Vivendo com depressão: histórias de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vivendo com depressão: histórias de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial"

Transcrição

1 PESQUISAS / RESEARCH / INVESTIGACIÓN Vivendo com depressão: histórias de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Living with depression: life histories of users of a Psychosocial Care Center Viviendo con depresión: historias de vida de usuarios de un Centro de Atención Psicosocial Mariza Márcia Rodrigues Gomes Graduada em Enfermagem pela Faculdade NOVAFAPI Aline Raquel de Sousa Graduada em Enfermagem pela Faculdade NOVAFAPI Fernanda Matos Fernandes Castelo Branco Docente da Graduação do curso de enfermagem e dicente do Mestrado Profissional Saúde da Família da Faculdade NOVAFAPI. Claudete Ferreira de Souza Monteiro Doutora em Enfermagem. Docente da Graduação e do Mestrado Profissional Saúde da Família da Faculdade NOVAFAPI e Professora da graduação e do Mestrado Acadêmico em Enfermagem da UFPI RESUMO O transtorno depressivo vem se caracterizando como um importante problema de saúde pública, sendo 2 a 3 vezes mais frequente em mulheres. Junto a isso, sabe-se que através das histórias de vida pode-se compreender como os indivíduos convivem com esta patologia, enfrentam o tratamento e lidam com a situação. Esse estudo teve como objetivos compreender e descrever histórias de vida de usuários do Centro de Atenção Psicossocial II Norte com depressão. A pesquisa possui uma abordagem qualitativa e a investigação foi realizada com 07 indivíduos com depressão que frequentam o Centro de Atenção Psicossocial II- Norte, Teresina PI. Evidenciou-se que as informantes são conscientes de seu problema e que o indivíduo depressivo perde a vontade de realizar suas atividades diárias, isola-se e torna-se dependente dos outros para a execução de tarefas simples do cotidiano e até do autocuidado. A presença de uma situação estressora que culminou com o início da depressão também foi observado no estudo. Após o acompanhamento no Centro de Atenção Psicossocial, houve uma transformação nos aspectos da vida social das informantes, promovendo independência e autonomia. Percebeu-se ainda que a história de vida dos indivíduos possui aspectos importantes para a obtenção de subsídios que direcionarão um planejamento da assistência mais individualizada e singular. Descritores: Depressão. Saúde mental. Enfermagem. ABSTRACT The depressive disturbance is being characterized as an important problem of publie health, being twice more frequent in women. In addition, we know that through their life histories, we can understand how individuals live with this pathlogy, face the treatment and deal with the situation. This study had as objective to understand and describe life histories of depressive users of the Psychological Attention Center II- North. This research has qualitative approach and the investigation was made with seven users with depression. They attend the center for Psychological Attention Center II- North, Teresina-PI. We observed that the informers are aware of their problems and that the depressive individual does not feel like to accomplish their daily activities: they isolate themselves and become dependent of others to accomplish simple daily tasks and even carry out self-care. The presence of a stressed situation at the beginning of the depression was also evident in this study. After se accompaniment in the aspects of their social life, promoting independence and autonomy. We also noticed that the life history of the individuals. Have important aspects for the acquirement of subsidies which will direct a much more singular and individualized planning of assistance. Descriptors: Depression. Mental health. Nursing. RESUMEN Submissão: 09/08/11 Aprovação: 12/09/11 El trastorno depresivo ven caracterizándose como un importante problema de salud pública, siendo 2 a 3 veces más frecuente en mujeres. Junto a eso se sabe que a través de las historias de vida se puede comprender como los individuos conviven con esta patología, enfrentan el tratamiento y lidian con la situación. En este aspecto, ese estudio tuvo como objetivo comprender y describir 19

2 Gomes, M. M. R.; et al. historias de vida de usuarios del Centro de Atención Psicosocial II-Norte con depresión. La pesquisa tiene abordaje cualitativo y la investigación fue realizada con 7 usuarias con depresión que frecuentan el Centro de Atención Psicosocial II-Norte, Teresina-PI. Se evidenció que las informantes son conscientes de su problema y que el individuo depresivo pierde la voluntad en realizar sus actividades diarias, aislase y tornase dependiente de los otros para la ejecución de tareas simples del cotidiano y auto cuidado. El inicio de la enfermedad ocasionado por una situación estresante también fue evidenciado en el estudio. Después del acompañamiento en el Centro de Atención Psicosocial II, hubo una transformación en los aspectos de la vida social de las informantes, observándose independencia y autonomía. En faz del expuesto, se percibió que la historia de vida de los individuos posee aspectos importantes para la obtención de subsidios que direccionarán un planeamiento de la asistencia más individualizada y singular. Descriptores: Depresión. Salud mental. Enfermería. 1 INTRODUÇÃO O transtorno depressivo vem se caracterizando como um importante problema de saúde pública, pois se trata de uma doença que apresenta um curso crônico e recorrente, acarretando sérios prejuízos na vida dos indivíduos. Adicionalmente, por apresentar um quadro clínico marcado por estados sentimentais que diferem em grau e espécie de acordo com cada indivíduo, a mensuração em estudos epidemiológicos ainda é um problema frequente. Dados epidemiológicos revelam a presença de depressão em 6 a 17% da população mundial, cujos tratamentos utilizados não apresentam eficácia significativa pelo fato de que respostas parciais ou inadequadas ao tratamento ainda são um evento comum. Comparada a outras condições médicas, a depressão acarreta maiores prejuízos no funcionamento físico, social e na qualidade de vida dos acometidos em número bastante expressivo, estimando cerca de vinte e três vezes mais do que aquele causado por outras doenças físicas (LIMA; FLECK, 2009). Nesse sentido, a Organização Mundial de Saúde estima que nos próximos vinte anos a depressão sairá do quarto lugar e ocupará o segundo lugar no ranking de doenças dispendiosas e fatais, ficando atrás somente das doenças cardiovasculares (OMS, 2001). O transtorno depressivo é uma doença que afeta milhões de pessoas no mundo, sendo mais comum em pessoas com idade entre 24 e 44 anos. Além disso, a depressão é 2 a 3 vezes mais frequente em mulheres do que em homens. Embora as razões não estejam totalmente esclarecidas, questionam-se fatores ligados ao estresse, parto e efeitos hormonais (ABREU; SALZANO; VASQUES, 2006). Na lógica assistencial, faz-se necessário intervenções que possibilitem ao paciente com transtorno depressivo viver com melhor qualidade de vida e autonomia, devendo ser ambientado em espaços que não mais considerem esse indivíduo apenas como um ser acometido por uma doença mental, mas sim como um indivíduo singular que precisa de cuidados que visem atender às suas necessidades. Nesse contexto, ressalta-se que o processo da Reforma Psiquiátrica ocorrida na Saúde Mental Brasileira foi o acontecimento responsável pelas mudanças ocorridas nos modelos assistenciais de cuidado à pessoa com transtorno mental, passando de um caráter hospitolocêntrico e estigmatizante para uma lógica social e reintegradora. Essa reforma vem gradativamente transpondo os muros de manicômios para buscar uma assistência singularizada e holística, tornando o indivíduo com sofrimento psíquico ativo no seu processo de saúde-doença (RIBAS; BORENSTEIN, PADILHA, 2007). Diante desse desafio, os Centros de Atenção Psicossociais (CAPS) surgem como uma das estratégias de reorganização de serviços de atenção à saúde mental, com o objetivo de evitar o isolamento, a estigmatização e a discriminação, buscando emancipar o indivíduo, a família e a comunidade, com a inclusão do indivíduo na sociedade (MEDEIROS, 2005). Dessa forma, estudos que busquem ouvir a pessoa que vivencia a doença, conhecer sua experiência e o contexto em que está inserida são de grande relevância para os profissionais de saúde, na busca de subsídios para a elaboração de um plano terapêutico particular e que proporcione melhoria na vida desses pacientes. Face ao exposto, esse estudo teve como objetivos compreender histórias de vida de usuários com depressão de um Centro de Atenção Psicossocial. 2 METODOLOGIA A pesquisa realizada caracteriza-se por uma abordagem qualitativa baseada nas histórias de vida das pessoas, o que só é possível a partir da relação e do conhecimento humano. Esse tipo de pesquisa propicia campo livre ao potencial das percepções e subjetividade dos seres humanos (GIL, 2009). A investigação foi realizada no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) II, que faz parte da Regional Centro - Norte de Teresina PI, no período de abril a maio de Foi escolhido como referencial metodológico a história oral de vida, pois através da mesma pode-se captar o que acontece na intersecção do individual com o social, assim como permite que elementos do presente comuniquem-se com elementos do passado (JOSSO, 1999). Este mesmo autor afirma ainda que a história oral tenta abranger a totalidade da vida em seus diferentes registros e em sua duração. Não obstante, Dyniewicz (2009) ressalta que não existe transcrição neutra, nela sempre estarão presentes as percepções do pesquisador. Para a realização da pesquisa foram entrevistados sete usuários portadores de depressão que frequentam o CAPS II- Norte, considerando-se o critério de esgotamento das falas. Os sujeitos deveriam estar em condições de diálogo para contribuir com a pesquisa, não devendo apresentar comprometimento no pensamento a ponto de prejudicar a realização da entrevista. Deviam querer participar voluntariamente, consentir e assinar o termo de consentimento livre e esclarecido. Para garantir o anonimato os entrevistados, foram adotados nomes de flores. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevista semiestruturada, no qual o entrevistador faz pequeno número de perguntas abertas, e as questões a serem respondidas não precisam seguir a ordem prevista no guia de perguntas, podendo ainda ser formuladas algumas perguntas no decorrer da entrevista (RUIZ, 2002). A entrevista foi registrada com o auxílio do gravador de voz (MP4), previamente autorizado pelo entrevistado. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética da Faculdade NO- VAFAPI, com parecer do Processo CAEE nº , juntamente com autorização da Fundação Municipal de Saúde, órgão responsável pelo local do estudo. Iniciaram-se assim as entrevistas, respeitando os aspectos éticos e legais da Resolução nº 196/96, do Conselho Nacional de Saúde em pesquisas envolvendo seres humanos (BRASIL, 1996). 20

