UCB UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INPG INSTITUTO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO ALQUIMY ART

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UCB UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INPG INSTITUTO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO ALQUIMY ART"

Transcrição

1 0 UCB UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INPG INSTITUTO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO ALQUIMY ART Curso de Especialização em Arteterapia Pós-Graduação lato sensu DEPRESSÃO NA ADOLESCÊNCIA: O RESGATE DA CURIOSIDADE COMO UM ELEMENTO FACILITADOR NUM PROJETO DE ARTETERAPIA Nadia Maria Gonçalves Krüger Joinville - SC 2007

2 1 NÁDIA MARIA GONÇALVES KRÜGER DEPRESSÃO NA ADOLESCÊNCIA: O RESGATE DA CURIOSIDADE COMO UM ELEMENTO FACILITADOR NUM PROJETO DE ARTETERAPIA Monografia apresentada à UCB Universidade Castelo Branco, Convênio / INPG Instituto Nacional de Pós- Graduação e Parceria / Alquimy Art, SP, como parte dos requisitos para a obtenção do título de Especialista em Arteterapia. Orientadora: Profa. Dra. Cristina Dias Allessandrini Joinville, SC 2007

3 2 KRÜGER, Nádia Maria Gonçalves Depressão na adolescência: o resgate da curiosidade como um elemento facilitador num projeto de Arteterapia / Nádia Maria Gonçalves Krüger Joinville; [s.n.], p. 66 Monografia (Especialização em Arteterapia) UCB Universidade Castelo Branco, Convênio / INPG Instituto Nacional de Pós-Graduação e Parceria / Alquimy Art, SP. 1. Arteterapia 2. Adolescência 3. Depressão

4 3 UCB UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INPG INSTITUTO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO ALQUIMY ART DEPRESSÃO NA ADOLESCÊNCIA: O RESGATE DA CURIOSIDADE COMO UM ELEMENTO FACILITADOR NUM PROJETO DE ARTETERAPIA Monografia apresentada pela aluna Nádia Maria Gonçalves Krüger ao curso de Especialização em Arteterapia em 16/ 06/ 2007 e recebendo a avaliação da Banca Examinadora constituída pelos professores: Profa. Dra. Cristina Dias Allessandrini, Orientadora Profa. Dra. Cristina Dias Allessandrini, Coordenadora da Especialização Profa. Daniele Bittencourt de Souza, Convidada

5 4 Ao meu filho, Yasoo. Aos meus pais, Osny e Leni, pelo incentivo carinhoso de sempre.

6 5 Só um sentido de invenção e uma necessidade intensa de criar levam o homem a revoltar-se, a descobrir e a descobrir-se com lucidez. Picasso, Pablo

7 6 AGRADECIMENTOS Agradeço à Profª. Cristina Dias Allessandrini pelo entusiasmo e acolhida carinhosa e pelas orientações cuidadosas.

8 7 RESUMO Neste trabalho apresenta-se a contribuição da Arteterapia e o resgate da curiosidade como elementos importantes no tratamento da depressão na adolescência. É feita uma explanação a respeito dessa fase evolutiva, tomando-se por base o pensamento psicanalítico. Conceitos de saúde e doença são discutidos à luz do pensamento Winnicottiano, do enfoque da Gestalt-terapia e da leitura fenomenológica. Conceitos de criatividade e curiosidade são analisados e correlacionados com a Arteterapia Gestáltica e embasados em estudos e teorias de Zinker (1979), Miller (2000), Ciornai (2004), Ostrower (1986) e Assmann (2004). Analisam-se os aspectos ligados aos processos de mudança no âmbito psicológico cujos autores citados significativamente serão Ribeiro (1994) e Goswami (1998). A teoria do método dialógico de Buber (2006) embasa a metodologia do trabalho, fornecendo um referencial para o manejo da relação terapêutica e suas vicissitudes. Objetiva-se apresentar uma possibilidade de trabalho em ateliê terapêutico com adolescentes, oferecendo-lhes um espaço de expressão e compartilhamento diferenciado, por meio do fazer artístico, tendo-se o resgate da curiosidade como um elemento importante para a melhora do paciente em quadros depressivos na adolescência. Oferece a oportunidade de se conhecer e entender mais detalhadamente o fenômeno da depressão na adolescência, sob o ponto de vista da perda do interesse pela vida. Traz uma possibilidade de o adolescente reconectar-se positivamente com um aspecto tão presente nessa fase evolutiva: a curiosidade, ou seja, o apetite para o mundo. Palavras-chave: 1. Arteterapia. 2. Adolescência. 3. Depressão.

9 8 ABSTRACT In this paper the contribution of art therapy and the rescue of curiosity are presented as important elements in the treatment of depression in adolescence. Explanations based in the psychoanalytic approach are given, regarding this phase of human development. Concepts of health and illness are discussed taking into account Winnicott s theory, the Gestalt Therapy approach and the Phenomenology. Concepts of creativity and curiosity are analysed and correlated with the Gestalt Art therapy and based on studies and theories of Zinker (1979), Miller (2000), Ciornai (2004), Ostrower (1986) and Assmann (2004). Aspects linked to changing processes in the psychological scope are analysed based on Ribeiro (1994) and Goswami (1998) as main authors. Work methodology was drawn from Buber s dialogic method (2006), providing reference when handling the therapeutic relation and its ups and downs. The main aim of this paper is also to present a possibility of work in a therapeutic studio with adolescents, offering them a space of expression and differentiated sharing, by means of artistic making, having the rescue of the curiosity as an important element for the improvement of the patient in depressive cases in adolescence. It offers the chance of getting to know and understand better the phenomenon of depression in adolescence focusing on the loss of interest in life. It brings a possibility to the adolescent to reconnect himself/herself positively with such a present aspect in this phase of development: the curiosity, that is, the 'appetite for the world.' Key words: 1. Art therapy. 2. Adolescence. 3. Depression.

10 9 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 F.F. - Escultura à esquerda representando expressão de desânimo FIGURA 2 F.F. Poemas haicai, referindo-se ao sentimento de solidão FIGURA 3 F.F. Colagem, avaliação do processo de Arteterapia FIGURA 4 F.F. Holografia, desânimo FIGURA 5 F.F. Pintura a dedo, sentimento de expansão FIGURA 6 F.F. Textura com massa acrílica, sentindo-se alegre FIGURA 7 F.F. - Holografia, triste e encolhida FIGURA 8 F.F. Colagem avaliação do processo de Arteterapia FIGURA 9 F.F. Textura com massa acrílica, barco sozinho FIGURA 10 F.F. Pintura com os pés, sentimento de liberdade... 58

11 10 SUMÁRIO RESUMO...07 ABSTRACT APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO HUMANO E ADOLESCÊNCIA DEPRESSÃO NA ADOLESCÊNCIA SAÚDE E DOENÇA CRIATIVIDADE E CURIOSIDADE PROCESSOS DE MUDANÇA ARTETERAPIA GESTÁLTICA ATELIÊ TERAPÊUTICO DESCRIÇÃO DA PESQUISA RELATO DE CASO F.F Análise do processo RELATO DE CASO S.T Análise do processo RESULTADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS...62 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...64

12 APRESENTAÇÃO A arte esteve presente em minha vida desde muito cedo. Meu primeiro contato com a arte foi por meio da música erudita quando criança, que parece ter permitido a abertura de várias janelas até então desconhecidas para mim. Intrigava-me circular naquele ambiente da escola de artes, tão rico em estímulos, às vezes belos, outras vezes tão curiosos: esculturas, pinturas, sons de vários instrumentos, atraindo a minha atenção enquanto aguardava ansiosamente a oportunidade de sentar-me ao piano (que na época era um gigante para mim) e experimentar as possibilidades que aquele teclado me proporcionava. Guardo muitas lembranças dessa época que se estendeu ao longo de minha adolescência e trouxe sem dúvida, o gosto pela arte em geral e o desenvolvimento da sensibilidade que hoje reconheço como sendo a marca dos trabalhos que desenvolvo. Sempre me reconheci como uma pessoa inquieta e disposta a construir os meus caminhos. O interesse em trabalhar com pessoas esteve presente em minha vida, talvez por me sentir tão recheada de sentimentos às vezes contraditórios e incompreensíveis, e querer encontrar algum eco puramente humano naquilo que iria desenvolver. Ao concluir a graduação vivi um momento de crise. Sentia algum interesse pela Psicologia Social de Pichon Rivière por apresentar uma visão mais contemporânea da Psicanálise, agregada a uma crítica social que me impulsionava para o trabalho institucional, ou seja, para desenvolver algo, onde quer que fosse ligado às transformações sociais. Esse foi o início de um caminho um tanto árduo, pois eu ainda sentia uma inquietação, uma espécie de vazio no que se referia a um

13 12 trabalho mais profundo em Psicoterapia. Buscava uma abordagem que me oferecesse condições de trabalhar de forma consistente com as pessoas e seus processos de desenvolvimento. Embora constituísse uma forte influência, eu ainda tinha algumas reservas para com a teoria psicanalítica por sentir o foco do trabalho na interpretação do terapeuta, mais do que na relação terapêutica. Identifiquei-me com a abordagem Gestáltica justamente por sua centragem na relação terapêutica, ou seja, naquilo que ocorre de fato entre terapeuta e cliente e acima de tudo na crença do potencial transformador dessa relação. Foi então que iniciei verdadeiramente o meu treinamento do papel de terapeuta, sentindo que nessa abordagem teria permissão para utilizar a criatividade e a sensibilidade afinadas com um embasamento filosófico-teóricometodológico coerente com o que eu buscava. A Gestalt-terapia sendo uma abordagem existencial-fenomenológica considera o homem como um todo, com uma forma particular de estar no mundo, um ser-em-relação, sujeito de sua existência, agente de suas transformações, e como tal, interessada no resgate de suas potencialidades, daquilo que lhe é mais genuíno. Abriu-se então uma nova caminhada em minha vida e uma profunda transformação, pois à medida que ia tomando contato com essa abordagem, reconhecia mais e mais uma condição de trabalhar com pessoas de forma criativa, apostando nas trilhas que elas pudessem me oferecer a cada momento. Ferguson (1980 p. 84) fundamenta esse processo de transformação afirmando que num estágio preliminar há um abalo no velho entendimento do mundo, as antigas prioridades. Assim, pude dar uma revirada em minhas convicções e experienciar uma nova forma de atuar que me possibilitou uma entrega deliberada, ou seja, uma crença num caminho que trazia e o movimento que eu buscava.

14 13 Após alguns anos, tive a oportunidade de conhecer a Arteterapia dentro da abordagem Gestáltica pelo contato com Selma Ciornai no V Encontro Nacional de Gestalt-terapia realizado em Florianópolis SC (1997). Recordo-me de ter ficado impactada com a possibilidade do uso dos recursos da arte em Psicoterapia, aliada a uma leitura fenomenológica. Tratava-se de uma ponte, um caminho para a descoberta por meio da expressão artística. Foi então que comecei a buscar subsídios e me familiarizar com essa linguagem, que a meu ver encontrava-se em uma espécie de stand by dentro de mim. Assim sendo, a expressividade teve um espaço mais assegurado em meu percurso como terapeuta. Mas ainda era pouco. Faltava-me uma formação, um aprofundamento que me oferecesse condições de desenvolver algum trabalho com esse enfoque. Mais tarde, participei do Curso Intensivo para Gestaltterapêutas (1998) coordenado por Selma Ciornai e Regina Santos, que veio a constituir-se numa experiência com intensidade e profundidade extremas no meu processo pessoal. Naquele momento pude vivenciar a qualidade transformadora da Arteterapia e reconhecê-la como um potente meio de conscientização e apropriação de aspectos tão freqüentemente alienados de mim mesma. Continuei minha caminhada garimpando publicações em Arteterapia aqui e ali e mantendo contato com a equipe, principalmente com Selma, a quem devo a picada inicial. Embora soubesse que ainda havia um caminho pela frente, creio que se iniciou ali uma nova etapa de minha atuação profissional. Logo depois, desenvolvi trabalhos nos quais fazia uso de recursos artísticos no Serviço Público com pacientes portadores de doenças mentais, trabalho que desenvolvo até hoje, com muito carinho e dedicação. A elaboração da pesquisa que descrevo neste texto é fruto dessa caminhada.

15 INTRODUÇÃO Neste trabalho discute-se relativamente à contribuição da curiosidade como um elemento importante no tratamento da depressão em psicoterapia com adolescentes. É feita uma explanação a respeito dessa fase evolutiva, tomando-se por base o pensamento psicanalítico. Os conceitos de saúde e doença são apresentados à luz do pensamento de Winnicott (1993), do enfoque da Gestalt-terapia embasada por Ciornai (2004) e da leitura fenomenológica proposta por Augras (1986). Conceitos de criatividade e curiosidade são analisados e correlacionados com a Arteterapia Gestáltica e embasados em estudos e teorias de Zinker (1979), Miller (2000), Ciornai (2004), Ostrower (1986) e Assmann (2004). Analisam-se os aspectos ligados aos processos de mudança no âmbito psicológico cujos autores citados significativamente serão Ribeiro (1994) e Goswami (1998). A teoria do método dialógico de Buber (2006) embasa a metodologia de trabalho, fornecendo um referencial para o manejo da relação terapêutica e suas vicissitudes. Este trabalho pretende contribuir para uma melhor compreensão da problemática da depressão na adolescência. Objetiva também apresentar uma possibilidade de trabalho em ateliê terapêutico com adolescentes, oferecendo-lhes um espaço de compartilhamento diferenciado.

16 15 Pretende discutir o resgate da curiosidade como um elemento importante para a melhora do paciente, em quadros depressivos na adolescência correlacionando-o ao conceito de criatividade. O resgate da curiosidade como um elemento facilitador em grupos de Arteterapia com adolescentes constitui-se num tema relevante para a pesquisa, pois oferece a oportunidade de se conhecer e entender mais detalhadamente o fenômeno da depressão na adolescência, sob o ponto de vista da perda do interesse pela vida. Traz uma possibilidade de o adolescente reconectar-se positivamente com um aspecto tão presente nessa fase evolutiva: a curiosidade, ou seja, o apetite para o mundo. (PERLS, 2002; MILLER, 2000; ASSMANN, 2004). Esse tema justifica-se também pelo que se tem observado no contexto atual, no sentido de o jovem encontrar-se cada vez mais distanciado de si mesmo, já que estamos na era do imediatismo e da competitividade. Tais fatores forçam o jovem a confluir sobremaneira com um ambiente no qual vai tendo poucas oportunidades de expressar genuinamente a si mesmo e a construir naturalmente os seus caminhos.

17 DESENVOLVIMENTO HUMANO E ADOLESCÊNCIA A adolescência como fase de desenvolvimento, em nossa sociedade, precisa ser encarada dentro de um ponto de vista mais amplo, considerando-se o enfoque social, ou seja, enquanto fase evolutiva. Trata-se de um período de muitas incertezas, frente ao mundo e às exigências de uma sociedade que estabelece limites demarcatórios importantes, os quais parecem colocar o adolescente à prova de uma série de aspectos. A conclusão dos estudos e a entrada num curso de graduação, ou ainda a obtenção do primeiro emprego, para alguns, podem ser exemplos que demarcam e expressam as tentativas dos jovens para a entrada na vida adulta e nem sempre são compreendidos pelo meio que os cerca. Nesse sentido, Winnicott (1993, p. 116) comenta [...] o fato de que cada adolescente está na verdade vivendo um processo ao cabo do qual se tornará um adulto consciente e integrado na sociedade é deixado de fora da questão. Coloca também, o papel fundamental que o ambiente desempenha para desenvolver o senso de integração, reconhecendo as necessidades que irão surgir. Quando chega a adolescência, meninos e meninas emergem de modo irregular e desajeitado da infância e da dependência, em direção ao estado de adultos. Crescer não depende apenas de tendências herdadas; também é uma questão de entrelaçamento complexo com o ambiente facilitador. Se a família ainda puder ser utilizada, será utilizada em larga medida. Se a família não estiver mais à disposição, nem que seja para ser posta de lado (uso negativo), então é necessário prover pequenas unidades sociais para conter o processo de crescimento do adolescente. (WINNICOTT, 1989, p. 123).

18 17 E comenta que, por ser um período marcado por turbulências, um sentido de descontinuidade está presente. Os adolescentes encontram-se num momento de transitoriedade, de revisão de alguns elementos adquiridos nas experiências da infância, e necessitam dar um novo significado a esses elementos, integrando-os a novos padrões vividos num presente tão fugaz. Estou afirmando [...] que o adolescente é imaturo. A imaturidade é um elemento essencial da saúde durante a adolescência. Só existe uma cura para a imaturidade a passagem do tempo e o crescimento para a maturidade que o tempo pode trazer. No fim, essas duas coisas resultam na emergência de uma pessoa adulta. Não se pode apressar nem retardar esse processo, ainda que ele possa ser interrompido ou destruído, ou degenerar em doença psiquiátrica. (Winnicott, 1989, p. 125). O conjunto de características presentes nessa fase também é descrito pelo psicanalista argentino Knobel in Aberastury & Knobel (1981, p. 24), denominado Síndrome da Adolescência Normal. O autor refere-se às perdas como um processo que envolve alguns lutos que vão sendo elaborados paulatinamente aos acontecimentos relativos a esse período. E afirma que o adolescente: Realiza um verdadeiro processo de luto pelo qual, no início, nega a perda de suas condições infantis e tem dificuldades em aceitar as realidades mais adultas que se lhe vão impondo, entre as quais, logicamente se encontram fundamentalmente as modificações biológicas e morfológicas do seu próprio corpo. (KNOBEL, 1981, p. 34). Descreve o luto pelo corpo infantil referindo-se à vivência concreta das mudanças decorrentes da puberdade, e à impotência frente a essas modificações. Afirma que o adolescente reage a essa realidade lidando onipotentemente com os fatos de sua vida, transparecendo uma atitude de aparente invulnerabilidade, como se nada o atingisse, refugiando-se freqüentemente no mundo das idéias. No adolescente normal, este manejo das idéias serve também para substituir a perda de seu corpo infantil e a não aquisição da personalidade adulta, por símbolos intelectualizados de onipotência, reformas sociais e políticas, religiosidade, onde ele não está diretamente comprometido como pessoa física (já que neste estado se sente totalmente impotente e incômodo), mas como entidade pensante (KNOBEL, 1981, p. 81).

19 18 Já o luto pela identidade e pelo papel infantil perdidos envolve outro conflito. Ao mesmo tempo em que o jovem não pode mais manter as posturas infantis diante dos fatos, ele ainda não tem condições, em termos de maturidade para assumir uma postura mais adulta ao que lhe é apresentado. Isso transparece na atitude de aparente irresponsabilidade tão freqüentemente descrita. Costuma então, dirigir aos pais e ao grupo social, obrigações que seriam de sua responsabilidade, apresentando-se por vezes indiferente à realidade que o rodeia. O adolescente vive também um sentimento de contradição entre os pais internalizados na infância de forma bastante idealizada e os pais reais, que agora começam a ser percebidos de modo mais crítico. Em função disso, parece haver uma incongruência de sentimentos, pendendo ora para a independência reativa, ora para a dependência infantil. De qualquer modo, o adolescente faz um processo de afastamento dos pais, refugiando-se em seu mundo, seu quarto, buscando em outras figuras (amigos, professores, ídolos de rock, etc.) elementos que lhe tragam um ponto de apoio. Este é, segundo o autor, o luto pela perda dos pais internalizados. A noção de tempo também sofre alterações nessa etapa evolutiva. O ritmo acelerado das mudanças corpóreas traz ao adolescente uma sensação de caos que desemboca numa crise de temporalidade e como conseqüência ele espacializa o tempo para poder manejá-lo e vai, aos poucos construindo a noção de tempo, discriminando entre passado, presente e futuro, tendo agora novas referências para essa compreensão. (ABERASTURY,1986). O desenvolvimento da afetividade e da sexualidade na adolescência é marcado pela aprendizagem, e constitui-se também numa forma de exploração na

20 19 qual é possível o jovem desenvolver-se em termos dos vínculos afetivos partindo em busca de um parceiro, de maneira tímida e intensa, e é freqüentemente, repleta de idealizações. O amor apaixonado é também um fenômeno que adquire características singulares na adolescência e que apresenta todo o aspecto dos vínculos intensos, porém frágeis, da relação interpessoal adolescente. O primeiro episódio de amor ocorre na adolescência e costuma ser de grande intensidade. (ABERASTURY & KNOBEL, 1981, p. 45). Nesse sentido, os autores descrevem evolutivamente a fase que vai do autoerotismo ao estabelecimento da heterossexualidade, marcada pelas atividades lúdicas entre os jovens (tocar, beijar, dançar), que não necessariamente envolvem o contato sexual em si. Por outro lado, Erikson descreve o desenvolvimento humano de acordo com uma sucessão de crises. O autor utiliza a palavra crise com o sentido de desenvolvimento, referindo-se a passos decisivos a serem dados na direção do amadurecimento. Refere-se à adolescência como crise de identidade, na qual o jovem vai construindo um modo de vida entre a infância e a vida adulta [...] estabelecendo uma subcultura adolescente (ERIKSON, 1987, p. 128). Para que o jovem possa ir além dos conflitos imputados nessa fase e desenvolver um sentido de identidade, faz-se necessária também uma moratória social, ou seja, um tempo de espera cuidadosa por parte do meio que o cerca. (ERIKSON,1987). Várias são as ansiedades características dessa etapa, principalmente no que diz respeito à busca das representações do próprio corpo. As modificações decorrentes da puberdade, marcadas pelo aparecimento dos caracteres sexuais secundários, tornam-se um imperativo nesse momento e exigem do adolescente novos modos de se apresentar ao mundo.

21 20 A adolescência, em si é um período no qual o jovem vai naturalmente em busca de signos, ou seja, objetos, estilos, formulações, que lhe permitam expressar de maneira concreta, as transformações vividas internamente. Trata-se de um momento difícil para ele, mas também para os pais, que se deparam com o reviver de seus próprios conflitos dessa fase. É, pois, um momento de renúncia, no qual, como foi descrito anteriormente o adolescente abandona não só o corpo infantil, mas a identidade infantil. Muitas vezes, surgem dificuldades dos pais para compreenderem as particularidades dessa fase. A esse respeito, Aberastury (1986, p. 17) afirma: São as dificuldades do adulto para aceitar a maturação intelectual e sexual da criança o que leva a qualificar a adolescência de idade difícil, esquecendo de apontar que é difícil para ambos, filhos e pais. É demasiado chamativo, ainda, que só se tenham assinalado até agora os aspectos ingratos do crescimento, deixando de lado a felicidade e a criatividade plenas que caracterizam também o adolescente. Nossos adolescentes têm se deparado com a massificação e o consumismo que subentendem o sucesso imediato. Tais fatores podem, aliados a uma estrutura familiar pouco compreensiva, favorecer sentimentos de desesperança e desânimo frente à sua vida. Osório (1989, p. 73) comenta a esse respeito que toda força idealista característica da adolescência muito precocemente vê-se confrontada com os desígnios da cega e obstinada busca de poder pessoal que caracteriza o tempo em que vivemos. Assim, o jovem enfrenta uma série de mudanças em seu ser, estando inserido num ambiente em contínuas modificações, e vê-se impelido a modificar sua forma de relacionar-se frente a esse mundo, procurando estabelecer novas formas de convivência que traduzem em si a multiplicidade de escolhas e jeitos de estar no mundo, peculiar a essa fase.

22 DEPRESSÃO NA ADOLESCÊNCIA É relativamente difícil falar de patologias durante esse período, visto que as flutuações de humor são constantes, oscilando entre a alegria por vezes eufórica, alternando momentos de depressão e isolamento. Por essa razão, há que se ter um pouco de cautela no que se refere ao diagnóstico de depressão na adolescência. Assim, se em termos qualitativos o que se nos apresenta nessa fase evolutiva é um conjunto de características, em termos de diagnóstico será a quantidade, ou seja, a intensidade e o nível de gravidade que esses aspectos assumem na vida do adolescente que irão demarcar um processo não-saudável. Cabe salientar aqui, que nesta pesquisa os aspectos de saúde e doença são analisados sob o enfoque fenomenológico existencial, indo-se em busca de um significado que seja construído a partir da vivência subjetiva do adolescente. Evitando posturas interpretativas, tem-se o cuidado de não sobrepor ao adolescente um diagnóstico pronto, ou melhor, uma explicação sobre ele que não venha dele. Por outro lado, torna-se necessário assumir alguns critérios para examinar o que se passa com o jovem quando há algum sinal de perigo. Nesse sentido, Osório (1989, p. 53) comenta que Muitas perturbações do adolescente são apenas reações adaptativas normais para as circunstâncias e o momento considerado de sua evolução ontogenética. Porém, o autor afirma que há certos aspectos a serem cuidadosamente observados na psicopatologia do adolescente. Refere-se à intensidade, duração, significado regressivo e polimorfismo dos sintomas, como variáveis importantes que podem estar comunicando sinais de um processo de adoecer.

23 22 Por exemplo, um adolescente que apresenta um comportamento melancólico, triste e por vezes permanece recluso, mas em contrapartida há momentos em que mantém suas atividades corriqueiras e estabelece relações afetivas significativas, pertencendo a algum grupo social; parece que neste caso o jovem situa-se na direção do desenvolvimento e da saúde. Diferentemente desse caso, pode-se examinar a situação de um adolescente cuja motivação principal é estar isolado e livre de quaisquer imposições do meio que o cerca, apresentando-se triste e sem energia, com idéias autodestrutivas e um desinteresse geral pela vida, que vão lhe trazendo conseqüências em termos adaptativos (baixo rendimento escolar, perda de emprego, afastamento social). No último caso, parece que há uma alteração mais significativa de comportamento que exigirá mais atenção por parte dos familiares e do terapeuta. Um exame detalhado acerca do contexto no qual o adolescente vive e suas defesas perante os conflitos dessa fase parece ser necessário para que se possam delimitar processos depressivos na adolescência, já que se pode vir a confundir facilmente as peculiaridades descritas com uma sintomatologia mais estruturada e abrangente. Depressão não é somente um sentimento de tristeza. Esse nome é dado a certos estados de sofrimento psíquico que podem vir a desencadear transtornos no comportamento, na afetividade e nos relacionamentos sociais e familiares. Resmini (1997, p. 01) refere que: O jovem deprimido confia pouco em si mesmo, tem auto-estima baixa, experimenta alterações no apetite e no sono, se auto-acusa e tem lentidão dos pensamentos. Vê a si mesmo como sem valor e, por isso, atribui suas experiências desprazeirosas a alguma falha pessoal. Tem uma visão negativa do futuro e sente que suas dores e frustrações não serão aliviadas. Estes sentimentos levam ao prejuízo na saúde, dos estudos e dos relacionamentos interpessoais.

24 23 Portanto, faz-se necessário avaliar se há um prejuízo geral na sua condição existencial, bem como nas atitudes concretas perante os fatos de sua vida. A adolescência é uma fase da vida por si só repleta de mudanças e de stress, razão pela qual um processo depressivo torna-se, na maioria das vezes, mais assustador quando ocorre nessa fase. Os adolescentes têm poucas condições que lhes possam trazer uma compreensão da avalanche de sentimentos que vivenciam, e freqüentemente não encontram apoio e acolhimento no meio familiar e social. Embora as tensões da vida cotidiana do adolescente sejam importantes fatores para o aparecimento da depressão, muitos jovens passam por acontecimentos desagradáveis sem desenvolver a depressão. A tristeza, comum nos momentos de reflexão da adolescência, é uma experiência dolorosa e freqüentemente surge acompanhada de pensamentos suicidas. A esse respeito Resmini (1997, p. 01) comenta: Os adolescentes que tentam suicídio sentem-se sós e desesperados. Desespero é o sentimento de urgência de que ocorram mudanças na vida somadas à desesperança de que essas mudanças possam realmente ocorrer e à crença de que a vida é impossível se não acontecerem tais mudanças. Como foi descrito anteriormente, simbolicamente o adolescente vive um momento de luto referente às perdas relativas a essa fase e reage a essa realidade de formas variadas. Nesse processo, freqüentemente parece haver um ensimesmamento ou uma reclusão, como que numa pausa para buscar a si mesmo, produtivos num certo sentido, já que o adolescente encontra-se em fase de construção e de redefinição de seu ser. É um vir a ser que assume características inusitadas e, muitas vezes, vem a se contrapor ao modus vivendi familiar, como uma forma de garantir a diferenciação de si mesmo. Porém, esse aspecto parece estar em si, mais ligado a aspectos

25 24 saudáveis do que à patologia em si, pois o adolescente busca elementos para a construção de sua identidade e necessita negar e, até certo ponto, rejeitar os valores familiares, a fim de caminhar na construção de suas próprias verdades, ainda que pautadas em experiências fugazes.

26 SAÚDE E DOENÇA Dentro de uma postura existencial fenomenológica, o indivíduo saudável pode ser visto como alguém em constante processo de redefinição de si mesmo. Ele vai se construindo a partir de sua existência no mundo, fazendo escolhas e assumindo a responsabilidade pelos seus atos. Assim, dentro dessa perspectiva filosófica, é na experiência concreta da relação com o mundo que o homem pode definir a si mesmo. Augras (1986. p. 11), comenta que a visão de saúde está ligada a um processo que envolve atualização do organismo, e transformação mútua, e afirma [...] haverá doença na medida em que o indivíduo responder inadequadamente à determinada situação, colocando em risco a sua própria sobrevivência. Augras (1986, p. 11) destaca ainda que saúde não significa a ausência de doença, mas um jogo dialético entre ordem e desordem. Esse aspecto parece estar ligado intrinsecamente a um movimento de ir e vir, de contato, de troca fluída na relação organismo-meio (PERLS, HEFFERLINE e GOODMAN,1997). Inversamente, o processo patológico está relacionado à rigidez de estrutura, e à impossibilidade de interagir criativamente em relação ao mundo. Assim, o indivíduo vai tendendo a obedecer rigidamente a um mapa pré-estabelecido a partir das experiências vividas e a interromper a si mesmo, em termos de um fluxo livre de escolhas genuínas.

Teóricos da abordagem fenomenológica. Prof. Roberto Peres Veras

Teóricos da abordagem fenomenológica. Prof. Roberto Peres Veras Teóricos da abordagem fenomenológica Prof. Roberto Peres Veras Psicologia Fenomenológica Técnica Método Teoria Concepção de homem Concepção de mundo Filosofia Fenomenologia - Escola Filosófica Edmund Husserl

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/)

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) Arminda Aberastury foi pioneira no estudo da psicanálise de crianças e adolescentes na América Latina. A autora

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado

Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado distinto por cada pessoa. o conhecimento do mundo se obtém

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Seminário - Gestalt terapia

Seminário - Gestalt terapia Seminário - Gestalt terapia Deivid Gasparin - 1099442473 Laura Savioli - 121354 Michele Shiraishi 57378 VISÃO DE MUNDO E DE HOMEM - Visão de mundo: O conceito de mundo e pessoa funciona como uma gestalt,

Leia mais

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 Márcia Pilla do Valle 2 Todos sabemos que a prática de uma atividade física é fundamental para a saúde do indivíduo. Cada vez

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

ARTETERAPIA na EDUCAÇÃO INCLUSIVA

ARTETERAPIA na EDUCAÇÃO INCLUSIVA GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO DIVISÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Responsável: Denize da Silva Souza ARTETERAPIA na EDUCAÇÃO INCLUSIVA Cristina Dias Allessandrini

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes.

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. MARCELA GARCIA MANOCHIO PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. Projeto de Estágio extracurricular em Processos Educativos, desenvolvido para

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE CRIATIVIDADE E SAÚDE NA GESTALT TERAPIA

RELAÇÃO ENTRE CRIATIVIDADE E SAÚDE NA GESTALT TERAPIA RELAÇÃO ENTRE CRIATIVIDADE E SAÚDE NA GESTALT TERAPIA Selma Ciornai A afinidade da Gestalt terapia com as artes existe desde o seu começo Frederick Perls trabalhou em teatro, teve aulas de pintura, e muitas

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na 48 1.5. Aberastury: o nascimento de um neo-kleinianismo Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na Argentina, Arminda Aberastury fazia parte do grupo de Angel Garma, que

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica Para as crianças, a família é a segurança, proteção, apoio, compreensão e a aceitação de que tanto necessitam. Pai e mãe são, com efeito,

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEPRESSÃO INFANTIL: CARACTERISTICAS E TRATAMENTO. CHAVES, Natália Azenha e-mail: natalya_azenha@hotmail.

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEPRESSÃO INFANTIL: CARACTERISTICAS E TRATAMENTO. CHAVES, Natália Azenha e-mail: natalya_azenha@hotmail. CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEPRESSÃO INFANTIL: CARACTERISTICAS E TRATAMENTO CHAVES, Natália Azenha e-mail: natalya_azenha@hotmail.com RESUMO Este artigo teve como foco o termo depressão infantil, que é

Leia mais

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Kelly Gonçalves da Silva gsilva.kelly@gmail.com Instituto de Psicologia 12º período Clara Castilho Barcellos

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Adolescência. i dos Pais

Adolescência. i dos Pais i dos Pais Adolescência Quem sou eu? Já não sou criança, ainda não sou adulto, e definitivamente não sou apenas um filho, pareço ser outra coisa que assume um lugar social! É a questão colocada por muitos

Leia mais

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana.

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana. I - A PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO 1.1. Caracterização O desenvolvimento humano (DH) enquanto área de estudo, preocupa-se em investigar e interpretar todos os processos de mudanças pelos quais o ser humano

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL Christiano de Oliveira Pereira 1 RESUMO O caráter específico de cada indivíduo é resultante de todas as experiências

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

APRENDIZAGEM EMOCIONAL

APRENDIZAGEM EMOCIONAL APRENDIZAGEM EMOCIONAL Escrito por Mauricio Aguiar Saudações a você que vem acompanhando o trabalho do POINT DOS AMORES e com a sua participação e interesse contribui para o crescimento do POINT. Nesta

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

O BRINCAR E A CLÍNICA

O BRINCAR E A CLÍNICA O BRINCAR E A CLÍNICA Christine Nunes (psicóloga clínica, candidata da SPRJ) RESUMO: O presente trabalho, propõe a uma breve exposição do que pensa Winnicott sobre o brincar e a sessão analítica estendendo

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN Precursor SMUTS 1926 EVOLUÇÃO E HOLISMO HOLISMO - GREGO HOLOS TOTAL COMPLETO - UNIFICAÇÃO Descartes séc. XVII Divisão do indivíduo em duas entidades separadas, mas inter-relacionadas:

Leia mais

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Edna Bedani Edna Bedani Mestre em Administração, Pós Graduada em Administração, com especialização em Gestão Estratégica de RH, graduada em

Leia mais

ISBN 978-85-64468-27-6. 1. Psicologia Crianças. I. Título. CDU 159.9-053.2. Catalogação na publicação: Mônica Ballejo Canto CRB 10/1023

ISBN 978-85-64468-27-6. 1. Psicologia Crianças. I. Título. CDU 159.9-053.2. Catalogação na publicação: Mônica Ballejo Canto CRB 10/1023 Pausa no cotidiano L692 Lhullier, Raquel Barboza Pausa no cotidiano: reflexões para pais, educadores e terapeutas / Raquel Barboza Lhullier. Novo Hamburgo : Sinopsys, 2014. 88p. ISBN 978-85-64468-27-6

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES Desde 1999 NOSSA MISSÃO AÇÕES DE TREINAMENTO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES MISSÃO Inspirar nossos clientes para a expansão de ideias e formação de relacionamentos saudáveis e duradouros no ambiente

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943)

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943) GESTALT CONTEXTUALIZAÇÃO Surge na Alemanha por entre 1910-1920 MAX WERTHEIMER (1880 1943) KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) Eu faço as minhas coisas Você faz as suas. Não estou neste

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA Luciana da Silva Catardo Acadêmica do curso de Ciências Biológicas/Licenciatura na Universidade

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO. Reflexões sobre as dimensões teórico-metodológicas da educação profissional

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO. Reflexões sobre as dimensões teórico-metodológicas da educação profissional O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO Reflexões sobre as dimensões teórico-metodológicas da educação profissional O louco No pátio de um manicômio encontrei um jovem com rosto pálido, bonito e transtornado.

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

Janaina: muitas flores, uma estória. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Fernanda de Sousa Vieira 2. Profa. Dra. Maria Lucimar Fortes Paiva 3

Janaina: muitas flores, uma estória. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Fernanda de Sousa Vieira 2. Profa. Dra. Maria Lucimar Fortes Paiva 3 Janaina: muitas flores, uma estória Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1 Fernanda de Sousa Vieira 2 Profa. Dra. Maria Lucimar Fortes Paiva 3 Resumo O presente trabalho traz contribuições acerca do atendimento

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos.

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos. Psicoterapia comportamental infantil Eliane Belloni 1 A psicoterapia comportamental infantil é uma modalidade de atendimento clínico que visa propiciar mudanças no comportamento da criança a partir de

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial das demais? Ari Rehfeld Publicado no livro Gestalt-terapia : e apresentado no Congresso Latino de Gestalt Maceió, 20 a 24 out 2004 Abertura Começo

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado A pesquisa e o tema da subjetividade em educação Fernando Luis González Rey 1 A subjetividade representa um macroconceito orientado à compreensão da psique

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

Projeto: Música na Escola. O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado.

Projeto: Música na Escola. O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado. Projeto: Música na Escola O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado. Justificativa De acordo com as diretrizes curriculares, o som é a matériaprima da música;

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALVES, Ana Paula PUCPR SAHEB, Daniele PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

AS RELAÇÕES AMOROSAS E OS TRAÇOS DE CARÁTER

AS RELAÇÕES AMOROSAS E OS TRAÇOS DE CARÁTER 1 AS RELAÇÕES AMOROSAS E OS TRAÇOS DE CARÁTER Eloá Andreassa Resumo: As relações amorosas continuam sendo mais que um objetivo na vida das pessoas, é uma necessidade, um sonho, até uma esperança. Porém,

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES

REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES Autores: Tânia Regina Goia; José Paulo Diniz; Maria Luísa Louro de Castro Valente Instituição: Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências e

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

INSTITUTO DOS ADVOGADOS BRASILEIROS III Curso do IAB Formação de Agentes Multiplicadores em Prevenção às Drogas

INSTITUTO DOS ADVOGADOS BRASILEIROS III Curso do IAB Formação de Agentes Multiplicadores em Prevenção às Drogas INSTITUTO DOS ADVOGADOS BRASILEIROS III Curso do IAB Formação de Agentes Multiplicadores em Prevenção às Drogas Módulo IV O AFETO NA PRÁTICA TERAPÊUTICA E NA FORMAÇÃO DO MULTIPLICADOR Regina Lucia Brandão

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE Cuidando de quem cuida Instituto de Capacitação e Intervenção Psicossocial pelos Direitos da Criança e Adolescente em Situação de Risco O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011. Educação Infantil III

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011. Educação Infantil III Colégio Cor Jesu Brasília DF Plano de Curso 2011 Educação Infantil III Área de conhecimento: Linguagem Série: Infantil III Educação Infantil Competências Habilidades a serem desenvolvidas Eixo/Conteúdos

Leia mais

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE FLORESTA ISEF PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO FLORESTA PE 2013 SUMÁRIO I. JUSTIFICATIVA II. OBJETIVO A. GERAIS B. ESPECIFICOS III. DESENVOLVIMENTO IV. CRONOGRAMA

Leia mais

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA Donald Woods Winnicott, pediatra e psicanalista, foi uma das figuras de grande expressão no cenário psicanalítico. Ele nos trouxe contribuições valiosas e

Leia mais

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL?

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? 1 de 7 ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? Jéssica Alves de Oliveira Maria José dos Santos Chagas Tatiane de Fátima Silva Seixas RESUMO: De uma maneira geral, existe, por parte

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Prevenção ao uso de drogas na escola: o que você pode fazer?

Prevenção ao uso de drogas na escola: o que você pode fazer? Prevenção ao uso de drogas na escola: o que você pode fazer? O educador pode contribuir para prevenir o abuso de drogas entre adolescentes de duas formas básicas: incentivando a reflexão e a adoção de

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens A obra salesiana teve início em Turim, na Itália, onde Dom Bosco colocou em prática seus ideais de educação associados ao desenvolvimento

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais