que sua ocorrência diminua. No entanto, é incerto até que ponto afetarão a precipitação, mas de acordo com alguns cenários, eles tenderão a diminuir, principalmente na bacia do Golfo do México. A temperatura da superfície do mar do Caribe, Golfo do México e Pacífico Mexicano pode subir entre 1 C (33,80 F) e 2 C (35,60 F). O aumento de temperatura na superfície do mar aumentará a eficiência dos ciclones tropicais, chegando assim a categorias mais elevadas. As bacias hidrográficas transfronteiriças no norte do México requerem atenção especial porque as águas dos Rios Bravo / Grande e Colorado são distribuídas segundo os acordos internacionais assinados entre os Estados Unidos e México. Mudanças na disponibilidade dessas bacias hidrográficas em território norte americano poderia comprometer o suprimento deste recurso ao México, já que está estipulado que, em caso de seca, a entrega será diminuída. Os pólos são as áreas do mundo com as maiores mais imediatas expectativas de mudanças induzidas pelo clima, principalmente devido a seus componentes criosféricos que dominam seus processos hidrológicos e recursos hídricos. A maior preocupação em relação ao impacto de mudanças climáticas sobre os recursos hídricos reside no Ártico, pois este tem uma grande diversidade de recursos hídricos, incluindo um grande número dos maiores rios do mundo, como o Rio McKensie e os Grandes Lagos. 19

20 Com relação aos efeitos da utilização da água, especialmente para uso humano, o aumento na temperatura pode causar deterioração da qualidade da água, resultando em um aumento das doenças a ela relacionadas. Na agricultura, a capacidade dos produtores dos Estados Unidos para lidar com os efeitos das mudanças climáticas inclui tecnologia e segurança das culturas. No México, por outro lado, a falta de meios afetará áreas com precipitação e irrigação. Com relação à produção de energia hidroelétrica, um aumento de 2 a 3 C irá provocar uma maior produção de energia ao longo rio San Lorenzo e uma redução no rio Colorado nos Estados Unidos. Os sistemas localizados no sudeste dos Estados Unidos fortemente baseados em água subterrânea sofrerão pressão das mudanças climáticas, afetando a agricultura. Em grande parte, os aqüíferos no México poderiam ser afetados, dado que já são usados em demasia, pondo em risco as cidades abastecidas com águas subterrâneas. II.2 Os progressos alcançados na sub-região para enfrentar os desafios hídricos Gestão integrada dos recursos hídricos Poderíamos dizer que os três países da sub-região partilham desafios relacionados à água semelhantes, mas com intensidades muito diferentes e, portanto, com diferentes prioridades. Desafios relacionados à água nos Estados Unidos e Canadá, países industrializados, diferem daqueles no México. Existem grandes diferenças entre áreas úmidas e áreas semi-áridas e áridas. Apesar de os três países da sub-região serem Federações de Estados, Províncias e / ou territórios, há uma grande descentralização dos papéis estaduais e municipais nos Estados Unidos e no Canadá. A legislação relacionada à água é diferente em cada estado ou província. No México, há uma grande concentração de papéis em nível federal, embora se venha observando nos últimos anos uma descentralização gradual e um papel ativo dos governos estaduais (incluindo a Cidade do México). Praticamente, a totalidade das águas continentais do México é considerada como águas nacionais e é administrada pelo governo federal. O grupo responsável pelo gerenciamento de políticas e gestão da água é a Comissão Nacional de Águas (CONAGUA - National Water Commission), e levou à consolidação de uma política nacional integrada de água, derivada de uma nova Lei Nacional de Águas (LAN - Law of National Waters), criada em 1992 e reformulada em Entre os instrumentos de política da água implementados desde meados dos anos 1990, no México, estão: o Registro Público dos Direitos da Água (Public Registry of Water Rights), onde todas as concessões para as águas nacionais concedidas são registradas, bem como o pagamento dos direitos da utilização das águas nacionais ou despejo de águas residuais e o estabelecimento de conselhos de bacia hidrográfica, com a finalidade de coordenar as ações a serem adotadas entre governos e usuários para resolver problemas relacionados à água. A maioria dos usuários de água no México foi registrada no Registro Público dos Direitos da Água, que permite efetuar a transferência dos títulos da água (bancos de água). Os governos e os usuários estão trabalhando em conjunto, através dos Conselhos de Bacias Hidrográficas (onde os Comitês Técnicos de Águas Subterrâneas (COTAS - Technical Groundwater Commitees) estão localizados) para resolver problemas urgentes de bacias hidrográficas e aqüíferos no país, principalmente no centro, no norte e nordeste do México. Distritos de irrigação operados pelo Governo Federal foram transferidos para as associações de usuários de irrigação para conseguir uma utilização mais eficiente dos recursos e a recuperação de custos operacionais. 20

