ÀREAS DE CONHECIMENTO 2 - CIÊNCIAS HUMANAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÀREAS DE CONHECIMENTO 2 - CIÊNCIAS HUMANAS"

Transcrição

1 21 ÀREAS DE CONHECIMENTO 2 - CIÊNCIAS HUMANAS

2 22 CORRELAÇÃO ENTRE AS PRÁTICAS EDUCATIVAS PARENTAIS E AS HABILIDADES SOCIAIS DOS FILHOS Bolsista: Gracieli A. da Silva Laurindo Orientadora: Maria Cristina Zago Castelli Coorientadora: Emileane Costa Assis de Oliveira Curso: Psicologia Formação de Psicólogos INTRODUÇÃO: A família configura-se como primeiro contexto que adquire função reforçadora sobre os comportamentos da criança, ensinando-a a se comportar em diversos ambientes. A forma como os pais e/ou cuidadores interagem e educam seus filhos pode levar ou não à promoção de comportamentos apropriados às contingências em vigor ou de comportamentos que prejudicam a interação da criança com seu ambiente. As estratégias específicas utilizadas pelos pais para orientar o comportamento dos filhos em diferentes contextos são definidas como práticas educativas, sendo que o resultado do uso desse conjunto de práticas utilizadas é denominado estilo parental (REPPOLD, PACHECO, BARDAGI e HUTZ, 2002). Cada prática educativa parental envolve contingências específicas que influenciam o repertório dos filhos, o que pode repercutir tanto no contexto imediato quanto no resto da vida. O Inventário de Estilos Parentais Paterno - IEP-Paterno (Gomide, 2006) tem como objetivo avaliar sete práticas educativas que comporiam o Estilo Parental, sendo cinco relacionadas ao desenvolvimento de comportamentos antissociais e duas favoráveis ao desenvolvimento de comportamentos prós sociais. A habilidade social é o conjunto dos desempenhos apresentados pelo indivíduo diante das demandas de uma situação interpessoal. A interação entre indivíduo e ambiente social está na base da construção das relações sociais; portanto, pessoas socialmente habilidosas são capazes de promover interações sociais mais satisfatórias (CABALLO, 1996). Em contrapartida, os déficits de habilidades sociais estão associados a dificuldades e conflitos nas relações interpessoais e a uma variedade de alterações psicológicas, tais como problemas conjugais, isolamento, desajustamento escolar, delinquência, suicídio, além de síndromes clínicas como a depressão e a esquizofrenia (DEL PRETTE e DEL PRETTE, 1999; 2001). OBJETIVO(S): Considerando a importância da competência social na infância como um fator de proteção e de maximização do desenvolvimento infantil e de sua possível articulação com o envolvimento parental positivo em termos de comunicação e da participação dos pais na vida dos filhos, este estudo teve por objetivos: (a) comparar/correlacionar indicadores do estilo parental dos pais na educação dos filhos e (b) comparar os estilos parentais dos pais com as habilidades sociais apresentadas pelos filhos. De forma geral, esse tipo de análise contribui para a ampliação do conhecimento acerca da relação entre pais e filhos e aponta possíveis relações funcionais entre o repertório de habilidades sociais apresentados pelos filhos e as práticas educativas parentais adotadas por pais. MATERIAL E METODO: Participaram deste estudo 16 pais e mães e seus filhos com idades entre 7-12 anos que são atendidos no Centro de Psicologia Aplicada do Centro Universitário Anchieta em Jundiaí. Foram utilizados dois instrumentos: 1) Nos pais foi aplicado o Inventário de Estilos Parentais, IEP (Gomide, 2006). O instrumento, aprovado pelo Conselho Federal de Psicologia, é composto de 42 questões abordando duas práticas educativas positivas e cinco negativas. O Índice de Estilo Parental é calculado somando-se os pontos obtidos nas questões referentes às práticas positivas (monitoria positiva e comportamento moral) que são subtraídos da somatória dos pontos das práticas negativas (punição inconsistente, negligência, disciplina relaxada, monitoria negativa e abuso físico).2)nos filhos foi aplicado o Inventário Multimídia de Habilidades Sociais para Crianças IMHSC-Del-Prette (Del Prette, Del Prette& Costa, 1999) é um instrumento de autorrelato em CD-ROM composto de arquivos multimídia com 21 situações filmadas de interações sociais, cada uma delas com três alternativas de reação apresentadas pela personagem

3 23 principal: habilidosa (que demonstra assertividade, empatia, expressão de sentimentos positivos ou negativos de forma apropriada, civilidade, etc.), não habilidosa passiva (que demonstra esquiva ou fuga ao invés de enfrentamento da situação) e não habilidosa ativa (que demonstra agressividade, negativismo, ironia, autoritarismo etc.). RESULTADOS: Os dados obtidos pelo IEP indicaram que ambos os progenitores adotaram-se mais do Estilo Parental de Risco (44%dos pais e mães). Pôde se notar que as mães que adotaram o Estilo Parental Regular acima da média, possuem filhos mais habilidosos socialmente (19%)os filhos correspondentes a esse estilo, possuem índices acima da referência, e as mães que adotaram Estilo Parental de Risco, dos 44%, 6% dos seus filhos apresentam índices superiores a referência, para reações Habilidosas. Pais que adotaram Estilo Parental de Risco, seus filhos dos 44%, 19% possuem índices superiores a referência, para as reações Habilidosas. CONCLUSÃO(ÕES): O presente trabalho levantou questões acerca do estilo parental adotado por ambos os pais que podem influenciar na qualidade do relacionamento dos seus filhos com as demandas interativas de seu ambiente. Pôde-se verificar que a maioria dos pais e das mães que participaram adotam um estilo parental de risco. Foi evidenciado que quando as mães adotam estilos parentais com prevalência de práticas negativas, favorece o surgimento de comportamentos agressivos, uso de coerção e ironia por parte dos seus filhos (classificados como não habilidosos ativos), e também comportamentos que são considerados inassertivos, não expressando de maneira adequada seus sentimentos, desejos e opiniões, quando se incomodam, quando ficam ressentidos, por não conseguirem enfrentar as demandas interativas, além de não defenderem seus direitos, mostrando que o modo como são educadas possui um interferência na qualidade dos seus relacionamentos. Dos filhos de pais que adotam um estilo parental com predominância de práticas negativas, alguns possuíam habilidades sociais consideradas adequadas. Isso pode ser explicado pela qualidade do relacionamento que essas crianças tem com os mesmos, pois as mães acabam passando mais tempo com os filhos e dedicando-se mais a sua educação e também outras entidades participem da educação dos mesmos como escolas, de forma que talvez essa forma dos pais educarem seus filhos, não possua tanta influência na qualidade de seus relacionamentos. O uso práticas educativas adequadas por parte das mães evidenciou que os seus filhos são mais habilidosos socialmente, ocorrendo o mesmo para os pais. Em ambos os casos mesmo quando adotam estilo parental positivo seus filhos também possuíram altas médias para reações não habilidosa passiva. Sendo assim, as conclusões aqui apresentadas devem ser consideradas de forma cautelosa, evitando-se generalizações precipitadas que precisarão ter por base dados de estudos realizados com uma amostra maior, mais representativa PALAVRAS CHAVES: habilidades sociais educativas; práticas educativas parentais; estilos parentais; relacionamento pais-filhos. REFERÊNCIAS: 1. ALVARENGA, P., PICCININI, C. O impacto do temperamento infantil, da responsividade e das práticas educativas maternas nos problemas de externalização e na competência social da criança. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20(2), , BANACO, R. A.. Adolescentes e terapia comportamental. Em: Rangé, B. (Org.). Psicoterapia Comportamental e Cognitiva: Pesquisa, Prática, Aplicações e Problemas. Editorial Psy, BEE, H.. Ciclo Vital. Porto Alegre: Artes Médicas,1997.

4 24 4. BOECKEL, M. G. & SARRIERA, J. C.. Estilos parentais, estilos atribucionais e bemestar psicológico em jovens universitários. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 16(3), 53-65, BOLSONI-SILVA, A. T. & MARTURANO, E. M.. A qualidade da interação positiva e da consistência parental na sua relação com problemas de comportamentos de préescolares. Rev. interam. psicol., 41(3), , BOLSONI-SILVA, A. T. & MARTURANO, E. M.. Habilidades sociais educativas parentais e problemas de comportamento: comparando pais e mães de préescolares. Aletheia, 27, , BOLSONI-SILVA, A. T.. Habilidades Sociais Educativas, variáveis contextuais e problemas de comportamento: comparando pais e mães de pré-escolares. Tese de Doutorado, Programa de pós-graduação em Psicologia. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, CASSONI, C.. Estilos Parentais e prática educativas parentais: revisão sistemática e crítica da literatura. Programa de pós-graduação em Psicologia. Universidade de São Paulo (Ribeirão Preto), CATANIA, C.. Aprendizagem: comportamento, linguagem e cognição. Porto Alegre: Artmed. Campos, D. M. S. (1987). Psicologia da adolescência. 5ª ed. Petrópolis: Vozes, CECCONELLO, A. M., DE ANTONI, C. & KOLLER, S. H. Práticas educativas, estilos parentais e abuso físico no contexto familiar. Psicologia em Estudo, 8, 45-54, CIA, F., PEREIRA, C. S., DEL PRETTE, Z. A. P. & DEL PRETTE, A.. Habilidades Sociais Parentais e o Relacionamento entre Pais e Filhos. Psicologia em Estudo, Maringá, 11 (1), p , jan./abr, CIA, F., PAMPLIN, R. C. DE O., WILLIAMS, L. C. DE A.. O impacto do envolvimento parental no desempenho acadêmico de crianças escolares. Psicologia em Estudo, Maringá, 13, (2), p , abr./jun, CIA, F., WILLIAMS, L. C. DE A., AIELLO, A. L. R. Influências paterna no desenvolvimento infantil: Revisão da literatura. Psicologia Escolar e Educacional (9), 2, p , DE ANTONI, C., BARONE, L. R. & KOLLER, S. H.. Indicadores de risco e de proteção em famílias fisicamente abusivas. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(2), , FALCKE, D., DA ROSA, L. W., STEIGLEDER, V. A. T. Estilos Parentais em Famílias com Filhos em idade Escolar. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 5 (2), p Jul-dez, FIERRO, A. Desenvolvimento da Personalidade na Adolescência. Em: Coll, C.; Palacios, J.; Marchesi, Á. De (Orgs.). Desenvolvimento Psicológico e educação: psicologia evolutiva. 1.vol. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

5 GOMES, R., DESLADES, S. F., VEIGA, M. M., BHERING, C. & SANTOS, J. F. C. Por que as crianças são maltratadas? Explicações para a prática de maus-tratos infantis na literatura. Caderno de Saúde Pública, 18(3), , GOMIDE, P. I. C., SALVO, C. G., PINHEIRO, D. P. N. & SABAG, G. M.2. Correlação entre práticas educativas, depressão, estresse e habilidades sociais. PsicoUSF, 10(2), p , GOMIDE, P. I. C. Inventário de estilos parentais: modelo teórico manual de aplicação, apuração e interpretação. Petrópolis: Vozes, GOMIDE, P. I. C. Inventário de estilos parentais: modelo teórico manual de aplicação, apuração e interpretação. Petrópolis: Vozes, ª Ed GONGORA, M. A. N. Noção de psicopatologia em Análise do Comportamento. Em: Primeiros Passos em Análise do Comportamento e cognição. Costa, C. E, Luzia, J. C e Sant ana, H.H.N (Orgs). São Paulo: Esetec, JUSTO, A. P. A influência do estilo parental no stress do adolescente. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Psicologia do Centro de Ciências da Vida. Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Campinas-SP, MACHADO, L. M. C. M.. Consciência e Comportamento Verbal. Psicologia USP, São Paulo, 8(2), , MATOS, MARIA A. Análise funcional do comportamento. Revista Estudos de Psicologia, Campinas, 16(3), 8-18, MONDIN, E. M. C. Práticas educativas parentais e seus efeitos na criação dos filhos. Psicologia Argumento, 26(54), , OLIVEIRA, E. A., MARIN, A. H., PIRES, F. B., FRIZZO, G. B., RAVANELLO, T. & ROSSATO, C. Estilos parentais autoritário e democrático-recíproco intergeracionais, conflito conjugal e comportamento de externalização e internalização. Psicologia: Reflexão e Crítica, 15, 1-11, OSÓRIO, L. C. (1989). Adolescente hoje. Porto Alegre: Artes Médicas. 28. PACHECO, JANAÍNA T. B, TEIXEIRA, MARCO A. P., GOMES, WILLIAM B. Estilos Parentais e Desenvolvimento de Habilidades Sociais na Adolescência. Psicologia: Teoria e Pesquisa: (15),2, p maio/agosto, PICCININI, C. A., LOPES, R. C. S., FRIZZO, G. B.; ALVARENGA, P., LOPES, R. DE C. S. & TUDGE, J. Práticas educativas de pais e mães de crianças aos 18 meses de idade. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(4), , REINALDO, A. M. S. & PILLON, S. C. Alcohol effects on family relations: a case study. Revista Latino-americana de Enfermagem, 16, , REPPOLD, C. T. Estilo Parental percebido e adaptação psicológica de adolescentes adotados. Dissertação de Mestrado. Instituto de Psicologia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Rio Grande do Sul-RS, 2001.

6 SALVADOR, A. P. V. Análise da relação entre práticas educativas parentais, envolvimento com tarefas escolares, depressão e desempenho acadêmico. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal do Paraná. Curitiba-PR, WEBER, L. N. D., BRANDENBURG, O. J. & VIEZZER, A. P. A relação entre o estilo parental e o otimismo da criança. PSICO-USF, 8(1), 71-79, WEBER, L. N. D., VIEZZER, P. & BRANDENBURG, O. J. O uso de palmadas e surras como prática educativa. Estudos de Psicologia (UFRN), 9(2), , WEBER, L. N. D., SELIG, G. A., BERNARDI, M. G. & SALVADOR, A. P. V. Continuidade dos estilos parentais através das gerações: transmissão intergeracional de estilos parentais. Paidéia (Ribeirão Preto), 16 (35), WEBER, L. N. D. Interações entre família e desenvolvimento. Em: Weber, L. N. D. (Org.). Família e desenvolvimento: visões interdisciplinares. Curitiba: Juruá, SUPORTE FINANCEIRO: PIBIC/CNPq

7 27 CORRELAÇÃO ENTRE AS PRÁTICAS EDUCATIVAS PARENTAIS E SINTOMAS DE DEPRESSÃO EM PAIS Bolsista: Tais Aparecida Braz Orientadora: Maria Cristina Zago Castelli Co-orientadora: Emileane Costa Assis de Oliveira Curso: Psicologia Formação de Psicólogos INTRODUÇÃO: A forma como os pais e/ou cuidadores interagem e educam seus filhos pode levar ou não a promoção de comportamento apropriado às contingências em vigor ou de comportamentos que prejudicam a interação da criança com seu ambiente. As estratégias utilizadas pelos pais para orientar os comportamentos dos filhos em diferentes contextos são definidas como práticas educativas, sendo que o resultado do uso desse conjunto de práticas utilizadas é denominado estilo parental (REPPOLD, PACHECO, BARGADI e HUTZ, 2002). O inventário de Estilos Parentais Paterno IEP Paterno (GOMIDE, 2006) tem como objetivo avaliar sete práticas educativas que comporiam o estilo parental, sendo cinco relacionadas ao desenvolvimento de comportamentos antissociais e duas favoráveis ao desenvolvimento de comportamento próssociais. Segundo Gomide et al (2005), a literatura vem apontando também uma correlação positiva entre a depressão, estresse e as práticas educativas negativas. Estudos recentes demonstraram que mães com depressão utilizam-se do controle psicológico como prática educativa. De acordo com Menegatti (2002) apud Gomide et al (2005), pais depressivos são menos carinhosos, responsivos e mais irritáveis e como consequência sua prole tende a ser mais autocrítica e com dificuldade de regular suas emoções. OBJETIVO(S): O objetivo do trabalho foi comparar/correlacionar indicadores de depressão e práticas educativas parentais adotadas pelos pais e comparar cada cônjugue nos dois conjuntos de indicadores. MATERIAL E MÉTODO: Participaram do estudo 18 pais e mães cujos filhos com idade entre 6 12 anos eram atendidos no Centro de Psicologia Aplicada da Unianchieta. A coleta de dados ocorreu em salas de atendimento e foram utilizados dois instrumentos: 1) o Inventário de Depressão de Beck (Beck e cols. 1997), contendo 21 itens com 4 afirmativas que investigavam como a pessoa se sentiu-se na última semana, e cada uma das alternativas recebia uma pontuação que variava de 0-4. Quando o somatório final das alternativas era igual ou superior a 13, este é classificado como tendo indicativo de depressão e 2) Inventário de Estilos Parentais IEP (Gomide, 2006), o qual é composto de 42 questões abordando duas práticas educativas positivas e cinco práticas negativas. O índice de estilo parental é calculado somando os pontos obtidos nas questões referentes às práticas positivas que são subtraídos da somatória dos pontos da prática negativa. O contato com as mães e os pais foi realizado pela aluna pesquisadora por telefone ou pessoalmente no dia do atendimento da criança. Os participantes assinaram um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido referente a pesquisa e então receberam os instrumentos com a devida orientação quanto ao preenchimento. Os pais responderam inventários em sala separada. RESULTADOS: Na coleta de dados com as famílias (pai/mãe), observou-se uma demonstração de pouco comprometimento ao responder os inventários, ou seja, os pais não se dedicaram a responder fidedignamente os testes em especifico o Inventário de Depressão de Beck BDI que pede para os pais assinalar como eles se sentem naquele dia em que estão respondendo o teste ou durante a semana que passou e muitos pais não responderam de acordo com a realidade que foi expressa no Inventário de Estilos Parentais - IEP. Mediante a aplicação do Inventário de Estilo Parental (IEP), identificou-se que das 18 mães entrevistadas, 7 delas apresentaram IEP de risco (38,89%), ao passo que dos 18 pais, 7 apresentaram o mesmo IEP (38,89%). nas 18 mães entrevistadas, 5 apresentaram estilo parental regular abaixo da média (27,78%), ao passo que dos 18 pais entrevistados, 4

8 28 apresentaram estilo parental regular abaixo da média (22,22%),nas 18 mães entrevistadas,4 apresentaram estilo parental ótimo (22,22%), ao passo que dos 18 pais entrevistados apenas 2 apresentaram estilo parental ótimo (11,11%), nas 18 mães entrevistadas 2 apresentaram estilo parental regular acima da média (11,11%), ao passo que dos 18 pais entrevistados 5 apresentaram estilo parental regular acima da média (27,78%). Na aplicação do Inventário de Depressão de Beck BDI, identificou-se que das 18 mães entrevistadas, apenas uma apresentou o índice severo grave de depressão (5,55%) e nenhum pai apresentou índice severo grave de depressão, nas 18 mães entrevistadas 3 apresentaram índice leve de depressão(16,67%), ao passo que dos 18 pais entrevistados 5 apresentaram índice leve de depressão (27,78%), nas 18 mães entrevistadas 3 apresentaram índice moderado de depressão (16,67%), ao passo que dos 18 pais entrevistados 2 apresentaram índice moderado de depressão (11,11%).nas 18 mães entrevistadas 11 apresentaram índice mínimo de depressão (61,11%), ao passo que dos 18 pais entrevistados, 11 apresentaram o mesmo BDI (61,11%). Constatou-se então que a correlação entre as respostas dadas pelas mães e pelos pais foi significativa, pois prevaleceu entre os mesmos o índice mínimo de depressão e o estilo parental de risco, os outros demais escores não obteve diferença significativas, ou seja, as respostas das mães e dos pais apresentaram um mesmo padrão. CONCLUSÃO(ÕES): A literatura aponta para a existência de 2 práticas positivas (comportamento moral e monitoria positiva), e 5 práticas negativas: monitoria negativa, disciplina relaxada, punição inconsistente, abuso físico e negligência, as quais influenciam o desenvolvimento infantil, ou seja, famílias que adotam práticas mais negativas tendem a ter mais o estilo parental de risco e o índice de depressão mais elevado, já os pais que adotam práticas mais positivas tenderiam a apresentar índice baixo de depressão. No presente trabalho foi observado que pais obtiveram maior índice no IEP como estilo parental de risco e no BDI escore mínimo de depressão. Os dados obtidos por meio dos inventários não corroboram os dados da literatura, uma vez que os pais e mães com índice parental de risco apresentaram escores mínimos de depressão no Inventário de Depressão de Beck. Algumas hipóteses podem ser levantadas para esta não correlação: é possível que dificuldades na compreensão do Inventário de Depressão tenham comprometido os resultados obtidos, além disso, os pais não estão habituados a observarem e descreverem seu próprio comportamento, ainda mais em um ambiente (Clínica Escola) onde a expectativa é o relato de problemas relacionado à criança e não a si próprios. Deste modo, perguntas como você tem chorado ou têm pensamentos suicidas podem parecer sem sentido. A despeito da não relação entre as variáveis estudadas, cabe-se ressaltar o fato da maioria dos pais (61,11%) e mães (66,67%) terem apresentado estilo parental negativo, evidenciado um risco para o desenvolvimento infantil. PALAVRAS CHAVES: práticas educativas parentais, estilos parentais, relacionamento paifilho e depressão. REFERÊNCIAS: 1. ALVARENGA, P., OLIVEIRA, J.M & LINS, T. O impacto da depressão materna nos problemas internalizantes de pré-escolares. Aletheia, 38-39, maio/dez, (2012). 2. ALVARENGA, P., & PICCINI, C. A. O impacto do temperamento, da responsividade e das práticas educativas maternas no desenvolvimento dos problemas de externalização e da competência social. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20, (2007).

9 29 3. BANACO, R. A. Adolescentes e terapia comportamental. Em: Rangé, B. (Org.). Psicoterapia Comportamental e Cognitiva: Pesquisa, Prática, Aplicações e Problemas. Editorial Psy. (1995). 4. BECK, A. T., RUSH, A. J., SHAW, B. F. & Emery, G. Terapia cognitiva da depressão. Porto Alegre: Artes Médicas. (1997). 5. BOECKEL, M. G. & CASTELLÁ SARRIERA, J. Análise fatorial do Questionário de Estilos Parentais (PAQ) em uma amostra de adultos jovens universitários. Psico USF, 10 (1), (2005). 6. BOECKEL, G. M., & SARRIERA, C. J. Estilos parentais, estilos atribucionais e bemestar psicológico em jovens universitários. Revista Brasileira Crescimento Desenvolvimento Humano, 16(3), Acedido em Junho 4, 2012, em (2006). 7. BOLSONI-SILVA, A. T., & MARTURANO, E. M. A qualidade da interação positiva e da consistência parental na sua relação com problemas de comportamento de préescolares. Revista Interamericana de Psicologia, 41(3), (2007). 8. FRANCISCO, V. L., PIRES, A., PINGO, S., HENRIQUES, R., ESTEVES, M. A. & VALADA, M. J. A depressão materna e o seu impacto no comportamento parental. Análise Psicológica, Lisboa, 25(2), (2007). 9. GOMIDE, P.I.C. Estilos Parentais e comportamento anti-social. In A. Del Prette & Z. Del Prette (Orgs.). Habilidades sociais, desenvolvimento e aprendizagem: questões conceituais, avaliação e intervenção (21-60). Campinas: Alínea. (2003). 10. GOMIDE, P.I.C. (2004). Pais presentes, pais ausentes. Petrópolis: Vozes. GOMIDE, P. I. C. Pais presentes, pais ausentes: regras e limites. Petrópolis: vozes, GOMIDE, P. I. C., SALVO, C. G.,PINHEIRO, D. P. N., &SABBAG, G. M. (Correlação entre práticas educativas, depressão, stress e habilidades sociais. Psico-USF, 10 (2), (2005). 12. GOMIDE, P. I. C. Inventário de estilos parentais: modelo teórico manual de aplicação, apuração e interpretação. Petrópolis: Vozes. (2006). 13. JUSTO, A. A influência do estilo parental no stress do adolescente. Dissertação de mestrado. Brasil. Consultado a 19 de Outubro de (2005). 14. MENDES, A. V., LOUREIRO, S. R. & CRIPPA, J. A. S. Depressão Materna e a saúde mental de Escolares. Revista de Psiquiatria Clínica da USP, 35(5), (2008). 15. MINETTO, M. F. J. Práticas Educativas Parentais, Crença Parental, Stress Parental e funcionamento familiar de pais de crianças com desenvolvimento típico e atípico. Tese (Doutorado em Psicologia) Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade Federal de Santa Catarina. (2010). 16. MONDIN, E.M.C. Práticas educativas parentais e seus efeitos na criação dos filhos. Psicologia Argumento, 26, p (2008).

10 BOLSONI SILVIA, A. T., &MARTURANO, E. M. Práticas educativas e problemas de comportamento: uma análise à luz das habilidades sociais.estudos de Psicologia, 7(2), (2002). 18. MONDIN, E. M. C. Práticas educativas parentais e seus efeitos na criação dos filhos. Psicologia Argumento, 26(54), (2008). 19. NOGUEIRA, S. C. Práticas Parentais e indicadores de ansiedade, depressão e estresse maternos. Dissertação (mestrado em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru. (2013). 20. OLIVEIRA, T.T.S.S; CALDANA,R.H.L. Mães psicólogas ou psicólogas mães:vicissitudes na educação dos filhos.estudos de Psicologia, v.9, n.3, p , PEREIRA, A. R. & SANTOS, J. L. F. Doença Mental Materna, estilos parentais e suporte social Estudo das concepções de mães e adolescentes no interior de São Paulo. Journal of Human Growth and Development, 22(1), (2012). 22. REPPOLD, C. T. Estilo parental percebido e adaptação psicológica de adolescentes adotados. Dissertação de Mestrado não-publicada, Instituto 23. de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS. Salvador, A. P. V., & Webber, L. N. D (2005). Práticas educativas parentais um estudo comparativo da interação familiar de dois adolescentes distintos. Interação em Psicologia, 9, (2001). 24. REPPOLD, C. T.;PACHECO, J.BARDAGI, M. &HUTZ, C. S. Prevenção de problemas de comportamento e desenvolvimento de competências psicossociais em crianças e adolescentes: Uma análise das práticas educativas e estilos parentais. Em C. S. Hutz (Org.). Situações de risco e vulnerabilidade na infância e na adolescência: Aspectos teóricos e estratégias de intervenção (pp.7-52). São Paulo: Casa do Psicólogo. (2002). 25. SALVADOR, A. P. V. Análise da relação entre práticas educativas parentais, envolvimento com tarefas escolares, depressão e desempenho acadêmico. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal do Paraná. Curitiba-PR. (2007). 26. SANTOS, V. A. B. Stress Parental e Práticas Parentais em mãe de crianças com perturbação de Hiperatividade com Déficit de Atenção. Mestrado integrado em psicologia (Secção de Psicologia Clínica e da Saúde/ Núcleo de Psicologia Clinica Dinâmica). Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação. (2008). 27. WAHLER, R. G. Deviant child behavior within the family: Development speculations and behavior change strategies. Em H. Leitenberg (Ed.), Handbook of behavior modification and behavior theory (pp ). New Jersey: Prentice Hall. (1976). 28. WEBER, L., BRANDENBURG, O., & VIEZZER, A. Estudo preliminar elaboração de um instrumento de medida de qualidade das interações familiares. Em: Anais do IX

11 31 Congresso Brasileiro de Psicologia do Desenvolvimento, João Pessoa, p (2003). 29. WEBER, L. N. D. Interações entre família e desenvolvimento. Em: Weber, L. N. D. (Org.). Família e desenvolvimento: visões interdisciplinares. Curitiba: Juruá. (2008). 30. COSTA, TEIXEIRA, GOMES. Responsividade e Exigência duas escalas para avaliar estilos parentais (pp ). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. (2000). 31. WEBER,PRADO,VIEZZER,BRANDENBURG. Identificação de Estilos Parentais O ponto de vista dos pais e dos filhos (PP ). Universidade Federal do Paraná. (2004). APOIO FINANCEIRO: PIBIC/CNPq

12 32 EFEITOS DA PREVISIBILIDADE DE ESTIMULOS INCONTROLAVEIS SOBRE AS FASES DO ESTRO EM RATAS Bolsista: Thamires Gaspar Gouveia Orientadora: Maria Cristina Zago Castelli Co-Orientador: Lourenço de Souza Barba Curso: Psicologia INTRODUÇÃO: A Depressão é uma das psicopatologias de maior incidência na sociedade atual. Pode-se identificar uma considerável diferença entre os gêneros: há maior prevalência dessa psicopatologia em mulheres. Segundo Porto (2012) e Palanza (2001), diversos autores dentro da abordagem biológica, levam em conta que a diferença na incidência de depressão aumenta em épocas em que acontecem as principais alterações hormonais, como a puberdade e o climatério e sugerem que os hormônios sexuais femininos têm um papel importante na depressão. Dessa forma, uma maneira que nos parece muito frutífera de compreender esse fenômeno é focalizar essa interação complexa comportamento, ambiente e gênero. Muitos modelos já foram propostos para se estudar a depressão. O desamparo aprendido é o que melhor mimetiza a depressão em vários aspectos: similaridade com os sintomas, etiologia, cura e prevenção (Hunziker, 2003). Dados indicam que a variável previsibilidade/imprevisibilidade, ao interagir com a variável incontrolabilidade, pode ter um papel central na determinação do efeito desamparo aprendido. A variável gênero parece também desempenhar um papel importante na produção do desamparo aprendido quando combinada a previsibilidade dos choques (Castelli, 2004). OBJETIVO(S): O presente trabalho teve por objetivo comparar estudos de desamparo aprendido que utilizaram fêmeas, analisar os diferentes delineamentos planejados e confrontar os resultados. MATERIAL E METODO: Dentre os periódicos pesquisados, pode-se destacar: Behavioral Neuroscience; Animal Learning and Behavior; Biological Psychology; Journal of Experimental Psychology: Animal Process; Psicologia Teoria e Pesquisa, diversas dissertações e teses. O período abrangido para esse levantamento foi RESULTADOS: A combinação de algumas variáveis como fator crítico continua sendo pouco explorada, apesar de já ser suspeitada. O foco da maioria dos trabalhos ou está na questão apenas biológica, ou na questão de detalhes de procedimentos. Os trabalhos relatados na literatura com fêmeas, em sua maioria, não manipularam as fases do estro. Dos trabalhos que manipulam, identificam o estro no tratamento e outros no teste; outros produzem a ausência total das fases do estro ou a masculinização das fêmeas, como realizado por Dalla, Edgecomb, Whestone, Shors (2007). Há ainda alguns relatos de pesquisa que utilizaram na fase de teste uma resposta pouco precisa e os resultados ficaram comprometidos em função dessa mensuração. Os resultados desse experimento foram surpreendente, mesmo fêmeas sem gônadas ou fêmeas masculinizadas não apresentaram efeitos de desamparo, ao passo que machos apresentaram. Observou-se que existem algumas evidências de que os hormônios femininos não estão diretamente envolvidos na expressão do desamparo. Os próprios autores apontam fatores genéticos e/ou epigenéticos como contribuintes para essas diferenças entre gêneros. Entretanto, um fator importante que fora desconsiderado pelos autores, é o intervalo programado fixo de 60s entre choques, tornando-se previsíveis pelo tempo. Tal variável não é analisada, e segundo a literatura (Castelli, 2004; Porto 2012), os efeitos da previsibilidade na fase teste e/ou treino são contrastantes entre os gêneros: as fêmeas dos grupos incontroláveis apresentam padrão de aprendizagem, ao passo que os machos, dos grupos controláveis, apresentam maior frequência de falhas.

13 33 CONCLUSÃO(ÕES): A variável fase do estro mostra-se na literatura, como uma possível variável crítica no efeito do desamparo aprendido em ratas, mas os resultados dos estudos pesquisados nesse trabalho, não foram ao encontro dessa suspeita. Há diversos experimentos apresentando pouca ou nenhuma influência da questão hormonal no momento de indução ao desamparo ou na fase de teste. Por outro lado, observou-se na literatura grande variabilidade de desempenho entre as fêmeas talvez isso, possa ser explicado pelo estro, entretanto, não parece influir no fenômeno do desamparo de maneira contundente. Os resultados dos experimentos com desamparo aprendido, em conjunto, até onde esse estudo analisou, apontam para uma combinação previsibidade/incontrolabilidade/gênero determinando o aparecimento ou não do efeito do desamparo. PALAVRAS CHAVES: desamparo aprendido, gênero, fêmeas, fases do estro, incontrolabilidade, previsibilidade. REFERÊNCIAS: 1. BERSH, P. J., WHITEHOUSE, W. G., BLUSTEIN, J. E., & ALLOY, L. B. (1986). Interaction of Pavlovian conditioning with a zero operant contingency: chronic exposure to signaled inescapable shock maintains learned helplessness effects. Journal of Experimental Psychology: Animal Behavior Processes, 12, CASTELLI, M.C.Z (2004). Efeitos da (im)previsibilidade de estímulos no desamparo aprendido: uma comparação entre ratos machos e fêmeas. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo. 3. DALLA,C., EDGECOMB, C., WHESTONE,A.S., SHORS, T.J (2007) Females do not express learned helplessnesslike males do. Neuropsychopharmacology, 33, GOUVEIA JR, A. (2001). Efeitos da administração aguda de imipramina sobre o desamparo aprendido em ratos machos e fêmeas. Acta Comportamentalia, 9, HEINSBROEK, R.P.W., HAAREN, F.V., POLL, N.E.V. & STEENBERGEN, H.L. (1991). Sex differences en the behavioral consequences of inescapable footshocks depend on time since shock. Physiology and Behavior, 49, HUNZIKER, M.H.L. (2003). Desamparo Aprendido. Tese de Livre Docência apresentada ao Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. 7. JENKINS, J. A., WILLIAMS, P., KRAMER, L., DAVIS, L.L. & FREDERICK PETTY (2001). The influence of gender and the estrous cycle on learned helplessness in the rat. Biological Psychology, 58, KIRK, R. C. & BLAMPIED, N. M. (1985). Activity during inescapable shock and subsequent escape avoidance learning: female and male rats compared. Journal of Psychology, 14, PADILLA, E.,PHARM. D., BARRETT, D.D., SHUMAKE, J. D., GONZALEZ-LIMA, F. (2009). Strain, Sex, and Open-Field Behavior: Factors Underlying the Genetic Susceptibility to Helplessness. Behav Brain Res; 201(2):

14 PALANZA, P. (2001). Animal models os anxiety and depression: how are females different? Neuroscience and Biobehavioral Reviews, 25, PORTO, T.H. (2012). Imunização do desamparo aprendido com reforço positivo em ratos em função da previsibilidade, controlabilidade e sexo. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo. 12. SHORS, T. J., MATHEW, J., SISTI, H. M., EDGECOMB, C., BECKOFF, S., DALLA, C. (2007). Neurogenesis and helplessness are mediated by controllability in males but not in females. Biological Psychiatry, 6215, SUPORTE FINANCEIRO: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP)

Habilidades sociais: Conceitos e campo teórico-prático.

Habilidades sociais: Conceitos e campo teórico-prático. Del Prette, A. & Del Prette, Z. A. P. Habilidades sociais: Conceitos e campo teórico-prático. Texto online, disponibilizado em http://www.rihs.ufscar.br, em dezembro de 2006. O campo teórico-prático das

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO COMPORTAMENTO ANTISSOCIAL INFANTIL Marcelle Teixeira Bertini Natália

Leia mais

Gravidez na adolescência e impactos no desenvolvimento infantil. Lúcia Cavalcanti de Albuquerque Williams Novembro de 2013

Gravidez na adolescência e impactos no desenvolvimento infantil. Lúcia Cavalcanti de Albuquerque Williams Novembro de 2013 Gravidez na adolescência e impactos no desenvolvimento infantil Lúcia Cavalcanti de Albuquerque Williams Novembro de 2013 LAPREV Violência(Família e Escola) Pesquisa Ensino Intervenção/Consultoria/Capacitação

Leia mais

PRÁTICAS EDUCATIVAS: UMA ORIENTAÇÃO PARA PAIS (2012) 1

PRÁTICAS EDUCATIVAS: UMA ORIENTAÇÃO PARA PAIS (2012) 1 PRÁTICAS EDUCATIVAS: UMA ORIENTAÇÃO PARA PAIS (2012) 1 DE DEUS, Meiridiane Domingues 2, JAGER, Márcia Elisa, DIAS 3, Ana Cristina Garcia 4 1 Trabalho de extensão- UFSM; 2 Acadêmica do Curso de Psicologia

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO SUPERANDO A DEPRESSÃO Andreza do Ouro Corrêa - andreza.correa@ymail.com Mayara Cristina Costa Mariângela Pinto da Silva Gislaine Lima da Silva - gilisilva@ig.com.br Curso de Psicologia Unisalesiano/ Lins

Leia mais

RESPOSTAS E EVENTOS SUBSEQÜENTES: CONTINGÊNCIA E CONTIGUIDADE 1 PUC-SP

RESPOSTAS E EVENTOS SUBSEQÜENTES: CONTINGÊNCIA E CONTIGUIDADE 1 PUC-SP RESPOSTAS E EVENTOS SUBSEQÜENTES: CONTINGÊNCIA E CONTIGUIDADE 1 MARIA AMALIA ANDERY E TEREZA MARIA SÉRIO 2 PUC-SP Desde a aula passada estamos discutindo relações entre respostas e alterações ambientais

Leia mais

Transtornos do Comportamento da Criança

Transtornos do Comportamento da Criança Transtornos do Comportamento da Criança 01 ... Para aquele que não sabe como controlar seu íntimo, inventar-se-á controle Goethe 02 Definição Comportamento é o conjunto de atitudes e reações do indivíduo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO INFANTIL: UMA REVISÃO DA LITERATURA

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO INFANTIL: UMA REVISÃO DA LITERATURA 164 AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO INFANTIL: UMA REVISÃO DA LITERATURA Dayla Mota de Carvalho (Uni-FACEF) Gabriel Pogetti Junqueira (Uni-FACEF) Sofia Muniz Alves Gracioli (Uni-FACEF) Profª. Drª. Maria Beatriz

Leia mais

PRÁTICAS EDUCATIVAS PARENTAIS E O USO DE DROGAS ENTRE OS ADOLESCENTES ESCOLARES.

PRÁTICAS EDUCATIVAS PARENTAIS E O USO DE DROGAS ENTRE OS ADOLESCENTES ESCOLARES. PRÁTICAS EDUCATIVAS PARENTAIS E O USO DE DROGAS ENTRE OS ADOLESCENTES ESCOLARES. Marta Mulhule, 1 Mayra Martins 2 RESUMO: Objetivo: identificar as práticas educativas dos pais na percepção dos adolescentes

Leia mais

Práticas educativas e intervenção com pais: a educação como proteção ao desenvolvimento dos filhos

Práticas educativas e intervenção com pais: a educação como proteção ao desenvolvimento dos filhos Mudanças Psicologia da Saúde, 21 (1), Jan-Jun 2013, 29-40p Copyright 2013 pelo Instituto Metodista de Ensino Superior CGC 44.351.146/0001-57 Práticas educativas e intervenção com pais: a educação como

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS. Curso de Psicoterapia Comportamental (Curso de Especialização Necpar/Cesumar) MODELOS CONCEITUAIS DO THS

HABILIDADES SOCIAIS. Curso de Psicoterapia Comportamental (Curso de Especialização Necpar/Cesumar) MODELOS CONCEITUAIS DO THS HABILIDADES SOCIAIS Curso de Psicoterapia Comportamental (Curso de Especialização Necpar/Cesumar) ALMIR DEL PRETTE e ZILDA A. P. DEL PRETTE adprette@ufscar.br e zdprette@ufscar.br UFSCar DEPsi GRUPO RIHS:

Leia mais

SAUDE MENTAL DA MULHER NOS CICLOS DE VIDA

SAUDE MENTAL DA MULHER NOS CICLOS DE VIDA SAUDE MENTAL DA MULHER NOS CICLOS DE VIDA ENCONTRO MULHER DE ATITUDE Campanha de Prevenção do Câncer Cérvico C Uterino Março o 2013 Maristela C Sousa - Médica Psiquiatra DVSAM/DACC/SAS/SESA Dados Epidemiológicos

Leia mais

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PATRÍCIA LORENA QUITÉRIO patylorenaq@gmail.com PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PROPED/UERJ) 1 INTRODUÇÃO A oficina

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS PARENTAIS E O RELACIONAMENTO ENTRE PAIS E FILHO 1 PARENTS SOCIAL SKILLS AND THE PARENT-CHILD RELATIONSHIP

HABILIDADES SOCIAIS PARENTAIS E O RELACIONAMENTO ENTRE PAIS E FILHO 1 PARENTS SOCIAL SKILLS AND THE PARENT-CHILD RELATIONSHIP HABILIDADES SOCIAIS PARENTAIS E O RELACIONAMENTO ENTRE PAIS E FILHO 1 Fabiana Cia * Camila de Sousa Pereira # Zilda Aparecida Pereira Del Prette Almir Del Prette æ RESUMO. O presente estudo teve por objetivos:

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica EFEITOS DO MONITORAMENTO DOS PAIS SOBRE COMPORTAMENTO DE ESTUDO DE ALUNOS EM INÍCIO DE ESCOLARIZAÇÃO

18º Congresso de Iniciação Científica EFEITOS DO MONITORAMENTO DOS PAIS SOBRE COMPORTAMENTO DE ESTUDO DE ALUNOS EM INÍCIO DE ESCOLARIZAÇÃO 18º Congresso de Iniciação Científica EFEITOS DO MONITORAMENTO DOS PAIS SOBRE COMPORTAMENTO DE ESTUDO DE ALUNOS EM INÍCIO DE ESCOLARIZAÇÃO Autor(es) ELAINE CRISTINA GUTIERREZ Orientador(es) LEILA MARIA

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO TÍTULO: ALUNOS COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM ATENDIDOS NO PROJETO EDUCAÇÃO ESPECIAL: ATIVIDADES DE EXTENSÃO, PESQUISA E ENSINO AUTORES: Luis Henrique de Freitas Calabresi, Maria da Piedade Resende da

Leia mais

PRÁTICAS DE INTERVENÇÃO EM SAÚDE MENTAL NA INFÂNCIA

PRÁTICAS DE INTERVENÇÃO EM SAÚDE MENTAL NA INFÂNCIA PRÁTICAS DE INTERVENÇÃO EM SAÚDE MENTAL NA INFÂNCIA Marina Aparecida Luiz de Freitas 1 ; Jhainieiry Cordeiro Famelli Ferret 2 RESUMO: A saúde mental de crianças e de adolescentes tornou-se uma questão

Leia mais

VIVÊNCIAS DE REPROVAÇÃO E AS ATRIBUIÇÕES CAUSAIS DE ESTUDANTES SOBRE O RENDIMENTO ESCOLAR EM MANAUS

VIVÊNCIAS DE REPROVAÇÃO E AS ATRIBUIÇÕES CAUSAIS DE ESTUDANTES SOBRE O RENDIMENTO ESCOLAR EM MANAUS VIVÊNCIAS DE REPROVAÇÃO E AS ATRIBUIÇÕES CAUSAIS DE ESTUDANTES SOBRE O RENDIMENTO ESCOLAR EM MANAUS Silva, Gisele Cristina Resende Fernandes 1 ; Mascarenhas, Suely Aparecida Nascimento 2 3 ; Silva, Iolete

Leia mais

Núcleo 2.8 - Terapia Comportamental

Núcleo 2.8 - Terapia Comportamental Núcleo 2.8 - Terapia Comportamental DEPARTAMENTOS ENVOLVIDOS: Métodos e Técnicas COORDENADOR: Paola Espósito de Moraes Almeida PROFESSORES: Alice Maria de Carvalho Dellitti, Denigés Maurel Regis Neto,

Leia mais

ENTREVISTA CLÍNICA INICIAL COM ADULTOS SOB A PERSPECTIVA DO

ENTREVISTA CLÍNICA INICIAL COM ADULTOS SOB A PERSPECTIVA DO ENTREVISTA CLÍNICA INICIAL COM ADULTOS SOB A PERSPECTIVA DO RESUMO: TERAPEUTA INICIANTE Rodrigo Dal Ben de Souza * Victor Rodrigo Tardem Delefrati ** Marcos Roberto Garcia *** A entrevista clínica inicial

Leia mais

O USO DE CARTILHA PSICOEDUCATIVA PARA A PREVENÇÃO À DROGADIÇÃO NA ADOLÊSCENCIA

O USO DE CARTILHA PSICOEDUCATIVA PARA A PREVENÇÃO À DROGADIÇÃO NA ADOLÊSCENCIA O USO DE CARTILHA PSICOEDUCATIVA PARA A PREVENÇÃO À DROGADIÇÃO NA ADOLÊSCENCIA OLIVEIRA CA*, MATOS ES, VENÃNCIO MC, Centro Antitóxicos de Prevenção e Educação Divisão Estadual de Narcóticos (CAPE/DENARC),

Leia mais

Psicoterapia Cognitivo Comportamental

Psicoterapia Cognitivo Comportamental Psicoterapia Cognitivo Comportamental Selma Rejane Setani Diretora Técnica de Serviço de Saúde, especialista em dependência química, especializada em T.C.C. para dependência de álcool e Outras Drogas srsetani-cratod@saude.sp.gov.br

Leia mais

VI CONGRESSO BRASILEIRO DE AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA IX CONGRESO IBEROAMERICANO DE DIAGNÓSTICO Y EVALUACIÓN PSICOLÓGICA MACEIÓ, 04 A 07 DE JUNHO DE 2013

VI CONGRESSO BRASILEIRO DE AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA IX CONGRESO IBEROAMERICANO DE DIAGNÓSTICO Y EVALUACIÓN PSICOLÓGICA MACEIÓ, 04 A 07 DE JUNHO DE 2013 VI CONGRESSO BRASILEIRO DE AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA & IX CONGRESO IBEROAMERICANO DE DIAGNÓSTICO Y EVALUACIÓN PSICOLÓGICA MACEIÓ, 04 A 07 DE JUNHO DE 2013 1) Tipo e título da atividade proposta: a) Tipo: MESA-REDONDA;

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA 1º SEMESTRE Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo-funcional de estruturas orgânicas na relação com manifestações emocionais.

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo geral: Os estudos na área das habilidades sociais no Brasil têm contemplado

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM PROJETO INTERINSTITUCIONAL SAÚDE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: APOIO PSICOSSOCIAL AS FAMÍLIAS POR MEIO DA PARTICIPAÇÃO DE PAIS EM GRUPOS DE REFLEXÃO Daniela Cristina Grégio

Leia mais

TÉCNICAS COMPORTAMENTAIS NO ÂMBITO DA SAÚDE

TÉCNICAS COMPORTAMENTAIS NO ÂMBITO DA SAÚDE ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 TÉCNICAS COMPORTAMENTAIS NO ÂMBITO DA SAÚDE Amanda Gargantini Ferreira 1 ; Roberta Yuri Komatsu 1

Leia mais

THE COGNITIVE BEHAVIORAL THERAPY AND THE TREATMENT OF PSYCHOLOGICAL DISORDERS IN CHILD AND ADOLESCENTS: SOME SINGULARITY OF THERAPEUTIC PROCESS

THE COGNITIVE BEHAVIORAL THERAPY AND THE TREATMENT OF PSYCHOLOGICAL DISORDERS IN CHILD AND ADOLESCENTS: SOME SINGULARITY OF THERAPEUTIC PROCESS A TERAPIA COGNITIVO COMPORTAMENTAL E O TRATAMENTO DE TRANSTORNOS PSICOLÓGICOS EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES : ALGUMAS PECULIARIDADES DO PROCESSO TERAPÊUTICO RONDINA, Regina de Cássia. Prof. Dra., Docente

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

MATURIDADE PARA ESCOLHA PROFISSIONAL DE JOVENS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE JOÃO PESSOA

MATURIDADE PARA ESCOLHA PROFISSIONAL DE JOVENS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE JOÃO PESSOA MATURIDADE PARA ESCOLHA PROFISSIONAL DE JOVENS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE JOÃO PESSOA Arlene Kely Alves de Amorim (Universidade Federal da Paraíba) Josemberg Moura de Andrade (Universidade Federal

Leia mais

Resumo. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva

Resumo. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva ISSN 1982-3541 2012, Vol. XIV, nº 1, 64-69 Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva Desenvolvimento de um sistema multidimensional para a categorização de comportamentos na interação terapêutica:

Leia mais

Terapia Comportamental de Casais

Terapia Comportamental de Casais CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Terapia Comportamental de Casais Ana Paula M. Carvalho Cinthia Cavalcante

Leia mais

ETIOLOGIA E DESENVOLVIMENTO DOS QUADROS DEPRESSIVOS: UM MODELO INTEGRADO

ETIOLOGIA E DESENVOLVIMENTO DOS QUADROS DEPRESSIVOS: UM MODELO INTEGRADO ETIOLOGIA E DESENVOLVIMENTO DOS QUADROS DEPRESSIVOS: UM MODELO INTEGRADO Fernanda Moretti 1 Regina de Cássia Rondina 2 RESUMO A depressão é, reconhecidamente, um problema de saúde pública. É um dos processos

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE OS CONFLITOS INTERPESSOAIS E O BULLYING: UM ESTUDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS

AS RELAÇÕES ENTRE OS CONFLITOS INTERPESSOAIS E O BULLYING: UM ESTUDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS AS RELAÇÕES ENTRE OS CONFLITOS INTERPESSOAIS E O BULLYING: UM ESTUDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS Orientanda: Loriane Trombini Frick Orientadora: Profª Drª Maria Suzana

Leia mais

03 - Análise da técnica projetiva de desenho htp em um caso de suspeita de abuso sexual na infância.

03 - Análise da técnica projetiva de desenho htp em um caso de suspeita de abuso sexual na infância. Psicologia Clínica 01 - A prática de atividade física e sua relação com o gênero em idosos. 02 - A Prática do Psicodiagnóstico: Um caso de apática infantil. 03 - Análise da técnica projetiva de desenho

Leia mais

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE. Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE. Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo PSICOPATOLOGIA Psicopatologia é uma área do conhecimento que objetiva estudar os estados psíquicos relacionados ao sofrimento mental. É a

Leia mais

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição.

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição. A FAMÍLIA E ESCOLA Profa.Dra.Claudia Dechichi Instituto de Psicologia Universidade Federal de Uberlândia Contatos: (34) 9123-3090 (34)9679-9601 cdechichi@umnuarama.ufu.br A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO

Leia mais

Desafios contemporâneos da clínica psicológica na promoção de saúde mental

Desafios contemporâneos da clínica psicológica na promoção de saúde mental Desafios contemporâneos da clínica psicológica na promoção de saúde mental Resumo Simpósio DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS DA CLÍNICA PSICOLÓGICA NA PROMOÇÃO DE SAÚDE MENTAL. Neuza Cristina dos Santos Perez (Grupo

Leia mais

HABILIDADE EMPÁTICA EM GRADUANDOS DE ENFERMAGEM: DIMENSÕES COGNITIVA E AFETIVA. Célia Caldeira Fonseca Kestenberg¹, Natalia André Barbosa Silva²

HABILIDADE EMPÁTICA EM GRADUANDOS DE ENFERMAGEM: DIMENSÕES COGNITIVA E AFETIVA. Célia Caldeira Fonseca Kestenberg¹, Natalia André Barbosa Silva² HABILIDADE EMPÁTICA EM GRADUANDOS DE ENFERMAGEM: DIMENSÕES COGNITIVA E AFETIVA Célia Caldeira Fonseca Kestenberg¹, Natalia André Barbosa Silva² INTRODUÇÃO A empatia é uma habilidade socialmente aprendida,

Leia mais

BARBOSA, Bruno Ferreira do Serrado 1 LOURENÇO, Bruno da Silva 2 SOUZA, Camila Cruz de 3 GONÇALVES, Albina Nascimento da Rocha 4

BARBOSA, Bruno Ferreira do Serrado 1 LOURENÇO, Bruno da Silva 2 SOUZA, Camila Cruz de 3 GONÇALVES, Albina Nascimento da Rocha 4 O QUE TE ESTRESSA, PROFESSOR? PANORAMA DO ESTRESSE DE PROFESSORES DA ESCOLA DE SAÚDE DO MEIO AMBIENTE DE UMA UNIVERSIDADE DA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO BARBOSA, Bruno Ferreira do Serrado 1 LOURENÇO,

Leia mais

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico * Ana Carolina Diethelm Kley Introdução O objetivo do tratamento em terapia cognitiva no caso dos transtornos afetivos, grupo que engloba

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO PSICO-SÓCIO-DEMOGRÁFICA DA PREVALÊNCIA DE GESTANTES COM SINTOMAS DEPRESSIVOS

CARACTERIZAÇÃO PSICO-SÓCIO-DEMOGRÁFICA DA PREVALÊNCIA DE GESTANTES COM SINTOMAS DEPRESSIVOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 CARACTERIZAÇÃO PSICO-SÓCIO-DEMOGRÁFICA DA PREVALÊNCIA DE GESTANTES COM SINTOMAS DEPRESSIVOS Eliane

Leia mais

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA Aline Arruda da Fonseca Maria do Socorro Lemos de Oliveira Maria Isabel Alves Batista Oliveira Samara Melo Silva Thiago dos Santos Aguiar

Leia mais

Crenças irracionais como fontes internas de stress emocional

Crenças irracionais como fontes internas de stress emocional Crenças irracionais como fontes internas de stress emocional Revista Brasileira de Terapias Cognitivas O interesse científico no stress emocional aumenta à medida que se verifica sua relação com uma série

Leia mais

TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL NA SITUAÇÃO DE ABUSO SEXUAL ¹

TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL NA SITUAÇÃO DE ABUSO SEXUAL ¹ TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL NA SITUAÇÃO DE ABUSO SEXUAL ¹ LIMA, Letícia Saldanha de 2 ; CUNHA, Larissa Gonçalves da 3 ; DIAS, Ana Cristina Garcia 4; DIAS, Hericka Zogbi Jorge 5. 1 Estudo Teórico referente

Leia mais

NÍVEIS DE ESTRESSE EM PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE RONDÔNIA

NÍVEIS DE ESTRESSE EM PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE RONDÔNIA NÍVEIS DE ESTRESSE EM PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE RONDÔNIA Rosani Teresinha da Silva Stachiw 1 Dayane Fernandes Ferreira 2 Eraldo Carlos Batista 3 RESUMO: O estresse prejudica

Leia mais

Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas

Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas Catarina Paulos Jornadas Litorais de Gerontologia: Intervenção Técnica no Processo de Envelhecimento Amarante, 26 de Setembro de 2007 Conteúdos Conceito

Leia mais

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 660 ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Camila Rodrigues Costa 1, 2 Matheus

Leia mais

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR e Prática Clínica TRATAMENTO ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL DO TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR TRATAMENTO ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL DO TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR Maria Rita Zoéga Soares Samir Vidal Mussi e cols. Coordenação

Leia mais

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH)

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Depressão e Espiritualidade Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Conceitos Tristeza emoção natural. Resposta à frustração, decepção ou fracasso.

Leia mais

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo SONHOS: uma questão de contingências Renata Cristina Rodrigues Alves 1 Resumo: O comportamento de sonhar, para a Análise do Comportamento, está associado a eventos privados cujo acesso se dá através do

Leia mais

Indicadores do t.p. 25/08/2015. Ciclos cognitivos interpessoais desadaptativos

Indicadores do t.p. 25/08/2015. Ciclos cognitivos interpessoais desadaptativos QUANDO OS ESQUEMAS DO TERAPEUTA CONTRIBUEM PARA A SUA RELAÇÃO COM O PACIENTE Eliane mary de oliveira falcone universidade do estado do rio de janeiro Indicadores do t.p. Presença de muitos problemas interpessoais

Leia mais

TERAPIA COMPORTAMENTAL DIALÉTICA NO TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE

TERAPIA COMPORTAMENTAL DIALÉTICA NO TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE TERAPIA COMPORTAMENTAL DIALÉTICA NO TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE Priscila Sardi Cerutti Acadêmica do VIII nível do Curso de Psicologia e Bolsista Desempenho da Faculdade Meridional IMED priscilacerutti@yahoo.com.br

Leia mais

USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES

USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES Bianca Oliveira Garcia da Silva (Estudante de Psicologia) email: bia_podih@hotmail.com, Bruna Alves (Estudante de Psicologia) email: bruna-psi@hotmail.com, Ana

Leia mais

Desenvolvimento Familiar

Desenvolvimento Familiar Desenvolvimento Familiar Composição do GT PARTICIPANTES FILIAÇÃO PPG E-MAIL CATEGORIA COORDENADORA Maria Auxiliadora Dessen UnB Processos de desenvolvimento humano esaúde dessen@unb.br Ligia Ebner Melchiori

Leia mais

Suicídio X Doenças Crônicas e Terminais. Profª. Dr.ª Catarina Nívea Menezes

Suicídio X Doenças Crônicas e Terminais. Profª. Dr.ª Catarina Nívea Menezes Suicídio X Doenças Crônicas e Terminais Profª. Dr.ª Catarina Nívea Menezes Suicídio Parassuicídio Comportamento automutilante, Ingestão de drogas não prescritas, ou além da prescrição, Tentativas de suicídio,

Leia mais

A EFICÁCIA DA TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL PARA TRATAMENTO DE PACIENTES ESQUIZONFRÊNICOS RESUMO

A EFICÁCIA DA TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL PARA TRATAMENTO DE PACIENTES ESQUIZONFRÊNICOS RESUMO A EFICÁCIA DA TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL PARA TRATAMENTO DE PACIENTES ESQUIZONFRÊNICOS 1 Carina Gonzaga 2 Franciele Ribeiro 3 Joyce Souza 4 Claudia Galvão Mazoni RESUMO O presente artigo tem como

Leia mais

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE

Leia mais

3 a 6 de novembro de 2009 - Londrina Pr - ISSN 2175-960X

3 a 6 de novembro de 2009 - Londrina Pr - ISSN 2175-960X POSSIBILIDADES DA PESQUISA QUALITATIVA E QUASE- EXPERIMENTAL NA INCLUSÃO ESCOLAR Aline Aparecida VELTRONE 1 Universidade Federal de São Carlos-UFSCar Programa de pós-graduação em Educação Especial INTRODUÇÃO

Leia mais

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO Prof. Dr. Carlo Schmidt Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial INTRODUÇÃO Caracterização: Do que estamos falando? TDAH Autismo O que essas condições têm

Leia mais

Equivalência de Estímulos e Autismo: Uma Revisão de Estudos Empíricos 1. Stimulus Equivalence and Autism: A Review of Empirical Studies

Equivalência de Estímulos e Autismo: Uma Revisão de Estudos Empíricos 1. Stimulus Equivalence and Autism: A Review of Empirical Studies Psicologia: Teoria e Pesquisa Out-Dez 2010, Vol. 26 n. 4, pp. 729-737 Equivalência de Estímulos e Autismo: Uma Revisão de Estudos Empíricos 1 Camila Graciella Santos Gomes André Augusto Borges Varella

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

ANÁLISE DO DESENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS POR MEIO DE INVENTÁRIO COMPORTAMENTAL

ANÁLISE DO DESENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS POR MEIO DE INVENTÁRIO COMPORTAMENTAL ANÁLISE DO DESENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS POR MEIO DE INVENTÁRIO COMPORTAMENTAL Miriam Nascimento de Lima 1 - UNESP Regina Keiko Kato Miura 2 - UNESP Resumo Grupo de Trabalho - Diversidade e Inclusão Agencia

Leia mais

TEXTO 10: ANÁLISE DE DADOS, CRONOGRAMA,RESULTADOS ESPERADOS, CONSIDERAÇÕES ÉTICAS E LIMITAÇÕES.

TEXTO 10: ANÁLISE DE DADOS, CRONOGRAMA,RESULTADOS ESPERADOS, CONSIDERAÇÕES ÉTICAS E LIMITAÇÕES. 1 Laboratório de Psicologia Experimental Departamento de Psicologia UFSJ Disciplina: Métodos de Pesquisa Quantitativa TEXTO 10: ANÁLISE DE DADOS, CRONOGRAMA,RESULTADOS ESPERADOS, CONSIDERAÇÕES ÉTICAS E

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014

A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014 A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014 Um estado temporário de perturbação e desorganização, caracterizado principalmente

Leia mais

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: FATORES PRECURSORES E RISCOS ASSOCIADOS.

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: FATORES PRECURSORES E RISCOS ASSOCIADOS. GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: FATORES PRECURSORES E RISCOS ASSOCIADOS. RIBEIRO, Fernanda Nunes. Discente de Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: fernandanunesribeiro@hotmail.com SANTANA,

Leia mais

Trabalhos Aprovados: Eixo: Educação Infantil Manhã (8:30 às 12:00hrs.) Sala 26

Trabalhos Aprovados: Eixo: Educação Infantil Manhã (8:30 às 12:00hrs.) Sala 26 AS APRESENTAÇÕES ACONTECERÃO DIA 20/05 (QUARTA-FEIRA), NO PERÍODO DA MANHÃ E DA TARDE! Trabalhos Aprovados: Eixo: Educação Infantil Manhã (8:30 às 12:00hrs.) Sala 26 s: Práticas na leitura e escrita na

Leia mais

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA?

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? Autores: ANA BÁRBARA DA CONCEIÇÃO SANTOS, AYSLAN MELO DE OLIVEIRA, SUSANA DE CARVALHO, INTRODUÇÃO No decorrer do desenvolvimento infantil,

Leia mais

FICHA DE COMPONENTE CURRICULAR

FICHA DE COMPONENTE CURRICULAR FICHA DE COMPONENTE CURRICULAR CODIGO GFP050 COMPONENTE CURRICULAR: Psicologia da Educação UNIDADE ACADÊMICA OFERTANTE: INSTITUTO CIÊNCIAS SOCIAIS SIGLA: INCIS CH TOTAL TEÓRICA: 60 CH TOTAL PRÁTICA: CH

Leia mais

ESTILOS PARENTAIS DE PAIS ADOTIVOS

ESTILOS PARENTAIS DE PAIS ADOTIVOS 1 ESTILOS PARENTAIS DE PAIS ADOTIVOS MARINA COLOMBO AMARANTE Psicóloga especializanda em Terapia Cognitivo- Comportamental FAMERP - SP RESUMO Temas como educação e estabelecimento de limites aos filhos,

Leia mais

MEDO INFANTIL: A SAÚDE MENTAL DA CRIANÇA HOSPITALIZADA- UM DEVER DE TODOS

MEDO INFANTIL: A SAÚDE MENTAL DA CRIANÇA HOSPITALIZADA- UM DEVER DE TODOS MEDO INFANTIL: A SAÚDE MENTAL DA CRIANÇA HOSPITALIZADA- UM DEVER DE TODOS Carolina Soares Debom Cristiane Dias Waischunng Fernanda Jaeger Priscila Moura Serratte Orientadora: Profª Ms. Cláudia Galvão Mazoni

Leia mais

Diagnóstico em psicoterapia. Método psicoterapêutico e da avaliação dos seus resultados. Ética dos processos terapêuticos.

Diagnóstico em psicoterapia. Método psicoterapêutico e da avaliação dos seus resultados. Ética dos processos terapêuticos. COMUNS AO DOUTORADO ANÁLISE DE VARIÂNCIA E DE REGRESSÃO Análise de regressão múltipla. Tipos mais comuns de análise de regressão. Análise de variância para planos fatoriais (ANOVA). Análise de variância

Leia mais

GRUPO OPERATIVO: ADOLESCENTES EM FASE DE PRÉ- VESTIBULAR¹ RESUMO

GRUPO OPERATIVO: ADOLESCENTES EM FASE DE PRÉ- VESTIBULAR¹ RESUMO GRUPO OPERATIVO: ADOLESCENTES EM FASE DE PRÉ- VESTIBULAR¹ MOREIRA, Andressa Becker²; VISENTINI, Danielle Machado ²; GONÇALVES, Camila dos Santos³ 1 Trabalho sobre relato de experiência de estágio _UNIFRA

Leia mais

Terapia infantil e treino de pais em um caso de agressividade 39

Terapia infantil e treino de pais em um caso de agressividade 39 ISSN 1982-3541 Campinas-SP 2009, Vol. XI, nº 2, 366-385 Terapia infantil e treino de pais em um caso de agressividade 39 Child therapy and parent training in a case of aggressiveness Lorena Archanjo de

Leia mais

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO 5PAC016 PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Prof.ª Dra. Maria Luiza Marinho Casanova 1 TERAPIA DE CASAIS

Leia mais

ANÁLISE DA ASSOCIAÇÃO ENTRE SINTOMAS DE STRESS E INASSERTIVIDADE EM MULHERES COM FATORES DE RISCO PARA DAC

ANÁLISE DA ASSOCIAÇÃO ENTRE SINTOMAS DE STRESS E INASSERTIVIDADE EM MULHERES COM FATORES DE RISCO PARA DAC ANÁLISE DA ASSOCIAÇÃO ENTRE SINTOMAS DE STRESS E INASSERTIVIDADE EM MULHERES COM FATORES DE RISCO PARA DAC Marília Zaparoli Falsetti Faculdade de Psicologia Centro de Ciências da Vida marilia.zf@puccamp.edu.br

Leia mais

Universidade de Taubaté. Endereço: Avenida Tiradentes, 500, Bom Conselho, 12.030-180 - Taubaté - SP. e-mail dianavoliva@juramentado.com.

Universidade de Taubaté. Endereço: Avenida Tiradentes, 500, Bom Conselho, 12.030-180 - Taubaté - SP. e-mail dianavoliva@juramentado.com. UMA PROPOSTA PARA A INVESTIGAÇÃO DA INTELIGÊNCIA EM CRIANÇAS PORTADORAS DE SÍNDROME DE DOWN POR MEIO DO DESENHO DA FIGURA HUMANA E DA ESCALA COLÚMBIA DE MATURIDADE INTELECTUAL Diana Villac Oliva 1 e Paulo

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS

IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS Cayla Aparecida de Sousa 1 ; Cícero Marcelo Félix Junior 1 ; Sandra Cristina Catelan- Mainardes

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL 20 a 24 de outubro de 2008 A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL Caroline de Souza Gervazio 1 ; Luciana Figueiredo Lacanallo 2, Maria Ângela Garcia de Almeida 3 RESUMO:

Leia mais

AS TRANSIÇÕES FEMININAS DA PUBERDADE E DA MENOPAUSA: ASPECTOS CLÍNICOS E DE PESQUISA Coordenadora: Carmen Lúcia Souza (USP) clucia@uol.com.

AS TRANSIÇÕES FEMININAS DA PUBERDADE E DA MENOPAUSA: ASPECTOS CLÍNICOS E DE PESQUISA Coordenadora: Carmen Lúcia Souza (USP) clucia@uol.com. MESA 4 AS TRANSIÇÕES FEMININAS DA PUBERDADE E DA MENOPAUSA: ASPECTOS CLÍNICOS E DE PESQUISA Coordenadora: Carmen Lúcia Souza (USP) clucia@uol.com.br Relatores: Carmen Lúcia Souza Izilda Malta Torres Ruth

Leia mais

PROGRAMANDO CONTINGÊNCIAS PARA AUMENTO DO DESEMPENHO EM TAREFAS ESCOLARES

PROGRAMANDO CONTINGÊNCIAS PARA AUMENTO DO DESEMPENHO EM TAREFAS ESCOLARES PROGRAMANDO CONTINGÊNCIAS PARA AUMENTO DO DESEMPENHO EM TAREFAS ESCOLARES 2015 Psicóloga pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (Brasil) Psicólogo. Mestre em Psicologia e Professor pela Pontifícia

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOPATOLOGIA DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOPATOLOGIA DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PSICOPATOLOGIA DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Psicologia Clínica 3. Ciclo

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3 º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3 º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3 º 1 - Ementa (sumário, resumo) Relações

Leia mais

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FGV TJ/SC. RAFAEL TREVIZOLI NEVES PSICÓLOGO CRP 06/107847 COLABORADOR EducaPsico

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FGV TJ/SC. RAFAEL TREVIZOLI NEVES PSICÓLOGO CRP 06/107847 COLABORADOR EducaPsico RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FGV TJ/SC RAFAEL TREVIZOLI NEVES PSICÓLOGO CRP 06/107847 COLABORADOR EducaPsico Janeiro/2015 RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA - FGV Tribunal de Justiça de Santa Catarina Psicólogo

Leia mais

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO:

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO: QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: 1. Um tapinha no bumbum não é considerado violência devido ao baixo grau de agressão. 2. A prática sexual com indivíduos menores de 14 anos, com o consentimento

Leia mais

EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES

EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES Ana Karolina Paiva Braga 1 ; Juliana Campos Rodovalho 1 ; Lílian Fernanda Pacheco 2 ; Cibelle Kayenne Martins Roberto Formiga

Leia mais

ESTRESSE OCUPACIONAL DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

ESTRESSE OCUPACIONAL DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTRESSE OCUPACIONAL DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Cristiane Luchtenberg 1 ; Rosangela Costa 1 ; Willian Augusto

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam SESFUBMULT_P_06N8977 De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o

Leia mais

CONHECIMENTO MATERNO SOBRE O DESENVOLVIMENTO MOTOR NORMAL NO PRIMEIRO ANO DE VIDA

CONHECIMENTO MATERNO SOBRE O DESENVOLVIMENTO MOTOR NORMAL NO PRIMEIRO ANO DE VIDA 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 CONHECIMENTO MATERNO SOBRE O DESENVOLVIMENTO MOTOR NORMAL NO PRIMEIRO ANO DE VIDA Janaina de Fátima Poteriko 1 ; Ana Lucia de Sá Yamazaki 2 RESUMO: O desenvolvimento

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

Ludoterapia Comportamental

Ludoterapia Comportamental !!!!!!! Três mulheres e garoto de Reynaldo Fonseca Ludoterapia Comportamental Laura dos Santos Gomes Coelho CRP 5665-0 A ludoterapia é uma forma de psicoterapia cuja meta é promover ou restabelecer o bem

Leia mais

ORIENTAÇÃO NA GESTAÇÃO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA DEPRESSÃO PÓS-PARTO

ORIENTAÇÃO NA GESTAÇÃO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA DEPRESSÃO PÓS-PARTO ORIENTAÇÃO NA GESTAÇÃO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA DEPRESSÃO PÓS-PARTO Ana Paula Fernandes de Lima Juliana Bianchi Neida Garcia Marizete Pollnow Rodrigues Cláudia Galvão Mazoni RESUMO Pesquisas

Leia mais

O que é contingência? 1, 2

O que é contingência? 1, 2 O que é contingência? 1, 2 Deisy das Graças de Souza 3 UFSCar Quem fez a lição de casa, pode sair para o recreio agora. A lista de espera será aberta uma hora antes do horário do vôo. Horário de funcionamento:

Leia mais

Habilidades sociais e dificuldades de aprendizagem na interface da. educação com a saúde.

Habilidades sociais e dificuldades de aprendizagem na interface da. educação com a saúde. Habilidades sociais e dificuldades de aprendizagem na interface da educação com a saúde. Fabio Biasotto Feitosa 1 RESUMO. Quando as dificuldades de aprendizagem são abordadas em trabalhos acadêmicos, à

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO QUANTO À IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO QUANTO À IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL ISBN 97-5-191-5-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 3 de outubro de 29 PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO QUANTO À IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Gracielly Oliveira, Hans Alves e Lucia Politi

Leia mais

TERAPIA COGNITIVO COMPORTAMENTAL

TERAPIA COGNITIVO COMPORTAMENTAL CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM TABAGISMO TERAPIA COGNITIVO COMPORTAMENTAL BASE METODOLÓGICA, ENFOQUE, TÉCNICAS E FERRAMENTAS MAIS COMUNS FORMAS DE TERAPIA: INDIVIDUAL OU GRUPAL VERA LÚCIA GOMES BORGES CENTRO

Leia mais

Ficha de Protocolo. Telefone: 213542776 Telemóvel: 914176283 / 965449629 Fax: N/A

Ficha de Protocolo. Telefone: 213542776 Telemóvel: 914176283 / 965449629 Fax: N/A Ficha de Protocolo Resumo do Protocolo Entidade: Psicóloga Ana Cristina de Lacerda Conduto Local: Lisboa Serviços/Produtos: Serviços de Psicologia para Adultos, Adolescentes e Crianças Beneficios e Vantagens:

Leia mais