Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº , de 24 de abril de AUDITORIA INTERNA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº. 10.435, de 24 de abril de 2002. AUDITORIA INTERNA"

Transcrição

1 Setor: Recursos Humanos Período: 08/09/2014 a 17/10/2014 Legislação Aplicada: - Lei nº / Decreto nº / Decreto nº / Decreto nº. 948/ Decreto nº / Decreto nº / Decreto nº /2007 Ministério da Educação RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº. 07/2014 ESCOPO DO TRABALHO I Os trabalhos de auditoria foram realizados no período de 08 de setembro a 17 de outubro de 2014, em estrita observância às normas de auditoria aplicáveis ao serviço público federal, com o objetivo de examinar e comprovar a legalidade e legitimidade dos fatos e atos administrativos e avaliar os resultados alcançados, quanto aos aspectos de eficiência, eficácia e economicidade. Em específico, analisar o gerenciamento dos recursos humanos, avaliar as rotinas, os procedimentos e controles internos existentes. Nenhuma restrição foi imposta aos nossos exames. II Os trabalhos foram realizados por amostragem, não tendo sido utilizado nenhum método específico para seleção dos itens auditados. Foram examinados os seguintes itens: A) Aposentadoria Processos: 01) / ; 02) / ; 03) / ; 04) / ; 05) / ; 06) / ; 07) / ; 08) / ; 09) / ; 10) / ; 11) / ; 12) / ; 13) / ; 14) / ; 15) / ; 16) / ; 17) / ; 18) / ; 19) /

2 B) Pensão Civil Processos: 01) / ; 02) / ; 03) / C) Auxílio Funeral Processos: 01) / ; 02) / ; 03) / ; 04) / ; 05) / ; 06) / D) Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso Processos: 01) / ; 02) / ; 03) / ; 04) / ; 05) / ; 06) / ; 07) / ; 08) / ; 09) / ; 10) / ; 11) / ; 12) / ; 13) / ; 14) / ; 15) / ; 16) / ; 17) / ; 18) / ; 19) / ; 20) / ; 21) / ; 22) / ; 23) / ; 24) / ; 25) / ; 26) / ; 27) / ; 28) / ; 29) / ; 30) / ; 31) / ; 32) / ; 33) / ; 34) / ; 35) / ; 36) / ; 37) / ; 38) / ; 39) / ; 40) / E) Adicional por Serviço Extraordinário Processos: 01) / ; 02) / ; 03) / ; 04) / ; 05) / ; 06) / ; 2

3 07) / ; 08) / ; 09) / ; 10) / ; 11) / ; 12) / ; 13) / ; 14) / ; 15) / ; 16) / ; 17) / ; 18) / ; 19) / ; 20) / ; 21) / ; 22) / ; 23) / ; 24) / ; 25) / ; 26) / ; 27) / ; 28) / ; 29) / ; 30) / ; 31) / ; 32) / ; 33) / F) Incentivo à Qualificação Processos: 01) / ; 02) / ; 03) / ; 04) / ; 05) / ; 06) / ; 08) / ; 09) / ; 10) / ; 11) / ; 12) / ; 13) / ; 14) / ; 15) / ; 16) / ; 17) / ; 18) / ; 19) / ; 20) / ; 21) / ; 22) / ; 23) / ; 24) / ; 25) / ; 26) / ; 27) / ; 28) / ; 29) / ; 30) / ; 31) / ; 32) / ; 33) / ; 34) / ; 34) / ; 36) / ; 37) / ; 38) / ; 39) / ; 40) / ; 41) / ; 42) / ; 43) / ; 44) / ; 45) / G) Ajuda de Custo Processos: 01) / ; 02) / ; 03) /

4 H) Auxílio-Transporte Ministério da Educação Foram analisadas as concessões realizadas no segundo semestre de 2013 e primeiro semestre de III Resultado dos Exames: Foram verificadas as seguintes situações nos processos analisados: Auxílio-Transporte. Recadastramento/Requerimento. Inconsistências. Divisão de Cadastro e Finanças (DCF/DPE). Falhas no Controle Interno. Com objetivo de analisar e avaliar os controles internos instituídos na Divisão de Cadastro e Finanças (DCF/DPE) foi solicitado a Diretoria de Pessoal (DPE), por meio do Memorando Eletrônico nº. 102/ AI, informar quais os procedimentos adotados para o controle e pagamento do auxílio-transporte aos servidores da UNIFEI, inclusive para aqueles que utilizam transporte rodoviário seletivo ou especial. Tendo a Diretora de Pessoal (SIAPE ) assim se manifestado: Em atenção ao Memo. Eletrônico 102/ AI, informamos que os procedimentos instituídos para o controle e pagamentos do Auxílio Transporte, municipal e intermunicipal, aos Servidores da UNIFEI, são os estabelecidos nos relatórios dessa Auditoria: 04/2007 e 05/2011. Aproveitamos a oportunidade para informar que o Recadastramento do Auxílio Transporte, referente ao ano de 2014 será feito diretamente no SIGRH.. (Memorando Eletrônico nº. 115/2014-DCF/DPE). No entanto, impende registrar que na análise dos requerimentos de auxílio-transporte, foram verificadas as seguintes inconsistências: a) SIAPE nº : No recadastramento/requerimento realizado em 08/04/2013 o servidor declara o gasto total diário de R$ 43,56 (quarenta e três reais e cinquenta e seis centavos) com o deslocamento residência-trabalho-residência. Entretanto, no contrato firmado com a empresa de transporte RJ Barros Transportes Ltda. (CNPJ nº / ) em 10/04/2014, consta o valor diário de R$ 30,80 (trinta reais e oitenta centavos) a ser pago à empresa contratada. Evidenciando assim uma diferença de R$ 12,76 (doze reais e setenta e seis centavos) entre o valor declarado e o efetivamente contratado. b) SIAPE nº : No recadastramento/requerimento realizado em 09/04/2013 o servidor não apresentou comprovante de residência. c) SIAPE nº : No recadastramento/requerimento realizado em 26/04/2013 o servidor apresentou como comprovante de residência documento em que não consta o endereço do mesmo. 4

5 d) SIAPE nº : No recadastramento/requerimento realizado em 24/04/2013 o servidor declara residir na Rua Euclides Miranda nº Apto. 102, mas no comprovante de residência apresentado consta como endereço residencial a Rua Henriqueto Cardinali, 330. e) SIAPE nº : No recadastramento/requerimento realizado em 04/06/2013 o servidor apresentou comprovante de residência em nome de terceiro, sem qualquer comprovação de vínculo com o mesmo. f) SIAPE nº : No recadastramento/requerimento realizado em 11/04/2013 o servidor apresentou comprovante de residência em nome de terceiro, sem qualquer comprovação de vínculo com o mesmo. g) SIAPE nº : No recadastramento/requerimento realizado em 23/07/2013 o servidor apresentou comprovante de residência em nome de terceiro, sem qualquer comprovação de vínculo com o mesmo. h) SIAPE nº : No recadastramento/requerimento realizado em 26/04/2013 o servidor apresentou comprovante de residência em nome de terceiro, sem qualquer comprovação de vínculo com o mesmo. i) SIAPE nº : No recadastramento/requerimento realizado em 05/04/2013 o servidor apresentou comprovante de residência em nome de terceiro, sem qualquer comprovação de vínculo com o mesmo. j) SIAPE nº : No recadastramento/requerimento realizado em 11/06/2013 o servidor apresentou comprovante de residência em nome de terceiro, sem qualquer comprovação de vínculo com o mesmo. k) SIAPE nº : No recadastramento/requerimento realizado em 08/05/2013 o servidor apresentou comprovante de residência em nome de terceiro, sem qualquer comprovação de vínculo com o mesmo. l) SIAPE nº : No recadastramento/requerimento realizado em 24/05/2013 o servidor apresentou comprovante de residência em nome de terceiro, sem qualquer comprovação de vínculo com o mesmo. Foi solicitada a Diretoria de Pessoal (DPE), por meio do Memorando Eletrônico nº. 104/ AI, justificar a ocorrência destas falhas no controle interno da Divisão de Cadastro e Financeira (DCF/DPE), e informar quais as medidas de prevenção e controle serão adotadas para saná-las. Tendo a Diretora de Pessoal (SIAPE ) assim se manifestado: Para atendermos o Memorando Eletrônico nº. 104/ AI, de 11/09/2014, enviamos o Memorando Eletrônico nº. 772/ DPE, que foi prontamente atendido por Vossa Senhoria em 12/9/

6 Assim, enviamos os esclarecimentos relativos aos questionamentos apontados no Memorando Eletrônico nº. 104/ AI. a) SIAPE nº : Estamos pagando o valor efetivamente declarado no Contrato de Prestação de Serviço de Transporte (empresa RJ Barros Transportes Ltda.), referente ao trajeto Carmo de Minas (residência do servidor)/itajubá (UNIFEI)/Carmo de Minas. Iremos notificar o servidor para que justifique a diferença declarada em relação à executada. b) SIAPE nº : O servidor, durante o período de recadastramento de auxílio transporte, encontrava-se em afastamento para tratamento da própria saúde, motivo pelo qual não apresentou o comprovante de residência, ficando de apresentá-lo quando retornasse às atividades, porém o documento não foi entregue. No dia 16/09/2014 o servidor entregou o comprovante de endereço nesta Diretoria de Pessoal. c) SIAPE nº : A servidora apresentou, no mês de abril/2013, cópia do comprovante de residência em frente e verso, que se encontra arquivada em sua pasta funcional. Porém, na cópia anexada no formulário de recadastramento de auxílio transporte, foi xerocada apenas a frente do documento. d) SIAPE nº : O servidor apresentou o comprovante de residência do domicílio dos pais, com quem morava na época do recadastramento de auxílio transporte. Entretanto, como o mesmo estava de mudança para a Rua Euclides Miranda, ele informou o novo endereço no formulário. No dia 16/09/2014 o servidor entregou documento comprovando o endereço informado no formulário. e) SIAPE nº : A servidora reside em casa alugada, portanto, o documento apresentado juntamente com o formulário de recadastramento de auxílio transporte em 04/06/2013, consta em nome da inquilina anterior. Na pasta funcional da servidora consta o requerimento de alteração de endereço com data de 05/04/2013, juntamente com a cópia do contrato de aluguel. f) SIAPE nº : O servidor apresentou comprovante de residência no nome de sua companheira, conforme cópia do Contrato Particular de Compromisso de Vida em Comum e de Mútua Assistência, registrado em Cartório de Itajubá, arquivada em sua pasta funcional. g) SIAPE nº : O servidor residia em casa alugada e não possuía comprovante de residência em seu nome. Não apresentou o Contrato de Aluguel. O servidor foi exonerado em 05/11/

