Notificações de Tuberculose no Estado do Rio de Janeiro Dados básicos. Notas Técnicas. Origem dos dados

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Notificações de Tuberculose no Estado do Rio de Janeiro Dados básicos. Notas Técnicas. Origem dos dados"

Transcrição

1 Notificações de Tuberculose no Estado do Rio de Janeiro Dados básicos Notas Técnicas Origem dos dados Os dados disponíveis são oriundos do Sistema de Informação de Agravos de Notificação Sinan, que é alimentado pelas fichas de notificação e investigação de casos de doenças e agravos que constam da lista nacional de doenças de notificação compulsória (Portaria GM/MS Nº 104, DE 25 DE JANEIRO DE 2011). Na Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro, este sistema é gerido pela Assessoria de Informação Epidemiológica e Ambiental, da Subsecretaria de Vigilância em Saúde, em conjunto com as Secretarias Municipais de Saúde. A entrada de dados da ficha de notificação/investigação no Sinan é realizada pelo município notificante, independentemente do local de residência do paciente. Descrição das variáveis disponíveis para tabulação Variáveis para o conteúdo da célula: Casos de tuberculose Número de casos confirmados de tuberculose (casos novos, reingressos após abandono, recidivas e pacientes que transferiram seu tratamento para outra unidade de saúde), de acordo com a definição de caso vigente no momento da notificação. Atualmente, define-se como caso de tuberculose todo indivíduo com diagnóstico bacteriológico confirmado baciloscopia ou cultura positivos e indivíduos com diagnóstico baseado em dados clínico-epidemiológicos e em resultados de exames complementares. Períodos disponíveis A partir de Os períodos disponíveis para tabulação correspondem ao ano do diagnóstico. Variáveis para tabulação na linha ou coluna ou para seleção: Ano do diagnóstico Ano do diagnóstico ou da evidência laboratorial e/ou clínica da doença. Mês/ano do diagnóstico

2 Mês e ano do diagnóstico ou da evidência laboratorial e/ou clínica da doença. Ano da notificação Ano do preenchimento da Ficha de Notificação. Mês/ano da notificação Mês e ano do preenchimento da Ficha de Notificação. Sexo Sexo do paciente. Faixa etária Faixa etária do paciente, nas seguintes Menor de 1 ano 1 a 4 anos 5 a 19 anos, divididos em intervalos de 5 anos 20 a 79 anos, divididos em intervalos de 10 anos 80 anos e mais Idade ignorada/não informada Idade detalhada Idade detalhada do paciente, nas seguintes Menor de 1 ano 1 a 79 anos, divididos em intervalos de 1 ano 80 anos e mais Idade ignorada/não informada Escolaridade Escolaridade do paciente, nas seguintes Analfabeto 1ª a 4ª série incompleta do EF 4ª série completa do EF 5ª a 8ª série incompleta do EF Ensino fundamental completo Ensino médio incompleto Ensino médio completo Educação superior incompleta Educação superior completa Não se aplica (para menores de 7 anos) Ignorado/não informado Cor/raça Cor/raça do paciente, conforme as seguintes Branca Preta Parda Amarela Indígena Ignorado/não informado

3 Município, Região de Saúde, Região de Governo e Microrregião IBGE de notificação Local onde está estabelecida a unidade de saúde (ou outra fonte notificadora) que realizou a notificação. Município, Região de Saúde, Região de Governo e Microrregião IBGE de residência Local de residência do paciente. Para as notificações de residentes fora do estado do Rio de Janeiro, é apresentada apenas a unidade da federação de residência. Tipo de entrada Situação de entrada do paciente na unidade de saúde notificadora, conforme as seguintes Caso novo: paciente que nunca usou ou usou por menos de 30 dias medicamentos antituberculose. Recidiva: paciente com tuberculose em atividade, já tratada e curada anteriormente, independentemente do tempo decorrido do tratamento anterior. Reingresso após abandono: paciente que retorna, após ter iniciado o tratamento para tuberculose e deixado de comparecer à unidade de saúde por mais de 30 dias consecutivos a partir da data marcada para seu retorno ou da última tomada de medicação supervisionada. Não sabe: paciente que não sabe fornecer estas informações. Transferência: paciente que comparece à unidade de saúde para dar continuidade ao tratamento iniciado em outra unidade de saúde, desde que não tenha havido interrupção do uso da medicação por mais de 30 dias. Ignorado/não preenchido Institucionalizado Indicação se o paciente encontrava-se institucionalizado por ocasião da notificação e, em caso afirmativo, em que tipo de instituição, conforme as seguintes Não institucionalizado Presídio (inclusive pacientes em cumprimento de pena em hospital psiquiátrico) Asilo Orfanato Hospital psiquiátrico (exclusive pacientes em cumprimento de pena) Outro Ignorado/não preenchido Forma Forma clínica da tuberculose, conforme as seguintes Pulmonar Extrapulmonar Pulmonar + extrapulmonar Ignorado/não preenchido Aids associada Indicação positiva ou negativa da coexistência de AIDS e tuberculose na ocasião da notificação.

4 Baciloscopia do escarro Resultado da baciloscopia para BAAR (Bacilo álcool-ácido resistente) realizada em duas amostras de escarro, conforme as seguintes Positivo em pelo menos uma das amostras Negativo nas duas amostras Negativo numa amostra e não realizado/sem informação na outra Não realizado/sem informação nas duas amostras Cultura de escarro Resultado da cultura para M. tuberculosis realizada em uma amostra de escarro, conforme as seguintes Positivo Negativo Em andamento Não realizado Ignorado/não preenchido Teste de HIV Resultado da sorologia para o vírus da imunodeficiência adquirida HIV, conforme as seguintes Positivo Negativo Em andamento Não realizado Ignorado/não preenchido Tempo até iníc tratament atual Tempo transcorrido entre o diagnóstico e o início do tratamento atual na unidade de saúde que está notificando o caso, nas seguintes faixas: 0 a 15 dias 16 a 30 dias Mais de 30 dias Informação inconsistente Ignorado/não informado/não se aplica Baciloscopia 2º mês e 6º mês Resultado da baciloscopia de escarro no mês de tratamento correspondente, conforme as seguintes Positivo Negativo Não realizado Ignorado/não preenchido Realização Tratam Supervision Indicação positiva ou negativa se o paciente está em tratamento supervisionado para a tuberculose.

