Iniciativa de Alfabetização para 0 Empoderamento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Iniciativa de Alfabetização para 0 Empoderamento"

Transcrição

1 Iniciativa de Alfabetização para 0 Empoderamento

2 O que é LIFE? A Iniciativa de Alfabetização para o Empoderamento (LIFE - Literacy Initiative for Empowerment) foi concebida como um marco estratégico de 10 anos ( ) pela qual, os governos nacionais, as ONGs, a sociedade civil, o setor privado, as agências e fundos das Nações Unidas, as agências bilaterais e multilaterais estimulam conjuntamente os esforços de alfabetização em 35 países onde o analfabetismo apresenta um desafio crítico Como um mecanismo operacional chave para a implementação da Década das Nações Unidas para a Alfabetização (UNLD, ), que é liderada e coordenada pela UNESCO, a LIFE é basicamente uma iniciativa de apoio aos países, para que esses possam melhorar em 50% suas taxas de adultos alfabetizados até 2015 A LIFE não é um projeto ou programa e não substitui políticas e programas nacionais nos países que participam da estratégia A LIFE é: Um marco de ação de colaboração para aperfeiçoar e melhorar os esforços nacionais de alfabetização Um processo de apoio à alfabetização dirigido por e específico de cada país Um mecanismo de apoio embutido em políticas e estratégias nacionais Uma iniciativa para serviços de apoio técnico e facilitação pela UNESCO nas áreas de política, advocacy, parcerias, capacitação e inovação A LIFE é o mecanismo de apoio da UNESCO que promove processos e capacidades nacionais que auxiliam na melhoria e na expansão de atividades de alfabetização para aumentar a participação, com o objetivo de elevar as taxas de alfabetização em países que participam da Iniciativa Por que a alfabetização e LIFE? A alfabetização é um direito fundamental Como base para a educação básica e aprendizagem ao longo da vida, a alfabetização é chave para o aperfeiçoamento de capacidades humanas, como também para alcançar outros direitos Ela é essencial para que os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODMs) sejam atingidos e para o empoderamento, em especial, dos pobres Mesmo assim, o analfabetismo recebe atenção política mínima e permanece uma vergonha global, mantendo 774 milhões de adultos - dois terços deles são mulheres - à margem da sociedade e mais ou menos 72 milhões de crianças fora da escola A maioria dos países

3 demonstrou algum progresso na promoção da alfabetização durante essa última década, mas no geral foi muito pouco para reduzir o número absoluto de adultos analfabetos A LIFE foi criada pela UNESCO quando ficou aparente que os esforços de alfabetização já existentes não seriam suficientes para atingir um nível de 50% de adultos alfabetizados até 2015 (Meta 4 de Dacar), em países com altas taxas de analfabetismo (mais de 50%) e/ou grandes populações analfabetas (mais de 10 milhões) Quem participa da LIFE? Foram convidados 35 países para implementar a estratégia da LIFE durante um período de 10 anos ( ), dividido em três ciclos progressivos Durante esse período os países receberão apoio prioritário da UNESCO Esses países contabilizam 85% da população analfabeta no mundo, constituída em sua maioria por mulheres Início África 18 Mali, Níger, Nigéria, Senegal Benin, Burkina Faso, República Democrática do Congo, Etiópia, Gâmbia, Moçambique República Centro-Africana, Chade, Djibouti, Eritréia, Guiné, Guiné-Bissau, Madagascar, Serra Leoa Região Árabe 6 Egito Marrocos, Sudão, Iêmen Mauritânia Iraque Ásia e o Pacífico 9 Bangladesh, Paquistão Afeganistão, China, Índia, Indonésia, Papua Nova Guiné Irã, Nepal América Latina e Caribe 2 Haiti Brasil

4 Objetivos e metas da LIFE A LIFE contribuirá para que as metas do UNLD, os ODMs e as Metas de EPT de Dacar sejam atingidas em especial a Meta 3 (suprir as necessidades de aprendizagem de todos os jovens e adultos), a Meta 4 (aumento de 50% nas taxas de alfabetização de adultos) e as metas transversais 5 (atingir igualdade de gênero na educação) e 6 (melhorar a qualidade da educação) A meta final de desenvolvimento da LIFE é: contribuir com o empoderamento de alunos, para que eles possam fazer escolhas conscientes, exercer controle sobre questões que os afetam e, finalmente, melhorar a qualidade de suas vidas Os objetivos mais imediatos da LIFE são: reforçar compromissos nacionais e internacionais com a alfabetização; apoiar a articulação de políticas de alfabetização susten tável; fortalecer capacidades nacionais; aperfeiçoar as iniciativas inovadoras de países na oferta de oportunidades de alfabetização; e fomentar a cooperação e solidariedade entre países Fazendo acontecer: LIFE no âmbito do país A ênfase principal da iniciativa LIFE se concentra em ações concretas no âmbito nacional em quatro áreas estratégicas: (1) advocacy e comunicação para criar um movimento nacional e internacional, que mobilize a conscientização, o compromisso, as parcerias e recursos adequados para a sua célere implementação; (2) reforço das capacidades nacionais para o desenvolvimento de políticas e programas apropriados e para a criação de recursos humanos e instituições adequadas, incluindo a infra-estrutura operacional; (3) programas que abordem efetivamente a pobreza, a desigualdade de gênero e as desvantagens relacionadas à exclusão social e de saúde; (4) compartilhamento de informações para melhorar políticas e práticas, por intermédio do desenvolvimento de estudos, com apoio a programas inovadores e replicáveis, promoção de boas práticas, realizando monitoramento e avaliação para a análise de progresso

5 No marco das políticas e estratégias de alfabetização nacionais, com uma perspectiva de aprendizagem ao longo da vida, as atividades dirigidas pelo país apoiadas pela estratégia da LIFE, devem suprir as necessidades de aprendizagem das crianças fora da escola e dos adolescentes, jovens e adultos que apresentam competências insuficientes em alfabetização O foco será direcionado às meninas, às mulheres, aos grupos marginalizados e às famílias de baixa renda, especialmente nas áreas rurais Altos níveis de articulação e respostas flexíveis são necessários para estabelecer processos da LIFE no âmbito nacional A reunião das partes interessadas relevantes (e novas) em alfabetização; a garantia de uma visão geral e a análise detalhada sobre a situação nacional da alfabetização; a identificação de pontos de entrada para o diálogo e advocacy de políticas; a construção de uma visão e de um marco compartilhado, que facilite a troca de experiências, levando ao acordo sobre as lacunas estratégicas que precisam ser abordadas, e com isso desenvolver um plano de ação ou de apoio para o país participante da iniciativa tudo isso faz parte das atividades preparatórias para dar início à LIFE Construir e sustentar o movimento de alfabetização de adultos e construir parcerias e mecanismos de coordenação fortes estão entre as tarefas estratégicas do marco LIFE, para que o apoio necessário à alfabetização seja mobilizado

6 O que foi conquistado até agora? Reuniões de consulta, planejamento e coordenação regionais para a implementação da estratégia da LIFE foram realizadas em março de 2006, dezembro de 2007 e janeiro de 2008 com os pontos focais de todos os países participantes da LIFE Um mecanismo para facilitar a coordenação foi construído, atribuindo então papel importante para as instituições parceiras em países LIFE e secretarias regionais, escritórios e institutos da UNESCO Por meio de uma série de conferências regionais organizadas pela UNESCO em apoio à alfabetização global em 2007/2008, e outros eventos regionais e nacionais de advocacy, a LIFE se tornou bastante conhecida, mesmo além dos 35 países selecionados Países que não respondem aos critérios LIFE expressaram o desejo de se juntar à estratégia, já que se beneficiariam significativamente com a experiência, os conhecimentos e recursos que foram gerados, como também das redes relacionadas, parcerias e intercâmbios Sul-Sul-Norte Os 11 países da primeira rodada da LIFE receberam apoio financeiro da UNESCO para realizar atividades na área de política, promoção, capacitação e inovação 14 países participantes da LIFE realizaram exercícios de avaliação de necessidades ou análises de situação, que foram usados como base para o planejamento estratégico Isso resultou na renovação ou melhoria de políticas e estratégias de alfabetização em diversos países A concessão de fundos extra-orçamentários específicos para projetos LIFE, no âmbito do Programa de Capacitação para EPT, levou a implementação de atividades significativas no Paquistão, em Bangladesh, no Egito, Marrocos, Senegal e em Níger ( ), que obtiveram grande impacto no marco LIFE Como resultado, capacidades foram fortalecidas para o desenho, implementação e gestão de programas de alfabetização de boa qualidade, como também em relação ao desenvolvimento de currículos e materiais, treinamento de gestores de nível médio e sênior, análise, monitoramento e avaliação Um banco de dados sobre alfabetização contendo exemplos de boas práticas e pesquisa sobre políticas e programas efetivos em alfabetização, matemática e educação não-formal foi desenvolvido e será brevemente lançado juntamente com uma rede e uma plataforma online (LIFE-line) Esses instrumentos fornecerão uma plataforma efetiva para a cooperação Sul-Sul e permitirão que pontos focais e ativistas da LIFE se comuniquem uns com os outros e troquem experiências Por meio de informações baseadas em evidências e documentos LIFE, um melhor entendimento da alfabetização,

7 como a base para o aprendizado ao longo da vida, foi desenvolvido em muitos países Programas e campanhas importantes de alfabetização estão sendo realizadas em vários países que participam da LIFE, que possuem alocação orçamentária maior e estruturas institucionais distintas (ex: a criação de ministérios responsáveis pela alfabetização e educação não-formal) Coordenação da LIFE A coordenação geral da LIFE é responsabilidade do Instituto da UNESCO para a Aprendizagem ao Longo da Vida (UIL), instituição especializada em alfabetização de adultos, educação não-formal e aprendizagem de adultos, em uma perspectiva para a vida toda Em nome da UNESCO, o UIL mobiliza sua ampla experiência, base de conhecimento acumulado e redes dinâmicas, para fomentar alianças e parcerias com todas as partes interessadas envolvidas Além da macrocoordenação da LIFE, o instituto também está envolvido com a assistência técnica oferecida aos países participantes da LIFE, que respondem a demandas específicas Dentro da estrutura da UNESCO, os escritórios nacionais e os clusters responsáveis por países da LIFE estão à frente da implementação dessa Iniciativa e no auxílio prestado aos países, para o fortalecimento das políticas e programas de alfabetização já existentes A estrutura de apoio LIFE ainda consiste das secretarias regionais e institutos especializados da UNESCO, como também das divisões relacionadas na Sede Parcerias e sinergias para LIFE Parcerias proativas por meio de construção de redes, consultas e diálogos auxiliarão na implementação exitosa da LIFE A ampla gama de parceiros inclui governos, prestadores privados e ONGs, comunidade doadora no país (incluindo a equipe das Nações Unidas no país), redes regionais e internacionais, mídia, universidades e institutos de pesquisa Sinergias serão criadas com outras iniciativas de EPT, como a Iniciativa Fast Track (FTI) e a Iniciativa pela Educação de Meninas das Nações Unidas (UNGEI), e em especial com as outras iniciativas centrais de EPT promovidas pela UNESCO a Iniciativa de Treinamento de Professores na África Subsaariana (TTISSA) e a Iniciativa de Educação sobre HIV e Aids (Educaids) O processo de preparar e realizar a Sexta Conferência Internacional de Educação de Adultos (CONFINTEA VI), a ser realizada em maio de 2009, na cidade de Belém do Pará no Brasil, também apresenta importante marco para revisar o progresso alcançado na alfabetização e planejar o futuro UIL/2008/PI/H/2

8 Contato Instituto de Aprendizagem ao Longo da Vida da UNESCO (UIL) Feldbrunnenstr Hamburg Germany Tel +49 (0) Fax: + 49 (0) wwwunescoorg/uil Bureau Regional da UNESCO para a Educação em África (BREDA) BP 3318 Dakar Senegal Tel Fax: / 22 wwwdakarunescoorg wwwunescoorg/education/literacy

O compromisso de Nova Deli: Assegurar uma Educação para Todos de Qualidade, Inclusiva e Pertinente. Nova Deli, Índia 8-10 de novembro de 2012

O compromisso de Nova Deli: Assegurar uma Educação para Todos de Qualidade, Inclusiva e Pertinente. Nova Deli, Índia 8-10 de novembro de 2012 ED/EFA/2012/ME/1 Original : inglês O compromisso de Nova Deli: Assegurar uma Educação para Todos de Qualidade, Inclusiva e Pertinente Nova Deli, Índia 8-10 de novembro de 2012 Nona Reunião Ministerial

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO Brasília, fevereiro de 2011

RESUMO EXECUTIVO Brasília, fevereiro de 2011 RESUMO EXECUTIVO Brasília, fevereiro de 2011 UNESCO 2011 Este documento foi aprovado na Sexta Conferência Internacional de Educação de Adultos (CONFINTEA VI), acontecido em Belém, Pará, Brasil, em dezembro

Leia mais

Bases Sólidas: S Alfabetização para a vida. Destaques do Relatório EPT 2006

Bases Sólidas: S Alfabetização para a vida. Destaques do Relatório EPT 2006 Bases Sólidas: S Alfabetização para a vida Destaques do Relatório EPT 2006 A alfabetização é: Um direito que ainda é negado; Essencial para atingir a Educação para todos; Fenómeno social e individual;

Leia mais

Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome

Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome - 06-23-2016 Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome por Por Dentro da África - quinta-feira, junho 23,

Leia mais

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação Membros da MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimentos Membro Data de afiliação África do Sul 10 de março de 1994 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 12 de abril de 1988 Angola 19 de setembro

Leia mais

O Ministério da Saúde da República Federativa do Brasil (doravante denominado Ministério da Saúde)

O Ministério da Saúde da República Federativa do Brasil (doravante denominado Ministério da Saúde) MEMORANDUM DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTÉRIO DA SAÚDE DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O SECRETARIADO DO PROGRAMA CONJUNTO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE HIV/AIDS (UNAIDS) PARA CONSTITUIÇÃO DO CENTRO INTERNACIONAL

Leia mais

Nove áreas temáticas do programa

Nove áreas temáticas do programa Nove áreas temáticas do programa Com base no Plano de Ação FLEGT da União Europeia, a gerência do programa estabeleceu nove áreas temáticas apoiadas pelo programa. Sob cada tema, há uma lista indicativa

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DE ESTADOS IBERO- AMERICANOS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA E A EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA

A ORGANIZAÇÃO DE ESTADOS IBERO- AMERICANOS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA E A EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA A ORGANIZAÇÃO DE ESTADOS IBERO- AMERICANOS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA E A EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA Seminário Política Brasileira de Educação ao Longo da Vida. Porto Seguro, 16 a 18 de setembro

Leia mais

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem.

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. Está pautada no compromisso, no diálogo, no planejamento

Leia mais

POLIONU LISTA DE PAÍSES

POLIONU LISTA DE PAÍSES AGH Bolívia 2 Brasil 2 Chile 2 China 2 Colômbia 2 Cuba 2 Equador 2 Espanha 2 Estados Unidos da América 2 França 2 Honduras 2 Israel 2 Itália 2 México 2 Nigéria 2 Panamá 2 Peru 2 Reino Unido 2 Senegal 2

Leia mais

CONVOCATÓRIA. Contato: Luara Lopes Etapas da Convocatória

CONVOCATÓRIA. Contato: Luara Lopes Etapas da Convocatória Contato: Luara Lopes alveslopes@un.org +55 21 99348 5642 www.eird.org/camp-10-15/ O Escritório das Nações Unidas para a Redução de Riscos de Desastres (UNISDR), por meio de seu Escritório Regional para

Leia mais

ERASMUS+ OPÇÕES PARA O FUTURO DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o

ERASMUS+ OPÇÕES PARA O FUTURO DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o ERASMUS+ E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o OPÇÕES PARA O FUTURO DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO SEMINÁRIO DESAFIO PORTUGAL 2020 EDUCAÇÃO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E MERCADO DE TRABALHO: IMPACTO NA ECONOMIA PORTUGUESA

Leia mais

Fundo Fiduciário de Solidariedade Africana

Fundo Fiduciário de Solidariedade Africana Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Fundo Fiduciário de Solidariedade Africana Temos uma abordagem singular

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 ONU MULHERES ENTIDADE DAS NAÇÕES UNIDAS PARA IGUALDADE DE GÊNERO E EMPODERAMENTO DAS MULHERES