7 h) SIAPE nº : O servidor reside em casa alugada e, no documento apresentado juntamente com o formulário de recadastramento de auxílio transporte, consta em nome da inquilina anterior. No dia 17/09/2014 o servidor entregou nesta Diretoria de Pessoal cópia do contrato de aluguel. i) SIAPE nº : A servidora apresentou o comprovante de residência em nome de seu pai, conforme cópia de Certidão de Nascimento arquivada em sua pasta funcional. j) SIAPE nº : A servidora apresentou o comprovante de residência em nome de seu cônjuge, conforme cópia de Certidão de Casamento arquivada em sua pasta funcional. k) SIAPE nº : A servidora apresentou o comprovante de residência em nome de sua mãe, conforme cópia de Certidão de Nascimento arquivada em sua pasta funcional. l) SIAPE nº : O servidor reside em casa alugada e, no documento apresentado consta o nome do proprietário do imóvel, pois o servidor não possuía comprovante de residência em seu nome. No dia 16/09/2014, o mesmo entregou nesta Diretoria de Pessoal novo comprovante de residência em nome de seu cônjuge. A Certidão de Casamento encontra-se arquivada em sua pasta funcional. Esclarecemos que, para alguns benefícios são exigidos os mesmos documentos de comprovação. Assim, quando isso ocorre, optamos por ter somente uma cópia na pasta funcional do servidor. Acreditamos que cópia duplicada não caracteriza eficiência. Devido ao excesso de atividades na Divisão de Cadastro e Financeira, este ano contamos com o auxílio de uma estagiária nessa Divisão. Durante a orientação sobre as diversas atividades de um órgão de recursos humanos, esta estagiária executava algumas tarefas, como o controle desses documentos, como forma de aperfeiçoamento no seu processo de aprendizagem. Como medida de prevenção e controle, a Diretoria de Pessoal, como é do conhecimento de Vossa Senhoria, já elaborou e divulgou vinte procedimentos internos. O processo de auxílio transporte será priorizado, ou seja, mapeado e o procedimento validado para utilização a curto prazo.. (Memorando Eletrônico nº. 794/ DPE). Em que pese às justificativas apresentadas, pode-se concluir que os procedimentos de controle interno adotados na Divisão de Cadastro e Financeira (DCF/DPE), no tocante ao pagamento do auxílio-transporte aos servidores da UNIFEI, não foram capazes de evitar as falhas acima relacionadas, evidenciando a necessidade de serem revistos e melhorados. 7

8 Ressalta-se que a Auditoria Interna já emitiu as seguintes recomendações em relatórios anteriores: Recomendamos ao Departamento de Pessoal (DEP), como forma de aprimorar os controles relativos à concessão do auxílio-transporte e atualizar os documentos que embasam os referidos pagamentos, efetuar o recadastramento de todos os servidores que recebem este benefício, exigindo dos mesmos, sem exceção, a apresentação de comprovante de endereço conforme atestado em sua mais recente Declaração de Imposto de Renda.. (Relatório de Auditoria nº. 05/2009). Recomendamos ao Departamento de Pessoal (DEP) que realize uma análise mais rigorosa e criteriosa da documentação apresentada pelos servidores beneficiários do auxílio-transporte, exigindo dos mesmos, no momento do recadastramento ou solicitação, a apresentação de comprovante de endereço (conta de água, luz, telefone, etc.) devidamente atualizado, e quando em nome de terceiros, a comprovação de vínculo com o beneficiário do auxílio (certidão de casamento, nascimento, contrato de locação do imóvel, etc.).. (Relatório de Auditoria nº. 05/2010) Auxílio-Transporte. Servidores em Greve. Pagamento. Nota Informativa nº. 429/2013/CGNOR/DENOP/SEGEP/MP. Ressarcimento ao Erário. Procuradoria Federal. Análise. Tendo em vista que no período de 17/03/2014 a 25/06/2014 alguns servidores técnicoadministrativos em educação da Universidade Federal de Itajubá aderiram à greve nacional da categoria e, considerando o disposto na Nota Informativa nº. 429/2013/CGNOR/DENOP/SEGEP/MP, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, in verbis: (...) é vedado o pagamento do auxílio-transporte nas ausências e afastamentos do servidor, ainda que consideradas em lei como de efetivo exercício, conforme disposto no art. 4 da Medida Provisória n , de Verifica-se que o auxílio-alimentação e o auxílio-transporte constituem-se, em benefícios de caráter indenizatório, devidos ao servidor, quando estiver efetivamente em exercício nas atividades do cargo. Todavia, conforme mencionado, apenas o auxílio-alimentação será devido nos casos de afastamentos considerados como de efetivo exercício, pois o auxílio-transporte é concedido ao servidor para a utilização efetiva com despesa de deslocamento residência-trabalho e vice-versa, e, se não houver o deslocamento, não existirá motivação para o pagamento do benefício. No que diz respeito aos descontos efetuados em decorrência do movimento grevista, convém destacar que houve acordo entre o Governo Federal e a entidade sindical para a devolução dos valores descontados, com a correspondente compensação dos dias não trabalhados. Dessa forma, considerando-se que haverá a compensação dos dias não trabalhados e que os dias trabalhados serão considerados como de efetivo exercício, depreende-se que deverá haver apenas o pagamento das parcelas referentes ao auxílio-alimentação, 8

9 tendo em vista a vedação prevista no art. 4º da Medida Provisória n , de 2001, no que se refere ao auxílio-transporte (...). (grifo nosso). Foi solicitada a Diretoria de Pessoal (DPE), por meio do Memorando Eletrônico nº. 101/ AI, informar se foram pagas neste período as parcelas referentes ao auxíliotransporte para os servidores grevistas, inclusive para aqueles que utilizam transporte rodoviário seletivo ou especial, e a devida justificativa caso pagamento tenha sido efetivado. Tendo a Diretora de Pessoal (SIAPE ) assim se manifestado: Em atenção ao Memorando Eletrônico nº. 101/2014-AI, informamos que procedemos o pagamento da remuneração dos servidores que aderiram ao movimento grevista, inclusive o auxílio-transporte. Os servidores retornaram às atividades por força de Decisão do Superior Tribunal de Justiça, datada de 25/6/ Ministro Relator: Napoleão Nunes Maia Filho. Transcrevemos o Item 9 da referida Decisão: 9. Outrossim, proíbo que sejam efetuados quaisquer descontos nas folhas de pagamento dos Servidores Públicos referentes aos dias computados como de greve, bem como que sejam anotados os respectivos dias como faltas injustificadas.. (Memorando Eletrônico nº. 777/ DPE). Apesar da referida decisão do Superior Tribunal de Justiça, impende registrar que, especificamente, sobre o pagamento de auxílio-transporte a servidores afastados ou que aderiram a movimentos grevistas, o Egrégio Tribunal de Contas da União assim tem se posicionado: Assunto: AUXÍLIO TRANSPORTE. Ementa: o TCU determinou à Secretaria da Receita Federal do Brasil (SRF-MF) que, ao conceder indenização de transporte a seus servidores, se assegurasse do atendimento dos pressupostos necessários à concessão do benefício, providenciando sua restituição, quando houvesse paralisação ou greve dos servidores, bem como quando ficasse evidente que não houve efetiva utilização de meio de transporte... (item 9.3, TC /2006-6, Acórdão nº /2007-TCU- Plenário).. (grifo nosso). Assunto: AUXÍLIO TRANSPORTE. Ementa: o TCU determinou ao Ministério da Fazenda a implementação de rotina mensal de controle na concessão do auxíliotransporte, de modo a evitar sua concessão em situações de afastamentos por férias, licenças e outros, procedendo ao ressarcimento ao Erário das importâncias pagas a maior de auxílio-transporte a servidores que receberam indevidamente, quando em gozo de férias e demais afastamentos (item 2.16, TC /2004-4, Acórdão nº /2005-TCU-1ª Câmara).. (grifo nosso). Assim sendo, com o intuito de evitar eventuais questionamentos perante os órgãos de controle interno e externo (CGU/TCU) e, considerando os desdobramentos jurídicos que possam resultar de um eventual ressarcimento ao erário, especialmente, em relação 9

10 àqueles servidores que utilizam transporte rodoviário seletivo ou especial (vans) e que mesmo aderindo ao movimento grevista receberam o auxílio-transporte a título de indenização, sugere-se a Diretoria de Pessoal (DPE) encaminhar formalmente esta questão ao setor jurídico para análise e orientação quanto à devolução ou não dos valores recebidos no período em que estavam em greve Auxílio-Transporte. Contrato de Prestação de Serviços de Transporte. Notas Fiscais. Numeração Sequencial. Indício de Irregularidade. Veracidade dos Documentos. Diretoria de Pessoal. Apuração. Orientação Normativa SRH/MP nº. 04/2011. Procedida à análise dos documentos entregues pelos servidores (SIAPE , e ) para a comprovação de suas despesas com o deslocamento residência/trabalho e vice-versa, verificou-se que foram apresentadas as seguintes notas fiscais: NOTAS FISCAIS NÚMERO EMISSÃO VALOR INTERESSADO /07/2013 R$ 1.720,40 SIAPE /08/2013 R$ 1.980,01 SIAPE /09/2013 R$ 1.982,44 SIAPE /10/2013 R$ 1.806,42 SIAPE /12/2013 R$ 1.806,42 SIAPE /01/2014 R$ 1.634,33 SIAPE /02/2014 R$ 602,14 SIAPE /03/2014 R$ 1.720,40 SIAPE /04/2014 R$ 1.543,36 SIAPE /05/2014 R$ 1.634,38 SIAPE /06/2014 R$ 1.720,40 SIAPE Conforme demostrado na tabela acima, as notas fiscais de prestação de serviços de transporte emitidas pela empresa (CNPJ nº / ) no período analisado, seguem a sequência numérica do bloco, indicando, a princípio, que a empresa presta este tipo de serviço somente aos servidores acima relacionados. No entanto, cumpre alertar que a emissão de notas fiscais com numeração sequencial, destinadas ao mesmo interessado, com um razoável intervalo de tempo entre elas, pode ser um forte indício de irregularidade, que merece e deve ser devidamente apurada pelo setor competente (Diretoria de Pessoal). Ademais, impende registrar que caberá aos órgãos e entidades apreciar a veracidade dos documentos apresentados pelo servidor ou pelo empregado público para fins de concessão de auxílio-transporte, conforme prevê o 4º do art. 5º da Orientação Normativa SRH/MP nº. 4, de 08 de abril de Curso de Especialização. Pós-Graduação Lato Sensu. Pagamento. Utilização da Rubrica 66. Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso. Extrapolação dos Limites. Decreto nº /2007. CGAUD/DEGEP/MP/SEGEP. Informação. Na análise dos processos referentes ao pagamento de Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso, verificou-se que consta em alguns deles a autorização do Pró-Reitor de Administração (SIAPE ) para que seja utilizada a rubrica 66 (Gratificação por 10