3 Vivendo com depressão: histórias de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO O grupo de sete informantes é formado por pessoas do sexo feminino, com idade entre 26 e 58 anos e com tempo de acompanhamento no CAPS de 2 meses a 3 anos. A maioria é procedente de Teresina-PI, possui baixo nível de escolaridade e não tem vida conjugal, como se observa no quadro a seguir. Ressalta-se que a predominância do sexo feminino observada na pesquisa relaciona-se segundo Kaplan e Sadock (2007) com o fato de que a depressão é 2 a 3 vezes mais frequente em mulheres, especulando-se, por isso, fatores ligados ao estresse, parto e efeitos hormonais. Quadro 1- Caracterização sóciodemográfica dos sujeitos. CAPS II-Norte. Teresina-PI SUJEITO PROCEDENCIA IDADE ESCOLARIDADE ESTADO CIVIL RELIGIÃO TEMPO NO CAPS ORQUÍDEA Teresina-PI 31 Ensino Fundamental Divorciada Evangélica 18 meses BROMÉLIA Teresina-PI 29 Ensino Médio Solteira Evangélica 5 meses CRAVO Batalha-PI 45 Sem Escolaridade Casada Evangélica 2 meses ROSA Teresina-PI 28 Ensino Médio Solteira Protestante 1 ano JASMIM Teresina-PI 26 Ensino Superior Solteira Evangélica 2 meses MARGARIDA São João dos 58 Ensino Fundamental Casada Católica 1 ano Patos-PI GIRASSOL Teresina-PI 30 Ensino Fundamental Solteira Sem religião 3 anos Os resultados obtidos pelas falas configuraram relatos de história oral acerca da vivência de indivíduos com depressão acompanhados pelo CAPS II-Norte. Esses relatos resgatam desde a infância até o momento em que se dispuseram a contar suas histórias de vida. Ao narrar sobre suas infâncias e adolescências, as informantes evidenciaram que foram períodos normais, cheio de alegrias, brincadeiras, responsabilidades, desencontros e descobertas. Quando eu era criança eu era normal, normal. Eu era uma menina inteligente tinha muita facilidade de aprender as coisas. E de me comunicar com as pessoas. (Orquídea) Quando eu era criança eu era muito feliz, todo mundo gostava de mim. Minha adolescência também fui feliz, ia pras festas, namorava [...]. (Rosa) Quando eu era criança eu era uma pessoa como qualquer outra - normal [...] Eu sempre fui uma pessoa alegre, estudiosa, comunicativa, gostava de sair, todo lugar era bom. (Jasmin) Eu sempre fui normal, estudava, trabalhava, saia de casa com os amigos [...] antes eu era normal assim como vocês [...]. (Girassol) Outros relatos mostram aspectos indicadores de tristeza e solidão já nessa fase da vida. Quando eu era criança já era meio tristonha, sei lá, acho que era meio doidinha, já [...]. (Margarida) [...] minha adolescência foi só dentro de casa, eu era daquelas pessoas que nem botava a cara na porta. (Bromélia) Os discursos demonstraram que a maioria das informantes apresentou infância e adolescência saudáveis, sem fatores estressores marcantes. Porém, duas informantes relataram a presença de sentimentos de tristeza e solidão nessa fase da vida. Bahls (2002) afirma que na depressão em crianças e adolescentes, os fatores de riscos mais importantes são a presença de depressão em um dos pais, aumentando o risco em pelo menos três vezes, seguido por estressores ambientais, como abuso físico e sexual, e perda de um dos pais, irmão ou amigo íntimo, circunstâncias essas não encontradas nos depoimentos. Na análise dos discursos das informantes, observou-se que a expressão normal assume um significado mais pejorativo, e demonstra a ruptura do modo de viver causado pela doença, pois o termo é utilizado em relatos de situações vividas antes do aparecimento da depressão, expressando a percepção da própria doença. A expressão denota também o caráter estigmatizante dos transtornos psíquicos, incluindo a depressão, ainda bastante vigente na sociedade atual. Assim, pode-se evidenciar que as entrevistadas são conscientes de seu problema e muitas vezes, até nas fases em que os sintomas da doença tornam-se exacerbados, essa percepção de si continua presente, como se observa nos seguintes depoimentos: Quando eu tava em crise, já tinha vontade de retomar minha casa e cuidar dos meus três filho e eu não conseguia de jeito nenhum, eu até tentava, mas não conseguia. Essa depressão é que atrapalhava [...]. (Orquídea) [...] porque eu passava o dia todim caminhando na rua e sabia o que tava fazendo e não conseguia parar. (Bromélia) Com isso, o presente estudo corrobora com Gazalle et al. (2004) que afirmaram que o indivíduo depressivo pode experimentar sentimentos de baixa autoestima e autoconfiança reduzida, ideias de culpa e sentimentos de irrealidade e ruptura com a personalidade. Contudo, assegura que mesmo na presença desses sentimentos, e dependendo da gravidade da doença, o indivíduo pode manter preservada a percepção de si. Outro aspecto evidenciado foi à similaridade quanto ao início da doença das participantes do estudo. Nos relatos, observou-se a presença de uma situação deflagradora, um evento marcante que culminou com o início da depressão ou acentuação do quadro depressivo. Berlim (2005) enfatiza o impacto de uma separação traumática de objetos ou indivíduos de apego significativo para o individuo, na qual a quebra desses laços afetivos é que irá predispor o indivíduo à depressão futuramente, ou seja, o estressor de vida é um dos fatores de maior risco para o desenvolvimento do quadro depressivo. No meu casamento era muita briga, aí ele me abandonou [...] eu fazia tudo em casa e nunca agradava e ainda chegava brigando [...] Aí aquilo ficou [...] e depois que eu entrei em depressão me perguntava ainda mais o porquê. (Orquídea) [...] meu namorado terminou comigo, aí eu fiquei sem dormir, voltou tudo de novo o que eu sentia e comecei a caminhar na rua com impaciência e ansiedade. (Bromélia) O começo mermo da depressão começou quando meu filho [...]se envolveu no mundo das drogas [...]. (Cravo) 21

4 Gomes, M. M. R.; et al. Adoeci de depressão desde que fui demitida do meu emprego. Aí fiquei agitada e agressiva com todo mundo. (Rosa) Depois de alguns problemas com minhas irmãs que queriam a herança do pai e da mãe antes deles morrerem, pois é [...] já se viu isso? Aí veio essa tristeza, esse aperrei que não tinha como controlar. (Margarida) Nos discursos das informantes, observou-se que as mesmas apresentaram um quadro depressivo intenso e marcante, em que tristeza, solidão e angústia foram à tríade clínica mais citada. Eu lembro que me sentia triste, com uma dor de angústia no peito [...]. (Rosa) [...] Aí começou essa tristeza, essa solidão, esse aperrei que não tinha como controlar. (Margarida) É uma tristeza tão forte, tão intensa que não se sabe explicar de onde vem, e muita solidão [...]. (Jasmim) [...] fiquei agoniada, triste, com uma angústia muito ruim. (Girassol) Além disso, esses indivíduos perderam a vontade de realizar suas atividades diárias, isolaram-se do convívio social e familiar, e, com grande frequência, tornaram-se dependentes dos outros para a execução de tarefas simples do cotidiano e até do autocuidado, como relatado abaixo: Não tinha vontade de fala [...] eu passei quase um ano sem falar com ninguém, só ficava calada. Não tinha vontade de tomar banho [...] aí eu fiquei seis meses de cama, sem caminhar, não comia, só tomava sopa e líquido, não tinha vontade de sair, só com tristeza. (Orquídea) [...] Quando eu estou em crise não consigo fazer nada, que ninguém nem me pergunte que eu mais pareça um saco, não falo com ninguém. (Margarida) Quando eu estou com a depressão eu não posso tá no meio de muita gente, não ando de ônibus mas porque tenho medo de me perder. E foi algo muito ruim pra mim, porque eu era uma pessoa de luta, de muita garra, trabalhadeira, batalhadora, não importava estudo [...]. (Cravo) Contudo, para Abreu, Salzano e Vasques (2006), mesmo que o humor depressivo seja típico dos quadros depressivos, ele não é exclusivo para o diagnóstico. Há a presença de outros sintomas psíquicos como desinteresse, redução de energia, diminuição da capacidade de pensar. Além disso, o indivíduo experimenta insônia com piora do humor, ou pode ainda apresentar hipersonia. A depressão pode ainda vir associada à redução ou ao aumento do apetite, redução do interesse sexual, acompanhados de retraimento social, crises de choro, comportamento suicida e retardo ou agitação psicomotora, reafirmando os achados da presente pesquisa. [...] sentia aquela sensação ruim, só aquela angústia me matando, tremia tudo, me esquecia das coisas, era ruim demais [...]. (Girassol) [...] porque antes era só tristeza e uma agitação danada. (Rosa) Diante da observância da depressão como uma doença debilitante e dispendiosa, o surgimento de um novo paradigma na saúde mental possibilitou um acompanhamento mais individualizado e singular, o que torna os sujeitos com depressão mais ativos no seu próprio processo saúde-doença. Hoje estou bem, o tratamento aqui é bom. Estou forte e não mais tão triste como antigamente [...] já estou bem recuperada e sei enfrentar as coisas agora [...] quando acontece algo tento enfrentar com mais força que antes. (Margarida) Atualmente estou bem, graças a Deus. Com o acompanhamento do caps tá muito bom. Aqui a gente faz oficinas, desenhos, coisas mesmo pra passar o tempo. Quando cheguei aqui a crise ainda tava muito forte. Estou aqui há cinco meses e já tive boa melhora, porque eu passava o dia todinho caminhando na rua e sabia o que tava fazendo e não conseguia parar. (Bromélia) Hoje me sinto bem melhor [...] já voltei a trabalhar e com o tratamento aqui do cap toda semana não me sinto mais triste como antigamente. É uma vitória até tá conversando com você agora porque antes nem isso eu queria fazer [...]. (Rosa) No exposto pelas entrevistadas, pode-se perceber que, para àquelas que conviviam com as crises, o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) vem possibilitando a realização do tratamento em nível ambulatorial, capaz de oferecer um suporte mais estruturado aos indivíduos em sofrimento psíquico. Dessa forma, o CAPS possibilita ao indivíduo enfrentar as crises em seu ambiente familiar, evitando a internação e, consequentemente, diminuindo a cronicidade. No entanto, é importante ressaltar que, como todas as informantes eram parceiras ativas em seu tratamento, notou-se uma melhora significativa do quadro depressivo da grande maioria delas, corroborando com os estudos de Moll e Saeki (2009) ao afirmarem que a atitude do paciente é de fundamental importância para o tratamento, pois se ele acredita na possibilidade de melhora, há uma influência positiva na resposta clínica. Mas eu nunca desisti, sempre tentando superar [...]. (Orquídea) [...]desse jeito, vou vencer a depressão [...]. (Bromélia) É relevante citar que após o acompanhamento no CAPS, houve uma transformação nos aspectos da vida social e familiar das entrevistadas. Algumas readquiriram independência e autonomia, tornando-se novamente responsáveis por suas atividades anteriores. Meus filho já tão hoje comigo na minha casa e um com minha irmã. (Orquídea) Hoje me sinto bem melhor,.já voltei a trabalhar com o tratamento aqui [...]. (Rosa) [...] já estou bem recuperada e sei enfrentar as coisas agora. Quando acontece algo tento enfrentar com mais força que antes [...] nas crises [...] (Margarida) Outras informantes ainda se encontram em processo de readaptação à nova realidade (desemprego, retomada da vida social e familiar, dependência, volta a escola, dificuldade de enfrentamento). Ah, minha vida é assim: não estudo e nem trabalho, tá com três anos que frequento o caps, estou aqui todo dia de manhã. Ainda tô muito dependente, não consigo fazer as coisas direito sozinha, ainda me sinto triste. Mas acho que já melhorei. (Girassol). Hoje aqui no caps tá bom, o negócio é que quando eu saio daqui os problemas sempre tão, né? [...] e até hoje qualquer coisa ruim que acontece já me tranco. (Cravo) Nesse aspecto, deve-se ressaltar que o CAPS tenta recriar as relações existentes entre a família, sociedade e pacientes com transtorno mental. A aliança de tratamento com a família é priorizada, de modo a permitir que os pacientes desenvolvam suas potencialidades, fortalecendo suas relações sociais e tentando reinseri-los em um ambiente de comunidade (RIBAS; BORENSTEIN, PADILHA, 2007). Em face da realidade apresentada, considera-se que o CAPS contribuiu significativamente com o tratamento e reabilitação dos indivíduos que sofrem com a depressão, pois possibilitou enriquecer a vida desses usuários, além de mitigar as mudanças ocasionadas pela doença, interferindo nas diferentes esferas de suas vidas. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS Com a realização desse estudo, percebe-se que cada história de vida das informantes tem suas particularidades. Pode-se compreender 22

5 Vivendo com depressão: histórias de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial de forma mais ampla como estes indivíduos convivem com a depressão, como enfrentam o tratamento e lidam com toda a situação, desde o cotidiano e vivência no ciclo familiar e social até situações de enfrentamento. As participantes do estudo são cientes de seu estado mórbido. Sabem e relembram fatos do passado que foi o estopim para o aparecimento da doença, de modo que, ao narrar suas histórias, elas foram refazendo seu percurso na vida, revendo os fatos e dando significados a eles. Diante desta problemática, pode-se perceber a necessidade de ampliação de um conhecimento pautado numa nova forma de ver o indivíduo com depressão, a fim de motivar pesquisas na área da saúde capazes de definir formas mais eficientes de obter subsídios que direcionarão um planejamento da assistência mais singular que contemple o indivíduo em suas principais necessidades. Para a enfermagem, cuja principal meta é o cuidado integral e holístico ao indivíduo, o estudo revigora a necessidade de um olhar mais direcionado aos indivíduos com transtornos metais e a busca por uma assistência que promova autonomia e melhor qualidade de vida a esses pacientes deve ser uma constante dentro do plano de cuidados desse profissional. REFERÊNCIAS ABREU, C. N.; SALZANO, F. T.; VASQUES, F. Síndromes psiquiátricas: diagnóstico e entrevista para profissionais de saúde mental. Porto Alegre: Artmed, BAHLS, S. C. Aspectos clínicos da depressão em crianças e adolescentes: clinical features. J. Pediatr. Porto Alegre, v. 78, n. 5, out Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=pt&nrm=iso>. acessos em 30 mai BERLIM, M. T. Transtornos depressivos, ideação suicida e qualidade de vida em pacientes deprimidos ambulatoriais f. Dissertação (Mestrado em Ciências Médicas) Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Faculdade de Medicina, Porto Alegre, BRASIL, Conselho Nacional de Saúde. Ministério da Saúde. Resolução 196/96. Brasília: CNS, Disponível em <hiip://www.pucminas.br/ documentos/pesquisa-hgbnhcns.pdf?phpsessid=8878f67e3873e05d3c5 3bf8bdf4dc56d> Acesso em 01 out DYNIEWICZ, A. M. Metodologia da pesquisa em saúde para iniciantes. 2. ed. São Caetano do Sul, SP: Difusão Editora, GAZALLE, F. K; et al. Sintomas depressivos e fatores associados em população idosa no Sul do Brasil.Rev. Saúde Pública. São Paulo, v. 38, n. 3, p , jun Disponível em <http://www.scielo.br/scielo. php?script=sci_arttext&pid=s &lng=pt&nrm= iso>. Acesso em 22 ago GELDER, M.; MAYOU, R.; GEDDES, J. Trad. ALVES, M. L. Q. Psiquiatria. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, JOSSO, M.C. História de vida e projeto: a história de vida como projeto e as histórias de vida a serviço de projetos. Educ. Pesqui., v. 25, n. 2, p.11-23, jul KAPLAN, H. I; SADOCK, B. J. Compendio de Psiquiatria: ciências do comportamento e psiquiatria clínica. 9. ed. Porto Alegre. Arthemed, LIMA, A. F. B. da S.; FLECK, M. P. de A. Qualidade de vida e depressão: uma revisão da literatura.rev. psiquiatr. Rio Gd. Sul, Porto Alegre, v. 31, n. 3, Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=s &lng=en&nrm=iso>. Acesso em 22 agost MEDEIROS, E. N. Prevalência dos transtornos mentais e perfil sócio - econômico dos usuários atendidos nos serviços de saúde em municípios paraibanos. 109 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Médicas) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, MOLL, M. F; SAEKI, T. A vida social de pessoas com diagnóstico de esquizofrenia, usuárias de um centro de atenção psicossocial. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 17, n. 6, dez Disponível em: arttext&pid=s &lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 01 Maio RIBAS, D, L.; BORENSTEIN, M, S,; PADILHA, M, I, C, de S. Iluminando as vivências de indivíduos em sofrimento psíquico de um caps em Florianópolis. Texto contexto - enferm., Florianópolis, v. 16, n. 1, jan.-mar RUIZ, J. A. Metodologia cientifica: guia para eficiência nos estudos. 3. ed. São Paulo: Atlas, Organização Pan-Americana (OPAS). Organização Mundial de Saúde (OMS). Relatório sobre a Saúde no Mundo: saúde mental: nova concepção, nova esperança. Brasília,

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

SENTIMENTOS DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS LÍCITAS E ILÍCITAS: PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO

SENTIMENTOS DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS LÍCITAS E ILÍCITAS: PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO SENTIMENTOS DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS LÍCITAS E ILÍCITAS: PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO Terezinha Possa 1 Solânia Durman 2 INTRODUÇÃO: Este é um trabalho monográfico do Curso de Especialização em Saúde

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI)

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) II 1 Indicadores Desqualificação Não poder fazer nada do que preciso, quero fazer as coisas e não posso ; eu senti-me velho com 80 anos. Aí é que eu já

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS.

TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS. CATEGORIA:

Leia mais

Violência Doméstica contra Crianças sob a

Violência Doméstica contra Crianças sob a Apresentação Maria Alice Barbosa de Fortunato Autores: Kássia Cristina C. Pereira* Maria Alice B. Fortunato* Marilurdes A. de M. Álvares* Orientadora: Lygia Maria Pereira da Silva** * Fiocruz CPQAM/ NESC

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Avaliação. Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA. MSc. Psicologia. Esp. Neusopsicologia. Esp.Psicopedagogia. Terapeuta Cognitivo-Comportamental

Avaliação. Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA. MSc. Psicologia. Esp. Neusopsicologia. Esp.Psicopedagogia. Terapeuta Cognitivo-Comportamental Avaliação & Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA MSc. Psicologia Esp. Neusopsicologia Esp.Psicopedagogia Terapeuta Cognitivo-Comportamental Coordenadora do Curso de TCC Aplicada a crianças e adolescentes

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS Jéssica Molina Quessada * Mariana Caroline Brancalhão Guerra* Renata Caroline Barros Garcia* Simone Taís Andrade Guizelini* Prof. Dr. João Juliani ** RESUMO:

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM A SAÚDE DO HOMEM NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Ingrid Mikaela Moreira de Oliveira Enfermeira Mestranda em Bioprospecção Molecular da Universidade Regional do Cariri-URCA ingrid_lattes@hotmail.com

Leia mais

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos Guia de para Dependentes Químicos O que fazer para ajudar um dependente químico? Qual é o melhor procedimento para um bom tratamento? Internação Voluntária ou Involuntária Como decidir? Como fazer? O que

Leia mais

PAR. Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ

PAR. Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ PAR Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ PAR Paciente Ativo e Responsável ACELBRA-RJ Ser um PAR celíaco Flávia Anastácio de Paula Adaptação do Texto de Luciana Holtz de Camargo Barros

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

IBH Transtorno de personalidade dependente. Dra. Lislie Schoenstatt

IBH Transtorno de personalidade dependente. Dra. Lislie Schoenstatt IBH Transtorno de personalidade dependente Dra. Lislie Schoenstatt Transtorno de Personalidade Dependente - TPD É uma necessidade invasiva e excessiva de ser cuidado, que leva a um comportamento submisso

Leia mais

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental DEPRESSÃO O que você precisa saber Fênix Associação Pró-Saúde Mental Eu admito que preciso de ajuda, pois sozinho não consigo... (Grupo Fênix: Os 6 Passos para a Recuperação) a 1 Edição São Paulo 2010

Leia mais

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga 1. Por que este estudo é relevante? Segundo o relatório sobre a Carga Global das Doenças (Global

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

Pesquisa sobre sintomas de transtornos mentais e utilização de serviços em crianças brasileiras de 6 a 17 anos

Pesquisa sobre sintomas de transtornos mentais e utilização de serviços em crianças brasileiras de 6 a 17 anos Objetivos: (1) Estimar a prevalência dos sintomas dos transtornos mentais mais comuns na infância e na adolescência em crianças e adolescentes brasileiros de 6 a 17 anos (2) Pesquisar a freqüência de uso

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1

PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 PARA ALÉM DOS ESTEREÓTIPOS : RELATOS DE USUÁRIOS DE CRACK 1 GIL, Bruna; BOTTON, Andressa 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Psicóloga, formada pelo Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO Abordagem e Tratamento do Tabagismo PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO Abordagem e Tratamento do Tabagismo I- Identificação do Paciente Nome: Nº do prontuário:

Leia mais

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava:

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava: Não há como entender a ansiedade sem mostrar o que se passa na cabeça de uma pessoa ansiosa. Este texto será uma viagem dentro da cabeça de um ansioso. E só para constar: ansiedade não é esperar por um

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO

Leia mais

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Fernanda Diniz de Sá 1, Leonildo Santos do Nascimento Júnior, Daniele Nascimento dos Santos, Magdalena Muryelle Silva Brilhante (UFRN

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12

O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde. segunda-feira, 19 de março de 12 O Protagonismo Feminino: Momentos de Prevenção á Saúde CENTRO DE APOIO SOLIDARIED AIDS É organização da sociedade civil, sem fins lucrativos fundada em 1996. Objetivo: Apoiar, atender, prevenir e promover

Leia mais

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO Design & Saúde Financeira para maiores de 50 anos Vera Damazio Laboratório Design Memória Emoção :) labmemo (: O que Design tem a ver com Saúde Financeira para maiores de 50 anos? E o que faz um Laboratório

Leia mais

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE Karolayne Germana Leal e Silva e-mail: karolaynegermana@hotmail.com Magna Adriana de Carvalho e-mail: magnacreas@hotmail.com

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Palestra tudo O QUE VOCE sobre precisa entender Abundância & Poder Pessoal EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Como aprendemos hoje na palestra: a Lei da Atração, na verdade é a Lei da Vibracao. A frequência

Leia mais

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos CHARLIZE NAIANA GRIEBLER EVANDIR BUENO BARASUOL Sociedade Educacional Três de Maio Três de Maio, Rio Grande do Sul, Brasil

Leia mais

A mulher e o consumo de bebidas alcoólicas Clarissa Mendonça Corradi-Webster Larissa Horta Esper Ana Maria Pimenta Carvalho

A mulher e o consumo de bebidas alcoólicas Clarissa Mendonça Corradi-Webster Larissa Horta Esper Ana Maria Pimenta Carvalho A mulher e o consumo de bebidas alcoólicas Clarissa Mendonça Corradi-Webster Larissa Horta Esper Ana Maria Pimenta Carvalho College of Nursing at Ribeirão Preto University of São Paulo Sobre o campo de

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. não Eu Não r que o f existe coleção Conversas #14 - outubro 2014 - a z fu e r tu r uma fa o para c ul m d im ad? e. Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

PERCEPÇÃO DE AUXILIARES E TÉCNICOS DE ENFERMAGEM SOBRE A ESCALA DE TRABALHO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 1

PERCEPÇÃO DE AUXILIARES E TÉCNICOS DE ENFERMAGEM SOBRE A ESCALA DE TRABALHO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 1 PERCEPÇÃO DE AUXILIARES E TÉCNICOS DE ENFERMAGEM SOBRE A ESCALA DE TRABALHO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 1 Larissa Carolina Rios (Apresentador) 1, Adriana Zilly (Colaborador) 2, Maria de Lourdes de

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEPRESSÃO INFANTIL: CARACTERISTICAS E TRATAMENTO. CHAVES, Natália Azenha e-mail: natalya_azenha@hotmail.

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEPRESSÃO INFANTIL: CARACTERISTICAS E TRATAMENTO. CHAVES, Natália Azenha e-mail: natalya_azenha@hotmail. CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEPRESSÃO INFANTIL: CARACTERISTICAS E TRATAMENTO CHAVES, Natália Azenha e-mail: natalya_azenha@hotmail.com RESUMO Este artigo teve como foco o termo depressão infantil, que é

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA - TRABALHANDO A INSERÇÃO SOCIAL DO PACIENTE COM TRANSTORNO MENTAL

CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA - TRABALHANDO A INSERÇÃO SOCIAL DO PACIENTE COM TRANSTORNO MENTAL CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA - TRABALHANDO A INSERÇÃO SOCIAL DO PACIENTE COM TRANSTORNO MENTAL 1 SANTOS, Kassila Conceição Ferreira; 2 SOUZA, Ana Lúcia Rezende; 3 SOUZA, Marise Ramos de; 4 BORGES, Cristiane

Leia mais

Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais

Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais Ex ore parvulorum veritas A A verdade sai da boca das crianças as. Ditado Latino Inclusão a qualquer custo? Má Inclusão Inferiorização + Aprendizado

Leia mais

Transtorno Bipolar. Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor

Transtorno Bipolar. Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor Transtorno Bipolar Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor Introdução * O transtorno bipolar (TBP) é uma condição psiquiátrica relativamente freqüente, ente, com prevalência na

Leia mais

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL Nome: ALDINÉA GUARNIERI DE VASCONCELLOS Escolaridade: Super Completo/ Pós- Graduação Idade: 44 anos Profissão: Assistente Social Local de Trabalho:

Leia mais

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO SUPERANDO A DEPRESSÃO Andreza do Ouro Corrêa - andreza.correa@ymail.com Mayara Cristina Costa Mariângela Pinto da Silva Gislaine Lima da Silva - gilisilva@ig.com.br Curso de Psicologia Unisalesiano/ Lins

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Ana Eliedna Nogueira, Universidade Potiguar, eliednanog@hotmail.com Rúbia Mara Maia Feitosa, Universidade

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. Vocês acham possam a coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - cer d o t t o a r que ga cr ia n y ç a s s? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA QUESTÃO 38 Rosa está com 56 anos de idade e vive em um hospital psiquiátrico desde os 28 anos de idade. Em seu prontuário, encontra-se que ela é doente mental desde

Leia mais

Objetivos da SMAM 2013

Objetivos da SMAM 2013 Objetivos da SMAM 2013 1. Conscientizar da importância dos Grupos de Mães (ou do Aconselhamento em Amamentação) no apoio às mães para iniciarem e manterem a amamentação. 2. Informar ao público sobre os

Leia mais

Entrevista 1.02 - Brenda

Entrevista 1.02 - Brenda Entrevista 1.02 - Brenda (Bloco A - Legitimação da entrevista onde se clarificam os objectivos do estudo, se contextualiza a realização do estudo e participação dos sujeitos e se obtém o seu consentimento)

Leia mais

A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560

A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560 A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560 A Sociedade muda (acentuando o problema das drogas nos últimos 30 anos) Ao

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais