Centro Universitário Padre Anchieta Controle de Processos Químicos Ciência dos Materiais Prof Ailton. Metais Não Ferrosos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Centro Universitário Padre Anchieta Controle de Processos Químicos Ciência dos Materiais Prof Ailton. Metais Não Ferrosos"

Transcrição

1 Metais Não Ferrosos Introdução Denominam-se metais não ferrosos, os metais em que não haja ferro ou em que o ferro está presente em pequenas quantidades, como elemento de liga Os metais não ferrosos são mais caros e apresentam maior resistência à corrosão, menor resistência mecânica, pior resistência a temperaturas elevadas e melhor resistência em baixas temperaturas que o aço carbono. Os principais serviços com metais não ferrosos são os serviços de corrosão e de não contaminação pelo produto da corrosão, como em situações extremas de temperaturas baixas e altas. Abaixo faremos uma exposição dos principais metais não ferrosos utilizados em equipamento de processos. 8.2 e ligas de cobre São usualmente utilizados cerca de 50 tipos de cobre e ligas em equipamento de processos, os quais podem ser classificados em: cobre comercial, latões, bronzes e cobreníquel comercial O cobre comercial apresenta pelo menos 95% de cobre (veja tabela 8.1). A principal fraqueza desse material e o descaimento de sua resistência mecânica em temperaturas elevadas, permitem-se o uso do cobre comercial até a temperatura de 200 O C. A temperatura máxima de utilização e seu elevado custo restringem a utilização deste material. Devido sua estrutura CFC, o cobre não apresenta transição dúctil-frágil e pode ser utilizado sem teste de impacto até a temperatura de 200 O C. A resistência do cobre comercial à corrosão assim como as ligas de cobre é conseqüência da formação de uma camada passivadora de vários compostos de cobre,

2 diferindo da camada passivadora de óxidos dos aços. Deve-se lembrar que o cobre e suas ligas são altamente catódicos em relação ao aço carbono, a união cobre aço carbono, causará uma intensa corrosão galvânica na presença de meios eletrolíticos. O cobre comercial apresenta excelente resistência à corrosão atmosférica úmida e poluída, e também às águas salobras e salgada, aos meios não oxidantes, aos compostos orgânicos (álcoois, aldeídos, cetonas, hidrocarbonetos, ácidos graxos, etc). Apresenta baixa resistência a corrosão em meios ácidos oxidantes fortes (nítrico, sulfúrico, crômico, entre outros). Tanto o cobre como suas ligas apresentam corrosão sob tensão em meios onde houver a presença de amônia, aminas, sais amoniacais, cianetos entre outros compostos nitrogenados. Não se pode utilizar o cobre e suas ligas em serviços com o acetileno, pois há a formação de um produto explosivo. Tabela 8.1 numeração CDA C C C Material Fosforoso arsenical fordoroso -arsenical Composição quimica Elementos L R Kg mm 2 Chapas Especificação da ASTM Tubos para água Tubos sem costura 99,9 P: 0,015-0, B-11 B-88 B-75 B ,4 As: 0,15-0,50 21 B-11 B-75 B ,4 P: 0,015-0,040 As: 0,15-0,50 21 B-11 B-75 B-111 Tubos condensadores Latões Os latões são ligas de cobre com até 40% de zinco e pequenas concentrações de outros elementos (veja tabela 8.2). O aumento da quantidade de zinco na solução sólida

3 Numeraçã o CDA C44300 Centro Universitário Padre Anchieta diminui o custo do mateial e também diminui a resistência à corrosão. Para quantidades superiores a 15% ocorrerá grave dezincificação (ver tópico de formas de corrosão), o que pode ser observado pela mudança de cor do latão que passa do amarelo para o vermelho cobre. A dezincificação pode ser controlada com a adição de As ou Sb. Os latões são usados, principalmente para tubos e espelhos de troca de calor, bem como para válvulas de pequeno diâmetro, sempre que o serviço for realizado em baixas pressões, devido à pequena resistência mecânica dos latões. Tabela 8.2 Nome Latão almirantado Composição química Cu Zn Outros C C46400 Latão naval C28000 C68700 C85200 C23000 C33000 Metal Muntz Latão de alumínio Latão de fundição Latão vermelho Latão chumbo Sn: 0,9-1,2 Fé, Pb, AS Sn: 0,9-1,2 Fé, Pb, P Sn: 0,5-1 Pb: 0,2 Pb: 0,3 Fe Al: 1,8-2,5 Fé, Pb, As LR Kg/m m 2 Chapas 32 B-111 Normas ASTM Tubos troca de calor 31,5 B B B B-111 Pça Fundi da Sn: 0,7-2 Pb: 1,5-3,7 21 B Pb: 0, Pb: 0,5 30 Os elementos sem especificação de porcentagem são adicionados em pequenas quantidades.

4 Bronzes Os bronzes são ligas de cobre criadas com o intuito de melhorar a resistência à temperatura e a resistência mecânica. Os elementos de liga associados ao cobre (85-95%) são: Sb, Al, P, Si. Como sabemos os elementos Si e Al são desoxidantes sendo o Al mais utilizado em equipamentos de processos. Os bronzes industriais podem ser utilizados entre as temperaturas de -200 O C a 370 O C. A resistência dos bronzes são similares a do cobre comercial e também estão sujeitos a corrosão sob tensão em presença de amônia, aminas, sais amoniacais, e mercúrio. São empregados para a construção de válvulas pequenas e para o mecanismo interno de válvulas grandes e paras os espelhos de trocadores de calor Níquel O níquel e o cobre possuem tamanhos atômicos próximos, assim a liga cobre níquel formam soluções sólidas substitucionais praticamente em qualquer proporção. Os cobre níquel possuem melhor resistência à corrosão e à temperaturas elevadas, mas também eleva o preço do material. A resistência mecânica do cobre-níquel é semelhante a do bronze e sua resistência à corrosão é semelhante a do cobre comercial. São usados principalmente para feixes tubulares de trocadores de calor, onde circula água salgada ou outras águas agressivas e para tubulações de águas agressivas e de ácidos diluídos com pequenos diâmetros, onde não é possível o uso do aço carbono Alumínios e suas ligas O alumino é um metal de baixa densidade e alta condutividade térmica e baixa resistência mecânica. Com uma estrutura CFC o alumínio pode ser utilizado para serviços até próximo do zero absoluto, pois não apresenta a transição dúctil-frágil, sua resistência mecânica (LR e LE especificamente) aumenta com a diminuição da temperatura.. Para temperaturas elevadas a resistência mecânica do alumínio decai tornando seu uso impróprio para temperaturas acima de 150 O C.

5 O alumínio forma uma fina camada passivadora de óxido muito estável e tenaz, sendo praticamente inerte à atmosfera e apresentando uma boa corrosão às águas salinas, alcalinas e acidas. Apresenta também boa corrosão nos seguintes meios corrosivos: Oxigênio, água oxigenada, acido nítrico, amônia e compostos amoniacais, álcoois ésteres, éteres, cetonas, aminas, ácidos orgânicos, hidrocarbonetos; todos em temperatura ambiente Enxofre, H 2 S, SO 2, sulfetos e produtos sulfurosos provenientes dos hidrocarbonetos, em altas temperaturas. CO, CO 2, ácido carbono Acetileno, HCN, amônia anidra ou hidratada. O alumínio é altamente atacado quimicamente (corrosão química) por acido minerais não oxidante (HCl, HF, H 2 SO 4, etc) pela soda e potassa cáusticas, e por soluções fortemente alcalinas. O mercúrio e compostos mercuriais causam corrosão sob tensão no alumínio Graças ao seu excelente desempenho em baixas temperaturas o Alumínio é usado para serviços criogênicos com gases liquefeitos e serviços a baixa temperatura em que as condições de corrosão e segurança o permitam. 8.4 Níquel e ligas Tanto o níquel quanto suas ligas apresentam excelente resistência a corrosão e resistência mecânica em temperaturas elevadas e baixas. Na tabela 8.3 pode-se observar várias ligas de níquel patenteadas e suas principais propriedades. O custo elevado das ligas de níquel fazem que estes matérias sejam poucos usados a baixa temperatura, onde se prefere usar materiais mais baratos como o alumínio e os aços austeníticos. Normalmente emprega-se o níquel em ambientes corrosivos severos de cáusticos sendo oníquel 201 o mais empregado para esses serviços em temperaturas de 300 O C. De todas as ligas de níquel o metal monel é o mais utilizado em equipamentos de processos, sendo usados para tubulações e válvulas de pequeno diâmetro, para tubulações de trocadores de calor e como material de revestimento anticorrosivo.

6 Os Inconel e os Incoloys foram criados para serviços severos: oxidantes ou redutores, em temperaturas elevadas. Os Hasteloy são ligas de níquel de alto custo com grandes quantidade de Mo, podendo também conter Cr, Co, W, V e outros metais, são classificados em tipos B, C, D, e G. Os hasteloy tipo B é uma das ligas industriais mais resistentes à corrosão que existe. O custo extremamente elevado destas ligas inclusive ao custo do Titânio, limita seu emprego em alguns casos excepcionais, quando não houver outras alternativas. São usados em trocadores de calor e peças pequenas. Tabela 8.3

Metais: Ligas não ferrosas

Metais: Ligas não ferrosas FACULDADE SUDOESTE PAULISTA Ciência e Tecnologia de Materiais Prof. Ms. Patrícia Corrêa Metais: Ligas não ferrosas Ligas Não Ferrosas Cobre Alumínio Outros: Magnésio e Titânio Superligas Metais Não-Ferrosas

Leia mais

Sistemas Estruturais. Prof. Rodrigo mero

Sistemas Estruturais. Prof. Rodrigo mero Sistemas Estruturais Prof. Rodrigo mero Aula 4 O Material aço Índice Características de Aço da Construção Civil Propriedades Modificadas Ligas Metálicas Ligas Ferrosas Ligas Não-Ferrosas Teor de Carbono

Leia mais

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR Seleção do processo de fundição Metal a ser fundido [C. Q.]; Qualidade requerida da superfície do fundido; Tolerância dimensional requerida

Leia mais

PRODUTOS SIDERÚRGICOS MCC1001 AULA 11

PRODUTOS SIDERÚRGICOS MCC1001 AULA 11 PRODUTOS SIDERÚRGICOS MCC1001 AULA 11 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil 1. PRODUTOS

Leia mais

METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS

METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS METAIS Podem ser moldados; São dúcteis (deformam antes de romper); Bons condutores de energia elétrica e calor. OBTENÇÃO DOS METAIS OBTENÇÃO DOS METAIS OBTENÇÃO DOS

Leia mais

Corrosão Metálica. Introdução. O que é corrosão? Classificação dos processos de corrosão. Principais tipos de corrosão

Corrosão Metálica. Introdução. O que é corrosão? Classificação dos processos de corrosão. Principais tipos de corrosão Corrosão Metálica Introdução O estudo da corrosão de superfícies é importante para a solução de problemas de peças e equipamentos. Ter o conhecimento dos tipos de corrosão existentes, compreender os seus

Leia mais

Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos. CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Hemerson Dutra

Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos. CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Hemerson Dutra Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Aços e Ferros Fundidos O Ferro é o metal mais utilizado pelo homem. A abundância dos

Leia mais

Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono

Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono Metalurgia da Soldagem Particularidades Inerentes aos Aços Carbono A partir do estudo deste texto você conhecerá as particularidades inerentes a diferentes tipos de aços: aços de médio carbono (para temperaturas

Leia mais

HIDROMETALURGIA E ELETROMETALURGIA. Prof. Carlos Falcão Jr.

HIDROMETALURGIA E ELETROMETALURGIA. Prof. Carlos Falcão Jr. HIDROMETALURGIA E ELETROMETALURGIA Prof. Carlos Falcão Jr. Definição de HIDROMETALURGIA parte da metalurgia que engloba os processos de extração de metais, nos quais a principal etapa de separação metal-ganga

Leia mais

PDF created with pdffactory trial version ProfªAna Carmela ProfªDulce Lins Profº Eduardo Alécio

PDF created with pdffactory trial version  ProfªAna Carmela ProfªDulce Lins Profº Eduardo Alécio COMPOSIÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS ProfªAna Carmela ProfªDulce Lins Profº Eduardo Alécio VIDRO VIDRO Vidro Alcalino (Corning 0080): Lâminas descartáveis de microscópio e frasco reagente de baixo

Leia mais

Metalografia e tratamento térmico do cobre e suas ligas

Metalografia e tratamento térmico do cobre e suas ligas PMT-2402 Metalografia e Tratamentos Térmicos dos Metais Metalografia e tratamento térmico do cobre e suas ligas André Paulo Tschiptschin Histórico Primeiro metal a ser utilizado pelo homem Facas de cobre

Leia mais

ZAMAC MEGA ZINCO METAIS

ZAMAC MEGA ZINCO METAIS ZAMAC MEGA ZINCO METAIS Zinco Alumínio Magnésio Cobre 1 ZAMAC - Composição Química COMPOSIÇÃO QUÍMICA DAS LIGAS DE ZINCO ASTM B 240 07 - LINGOTES Elemento Químico ZAMAC 3 ZAMAC 5 Zamac 8 Alumínio - Al

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 02. Introdução ao Estudo dos Materiais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 02. Introdução ao Estudo dos Materiais Aula 02 Introdução ao Estudo dos Materiais Prof. Me. Dario de Almeida Jané Introdução ao Estudo dos Materiais - Definição - Tipos de Materiais / Classificação - Propriedades dos Materiais Introdução ao

Leia mais

GRSS. MIG Brazing BRITE EURAM III. MIG Brazing

GRSS. MIG Brazing BRITE EURAM III. MIG Brazing MIG BRAZING O processo MIG BRAZING é um processo de SOLDABRASAGEM porque ocorre a fusão parcial do metal de base e a capilaridade é mínima. Soldagem Fusão do MA e MB; Soldabrasagem Fusão do MA e parcial

Leia mais

O Aço Sem Manchas (Stainless Steel)

O Aço Sem Manchas (Stainless Steel) O Aço Sem Manchas (Stainless Steel) Diz a história que os aços inoxidáveis foram descobertos por acaso. Em 1912 o inglês Harry Brearly, estudava uma liga Fe-Cr (13%) e justamente quando tentava fazer algumas

Leia mais

SUMÁRIO. 1 Introdução Obtenção dos Metais Apresentação do IBP... xiii. Apresentação da ABENDI... Apresentação da ABRACO...

SUMÁRIO. 1 Introdução Obtenção dos Metais Apresentação do IBP... xiii. Apresentação da ABENDI... Apresentação da ABRACO... SUMÁRIO Apresentação do IBP... xiii Apresentação da ABENDI... xv Apresentação da ABRACO... xvii Prefácio... xix 1 Introdução... 1 1.1 Exercícios... 3 2 Obtenção dos Metais... 5 2.1 Minérios... 5 2.1.1

Leia mais

GGD INOX MARTENSÍTICO

GGD INOX MARTENSÍTICO AÇOS INOXIDÁVEIS GGD INOX MARTENSÍTICO Generalidades Podem ser beneficiados para altas durezas e ampla faixa de resistência mecânica. São magnéticos e possuem boa usinabilidade. Resistência à corrosão:

Leia mais

Processos de Soldagem. Valter V de Oliveira

Processos de Soldagem. Valter V de Oliveira Processos de Soldagem Valter V de Oliveira Introdução Processos de junção são empregados para unir dois ou mais componentes, de forma que estes passem a apresentar um movimento de corpo rígido. O termo

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SOLDAGEM DE COBRE E SUAS LIGAS

BOLETIM TÉCNICO SOLDAGEM DE COBRE E SUAS LIGAS INTRODUÇÃO A união de cobre e suas ligas podem ser efetuadas por processos de soldagem e brasagem O processo de brasagem é adequado para componentes de dimensões relativamente pequenas, devido a grande

Leia mais

Funções inorgânicas : Sais e Óxidos

Funções inorgânicas : Sais e Óxidos Funções inorgânicas : Sais e Óxidos Sais Bicarbonato de sódio (NaHCO 3 ) Utilizado em antiácidos Carbonato de cálcio (CaCO 3 ) Encontrado no mármore, no calcário, nas cascas de ovos etc Sulfato de cálcio

Leia mais

QUÍMICA FUNÇÕES INORGÂNICAS ÓXIDOS. Professor: Rafael Odorico

QUÍMICA FUNÇÕES INORGÂNICAS ÓXIDOS. Professor: Rafael Odorico QUÍMICA FUNÇÕES INORGÂNICAS ÓXIDOS FUNÇÕES QUÍMICAS Algumas substâncias químicas com propriedades semelhantes foram agrupadas em funções químicas. Função Química conjunto de compostos com propriedades

Leia mais

LIGAS DE COBRE GENERALIDADES

LIGAS DE COBRE GENERALIDADES Cobre e Ligas Propriedades: Densidade: 8,96 g/cm 3 Ponto de Fusão: 1083 C Condutividade térmica: 0,941 cal/cm 2 /cm/ C/s Condutividade elétrica: 1,673 x10-6 ohms.cm ou 100% IACS-International International

Leia mais

Propriedades típicas e algumas aplicações das ligas de alumínio conformadas

Propriedades típicas e algumas aplicações das ligas de alumínio conformadas 1 Propriedades típicas e algumas aplicações das ligas de alumínio conformadas Liga / tratamento resistência escoamento Alongamento em 50mm 1 [%] Resistência à corrosão (geral) 2 Conformação a frio 3 Usinagem

Leia mais

PHYWELD 625. The World Specialist in Nickel Based Alloy Wire

PHYWELD 625. The World Specialist in Nickel Based Alloy Wire PHYWELD 625 Baixo Carbono - Baixo Ferro - Elementos de liga Níquel-Cromo-Molibdênio-Nióbio PHYWELD 625 offers > Destacada resistência à corrosão em diversos meios. > Resistência à corrosões localizadas

Leia mais

Processo de Soldagem a Gás

Processo de Soldagem a Gás Processo a Gás Este texto apresenta aspectos relacionados com o Processo a Gás, envolvendo equipamentos de soldagem, tipos e funções dos gases, tipos e funções dos combustíveis, tipos de chama, características

Leia mais

VII Olimpíada Catarinense de Química Etapa I - Colégios

VII Olimpíada Catarinense de Química Etapa I - Colégios VII Olimpíada Catarinense de Química 2011 Etapa I - Colégios Fonte: Chemistryland Segunda Série 1 01 200 ml de uma solução de hidróxido de alumínio são diluídos em água destilada até a sua concentração

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE IFRN CAMPUS MOSSORÓ PROFESSOR: ALBINO DISCIPLINA: QUÍMICA EXPERIMENTAL

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE IFRN CAMPUS MOSSORÓ PROFESSOR: ALBINO DISCIPLINA: QUÍMICA EXPERIMENTAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE IFRN CAMPUS MOSSORÓ PROFESSOR: ALBINO DISCIPLINA: QUÍMICA EXPERIMENTAL ESTRUTURA DA MATÉRIA O termo matéria refere-se a todos os

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE PRODUTOS

CARACTERIZAÇÃO DE PRODUTOS CARACTERIZAÇÃO DE PRODUTOS ALTAMUL Altamul é uma linha de refratários produzida a partir da mulita eletrofundida, (3Al2O32SiO2), com liga cerâmica de mulita, podendo ainda ser adicionado Óxido de Alumínio

Leia mais

Comunidade. Meio Ambiente. Operações Contra Incêndios. Emergências com Produtos Químicos. Resgates

Comunidade. Meio Ambiente. Operações Contra Incêndios. Emergências com Produtos Químicos. Resgates AÇÕES CORRETIVAS EM ACIDENTES COM CARGAS PERIGOSAS Capitão BM Marcos Viana Ações de Resposta em Emergências com Produtos Químicos 1. INTRODUÇÃO Ações de Resposta em Emergências com Produtos Químicos 2.

Leia mais

ª Fase. 5 pontos

ª Fase. 5 pontos 45 20 pontos 46 10 pontos 47 10 pontos 48 20 pontos AECVEXFQ10/11-04 49 10 pontos 50 10 pontos 20 pontos 51 10 pontos 52 20 pontos TOTAL Prova Escrita de Física e Química A, 2008 200 pontos 11.º/12.º Anos

Leia mais

GRSS. SOLDAGEM POR EXPLOSÃO Explosion WELDING

GRSS. SOLDAGEM POR EXPLOSÃO Explosion WELDING SOLDAGEM POR EXPLOSÃO Fundamentos do processo É um processo de soldagem no estado sólido, que produz uma solda pelo impacto em alta velocidade das peças como resultado de uma detonação (explosão) controlada.

Leia mais

1 Introdução Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica... 5

1 Introdução Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica... 5 Sumário 1 Introdução................................ 1 2 Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica........ 5 2.1 POTENCIAIS ELETROQUÍMICOS............................ 5 2.2 PILHAS DE CORROSÃO...................................17

Leia mais

Cálculo de Estruturas e Tubulações Industriais

Cálculo de Estruturas e Tubulações Industriais Cálculo de Estruturas e Tubulações Industriais AULA 4 ESPECIFICAÇÃO DE MATERIAIS DE TUBULAÇÃO PROF.: KAIO DUTRA Problema Geral da Seleção dos Materiais oa seleção correta dos materiais adequados para cada

Leia mais

Tecnologia Mecânica Propriedades dos materiais

Tecnologia Mecânica Propriedades dos materiais Propriedades dos materiais Por que o plástico é "plástico"? Por que o alumínio é mais leve que o ferro? Por que a borracha depois de esticada volta a sua forma primitiva? Por que o cobre conduz eletricidade

Leia mais

Oxy-Cut Processos de Fabrico. Trabalho de pesquisa efetuado por Rodrigo Chora

Oxy-Cut Processos de Fabrico. Trabalho de pesquisa efetuado por Rodrigo Chora Oxy-Cut Processos de Fabrico Trabalho de pesquisa efetuado por Rodrigo Chora Uma breve introdução O oxicorte é uma técnica muito utilizada para o corte de objetos metálicos. Este método consiste no corte

Leia mais

SOLDAGEM TIG. Prof. Dr. Hugo Z. Sandim. Marcus Vinicius da Silva Salgado Natália Maia Sesma William Santos Magalhães

SOLDAGEM TIG. Prof. Dr. Hugo Z. Sandim. Marcus Vinicius da Silva Salgado Natália Maia Sesma William Santos Magalhães SOLDAGEM TIG Prof. Dr. Hugo Z. Sandim Marcus Vinicius da Silva Salgado Natália Maia Sesma William Santos Magalhães Soldagem TIG Processo de soldagem TIG Fonte: www.infosolda.com.br e Welding Metallurgy

Leia mais

Capítulos 7 e 8 SOLIDIFICAÇÃO E DIFUSÃO ATÓMICA EM SÓLIDOS

Capítulos 7 e 8 SOLIDIFICAÇÃO E DIFUSÃO ATÓMICA EM SÓLIDOS Capítulos 7 e 8 SOLIDIFICAÇÃO E DIFUSÃO ATÓMICA EM SÓLIDOS 1*. Considere a nucleação homogénea durante a solidificação de um metal puro. Sabendo que a energia livre de Gibbs de um agregado de átomos aproximadamente

Leia mais

Propriedades Mecânicas: Resistência a Tração: Kg/mm² Dureza HRC: Dureza HBR:

Propriedades Mecânicas: Resistência a Tração: Kg/mm² Dureza HRC: Dureza HBR: COBRE BERÍLIO Liga de Cobre e Berílio, com excelentes características mecânicas como alta dureza e moderada condutibilidade. É indicada para processos de sopro, solda por projeção, injeção plástica e metálica.

Leia mais

FORMAÇÃO DE CORROSÃO GALVÂNICA

FORMAÇÃO DE CORROSÃO GALVÂNICA FORMAÇÃO DE CORROSÃO GALVÂNICA EJC ENGENHARIA DE UTILIDADES WWW.EJCENGENHARIA.COM.BR CORROSÃO GALVÂNICA O aço inox ou o alumínio, quando utilizados em placas de identificação para vasos de pressão, através

Leia mais

Generalidades. Metal. Elemento químico, sólido, com estrutura cristalina e com as seguintes propriedades de interesse para a Engenharia

Generalidades. Metal. Elemento químico, sólido, com estrutura cristalina e com as seguintes propriedades de interesse para a Engenharia Materiais Metálicos Generalidades Metal Elemento químico, sólido, com estrutura cristalina e com as seguintes propriedades de interesse para a Engenharia Alta dureza Grande resistência mecânica Elevada

Leia mais

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada ArcelorMittal Inox Brasil S.A. Ugine S.A. Columbus Stainless P410D F12N 3CR12 * equivalência aproximada Designação Européia NF EN 10088-2

Leia mais

PROTECÇÃO DOS METAIS

PROTECÇÃO DOS METAIS PROTECÇÃO DOS METAIS FORMAÇÃO DE LIGAS Neste caso associase o metal a proteger a outro, originando uma liga altamente resistente à corrosão. Exemplo: aço inox PROTECÇÃO CATÓDICA A protecção catódica é

Leia mais

QUÍMICA Exercícios de revisão resolvidos

QUÍMICA Exercícios de revisão resolvidos 9. (ENEM 2013) A produção de aço envolve o aquecimento do minério de ferro, junto com carvão (carbono) e ar atmosférico em uma série de reações de oxirredução. O produto é chamado de ferro-gusa e contém

Leia mais

NOX 1) Determine o NOX dos elementos nas seguintes substâncias:

NOX 1) Determine o NOX dos elementos nas seguintes substâncias: NOX 1) Determine o NOX dos elementos nas seguintes substâncias: HCl CO 2 NH 3 H 2CO 4 CaSO 4 LiAlH 4 2. (UNESP) O filme Erin Brockovich é baseado num fato, em que o emprego de crômio hexavalente numa usina

Leia mais

TIPOS DE RECIPIENTES ADEQUADOS PARA ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS QUÍMICOS:

TIPOS DE RECIPIENTES ADEQUADOS PARA ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS QUÍMICOS: TIPOS DE RECIPIENTES DEQUDOS PR RMZENGEM DE RESÍDUOS QUÍMICOS: VIDRO s embalagens de vidro podem ser aproveitadas dos próprios frascos de reagentes originais. Isto leva a uma economia e leva ao reaproveitamento

Leia mais

LIMPEZA QUÍMICA E PASSIVAÇÃO. Em Sistemas Críticos de Alta Pureza

LIMPEZA QUÍMICA E PASSIVAÇÃO. Em Sistemas Críticos de Alta Pureza LIMPEZA QUÍMICA E PASSIVAÇÃO Em Sistemas Críticos de Alta Pureza TIPOS DE CONTAMINAÇÃO (FONTES) Contaminação Orgânica Sujidade oriunda de resíduos dos produtos, gorduras, proteínas, óleos, etc. Contaminação

Leia mais

Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união.

Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união. Soldagem Tipos de Soldagem Soldagem Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união. Tipos de Fontes Mecânica: Calor gerado

Leia mais

b) Os elétrons fluem do ânodo para o cátodo, ou seja, do eletrodo de crômio para o eletrodo de estanho.

b) Os elétrons fluem do ânodo para o cátodo, ou seja, do eletrodo de crômio para o eletrodo de estanho. 01 a) Polo negativo corresponde ao ânodo, onde ocorre a oxidação: Cr (s) Cr 3+ (aq) + 3e - Polo positivo corresponde ao cátodo, onde ocorre a redução: Sn +2 ( aq) + 2e - Sn (s) b) Os elétrons fluem do

Leia mais

Materiais e Corrosão - Cap 3 FORMAS DE CORROSÃO. Fontana, cap. 3. Formas de Corrosão- A.Simões_2006 3a.1

Materiais e Corrosão - Cap 3 FORMAS DE CORROSÃO. Fontana, cap. 3. Formas de Corrosão- A.Simões_2006 3a.1 Materiais e Corrosão - Cap 3 FORMAS DE CORROSÃO Fontana, cap. 3 Formas de Corrosão- A.Simões_2006 3a.1 FORMAS DE CORROSÃO No aspecto morfológico, a corrosão pode ser classificada em duas grandes categorias:

Leia mais

QUÍMICA - 1 o ANO MÓDULO 29 ESTEQUIOMETRIA: EXCESSO E LIMITANTE

QUÍMICA - 1 o ANO MÓDULO 29 ESTEQUIOMETRIA: EXCESSO E LIMITANTE QUÍMICA - 1 o ANO MÓDULO 29 ESTEQUIOMETRIA: EXCESSO E LIMITANTE Como pode cair no enem (UFF) O cloreto de alumínio é um reagente muito utilizado em processos industriais que pode ser obtido por meio da

Leia mais

Conteúdo de metal nobre < 25% (ouro, Tabela 2 Classificação das ligas para fundição odontológica em função da nobreza e indicação clínica

Conteúdo de metal nobre < 25% (ouro, Tabela 2 Classificação das ligas para fundição odontológica em função da nobreza e indicação clínica 1. Ligas de ouro tradicionais ou clássicas As ligas de ouro tradicionais já estavam bem estudadas até o início da década de 30. Elas foram classificadas em 4 tipos em função da dureza, que por sua vez

Leia mais

Corrosão e degradação de materiais. Modificação aparência. Interação Comprometimento pp mecânicas

Corrosão e degradação de materiais. Modificação aparência. Interação Comprometimento pp mecânicas Corrosão e degradação de materiais Modificação aparência Interação Comprometimento pp mecânicas Deterioração é diferente para os diversos tipos de materiais: M Dissolução (corrosão) Formação de crosta

Leia mais

Defeitos cristalinos. (monocristais) Ponto. Superfície

Defeitos cristalinos. (monocristais) Ponto. Superfície [7] Defeitos cristalinos 1> Ligações atômicas propriedades resistência teórica (monocristais) causa da discrepância > resistência experimental defeitos cristalinos Ponto Defeitos cristalinos Linha Superfície

Leia mais

01. (UFV-MG) Considere a pilha, em funcionamento, esquematizada a seguir:

01. (UFV-MG) Considere a pilha, em funcionamento, esquematizada a seguir: 01. (UFV-MG) Considere a pilha, em funcionamento, esquematizada a seguir: A equação da reação total desta pilha é: a) Zn 0 + 2 Ag 0 Zn +2 + Ag + b) Zn 0 + 2 Ag + Zn +2 + 2 Ag 0 c) Zn +2 + 2 Ag 0 Zn 0 +

Leia mais

ANEXO A MATERIAIS ENGENHARIA DE VÁLVULAS E EQUIP. LTDA

ANEXO A MATERIAIS ENGENHARIA DE VÁLVULAS E EQUIP. LTDA MATERIAIS ANEXO A Pág. - Tabela 1: Limites de temperatura de uso para os materiais... A1 - Tabela 2: Ratings e pressões de teste para válvulas: Materiais do Grupo 1.1... A3 - Tabela 3: Ratings e pressões

Leia mais

Processo, Técnicas Empregadas, Defeitos e Causas, Procedimentos

Processo, Técnicas Empregadas, Defeitos e Causas, Procedimentos INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Processo, Técnicas Empregadas, Defeitos e Causas, Procedimentos Professor: Anderson Luís Garcia Correia Unidade Curricular de Processos

Leia mais

Uso de Separação Gravimétrica na Concentração de Metais Provenientes de Sucatas de Placas de Circuito Impresso.

Uso de Separação Gravimétrica na Concentração de Metais Provenientes de Sucatas de Placas de Circuito Impresso. Uso de Separação Gravimétrica na Concentração de Metais Provenientes de Sucatas de Placas de Circuito Impresso. Nichele de Freitas Juchneski Agosto de 2014 RESÍDUO ELETRÔNICO É todo produto que utiliza

Leia mais

Reações inorgânicas Atividades 2

Reações inorgânicas Atividades 2 Reações inorgânicas Atividades 2 Introdução Os exercícios propostos abaixo abordam o conteúdo de reações inorgânicas, com os principais tipos dessas reações, dessa vez com os nomes das substâncias, para

Leia mais

Revestimento especial Corrotect. Proteção anticorrosiva para rolamentos

Revestimento especial Corrotect. Proteção anticorrosiva para rolamentos Revestimento especial Corrotect Proteção anticorrosiva para rolamentos Revestimento especial Corrotect A corrosão é o inimigo número 1 dos metais e o Grupo Schaeffler está sempre buscando soluções para

Leia mais

O b) SO 2. CaSO 3 + CO 2

O b) SO 2. CaSO 3 + CO 2 31 c QUÍMICA petróleo pode conter alto teor de enxofre, que deve ser removido nas refinarias de petróleo. Mesmo assim, na queima de combustíveis fósseis, forma-se dióxido de enxofre. Esse óxido liberado

Leia mais

Tubulações Industriais. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Tubulações Industriais. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Tubulações Industriais Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. TUBULAÇÕES E VASOS DE PRESSÃO São equipamentos vitais nas plantas industriais das mais diversas áreas da engenharia. Generalidades e Classificação

Leia mais

Tratamentos Térmicos

Tratamentos Térmicos Tratamentos Térmicos Têmpera superficial Modifica a superfície: alta dureza superficial e núcleo mole. Aplicação: engrenagens Pode ser «indutivo» ou «por chama» Tratamentos Térmicos Têmpera superficial

Leia mais

SAIS E ÓXIDOS FUNÇÕES INORGÂNICAS

SAIS E ÓXIDOS FUNÇÕES INORGÂNICAS SAIS E ÓXIDOS FUNÇÕES INORGÂNICAS SAIS Os sais são comuns em nosso cotidiano: SAIS São compostos iônicos que possuem, pelo menos um cátion diferente do H + e um ânion diferente do OH -. Exemplos: NaCl

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE IFRN CAMPUS MOSSORÓ PROFESSOR: ALBINO DISCIPLINA: QUÍMICA II

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE IFRN CAMPUS MOSSORÓ PROFESSOR: ALBINO DISCIPLINA: QUÍMICA II INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE IFRN CAMPUS MOSSORÓ PROFESSOR: ALBINO DISCIPLINA: QUÍMICA II ESTRUTURA DA MATÉRIA O termo matéria refere-se a todos os materiais

Leia mais

Qui. Semana. Allan Rodrigues Xandão (Gabriel Pereira)

Qui. Semana. Allan Rodrigues Xandão (Gabriel Pereira) Semana 5 Allan Rodrigues Xandão (Gabriel Pereira) Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por escrito. Todos os direitos reservados. CRONOGRAMA

Leia mais

Tratamento de Água: Desinfecção

Tratamento de Água: Desinfecção UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tratamento de Água: Desinfecção DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Conceito É o processo

Leia mais

Workshop. Alumínio 100% a Favor

Workshop. Alumínio 100% a Favor Alumínio 100% a Favor O Que é o Alumínio? O símbolo químico do alumínio é Al e tem o número atómico 13 (o que quer dizer que tem 13 protões e 13 electrões). À temperatura ambiente é sólido, sendo o elemento

Leia mais

IFRN CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

IFRN CICLOS BIOGEOQUÍMICOS IFRN CICLOS BIOGEOQUÍMICOS Prof. Hanniel Freitas Ciclos biogeoquímicos Elementos químicos tendem a circular na biosfera. Ciclagem de nutrientes - movimento desses elementos e compostos inorgânicos essenciais

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING O PROCESSO Consiste na união de aços comuns, galvanizados e aluminizados, utilizando um processo de aquecimento à arco elétrico (MIG), adicionando um metal de adição a base de cobre, não ocorrendo a fusão

Leia mais

Informações Técnicas Bronze

Informações Técnicas Bronze em geral são ligas de cobre (Cu), com adição de zinco (Zn), Chumbo (Pb) e Fósforo (P), metais que se caracterizam por sua baixa dureza, dependendo da sua aplicação e das condições que será utilizado. Aplicações

Leia mais

Soldagem por ultra-som

Soldagem por ultra-som Soldagem por ultra-som Genealogia Princípio - Esforços Aplicações De Plásticos: freqüências entre 20 e 70 khz; os materiais têm que ter pontos de fusão equivalentes. vibrações mecânicas introduzidas verticalmente;

Leia mais

Assinale o elemento que pode formar um cátion isoeletrônico com o Neônio (Ne) e se ligar ao oxigênio na proporção de 1:1.

Assinale o elemento que pode formar um cátion isoeletrônico com o Neônio (Ne) e se ligar ao oxigênio na proporção de 1:1. 1 PRVA DE QUÍMICA II QUESTÃ 46 Assinale o elemento que pode formar um cátion isoeletrônico com o Neônio (Ne) e se ligar ao oxigênio na proporção de 1:1. a) F b) Na c) Mg d) Al UESTÃ 47 Para se descascarem

Leia mais

LIGAS DE COBRE GENERALIDADES PROPRIEDADES APLICAÇÕES TRATAMENTOS

LIGAS DE COBRE GENERALIDADES PROPRIEDADES APLICAÇÕES TRATAMENTOS LIGAS DE COBRE GENERALIDADES Dos primeiros metais usados 3-4 vezes mais caro que o Al e 6-7 vezes mais caro que o aço-carbono Forma ligas c/ Sn, Zn, Al, Be, Ni, Si Existem 3 grupos básicos de ligas Latões:

Leia mais

consiste em forçar a passagem de um bloco de metal através do orifício de uma matriz mediante a aplicação de pressões elevadas

consiste em forçar a passagem de um bloco de metal através do orifício de uma matriz mediante a aplicação de pressões elevadas consiste em forçar a passagem de um bloco de metal através do orifício de uma matriz mediante a aplicação de pressões elevadas é o processo em que a peça é empurrada contra a matriz conformadora, com redução

Leia mais

Em conformidade com os parâmetros abaixo recomendados na implementação do revestimento, você previne danos às pedras Preciosa.

Em conformidade com os parâmetros abaixo recomendados na implementação do revestimento, você previne danos às pedras Preciosa. Galvanização A galvanoplastia é um processo que utiliza a corrente elétrica contínua para a eliminação dos revestimentos finos dos metais a partir de uma solução dos seus sais em objetos condutores elétricos.

Leia mais

Materiais utilizados na Industria Eléctrica e Electrónica. Rogério Monteiro 1

Materiais utilizados na Industria Eléctrica e Electrónica. Rogério Monteiro 1 Materiais utilizados na Industria Eléctrica e Electrónica Rogério Monteiro 1 Classificação geral dos materiais A grande variedade de utilizações determina um total conhecimento das características dos

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA QUÍMICA. Unidade III. Ligações químicas e funções inorgânicas.

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA QUÍMICA. Unidade III. Ligações químicas e funções inorgânicas. Unidade III Ligações químicas e funções inorgânicas. 2 Aula 11.2 Conteúdo: Função Inorgânica: sais e óxidos. 3 Habilidades: Compreender os códigos e símbolos próprios da Química atual. 4 REVISÃO 5 Xampu

Leia mais

Ligação metálica corrente elétrica

Ligação metálica corrente elétrica Ligações Metálicas Ligação metálica É o tipo de ligação que ocorre entre os átomos de metais. Quando muitos destes átomos estão juntos num cristal metálico, estes perdem seus elétrons da última camada.

Leia mais

Os aços inoxidáveis quando agrupados de acordo com suas estruturas metalúrgicas, apresentam-se em três grupos básicos:

Os aços inoxidáveis quando agrupados de acordo com suas estruturas metalúrgicas, apresentam-se em três grupos básicos: O que é Aço inox é o termo empregado para identificar uma família de aços contendo no mínimo 10,5% de cromo, elemento químico que garante ao material elevada resistência à corrosão. Distribuído de forma

Leia mais

Aula 01: Introdução à Metalurgia

Aula 01: Introdução à Metalurgia Disciplina : - MFI Professor: Guilherme Ourique Verran - Dr. Eng. Metalúrgica Fundamentos da Metalurgia Introdução à Fundamentos da Metalurgia O que é Metalurgia? Metalurgia é o ramo da Engenharia dos

Leia mais

- CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES

- CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES MATERIAIS ELÉTRICOS Prof. Rodrigo Rimoldi - CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES (Aula 5) Introdução Materiais condutores definição: toda matéria que permite o estabelecimento de um fluxo de elétrons em seu

Leia mais

FÍSICO QUÍMICA AULA 5 - ELETRÓLISE

FÍSICO QUÍMICA AULA 5 - ELETRÓLISE FÍSICO QUÍMICA AULA 5 - ELETRÓLISE Em nossas aulas anteriores aprendemos como reações de óxidoredução podem ser utilizadas para se obter energia. Nas pilhas ocorrem reações químicas capazes de produzir

Leia mais

Caracterização e desempenho de ligas de zinco/níquel e estanho/zinco

Caracterização e desempenho de ligas de zinco/níquel e estanho/zinco Band28 1/1/04 5:33 AM Page 1 Artigos Técnicos Caracterização e desempenho de ligas de zinco/níquel e estanho/zinco Este estudo visa a melhoria dos processos de resistência à corrosão, avaliando o desempenho

Leia mais

15. Trabalho Experimental - Proteção Catódica

15. Trabalho Experimental - Proteção Catódica 15. Trabalho Experimental - Proteção Catódica 15.1 - Introdução A proteção catódica é um método de controle de corrosão que consiste em transformar a estrutura à proteger no cátodo de um célula eletroquímica

Leia mais

Obtenção e Formação de Ligas de Titânio

Obtenção e Formação de Ligas de Titânio Obtenção e Formação de Ligas de Titânio PRODUÇÃO DO TITÂNIO PROCESSO DE KROLL TiCl4 (gás) + 2Mg (liquido) Ti (sólido) + 2 MgCl2 (liquido) Mecanismo de alimentação do eletrodo Vedação Corrente direta -

Leia mais

CORROSÃO E DEGRADAÇÃO DE MATERIAIS. Proteção e Combate à Corrosão CARLA SOARES SOUZA

CORROSÃO E DEGRADAÇÃO DE MATERIAIS. Proteção e Combate à Corrosão CARLA SOARES SOUZA CORROSÃO E DEGRADAÇÃO DE MATERIAIS Proteção e Combate à Corrosão CARLA SOARES SOUZA O controle da corrosão inclui as medidas tomadas em cada etapa desde o projeto até a fabricação, instalação e utilização

Leia mais

ELETROQUÍMICA REAÇÃO ENERGIA QUÍMICA ELÉTRICA. Pilha. Eletrólise. espontânea. não espontânea

ELETROQUÍMICA REAÇÃO ENERGIA QUÍMICA ELÉTRICA. Pilha. Eletrólise. espontânea. não espontânea ELETROQUÍMICA REAÇÃO Pilha espontânea ENERGIA QUÍMICA Eletrólise não espontânea ELÉTRICA SEMI REAÇÕES DE OXIDAÇÃO E REDUÇÃO Zn 0 Zn +2 + 2e - semi-reação de oxidação Cu +2 + 2e - Cu 0 semi-reação de redução

Leia mais

Reações de Oxidação Redução

Reações de Oxidação Redução Oxidação/redução em processos inorgânicos Reações de Oxidação Redução Caracterizam-se pela transferência de elétrons entre as espécies envolvidas. Oxidação: uma espécie química sofre aumento do seu estado

Leia mais

Funções Inorgânicas - Ácidos e Sais

Funções Inorgânicas - Ácidos e Sais Funções Inorgânicas - Ácidos e Sais Material de Apoio para Monitoria 1. (ITA) A respeito das espécies químicas HNO3, HCN, CH3COOH, HCO3 -, HClO4, HPO4 2-, cada uma em solução aquosa e à temperatura ambiente,

Leia mais

FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO

FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO O processo de fabricação por centrifugação consiste em vazar-se metal líquido num molde dotado de movimento de rotação, de modo que a força centrífuga origine uma pressão além

Leia mais

10 testes - GABARITO. Estrutura Atômica e Ligação Interatômica

10 testes - GABARITO. Estrutura Atômica e Ligação Interatômica 10 testes - GABARITO Estrutura Atômica e Ligação Interatômica 1) Calcule o número de átomos de Cu em um cilindro de cobre maciço com 1 m de altura e 1 m de diâmetro. densidade do Cu = 8,9 g/cm ; massa

Leia mais

Existem mais de uma centena de átomos conhecidos e a combinação entre esses, formam as milhões e milhões de substâncias.

Existem mais de uma centena de átomos conhecidos e a combinação entre esses, formam as milhões e milhões de substâncias. Símbolos e fórmulas químicas Figura 1 Representação de moléculas de água Fonte: Fundação Bradesco CONTEÚDOS Representação de elementos químicos símbolos Representação de substâncias químicas fórmulas Substâncias

Leia mais

PFA PTFE POLIAMIDA PU EVA EPOXI

PFA PTFE POLIAMIDA PU EVA EPOXI Ultra Polimeros PEEK Polimeros de Alta-Performance Polimeros de Engenharia PFA PTFE POLIAMIDA PU EVA EPOXI SEMI-CRISTALINO PEEK - Poli(éter-éter-cetona) PEEK é um termoplástico de Ultra Performance que

Leia mais

Funções Químicas: Ácidos, bases, sais e óxidos

Funções Químicas: Ácidos, bases, sais e óxidos Funções Químicas: Ácidos, bases, sais e óxidos Funções Químicas Grupo de substâncias compostas que possuem propriedades químicas semelhantes; As funções químicas são divididas de acordo com a divisão clássica

Leia mais

ESTUDO DA CORROSÃO DO Al RECICLADO DA INDÚSTRIA DE BEBIDAS

ESTUDO DA CORROSÃO DO Al RECICLADO DA INDÚSTRIA DE BEBIDAS ESTUDO DA CORROSÃO DO Al RECICLADO DA INDÚSTRIA DE BEBIDAS T. SILVA 1, D. MIRANDA 1, G. ALVES 3, O.L ROCHA 2, J.C. CARDOSO FILHO 1 1 Universidade Federal do Pará/ Laboratório de Corrosão 2 Instituto Federal

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1. Introdução O que é a Ciência de Materiais? Porque estudar Ciência de Materiais? Ciência de Ciência e Engenharia materiais engenharia de materiais de materiais Conhecimentos básicos sobre materiais

Leia mais

Capítulo 11 - Ligas Não-Ferrosas

Capítulo 11 - Ligas Não-Ferrosas Capítulo 11 - Ligas Não-Ferrosas Ligas de Cu Latão: Cu-Zn (bijuteria, moeda, canalizações, resistente corrosão) Bronze: Cu-Sn (rolamentos, engrenagens) Cu-Be: Endurecida por precip. Orgãos de máquinas

Leia mais

FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO

FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO Rscp/labats/demec/ufpr/2017 O processo de fabricação por centrifugação consiste em vazar-se metal líquido num molde dotado de movimento de rotação, de modo que a força centrífuga

Leia mais

Materiais / Materiais I

Materiais / Materiais I Materiais / Materiais I Guia para o Trabalho Laboratorial n.º 4 CORROSÃO GALVÂNICA E PROTECÇÃO 1. Introdução A corrosão de um material corresponde à sua destruição ou deterioração por ataque químico em

Leia mais

3ª Série / Vestibular _ TD 08 _ 19 de abril

3ª Série / Vestibular _ TD 08 _ 19 de abril 3ª Série / Vestibular _ TD 08 _ 19 de abril 01. A corrosão de um metal é a sua destruição ou deterioração, devida à reação com o meio ambiente. O enferrujamento é o nome dado à corrosão do ferro: Fe(s)

Leia mais