11 Encargo de Curso ou Concurso) para o pagamento de servidores docentes e técnicoadministrativos participantes de cursos de especialização (Pós-Graduação Lato Sensu). A justificativa para que estes pagamentos sejam realizados na Rubrica 66 é a inexistência de uma rubrica específica para o pagamento nos termos dos Artigos 8º e 9º da Lei / Lei de Inovação. Entretanto, nestes casos, principalmente em relação aos docentes, chamou a atenção para o fato de que os limites impostos tanto no Decreto nº / 2007 como na Portaria MEC nº. 581/2008 tinham sido extrapolados, como se pode observar na tabela abaixo: CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU UNIFEI ITAJUBÁ PROCESSO SIAPE MÊS/ANO VALOR HORA N. HORAS TOTAL / /2013 R$ 340,00 22,5 R$ 7.650, / /2013 R$ 340,00 08 R$ 2.720, / /2013 R$ 340,00 15 R$ 5.100, / /2013 R$ 340,00 12 R$ 4.080, / /2013 R$ 340,00 22 R$ 7.480, / /2013 R$ 300,00 12 R$ 3.600, / /2013 R$ 150,00 45 R$ 6.750, / /2013 R$ 330,00 16 R$ 5.280, / /2013 R$ 150,00 22,5 R$ 3.375, / /2013 R$ 150,00 22,5 R$ 3.375, / /2013 R$ 300,00 25 R$ 7.500, / /2013 R$ 330,00 04 R$ 1.320, / /2013 R$ 330,00 04 R$ 1.320, / /2013 R$ 330,00 04 R$ 1.320, / /2013 R$ 450,00 15 R$ 6.750, / /2013 R$ 450,00 23 R$ , / /2014 R$ 330,00 12 R$ 3.960, / /2014 R$ 330,00 16 R$ 5.280, / /2014 R$ 330,00 16 R$ 5.280, / /2014 R$ 450,00 15 R$ 6.750, / /2014 R$ 450,00 15 R$ 6.750, / /2014 R$ 330,00 12 R$ 3.960, / /2014 R$ 330,00 04 R$ 1.320, / /2014 R$ 150,00 45 R$ 6.750, / /2014 R$ 330,00 16 R$ 5.280, / /2014 R$ 330,00 04 R$ 1.320, / /2014 R$ 330,00 16 R$ 5.280, / /2014 R$ 330,00 08 R$ 2.640, / /2014 R$ 330,00 04 R$ 1.320, / /2013 R$ 340,00 15 R$ 5.100, / /2013 R$ 340,00 04 R$ 1.360,00 Ciente de que esta situação havia sido auditada recentemente pela Coordenação-Geral de Inteligência e Auditoria Preventiva da Folha de Pagamento da Secretaria de Gestão Pública do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (CGAUD/DEGEP/MP/SE GEP), foi solicitada a Diretoria de Pessoal (DPE), por meio do Memorando Interno nº. 105/2014-AI, encaminhar a Auditoria Interna toda a documentação pertinente a esta auditoria, tendo assim manifestado: Em atenção ao Memorando Eletrônico nº. 105/ AI, enviamos as mensagens recebidas da Secretaria de Gestão Pública do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (SEGEP/MP), bem como a resposta da Diretoria de Pessoal.. (Memorando Eletrônico nº. 783/ DPE). 11

12 Foram anexados os seguintes s: Ministério da Educação a) Assunto: Auditoria Preventiva - 4º ciclo - Maio Coordenação-Geral de Inteligência e Auditoria Preventiva da Folha de Pagamento. Visando ao aperfeiçoamento dos processos de geração da folha de pagamento, esta Coordenação-Geral de Inteligência e Auditoria Preventiva da Folha de Pagamento CGAUD/DEGEP/MP/SEGEP iniciou no mês de abril de 2014 um novo ciclo de Auditoria Preventiva que contempla o monitoramento dos lançamentos efetuados anteriormente à homologação da folha de pagamento. Neste sentido e dando continuidade aos trabalhos, foram analisadas amostras dos lançamentos efetuados de 12/05/14 a 17/05/14, objetivando identificar e corrigir situações que possam gerar inconsistências no pagamento dos servidores constantes da folha do SIAPE de maio de Após a realização desse trabalho, foram observados alguns lançamentos que deverão ser analisados e justificados por esse órgão. Seguem anexos arquivos contendo a relação dessas situações (...). Em relação aos casos que se referem a valores registrados a título de Gratificação por Encargo de Curso/Concurso (Rubrica 00066), cumpre esclarecer que se identificou excesso ao limite anual previsto na legislação (art. 6º do Decreto nº , de 15/05/2007, que regulamentou o art. 76-A da Lei nº /90) ou não foi possível à realização de análise conclusiva dos indícios observados (...).. (grifo nosso). b) Assunto: Resposta a Auditoria Preventiva - 4º ciclo - Maio Pró-reitora de Administração - UNIFEI. Trata-se de pagamento referente a curso de pós-graduação lato sensu, nos termos do item do Acórdão / Plenário - TCU, a saber: Apliquem todas as possibilidades oferecidas pela Gratificação de Cursos e Concursos instituída pela Lei /2006 e regulamentada pelo Decreto 6.114/2007, em especial quanto à substituição de pagamentos por bolsas a servidores quando da realização de cursos nas vertentes de ensino e extensão, internos e externos, inclusive pós-graduação lato sensu, bem como de concursos, incluindo vestibulares e concursos públicos de provas e títulos para seleção de servidores; É importante ressaltar que são cursos que estavam em andamento e que a UNIFEI interrompeu a oferta de novos cursos de pós-graduação lato sensu pagos, tendo em vista a recente posição do Tribunal Federal da 1ª região, que se posicionou em segunda instância pela ilegalidade das cobranças.. (grifo nosso). c) Assunto: Auditoria Preventiva - Exclusão de Pagamentos maio de Coordenação-Geral de Inteligência e Auditoria Preventiva da Folha de Pagamento. 12

13 Visando ao aperfeiçoamento dos processos de geração da folha de pagamento, esta Coordenação-Geral de Inteligência e Auditoria Preventiva da Folha de Pagamento - CGAUD/DEGEP/MP/SEGEP, iniciou em abril de 2014 um novo trabalho de Auditoria Preventiva que contempla o monitoramento dos lançamentos efetuados anteriormente à homologação da folha de pagamento. Nesse sentido, foram analisadas amostras dos lançamentos efetuados na folha do SIAPE, correspondente ao ciclo de Auditoria Preventiva do mês de maio de Em seguida, houve a notificação aos órgãos para que apresentassem justificativas quanto à consistência daquelas inclusões. Após a realização desse trabalho, esta CGAUD promoveu a análise da composição dos valores questionados paralelamente à das justificativas apresentadas, resultando na exclusão dos lançamentos para os quais as justificativas não foram acatadas. Para detalhamento dessas informações, segue arquivo contendo a relação de tais casos e a exposição de motivos que levaram à realização das respectivas exclusões por esta CGAUD/DEGEP/MP. (...).. (grifo nosso). Considerando que esta situação foi objeto de auditoria por parte da Coordenação-Geral de Inteligência e Auditoria Preventiva da Folha de Pagamento da Secretaria de Gestão Pública do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (CGAUD/DEGEP/MP/ SEGEP) e que a UNIFEI não irá mais ofertar cursos de Pós-Graduação Lato Sensu pagos, esta constatação foi inserida neste relatório apenas com caráter meramente informativo, abstendo-se a Auditoria Interna, neste momento, de se manifestar a respeito Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso. Coordenação de Concurso Público. Atribuições Permanentes. Decreto nº /2007, Artigo 2º, Inciso III. Coletânea de Entendimentos (CGU/MEC). Esclarecimentos. Verificou-se no processo abaixo (Pagamento de Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso) a seguinte situação: PROCESSO Nº / SIAPE VALOR UNITÁRIO HORAS VALOR TOTAL , ,60 O servidor (SIAPE nº ) recebeu, a título de Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso, a quantia de R$ 9.141,60 (nove mil, cento e quarenta e um reais e sessenta centavos) correspondente a 240 (duzentos e quarenta) horas trabalhadas como Coordenador Local (Campus Itajubá) do concurso público destinado a selecionar candidatos para cargos Técnico-Administrativos em Educação - Edital 026/2013. Entretanto, o referido servidor já recebe uma gratificação (Código: FG-1) para exercer a função de Coordenador de Processos Seletivos da Pró-Reitoria da Graduação (Portaria nº , de 20 de dezembro de 2012). 13

14 Em consulta realizada no sítio eletrônico da Universidade Federal de Itajubá (http://www.unifei.edu.br/cops) no dia 22/09/2014, foi obtida a seguinte informação: A Coordenação de Processos Seletivos da Universidade Federal de Itajubá - Unifei é um órgão vinculado à Pró-Reitoria de Graduação e tem a missão de gerenciar, elaborar e acompanhar a produção de concursos públicos para provimentos de Cargos Técnico-Administrativos, bem como a admissão de ingressantes na Universidade, por meio de vestibular e transferências interna, externa e para portadores de diplomas de curso superior.. (grifo nosso). Ressalta-se, que o Decreto nº , de 15 de maio de 2007, que regulamenta o pagamento da Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso, em seu Artigo 2º, Inciso III, assim dispõe: Art. 2 o de: A Gratificação é devida ao servidor pelo desempenho eventual de atividades I - instrutoria em curso de formação, ou instrutoria em curso de desenvolvimento ou de treinamento para servidores, regularmente instituído no âmbito da administração pública federal; II - banca examinadora ou de comissão para exames orais, análise curricular, correção de provas discursivas, elaboração de questões de provas ou para julgamento de recursos intentados por candidatos; III - logística de preparação e de realização de curso, concurso público ou exame vestibular, envolvendo atividades de planejamento, coordenação, supervisão, execução e avaliação de resultado, quando tais atividades não estiverem incluídas entre as suas atribuições permanentes; e IV - aplicação, fiscalização ou avaliação de provas de exame vestibular ou de concurso público ou supervisão dessas atividades. 1 o Considera-se como atividade de instrutoria, para fins do disposto no inciso I do caput, ministrar aulas, realizar atividades de coordenação pedagógica e técnica não enquadráveis nos incisos II, III e IV, elaborar material didático e atuar em atividades similares ou equivalentes em outros eventos de capacitação, presenciais ou a distância. 2 o A Gratificação não será devida pela realização de treinamentos em serviço ou por eventos de disseminação de conteúdos relativos às competências das unidades organizacionais.. (grifo nosso). Considerando que o desempenho da atividade que enseja o pagamento de Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso deve dar-se em caráter eventual (não habitual), ou seja, a atividade exercida pelo servidor não deve estar incluída entre as suas atribuições permanentes, foi solicitada a Diretoria de Pessoal (DPE), por meio do Memorando Interno nº. 109/ AI, justificar o referido pagamento. 14

15 Tendo o Pró-Reitor de Administração (SIAPE ) assim se manifestado: Em atenção ao Memorando Eletrônico nº. 109/ AI, cabe, primeiramente, esclarecer que a atual alta Gestão da Universidade decidiu por segregar as atividades de alguns setores em que servidores de um determinado órgão exercia atividades de mais de um órgão. Por exemplo: as servidoras ocupantes dos cargos de "Assistente Social" e "Psicólogo", que exerciam suas atribuições junto aos alunos e servidores, foram lotadas na Diretoria de Assistência Estudantil da Pró-Reitoria de Graduação e atualmente executam suas atribuições legais junto aos alunos. O mesmo aconteceu com a Coordenação de Processos Seletivos que ficou vinculada somente às atividades relacionadas à graduação. Assim, informamos que o servidor Matrícula SIAPE nº exerce a função gratificada (código: FG-1) de Coordenador de Processos Seletivos somente da Pró- Reitoria de Graduação, conforme Portaria indicada por Vossa Senhoria, e, nesta função, ele possui as responsabilidades pelos processos seletivos para "Transferência Interna, Externa", "Portador de Diploma de Curso Superior" e "Admissão de Vagas Iniciais", todos referentes aos alunos de graduação da Universidade. O pagamento da gratificação por encargo de curso ou concurso correspondente a 240 horas trabalhadas como "Coordenador" (Código: C2 do Anexo da Norma para Pagamento de Encargo de Curso ou Concurso) do processo de concurso público destinado a selecionar candidatos para cargos de técnicos-administrativos em educação (Edital nº. 026/2013), atividade eventual na Universidade (quando ocorreu, não passou de um processo por ano), não é atribuição do servidor conforme justificado acima.. (Memorando Eletrônico nº. 377/ PRAD). Diante do exposto, foi solicitada a Pró-Reitoria de Administração (PRAd), por meio do Memorando Interno nº. 114/2014-AI, informar se há um Regimento Interno ou outro documento que contenha as atribuições e responsabilidades do servidor (SIAPE ) como Coordenador de Processos Seletivos da Pró-Reitoria da Graduação (Portaria nº , de 20 de dezembro de 2012). Tendo o Pró-Reitor de Administração (SIAPE ) assim se manifestado: Não existe definições, em instrumento específico, das atribuições e responsabilidades do servidor (SIAPE ) como Coordenador de Processos Seletivos da Pró-Reitoria da Graduação.. (Memorando Eletrônico nº. 386/ PRAD) Em que pese às justificativas apresentadas, impende ressaltar a importância de se criar para cada órgão ou setor da Universidade um Regimento Interno, ou outro documento similar que estabelece os seus objetivos, a estrutura, as finalidades e as suas atribuições, inclusive dos servidores neles lotados, evitando-se assim, como no caso em análise, qualquer dúvida a respeito de questões relativas à competência funcional. Ademais, cabe alertar que a Coletânea de Entendimentos elaborada em conjunto pela Controladoria-Geral da União (CGU) e o Ministério da Educação (MEC), sobre as boas 15

16 práticas de gestão indicadas para o controle da Gratificação por Encargo de Curso e Concurso nas IFEs, assim orientou, inclusive, exemplificando: Atentar para que o desempenho dessas atividades seja feito em caráter eventual (não habitual), ou seja, a atividade exercida pelo servidor não deve dizer respeito a conteúdos relativos às competências da unidade organizacional onde o mesmo trabalha (Exemplo 1: Servidores lotados na Comissão Permanente de Vestibular e Concursos Públicos não podem receber essa gratificação quando realizarem atividades de logística para a preparação e realização de concurso público ou exame vestibular, pois as atividades de planejamento, coordenação, supervisão e execução de concursos públicos e vestibulares são habituais desse setor da IFE (...). (grifo nosso) Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso. Processo Seletivo. Elaboração de Provas. Competência Técnico-Profissional. Ausência de Transparência. Princípio da Publicidade. Constituição Federal, Artigo 37. GRATIFICAÇÃO POR ENCARGO DE CURSO OU CONCURSO PROCESSO EDITAL / / / / / /2013 GRATIFICAÇÃO POR ENCARGO DE CURSO OU CONCURSO PROCESSO EDITAL / / / /2013 Na análise dos autos acima relacionados, verificou-se que não houve uma devida transparência em relação aos procedimentos utilizados para a seleção dos servidores que trabalharam no concurso público para provimento de cargos técnico-administrativos em educação (Edital 026/2013). Objetivando conferir uma maior transparência ao procedimento utilizado, foi solicitado a Diretoria de Pessoal (DPE), por meio do Memorando Eletrônico nº. 112/ AI, as seguintes informações: a) Informar se houve processo seletivo para escolha dos servidores que trabalharam no referido concurso, com o objetivo de aferir a competência técnico-profissional dos mesmos e assegurar a observância dos princípios da isonomia e da imparcialidade; b) Informar quais os critérios utilizados para a seleção dos servidores que elaboraram as provas (objetivas e práticas), e se foi observada a formação acadêmica compatível ou comprovada experiência profissional dos mesmos, conforme disposto no Artigo 4º do Decreto nº /2007. Tendo o Pró-Reitor de Administração (SIAPE ) e a Diretora de Pessoal (SIAPE ), assim manifestado: Em resposta ao Memorando Eletrônico nº. 112/ AI, encaminhamos as seguintes informações: 16

17 a) A Coordenadora Geral do Concurso Público - Edital 026/2013, designada através da Portaria nº. 68 de 14/01/2014, publicou de divulgação no dia 20/01/14, utilizando a estrutura física e informacional da COPS, convidando a todos os servidores a participarem das atividades de aplicação de provas no dia 02/02/14, conforme anexo. O coordenador do concurso público para o Campus de Itabira também divulgou para servidores daquele campus convidando os servidores a participar das atividades de aplicação de provas. Estas divulgações demonstram a preocupação em assegurar os princípios da isonomia e da imparcialidade na escolha dos servidores que participaram das atividades do concurso. b) A elaboração das questões de prova contou com a participação de servidores da Unifei dos dois Campi, servidores da Universidade Federal de Alfenas - Unifal e da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Buscou-se profissionais externamente para a elaboração das provas para os cargos onde a Unifei não possuía corpo técnico especializado: Médico/Área: Trabalho, Produtor Cultural e Programador de Rádio e Televisão. A coordenação teve especial preocupação com a escolha dos elaboradores de questões de prova bem como dos servidores que atuariam na impressão e montagem das provas relativas a cada cargo, uma vez que vários servidores estavam inscritos no concurso ou tinham cônjuges, companheiros, parentes e afins até terceiro grau com os candidatos inscritos ou possuíam algum relacionamento de parceria em atividades técnicocientíficas. Aos interessados em participar da aplicação de provas foi solicitado informar se tinham algum parente realizando o concurso e em caso positivo, o nome completo para que fossem alocados em outra sala de aplicação de provas, conforme e- mail anexo. Além disso, a elaboração de questões de provas depende da aceitação ou não pelo profissional em querer exercer esta atividade, bem como da idoneidade moral e do sigilo do profissional. A Unifei não possui norma que regulamente a realização de concursos públicos para provimento de vagas de STAE's. De forma a disciplinar os procedimentos para realização dos próximos concursos, esta Diretoria de Pessoal, emitiu a Portaria nº de 26/09/2014 nomeando uma comissão, para no prazo de 30 (trinta) dias elaborar norma para realização de concursos públicos para provimento de cargos de STAE na UNIFEI, conforme anexo. Concursos públicos para provimento deste tipo de vaga encontram-se suspensos até a aprovação da norma pelo Conselho de Ensino, Pesquisa, Extensão e Administração - CEPEAd da Unifei. Encontra-se em estágio de implantação o Sistema Integrado de Recursos Humanos - SIGRH. Neste sistema é possível aos servidores, através do Menu "Servidor - Capacitação" cadastrarem ou atualizarem seus currículos em um banco de talentos. Neste banco de talentos o servidor pode informar sua formação acadêmica, os cursos realizados, suas experiências profissionais e habilidades, bem como informar o link para acesso ao seu Currículo Lattes (...). 17

18 Esta Diretoria de Pessoal providenciou a divulgação através do Memorando Circular nº. 844/ DPE convidando os servidores a realizem o cadastro/atualização de seus currículos e, desta forma, aprimorar o processo de seleção não apenas para instrutores de capacitações internas, mas também para participação em concursos públicos, processos seletivos e projetos de interesse da Unifei. O memorando circular encontrase anexo. A DPE tem trabalhado na melhoria de seus controles internos através do mapeamento, elaboração e atualização de seus processos internos. Até o momento foram mapeados e elaborados procedimentos e fluxogramas relativos a 20 processos: Procedimento 01: Processo de Abono de Permanência; Procedimento 02: Aposentadoria Compulsória; Procedimento 03: Aposentadoria Voluntária; Procedimento 04: Aposentadoria por Invalidez; Procedimento 05: Pensão; Procedimento 06: Auxílio Funeral; Procedimento 07: Exoneração ou Vacância; Procedimento 08: Horário Especial para Servidor Estudante; Procedimento 09: Licença Gestante; Procedimento 10: Atividade Política; Procedimento 11: Serviço Extraordinário; Procedimento 12: Licença Prêmio; Procedimento 13: Licença por Afastamento do Cônjuge; Procedimento 14: Ressarcimento do Plano de Saúde; Procedimento 15: Macroprocesso da Capacitação; Procedimento 16: Pagamento de Inscrição para Cursos; Procedimento 17: Elaboração dos Processos de Capacitação; Procedimento 18: Pagamento de Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso (GECC) para Servidor da Unifei; Procedimento 19: Pagamento de Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso (GECC) para Servidor da Unifei por exercício de atividade em outro órgão público; Procedimento 20: Interrupção de Férias. Os procedimentos e respectivos fluxogramas seguem anexo.. (Memorando Eletrônico nº. 843/ DPE). Em relação à escolha de colaboradores para atuarem em concursos públicos, é importante ressaltar a necessidade da utilização de critérios objetivos de seleção de pessoal, assegurando a isonomia entre os interessados, a impessoalidade, a transparência e a publicidade dos procedimentos. Ademais, impende registrar que o Artigo 37 da Constituição Federal estampa o princípio da publicidade. E, como regra geral, os atos praticados pelos agentes administrativos não devem ser sigilosos. Portanto, salvo as ressalvas legalmente 18

19 estabelecidas e as decorrentes de razões de ordem lógica, os procedimentos administrativos devem ser acessíveis ao público em geral, não apenas às partes envolvidas Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso. Compensações de Horas. Decreto nº /2007, Artigo 8º. Acompanhamento. Divisão de Legislação e Direitos (DLD/DPE). Falha no Controle Interno. Considerando o disposto no Artigo 8º, do Decreto nº /2007, que determina que as horas trabalhadas em atividades inerentes a cursos, concursos públicos ou exames vestibulares, quando desempenhadas durante a jornada de trabalho, deverão ser compensadas no prazo de até um ano, e com o intuito de avaliar a efetividade dos controles internos adotados na Divisão de Legislação e Direitos (DLD/DPE), foi solicitado a Diretoria de Pessoal (DPE), por meio do Memorando Interno nº. 110/ AI, encaminhar cópia dos documentos que comprovam a compensação de horas (folha de ponto e relatório mensal de ocorrências assinados pela chefia imediata) dos seguintes servidores: PROCESSO SIAPE HORAS A COMPENSAR / / / / / , / / , / Tendo o Pró-Reitor de Administração (SIAPE ) e a Diretora de Pessoal (SIAPE ), assim manifestado: Atendendo às solicitações constantes no Memorando Eletrônico nº. 110/ AI, de 22/09/2014, relativo aos processos de Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso, encaminhamos as seguintes informações relativas à compensação de horas: Processo / SIAPE : Às 16 horas foram compensadas no mês de agosto/2013; Processo SIAPE : Às 10 horas foram compensadas no mês de junho/2013 e 08 horas em julho/2013; Processo / SIAPE : 07 horas foram compensadas no mês de maio/2013 e 1/2 hora em junho/2013. Falta 0,5 hora. Processo / SIAPE : Informamos que as horas a compensar não são 37 e sim 14 horas. A tutoria em curso à distância é uma atividade desempenhada fora do horário de trabalho. Às 14 horas se referem às aulas presenciais ministradas dentro do horário de trabalho nos dias 10/05; 13/08; 17/05; 24/05; 07/06; 09/08 e 27/08/13 conforme página 02 do Memorando Eletrônico nº. 658/ DPE, constante do processo. O Memorando Eletrônico nº. 685/ DSI que apresenta o cronograma de compensação de 14 horas acordado entre o servidor e sua chefia 19

20 imediata reitera que apenas as aulas presenciais foram executadas dentro da jornada. Houve um equívoco no Memorando Eletrônico nº. 598/ PRAD que autorizou o pagamento da gratificação ao afirmar que a tutoria em curso à distância seria realizada durante a jornada de trabalho. Não houve compensação das 14 horas. Processo / SIAPE : 05 horas foram compensadas em julho/2013 e 7,5 em agosto; Processo / SIAPE : Às 10 horas foram compensadas em agosto/2013; Processo / SIAPE : 12,5 horas foram compensadas em agosto/2013 e 05 em setembro/2013. Faltaram 02 horas. Processo / SIAPE : Às 10 horas foram compensadas em agosto/2013. Conforme solicitado, encaminhamos cópias dos seguintes documentos: - Relatório Mensal de Ocorrências da Diretoria de Pessoal e Folhas de Ponto do mês de agosto/2013 dos servidores de matrícula SIAPE nº e ; - Relatórios Mensais de Ocorrências da Diretoria de Suporte à Informática referente aos meses de maio, junho, julho, agosto e setembro de 2013 e Memorando Eletrônico nº. 605/ DSI de 04/09/2013 que ratificou o relatório de ocorrências do mês de julho/ Folhas de Ponto do Servidor de matrícula SIAPE relativas aos meses de maio e junho/2013; - Folhas de Ponto do Servidor de matrícula SIAPE relativas aos meses de junho, julho, agosto e setembro de 2013; - Folha de Ponto do Servidor de matrícula SIAPE relativa ao mês de agosto/ (Memorando Eletrônico nº. 816/ DPE). Impende registrar que as atividades desenvolvidas pelos servidores acima relacionados têm mais de um ano, e como se pode observar, em alguns casos não houve a compensação integral das horas conforme disposto no Artigo 8º, do Decreto nº /2007, evidenciando uma falha nos procedimentos de controle interno adotados na Divisão de Cadastro e Financeira (DCF/DPE). Acrescente-se ainda, que para uma análise mais apurada dos controles internos adotados no setor, foi também solicitada a Diretoria de Pessoal (DPE), por meio do Memorando Interno nº. 108/ AI, as seguintes informações em relação aos pagamentos de Gratificações por Encargo de Curso ou Concurso: 20

21 PROCESSO Nº / SIAPE VALOR UNITÁRIO HORAS VALOR TOTAL , , , , , ,20 PROCESSO Nº / SIAPE VALOR UNITÁRIO HORAS VALOR TOTAL , , , , , , , ,40 PROCESSO Nº / SIAPE VALOR UNITÁRIO HORAS VALOR TOTAL , , , ,00 PROCESSO Nº / SIAPE VALOR UNITÁRIO HORAS VALOR TOTAL , , , , , ,80 Consta nos autos acima que as atividades exercidas pelos servidores serão executadas fora do horário de expediente ou durante o horário de expediente, mediante compensação de horas. 1) Informar a quantidade de horas dedicadas as atividades durante a jornada de trabalho; 2) Encaminhar cópia do cronograma de compensação de horas aprovado pela chefia imediata; 3) Em caso de compensação de horas já efetuadas, encaminhar a comprovação (folha de ponto e relatório mensal de ocorrências assinados pela chefia imediata). Tendo o Pró-Reitor de Administração (SIAPE ) e a Diretora de Pessoal (SIAPE ), assim manifestado: Em resposta à solicitação do Memorando Eletrônico nº. 108/ AI encaminhamos as seguintes informações: Processo nº / : - SIAPE horas - Foram compensadas 08h15m em maio; 13h30m em junho; 04 em julho, totalizando 25h30m; - SIAPE horas - Foram compensadas 11h15m em maio; 07h40m em junho; 07h20m em julho, totalizando 26h15m; - SIAPE horas - Foram compensadas 16h em março; 17h em abril e 47h em maio, totalizando 80h; 21

22 Processo nº / : Ministério da Educação - SIAPEs , , e Não constam registros de compensação; Processo nº / : - SIAPE Foram compensadas 08h15m em fevereiro e 04h em março, totalizando: 12h15m; - SIAPE Não constam registros de compensação; Processo nº / : - SIAPE horas - Foram compensadas 49h em fevereiro; 30h30 em março; 09h em abril; 07h30 em maio; 11h em junho, totalizando: 107h. As horas informadas nos processos acima foram compensadas fora do horário de expediente. 1) O servidor realizou 32h no mês de março durante a jornada de trabalho mas realizou a compensação nos dois meses subsequentes; A servidora realizou 40 horas no mês de março durante a jornada de trabalho, conforme folha de ponto. 2) Informamos que não houve cronograma de compensação, valendo, neste caso, o disposto no Art. 8º do Decreto nº , de 15/05/ ) Encaminhamos para comprovação das horas já compensadas, a seguinte documentação: SIAPE Folhas de Ponto dos meses de maio a julho/2014; SIAPE Folhas de Ponto dos meses de maio a julho/2014; SIAPE Folhas de Ponto dos meses de março a maio/2014; SIAPE Folhas de Ponto dos meses de fevereito e março/2014; SIAPE Folhas de Ponto dos meses de fevereiro a junho/2014. Encaminhamos também os Relatórios de Ocorrências da Diretoria de Pessoal relativos aos meses de fevereiro a julho de (Memorando Eletrônico nº. 376/ PRAD). As atividades desenvolvidas pelos servidores acima relacionados têm menos de um ano, portanto as horas ainda podem ser compensadas conforme determina o Artigo 8º, do 22

23 Decreto nº /2007. Entretanto, cabe alertar que compete a Diretoria de Pessoal (DPE), por meio da sua Divisão de Legislação e Direitos (DLD/DPE) acompanhar e controlar efetivamente esta compensação Adicional por Serviço Extraordinário. Justificativa. Autorização Prévia. Decreto nº. 948/1993. Não Atendimento. Foi verificado nos processos abaixo relacionados que o período da execução dos serviços extraordinários foi anterior à data da solicitação e da autorização: SIAPE PROCESSO PERÍODO SOLICITAÇÃO AUTORIZAÇÃO HORAS / /04/13 a 27/05/13 02/08/ /08/ / /01/14 a 16/03/14 02/04/ /04/ / /03/14 a 13/05/14 06/06/ /06/ / /05/13 a 09/06/13 02/08/ /08/ / /02/14 a 09/03/14 02/04/ /04/ / /03/14 a 15/04/14 06/06/ /06/ / /05/13 a 19/08/13 03/09/ /09/ / /08/13 a 11/10/13 24/10/ /10/ / /01/14 a 16/03/14 02/04/ /04/ / /03/14 a 31/05/14 06/06/ /06/ / /02/14 a 08/03/14 02/04/ /04/ / /03/14 a 01/05/14 06/06/ /06/ / /05/13 a 02/06/13 02/08/ /08/ / /05/13 a 16/06/13 02/08/ /08/ / /04/14 a 20/05/14 06/06/ /06/ / /01/14 a 25/03/14 02/04/ /04/ Tendo nestes casos, o Prefeito do Campus de Itajubá (SIAPE ) assim justificado: Justificamos esta solicitação, tendo em vista que Itajubá se localiza distante dos grandes centros, motivo pelo qual as viagens, em sua grande maioria, ultrapassam a jornada diária de oitos horas. Em decorrência das alterações na forma de lançamento no SIAPE, e considerando os constantes remanejamentos de motoristas - devido ao reduzido número de condutores, estamos solicitando o adicional somente após o pagamento das diárias, baseado em consulta dos relatórios de viagem pelo SCDP.. (grifo nosso). Em que pese à justificativa apresentada, é importante alertar que pagamento de adicional por serviço extraordinário no serviço público depende de autorização prévia da autoridade competente, conforme disposto no Artigo 2º do Decreto nº. 948, de 05 de outubro de 1993, in verbis: Art. 2º A execução do serviço extraordinário será previamente autorizada, pelo dirigente de recursos humanos do órgão ou entidade interessado a quem compete identificar a situação excepcional e temporária de que trata o art. 74, da Lei nº , de 11 de dezembro de (grifo nosso). A execução das horas extras está vinculada à autorização previa da autoridade competente, e nos casos em análise houve uma notória inversão no procedimento de concessão, devendo este procedimento ser imediatamente revisto e adequado aos preceitos legais vigentes. 23

24 3.9 - Auxílio Funeral. Prazo Legal para a Concessão. 48 horas. Artigo 226 da Lei nº /1990. Inobservância. PROCESSO Nº / SOLICITAÇÃO CADASTRO PARECER NOTA DE EMPENHO PAGAMENTO 30/07/ /07/ /07/ /08/ /08/2013 PROCESSO Nº / SOLICITAÇÃO CADASTRO PARECER NOTA DE EMPENHO PAGAMENTO 01/08/ /08/ /08/ /08/ /08/2013 PROCESSO Nº / SOLICITAÇÃO CADASTRO PARECER NOTA DE EMPENHO PAGAMENTO 11/08/ /08/ /08/ /08/ /08/2014 PROCESSO Nº / SOLICITAÇÃO CADASTRO PARECER NOTA DE EMPENHO PAGAMENTO 18/02/ /02/ /02/ /02/2014 PROCESSO Nº / SOLICITAÇÃO CADASTRO PARECER NOTA DE EMPENHO PAGAMENTO 18/06/ /06/ /06/ /06/2014 PROCESSO Nº / SOLICITAÇÃO CADASTRO PARECER NOTA DE EMPENHO PAGAMENTO 17/10/ /10/ /10/ /10/2013 Verificou-se nos autos acima que o pagamento do auxílio funeral foi efetuado após o prazo legal de 48 horas estipulado no Parágrafo 3º do Artigo 226 da Lei 8.112/1990, in verbis: O auxílio será pago no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, por meio de procedimento sumaríssimo, à pessoa da família que houver custeado o funeral.. (grifo nosso). O Egrégio Tribunal de Contas da União a respeito do assunto, reiteradamente, assim tem decidido: AUXÍLIO-FUNERAL. Ementa: alerta à UFF/RJ no sentido de que observe o que determina o 3º do art. 226 da Lei nº /1990, quanto ao procedimento sumaríssimo para o pagamento do benefício auxílio funeral no prazo de 48 horas (item 1.5.2, TC /2006-2, Acórdão nº /2010-2ª Câmara).. AUXÍLIO FUNERAL. Ementa: o TCU determinou ao Ministério da Fazenda que cumprisse o prazo de 48h, legalmente previsto para pagamento de auxílio funeral, conforme disposto no 3º do art. 226 da Lei nº /90 (item 2.1.6, TC /2005-1, Acórdão nº. 1134/2006-TCU-1ª Câmara).. AUXÍLIO-FUNERAL. Ementa: determinação à SFA/RS para que efetue o pagamento do benefício de auxílio-funeral, observando o art. 226, 3º, da Lei nº /1990, de modo que o auxílio seja pago no prazo de 48 horas, devidamente comprovado com a certidão de óbito e dos documentos fiscais do serviço funerário (alínea s, item 1.5, TC /2007-3, Acórdão nº /2008-1ª Câmara).. 24

25 No entanto, cabe ressaltar que o atraso na concessão deste auxílio, com exceção do processo nº / que injustificadamente demorou 05 (cinco) dias só para ser protocolado, tem origem na Diretoria de Contabilidade, Orçamento e Finanças (DCF), e decorre basicamente de fatores que não dependem exclusivamente da Universidade, como os prazos necessários para apropriação da despesa, recebimento dos recursos financeiros e processamento da ordem bancária Aposentadoria. Formalização dos Processos. Inconsistências. Divisão de Legislação, Direitos e Deveres (DLD/DPE). Falhas no Controle Interno. Na análise dos processos de concessão de aposentadoria, foram verificadas as seguintes falhas ou inconsistências: a) Falha na Formalização de Processos. Declaração de Quitação. Inexistência. PROCESSO SIAPE / / / / / / / / / / / / / / Não foi localizada nos autos a declaração que o servidor está em dia com o setor, com a Biblioteca Mauá e com os materiais e equipamentos sob sua responsabilidade. Apesar da inexistência desse documento não prejudicar a análise da concessão de aposentadoria, recomenda-se a sua anexação ao processo para uma adequada formalização. b) Falha na Formalização de Processo. Incentivo à Qualificação. Comprovação. Inexistência. PROCESSO SIAPE / Não foi localizado nos autos documento que comprove o direito ao recebimento de Incentivo à Qualificação por parte do servidor. Apesar da inexistência desse documento não prejudicar a análise da concessão de aposentadoria, recomenda-se a sua anexação ao processo para uma adequada formalização. 25

26 c) Tempo de Contribuição para fins de Aposentadoria. Informações Divergentes. PROCESSO SIAPE / No Mapa de Tempo de Contribuição para fins de Aposentadoria consta como tempo no serviço público e de contribuição: 38 anos e 06 dias (fls. 15/16). Entretanto, no documento referente ao Abono Provisório de Concessão de Aposentadoria Voluntária consta como tempo no serviço público e de contribuição para aposentadoria: 37 anos (fl. 23). d) Mapa de Tempo de Contribuição para fins de Aposentadoria. Exercício de Funções de Confiança. Informações. Inexistência. PROCESSO SIAPE / / / No Mapa de Tempo de Contribuição para fins de Aposentadoria, inserido nos autos acima, não consta o período em que o servidor exerceu função gratificada ou cargo de confiança. e) Falha na Formalização de Processo. Anexação de Documento Estranho aos Autos. PROCESSO SIAPE / O Formulário de Concessão de Aposentadoria (SISAC) anexado aos autos é de outro servidor. f) Incentivo à Qualificação. Percentual. Divergências. PROCESSO SIAPE / Consta nos autos cópia de dois diplomas de graduação: Engenharia Civil (fls. 06/07) e Licenciatura em Matemática (fls.08/09). No entanto, no Comprovante de Rendimentos (fl. 19) e no documento referente ao Abono Provisório de Concessão de Aposentadoria Voluntária (fl. 31) consta como Incentivo à qualificação o percentual referente à realização de Curso de Especialização (Pós-graduação Lato Sensu) em área de conhecimento com relação direta (30%). PROCESSO SIAPE / Consta nos autos certificado conferindo ao servidor habilitação plena de Técnico em Eletrotécnica (fl. 05). Ressalta-se que tanto no Comprovante de Rendimentos (fl. 16) como no documento referente ao Abono Provisório de Concessão de Aposentadoria Voluntária (fl. 24) consta como Incentivo à qualificação o percentual referente à realização de curso 26

27 médio profissionalizante ou médio com curso técnico completo em área de conhecimento com relação direta (20%). No entanto, impende registrar que o servidor era ocupante do cargo de Auxiliar em Administração e estava lotado na Biblioteca. Diante destas constatações, foi solicitada a Diretoria de Pessoal (DEP), justificar a ocorrência das referidas falhas ou inconsistências encontradas nos processos acima relacionados. Tendo a Diretora de Pessoal (SIAPE ), assim manifestado: Em atenção ao Memorando Eletrônico nº. 119/ AI, esclarecemos: a) Falha na formalização de processos. Declaração de Quitação. Inexistência. Devido à demora na regularização do patrimônio sob a responsabilidade de alguns servidores que já haviam requerido a aposentadoria, passamos a exigir a Declaração de Quitação junto aos órgãos da UNIFEI antes do requerimento. O processo é instruído imediatamente após o servidor comprovar que não há débitos. A Declaração de Quitação não consta do processo de concessão de aposentadoria, mas encontra-se disponível para consulta na pasta funcional do servidor. b) Falha na formalização de processo. Incentivo à Qualificação. Comprovação. Inexistência. Anexamos o Certificado de Conclusão do Curso Ginasial do Colégio de Itajubá (Anexo 1), comprovando que o servidor faz jus aos 10% que percebe em seu provento. Enviaremos cópia autenticada desse Certificado para a CGU/MG, solicitando que seja juntada ao respectivo processo de aposentadoria, que ainda não foi analisado. c) Tempo de Contribuição para fins de Aposentadoria. Informações Divergentes. Refizemos a Ficha de Abono Provisório (Anexo 2). Solicitaremos à CGU/MG que cancele o Abono Provisório de fl. 23 do Processo de aposentadoria nº / e inclua a nova Ficha devidamente corrigida. d) Mapa de Tempo de Contribuição para fins de Aposentadoria. Exercício de Funções de Confiança. Informações. Inexistência. Conforme fichas financeiras constantes dos três processos citados por Vossa Senhoria, os servidores não recebem vantagens referentes ao exercício de funções de confiança em seus proventos. Considerando o exposto acima, não entendemos ser necessário incluir os períodos de exercício de função no Mapa de Tempo de Contribuição nem na Ficha do SISAC. 27

28 e) Falha na Formalização de Processo. Anexação de Documento Estranho aos Autos. Retiramos a Ficha SISAC apensada incorretamente no Processo nº / e apensamos no Processo nº / , referente ao servidor SIAPE f) Incentivo à Qualificação. Percentual. Divergências. - Processo / A servidora fez jus aos 30% de Incentivo à Qualificação, pois apresentou o Certificado de Especialização (Anexo 3), que não foi juntado no processo de aposentadoria. Remeteremos cópia autenticada desse Certificado para a CGU/MG, solicitando que seja juntada ao respectivo processo de aposentadoria, o qual ainda não foi analisado. - Processo / Conforme Portaria UNIFEI nº. 075, de 17/02/2005 (Anexo 4), foi instituída a Comissão responsável pelo Enquadramento dos servidores Técnico-Administrativos em Educação, previsto na Lei nº /2005. Consta no relatório de Enquadramento do Canal CGGP/enquadramento (administrado pelo MEC), datado de 06/07/2006, que o servidor SIAPE possui Curso Técnico Profissionalizante em Eletrotécnica (Ensino Médio) e que este curso apresentava relação Indireta com seu ambiente organizacional. O servidor foi aposentado no cargo que ocupava (Auxiliar em Administração - Nível de Classificação "C") e, conforme Anexo II da Lei nº /2005, a escolaridade exigida para tal cargo era o "Ensino Fundamental". Por meio da Portaria nº. 268 UNIFEI, de 12/07/2006, o Reitor em Exercício da Universidade Federal de Itajubá homologou o Enquadramento por Nível de Capacitação e a Concessão do Incentivo à Qualificação para os servidores. No Anexo dessa Portaria não consta percentual de Incentivo à Qualificação para o servidor em questão. Em 25/07/2006, o servidor recorreu da Decisão da citada Comissão, na Segunda Fase do Enquadramento e seu pedido foi deferido, conforme correspondência datada de 28/08/2006, sendo-lhe concedido o incentivo à Qualificação no índice de 10% (Anexo 5). A partir de 01/01/2013 este incentivo à Qualificação passou para 20% de acordo com o Anexo IV da Lei nº /2005 (Incluído pela Lei nº , de 2012), que justifica o fato da Comissão de Enquadramento, que analisou a documentação apresentada, conceder 10% ao servidor, considerando o curso de educação formal com relação direta ao seu ambiente organizacional. 28

29 Esclarecemos que o trabalho desta Comissão, nas duas fases do enquadramento, deu-se por meio do Sistema CGGP, criado pelo MEC para este fim e que as informações registradas migravam diretamente para o SIAPE. A participação da Diretoria de Pessoal nesse processo ocorreu na primeira fase, quando fornecemos à Comissão o levantamento do tempo de serviço público federal de todos os servidores ativos, aposentados e instituidores de pensão, bem como o cargo atualizado, o vencimento básico e as gratificações. Não anexamos os documentos citados, referentes ao enquadramento, devido sua extensão, mas os mesmos se encontram nesta Diretoria de Pessoal para constatação.. (Memorando Eletrônico nº. 895/ DPE). Em que pese às justificativas e correções apresentadas, pode-se concluir que os procedimentos de controle interno adotados na Divisão de Legislação, Direitos e Deveres (DLD/DPE), no tocante a formalização dos processos de concessão de aposentadoria, não foram capazes de evitar as falhas acima relacionadas. IV Orientações: - Recomenda-se a Diretoria de Pessoal (DPE), referente ao pagamento de Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso (Processos: / ; / ; / ), providenciar junto aos servidores (SIAPE ; ; ) a imediata compensação ou restituição dos valores correspondentes às horas não compensadas na forma do disposto no Artigo 8º, do Decreto nº /2007; - Recomenda-se a Diretoria de Pessoal (DPE) alterar o procedimento adotado para o pagamento de adicional por serviço extraordinário aos servidores que exercem a função de motorista, de modo a adequá-lo ao preceito legal contido no Artigo 2º do Decreto nº. 948/1993, que determina que o serviço extraordinário deve ser previamente autorizado pelo dirigente de recursos humanos ou a quem compete identificar a situação excepcional e temporária de que trata o Artigo 74, da Lei nº /1990; - Recomenda-se a Diretoria de Pessoal (DPE) continuar a mapear e normatizar todos os procedimentos existentes no setor, estabelecendo, inclusive, novas metodologias de trabalho, objetivando sempre a eficiência, eficácia e efetividade dos controles internos adotados, bem como a implementação de novos controles. V Conclusão: Em face dos exames realizados, pode-se concluir que os procedimentos de controle interno adotados na Diretoria de Pessoal (DPE) não foram capazes de evitar impropriedades nos itens analisados, evidenciando a necessidade de serem revistos e melhorados, com vistas a conseguir maior aderência aos ditames legais, em especial os contidos na Lei nº /1990, e à jurisprudência do Tribunal de Contas da União. 29

30 Ressalte-se, entretanto, que a Diretoria de Pessoal (DPE) tem implementado ações visando o aprimorando dos seus controles internos, como por exemplo, o mapeamento, a elaboração e atualização de seus processos internos. No mais, é importante lembrar que a Auditoria Interna deve ser sempre entendida como uma atividade de assessoramento à Administração, de caráter essencialmente preventivo, destinada a agregar valor e a melhorar as operações da entidade, assistindo-a na consecução de seus objetivos mediante uma abordagem sistemática e disciplinada, fortalecendo a gestão e racionalizando as ações de controle interno. É o nosso relatório. Itajubá, 17 de outubro de Anderson Christi Duarte Pinto Ferreira Chefe da Auditoria Interna (Portaria nº , de 20 de dezembro de 2012) Graziela Emília Cassiano Assistente da Auditoria Interna (Portaria nº. 650, de 03 de abril de 2013) Paula Soares de Almeida Assistente da Auditoria Interna (Portaria nº. 838, de 28 de maio de 2014) 30

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002 NORMA PARA PARTICIPAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA, EM TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EDUCAÇÃO FORMAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Estabelece critérios para participação

Leia mais

NOTA INFORMARTIVA Nº 270/2011/CGNOR/DENOP/SRH/MP

NOTA INFORMARTIVA Nº 270/2011/CGNOR/DENOP/SRH/MP Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Recursos Humanos Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais Coordenação-Geral de Elaboração, Sistematização e Aplicação das Normas NOTA

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei No. 10.435 de 24 de abril de 2002 Pró-Reitoria de Administração

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei No. 10.435 de 24 de abril de 2002 Pró-Reitoria de Administração EDITAL DE SELEÇÃO DE SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS COM INTERESSE EM PARTICIPAR DE TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EM NÍVEL DE EDUCAÇÃO FORMAL - QUALIFICAÇÃO A PRAD e o Departamento de Pessoal

Leia mais

GRATIFICAÇÃO POR ENCARGO DE CURSO OU CONCURSO

GRATIFICAÇÃO POR ENCARGO DE CURSO OU CONCURSO GRATIFICAÇÃO POR ENCARGO DE CURSO OU CONCURSO DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO É a gratificação devida ao servidor em razão de

Leia mais

CONHEÇA MELHOR SEU CONTRACHEQUE

CONHEÇA MELHOR SEU CONTRACHEQUE CONHEÇA MELHOR SEU CONTRACHEQUE DIPES/PROGP 2013 Para esclarecer dúvidas sobre seu pagamento, procure imediatamente sua unidade pagadora. COMPROVANTE DE RENDIMENTOS - FOLHA NORMAL FUND. UNIVERSIDADE DE

Leia mais

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013.

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. Dispõe acerca da Política de uso do PONTO ELETRÔNICO E DA JORNADA DE TRABALHO dos servidores do Instituto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS AUDITORIA INTERNA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS AUDITORIA INTERNA Pelotas, 06 de junho de 2013. ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 03/2013 Assunto: de Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso CONSIDERANDO os termos da demanda encaminhada a esta Unidade de Auditoria Interna por

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UNIFEI CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UNIFEI CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UNIFEI CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 - Objetivo Geral: Implantar na UNIFEI um Programa de Capacitação que seja continuado

Leia mais

EDITAL Nº 23 DE 07 DE MAIO DE 2013 PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE INCENTIVO EDUCACIONAL

EDITAL Nº 23 DE 07 DE MAIO DE 2013 PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE INCENTIVO EDUCACIONAL EDITAL Nº 23 DE 07 DE MAIO DE 2013 PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE INCENTIVO EDUCACIONAL O Reitor da Fundação Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, no uso das suas atribuições

Leia mais

Número: 00218.001006/2012-09 Unidade Examinada: Universidade Federal Fluminense

Número: 00218.001006/2012-09 Unidade Examinada: Universidade Federal Fluminense Número: 00218.001006/2012-09 Unidade Examinada: Universidade Federal Fluminense Relatório de Demandas Externas n 00218.001006/2012-09 Sumário Executivo Este Relatório apresenta o resultado da ação de controle

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 25/2014 Regulamenta a política de afastamento para qualificação e capacitação do Pessoal Técnico- Administrativo,

Leia mais

Parágrafo único. Os servidores docentes podem candidatar-se somente em caso de formação de mestrado ou doutorado.

Parágrafo único. Os servidores docentes podem candidatar-se somente em caso de formação de mestrado ou doutorado. RESOLUÇÃO N o 014, de 23 de dezembro de 2009. Regulamenta o Programa de Incentivo à Formação dos Servidores (PROSER) da UFSJ. O PRESIDENTE DO CONSELHO DIRETOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

Leia mais

PORTARIA PRE-DGA N 065/2008

PORTARIA PRE-DGA N 065/2008 PORTARIA PRE-DGA N 065/2008 Dispõe sobre a participação de servidores do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região em cursos de pós-graduação lato e stricto sensu. O Juiz Presidente do Tribunal Regional

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014 RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014 Normatiza os procedimentos para concessão de Afastamentos de Curta Duração, Licença para Capacitação, Afastamentos para Pós- Graduação Stricto Sensu e Pós-Doutorado

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO Nº 342/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 25 DE JUNHO DE 2014.

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO Nº 342/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 25 DE JUNHO DE 2014. TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO Nº 342/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 25 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre a concessão de bolsa de estudo para curso de língua estrangeira no âmbito do Tribunal Superior

Leia mais

O Presidente do Conselho Superior de Acadêmico (CONSEA) da Fundação Universidade

O Presidente do Conselho Superior de Acadêmico (CONSEA) da Fundação Universidade Resolução nº 200/CONSEA, de 19 de fevereiro de 2009. Altera normas para o oferecimento de cursos de pós-graduação Stricto Sensu e lato sensu, pelos Departamentos da Fundação Universidade Federal de Rondônia

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 20/2015-CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 20/2015-CM PROVIMENTO N. 20/2015-CM Regulamenta o Programa de incentivo à graduação dos servidores efetivos do Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso. O PRESIDENTE DO CONSELHO DA MAGISTRATURA DO, no uso de suas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 005/2014 DE 29 DE ABRIL DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 005/2014 DE 29 DE ABRIL DE 2014 RESOLUÇÃO N 005/2014 DE 29 DE ABRIL DE 2014 Disciplina o pagamento da Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso GECC da Universidade Federal da Integração Latino-americana UNILA. O Conselho Universitário

Leia mais

BOLSA DE ESTUDO PARA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Perguntas Mais Frequentes

BOLSA DE ESTUDO PARA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Perguntas Mais Frequentes BOLSA DE ESTUDO PARA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Perguntas Mais Frequentes Que norma regulamenta a concessão da bolsa de estudo? A Instrução Normativa nº 104, de 25 de janeiro de 2010, regulamenta a concessão

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Pós-graduação lato sensu da FAZU - Faculdades Associadas de Uberaba, tem por objetivo

Leia mais

PROCEDIMENTO DA DIRETORIA DE PESSOAL. Título: Macroprocesso da Capacitação

PROCEDIMENTO DA DIRETORIA DE PESSOAL. Título: Macroprocesso da Capacitação PROCEDIMENTO DA DIRETORIA DE PESSOAL Título: Macroprocesso da Capacitação UNIFEI Procedimento: 15 DIRETORIA DE PESSOAL Objetivo: apresentar as etapas do macroprocesso da capacitação dos servidores da UNIFEI.

Leia mais

EDITAL 01/2014 - PIQPG/PRPI/CQA PIQPG / 2014

EDITAL 01/2014 - PIQPG/PRPI/CQA PIQPG / 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO EDITAL 01/2014 - PIQPG/PRPI/CQA PIQPG / 2014 Programa de Incentivo para Qualificação em Cursos de Pós-Graduação dos

Leia mais

RESOLUÇÃO CA Nº 0086/2009. CONSIDERANDO a implantação do Plano de Capacitação dos Agentes Universitários;

RESOLUÇÃO CA Nº 0086/2009. CONSIDERANDO a implantação do Plano de Capacitação dos Agentes Universitários; RESOLUÇÃO CA Nº 0086/2009 Regulamenta o afastamento do serviço para capacitação dos Agentes Universitários da Carreira Técnica Universitária e dá outras providências. CONSIDERANDO a implantação do Plano

Leia mais

Código: MAP-DIPESGEP-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013

Código: MAP-DIPESGEP-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Código: MAP-DIPESGEP-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerencia de Cadastro e Remuneração Aprovado por: Diretoria de Gestão de Pessoas 1 OBJETIVO Estabelece critérios e procedimentos

Leia mais

NOTA TÉCNICA, nº 04/CGGP/SAA/MEC

NOTA TÉCNICA, nº 04/CGGP/SAA/MEC NOTA TÉCNICA, nº 04/CGGP/SAA/MEC Ementa: Orientações às Comissões de Enquadramento das Instituições Federais de Ensino (IFE) vinculadas ao Ministério da Educação, com vistas aos procedimentos que deverão

Leia mais

Portaria nº 37, de 13 de abril de 2009.

Portaria nº 37, de 13 de abril de 2009. Portaria nº 37, de 13 de abril de 2009. Disciplina os procedimentos para concessão de diárias e passagens, no âmbito da Fundação Cultural Palmares. O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO CULTURAL PALMARES, no uso das

Leia mais

EDITAL Nº 292/IFC/REITORIA/2015

EDITAL Nº 292/IFC/REITORIA/2015 INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - EDITAL Nº 292/IFC//2015 Torna pública a abertura do processo seletivo de servidores técnico-administrativos para as vagas de afastamento integral para pós-graduação stricto

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS, usando das atribuições legais e regimentais,

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS, usando das atribuições legais e regimentais, DECRETO JUDICIÁRIO Nº 1543/2013. Dispõe sobre a Regulamentação da concessão de Bolsa de Graduação e Pós-Graduação no âmbito do Poder Judiciário do Estado de Goiás. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 33, DE 27 DE AGOSTO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 33, DE 27 DE AGOSTO DE 2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 33, DE 27 DE AGOSTO DE 2010 Dispõe

Leia mais

Prof Dr. Antonio Guedes Rangel Junior

Prof Dr. Antonio Guedes Rangel Junior RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/065/2014 Regulamenta o processo de afastamento para capacitação de Docentes da UEPB. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE, da UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB,

Leia mais

Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP

Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP LEGISLAÇÃO DE PESSOAL COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO Regime Jurídico dos Servidores Públicos Federais Lei nº. 8.112/90 Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO NORMA OPERACIONAL/DIRAD/N 04, DE 7 DE AGOSTO DE 2014

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO NORMA OPERACIONAL/DIRAD/N 04, DE 7 DE AGOSTO DE 2014 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO NORMA OPERACIONAL/DIRAD/N 04, DE 7 DE AGOSTO DE 2014 Define os procedimentos relativos à concessão de auxílio-moradia

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP Pág. 1 de 10 DO PROGRAMA DE PÓS- DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1 o A Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação é o órgão

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 4 DE JULHO DE 2014

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 4 DE JULHO DE 2014 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 4 DE JULHO DE 2014 Estabelece orientações sobre a aceitação de estagiários no âmbito da Administração

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º A Unidade de Auditoria

Leia mais

Manual de Orientação sobre bolsas de estudo de graduação e ESMESC

Manual de Orientação sobre bolsas de estudo de graduação e ESMESC Manual de Orientação sobre bolsas de estudo de graduação e ESMESC 01) APRESENTAÇÃO 02) BOLSA DE ESTUDO - O QUE É? 03) ADMINISTRAÇÃO DO BENEFÍCIO 04) REQUISITOS PARA INSCRIÇÃO 05) CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO ASSESSORIA INTERNACIONAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO ASSESSORIA INTERNACIONAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO ASSESSORIA INTERNACIONAL REGULAMENTO GERAL PARA AFASTAMENTO DE SERVIDOR DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO PARA

Leia mais

ANEXO DA RESOLUÇÃO Nº /2014 - CONSELHO UNIVERSITÁRIO POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UFV CAPÍTULO I

ANEXO DA RESOLUÇÃO Nº /2014 - CONSELHO UNIVERSITÁRIO POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UFV CAPÍTULO I Legenda: azul - inclusão verde - comentários ANEXO DA RESOLUÇÃO Nº /2014 - CONSELHO UNIVERSITÁRIO POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UFV CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art.

Leia mais

O Presidente da Câmara Superior de Pós-Graduação da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

O Presidente da Câmara Superior de Pós-Graduação da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 13/2008 Revoga a Resolução Nº 13/2007 desta Câmara, e dá nova redação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Regulamenta a capacitação de Pessoal Técnico-

Leia mais

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA PLANO DE CARREIRA DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO TÍTULO I DO REGULAMENTO CAPÍTULO I DO CORPO TÉCNICO-ADMINISTRATIVO

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA PLANO DE CARREIRA DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO TÍTULO I DO REGULAMENTO CAPÍTULO I DO CORPO TÉCNICO-ADMINISTRATIVO FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA PLANO DE CARREIRA DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO TÍTULO I DO REGULAMENTO Art. 1º - Este Plano de Carreira do Pessoal Técnico-Administrativo é um instrumento de constituição

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO RESOLUÇÃO CONSUNI N.º 04, DE 26 DE MARÇO DE 2014. Dispõe sobre normas de afastamento de servidores técnicoadministrativos, do quadro efetivo da Universidade Federal de Mato Grosso, para qualificação stricto

Leia mais

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR Dispõe sobre a aprovação do Regulamento Geral da Pós Lato Sensu da Universidade Estadual de Roraima. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO E REITOR PRO TEMPORE DA - UERR, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal AJUDA DE CUSTO

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal AJUDA DE CUSTO AJUDA DE CUSTO Cód.: ADC Nº: 19 Versão: 6 Data: 22/09/2014 DEFINIÇÃO Indenização concedida ao servidor público, que, no interesse da Administração, passar a ter exercício em nova sede, com mudança de domicílio,

Leia mais

EDITAL Nº 02/2014, PROGEP/CDP/NUGCAP.

EDITAL Nº 02/2014, PROGEP/CDP/NUGCAP. EDITAL Nº 02/2014, PROGEP/CDP/NUGCAP. PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO PARA PARTICIPAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA EM CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EDITAL PROGRAD Nº 18/2008, DE 22 DE JULHO DE 2008 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS DO PROGRAMA PRÓ-ESTÁGIO UFGD 2008 O PRÓ-REITOR DE ENSINO DE GRADUAÇÃO da Fundação Universidade Federal da Grande Dourados, no uso

Leia mais

REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014.

REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe acerca das regras e procedimentos para a concessão, indenização, parcelamento e pagamento da remuneração de férias dos servidores do Instituto

Leia mais

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

Resolução nº 283/CONSEA, de 30 de abril de 2013.

Resolução nº 283/CONSEA, de 30 de abril de 2013. Resolução nº 283/CONSEA, de 30 de abril de 2013. Fixa Normas para Afastamento de Docentes da UNIR para Realizar Cursos de Pós-Graduação (Alteração da Resolução 091/CONSEA/2005). O Conselho Superior Acadêmico

Leia mais

RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 06/2011

RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 06/2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 06/2011 Disciplina o relacionamento entre a Universidade Federal de Goiás e as Fundações de Apoio à UFG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 008/2014 DE 30 DE ABRIL DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 008/2014 DE 30 DE ABRIL DE 2014 RESOLUÇÃO N 008/2014 DE 30 DE ABRIL DE 2014 Normatiza os procedimentos para concessão de afastamentos para capacitação de servidores docentes da Universidade Federal da Integração Latino-Americana - UNILA.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº01/2013-SUGEP Regulamenta as normas para concessão do Auxílio

Leia mais

1. Do Programa Institucional de Qualificação de servidores do Instituto Federal Catarinense - PIQIFC:

1. Do Programa Institucional de Qualificação de servidores do Instituto Federal Catarinense - PIQIFC: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense Câmpus Rio do Sul EDITAL N 016/2015/GAB, de 02 de julho de 2015. PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIFICAÇÃO

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 76, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 76, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014 INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 76, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre os procedimentos complementares relativos à jornada de trabalho e ao controle de assiduidade e pontualidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 20, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 20, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre a realização dos Estágios destinados a estudantes regularmente matriculados na Universidade Federal do Pampa e sobre os Estágios realizados no âmbito

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDO DA FILANTROPIA

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDO DA FILANTROPIA REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDO DA FILANTROPIA 1- DAS INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 - O presente regulamento disciplina o processo de inscrição e seleção de candidatos para o PROGRAMA DE CONCESSÃO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. O Prefeito Municipal de Querência - MT, no uso de suas

DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. O Prefeito Municipal de Querência - MT, no uso de suas DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. Dispõe acerca da Política de uso do ponto eletrônico e da jornada de trabalho dos servidores públicos do Poder Executivo município de Querência - MT. atribuições,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 30/12/2014 11:50:21 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 Altera dispositivos das Portarias Normativas nº 10, de 30 de abril de 2010, e nº 23, de 10 de novembro de

Leia mais

EDITAL PROQUALITAE Nº 001/2015 - PROGEPE

EDITAL PROQUALITAE Nº 001/2015 - PROGEPE EDITAL PROQUALITAE Nº 001/2015 - PROGEPE A Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas, no uso de suas atribuições, e considerando a Lei nº 11.091, de 12/01/2005, Decreto nº 5.707, de 23/02/2006 e a Resolução nº

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 Altera dispositivos das Portarias Normativas nº 10, de 30 de abril de 2010, e nº 23, de 10 de novembro de

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO À GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO DE SERVIDORES DO IFMG

PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO À GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO DE SERVIDORES DO IFMG EDITAL Nº 066/2015 PROGRAMA DE APOIO FINANCEIRO À GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO DE SERVIDORES DO IFMG O Instituto Federal de Minas Gerais IFMG, por meio da Diretoria de Gestão de Pessoas, comunica a abertura

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 45ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de setembro de 2013, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

CONSIDERANDO que deve haver compatibilidade entre o motivo do deslocamento e o interesse público;

CONSIDERANDO que deve haver compatibilidade entre o motivo do deslocamento e o interesse público; ATO DA MESA Nº 500, de 15 de julho de 2015 Dispõe sobre a concessão de diárias e passagens e a respectiva prestação de contas no âmbito da Assembleia Legislativa, e adota outras providências. A MESA DA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL 1 CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL LEI Nº 5.106, DE 3 DE MAIO DE 2013 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre a carreira Assistência à Educação do Distrito Federal e dá outras providências.

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO - ANEXOS - ANEXO I - PROCEDIMENTOS PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO REQUERIMENTO Art. 1º - A capacitação interna poderá ser proposta pela Reitoria, Pró-Reitorias ou Diretorias

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COMISSÃO DE MONITORIA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 03 DE 10 DE NOVEMBRO DE 2014

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COMISSÃO DE MONITORIA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 03 DE 10 DE NOVEMBRO DE 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COMISSÃO DE MONITORIA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 03 DE 10 DE NOVEMBRO DE 2014 EMENTA: Estabelece critérios para a operacionalização do Programa de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO PROFISIONAL AOS SERVIDORES DO IFMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO PROFISIONAL AOS SERVIDORES DO IFMA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGICA DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO

Leia mais

PROVIMENTO Nº 29/2007

PROVIMENTO Nº 29/2007 PROVIMENTO Nº 29/2007 Cria o Programa de Treinamento e Desenvolvimento Funcional dos servidores do Ministério Público do Estado do Ceará e estabelece normas para o seu funcionamento. O PROCURADOR-GERAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Rua Ciomara Amaral de Paula, 167 Medicina CEP: 37.550-00

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DE SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UFPE, CANDIDATOS AO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE AUXÍLIO À GRADUAÇÃO

EDITAL PARA SELEÇÃO DE SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UFPE, CANDIDATOS AO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE AUXÍLIO À GRADUAÇÃO EDITAL PARA SELEÇÃO DE SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UFPE, CANDIDATOS AO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE AUXÍLIO À GRADUAÇÃO EDITAL Nº 001/01 A Pró-Reitora da - PROGEPE da Universidade Federal

Leia mais

- o princípio constitucional da garantia de celeridade na tramitação dos processos, incluído pela Emenda Constitucional 45/2004;

- o princípio constitucional da garantia de celeridade na tramitação dos processos, incluído pela Emenda Constitucional 45/2004; ATO DO CONSELHO DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE Resolução Nº xx, de xx de xxx de 2015 Regulamenta o afastamento de docentes efetivos da UFRA, para fins de estudo e cooperação. O Reitor da Universidade

Leia mais

Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando:

Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando: ORDEM DE SERVIÇO N o 062/2014 Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando: - a Lei n o 8.112 de 11 de dezembro de 1990,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 28/2015/CS/IFS

RESOLUÇÃO Nº 28/2015/CS/IFS RESOLUÇÃO Nº 28/2015/CS/IFS Aprova a reformulação do Regulamento para concessão de afastamento de docentes para participação em programas de pósgraduação stricto sensu no âmbito do IFS. O PRESIDENTE DO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23036.000146/2007-28 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 03/11/2011) DECRETO Nº 2888-R, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2011 Regulamenta o Art. 57, III, da Lei Complementar nº 46, de 31 de janeiro de 1994. O GOVERNADOR

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

ATO Nº 32/2009. O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABA- LHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 32/2009. O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABA- LHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 32/2009 Dispõe sobre a concessão de Bolsa de Estudo de cursos de pós-graduação lato e strito sensu, na forma de reembolso parcial, para magistrados e servidores do Tribunal Regional do Trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA OS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DESTA UNIVERSIDADE 1. APRESENTAÇÃO O Departamento de Desenvolvimento de Pessoas (DDP),

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o afastamento do país e concessão de passagens para servidores da UNIRIO. O Conselho de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃCIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS CAMPUS PALMAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃCIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS CAMPUS PALMAS EDITAL Nº 025 /2014/IFTO/, 26 DE AGOSTO DE 2014 SELEÇÃO DE CANDIDATOS ÀS VAGAS DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL 2014/2 O DIRETOR GERAL DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS MINUTA DO REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO DE SERVIDORES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS PIQS/IFG. Art. 1. Este Regulamento estabelece critérios

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Reitoria

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Reitoria AUXÍLIO-TRANSPORTE Eu,, [nome completo do servidor (a)] 1) DECLARO PARA FINS DE PERCEPÇÃO DE AUXÍLIO-TRANSPORTE, e sob as penas da lei que: Ocupo o cargo de: Matrícula SIAPE n : Local de exercício das

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 032 CONSUPER/2012

RESOLUÇÃO Nº 032 CONSUPER/2012 RESOLUÇÃO Nº 032 CONSUPER/2012 Dispõe sobre alterações na Regulamentação de apoio à pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense. O Presidente do do Instituto Federal de

Leia mais

CAPÍTULO I DO AFASTAMENTO DE SERVIDORES DOCENTES E TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS

CAPÍTULO I DO AFASTAMENTO DE SERVIDORES DOCENTES E TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS RESOLUÇÃO Nº. 27 - CONSUP/IFAM, de 06 de outubro de 2011. Dispõe sobre a Proposta que Regulamenta o Afastamento dos Servidores Docentes e Técnico-Administrativos do IFAM, para cursos de curta duração,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/2011

RESOLUÇÃO Nº 01/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Aprova as Normas Complementares para Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV Dispõe da aprovação do Regimento Geral de Pós- Graduação Lato Sensu. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as normas para a pós-graduação na modalidade lato sensu ofertada pela Universidade Federal do Pampa. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Servidores Públicos-MTE-Controle de Frequência-REP-Identificação Biométrica PORTARIA MTE nº 206/2011-DOU:

Leia mais

1.3 Em nenhuma hipótese a Bolsa de Estudos será convertida em dinheiro para o aluno e/ou seu responsável financeiro.

1.3 Em nenhuma hipótese a Bolsa de Estudos será convertida em dinheiro para o aluno e/ou seu responsável financeiro. EDITAL Nº 03, de 17 de dezembro de 2014 A DIRETORA do INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO NOSSA SENHORA DE SION, no uso das atribuições que lhe confere o Regimento Interno da instituição, e em conformidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 700, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 700, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 700, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a relação entre a UFPA e as Fundações de Apoio ao Ensino, Pesquisa,

Leia mais

EDITAL PRPPG 001/2011 MINTER EM EDUCAÇÃO UFES-IFES

EDITAL PRPPG 001/2011 MINTER EM EDUCAÇÃO UFES-IFES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO Autarquia criada pela Lei n o. 11.892, de 29 de dezembro de 2008 PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Avenida

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos Órgãos Setoriais

Leia mais

MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.*

MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.* MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.* Estabelece orientação sobre a aceitação de estagiários no âmbito da Administração

Leia mais

Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado de Minas Gerais

Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado de Minas Gerais LEI 15304 2004 Data: 11/08/2004 REESTRUTURA A CARREIRA DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL E INSTITUI A CARREIRA DE AUDITOR INTERNO DO PODER EXECUTO. Reestrutura a carreira de

Leia mais

1. Perfil do candidato ou candidata à tutoria de curso:

1. Perfil do candidato ou candidata à tutoria de curso: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA - UNILAB DIRETORIA DE EDUCAÇÃO ABERTA E A DISTÂNCIA NÚCLEO DE ACOMPANHAMENTO PEDAGÓGICO SELEÇÃO DE TUTOR (A)

Leia mais