5 Situação até o 9 mês e Situação até o 12º mês Situação do paciente no referido mês de investigação (9 ou 12º), conforme as seguintes Cura Abandono Óbito por tuberculose Óbito por outras causas Transferência para mesmo município (outra unidade) Transferência para outro município (mesma UF) Transferência para outra UF Transferência para outro país Mudança de esquema por intolerância medicamentosa Mudança de diagnóstico Falência (apenas na investigação do 9 mês) Continua em tratamento Tuberculose multiresistente (apenas na investigação do 9 mês) Ignorado/não preenchido Situação de encerramento Situação de encerramento do caso, conforme as seguintes Cura Abandono Óbito por tuberculose Óbito por outras causas Transferência Mudança de diagnóstico Tuberculose multirresistente Ignorado/não preenchido Tempo até encerramento Tempo transcorrido entre o diagnóstico e o encerramento do caso, nas seguintes faixas: Menos de 60 dias 60 a 120 dias 121 a 270 dias Mais de 270 dias Informação inconsistente Ignorado/não informado/não se aplica

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO DE DADOS SINAN NET VERSÃO 4.0

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO DE DADOS SINAN NET VERSÃO 4.0 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CENTRO DE INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS EM VIGILÂNCIA EM SAÚDE GT-SINAN SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 03 de abril de 2017 Página 1/9 DEFINIÇÃO DE A Tuberculose/TB é uma doença infecciosa e contagiosa, causada por um microorganismo denominado Mycobacterium tuberculosis, também denominado de Bacilo de Koch

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO TUBERCULOSE

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO TUBERCULOSE 22 de março de 2016 Página 1/6 DEFINIÇÃO DE CASO CONFIRMADO Todo indivíduo com diagnóstico bacteriológico (baciloscopia ou cultura para BK ou teste rápido molecular para tuberculose) E indivíduos com diagnóstico

Leia mais

Propomos o Protocolo Para Internação em Hospitais Estaduais de Referência Terciária para Tuberculose

Propomos o Protocolo Para Internação em Hospitais Estaduais de Referência Terciária para Tuberculose Considerando: O Manual Técnico de Controle da Tuberculose do Ministério da Saúde 2010; As Normas de Biossegurança constantes do Manual Técnico de Controle para Tuberculose MS 2010; O perfil Institucional

Leia mais

ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE EM PACIENTES RESIDENTES NO DF EM 2012

ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE EM PACIENTES RESIDENTES NO DF EM 2012 Universidade de Brasília Faculdade de Ciências da Saúde Departamento de Saúde Coletiva Curso de Gestão em Saúde Coletiva ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE EM PACIENTES RESIDENTES NO DF EM 2012 Brasília-DF,

Leia mais

Memorias Convención Internacional de Salud Pública. Cuba Salud La Habana 3-7 de diciembre de 2012 ISBN

Memorias Convención Internacional de Salud Pública. Cuba Salud La Habana 3-7 de diciembre de 2012 ISBN CO-INFECÇÃO TUBERCULOSE-HIV: ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SALVADOR-BAHIA, ENTRE E Karina Araújo Pinto 1, Haína de Jesus Araújo 2, Sheila Queiroz Rios de Azevedo 3 A tuberculose (TB) é uma doença

Leia mais

ANÁLISE DE COMPLETUDE DAS FICHAS DE NOTIFICAÇÃO DA TUBERCULOSE, DE RESIDENTES DO MUNICÍPIO DE PETROLINA (PE), NO PERÍODO DE 2009 A 2014

ANÁLISE DE COMPLETUDE DAS FICHAS DE NOTIFICAÇÃO DA TUBERCULOSE, DE RESIDENTES DO MUNICÍPIO DE PETROLINA (PE), NO PERÍODO DE 2009 A 2014 ANÁLISE DE COMPLETUDE DAS FICHAS DE NOTIFICAÇÃO DA TUBERCULOSE, DE RESIDENTES DO MUNICÍPIO DE PETROLINA (PE), NO PERÍODO DE 2009 A 2014 Lorena Maria Souza Rosas¹, Larissa de Sá carvalho ², Herydiane Rodrigues

Leia mais

Às Coordenações Gerais de Atenção Primária, às Empresas de Prontuários Eletrônicos e às Organizações Sociais de Saúde.

Às Coordenações Gerais de Atenção Primária, às Empresas de Prontuários Eletrônicos e às Organizações Sociais de Saúde. PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Saúde Subsecretaria de Promoção Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Atenção Primária Rua Afonso Cavalcanti, 455-801

Leia mais

Programa Nacional de Controle da Tuberculose CGPNCT / DEVEP Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde

Programa Nacional de Controle da Tuberculose CGPNCT / DEVEP Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Programa Nacional de Controle da Tuberculose CGPNCT / DEVEP Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde tuberculose@saude.gov.br Julho/ 2016 Tuberculose no Mundo Um terço da população está infectada

Leia mais

PERFIL DA TUBERCULOSE EM CRIANÇAS DE UM MUNICÍPIO DO AGRESTE PARAIBANO

PERFIL DA TUBERCULOSE EM CRIANÇAS DE UM MUNICÍPIO DO AGRESTE PARAIBANO PERFIL DA TUBERCULOSE EM CRIANÇAS DE UM MUNICÍPIO DO AGRESTE PARAIBANO Aguinaldo José de Araújo UEPB aguinaldo.araujo@hotmail.com Rosiane Davina da Silva UEPB rosianedavina@hotmail.com Talina Carla da

Leia mais

A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA TUBERCULOSE E O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA TUBERCULOSE E O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Área Técnica de Pneumologia Sanitária A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA TUBERCULOSE E O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Brasília, junho de 2004 Evolução da

Leia mais

Programa Nacional de Controle da Tuberculose

Programa Nacional de Controle da Tuberculose Programa Nacional de Controle da Tuberculose FERNANDA DOCKHORN COSTA CGPNCT / DEVIT Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde tuberculose@saude.gov.br Julho/ 2016 Tuberculose no Brasil - 2015

Leia mais

Fluxo das Doenças de Notificação Compulsória no HMVSC

Fluxo das Doenças de Notificação Compulsória no HMVSC Fluxo das Doenças de Notificação Compulsória no HMVSC Nas unidades de internação, UTIs ou ambulatório A equipe assistencial identifica possível ou confirmada DOENÇA OU AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA

Leia mais

Sistematização e análise de casos notificados de violência contra a mulher em Viçosa-MG.

Sistematização e análise de casos notificados de violência contra a mulher em Viçosa-MG. Sistematização e análise de casos notificados de violência contra a mulher em Viçosa-MG. Projeto A violência contra a mulher em Viçosa MG: compreensão do fenômeno por profissionais de saúde e análise da

Leia mais

O que é a Tuberculose?

O que é a Tuberculose? O que é a Tuberculose? A tuberculose é uma doença a infecto- contagiosa causada por uma bactéria, visível vel apenas ao microscópio, chamada bacilo de Koch. Em geral a Tuberculose acomete os pulmões Mas

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS ano I nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS ano I nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS 2 012 ano I nº 01 2012. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Expediente Boletim Epidemiológico - Sífilis

Leia mais

I Encontro Nacional sobre Tuberculose em Hospitais

I Encontro Nacional sobre Tuberculose em Hospitais I Encontro Nacional sobre Tuberculose em Hospitais PROJETO FUNDO GLOBAL Agosto, 2007 São Paulo HISTÓRICO Década de 70-80: 1. Tratamento com esquema de curta duração de elevada eficácia (cura > 95%) 2.

Leia mais

ANÁLISE DE COMPLETUDE DAS FICHAS DE NOTIFICAÇÃO DA HANSENÍASE, DE RESIDENTES DO MUNICÍPIO DE PETROLINA (PE), NO PERÍODO DE 2011 A 2016

ANÁLISE DE COMPLETUDE DAS FICHAS DE NOTIFICAÇÃO DA HANSENÍASE, DE RESIDENTES DO MUNICÍPIO DE PETROLINA (PE), NO PERÍODO DE 2011 A 2016 ANÁLISE DE COMPLETUDE DAS FICHAS DE NOTIFICAÇÃO DA HANSENÍASE, DE RESIDENTES DO MUNICÍPIO DE PETROLINA (PE), NO PERÍODO DE 2011 A 2016 Larisa de Sá carvalho¹, Lorena Maria Souza Rosas², Herydiane Rodrigues

Leia mais

26/08/2016. Clínica Médica em Exercícios para Concursos

26/08/2016. Clínica Médica em Exercícios para Concursos Clínica Médica em Exercícios para Concursos Clínica Médica em Exercícios para Concursos Elton Chaves Fundação Centro de Hematologia e Hemoterapia - Enfermeiro - Área Enfermagem do Trabalho De acordo com

Leia mais

RESP - Registro de Eventos em Saúde Pública

RESP - Registro de Eventos em Saúde Pública RESP - Registro de Eventos em Saúde Pública Monitoramento integrado de vigilância e atenção à saúde de condições relacionadas às infecções durante a gestação, identificadas no pré-natal, parto e puericultura.

Leia mais

Fórum Sintomáticos Respiratórios (SR) Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose 03/07/2012. Goiânia 28 a 30 de junho de 2012

Fórum Sintomáticos Respiratórios (SR) Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose 03/07/2012. Goiânia 28 a 30 de junho de 2012 Fórum Sintomáticos Respiratórios (SR) Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Goiânia 28 a 30 de junho de 2012 Josué Lima Programa Nacional de Controle da Tuberculose - MS Tuberculose

Leia mais

Memorias Convención Internacional de Salud Pública. Cuba Salud La Habana 3-7 de diciembre de 2012 ISBN

Memorias Convención Internacional de Salud Pública. Cuba Salud La Habana 3-7 de diciembre de 2012 ISBN PERFIL CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICO DA TUBERCULOSE NA POPULAÇÃO INDÍGENA DO ESTADO DO AMAZONAS, BRASIL (1,2,5) Altair Seabra de Farias; (3) Gabriela Fernanda Guidelli Tavares Cardoso de Godoi; (4) Alexandra

Leia mais

I. BUSCA ATIVA A) Exercício 1 Sintomático Respiratório Assinale se vai ou não para o livro de registro do SR.

I. BUSCA ATIVA A) Exercício 1 Sintomático Respiratório Assinale se vai ou não para o livro de registro do SR. I. BUSCA ATIVA A) Exercício 1 Sintomático Respiratório Assinale se vai ou não para o livro de registro do SR. 1) Roberto Pereira, 30 anos que tem tosse e febre há um dia e não colheu baciloscopia. Sim

Leia mais

Cadastro metas para Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde - Prioridades e Objetivos Estado: GOIAS

Cadastro metas para Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde - Prioridades e Objetivos Estado: GOIAS Cadastro metas para Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde - Prioridades e Objetivos Estado: GOIAS PACTO PELA VIDA PRIORIDADE: I - ATENCAO A SAUDE DO IDOSO. OBJETIVO: PROMOVER A FORMACAO

Leia mais

O Tratamento na População Carcerária. Dr. Lindomar Antonio Possa Médico responsável pelo Programa de Tuberculose do PCPA/AHVN

O Tratamento na População Carcerária. Dr. Lindomar Antonio Possa Médico responsável pelo Programa de Tuberculose do PCPA/AHVN O Tratamento na População Carcerária Dr. Lindomar Antonio Possa Médico responsável pelo Programa de Tuberculose do PCPA/AHVN Histórico O Presídio Central, inaugurado em 1959 no bairro Partenon, está localizado

Leia mais

ESTUDO DA EFETIVIDADE E DA ACEITABILIDADE DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE COM ESQUEMA 4 EM 1 DFC (DOSE FIXA COMBINADA)

ESTUDO DA EFETIVIDADE E DA ACEITABILIDADE DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE COM ESQUEMA 4 EM 1 DFC (DOSE FIXA COMBINADA) UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE MEDICINA SOCIAL CENTRO DE PESQUISA EM SAUDE COLETIVA (CEPESC) ESTUDO DA EFETIVIDADE E DA ACEITABILIDADE DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE COM ESQUEMA 4

Leia mais

BACILOSCOPIA NEGATIVA NO DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DA TUBERCULOSE E MICOBACTERIOSE EM CENTROS DE DETENÇÃO PROVISÓRIA NA REGIÃO DO ABC PAULISTA

BACILOSCOPIA NEGATIVA NO DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DA TUBERCULOSE E MICOBACTERIOSE EM CENTROS DE DETENÇÃO PROVISÓRIA NA REGIÃO DO ABC PAULISTA BACILOSCOPIA NEGATIVA NO DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DA TUBERCULOSE E MICOBACTERIOSE EM CENTROS DE DETENÇÃO PROVISÓRIA NA REGIÃO DO ABC PAULISTA Cergole-Novella MC 1, Carmo AMS 1, Redondaro AAA 1, Candido

Leia mais

Algoritmos diagnósticos de tuberculose em PVHA, com Teste Rápido Molecular (TRM-TB)

Algoritmos diagnósticos de tuberculose em PVHA, com Teste Rápido Molecular (TRM-TB) Manejo da Coinfecção TB-HIV Algoritmos diagnósticos de tuberculose em PVHA, com Teste Rápido Molecular (TRM-TB) Professora: Denise Arakaki-Sanchez O Ministério de Saúde, através da Nota Informativa CGPNCT/DEVEP/SVS/MS

Leia mais

I ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA ÍNDICE DE ABANDONO DO TRATAMENTO CONTRA TUBERCULOSE PULMONAR: AVALIAÇÃO DO CENÁRIO DE PORTO VELHO, RONDÔNIA.

I ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA ÍNDICE DE ABANDONO DO TRATAMENTO CONTRA TUBERCULOSE PULMONAR: AVALIAÇÃO DO CENÁRIO DE PORTO VELHO, RONDÔNIA. I ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA ÍNDICE DE ABANDONO DO TRATAMENTO CONTRA TUBERCULOSE PULMONAR: AVALIAÇÃO DO CENÁRIO DE PORTO VELHO, RONDÔNIA. ASSICLEI DO NASCIMENTO SILVA 1, Esp. CLEIDILENE LUIZA DOS

Leia mais

INFORME TÉCNICO 005/2014

INFORME TÉCNICO 005/2014 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL GERÊNCIA DE DOENÇAS TRANSMITIDAS POR VETORES E ZOONOSES -

Leia mais

Joseney Santos

Joseney Santos Joseney Santos joseney.santos@saude.gov.br O Brasil está entre os 22 países que concentram 80% dos casos de Tb no mundo. (OMS) Responsável, junto com o Peru por 50% dos Casos nas Américas. (OMS) Média

Leia mais

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DA TUBERCULOSE EM UM MUNICÍPIO DO CARIRI CEARENCE

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DA TUBERCULOSE EM UM MUNICÍPIO DO CARIRI CEARENCE UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CAMPUS CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM THIARA BATISTA FREIRE SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DA TUBERCULOSE EM UM MUNICÍPIO

Leia mais

Boletim Informativo INFLUENZA

Boletim Informativo INFLUENZA CRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE Porto Alegre, 22 de Julho de 16. Boletim Informativo INFLUENZA Até a Semana Epidemiológica () 29 (3//16 a *23/7/16) foram investigados 1841 casos suspeitos de Síndrome Respiratória

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Epidemiologia Geral HEP 143 Cassia Maria Buchalla 2017 Sistemas de Informação Sistema: conjunto de partes que se articulam para uma finalidade comum Sistema de informações: conjunto

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO Nº 05 VÍRUS ZIKA SEMANA 15 MATO GROSSO DO SUL / 2016

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO Nº 05 VÍRUS ZIKA SEMANA 15 MATO GROSSO DO SUL / 2016 BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO Nº 05 VÍRUS ZIKA SEMANA 15 MATO GROSSO DO SUL / 2016 MAPA DE MUNICÍPIOS COM CONFIRMAÇÃO LABORATORIAL DE CASOS DE VÍRUS ZIKA NO MATO GROSSO DO SUL, 2016. Governo do Estado de Mato

Leia mais

PUBLICADA NO D.O. DE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE ATO DO SECRETÁRIO RESOLUÇÃO SES Nº 3088 DE 31 DE JULHO 2006.

PUBLICADA NO D.O. DE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE ATO DO SECRETÁRIO RESOLUÇÃO SES Nº 3088 DE 31 DE JULHO 2006. PUBLICADA NO D.O. DE 02.08.2006 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE ATO DO SECRETÁRIO RESOLUÇÃO SES Nº 3088 DE 31 DE JULHO 2006. DISPÕE SOBRE A OBRIGATORIEDADE DE INVESTIGAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DE TODOS OS ÓBITOS

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA LEPTOSPIROSE NO ESTADO DE SÃO PAULO NO PERÍODO DE 2007 A 2011

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA LEPTOSPIROSE NO ESTADO DE SÃO PAULO NO PERÍODO DE 2007 A 2011 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA LEPTOSPIROSE NO ESTADO DE SÃO PAULO NO PERÍODO DE 2007 A 2011 Márcia Regina Buzzar Divisão de Zoonoses CVE SES-SP mbuzzar@saude.sp.gov.br INTRODUÇÃO A Leptospirose é doença infecciosa

Leia mais

TUBERCULOSE NA TERCEIRA IDADE NO BRASIL

TUBERCULOSE NA TERCEIRA IDADE NO BRASIL TUBERCULOSE NA TERCEIRA IDADE NO BRASIL Ana Elisa P. Chaves (1), Kleane Maria F. Araújo (2) Maria Luísa A. Nunes (3),Thainá Vieira Chaves (4), Lucas Chaves Araújo (5) 1 Docente Saúde Coletiva-UFCG e-mail:

Leia mais

CVE - DIVISÃO DE TUBERCULOSE AV. DR. ARNALDO 351 6º ANDAR SALA 19 FONE/FAX:

CVE - DIVISÃO DE TUBERCULOSE AV. DR. ARNALDO 351 6º ANDAR SALA 19 FONE/FAX: CVE - DIVISÃO DE TUBERCULOSE AV. DR. ARNALDO 351 6º ANDAR SALA 19 FONE/FAX:3082-2772 DIVISÃO DE TUBERCULOSE E OUTRAS PNEUMOPATIAS TRATAMENTO SUPERVISIONADO Tuberculose Autoras: Claudia Valência Montero

Leia mais

CASO CLÍNICO 1 ABERTURA

CASO CLÍNICO 1 ABERTURA 1 CASO CLÍNICO 1 ABERTURA M.S.G. 33 anos, feminina, negra, solteira, natura e procedente de São Paulo, recepcionista em unidade de saúde, procura atendimento relatando que, há mais de um mês vem apresentando

Leia mais

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DA TUBERCULOSE NA REGIÃO DE SAÚDE DE BOTUCATU-SP, 1993 A 1998.

ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DA TUBERCULOSE NA REGIÃO DE SAÚDE DE BOTUCATU-SP, 1993 A 1998. ADRIANA AVEIRO VENTURA ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DA TUBERCULOSE NA REGIÃO DE SAÚDE DE BOTUCATU-SP, 1993 A 1998. 2 ADRIANA AVEIRO VENTURA ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DA TUBERCULOSE NA REGIÃO DE SAÚDE DE BOTUCATU-SP,

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2011

Briefing. Boletim Epidemiológico 2011 Briefing Boletim Epidemiológico 2011 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

N OTA PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE CASOS NOTIFICADOS DE TUBERCULOSE EM RESIDENTES DE

N OTA PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE CASOS NOTIFICADOS DE TUBERCULOSE EM RESIDENTES DE N OTA PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE CASOS NOTIFICADOS DE TUBERCULOSE EM RESIDENTES DE ABRIGOS EM VITÓRIA E VILA VELHA, ESPÍRITO SANTO, NO PERÍODO DE 2000 A 2006 Epidemiologic profile of reported cases of tuberculosis

Leia mais

Políticas de Prevenção, Assistência e Tratamento das Hepatites Virais

Políticas de Prevenção, Assistência e Tratamento das Hepatites Virais Políticas de Prevenção, Assistência e Tratamento das Hepatites Virais Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Brasília, 07 de Agosto de 202 Dados Epidemiológicos

Leia mais

Efetividade do tratamento supervisionado para tuberculose em cinco Unidades Federadas, Brasil,

Efetividade do tratamento supervisionado para tuberculose em cinco Unidades Federadas, Brasil, Efetividade do tratamento supervisionado para tuberculose em cinco Unidades Federadas, Brasil, 2004-2005 Ricardo Gadelha de Abreu Susan Martins Pereira Expedito José de A. Luna Departamento de Vigilância

Leia mais

Mudança no esquema de tratamento da tuberculose Changes in tuberculosis treatment scheme

Mudança no esquema de tratamento da tuberculose Changes in tuberculosis treatment scheme Informe Técnico Mudança no esquema de tratamento da tuberculose Changes in tuberculosis treatment scheme I. II Laedi Alves Rodrigues dos Santos Vera Maria Neder Galesi I,II Divisão de Controle da Tuberculose,

Leia mais

27/04/2016. GeneXpert no diagnóstico da tuberculose: como interpretar os resultados. GeneXpert no diagnóstico da tuberculose:

27/04/2016. GeneXpert no diagnóstico da tuberculose: como interpretar os resultados. GeneXpert no diagnóstico da tuberculose: GeneXpert no diagnóstico da tuberculose: como interpretar os resultados. Dra. Tatiana Galvão Doutora e Pneumologista pela UFBA Professora Adjunta EMSP/UNIFACS 21 de abril 2016 INTRODUÇÃO DESCRIÇÃO TÉCNICA

Leia mais

INFORME TÉCNICO 001/2016

INFORME TÉCNICO 001/2016 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE INFORME TÉCNICO 001/2016 Vigilância Epidemiológica da Febre do ZIKA Vírus no Estado do Rio de Janeiro Rio de Janeiro,

Leia mais

Comunicação Breve. Completude das fichas de notificações de tuberculose em cinco capitais do Brasil com elevada incidência da doença* Resumo.

Comunicação Breve. Completude das fichas de notificações de tuberculose em cinco capitais do Brasil com elevada incidência da doença* Resumo. Comunicação Breve Completude das fichas de notificações de tuberculose em cinco capitais do Brasil com elevada incidência da doença* Completeness of tuberculosis reporting forms in five Brazilian capitals

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL SÓCIO-DEMOGRÁFICO E EPIDEMIOLÓGICO DE PORTADORES DE TUBERCULOSE

CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL SÓCIO-DEMOGRÁFICO E EPIDEMIOLÓGICO DE PORTADORES DE TUBERCULOSE CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL SÓCIO-DEMOGRÁFICO E EPIDEMIOLÓGICO DE PORTADORES DE TUBERCULOSE Karin Anne Margaridi Gonçalves Mestranda do Programa de Gestão e Desenvolvimento Regional Universidade de Taubaté

Leia mais

SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Secretaria da Saúde Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto Estado de São Paulo www.saude.ribeiraopreto.sp.gov.br BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Quadro 1: Casos notificados de Dengue,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Saúde

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Saúde Considerando a confirmação de um caso de sarampo e quatro fortemente suspeitos no Ceará; Considerando a confirmação de surto de sarampo em Pernambuco e casos confirmados relacionados à importação, nos

Leia mais

Boletim da Vigilância em Saúde ABRIL 2013

Boletim da Vigilância em Saúde ABRIL 2013 Boletim da Vigilância em Saúde ABRIL 2013 Boletim da Vigilância em Saúde ABRIL 2013 Prefeito Municipal Marcio Lacerda Secretário Municipal de Saúde Marcelo Gouvêa Teixeira Secretário Municipal Adjunto

Leia mais

Vigilância de Influenza no Município de São Paulo

Vigilância de Influenza no Município de São Paulo Vigilância de Influenza no Município de São Paulo A atividade do vírus da Influenza pode ser variável e imprevisível. No município de São Paulo (MSP), nos últimos anos, o maior número de casos de Síndrome

Leia mais

Co-Infecção HIV-TB e Adesão. Desafios Atuais da Tuberculose

Co-Infecção HIV-TB e Adesão. Desafios Atuais da Tuberculose Co-Infecção HIV-TB e Adesão Desafios Atuais da Tuberculose Objetivo Apresentar os desafios locais quanto à adesão 8 de julho de 2016 GPPCS - Transmissíveis SMS PMPA Paulo Behar Porto Alegre Vilas Bom Jesus

Leia mais

TUBERCULOSE CADERNO INFORMATIVO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO

TUBERCULOSE CADERNO INFORMATIVO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO TUBERCULOSE CADERNO INFORMATIVO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ELABORAÇÃO Daiane Marafon Extensionista - Comunicação Social Lauriane de Carvalho Souza Extensionista - Enfermagem Poliana Anelize Weisheimer

Leia mais

Informativo Epidemiológico de Dengue, Chikungunya e Zika

Informativo Epidemiológico de Dengue, Chikungunya e Zika Informativo Epidemiológico de Dengue, Chikungunya e Zika Ano 11, nº 38, setembro de 2016. Semana epidemiológica 37 de 2016. GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL DENGUE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO DF No Distrito

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1. Perfil epidemiológico da sífilis gestacional em residentes de Ponta Grossa, 2010 a 2014

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1. Perfil epidemiológico da sífilis gestacional em residentes de Ponta Grossa, 2010 a 2014 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

TUBERCULOSE - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS AÇÕES REALIZADAS E AS PRECONIZADAS PELO MINISTÉRIO DA SAÚDE EM SANTA MARIA, RS, 2013.

TUBERCULOSE - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS AÇÕES REALIZADAS E AS PRECONIZADAS PELO MINISTÉRIO DA SAÚDE EM SANTA MARIA, RS, 2013. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO/PNAP/UAB/UFRGS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DE GESTÃO EM SAÚDE TUBERCULOSE - ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS AÇÕES REALIZADAS E AS PRECONIZADAS

Leia mais

Volume 1, Número 2 ISSN João Pessoa, Resenha

Volume 1, Número 2 ISSN João Pessoa, Resenha MANUAL TÉCNICO OPERACIONAL: DIRETRIZES PARA VIGILÂNCIA, ATENÇÃO E ELIMINAÇÃO DA HANSENÍASE COMO PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA. MINISTÉRIO DA SAÚDE. PORTARIA Nº 149, DE 03 DE FEVEREIRO 2016. BRASÍLIA-DF, 2016.

Leia mais

SUICÍDIOS NO ESPÍRITO SANTO

SUICÍDIOS NO ESPÍRITO SANTO Secretaria de Estado da Saúde do Espírito Santo Vigilância Epidemiológica Área Técnica de Causas Externas/Acidentes/Violência SUICÍDIOS NO ESPÍRITO SANTO NOTIFICAR, TAMBÉM É CUIDAR! Setembro/2016 VIGILÂNCIA

Leia mais

FARMACOVIGILÂNCIA A QUALIDADE FQM EM SUAS MÃOS ENTENDA MANUAL COMO E POR QUE. RELATAR EventoS AdversoS

FARMACOVIGILÂNCIA A QUALIDADE FQM EM SUAS MÃOS ENTENDA MANUAL COMO E POR QUE. RELATAR EventoS AdversoS FARMACOVIGILÂNCIA A QUALIDADE FQM EM SUAS MÃOS MANUAL ENTENDA COMO E POR QUE RELATAR EventoS AdversoS Apresentação O desastre da Talidomida no final da década de 50 foi um marco mundial na história da

Leia mais

II SIEPS XX ENFERMAIO I MOSTRA DO INTERNATO EM ENFERMAGEM. Principais Características da Tuberculose Pediátrica no Ceará no Último Biênio

II SIEPS XX ENFERMAIO I MOSTRA DO INTERNATO EM ENFERMAGEM. Principais Características da Tuberculose Pediátrica no Ceará no Último Biênio II SIEPS XX ENFERMAIO I MOSTRA DO INTERNATO EM ENFERMAGEM Fortaleza - CE 23 a 25 de Maio de 2016 Principais Características da Tuberculose Pediátrica no Ceará no Último Biênio George Jo Bezerra Sousa 1,

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HANSENÍASE- N 01/2011

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HANSENÍASE- N 01/2011 PREFEITURA DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÃNCIA À SAÚDE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HANSENÍASE- N 01/2011 Apesar dos

Leia mais

III contra a criança e o adolescente; IV contra a pessoa com deficiência; VI contra o portador do vírus HIV;

III contra a criança e o adolescente; IV contra a pessoa com deficiência; VI contra o portador do vírus HIV; LEI N.º 8.800, DE 12 DE JUNHO DE 2017 Institui NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA DE VIOLÊNCIA-NCV nas categorias que especifica. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ, Estado de São Paulo, de acordo com o que decretou

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CURSO DE ESTATÍSTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CURSO DE ESTATÍSTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CURSO DE ESTATÍSTICA Diancarlos Pereira de Andrade Thalyson Missael da Silva ANÁLISE DO TEMPO ATÉ A CURA DE PACIENTES

Leia mais

Subsecretaria de Vigilância à Saúde. Secretaria de Estado de Saúde

Subsecretaria de Vigilância à Saúde. Secretaria de Estado de Saúde Subsecretaria de SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DE 2014-2015* até a SE 45 Histórico das Epidemias de dengue no DF Gráfico 01: Série histórica de dengue em residentes do DF, SE*46 16.000 15.229 14.000 12.000 12.281

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO - SINAN DICIONÁRIO DE DADOS AMBIENTE WINDOWS

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO - SINAN DICIONÁRIO DE DADOS AMBIENTE WINDOWS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA COORDENAÇÃO GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS GT-SINAN SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO - SINAN

Leia mais

DENGUEDEDENGUE BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA DENGUE. Dengue é um grave problema de saúde pública enfrentado em diversos países.

DENGUEDEDENGUE BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA DENGUE. Dengue é um grave problema de saúde pública enfrentado em diversos países. Ano 2 Nº 4 16 de Junho de 2009 BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA DENGUE Dengue é um grave problema de saúde pública enfrentado em diversos países. A transmissão da doença se dá através da picada do mosquito transmissor

Leia mais

BAHIA MANUAL PRÁTICO TABNET TUBERCULOSE

BAHIA MANUAL PRÁTICO TABNET TUBERCULOSE BAHIA MANUAL PRÁTICO TABNET TUBERCULOSE Salvador-BA Agosto/2012 DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE - BAHIA MANUAL PRÁTICO TABNET TUBERCULOSE

Leia mais

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA INFORME Nº 35/2017 MONITORAMENTO DOS CASOS E ÓBITOS DE FEBRE AMARELA NO BRASIL INÍCIO DO EVENTO: Dezembro de 2016

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 011/2014

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 011/2014 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL GERÊNCIA DE DOENÇAS TRANSMITIDAS POR VETORES E ZOONOSES -

Leia mais

NOTA TÉCNICA FEBRE AMARELA SESA/ES 02/2017. Assunto: Informações e procedimentos para a vigilância de Febre Amarela no Espírito Santo.

NOTA TÉCNICA FEBRE AMARELA SESA/ES 02/2017. Assunto: Informações e procedimentos para a vigilância de Febre Amarela no Espírito Santo. NOTA TÉCNICA FEBRE AMARELA SESA/ES 02/2017 Assunto: Informações e procedimentos para a vigilância de Febre Amarela no Espírito Santo. Considerando a ocorrência de casos e óbitos suspeitos de Febre Amarela

Leia mais

Oficina Técnica de Cálculo de Indicadores Epidemiológicos e Operacionais da Tuberculose.

Oficina Técnica de Cálculo de Indicadores Epidemiológicos e Operacionais da Tuberculose. Oficina Técnica de Cálculo de Indicadores Epidemiológicos e Operacionais da Tuberculose. Data: 1ª turma: 05 e 06/04/2016-2ª turma: 12 e 13/04/2016 3ª turma: 19 e 20/04/2016 Realização: DVDST/AIDS/HIV/HV/TB

Leia mais

PESQUISA. Silvana Maria Silva Machado

PESQUISA. Silvana Maria Silva Machado PESQUISA Perfil epidemiológico da tuberculose em Teresina no período de 2003 a 2012 Epidemiological profile of tuberculosis in Teresina in the period 2003 to 2012 Perfil epidemiológico de la tuberculosis

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO E SÓCIO- DEMOGRÁFICO DE CIDADÃOS PORTADORES DE TUBERCULOSE

CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO E SÓCIO- DEMOGRÁFICO DE CIDADÃOS PORTADORES DE TUBERCULOSE ENSAIOS E CIÊNCIA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, AGRÁRIAS E DA SAÚDE CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO E SÓCIO- DEMOGRÁFICO DE CIDADÃOS PORTADORES DE TUBERCULOSE Quésia Postigo Kamimura Universidade de Taubaté

Leia mais

Boletim Epidemiológico - Influenza

Boletim Epidemiológico - Influenza SECRETARIA DE SAÚDE DIRETORIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE UNIDADE DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Ano 7 Nº SE Período de referência: / a //7 Data de Emissão: 7//7 Nº Ano 7 SE (/ a //7) Data de Emissão:

Leia mais

habitantes habitantes (0,2%) habitantes (99,8%) 650 km2 929,0 hab/km2

habitantes habitantes (0,2%) habitantes (99,8%) 650 km2 929,0 hab/km2 SP Ribeirão Preto 674.405 habitantes 604.682 habitantes 1.496 habitantes (0,2%) 603.186 habitantes (99,8%) 650 km2 929,0 hab/km2 36.091 (6,0%)* 73.636 (12,2%)* 18.127 (3,0%)* 17.871 (3,0%)* 145.725 (24,1%)*

Leia mais

Informe Influenza: julho COVISA - Campinas

Informe Influenza: julho COVISA - Campinas PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE Coordenadoria de Vigilância em Saúde Avenida Anchieta, 200 11º andar Centro CEP: 13015-904 Tel. (19) 2116-0187 / 0286 E-mail: covisa@campinas.sp.gov.br

Leia mais

Dicionário de variáveis - Sistema de Informações sobre mortalidade (SIM) versão: 22/dez/2016

Dicionário de variáveis - Sistema de Informações sobre mortalidade (SIM) versão: 22/dez/2016 Dicionário de variáveis - Sistema de Informações sobre mortalidade (SIM) versão: 22/dez/2016 Observações: 1. As variáveis em maiúsculas foram obtidas junto ao DATASUS 1 ; 2. Os campos def_ são valores

Leia mais

TUBERCULOSE MONORRESISTENTE: UM ESTUDO DE CASO

TUBERCULOSE MONORRESISTENTE: UM ESTUDO DE CASO TUBERCULOSE MONORRESISTENTE: UM ESTUDO DE CASO Débhora Ísis Barbosa e SILVA 1 Felipe Artur Gomes de ASSIS 2 Ana Cristina Nóbrega Silva FALCÃO 3 1 Enfermeiro. Especialistas em Saúde da Família. Residentes

Leia mais

Nota Técnica nº 13 LEISHIMANIOSE VICERAL

Nota Técnica nº 13 LEISHIMANIOSE VICERAL CENTRO DE INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS E RESPOSTA EM VIGILÂNCIA EM SAÚDE Nota Técnica nº 13 LEISHIMANIOSE VICERAL Centro de Informações Estratégicas e Resposta em Vigilância em Saúde Departamento de Epidemiologia/

Leia mais

Dra. Sandra Fagundes Moreira da Silva Coordenadora Estadual de DST, Aids e Hepatites Virais- SESA/ES

Dra. Sandra Fagundes Moreira da Silva Coordenadora Estadual de DST, Aids e Hepatites Virais- SESA/ES BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DST/AIDS/HV - Nº 30 Dados até Dezembro de 2014 - ANÁLISE DOS DADOS DO HIV/AIDS, SÍFILIS E DE HEPATITES VIRAIS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Dra. Sandra Fagundes Moreira da Silva Coordenadora

Leia mais

Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde (PQAVS)

Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde (PQAVS) Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde (PQAVS) PORTARIA Nº 1.708, DE 16 DE AGOSTO DE 2013 Regulamenta o Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde (PQAVS), com a definição

Leia mais

CAPACITAÇÃO INTEGRADA DE VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS. Eunápolis, Julho de 2013

CAPACITAÇÃO INTEGRADA DE VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS. Eunápolis, Julho de 2013 CAPACITAÇÃO INTEGRADA DE VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS Eunápolis, Julho de 2013 ASPECTOS CLÍNICOS E SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DA COQUELUCHE NA BAHIA Maria do Carmo Campos Aspectos Legais Portaria

Leia mais

HELENICE BOSCO DE OLIVEIRA, LETICIA MARIN-LEÓN, JOVANA GARDINALI

HELENICE BOSCO DE OLIVEIRA, LETICIA MARIN-LEÓN, JOVANA GARDINALI Jornal Brasileiro de Pneumologia 31(2) - Mar/Abr de 2005 Análise do programa de controle da tuberculose em relação ao tratamento, em Campinas - SP* Analysis of treatment outcomes related to the tuberculosis

Leia mais

Semana Epidemiológica (SE) 02/2017 (08/01 a 14/01) Informe Epidemiológico Síndrome Congênita associada à Infecção pelo Vírus Zika (SCZ)

Semana Epidemiológica (SE) 02/2017 (08/01 a 14/01) Informe Epidemiológico Síndrome Congênita associada à Infecção pelo Vírus Zika (SCZ) 9+- SECRETARIA DE SAÚDE DIRETORIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE UNIDADE DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CENTRO DE INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS EM VIGILÂNCIA EM SAÚDE Semana Epidemiológica (SE) 02/2017 (08/01

Leia mais

Incidência de tuberculose e taxa de cura, Brasil, 2000 a 2004

Incidência de tuberculose e taxa de cura, Brasil, 2000 a 2004 Ana Luiza Bierrenbach I Adriana Bacelar Ferreira Gomes I Elza Ferreira Noronha II Maria de Fátima Marinho de Souza I Incidência de tuberculose e taxa de cura, Brasil, 2000 a 2004 Tuberculosis incidence

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 594, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 594, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010 Ministério da Saúde Secretaria de à Saúde PORTARIA Nº 594, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010 O Secretário de à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS n 511, de 02 de dezembro de 2000,

Leia mais

Alteração da tipologia do indicador passando a ser específico para municípios (o Sistema SISPACTO terá procedimentos ambulatoriais de média

Alteração da tipologia do indicador passando a ser específico para municípios (o Sistema SISPACTO terá procedimentos ambulatoriais de média Alterações das Fichas de Qualificação dos Indicadores a serem incorporados na 2ª Edição do Caderno de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores 2013-2015 Quadro/Indicador Campo da Ficha de Qualificação

Leia mais

TUBERCULOSE NA PESSOA IDOSA: CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES PARA O CONTROLE DA DOENÇA E PROCESSO DO CUIDAR EM ENFERMAGEM

TUBERCULOSE NA PESSOA IDOSA: CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES PARA O CONTROLE DA DOENÇA E PROCESSO DO CUIDAR EM ENFERMAGEM TUBERCULOSE NA PESSOA IDOSA: CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES PARA O CONTROLE DA DOENÇA E PROCESSO DO CUIDAR EM ENFERMAGEM Thaynara Eloise Baracho de Albuquerque Farias (1); Aline de Paula Rêgo Graciano Luz

Leia mais

Conduta Frente a Casos de Tuberculose Eletânia Esteves de Almeida Infectologista

Conduta Frente a Casos de Tuberculose Eletânia Esteves de Almeida Infectologista Conduta Frente a Casos de Tuberculose Eletânia Esteves de Almeida Infectologista www.ccdionline.com Tuberculose Mycobacterium tuberculosis; Forma pulmonar: responsável pela manutenção da cadeia de transmissão.

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE MARCONE MARIANO BEZERRA Sobre... A TB continua sendo mundialmente um importante problema de saúde, exigindo o desenvolvimento de estratégias para o seu controle,

Leia mais

a epidemiologia da doença que mais mata

a epidemiologia da doença que mais mata a epidemiologia da doença que mais mata O Acidente Vascular Cerebral (AVC) caracteriza-se pela perda abrupta de uma função neurológica causada pela interrupção do fluxo de sangue para uma região do cérebro

Leia mais

Perfil Epidemiológico dos casos de Tuberculose Extrapulmonar em um município do estado da Paraíba,

Perfil Epidemiológico dos casos de Tuberculose Extrapulmonar em um município do estado da Paraíba, DOI: 10.1590/1414-462X201400040007 Artigo Original Perfil Epidemiológico dos casos de Tuberculose Extrapulmonar em um município do estado da Paraíba, 2001 2010 Epidemiological Profile of Extra-pulmonary

Leia mais