DOENÇA DA CONTEMPORANEIDADE: DEPRESSÃO INFANTIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOENÇA DA CONTEMPORANEIDADE: DEPRESSÃO INFANTIL"

Transcrição

1 DOENÇA DA CONTEMPORANEIDADE: DEPRESSÃO INFANTIL BORBA, Lucimar Alves de 1 RESUMO: Durante um peröodo a depressño infantil era uma doenéa sem muita importância, era algo negativo, tanto para a sociedade familiar e tambäm para a sociedade educacional para o desenvolvimento do ensino aprendizagem dentro do ambiente escolar, pois o professor tinha uma visño de que a crianéa nño apresentava interesse. Diante desta postura, o professor era visto pelo aluno como uma autoridade dentro da sociedade e a mesma atitude desenvolvida na sala de aula durante o ensino \aprendizagem, era a que usava diante do professor no seu meio social. Com isso nño existia nenhum diãlogo entre o professor e o aluno, assim a aprendizagem ocorria de forma automãtica e dolorosa, pois o aluno era visto como um ser sem autonomia para construir ou desenvolver atividades sociais ou educacionais. Na atualidade a relaéño professor \aluno ä vista de forma positiva para o ensino e aprendizagem, pois nño ä somente o aluno que, adquire conhecimento, mas tambäm o professor, pois o mesmo consegue ter uma formaéño continuada diante de sua profissño educacional. Diante dessa atual postura do professor o aluno tem uma liberdade de estar dialogando durante o desenvolvimento do processo de ensino \aprendizagem. Diante dessas mudanéas o professor hoje ä visto tambäm como um amigo, por isso, existe amizade, carinho, afetividade, respeito e uma melhor relaéño tanto educacional, quanto social. Poräm, distante de vãrias reflexåes de muitos teçricos que afirma que a relaéño professor\aluno contribui no processo de ensino \aprendizagem, ainda presenciamos muitos professores enfado em uma concepéño tradicional de educaéño. PALAVRAS-CHAVE: DepressÑo infantil, problemas no comportamento familiar INTRODUÇÃO Diante de vãrios desafios no ato de educar, surgiu entño, o interesse em realizar um estudo que pretende abordar o tema depressño infantil que nos dias atuais tornou-se uma realidade no cotidiano das crianéas, ocasionando uma dificuldade para executar vãrias tarefas diãrias, principalmente no ambiente educacional, desvalorizando suas habilidades educacionais, onde a crianéa se torna vötima direta ou indiretamente de vãrios tipos de problemas trazendo entño muitos transtornos entre educadores e educandos. Seja porque, perdeu entes queridos, ou a mesma, foi vötima por meio de abusos psicolçgicos, fösicos, numa grande maioria provocada por seus familiares mais prçximos. 1 GraduaÉÑo em pedagogia, pela Faculdade de CiÜncias Sociais Aplicadas do Vale do SÑo LourenÉo Eduvale, conclusño em Pçs GraduaÉÑo em Psicopedagoga ClÖnica Institucional. Professora da rede Estadual de Jaciara-MT. EndereÉo 1

2 Muitas sño as crianéas que se sentem indesejadas por nño terem sido planejadas por seus pais; e, ainda, hã o problema da ausüncia dos pais em razño de seus trabalhos que os mantäm muito tempo longe de suas casas e de seus filhos, os quais acabam sendo criados em creches, ou por avçs ou babãs, resultando em famölias totalmente desestruturadas, tendo seus filhos como principais vötimas de toda essa falta de estrutura: pais alcoçlatras, ausentes, desempregados. Nos dias atuais, as crianéas estño sofrendo muito com esse problema que na maioria das vezes a causa vem da prçpria famölia, problemas esse que faz com que as crianéas apresentem vãrios tipos de dificuldades de aprendizagem escolar e vivüncia social. DESENVOLVIMENTO Atä a däcada de 40 nño se admitia o fato de crianéas tornarem-se depressivas. Elas eram vistas como adultos em miniatura que nño passavam por problemas nem conflitos. O conhecimento da existüncia do estado depressivo em crianéas sç foi possövel ser descoberto atraväs de muitas anãlises psicanalötica que levou um tempo considerãvel de muitos estudos, isso trouxe vãrias possibilidades da existüncia de alteraéåes de comportamento no primeiro ano de vida, e outros que denominam a depressño analötica, depressño essa que ä causada nos primeiros dias de vida, ocorrendo em bebüs entre 6 e 12 meses deve-se a uma separaéño prolongada da mñe. Com o passar dos tempos, esta concepéño evoluiu e a crianéa passou a ser vista como um ser em desenvolvimento que apresenta conflitos internos e externos, bem como necessidades e anseios, tanto quanto um adulto. DepressÑo ä uma condiéño mädica comum, crénica e recorrente. Estã freqëentemente associada í incapacidade funcional e comprometimento da saáde fösica. Os pacientes depressivos apresentam limitaéño da sua atividade e bemestar aläm de uma maior utilizaéño de serviéos nos mais variados quadros clönicos, entre os quais: transtorno de estresse pçs-traumãtico, demüncia, esquizofrenia, alcoolismo, doenéas clönicas, etc. Entre as evidencias comportamentais observa-se retraimento social, crises de choro, comportamento suicida e outros. 2

3 O diagnçstico se dã pela presenéa de determinados sintomas que se manifestam numa certa intensidade, freqëüncia e duraéño. As crianéas sño as que mais sofrem, pois nño possuem vocabulãrio suficiente para expressar seus sentimentos. Em geral, fazem isso melhor atraväs de atitudes. E quem tem paciüncia hoje em dia para prestar atenéño em atitudes que perturbam? Quem nunca criou um rçtulo instantâneo e descartãvel para um filho ou sobrinho de comportamento irritante? Infelizmente, em alguns casos, a crise de pirraéa ou aquela agitaéño toda eram manifestaéåes de um quadro depressivo e que sño demonstrados atraväs de algumas atitudes: MudanÉas de humor significativas; DiminuiÉÑo da atividade e do interesse; Queda no rendimento escolar, perda da atenéño; Distárbios do sono; Aparecimento de condutas agressivas; Auto-depreciaÉÑo; Perda de energia fösica e mental; Queixas somãticas; Fobia escolar; Perda ou aumento de peso; CansaÉo matinal; Aumento da sensibilidade (irritaéño ou choro fãcil); Negativismo e Pessimismo; Sentimento de rejeiéño; Idäias mçrbidas sobre a vida; Enurese e encoprese (urina ou defeca na cama); Condutas anti-sociais e destrutivas; Ansiedade e hipocondria. Estima-se que a DepressÑo Infantil afete uma em cada 20 crianéas abaixo dos 10 anos de idade. O problema maior (e o grande risco) estã no fato de muitas de suas manifestaéåes serem absolutamente diferentes daquelas observadas em pessoas adultas. Pois ã casos de crianéas serem rotuladas como diföceis e maleducadas, quando, na verdade, estavam sofrendo de crises depressivas severas. E ninguäm parecia estar entendendo coisa alguma. 3