WWDR4 Resumo histórico

WWDR4 Resumo histórico WWDR4 Resumo histórico Os recursos hídricos do planeta estão sob pressão do crescimento rápido das demandas por água e das mudanças climáticas, diz novo Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento

Leia mais

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 8 ANO B Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1- (1,0) A mundialização da produção industrial é caracterizada

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

Formas de uso da água

Formas de uso da água Formas de uso da água INTRODUÇÃO A água é utilizada para várias atividades humanas: uso doméstico, geração de energia, irrigação, navegação, lazer, entre outras atividades. Distribuição relativa do consumo

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2012

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2012 PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2012 PROFa. JULIANA NOME N o 8 o ANO A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina NOTA DE IMPRENSA Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina Relatório de desenvolvimento humano 2007/2008 estabelece o caminho

Leia mais

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS Prof. Demetrios Christofidis EDUCAÇÃO PARA MUDANÇA DE TRAJETÓRIA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei nº 9.984/2000 Criação da ANA 1988 1997 2000 2002

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

Geografia (A) 1, 2, 4, 3 (D) 3, 1, 4, 2 (B) 2, 1, 3, 4 (E) 4, 3, 2, 1 (C) 2, 3, 1, 4

Geografia (A) 1, 2, 4, 3 (D) 3, 1, 4, 2 (B) 2, 1, 3, 4 (E) 4, 3, 2, 1 (C) 2, 3, 1, 4 46 As reformas neoliberais implementadas pelos dois últimos governos conferiram ao Brasil a imagem de um país conduzido segundo um determinado modelo econômico. O referido modelo busca um desenvolvimento:

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

América anglo-saxônica. Diferentes povos construíram duas fortes economias

América anglo-saxônica. Diferentes povos construíram duas fortes economias América anglo-saxônica Diferentes povos construíram duas fortes economias A América Desenvolvida Conhecido também como Novo Mundo, a América é sinônimo de miscigenação, desenvolvimento e mazelas sociais.

Leia mais

R E L E V O RELEVO ASPECTOS FÍSICOS COMO DIVIDE-SE A AMÉRICA 27/05/2014. 1 - montanhas 2 - planícies. 3 - planaltos. Setentrional Ocidental.

R E L E V O RELEVO ASPECTOS FÍSICOS COMO DIVIDE-SE A AMÉRICA 27/05/2014. 1 - montanhas 2 - planícies. 3 - planaltos. Setentrional Ocidental. Alaska Havaí Canadá Estados Unidos Setentrional Ocidental COMO DIVIDE-SE A AMÉRICA ASPECTOS FÍSICOS 1 - montanhas 2 - planícies 3 - planaltos 1 2 3 R E L E V O RELEVO 1 1) Bacia do Ártico: sofre limitação

Leia mais

HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL

HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL QUESTÃO 01 - A Terra é, dentro do sistema solar, o único astro que tem uma temperatura de superfície que permite à água existir em seus três estados: líquido, sólido e gasoso.

