ERONICE RIBEIRO DE MORAIS OS SABERES E AS PRÁTICAS DE CUIDADORES FAMILIARES DE IDOSOS COM ALZHEIMER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ERONICE RIBEIRO DE MORAIS OS SABERES E AS PRÁTICAS DE CUIDADORES FAMILIARES DE IDOSOS COM ALZHEIMER"

Transcrição

1 0 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE/ DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ENFERMAGEM ERONICE RIBEIRO DE MORAIS OS SABERES E AS PRÁTICAS DE CUIDADORES FAMILIARES DE IDOSOS COM ALZHEIMER TERESINA (PI), 2009

2 1 ERONICE RIBEIRO DE MORAIS OS SABERES E AS PRÁTICAS DE CUIDADORES FAMILIARES DE IDOSOS COM ALZHEIMER Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação Mestrado em Enfermagem da Universidade Federal do Piauí, como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Mestre em Enfermagem. Orientadora: Profª. Drª. Maria do Livramento Fortes Figueiredo Área de Concentração: Enfermagem no contexto social brasileiro Linha de pesquisa: Processo de cuidar em saúde e enfermagem TERESINA (PI), 2009

3 2 ERONICE RIBEIRO DE MORAIS OS SABERES E AS PRÁTICAS DE CUIDADORES FAMILIARES DE IDOSOS COM ALZHEIMER Dissertação de Mestrado submetida à Banca Examinadora do Programa de Pós-Graduação Mestrado em Enfermagem, da Universidade Federal do Piauí-UFPI, como parte dos requisitos necessários para obtenção do título de Mestre em Enfermagem. Aprovada em: / / Profª. Drª. Maria do Livramento Fortes Figueiredo Universidade Federal do Piauí (UFPI) - Presidente Profª. Drª. Célia Pereira Caldas Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) - 1ª Examinadora Profª. Drª. Maria Helena Barros Araújo Luz Universidade Federal do Piauí (UFPI) - 2ª Examinadora Suplente: Profª. Drª. Benevina Maria Vilar Teixeira Nunes Universidade Federal do Piauí (UFPI)

4 Dedico este estudo aos meus pais, Osmina e Francisco, pelo amor incondicional e sabedoria transmitida de modo incessante e por sempre me fazerem acreditar no meu potencial e me sentir amada. Amo-os muito! 3

5 4 AGRADECIMENTOS A Deus, pela minha vida e pela luz que sempre ilumina o meu caminho e me dá coragem para prosseguir. À Universidade Federal do Piauí, na pessoa do Magnífico Reitor, Profº. Dr. Luis de Sousa Santos Júnior, pela realização do Programa de Pós-Graduação Mestrado em Enfermagem. À Coordenação do Programa de Pós-Graduação Mestrado em Enfermagem da Universidade Federal do Piauí UFPI, em nome das Professoras Doutoras Claudete Ferreira de Sousa Monteiro e Telma Maria Evangelista de Araújo, pela competência e dedicação no gerenciamento do curso. A minha orientadora, Profª. Drª. Maria do Livramento Fortes Figueiredo, pelo incentivo, dedicação e companheirismo. Sua ajuda foi essencial na construção deste estudo, pois aproximou-me da obra de um dos homens mais sábio deste país, que foi Paulo Freire, o que me possibilitou um enorme aprendizado. Às professoras do Programa de Mestrado em Enfermagem, pelo estímulo ao crescimento profissional. Às componentes da Banca de Qualificação, Profª Drª Maria Helena Barros Araújo Luz, Benevina Maria Vilar Teixeira Nunes, Inêz Sampaio Nery e Célia Pereira Caldas, por suas valiosas contribuições e reflexões. À Associação Brasileira de Alzheimer regional Piauí, na pessoa do Dr. João Carvalho, pela sua disponibilidade em colaborar com este estudo. Aos cuidadores familiares participantes desta investigação, pelo carinho e atenção com que me receberam em seus domicílios. Aos meus pais Francisco e Osmina, pelo o amor, dedicação, carinho e apoio incondicional em todas as minhas conquistas. Aos meus adoráveis filhos Matheus e Isadora pela compreensão, paciência e preocupação que tiveram comigo ao longo desta caminhada. Ao meu grande amor Carlos Augusto, pelo companheirismo e incentivo em todos os momentos desta trajetória. Meu pequeno grande homem, essa conquista é nossa. Aos meus irmãos, Edilson, Eliane e Caline, pela força, apoio, refúgio e fortaleza que representam em minha vida.

6 5 Às colegas do Mestrado, pelo compartilhamento de experiências. Em especial Laurimary Caminha Veloso, Sandra Marina e Jaqueline Carvalho e Silva, pelas mãos amigas e consolo durante os momentos difíceis e pelos momentos de felicidades que tivemos durante esta trajetória. A todos os enfermeiros do SAMU, pela ajuda e compreensão na concretização deste sonho. A todos servidores do Departamento de Enfermagem, em especial Reginaldo, Valdira Tajra e José Ribamar, pela disponibilidade e colaboração em atender. Ao colega Fernando Guedes Júnior, pela colaboração na formatação da pesquisa. A todos que contribuíram de alguma forma para a construção deste estudo, o meu muito obrigada.

7 6 Como uma Onda Nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia. Tudo passa tudo sempre passará. A vida vem em ondas como um mar num indo e vindo infinito. Tudo que se vê não é igual ao que a gente viu há um segundo tudo muda o tempo todo no mundo. Não adianta fugir nem mentir pra si mesmo agora há tanta vida lá fora aqui dentro sempre como uma onda no mar. (Lulu Santos/ Nelson Motta)

8 7 RESUMO O Brasil vive atualmente um acelerado crescimento da população idosa, elevandose a ocorrência de doenças crônico-degenerativas, como a Doença de Alzheimer, que apresenta um caráter progressivo e incapacitante, afetando inicialmente a memória recente e, posteriormente, outras funções cognitivas, levando à dependência, demandando cuidados e serviços diversos, tanto por parte dos profissionais de saúde, como dos cuidadores familiares, que irão necessitar de suporte assistencial na execução do cuidado ao idoso e na promoção de sua própria saúde. Partindo dessa problemática, esta pesquisa teve como objeto de estudo os saberes e práticas de cuidadores familiares de idosos com Alzheimer, cujos objetivos foram: descrever os saberes e práticas dos cuidadores familiares de idosos com Alzheimer e discutir à luz do referencial dialógico de Paulo Freire os saberes e práticas dos cuidadores familiares de idosos com Alzheimer. Trata-se de uma pesquisa descritiva, qualitativa, que contou com a participação de 14 cuidadores familiares como sujeito e teve como cenário os domicílios dos participantes localizados em Teresina PI. Os dados foram coletados através da entrevista semiestruturada e produzidos e analisados a partir da concepção teórica de Freire, mediante a técnica de análise de conteúdo de Bardin, através da qual emergiram as seguintes categorias: os saberes sobre a Doença de Alzheimer na voz dos cuidadores familiares; a essencialidade e a individualidade do cuidado familiar do idoso com Doença de Alzheimer; as necessidades e os sentimentos que envolvem a prática do cuidador familiar de idoso com Alzheimer e a influência das questões de gênero na determinação do cuidado familiar. Este estudo, que se originou de uma rica produção de dados, irá contribuir na assistência e servir de base para pesquisas congêneres em enfermagem, revelou saberes resultantes da construção sociocultural, fruto das experiências que envolvem esta relação de cuidados, e práticas individualizadas e essenciais à sobrevivência desses idosos. Além disso, manifestou necessidades e sentimentos de diversos matizes, desde as demandas financeiras até a própria aceitação do diagnóstico, gerando emoções variadas como: amor, carinho, raiva e revolta. As mulheres predominaram como cuidadoras, sendo possível identificar a influência das questões de gênero na determinação deste cuidado. Palavras-chaves: Enfermagem. Cuidador. Idoso. Doença de Alzheimer

9 8 ABSTRACT Brazil is currently witnessing a dramatic growth of the elderly population, with the rising occurrence of chronic degenerative diseases such Alzheimer's disease that has a progressive and disabling power, affecting, initially, the recent memory and, later, other cognitive functions, leading to dependence, demanding care and other services, both from health professionals as well as from family care-givers, who will need support in the execution of elderly care and in promoting their own health. Based on this problem, this research had as main goal to study the object of knowledge and practice of family care of elderly patients with Alzheimer's, whose objectives were: to describe the knowledge and practices of family caregivers of elderly with Alzheimer and discuss, in light of the dialogic reference of Paulo Freire, the knowledge and practices of family caregivers of elderly with Alzheimer. This is a descriptive, qualitative research, which had 14 family caregivers as the subject and had as scenario the households of participants located in Teresina-PI. Data were collected from structured interviews and produced and analyzed based on the theoretical concepts of Freire, by means of Bardin s technique of content analysis, through which emerged the following categories: knowledge about Alzheimer's disease in the voice of family caregivers; the essence and individuality of the family care of older persons with Alzheimer disease: the needs and feelings surrounding the practice of family caregivers of elderly with Alzheimer and the effect of gender in determining family care. This study, which arouse with a rich production of data will contribute to the assistance and be the groundings for similar research in nursing, revealed knowledge resulting from socio-cultural construction, the fruit of experiments involving the relationship of care and individualized practices essential to the survival of the elderly. In addition, it revealed needs and feelings of various sorts, including financial demands and the acceptance of the diagnosis, as well, which generated various emotions such as love, affection, anger and revolt. Women predominated as caregivers, and it is possible to identify the effect of gender in the determination of this care. Keywords: Nursing. Caregiver. Elderly. Alzheimer

10 9 RESUMEN Brasil está viviendo hoy un rápido crecimiento de la población de adultos mayores, con elevación de la incidencia de enfermedades crónico-degenerativas como la enfermedad de Alzheimer que tiene un carácter progresivo e incapacita la persona, que afecta inicialmente la memoria reciente y, posteriormente, otras funciones cognitivas, que conduce a la dependencia y que requieren la atención y otros servicios, tanto de los profesionales de la salud como del cuidador de la familia, que necesitarán el apoyo en la ejecución del cuidado de los ancianos y en la promoción de su propia salud. Basado en este problema, esta investigación tuvo como objetivo: estudiar el conocimiento y la práctica del cuidado familiar de pacientes ancianos con Alzheimer, cuyos objetivos fueron: describir los conocimientos y prácticas de los cuidadores familiares de ancianos con Alzheimer y examinar a la luz de la estructura dialógica de Paulo Freire los conocimientos y prácticas de los cuidadores familiares de ancianos con Alzheimer. Este es un estudio descriptivo, cualitativo, que tuvo la participación de 14 proveedores de cuidado de la familia como sujeto y tuvo como escenario los hogares de los participantes ubicados en Teresina-PI. Los datos fueron obtenidos de entrevistas estructuradas y producidos y analizados desde el concepto teórico de Freire por la técnica de análisis de contenido de Bardin, que hicieran surgir las siguientes categorías: conocimiento sobre la enfermedad de Alzheimer en la voz de los cuidadores familiares; la esencia y la individualidad del cuidado de la familia de las personas mayores con enfermedad de Alzheimer: las necesidades y sentimientos en torno a la práctica de los cuidadores familiares de ancianos con Alzheimer y la influencia del género en la determinación de atención de la familia. Este estudio, que se originó de una rica producción de datos ayudará en la asistencia y servirá de base para la investigación en investigaciones similares de enfermería, ha revelado los conocimientos, resultantes de la construcción sociocultural, fruto de la experiencia que involucra esta relación de la atención e prácticas individualizadas, esencial para la supervivencia de los ancianos. Por otra parte, expresaron las necesidades y sentimientos de diversos tipos, desde las exigencias financieras hasta la aceptación del diagnóstico, lo que genera diversas emociones como el amor, el afecto, la ira y la revuelta. Predomina la mujer como cuidadora, y es posible identificar la influencia del género en la determinación de este cuidado. Palabras claves: Enfermería. Cuidador. Ancianos. Alzheimer

11 10 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS ABRAZ CEP DA ESF IBGE OPAS PNAD PNI PNSI SUS UFPI Associação Brasileira de Alzheimer Comitê de Ética e Pesquisa Doença de Alzheimer Estratégia Saúde da Família Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Organização Panamericana de Assistência a Saúde Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Política Nacional do Idoso Política Nacional de Saúde do Idoso Sistema Único de Saúde Universidade Federal do Piauí

12 11 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 12 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Contextualização do Problema e Construção do Objeto de 15 Estudo 1.2 Questão Norteadora e Objetivos do Estudo Justificativa e Relevância da pesquisa 19 2 REFERENCIAL TEMÁTICO O envelhecimento populacional brasileiro e doença de 24 Alzheimer 2.2 A Prática do Cuidador Familiar de Idoso com Alzheimer no Domicílio As Políticas Públicas de Atenção à Pessoa Idosa Intervenções de Enfermagem Junto aos Cuidadores Familiares de Idosos com Alzheimer REFERENCIAL TEÓRICO- METODOLÓGICO A Teoria Dialógica Libertadora de Paulo Freire Tipo de Pesquisa Os Sujeitos da Pesquisa O Cenário da Pesquisa A Produção dos Dados A Análise dos Dados Aspectos éticos e legais 48 4 ANÁLISE E DISCUSSÃO DAS CATEGORIAS TEMÁTICAS Os Saberes Sobre a Doença de Alzheimer na Voz dos Cuidadores Familiares A Essencialidade e a Individualidade do Cuidado Familiar do Idoso com Doença de Alzheimer As Necessidades e os Sentimentos que Envolvem a Prática do cuidador Familiar de Idoso com Alzheimer A influência das questões de gênero na determinação do Cuidado Familiar 72 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 77 REFERÊNCIAS 83 APÊNDICES ANEXOS

13 APRESENTAÇÃO 12

14 13 Este estudo se insere no Programa de Pós Graduação Mestrado em Enfermagem da Universidade Federal do Piauí, na linha de pesquisa - O processo de cuidar em saúde e enfermagem. Desta forma, para compreender os pressupostos deste estudo serão apresentadas cinco seções textuais: considerações iniciais; referencial temático; referencial teórico- metodológico; análise e discussão dos dados; e, considerações finais. Na primeira seção: Considerações Iniciais, foi realizada uma contextualização do problema e delimitação do objeto de estudo, além da construção das questões norteadoras, objetivos do estudo e da justificativa. A segunda seção intitulada: Referencial Temático, apresenta-se subdividida em quatro subseções que expressam a relação entre o fenômeno do envelhecimento populacional brasileiro e a Doença de Alzheimer, focalizando, para tanto, uma breve trajetória evolutiva das Políticas Públicas direcionadas à pessoa idosa e seus cuidadores familiares. Além disso, descreveu-se a multidimensionalidade da prática de cuidar do portador de Alzheimer no âmbito domiciliar, bem como o papel do enfermeiro na assistência aos cuidadores familiares e ao idoso que vivenciam tal agravo. A terceira seção: Referencial teórico-metodológico é composta por sete subseções em que são explicitados todos os passos realizados para o desenvolvimento deste estudo e, ainda, os pressupostos teóricos de Freire (1979; 1980; 1983; 1987; 1994; 1997; 1999) sobre a Teoria Dialógica Libertadora. Na quarta seção: Análise e discussão dos dados, apresenta-se os resultados deste estudo através da construção de quatro categorias semânticas intituladas: os saberes sobre a doença de Alzheimer na voz dos cuidadores familiares; a essencialidade e a individualidade do cuidado familiar do idoso com doença de Alzheimer; as necessidades e os sentimentos que envolvem a prática do cuidador familiar de idoso com Alzheimer; e, a influência das questões de gênero na determinação do cuidado familiar. Cumpre referir que os resultados apresentados foram discutidos sob à luz do referencial teórico de Paulo Freire. Finalmente, na quinta seção: considerações finais, constatou-se que os objetivos propostos foram alcançados e que o estudo se configurou em uma riqueza de informações, que contribuirá para o desenvolvimento de novas pesquisas.

15 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS 14

16 Contextualização do Problema e Construção do Objeto de Estudo O envelhecimento populacional proporcionou mudanças significativas no quadro de morbi-mortalidade mundial, caracterizado pelo aumento da incidência e morte por doenças crônico-degenerativas típicas de idades mais avançadas, como as demências, que apresentam efeitos devastadores com altos custos afetivos e financeiros para o indivíduo e sua família. Dentre as demências, a Doença de Alzheimer (DA) é a de maior incidência, acometendo milhões de pessoas em todo o mundo, tendo sido eleita como o principal foco de pesquisas sobre as demências que afetam o cérebro nas últimas duas décadas (CANINEU, 2003). Estima-se que este agravo atinja mais de 15 milhões de pessoas no mundo, e no Brasil existem aproximadamente cerca de 1 milhão de indivíduos portadores da doença, muitos dos quais ainda sem diagnóstico, porque geralmente é aguardado um determinado tempo para tomar providências, quando se tem um idoso com problemas de memória no domicilio (CAOVILLA; CANINEU, 2002). Pesquisadores como Caramelli e Barbosa (2002), afirmam que esta desordem neurológica possui um caráter degenerativo, progressivo e incapacitante, que inicialmente afeta a memória recente, mas com a evolução da doença outras funções cognitivas são alteradas, como a orientação, linguagem, julgamento, função social e habilidades de realizar tarefas motoras, levando a perda da autonomia e a instalação da dependência. Vale ressaltar que a prevalência da DA na velhice extrapola o evento biológico em si, uma vez que tem diferentes representações e repercussões no contexto econômico, político, social e cultural das pessoas e famílias por elas afetadas, especialmente porque a família ainda é o lócus preferencial no processo de cuidar dos idosos, sejam eles dementes ou não (SANTOS; RIFIOTIS, 2003). Contudo, para esses autores, o que difere, no caso dos idosos com Alzheimer, é o fato de esses idosos requererem cuidados integrais diuturnamente, uma vez que perdem a autonomia e a independência, necessitando de pessoas que os auxiliem nas atividades de vida diária como: tomar banho, vestir-se, alimentar-se, dentre outras ações.

17 16 Nesse cenário emerge na família a figura do cuidador, que conviverá diariamente com o enfermo, e assumirá os cuidados e as atividades relacionadas ao idoso, tornando-se o principal apoio para auxiliar na manutenção da identidade e autonomia, configurando-se em um importante elo entre o idoso e o mundo, sendo constituídos, entre outros, na sua maioria, por familiares, amigos e vizinhos, (LUZARDO, 2006). Assim, a função de cuidador familiar de idoso com Alzheimer não é um papel transitório, porque na maioria dos casos o portador irá viver 10 a 20 anos em situação de crescente dependência, requerendo atenção ininterrupta durante as 24 horas do dia. As formas como as famílias lidam e se organizam para assumir esses cuidados são muito variadas e eventualmente envolvem outras pessoas que fazem parte do entorno familiar (SANTOS; RIFIOTIS, 2003). Desse modo, vivenciar uma experiência de cuidar de um familiar, que na evolução da doença chega a não reconhecer o seu ente querido, proporciona no cuidador familiar desenvolvimento de sentimentos ambíguos e contraditórios que, necessariamente, terão que buscar apoio em crenças e valores e na própria fé para, assim, manter o equilíbrio e a energia capaz de propiciar a realização do cuidado. A esse respeito, Luzardo e Waldman (2004) levantaram sentimentos manifestados pelos cuidadores familiares dos mais variados matizes, estando presentes em suas mensagens a culpa, o medo, a ansiedade, o pesar diante de uma doença totalmente incapacitante, o mergulho na insegurança do caos do desconhecido, a estranheza frente à troca inevitável de papéis sociais, o sentimento de impotência frente à evolução da doença, a tristeza diante da falta de infraestrutura e de condições financeiras, além da raiva originada pela sensação de chegada lenta da morte. Contudo, também estavam presentes sentimentos de aceitação da vontade de Deus, de amor e de solidariedade para com seu idoso, que se apresentava tão fragilizado. O cuidador familiar foi considerado pelas autoras como um herói anônimo, pois sua ação se dá no espaço doméstico, onde parte significativa da vida das pessoas transcorre e onde se mantém segredos, verdades, mentiras, memórias, fatos, fotos e relações importantes. Dessa forma, esses sujeitos escondidos em sua grandeza, são heróis invisíveis e solitários, pois nem sempre são percebidos como fundamentais ou valorizados como cuidadores, quer seja pela própria família, quer seja pelos serviços de saúde.

18 17 Fonseca e Soares (2006) revelam também que os dilemas, conflitos, dúvidas, medos e inseguranças que permeiam a prática de cuidados prestada aos portadores de Alzheimer também podem ser provenientes de orientações prescritivas, verticalizadas dos profissionais de saúde, nas quais pouco se privilegia ou estimula a participação da família nas ações de cuidado, tendo como conseqüências, muitas vezes, incompreensão do processo evolutivo da doença, contribuindo para o desgaste físico e psicológico nessa relação de cuidado. Nessa perspectiva, é preciso compreender que os cuidadores não se configuram como quadros em branco, em que o profissional pode imprimir suas conclusões e prescrições, pois esses cuidadores trazem para o serviço de saúde suas concepções, valores e crenças em práticas alternativas de cuidados. Desse modo, a contextualização social e cultural do cliente que procura as instituições de saúde vem tornando-se uma exigência para os profissionais de saúde que pretendem oferecer uma assistência melhor qualificada em saúde (SIQUEIRA et al., 2006). Assim, é fundamental que o profissional de saúde, em particular o enfermeiro, em sua prática assistencial, busque conhecer o contexto social, cultural e histórico no qual cuidador e idoso encontram-se inseridos. Para tanto, é essencial para este profissional, integrar-se ao ambiente familiar e identificar as potencialidades e limitações, significados e vivências permeadas nessa relação de cuidados. E, dessa forma, viabilizar em parceria com a família a produção de novos conhecimentos, de caráter emancipador, constituídos a partir do movimento de troca e construção entre os saberes científico e popular. Esse conhecimento emancipador, para Santos (2001), seria aquele no qual a relação sujeito-objeto é substituída pela reciprocidade entre os sujeitos e onde a solidariedade e a participação estão presentes. Essa forma de pensar a ciência e a produção de conhecimentos propõe a idéia de um saber não apenas voltado para as necessidades do mercado, mas abre-se para a importância da experiência, do compartilhamento de saberes, ampliando os cenários de geração de novos conhecimentos. Nesse sentido, Acioli (2008) aponta que o enfermeiro deve ir à busca de práticas de educação em saúde que se baseiam em um enfoque crítico e emancipador, o que implica no reconhecimento do caráter histórico dos determinantes sociais, culturais, políticos e econômicos do processo saúde/doença.

19 18 Para a autora, essa proposta pressupõe a compreensão do outro como sujeito, detentor de um determinado conhecimento e não mero receptor de informações, o que resulta no respeito ao universo cultural dos participantes e, principalmente, na ideia de saberes popular e científico pensados de forma dinâmica. Pois, nesse processo contínuo de interação, a escuta atenta e a abertura ao saber do outro, possibilitará a construção compartilhada do conhecimento e de formas de cuidado diferenciadas a partir dessa construção. Nesse enfoque, ao buscar conhecer os saberes e práticas dos cuidadores de idosos com Alzheimer, fundamentou-se o estudo na teoria dialógica libertadora de Paulo Freire, pois na concepção desse teórico, todas as pessoas são dotadas de saberes e esses conhecimentos provêm da reflexão que o homem faz do contexto concreto, isto é, das experiências vividas na realidade na qual está inserido, cumprindo também a função de analisar e refletir essa realidade, no sentido de apropriar-se de um caráter crítico sobre ela (FREIRE, 1979). Na compreensão de Freire (1979; 1980), é necessário não só conhecer o mundo é preciso transformá-lo. Em outras palavras, saber/conhecer é uma atitude ativa do homem frente ao mundo, é, antes de tudo, conscientização, envolve intercomunicação, intersubjetividade, que pressupõe a educação dos homens entre si mediatizados pelo mundo, tanto da natureza como da cultura. A prática, na visão de Freire (1980), não pode se restringir à leitura descontextualizada do mundo, ao contrário, vincula o homem nessa busca consciente de ser, estar e agir no mundo, num processo que se faz único e dinâmico, melhor dizendo, é apropriar-se da prática, dando sentido à teoria. Assim, este autor expressa a práxis como o ato de ação e reflexão dos homens sobre o mundo para transformá-lo. Nesse sentido, deve-se ressaltar que a função da prática é a de agir sobre o mundo para transformá-lo. E assim, refletindo, pois, sobre as necessidades, limitações, possibilidades e estratégias de enfretamento que os cuidadores familiares vivenciam na sua rotina diária, ao cuidar de um idoso dependente, foi focalizado como objeto deste estudo: os saberes e práticas de cuidadores familiares de idosos com Alzheimer.

20 Questão Norteadora e Objetivos do Estudo Diante da problematização acerca do objeto delimitado neste estudo, foi elaborada a seguinte questão que serviu para nortear e estruturar este estudo: Quais os saberes e práticas dos cuidadores familiares de idosos com Alzheimer? Tomando como base a questão norteadora, que conduziu na elaboração desta pesquisa, bem como sobre o enfoque de que o sujeito é um pensador ativo, que age de acordo com as suas necessidades, concepções e experiências históricas, pessoais, sociais e culturais, constituíram objetivos deste estudo: Descrever os saberes e práticas dos cuidadores familiares de idosos com Alzheimer; Discutir à luz do referencial dialógico de Paulo Freire os saberes e práticas dos cuidadores familiares de idosos com Alzheimer. 1.3 Justificativa e Relevância do Estudo A inserção na temática cuidadores de idosos portadores de Alzheimer emergiu a partir da vivência e experiência profissional, como enfermeira da Estratégia Saúde da Família (ESF) no município de Teresina, por um período de quatro anos, onde desenvolvi ações assistenciais de Enfermagem dirigidas à promoção da saúde do idoso na família e na comunidade. Ao realizar o diagnóstico situacional da área, a equipe da qual participava, identificou um alto índice de idosos portadores desse agravo que se apresentavam dependentes dos cuidados da família. Este fato permitiu a programação de visitas domiciliares a estes idosos, conforme as ações preconizadas pela Estratégia Saúde da Família. As visitas domiciliares possibilitaram ouvir depoimentos de familiares acerca das dificuldades enfrentadas, como, por exemplo: a falta de informação para o desempenho do cuidado, a incompreensão das orientações prescritas pelos

21 20 profissionais de saúde, a sobrecarga de trabalho para um único indivíduo, a disponibilidade da família na sociedade atual, dificuldades financeiras e o fato de muitas vezes a cuidadora também ser idosa. Nessa perspectiva, foi possível observar, empiricamente, que essas dificuldades vivenciadas pelo núcleo familiar submetiam, particularmente, os cuidadores familiares a uma sobrecarga psicológica acompanhada de depressão, estresse, queda da resistência física e problemas de ordem conjugal. Paralelamente a isso, o idoso apresentava declínio nas condições de vida que sinalizavam, muitas vezes, dentre outros, negligência e maus-tratos. Assim, ao interagir com essas situações e me relacionar com essas pessoas, senti que precisava compreendê-las para assim buscar desenvolver um cuidado integrado ao contexto das crenças e valores que são relevantes para elas. Dessa forma, comecei a interessar-me pelos saberes que fundamentam as suas práticas de cuidados com esse idoso, pois é notório que estes conhecimentos, aceitos socialmente, transcendem as práticas biomédicas. Além disso, foi possível perceber que esse universo que me era desconhecido, era também ignorado pelo sistema formal de saúde, exigindo do profissional de saúde, sobretudo, do enfermeiro, olhares que revelam uma preocupação e motivem investigações voltados para a prática de cuidado orientados pelos próprios saberes e práticas dos sujeitos envolvidos. Atualmente, como docente da disciplina Atenção à Saúde do Idoso no Curso de Graduação em Enfermagem, desenvolvo atividades práticas voltadas à assistência a esta clientela, tanto na área ambulatorial como na hospitalar. Neste contexto, observa-se que muitos profissionais de saúde, inclusive o enfermeiro, ainda continuam prestando orientações técnicas, fragmentadas e prescritivas, sem levar em consideração a multidimensionalidade do cuidado, principalmente em relação aos aspectos sociais, culturais e históricos do idoso, da família e dos próprios cuidadores. Essa postura dos profissionais de saúde, provavelmente, está ancorada em sua formação acadêmica, baseada no modelo biomédico, que não valoriza as atitudes, costumes, e crenças da população, reforçando, desse modo, a dependência aos serviços de saúde. Baseada nessas observações, procurou-se discutir sobre quais saberes e práticas os cuidadores familiares utilizam no seu cotidiano ao cuidar de um idoso

22 21 com Alzheimer. Questionou-se também se esses conhecimentos foram adquiridos a partir de vivências e experiências de cuidados com outros membros da família, de amigos e/ou de vizinhos, ou seja, saberes provenientes da própria prática, do senso comum, ou ainda se este cuidado se faz baseado em informações provenientes dos serviços de saúde ou veiculados pela mídia. Esta problemática tornou-se ainda mais instigadora a partir da minha inserção no Programa de Pós-Graduação Mestrado em Enfermagem da Universidade Federal do Piauí (UFPI). Após sucessivas leituras e reflexões acerca do tema, compreendi que os cuidadores familiares de idosos com Alzheimer apresentam uma sobrecarga física e psicológica mais significativa do que os demais cuidadores de idosos com outras doenças crônicas, uma vez que a DA proporciona ao portador uma perda da autonomia com instalação da dependência, necessitando de um cuidador vigilante às 24 horas do dia, sendo estes essenciais a sobrevivência do idoso. Assim, ao consultar literatura internacional e nacional referente a esse tema, foi possível constatar a existência de diversos trabalhos realizados junto aos cuidadores familiares de idosos com Alzheimer. Embora conhecê-los tenha sido muito importante, não se pode esquecer que as realidades nas quais eles foram desenvolvidos são bastante diferentes do contexto piauiense. Neste sentido, no município de Teresina já foram desenvolvidas algumas pesquisas acadêmicas relevantes junto aos cuidadores familiares. Mas ainda se possui um corpo de conhecimentos insuficientemente consistente, que permita saber o que pensam esses cuidadores, como se organizam no grupo doméstico para exercer essas funções, quais são as tensões e os conflitos experienciados por eles, quais são suas principais queixas e seus desejos, suas estratégias para resolver problemas cotidianos do cuidado, suas necessidades de auxílio no exercício dessas atividades e tantas outras questões que, possivelmente, eles possuem e ainda desconhecem. Portanto, este estudo teve a intenção de contribuir para que se amplie o corpo de conhecimentos acerca do processo de cuidar de idosos com Alzheimer na esfera doméstica, segundo a ótica dos próprios cuidadores familiares e considerando seus referenciais culturais. Desse modo, esta investigação, poderá instrumentalizar a prática assistencial do Enfermeiro dirigida aos cuidadores na atenção básica, através de informações e orientações fundamentais para o cuidado dos portadores

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version A FAMÍLIA COMO CUIDADOR DO IDOSO: UMA RELAÇÃO FORTALECIDA PELA AJUDA DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE OLIVEIRA, Monica Caldas de RESUMO Este artigo acerca da família como cuidador do idoso: uma relação fortalecida

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença.

Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença. Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença. Bruno Araújo da Silva Dantas¹ bruno_asd90@hotmail.com Luciane Alves Lopes² lucianesevla.l@gmail.com ¹ ²Acadêmico(a) do

Leia mais

CUIDANDO DO IDOSO E CUIDANDO DO CUIDADOR

CUIDANDO DO IDOSO E CUIDANDO DO CUIDADOR CUIDANDO DO IDOSO E CUIDANDO DO CUIDADOR Jorge Wilker Bezerra Clares 1 Rozzana Oliveira Tabosa 2 Carliene Bezerra da Costa 3 Maria Célia de Freitas 4 RESUMO Trata-se de um relato de experiência vivenciado

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR INFORMAL

CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR INFORMAL RELATO DE EXPERIÊNCIA CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR INFORMAL Contributions of physiotherapy for the promotion of health of the informal caregiver Lidiane Cristina Custódio

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

Demências na Terceira idade. Enfª Mda Josiane Steil Siewert

Demências na Terceira idade. Enfª Mda Josiane Steil Siewert Demências na Terceira idade Enfª Mda Josiane Steil Siewert Grandes síndromes neuropsiquiatricas na terceira idade: Delirium Demencias Depressão Doenças Orgânicas do Cérebro Quando uma pessoa idosa de repente

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

1 Nesta dissertação, será utilizada a sigla CDA para situar o local onde o trabalho foi desenvolvido.

1 Nesta dissertação, será utilizada a sigla CDA para situar o local onde o trabalho foi desenvolvido. 1 Introdução As demências, principalmente a do tipo Alzheimer, vêm despertando interesse no meio acadêmico. Os diferentes saberes como a Medicina, a Psicologia, a Antropologia, a Sociologia entre outros,

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

CUIDADORES DE IDOSOS COM ALZHEIMER EM SUAS CONFIGURAÇÕES: FAMILIARES E PROFISSIONAIS (2012)¹

CUIDADORES DE IDOSOS COM ALZHEIMER EM SUAS CONFIGURAÇÕES: FAMILIARES E PROFISSIONAIS (2012)¹ CUIDADORES DE IDOSOS COM ALZHEIMER EM SUAS CONFIGURAÇÕES: FAMILIARES E PROFISSIONAIS (2012)¹ CASSALES, Lisiane²; SCHROEDER, Felipe³ 1 Programa de Iniciação Científica (PROBIC) 2 Curso de Psicologia do

Leia mais

2002 Revisão de literatura, porém não descrito o método no artigo. 2002 Artigo de revista sem descrição de método. 2006 Estudo exploratóriodescritivo

2002 Revisão de literatura, porém não descrito o método no artigo. 2002 Artigo de revista sem descrição de método. 2006 Estudo exploratóriodescritivo DESAFIOS DE ENFERMAGEM: ATENDIMENTO DOMICILIAR A PACIENTES COM DEMÊNCIA Aristófenes Rolim de Holanda; Rosyara Lopes Vieira Sá; Aryslane Júlia Andrade Lustosa; Luis Henrique Rodrigues Nunes; Francisco Júnior

Leia mais

IDOSOS, ATIVIDADES CORPORAIS, (RE) SIGNIFICAÇÃO DE VIDA: BUSCANDO RELAÇÕES DE PROXIMIDADE ATRAVÉS DOS ESTUDOS DO LAZER

IDOSOS, ATIVIDADES CORPORAIS, (RE) SIGNIFICAÇÃO DE VIDA: BUSCANDO RELAÇÕES DE PROXIMIDADE ATRAVÉS DOS ESTUDOS DO LAZER 1 IDOSOS, ATIVIDADES CORPORAIS, (RE) SIGNIFICAÇÃO DE VIDA: BUSCANDO RELAÇÕES DE PROXIMIDADE ATRAVÉS DOS ESTUDOS DO LAZER Michelle Cristina Duarte Gomes Acadêmica da UFES RESUMO Esse texto trata de um estudo

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL Nubia C. Freitas - UFV nubia.freitas@ufv.br Estela S. Fonseca UFV estela.fonseca@ufv.br Alessandra V. Almeida UFV

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

UBM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE CICUTA PROJETO OUTONO I - OFICINA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE

UBM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE CICUTA PROJETO OUTONO I - OFICINA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE 1 UBM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE CICUTA PROJETO OUTONO I - OFICINA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA IDOSO: UM BATE PAPO COM A SAÚDE "COMO ENVELHECER

Leia mais

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais

PRINCIPAIS DIFICULDADES ENCONTRADAS NOS CUIDADOS DO MAL DE ALZHEIMER

PRINCIPAIS DIFICULDADES ENCONTRADAS NOS CUIDADOS DO MAL DE ALZHEIMER ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PRINCIPAIS DIFICULDADES ENCONTRADAS NOS CUIDADOS DO MAL DE ALZHEIMER Larissa da Silva Wathier 1 ;

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DO IDOSO ACAMADO NA COMUNIDADE

AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DO IDOSO ACAMADO NA COMUNIDADE AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DO IDOSO ACAMADO NA COMUNIDADE Cristina Katya Torres Teixeira Mendes 1, Maria Adelaide Silva Paredes Moreira 2, Luípa Michele Silva 3, Antonia Oliveira Silva 4 INTRODUÇÃO O envelhecimento

Leia mais

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 2 Ívis

Leia mais

3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ.

3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ. 223 3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ. Andréia Bulaty 70 GT2: Mídia e Educação à Distância Modalidade: Pôster Resumo: O presente trabalho

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 01 /2014 - CESAU Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Medicamento Rivastigmina para tratamento de Alzheimer REFERÊNCIA: Grupo de Atuação Especial de Defesa da Saúde - GESAU

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

cultural de fundamental importância quando mergulham conceitualmente em temas de interesse para o bem-estar de pessoas e de populações idosas, para o

cultural de fundamental importância quando mergulham conceitualmente em temas de interesse para o bem-estar de pessoas e de populações idosas, para o Prefácio Ao longo dos últimos 11 anos, a coleção Velhice e Sociedade vem cumprindo a missão de divulgar conhecimento sobre a velhice e tem contribuído para o desenvolvimento e o aperfeiçoamento de recursos

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 DALCIN, Camila Biazus 2 ; GUERRA, Leonardo Rigo 3 ; VOGEL, Gustavo Micheli 4 ; BACKES, Dirce

Leia mais

O QUE É SER MÃE ADOLESCENTE PELA PRIMEIRA VEZ? INTRODUÇÃO

O QUE É SER MÃE ADOLESCENTE PELA PRIMEIRA VEZ? INTRODUÇÃO O QUE É SER MÃE ADOLESCENTE PELA PRIMEIRA VEZ? INTRODUÇÃO Esta investigação tem como enfoque o atendimento às gestantes adolescentes primigestas nas equipes de ESF. Visa conhecer o universo destas gestantes

Leia mais

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas.

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. GT 18 - Psicología Social Del Trabajo en América Latina: Identidades y procesos de subjetivación,

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

III - ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

III - ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: ESTRUTURA I- Objetivo Geral 1. Desenvolver processo de ensino-aprendizagem no âmbito do trabalho em saúde e enfermagem, segundo conteúdos relacionados à Área de às Linhas de Pesquisa propostas neste Mestrado

Leia mais

Érica lyra e márcia carréra. Doença de alzheimer: um olhar sob o enfoque multidisciplinar

Érica lyra e márcia carréra. Doença de alzheimer: um olhar sob o enfoque multidisciplinar Érica lyra e márcia carréra Doença de alzheimer: um olhar sob o enfoque multidisciplinar 2011 Érica Lyra e Márcia Carréra Direitos desta edição reservados à Paco Editorial. Nenhuma parte desta obra pode

Leia mais

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior.

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior. IDOSOS O Solidariedade, ciente da importância e do aumento população idosa no País, defende o reforço das políticas que priorizam este segmento social. Neste sentido, destaca-se a luta pela consolidação

Leia mais

PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DOS CUIDADORES INFORMAIS DE PACIENTES ATENDIDOS EM AMBULATÓRIO DE TERAPIA OCUPACIONAL

PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DOS CUIDADORES INFORMAIS DE PACIENTES ATENDIDOS EM AMBULATÓRIO DE TERAPIA OCUPACIONAL PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DOS CUIDADORES INFORMAIS DE PACIENTES ATENDIDOS EM AMBULATÓRIO DE TERAPIA OCUPACIONAL Aline Cristina Benedito Faculdade de Terapia Ocupacional Centro de Ciências da Vida aline.cb2@puc-campinas.edu.br

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam.

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam. Introdução O objetivo deste trabalho é compreender a possível especificidade das famílias nas quais um ou mais de seus membros apresentam comportamento adictivo a drogas. Para isto analisaremos que tipos

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL Ruanna Gonçalves Holanda 1, Hellen Pollyanna

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015 XXVIENANGRAD SIGNIFICADO DO TRABALHO PARA O IDOSO: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Marina Menezes Ladeira Débora Vargas Ferreira Costa Victor Cláudio Paradela Ferreira Rejane Prevot Nascimento

Leia mais

CAPACITAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FUNDAMENTADA EM SUA PRÓPRIA ÓTICA

CAPACITAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FUNDAMENTADA EM SUA PRÓPRIA ÓTICA 1 CAPACITAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FUNDAMENTADA EM SUA PRÓPRIA ÓTICA Samuel Rodrigues de Paula Introdução: No mundo inteiro o alcoolismo é considerado, um dos mais graves problemas de ordem social e

Leia mais

Universidade Aberta à Terceira Idade da Universidade do Sagrado Coração (UATI/USC): estudo de caso

Universidade Aberta à Terceira Idade da Universidade do Sagrado Coração (UATI/USC): estudo de caso teses Universidade Aberta à Terceira Idade da Universidade do Sagrado Coração (UATI/USC): estudo de caso Open university for senior citizens at the Sagrado Coração university: a case study Ao mesmo tempo

Leia mais

Melhor Idade Oficinas de Produção 1

Melhor Idade Oficinas de Produção 1 Melhor Idade Oficinas de Produção 1 Patrícia da Silva Fonseca. Economista Doméstica e estudante não-vinculado do Programa de Pós-Graduação em Economia Doméstica da Universidade Federal de Viçosa. Endereço:

Leia mais

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org. PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.br ÍNDICE FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES DO CUIDADOR... 01 a 03 CUIDADOR...

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010 PROJETO DE LEI Nº 157/2010 A semana de conscientização sobre transtornos de aprendizagem, no âmbito do Estado do Espírito Santo. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Fica

Leia mais

O que é Alzheimer? Perguntas frequentes. Sinônimos: mal de alzheimer, doença de alzheimer

O que é Alzheimer? Perguntas frequentes. Sinônimos: mal de alzheimer, doença de alzheimer O que é Alzheimer? Sinônimos: mal de alzheimer, doença de alzheimer No Brasil, existem cerca de 15 milhões de pessoas com mais de 60 anos de idade. Seis por cento delas sofrem do Mal de Alzheimer, segundo

Leia mais

CUIDADO DE ENFERMAGEM AO IDOSO INSTITUCIONALIZADO: PERCEPÇÕES ACERCA DO ABANDONO 1.

CUIDADO DE ENFERMAGEM AO IDOSO INSTITUCIONALIZADO: PERCEPÇÕES ACERCA DO ABANDONO 1. CUIDADO DE ENFERMAGEM AO IDOSO INSTITUCIONALIZADO: PERCEPÇÕES ACERCA DO ABANDONO 1. TAVARES, Daniel Soares 2 ; MADALOZZO, Maiane Antunes 3 ; RANGEL, Rosiane Filipin 4 ; SOUZA, Martha Helena Teixeira de

Leia mais

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR Jaqueline de Carvalho Gasparotto 1 ; Jeferson Dias Costa 1, João Ricardo Vissoci

Leia mais

HUMANIZAÇÃO E ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

HUMANIZAÇÃO E ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA HUMANIZAÇÃO E ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Eveline de Oliveira Barros (UFPB). evinhabarros@gmail.com Fabiana Medeiros de Brito (UFPB). fabianabrito_@hotmail.com

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

O DIÁLOGO EM PAULO FREIRE: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA EM CLASSES DE RECUPERAÇÃO INTENSIVA

O DIÁLOGO EM PAULO FREIRE: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA EM CLASSES DE RECUPERAÇÃO INTENSIVA 1072 O DIÁLOGO EM PAULO FREIRE: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA EM CLASSES DE RECUPERAÇÃO INTENSIVA Ana Cristina da Silva Ambrosio Programa de Pós Graduação em Educação (PPGE-UNESP/PP). E-mail:

Leia mais

PROFISSÃO ESTRESSE : A SÍNDROME DE BURNOUT NA ENFERMAGEM

PROFISSÃO ESTRESSE : A SÍNDROME DE BURNOUT NA ENFERMAGEM PROFISSÃO ESTRESSE : A SÍNDROME DE BURNOUT NA ENFERMAGEM Alex Henrique de Oliveira 1 Resumo: A Síndrome de Burnout é um transtorno adaptativo crônico que gera no profissional um sentimento de impotência,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS AO IDOSO: aplicabilidade do artigo 4º do decreto nº 1.948/96. Keywords: Elderly. Public Policies.

POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS AO IDOSO: aplicabilidade do artigo 4º do decreto nº 1.948/96. Keywords: Elderly. Public Policies. 1 POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS AO IDOSO: aplicabilidade do artigo 4º do decreto nº 1.948/96 Paulo Roberto Barbosa Ramos * Yuri Sampaio Capellato Logrado Viviane Freitas Perdigão Geórgia Kerle Santos

Leia mais

Pós-graduação Especialização em Educação Especial: Déficit Cognitivo/Deficiência Mental com Enfoque Pedagógico

Pós-graduação Especialização em Educação Especial: Déficit Cognitivo/Deficiência Mental com Enfoque Pedagógico Pós-graduação Especialização em Educação Especial: Déficit Cognitivo/Deficiência Mental com Enfoque Pedagógico Local: Taquari Carga horária: 400 horas. Resolução 01/2007 CES/CNE/MEC: "Art. 5. Os cursos

Leia mais

POSSIBILIDADES E LIMITES DO TRATAMENTO PSÍQUICO NO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR UNIMED GV

POSSIBILIDADES E LIMITES DO TRATAMENTO PSÍQUICO NO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR UNIMED GV POSSIBILIDADES E LIMITES DO TRATAMENTO PSÍQUICO NO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR UNIMED GV Camila de Souza Andrade 1 Resumo: A Assistência Domiciliar, na qual o paciente recebe os cuidados necessários

Leia mais

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela 1 Introdução O Programa Bolsa Família (PBF) é o maior programa sócio assistencial atualmente no país, que atende cerca de 11,1 milhões de famílias brasileiras. O PBF tem sido objeto de várias questões

Leia mais

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE REGIÕES DE SAÚDE CRS Política de Saúde para o Idoso no Estado de São Paulo Selo Hospital Amigo do Idoso Centro de Referência do Idoso Resolução

Leia mais

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO SUPERANDO A DEPRESSÃO Andreza do Ouro Corrêa - andreza.correa@ymail.com Mayara Cristina Costa Mariângela Pinto da Silva Gislaine Lima da Silva - gilisilva@ig.com.br Curso de Psicologia Unisalesiano/ Lins

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA Brasília - 2004 Série: EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. A Fundamentação Filosófica 2. O Município 3 A Escola 4 A Família FICHA TÉCNICA

Leia mais

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática Por Prof. Manoel Ricardo Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática A sociedade do século XXI é cada vez mais caracterizada pelo uso intensivo do conhecimento, seja para trabalhar, conviver ou exercer

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS.

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. Ângela Mari Rauth 1, Arlinda Jesus Sampaio¹,

Leia mais

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba:

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Tem por objetivo prestar atendimento aos pacientes internados ou de forma ambulatorial no Hospital, bem como aos seus familiares,

Leia mais

Prof. Dr. Samuel do Carmo Lima Coordenador do Laboratório de Geografia Médica e Vigilância em Saúde Universidade Federal de Uberlândia - Brasil

Prof. Dr. Samuel do Carmo Lima Coordenador do Laboratório de Geografia Médica e Vigilância em Saúde Universidade Federal de Uberlândia - Brasil DIAGNÓSTICO DA SAÚDE AMBIENTAL PARA A CONSTRUÇÃO DE TERRITÓRIOS SAUDÁVEIS COM ESTRATÉGIAS DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO BAIRRO LAGOINHA, UBERLÂNDIA - BRASIL Prof. Dr. Samuel do Carmo Lima Coordenador do Laboratório

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS MUDANÇAS SOCIAIS PARA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA TERCEIRA IDADE

IMPORTÂNCIA DAS MUDANÇAS SOCIAIS PARA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA TERCEIRA IDADE IMPORTÂNCIA DAS MUDANÇAS SOCIAIS PARA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA TERCEIRA IDADE Dalila Freire² J.O. Rodrigues¹ T.P.M. Cunha² M.S.B.F. Costa¹ C.A.S Soares¹ L.R. Oliveira¹ Vanilce Bernardes³ Nos países

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NA ATENÇÃO AO CÂNCER: DESAFIOS PARA OS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM ESPECIALIZAÇÃO DO TÉCNICO

Leia mais

QUESTOES DE CONCURSO

QUESTOES DE CONCURSO QUESTOES DE CONCURSO 1. Com o envelhecimento populacional, um dos maiores desafios das políticas de saúde é alcançar um equilíbrio entre o apoio ao autocuidado, o apoio informal (familiares e amigos) e

Leia mais

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3 Universidade Estadual de Feira de Santana Departamento de saúde Núcleo de Pesquisa Integrada em Saúde Coletiva - NUPISC NUPISC NÚCLEO DE PESQUISA INTEGRADA EM SAÚDE COLETIVA PRÁTICAS DO PROGRAMA SAÚDE

Leia mais

II CURSO DE FORMAÇÃO DE CUIDADOR DE IDOSOS EDITAL REALIZAÇÃO:

II CURSO DE FORMAÇÃO DE CUIDADOR DE IDOSOS EDITAL REALIZAÇÃO: II CURSO DE FORMAÇÃO DE CUIDADOR DE IDOSOS EDITAL REALIZAÇÃO: OBJETIVO: Desenvolver e instrumentalizar as pessoas interessadas em se profissionalizar como cuidador de idosos. Estimular a reflexão em relação

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). O IDOSO INSTITUCIONALIZADO COMO FOCO DE SUA ATENÇÃO RELATO DE EXPERIÊNCIA BERGAMO, Vinicius M. 1 DALL AGNOL, Crístyan C. 2 PIMENTEL, Cauê F. 3 PAZ, Késia M. R. 4 RUPOLO, Denize. J. 5 UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

DOENÇA DE ALZHEIMER: A ENFERMAGEM CUIDANDO DO CUIDADOR

DOENÇA DE ALZHEIMER: A ENFERMAGEM CUIDANDO DO CUIDADOR DOENÇA DE ALZHEIMER: A ENFERMAGEM CUIDANDO DO CUIDADOR Lopes, Alexandra Joes¹; Pirolo, Neide Dias de Barros¹, Aranda, Fernanda². RESUMO A Doença de Alzheimer é um dos principais tipos de demência, que

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. OTAVIO LEITE) Regulamenta a Profissão de Cuidador de Pessoa, delimita o âmbito de atuação, fixa remuneração mínima e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

CUIDAR DE CUIDADORES: PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA CUIDADORES DE IDOSOS DEPENDENTES

CUIDAR DE CUIDADORES: PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA CUIDADORES DE IDOSOS DEPENDENTES CUIDAR DE CUIDADORES: PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA CUIDADORES DE IDOSOS DEPENDENTES Iuanda Silva Santos, Faculdades Integradas de Patos, yuanda_@hotmail.com; Rúbia Karine Diniz Dutra, Faculdades Integradas

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM A RESPEITO DA PRESENÇA DO IRMÃO DO BEBÊ DE RISCO NA UTI NEONATAL

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM A RESPEITO DA PRESENÇA DO IRMÃO DO BEBÊ DE RISCO NA UTI NEONATAL 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM A RESPEITO DA PRESENÇA DO IRMÃO DO BEBÊ DE RISCO NA UTI NEONATAL Larissa Camila Dianin 3 Paolla Furlan Roveri 2 Darci

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável

Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável Janeiro/2009 1. Introdução A introdução de alimentos na dieta da criança após os seis meses de idade tem a função de complementar as

Leia mais

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO Título: AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA EM SAÚDE AO IDOSO NO MUNÍCIPIO DE ANÁPOLIS-EFETIVIDADE E RESOLUTIVIDADE Autores: Júlia Maria Rodrigues de OLIVEIRA, Marta Rovery de SOUZA. Unidade Acadêmica:

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO Juliana Paula Balestra Soares Joelma Cristina Gomes Carmencita Márcia Balestra Faculdade

Leia mais

Orientação para Aposentadoria. Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga

Orientação para Aposentadoria. Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga Orientação para Aposentadoria Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga Orientação para aposentadoria Entendendo a saúde na definição da Organização Mundial da Saúde:

Leia mais

PARECER Nº 02 / 2010

PARECER Nº 02 / 2010 PARECER Nº 02 / 2010 ASSUNTO: Adequação técnico-científica da admissão das pessoas com demência nas unidades de dia e promoção da autonomia da RNCCI (art.º 21 do Dec. Lei. 101/2006 de 6 de Junho) 1. A

Leia mais

APROXIMAÇÕES À PROBLEMÁTICA DO ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO ÂMBITO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL ABSTRACT

APROXIMAÇÕES À PROBLEMÁTICA DO ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO ÂMBITO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL ABSTRACT APROXIMAÇÕES À PROBLEMÁTICA DO ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO ÂMBITO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Yara Silva dos Santos 1 Maria Aparecida Nunes dos Santos 2 RESUMO O presente artigo tece considerações

Leia mais

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS Agostinho Both3 3, Carmen Lucia da Silva Marques 3,José Francisco Silva Dias 3 As instituições, em especial as educacionais, não podem se furtar

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTIFICA SOBRE A SAÚDE DO TRABALHADOR: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA

PRODUÇÃO CIENTIFICA SOBRE A SAÚDE DO TRABALHADOR: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA PRODUÇÃO CIENTIFICA SOBRE A SAÚDE DO TRABALHADOR: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA Neide Tiemi Murofuse 1 Rejane Rodrigues da Silva 2 INTRODUÇÃO: A área da Saúde do Trabalhador surge no contexto do Movimento

Leia mais

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS TERRA E CULTURA, ANO XX, Nº 38 87 UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS *Ana Carolina Nóbile *Fernando Koga *Giselle Monteiro Avanzi **Carmen Garcia de Almeida RESUMO

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

Dra. Daniela Figueiredo

Dra. Daniela Figueiredo família horizontal, em que as gerações se sucediam, Dra. Daniela Figueiredo Licenciada em Ciências da Educação pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra. Doutorada

Leia mais

Palavras-chave: Mulher idosa. Família. Institucionalização de longa permanência.

Palavras-chave: Mulher idosa. Família. Institucionalização de longa permanência. A institucionalização da mulher idosa como fragilização de vínculos familiares Resumo Débora Braga Zagabria 1 Claudia Bragança Pedro 2 O objetivo do estudo é conhecer o significado da família para mulheres

Leia mais

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe 1378 O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Cristiane Ferraz Quevedo de Mello 1,

Leia mais

Ações Públicas Voltadas para Qualidade de Vida do Idoso

Ações Públicas Voltadas para Qualidade de Vida do Idoso Capítulo 15 Ações Públicas Voltadas para Qualidade de Vida do Idoso Cristina Medeiros da Silva Educadora Física com Especialização em Atividade Física e Qualidade de Vida na FEF/UNICAMP Paulo Cerri Cirurgião

Leia mais

DEMÊNCIAS. Medicina Abril 2007. Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP

DEMÊNCIAS. Medicina Abril 2007. Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP DEMÊNCIAS Medicina Abril 2007 Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP Queixa de memória, autocrítica excessiva depressão, ansiedade efeito de doença sistêmica ou medicação envelhecimento

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

A RELEVÂNCIA DO CUIDADO DA ENFERMAGEM PARA SAÚDE MENTAL DO IDOSO

A RELEVÂNCIA DO CUIDADO DA ENFERMAGEM PARA SAÚDE MENTAL DO IDOSO A RELEVÂNCIA DO CUIDADO DA ENFERMAGEM PARA SAÚDE MENTAL DO IDOSO Ianine Alves da Rocha¹, Aralinda Nogueira Pinto¹, L enilma Bento de Araújo Meneses¹, Lucineide Alves Vieira Braga¹, Ana Neri A lves da Rocha¹,

Leia mais

O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010

O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010 O envelhecimento nas diferentes regiões do Brasil: uma discussão a partir do censo demográfico 2010 Simone Caldas Tavares Mafra - Professora do Departamento de Economia Doméstica (UFV) sctmafra@ufv.br

Leia mais

SAÚDE PERCEBIDA E A ATIVIDADE FÍSICA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO

SAÚDE PERCEBIDA E A ATIVIDADE FÍSICA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO SAÚDE PERCEBIDA E A ATIVIDADE FÍSICA NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO Profª Drª Maria do Carmo Eulálio (Orientadora) Kalina de Lima Santos* Renata Alessandra Oliveira Neves* Daniella Oliveira Pinheiro* Tarsila

Leia mais

O PSICOLOGO FACE O ADOECER, E A SAÚDE PÚBLICA

O PSICOLOGO FACE O ADOECER, E A SAÚDE PÚBLICA O PSICOLOGO FACE O ADOECER, E A SAÚDE PÚBLICA NETO, Rui Mesquita Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde de Garça FASU/ACEG GARÇA SP BRASIL email: neto334@gmail.com MOREIRA, Simone

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais