ÀREAS DE CONHECIMENTO 2 - CIÊNCIAS HUMANAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÀREAS DE CONHECIMENTO 2 - CIÊNCIAS HUMANAS"

Transcrição

1 21 ÀREAS DE CONHECIMENTO 2 - CIÊNCIAS HUMANAS

2 22 CORRELAÇÃO ENTRE AS PRÁTICAS EDUCATIVAS PARENTAIS E AS HABILIDADES SOCIAIS DOS FILHOS Bolsista: Gracieli A. da Silva Laurindo Orientadora: Maria Cristina Zago Castelli Coorientadora: Emileane Costa Assis de Oliveira Curso: Psicologia Formação de Psicólogos INTRODUÇÃO: A família configura-se como primeiro contexto que adquire função reforçadora sobre os comportamentos da criança, ensinando-a a se comportar em diversos ambientes. A forma como os pais e/ou cuidadores interagem e educam seus filhos pode levar ou não à promoção de comportamentos apropriados às contingências em vigor ou de comportamentos que prejudicam a interação da criança com seu ambiente. As estratégias específicas utilizadas pelos pais para orientar o comportamento dos filhos em diferentes contextos são definidas como práticas educativas, sendo que o resultado do uso desse conjunto de práticas utilizadas é denominado estilo parental (REPPOLD, PACHECO, BARDAGI e HUTZ, 2002). Cada prática educativa parental envolve contingências específicas que influenciam o repertório dos filhos, o que pode repercutir tanto no contexto imediato quanto no resto da vida. O Inventário de Estilos Parentais Paterno - IEP-Paterno (Gomide, 2006) tem como objetivo avaliar sete práticas educativas que comporiam o Estilo Parental, sendo cinco relacionadas ao desenvolvimento de comportamentos antissociais e duas favoráveis ao desenvolvimento de comportamentos prós sociais. A habilidade social é o conjunto dos desempenhos apresentados pelo indivíduo diante das demandas de uma situação interpessoal. A interação entre indivíduo e ambiente social está na base da construção das relações sociais; portanto, pessoas socialmente habilidosas são capazes de promover interações sociais mais satisfatórias (CABALLO, 1996). Em contrapartida, os déficits de habilidades sociais estão associados a dificuldades e conflitos nas relações interpessoais e a uma variedade de alterações psicológicas, tais como problemas conjugais, isolamento, desajustamento escolar, delinquência, suicídio, além de síndromes clínicas como a depressão e a esquizofrenia (DEL PRETTE e DEL PRETTE, 1999; 2001). OBJETIVO(S): Considerando a importância da competência social na infância como um fator de proteção e de maximização do desenvolvimento infantil e de sua possível articulação com o envolvimento parental positivo em termos de comunicação e da participação dos pais na vida dos filhos, este estudo teve por objetivos: (a) comparar/correlacionar indicadores do estilo parental dos pais na educação dos filhos e (b) comparar os estilos parentais dos pais com as habilidades sociais apresentadas pelos filhos. De forma geral, esse tipo de análise contribui para a ampliação do conhecimento acerca da relação entre pais e filhos e aponta possíveis relações funcionais entre o repertório de habilidades sociais apresentados pelos filhos e as práticas educativas parentais adotadas por pais. MATERIAL E METODO: Participaram deste estudo 16 pais e mães e seus filhos com idades entre 7-12 anos que são atendidos no Centro de Psicologia Aplicada do Centro Universitário Anchieta em Jundiaí. Foram utilizados dois instrumentos: 1) Nos pais foi aplicado o Inventário de Estilos Parentais, IEP (Gomide, 2006). O instrumento, aprovado pelo Conselho Federal de Psicologia, é composto de 42 questões abordando duas práticas educativas positivas e cinco negativas. O Índice de Estilo Parental é calculado somando-se os pontos obtidos nas questões referentes às práticas positivas (monitoria positiva e comportamento moral) que são subtraídos da somatória dos pontos das práticas negativas (punição inconsistente, negligência, disciplina relaxada, monitoria negativa e abuso físico).2)nos filhos foi aplicado o Inventário Multimídia de Habilidades Sociais para Crianças IMHSC-Del-Prette (Del Prette, Del Prette& Costa, 1999) é um instrumento de autorrelato em CD-ROM composto de arquivos multimídia com 21 situações filmadas de interações sociais, cada uma delas com três alternativas de reação apresentadas pela personagem

3 23 principal: habilidosa (que demonstra assertividade, empatia, expressão de sentimentos positivos ou negativos de forma apropriada, civilidade, etc.), não habilidosa passiva (que demonstra esquiva ou fuga ao invés de enfrentamento da situação) e não habilidosa ativa (que demonstra agressividade, negativismo, ironia, autoritarismo etc.). RESULTADOS: Os dados obtidos pelo IEP indicaram que ambos os progenitores adotaram-se mais do Estilo Parental de Risco (44%dos pais e mães). Pôde se notar que as mães que adotaram o Estilo Parental Regular acima da média, possuem filhos mais habilidosos socialmente (19%)os filhos correspondentes a esse estilo, possuem índices acima da referência, e as mães que adotaram Estilo Parental de Risco, dos 44%, 6% dos seus filhos apresentam índices superiores a referência, para reações Habilidosas. Pais que adotaram Estilo Parental de Risco, seus filhos dos 44%, 19% possuem índices superiores a referência, para as reações Habilidosas. CONCLUSÃO(ÕES): O presente trabalho levantou questões acerca do estilo parental adotado por ambos os pais que podem influenciar na qualidade do relacionamento dos seus filhos com as demandas interativas de seu ambiente. Pôde-se verificar que a maioria dos pais e das mães que participaram adotam um estilo parental de risco. Foi evidenciado que quando as mães adotam estilos parentais com prevalência de práticas negativas, favorece o surgimento de comportamentos agressivos, uso de coerção e ironia por parte dos seus filhos (classificados como não habilidosos ativos), e também comportamentos que são considerados inassertivos, não expressando de maneira adequada seus sentimentos, desejos e opiniões, quando se incomodam, quando ficam ressentidos, por não conseguirem enfrentar as demandas interativas, além de não defenderem seus direitos, mostrando que o modo como são educadas possui um interferência na qualidade dos seus relacionamentos. Dos filhos de pais que adotam um estilo parental com predominância de práticas negativas, alguns possuíam habilidades sociais consideradas adequadas. Isso pode ser explicado pela qualidade do relacionamento que essas crianças tem com os mesmos, pois as mães acabam passando mais tempo com os filhos e dedicando-se mais a sua educação e também outras entidades participem da educação dos mesmos como escolas, de forma que talvez essa forma dos pais educarem seus filhos, não possua tanta influência na qualidade de seus relacionamentos. O uso práticas educativas adequadas por parte das mães evidenciou que os seus filhos são mais habilidosos socialmente, ocorrendo o mesmo para os pais. Em ambos os casos mesmo quando adotam estilo parental positivo seus filhos também possuíram altas médias para reações não habilidosa passiva. Sendo assim, as conclusões aqui apresentadas devem ser consideradas de forma cautelosa, evitando-se generalizações precipitadas que precisarão ter por base dados de estudos realizados com uma amostra maior, mais representativa PALAVRAS CHAVES: habilidades sociais educativas; práticas educativas parentais; estilos parentais; relacionamento pais-filhos. REFERÊNCIAS: 1. ALVARENGA, P., PICCININI, C. O impacto do temperamento infantil, da responsividade e das práticas educativas maternas nos problemas de externalização e na competência social da criança. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20(2), , BANACO, R. A.. Adolescentes e terapia comportamental. Em: Rangé, B. (Org.). Psicoterapia Comportamental e Cognitiva: Pesquisa, Prática, Aplicações e Problemas. Editorial Psy, BEE, H.. Ciclo Vital. Porto Alegre: Artes Médicas,1997.