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

Crise ambiental e saúde no planeta

Crise ambiental e saúde no planeta Crise ambiental e saúde no planeta Pensando o papel dos serviços de saúde a partir das questões da Rio+20 CESTEH-ENSP-FIOCRUZ 7 QUESTÕES CRÍTICAS NA RIO+20 1) Empregos 2) Energia 3) Cidades 4) Alimentos

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras Prof. Claudimar Fontinele BACIA HIDROGRÁFICA Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS Tema 1: A América no mundo 1. Um continente diversificado A América possui grande extensão latitudinal e, por isso, nela encontramos diversas paisagens. 2. Fatores

Leia mais

Calendário 2015 Clima

Calendário 2015 Clima Calendário 2015 Clima 15 a 28 de Setembro - Assembléia Geral da ONU (Nova York) 70º Assembléia Geral Dia 28 de Setembro Relatório do Secretário Geral Ban Ki-Moom Principais temas: Clima e Objetivos do

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO JOÃO HERRMANN NETO (PDT/SP), NA SESSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EM.../.../... Senhor Presidente

DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO JOÃO HERRMANN NETO (PDT/SP), NA SESSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EM.../.../... Senhor Presidente DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO JOÃO HERRMANN NETO (PDT/SP), NA SESSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EM.../.../... Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados, As águas subterrâneas que formam os aqüíferos

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas Adaptação em Gestão das Águas Meta e objetivos da sessão Meta considerar como a adaptação às mudanças climáticas pode ser incorporada na gestão

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011. Correntes marítimas

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011. Correntes marítimas COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 Correntes marítimas Correntes marítimas Nas aulas anteriores aprendemos sobre a importância do Sol em nossas vidas. Revimos os movimentos da

Leia mais

Metas Curriculares Ensino Básico Geografia

Metas Curriculares Ensino Básico Geografia Metas Curriculares Ensino Básico Geografia 9.º ano Versão para discussão pública Novembro de 2013 Autores Adelaide Nunes António Campar de Almeida Cristina Nolasco Geografia 9.º ano CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

DIRETRIZES ESTRATÉGICAS DO CTHIDRO. Prof. Dr. Carlos Eduardo Morelli Tucci

DIRETRIZES ESTRATÉGICAS DO CTHIDRO. Prof. Dr. Carlos Eduardo Morelli Tucci DIRETRIZES ESTRATÉGICAS DO CTHIDRO Prof. Dr. Carlos Eduardo Morelli Tucci Abril 2013 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 INSTRUMENTOS LEGAIS PARA A CRIAÇÃO DO CTHIDRO... 3 1.2 OBJETIVOS DO CT-HIDRO... 3 1.3

Leia mais

www.serrano.neves.nom.br

www.serrano.neves.nom.br SERRANO NEVES Diretor Institucional HUMBERTO R. MOREIRA Superintendente Administrativo CYLENE DANTAS DA GAMA Gestora Operacional Educação Sócio-ambiental no entorno no Lago da UHE SERRA DA MESA - Reg.

Leia mais

GIRH como Instrumento de Adaptação às Mudanças Climáticas. Instrumentos e Medidas de Adaptação

GIRH como Instrumento de Adaptação às Mudanças Climáticas. Instrumentos e Medidas de Adaptação GIRH como Instrumento de Adaptação às Mudanças Climáticas Instrumentos e Medidas de Adaptação Objetivos desta sessão Ao fim desta sessão, os participantes poderão: Compreender o conceito de adaptação às

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro 3º Congresso Científico do Projeto SWITCH Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro Gestão Integrada de Águas Urbanas em Diferentes Escalas Territoriais: a Cidade e a Bacia Hidrográfica

Leia mais

Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos

Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos 80483 Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos Estratégia Ambiental do Grupo do Banco Mundial 2012 2022 THE WORLD BANK ii Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos Resumo Executivo

Leia mais

ÁGUA. USOS, DISTRIBUIÇÃO e PRESERVAÇÃO

ÁGUA. USOS, DISTRIBUIÇÃO e PRESERVAÇÃO ÁGUA USOS, DISTRIBUIÇÃO e PRESERVAÇÃO Embora a água seja a substância mais abundante do nosso planeta, especialistas e autoridades internacionais alertam para um possível colapso das reservas de água doce,

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK 1. A vegetação varia de local para local baseada, sobretudo,

Leia mais

MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR

MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR Introdução Em 2000 havia no mundo mais de 1 bilhão de pessoas sem suficiente disponibilidade de água para consumo doméstico e se estima que, em

Leia mais

Nome da operação. Região País Setor. Número da operação Instrumento de crédito Mutuário(s) Entidade executora

Nome da operação. Região País Setor. Número da operação Instrumento de crédito Mutuário(s) Entidade executora Nome da operação Região País Setor DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DO PROGRAMA (PID) ETAPA CONCEITUAL Relatório nº: AB7437 (O número do relatório é gerado automaticamente pelo IDU e não

Leia mais

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Exercícios (ENEM 2006) Com base em projeções realizadas por especialistas, teve, para o fim do século

Leia mais

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Roberto Proença da Silva Carlos Alberto Moura Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Superintendência de Tecnologia da Informação - TI Gerência de

Leia mais

Veja algumas das principais observações

Veja algumas das principais observações MUDANÇAS CLIMÁTICAS ANTÁRTICAS E O MEIO AMBIENTE Principais conclusões do Grupo de Especialistas do Scientific Committee on Antarctic Research (versão completa da publicação em http://www.scar.org/publications/occasionals/acce_25_nov_2009.pdf)

Leia mais

12. SISTEMA DE GESTÃO DO PERH/PB 12.1 ASPECTOS INSTITUCIONAIS DOS PLANOS DE RECURSOS HÍDRICOS

12. SISTEMA DE GESTÃO DO PERH/PB 12.1 ASPECTOS INSTITUCIONAIS DOS PLANOS DE RECURSOS HÍDRICOS 12. SISTEMA DE GESTÃO DO PERH/PB 12.1 ASPECTOS INSTITUCIONAIS DOS PLANOS DE RECURSOS HÍDRICOS Os Planos de Recursos Hídricos estão previstos nos Artigos 6 a 8 da Lei Federal N 9.433, de 08.01.97, onde

Leia mais

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO Biodiversidade O diversidade biológica - descreve a riqueza e a variedade do mundo natural. As plantas, os animais e os microrganismos fornecem alimentos, remédios e boa parte da matéria-prima industrial

Leia mais

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. 1.1 Até 2030, erradicar a pobreza extrema para todas as pessoas em todos os lugares, atualmente medida como pessoas vivendo com

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2 professor Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas:. Mapa conceitual sobre Água: Água no cotidiano - Módulo que são em três estados físicos A oferta de água - Módulo 2 é encontrada

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

" ;,% / 22 <+ = " >;?,9# 2' = " >;@A>BA= 4 #/2: ''-34/#:/ 9'C#0 D2 25' E:/F2/90'G %&$: %09$%:#'%<9'# #2-'/# :2-# 9#'% G

 ;,% / 22 <+ =  >;?,9# 2' =  >;@A>BA= 4 #/2: ''-34/#:/ 9'C#0 D2 25' E:/F2/90'G %&$: %09$%:#'%<9'# #2-'/# :2-# 9#'% G !"# $%&' ()*) +,'#-.# /#0#'''1$'2! 0'%%#2'34/#5'# ''-/ %0 2#0%6/7 " 8 9$%$0#2/''-34/#:/ -'##-7 " ;,% / 22

Leia mais

23-03 - 2015. Prof. Hiroshi P. Yoshizane SEMANA DA ÁGUA

23-03 - 2015. Prof. Hiroshi P. Yoshizane SEMANA DA ÁGUA 23-03 - 2015 Prof. Hiroshi P. Yoshizane SEMANA DA ÁGUA SEMANA DA ÁGUA Professor Hiroshi Paulo Yoshizane Conscientização da importância da água! SEMANA DA ÁGUA Conscientização da importância da água! S

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Recursos Hídricos na Região Sudeste: Segurança Hídrica, Riscos, Impactos e Soluções São Paulo, 20-21 de novembro de 2014 Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Rhama Consultoria Ambiental

Leia mais

A Rede internacional dos organismos de bacia (Riob) foi criada em abril de mil novecentos e noventa e quatro (1994).