4 Segundo FILHO (2009, p. 13), muitas vezes em paciente deprimido houve afirmaéåes do tipo vocü nño tem nada ou o que vocü tem ä frescura, preguiéa, ditas atä por mädicos, que apçs ouvirem as queixas do paciente solicitam exames complementares doenéa ainda muito incompreendida. Quem jã enfrentou uma crise de depressño sabe que este ä um desafio respeitãvel, ä o mesmo que bater de frente com algo maciéo, cheio de tristezas e frustraéåes. Agora feche os olhos por um instante e tente passar por alguäm, ou seja, por alguns segundos imagine vãrias frustraéåes dentro de vocü mesmo e veja se ä possövel viver feliz assim com essa doenéa. ì exatamente este tipo de ameaéa que a DepressÑo Infantil representa uma doenéa. EntÑo, surge o trabalho do educador juntamente com o da famölia de observar as atitudes comportamentais e educacionais, buscando sempre cuidar, amar e educar as crianéas que vivem em seu meio e perceber o que realmente acontece na sua vida interna, e assim podendo evitar estes tipos de transtornos emocionais e atä mesmo espirituais. Nenhum processo depressivo grave inicia de uma hora para outra na sua inteireza. As coisas vño se construindo. Normalmente, devido a invigilância da pessoa que nño atende ãs suas necessidades auto-educativas desde o inöcio, de rebeldia em rebeldia, a depressño vai se instalando, atä se tornar grave.(cerqueira FILHO,2009 p.95) As CaracterÖsticas citadas no parãgrafo acima sño vistas muitas das vezes como se a crianéa fosse rebelde, e por isso, Professores e pais revelam dificuldades para identificar, de maneira precoce, quando uma crianéa apresenta sintomas de um processo de depressño infantil. Pois a mesma apresenta pouco rendimento escolar no processo de aprendizagem. Estes conflitos, necessidades e anseios, serem mal resolvidos, podem causar alguma seqëela negativa na formaéño da crianéa, como tambäm podem desencadear outros processos que levem í depressño infantil impedindo entño, a aprendizagem, tanto social e educacional da mesma. A obtenéño dos dados nño pode ser regida por regras prä fixadas: cada sujeito em exame representa um caminho prçprio, que deve ser descoberto e respeitado pelo terapeuta. Diferentes instrumentos fornecem elementos para pesquisa de passado, do presente e das expectativas do futuro. Por outro lado,ä indispensãvel que se utilize cada instrumento de pesquisa captando, ao mãximo- e de forma articulada -elementos na ãrea cognitiva, afetiva- social e pedagçgica.( WEISS, 2008, p. 32) 4

5 ì necessãrio conhecer e estar sempre atento ís pessoas ou atividades a que a crianéa se prende mais. Estas crianéas tüm necessidades de se sentirem envolvidas a qualquer coisa. Quanto mais tempo se mantiverem envolvidas com alguäm ou alguma coisa, mais motivadas estarño e, nño serã tño fãcil pensamentos caracterösticos ao quadro depressivo. Uma das caracterösticas mais determinantes da crianéa depressiva ä a baixa-estima. Sendo assim, ä de suma importância demonstrar confianéa em suas capacidades. Pois cada vez mais a crianéa poderã acreditar que pode fazer algo importante para si, aumentando entño, suas possibilidades de confianéa e alto estima, em sala de aula, pois o professor deve apresentar atividades de estimulo, aprovar, encorajar, alimentar, fazer com que a crianéa se sinta necessãria, presente e ativa. î aquele que elabora e aplica a sua foréa com inteligüncia, pois sabe se orientar no processo de mudanéa [ ] î alguäm que sabe onde estã e aonde quer chegar. Alia a boa intenéño do educador e o desejo de mudar, ãs dificuldades do caminho, com a direéño adequada. Com isso vai transformando todos os obstãculos do caminho, realizando cada aéño de forma gradativa e suave, (CERQUEIRA FILHO, 2009, p. 84) Atraväs desses fatos, percebe-se entño que a depressño ä uma doenéa, que consiste em vãrios distárbios emocionais, sendo possövel que esses distárbios esteja presentes antes mesmo da idade escolar. Desse modo, as palavras de CASS (1999, p.83) descrevem de maneira clara como ocorre o sintoma da depressño. [...] os sintomas da depressño variam de cada faixa etãria e tambäm de indivöduo para indivöduo. A tristeza talvez nem sempre seja o sentimento dominante. A depressño tambäm pode ser vivenciada como um sentimento de torpor ou de vazio, ou talvez sem nenhum sentimento, positivo ou negativo. ì importante ressaltar ainda, que nos dias atuais, ou seja, nesse novo mundo onde tudo ä problema diante do olhar moderno e depressivo, a depressño infantil tornou-se algo real no cotidiano das crianéas, ocasionando dificuldades para executar muitas atividades diãrias, no qual a mesma usa muitas palavras que demonstra inseguranéa pessoal nño sei, nño posso, nño quero, nño vou conseguir. 5

6 Reconhecer os sintomas depressivos nas crianéas tem sido uma tarefa diföcil para os pais e professores, dada a sua similaridade com outras dificuldades como, hiperatividade, distárbio de conduta, agressividade e indisciplina. A pesquisa mostra que a dificuldade em identificar os sintomas depressivos retarda e impede um tratamento, agravando o problema. [...] para contribuir na construéño do diagnçstico da crianéa, ä necessãrio que as pessoas que convivem com as mesmas (pais e professores) verifique seus comportamentos, pois sño importantes fontes informaéåes, como as relacionadas ao tempo da depressño como: inicio do quadro, quanto tempo passou, como os sintomas se apresentam na mädia semanal e quantos sintomas se passam no curso do dia. Um problema da interaéño dos pais na construéño do diagnçstico ä que esses podem negar informaéåes importantes ou ainda relatar informaéåes nño verdadeiras do caso. (PEREIRA e AMARAL 2007, p.193), Nos dias atuais, existem vãrias maneiras e estudos para os profissionais da educaéño estar buscando novos mätodos educacionais, pois sabemos que a maior responsabilidade de estarmos identificando esses transtornos emocionais ä dos educadores que acabam carregando nño sç os problemas educacionais, mas tambäm os sociais, assim poderño ajudar muitas crianéas e atä mesmas muitas famölias a vencer esta doenéa. A situaéño de observaéño deve ser considerada um verdadeiro processo dinâmico de aprendizagem e de interaéño, fornecendo ao observado o mãximo de motivaéño e suporte e adequando a situaéño ís suas necessidades especöficas, evitando situaéåes de insucesso ou de frustraéåes, o que poderia prejudicar ainda mais o seu estado depressivo. Diante desse objetivo, facilitarã para o educador uma transformaéño de comportamento entre a crianéa e o profissional, assim com a mudanéa de atitudes acontecerã uma melhor relaéño social entre ambos, onde o educador vai auxiliar-la no retorno a sua vida normal. Tambäm auxiliarño nas constantes interaéåes entre o observador e o observado, no caso professor. Atualmente, o objetivo da escola ä promover a aprendizagem de "todos" os seus alunos para que atuem como cidadños. O sujeito que nño aprende, nño realiza as funéåes sociais da educaéño. Quando o mesmo apresenta dificuldades de aprender, de absorver o conhecimento ou mesmo a falta de interesse de ir ao encontro do conhecimento, hã necessidade de apurar a ligaéño com a realidade, de 6

7 ver aspectos emocionais e sociais, de entender a valorizaéño do conhecimento na famölia. Diante disso, muitos educadores questionam-se quanto ao que fazer. Considerando os alunos como seres diferentes em vãrios aspectos, e aqui em especial, questño aprendizagem, ä necessãrio que haja um olhar voltado ao prçprio processo de ensino aprendizagem. Considera-se dificuldades de aprendizagem, uma resposta insuficiente do aluno a uma exigüncia ou demanda da escola. CrianÉas que freqëentam escolas com ambientes favorecidos apresentam condiéåes mais adequadas ao aprendizado. Sintetizando, aprendizagem ä um processo de construéño que se dã na interaéño permanente do aluno com o meio que o cerca, expresso inicialmente pela famölia, depois pelo acräscimo da escola, ambos permeados pela sociedade em que estño inseridos. Considerando-se as diversas causas que podem interferir no processo ensino aprendizagem, investigar o ambiente no qual a crianéa vive e a metodologia abordada nas escolas ä importante antes de traéar o enfoque terapüutico, uma vez que a crianéa pode nño apresentar o distárbio de aprendizagem, mas apenas nño se adaptar ou nño conseguir aprender como determina a metodologia utilizada pelo professor, como tambäm a carüncia de estömulos dentro de casa. Por outro lado, muitas crianéas podem nño apresentar nenhum fator externo a ela e mesmo assim nño conseguir desenvolver plenamente suas habilidades pedagçgicas. î o caso das crianéas com distárbios de aprendizagem, cujas limitaéåes intrönsecas se manifestam atraväs de däficits lingëösticos, alteraéño no processamento auditivo e outros vãrios fatores que podem prejudicar significamente o aprendizado da leitura e da escrita, aprendizagem estimulantes que facilitem esta construéño cognitiva. Assim esses comportamentos vño sendo usados como uma desvalorizaéño do eu podendo entño, exprimir-se habitualmente e se esconder das tristezas e incertezas da vida, Simåes (1999) considera que a depressño consiste em um problema de expressño internalizaste, jã que grande parte dos sintomas apresentados por alguäm deprimido sño sintomas internos, como tristezas, baixo auto- estima, faltam de valor e depressño, sendo, muitas vezes, de diföcil observaéño por outras pessoas. 7

8 Pelas caracterösticas da manifestaéño da depressño seu principal impacto ocorre na prçpria crianéa e nño nas pessoas que convivem com ela, o que por sua vez, dificulta o seu reconhecimento e o tratamento da problemãtica. Atraväs desses fatos percebe-se entño que a depressño ä uma doenéa apresentada por uma atribuiéño multifatorial para as causas dos problemas psiquiãtricos, chamado de aspecto bio-psico-social, ä bastante ilustrado na questño da crianéa que comeéa na escola. Ela traz consigo, invariavelmente, as caracterösticas de seu aspecto biolçgico, psicolçgico e social. Sob esses aspectos estudaremos as Dificuldades Escolares, considerando as alteraéåes e os distárbios em qualquer um destes aspectos. Em todas as situaéåes, sejam quais forem os conflitos, as patologias, As dificuldades, haverã sempre o Ser humano, e dentro dele, a EssÜncia Divina. Nçs trazemos em nossa consciüncia o dever de alcanéar essa EssÜncia, identificarmo-nos com ela (CERQUEIRA FILHO, 2009,p.85) Vivemos hoje em uma nova sociedade sem direéño espiritual e social, onde tudo ä possövel estar sempre buscando algo diferente, sem saber se vai ser, bom ou ruim e por isso, esquecemos ou deixamos de buscar algo maior, que seria o meu prçprio eu e tentar descobrir quem sou, onde estou e para estou indo, e assim viver em uma vida interna e externa mas tranqëila e feliz. METODOLOGIA Este estudo tem como objetivo pesquisar e refletir sobre as causas real da doenéa depressño infantil que atinge a maioria das crianéas dessa nova era social e educacional, ou seja, dentro das escolas e nas famölias. Para melhor entender o assunto foi necessãrio fazermos um embasamento teçrico em vãrios autores, que nos deu subsödio para realizar nossa pesquisa. Para efetivaéño dessa pesquisa, fizemos um trabalho bibliogrãfico onde fizemos estudos Via online, tambäm na biblioteca municipal da cidade de Jaciara, e nas Escolas Estaduais Artur Ramos e Milton da Costa Ferreira. A pesquisa bibliogrãfica [ ] Trata-se de levantamento de toda a bibliogrãfica Jã publicada, em forma de livros, revistas, publicaéåes avulsas e empresas escritas. Sua finalidade ä colocar o pesquisador em contato direto com tudo aquilo que foi escrito sobre determinado assunto com objeto de permitir ao cientista o esforéo paralelo a anãlise de suas pesquisas ou 8

9 manipulaéño de suas informaéåes [ ] (MARCONI, LAKATOS, 2006, p.43-44). Com o desenvolvimento do estudo bibliogrãfico, foi possövel termos um conhecimento com, mas clareza sobre o assunto interessado para o desenvolvimento desse trabalho. CONSIDERAÇÕES FINAIS Os transtornos depressivos sño altamente prevalentes, tendem a afetar adultos jovens e apresentam um curso episçdico ou crénico. SÑo geralmente mais comuns em mulheres e em pessoas com menores rendas e növeis de escolaridade, e estño associados a uma alta utilizaéño de serviéos de saáde. Os achados de estudos populacionais sugerem que maior atenéño deve ser dada a transtornos de severidade e duraéño menor, jã que essas condiéåes tambäm se associam í incapacidade e prejuözo social, aläm de constituörem-se em condiéåes de risco para o desenvolvimento de transtornos depressivos mais severos. Aläm do mais, sua freqëüncia na populaéño ä maior. O impacto social da depressño inclui tanto a incapacidade individual como o fardo familiar associado í doenéa. Sintomas depressivos e depressño maior sño problemas comuns e importantes em termos de saáde páblica. Os custos da assistüncia mädica, tempo de trabalho perdido, e a diminuiéño da qualidade de vida associam-se de forma clara e consistente com transtornos depressivos. Apesar de serem transtornos crénicos, os transtornos depressivos sño condiéåes tratãveis, e as opéåes terapüuticas tüm crescido enormemente nos áltimos 25 anos. Aläm disso, mesmo os sintomas menos severos de depressño sño relevantes, na medida em que sua presenéa ä associada ao desenvolvimento de outros transtornos psiquiãtricos mais severos. A alta taxa de utilizaéño de serviéos de saáde pelas pessoas sofrendo de depressño sugere que uma atenéño especial deve ser dispensada no planejamento da polötica de saáde para essas condiéåes. Pesquisas abordando a questño da depressño como um processo contönuo, baseadas na populaéño geral, podem esclarecer mais a respeito dos mecanismos etiolçgicos e protetores da depressño, e, conseqëentemente, orientar aéåes em saáde a fim de prevenir a morbidade e o sofrimento individual e familiar associado í depressño. 9

10 REFERÊNCIAS CASS, H. Erva de São João: o antidepressivo natural. TraduÉÑo: Renata Cordeiro. SÑo Paulo: Madras, FONSECA, V. da. Introdução às dificuldades de aprendizagem. Porto Alegre: Artes Mädicas, CERQUEIRA FILHO, G. A questão social no Brasil: crötica do discurso polötico. Rio de Janeiro: CivilizaÉÑo Brasileira, 2009 PEREIRA, D. A. P.; AMARAL, V. L. A. R. do. Validade e Precisão da Escala de Avaliação de Depressão para Crianças. AvaliaÉÑo Psicolçgica, Porto Alegre, MARIA LñCIA LEMME WEISS Psicopedagogia Clínica uma visño diagnçstica dos problemas de aprendizagem escolar -13. Ed. RIO DE JANEIRO: Lamparina, 2008 MARCONI, Marina de Andrade & LAKATOS,. Metodologia do trabalho científico: procedimentos bãsicos, pesquisa bibliogrãfica, projeto e relatçrios,publicaéåes e trabalho DOENÇA DA CONTEMPORANEIDADE: DEPRESSÃO INFANTIL s cientöficos. 6ó ed.. SÑo Paulo: Atlas,

A INCLUSÃO DE PORTADORES COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA NO ENSINO REGULAR

A INCLUSÃO DE PORTADORES COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA NO ENSINO REGULAR A INCLUSÃO DE PORTADORES COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA NO ENSINO REGULAR BORBA, Lucimar Alves de 1 GOMES, Verânica Pereira 2 RESUMO: O estudo teve como objetivo promover uma sensibilizaéño dos profissionais

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS PARA A APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS PARA A APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS PARA A APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA CORDEIRO, Maria Josâ 1 SILVA, Valdinâia Nogueira da 2 RESUMO: O presente trabalho trata-se de uma revisño bibliogräfica sobre a importãncia dos

Leia mais

RESGATE DE VALORES NA ESCOLA: IDENTIDADE, DISCIPLINA E AFETIVIDADE

RESGATE DE VALORES NA ESCOLA: IDENTIDADE, DISCIPLINA E AFETIVIDADE RESGATE DE VALORES NA ESCOLA: IDENTIDADE, DISCIPLINA E AFETIVIDADE LOPES, Fâbio Luis Heintze 1 PEREIRA, Gizeli Paulino 2 ARAUJO, Sämia Cristina Luquiari 3 KAPPEL, Neide Izabel Joahann 4 RESUMO: Este artigo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA E A RECICLAGEM DO LIXO ORGÂNICO

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA E A RECICLAGEM DO LIXO ORGÂNICO A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA E A RECICLAGEM DO LIXO ORGÂNICO OLIVEIRA, Malvina da Silva 1 OLIVEIRA, Braz da Silva 2 VILELA, Maria Cristiana da Silva 3 CASTRO, Tânia Aparecida Almeida 4

Leia mais

AS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR

AS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR AS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR SANDIM, Eva Braga 1 VILELA, Maria Cristiana da Silva 2 OLIVEIRA, Braz da Silva 3 RESUMO: Tendo em vista os desafios que o professor precisa enfrentar

Leia mais

BRINCAR É PRECISO. MARRAFON, Dâbora Luciana 1 SILVA, PatrÖcia Arruda da 2 INTRODUÇÃO

BRINCAR É PRECISO. MARRAFON, Dâbora Luciana 1 SILVA, PatrÖcia Arruda da 2 INTRODUÇÃO BRINCAR É PRECISO MARRAFON, Dâbora Luciana 1 SILVA, PatrÖcia Arruda da 2 RESUMO: Embora o brincar sempre tenha feito parte do cotidiano infantil, nem sempre foi dada a devida importäncia. Mesmo sabendo

Leia mais

A IMPORTÄNCIA DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÅÇO NA ADMINISTRAÅÇO PÉBLICA ESTUDO DE CASO NO MUNICÖPIO DE JACIARA-MT

A IMPORTÄNCIA DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÅÇO NA ADMINISTRAÅÇO PÉBLICA ESTUDO DE CASO NO MUNICÖPIO DE JACIARA-MT A IMPORTÄNCIA DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÅÇO NA ADMINISTRAÅÇO PÉBLICA ESTUDO DE CASO NO MUNICÖPIO DE JACIARA-MT JESUS, Esdras Warley Nunes de 1 SANTOS,, Herlones Wuilles dos 2 GAVILAN, Jálio Câsar

Leia mais

PROPAGANDA E MARKETING NO ATELIÊ CASA DO ARTISTA

PROPAGANDA E MARKETING NO ATELIÊ CASA DO ARTISTA PROPAGANDA E MARKETING NO ATELIÊ CASA DO ARTISTA OLIVEIRA, Camila Gutierrez Campos de Oliveira 1 OLIVEIRA, Braz da Silva 2 JESUS, Esdras Warley Nunes de 3 RESUMO: Para construéño desta monografia foi utilizada

Leia mais

ANÁLISE DAS CAUSAS DE EXTINÇÃO DE CONTRATOS DE TRABALHO POR PRAZO INDETERMINADO

ANÁLISE DAS CAUSAS DE EXTINÇÃO DE CONTRATOS DE TRABALHO POR PRAZO INDETERMINADO ANÁLISE DAS CAUSAS DE EXTINÇÃO DE CONTRATOS DE TRABALHO POR PRAZO INDETERMINADO OLIVEIRA, Luciana Aparecida Augusta 1 OBERSTEINER, Maria Isabel Della Valle 2 RESUMO: Durante toda a nossa vida, dedicamo-nos

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEPRESSÃO INFANTIL: CARACTERISTICAS E TRATAMENTO. CHAVES, Natália Azenha e-mail: natalya_azenha@hotmail.

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEPRESSÃO INFANTIL: CARACTERISTICAS E TRATAMENTO. CHAVES, Natália Azenha e-mail: natalya_azenha@hotmail. CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEPRESSÃO INFANTIL: CARACTERISTICAS E TRATAMENTO CHAVES, Natália Azenha e-mail: natalya_azenha@hotmail.com RESUMO Este artigo teve como foco o termo depressão infantil, que é

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA TOMADA DE DECISÕES

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA TOMADA DE DECISÕES SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA TOMADA DE DECISÕES FERNANDES-JUNIOR, Valtoir Josâ 1 SANTOS,, Herlones Wuilles dos 2 GAVILAN, Jálio Câsar 3 AMADIO, Renato Arnaut 4 RESUMO: O trabalho apresenta alguns elementos

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Graduado em Sistemas de InformaÉÑo pela Faculdade de CiÜncias Sociais Aplicadas do Vale do SÑo LourenÉo EDUVALE.

SOFTWARE LIVRE. Graduado em Sistemas de InformaÉÑo pela Faculdade de CiÜncias Sociais Aplicadas do Vale do SÑo LourenÉo EDUVALE. SOFTWARE LIVRE MACHADO, Gilmar Damacena 1 AMADIO, Renato Arnaut 2 GAVILAN, Jálio Câsar 3 SANTOS,, Herlones Wuilles dos 4 RESUMO: Com o crescimento da quantidade de computadores existentes nos lares, empresas

Leia mais

O FLUXO DE CAIXA NO PLANEJAMENTO FINANCEIRO PARA OBTENÄÅO DE RESULTADOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE LATICÇNIOS DE DOM AQUINO MT

O FLUXO DE CAIXA NO PLANEJAMENTO FINANCEIRO PARA OBTENÄÅO DE RESULTADOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE LATICÇNIOS DE DOM AQUINO MT O FLUXO DE CAIXA NO PLANEJAMENTO FINANCEIRO PARA OBTENÄÅO DE RESULTADOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE LATICÇNIOS DE DOM AQUINO MT ANDRADE, Crislaine Barcelo 1 OLIVEIRA, Braz da Silva 2 JESUS, Esdras

Leia mais

O PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA PRINCIPAL PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA TRANSPORTADORA EM JACIARA MT

O PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA PRINCIPAL PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA TRANSPORTADORA EM JACIARA MT O PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA PRINCIPAL PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA TRANSPORTADORA EM JACIARA MT SOUSA, CÖntia Gomes 1 OLIVEIRA, Braz da Silva 2 JESUS, Esdras Warley Nunes de 3 RESUMO: A

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

O jogo como meio de desenvolvimento do processo de ensino-aprendizagem dos esportes coletivos

O jogo como meio de desenvolvimento do processo de ensino-aprendizagem dos esportes coletivos 1 O jogo como meio de desenvolvimento do processo de ensino-aprendizagem dos esportes coletivos Joyce Ribeiro CaetanoÄ Orientador: Neilon Carlos ** Resumo Este artigo mostra algumas possibilidades pedagçgicas

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS GISLAINE HOSANA ARAÚJO FERNANDES SAPIENS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS exibidaboutique@gmail.com INTRODUÇÃO A escola é um ambiente onde acontecem

Leia mais

A DECLARAÄÅO ANUAL DO IMPOSTO DE RENDA DA PESSOA FÇSICA EXERCÇCIO 2012/ANO CALENDÑRIO 2011

A DECLARAÄÅO ANUAL DO IMPOSTO DE RENDA DA PESSOA FÇSICA EXERCÇCIO 2012/ANO CALENDÑRIO 2011 A DECLARAÄÅO ANUAL DO IMPOSTO DE RENDA DA PESSOA FÇSICA EXERCÇCIO 2012/ANO CALENDÑRIO 2011 OLIVEIRA, Gisele Moreira de 1 OBERSTEINER, Maria Isabel Della Valle 2 RESUMO: O Brasil vive um momento de crescimento

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

SEGURANÇA EM REDES 802.11

SEGURANÇA EM REDES 802.11 SEGURANÇA EM REDES 802.11 RIBEIRO, Hamanda MendonÉa 1 AMADIO, Renato Arnaut 2 GAVILAN, Jálio Câsar 3 SANTOS,, Herlones Wuilles dos 4 RESUMO: As redes sem fio, em funéño de sua praticidade, estño se tornando

Leia mais

Casa de Apoio Médico e Psicológico

Casa de Apoio Médico e Psicológico ÍNDICE INTRODUÇÃO 02 I CONCEITO 03 II FASES DE PROGRESSÃO DA DEPENDÊNCIA 04 QUÍMICA III TRATAMENTO 05 IV PROCESSO DE RECUPERAÇÃO 06 V RECAÍDA 08 VI CO-DEPENDÊNCIA 11 1 A Dependência Química (DQ) é uma

Leia mais

ANÁLISE E MODELAGEM DE UM SISTEMA WEB PARA CHAMADOS DE SUPORTE

ANÁLISE E MODELAGEM DE UM SISTEMA WEB PARA CHAMADOS DE SUPORTE ANÁLISE E MODELAGEM DE UM SISTEMA WEB PARA CHAMADOS DE SUPORTE LEAL, Abdiel 1 AMADIO, Renato Arnaut 2 GAVILAN, Jálio Câsar 3 SANTOS,, Herlones Wuilles dos 4 RESUMO: Este trabalho apresenta uma anälise

Leia mais

O TRABALHO DA EQUIPE GESTORA PARA O DESENVOLVIMENTO POLÍTICO PEDAGÓGICO E ADMINISTRATIVO DA ESCOLA

O TRABALHO DA EQUIPE GESTORA PARA O DESENVOLVIMENTO POLÍTICO PEDAGÓGICO E ADMINISTRATIVO DA ESCOLA O TRABALHO DA EQUIPE GESTORA PARA O DESENVOLVIMENTO POLÍTICO PEDAGÓGICO E ADMINISTRATIVO DA ESCOLA SOUZA, Elisangela Ruiz de 1 MUNIZ, Valdinâia C. B. Q. 2 FORGIARINI, Valquiria 3 RESUMO: Inámeras reformas

Leia mais

UM OLHAR PSICOPEDAGÓGICO SOBRE DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM

UM OLHAR PSICOPEDAGÓGICO SOBRE DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO VALE DO SÃO LOURENÇO EDUVALE INSET- INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E TEOLOGIA UM OLHAR PSICOPEDAGÓGICO SOBRE DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MARTINS, Marlene Nunes

Leia mais

OS IMPACTOS DAS ESTRATÉGIAS DE ESCRITA DE UMA PROFESSORA NA PRODUÇÃO TEXTUAL DOS ALUNOS *

OS IMPACTOS DAS ESTRATÉGIAS DE ESCRITA DE UMA PROFESSORA NA PRODUÇÃO TEXTUAL DOS ALUNOS * OS IMPACTOS DAS ESTRATÉGIAS DE ESCRITA DE UMA PROFESSORA NA PRODUÇÃO TEXTUAL DOS ALUNOS * BAZARIM, Milene 1 RESUMO: Este trabalho apresenta os resultados de uma investigaéño sobre os impactos das estratâgias

Leia mais

Afetividade: Caminho pada a aprendizagem

Afetividade: Caminho pada a aprendizagem PEREIRA, Maria José de Araújo 1 GOLÇALVES, Renata 2 Afetividade: Caminho pada a aprendizagem 12 RESUMO Este artigo tem como objetivo investigar a importância da afetividade na aprendizagem, identificando

Leia mais

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail. 22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.com DEPRESSÃO 1. Afeta pelo menos 12% das mulheres e 8% dos homens

Leia mais

Depressão em mulheres

Depressão em mulheres Depressão em mulheres Por que a depressão é maior em mulheres? O que é depressão? A depressão é um distúrbio de alteração do humor sério e por vezes incapacitante. Causa sentimentos de tristeza, desespero,

Leia mais

VALOR JUSTO APLICADO AOS INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVATIVOS POR BANCOS PÚBLICOS HABILITADOS PARA ATUAR NO MERCADO DE CÂMBIO: A REALIDADE BRASILEIRA

VALOR JUSTO APLICADO AOS INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVATIVOS POR BANCOS PÚBLICOS HABILITADOS PARA ATUAR NO MERCADO DE CÂMBIO: A REALIDADE BRASILEIRA VALOR JUSTO APLICADO AOS INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVATIVOS POR BANCOS PÚBLICOS HABILITADOS PARA ATUAR NO MERCADO DE CÂMBIO: A REALIDADE BRASILEIRA OLIVEIRA, Amauri GonÉalves de 1 RESUMO: Com a expansño

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

IBE. A Alfabetização e o Ambiente Alfabetizador 300. A arte de contar histórias 200. A arte de escrever bem 180. A arte na educação 180

IBE. A Alfabetização e o Ambiente Alfabetizador 300. A arte de contar histórias 200. A arte de escrever bem 180. A arte na educação 180 Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão dos Profissionais da Educação Coordenação de Administração de Pessoas Instituição A Alfabetização e o Ambiente Alfabetizador

Leia mais

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS Caro leitor: O objetivo principal deste Manual de Observação para o Educador: conhecendo melhor a prática profissional

Leia mais

TECNOLOGIAS PARA VOZ SOBRE IP NAS EMPRESAS DO VALE DO SÃO LOURENÇO

TECNOLOGIAS PARA VOZ SOBRE IP NAS EMPRESAS DO VALE DO SÃO LOURENÇO TECNOLOGIAS PARA VOZ SOBRE IP NAS EMPRESAS DO VALE DO SÃO LOURENÇO AMADIO, Renato Arnaut 1 GAVILAN, Jálio Câsar 2 SANTOS, Herlones Wuilles 3 RESUMO: A regiño do Vale do SÑo LourenÉo se caracteriza pela

Leia mais

O EDUCAR E O CUIDAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL: narrativas de professoras

O EDUCAR E O CUIDAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL: narrativas de professoras O EDUCAR E O CUIDAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL: narrativas de professoras A. C. V. R./Professora/SEDUC F. P. T./Professora/UESPI RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar uma pesquisa desenvolvida

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÄÅO NA LOGÇSTICA DA COOPERATIVA MISTA AGROPECUÉRIA DE JUSCIMEIRA MT

A TECNOLOGIA DA INFORMAÄÅO NA LOGÇSTICA DA COOPERATIVA MISTA AGROPECUÉRIA DE JUSCIMEIRA MT A TECNOLOGIA DA INFORMAÄÅO NA LOGÇSTICA DA COOPERATIVA MISTA AGROPECUÉRIA DE JUSCIMEIRA MT CARDOSO, Kize Tamy 1 SANTOS,, Herlones Wuilles dos 2 GAVILAN, Jálio Câsar 3 AMADIO, Renato Arnaut 4 RESUMO: O

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Rui Grilo Tristeza VS Depressão A tristeza é a reacção que temos perante as perdas afectivas na nossa vida; A perda de alguém por morte é tristeza e

Leia mais

Sumário. Prefácio... 7 Nota do autor... 9. Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão...

Sumário. Prefácio... 7 Nota do autor... 9. Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão... Sumário Prefácio... 7 Nota do autor... 9 Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão... 27 Parte 2: Passado doloroso 3. Entenda o passado... 45 4. Lide com

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE CATAGUASES - FIC /UNIS CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL

FACULDADES INTEGRADAS DE CATAGUASES - FIC /UNIS CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL FACULDADES INTEGRADAS DE CATAGUASES - FIC /UNIS CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: INCLUIR E SER INCLUÍDO PARA TRANSFORMAR A SOCIEDADE

Leia mais

REDES ATM - ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE

REDES ATM - ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE REDES ATM - ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE AMADIO, Renato Arnaut 1 GAVILAN, Jálio Câsar 2 SANTOS,, Herlones Wuilles dos 3 RESUMO: Este â resultado de estudos realizados que tinha como objetivo mostrar a necessidade

Leia mais

Comorbidades que podem estar associadas a Dislexia (TDA/TDAH)

Comorbidades que podem estar associadas a Dislexia (TDA/TDAH) Comorbidades que podem estar associadas a Dislexia (TDA/TDAH) Por Ana Luiza Borba Psicóloga e Especialista em Psicopedagogia O aluno com distúrbio de aprendizagem (DA), possui, no plano educacional, um

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA 1 A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA Glória Maria Alves Ferreira Cristofolini RESUMO Sala de aula, lugar de construção do saber, de alegrias e sensibilidades. É assim que penso o verdadeiro sentido

Leia mais

Saúde Mental do Trabalhador. Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família.

Saúde Mental do Trabalhador. Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família. Saúde Mental do Trabalhador Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família. Definição Para a OMS: Saúde é um estado de completo bem-estar físico mental e social,

Leia mais

ANÁLISE DOS DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR E DO EMPREGADO NA CELEBRAÇÃO E NA EXTINÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO DE UMA TRANSPORTADORA DE JACIARA - MT

ANÁLISE DOS DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR E DO EMPREGADO NA CELEBRAÇÃO E NA EXTINÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO DE UMA TRANSPORTADORA DE JACIARA - MT ANÁLISE DOS DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR E DO EMPREGADO NA CELEBRAÇÃO E NA EXTINÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO DE UMA TRANSPORTADORA DE JACIARA - MT GASPARINI, Renata Yanaga Shibukawa 1 OBERSTEINER, Maria

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA (PSE): Saúde e educação integral das crianças, adolescentes e jovens

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA (PSE): Saúde e educação integral das crianças, adolescentes e jovens PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA (PSE): Saúde e educação integral das crianças, adolescentes e jovens O que é o PSE? O PSE é uma política intersetorial do Saúde e do, instituído em 2007, por decreto presidencial.

Leia mais

EDITORIAL EDITORIAL ÍNDICE

EDITORIAL EDITORIAL ÍNDICE EDITORIAL EDITORIAL 1 Sérgio Butka Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba Desde a primeira cartilha lançada pelo Departamento de Saúde do SMC vários problemas que fazem parte do cotidiano

Leia mais

Como lidar com transtornos internalizantes na sala de aula?

Como lidar com transtornos internalizantes na sala de aula? Como lidar com transtornos internalizantes na sala de aula? Rogéria Recondo Psiquiatra da Infância e Adolescência Preceptora em Psiquiatria Infantil no Hospital São Lucas da PUC Professores:cursos de capacitação

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL JUNHO 2013 ÍNDICE ÂMBITO... 3 INTRODUÇÃO... 4 COMO SE MANIFESTA

Leia mais

Escola Profissional Fialho de Almeida - Vidigueira

Escola Profissional Fialho de Almeida - Vidigueira Um (cada um de nós) por todos (os outros) E todos (os outros) por um (nós). O BULLYING É UM FENÓMENO QUE DEIXA MARCAS PARA SEMPRE O bullying caracteriza-se por comportamentos de abuso sistemático de poder,

Leia mais

Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem

Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem Considerações sobre o normal e o patológico Segundo Leticia Lanz: a pessoa é considerada normal quando sua conduta corresponde aos padrões e expectativas do sistema.

Leia mais

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE. Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE. Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo PSICOPATOLOGIA Psicopatologia é uma área do conhecimento que objetiva estudar os estados psíquicos relacionados ao sofrimento mental. É a

Leia mais

V A codependência. 1 Histórico e apresentação

V A codependência. 1 Histórico e apresentação V A codependência 1 Histórico e apresentação Consideramos importante definir o conceito de codependência, em virtude de ele ter alcançado um grande peso no campo dos tratamentos das compulsões. Esse conceito

Leia mais

PARECER TÉCNICO. Núcleo de Apoio à Vítima de Estupro (NAVES) Rua Tibagi, 779, Gabinete 803, Centro, Curitiba PR, telefone 3250-4022.

PARECER TÉCNICO. Núcleo de Apoio à Vítima de Estupro (NAVES) Rua Tibagi, 779, Gabinete 803, Centro, Curitiba PR, telefone 3250-4022. PARECER TÉCNICO Atendendo à solicitação da Procuradora de Justiça Coordenadora do Núcleo de Apoio à Vítima de Estupro (NAVES), Dra. Rosângela Gaspari, eu, Erica A. C. M. Eiglmeier, psicóloga, venho apresentar

Leia mais

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental DEPRESSÃO O que você precisa saber Fênix Associação Pró-Saúde Mental Eu admito que preciso de ajuda, pois sozinho não consigo... (Grupo Fênix: Os 6 Passos para a Recuperação) a 1 Edição São Paulo 2010

Leia mais

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o Psicose pós-parto Pode ir desde uma leve tristeza que desaparece com o passar dos dias até um grau mais grave de depressão onde é necessária uma rápida intervenção médica. Este estágio é chamado de psicose

Leia mais

PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL: CONTRIBUIÇÕES DE UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA

PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL: CONTRIBUIÇÕES DE UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL: CONTRIBUIÇÕES DE UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA Resumo Jéssica Danieli Ramos da Rosa 1 - UNÍNTESE Grupo de trabalho - Psicopedagogia Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL: MUDANÇAS ESTRUTURAIS DO PASSADO AO PRESENTE RUMO AO PROCESSO DE CONVERGÊNCIA AS NORMAS IFRS NO BRASIL

BALANÇO PATRIMONIAL: MUDANÇAS ESTRUTURAIS DO PASSADO AO PRESENTE RUMO AO PROCESSO DE CONVERGÊNCIA AS NORMAS IFRS NO BRASIL BALANÇO PATRIMONIAL: MUDANÇAS ESTRUTURAIS DO PASSADO AO PRESENTE RUMO AO PROCESSO DE CONVERGÊNCIA AS NORMAS IFRS NO BRASIL OLIVEIRA, Amauri GonÉalves de 1 SILVA, Denis Rodrigues 2 RESUMO: O processo de

Leia mais

Agora que já sabemos como funciona a atuação da Psicopedagogia Institucional,

Agora que já sabemos como funciona a atuação da Psicopedagogia Institucional, Psicopedagogia institucional na escola: desafios e processos Agora que já sabemos como funciona a atuação da Psicopedagogia Institucional, vamos nos deter na atuação psicopedagógica institucional escolar

Leia mais

RETARDO MENTAL (OLIGOFRENIAS)

RETARDO MENTAL (OLIGOFRENIAS) RETARDO MENTAL (OLIGOFRENIAS) XIII - TRATAMENTO I DEFINIÇÃO II INTELIGÊNCIA III FATORES ETIOLÓGICOS IV EPIDEMIOLOGIA V - DIAGNÓSTICO DO RETARDO MENTAL NA CRIANÇA VI - CLASSIFICAÇÃO VII - FORMAS ETIOLÓGICAS

Leia mais

IDEAÇÃO E/OU TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA BEM COMO A UTILIZAÇÃO DE FÁRMACOS EM JOVENS DEPRESSIVOS

IDEAÇÃO E/OU TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA BEM COMO A UTILIZAÇÃO DE FÁRMACOS EM JOVENS DEPRESSIVOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 IDEAÇÃO E/OU TENTATIVA DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA BEM COMO A UTILIZAÇÃO DE FÁRMACOS EM JOVENS DEPRESSIVOS Suzane da Costa 1 ; Daniele Custódio de Oliveira

Leia mais

Cuidados Paliativos em Câncer

Cuidados Paliativos em Câncer Cuidados Paliativos em Câncer Temos assistido nas últimas décadas a um envelhecimento progressivo da população, assim como o aumento da prevalência do câncer. O avanço tecnológico alcançado, associado

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL

CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL Ana Paula Fernandes de Lima Larissa de Medeiros Luana Ferreira Maristela Oliveira. Carla Villwock Resumo: O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE PSICOLOGIA ENSINO MÉDIO

PLANEJAMENTO ANUAL DE PSICOLOGIA ENSINO MÉDIO PLANEJAMENTO ANUAL DE PSICOLOGIA ENSINO MÉDIO DOCENTE: Luciana Armesto Pedrassi ANO:2013 Para Marcel Proust: O verdadeiro ato da descoberta não consiste em encontrar novas terras, mas, sim, em vê-las com

Leia mais

Stress. Saúde Mental. ão.

Stress. Saúde Mental. ão. Saúde Mental Stress Se dura o tempo necessário para proteger o organismo de uma situação de risco, é saudável. Quando passa dias e dias sem controle, vira doença. O Stress, além de ser ele próprio e a

Leia mais

CRIANÇAS COM TRANSTORNO DE ANSIEDADE E SUAS POSSIBILIDADES DE APRENDIZAGEM NA ESCOLA POR MEIO DA DESCENTRAÇÃO

CRIANÇAS COM TRANSTORNO DE ANSIEDADE E SUAS POSSIBILIDADES DE APRENDIZAGEM NA ESCOLA POR MEIO DA DESCENTRAÇÃO CRIANÇAS COM TRANSTORNO DE ANSIEDADE E SUAS POSSIBILIDADES DE APRENDIZAGEM NA ESCOLA POR MEIO DA DESCENTRAÇÃO Geiva Carolina Calsa (DTP/UEM) Telma Cristina Amaral (PG/UEM) Mariana Costa do Nascimento (G/UEM)

Leia mais

DISLEXIA: DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO SOB O OLHAR DA PSICOPEDAGOGIA, FONOAUDIOLOGIA E NEUROLOGIA

DISLEXIA: DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO SOB O OLHAR DA PSICOPEDAGOGIA, FONOAUDIOLOGIA E NEUROLOGIA DISLEXIA: DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO SOB O OLHAR DA PSICOPEDAGOGIA, FONOAUDIOLOGIA E NEUROLOGIA Jaime Luiz Zorzi No o 8º Congresso Brasileiro de Psicopedagogia que acontecerá em São Paulo de 09 a 11 de

Leia mais

REVELAÇÃO DIAGNÓSTICA. Eliana Galano Psicóloga Ambulatório de Pediatria CEADIPE - CRT-DST/AIDS - SP

REVELAÇÃO DIAGNÓSTICA. Eliana Galano Psicóloga Ambulatório de Pediatria CEADIPE - CRT-DST/AIDS - SP REVELAÇÃO DIAGNÓSTICA Eliana Galano Psicóloga Ambulatório de Pediatria CEADIPE - CRT-DST/AIDS - SP Cenário Eficácia dos esquemas terapêuticos Aumento do número de crianças que atingem a idade escolar e

Leia mais

CONVIVENDO COM O LÚPUS

CONVIVENDO COM O LÚPUS CONVIVENDO COM O LÚPUS Dr. Jean-Luc Senecal Aprender a viver com o lúpus é semelhante a todas as outras coisas da vida. Alguns deverão exercitar-se e este aprendizado não se faz da noite para o dia. A

Leia mais

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 PROJETO MEU TEMPO DE CRIANÇA Missão Visão Valores Colaborar com a importante tarefa de educar as crianças, nesse momento único de suas jovens vidas, onde os

Leia mais

REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio

REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio REAÇÕES E SENTIMENTOS DE FAMILIARES frente ao suicídio TERAPIA DO LUTO Profa. Dra. Angela Maria Alves e Souza Enfermeira-Docente-UFC o suicídio desencadeia o luto mais difícil de ser enfrentado e resolvido

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010 PROJETO DE LEI Nº 157/2010 A semana de conscientização sobre transtornos de aprendizagem, no âmbito do Estado do Espírito Santo. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Fica

Leia mais

o intuito de resolver problemas ligados à aprendizagem / estimulação. AVALIAÇÃO DO PERFIL E DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR:

o intuito de resolver problemas ligados à aprendizagem / estimulação. AVALIAÇÃO DO PERFIL E DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR: Glossário ALUCINAÇÕES: Experiências perceptivas (sensações) tomadas por reais na ausência de estímulo externo correspondente. Para o doente é impossível distinguir as alucinações das verdadeiras percepções.

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Pedagogia Trabalho de Conclusão de Curso INDISCIPLINA ESCOLAR SUAS CAUSAS E ALTERNATIVAS DE SOLUÇÃO

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Pedagogia Trabalho de Conclusão de Curso INDISCIPLINA ESCOLAR SUAS CAUSAS E ALTERNATIVAS DE SOLUÇÃO 0 Pró-Reitoria de Graduação Curso de Pedagogia Trabalho de Conclusão de Curso INDISCIPLINA ESCOLAR SUAS CAUSAS E ALTERNATIVAS DE SOLUÇÃO Margarida Fernandes de Sousa Graciano Autora: Cristiane Pereira

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA E SEUS REFLEXOS NA PRÁTICA DOS EDUCADORES RESUMO

FORMAÇÃO CONTINUADA E SEUS REFLEXOS NA PRÁTICA DOS EDUCADORES RESUMO FORMAÇÃO CONTINUADA E SEUS REFLEXOS NA PRÁTICA DOS EDUCADORES Joanilson Araújo Ferreira 1 RESUMO O presente estudo traz à tona reflexões referentes à formação docente, tanto formação inicial quanto formação

Leia mais

PSICOTERAPIA INFANTIL

PSICOTERAPIA INFANTIL PSICOTERAPIA INFANTIL Claudia Ribeiro Boneberg 1 Demarcina K. Weinheimer 2 Ricardo Luis V. de Souza 3 Ramão Costa 4 Me. Luiz Felipe Bastos Duarte 5 1 TEMA Psicoterapia psicanalítica infantil 1.1 DELIMITAÇÃO

Leia mais

Transtorno Bipolar. Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor

Transtorno Bipolar. Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor Transtorno Bipolar Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor Introdução * O transtorno bipolar (TBP) é uma condição psiquiátrica relativamente freqüente, ente, com prevalência na

Leia mais

ESTIMULAÇÃO DE BEBÊS E ATUAÇÃO DO PSICOLOGO ESCOLAR

ESTIMULAÇÃO DE BEBÊS E ATUAÇÃO DO PSICOLOGO ESCOLAR 699 ESTIMULAÇÃO DE BEBÊS E ATUAÇÃO DO PSICOLOGO ESCOLAR Uliane Marcelina de Freitas Almeida (Unifran) Tatiana Machiavelli Carmo Souza (Unifran) INTRODUÇÃO O seguinte estudo teve início através de um primeiro

Leia mais

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS.

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. Ângela Mari Rauth 1, Arlinda Jesus Sampaio¹,

Leia mais

PEDAGOGIA EM ESPAÇOS SOCIAIS: OLHARES E REFLEXÕES EM CAMPOS DE ESTÁGIO¹

PEDAGOGIA EM ESPAÇOS SOCIAIS: OLHARES E REFLEXÕES EM CAMPOS DE ESTÁGIO¹ PEDAGOGIA EM ESPAÇOS SOCIAIS: OLHARES E REFLEXÕES EM CAMPOS DE ESTÁGIO¹ ALVES, T. C.²; RENK, E. F.³; LEÃO, T.J.E. 4 ¹ Trabalho desenvolvido na disciplina de Estágio Curricular Supervisionado II Espaços

Leia mais

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Graziela Silva do Nascimento Discente do curso de Enfermagem da UFPB. E-mail: graziela_nascimento_@hotmail.com

Leia mais

Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas. Carmen Lúcia de A. santos

Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas. Carmen Lúcia de A. santos Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Carmen Lúcia de A. santos 2011 Nosologia e Psicopatologia "Psico-pato-logia" "psychê" = "psíquico", "alma" "pathos" = "sofrimento, "patológico" "logos" "lógica",

Leia mais

Prólogo 1. O que é o déficit de atenção? 2. Quais são as principais manifestações? 3. Como podemos identificar e modificar? 4. Déficit de atenção

Prólogo 1. O que é o déficit de atenção? 2. Quais são as principais manifestações? 3. Como podemos identificar e modificar? 4. Déficit de atenção Sumário Prólogo 1. O que é o déficit de atenção? 1 1.1. O que é o déficit de atenção com ou sem hiperatividade? 2 1.1.1. Evolução cronológica 2 2. Quais são as principais manifestações? 9 2.1. Quais são

Leia mais

VIAGEM BIOGRÁFICA AO SEU MUNDO INTERIOR. Por VIVIANE RIBEIRO

VIAGEM BIOGRÁFICA AO SEU MUNDO INTERIOR. Por VIVIANE RIBEIRO VIAGEM BIOGRÁFICA AO SEU MUNDO INTERIOR Por VIVIANE RIBEIRO VIAGEM BIOGRÁFICA AO SEU MUNDO INTERIOR Por VIVIANE RIBEIRO SUMÁRIO SUMÁRIO Introdução... 04 Boas-vindas e bases dos exercícios Preparativos...

Leia mais

Unidade: As áreas de atuação em Psicopedagogia. Unidade I:

Unidade: As áreas de atuação em Psicopedagogia. Unidade I: Unidade: As áreas de atuação em Psicopedagogia. Unidade I: 0 Unidade: As áreas de atuação em Psicopedagogia. AS ÁREAS DE ATUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Para Nadia A. Bossa(2007) o campo de atuação em psicopedagogia

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 DICAS PARA MELHORAR O SONO Dormir bem pode fazer toda a diferença para ir bem em uma prova, ser mais criativo no trabalho e manter uma boa memória. O sono é essencial para manter uma rotina saudável,

Leia mais

Estruturas das Sessões em TCC

Estruturas das Sessões em TCC Estruturas das Sessões em TCC Eliana Melcher Martins - Mestre em Ciências pelo Depto. de Psicobiologia da UNIFESP - Especialista em Medicina Comportamental pela UNIFESP - Psicóloga Clínica Cognitivo Comportamental

Leia mais

Estas palavras ainda tocam profundamente almas sensíveis, especialmente aquelas que vivenciam momentos de aflição ou cansaço emocional.

Estas palavras ainda tocam profundamente almas sensíveis, especialmente aquelas que vivenciam momentos de aflição ou cansaço emocional. Vinde a mim, todos vós que estais aflitos e sobrecarregados, que eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei comigo que sou brando e humilde de coração e achareis repouso para vossas almas,

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

CASOS CLÍNICOS PARA ESTUDO DIRIGIDO

CASOS CLÍNICOS PARA ESTUDO DIRIGIDO CASOS CLÍNICOS PARA ESTUDO DIRIGIDO Caros alunos, Estou encaminhando estes casos clínicos para estudo dirigido durante as supervisões. Em cada caso abaixo procure definir: 1. Hipóteses diagnósticas 2.

Leia mais

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH)

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Depressão e Espiritualidade Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Conceitos Tristeza emoção natural. Resposta à frustração, decepção ou fracasso.

Leia mais

O OLHAR DA TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL E DA TEORIA DE BASE PSICANALÍTICA SOBRE PACIENTES HIPERTENSOS NO CONTEXTO HOSPITALAR

O OLHAR DA TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL E DA TEORIA DE BASE PSICANALÍTICA SOBRE PACIENTES HIPERTENSOS NO CONTEXTO HOSPITALAR O OLHAR DA TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL E DA TEORIA DE BASE PSICANALÍTICA SOBRE PACIENTES HIPERTENSOS NO CONTEXTO HOSPITALAR ¹Marcela da Costa Garcia, FADAP/FAP ²José Carlos Scaliante Junior, FADAP/FAP

Leia mais

PREVENÇÃO DE RECAÍDA

PREVENÇÃO DE RECAÍDA PREVENÇÃO DE RECAÍDA Alessandro Alves Noventa por cento do sucesso se baseia simplesmente em insistir. Woody Allen A recaída tem sido descrita tanto como um resultado a visão dicotômica de que a pessoa

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA O USO DO COMPUTADOR NUM PERÍODO DE TRANSIÇÃO PARADIGMÁTICA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA O USO DO COMPUTADOR NUM PERÍODO DE TRANSIÇÃO PARADIGMÁTICA - 1 - A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA O USO DO COMPUTADOR NUM PERÍODO DE TRANSIÇÃO PARADIGMÁTICA Tecnologias e Mídias Educacionais Marilei Andrade S. Bülow Mestranda em Educação PUCPR Elizete Lúcia Matos

Leia mais