4 24 4. BOECKEL, M. G. & SARRIERA, J. C.. Estilos parentais, estilos atribucionais e bemestar psicológico em jovens universitários. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 16(3), 53-65, BOLSONI-SILVA, A. T. & MARTURANO, E. M.. A qualidade da interação positiva e da consistência parental na sua relação com problemas de comportamentos de préescolares. Rev. interam. psicol., 41(3), , BOLSONI-SILVA, A. T. & MARTURANO, E. M.. Habilidades sociais educativas parentais e problemas de comportamento: comparando pais e mães de préescolares. Aletheia, 27, , BOLSONI-SILVA, A. T.. Habilidades Sociais Educativas, variáveis contextuais e problemas de comportamento: comparando pais e mães de pré-escolares. Tese de Doutorado, Programa de pós-graduação em Psicologia. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, CASSONI, C.. Estilos Parentais e prática educativas parentais: revisão sistemática e crítica da literatura. Programa de pós-graduação em Psicologia. Universidade de São Paulo (Ribeirão Preto), CATANIA, C.. Aprendizagem: comportamento, linguagem e cognição. Porto Alegre: Artmed. Campos, D. M. S. (1987). Psicologia da adolescência. 5ª ed. Petrópolis: Vozes, CECCONELLO, A. M., DE ANTONI, C. & KOLLER, S. H. Práticas educativas, estilos parentais e abuso físico no contexto familiar. Psicologia em Estudo, 8, 45-54, CIA, F., PEREIRA, C. S., DEL PRETTE, Z. A. P. & DEL PRETTE, A.. Habilidades Sociais Parentais e o Relacionamento entre Pais e Filhos. Psicologia em Estudo, Maringá, 11 (1), p , jan./abr, CIA, F., PAMPLIN, R. C. DE O., WILLIAMS, L. C. DE A.. O impacto do envolvimento parental no desempenho acadêmico de crianças escolares. Psicologia em Estudo, Maringá, 13, (2), p , abr./jun, CIA, F., WILLIAMS, L. C. DE A., AIELLO, A. L. R. Influências paterna no desenvolvimento infantil: Revisão da literatura. Psicologia Escolar e Educacional (9), 2, p , DE ANTONI, C., BARONE, L. R. & KOLLER, S. H.. Indicadores de risco e de proteção em famílias fisicamente abusivas. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(2), , FALCKE, D., DA ROSA, L. W., STEIGLEDER, V. A. T. Estilos Parentais em Famílias com Filhos em idade Escolar. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 5 (2), p Jul-dez, FIERRO, A. Desenvolvimento da Personalidade na Adolescência. Em: Coll, C.; Palacios, J.; Marchesi, Á. De (Orgs.). Desenvolvimento Psicológico e educação: psicologia evolutiva. 1.vol. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

5 GOMES, R., DESLADES, S. F., VEIGA, M. M., BHERING, C. & SANTOS, J. F. C. Por que as crianças são maltratadas? Explicações para a prática de maus-tratos infantis na literatura. Caderno de Saúde Pública, 18(3), , GOMIDE, P. I. C., SALVO, C. G., PINHEIRO, D. P. N. & SABAG, G. M.2. Correlação entre práticas educativas, depressão, estresse e habilidades sociais. PsicoUSF, 10(2), p , GOMIDE, P. I. C. Inventário de estilos parentais: modelo teórico manual de aplicação, apuração e interpretação. Petrópolis: Vozes, GOMIDE, P. I. C. Inventário de estilos parentais: modelo teórico manual de aplicação, apuração e interpretação. Petrópolis: Vozes, ª Ed GONGORA, M. A. N. Noção de psicopatologia em Análise do Comportamento. Em: Primeiros Passos em Análise do Comportamento e cognição. Costa, C. E, Luzia, J. C e Sant ana, H.H.N (Orgs). São Paulo: Esetec, JUSTO, A. P. A influência do estilo parental no stress do adolescente. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Psicologia do Centro de Ciências da Vida. Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Campinas-SP, MACHADO, L. M. C. M.. Consciência e Comportamento Verbal. Psicologia USP, São Paulo, 8(2), , MATOS, MARIA A. Análise funcional do comportamento. Revista Estudos de Psicologia, Campinas, 16(3), 8-18, MONDIN, E. M. C. Práticas educativas parentais e seus efeitos na criação dos filhos. Psicologia Argumento, 26(54), , OLIVEIRA, E. A., MARIN, A. H., PIRES, F. B., FRIZZO, G. B., RAVANELLO, T. & ROSSATO, C. Estilos parentais autoritário e democrático-recíproco intergeracionais, conflito conjugal e comportamento de externalização e internalização. Psicologia: Reflexão e Crítica, 15, 1-11, OSÓRIO, L. C. (1989). Adolescente hoje. Porto Alegre: Artes Médicas. 28. PACHECO, JANAÍNA T. B, TEIXEIRA, MARCO A. P., GOMES, WILLIAM B. Estilos Parentais e Desenvolvimento de Habilidades Sociais na Adolescência. Psicologia: Teoria e Pesquisa: (15),2, p maio/agosto, PICCININI, C. A., LOPES, R. C. S., FRIZZO, G. B.; ALVARENGA, P., LOPES, R. DE C. S. & TUDGE, J. Práticas educativas de pais e mães de crianças aos 18 meses de idade. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(4), , REINALDO, A. M. S. & PILLON, S. C. Alcohol effects on family relations: a case study. Revista Latino-americana de Enfermagem, 16, , REPPOLD, C. T. Estilo Parental percebido e adaptação psicológica de adolescentes adotados. Dissertação de Mestrado. Instituto de Psicologia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Rio Grande do Sul-RS, 2001.

6 SALVADOR, A. P. V. Análise da relação entre práticas educativas parentais, envolvimento com tarefas escolares, depressão e desempenho acadêmico. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal do Paraná. Curitiba-PR, WEBER, L. N. D., BRANDENBURG, O. J. & VIEZZER, A. P. A relação entre o estilo parental e o otimismo da criança. PSICO-USF, 8(1), 71-79, WEBER, L. N. D., VIEZZER, P. & BRANDENBURG, O. J. O uso de palmadas e surras como prática educativa. Estudos de Psicologia (UFRN), 9(2), , WEBER, L. N. D., SELIG, G. A., BERNARDI, M. G. & SALVADOR, A. P. V. Continuidade dos estilos parentais através das gerações: transmissão intergeracional de estilos parentais. Paidéia (Ribeirão Preto), 16 (35), WEBER, L. N. D. Interações entre família e desenvolvimento. Em: Weber, L. N. D. (Org.). Família e desenvolvimento: visões interdisciplinares. Curitiba: Juruá, SUPORTE FINANCEIRO: PIBIC/CNPq

7 27 CORRELAÇÃO ENTRE AS PRÁTICAS EDUCATIVAS PARENTAIS E SINTOMAS DE DEPRESSÃO EM PAIS Bolsista: Tais Aparecida Braz Orientadora: Maria Cristina Zago Castelli Co-orientadora: Emileane Costa Assis de Oliveira Curso: Psicologia Formação de Psicólogos INTRODUÇÃO: A forma como os pais e/ou cuidadores interagem e educam seus filhos pode levar ou não a promoção de comportamento apropriado às contingências em vigor ou de comportamentos que prejudicam a interação da criança com seu ambiente. As estratégias utilizadas pelos pais para orientar os comportamentos dos filhos em diferentes contextos são definidas como práticas educativas, sendo que o resultado do uso desse conjunto de práticas utilizadas é denominado estilo parental (REPPOLD, PACHECO, BARGADI e HUTZ, 2002). O inventário de Estilos Parentais Paterno IEP Paterno (GOMIDE, 2006) tem como objetivo avaliar sete práticas educativas que comporiam o estilo parental, sendo cinco relacionadas ao desenvolvimento de comportamentos antissociais e duas favoráveis ao desenvolvimento de comportamento próssociais. Segundo Gomide et al (2005), a literatura vem apontando também uma correlação positiva entre a depressão, estresse e as práticas educativas negativas. Estudos recentes demonstraram que mães com depressão utilizam-se do controle psicológico como prática educativa. De acordo com Menegatti (2002) apud Gomide et al (2005), pais depressivos são menos carinhosos, responsivos e mais irritáveis e como consequência sua prole tende a ser mais autocrítica e com dificuldade de regular suas emoções. OBJETIVO(S): O objetivo do trabalho foi comparar/correlacionar indicadores de depressão e práticas educativas parentais adotadas pelos pais e comparar cada cônjugue nos dois conjuntos de indicadores. MATERIAL E MÉTODO: Participaram do estudo 18 pais e mães cujos filhos com idade entre 6 12 anos eram atendidos no Centro de Psicologia Aplicada da Unianchieta. A coleta de dados ocorreu em salas de atendimento e foram utilizados dois instrumentos: 1) o Inventário de Depressão de Beck (Beck e cols. 1997), contendo 21 itens com 4 afirmativas que investigavam como a pessoa se sentiu-se na última semana, e cada uma das alternativas recebia uma pontuação que variava de 0-4. Quando o somatório final das alternativas era igual ou superior a 13, este é classificado como tendo indicativo de depressão e 2) Inventário de Estilos Parentais IEP (Gomide, 2006), o qual é composto de 42 questões abordando duas práticas educativas positivas e cinco práticas negativas. O índice de estilo parental é calculado somando os pontos obtidos nas questões referentes às práticas positivas que são subtraídos da somatória dos pontos da prática negativa. O contato com as mães e os pais foi realizado pela aluna pesquisadora por telefone ou pessoalmente no dia do atendimento da criança. Os participantes assinaram um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido referente a pesquisa e então receberam os instrumentos com a devida orientação quanto ao preenchimento. Os pais responderam inventários em sala separada. RESULTADOS: Na coleta de dados com as famílias (pai/mãe), observou-se uma demonstração de pouco comprometimento ao responder os inventários, ou seja, os pais não se dedicaram a responder fidedignamente os testes em especifico o Inventário de Depressão de Beck BDI que pede para os pais assinalar como eles se sentem naquele dia em que estão respondendo o teste ou durante a semana que passou e muitos pais não responderam de acordo com a realidade que foi expressa no Inventário de Estilos Parentais - IEP. Mediante a aplicação do Inventário de Estilo Parental (IEP), identificou-se que das 18 mães entrevistadas, 7 delas apresentaram IEP de risco (38,89%), ao passo que dos 18 pais, 7 apresentaram o mesmo IEP (38,89%). nas 18 mães entrevistadas, 5 apresentaram estilo parental regular abaixo da média (27,78%), ao passo que dos 18 pais entrevistados, 4

