DISSERTAÇÃO ASSOCIAÇÃO ENTRE DEPRESSÃO, ANSIEDADE E QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES QUE APRESENTAM QUADRO DE PÓS INFARTO DO MIOCÁRDIO Conceição Lemos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DISSERTAÇÃO ASSOCIAÇÃO ENTRE DEPRESSÃO, ANSIEDADE E QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES QUE APRESENTAM QUADRO DE PÓS INFARTO DO MIOCÁRDIO Conceição Lemos"

Transcrição

1 DISSERTAÇÃO ASSOCIAÇÃO ENTRE DEPRESSÃO, ANSIEDADE E QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES QUE APRESENTAM QUADRO DE PÓS INFARTO DO MIOCÁRDIO Conceição Lemos

2 INSTITUTO DE CARDIOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL FUNDAÇÃO UNIVERSITÁRIA DE CARDIOLOGIA Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde: Cardiologia Mestrado 2 ASSOCIAÇÃO ENTRE DEPRESSÃO, ANSIEDADE E QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES QUE APRESENTAM QUADRO DE PÓS INFARTO DO MIOCÁRDIO Autora: Conceição Lemos Orientador: Prof. Dr. Carlos A.M. Gottschall Dissertação apresentada para obtenção do grau de Mestre em Ciências da Saúde: Cardiologia, do Programa de Pós-graduação do Instituto de Cardiologia do RS / Fundação Universitária de Cardiologia. Porto Alegre, 2005

3 3 Catalogação na fonte: L555 Lemos, Conceição. Associação entre depressão, ansiedade e qualidade de vida em pacientes que apresentam quadro de pós infarto do miocárdio. Porto Alegre: Fundação Universitária de Cardiologia, f. Dissertação de Mestrado. Instituto de Cardiologia do Rio Grande do Sul / Fundação Universitária de Cardiologia Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde (Cardiologia). Áreas de concentração: Aterogênese e Cardiopatia Isquêmica Cardiologia Fetal e Pediátrica - Função cardíaca. Normal e Patológica. Infarto do miocárdio Depressão Ansiedade Pós infarto CDU: : Bibliotecária responsável Diana da Motta CRB 10/397

4 4 Ao meu marido Edegar e aos meus filhos Paulo Custódio e Marcus Vinicius

5 5 AGRADECIMENTOS Muitos foram aqueles, que direta ou indiretamente, cooperaram na realização deste trabalho. Dirijo um agradecimento especial ao meu orientador Professor Doutor Carlos Antônio Mascia Gottchall pela idéia de desenvolver esta pesquisa com pacientes pós infarto do miocárdio. A toda equipe de enfermagem do Instituto de Cardiologia do Rio Grande do Sul na pessoa de Jaqueline Fagundes pelo precioso apoio na realização deste trabalho. A toda equipe do ambulatório do SUS do Instituto de Cardiologia pela preciosa colaboração. Aos professores do programa de pós-graduação do Instituto de Cardiologia pelos conhecimentos adquiridos. À Drª Lucia Pellanda, à Vânia Naomi Hinhata e ao Prof. Brasílio R. C. da Silva pela orientação na análise estatística. Ao Psiquiatra Zanir Boherer pelo apoio a este projeto. Aos meus colegas do curso de pós graduação pelo incentivo constante na realização deste trabalho.

6 6 À Maria Peres e à Diana Motta, da biblioteca do Instituto de Cardiologia, incansáveis na busca e solicitação de periódicos necessários à revisão bibliográfica deste trabalho. Às secretárias do curso de pós-graduação pelo apoio pedagógico. Aos setores de pesquisa da instituição, pelo empenho e estímulo em todas as fases do desenvolvimento deste estudo. À professora de português e inglês, Lourdes Marmet Thomas pela sua preciosa cooperação neste trabalho. A melhor maneira de agradecer aos muitos pacientes e todos aqueles que fizeram parte desta pesquisa talvez se expresse publicando o resultado desta pesquisa Por último, mas não menos importante, meus agradecimentos a meu marido e aos meus filhos pela paciência e estímulo contínuos que permitiram minha dedicação a este trabalho, embora roubando-lhes meu convívio como esposa e mãe.

7 7 SUMÁRIO BASE TEÓRICA 1 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DA LITERATURA EPIDEMIOLOGIA DA DOENÇA CORONARIANA FATORES DE RISCO CORONARIANO INFARTO DO MIOCÁRDIO E A DEPRESSÃO DEPRESSÃO Histórico Transtornos depressivos Transtornos de humor devido a enfermidade clínica Ansiedade Depressão e Ansiedade Qualidade de vida e doenças cardiovasculares Instrumentos de avaliação JUSTIFICATIVA OBJETIVOS ARTIGO PARA PUBLICAÇÃO... ASSOCIAÇÃO ENTRE DEPRESSÃO, ANSIEDADE E QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES QUE APRESENTAM QUADRO DE PÓS INFARTO DO MIOCÁRDIO RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO MÉTODOS RESULTADOS DISCUSSÃO CONCLUSÃO ANEXOS... Anexo 1 Inventário de depressão de Beck BDI Anexo 2 Escala de avaliação clínica de ansiedade de Beck BAI Anexo 3 Questionário do Qualidade de Vida do WHOQOL versão abreviada Anexo 4 Ficha de dados sócio-demográficos e clínicos REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... A - REFERÊNCIAS DA BASE TEÓRICA B - REFERÊNCIAS DO ARTIGO... 70

8 BASE TEÓRICA

9 2 1 INTRODUÇÃO A doença arterial coronariana (DAC) e a depressão maior serão em 2020 as duas principais causas de morte devendo a possibilidade de comorbidade entre as duas doenças se tornar preocupante. Estudos se refere à depressão, como a quarta maior causa de perda de anos de vida, e a coronariopatia a sexta causa no início deste século XXI. Observaram os momentos estressantes nos pacientes acometidos de coronariopatia, concluindo que o transtorno depressivo maior (TDM) após um infarto agudo do miocárdio (IAM) e quando não tratado adequadamente é considerado um fator de risco aumentando a morbidade e a mortalidade. 1-3 A depressão está entre os transtornos psiquiátricos mais comuns dos adultos, tornando-se relevante ao se associar à morbi-mortalidade das doenças cardiovasculares. Em razão desses dados, estudos epidemiológicos tornaram-se mais rigorosos a fim de detectar o risco que a depressão acrescenta ao IAM. Muitos desses indicam que a depressão está presente em aproximadamente 45% dos pacientes admitidos em hospital após o infarto do miocárdio. 4-6 Investigações multicêntricas chamadas de Enrichd (Enhancing Recovery in Coronary Heart Disease), referem os transtornos depressivos como presentes entre 30 e 50% dos pacientes que apresentam síndrome coronariana aguda (SCA). Há referências mostrando que existem vários

10 3 fatores de risco na doença cardíaca e que entre eles se destacam os fatores emocionais e as características de personalidade, desempenhando um papel de destaque tanto na gênese quanto na recuperação da depressão e do IAM. cardíaca e cardiopulmonar referem que o infarto afetou mais a vida das mulheres do que a dos homens. 7-9 Galam Fazendo referência em estudo sobre a percepção da qualidade de vida (QV) em pacientes em reabilitação, Vacarino e colb. Observaram em seus estudos sobre a depressão, aspectos psicológicos de mulheres infartadas, destacando essa patologia como uma doença grave que interfere na pessoa como um todo, desencadeando reações orgânicas que ameaçam a integridade do ego. Foi observado ainda, que o infarto do miocárdio interfere no equilíbrio do individuo provocando reações fisiológicas intensas que fogem do seu controle consciente. O medo da perda do controle provoca reações emocionais nessas mulheres devido à mobilização desencadeada pelo medo da morte, representado uma ameaça. O medo da morte faz a pessoa reavaliar aspectos de sua vida e isso leva com freqüência a processo depressivo. 7 A depressão, é explicada por um conjunto de sintomas e sinais entre os quais se salientam a tristeza profunda, a incapacidade de reagir adequadamente, oportunamente e prazerosamente às incitações do meio ambiente. Em que está associada à excessiva ativação do sistema nervoso simpático, predispondo ao aumento de arritmias, podendo vir a causar morte súbita. 7,9 Krapelim coloca que há uma relação entre as disfunções cardíacas, o estresse e as dificuldades de lidar com ele, como também com os sentimentos de solidão, depressão, abandono e isolamento. 10

11 4 Porto e Toscano relaciona a depressão com os sintomas de ansiedade e situações de estresse prolongado, em que consideram a ansiedade como resultado de um sentimento de ameaça, dificuldade para predizer, controlar ou conseguir os resultados desejados em situações urgentes, na verdade, a neurose cardíaca é apenas um quadro de ansiedade em que predominam os sintomas cardiovasculares, representando um transtorno emocional que tem no coração a sua expressão somática. Estudos epidemiológicos, aponta que 2 a 4% da população geral apresentam ansiedade significativa e 10 a 14% dos pacientes que procuram cardiologistas relatam queixas relacionadas com a ansiedade. 11,12 Ao fazer referência aos estudos de Toscano, Uuskula refere-se à ansiedade como um fator que deve ser melhor estudado, pois é comum durante a hospitalização no período pós IAM, contribuindo para complicações letais do IAM.(12) No entanto, relatos de estudos feitos sobre a depressão como fator de risco para o IAM concluíram que a depressão não teve efeito significativo na mortalidade até aproximadamente 12 meses após o evento agudo, nem foi preditora de infarto recorrente não fatal. 12 Há considerações sobre a depressão como forma de manutenção do tabagismo, da compulsão alimentar e do abuso de álcool nos quadros de IAM. Segundo Peres, tratar a depressão repercutirá no tratamento da cardiopatia, pois o desânimo, a apatia, a intolerância, a frustração e a falta de flexibilidade psíquica, peculiares ao humor deprimido, desfavorecem o tratamento e a mudança de estilo de vida. 13 Sintomas depressivos mais intensos são preditores graves de mortalidade entre indivíduos que sofreram IAM e sua influência mostra-se

12 5 mais significativa no estado funcional desses pacientes do que no grau de comprometimento arterial. Estudos enfatizam que o IAM, entre as doenças cardíacas, é a maior causa de mortalidade no mundo inteiro. 14 Muitos questionamentos polemizam o assunto depressão IAM. Diante disso uma gama de pesquisas está sendo realizada em diversas instituições de saúde, buscando alternativas para essa elevada prevalência que associa essas duas doenças. Carney e Fleck fazem referência ao impacto emocional provocado pela depressão pós infarto e pelos inúmeros danos à qualidade de vida em que consideram a qualidade de vida como um processo dentro das ciências humanas e biológicas, no sentido mais amplo do que de controle de sintomas, diminuição da mortalidade ou o aumento da expectativa de vida. O autor relaciona qualidade de vida com o impacto do estado de saúde sobre a capacidade do individuo de viver plenamente. 9,15 É significativa a referência a alguns estudos sobre o suporte social como agente colaborador na proteção da doença coronariana. Esses mostraram a influência da coesão social como fator protetor do infarto do miocárdio. 16 Face ao exposto, este trabalho tem como objetivo investigar a freqüência da depressão pós IAM durante o período de hospitalização no Instituto de Cardiologia do Rio Grande do Sul. Para que esta pesquisa fosse realizada se fez necessário o usa de instrumentos como escala de avaliação de Beck para depressão (BDI), escala de avaliação do Beck para ansiedade (BAI) e Questionário de Qualidade de Vida WHOQOL-bref.

