Vivendo com depressão: histórias de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vivendo com depressão: histórias de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial"

Transcrição

1 PESQUISAS / RESEARCH / INVESTIGACIÓN Vivendo com depressão: histórias de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Living with depression: life histories of users of a Psychosocial Care Center Viviendo con depresión: historias de vida de usuarios de un Centro de Atención Psicosocial Mariza Márcia Rodrigues Gomes Graduada em Enfermagem pela Faculdade NOVAFAPI Aline Raquel de Sousa Graduada em Enfermagem pela Faculdade NOVAFAPI Fernanda Matos Fernandes Castelo Branco Docente da Graduação do curso de enfermagem e dicente do Mestrado Profissional Saúde da Família da Faculdade NOVAFAPI. Claudete Ferreira de Souza Monteiro Doutora em Enfermagem. Docente da Graduação e do Mestrado Profissional Saúde da Família da Faculdade NOVAFAPI e Professora da graduação e do Mestrado Acadêmico em Enfermagem da UFPI RESUMO O transtorno depressivo vem se caracterizando como um importante problema de saúde pública, sendo 2 a 3 vezes mais frequente em mulheres. Junto a isso, sabe-se que através das histórias de vida pode-se compreender como os indivíduos convivem com esta patologia, enfrentam o tratamento e lidam com a situação. Esse estudo teve como objetivos compreender e descrever histórias de vida de usuários do Centro de Atenção Psicossocial II Norte com depressão. A pesquisa possui uma abordagem qualitativa e a investigação foi realizada com 07 indivíduos com depressão que frequentam o Centro de Atenção Psicossocial II- Norte, Teresina PI. Evidenciou-se que as informantes são conscientes de seu problema e que o indivíduo depressivo perde a vontade de realizar suas atividades diárias, isola-se e torna-se dependente dos outros para a execução de tarefas simples do cotidiano e até do autocuidado. A presença de uma situação estressora que culminou com o início da depressão também foi observado no estudo. Após o acompanhamento no Centro de Atenção Psicossocial, houve uma transformação nos aspectos da vida social das informantes, promovendo independência e autonomia. Percebeu-se ainda que a história de vida dos indivíduos possui aspectos importantes para a obtenção de subsídios que direcionarão um planejamento da assistência mais individualizada e singular. Descritores: Depressão. Saúde mental. Enfermagem. ABSTRACT The depressive disturbance is being characterized as an important problem of publie health, being twice more frequent in women. In addition, we know that through their life histories, we can understand how individuals live with this pathlogy, face the treatment and deal with the situation. This study had as objective to understand and describe life histories of depressive users of the Psychological Attention Center II- North. This research has qualitative approach and the investigation was made with seven users with depression. They attend the center for Psychological Attention Center II- North, Teresina-PI. We observed that the informers are aware of their problems and that the depressive individual does not feel like to accomplish their daily activities: they isolate themselves and become dependent of others to accomplish simple daily tasks and even carry out self-care. The presence of a stressed situation at the beginning of the depression was also evident in this study. After se accompaniment in the aspects of their social life, promoting independence and autonomy. We also noticed that the life history of the individuals. Have important aspects for the acquirement of subsidies which will direct a much more singular and individualized planning of assistance. Descriptors: Depression. Mental health. Nursing. RESUMEN Submissão: 09/08/11 Aprovação: 12/09/11 El trastorno depresivo ven caracterizándose como un importante problema de salud pública, siendo 2 a 3 veces más frecuente en mujeres. Junto a eso se sabe que a través de las historias de vida se puede comprender como los individuos conviven con esta patología, enfrentan el tratamiento y lidian con la situación. En este aspecto, ese estudio tuvo como objetivo comprender y describir 19

2 Gomes, M. M. R.; et al. historias de vida de usuarios del Centro de Atención Psicosocial II-Norte con depresión. La pesquisa tiene abordaje cualitativo y la investigación fue realizada con 7 usuarias con depresión que frecuentan el Centro de Atención Psicosocial II-Norte, Teresina-PI. Se evidenció que las informantes son conscientes de su problema y que el individuo depresivo pierde la voluntad en realizar sus actividades diarias, aislase y tornase dependiente de los otros para la ejecución de tareas simples del cotidiano y auto cuidado. El inicio de la enfermedad ocasionado por una situación estresante también fue evidenciado en el estudio. Después del acompañamiento en el Centro de Atención Psicosocial II, hubo una transformación en los aspectos de la vida social de las informantes, observándose independencia y autonomía. En faz del expuesto, se percibió que la historia de vida de los individuos posee aspectos importantes para la obtención de subsidios que direccionarán un planeamiento de la asistencia más individualizada y singular. Descriptores: Depresión. Salud mental. Enfermería. 1 INTRODUÇÃO O transtorno depressivo vem se caracterizando como um importante problema de saúde pública, pois se trata de uma doença que apresenta um curso crônico e recorrente, acarretando sérios prejuízos na vida dos indivíduos. Adicionalmente, por apresentar um quadro clínico marcado por estados sentimentais que diferem em grau e espécie de acordo com cada indivíduo, a mensuração em estudos epidemiológicos ainda é um problema frequente. Dados epidemiológicos revelam a presença de depressão em 6 a 17% da população mundial, cujos tratamentos utilizados não apresentam eficácia significativa pelo fato de que respostas parciais ou inadequadas ao tratamento ainda são um evento comum. Comparada a outras condições médicas, a depressão acarreta maiores prejuízos no funcionamento físico, social e na qualidade de vida dos acometidos em número bastante expressivo, estimando cerca de vinte e três vezes mais do que aquele causado por outras doenças físicas (LIMA; FLECK, 2009). Nesse sentido, a Organização Mundial de Saúde estima que nos próximos vinte anos a depressão sairá do quarto lugar e ocupará o segundo lugar no ranking de doenças dispendiosas e fatais, ficando atrás somente das doenças cardiovasculares (OMS, 2001). O transtorno depressivo é uma doença que afeta milhões de pessoas no mundo, sendo mais comum em pessoas com idade entre 24 e 44 anos. Além disso, a depressão é 2 a 3 vezes mais frequente em mulheres do que em homens. Embora as razões não estejam totalmente esclarecidas, questionam-se fatores ligados ao estresse, parto e efeitos hormonais (ABREU; SALZANO; VASQUES, 2006). Na lógica assistencial, faz-se necessário intervenções que possibilitem ao paciente com transtorno depressivo viver com melhor qualidade de vida e autonomia, devendo ser ambientado em espaços que não mais considerem esse indivíduo apenas como um ser acometido por uma doença mental, mas sim como um indivíduo singular que precisa de cuidados que visem atender às suas necessidades. Nesse contexto, ressalta-se que o processo da Reforma Psiquiátrica ocorrida na Saúde Mental Brasileira foi o acontecimento responsável pelas mudanças ocorridas nos modelos assistenciais de cuidado à pessoa com transtorno mental, passando de um caráter hospitolocêntrico e estigmatizante para uma lógica social e reintegradora. Essa reforma vem gradativamente transpondo os muros de manicômios para buscar uma assistência singularizada e holística, tornando o indivíduo com sofrimento psíquico ativo no seu processo de saúde-doença (RIBAS; BORENSTEIN, PADILHA, 2007). Diante desse desafio, os Centros de Atenção Psicossociais (CAPS) surgem como uma das estratégias de reorganização de serviços de atenção à saúde mental, com o objetivo de evitar o isolamento, a estigmatização e a discriminação, buscando emancipar o indivíduo, a família e a comunidade, com a inclusão do indivíduo na sociedade (MEDEIROS, 2005). Dessa forma, estudos que busquem ouvir a pessoa que vivencia a doença, conhecer sua experiência e o contexto em que está inserida são de grande relevância para os profissionais de saúde, na busca de subsídios para a elaboração de um plano terapêutico particular e que proporcione melhoria na vida desses pacientes. Face ao exposto, esse estudo teve como objetivos compreender histórias de vida de usuários com depressão de um Centro de Atenção Psicossocial. 2 METODOLOGIA A pesquisa realizada caracteriza-se por uma abordagem qualitativa baseada nas histórias de vida das pessoas, o que só é possível a partir da relação e do conhecimento humano. Esse tipo de pesquisa propicia campo livre ao potencial das percepções e subjetividade dos seres humanos (GIL, 2009). A investigação foi realizada no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) II, que faz parte da Regional Centro - Norte de Teresina PI, no período de abril a maio de Foi escolhido como referencial metodológico a história oral de vida, pois através da mesma pode-se captar o que acontece na intersecção do individual com o social, assim como permite que elementos do presente comuniquem-se com elementos do passado (JOSSO, 1999). Este mesmo autor afirma ainda que a história oral tenta abranger a totalidade da vida em seus diferentes registros e em sua duração. Não obstante, Dyniewicz (2009) ressalta que não existe transcrição neutra, nela sempre estarão presentes as percepções do pesquisador. Para a realização da pesquisa foram entrevistados sete usuários portadores de depressão que frequentam o CAPS II- Norte, considerando-se o critério de esgotamento das falas. Os sujeitos deveriam estar em condições de diálogo para contribuir com a pesquisa, não devendo apresentar comprometimento no pensamento a ponto de prejudicar a realização da entrevista. Deviam querer participar voluntariamente, consentir e assinar o termo de consentimento livre e esclarecido. Para garantir o anonimato os entrevistados, foram adotados nomes de flores. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevista semiestruturada, no qual o entrevistador faz pequeno número de perguntas abertas, e as questões a serem respondidas não precisam seguir a ordem prevista no guia de perguntas, podendo ainda ser formuladas algumas perguntas no decorrer da entrevista (RUIZ, 2002). A entrevista foi registrada com o auxílio do gravador de voz (MP4), previamente autorizado pelo entrevistado. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética da Faculdade NO- VAFAPI, com parecer do Processo CAEE nº , juntamente com autorização da Fundação Municipal de Saúde, órgão responsável pelo local do estudo. Iniciaram-se assim as entrevistas, respeitando os aspectos éticos e legais da Resolução nº 196/96, do Conselho Nacional de Saúde em pesquisas envolvendo seres humanos (BRASIL, 1996). 20

3 Vivendo com depressão: histórias de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO O grupo de sete informantes é formado por pessoas do sexo feminino, com idade entre 26 e 58 anos e com tempo de acompanhamento no CAPS de 2 meses a 3 anos. A maioria é procedente de Teresina-PI, possui baixo nível de escolaridade e não tem vida conjugal, como se observa no quadro a seguir. Ressalta-se que a predominância do sexo feminino observada na pesquisa relaciona-se segundo Kaplan e Sadock (2007) com o fato de que a depressão é 2 a 3 vezes mais frequente em mulheres, especulando-se, por isso, fatores ligados ao estresse, parto e efeitos hormonais. Quadro 1- Caracterização sóciodemográfica dos sujeitos. CAPS II-Norte. Teresina-PI SUJEITO PROCEDENCIA IDADE ESCOLARIDADE ESTADO CIVIL RELIGIÃO TEMPO NO CAPS ORQUÍDEA Teresina-PI 31 Ensino Fundamental Divorciada Evangélica 18 meses BROMÉLIA Teresina-PI 29 Ensino Médio Solteira Evangélica 5 meses CRAVO Batalha-PI 45 Sem Escolaridade Casada Evangélica 2 meses ROSA Teresina-PI 28 Ensino Médio Solteira Protestante 1 ano JASMIM Teresina-PI 26 Ensino Superior Solteira Evangélica 2 meses MARGARIDA São João dos 58 Ensino Fundamental Casada Católica 1 ano Patos-PI GIRASSOL Teresina-PI 30 Ensino Fundamental Solteira Sem religião 3 anos Os resultados obtidos pelas falas configuraram relatos de história oral acerca da vivência de indivíduos com depressão acompanhados pelo CAPS II-Norte. Esses relatos resgatam desde a infância até o momento em que se dispuseram a contar suas histórias de vida. Ao narrar sobre suas infâncias e adolescências, as informantes evidenciaram que foram períodos normais, cheio de alegrias, brincadeiras, responsabilidades, desencontros e descobertas. Quando eu era criança eu era normal, normal. Eu era uma menina inteligente tinha muita facilidade de aprender as coisas. E de me comunicar com as pessoas. (Orquídea) Quando eu era criança eu era muito feliz, todo mundo gostava de mim. Minha adolescência também fui feliz, ia pras festas, namorava [...]. (Rosa) Quando eu era criança eu era uma pessoa como qualquer outra - normal [...] Eu sempre fui uma pessoa alegre, estudiosa, comunicativa, gostava de sair, todo lugar era bom. (Jasmin) Eu sempre fui normal, estudava, trabalhava, saia de casa com os amigos [...] antes eu era normal assim como vocês [...]. (Girassol) Outros relatos mostram aspectos indicadores de tristeza e solidão já nessa fase da vida. Quando eu era criança já era meio tristonha, sei lá, acho que era meio doidinha, já [...]. (Margarida) [...] minha adolescência foi só dentro de casa, eu era daquelas pessoas que nem botava a cara na porta. (Bromélia) Os discursos demonstraram que a maioria das informantes apresentou infância e adolescência saudáveis, sem fatores estressores marcantes. Porém, duas informantes relataram a presença de sentimentos de tristeza e solidão nessa fase da vida. Bahls (2002) afirma que na depressão em crianças e adolescentes, os fatores de riscos mais importantes são a presença de depressão em um dos pais, aumentando o risco em pelo menos três vezes, seguido por estressores ambientais, como abuso físico e sexual, e perda de um dos pais, irmão ou amigo íntimo, circunstâncias essas não encontradas nos depoimentos. Na análise dos discursos das informantes, observou-se que a expressão normal assume um significado mais pejorativo, e demonstra a ruptura do modo de viver causado pela doença, pois o termo é utilizado em relatos de situações vividas antes do aparecimento da depressão, expressando a percepção da própria doença. A expressão denota também o caráter estigmatizante dos transtornos psíquicos, incluindo a depressão, ainda bastante vigente na sociedade atual. Assim, pode-se evidenciar que as entrevistadas são conscientes de seu problema e muitas vezes, até nas fases em que os sintomas da doença tornam-se exacerbados, essa percepção de si continua presente, como se observa nos seguintes depoimentos: Quando eu tava em crise, já tinha vontade de retomar minha casa e cuidar dos meus três filho e eu não conseguia de jeito nenhum, eu até tentava, mas não conseguia. Essa depressão é que atrapalhava [...]. (Orquídea) [...] porque eu passava o dia todim caminhando na rua e sabia o que tava fazendo e não conseguia parar. (Bromélia) Com isso, o presente estudo corrobora com Gazalle et al. (2004) que afirmaram que o indivíduo depressivo pode experimentar sentimentos de baixa autoestima e autoconfiança reduzida, ideias de culpa e sentimentos de irrealidade e ruptura com a personalidade. Contudo, assegura que mesmo na presença desses sentimentos, e dependendo da gravidade da doença, o indivíduo pode manter preservada a percepção de si. Outro aspecto evidenciado foi à similaridade quanto ao início da doença das participantes do estudo. Nos relatos, observou-se a presença de uma situação deflagradora, um evento marcante que culminou com o início da depressão ou acentuação do quadro depressivo. Berlim (2005) enfatiza o impacto de uma separação traumática de objetos ou indivíduos de apego significativo para o individuo, na qual a quebra desses laços afetivos é que irá predispor o indivíduo à depressão futuramente, ou seja, o estressor de vida é um dos fatores de maior risco para o desenvolvimento do quadro depressivo. No meu casamento era muita briga, aí ele me abandonou [...] eu fazia tudo em casa e nunca agradava e ainda chegava brigando [...] Aí aquilo ficou [...] e depois que eu entrei em depressão me perguntava ainda mais o porquê. (Orquídea) [...] meu namorado terminou comigo, aí eu fiquei sem dormir, voltou tudo de novo o que eu sentia e comecei a caminhar na rua com impaciência e ansiedade. (Bromélia) O começo mermo da depressão começou quando meu filho [...]se envolveu no mundo das drogas [...]. (Cravo) 21

4 Gomes, M. M. R.; et al. Adoeci de depressão desde que fui demitida do meu emprego. Aí fiquei agitada e agressiva com todo mundo. (Rosa) Depois de alguns problemas com minhas irmãs que queriam a herança do pai e da mãe antes deles morrerem, pois é [...] já se viu isso? Aí veio essa tristeza, esse aperrei que não tinha como controlar. (Margarida) Nos discursos das informantes, observou-se que as mesmas apresentaram um quadro depressivo intenso e marcante, em que tristeza, solidão e angústia foram à tríade clínica mais citada. Eu lembro que me sentia triste, com uma dor de angústia no peito [...]. (Rosa) [...] Aí começou essa tristeza, essa solidão, esse aperrei que não tinha como controlar. (Margarida) É uma tristeza tão forte, tão intensa que não se sabe explicar de onde vem, e muita solidão [...]. (Jasmim) [...] fiquei agoniada, triste, com uma angústia muito ruim. (Girassol) Além disso, esses indivíduos perderam a vontade de realizar suas atividades diárias, isolaram-se do convívio social e familiar, e, com grande frequência, tornaram-se dependentes dos outros para a execução de tarefas simples do cotidiano e até do autocuidado, como relatado abaixo: Não tinha vontade de fala [...] eu passei quase um ano sem falar com ninguém, só ficava calada. Não tinha vontade de tomar banho [...] aí eu fiquei seis meses de cama, sem caminhar, não comia, só tomava sopa e líquido, não tinha vontade de sair, só com tristeza. (Orquídea) [...] Quando eu estou em crise não consigo fazer nada, que ninguém nem me pergunte que eu mais pareça um saco, não falo com ninguém. (Margarida) Quando eu estou com a depressão eu não posso tá no meio de muita gente, não ando de ônibus mas porque tenho medo de me perder. E foi algo muito ruim pra mim, porque eu era uma pessoa de luta, de muita garra, trabalhadeira, batalhadora, não importava estudo [...]. (Cravo) Contudo, para Abreu, Salzano e Vasques (2006), mesmo que o humor depressivo seja típico dos quadros depressivos, ele não é exclusivo para o diagnóstico. Há a presença de outros sintomas psíquicos como desinteresse, redução de energia, diminuição da capacidade de pensar. Além disso, o indivíduo experimenta insônia com piora do humor, ou pode ainda apresentar hipersonia. A depressão pode ainda vir associada à redução ou ao aumento do apetite, redução do interesse sexual, acompanhados de retraimento social, crises de choro, comportamento suicida e retardo ou agitação psicomotora, reafirmando os achados da presente pesquisa. [...] sentia aquela sensação ruim, só aquela angústia me matando, tremia tudo, me esquecia das coisas, era ruim demais [...]. (Girassol) [...] porque antes era só tristeza e uma agitação danada. (Rosa) Diante da observância da depressão como uma doença debilitante e dispendiosa, o surgimento de um novo paradigma na saúde mental possibilitou um acompanhamento mais individualizado e singular, o que torna os sujeitos com depressão mais ativos no seu próprio processo saúde-doença. Hoje estou bem, o tratamento aqui é bom. Estou forte e não mais tão triste como antigamente [...] já estou bem recuperada e sei enfrentar as coisas agora [...] quando acontece algo tento enfrentar com mais força que antes. (Margarida) Atualmente estou bem, graças a Deus. Com o acompanhamento do caps tá muito bom. Aqui a gente faz oficinas, desenhos, coisas mesmo pra passar o tempo. Quando cheguei aqui a crise ainda tava muito forte. Estou aqui há cinco meses e já tive boa melhora, porque eu passava o dia todinho caminhando na rua e sabia o que tava fazendo e não conseguia parar. (Bromélia) Hoje me sinto bem melhor [...] já voltei a trabalhar e com o tratamento aqui do cap toda semana não me sinto mais triste como antigamente. É uma vitória até tá conversando com você agora porque antes nem isso eu queria fazer [...]. (Rosa) No exposto pelas entrevistadas, pode-se perceber que, para àquelas que conviviam com as crises, o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) vem possibilitando a realização do tratamento em nível ambulatorial, capaz de oferecer um suporte mais estruturado aos indivíduos em sofrimento psíquico. Dessa forma, o CAPS possibilita ao indivíduo enfrentar as crises em seu ambiente familiar, evitando a internação e, consequentemente, diminuindo a cronicidade. No entanto, é importante ressaltar que, como todas as informantes eram parceiras ativas em seu tratamento, notou-se uma melhora significativa do quadro depressivo da grande maioria delas, corroborando com os estudos de Moll e Saeki (2009) ao afirmarem que a atitude do paciente é de fundamental importância para o tratamento, pois se ele acredita na possibilidade de melhora, há uma influência positiva na resposta clínica. Mas eu nunca desisti, sempre tentando superar [...]. (Orquídea) [...]desse jeito, vou vencer a depressão [...]. (Bromélia) É relevante citar que após o acompanhamento no CAPS, houve uma transformação nos aspectos da vida social e familiar das entrevistadas. Algumas readquiriram independência e autonomia, tornando-se novamente responsáveis por suas atividades anteriores. Meus filho já tão hoje comigo na minha casa e um com minha irmã. (Orquídea) Hoje me sinto bem melhor,.já voltei a trabalhar com o tratamento aqui [...]. (Rosa) [...] já estou bem recuperada e sei enfrentar as coisas agora. Quando acontece algo tento enfrentar com mais força que antes [...] nas crises [...] (Margarida) Outras informantes ainda se encontram em processo de readaptação à nova realidade (desemprego, retomada da vida social e familiar, dependência, volta a escola, dificuldade de enfrentamento). Ah, minha vida é assim: não estudo e nem trabalho, tá com três anos que frequento o caps, estou aqui todo dia de manhã. Ainda tô muito dependente, não consigo fazer as coisas direito sozinha, ainda me sinto triste. Mas acho que já melhorei. (Girassol). Hoje aqui no caps tá bom, o negócio é que quando eu saio daqui os problemas sempre tão, né? [...] e até hoje qualquer coisa ruim que acontece já me tranco. (Cravo) Nesse aspecto, deve-se ressaltar que o CAPS tenta recriar as relações existentes entre a família, sociedade e pacientes com transtorno mental. A aliança de tratamento com a família é priorizada, de modo a permitir que os pacientes desenvolvam suas potencialidades, fortalecendo suas relações sociais e tentando reinseri-los em um ambiente de comunidade (RIBAS; BORENSTEIN, PADILHA, 2007). Em face da realidade apresentada, considera-se que o CAPS contribuiu significativamente com o tratamento e reabilitação dos indivíduos que sofrem com a depressão, pois possibilitou enriquecer a vida desses usuários, além de mitigar as mudanças ocasionadas pela doença, interferindo nas diferentes esferas de suas vidas. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS Com a realização desse estudo, percebe-se que cada história de vida das informantes tem suas particularidades. Pode-se compreender 22

5 Vivendo com depressão: histórias de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial de forma mais ampla como estes indivíduos convivem com a depressão, como enfrentam o tratamento e lidam com toda a situação, desde o cotidiano e vivência no ciclo familiar e social até situações de enfrentamento. As participantes do estudo são cientes de seu estado mórbido. Sabem e relembram fatos do passado que foi o estopim para o aparecimento da doença, de modo que, ao narrar suas histórias, elas foram refazendo seu percurso na vida, revendo os fatos e dando significados a eles. Diante desta problemática, pode-se perceber a necessidade de ampliação de um conhecimento pautado numa nova forma de ver o indivíduo com depressão, a fim de motivar pesquisas na área da saúde capazes de definir formas mais eficientes de obter subsídios que direcionarão um planejamento da assistência mais singular que contemple o indivíduo em suas principais necessidades. Para a enfermagem, cuja principal meta é o cuidado integral e holístico ao indivíduo, o estudo revigora a necessidade de um olhar mais direcionado aos indivíduos com transtornos metais e a busca por uma assistência que promova autonomia e melhor qualidade de vida a esses pacientes deve ser uma constante dentro do plano de cuidados desse profissional. REFERÊNCIAS ABREU, C. N.; SALZANO, F. T.; VASQUES, F. Síndromes psiquiátricas: diagnóstico e entrevista para profissionais de saúde mental. Porto Alegre: Artmed, BAHLS, S. C. Aspectos clínicos da depressão em crianças e adolescentes: clinical features. J. Pediatr. Porto Alegre, v. 78, n. 5, out Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=pt&nrm=iso>. acessos em 30 mai BERLIM, M. T. Transtornos depressivos, ideação suicida e qualidade de vida em pacientes deprimidos ambulatoriais f. Dissertação (Mestrado em Ciências Médicas) Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Faculdade de Medicina, Porto Alegre, BRASIL, Conselho Nacional de Saúde. Ministério da Saúde. Resolução 196/96. Brasília: CNS, Disponível em <hiip://www.pucminas.br/ documentos/pesquisa-hgbnhcns.pdf?phpsessid=8878f67e3873e05d3c5 3bf8bdf4dc56d> Acesso em 01 out DYNIEWICZ, A. M. Metodologia da pesquisa em saúde para iniciantes. 2. ed. São Caetano do Sul, SP: Difusão Editora, GAZALLE, F. K; et al. Sintomas depressivos e fatores associados em população idosa no Sul do Brasil.Rev. Saúde Pública. São Paulo, v. 38, n. 3, p , jun Disponível em <http://www.scielo.br/scielo. php?script=sci_arttext&pid=s &lng=pt&nrm= iso>. Acesso em 22 ago GELDER, M.; MAYOU, R.; GEDDES, J. Trad. ALVES, M. L. Q. Psiquiatria. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, JOSSO, M.C. História de vida e projeto: a história de vida como projeto e as histórias de vida a serviço de projetos. Educ. Pesqui., v. 25, n. 2, p.11-23, jul KAPLAN, H. I; SADOCK, B. J. Compendio de Psiquiatria: ciências do comportamento e psiquiatria clínica. 9. ed. Porto Alegre. Arthemed, LIMA, A. F. B. da S.; FLECK, M. P. de A. Qualidade de vida e depressão: uma revisão da literatura.rev. psiquiatr. Rio Gd. Sul, Porto Alegre, v. 31, n. 3, Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=s &lng=en&nrm=iso>. Acesso em 22 agost MEDEIROS, E. N. Prevalência dos transtornos mentais e perfil sócio - econômico dos usuários atendidos nos serviços de saúde em municípios paraibanos. 109 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Médicas) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, MOLL, M. F; SAEKI, T. A vida social de pessoas com diagnóstico de esquizofrenia, usuárias de um centro de atenção psicossocial. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 17, n. 6, dez Disponível em: arttext&pid=s &lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 01 Maio RIBAS, D, L.; BORENSTEIN, M, S,; PADILHA, M, I, C, de S. Iluminando as vivências de indivíduos em sofrimento psíquico de um caps em Florianópolis. Texto contexto - enferm., Florianópolis, v. 16, n. 1, jan.-mar RUIZ, J. A. Metodologia cientifica: guia para eficiência nos estudos. 3. ed. São Paulo: Atlas, Organização Pan-Americana (OPAS). Organização Mundial de Saúde (OMS). Relatório sobre a Saúde no Mundo: saúde mental: nova concepção, nova esperança. Brasília,

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS

A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS FABIANA ALVES DE LUCENA (Especialista em Fisiologia do Exercício e Grupos Especiais, Faculdade Leão

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR Jaqueline de Carvalho Gasparotto 1 ; Jeferson Dias Costa 1, João Ricardo Vissoci

Leia mais

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA SEGURANÇA PÚBLICA Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 Ser humano x Humor VARIAÇÕES : SIM( X) NÃO( ) EXTREMOS: SIM( ) NÃO( X) CONTROLE Sensações normais Saúde mental x doença mental

Leia mais

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO SUPERANDO A DEPRESSÃO Andreza do Ouro Corrêa - andreza.correa@ymail.com Mayara Cristina Costa Mariângela Pinto da Silva Gislaine Lima da Silva - gilisilva@ig.com.br Curso de Psicologia Unisalesiano/ Lins

Leia mais

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS.

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. Ângela Mari Rauth 1, Arlinda Jesus Sampaio¹,

Leia mais

SINTO QUE NINGUÉM GOSTA DE MIM SENDO GORDA! : CONHECENDO SENTIMENTOS DE OBESOS PARTICIPANTES EM UM GRUPO DE APOIO

SINTO QUE NINGUÉM GOSTA DE MIM SENDO GORDA! : CONHECENDO SENTIMENTOS DE OBESOS PARTICIPANTES EM UM GRUPO DE APOIO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SINTO QUE NINGUÉM GOSTA DE MIM SENDO GORDA! : CONHECENDO SENTIMENTOS DE OBESOS PARTICIPANTES EM UM GRUPO DE APOIO Aliny de Lima Santos 1, Rafaela Pasquali

Leia mais

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS TERRA E CULTURA, ANO XX, Nº 38 87 UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS *Ana Carolina Nóbile *Fernando Koga *Giselle Monteiro Avanzi **Carmen Garcia de Almeida RESUMO

Leia mais

PLANO DE CURSO. Código: Carga Horária: 80h (Teoria: 60h; Prática: 20h) Créditos: 04 Pré-requisito(s): ------ Período: VII Ano: 2015.

PLANO DE CURSO. Código: Carga Horária: 80h (Teoria: 60h; Prática: 20h) Créditos: 04 Pré-requisito(s): ------ Período: VII Ano: 2015. PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Assistência de Enfermagem em Saúde Mental Professor: Tito Lívio Ribeiro E-mail: thitolivio@gmail.com Código: Carga

Leia mais

IDEAÇÃO E/OU TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA BEM COMO A UTILIZAÇÃO DE FÁRMACOS EM JOVENS DEPRESSIVOS

IDEAÇÃO E/OU TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA BEM COMO A UTILIZAÇÃO DE FÁRMACOS EM JOVENS DEPRESSIVOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 IDEAÇÃO E/OU TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA BEM COMO A UTILIZAÇÃO DE FÁRMACOS EM JOVENS DEPRESSIVOS Suzane da Costa 1 ; Daniele Custódio de Oliveira

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA MUSICOTERAPIA NO TRATAMENTO DE PACIENTES DEPRESSIVOS *

A CONTRIBUIÇÃO DA MUSICOTERAPIA NO TRATAMENTO DE PACIENTES DEPRESSIVOS * A CONTRIBUIÇÃO DA MUSICOTERAPIA NO TRATAMENTO DE PACIENTES DEPRESSIVOS * Camila Lima e Silva.. Musicoterapeuta pela Universidade Federal de Goiás.. Musicoterapeuta no Despertar Núcleo Educacional e Terapêutico.

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

VIVÊNCIAS DE FAMILIARES DE CRIANÇAS COM NEOPLASIAS E AS IMPLICAÇÕES PARA A ASSISTÊNCIA PSICOLÓGICA

VIVÊNCIAS DE FAMILIARES DE CRIANÇAS COM NEOPLASIAS E AS IMPLICAÇÕES PARA A ASSISTÊNCIA PSICOLÓGICA VIVÊNCIAS DE FAMILIARES DE CRIANÇAS COM NEOPLASIAS E AS IMPLICAÇÕES PARA A ASSISTÊNCIA PSICOLÓGICA INTRODUÇÃO Liana Dantas da Costa e Silva Barbosa - CRAS Elayna Dantas da Costa e Silva UNESC Maria Enoia

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM A SAÚDE DO HOMEM NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Ingrid Mikaela Moreira de Oliveira Enfermeira Mestranda em Bioprospecção Molecular da Universidade Regional do Cariri-URCA ingrid_lattes@hotmail.com

Leia mais

QUESTÕES VOLTADAS AO ABORTO: UMA VISÃO MASCULINA

QUESTÕES VOLTADAS AO ABORTO: UMA VISÃO MASCULINA QUESTÕES VOLTADAS AO ABORTO: UMA VISÃO MASCULINA I. INTRODUÇÃO Cleonides Silva Dias Gusmão cleonides_silva@hotmail.com Ana Alayde Werba Saldanha Pichelli analayde@gmail.com Francisca Marina de Souza Freire

Leia mais

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental DEPRESSÃO O que você precisa saber Fênix Associação Pró-Saúde Mental Eu admito que preciso de ajuda, pois sozinho não consigo... (Grupo Fênix: Os 6 Passos para a Recuperação) a 1 Edição São Paulo 2010

Leia mais

GRADUAÇÃO E TRABALHO EM ENFERMAGEM RELACIONADOS AO SOFRIMENTO PSÍQUICO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

GRADUAÇÃO E TRABALHO EM ENFERMAGEM RELACIONADOS AO SOFRIMENTO PSÍQUICO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA GRADUAÇÃO E TRABALHO EM ENFERMAGEM RELACIONADOS AO SOFRIMENTO PSÍQUICO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Luana Aparecida Alves da Silva 1 Ana Carolina Rossin¹ Thaís Dresch Eberhardt 2 Leonardo Dresch Eberhardt 3

Leia mais

Como lidar com transtornos internalizantes na sala de aula?

Como lidar com transtornos internalizantes na sala de aula? Como lidar com transtornos internalizantes na sala de aula? Rogéria Recondo Psiquiatra da Infância e Adolescência Preceptora em Psiquiatria Infantil no Hospital São Lucas da PUC Professores:cursos de capacitação

Leia mais

SENTIMENTOS DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS LÍCITAS E ILÍCITAS: PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO

SENTIMENTOS DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS LÍCITAS E ILÍCITAS: PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO SENTIMENTOS DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS LÍCITAS E ILÍCITAS: PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO Terezinha Possa 1 Solânia Durman 2 INTRODUÇÃO: Este é um trabalho monográfico do Curso de Especialização em Saúde

Leia mais

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3

Maria Angela Alves do Nascimento 2 Marluce Maria Araújo Assis 3 Universidade Estadual de Feira de Santana Departamento de saúde Núcleo de Pesquisa Integrada em Saúde Coletiva - NUPISC NUPISC NÚCLEO DE PESQUISA INTEGRADA EM SAÚDE COLETIVA PRÁTICAS DO PROGRAMA SAÚDE

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DE PORTADORES DE HANSENÍASE DIANTE DA DOENÇA

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DE PORTADORES DE HANSENÍASE DIANTE DA DOENÇA 1 ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DE PORTADORES DE HANSENÍASE DIANTE DA DOENÇA Rozane Pereira de Sousa. Estudante da Especialização em Direitos Humanos da Universidade Federal Campina Grande - UFCG, Cajazeiras

Leia mais

Sumário. Prefácio... 7 Nota do autor... 9. Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão...

Sumário. Prefácio... 7 Nota do autor... 9. Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão... Sumário Prefácio... 7 Nota do autor... 9 Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão... 27 Parte 2: Passado doloroso 3. Entenda o passado... 45 4. Lide com

Leia mais

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

PSICÓLOGO - 40H. A. Paranoide. B. Esquizoide. C. Dependente. D. De esquiva. E. Histriônica.

PSICÓLOGO - 40H. A. Paranoide. B. Esquizoide. C. Dependente. D. De esquiva. E. Histriônica. QUESTÃO 01 O suicídio representa hoje um importante problema de saúde pública no Brasil e seus índices vêm crescendo a cada ano. A respeito do suicídio pode-se afirmar que: A. Programas dirigidos para

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

ASSISTÊNCIA AMBULATORIAL EM SAÚDE MENTAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1

ASSISTÊNCIA AMBULATORIAL EM SAÚDE MENTAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 ASSISTÊNCIA AMBULATORIAL EM SAÚDE MENTAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 SOUTO, Valquíria Toledo 2 ; TERRA, Marlene Gomes 3 ;SILVA, Adão Ademir da 4 ; SOCCOL, Keity Laís Siepmann 5 ; SILVA, Cristiane Trivisiol

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV Jamira Martins dos Santos (1); Camila Mendes da Silva (2); Gerlane Ângela da C. Moreira Vieira (3); Ana Claudia Torres de Medeiros

Leia mais

O PAPEL DO EDUCADOR NA REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL DOS USUÁRIOS DO CAPS II DE CAJAZEIRAS PB

O PAPEL DO EDUCADOR NA REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL DOS USUÁRIOS DO CAPS II DE CAJAZEIRAS PB O PAPEL DO EDUCADOR NA REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL DOS USUÁRIOS DO CAPS II DE CAJAZEIRAS PB Flávio Pereira de Oliveira¹; Leiana Isis Soares de Oliveira²; Paloma Irys da Conceição¹; Hilana Maria Braga Fernandes¹

Leia mais

NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI. José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718

NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI. José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718 NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718 COMO TUDO COMEÇOU: Demanda da Coordenadora do Voluntariado

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

PLANO DE CURSO. 4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS DA DISCIPLINA: 1. Compreender o processo histórico da Saúde Mental e Atenção Psicossocial.

PLANO DE CURSO. 4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS DA DISCIPLINA: 1. Compreender o processo histórico da Saúde Mental e Atenção Psicossocial. FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE Credenciada pela Portaria/MEC nº 206/2002 D.O.U. 29/01/2002 ORGANIZAÇÃO SETE DE SETEMBRO DE CULTURA E ENSINO LTDA CNPJ: 03.866.544/0001-29 e Inscrição Municipal nº 005.312-3

Leia mais

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA Aline Arruda da Fonseca Maria do Socorro Lemos de Oliveira Maria Isabel Alves Batista Oliveira Samara Melo Silva Thiago dos Santos Aguiar

Leia mais

LABOR E DOR: O SOFRIMENTO PSÍQUICO PARA O TRABALHADOR. O presente argumento tem como objetivo apresentar um recorte de uma

LABOR E DOR: O SOFRIMENTO PSÍQUICO PARA O TRABALHADOR. O presente argumento tem como objetivo apresentar um recorte de uma LABOR E DOR: O SOFRIMENTO PSÍQUICO PARA O TRABALHADOR Fabiane da Fontoura Messias de Melo 1 Melissa Andréa Vieira de Medeiros 2 Introdução O presente argumento tem como objetivo apresentar um recorte de

Leia mais

TERAPIA COMUNITÁRIA E O CAPS PROMOVENDO A REINSERÇÃO SOCIAL

TERAPIA COMUNITÁRIA E O CAPS PROMOVENDO A REINSERÇÃO SOCIAL TERAPIA COMUNITÁRIA E O CAPS PROMOVENDO A REINSERÇÃO SOCIAL Maria Ferreira de Oliveira Filha 1 Renata Cavalcanti Cordeiro 2 Camilla de Sena Guerra 3 Marina Nascimento de Moraes 4 Mayra Helen Menezes Araruna

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

Transtorno Bipolar. Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor

Transtorno Bipolar. Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor Transtorno Bipolar Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor Introdução * O transtorno bipolar (TBP) é uma condição psiquiátrica relativamente freqüente, ente, com prevalência na

Leia mais

SAUDE MENTAL DA MULHER NOS CICLOS DE VIDA

SAUDE MENTAL DA MULHER NOS CICLOS DE VIDA SAUDE MENTAL DA MULHER NOS CICLOS DE VIDA ENCONTRO MULHER DE ATITUDE Campanha de Prevenção do Câncer Cérvico C Uterino Março o 2013 Maristela C Sousa - Médica Psiquiatra DVSAM/DACC/SAS/SESA Dados Epidemiológicos

Leia mais

PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DOS CUIDADORES INFORMAIS DE PACIENTES ATENDIDOS EM AMBULATÓRIO DE TERAPIA OCUPACIONAL

PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DOS CUIDADORES INFORMAIS DE PACIENTES ATENDIDOS EM AMBULATÓRIO DE TERAPIA OCUPACIONAL PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DOS CUIDADORES INFORMAIS DE PACIENTES ATENDIDOS EM AMBULATÓRIO DE TERAPIA OCUPACIONAL Aline Cristina Benedito Faculdade de Terapia Ocupacional Centro de Ciências da Vida aline.cb2@puc-campinas.edu.br

Leia mais

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL JUNHO 2013 ÍNDICE ÂMBITO... 3 INTRODUÇÃO... 4 COMO SE MANIFESTA

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Palavras-chave: Mulher idosa. Família. Institucionalização de longa permanência.

Palavras-chave: Mulher idosa. Família. Institucionalização de longa permanência. A institucionalização da mulher idosa como fragilização de vínculos familiares Resumo Débora Braga Zagabria 1 Claudia Bragança Pedro 2 O objetivo do estudo é conhecer o significado da família para mulheres

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Rui Grilo Tristeza VS Depressão A tristeza é a reacção que temos perante as perdas afectivas na nossa vida; A perda de alguém por morte é tristeza e

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

& PERCEPÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM FRENTE AO ATENDIMENTO DE PACIENTES COM TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR I

& PERCEPÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM FRENTE AO ATENDIMENTO DE PACIENTES COM TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR I & PERCEPÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM FRENTE AO ATENDIMENTO DE PACIENTES COM TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR I Marli Maria Loro 1 Ethiane Roever 2 Adriane Cristina Bernat Kolankiewicz 3 Aline Neli Bernat

Leia mais

ESTUDO FÁRMACO-ECONÔMICO DO PERFIL DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS OFERTADOS PELO CAPS AD WALTER SARMENTO DA CIDADE DE SOUSA-PB

ESTUDO FÁRMACO-ECONÔMICO DO PERFIL DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS OFERTADOS PELO CAPS AD WALTER SARMENTO DA CIDADE DE SOUSA-PB ESTUDO FÁRMACO-ECONÔMICO DO PERFIL DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS OFERTADOS PELO CAPS AD WALTER SARMENTO DA CIDADE DE SOUSA-PB 1 Roosevelt Albuquerque Gomes, Faculdade Santa Maria, roosevelt.ag@gmail.com 2

Leia mais

AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE CONVIVÊNCIA PERMANENTE EM UM CAPS INFANTIL 1

AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE CONVIVÊNCIA PERMANENTE EM UM CAPS INFANTIL 1 AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE CONVIVÊNCIA PERMANENTE EM UM CAPS INFANTIL 1 PEIXOTO, Maristela Jaqueline Reis 2 ; LENA, Marisangela Spolaôr 3, CULAU, Fernanda Steffen 4, CASSEL, Paula Argemi

Leia mais

TÍTULO: SOFRIMENTO PSÍQUICO EM FAMÍLIAS DE DEPENDENTES ALCOÓLICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM

TÍTULO: SOFRIMENTO PSÍQUICO EM FAMÍLIAS DE DEPENDENTES ALCOÓLICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM TÍTULO: SOFRIMENTO PSÍQUICO EM FAMÍLIAS DE DEPENDENTES ALCOÓLICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO AUTOR(ES): ANDRESSA

Leia mais

PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL

PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL Das Informações Éticas na Participação de Médicos em Seminários, Fóruns, Conferências, Congressos e

Leia mais

Panorama da violência e abusos no cotidiano do portador de transtorno mental impacto da desospitalização-

Panorama da violência e abusos no cotidiano do portador de transtorno mental impacto da desospitalização- Panorama da violência e abusos no cotidiano do portador de transtorno mental impacto da desospitalização- Prof. Dr. William Dunningham FMB UFBA PRM Psiquiatria HJM/SESAB-SUS Dados sobre a Saúde Mental

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

Metodologia da Pesquisa

Metodologia da Pesquisa BACHARELADO EM ENFERMAGEM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO I Prof. Me. Eurípedes Gil de França Metodologia da Pesquisa AULA 5 Refere-se ao como vou fazer a pesquisa. É a parte mecânica da pesquisa. Por meio

Leia mais

Familiar com dependência química e consequente sobrecarga sofrida pela família: pesquisa descritiva

Familiar com dependência química e consequente sobrecarga sofrida pela família: pesquisa descritiva Familiar com dependência química e consequente sobrecarga sofrida pela família: pesquisa descritiva Elias Barbosa Oliveira1, Jovana Lucia Schettini Medonça2 1 Universidade do estado do Rio de Janeiro;

Leia mais

A INFLUÊNCIA FAMILIAR E AMBIENTAL EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM TRANSTORNO MENTAL

A INFLUÊNCIA FAMILIAR E AMBIENTAL EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM TRANSTORNO MENTAL A INFLUÊNCIA FAMILIAR E AMBIENTAL EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM TRANSTORNO MENTAL Cynthia Carvalho Jorge 1 Josiane Silvestro 2 Juliane Steffens 3 Karina Yuli Haida 4 Nelsi Salete Tonini 5 INTRODUÇÃO:

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM A RESPEITO DA PRESENÇA DO IRMÃO DO BEBÊ DE RISCO NA UTI NEONATAL

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM A RESPEITO DA PRESENÇA DO IRMÃO DO BEBÊ DE RISCO NA UTI NEONATAL 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM A RESPEITO DA PRESENÇA DO IRMÃO DO BEBÊ DE RISCO NA UTI NEONATAL Larissa Camila Dianin 3 Paolla Furlan Roveri 2 Darci

Leia mais

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI)

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) II 1 Indicadores Desqualificação Não poder fazer nada do que preciso, quero fazer as coisas e não posso ; eu senti-me velho com 80 anos. Aí é que eu já

Leia mais

Estágio em Clínica Comportamental Profa Ms Cristina Di Benedetto Questionário de história de Vida*

Estágio em Clínica Comportamental Profa Ms Cristina Di Benedetto Questionário de história de Vida* Estágio em Clínica Comportamental Profa Ms Cristina Di Benedetto Questionário de história de Vida* O objetivo deste questionário é obter um quadro abrangente de seus antecedentes. No trabalho cientifico,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DE SAÚDE DE MUNICÍPIO DE MÉDIO PORTE NA BAHIA

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DE SAÚDE DE MUNICÍPIO DE MÉDIO PORTE NA BAHIA 1142 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DE SAÚDE DE MUNICÍPIO DE MÉDIO PORTE NA BAHIA Andrei Souza Teles¹; Thereza Christina Bahia Coelho² 1. Bolsista PIBIC/CNPq, Graduando em Enfermagem,

Leia mais

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico * Ana Carolina Diethelm Kley Introdução O objetivo do tratamento em terapia cognitiva no caso dos transtornos afetivos, grupo que engloba

Leia mais

Saúde Mental do Trabalhador. Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família.

Saúde Mental do Trabalhador. Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família. Saúde Mental do Trabalhador Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família. Definição Para a OMS: Saúde é um estado de completo bem-estar físico mental e social,

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

A mulher e o consumo de bebidas alcoólicas Clarissa Mendonça Corradi-Webster Larissa Horta Esper Ana Maria Pimenta Carvalho

A mulher e o consumo de bebidas alcoólicas Clarissa Mendonça Corradi-Webster Larissa Horta Esper Ana Maria Pimenta Carvalho A mulher e o consumo de bebidas alcoólicas Clarissa Mendonça Corradi-Webster Larissa Horta Esper Ana Maria Pimenta Carvalho College of Nursing at Ribeirão Preto University of São Paulo Sobre o campo de

Leia mais

Faculdade de Medicina UFRGS Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal

Faculdade de Medicina UFRGS Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal Faculdade de Medicina UFRGS Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal Disciplina: Med 8834 - Psiquiatria Roteiro de Estudo de Caso Prof. Aristides Volpato Cordioli 1. DADOS DA IDENTIDADE DO PACIENTE

Leia mais

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO

Leia mais

TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS.

TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS. CATEGORIA:

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL RESUMO Descritores: Alcoolismo. Drogas. Saúde Pública. Introdução Durante a adolescência, o indivíduo deixa de viver apenas com a família

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

Transtorno bipolar de humor: percepção familiar

Transtorno bipolar de humor: percepção familiar PESQUISAS / RESEARCH / INVESTIGACIÓN Transtorno bipolar de humor: percepção familiar Bipolar disorder: family perception El transtorno bipolar: la percepción de la familia Jéssica de Carvalho Cardoso Enfermeira.

Leia mais

SINTOMATOLOGIA DEPRESSIVA NO CONTEXTO PRISIONAL FEMININO: UMA ANÁLISE COGNITIVO-COMPORTAMENTAL

SINTOMATOLOGIA DEPRESSIVA NO CONTEXTO PRISIONAL FEMININO: UMA ANÁLISE COGNITIVO-COMPORTAMENTAL SINTOMATOLOGIA DEPRESSIVA NO CONTEXTO PRISIONAL FEMININO: UMA ANÁLISE COGNITIVO-COMPORTAMENTAL Maria Renata Florencio de Azevedo. Discente de Psicologia das Faculdades Integradas de Patos. E-mail: Renata-azevedo@hotmail.com.br

Leia mais

DEPRESSÃO NO IDOSO ONCOLÓGICO: UMA REALIDADE A SER VIVENCIADA

DEPRESSÃO NO IDOSO ONCOLÓGICO: UMA REALIDADE A SER VIVENCIADA Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 DEPRESSÃO NO IDOSO ONCOLÓGICO: UMA REALIDADE A SER VIVENCIADA Mariana Leone Perissinotto 1 ; Carla Alexandra Gomes Jardim

Leia mais

CURSO PROFISSIONALIZANTE DE CABELEIREIRO: PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DE PESSOAS COM SOFRIMENTO MENTAL

CURSO PROFISSIONALIZANTE DE CABELEIREIRO: PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DE PESSOAS COM SOFRIMENTO MENTAL CURSO PROFISSIONALIZANTE DE CABELEIREIRO: PROJETO DE INCLUSÃO SOCIAL DE PESSOAS COM SOFRIMENTO MENTAL Hayla Luciana da Silva 1 Tânia Lúcia Hirochi 2 Roberta D Ávila Silva Pessoa 3 Elza Moreno Guimarães

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

MULHERES MASTECTOMIZADAS: ASPECTOS PSICOSOCIAIS MASTECTOMIZED: PSYCHOSOCIAL ASPECTS

MULHERES MASTECTOMIZADAS: ASPECTOS PSICOSOCIAIS MASTECTOMIZED: PSYCHOSOCIAL ASPECTS 1 Resumo MULHERES MASTECTOMIZADAS: ASPECTOS PSICOSOCIAIS MASTECTOMIZED: PSYCHOSOCIAL ASPECTS SILVA, Gusmão Fernanda¹ SOUZA, Lindyara Thâmara² O câncer de mama tem sido o responsável pelos maiores índices

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO (A) ASSISTENTE SOCIAL COMO VIABILIZADOR DE DIREITOS PARA OS USUÁRIOS DA SAÚDE MENTAL DE TERESINA/PI

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO (A) ASSISTENTE SOCIAL COMO VIABILIZADOR DE DIREITOS PARA OS USUÁRIOS DA SAÚDE MENTAL DE TERESINA/PI A PRÁTICA PROFISSIONAL DO (A) ASSISTENTE SOCIAL COMO VIABILIZADOR DE DIREITOS PARA OS USUÁRIOS DA SAÚDE MENTAL DE TERESINA/PI Edlaine Alves da Silva 1 Conceição de Maria Rocha Cabral 2 Francisca Isabela

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Impacto na imagem corporal do diagnóstico de doença autoimune e do transplante de células tronco-hematopoéticas

Impacto na imagem corporal do diagnóstico de doença autoimune e do transplante de células tronco-hematopoéticas Impacto na imagem corporal do diagnóstico de doença autoimune e do transplante de células tronco-hematopoéticas Érika Arantes de Oliveira-Cardoso, Fábio Augusto Bronzi Guimarães, Ana Paula Mastropietro,

Leia mais

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br Marcos Vinicius Z. Portela** Depressão* Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a oportunidade para estar aqui hoje nesta breve exposição - a qual pretendo, com a ajuda de todos, transformar numa conversa

Leia mais

PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1)

PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1) Curso Lideres 2004 Salvador Bahia Brasil 29 de novembro a 10 de dezembro de 2004. PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1) Capítulo 1: Antecedentes e considerações gerais Considerando-se

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas Zeferino Vaz Departamento de Medicina Preventiva e Social. Lillyan Justino Tanaka

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas Zeferino Vaz Departamento de Medicina Preventiva e Social. Lillyan Justino Tanaka Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas Zeferino Vaz Departamento de Medicina Preventiva e Social Lillyan Justino Tanaka Comorbidade em pessoas com transtorno mental: perfil crescente

Leia mais

GRUPO TERAPÊUTICO NA REABILITAÇÃO SOCIAL DE MULHERES MASTECTOMIZADAS

GRUPO TERAPÊUTICO NA REABILITAÇÃO SOCIAL DE MULHERES MASTECTOMIZADAS GRUPO TERAPÊUTICO NA REABILITAÇÃO SOCIAL DE MULHERES MASTECTOMIZADAS Gilmara Saraiva Bezerra 1 Irma Caroline Lima Verde da Silva 2 Nydia Cavalcante de Carvalho Pinheiro 3 Maria Zélia de Araújo Madeira

Leia mais

Telefone: (43) 3371-4148

Telefone: (43) 3371-4148 nac@uel.br www.uel.br/prograd/nac Telefone: (43) 3371-4148 Necessidades Educacionais Especiais decorrentes de Tratamento de saúde: Esquizofrenia e Educação Especial Material de apoio organizado para subsidiar

Leia mais

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH)

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Depressão e Espiritualidade Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Conceitos Tristeza emoção natural. Resposta à frustração, decepção ou fracasso.

Leia mais

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não?

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Dependência Química Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Os fatores relacionados ao desenvolvimento da dependência química são variados. O fator genético está bem estabelecido.

Leia mais

ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL NA REIN- SERÇÃO SOCIAL DO PORTADOR DE TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR

ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL NA REIN- SERÇÃO SOCIAL DO PORTADOR DE TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR 17 ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL NA REIN- SERÇÃO SOCIAL DO PORTADOR DE TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR Ramão Américo Godoy Tatiane Barbosa Serrou da Silva Ana Maria de Oliveira Alves Resumo Este documento

Leia mais

UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA

UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Enfermagem Disciplina: Cuidar de Enfermagem em Saúde Mental Carga Horária: 90 h Teórica: 60h Prática: 30h Semestre: 2013.1 Professor: Cilene Duarte da

Leia mais