8 28 apresentaram estilo parental regular abaixo da média (22,22%),nas 18 mães entrevistadas,4 apresentaram estilo parental ótimo (22,22%), ao passo que dos 18 pais entrevistados apenas 2 apresentaram estilo parental ótimo (11,11%), nas 18 mães entrevistadas 2 apresentaram estilo parental regular acima da média (11,11%), ao passo que dos 18 pais entrevistados 5 apresentaram estilo parental regular acima da média (27,78%). Na aplicação do Inventário de Depressão de Beck BDI, identificou-se que das 18 mães entrevistadas, apenas uma apresentou o índice severo grave de depressão (5,55%) e nenhum pai apresentou índice severo grave de depressão, nas 18 mães entrevistadas 3 apresentaram índice leve de depressão(16,67%), ao passo que dos 18 pais entrevistados 5 apresentaram índice leve de depressão (27,78%), nas 18 mães entrevistadas 3 apresentaram índice moderado de depressão (16,67%), ao passo que dos 18 pais entrevistados 2 apresentaram índice moderado de depressão (11,11%).nas 18 mães entrevistadas 11 apresentaram índice mínimo de depressão (61,11%), ao passo que dos 18 pais entrevistados, 11 apresentaram o mesmo BDI (61,11%). Constatou-se então que a correlação entre as respostas dadas pelas mães e pelos pais foi significativa, pois prevaleceu entre os mesmos o índice mínimo de depressão e o estilo parental de risco, os outros demais escores não obteve diferença significativas, ou seja, as respostas das mães e dos pais apresentaram um mesmo padrão. CONCLUSÃO(ÕES): A literatura aponta para a existência de 2 práticas positivas (comportamento moral e monitoria positiva), e 5 práticas negativas: monitoria negativa, disciplina relaxada, punição inconsistente, abuso físico e negligência, as quais influenciam o desenvolvimento infantil, ou seja, famílias que adotam práticas mais negativas tendem a ter mais o estilo parental de risco e o índice de depressão mais elevado, já os pais que adotam práticas mais positivas tenderiam a apresentar índice baixo de depressão. No presente trabalho foi observado que pais obtiveram maior índice no IEP como estilo parental de risco e no BDI escore mínimo de depressão. Os dados obtidos por meio dos inventários não corroboram os dados da literatura, uma vez que os pais e mães com índice parental de risco apresentaram escores mínimos de depressão no Inventário de Depressão de Beck. Algumas hipóteses podem ser levantadas para esta não correlação: é possível que dificuldades na compreensão do Inventário de Depressão tenham comprometido os resultados obtidos, além disso, os pais não estão habituados a observarem e descreverem seu próprio comportamento, ainda mais em um ambiente (Clínica Escola) onde a expectativa é o relato de problemas relacionado à criança e não a si próprios. Deste modo, perguntas como você tem chorado ou têm pensamentos suicidas podem parecer sem sentido. A despeito da não relação entre as variáveis estudadas, cabe-se ressaltar o fato da maioria dos pais (61,11%) e mães (66,67%) terem apresentado estilo parental negativo, evidenciado um risco para o desenvolvimento infantil. PALAVRAS CHAVES: práticas educativas parentais, estilos parentais, relacionamento paifilho e depressão. REFERÊNCIAS: 1. ALVARENGA, P., OLIVEIRA, J.M & LINS, T. O impacto da depressão materna nos problemas internalizantes de pré-escolares. Aletheia, 38-39, maio/dez, (2012). 2. ALVARENGA, P., & PICCINI, C. A. O impacto do temperamento, da responsividade e das práticas educativas maternas no desenvolvimento dos problemas de externalização e da competência social. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20, (2007).

9 29 3. BANACO, R. A. Adolescentes e terapia comportamental. Em: Rangé, B. (Org.). Psicoterapia Comportamental e Cognitiva: Pesquisa, Prática, Aplicações e Problemas. Editorial Psy. (1995). 4. BECK, A. T., RUSH, A. J., SHAW, B. F. & Emery, G. Terapia cognitiva da depressão. Porto Alegre: Artes Médicas. (1997). 5. BOECKEL, M. G. & CASTELLÁ SARRIERA, J. Análise fatorial do Questionário de Estilos Parentais (PAQ) em uma amostra de adultos jovens universitários. Psico USF, 10 (1), (2005). 6. BOECKEL, G. M., & SARRIERA, C. J. Estilos parentais, estilos atribucionais e bemestar psicológico em jovens universitários. Revista Brasileira Crescimento Desenvolvimento Humano, 16(3), Acedido em Junho 4, 2012, em (2006). 7. BOLSONI-SILVA, A. T., & MARTURANO, E. M. A qualidade da interação positiva e da consistência parental na sua relação com problemas de comportamento de préescolares. Revista Interamericana de Psicologia, 41(3), (2007). 8. FRANCISCO, V. L., PIRES, A., PINGO, S., HENRIQUES, R., ESTEVES, M. A. & VALADA, M. J. A depressão materna e o seu impacto no comportamento parental. Análise Psicológica, Lisboa, 25(2), (2007). 9. GOMIDE, P.I.C. Estilos Parentais e comportamento anti-social. In A. Del Prette & Z. Del Prette (Orgs.). Habilidades sociais, desenvolvimento e aprendizagem: questões conceituais, avaliação e intervenção (21-60). Campinas: Alínea. (2003). 10. GOMIDE, P.I.C. (2004). Pais presentes, pais ausentes. Petrópolis: Vozes. GOMIDE, P. I. C. Pais presentes, pais ausentes: regras e limites. Petrópolis: vozes, GOMIDE, P. I. C., SALVO, C. G.,PINHEIRO, D. P. N., &SABBAG, G. M. (Correlação entre práticas educativas, depressão, stress e habilidades sociais. Psico-USF, 10 (2), (2005). 12. GOMIDE, P. I. C. Inventário de estilos parentais: modelo teórico manual de aplicação, apuração e interpretação. Petrópolis: Vozes. (2006). 13. JUSTO, A. A influência do estilo parental no stress do adolescente. Dissertação de mestrado. Brasil. Consultado a 19 de Outubro de (2005). 14. MENDES, A. V., LOUREIRO, S. R. & CRIPPA, J. A. S. Depressão Materna e a saúde mental de Escolares. Revista de Psiquiatria Clínica da USP, 35(5), (2008). 15. MINETTO, M. F. J. Práticas Educativas Parentais, Crença Parental, Stress Parental e funcionamento familiar de pais de crianças com desenvolvimento típico e atípico. Tese (Doutorado em Psicologia) Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade Federal de Santa Catarina. (2010). 16. MONDIN, E.M.C. Práticas educativas parentais e seus efeitos na criação dos filhos. Psicologia Argumento, 26, p (2008).

10 BOLSONI SILVIA, A. T., &MARTURANO, E. M. Práticas educativas e problemas de comportamento: uma análise à luz das habilidades sociais.estudos de Psicologia, 7(2), (2002). 18. MONDIN, E. M. C. Práticas educativas parentais e seus efeitos na criação dos filhos. Psicologia Argumento, 26(54), (2008). 19. NOGUEIRA, S. C. Práticas Parentais e indicadores de ansiedade, depressão e estresse maternos. Dissertação (mestrado em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru. (2013). 20. OLIVEIRA, T.T.S.S; CALDANA,R.H.L. Mães psicólogas ou psicólogas mães:vicissitudes na educação dos filhos.estudos de Psicologia, v.9, n.3, p , PEREIRA, A. R. & SANTOS, J. L. F. Doença Mental Materna, estilos parentais e suporte social Estudo das concepções de mães e adolescentes no interior de São Paulo. Journal of Human Growth and Development, 22(1), (2012). 22. REPPOLD, C. T. Estilo parental percebido e adaptação psicológica de adolescentes adotados. Dissertação de Mestrado não-publicada, Instituto 23. de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS. Salvador, A. P. V., & Webber, L. N. D (2005). Práticas educativas parentais um estudo comparativo da interação familiar de dois adolescentes distintos. Interação em Psicologia, 9, (2001). 24. REPPOLD, C. T.;PACHECO, J.BARDAGI, M. &HUTZ, C. S. Prevenção de problemas de comportamento e desenvolvimento de competências psicossociais em crianças e adolescentes: Uma análise das práticas educativas e estilos parentais. Em C. S. Hutz (Org.). Situações de risco e vulnerabilidade na infância e na adolescência: Aspectos teóricos e estratégias de intervenção (pp.7-52). São Paulo: Casa do Psicólogo. (2002). 25. SALVADOR, A. P. V. Análise da relação entre práticas educativas parentais, envolvimento com tarefas escolares, depressão e desempenho acadêmico. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal do Paraná. Curitiba-PR. (2007). 26. SANTOS, V. A. B. Stress Parental e Práticas Parentais em mãe de crianças com perturbação de Hiperatividade com Déficit de Atenção. Mestrado integrado em psicologia (Secção de Psicologia Clínica e da Saúde/ Núcleo de Psicologia Clinica Dinâmica). Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação. (2008). 27. WAHLER, R. G. Deviant child behavior within the family: Development speculations and behavior change strategies. Em H. Leitenberg (Ed.), Handbook of behavior modification and behavior theory (pp ). New Jersey: Prentice Hall. (1976). 28. WEBER, L., BRANDENBURG, O., & VIEZZER, A. Estudo preliminar elaboração de um instrumento de medida de qualidade das interações familiares. Em: Anais do IX

11 31 Congresso Brasileiro de Psicologia do Desenvolvimento, João Pessoa, p (2003). 29. WEBER, L. N. D. Interações entre família e desenvolvimento. Em: Weber, L. N. D. (Org.). Família e desenvolvimento: visões interdisciplinares. Curitiba: Juruá. (2008). 30. COSTA, TEIXEIRA, GOMES. Responsividade e Exigência duas escalas para avaliar estilos parentais (pp ). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. (2000). 31. WEBER,PRADO,VIEZZER,BRANDENBURG. Identificação de Estilos Parentais O ponto de vista dos pais e dos filhos (PP ). Universidade Federal do Paraná. (2004). APOIO FINANCEIRO: PIBIC/CNPq

12 32 EFEITOS DA PREVISIBILIDADE DE ESTIMULOS INCONTROLAVEIS SOBRE AS FASES DO ESTRO EM RATAS Bolsista: Thamires Gaspar Gouveia Orientadora: Maria Cristina Zago Castelli Co-Orientador: Lourenço de Souza Barba Curso: Psicologia INTRODUÇÃO: A Depressão é uma das psicopatologias de maior incidência na sociedade atual. Pode-se identificar uma considerável diferença entre os gêneros: há maior prevalência dessa psicopatologia em mulheres. Segundo Porto (2012) e Palanza (2001), diversos autores dentro da abordagem biológica, levam em conta que a diferença na incidência de depressão aumenta em épocas em que acontecem as principais alterações hormonais, como a puberdade e o climatério e sugerem que os hormônios sexuais femininos têm um papel importante na depressão. Dessa forma, uma maneira que nos parece muito frutífera de compreender esse fenômeno é focalizar essa interação complexa comportamento, ambiente e gênero. Muitos modelos já foram propostos para se estudar a depressão. O desamparo aprendido é o que melhor mimetiza a depressão em vários aspectos: similaridade com os sintomas, etiologia, cura e prevenção (Hunziker, 2003). Dados indicam que a variável previsibilidade/imprevisibilidade, ao interagir com a variável incontrolabilidade, pode ter um papel central na determinação do efeito desamparo aprendido. A variável gênero parece também desempenhar um papel importante na produção do desamparo aprendido quando combinada a previsibilidade dos choques (Castelli, 2004). OBJETIVO(S): O presente trabalho teve por objetivo comparar estudos de desamparo aprendido que utilizaram fêmeas, analisar os diferentes delineamentos planejados e confrontar os resultados. MATERIAL E METODO: Dentre os periódicos pesquisados, pode-se destacar: Behavioral Neuroscience; Animal Learning and Behavior; Biological Psychology; Journal of Experimental Psychology: Animal Process; Psicologia Teoria e Pesquisa, diversas dissertações e teses. O período abrangido para esse levantamento foi RESULTADOS: A combinação de algumas variáveis como fator crítico continua sendo pouco explorada, apesar de já ser suspeitada. O foco da maioria dos trabalhos ou está na questão apenas biológica, ou na questão de detalhes de procedimentos. Os trabalhos relatados na literatura com fêmeas, em sua maioria, não manipularam as fases do estro. Dos trabalhos que manipulam, identificam o estro no tratamento e outros no teste; outros produzem a ausência total das fases do estro ou a masculinização das fêmeas, como realizado por Dalla, Edgecomb, Whestone, Shors (2007). Há ainda alguns relatos de pesquisa que utilizaram na fase de teste uma resposta pouco precisa e os resultados ficaram comprometidos em função dessa mensuração. Os resultados desse experimento foram surpreendente, mesmo fêmeas sem gônadas ou fêmeas masculinizadas não apresentaram efeitos de desamparo, ao passo que machos apresentaram. Observou-se que existem algumas evidências de que os hormônios femininos não estão diretamente envolvidos na expressão do desamparo. Os próprios autores apontam fatores genéticos e/ou epigenéticos como contribuintes para essas diferenças entre gêneros. Entretanto, um fator importante que fora desconsiderado pelos autores, é o intervalo programado fixo de 60s entre choques, tornando-se previsíveis pelo tempo. Tal variável não é analisada, e segundo a literatura (Castelli, 2004; Porto 2012), os efeitos da previsibilidade na fase teste e/ou treino são contrastantes entre os gêneros: as fêmeas dos grupos incontroláveis apresentam padrão de aprendizagem, ao passo que os machos, dos grupos controláveis, apresentam maior frequência de falhas.

13 33 CONCLUSÃO(ÕES): A variável fase do estro mostra-se na literatura, como uma possível variável crítica no efeito do desamparo aprendido em ratas, mas os resultados dos estudos pesquisados nesse trabalho, não foram ao encontro dessa suspeita. Há diversos experimentos apresentando pouca ou nenhuma influência da questão hormonal no momento de indução ao desamparo ou na fase de teste. Por outro lado, observou-se na literatura grande variabilidade de desempenho entre as fêmeas talvez isso, possa ser explicado pelo estro, entretanto, não parece influir no fenômeno do desamparo de maneira contundente. Os resultados dos experimentos com desamparo aprendido, em conjunto, até onde esse estudo analisou, apontam para uma combinação previsibidade/incontrolabilidade/gênero determinando o aparecimento ou não do efeito do desamparo. PALAVRAS CHAVES: desamparo aprendido, gênero, fêmeas, fases do estro, incontrolabilidade, previsibilidade. REFERÊNCIAS: 1. BERSH, P. J., WHITEHOUSE, W. G., BLUSTEIN, J. E., & ALLOY, L. B. (1986). Interaction of Pavlovian conditioning with a zero operant contingency: chronic exposure to signaled inescapable shock maintains learned helplessness effects. Journal of Experimental Psychology: Animal Behavior Processes, 12, CASTELLI, M.C.Z (2004). Efeitos da (im)previsibilidade de estímulos no desamparo aprendido: uma comparação entre ratos machos e fêmeas. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo. 3. DALLA,C., EDGECOMB, C., WHESTONE,A.S., SHORS, T.J (2007) Females do not express learned helplessnesslike males do. Neuropsychopharmacology, 33, GOUVEIA JR, A. (2001). Efeitos da administração aguda de imipramina sobre o desamparo aprendido em ratos machos e fêmeas. Acta Comportamentalia, 9, HEINSBROEK, R.P.W., HAAREN, F.V., POLL, N.E.V. & STEENBERGEN, H.L. (1991). Sex differences en the behavioral consequences of inescapable footshocks depend on time since shock. Physiology and Behavior, 49, HUNZIKER, M.H.L. (2003). Desamparo Aprendido. Tese de Livre Docência apresentada ao Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. 7. JENKINS, J. A., WILLIAMS, P., KRAMER, L., DAVIS, L.L. & FREDERICK PETTY (2001). The influence of gender and the estrous cycle on learned helplessness in the rat. Biological Psychology, 58, KIRK, R. C. & BLAMPIED, N. M. (1985). Activity during inescapable shock and subsequent escape avoidance learning: female and male rats compared. Journal of Psychology, 14, PADILLA, E.,PHARM. D., BARRETT, D.D., SHUMAKE, J. D., GONZALEZ-LIMA, F. (2009). Strain, Sex, and Open-Field Behavior: Factors Underlying the Genetic Susceptibility to Helplessness. Behav Brain Res; 201(2):

14 PALANZA, P. (2001). Animal models os anxiety and depression: how are females different? Neuroscience and Biobehavioral Reviews, 25, PORTO, T.H. (2012). Imunização do desamparo aprendido com reforço positivo em ratos em função da previsibilidade, controlabilidade e sexo. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo. 12. SHORS, T. J., MATHEW, J., SISTI, H. M., EDGECOMB, C., BECKOFF, S., DALLA, C. (2007). Neurogenesis and helplessness are mediated by controllability in males but not in females. Biological Psychiatry, 6215, SUPORTE FINANCEIRO: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP)

PRÁTICAS EDUCATIVAS: UMA ORIENTAÇÃO PARA PAIS (2012) 1

PRÁTICAS EDUCATIVAS: UMA ORIENTAÇÃO PARA PAIS (2012) 1 PRÁTICAS EDUCATIVAS: UMA ORIENTAÇÃO PARA PAIS (2012) 1 DE DEUS, Meiridiane Domingues 2, JAGER, Márcia Elisa, DIAS 3, Ana Cristina Garcia 4 1 Trabalho de extensão- UFSM; 2 Acadêmica do Curso de Psicologia

Leia mais

Habilidades sociais: Conceitos e campo teórico-prático.

Habilidades sociais: Conceitos e campo teórico-prático. Del Prette, A. & Del Prette, Z. A. P. Habilidades sociais: Conceitos e campo teórico-prático. Texto online, disponibilizado em http://www.rihs.ufscar.br, em dezembro de 2006. O campo teórico-prático das

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO TÍTULO: ALUNOS COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM ATENDIDOS NO PROJETO EDUCAÇÃO ESPECIAL: ATIVIDADES DE EXTENSÃO, PESQUISA E ENSINO AUTORES: Luis Henrique de Freitas Calabresi, Maria da Piedade Resende da

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO COMPORTAMENTO ANTISSOCIAL INFANTIL Marcelle Teixeira Bertini Natália

Leia mais

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO 5PAC016 PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Prof.ª Dra. Maria Luiza Marinho Casanova 1 TERAPIA DE CASAIS

Leia mais

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 660 ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Camila Rodrigues Costa 1, 2 Matheus

Leia mais

PRÁTICAS DE INTERVENÇÃO EM SAÚDE MENTAL NA INFÂNCIA

PRÁTICAS DE INTERVENÇÃO EM SAÚDE MENTAL NA INFÂNCIA PRÁTICAS DE INTERVENÇÃO EM SAÚDE MENTAL NA INFÂNCIA Marina Aparecida Luiz de Freitas 1 ; Jhainieiry Cordeiro Famelli Ferret 2 RESUMO: A saúde mental de crianças e de adolescentes tornou-se uma questão

Leia mais

Gravidez na adolescência e impactos no desenvolvimento infantil. Lúcia Cavalcanti de Albuquerque Williams Novembro de 2013

Gravidez na adolescência e impactos no desenvolvimento infantil. Lúcia Cavalcanti de Albuquerque Williams Novembro de 2013 Gravidez na adolescência e impactos no desenvolvimento infantil Lúcia Cavalcanti de Albuquerque Williams Novembro de 2013 LAPREV Violência(Família e Escola) Pesquisa Ensino Intervenção/Consultoria/Capacitação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

03 - Análise da técnica projetiva de desenho htp em um caso de suspeita de abuso sexual na infância.

03 - Análise da técnica projetiva de desenho htp em um caso de suspeita de abuso sexual na infância. Psicologia Clínica 01 - A prática de atividade física e sua relação com o gênero em idosos. 02 - A Prática do Psicodiagnóstico: Um caso de apática infantil. 03 - Análise da técnica projetiva de desenho

Leia mais

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA?

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? Autores: ANA BÁRBARA DA CONCEIÇÃO SANTOS, AYSLAN MELO DE OLIVEIRA, SUSANA DE CARVALHO, INTRODUÇÃO No decorrer do desenvolvimento infantil,

Leia mais

Estruturas das Sessões em TCC

Estruturas das Sessões em TCC Estruturas das Sessões em TCC Eliana Melcher Martins - Mestre em Ciências pelo Depto. de Psicobiologia da UNIFESP - Especialista em Medicina Comportamental pela UNIFESP - Psicóloga Clínica Cognitivo Comportamental

Leia mais

Núcleo 2.8 - Terapia Comportamental

Núcleo 2.8 - Terapia Comportamental Núcleo 2.8 - Terapia Comportamental DEPARTAMENTOS ENVOLVIDOS: Métodos e Técnicas COORDENADOR: Paola Espósito de Moraes Almeida PROFESSORES: Alice Maria de Carvalho Dellitti, Denigés Maurel Regis Neto,

Leia mais

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE. Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE. Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo PSICOPATOLOGIA Psicopatologia é uma área do conhecimento que objetiva estudar os estados psíquicos relacionados ao sofrimento mental. É a

Leia mais

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PATRÍCIA LORENA QUITÉRIO patylorenaq@gmail.com PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PROPED/UERJ) 1 INTRODUÇÃO A oficina

Leia mais

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO Prof. Dr. Carlo Schmidt Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial INTRODUÇÃO Caracterização: Do que estamos falando? TDAH Autismo O que essas condições têm

Leia mais

Equivalência de Estímulos e Autismo: Uma Revisão de Estudos Empíricos 1. Stimulus Equivalence and Autism: A Review of Empirical Studies

Equivalência de Estímulos e Autismo: Uma Revisão de Estudos Empíricos 1. Stimulus Equivalence and Autism: A Review of Empirical Studies Psicologia: Teoria e Pesquisa Out-Dez 2010, Vol. 26 n. 4, pp. 729-737 Equivalência de Estímulos e Autismo: Uma Revisão de Estudos Empíricos 1 Camila Graciella Santos Gomes André Augusto Borges Varella

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS PARENTAIS E O RELACIONAMENTO ENTRE PAIS E FILHO 1 PARENTS SOCIAL SKILLS AND THE PARENT-CHILD RELATIONSHIP

HABILIDADES SOCIAIS PARENTAIS E O RELACIONAMENTO ENTRE PAIS E FILHO 1 PARENTS SOCIAL SKILLS AND THE PARENT-CHILD RELATIONSHIP HABILIDADES SOCIAIS PARENTAIS E O RELACIONAMENTO ENTRE PAIS E FILHO 1 Fabiana Cia * Camila de Sousa Pereira # Zilda Aparecida Pereira Del Prette Almir Del Prette æ RESUMO. O presente estudo teve por objetivos:

Leia mais

HABILIDADE EMPÁTICA EM GRADUANDOS DE ENFERMAGEM: DIMENSÕES COGNITIVA E AFETIVA. Célia Caldeira Fonseca Kestenberg¹, Natalia André Barbosa Silva²

HABILIDADE EMPÁTICA EM GRADUANDOS DE ENFERMAGEM: DIMENSÕES COGNITIVA E AFETIVA. Célia Caldeira Fonseca Kestenberg¹, Natalia André Barbosa Silva² HABILIDADE EMPÁTICA EM GRADUANDOS DE ENFERMAGEM: DIMENSÕES COGNITIVA E AFETIVA Célia Caldeira Fonseca Kestenberg¹, Natalia André Barbosa Silva² INTRODUÇÃO A empatia é uma habilidade socialmente aprendida,

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica EFEITOS DO MONITORAMENTO DOS PAIS SOBRE COMPORTAMENTO DE ESTUDO DE ALUNOS EM INÍCIO DE ESCOLARIZAÇÃO

18º Congresso de Iniciação Científica EFEITOS DO MONITORAMENTO DOS PAIS SOBRE COMPORTAMENTO DE ESTUDO DE ALUNOS EM INÍCIO DE ESCOLARIZAÇÃO 18º Congresso de Iniciação Científica EFEITOS DO MONITORAMENTO DOS PAIS SOBRE COMPORTAMENTO DE ESTUDO DE ALUNOS EM INÍCIO DE ESCOLARIZAÇÃO Autor(es) ELAINE CRISTINA GUTIERREZ Orientador(es) LEILA MARIA

Leia mais

Transtornos do Comportamento da Criança

Transtornos do Comportamento da Criança Transtornos do Comportamento da Criança 01 ... Para aquele que não sabe como controlar seu íntimo, inventar-se-á controle Goethe 02 Definição Comportamento é o conjunto de atitudes e reações do indivíduo

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

Terapia Comportamental de Casais

Terapia Comportamental de Casais CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Terapia Comportamental de Casais Ana Paula M. Carvalho Cinthia Cavalcante

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES

USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES Bianca Oliveira Garcia da Silva (Estudante de Psicologia) email: bia_podih@hotmail.com, Bruna Alves (Estudante de Psicologia) email: bruna-psi@hotmail.com, Ana

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Práticas educativas e intervenção com pais: a educação como proteção ao desenvolvimento dos filhos

Práticas educativas e intervenção com pais: a educação como proteção ao desenvolvimento dos filhos Mudanças Psicologia da Saúde, 21 (1), Jan-Jun 2013, 29-40p Copyright 2013 pelo Instituto Metodista de Ensino Superior CGC 44.351.146/0001-57 Práticas educativas e intervenção com pais: a educação como

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS. Curso de Psicoterapia Comportamental (Curso de Especialização Necpar/Cesumar) MODELOS CONCEITUAIS DO THS

HABILIDADES SOCIAIS. Curso de Psicoterapia Comportamental (Curso de Especialização Necpar/Cesumar) MODELOS CONCEITUAIS DO THS HABILIDADES SOCIAIS Curso de Psicoterapia Comportamental (Curso de Especialização Necpar/Cesumar) ALMIR DEL PRETTE e ZILDA A. P. DEL PRETTE adprette@ufscar.br e zdprette@ufscar.br UFSCar DEPsi GRUPO RIHS:

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DA FAMÍLIA-ESCOLA NAS ATIVIDADES NÃO ACADÊMICAS DOS PRÉ-ESCOLARES: ENSINO COMUM E ESPECIALIZADO

O ENVOLVIMENTO DA FAMÍLIA-ESCOLA NAS ATIVIDADES NÃO ACADÊMICAS DOS PRÉ-ESCOLARES: ENSINO COMUM E ESPECIALIZADO O ENVOLVIMENTO DA FAMÍLIA-ESCOLA NAS ATIVIDADES NÃO ACADÊMICAS DOS PRÉ-ESCOLARES: ENSINO COMUM E ESPECIALIZADO Danielli Silva Gualda Fabiana Cia Programa de pós-graduação em Educação Especial, Universidade

Leia mais

CORRELAÇÕES ENTRE AS CONDIÇÕES DE NASCIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DE BEBÊS NOS DOIS PRIMEIROS MESES DE VIDA RESUMO

CORRELAÇÕES ENTRE AS CONDIÇÕES DE NASCIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DE BEBÊS NOS DOIS PRIMEIROS MESES DE VIDA RESUMO CORRELAÇÕES ENTRE AS CONDIÇÕES DE NASCIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DE BEBÊS NOS DOIS PRIMEIROS MESES DE VIDA Taís Chiodelli¹; Veronica Aparecida Pereira 2 ; Olga Maria Piazentin Rolim Rodrigues 3, Carla

Leia mais

TÉCNICAS COMPORTAMENTAIS NO ÂMBITO DA SAÚDE

TÉCNICAS COMPORTAMENTAIS NO ÂMBITO DA SAÚDE ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 TÉCNICAS COMPORTAMENTAIS NO ÂMBITO DA SAÚDE Amanda Gargantini Ferreira 1 ; Roberta Yuri Komatsu 1

Leia mais

RESPOSTAS E EVENTOS SUBSEQÜENTES: CONTINGÊNCIA E CONTIGUIDADE 1 PUC-SP

RESPOSTAS E EVENTOS SUBSEQÜENTES: CONTINGÊNCIA E CONTIGUIDADE 1 PUC-SP RESPOSTAS E EVENTOS SUBSEQÜENTES: CONTINGÊNCIA E CONTIGUIDADE 1 MARIA AMALIA ANDERY E TEREZA MARIA SÉRIO 2 PUC-SP Desde a aula passada estamos discutindo relações entre respostas e alterações ambientais

Leia mais

PRÁTICAS EDUCATIVAS PARENTAIS E O USO DE DROGAS ENTRE OS ADOLESCENTES ESCOLARES.

PRÁTICAS EDUCATIVAS PARENTAIS E O USO DE DROGAS ENTRE OS ADOLESCENTES ESCOLARES. PRÁTICAS EDUCATIVAS PARENTAIS E O USO DE DROGAS ENTRE OS ADOLESCENTES ESCOLARES. Marta Mulhule, 1 Mayra Martins 2 RESUMO: Objetivo: identificar as práticas educativas dos pais na percepção dos adolescentes

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo geral: Os estudos na área das habilidades sociais no Brasil têm contemplado

Leia mais

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO SUPERANDO A DEPRESSÃO Andreza do Ouro Corrêa - andreza.correa@ymail.com Mayara Cristina Costa Mariângela Pinto da Silva Gislaine Lima da Silva - gilisilva@ig.com.br Curso de Psicologia Unisalesiano/ Lins

Leia mais

ENVELHECIMENTO, SUBJETIVIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

ENVELHECIMENTO, SUBJETIVIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA ENVELHECIMENTO, SUBJETIVIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Hilma Khoury Psicóloga, Doutora em Psicologia, Professora na Universidade Federal do Pará

Leia mais

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Edna Bedani Edna Bedani Mestre em Administração, Pós Graduada em Administração, com especialização em Gestão Estratégica de RH, graduada em

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

VIVÊNCIAS DE REPROVAÇÃO E AS ATRIBUIÇÕES CAUSAIS DE ESTUDANTES SOBRE O RENDIMENTO ESCOLAR EM MANAUS

VIVÊNCIAS DE REPROVAÇÃO E AS ATRIBUIÇÕES CAUSAIS DE ESTUDANTES SOBRE O RENDIMENTO ESCOLAR EM MANAUS VIVÊNCIAS DE REPROVAÇÃO E AS ATRIBUIÇÕES CAUSAIS DE ESTUDANTES SOBRE O RENDIMENTO ESCOLAR EM MANAUS Silva, Gisele Cristina Resende Fernandes 1 ; Mascarenhas, Suely Aparecida Nascimento 2 3 ; Silva, Iolete

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS

CONHECIMENTOS GERAIS CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Um dos potenciais econômicos do município de Campo Belo do Sul é a silvicultura, desenvolvida com destaque pela Fazenda Gateados. Tal atividade baseia-se em: a. Investimento

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE OS CONFLITOS INTERPESSOAIS E O BULLYING: UM ESTUDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS

AS RELAÇÕES ENTRE OS CONFLITOS INTERPESSOAIS E O BULLYING: UM ESTUDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS AS RELAÇÕES ENTRE OS CONFLITOS INTERPESSOAIS E O BULLYING: UM ESTUDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS Orientanda: Loriane Trombini Frick Orientadora: Profª Drª Maria Suzana

Leia mais

Compreendendo o controle aversivo

Compreendendo o controle aversivo Compreendendo o controle aversivo setembro 2012 Maura Alves Nunes Gongora [Universidade Estadual de Londrina] Justificativa: Controle aversivo constitui um amplo domínio do corpo teórico-conceitual da

Leia mais

O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR

O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR III SBA Simpósio Baiano de Arquivologia 26 a 28 de outubro de 2011 Salvador Bahia Políticas arquivísticas na Bahia e no Brasil O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR Poline Fernandes

Leia mais

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga 1. Por que este estudo é relevante? Segundo o relatório sobre a Carga Global das Doenças (Global

Leia mais

Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas

Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas Catarina Paulos Jornadas Litorais de Gerontologia: Intervenção Técnica no Processo de Envelhecimento Amarante, 26 de Setembro de 2007 Conteúdos Conceito

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R As fases do câncer ANTERIOR AO DIAGNÓSTICO RECUPERAÇÃO OU MORTE DIAGNÓSTICO A FASE

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL ORIENTAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DA AVALIAÇÃO QUALITATIVA DA APRENDIZAGEM SEMESTRAL Educação Infantil Estimulação Essencial e Pré-Escolar O relatório da Educação Infantil - Estimulação Essencial

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - 040 Curso: Psicologia Núcleo Temático:Psicologia e Saúde Coletiva Disciplina:Psicologia Escolar I Professor(es): Marcos Vinícius de Araújo

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHSADCSAMT04 A MONITORIA COMO SUBSÍDIO AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM: O CASO DA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NO CCHSA-UFPB Moisés de Assis Alves Soares (1) ; Kadidja Ferreira Santos (3) ;

Leia mais

ENTREVISTA CLÍNICA INICIAL COM ADULTOS SOB A PERSPECTIVA DO

ENTREVISTA CLÍNICA INICIAL COM ADULTOS SOB A PERSPECTIVA DO ENTREVISTA CLÍNICA INICIAL COM ADULTOS SOB A PERSPECTIVA DO RESUMO: TERAPEUTA INICIANTE Rodrigo Dal Ben de Souza * Victor Rodrigo Tardem Delefrati ** Marcos Roberto Garcia *** A entrevista clínica inicial

Leia mais

Grade Curricular - Psicologia (Psicologia - integral)

Grade Curricular - Psicologia (Psicologia - integral) Grade Curricular - Psicologia (Psicologia - integral) SEMESTRE 1 - Obrigatórias BIO0105 Biologia 6 0 6 MAE0112 Introducao a Probabilidade e a Estatistica I 4 0 4 PSA0113 Psicologia da Aprendizagem PSE0101

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA ESCOLAR: (RE) CONSTRUINDO CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE ATITUDES POSITIVAS EM RELAÇÃO À GEOMETRIA

ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA ESCOLAR: (RE) CONSTRUINDO CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE ATITUDES POSITIVAS EM RELAÇÃO À GEOMETRIA ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA ESCOLAR: (RE) CONSTRUINDO CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE ATITUDES POSITIVAS EM RELAÇÃO À GEOMETRIA Nelson Antonio Pirola UNESP npirola@uol.com.br Resumo: O minicurso

Leia mais

Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA

Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA Elaboramos soluções de formação customizadas de acordo com as necessidades específicas dos clientes. Os nossos clientes são as empresas, organizações e instituições que pretendem

Leia mais

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição.

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição. A FAMÍLIA E ESCOLA Profa.Dra.Claudia Dechichi Instituto de Psicologia Universidade Federal de Uberlândia Contatos: (34) 9123-3090 (34)9679-9601 cdechichi@umnuarama.ufu.br A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO

Leia mais

Potencializando um grupo de idosos em uma comunidade rural: pesquisa convergente assistencial

Potencializando um grupo de idosos em uma comunidade rural: pesquisa convergente assistencial Potencializando um grupo de idosos em uma comunidade rural: pesquisa convergente assistencial Ana Rita Marinho Machado. UFG/ Campus Goiânia. anaritamachado.doutorado@yahoo.com.br Denize Bouttelet MUNARI.

Leia mais

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes.

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. MARCELA GARCIA MANOCHIO PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. Projeto de Estágio extracurricular em Processos Educativos, desenvolvido para

Leia mais

ISBN 978-85-64468-27-6. 1. Psicologia Crianças. I. Título. CDU 159.9-053.2. Catalogação na publicação: Mônica Ballejo Canto CRB 10/1023

ISBN 978-85-64468-27-6. 1. Psicologia Crianças. I. Título. CDU 159.9-053.2. Catalogação na publicação: Mônica Ballejo Canto CRB 10/1023 Pausa no cotidiano L692 Lhullier, Raquel Barboza Pausa no cotidiano: reflexões para pais, educadores e terapeutas / Raquel Barboza Lhullier. Novo Hamburgo : Sinopsys, 2014. 88p. ISBN 978-85-64468-27-6

Leia mais

Formação na Metodologia do Coaching em Resiliência Material do Participante. Eu me posicionei como. Isso desencadeia/ repercute em mim.

Formação na Metodologia do Coaching em Resiliência Material do Participante. Eu me posicionei como. Isso desencadeia/ repercute em mim. Eu me posicionei como Isso desencadeia/ repercute em mim Conjunção ENCONTRO Data: / / Horário: Nome do Coachee: Nome do Coach: Local: Empresa: CONSIDERO QUE APÓS O MEU PROCESSO DE PROMOÇÃO DA RESILIÊNCIA

Leia mais

POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DE SÃO PAULO

POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DE SÃO PAULO CURSO: ATENDIMENTO A HOMENS AUTORES DE VIOLÊNCIA FAMILIAR 1. Dados de Identificação do Curso 1.1 Título do Curso Atendimento a homens autores de violência familiar. 2. Objetivo Geral No contexto latino-americano,

Leia mais

Ano Lectivo 2009/2010

Ano Lectivo 2009/2010 INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANT AR ÉM Escola Superior de Desporto de Rio Maior PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO Adaptações psicológicas da gravidez e pós-parto Ano Lectivo 2009/2010

Leia mais

Resumo. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva

Resumo. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva ISSN 1982-3541 2012, Vol. XIV, nº 1, 64-69 Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva Desenvolvimento de um sistema multidimensional para a categorização de comportamentos na interação terapêutica:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR Larissa Brito da Silva, Waleria Maria de Sousa Paulino, Stefania Germano Dias, Flavio Pereira de Oliveira, Leilane Menezes Maciel

Leia mais

Diagnóstico em psicoterapia. Método psicoterapêutico e da avaliação dos seus resultados. Ética dos processos terapêuticos.

Diagnóstico em psicoterapia. Método psicoterapêutico e da avaliação dos seus resultados. Ética dos processos terapêuticos. COMUNS AO DOUTORADO ANÁLISE DE VARIÂNCIA E DE REGRESSÃO Análise de regressão múltipla. Tipos mais comuns de análise de regressão. Análise de variância para planos fatoriais (ANOVA). Análise de variância

Leia mais

BEHAVIORISMO NO PARANÁ EM TEMPOS DE DITADURA MILITAR: O CASO DA UEL

BEHAVIORISMO NO PARANÁ EM TEMPOS DE DITADURA MILITAR: O CASO DA UEL BEHAVIORISMO NO PARANÁ EM TEMPOS DE DITADURA MILITAR: O CASO DA UEL Marcelo Mazzotti Bono Belascusa (PIBIC/CNPq/FA/UEM), Carlos Lopes Eduardo (Orientador), e-mail: caedlopes@gmail.com, Carolina Laurenti

Leia mais

VAMOS PARA O PÁTIO? O LUGAR DA BRINCADEIRA NA ESCOLA RESUMO

VAMOS PARA O PÁTIO? O LUGAR DA BRINCADEIRA NA ESCOLA RESUMO VAMOS PARA O PÁTIO? O LUGAR DA BRINCADEIRA NA ESCOLA PRATI, Angela Comassetto Felippeto; KRUEL, Cristina Saling Mat. 2450291 ; Mat.14054 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Acadêmica do Curso de Psicologia

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

ANÁLISE DA ASSOCIAÇÃO ENTRE SINTOMAS DE STRESS E INASSERTIVIDADE EM MULHERES COM FATORES DE RISCO PARA DAC

ANÁLISE DA ASSOCIAÇÃO ENTRE SINTOMAS DE STRESS E INASSERTIVIDADE EM MULHERES COM FATORES DE RISCO PARA DAC ANÁLISE DA ASSOCIAÇÃO ENTRE SINTOMAS DE STRESS E INASSERTIVIDADE EM MULHERES COM FATORES DE RISCO PARA DAC Marília Zaparoli Falsetti Faculdade de Psicologia Centro de Ciências da Vida marilia.zf@puccamp.edu.br

Leia mais

TERAPIA COGNITIVO COMPORTAMENTAL: DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO, TENDENCIAS ATUAIS. RONDINA, Regina de Cássia RESUMO ABSTRACT

TERAPIA COGNITIVO COMPORTAMENTAL: DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO, TENDENCIAS ATUAIS. RONDINA, Regina de Cássia RESUMO ABSTRACT TERAPIA COGNITIVO COMPORTAMENTAL: DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO, TENDENCIAS ATUAIS. RONDINA, Regina de Cássia Profa. Dra. Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG - Garça/SP Brasil

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM APROVADO POR MAIORIA EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

ATITUDES EM RELAÇÃO À GEOMETRIA DE ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA

ATITUDES EM RELAÇÃO À GEOMETRIA DE ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA ATITUDES EM RELAÇÃO À GEOMETRIA DE ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA Mírian Moreira Menezes Venâncio mirian.me.ve@hotmail.com Odaléa Aparecida Viana odalea@pontal.ufu.br Resumo: Esta pesquisa tem como foco

Leia mais

TERAPIA POR CONTINGÊNCIAS DE REFORÇAMENTO (TCR) 1. HÉLIO JOSÉ GUILHARDI 2 Instituto de Terapia por Contingências de Reforçamento Campinas - SP

TERAPIA POR CONTINGÊNCIAS DE REFORÇAMENTO (TCR) 1. HÉLIO JOSÉ GUILHARDI 2 Instituto de Terapia por Contingências de Reforçamento Campinas - SP 1 TERAPIA POR CONTINGÊNCIAS DE REFORÇAMENTO (TCR) 1 HÉLIO JOSÉ GUILHARDI 2 Instituto de Terapia por Contingências de Reforçamento Campinas - SP A Terapia por Contingências de Reforçamento (TCR), sistematizada

Leia mais

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS XXI ABEAD - RECIFE ROBERTA PAYÁ ROBERTAPAYA@HOTMAIL.COM TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA PARA O TRANSTORNO DO ABUSO DE SUBSTANCIAS Um Modelo Integrativo

Leia mais

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE Karolayne Germana Leal e Silva e-mail: karolaynegermana@hotmail.com Magna Adriana de Carvalho e-mail: magnacreas@hotmail.com

Leia mais

Trabalhos Aprovados: Eixo: Educação Infantil Manhã (8:30 às 12:00hrs.) Sala 26

Trabalhos Aprovados: Eixo: Educação Infantil Manhã (8:30 às 12:00hrs.) Sala 26 AS APRESENTAÇÕES ACONTECERÃO DIA 20/05 (QUARTA-FEIRA), NO PERÍODO DA MANHÃ E DA TARDE! Trabalhos Aprovados: Eixo: Educação Infantil Manhã (8:30 às 12:00hrs.) Sala 26 s: Práticas na leitura e escrita na

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO (item a ser preenchido pela

Leia mais

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO INFANTIL: UMA REVISÃO DA LITERATURA

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO INFANTIL: UMA REVISÃO DA LITERATURA 164 AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO INFANTIL: UMA REVISÃO DA LITERATURA Dayla Mota de Carvalho (Uni-FACEF) Gabriel Pogetti Junqueira (Uni-FACEF) Sofia Muniz Alves Gracioli (Uni-FACEF) Profª. Drª. Maria Beatriz

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014

A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014 A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014 Um estado temporário de perturbação e desorganização, caracterizado principalmente

Leia mais

EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES

EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES Ana Karolina Paiva Braga 1 ; Juliana Campos Rodovalho 1 ; Lílian Fernanda Pacheco 2 ; Cibelle Kayenne Martins Roberto Formiga

Leia mais

Curso de Psicologia CÓDIGO B108478 PROGRAMA

Curso de Psicologia CÓDIGO B108478 PROGRAMA Curso de Psicologia 1º período DISCIPLINA: ELEMENTOS DE ANATOMIA B108478 EMENTA: - Estudo de todos os órgãos e sistemas do organismo humano, destacando as funções pertinentes a cada estrutura. DISCIPLINA:

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3 º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3 º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3 º 1 - Ementa (sumário, resumo) Relações

Leia mais

I Seminário. Estadual de enfrentamento ao CRACK. O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK

I Seminário. Estadual de enfrentamento ao CRACK. O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK Contextualização Social Economia Capitalista Transformações sociais Alterações nos padrões de comportamento

Leia mais

BARBOSA, Bruno Ferreira do Serrado 1 LOURENÇO, Bruno da Silva 2 SOUZA, Camila Cruz de 3 GONÇALVES, Albina Nascimento da Rocha 4

BARBOSA, Bruno Ferreira do Serrado 1 LOURENÇO, Bruno da Silva 2 SOUZA, Camila Cruz de 3 GONÇALVES, Albina Nascimento da Rocha 4 O QUE TE ESTRESSA, PROFESSOR? PANORAMA DO ESTRESSE DE PROFESSORES DA ESCOLA DE SAÚDE DO MEIO AMBIENTE DE UMA UNIVERSIDADE DA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO BARBOSA, Bruno Ferreira do Serrado 1 LOURENÇO,

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial Sub-departamento de Educação Especial A deficiência mental interfere directamente no funcionamento intelectual do ser humano, sendo este abaixo da média. O aluno apresenta comprometidos, além das funções

Leia mais

TRANSTORNOS DE HUMOR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS

TRANSTORNOS DE HUMOR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS TRANSTORNOS DE HUMOR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS Marina Aparecida Luiz de Freitas 1 ; Sandra Cristina Catelan-Mainardes 2 RESUMO: O presente estudo

Leia mais

ESTADO DA ARTE SOBRE O ADOLESCENTE TRABALHADOR: UM LEVANTAMENTO DOS ARTIGOS PUBLICADOS ENTRE 2003 E 2012

ESTADO DA ARTE SOBRE O ADOLESCENTE TRABALHADOR: UM LEVANTAMENTO DOS ARTIGOS PUBLICADOS ENTRE 2003 E 2012 ESTADO DA ARTE SOBRE O ADOLESCENTE TRABALHADOR: UM LEVANTAMENTO DOS ARTIGOS PUBLICADOS ENTRE 2003 E 2012 Andréa Cristina Oliveira Ferreira 1, Edna Maria Querido de Oliveira Chamon 2 1 Mestranda em Desenvolvimento

Leia mais

FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL

FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL Área Temática: Educação Modalidade: Comunicação Oral. Rosangela Maria Boeno (Coordenadora da Ação de Extensão) 1 Rosangela Maria Boeno 2 Adrieli Signorati

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DE RELACIONAMENTO INTERPESSOAL E I ENCONTRO LATINO-AMERICANO SOBRE FAMILIA E RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

III CONGRESSO BRASILEIRO DE RELACIONAMENTO INTERPESSOAL E I ENCONTRO LATINO-AMERICANO SOBRE FAMILIA E RELACIONAMENTO INTERPESSOAL III CONGRESSO BRASILEIRO DE RELACIONAMENTO INTERPESSOAL E I ENCONTRO LATINO-AMERICANO SOBRE FAMILIA E RELACIONAMENTO INTERPESSOAL De 19 a 22 de Julho de 2013 1) Tipo e título da atividade proposta: a)

Leia mais

Equipa Aventura Social

Equipa Aventura Social Projeto Equipa Aventura Social Coordenação Tempest Denise de Ridder, Utrecht University, The Nederlands Coordenação Tempest Nacional Margarida Gaspar de Matos, Universidade Técnica de Lisboa e Centro

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DO JUDÔ NO BENEFÍCIO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

A INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DO JUDÔ NO BENEFÍCIO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM A INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DO JUDÔ NO BENEFÍCIO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Lucas Henrique da Silva 1 Coautora: Elisângela de Carvalho Franco 2 RESUMO A presente comunicação tem por objetivo apresentar

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM.

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. Gabriela Marchiori CARMO AZZOLIN * Marina PEDUZZI** Introdução: O pressuposto

Leia mais