13 6 2 REVISÃO DA LITERATURA 2.1 EPIDEMIOLOGIA DA DOENÇA CORONARIANA As doenças cardiovasculares (DCV) são as principais causas de mortalidade nos países desenvolvidos, respondendo por 16,7 milhões de mortes por ano, havendo uma projeção para o ano de 2020 de que será a causa principal de mortalidade e incapacitação. Em países desenvolvidos, como os Estados Unidos e a Inglaterra, a projeção encontra-se em torno de 25% de óbitos masculinos por doenças coronarianas (DAC), em uma faixa etária abaixo de 65 anos. Já o Brasil apresenta 50% de óbitos masculinos por doença arterial coronariana (DAC) nessa mesma faixa etária. A magnitude das taxas de mortalidade coronariana apresentam índices significativos tanto para as capitais como para todo o país, revelando que as doenças cardiovasculares merecem o devido destaque na área de saúde pública. Elas atualmente, respondem por um terço dos óbitos no país. 17 Desde o século XX, a doença coronariana vem progredindo e se colocando numa posição de relevância epidemiológica nas sociedades de consumo, sendo considerada a principal causa de morbi mortalidade nos países desenvolvidos e em desenvolvimento. 18 Dentre os fatores explicativos

14 7 se incluem: a vida sedentária, o estresse da vida atual, o tabagismo e uma dieta desequilibrada. A incidência da doença coronariana cresceu muito nos últimos 50 anos, atingindo o primeiro lugar como causa de morte em vários países, inclusive no Brasil, que também está inserido nesses índices. Estudos realizados em 1970 mostram que a cardiopatia aterosclerótica transformou-se num grande problema de saúde pública nos países desenvolvidos, e aumentou nos países em desenvolvimento, como é o caso do Brasil. Ainda na década de 70 pode-se observar que a cardiopatia aterosclerótica preponderava na civilização ocidental, em especial na americana, e tinha como causa a dieta hiperlipidêmica. 19 Estudos entre 1980 e 1999, evidenciam que a doença arterial coronariana é a segunda causa cardiovascular de morte no Brasil, mas a primeira em São Paulo, estado e capital, e em outras poucas capitais. Dos óbitos por doença arterial coronariana em 1999 no país, (75,6%) foram por infarto agudo do miocárdio, sendo que 59,5% ocorreram em homens. 18 O impacto dessa doença é ainda relevante quando se tem em conta que as doenças cardiovasculares foram responsáveis por 27,4% das mortes no Brasil em 2001, por cerca de 40% dos óbitos nos EUA e são, de longe, a maior causa de mortalidade nos países industrializados e em desenvolvimento. 19

15 8 2.2 FATORES DE RISCO CORONARIANO Fatores de risco coronariano são anormalidades demonstráveis em pessoas assintomáticas, mas que se associam, sabida e significativamente, com possibilidades aumentadas de desenvolvimento de cardiopatia isquêmica a curto e a longo prazo. O conceito sobre fatores de risco nasceu da teoria da multicausalidade das doenças e que está sendo substituído pelo de unicausalidade. 11 Gottschall e cols. observaram a necessidade de incluir outros fatores para explicar vários aspectos clínicos e epidemiológicos da doença. Segundo os autores referidos acima esse significado tem fundamental importância teórica e prática na etiologia, patogenia e prevenção da cardiopatia isquêmica de uma maneira geral e do infarto do miocárdio de uma maneira especial. Até o presente momento já foram identificados múltiplos fatores de risco coronariano cuja importância pode ser relativizada, mas nunca posta em dúvida em qualquer análise criteriosa que se faça. 19 Consideram-se os primeiros fatores de risco, a dieta inapropriada, o vício do cigarro e a hipertensão arterial sistêmica. As relações entre doenças cardiovasculares e dieta começaram a ser pesquisadas antes da segunda guerra mundial. W. Raab (1932) observava que a dieta cumpria papel relevante na gênese da doença coronariana devido à regressão da aterosclerose durante os períodos da fome na Europa Central; a relativa raridade da aterosclerose e da hipertensão entre os vegetarianos da Ásia, contraposta à enorme freqüência da aterosclerose entre os povos da Europa e da América do Norte que consomem grande quantidade de ovos e manteiga. Segundo as referências dos clássicos Estudos dos Sete Países