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 ONU MULHERES ENTIDADE DAS NAÇÕES UNIDAS PARA IGUALDADE DE GÊNERO E EMPODERAMENTO DAS MULHERES COPATROCINADOR UNAIDS 2015 ONU MULHERES ENTIDADE DAS NAÇÕES UNIDAS PARA IGUALDADE DE GÊNERO E EMPODERAMENTO DAS MULHERES COPATROCINADORES UNAIDS 2015 O QUE É A ONU MULHERES? A igualdade de gênero é obrigatória

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNFPA FUNDO DE POPULAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNFPA FUNDO DE POPULAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNFPA FUNDO DE POPULAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS COPATROCINADORES UNAIDS 2015 UNFPA O QUE É O UNFPA? O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) se esforça para oferecer um mundo

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 ACNUR ALTO COMISSARIADO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA REFUGIADOS

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 ACNUR ALTO COMISSARIADO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA REFUGIADOS COPATROCINADOR UNAIDS 2015 ACNUR ALTO COMISSARIADO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA REFUGIADOS COPATROCINADORES UNAIDS 2015 ACNUR O QUE É ACNUR? Estigma e discriminação continuam a ser um importante obstáculo para

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNICEF FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNICEF FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNICEF FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA COPATROCINADORES UNAIDS 2015 UNICEF O QUE É UNICEF? O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) acredita que promover os

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 PNUD PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 PNUD PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO COPATROCINADOR UNAIDS 2015 PNUD PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO COPATROCINADORES UNAIDS 2015 PNUD O QUE É O PNUD? Justiça, direitos humanos e igualdade de gênero são marcos da resposta

Leia mais

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 25 de Abril de 2013 Constituição

Leia mais

CONSIDERANDO: A Declaração sobre VIH/SIDA assinada durante a Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CPLP, em Maputo em 2000;

CONSIDERANDO: A Declaração sobre VIH/SIDA assinada durante a Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CPLP, em Maputo em 2000; MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O PROGRAMA CONJUNTO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE VIH/SIDA (ONUSIDA) E A COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) RELATIVO A APOIO PARA A REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES DE

Leia mais

GUIA PRÁTICO. Quadro Integrado Reforçado (QIR) para o Desenvolvimento do Comércio nos Países Menos Avançados

GUIA PRÁTICO. Quadro Integrado Reforçado (QIR) para o Desenvolvimento do Comércio nos Países Menos Avançados GUIA PRÁTICO Quadro Integrado Reforçado (QIR) para o Desenvolvimento do Comércio nos Países Menos Avançados Onde trabalhamos Países : Afeganistão Angola Bangladeche Benim Burquina Faso Burundi Butão Cabo

Leia mais

Participação social é método de governar. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação social é método de governar. Secretaria-Geral da Presidência da República OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Foram definidos para dar respostas aos principais problemas mundiais levantados nas conferências sociais que a ONU promoveu na década de 90: Criança (NY/90);

Leia mais

Banda Larga - Definià à o Tecnica

Banda Larga - Definià à o Tecnica Banda Larga - Definià à o Tecnica O que e Banda Larga? (Broadband) Banda Larga refere-se à telecomunicação que fornece múltiplos canais de dados por cima de um meio de comunicações único, tipicamente usando

Leia mais

Parceria global quer erradicar o casamento precoce na África

Parceria global quer erradicar o casamento precoce na África Parceria global quer erradicar o casamento precoce na África por Por Dentro da África - segunda-feira, novembro 09, 2015 http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/parceria-global-quer-erradicar-o-casamento-precoce-na-africa

Leia mais

The Southern Africa Network for Biosciences (SANBio)

The Southern Africa Network for Biosciences (SANBio) The Southern Africa Network for Biosciences (SANBio) VISÃO GERAL A Rede da África Austral para Biociências (SANBio) é uma plataforma de partilha de pesquisa, desenvolvimento e inovação para colaboração

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS para EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA e a CULTURA - UNESCO. CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO 46 a. Sessão

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS para EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA e a CULTURA - UNESCO. CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO 46 a. Sessão Distribuição: limitada ED/BIE/CONFINTED 46/6 Genebra, 8 de setembro 2001 Original: francês ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS para EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA e a CULTURA - UNESCO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

A Cooperação Portuguesa

A Cooperação Portuguesa FICHA TEMÁTICA A Cooperação Portuguesa Março de 2015 Política de Cooperação para o Desenvolvimento A Cooperação para o Desenvolvimento é um vetor chave da política externa portuguesa, que assenta num consenso

Leia mais

C. PLANO DE AÇÃO PARA O REFORÇO DAS ESTATÍSTICAS VITAIS E DE SAÚDE

C. PLANO DE AÇÃO PARA O REFORÇO DAS ESTATÍSTICAS VITAIS E DE SAÚDE - 13 - Anexo C C. PLANO DE AÇÃO PARA O REFORÇO DAS ESTATÍSTICAS VITAIS E DE SAÚDE Introdução 39. A finalidade deste documento é informar aos Órgãos Diretivos da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS)

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/018

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/018 UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/018 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida profissionais

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO OUI Aprovado pala Assembleia geral da OUI

PLANO ESTRATÉGICO OUI Aprovado pala Assembleia geral da OUI PLANO ESTRATÉGICO OUI 2017 2022 Aprovado pala Assembleia geral da OUI 25 de novembro de 2016 INSPIRAÇÃO OUI "Desejo estabelecer, além e livre de toda fronteira, seja esta política, geográfica, econômica,

Leia mais

Cerca de mulheres em 12 dos países mais pobres do mundo trabalham na mineração artesanal.

Cerca de mulheres em 12 dos países mais pobres do mundo trabalham na mineração artesanal. RESUMO TEMÁTICO BANCO MUNDIAL Comunidades e Mineração Artesanal e de Pequena-Escala (CASM) A abordagem holística da mineração de pequena escala promovida pela iniciativa CASM visa transformar essa atividade

Leia mais

Política de Escopo Geográfico de Certificação de Produtor para o Comércio Justo Fairtrade

Política de Escopo Geográfico de Certificação de Produtor para o Comércio Justo Fairtrade Política de Escopo Geográfico de Certificação de Produtor para o Comércio Justo Fairtrade 19.01.2015 Objetivo O objetivo do escopo geográfico da Fairtrade International é determinar em quais países as

Leia mais

Qualidade de vida e políticas públicas internacionais. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Qualidade de vida e políticas públicas internacionais. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Qualidade de vida e políticas públicas internacionais Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Estimativas e projeções Doenças crônicas não transmissíveis causam 60% das mortes no mundo. Estima-se que

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CEBC COMO SE ASSOCIAR 2014

APRESENTAÇÃO DO CEBC COMO SE ASSOCIAR 2014 APRESENTAÇÃO DO CEBC 201 QUEM SOMOS FUNDADO EM 200, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA,

Leia mais

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS Lista da ONU Países-membros das Nações Unidas Segue-se a lista dos 192 países-membros das Nações Unidas, de acordo com a ordem alfabética de seus nomes em português, com as

Leia mais

Relatório sobre A Situação da População Mundial Fundo de População das Nações Unidas UNFPA

Relatório sobre A Situação da População Mundial Fundo de População das Nações Unidas UNFPA Relatório sobre A Situação da População Mundial 2011 Fundo de População das Nações Unidas UNFPA 7 mil milhões / 7 biliões / 7 bilhões de pessoas: seu mundo, suas oportunidades Relatório 2011 O marco dos

Leia mais

Reconhecendo a importância e a significativa contribuição da aviação civil para o desenvolvimento sócio econômico de seus países e

Reconhecendo a importância e a significativa contribuição da aviação civil para o desenvolvimento sócio econômico de seus países e Memorando de Entendimento sobre a Parceria em Aviação entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados Unidos da América O Governo da República Federativa do Brasil e O Governo

Leia mais

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED JULIO GREGÓRIO FILHO SECRETARIO DE EDUCAÇÃO DF Como o CONSED vem atuando

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Desagregação das medidas e das tipologias de atividades ESTRATÉGIA NACIONAL

Leia mais

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto

Projeto Movimento ODM Brasil 2015 Título do Projeto Título do Projeto Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas práticas para alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio no Brasil. Concepção Estabelecimento

Leia mais

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE PLANEJAMENTO DIPLOMÁTICO REPERTÓRIO DE POLÍTICA EXTERNA: POSIÇÕES DO BRASIL

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE PLANEJAMENTO DIPLOMÁTICO REPERTÓRIO DE POLÍTICA EXTERNA: POSIÇÕES DO BRASIL MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE PLANEJAMENTO DIPLOMÁTICO REPERTÓRIO DE POLÍTICA EXTERNA: POSIÇÕES DO BRASIL BRASÍLIA, 2007 Copyright Ministério das Relações Exteriores Brasil. Ministério

Leia mais

27 de junho de Domingos Lopes

27 de junho de Domingos Lopes 27 de junho de 2016 Domingos Lopes Objetivos Temáticos OT 8. Promover a sustentabilidade e a qualidade do emprego e apoiar a mobilidade dos trabalhadores assumindo como meta nacional, até 2020, o aumento

Leia mais

Política de Governança Digital Brasileira: em pauta a participação social e a transparência ativa

Política de Governança Digital Brasileira: em pauta a participação social e a transparência ativa Política de Governança Digital Brasileira: em pauta a participação social e a transparência ativa Pós-doutorado em Semiótica Cognitiva e Novas Mídias pela Maison de Sciences de l Homme, Professora Titular

Leia mais

O conceito de Trabalho Decente

O conceito de Trabalho Decente O Trabalho Decente O conceito de Trabalho Decente Atualmente a metade dos trabalhadores de todo o mundo (1,4 bilhão de pessoas) vive com menos de 2 dólares ao dia e portanto, é pobre quase 20% é extremamente

Leia mais

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) Em 2000, durante a Cúpula do Milênio, líderes

Leia mais

O 8º FÓRUM MUNDIAL DA ÁGUA

O 8º FÓRUM MUNDIAL DA ÁGUA O 8º FÓRUM MUNDIAL DA ÁGUA ÁGUA COMO UMA PRIORIDADE GLOBAL O tema água já havia surgido por quatro vezes na lista de riscos e emergências globais do relatório do Fórum Econômico Mundial mas, em 2015, foi

Leia mais

REALIZAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO 2012

REALIZAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO 2012 REALIZAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO 2012 Plenamente Realizado Parcialmente Realizado Não Realizado Relacionamento Fortalecer delegações brasileiras para os congressos COF e EFC Articular a agenda dos associados

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1. Objetivo geral: Assessorar tecnicamente a gestão e promover a implementação e articulação interprogramática das atividades relacionadas

Leia mais

RELATÓRIO DE STATUS - JUNHO UM APELO CONSOLIDADO PARA APOIAR PESSOAS AFETADAS POR DESASTRES E CONFLITOS

RELATÓRIO DE STATUS - JUNHO UM APELO CONSOLIDADO PARA APOIAR PESSOAS AFETADAS POR DESASTRES E CONFLITOS RELATÓRIO DE STATUS JUNHO UM APELO CONSOLIDADO PARA APOIAR PESSOAS AFETADAS POR DESASTRES E CONFLITOS Prefácio Stephen O Brien Secretáriogeral Adjunto para Assuntos Humanitários e Coordenador de Socorro

Leia mais

Promoção do trabalho decente em países produtores de algodão na África e América Latina

Promoção do trabalho decente em países produtores de algodão na África e América Latina Foto: Carlos Rudiney/Abrapa Promoção do trabalho decente em países produtores de algodão na África e América Latina Programa de Parceria Brasil/OIT para a Promoção da Cooperação Sul Sul Como surgiu o projeto?

Leia mais

VI Seminário de Políticas de Gestão da Qualidade

VI Seminário de Políticas de Gestão da Qualidade VI Seminário de Políticas de Gestão da Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas aesas - 24 e 25 de setembro de 2008 Eng.º Giuseppe Michelino CETESB Departamento de Tecnologia do Solo, Águas Subterrâneas

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Paraguai. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Paraguai. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Paraguai Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios No Paraguai, as micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) podem ser classificadas

Leia mais

AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Além de integrar a missão e visão da FACISC, o Desenvolvimento Sustentável passa agora a ser uma de nossas Diretrizes de atuação. Desta forma, propondo a ampliação

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Comissão Interamericana de Portos (CIP)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Comissão Interamericana de Portos (CIP) ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Comissão Interamericana de Portos (CIP) PROJETO DE DECLARAÇÃO DO PANAMÁ SOBRE DIRETRIZES PARA A PROTEÇÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA Os Estados Membros da Organização dos Estados

Leia mais

Gestão da política educacional: o caso do município do Rio

Gestão da política educacional: o caso do município do Rio Gestão da política educacional: o caso do município do Rio Claudia Costin Diagnóstico da rede do Rio de Janeiro em 2009 IDEB bom, mas notas da Prova Brasil em queda Professores de bom nível mas insuficientes

Leia mais

Paulo Jannuzzi ENCE/IBGE

Paulo Jannuzzi ENCE/IBGE Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e as oportunidades para o aprimoramento no monitoramento e avaliação de políticas públicas em nível subnacional: reflexões a partir da experiência da SAGI/MDS Paulo

Leia mais

Oficinas de capacitação do LEG para Oficina dos PMDs de língua portuguesa e francesa

Oficinas de capacitação do LEG para Oficina dos PMDs de língua portuguesa e francesa Oficinas de capacitação do LEG para 2012-2013 - Oficina dos PMDs de língua portuguesa e francesa Módulo 1: Trabalhos preliminares 1.1. Resumo da oficina de capacitação e introdução os materiais didáticos

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Cooperação Internacional com os países Africanos

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Cooperação Internacional com os países Africanos MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Cooperação Internacional com os países Africanos Setembro/2012 DIRETRIZES DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 1. Baseada em valores clássicos: promoção

Leia mais

O QUE SÃO OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM)

O QUE SÃO OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) O QUE SÃO OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio foram definidos no ano 2000, pela Organização das Nações Unidas (ONU), para dar resposta aos grandes

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 77/2015, de 10 de Setembro

Resolução do Conselho de Ministros n.º 77/2015, de 10 de Setembro Comissão Executiva da Especialização em Engenharia de Segurança ORDEM DO 16 de Dezembro, 2015 ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 2015-2020 - Por um trabalho seguro, saudável e produtivo

Leia mais

TENDÊNCIAS GLOBAIS DE EMPREGO JOVEM

TENDÊNCIAS GLOBAIS DE EMPREGO JOVEM TENDÊNCIAS GLOBAIS DE EMPREGO JOVEM UMA GERAÇÃO EM RISCO maio 2013 Estrutura da apresentação O que é a OIT. Origem e importância Emprego jovem Breve descrição. Porquê centrar a atenção nos jovens. Começar

Leia mais

Memorando de Entendimento. Entre A COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE TURISMO

Memorando de Entendimento. Entre A COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE TURISMO Memorando de Entendimento Entre A COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE TURISMO Considerando que a Comunidade de Países de Língua Oficial Portuguesa doravante designada por

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA Título da Posição: TECNICO DE PROMOÇÃO TURÍSTICA Duração: Local: Instituição: RENOVAÇÃO DEPENDENDO

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020

1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC 2020) Avaliação do âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de junho 1. DEFINIÇÃO, ANTECEDENTES E VISÃO DA ENAAC 2020 A Estratégia

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 OMS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 OMS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE COPATROCINADOR UNAIDS 2015 OMS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE COPATROCINADORES UNAIDS 2015 O QUE É A OMS? As novas orientações consolidadas de tratamento da OMS representam mais um salto adiante para uma

Leia mais

Relatório Mundial de Saúde 2006

Relatório Mundial de Saúde 2006 170 Relatório Mundial de Saúde 2006 Anexo Tabela 1 Indicadores básicos para todos os Estados-Membros Números computados pela OMS para assegurar comparabilidade a ; não são necessariamente estatísticas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN MCT 1 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN MCT 1 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) - TECN 3.1.6 - MCT 1 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Prestação de serviços de pessoa física para a elaboração de documento

Leia mais

Projeto Inclusão Social Urbana Nós do Centro. Prefeitura de São Paulo União Européia

Projeto Inclusão Social Urbana Nós do Centro. Prefeitura de São Paulo União Européia Projeto Inclusão Social Urbana Nós do Centro Prefeitura de São Paulo União Européia Histórico do Projeto Cooperação técnica bilateral da Prefeitura de São Paulo com a União Européia com duração de quatro

Leia mais

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local INTRODUÇÃO Este documento foi concetualizado como uma ferramenta para a construção de um território Educador, em que a educação e a formação podem acontecer dentro e fora da escola, através da promoção

Leia mais

Principais Descobertas e Recomendações

Principais Descobertas e Recomendações Principais Descobertas e Recomendações A Pesquisa do Orçamento Aberto 2008, uma avaliação compreensiva da transparência orçamentária em 85 países, revela que o estado da transparência orçamentária ao redor

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

Proteção Social y Saúde em Brasil

Proteção Social y Saúde em Brasil Proteção Social y Saúde em Brasil Banco Interamericano do Desenvolvimento Divisão de Proteção Social e Saúde (SPH) Marcia Leite Arieira Washington, DC Os Programas do BID em Proteção Social Para combater

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO 12/5/2017 INFORMAÇÃO PÚBLICA ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIAS... 4 4 CONCEITOS... 4 5 DIRETRIZES... 4 6 REGRAS... 5 7 RESPONSABILIDADES... 7 8 INFORMAÇÕES DE CONTROLE... 7 2 1 OBJETIVO

Leia mais

Exportação de Farinhas e Gorduras de Origem Animal

Exportação de Farinhas e Gorduras de Origem Animal 14:58 Exportação de Farinhas e Gorduras de Origem Animal Projeto Programa Brasileiro para a Expansão das Exportações das Farinhas e gorduras de origem animal Objetivo Identificar a situação encontrada

Leia mais

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro Programa EaSI É um instrumento de financiamento, a nível europeu, gerido diretamente pela Comissão Europeia, para apoiar o emprego, a política social e a mobilidade profissional em toda a UE Visa contribuir

Leia mais

Recomendação de políticas Alfabetização digital

Recomendação de políticas Alfabetização digital Recomendação de políticas A oportunidade O conhecimento de informática e a alfabetização, a familiaridade com software de produtividade, a fluência no uso de uma ampla gama de dispositivos digitais, estas

Leia mais

Qualificação da Gestão

Qualificação da Gestão Qualificação da Gestão O que é o SUS Instituído pela Constituição de 1988, o Sistema Único de Saúde SUS é formado pelo conjunto das ações e serviços de saúde sob gestão pública Com direção única em cada

Leia mais

MANDATOS DECORRENTES DA SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS. As Chefes e os Chefes de Estado e de Governo das Américas nos comprometemos a:

MANDATOS DECORRENTES DA SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS. As Chefes e os Chefes de Estado e de Governo das Américas nos comprometemos a: SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS OEA/Ser.E 14 a 15 de abril de 2012 CA-VI/doc.6/12 Rev.2 Cartagena das Índias, Colômbia 23 maio 2012 Original: espanhol MANDATOS DECORRENTES DA SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS As Chefes

Leia mais

Plano Nacional de Turismo

Plano Nacional de Turismo Plano Nacional de Turismo 2011-2015 Conceito Conjunto de diretrizes, metas e programas que orientam a atuação do Ministério do Turismo, em parceria com outros setores da gestão pública nas três esferas

Leia mais

Plano Estratégico de Promoção de Investimento Privado em Moçambique (PEPIP )

Plano Estratégico de Promoção de Investimento Privado em Moçambique (PEPIP ) REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CONFERENCIA DE INVESTIDORES DO CORREDOR DE NACALA Plano Estratégico de Promoção de Investimento Privado em

Leia mais

Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento da EPT no Brasil até 2024

Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento da EPT no Brasil até 2024 Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento da EPT no Brasil até 2024 Marcelo Machado Feres Secretário de Educação Profissional e Tecnológica SETEC Ministério da Educação XXXIX edição da Reunião dos

Leia mais

10. Metas e Indicadores 1. PERSPECTIVA: SOCIEDADE. Tema: Qualidade 2. PERSPECTIVA: PROCESSOS INTERNOS. Tema: Responsabilidade socioambiental

10. Metas e Indicadores 1. PERSPECTIVA: SOCIEDADE. Tema: Qualidade 2. PERSPECTIVA: PROCESSOS INTERNOS. Tema: Responsabilidade socioambiental 10. Metas e Indicadores As metas representam os resultados a serem alcançados pelo tribunal para atingir os objetivos propostos. Elas permitem um melhor controle do desempenho da instituição, pois são

Leia mais

O que é um APL? Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Atividade produtiva predominante. Mesmo território

O que é um APL? Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Atividade produtiva predominante. Mesmo território O que é um APL? O que é um APL? Um Arranjo Produtivo Local se caracteriza por: Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Associação Empresarial Entidade ou Governo Instituição de Ensino

Leia mais

Sexagésima primeira sessão Yamoussoukro, Côte d Ivoire, 29 de Agosto 2 de Setembro de 2011

Sexagésima primeira sessão Yamoussoukro, Côte d Ivoire, 29 de Agosto 2 de Setembro de 2011 4 de Julho de 2011 COMITÉ REGIONAL AFRICANO ORIGINAL: INGLÊS Sexagésima primeira sessão Yamoussoukro, Côte d Ivoire, 29 de Agosto 2 de Setembro de 2011 Ponto 16 da ordem do dia provisória RELATÓRIO DOS

Leia mais

CENTRO DE COORDENAÇÃO MULTINACIONAL PARA A "Zona D"

CENTRO DE COORDENAÇÃO MULTINACIONAL PARA A Zona D CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DE ÁFRICA COORDENAÇÃO INTER-REGIONAL PARA SEGURANÇA MARÍTIMA CENTRO DE COORDENAÇÃO MULTINACIONAL PARA A "Zona D" YAOUNDÉ / 11-14 de julho de 2017 Comandante Cyrille Serge

Leia mais

MINUTA EM CONSTRUÇÃO

MINUTA EM CONSTRUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO MINUTA EM CONSTRUÇÃO RESOLUÇÃO POLÍTICA DE AÇÕES AFIRMATIVAS E PROMOÇÃO DA IGUALDADE ÉTNICO-RACIAL Institui a Política de Ações Afirmativas

Leia mais

Panorama Mundial do Trabalho Infantil e a Experiência Brasileira

Panorama Mundial do Trabalho Infantil e a Experiência Brasileira Panorama Mundial do Trabalho Infantil e a Experiência Brasileira Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Forum Mundial de Direitos Humanos Brasília, 12 dezembro 2013 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia.

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia. Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais Módulos Delimitação do projeto Análise da cadeia e estratégia Implementação Monitoria 0 Decisão sobre

Leia mais

IX CONFERÊNCIA IBERO-AMERICANA DE MINISTRAS E MINISTROS DO TRABALHO, EMPREGO E PREVIDÊNCIA SOCIAL Cartagena de Indias, Colômbia 2 e 3 de maio de 2016

IX CONFERÊNCIA IBERO-AMERICANA DE MINISTRAS E MINISTROS DO TRABALHO, EMPREGO E PREVIDÊNCIA SOCIAL Cartagena de Indias, Colômbia 2 e 3 de maio de 2016 IX CONFERÊNCIA IBERO-AMERICANA DE MINISTRAS E MINISTROS DO TRABALHO, EMPREGO E PREVIDÊNCIA SOCIAL Cartagena de Indias, Colômbia 2 e 3 de maio de 2016 AS MINISTRAS, OS MINISTROS E REPRESENTANTES DOS PAÍSES

Leia mais

O acesso à água e saneamento como direito humano. O papel das entidades gestoras

O acesso à água e saneamento como direito humano. O papel das entidades gestoras O acesso à água e saneamento como direito humano O papel das entidades gestoras Álvaro Carvalho, David Alves Departamento de Estudos e Projetos da ERSAR ENEG 2013 Coimbra, 4 de dezembro de 2013 O acesso

Leia mais

Desafios e oportunidades da Graduação de PMA: O PNUD como Parceiro Estratégico no Processo de Graduação

Desafios e oportunidades da Graduação de PMA: O PNUD como Parceiro Estratégico no Processo de Graduação Desafios e oportunidades da Graduação de PMA: O PNUD como Parceiro Estratégico no Processo de Graduação Prof. Dr. Ayodele Odusola Economista-Chefe e Chefe da Equipa de Estratégia e Análise Escritório Regional

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA

COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA Secretaria Nacional de Economia Solidária Ministério do Trabalho e Emprego Seu tamanho no Brasil 21.859 EES 1,7 Milhão de Pessoas 2.934 municípios (52%)

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL DA II REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DOS MINISTROS DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

DECLARAÇÃO FINAL DA II REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DOS MINISTROS DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA DECLARAÇÃO FINAL DA II REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DOS MINISTROS DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Os Ministros responsáveis pela Ciência e Tecnologia da República de Angola,

Leia mais

Informação de imprensa

Informação de imprensa Informação de imprensa BASF propõe soluções para a produção sustentável e o consumo consciente de alimentos no Brasil Documento apresenta propostas para minimizar perdas e desperdícios na cadeia produtiva

Leia mais

PLANO DE GESTÃO ESCOLAR PLEITO A 2018

PLANO DE GESTÃO ESCOLAR PLEITO A 2018 PLANO DE GESTÃO ESCOLAR PLEITO - 2016 A 2018 NOVA ANDRADINA MS SETEMBRO/2015 ABMAEL ROCHA JUNIOR ROSIMEIRE DA SILVA OLIVEIRA E. E. PROFESSORA FÁTIMA GAIOTTO SAMPAIO PROJETO GESTÃO ESCOLAR PLEITO 2016 A

Leia mais

Objetivos de Desenvolvimento do Milénio

Objetivos de Desenvolvimento do Milénio Direito a Não Viver na Objetivos de Desenvolvimento do Milénio Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria 8 Objetivos de Desenvolvimento do Milénio com diversas metas a ser atingidas. Adoptados pela

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros 15.12.2016 2017/0000(INI) PROJETO DE RELATÓRIO que contém uma proposta de recomendação do Parlamento Europeu ao Conselho

Leia mais

Rumo à Educação para Todos

Rumo à Educação para Todos Rumo à Educação para Todos COOPERAÇÃO UNESCO BRASIL QUATRO INICIATIVAS EM DESTAQUE BR/2009/PI/H/8 Apresentação Em um mundo que mantém 75 milhões de crianças fora da escola e quase 776 milhões de jovens

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ - UECE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ - UECE Seminário Os NITs e a efetividade do Programa RENORBIO Uma proposta para os NITs do NE Teresa Lenice Mota (UECE) Colaboração: André Luiz Araújo (CEFET-CE) Aritomar Barros (UFC) BNB, 10 de abril de 2007

Leia mais

ESPORTE PARA O DESENVOLVIMENTO HUMANO

ESPORTE PARA O DESENVOLVIMENTO HUMANO ESPORTE PARA O DESENVOLVIMENTO HUMANO O esporte é uma via privilegiada para o desenvolvimento humano. Por meio do esporte, as crianças e jovens têm oportunidade de desenvolver valores, atitudes e competências

Leia mais