A Rede internacional dos organismos de bacia (Riob) foi criada em abril de mil novecentos e noventa e quatro (1994). RESEAU INTERNATIONAL DES ORGANISMES DE BASSIN INTERNATIONAL NETWORK OF BASIN ORGANIZATIONS RED INTERNACIONAL DE ORGANISMOS DE CUENCA REDE INTERNACIONAL DE ORGANISMOS DE BACIA Excelentissimos Governador

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

COMPRAS PÚBLICAS E O PLANO DE AÇÃO PARA PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS 6o Fórum da A3P Brasília, 10 de novembro de 2011

COMPRAS PÚBLICAS E O PLANO DE AÇÃO PARA PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS 6o Fórum da A3P Brasília, 10 de novembro de 2011 COMPRAS PÚBLICAS E O PLANO DE AÇÃO PARA PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS 6o Fórum da A3P Brasília, 10 de novembro de 2011 Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania

Leia mais

Observe o mapa múndi e responda.

Observe o mapa múndi e responda. EXERCÍCIOS DE REVISÃO COM RESPOSTAS PARA O EXAME FINAL GEOGRAFIA 5ª SÉRIE 1) Escreva V para verdadeiro e F para falso: ( V ) No globo terrestre, no planisfério e em outros mapas são traçadas linhas que

Leia mais

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre.

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. Os fenômenos meteorológicos ocorridos em um instante ou em um dia são relativos ao tempo atmosférico.

Leia mais

REVISÃO DA AULA 1 RÚSSIA E CEI. Baseado nas páginas 60 e 61 do Livro Geografia em Mapas e na aula, responda:

REVISÃO DA AULA 1 RÚSSIA E CEI. Baseado nas páginas 60 e 61 do Livro Geografia em Mapas e na aula, responda: REVISÃO DA AULA 1 RÚSSIA E CEI Baseado nas páginas 60 e 61 do Livro Geografia em Mapas e na aula, responda: 1. Quantas repúblicas formaram a CEI.: ( X ) 12 (sem os países bálticos) ( ) 12 (com os países

Leia mais

Mudanças climáticas globais e recursos hídricos com enfoque para as bacias hidrográficas

Mudanças climáticas globais e recursos hídricos com enfoque para as bacias hidrográficas Mudanças climáticas globais e recursos hídricos com enfoque para as bacias hidrográficas Emília Hamada Pesquisador, Embrapa Meio Ambiente, Jaguariúna - SP A mudança climática global começou a ser discutida

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC MINAS E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj. Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015 CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.br A mudança do clima e a economia Fonte: Adaptado de Margulis

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS. Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes.

RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS. Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes. RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes. BACIAS HIDROGRÁFICAS BRASILEIRAS BACIAS INDEPENDENTES BACIAS SECUNDÁRIAS

Leia mais

CAPÍTULO 11 O FENÔMENO EL NINO

CAPÍTULO 11 O FENÔMENO EL NINO CAPÍTULO 11 O FENÔMENO EL NINO 1.0. O que é o El Nino? É o aquecimento anômalo das águas superficiais na porção leste e central do oceano Pacífico equatorial, ou seja, desde a costa da América do Sul até

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com A Qualidade da Água nas Cidades de e Gicélia Moreira (ID) 1,AntonioJoão S. Filho(ID) 1 Nataline C. S. Barbosa (ID) 1 Antonio N. de Souza (PG) Departamento de Química CCT-UEPB *gicelia.moreira2009@gmail.com

Leia mais

Países Emergentes e Crise Ecológica Global. Escola de Formação da APSR, 29 Março, Pragal Rita Calvário

Países Emergentes e Crise Ecológica Global. Escola de Formação da APSR, 29 Março, Pragal Rita Calvário Países Emergentes e Crise Ecológica Global Escola de Formação da APSR, 29 Março, Pragal Rita Calvário Brasil, Rússia, Índia, China: Grandes países Estratégias de transição para o capitalismo Globalização

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica

Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica 1. De acordo com as condições atmosféricas, a precipitação pode ocorrer de várias formas: chuva, neve e granizo. Nas regiões de clima tropical ocorrem

Leia mais

Dia Mundial do Meio Ambiente 2007

Dia Mundial do Meio Ambiente 2007 Dia Mundial do Meio Ambiente 2007 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice Presidente, ISO TC 207 (ISO 14000) Presidente, Conselho Técnico da ABNT Presidente, Conselho Empresarial

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

Panorama da Gestão de Recursos Hídricos no Brasil

Panorama da Gestão de Recursos Hídricos no Brasil Panorama da Gestão de Recursos Hídricos no Brasil Nelson Neto de Freitas 8º Seminário Água, Comunicação e Sociedade XVI ENCOB - Maceió, 23 de novembro de 2014 A Política e o Sistema Nacional de Gerenciamento

Leia mais

Os participantes concordaram em nove tópicos-chave nos quais houve semelhanças em problemas de água e gestão. São estes:

Os participantes concordaram em nove tópicos-chave nos quais houve semelhanças em problemas de água e gestão. São estes: A Academia Brasileira de Ciências (ABC), em parceria com o Instituto Internacional de Ecologia (IIE) - e com o suporte da Rede Interamericana de Academias de Ciências (IANAS), da Rede Africana de Academias

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de Contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano D Montanhas Rochosas

Leia mais

A implantação de sistemas específicos de financiamento, baseados na contribuição e solidariedade dos consumidores e dos poluidores, se impõe para garantir a realização em cada bacia dos programas prioritários

Leia mais

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS GEOGRAFIA 1 GRUPO CV 10/2009 RESOLUÇÕES E RESPOSTAS QUESTÃO 1: a) Os gráficos destacam que conforme ocorreu o aumento da população na grande São Paulo aumentaram também o número de viagens da população

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Capítulo 8 Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Maior é o consumo de energia: -Economia dinâmica; - Elevado padrão de consumo da população Aumento da capacidade produtiva Aumento do consumo

Leia mais

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL EDMILSON COSTA TEIXEIRA LabGest GEARH / UFES (edmilson@npd.ufes.br) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? [COMISSÃO

Leia mais

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar GEOGRAFIA 1ª Série Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais

Leia mais

Desenvolvimento regional

Desenvolvimento regional Desenvolvimento regional Água e terra irrigada para o Nordeste No Nordeste, onde a seca representa o grande obstáculo para o desenvolvimento, o Governo Federal está realizando o maior programa de construção

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global

Capítulo 21 Meio Ambiente Global Capítulo 21 Meio Ambiente Global http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais importantes, em termos de

Leia mais

Secas Extremas e Mudanças Climáticas: Mudanças Climáticas e os Impactos na Região Sudeste do Brasil

Secas Extremas e Mudanças Climáticas: Mudanças Climáticas e os Impactos na Região Sudeste do Brasil Secas Extremas e Mudanças Climáticas: Mudanças Climáticas e os Impactos na Região Sudeste do Brasil Jose A. Marengo CEMADEN jose.marengo@cemaden.gov.br IPCC WG1, Chapter 3 (2013) Mudancas observadas na

Leia mais

6º Fórum Mundial da Água

6º Fórum Mundial da Água 6º Fórum Mundial da Água A gestão integrada de recursos hídricos e de águas residuais em São Tomé e Príncipe como suporte da segurança alimentar, energética e ambiental Eng.ª Lígia Barros Directora Geral

Leia mais

Capítulo 13 GERENCIAMENTO DE ECOSSISTEMAS FRÁGEIS: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS MONTANHAS

Capítulo 13 GERENCIAMENTO DE ECOSSISTEMAS FRÁGEIS: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS MONTANHAS Capítulo 13 GERENCIAMENTO DE ECOSSISTEMAS FRÁGEIS: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS MONTANHAS Introdução 13.1. As montanhas são uma fonte importante de água, energia e diversidade biológica. Além disso,

Leia mais

Examen Libre. Asignatura: 78.05 - Portugués. Texto. Vai valer mais que petróleo

Examen Libre. Asignatura: 78.05 - Portugués. Texto. Vai valer mais que petróleo Examen Libre Asignatura: 78.05 - Portugués Texto Vai valer mais que petróleo 5 10 15 No século XX forjou-se a idéia de que um dos indicadores mais seguros de riqueza de uma nação era o tamanho das reservas

Leia mais