16 9 que foram realizados na década de 50 na Finlândia, Holanda, Itália, Grécia, Iugoslávia, Estados Unidos e Japão, foi feita uma relação da hipertensão arterial e cardiopatia isquêmica com a dieta destas populações, ficando evidente que o colesterol poderia ser um dos indicadores de doença arterial coronariana. 20 O segundo aspecto identificado foi o tabagismo. Dudlei-White (1934), associou o tabagismo com a angina pectóris. O terceiro aspecto associado à doença coronariana foi a hipertensão, em que havia uma hipertensão benigna para vencer a vasoconstrição. 20 Grandes projetos de pesquisa sobre fatores de risco para doenças coronarianas começaram em 1948 com Framingham Heart Study. Dez anos depois, os estudos de Framingham conseguiram estabelecer os principais fatores de risco para a doença coronariana: colesterol elevado, hipertensão e tabagismo. 21. Esses dois estudos foram fundamentais para compreender as doenças cardiovasculares, porém outros aspectos, tais como, os componentes ambiental, social, cultural e psicológico passaram a ser também elucidados. Aspectos como imigração, posição inferior na escala de hierarquia profissional passaram a ser valorizados. Nos EUA, as taxas mais elevadas de infarto do miocárdio ocorriam nos trabalhadores das fábricas, do que nos de escritório. 21 Entretanto, na década de 80, alguns estudos relataram que a metade dos coronariopatas não apresentavam os clássicos fatores de risco ambiental no desenvolvimento da doença. Então, surgiu o seguinte questionamento: quais foram os mecanismos causadores da doença nesses pacientes? 21

17 10 A resposta para este questionamento reside no desenvolvimento de inúmeras pesquisas clínicas e experimentais relacionando o estresse com a doença coronariana. Além disso, Porto argumenta que a coronariopatia, certamente, é uma doença multifatorial engendrada pela soma de vários fatores e que o estresse seria um deles. O estresse psicológico determina uma série complexa de respostas fisiológicas que podem apresentar implicações na origem da atereosclerose e eventos cardiovasculares. O estresse é definido como sofrimento, adversidade, aflição ou solicitação excessiva de um órgão ou da mente. Porto também faz referências aos cardiologistas pelo seu interesse ao estresse pois, além de ser um fator de risco cardiovascular, o estresse aumenta alguns fatores de risco como: retenção de sódio, perda de potássio, aumento dos níveis de colesterol e glicose, obesidade, hipertensão arterial, isquemia miocárdica, arritmias cardíacas e morte súbita. 11 Estudos mostram que o estilo de vida de uma pessoa pode interferir nas suas condições de saúde, e consideram os mais evidentes: alimentação, profissão e tipo de trabalho, lazer, atividades físicas, culturais e religiosas, hábitos como tabagismo, uso de bebidas alcoólicas e drogas ilícitas. 11 Desta forma, houve o desenvolvimento de estudos sobre fatores psicossociais presentes na gênese e na evolução da doença coronariana, atingindo grande proporção e razoável confiabilidade. 16 Lotufo, em muitos desses estudos, confirmou a associação das características da personalidade e do comportamento com as doenças coronarianas. A partir daí se identificam cinco grandes fatores comportamentais ou diagnósticos psiquiátricos: depressão, ansiedade, fatores relacionados com a personalidade, isolamento

18 social e estresse crônico Esses fatores comportamentais proporcionam maior risco para doença coronária, aumentando a freqüência de fatores de risco ou agindo de forma independente. Dois cardiologistas, Meyer Friedman e Ray Rosenman, desenvolveram estudos sobre o perfil de personalidade que exemplifica esse tipo de comportamento: são os chamados Tipo A e Tipo B. 22 Outros pesquisadores conceituaram um padrão específico de comportamento Tipo A, que coloca em ação a patofisiologia necessária para a produção da doença da artéria coronariana. Concluíram que esse tipo de comportamento é um fator importante de risco como o colesterol, hipertensão, hábito de fumar e história familiar. 23 O comportamento Tipo A inclui indivíduos que procuram fazer mais e mais em menos tempo, são pessoas ambiciosas, competitivas, impacientes necessitando aparentar serem fortes. Pessoas com tipo A têm traços mais agressivos, sempre numa luta crônica e intensa para vencer e superar tudo. Sofrem de hostilidade e pressa doentia. Estudos relatam que a associação entre raiva e hostilidade não manifestada e o aumento da pressão sanguínea é um achado incontestável. 24 Os mesmos estudos também concluíram, que são pessoas com tendência a desenvolver arteriosclerose prematura e que estão mais sujeitos a morte súbita do que aqueles que têm personalidade tipo B. 16 Em contrapartida, aqueles de personalidade tipo B são menos agressivos e mais cooperativos, diferentes do tipo A, que têm maior dificuldade de relacionamento social e tendem a um certo isolamento, envolvendo-se mais em conflitos. 12,24

19 12 O meio social competitivo, aglomerado, poluído, apressado e de baixa coesão grupal seria a cultura ideal para o desenvolvimento da doença coronariana, gerando além das tensões psicossociais, estímulo ao sedentarismo, ao tabagismo e aos erros alimentares. 16 Assim, esses estímulos desenvolveriam quantidade aumentada de lipoproteínas de baixa densidade, colesterol sérico, triglicerídios e 17-hidroxicorticosteróides que acabariam contribuindo para a extensão e gravidade da doença. 20 Alguns pesquisadores citaram a existência de uma personalidade hipertensiva, aparentemente pessoas submissas, relaxadas, gentis, com um auto controle precário etc. 12,24 Silva acrescenta que essas são pessoas com necessidade de agradar e ser queridas, mas ao mesmo tempo a sensação interna é de raiva reprimida, tensão e dúvida. 25 Contrapondo sobre esse tipo de personalidade, Toscano relata que não há índices de comprovação sobre esse tipo de estrutura, porém reconhece que há fatores psicológicos que contribuem para o desenvolvimento da hipertensão. Refere que não existe uma relação causal e absoluta entre hipertensão e depressão, mas que fatores intervenientes contribuem para o surgimento da depressão nos hipertensos e de hipertensão em deprimidos, sendo que a incidência de hipertensão arterial é mais alta em pessoas que apresentam transtornos depressivos graves. 26 Romano faz referência a um certo tipo de personalidade chamada de coronariana, quando pessoas apresentam reações emocionais que podem desencadear os fatores de risco para doenças isquêmicas, infarto e hipertensão. 24

20 13 Dados significativos de várias pesquisas demonstram a multifatoriedade das doenças cardíacas inter-relacionadas com os seus possíveis fatores de risco. Entre esses estudos estão The Precursors Study, do Departamento de Medicina, e The Prospective Data From the Baltimore ECA Follow-up, do Departamento de Epidemiologia, ambos da Universidade Johns Hopkins (USA). A depressão, alterações emocionais agudas e crônicas, são consideradas fator de risco independente para doença cardíaca, elevando mais de duas vezes o risco relativo de doença coronariana e de IAM. 27,28 Stoudemire relaciona a depressão com o risco de mortalidade entre os pacientes com doenças cardiovasculares CAV. A partir desses dados se faz necessário compreender os tipos de depressão mais comuns encontrados no contexto médico. Esses processos seriam fundamentais para compreender o mecanismo no qual a depressão é fator de risco para a doença coronariana e infarto do miocárdio. 27 Estudos relatam que na cardiologia fatores psicológicos podem predispor e precipitar distúrbios como: 1 Transtornos do Ritmo comuns. Influências emocionais se destacam nas arritmias cardíacas mais 2 Arteriopatia Coronariana O estresse pode influenciar no surgimento de arteriosclerose. Quando o estresse é alto há vasoconstrição e liberação de colesterol que pode levar à obstrução de artérias coronarianas e produzir o infarto do miocárdio. 3 A Hipertensão Arterial

21 14 A elevação da pressão sanguínea sistólica e ou diastólica acima do limite previsto provoca uma perturbação hemodinâmica por múltiplas causas, já que o organismo frente às situações de estresse e ansiedade libera catecolaminas (adrenalina e noradrenalina) e corticosteróides, isquemia cardíaca, arritmias, IAM, e /ou morte súbita INFARTO DO MIOCÁRDIO E A DEPRESSÃO Gottschall em seu livro Dinâmica Cardiovascular expressa o que aprendeu, o que descobriu e o que desenvolveu no campo da fisiopatologia cardiocirculatória. Segundo o autor o coração sempre se destacou por ser um órgão especial e o que mais despertou interrogações ao homem. Esses questionamentos vêm de primórdios e também ocupam um lugar de destaque nas religiões, na música, elevando sentimentos, etc. Os estudos corroboram as afirmações de que o coração não é o único órgão vital, porém é através dele que os sentimentos se evidenciam mais, onde a expressão da emoção aparece através do seu pulsar. 30 O coração e a circulação do sangue se tornaram ciências através de Hipócrates no século IV a.c., quando aplicou o método indutivo para criar um corpo de doutrinas baseado em observações partindo daí para o conhecimento científico. O homem sempre diz que o coração é símbolo da vida e da morte, isto é, Aristóteles no século IV a.c.,chamava-o de o primeiro a mover-se e o no fim da vida, o último a morrer.

22 15 Por que é um órgão especial? Porque sem ele não existe vida, mas não é o único vital, porque vida não existe sem fígado, rim, cérebro. 3o Baseado nessa concepção, o órgão visto desde a Antiguidade como a sede da vida, o coração, associa-se como sendo a sede das emoções. Essa idéia é explicada devido a ligação que existe entre o funcionamento do coração e o sistema nervoso autônomo e, portanto com as emoções, refletindo-se como seria de se esperar sobre o psiquismo e sobre o estado de humor das pessoas. Isto torna-se verdadeiro quando se trata do infarto do miocárdio. Silva diz que a depressão após o infarto do miocárdio é quase uma marca registrada. 25 O infarto agudo do miocárdio (IAM) foi considerado nos primórdios do século XX como sendo uma patologia quase sempre fatal, e foi descrita em termos atuais, por Herrick em O IAM é uma situação clínica de alta gravidade (quase sempre de origem aterosclerótica), determinada por um processo isquêmico agudo e suficientemente demorado, o tanto necessário para gerar a morte celular, ou seja, a necrose miocárdica. 25 O IAM é uma necrose isquêmica do músculo cardíaco, geralmente secundária à redução do fluxo sangüíneo coronariano de um segmento do miocárdio, sendo que mais de 90% dos casos estão relacionados com a oclusão coronariana aguda com trombose. A lesão coronariana, responsável pelo IAM, freqüentemente, é um estreitamento vascular leve a moderado, sendo a trombose acrescida à placa rompida, que ocasiona a oclusão aguda, ao invés da gravidade do estreitamento da placa. 30 O IAM pode ser benigno ou fatal, dependendo do tamanho e do local que foi atingido. Há três coronárias principais e várias secundárias. Quando

23 16 ocorre numa coronária secundária o dano é pequeno, podendo chegar a máximo e mortal ao atingir uma artéria principal. Os principais fatores relacionados ao risco para IAM são hipercolesterolemia, tabagismo, hipertensão arterial, diabete mellitus e história familiar. 30 Castro constatou que 45% dos infartados têm quadros depressivos em seu histórico clínico. A federação mundial da saúde FMS leva em conta a depressão como fator de risco para as doenças do coração e baseia-se na análise de 40 maiores estudos sobre a relação entre o infarto e a depressão. 14. Estudos indicam que os transtornos depressivos e ansiosos estão associados ao aumento da morbidade e da mortalidade nas doenças cardiovasculares. Assim, a depressão é reconhecida hoje, como importante fator de risco clássico, como a hipertensão arterial, hipercolesterolemia e obesidade. Por sua vez, 1/5 dos pacientes com doenças cardiovasculares, incluindo os que vivenciaram um infarto do miocárdio, podem ter concomitantemente depressão mais grave. 10 Os estudos mostram que de 1 a 3 pacientes admitidos no hospital por doença cardiovascular são acometidos por depressão após o IAM e angina instável. 27 Isto reflete na piora do prognóstico, aumentando a mortalidade em 3,5 vezes. Os mecanismos provavelmente envolvidos compreendem a redução da variabilidade da freqüência cardíaca e o aumento da agregação plaquetária, verificadas na depressão e amplificados em caso de isquemia coronariana.

24 17 Foram feitas pesquisas a respeito de sintomas depressivos, risco de declínio funcional e morte em pacientes com insuficiência cardíaca num hospital de New Haven. Esses pacientes apresentavam uma relação entre sintomas depressivos e o curso da insuficiência cardíaca, evidenciando uma ativação simpatoadrenal elevada em que pode-se considerar uma resposta danosa para pacientes com insuficiência cardíaca. 27 Frasure e col. explicam que a depressão está associada à excessiva ativação do sistema nervoso simpático. A hipersecreção de norepinefrina em pacientes depressivos e a intensa ativação neuro-humoral pode exacerbar as anormalidades hemodinâmicas da insuficiência cardíaca, aumentando a freqüência cardíaca (FC), e induzir a vasoconstrição e retenção de sódio. Além disso, a ativação acentuada do sistema nervoso simpático pode predispor ao aumento das taxas de arritmias e de morte súbita. Os mesmos autores da pesquisa afirmam, ainda, que a depressão está associada à perda da atividade vagal e à redução da variabilidade da FC, determinando risco de morbidade e de mortalidade cardiovasculares. E salientam ainda que a identificação precoce e o tratamento clínico da depressão nesse grupo de indivíduos pode ser importante para a redução da morbi-mortalidade da insuficiência cardíaca. 9 Outras evidências salientam que a estimulação simpática provocada por fatores psicológicos e emocionais é mais prejudicial para o coração do que aquelas que são oriundas das atividades físicas, porém não causam o infarto do miocárdio, mas são somatório de sua ocorrência a uma situação de depressão, fadiga, desapontamentos e sofrimento psíquico. 25 Ainda fazendo referência ao sistema simpático, Mulsselman (1998), se posiciona quanto às evidências sobre os deprimidos apresentarem uma redução da variabilidade

25 18 da freqüência cardíaca, mostrando o desequilíbrio entre os sistemas simpático e parassimpático (diminuição do tônus parassimpático), o que pode justificar um aumento dos índices de mortalidade por doenças cardiovasculares em pacientes deprimidos. 28 O diagnóstico desses pacientes é freqüentemente negligenciado e se recomenda o uso rotineiro de escalas de auto-avaliação para depressão em infartados. A partir dos relatos supramencionados, o estudo, a detecção e o tratamento da depressão pós-infarto passam a ser de fundamental importância para a sobrevivência dos pacientes. 31 Estudos comprovam que, entre os pacientes que tinham experimentado um infarto do miocárdio, a depressão era o principal fator de aumento de risco de morte, além de outros como fumo e obesidade. 4 Por outro lado, observa-se que a depressão diminui a aderência dos cardíacos ao tratamento, além de os mesmos não obedecerem às atitudes para preservar a própria saúde. Um paciente que desenvolve uma depressão clínica dentro dos 18 meses depois do infarto do miocárdio eleva significativamente o risco de mortalidade. As arritmias ventriculares poderiam ser o principal mecanismo implicado, notadamente as extra-sístoles. Resultados encontrados evidenciam, que em torno de 66% dos pacientes com infarto do miocárdio sofrem algum transtorno emocional, principalmente de depressão e ansiedade (U.S. Department of Health and Human Services, 1998). A depressão maior esteve presente em aproximadamente 20% dos pacientes que tiveram infarto do miocárdio, e a depressão menor foi um pouco mais presente (27%). Na

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS.

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. Ângela Mari Rauth 1, Arlinda Jesus Sampaio¹,

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão

DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão - F32 Episódios depressivos Nos episódios típicos de cada um dos três graus de depressão: leve, moderado ou grave, o paciente

Leia mais

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA SEGURANÇA PÚBLICA Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 Ser humano x Humor VARIAÇÕES : SIM( X) NÃO( ) EXTREMOS: SIM( ) NÃO( X) CONTROLE Sensações normais Saúde mental x doença mental

Leia mais

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde SILVIA CURY ISMAEL HOSPITAL DO CORAÇÃO DE SÃO PAULO III Congresso dos Servidores de Saúde

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH)

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Depressão e Espiritualidade Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Conceitos Tristeza emoção natural. Resposta à frustração, decepção ou fracasso.

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

Centro de Ciências Departamento de Biologia Disciplina de Fisiologia Animal

Centro de Ciências Departamento de Biologia Disciplina de Fisiologia Animal Projeto de ensino aplicado à Fisiologia Anima, da disciplina Instrumentalização V: Exercício físico regular e a promoção da saúde Suyane Emanuelle Santos de Carvalho Orientadora: Profa. Dra. Ana Fontenele

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

Como lidar com transtornos internalizantes na sala de aula?

Como lidar com transtornos internalizantes na sala de aula? Como lidar com transtornos internalizantes na sala de aula? Rogéria Recondo Psiquiatra da Infância e Adolescência Preceptora em Psiquiatria Infantil no Hospital São Lucas da PUC Professores:cursos de capacitação

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA Aline Arruda da Fonseca Maria do Socorro Lemos de Oliveira Maria Isabel Alves Batista Oliveira Samara Melo Silva Thiago dos Santos Aguiar

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

Quando o medo transborda

Quando o medo transborda Quando o medo transborda (Síndrome do Pânico) Texto traduzido e adaptado por Lucas Machado Mantovani, mediante prévia autorização do National Institute of Mental Health, responsável pelo conteúdo original

Leia mais

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE Izabel Cristina Brito da Silva 1 Emanuela Batista Ferreira 2 Jael Maria de Aquino 3 Sílvia Elizabeth Gomes de Medeiros

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental DEPRESSÃO O que você precisa saber Fênix Associação Pró-Saúde Mental Eu admito que preciso de ajuda, pois sozinho não consigo... (Grupo Fênix: Os 6 Passos para a Recuperação) a 1 Edição São Paulo 2010

Leia mais

EDITORIAL EDITORIAL ÍNDICE

EDITORIAL EDITORIAL ÍNDICE EDITORIAL EDITORIAL 1 Sérgio Butka Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba Desde a primeira cartilha lançada pelo Departamento de Saúde do SMC vários problemas que fazem parte do cotidiano

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

Maconha. Alessandro Alves. Conhecendo a planta

Maconha. Alessandro Alves. Conhecendo a planta Maconha Alessandro Alves Entenda bem. A maconha é a droga ilícita mais utilizada no mundo. Está entre as plantas mais antigas cultivadas pelo homem. Na China seus grãos são utilizados como alimento e no

Leia mais

Transtorno Bipolar. Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor

Transtorno Bipolar. Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor Transtorno Bipolar Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor Introdução * O transtorno bipolar (TBP) é uma condição psiquiátrica relativamente freqüente, ente, com prevalência na

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas. O caso da depressão. Gustavo Pradi Adam

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas. O caso da depressão. Gustavo Pradi Adam Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas O caso da depressão Gustavo Pradi Adam Caso clínico Sempre te Vi, Nunca te Amei Sra. X, 43 anos, sexo feminino,

Leia mais

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil Trabalho de educação continuada desenvolvido pelo CRM-AL em 2002. Atendimento de profissionais

Leia mais

Administrando o Stress: o coração agradece

Administrando o Stress: o coração agradece Administrando o Stress: o coração agradece Lucia E. Novaes Malagris Professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro Presidente da Associação Brasileira de Stress Mortalidade - Brasil - Óbitos por

Leia mais

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail. 22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.com DEPRESSÃO 1. Afeta pelo menos 12% das mulheres e 8% dos homens

Leia mais

estudo Por ViVian Lourenço 7 4 g u i a d a f a r m á c i a

estudo Por ViVian Lourenço 7 4 g u i a d a f a r m á c i a Sentir dor não é normal A dor é sinal de que algo não vai bem no organismo. Os sintomas estão no cotidiano e é essencial saber a diferença entre a dor crônica e a aguda para buscar o tratamento Por Vivian

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido?

Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido? Saudações concurseiro, Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido? É muito importante estabelecer uma frequência no estudo,

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões:

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões: Ogden, J.(1999). Psicologia da Saúde. Lisboa: Climepsi Editores, Capitulo 1. Capítulo 1. Uma Introdução a Psicologia da Saúde Antecedentes da Psicologia da Saúde O século XIX Foi no decorrer do século

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho

Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios mentais relacionados ao trabalho Dra Ana Paula Schmidt Waldrich Médica do Trabalho CRM-SC 13.384 Doença Ocupacional Quais as formas de caracterização de

Leia mais

(inicia no slide 17) Bipolaridade

(inicia no slide 17) Bipolaridade (inicia no slide 17) Bipolaridade Os Transtornos do Humor Bipolar são transtornos crônicos, recorrentes e, muitas vezes, com remissão incompleta e potencialmente letais. Os pólos de apresentação são: *

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL

TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO DA SÍNDROME S DE BURNOUT EM TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL AUTORES: KALINE LÍGIA F. CAUDURO VICTOR N. FONTANIVE PAULO V. N. FONTANIVE INTRODUÇÃO A saúde do trabalhador

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Rui Grilo Tristeza VS Depressão A tristeza é a reacção que temos perante as perdas afectivas na nossa vida; A perda de alguém por morte é tristeza e

Leia mais

Síndrome de Burnout. Astrid Guerra Barros Psicóloga pós-graduanda em Terapias Cognitivas Comportamentais

Síndrome de Burnout. Astrid Guerra Barros Psicóloga pós-graduanda em Terapias Cognitivas Comportamentais Síndrome de Burnout Astrid Guerra Barros Psicóloga pós-graduanda em Terapias Cognitivas Comportamentais Zelia Simone Sobrosa Psicóloga com pós-graduação em Neuropsicopedagogia 2013 Conceito Burnout é

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

FADIGA, NEURASTENIA ou. Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo

FADIGA, NEURASTENIA ou. Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo FADIGA, NEURASTENIA ou TRANSTORNOS SOMATOFORMES Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo Sinais e sintomas relatados por pacientes com fadiga

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 TÍTULO: NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E BARREIRAS PARA A ATIVIDADE

Leia mais

Diretrizes da OMS para diagnóstico de Dependência

Diretrizes da OMS para diagnóstico de Dependência Diretrizes da OMS para diagnóstico de Dependência 1 - Forte desejo ou compulsão para usar a substância. 2 - Dificuldade em controlar o consumo da substância, em termos de início, término e quantidade.

Leia mais

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico -

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Alessandro Alves Toda vez que se pretende classificar algo, deve-se ter em mente que o que se vai fazer é procurar reduzir um fenômeno complexo que em

Leia mais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS Prof. José Reinaldo do Amaral Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Psicologia PSICOPATOLOGIA GERAL 2013 / 2 HISTÓRIA Paradigma da

Leia mais

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Transtornos Neuróticos Aspectos históricos A distinção neuroses e psicoses foi, durante

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana

COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana RESUMO Posicionamento Oficial do Colégio Americano de Medicina Esportiva: Exercise

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

Diabetes Gestacional

Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional Introdução O diabetes é uma doença que faz com que o organismo tenha dificuldade para controlar o açúcar no sangue. O diabetes que se desenvolve durante a gestação é chamado de diabetes

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental TRANSTORNOS ANSIOSOS Prof. Humberto Müller Saúde Mental Porque nos tornamos ansiosos? Seleção natural da espécie Ansiedade e medo... na medida certa, ajuda! Transtornos de Ansiedade SINTOMAS: Reação exagerada

Leia mais

O que é O que é. colesterol?

O que é O que é. colesterol? O que é O que é colesterol? 1. O que é colesterol alto e por que ele é ruim? Apesar de a dislipidemia (colesterol alto) ser considerada uma doença extremamente prevalente no Brasil e no mundo, não existem

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

Transtornos Alimentares. Dr. Eduardo Henrique Teixeira PUC-Campinas

Transtornos Alimentares. Dr. Eduardo Henrique Teixeira PUC-Campinas Transtornos Alimentares Dr. Eduardo Henrique Teixeira PUC-Campinas Anorexia Nervosa Anorexia sem fome Comportamento obstinado e propositado a perder peso Medo intenso de aumento de peso Alteração da imagem

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho-

Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB Enquadramento Filme Mr.Jones Mr.Jones é um homem

Leia mais

TÍTULO: ALTERACOES CARDIACAS EM DEPENDENTES QUIMICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM

TÍTULO: ALTERACOES CARDIACAS EM DEPENDENTES QUIMICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM TÍTULO: ALTERACOES CARDIACAS EM DEPENDENTES QUIMICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE BAURU AUTOR(ES): ELAINE CORREA MARCILIANO,

Leia mais

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE Laís Rosiak 1 Rebeca Bueno dos Santos ¹ Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O presente artigo apresenta o estudo realizado sobre o Transtorno Obsessivo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Os Remédios para Emagrecer são quase todos à base de Anfetaminas,

Os Remédios para Emagrecer são quase todos à base de Anfetaminas, 8 Remédios para Emagrecer Evandro Murer Especialista em Teorias e Métodos de Pesquisa em Educação Física, Esportes e Lazer na UNICAMP Os Remédios para Emagrecer são quase todos à base de Anfetaminas, que

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

OBJETIVOS: GERAL: Determinar a prevalência do alcoolismo em Policiais Militares do Estado do Amazonas.

OBJETIVOS: GERAL: Determinar a prevalência do alcoolismo em Policiais Militares do Estado do Amazonas. TÍTULO: ALCOOLISMO NA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO AMAZONAS. Autores: Fernando de Lima Ferreira; Aristóteles Alencar; Manoel Galvão; Giselle Oliveira da Costa; Márcia Maria Leão de Araújo; Roberta Kelly

Leia mais

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br Todo mundo quer viver muitos anos, não é mesmo? Mas você já se questionou se está somando mais pontos contra do que a favor na busca pela longevidade? Por isso mesmo, um estudo da Universidade da Califórnia,

Leia mais

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado?

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado? Colesterol Colesterol 3 Que tipos de colesterol existem? 3 Que factores afectam os níveis de colesterol? 4 Quando está o colesterol demasiado elevado? 4 Como reduzir o colesterol e o risco de doença cardiovascular?

Leia mais

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m CASO CLINICO Cliente : A. G - 21 anos - Empresa familiar - Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m Motivo da avaliação: Baixa auto estima, dificuldade em dormir, acorda várias vezes a noite. Relatou

Leia mais

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV)

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV) Doenças Cardiovasculares (DCV) O que são as Doenças Cardiovasculares? De um modo geral, são o conjunto de doenças que afetam o aparelho cardiovascular, designadamente o coração e os vasos sanguíneos. Quais

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL

PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL Das Informações Éticas na Participação de Médicos em Seminários, Fóruns, Conferências, Congressos e

Leia mais

Doenças Crônicas. uma nova transição. Paulo A. Lotufo. FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP

Doenças Crônicas. uma nova transição. Paulo A. Lotufo. FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP Doenças Crônicas uma nova transição Paulo A. Lotufo Professor Titular de Clínica Médica FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP esclarecimentos O termo doença crônica pode

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO Abordagem e Tratamento do Tabagismo PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO Abordagem e Tratamento do Tabagismo I- Identificação do Paciente Nome: Nº do prontuário:

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE Adolescência 11 aos 20 anos Mudanças: Amadurecimento biológico Sexual Psicológico Social Características Adolescência Mudança de interesses Conflitos com a família Maior

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria. Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí

Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria. Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí Psiquiatria: Especialidade médica que se dedica ao estudo, diagnóstico, tratamento e à prevenção de

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais